SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br"

Transcrição

1 - Módulo 4 - ENTRADAS E SAIDAS Uma das principais funções dos sistemas operacionais é controlar os dispositivos de entrada e saída (E/S ou I/O). O Sistema Operacional deve ser capaz de enviar comandos para os dispositivos, capturar interrupções e tratar erros. Deve ainda oferecer uma interface entre os dispositivos e o restante do sistema. Normalmente os códigos que controlam esses dispositivos representam uma parte significativa do Sistema Operacional. Figura 1 - Esquema de E/S 1. PRINCÍPIOS DE HARDWARE DE E/S O Hardware é sempre visto de maneiras diferentes: os engenheiros elétricos vêem em termos de fios, chips, etc; enquanto os programadores vêem a interface apresentada em forma de software. No entanto, nossa preocupação é em entender como o hardware é programado e suas interações Dispositivos de E/S Tais dispositivos podem ser divididos em duas categorias: a. Dispositivos de Bloco; e b. Dispositivos de Caractere. 1

2 O primeiro armazena informações em blocos de tamanho fixo, cada um com seu próprio endereço, que podem variar de 512 a bytes. A propriedade essencial deste tipo de dispositivos é que é possível ler ou gravar independente de todos os outros, como por exemplos os discos. O disco é um dispositivo de blocos porque independente de onde o braço esteja sempre é possível buscar outro cilindro e esperar o bloco solicitado passar sob o cabeçote. O dispositivo de caractere entrega ou aceita um fluxo de caracteres sem considerar qualquer estrutura de bloco. Não é endereçável, tampouco possui estrutura de busca como no disco. Exemplos deste tipo de dispositivo são as impressoras, placas de rede, mouses, dentre outros. Este modelo proposto é utilizado como uma base para construir, de forma independente de dispositivo algumas partes do Sistema Operacional que tratam de E/S. O sistema de arquivos, por exemplo, lida apenas com dispositivos de blocos abstratos e deixa a parte dependente do dispositivo para o software de baixo nível chamado drives do dispositivo. A comunicação de um dispositivo com o sistema computacional é feita através do envio de sinais (cabo ou ar) num ponto de conexão chamado de porta. O meio usado por um ou mais dispositivos para conexão com o computador é chamado de barramento. Para cada barramento, é definido um protocolo que especifica um conjunto de mensagens que podem ser enviadas pelos fios Controladoras de Dispositivos Os dispositivos de E/S geralmente constituem em um componente mecânico e outro eletrônico. Assim, é possível separar as duas partes para oferecer um projeto modular e genérico. O componente eletrônico é chamado Controladora ou Adaptador de Dispositivo. Nos PC s normalmente tomam a forma de uma placa de circuito impresso que pode ser inserida em um slot na placa mãe do computador. O componente mecânico é o dispositivo em si. Uma placa controladora pode manipular até oito dispositivos idênticos. É comum encontrar unidades de disco que se ajustam aos padrões de interfaces controladoras de disco IDE ou SCSI. É importante saber este conceito, visto que o Sistema Operacional normalmente trabalha com a controladora e não com o dispositivo; geralmente faz E/S escrevendo comandos nos registradores das controladoras. São tarefas do Controlador: - converter um stream serial de bits em blocos de bytes - realizar correção de erros se necessário - tornar dados disponíveis para memória principal - Sistema Operacional inicia o controlador com parâmetros 1.3. Barramento A maioria dos pequenos computadores trabalha com barramento único para comunicação entre CPU e controladoras. Grandes computadores, como os mainframes, utilizam um modelo 2

3 diferente com múltiplos barramentos e computadores especializados de E/S chamados de Canais de E/S que assumem parte da carga da CPU principal. Figura 2 - Barramento A interface entre a controladora e o dispositivo normalmente é de muito baixo nível. Independente da organização dos dados no disco o que realmente sai da unidade é um fluxo serial de bits, iniciado com um preâmbulo, depois os 4096 bits em um setor e por fim uma soma de verificação conhecida por ECC (Error-Correcting-Code Código de Correção de Erros). O preâmbulo é gravado quando o disco é formatado e contém o cilindro e o número do setor e dados semelhantes, bem como as informações de sincronização. O trabalho da controladora é converter o fluxo serial de bits em um bloco de bytes e executar a correção de erros necessária, tudo isso em um buffer e então copiado para a memória principal do computador. Outro exemplo do trabalho de uma controladora é o monitor CRT. Ela lê a memória que contém os caracteres a serem exibidos e gera sinais para instruir os feixes do CRT a fim de fazê-lo escrever na tela. Se não fosse assim o programador do Sistema Operacional teria que programar explicitamente uma varredura análoga para o tubo E/S Mapeada em Memória Cada controladora possui um conjunto de registradores que são utilizados para possibilitar a comunicação com a CPU. Em alguns computadores esses registradores fazem parte do endereçamento da memória e são chamados de E/S mapeada em memória. 3

