EFETIVIDADE DA DRENAGEM LINFÁTICA E DA COMBINAÇÃO DA DRENAGEM LINFÁTICA COM O ULTRA SOM EM MULHERES COM FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFETIVIDADE DA DRENAGEM LINFÁTICA E DA COMBINAÇÃO DA DRENAGEM LINFÁTICA COM O ULTRA SOM EM MULHERES COM FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG)"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA DERMATO-FUNCIONAL SANDRA MARIA PINTO SIRIANO COSTA EFETIVIDADE DA DRENAGEM LINFÁTICA E DA COMBINAÇÃO DA DRENAGEM LINFÁTICA COM O ULTRA SOM EM MULHERES COM FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG) Goiânia, Janeiro de 2013

2 SANDRA MARIA PINTO SIRIANO COSTA EFETIVIDADE DA DRENAGEM LINFÁTICA E DA COMBINAÇÃO DA DRENAGEM LINFÁTICA COM O ULTRA SOM EM MULHERES COM FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG) Artigo apresentado ao curso de Especialização em Fisioterapia Dermato-Funcional do Centro de Estudos Avançados e Formação Integrada, chancelado pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Orientadora: Prof. Ms. Elicéia Marcia Batista Goiânia, Janeiro de 2013

3 RESUMO EFETIVIDADE DA DRENAGEM LINFÁTICA E DA COMBINAÇÃO DA DRENAGEM LINFÁTICA COM O ULTRA SOM EM MULHERES COM FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG) Introdução: O Fibro Edema Gelóide(FEG) é uma afecção que provoca deficiência na circulação sanguínea e linfática, como também, hipotonia muscular freqüente, podendo levar a quase total imobilidade dos membros inferiores, além de dores intensas e problemas emocionais. Objetivo: revisar os estudos da literatura, a fim de comparar o efeito da drenagem linfática e da drenagem linfática combinada com ultra som no FEG, Metodologia: foi realizado o levantamento bibliográfico que deu início no período de 1990 a 2010, por meio de livros e das bases de dados LILACS, MEDLINE E SCIELO. Foram selecionados os artigos que faziam referência de dados, relacionados aos recursos e aos métodos utilizados no tratamento do FEG, a efetividade da drenagem linfática e a combinação da drenagem linfática com o ultra som no FEG. Resultados e conclusão: a fisioterapia, com seus amplos recursos, ainda é a escolha mais eficiente no tratamento do Fibro Edema Gelóide, pois consegue não só melhorar como manter a funcionalidade da circulação linfática e oxigenação tecidual, além de prevenir recidivas dessas afecções. Portanto uns dos objetivos da drenagem linfática manual é drenar o excesso de liquido acumulado nos espaços intersticiais, mantendo o equilíbrio das pressões tissulares e hidrostática. O ultra som 3MHz modo continuo esta vinculado efeitos fisiológicos associados á sua capacidade de veiculação de fármacos através ( fonoforese), na técnica combinada com drenagem linfática manual no tratamento do FEG, e obter resultados mais satisfatórios.considerações finais: Através do levantamentos dos materiais e segundo os autores concluíram que o tratamento do FEG utilizando as técnicas combinadas ultra-som e drenagem linfática manual torna-se um recurso efetivo nesta patologia. Palavras-chave: Drenagem linfática, ultra som e Fibro Edema Gelóide.

4 1.0. INTRODUÇÃO 1.1. FIBRO EDEMA GELÓIDE(FEG) O FEG, mais conhecido como celulite é uma série de alterações estruturais na derme, micro circulação e nos adipócitos, não sendo possível isolar cada um desses fatores, que somados, contribuem com o aparecimento do distúrbio. O FEG é uma infiltração edematosa do tecido conjuntivo subcutâneo, não inflamatório, seguido de polimerização da substância fundamental, que se infiltrando nas tramas produz uma reação fibrótica¹. É uma afecção que provoca deficiência na circulação sanguínea e linfática, hipotonia muscular freqüente, podendo levar a quase total imobilidade dos membros inferiores, além de dores intensas e problemas emocionais¹-³. A denominação Fibro Edema Gelóide foi escolhida para figurar os diversos nomes utilizados para designar o FEG, como lipodistrofia localizada, infiltração celulítica, hidrolipodistrofia e infiltração celulálgica 4. Diversos autores¹-³,²¹ observaram que os tecidos cutâneos e adiposos são afetados em diversos graus, portanto comprovadamente ocorre disfunção e uma série de alterações estruturais na derme, na micro circulação e nos adipócitos. Essas modificações não são apenas morfológicas, mas também histoquímica, bioquímicas e ultra-estruturais 1. O FEG é um distúrbio do panículo adiposo que afeta mulheres após a puberdade sendo mais comum em caucasianas do que em asiáticas 20. O termo celulite foi descrito pela primeira vez na França, por volta de 1920, quando o pesquisador Pavioti identificou e descreveu as alterações estéticas que ocorrem na superfície da pele 19,20. Segundo GUIRRO e GUIRRO (2002),¹ o tecido encontra-se espesso e com proliferação das fibras de colágenos interadipocitárias e interlobulares que provocam uma alteração nos tecidos. Assim, a circulação de drenagem é sensivelmente reduzida, e os fibroblastos são encarcerados. As fibras esclerosadas realizam um tipo de rede em forma de força, que comprime os vasos e nervos, onde este quadro se forma uma aparência nodulosa na epiderme. A dor ao contato em fases avançadas é explicada pelo aumento da compressão nos nervos. O tecido com FEG é mal oxigenado, subnutrido, desorganizado e sem elasticidade, que é o resultado de um mau funcionamento do sistema circulatório e das transformações do tecido conjuntivo.

