Principais impropriedades detectadas pela Secretaria de Fiscalização nos Sistemas de Controle Interno

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Principais impropriedades detectadas pela Secretaria de Fiscalização nos Sistemas de Controle Interno"

Transcrição

1

2 Principais impropriedades detectadas pela Secretaria de Fiscalização nos Sistemas de Controle Interno

3 Resumo dos subsistemas de controle 1. Licitações e contratos 2. Financeiro 3. Arrecadação e receita 4. Patrimônio e almoxarifado 5. Contabilidade 6. Transportes 7. Recursos humanos 8. Educação 9. Saúde 10. Assistência social 11. Previdência social (RPPS)

4 3. Arrecadação e receita

5 3. Arrecadação e receita Cadastro completo dos imóveis. Cadastros de contribuintes desatualizados Cadastro completo das empresas, profissionais autônomos e prestadores de serviços.

6 3. Arrecadação e receita Omissão de lançamentos, aplicação de alíquotas errôneas, baixas indevidas no pagamento de tributos. Controles de lançamento de tributos; Normatização do fluxo de arrecadação de receitas; Segregação de funções (lançamento, arrecadação, recolhimento e controle).

7 3. Arrecadação e receita Inexistência de estrutura de fiscalização da arrecadação de tributos municipais Implantação de um órgão ou setor destinado ao exercício das funções de fiscalização. Inexistência de controle da dívida ativa tributária do município Implantação de controle da dívida ativa tributária

8 4. Patrimônio e almoxarifado

9 4. Patrimônio e almoxarifado Inexistência de controle de entrada, saída e estoques de materiais de consumo Inexistência de controle de material permanente Controle da entrada, estoque e saída de materiais (almoxarifado); Controle de saída: especificar destinação dos bens. Implantação de registro de bens patrimoniais; Identificação dos bens com número de tombamento; Inventário anual.

10 5. Contabilidade

11 5. Contabilidade Inexistência dos Livros de Controle Orçamentário, Diário, Razão, Caixa e outros Exigir a confecção dos livros e registros contábeis; Comunicar ao gestor e ao TCM quaisquer irregularidades não sanadas. Balancetes incompletos, sem numeração e assinaturas Balancetes devem conter todos os demonstrativos relacionados na IN 15/12.

12 6. Transportes

13 6. Transportes Cadastro de veículos incompleto e desatualizado Inexistência ou deficiência do controle de abastecimentos Implantar cadastro de todos veículos que abastecem com recursos do município Normatização de fluxo de controle de abastecimentos; Segregação de funções: autorização, execução, registro e controle; Registro de dados completos dos abastecimentos.

14 6. Transportes Inexistência de controle de utilização de veículos Planilhas com dados de deslocamentos por veículo Identificação de veículos com adesivos nas portas e o pernoite em garagens do município Inexistência de controle de manutenção de veículos Implantar controle de manutenções realizadas

15 7. Gestão de pessoas

16 7. Recursos humanos Cadastro de pessoal desatualizado e incompleto Exigir manutenção de cadastro de servidores completo Exigir a formalização e arquivamento de atos de lotação de servidores em unidades técnicas Ausência ou deficiência do controle de frequência de servidores Implantar controles de frequência para servidores Normatizar o controle de frequência Estabelecer procedimentos de verificação do controle de frequência

17 8. Educação

18 8. Educação Ausência de controle de utilização de gêneros alimentícios para merenda escolar Implantação de controles de entrada, saída e estoque. Saídas com especificação do destino dos alimentos Implantação de controles de utilização de alimentos nas unidades escolares Elaboração de fichas técnicas das refeições do cardápio escolar

19 8. Educação Ausência de controle da execução de serviços de transporte escolar Controle de execução dos serviços por servidor formalmente designado Implantação de controle de manutenções preventivas e inspeções veiculares Implantar ouvidoria para receber críticas e sugestões dos usuários

20 9. Saúde

21 9. Saúde Implantação de controles de entrada, saída e estoque. Ausência de controle de medicamentos, materiais hospitalares e odontológicos Controles de saídas de medicamentos: arquivamento de receitas médicas, identificação do paciente, etc. Controles de estoque: data de validade, inventários para conferência da posição do estoque