4 Figura 3 - a) Espaço de E/S e memória separados. b) E/S Mapeada na memória. c) Híbrido. A E/S mapeada em memória não precisa de instruções especiais (código específico) para ler/escrever nos registradores, nem há necessidade de mecanismo especial de proteção. Os Registradores de controle são variáveis na memória, ou seja, Driver que pode ser escrito totalmente em C. As instruções de referencia a memória referenciam registradores. Loop: TEST PORT_4 READY: BEQ READY BRANCH LOOP Este modelo também apresenta certas desvantagens como um espaço de endereçamento para todos, módulos de memória e dispositivos que devem examinar referencias. Os barramentos de memória de alta velocidade e dispositivos de E/S não conseguem examinar. Figura 4 - (a) Arquitetura único barramento. (b) Arquitetura barramento duplo Interrupções A E/S mapeada em memória é muito utilizado para representar as IRQ (Interrupt ReQuest), que é uma entrada física para o chip controlador de instruções. Essas IRQ s podem ser controladas por jumper s ou software. O chip controlador mapeia cada entrada de IRQ 4

5 (normalmente limitadas 1 ) para um vetor de interrupção que localiza o respectivo software do serviço de interrupção. Dessa forma o Sistema Operacional executa E/S gravando comando nos registradores da controladora. Em geral, muitos dos comandos têm parâmetros que também são carregados nos registradores das controladoras. Assim, quando o comando é completado, a controladora gera uma interrupção para permitir que o Sistema Operacional ganhe o controle da CPU e teste os resultados da operação. A CPU obtém os resultados e o status do dispositivo lendo um ou mais bytes de informação dos registradores da controladora. As interrupções são muito usadas em Sistemas Operacionais modernos para tratamento de eventos assíncronos, como um controlador que fica pronto para operações de E/S, falhas de hardware ou chamadas a rotinas do sistema, desviando o controle para o kernel FUNCIONAMENTO O hardware da CPU tem um fio chamado de linha de requisição de interrupções, que é testado pela CPU depois da execução de cada instrução. Quando a CPU detecta que um controlador enviou um sinal na linha de requisição de interrupções (provocou uma interrupção), ela armazena alguns poucos valores referentes ao seu estado na pilha do processo (PC, SP, etc) e desvia para uma rotina de tratamento de interrupções em um determinado endereço de memória. O tratador de interrupções realiza o tratamento necessário e executa uma instrução de retorno de interrupção, que faz a CPU retornar ao estado anterior a interrupção. Cada interrupção gera um endereço que, na maioria das arquiteturas, é usado como um índice em uma tabela (vetor de interrupções), que contém endereços de memória das rotinas de tratamento de interrupção. Tabela 1: Vetores de Interrupção Índice do Vetor Descrição 0 Erro de divisão 2 Uso de apontador nulo 4 Overflow 7 Dispositivo não disponível 11 Segmento ausente 13 Acesso ilegal a posição de memória 14 Página ausente 16 Erro em operação em número em ponto flutuante Entrada reservada (Não use) Interrupções que podem ser desabilitadas Exemplos de interrupções que geram interrupções: 1 Nos computadores Pentium estão limitadas a 15 IRQ s. 5

6 - Operações de E/S; - Tratamento de exceções (divisão por zero, endereço protegido); - Mecanismo de paginação; - Chamadas a rotina do núcleo (System Calls); - Gerenciamento do fluxo de execução do núcleo (permite que trabalhos urgentes sejam tratados primeiro). FAZENDO UMA LEITURA NO DISCO - Sistema Operacional informa à controladora que ela deve realizar uma leitura; - Controladora lê o bloco do disco serialmente, bit a bit, para o seu buffer interno; - Controladora calcula checksum; - Controladora gera interrupção; - Sistema Operacional lê o bloco do buffer e carrega na memória; - Tal operação gasta muito tempo do processador! INTERRUPÇÃO - Sinal gerado por um determinado hardware ou por software (TRAP) que faz com que a CPU pare aquilo que está fazendo e inicie outra atividade; - Controladoras usam interrupções para avisar sobre o término de uma operação de E/S; Figura 5 - Esquema de interrupção 1.6. Acesso Direto a Memória (DMA) Muitas controladoras, especialmente as de dispositivos de bloco, suportam DMA. Quando o DMA não está sendo utilizado, primeiro a controladora lê o bloco da unidade serialmente, bit a bit, até que o bloco inteiro esteja no buffer interno da controladora. Em seguida, é calculada a soma de verificação para certificar-se de que não ocorreram erros de leitura. Então, a controladora gera uma interrupção. Quando o sistema operacional começa a executar, ele pode ler o bloco de disco do buffer da controladora, um byte ou uma palavra por vez executando um 6