5 Segundo GUIRRO e GUIRRO (2002) 1,19, o FEG é subdividido em quatro fases histológicas: Primeira fase: caracteriza-se por hipertrofia das células adiposas, acúmulo patológico de lipídios se desenvolvendo nos adipócitos, provocando a hipertrofia da célula e empurrando o núcleo para a periferia. A persistência desta congestão, e conseqüentemente desta tensão continua no tecido trazendo uma compressão dos vasos mais importantes, levando uma complicação para desempenhar o seu papel normal. A dilatação e a distensão das paredes da rede venosa aumentam a sua permeabilidade, o que resulta no escape para o tecido conjuntivo do líquido seroso, aumentando assim a pressão, congestão e os fenômenos de bloqueio. Segunda fase: Este líquido assim lançado no tecido conjuntivo contém todos os resíduos do papel de um corpo estranho no organismo e provoca reações de defesa no tecido ocasionando o espessamento dos septos interlobulares e proliferação das fibras colágenas. Isso faz com que o tecido adquira uma consistência gelatinosa, cada vez mais densa das diversas células das regiões mais vizinhas. Os produtos residuais não utilizados pelas células desempenham o papel de um corpo estranho no tecido conjuntivo, provocando assim reações químicas, como também tentativas de defesa contra esses elementos anormais. Terceira fase: Este aumento na densidade do tecido conjuntivo promove irritação das fibras teciduais, dissociando-as em fibrilas, promovendo assim uma lesão acelerada. Segundo alguns autores, esta fase do FEG é irreversível. Então, a organização fibrosa do tecido conjuntivo passou a ser a própria causa do FEG. Quarta fase: O processo é contínuo e nota-se o espessamento do tecido conjuntivo interadipocitário. Nesta fase do FEG a barreira estanca, ou seja, fecha. O tecido fibroso tornase constantemente mais cerrado, endurece continuamente e, fica esclerosado, sem qualquer possibilidade de libertação, como também os produtos nutritivos, residuais, a água, e os lipídios. Com endurecimento tecidual muito denso é produzido uma irritação contínua nas terminações nervosas, resultando em dores a palpação, desproporcionais a pressão exercida. Atualmente grande parte das mulheres tem recorrido a métodos e técnicas na expectativa de buscar resultado satisfatório relacionado com a beleza. Isto motivou um grande investimento na indústria de cosméticos na área de estética e aparelhos, proporcionando um resultado que atende aos anseios dos pacientes e profissionais. Os fatores predisponentes possuem uma probabilidade razoável genética, sexo, idade e desequilíbrio hormonal. Existem os fatores determinantes que estabelecem os maus hábitos alimentares e ainda com um

6 desequilíbrio hormonal, será alvo para infiltrações teciduais como: estresse, fumo, sedentarismo, desequilíbrios glandulares, perturbações metabólicas e disfunções hepáticas.²,³ Segundo Ulrich(1982) as lesões teciduais surgem em três estágios, subdivididos segundo a gravidade de cada um, FEG brando (grau1), FEG moderado (grau 2), FEG grave (grau 3), que são fundamentais na avaliação clínica, não fazendo menção as alterações histológicas 19. Essas são consideradas as alterações cutâneas macroscópicas e a sensibilidade a dor, bem como no prognóstico. O FEG exterioriza-se e manifesta-se sob diferentes aspectos e a afecção primária permanece a mesma. As formas clínicas do FEG a manifestações visíveis são condicionadas pela textura das próprias lesões nos seguintes quadros: FEG consistente (duro), FEG brando ou difuso (flácido), FEG edematoso e FEG misto 3, ULTRA SOM O ultra som no tratamento do FEG está vinculado aos efeitos fisiológicos associados a sua capacidade de veiculação da substância através da pele (fonoforese)¹. Dentre outros efeitos, pode-se destacar a neovascularização com conseqüente aumento da circulação, rearranjo e aumento de extensibilidade das fibras colágenas e melhora das propriedades mecânicas do tecido. Constatou-se que a permeabilidade da membrana biológica é o principal fator que torna possível a penetração de fármacos no organismo 1,4. O tempo de aplicação e a intensidade da radiação ultra-sônica devem ser mensurados. A intensidade varia segundo o efeito desejado e o tecido a ser estimulado, tem ação tanto mais profunda quanto for à intensidade. A aplicação do ultra som deve ser realizada via um agente de acoplamento, sendo que este deve ser suficientemente viscoso para agir como um lubrificante entre o transdutor e a pele. O mesmo deve estar estéril para evitar qualquer forma de contaminação e não apresentar bolhas de ar no seu interior, o que favoreceria atenuação do feixe. Independente da técnica de aplicação, o transdutor deve ser mantido sempre perpendicular a área a ser tratada, o que minimiza a energia refletida e refratada. A aplicação do ultra som terapêutico pode ser utilizada nas freqüências de 1 ou 3MHz, dependendo da profundidade da estrutura a ser irradiada. É de conhecimento geral que as freqüências maiores apresentam índices de atenuação maiores, sendo, portanto indicadas para o tratamento de tecidos superficiais como FEG. A fonoforese tem vantagem de que o medicamento a ser introduzido não necessita ter carga elétrica, isto é, ser polarizado.