22 10. Assistência social

23 10. Assistência social Ausência de controle de doações de material de consumo à população carente Implantação de cadastro completo das famílias carentes do município Implantação de controle de distribuição de bens consumíveis

24 11. Previdência social (RPPS)

25 11. Previdência social (RPPS) Ausência de realização de avaliações atuariais Exigir a elaboração das avaliações atuariais periódicas no prazo legal Ausência de controle quanto à arrecadação de contribuições previdenciárias Implantação de controle de pagamentos de contribuições previdenciárias Comunicar ao TCM e demais órgãos competentes os casos de inadimplência

26

27

28

29

30

31

32

33

34

35

36

37

38

39 Obrigado! Rubens Custódio Pereira Neto Chefe de Divisão Secretaria de Fiscalização (62) /6261

Impropriedades detectadas pela Secretaria de Fiscalização nos Sistemas de Controle Interno Goiânia, novem

Impropriedades detectadas pela Secretaria de Fiscalização nos Sistemas de Controle Interno Goiânia, novem Impropriedades detectadas pela nos Sistemas de Controle Interno Goiânia, novem Planejamento de aquisições de bens e serviços Fracionamento de despesas para realização de compras diretas ou adoção de licitação

Leia mais

GESTÃO DE PATRIMÔNIO E DE MATERIAIS: Irregularidades verificadas pela Secretaria de Fiscalização do TCM/GO

GESTÃO DE PATRIMÔNIO E DE MATERIAIS: Irregularidades verificadas pela Secretaria de Fiscalização do TCM/GO GESTÃO DE PATRIMÔNIO E DE MATERIAIS: Irregularidades verificadas pela Secretaria de Fiscalização do TCM/GO Fases do processo da despesa com bens patrimoniais Incorporação, movimentação, inventário e baixa

Leia mais

implantado nas áreas administrativa, contábil, financeira, pessoal e tributária. Meta: Programa integrado de gestão municipal

implantado nas áreas administrativa, contábil, financeira, pessoal e tributária. Meta: Programa integrado de gestão municipal PROGRAMA: 003 - ADIMINISTRAR PARA CRESCER OBJETIVO: Modernizar a administração municipal; Valorizar o servidor público; Adequar o quadro funcional; Elevar a arrecadação da receita própria; e Promover a

Leia mais

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00 ANEXO I PREGÃO Nº 2012.12.12.1 TERMO DE REFERÊNCIA Com a especificação dos serviços de assessoria, consultoria, execução contábil, justificativas, defesas e recursos de processos administrativos junto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUAS FRIAS CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 001/2015 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUAS FRIAS CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 001/2015 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ASSITENTE SOCIAL: Planejar, coordenar, controlar e avaliar programas e projetos na área do Serviço Social aplicados a indivíduos, grupos e comunidades. Elaborar e /ou participar

Leia mais

Sistema de Informações Gerenciais (Roteiro de Demonstração)

Sistema de Informações Gerenciais (Roteiro de Demonstração) #.1.1 Disponibilizar informações de interesse do administrador, através de integração com diversos sistemas da administração municipal; Arquivos > Customização do Sistema #.1.2 #.1.3 #.1.4 #.1.5 Permitir

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010)

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) Aprova Regimento Interno da Pró-Reitoria de Administração PROAD. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

O CONTROLE EXTERNO E INTERNO NOS MUNICÍPIOS

O CONTROLE EXTERNO E INTERNO NOS MUNICÍPIOS O CONTROLE EXTERNO E INTERNO NOS MUNICÍPIOS Assim dispõe a Constituição Federal: Art. 31 - A fiscalização do Município sera exercida pelo Poder Legislativo Municipal, mediante controle externo, e pelos

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

02.10 PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES 02.10.01 INTRODUÇÃO

02.10 PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES 02.10.01 INTRODUÇÃO 02.10 PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES 02.10.01 INTRODUÇÃO A normatização dos procedimentos contábeis relativos a provisões, passivos contingentes e ativos contingentes foi elaborada

Leia mais

DECRETO 011 / 2012. ATENDER aos dispositivos da Portaria nº 828, de 14 de dezembro de 2011, da Secretaria do Tesouro Nacional, e;

DECRETO 011 / 2012. ATENDER aos dispositivos da Portaria nº 828, de 14 de dezembro de 2011, da Secretaria do Tesouro Nacional, e; DECRETO 011 / 2012 Institui o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público MCASP.