7 laço, com cada iteração lendo um byte ou uma palavra de um registrador da controladora de dispositivo e armazenando-o na memória. Dessa forma o laço programado para ler os bytes, um por vez, a partir da controladora desperdiça tempo da CPU. O DMA foi inventado para liberar a CPU desse trabalho de baixo nível. Quando é utilizado, a CPU fornece dois itens de informação para a controladora, além do endereço do bloco no disco: o endereço de memória para onde o bloco deve ir e o número de bytes a transferir. A controladora não pode copiar os dados diretamente para a memória, ela deve fazer uso de um buffer interno, visto que mesmo iniciada a transferência para a memória principal (MP) outros dados continuam entrando no disco; fazendo a bufferização desses blocos entrantes é possível liberar o barramento. Quando um bloco é bufferizado internamente o barramento não é necessário até que o DMA inicie. Outra razão da existência de um buffer interno é a possibilidade de realizar a verificação no próprio buffer antes de mandá-lo para a Memória Principal. Figura 6 - DMA No exemplo acima, a controladora DMA está embutida na controladora de disco. É possível, entretanto, utilizar controladoras DMA independentes. Figura 7 - DMA O processador precisa endereçar os controladores dos dispositivos para trocar dados com eles, por exemplo, requisitar dados um byte a cada vez. Depois que a controladora leu o bloco inteiro do dispositivo para seu buffer e verificou a soma de verificação, a controladora gera uma interrupção. Assim, quando o Sistema Operacional inicia, ele não precisa copiar o bloco para a memória, pois ele já está lá. 7

8 Nem todos os computadores utilizam DMA. O argumento contra é que a CPU principal é freqüentemente muito mais rápida que a controladora de DMA e pode fazer o trabalho muito mais rápido (Quando o fator limitante não é a velocidade do dispositivo de E/S). Se não houver outro trabalho para a CPU, mantê-la esperando o dispositivo DMA é algo sem sentido. ENTRADA E SAÍDA (E/S) - E/S Programada: CPU faz polling para verificar se o dispositivo está pronto; - E/S orientada à interrupção: Dispositivo avisa que está pronto através de uma interrupção; - E/S com DMA: CPU fica livre para fazer outras coisas e trata menos interrupções; 2. PRINCÍPIOS DE SOFTWARE DE ENTRADA E SAÍDA (E/S) A meta geral do software de entrada e saída é organizar o software como uma série de camadas, com as mais baixas preocupadas em esconder as peculiaridades do hardware das mais altas e estas últimas preocupadas em apresentar uma interface amigável, limpa e simples aos usuários Metas do Software de E/S Um conceito muito importante no projeto de software de E/S é conhecido por independência de dispositivo. Isso significa que é possível escrever um programa que faça a leitura em um disquete, CD-Rom, disco rígido, etc sem que seja necessário modificar os programas para cada tipo de dispositivo diferente. Cabe ao Sistema Operacional cuidar dos problemas causados pelo fato de que esses dispositivos realmente são diferentes e requerem drivers de dispositivo diferentes para realmente gravar os dados no dispositivo de saída. Outra meta é a atribuição uniforme de nomes, onde o nome de um arquivo ou de um dispositivo deve ser simplesmente uma string ou um número inteiro e não depender do dispositivo de nenhuma maneira. No UNIX todos os discos podem estar integrados juntos na hierarquia do sistema de arquivos de maneiras arbitrárias para que o usuário não precise saber qual nome correspondente a qual dispositivo. Exemplo: um CD-Rom montado no diretório /usr/backup. Outra questão muito importante é o tratamento de erros que deve ser realizado o mais próximo possível do hardware. Se a controladora descobrir um erro de leitura, ela deve tentar corrigir o erro se for possível, caso contrário o driver de dispositivo deverá tratá-lo lendo o 8