7 Uma das razões pela qual o feixe ultra-sônico facilita a penetração de substâncias são efeitos que a pressão de radiação e a cavitação estável exercem nas membranas, bem com no interior dos tecidos, contribuindo para o aumento da difusão de eletrólitos. O efeito possibilita o aumento da permeabilidade das membranas, o qual torna possível a maior penetração de fármacos. A pressão depende da intensidade do campo ultra-sônico, a orientação da membrana relativa à direção de propagação da onda, da área de superfície na qual o feixe é aplicado e as propriedades elásticas dos meios em contato. Um ponto de suma importância que deve destacar é a intensidade do feixe ultra-sônico, a qual deve ser analisada periodicamente. O ultra-som possui duas freqüências, de 1MHz e de 3MHz, dependendo da profundidade da estrutura a ser irradiada, porém o tratamento com ultra-som de 3MHz é indicado para tecidos superficiais, enquanto que o tratamento com ultra-som de 1MHz é indicado para tecidos mais profundos. Como as alterações estéticas atingem os tecidos mais superficiais como a pele, o tecido conjuntivo (derme), produzindo alterações circulatórias e mecânicas do tecido, não necessita, portanto de uma penetração muito grande das ondas mecânicas. Sendo assim, o ultra-som de 3MHz é o mais indicado para o tratamento dessas afecções 4. Embora cientificamente não seja comprovado, sobre alguns princípios ativos sobre sua transmissividade das diferentes preparações farmacológicas, podem interferir na penetração e diminuir efetividade da terapia ultra-sônica DRENAGEM LINFÁTICA O método de drenagem linfática manual foi desenvolvido em 1932 pelo terapeuta dinamarquês Vodder, que observou que a maioria dos seus pacientes sofria de constipação, retenção de líquidos e apresentavam os gânglios linfáticos alterados. Segundo GUIRRO et. AL. 2002, a drenagem linfática é de grande importância no tratamento do fibro edema gelóide, diante do quadro de estase sanguínea e linfática¹. Essa técnica consiste em captar o líquido intersticial excedente que originou o edema e evacuá-lo em direção aos corredores de reserva ganglionares, mantendo dessa forma, o equilíbrio hídrico dos espaços intersticiais. A massagem promove analgesia e incremento na circulação sanguínea e linfática, além de aumento da maleabilidade do tecidual. As manobras devem ser realizadas de maneira rítmica, suave e superficial, a princípio, visando a dessensibilização.

8 O objetivo básico da massagem no FEG é drenar o excesso de líquido acumulado nos espaços intersticiais, mantendo o equilíbrio das pressões tissulares e hidrostática. A pressão mecânica da massagem elimina o excesso de fluido e diminui a probabilidade de fibrose, expulsando o líquido do meio tissular para vasos venosos e linfáticos. A drenagem linfática pode melhorar a tonicidade tissular e aumentar o transporte de metabólitos, promovendo um maior turgor da pele, ajudando no transporte de microestruturas, retornando ao seu estado inicial 6. A associação da drenagem linfática manual com ultra som tem mostrado bons resultados no pós-cirúrgico de cirurgias plásticas e lipodistrofia genóide.um artigo de revisão analisou a combinação das técnicas após a realização da drenagem linfática manual com ultra som nas intervenções fisioterapêuticas nos pós operatórios imediatos e mostrou ter grande importância para evitar complicações como a formação de fibrose nas cirurgias plásticas e FEG 7. Segundo VIEIRA e SOUZA, 2008, a drenagem linfática manual nos métodos Vooder, Leduc e Földi além de promover outros benefícios nos procedimentos realizados não só na estética, também favorecem na diminuição do linfedema pós mastectomia. Através de revisão bibliográfica, foi visto que as técnicas manuais empregadas são bases para o tratamento do edema linfático, aumentando a amplitude de movimento e até mesmo a autoestima do paciente. Porém, mostram-se mais eficazes quando utilizadas em associação a outros procedimentos como por exemplo a drenagem linfática com ultra som nas alterações tegumentares como o FEG, melhorando o aspecto da pele, a oxigenação tecidual e aumento do aporte sanguíneo. O diagnóstico precoce, orientações ao paciente e seu acompanhamento aumentam as chances do mesmo na obtenção de plenitude física, mental e emocional DESCRIÇÃO DAS TÉCNICAS Segundo MARX, 2000, para se ter um bom resultado as manobras de drenagem linfática manual devem ser realizadas por profissionais habilitados em linfoterapia, além do conhecimento da fisiologia e anatomia do sistema linfático²¹. Ter habilidades no trajeto das linhas divisórias utilizadas para um direcionamento dos fluxos linfáticos. Pressões muito

9 elevadas (>60mmHg) podem lesar alguns capilares linfáticos, podendo levar sérias complicações no quadro clínico a médio e longo prazo. Método Vodder: drenagem linfática consiste de uma pressão suave, adaptada de forma lenta e repetitiva, onde não ocorre deslizamento no tecido cutâneo. Na técnica de Vodder, a massagem sempre se inicia distalmente ao segmento. A técnica compreende em dois procedimentos: 1. Captação: O procedimento visa captar a linfa do interstício para os capilares linfáticos. 2. Evacuação: Esta consiste em eliminar a linfa que está dentro dos vasos linfáticos, transportando-a para a região linfonodal distante do local do edema. Alguns autores citaram os quatro movimentos básicos da massagem de drenagem linfática manual de Vodder, que são: Círculos estacionários: Os dedos são colocados espalmados sobre a pele e movidos igualmente ao mesmo tempo em círculos estacionários. Técnica de bombeamento: São utilizados o polegar e os dedos, movendo-se no mesmo trajeto, realizando círculos ovais. Todo o controle é feito com o punho. Técnica da mobilização: É realizada com a palma da mão. Os movimentos são feitos com o punho com um conjunto mão-punho. Técnica rotatória: Esta técnica é usada em superfícies corporais relativamente planas, onde os movimentos em que a palma da mão toca a pele relaxadamente. Método Leduc: As manobras específicas para a execução de sua técnica consiste nos movimentos que são iniciados proximais do segmento a ser drenado. As manobras consistem em: Círculos com os dedos: São movimentos rotatórios realizados com os dedos, onde a pele é deslocada em relação ao plano profundo. Círculos com o polegar: São realizados movimentos circulares com o polegar, utilizando-se da articulação metacarpo falangeana, que possui grande mobilidade. Movimento combinado: São utilizados os polegares e os dedos em conjunto para a realização deste movimento. Pressões em braceletes: Este movimento sempre inicia na região proximal e a medida que for evacuada, as mãos seguem distalmente, realizando pressão em direção a região proximal.