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa.

também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa. A também é chamada de e tem como objetivo principal analisar se todas as obrigações tributárias estão sendo seguidas corretamente em uma empresa. É responsável pelo controle e bom andamento dos procedimentos

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE IGREJINHA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE IGREJINHA DECRETO N.º 3.543, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Execução das Atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS DO SUL DECRETO Nº 1.700

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS DO SUL DECRETO Nº 1.700 DECRETO Nº 1.700 700/20 2012. Institui o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

33201 - Instituto Nacional do Seguro Social

33201 - Instituto Nacional do Seguro Social Quadro Síntese - Função, Subfunção e Programa Total Órgão Total Unidade Função Total Subfunção Total Programa Total 09. Previdência Social 5.338.121.201 122. Administração Geral 1.919.387.533 0083. Previdência

Leia mais

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS.

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. 01. ADVOGADO Assessorar os vereadores na elaboração de proposições complexas que exijam conhecimentos especializados de técnica legislativa, nos projetos de lei, decreto

Leia mais

DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013.

DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013. DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013. Altera o Decreto nº 016/2012, que instituiu o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS LEI N o 1.633 DE 14 DE JANEIRO DE 2013. DEFINE A NOVA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO DE CAIAPÔNIA E DETERMINA OUTRAS PROVIDÊNCIAS A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO

Leia mais

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS E ATUARIAS NOS RPPS. Professor João Eudes Bezerra Filho

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS E ATUARIAS NOS RPPS. Professor João Eudes Bezerra Filho PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS E ATUARIAS NOS RPPS Professor João Eudes Bezerra Filho DIAGNÓSTICO: CENÁRIO ATUAL DIMENSÃO CONTABILIDADE PATRIMONIAL ATIVO FINANCEIRO ATIVO FINANCEIRO Disponível Caixa (Tesouraria)

Leia mais

Anexo III Ato de Encerramento do Exercício de 2014

Anexo III Ato de Encerramento do Exercício de 2014 UNIDADES RESPONSÁVEIS PARA ENTREGA DOS ITENS DO ANEXO 05 DA IN TCE/ES nº 28/2013 A COMISSÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS Item Nome Descrição RESPONSÁVEL 1 MENSAG 2 ROLRES 3 RELGES 4 RELUCI 5 PROEXE Mensagem

Leia mais

ESTRUTURA ADMINISTRATIVA. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado

ESTRUTURA ADMINISTRATIVA. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado ESTRUTURA ADMINISTRATIVA Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado LEGISLAÇÃO ADMINISTRATIVA BÁSICA Estrutura administrativa Estatuto dos servidores Estatuto do magistério PCS dos servidores comissionados PCS dos

Leia mais

Prof. Msc.: Vitor Maciel dos Santos

Prof. Msc.: Vitor Maciel dos Santos Prof. Msc.: Vitor Maciel dos Santos Orientações Estratégicas para a Contabilidade Aplicada ao Setor Público no Brasil Aspectos práticos da CASP e a importância da estruturação setorial PREMISSAS Orientações

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Salvador, Bahia Sexta-Feira 21 de novembro de 2014 Ano XCIX N o 21.577 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, sobre a realização

Leia mais

Auditoria nos RPPS RECOMENDAÇÕES

Auditoria nos RPPS RECOMENDAÇÕES RECOMENDAÇÕES 1. CRIAÇÃO DE UMA ESTRUTURA MÍNIMA PARA ATENDER AS DEMANDAS DO RPPS 2. MANTER ARQUIVO SEPARADO DOS DOCUMENTOS DO RPPS RESUMO DAS FOLHAS DE PAGAMENTOS DOS SERVIDORES ATIVOS, INATIVOS E PENSIONISTAS