9 bloco novamente. Muitos erros são transitórios, às vezes causado apenas por sujeita na mídia. Somente quando as camadas mais baixas não conseguem resolver o problema é que as camadas mais altas devem ser informadas. Outro fator são as transferências síncronas (bloqueio) e assíncronas (interrupção). Em geral, a E/S é assíncrona a CPU inicia a transferência e segue adiante para fazer outra coisa até a interrupção chegar. Os programas dos usuários utilizam muito a transferência síncrona - depois de um comando READ, por exemplo, o programa é automaticamente suspenso até que os dados estejam disponíveis no buffer. O Sistema Operacional tenta fazer com que as operações baseadas em interrupção pareçam bloqueios para o usuário. Por fim, um último fator preponderante de software de E/S são os dispositivos compartilhados e os dedicados que fazem com que o Sistema Operacional precise saber como tratar uns e outros sem causar problemas. Todas as metas podem ser alcançadas estruturando o software de E/S em quatro camadas: Manipuladores de Interrupções Drivers de Dispositivo Software de SO independente de dispositivo Software de nível de usuário Figura 8 - Camadas do Software de E/S 2.2. Manipuladores de Interrupções O manipulador ou tratador de interrupções é uma parte do Sistema Operacional que cuida do tratamento das interrupções. As interrupções devem ficar bem ocultas dentro de um Sistema Operacional. Para isso, é preciso ter cada processo que inicia uma operação de E/S bloqueado até que a E/S tenha-se completado e a interrupção tenha ocorrido. Para tanto é necessário executar uma rotina de tratamento de interrupção propriamente dita e chamar o escalonador para decidir o próximo processo a executar (Semáforos) TRATADORES DE INTERRUPÇÃO Tratadores de interrupção são parte do Sistema Operacional, usualmente bem escondidos. Tendo o driver iniciado uma operação de E/S o mesmo é bloqueado até que a operação se complete e uma interrupção ocorra, como por exemplo, operações sobre semáforos, recebimento de uma mensagem, etc. 9

10 Ocorrendo a Interrupção a rotina de interrupção faz sua tarefa. Em seguida libera o driver que iniciou a operação de E/S. Processar uma interrupção não é apenas interceptar uma interrupção, sinalizar o driver e executar um IRET, mas exige trabalho adicional realizado pelo Sistema Operacional. Figura 9 - Níveis do mecanismo de E/S Passos que devem ser realizados em software depois da interrupção ser completada: 1. Salvar registradores ainda não salvos por hardware; 2. Inicializar contexto para rotina de interrupção(tlb, MMU, tabela de páginas); 3. Inicializar pilha para rotina de interrupção; 4. Atender controlador de interrupções, reabilitar interrupções; 5. Copiar registradores de onde foram salvos (pilha) para tabela de processos; 6. Executar rotina de tratamento na qual extrai informações dos registradores do controlador do dispositivo que está interrompendo; 7. Escolher próximo processo a executar; 8. Estabelecer contexto MMU para próximo processo; 9. Carregar registradores do próximo processo (PSW); 10. Iniciar execução do processo Drivers de Dispositivo Todo código dependente de dispositivo deve estar nos drives de dispositivo. Estes devem tratar de um tipo de dispositivo, ou uma classe de dispositivos. Exemplo: Um único driver de terminal. O driver de disco é a única parte do sistema operacional que sabe quantos registradores tal controladora tem e para o que eles são utilizados. Sozinho ele sabe tudo sobre setores, trilhas cilindros, cabeçotes, movimento de braço, fatores de intercalação, unidades de motor, etc no trabalho de fazer o disco funcionar adequadamente. Em termos gerais, o trabalho de um driver de dispositivo é aceirar solicitações abstratas do software independente de dispositivo acima dele e cuidar para que a solicitação seja executada. 10

11 No geral, o trabalho de um driver de dispositivo é aceitar solicitações abstratas do software independente do dispositivo acima dele e cuidar para que a solicitação seja executada. Para que isso seja executado em um disco, o primeiro passo é traduzi-la de um termo abstrato para um termo concreto isso significa descobrir onde no disco o bloco requerido realmente está e em seguida gravar nos registradores de dispositivos da controladora. Para que esse trabalho ocorra é necessária a emissão de alguns comandos. Estes por sua vez, após a consecução do comando bloqueia a si próprio até que as interrupções entrem para desbloqueá-lo. Figura 10 - Camadas 2.4. Software de Sistema Operacional independente de dispositivo Embora parte do software de E/S seja específico do dispositivo, uma grande parte dele é independente do dispositivo. Esta divisão depende do sistema, visto que algumas funções que poderiam ser feitas de uma maneira independente de dispositivo podem, na realidade, ser feitas nos drivers. Funções geralmente realizadas pelo software independente de dispositivo: - Interfaceamento uniforme para drivers de dispositivo; - Nomeação de dispositivo; - Proteção de dispositivo; 11