10 Drenagem dos gânglios linfáticos: A manobra é realizada com suavidade e prudência, a compressão dos vasos linfáticos pode ser feita com as duas mãos sobrepostas. Método Godoy A técnica foi desenvolvida pelo casal Godoy baseando-se no uso de rolinhos, chamado de roletes, onde é feito uma leve pressão no trajeto dos linfáticos. As pressões realizadas são para aumentar o fluxo linfático¹¹ Este trabalho tem como objetivo de comparar o efeito da drenagem linfática e da drenagem linfática combinada com ultra som no Fibro Edema Gelóide (FEG), através do levantamento de revisão literária de estudos publicados entre os anos de 1990 à 2010.

11 2.0 Metodologia O presente estudo foi realizado a partir de uma revisão de literatura. Foram utilizados artigos científicos nos idiomas português e inglês publicados entre o ano de 1990 à Foram consultados nas bases de dados Scielo, Lilacs, livros; Medline e Pubmed, utilizando as seguintes palavras chave: Drenagem linfática, ultra som, fibro edema gelóide, lipodistrofia ginóide, tratamento, limphatic drainage, ultrasound cellulite, lipodistrofic.

12 3.0 RESULTADO E DISCUSSÃO Foram encontrados 30 artigos, dos quais foram utilizados 21 para este estudo. A data da última pesquisa foi 01/02/2013. Foram analisados o levantamento desse material, além de verificada a descrição da técnica, o tempo de duração desta, a combinação com outras terapias, como a combinação da drenagem Linfática com ultra som, a porcentagem de redução do aspecto casca de laranja do Fibro Edema Gelóide. Concordando com esse estudo bibliográfico diversos autores observaram que os tecidos cutâneos e adiposos são afetados em diversos graus, portanto comprovadamente ocorre disfunção e uma série de alterações estruturais na derme, na micro circulação e nos adipócitos. Essas modificações não são apenas morfológicas, mas também histoquímica, bioquímicas e ultra-estruturais. Segundo GUIRRO e GUIRRO, O tecido encontra-se espesso e com proliferação das fibras de colágenos interadipocitárias e interlobulares que provocam uma alteração nos tecidos. Com isso, a circulação de drenagem é sensivelmente reduzida, e os fibroblastos são encarcerados. As fibras esclerosadas realizam um tipo de rede em forma de força, que comprime os vasos e nervos, formando uma aparência nodulosa na epiderme. O ultra som no tratamento do FEG está vinculado aos efeitos fisiológicos associados a sua capacidade de veiculação da substância através da pele (fonoforese). Constatou-se que a permeabilidade da membrana biológica é o principal fator que torna possível a penetração de fármacos no organismo. Dentre outros efeitos, pode-se destacar a neovascularização com conseqüente aumento da circulação, rearranjo e aumento de extensibilidade das fibras colágenas, e melhora das 1-4,17. propriedades mecânicas do tecido A Drenagem Linfática manual (DLM) é uma técnica de massagem com manobras lentas, rítmicas e suaves que envolvem a superfície da pele e seguem os caminhos anatômicos linfático do corpo, visando a drenar o excesso de líquido no interstício, no tecido e dentro dos vasos, por meio das anastomoses superficiais áxilo-axilar e áxilo-inguinal, como também a estimular pequenos capilares inativos; e a aumentar a motricidade da unidade linfática (linfangion), além de dissolver fibroses linfostáticas que se apresentam em linfedemas mais exuberantes²- 8.

13 Segundo alguns autores como: Neto, Franscischelli e Oliveira a composição corporal por impedância bioelétrica de 77 mulheres caucasianas são mais acometidas (idade media de 30,7 anos), com graus variados de FEG. Os autores verificaram que, mesmo as pacientes com IMC<25kg/m2 apresentavam %G(gordura)), corporal aumentada, demonstrando a associação entre o FEG e o excesso de gordura corporal total, embora apresentassem peso adequado ou mesmo abaixo do considerado adequado. Embora seja possível observar, tanto nas mulheres com peso adequado quanto com sobrepeso, há uma predominância de mulheres com %G considerada elevada sendo esta predominância mais expressiva no grupo de mulheres classificadas em sobrepeso. Todas as avaliadas apresentaram adiposidades localizadas, 80%eram ginoides (16,6% mistas e apenas 3,4% andróides), biótipo que apresenta deposição regional excessiva de gordura com alterações nas regiões alvo principalmente de quadris e coxas, conforme a herança genética associada a alterações hormonais 2. O presente estudo colaborou com as pesquisas de alguns autores como Mirrashed et al.22 que verificaram que o tecido adiposo subcutâneo de mulheres com alto grau de FEG é mais espesso, apresentando lóbulos adiposos maiores, independentemente do IMC ser aumentado ou adequado. Esses autores utilizaram analise de micro imagens por RMN da derme e do tecido adiposo subcutâneo de 12 mulheres com idade entre 18 e 46 anos, com IMC adequado e obesidade (> 30 kg/m2) com baixo e alto grau de FEG, classificado em quatro graus. Weimann 22, realizou um estudo com 10 pacientes, aleatoriamente, formando dois grupos, onde o primeiro grupo foi submetido à terapia com ultra-som, e o segundo grupo não recebeu nenhuma intervenção terapêutica no período. O ultra-som foi utilizado na freqüência de 3MHz, no modo contínuo, com dose de 1,2W/cm², e foi aplicado por 7 minutos em cada glúteo. O tratamento consistiu de 20 sessões, realizadas 3 vezes por semana, em dias alternados. Todas as voluntárias foram submetidas à avaliação inicial, para verificar o grau do FEG apresentado. Com o término do tratamento proposto nova avaliação foi realizada e revelou que a utilização do ultra-som mostrou-se eficaz no tratamento do FEG, uma vez que diminuiu o grau de acometimento. Francischelli e Oliveira, 9 diz que fatores genéticos, emocionais, metabólicos e hormonais, além de idade, sexo, hipertensão arterial, obesidade e hábitos como fumo, sedentarismo, roupas apertadas e má alimentação predispõem ao aparecimento da celulite. Desta forma podem ser destacadas as mulheres mais uma vez, pois a maioria dessas

14 características é mais vistas no sexo feminino. Neste estudo inclusive podemos observar que entre as mulheres há uma incidência muito grande do FEG em várias idades, podendo ser das mais variadas causas. De acordo com alguns autores¹,¹ 8 a maioria dos estudos pode comprovar que a drenagem linfática associada com ultra som 3MHz no modo contínuo, com dose de 1,2W/cm², otimiza o tratamento de FEG, e as pacientes submetidas só a drenagem linfática manual também teve uma resposta tanto no grau do FEG quanto no aspecto da pele. Isso leva a adotar estratégias de intervenções terapêuticas precoces por profissionais da área de forma que FEG deixe de ser visto como tratamento estético; pois pode interferir na funcionalidade das pessoas acometidas 14.