Leia mais

PROGRAMA DE FORTALECIMENTO DA GESTÃO MUNICIPAL FALHAS CONSTATADAS POR ÁREA DA GESTÃO

PROGRAMA DE FORTALECIMENTO DA GESTÃO MUNICIPAL FALHAS CONSTATADAS POR ÁREA DA GESTÃO PROGRAMA DE FORTALECIMENTO DA GESTÃO MUNICIPAL FALHAS CONSTATADAS POR ÁREA DA GESTÃO OBJETIVOS CONHECER AS PRINCIPAIS FALHAS POR ÁREAS DA GESTÃO PREVENIR A OCORRÊNCIA FUTURA DESSAS FALHAS APRESENTAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO PAULISTA SECRETARIA DE FINANÇAS

PREFEITURA MUNICIPAL DO PAULISTA SECRETARIA DE FINANÇAS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS ESPECÍFICOS - PARTE III DO MCASP Registro de Procedimentos Contábeis Específicos - FUNDEB Transferências de Recursos e Despe- Contabilização do FUNDEB sas do FUNDEB contabilizados

Leia mais

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais,

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012 Dispõe sobre procedimentos e prazos relativos ao encerramento do exercício de 2012 e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

DIVISÃO DE CONTROLE E ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO - DICAMP

DIVISÃO DE CONTROLE E ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO - DICAMP MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO DIVISÃO DE CONTROLE E ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO - DICAMP A DICAMP - Divisão de Controle e Administração de Material

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/8 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e normatizar os procedimentos operacionais na administração de recursos humanos; 1.2) Garantir maior segurança na admissão e exoneração de pessoal; 1.3) Manter atualizado

Leia mais

ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003.

ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003. ANEXO I PEÇAS EXIGIDAS PELAS IN/TCU Nº 47, DE 2004, DN/TCU Nº 62, DE 2004, IN/SFC Nº 2, DE 2000, E NE/SFC Nº 2, DE 2003. Discriminação da peça I Rol de Responsáveis, assinado pela Diretoria Colegiada,

Leia mais

ENCERRAMENTO DE MANDATO. Heraldo da Costa Reis Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ.

ENCERRAMENTO DE MANDATO. Heraldo da Costa Reis Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ. ENCERRAMENTO DE MANDATO Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ. No ano em curso de 2008, dois fatos ocuparão as nossas atenções: O encerramento dos mandatos dos atuais prefeitos,

Leia mais

TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS TTD Anexo II da Instrução Normativa nº 02, publicada no DOE de 22 de maio de 2014 páginas 18 a 32.

TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS TTD Anexo II da Instrução Normativa nº 02, publicada no DOE de 22 de maio de 2014 páginas 18 a 32. TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS TTD Anexo II da Instrução Normativa nº 02, publicada no DOE de 22 de maio de 2014 páginas 18 a 32. FUNÇÃO 1: Desenvolver diretrizes e políticas de fomento e desenvolvimento

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

BALANÇO DE ABERTURA www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos e Jurídicos Goiânia - Goiás - 21/08/2013

BALANÇO DE ABERTURA www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos e Jurídicos Goiânia - Goiás - 21/08/2013 SINDICATO DOS CONTABILISTAS ESTADO GOIÁS CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE DE GOIÁS CONVÊNIO CRC-GO / SCESGO BALANÇO DE ABERTURA www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI. Dulcineia L. D. Santos

Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI. Dulcineia L. D. Santos Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI Dulcineia L. D. Santos Sistema Público de Escrituração Digital SPED Decreto n. 6.022, de 22/01/2007. Objetivos do SPED: unificar as atividades de recepção, validação,

Leia mais

Documento de Visão Sistema de Arrecadação de IPTU - SAI

Documento de Visão Sistema de Arrecadação de IPTU - SAI Sistema de Arrecadação de IPTU - SAI Versão 1.1R01 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor (es) 12/08/2008 1.0 Documento inicial Márcio Roehe 26/08/2008 1.1 Revisão Ajustes e complementação Roberto

Leia mais

Contexto do BI (Business Intelligence) para uma EFPC. Palestrantes: Luzimar Azevedo Lucas Leal

Contexto do BI (Business Intelligence) para uma EFPC. Palestrantes: Luzimar Azevedo Lucas Leal Contexto do BI (Business Intelligence) para uma EFPC Palestrantes: Luzimar Azevedo Lucas Leal 2 Qual o valor da informação para uma EFPC? Como gerenciar toda a informação de uma entidade? Qual o seu modelo

Leia mais

O ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA LEI 026/2001

O ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA LEI 026/2001 O ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA LEI 026/2001 Dispõe sobre a criação da estrutura administrativa da Prefeitura municipal de Colniza MT., e dá outras providências. Nelci Capitani,

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015.