12 - Fornecimento de um tamanho de bloco independente de dispositivo; - Bufferização; - Alocação de armazenamento em dispositivos de bloco; - Atribuição e liberação de dispositivos dedicados; - Informe de erros. No MINIX a maioria do software independente de dispositivo é parte do sistema de arquivos. Sua função básica é executar as funções de E/S que são comuns para todos dispositivos e oferecer uma interface uniforme para o software de nível de usuário. Cuida ainda de realizar o mapeamento de nomes simbólicos de dispositivos e de sua proteção. O sistema impede que os usuários acessem dispositivos aos quais eles não têm direitos de acesso. No UNIX, um esquema mais flexível é utilizado. Os arquivos especiais correspondentes aos dispositivos de E/S são protegidos pelos bits rux normais. O administrador de sistema pode, então, configurar as permissões adequadas para cada dispositivo. Discos diferentes podem ter tamanhos de setor diferentes. Cabe ao software independente de dispositivo esconder esse fato e oferecer um tamanho uniforme de bloco. A bufferização também é uma questão, tanto para dispositivos de bloco como para os de caractere. A entrada de teclado que chega antes de ser necessária também requer bufferização. O tratamento de erros, de modo geral, é feito pelos drivers. A maioria dos erros é altamente dependente do dispositivo; então, somente o driver sabe o que fazer (ex.: tentar novamente, ignorar, pane). Um erro típico é causado por um bloco de disco danificado que não pode ser mais lido. Depois que o driver tentou ler o bloco certo número de vezes, ele desiste e informa ao software independente de dispositivo. A maneira como o erro é tratado daqui é independente de dispositivo. Se o erro ocorreu durante a leitura de um arquivo de usuário, pode ser suficiente informar o erro ao processo que registrou a leitura. Entretanto, se ele ocorreu durante a leitura de uma estrutura de dados crítica do sistema, como o bloco que contém o mapa de bits mostrado quais blocos estão livres, o sistema operacional não pode ter outras escolha senão imprimir uma mensagem de erro e terminar Software de E/S no Espaço do Usuário Embora a maioria do software de E/S esteja dentro do Sistema Operacional, uma pequena parte consiste em bibliotecas vinculadas em programas de usuário e até mesmo programas inteiros que executam fora do kernel. Uma biblioteca-padrão de E/S contém diversos 12

13 procedimentos que envolvem E/S e todas executam como parte de programas de usuário. Contudo, nem todo software de E/S no nível de usuário consistem em procedimentos de biblioteca. Um exemplo é o sistema de spool. Fazer spool é uma técnica de lidar com dispositivos dedicados de E/S em um sistema de multiprogramação. Embora pudesse ser uma técnica fácil deixar que qualquer processo de usuário abrir o arquivo especial de caractere para a impressora, suponha que um processo abrisse-o e, então não fizesse nada durante horas. Nenhum outro processo poderia imprimir qualquer coisa. A técnica de spool não é utilizada somente para impressoras. Ela também é utilizada em outras situações, como transferência de arquivos. A figura abaixo resume o sistema de E/S, mostrando todas as camadas e as principais funções de cada uma. As setas mostram o fluxo de controle: Figura 11 - Sistema de Entrada e Saída Quando um programa de usuário tenta ler um bloco de um arquivo, por exemplo, o Sistema Operacional é invocado para executar a chamada. O software independente de dispositivo olha no cache de blocos. Se o bloco necessário não estiver aí, ele chama o driver de dispositivo para enviar a solicitação ao hardware. O processo, então, é bloqueando até que operação de disco seja concluída. Quando o disco termina, o hardware gera uma interrupção. O manipulador de interrupções é executado para descobrir o que aconteceu, isto é, qual dispositivo quer atenção imediatamente. Então, ele extrai o status do dispositivo e acorda o processo adormecido para terminar a solicitação de E/S e deixar o processo de usuário continuar. 13

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 2-1. PRINCÍPIOS DE SOFTWARE DE ENTRADA E SAÍDA (E/S) As metas gerais do software de entrada e saída é organizar o software como uma série de camadas, com as mais baixas preocupadas em esconder as

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br)

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Sistemas Operacionais Entrada / Saída Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Tópicos Princípios do hardware de E/S Princípios do software de E/S Camadas do software

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO E/S PROGRAMADA QUANDO A CPU FAZ TODO O TRABALHO RELACIONADO A UMA OPERAÇÃO DE E/S, NO CASO DO PROCESSO QUERER IMPRIMIR (NA IMPRESSORA) ABCDEFGH : ESTES CARACTERES SÃO COLOCADOS EM UMA ÁREA DE MEMÓRIA DO

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Gerência de Entrada/Saída

Gerência de Entrada/Saída Gerência de Entrada/Saída Prof Clodoaldo Ap Moraes Lima 1 Princípios básicos de hardware Periférico é um dispositivo conectado a um computador de forma a possibilitar sua interação com o mundo externo

Leia mais

ENTRADA E SAÍDA (I/O)

ENTRADA E SAÍDA (I/O) MICROPROCESSADORES II (EMA864315) ENTRADA E SAÍDA (I/O) 1 O SEMESTRE / 2015 Alexandro Baldassin MATERIAL DIDÁTICO Patterson & Hennessy (4a edição) Capítulo 6 (Tópicos I/O) 6.1 Introduction 6.5 Connecting

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Mecanismo de Interrupção

Mecanismo de Interrupção Mecanismo de Interrupção Paralelismo de Operação Num sistema multiprogramado a CPU está sempre apta a compartilhar o seu tempo entre os vários programas e os diferentes dispositivos periféricos que necessitam