15 4.0 CONSIDERAÇÕES FINAIS Pelo levantamento do material e segundo os autores, conclui-se que na Drenagem Linfática, combinada com o ultra som, torna-se um recurso muito utilizado no tratamento da Fibro Edema Gelóide, sendo a freqüência do ultra som de 3 MHz e o modo contínuo os mais empregados. As doses administradas e o tempo de tratamento variam de acordo com o grau do FEG. Os participantes foram unânimes quanto à utilização de Fonoforese associada ao ultra som e dando seqüência a Drenagem Linfática na região a ser tratada. A técnica combinada da drenagem linfática manual associada o ultra som no modo fonoforese com princípios ativos foram mais efetivos, quanto a técnica isolada da drenagem linfática manual.

16 5.0 REFERÊNCIAS 1- Guirro, ECO. Guirro, RRJ. Fisioterapia Dermato-Funcional: Fundamentos, recursos, patologias. 3.Ed.São Paulo,SP:Manole Ciporkin, H. Paschoal, LHC. Atualização terapêutica e gisiopatogênica da lipodistrofia Gelóide (LDG) celulite. São Paulo,Santos, Campos, MSMP. Fibro Edema Gelóide Subcutâneo. Revista de Ciência e Tecnologia (UNIMEP), Apostila, Guirro, Elaine, Guirro, Rinaldo. Fisioterapia e Estética Fundamentos, Recursos e Patologias. 2 ª ed. São Paulo: Manole, Parienti IJ. A celulite. Medicina estética. São Paulo:Andrei, Borges, Fábio. Dermato-funcional: modalidades terapêuticas nas disfunções estéticas. São Paulo: Phorte, Leduc, Albert; Leduc, Olivier. Drenagem linfática: teoria e prática. 2ed. Barueri, SP: Manole, De Rezende, Laura; Pedras, Felipe; Ramos, Celso; Gurgel, Maria. Avaliações dascompensações linfáticas no pós-operatório de câncer de mama com dissecção axilar através de linfocintilografia. Sociedade Brasileira de Angiologia e de CirurgiaVascular, São Paulo, vol 7, n 4, p , outubro Viera, Danielle; De Souza, Raquel. O uso da drenagem linfática manual e do ultra-som no pós-operatório. Revista Nova Fisio &terapia, São Paulo, vol 47, n 64, p , abril de Furtado, Daniella; Cabral, Rejane; Gomes, Demétrio; Tavares, Adriano. Drenagem linfática manual no tratamento fisioterapêutico do linfedema primário demembros inferiores. Jornal Brasileiro de Medicina, Brasília, vol 95, n 2, p , agosto de Godoy, José; Godoy, Maria. Drenagem linfática manual: um novo conceito. Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, São Paulo, vol 3, n 1, p , Pereira, Lorena; Silva, Isabela; Araújo, Veriana. Drenagem linfática manual notratamento do fibroedema gelóide. Revista Fisioterapia Ser,Campina Grande, vol 3,n 3, p , junho Draelos, ZD.; Marenus, KD. Cellulite-etiology and purported treatment. Dermatol. Surg., v. 23,n. 12, p , 1997.

17 14- Duval, AR. Diagnostic ettraitement de la cellulite. Sem. Med., n. 30, p. 852, Gordart, S.; Leduc, A.; Collard, M. Drainage limphatique. Expérimentation clinique. Travaux de la S.S.B.K., v. II, n. 3, p , Hermitte, R. Cellulitis. Revista Cosmetics & Toiletries v. 2, n. 1, p , Salgado, AS. Proposta para tratamento fisioterapêitico para Fibro Edema Gelóide utilizando ultra-som de 3 MHz. Fisioterapia Manual, Rossi AB, Vergnanini AL. Cellulite: a review. J Eur Acad Dermatol Venereol 2000;14(4): Ulrich W. A celulite é curável. Rio de Janeiro: Tecnoprint, Avram MM. Cellulite: a review of its physiology and treatment. J Cosmet Laser Ther 2004;6(4):181: Marx, G., Angela; Camargo, C., Márcia. Fisioterapia no Edema Linfático. São Paulo: Panamed, Weimann L. Análise a eficácia do ultra-som terapêutico na redução do fibro edema gelóide. Trabalho de conclusão de curso do curso de fisioterapia do centro de ciências biológicas e da saúde da universidade estadual do Oeste do Paraná. UNIOESTE Canpos Cascavel, 2004.