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MORMAÇO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio

Leia mais

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB pelo órgão de Controle Interno no âmbito da União (Controladoria Geral da União

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN ROTINAS ADMINISTRATIVAS PROPLAN SETOR: Pró-Reitoria CARGO: Docente / TNS FUNÇÃO: Pró-Reitor

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25/2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25/2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25/2007 Dispõe sobre a entrega, o envio e a disponibilização dos dados e das informações em meio informatizado, que os responsáveis pelos órgãos ou entidades da administração direta

Leia mais

Simone Reinholz Velten

Simone Reinholz Velten Determinantes da rejeição das prestações de contas anuais dos municípios capixabas pelo Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo Simone Reinholz Velten Autonomia do Controle Externo Tribunais de

Leia mais

DECRETO N.º 098/12 DE 16 DE MAIO DE 2012

DECRETO N.º 098/12 DE 16 DE MAIO DE 2012 DECRETO N.º 098/12 DE 16 DE MAIO DE 2012 INSTITUI o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada

Leia mais

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE PATRIMÔNIO CONCEITO: Compreende o conjunto de bens, direitos e obrigações avaliáveis em moeda corrente, das entidades que compõem a Administração Pública.

Leia mais

AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO

AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO AUDITORIA FISCO-CONTÁBIL DAS DEMONSTRAÇÕES ELETRÔNICAS COMPLIANCE FISCAL ELETRÔNICO Nossos serviços de auditoria das Obrigações Eletrônicas utilizam ferramentas que permitem auditar os arquivos enviados

Leia mais

Prof. Dr. Targino de Araújo Filho Reitor

Prof. Dr. Targino de Araújo Filho Reitor UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Gabinete do Reitor Via Washington Luís, km 235 Caixa Postal 676 13565-905 São Carlos SP - Brasil Fones: (16) 3351-8101/3351-8102 Fax: (16) 3361-4846/3361-2081 E-mail:

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fl. 19 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 23 Data 30 de agosto de 2013 Origem COORDENAÇÃO GERAL DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO E JUDICIAL COCAJ ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO. São Gonçalo, 14 de dezembro de 2005

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO. São Gonçalo, 14 de dezembro de 2005 O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO São Gonçalo, 14 de dezembro de 2005 Diagnóstico do Regime Próprio / IPASG (Administrativo, Operacional, Jurídico, Atuarial); Adoção de um Modelo

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2003

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2003 RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2003 O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 95 e o inciso II do art. 97 da Constituição Estadual, bem assim o inciso II, do

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno INSTRUÇÃO NORMATIVA UCCI 001/2014 Versão 01 ASSUNTO: Instrução Normativa

Leia mais

Alterações Efetuadas no Sistema

Alterações Efetuadas no Sistema Alterações Efetuadas no Sistema 2014 - Alterações efetuadas na versão 10.02 1) Correção CON 250 - Verifica a existência do Arquivo Texto com a natureza Plano de Trabalho para Convênio (Alerta); 2) Correção

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA 1 de 10 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA CERTIFICADO Nº :201108660 UNIDADE AUDITADA :110008 - MINISTERIO DA PESCA E

Leia mais

SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA

SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA A EMPRESA A Lexsom é uma empresa especializada em soluções de informática com atuação no mercado nacional desde 1989, tem como principal foco o desenvolvimento integrado

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 01/2015 EDITAL COMPLEMENTAR Nº 01 O CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CRMV-MG

Leia mais

Faço saber que a Câmara de Vereadores aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara de Vereadores aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: LEI MUNICIPAL Nº 1833/2015. AUMENTA O NÚMERO DE CARGOS EM COMISSÃO, CRIA PADRÃO DE VENCIMENTO E FUNÇÕES GRATIFICADAS NO QUADRO DE CARGOS E FUNÇÕES PÚBLICAS DO MUNICÍPIO, E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO

Leia mais

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente:

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Assunto: Procedimentos contábeis, administrativos e patrimoniais para o fechamento das contas do exercício de 2011 e abertura das contas de 2012. Dentro

Leia mais

Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI

Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Amigos e amigas visitantes do Ponto dos Concursos! Desejo muita paz e tranqüilidade a todos os

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CAXAMBU DO SUL ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CAXAMBU DO SUL ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS OPERADOR DE MÁQUINAS Providenciar a lavação, o abastecimento e a lubrificação da máquina; efetuar pequenos reparos na máquina sob sua responsabilidade; dirigir máquinas

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

Apontamentos Controle Interno e Externo

Apontamentos Controle Interno e Externo Apontamentos Controle Interno e Externo Recomendações e determinações exauridas pela Auditoria Geral do Estado e Tribunal de Contas 2010 - Comentários gerais Estado de Mato Grosso Esta apresentação tem

Leia mais

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC.

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC. 1 ANEXO III - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 MODELOS E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS SÃO AS EXTRAÍDAS DOS LIVROS, REGISTROS E

Leia mais

PATRIMÔNIO E CONTROLE INTERNO DE ACORDO COM AS NORMAS BRASILEIRAS DE AO SETOR PÚBLICO NBCASP. Palestrante: Prof. Milton Mendes Botelho

PATRIMÔNIO E CONTROLE INTERNO DE ACORDO COM AS NORMAS BRASILEIRAS DE AO SETOR PÚBLICO NBCASP. Palestrante: Prof. Milton Mendes Botelho PATRIMÔNIO E CONTROLE INTERNO DE ACORDO COM AS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBCASP. Palestrante: Prof. Milton Mendes Botelho Conselheiro do CRCMG e Membro da Academia

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA 28576_ LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 PERGUNTAS E RESPOSTAS Este documento é de caráter meramente

Leia mais

ÍNDICE RELATÓRIO DE GESTÃO 1 DADOS GERAIS SOBRE A UNIDADE JURISDICIONADA 01 2 OBJETIVOS E METAS 09 2.1 Identificação dos Programas de Governo 09 2.2 Descrição das Ações que compõem os programas que a ANEEL

Leia mais

TMS 2014 Gestão do ISS CCR SSR - SGE

TMS 2014 Gestão do ISS CCR SSR - SGE CCR SSR - SGE TMS de 2014 Objetivo Verificar as condições de organização e funcionamento do controle do ISS TMS de 2014 Razões da escolha 74% dos municípios não realizaram ações fiscais em 2012 (Del. 247/08)

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

LEI Nº0131/97 ESTABELECE A NOVA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA BÁRBARA DO LESTE MINAS GERAIS.

LEI Nº0131/97 ESTABELECE A NOVA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA BÁRBARA DO LESTE MINAS GERAIS. LEI Nº0131/97 ESTABELECE A NOVA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA BÁRBARA DO LESTE MINAS GERAIS. A Câmara Municipal de Santa Bárbara do Leste, por seus representantes aprovou e

Leia mais

Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013

Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013 Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013 Dispõe sobre as diretrizes e os procedimentos de auditoria a serem adotados pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul,

Leia mais

RELATÓRIO DO INVENTÁRIO FÍSICO DE BENS PATRIMONIAIS DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CASSIANO ANTÔNO MORAES - HUCAM

RELATÓRIO DO INVENTÁRIO FÍSICO DE BENS PATRIMONIAIS DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CASSIANO ANTÔNO MORAES - HUCAM RELATÓRIO DO INVENTÁRIO FÍSICO DE BENS PATRIMONIAIS DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CASSIANO ANTÔNO MORAES - HUCAM MARÇO - 2013 1 INTRODUÇÃO O Inventário consiste no levantamento e identificação de bens visando

Leia mais

Ver artigo sobre as Especializações em Contabilidade e as Considerações sobre a Especialização em Contabilidade. Ver ainda a Resolução CFC 560.