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Prof. Eduardo Alchieri Sistema Computacional Hardware Software Usuários Um ou mais processadores, memória, discos, impressoras, teclado, mouse, monitor,

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 04 - Concorrência. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 04 - Concorrência. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 04 - Concorrência Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC, 2007. Mono x Multiprogramação

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I Arquitetura e Organização de Computadores I Interrupções e Estrutura de Interconexão Prof. Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Interrupções

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Arquivos Diretórios Implementação do sistema de arquivos Gerenciamento de espaço em disco

Sistemas de Arquivos. Arquivos Diretórios Implementação do sistema de arquivos Gerenciamento de espaço em disco Sistemas de Arquivos Arquivos Diretórios Implementação do sistema de arquivos Gerenciamento de espaço em disco Armazenamento da Informação a Longo Prazo 1. Deve ser possível armazenar uma quantidade muito

Leia mais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais 2. Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? 1 Compilador 2 Editor de texto 3 Browser Aplicativos... Sistema Operacional (infraestrutura) Hardware n Quake No passado, a eficiência

Leia mais

Estruturas do Sistema de Computação

Estruturas do Sistema de Computação Estruturas do Sistema de Computação Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Estruturas do Sistema de

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco AULA 04 - Estruturas Sistemas Computacionais Nosso objetivo é apenas revisar conceitos relacionados a estrutura geral um sistema computacional para pois explicarmos os talhes operação do sistema e como

Leia mais

5 Entrada e Saída de Dados:

5 Entrada e Saída de Dados: 5 Entrada e Saída de Dados: 5.1 - Arquitetura de Entrada e Saída: O sistema de entrada e saída de dados é o responsável pela ligação do sistema computacional com o mundo externo. Através de dispositivos

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

Componentes básicos de um sistema computacional. Cap. 1 (Stallings)

Componentes básicos de um sistema computacional. Cap. 1 (Stallings) Componentes básicos de um sistema computacional Cap. 1 (Stallings) 1 Sistema de Operação Explora recursos de hardware de um ou mais processadores Provê um conjunto de serviços aos utilizadores Gerencia

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Hardware. Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Hardware. Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/25 Roteiro Estrutura de um sistema operacional Interrupções Proteção do núcleo Níveis de privilégio Chamadas de sistema 2/25 Mono-processadores atuais seguem um

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

Organização de Computadores. (Aula 5) Entrada/Saída

Organização de Computadores. (Aula 5) Entrada/Saída Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída Entrada e Saída (Input/Output I/O) Computador: Processador, Memória (principal e secundária) Equipamentos (dispositivos, elementos, unidades,...) de Entrada/Saída

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Revisão -

Arquitetura de Computadores - Revisão - Arquitetura de Computadores - Revisão - Principais funções de um Sistema Operacional Componentes básicos da Arquitetura Barramentos Registradores da CPU Ciclo de Instruções Interrupções Técnicas de E/S

Leia mais

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1 Entrada e Saída Interface entre periféricos, processador e memória Fonte: Minho - Portugal 1 Ligação Processador/Memória - Periférico Processador Memória Controlo Dados Controlador Fonte: Minho - Portugal

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 2 Estruturas de Sistemas Computacionais

Sistemas Operacionais Cap 2 Estruturas de Sistemas Computacionais Estruturas de Sistemas Computacionais Por que estudar a arquitetura de sistemas computacionais? Talvez porque o comportamento de um sistema operacional está ligado aos mecanismos de E/S de um computador.

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Dispositivos de Entrada e Saída Aula 9 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira ENTRADA e SAÍDA (E/S) (I/O - Input/Output) n Inserção dos dados (programa)

Leia mais

Entrada e Saída (Input/Output)

Entrada e Saída (Input/Output) Capítulo 5 Entrada e Saída (Input/Output) 1. Princípios de Hardware de E/S 2. Princípios de Software de E/S 3. Camadas de software de E/S 4. Discos 5. Relógios 6. Terminais Orientados a caracteres 7. Interfaces

Leia mais

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO

SW DE E/S INDEPENDENTE DE DISPOSITIVO SOFTWARE AO NÍVEL DO USUÁRIO SOFTWARE INDEPENDENTE DE DISPOSITIVOS ACIONADORES DE DISPOSITIVOS (DRIVERS) TRATAMENTO DE INTERRUPÇÕES HARDWARE FUNÇÕES: INTERFACE UNIFORME PARA OS DRIVERS USO DE BUFFERS INFORMAÇÃO

Leia mais

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS ENTRADA E SAÍDA DE DADOS Os dispositivos de um computador compartilham uma única via de comunicação BARRAMENTO. BARRAMENTO Elétrica/Mecânica + Protocolo. GERENCIAMENTO DE E/S O controle da troca de dados