18 ABSTRACT LYMPHATIC DRAINAGE AND EFFECTIVENESS OF THE COMBINATION OF DRAINAGE LYMPHATIC WITH ULTRA SOUND IN WOMEN WITH FIBRO EDEMA GELOID (EGF) The Fibro edema geloid( EGF) is a condition that causes deficiency in the blood and lymph circulation, muscle hypotonia frequent, leading to almost complete immobility of the lower limbs, and severe pain and emotional problems. This study aims to review studies of the literature in order to verify and evaluate the benefits of physical therapy to compare the effect of lymphatic drainage and lymphatic drainage combined with ultrasound in EGF. Methodology: bibliographical survey was performed in the period 2011 to 2012, through books and databases LILACS, MEDLINE and SCIELO. Searched articles were selected ie those who made reference, data related to resources and methods used in the treatment of fibro gelóide edema, the effectiveness of the combination of lymphatic drainage and lymphatic drainage with ultrasound in EGF. Results and conclusion: physical therapy, with its vast resources, the choice is still more efficient in the treatment of Fibro Edema Gelóide because you can not only improve and maintain the functionality of the lymphatic circulation and tissue oxygenation, and preventing recurrence of such disorders. Keywords: Lymphatic drainage, ultrasound and Fibro Edema Gelóide. Pesquisadores: Sandra Maria Pinto Siriano Costa Fisioterapeuta Elicéia Marcia Batista Fisioterapeuta, Mestre em Ciências da Saúde e Docente do CEAFI PÓS- GRADUAÇÃO

19

FASES DO FEG Primeira fase: Congestiva simples

FASES DO FEG Primeira fase: Congestiva simples FIBRO EDEMA GELÓIDE DEFINIÇÃO O FEG é uma disfunção localizada que afeta a derme e o tecido subcutâneo, com alterações vasculares e lipodistrofia com resposta esclerosante. FASES DO FEG Primeira fase:

Leia mais

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide Lipodistrofia Ginóide Estria Discromia Distúrbios inestéticos O termo "celulite" foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000)

Leia mais

CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS

CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonati Sistema Linfático Sistema auxiliar de drenagem que faz a retirada do excesso de líquidos do meio extracelular,

Leia mais

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonatti A endermoterapia foi criada na França em 1970 por Louis Paul Guitay. Ele sofreu um grave acidente de carro que causou queimaduras de

Leia mais

Análise da drenagem linfática manual no tratamento do fi bro edema gelóide e na redução de medidas

Análise da drenagem linfática manual no tratamento do fi bro edema gelóide e na redução de medidas Análise da drenagem linfática manual no tratamento do fi bro edema gelóide e na redução de medidas Natália Batista Silva 1 Sidilaini Reis Silva 1 Ligia de Souza 2 Resumo: O fibro edema gelóide (FEG), é

Leia mais

TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA

TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA RINALDI, C. L.W.; SPESSATO, L. C. Resumo: O objetivo do presente estudo foi avaliar o benefício da eletrolipoforese no tratamento

Leia mais

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO A IMPORTÂNCIA DOS TRATAMENTOS ESTÉTICOS NO PRÉ E PÓS- OPERATÓRIO DE CIRURGIA DO CONTORNO CORPORAL

Leia mais

REVISTA CEREUS nº.6, online dez/2011-jun 2012 ISSN 2175-7275 A DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE: UMA REVISÃO LITERÁRIA

REVISTA CEREUS nº.6, online dez/2011-jun 2012 ISSN 2175-7275 A DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE: UMA REVISÃO LITERÁRIA A DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE: UMA REVISÃO LITERÁRIA LESSA, Leilane B. dos S¹ SILVA, Maria N. da ² DINIZ, Júlia S³. HERRERA, Sávia Denise Silva Carlotto 4 ¹Leilane Bernadete

Leia mais

Que tal dar um up em seu visual e melhorar sua auto-estima? Promover sua saúde sem o cigarro aproveitando os sabores da vida e recuperar seu fôlego?

Que tal dar um up em seu visual e melhorar sua auto-estima? Promover sua saúde sem o cigarro aproveitando os sabores da vida e recuperar seu fôlego? Você que está tentando largar o vício do cigarro e não consegue encontrar forças para se livrar desse mal. Anda sentindo dores nas costas, cansaço e/ou inchaço nas pernas, problemas com acnes ou querendo

Leia mais

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG).

APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). APLICAÇÃO DO ULTRASSOM NA ESTÉTICA CORPORAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG). Cintia Tosoni Leonardo Ribeiro (*) Monia Luci Pawlowski (*) Tatiane Costa de Sousa (*) (*) Acadêmicas do CST em Estética

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DO HECCUS NA LIPODISTROFIA GINÓIDE HONÓRIO, T.C.; RODRIGUES, N.T.C.P.

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DO HECCUS NA LIPODISTROFIA GINÓIDE HONÓRIO, T.C.; RODRIGUES, N.T.C.P. 1 AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DO HECCUS NA LIPODISTROFIA GINÓIDE HONÓRIO, T.C.; RODRIGUES, N.T.C.P. RESUMO Na atualidade a nova arma de combate à lipodistrofia ginóide é o Heccus, um aparelho computadorizado

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA LIDIANE LOREDO SANTOS THAINA DE OLIVEIRA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA LIDIANE LOREDO SANTOS THAINA DE OLIVEIRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA LIDIANE LOREDO SANTOS THAINA DE OLIVEIRA EFEITOS DA MASSAGEM MODELADORA NO TRATAMENTO DA FIBRO EDEMA GELÓIDE SÃO PAULO 2015 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

Leia mais

Efeitos da terapia ultra-sônica associado a drenagem linfática manual no tratamento do fibro edema gelóide

Efeitos da terapia ultra-sônica associado a drenagem linfática manual no tratamento do fibro edema gelóide 1 Efeitos da terapia ultra-sônica associado a drenagem linfática manual no tratamento do fibro edema gelóide Resumo Ciliane schmidt 1 Dayana priscila maia mejia 2 ciliane.schmidt@hotmail.com Pós-graduação

Leia mais

DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO PÓS OPERATÓRIO DE DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL

DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO PÓS OPERATÓRIO DE DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO PÓS OPERATÓRIO DE DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL Cássia Vanessa Baseggio 1 Deborah Ariza 2 Naudimar Di Pietro Simões 3 Resumo: Dermolipectomia abdominal ou abdominoplastia é uma

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL

TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Avaliação em Fisioterapia Dermatofuncional