Ver artigo sobre as Especializações em Contabilidade e as Considerações sobre a Especialização em Contabilidade. Ver ainda a Resolução CFC 560. - IMPRESSÃO DE PÁGINA - http://www.cosif.com... Page 1 of 6 Cosif Eletrônico - http://www.cosif.com.br/ Documento impresso a partir de http://www.cosif.com.br/mostra.asp?arquivo=especializ2, em 12:34:42

Leia mais

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos Página 1 de 10 ENTENDA OS IMPOSTOS As pessoas nem imaginam quão antiga é a origem dos tributos, estudos supõem que as primeiras manifestações tributárias foram voluntárias e feitas em forma de presentes

Leia mais

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O Nº 11.028, de 10 de novembro de 2014 EMENTA: Dispõe sobre os procedimentos e prazos para o Encerramento do Exercício Financeiro de 2014, no âmbito da Administração Pública Municipal e, dá

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul DECRETO Nº 16.627, DE 19 DE AGOSTO DE 2013. Define os exemplos de atribuições dos cargos de Arquiteto, Assistente Social, Contador, Enfermeiro, Fonoaudiólogo e Odontólogo, criado pela Lei Complementar

Leia mais

INTHEGRA TALENTOS HUMANOS

INTHEGRA TALENTOS HUMANOS INTHEGRA TALENTOS HUMANOS OPORTUNIDADES DE TRABALHO Acesse e Cadastre-se: www.inthegrath.com.br RUA GENERAL OSORIO, 97 FUNDINHO 34-3234-6400 Analista Contábil (ITH 3173): Cursando Superior em Ciências

Leia mais

NOVO EMISSOR DE DOCUMENTOS DE ARRECADAÇÃO

NOVO EMISSOR DE DOCUMENTOS DE ARRECADAÇÃO NOVO EMISSOR DE DOCUMENTOS DE ARRECADAÇÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DEZEMBRO 2014 (VERSÃO 1.3) Av. Vereador José Monteiro, nº. 2233, Setor Nova Vila - Bloco A, térreo - CEP: 74.650-900 Goiânia Goiás 1 MANUAL

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

Outras oportunidades podem ser visualizadas através de nosso site: www.crescerh.com.br

Outras oportunidades podem ser visualizadas através de nosso site: www.crescerh.com.br Olá! A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas. Outras oportunidades podem ser visualizadas através de nosso site: TELEMARKETING (Cód. 107635) Escolaridade: Ensino médio completo e/ou superior cursando

Leia mais

Análise Contábil do Relatório de

Análise Contábil do Relatório de Análise Contábil do Relatório de Controle Interno Gerência de Contabilidade Centralizada Diretoria de Contabilidade Geral Flávio van GEORGE Rocha Sir. Flávio van GEORGE Rocha Composição do Relatório: 1.

Leia mais

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte.

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte. SPED O Sistema Público de Escrituração Digital, mais conhecido como Sped, trata de um projeto/obrigação acessória instituído no ano de 2007, através do Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007. É um

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DE RONDÔNIA RELATÓRIO DE AUDITORIA SOBRE CONTROLES INTERNOS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31/DEZ.

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DE RONDÔNIA RELATÓRIO DE AUDITORIA SOBRE CONTROLES INTERNOS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31/DEZ. CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DE RONDÔNIA Porto Velho - RO RELATÓRIO DE AUDITORIA SOBRE CONTROLES INTERNOS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31/DEZ./14 01. INTRODUÇÃO Nossos trabalhos foram realizados,

Leia mais

SIG Sistema Integrado de Gestão. SIPAC -Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos

SIG Sistema Integrado de Gestão. SIPAC -Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos SIG Sistema Integrado de Gestão SIPAC -Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos Agenda Contextualização Visão Geral dos seguintes sistemas: SIPAA, SGPP, SIGRH, SIGADMIN, SIGED. Conceitos

Leia mais

Aplicação FUNCIONALIDADES

Aplicação FUNCIONALIDADES O sistema Advice é uma solução Corpdigital baseada na web que centraliza, de forma totalmente integrada, as atividades de um conselho de fiscalização profissional. A ferramenta apresenta módulos integrados