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 5 Estrutura de Sistemas de Computação Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola SO - Conceitos Básicos Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Definição de SO É uma camada de software que opera entre o hardware e os programas aplicativos voltados ao usuário final. É uma estrutura

Leia mais

Entrada e Saída (Input/Output I/O) Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída. Diferentes Tipos de Dispositivos (1)

Entrada e Saída (Input/Output I/O) Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída. Diferentes Tipos de Dispositivos (1) Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/2 Entrada e Saída (Input/Output I/O) Computador: Processador, Memória (principal

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

MANUTENÇÃO DE MICRO. Mário Gomes de Oliveira

MANUTENÇÃO DE MICRO. Mário Gomes de Oliveira MANUTENÇÃO DE MICRO Mário Gomes de Oliveira 1 IRQ Pedido de atenção e de serviço feito à CPU, para notificar a CPU sobre a necessidade de tempo de processamento. 2 IRQ (Interrupt Request line ou Linha

Leia mais

Gerenciador de Entrada/Saída

Gerenciador de Entrada/Saída Universidade Federal do ABC BC 1518 - Sistemas Operacionais (SO) Gerenciador de Entrada/Saída (aula 11) Prof. Marcelo Zanchetta do Nascimento Roteiro Princípios básicos de hardware de E/S; Operações dos

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos:

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Estruturas de Sistemas Operacionais Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Os serviços que o sistema operacional oferece. A interface que o sistema operacional torna disponível

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Nível 3 Sistema Operacional

Nível 3 Sistema Operacional Nível 3 Sistema Operacional Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Nível

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Entrada e Saída Drivers e s Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Luciana A. F. Martimiano

Leia mais

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress. Sistemas Operacionais Aula 3 Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.com Nunca cone em um computador que você não pode jogar pela janela.

Leia mais

Arquitetura de Computadores para. Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais. Sumário

Arquitetura de Computadores para. Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais. Sumário Arquitetura de Computadores para Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores para Sistemas Operacionais Tecnologias em Informática 2o Semestre Sistemas Operacionais Prof. Cid R Andrade Sumário Conhecer

Leia mais

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos Conteúdo Capítulo 7 Entrada/Saída Dispositivos externos Módulos E/S Técnicas de E/S E/S Programada E/S Conduzida por interrupções Processamento de interrupções Controlador Intel 82C59A Acesso Directo à

Leia mais

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado Memória Armazenamento Sistema de Arquivos 1 Hierarquia de Memórias 2 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Jó Ueyama Apresentação baseada nos slides da Profa. Dra. Kalinka Castelo Branco, do Prof. Dr. Antônio Carlos Sementille, da Profa. Dra. Luciana A. F. Martimiano e nas transparências

Leia mais

Entradas/Saídas. 1. Princípios de hardware/software de E/S 2. Camadas de software de E/S 3. Relógios (Temporizadores) 4. Gestão de consumo de potência

Entradas/Saídas. 1. Princípios de hardware/software de E/S 2. Camadas de software de E/S 3. Relógios (Temporizadores) 4. Gestão de consumo de potência Entradas/Saídas 1. Princípios de hardware/software de E/S 2. Camadas de software de E/S 3. Relógios (Temporizadores) 4. Gestão de consumo de potência Organização de um Sistema Operativo System Call Handler

Leia mais

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Sistemas Operacionais Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Ementa Apresentação do curso Cap1 - Visão Geral Cap2 - Conceitos de Hardware e Software Cap3 - Concorrência Cap4 - Estrutura do Sistema Operacional

Leia mais

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S Estruturas de sistemas de computação Sumário! Operação de um sistema de computação! Estruturas de E/S! Estruturas de armazenamento! Hierarquia de armazenamento 2 1 Arquitectura de um sistema de computação

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio Memórias Memória: é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema. Em outras

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O computador não é uma máquina interessante se não pudermos interagir com ela. Fazemos isso através de suas interfaces e seus periféricos. Como periféricos serão considerados os

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

Capítulo 5 Entrada/Saída

Capítulo 5 Entrada/Saída Capítulo 5 Entrada/Saída 5.1 Princípios do hardware de E/S 5.1.1 Dispositivos de E/S Os dispositivos de E/S podem ser divididos em duas categorias: Dispositivos de bloco Armazena informações em blocos

Leia mais

Interrupções. As interrupções são casos especiais de chamadas de procedimentos.