Avaliação em Fisioterapia Dermatofuncional Avaliação em Fisioterapia Dermatofuncional Ms. Giovana B. Milani Mestre em Ciências pela FMUSP Pós- Graduada em Fisioterapia Dermato-Funcional Pós- Graduada em Aparelho locomotor no esporte Pré e Pós Cirurgia

Leia mais

MASSAGEM EM POPULAÇÃO IDOSA PREVENÇÃO E MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO

MASSAGEM EM POPULAÇÃO IDOSA PREVENÇÃO E MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO MASSAGEM EM POPULAÇÃO IDOSA PREVENÇÃO E MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO Prof. Esp.* ANDRÉ LEONARDO DA SILVA NESSI Prof. Ms.**AIDE ANGÉLICA DE OLIVEIRA Prof. Dra.*VILMA NATIVIDADE *Universidade Anhembi

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM 27-11-2014 / 30-11-2014. HORARIO Manhã - 09:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 19:00 INVESTIMENTO FORMADOR

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM 27-11-2014 / 30-11-2014. HORARIO Manhã - 09:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 19:00 INVESTIMENTO FORMADOR FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL CORPORAL E FACIAL - REVOLUçãO E NOVOS CONCEITOS (NOV 2014) - PORTO Está cansado de ver sempre os mesmos temas e conceitos a serem abordados nos cursos de Fisioterapia Dermatofuncional?

Leia mais

EFEITOS OBTIDOS COM A APLICAÇÃO DO ULTRA-SOM NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELOIDE FEG (CELULITE)

EFEITOS OBTIDOS COM A APLICAÇÃO DO ULTRA-SOM NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELOIDE FEG (CELULITE) EFEITOS OBTIDOS COM A APLICAÇÃO DO ULTRA-SOM NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELOIDE FEG (CELULITE) Elaine Pickler Oenning 1 Melissa Medeiros Braz 2 RESUMO O fibro edema gelóide (FEG), popularmente conhecido

Leia mais

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br Anatomia da pele Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br SISTEMA TEGUMENTAR: PELE E FÁSCIA Funções: proteção regulação térmica sensibilidade Sua espessura varia de 0.5mm nas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE UM PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM PACIENTES COM FIBRO EDEMA GELÓIDE

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE UM PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM PACIENTES COM FIBRO EDEMA GELÓIDE Desenvolvimento e aplicação de um protocolo de avaliação fisioterapêuticaem pacientes com fibro edema gelóide DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE UM PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM PACIENTES COM

Leia mais

Sistema Circulatório

Sistema Circulatório Sistema Circulatório O coração Localização: O coração está situado na cavidade torácica, entre a 2ª e 5ª costelas, entre os pulmões, com 2/3 para a esquerda, ápice para baixo e para esquerda e base para

Leia mais

INCI. Biocomplexo anticelulítico de plantas da Amazônia com destacada ação Drenante. Definição

INCI. Biocomplexo anticelulítico de plantas da Amazônia com destacada ação Drenante. Definição Produto INCI Definição SLIMBUSTER H Water and Butylene Glycol and PEG-40 Hydrogenated Castor Oil and Ptychopetalum Olacoides Extract and Trichilia Catigua Extract and Pfaffia sp Extract Biocomplexo anticelulítico

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL ARTIGO PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL Flávio Petrônio Cabral de Castro Docente da Escola Estadual Antonia Rangel

Leia mais

DRENAGEM LINFÁTICA ASSOCIADA À CARBOXITERAPIA NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE GRAU II: ESTUDO DE CASO

DRENAGEM LINFÁTICA ASSOCIADA À CARBOXITERAPIA NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE GRAU II: ESTUDO DE CASO 4.00.00.00-1 - CIÊNCIAS DA SAÚDE 4.08.00.00-8 - Fisioterapia e Terapia Ocupacional DRENAGEM LINFÁTICA ASSOCIADA À CARBOXITERAPIA NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE GRAU II: ESTUDO DE CASO SUZANA APARECIDA

Leia mais

TRABALHANDO COM AVATAR II e III ULTRA-SOM

TRABALHANDO COM AVATAR II e III ULTRA-SOM TRABALHANDO COM AVATAR II e III ULTRA-SOM Rev. 00 Elaborado por: Bianca Pínola Longo baseado em literatura. PARTE I Introdução O ultra-som consiste em vibrações mecânicas de alta freqüência. São ondas

Leia mais

PARECER COREN-SP 012 /2014 CT PRCI n 100.480/2012 Ticket n : 292.305, 295.096,

PARECER COREN-SP 012 /2014 CT PRCI n 100.480/2012 Ticket n : 292.305, 295.096, PARECER COREN-SP 012 /2014 CT PRCI n 100.480/2012 Ticket n : 292.305, 295.096, Ementa: Realização de Drenagem linfática por Enfermeiro. 1. Do fato linfática. Enfermeiros solicitam parecer sobre respaldo

Leia mais

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA AUTORES: FT. GONÇALO SOARES FT. STELA FRAZÃO LISBOA, NOVEMBRO

Leia mais

Acórdão nº. 293 de 16 de junho de 2012.