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Secretaria dos Transportes Metropolitanos ESTRADA DE FERRO CAMPOS DO JORDÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Secretaria dos Transportes Metropolitanos ESTRADA DE FERRO CAMPOS DO JORDÃO AN EXO II I DE SCRI ÇÃO DOS CARGOS 1. DF - DIRETORIA FERROVIÁRIA 1.1 Analista Ferroviário (Expediente / Assistência Jurídica) Atividades de nível superior relacionadas com a preparação de correspondência

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 3321. CONSIDERANDO o contido no 2º do art. 4º da Lei Complementar Estadual nº 85/99, de 27/12/1999;

RESOLUÇÃO N.º 3321. CONSIDERANDO o contido no 2º do art. 4º da Lei Complementar Estadual nº 85/99, de 27/12/1999; RESOLUÇÃO N.º 3321 Institui Sistema de Controle Interno, no Ministério Público do Estado do Paraná, dispõe sobre as suas finalidades, estrutura, funcionamento e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL

Leia mais

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF Fls. 1 Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF Solução de Consulta Interna nº 1 Data 15 de junho de 2012 Origem DIFIS/SRRF01 (e processo nº 10166.725012/2012 53) Assunto: Contribuições

Leia mais

MANUAL INTEGRAÇÃO CONTABILIDADE - MATERIAIS E PATRIMÔNIO

MANUAL INTEGRAÇÃO CONTABILIDADE - MATERIAIS E PATRIMÔNIO MANUAL INTEGRAÇÃO CONTABILIDADE - MATERIAIS E PATRIMÔNIO MANUAL - TABELAS CONTÁBEIS E ORÇAMENTÁRIAS SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...3 2 TABELAS A SEREM PREENCHIDAS PARA A INTEGRAÇÃO DO PATRIMÔNIO. 4 2.1 CLASSIFICAÇÃO...4

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Ubiratã Gestão: 2009/2012

Prefeitura Municipal de Nova Ubiratã Gestão: 2009/2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 013/2010/CSCI Versão: 01 Aprovação em: 06.10.2010 Ato de Aprovação: Unidades Responsáveis: Secretaria Municipal de Saúde I -FINALIDADE: Dispõe sobre procedimentos para o controle

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O nº 1120/05

R E S O L U Ç Ã O nº 1120/05 TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA R E S O L U Ç Ã O nº 1120/05 Dispõe sobre a criação, a implementação e a manutenção de Sistemas de Controle Interno nos Poderes Executivo e Legislativo

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA

NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA 1. CONTEXTO ORGANIZACIONAL O Tribunal de Contas é um órgão com autonomia orçamentária e financeira de auxílio ao

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA GESTÃO PÚBLICA. KILMER TÁVORA TEIXEIRA Auditor Governamental CGE - PI.

CONTROLE INTERNO NA GESTÃO PÚBLICA. KILMER TÁVORA TEIXEIRA Auditor Governamental CGE - PI. CONTROLE INTERNO NA GESTÃO PÚBLICA KILMER TÁVORA TEIXEIRA Auditor Governamental CGE - PI. Sistema de Controle Interno - SCI Conjunto de órgãos, setores, departamentos da Administração, interligados, buscando

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO LANÇAMENTO DO IPTU 2015. Situação Cadastral por tipo de Imóvel

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO LANÇAMENTO DO IPTU 2015. Situação Cadastral por tipo de Imóvel RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO LANÇAMENTO DO IPTU 2015 1. Total de Imóveis cadastrados junto ao setor de tributação. Total de 2.762 imóveis cadastrados. 2. Total geral de imóveis por tipo: Territorial e predial.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE SUPERMERCADOS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE SUPERMERCADOS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE SUPERMERCADOS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL - EFD 1 - Informações referentes à Escrituração Fiscal Digital EFD A Escrituração Fiscal Digital é um dos módulos do um sistema púbico

Leia mais

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes INVENTÁRIO ANUAL Exercício 2011 Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes Elaboração: Fernando de Souza Guimarães : 3409-4674 / 3409-4675 : dimat@dsg.ufmg.br Belo Horizonte, 2011 SUMÁRIO

Leia mais