Interrupções. As interrupções são casos especiais de chamadas de procedimentos. Interrupções Uma interrupção é equivalente a uma chamada de procedimento. A chamada é equivalente a um CALL gerado pela execução de uma instrução. As interrupções são casos especiais de chamadas de procedimentos.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 02: Introdução (Cont.), Visão Geral Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com O QUE É UM SISTEMA OPERACIONAL? Um programa que atua como um intermediário entre

Leia mais

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Processadores Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução O processador é um circuito integrado de controle das funções de cálculos e tomadas de decisão de um computador. Também é chamado de cérebro do

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Módulo 1 Sistemas Operacionais 1 Sistema computacional Sistemas feitos para resolver problemas Problema: como obter determinado resultado, com base em dados

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 PROCESSOS 1. INTRODUÇÃO Em sistemas distribuídos é importante examinar os diferentes tipos de processos e como eles desempenham seu papel. O conceito de um processo é originário do campo de sistemas

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual Infraestrutura de Hardware Memória Virtual Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual é a interface

Leia mais

Sistemas Operacionais - Prof. Fabricio Alessi Steinmacher - email:fsteinmacher@gmail.com OBJETIVOS OPERACIONAIS. fsteinmacher@gmail.

Sistemas Operacionais - Prof. Fabricio Alessi Steinmacher - email:fsteinmacher@gmail.com OBJETIVOS OPERACIONAIS. fsteinmacher@gmail. SISTEMAS Introdução a Sistemas Operacionais Prof. Fabricio Alessi Steinmacher - email: OBJETIVOS Identificar as funções e os componentes de um Sistema Operacional; Diferenciar os tipos de Sistemas Operacionais

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Entrada/Saída: Comunicação Processador, Memória e E/S

Infraestrutura de Hardware. Entrada/Saída: Comunicação Processador, Memória e E/S Infraestrutura de Hardware Entrada/Saída: Comunicação Processador, Memória e E/S Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.1 Introdução

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.1 Introdução Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.1 Introdução Tipos de Sistemas Operacionais Sistemas Monoprogramáveis / Monotarefa Voltados tipicamente para a execução de um único programa.

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas de Computação O sistema operacional precisa garantir a operação correta do sistema de computação. Operação

Leia mais

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br Introdução INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br introdução Tópicos conceitos básicos o que é um programa um programa na memória decifrando um código referência Capítulo

Leia mais

Chamadas de Sistema e Processo

Chamadas de Sistema e Processo Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Chamadas de Sistema e Processo Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Modos de Acesso ao S.O.

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução É preciso conhecer a estrutura de um sistema de computação antes que possamos explorar os detalhes de sua operação.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Controle e descrição de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Representação e controle de processos pelo SO Estrutura

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Sistema de E/S. Alexandre Augusto Giron

Sistemas Operacionais 2014 Sistema de E/S. Alexandre Augusto Giron Sistemas Operacionais 2014 Sistema de E/S Alexandre Augusto Giron ROTEIRO Introdução Hardware de E/S Interface de E/S Subsistema de E/S Desempenho Introdução Gerenciar dispositivos de Entrada e Saída (E/S)

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais BCC264 Sistemas Operacionais Estruturas de Sistemas Computacionais Prof. Charles Garrocho Arquitetura geral de Sistemas de Computação atuais Operação de sistemas de computação CPU e dispositivos de E/S

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SINCRONIZAÇÃO E COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 07, PÁGINA 101 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional sistemas multiprogramáveis Os sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Introdução aos Computadores

Introdução aos Computadores Os Computadores revolucionaram as formas de processamento de Informação pela sua capacidade de tratar grandes quantidades de dados em curto espaço de tempo. Nos anos 60-80 os computadores eram máquinas

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o que é um dispositivo Compreender o mecanismo de acionamento de um dispositivo

Leia mais

Introdução aos Sistemas

Introdução aos Sistemas Introdução Introdução aos Sistemas Operacionais 1 2 3... n Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Compilador Editor de texto Browser Programas

Leia mais

3. Arquitetura Básica do Computador

3. Arquitetura Básica do Computador 3. Arquitetura Básica do Computador 3.1. Modelo de Von Neumann Dar-me-eis um grão de trigo pela primeira casa do tabuleiro; dois pela segunda, quatro pela terceira, oito pela quarta, e assim dobrando sucessivamente,

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Arquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado / Luiz Paulo Maia Processo Profº Antonio Carlos dos S. Souza Estrutura do Processo Contexto de Software Contexto de Hardware Programa Espaço

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

Sistemas Distribuídos Comunicação. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos Comunicação. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Comunicação Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Roteiro da Aula Comunicação entre Processos Protocolos Modelo OSI Modelo Cliente Servidor 3 Comunicação entre

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão Prof. Kleber Rovai 1º TSI 22/03/2012 Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão 1. Como seria utilizar um computador sem um sistema operacional? Quais são suas duas principais funções? Não funcionaria.

Leia mais

Sistemas Operacionais Processos e Threads

Sistemas Operacionais Processos e Threads Sistemas Operacionais Processos e Threads Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Estrutura de um Sistema Operacional 2 GERÊNCIA DE PROCESSOS Um processo

Leia mais