Acórdão nº. 293 de 16 de junho de 2012. Imprimir Acórdão nº. 293 de 16 de junho de 2012. D.O.U nº 120, Seção I, em 03/07/2012, páginas 127 e 128. O PLENÁRIO DO CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

A APLICABILIDADE DO ULTRA SOM AVATAR IV ESTHÉTIC ASSOCIADO À FONOFORESE NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG) 1 RESUMO

A APLICABILIDADE DO ULTRA SOM AVATAR IV ESTHÉTIC ASSOCIADO À FONOFORESE NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG) 1 RESUMO A APLICABILIDADE DO ULTRA SOM AVATAR IV ESTHÉTIC ASSOCIADO À FONOFORESE NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE (FEG) 1 RESUMO Andressa da Silva Luz 2 Roberta Pires da Silva 3 Prof. Adriana Caixeta 4 O fibro

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL Alessandra Prado de Souza, Ana Eliza Gonçalves Santos, Jaciara Nazareth Campos Palma, Karine Aparecida Silvério, Leonardo Ferreira, Matheus

Leia mais

ARTIGO CIENTÍFICO MASSAGEM MODELADORA NO TRATAMENTO DA FEG

ARTIGO CIENTÍFICO MASSAGEM MODELADORA NO TRATAMENTO DA FEG FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS ARTIGO CIENTÍFICO MASSAGEM MODELADORA NO TRATAMENTO DA FEG CLARICE APARECIDA DE SOUZA MAKISHI JENNIFER MATOS FERNANDES SIMONE DE ALMEIDA GUAZZI TALITA DA SILVA SÃO PAULO-SP

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA BANDAGEM CRIOTERÁPICA NA ADIPOSIDADE ABDOMINAL EM MULHERES ENTRE 25 E 30 ANOS

A UTILIZAÇÃO DA BANDAGEM CRIOTERÁPICA NA ADIPOSIDADE ABDOMINAL EM MULHERES ENTRE 25 E 30 ANOS A UTILIZAÇÃO DA BANDAGEM CRIOTERÁPICA NA ADIPOSIDADE ABDOMINAL EM MULHERES ENTRE 25 E 30 ANOS USE OF BANDAGE CRYOTHERAPYIN ABDOMINAL ADIPOSITY IN WOMEN BETWEEN 25 AND 30 YEARS Caroline Romano -carol.romano.93@gmail.com

Leia mais

Biologia. Sistema circulatório

Biologia. Sistema circulatório Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10R Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório.

Leia mais

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO TECIDO EPITELIAL MUITAS CÉLULAS; CÉLULAS JUSTAPOSTAS; POUCA OU NENHUMA SUBSTÂNCIA INTERCELULAR; FORMADO POR UMA OU VÁRIAS CAMADAS DE CÉLULAS; NÃO POSSUI FIBRAS; É AVASCULARIZADO;

Leia mais

PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA

PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA PERFIL DOS PACIENTES PORTADORES DA OSTEOPOROSE ATENDIDOS PELO COMPONENTE ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Raquel Lino de Menezes 8, Francielda Geremias da Costa Luz¹, Maycon Allison Horácio de

Leia mais

TREINAMENTO TÉCNICO BIOTHERMIC

TREINAMENTO TÉCNICO BIOTHERMIC TREINAMENTO TÉCNICO BIOTHERMIC BIOSET Indústria de Tecnologia Eletrônica Ltda. EPP Av. 55, 1212 -Jardim Kennedy - Rio Claro SP - CEP 13501-540 SAC: (19) 3534-3693 www.bioset.com.br CNPJ: 68.099.431/0001-90

Leia mais

Reduz a acumulação de gordura durante a adipogênese. Reduz o tamanho de adipócito com efeito de lipólise.

Reduz a acumulação de gordura durante a adipogênese. Reduz o tamanho de adipócito com efeito de lipólise. ADIPO-TRAP Adipo-Trap a planta carnívora que remodela o corpo. 1. Introdução In Vitro Reduz a acumulação de gordura durante a adipogênese. Reduz o tamanho de adipócito com efeito de lipólise. Ensaio Clínico

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS Sobre a Avaliação: O profissional conecta os sensores nos dedos do cliente para que possam captar os sinais do sistema nervoso e enviá-los ao computador, gerando resultados

Leia mais

CURSO MASTER FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL

CURSO MASTER FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL CURSO MASTER FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL - 2ª edição - DISFUNÇÕES FACIAIS & CORPORAIS - Curso Teórico-Prático - 1º módulo: 29, 30 de Abril e 1 de Maio 2016 - Lisboa - 2º módulo: 27, 28 e 29 de Maio 2016

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 COMPONENTE CURRICULAR: Fisioterapia em Dermatologia

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 COMPONENTE CURRICULAR: Fisioterapia em Dermatologia CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 COMPONENTE CURRICULAR: Fisioterapia em Dermatologia CÓDIGO: Fisio 227 CH TOTAL: 60hs PRÉ-REQUISITO: -----

Leia mais

Escola de Massagem Estética e Terapêutica. Espondiolaterapia : Programa: Programa Curso Profissionalizante 2011 vr.2

Escola de Massagem Estética e Terapêutica. Espondiolaterapia : Programa: Programa Curso Profissionalizante 2011 vr.2 Escola de Massagem Estética e Terapêutica Programa Curso Profissionalizante 2011 vr.2 Espondiolaterapia : Trata-se de um protocolo para avaliação, interpretação e orientação aplicado à coluna vertebral

Leia mais

Prezado cliente, Seja bem vindo ao Instituto de Cosmetologia e Estética da Universidade Metodista

Prezado cliente, Seja bem vindo ao Instituto de Cosmetologia e Estética da Universidade Metodista Carta de serviços 2016 Prezado cliente, Seja bem vindo ao Instituto de Cosmetologia e Estética da Universidade Metodista Aqui você encontrará serviços de Beleza e Bem Estar. Agende seu horário diretamente

Leia mais

PROJETO FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL NA SAÚDE DA MULHER NA ASSISTÊNCIA DE MULHERES ACOMETIDAS POR RUGAS

PROJETO FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL NA SAÚDE DA MULHER NA ASSISTÊNCIA DE MULHERES ACOMETIDAS POR RUGAS PROJETO FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL NA SAÚDE DA MULHER NA ASSISTÊNCIA DE MULHERES ACOMETIDAS POR RUGAS MAIA, Ingrid Vanessa E. 2 RAMALHO, Jéssica Soares 2 FERREIRA, Luana de Lima 2 JUNIOR, Paulo Sergio

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA SUBCUTÂNEA BASEADA NA OBSERVAÇÃO DE PEÇAS ANATÔMICAS DISSECADAS 1

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA SUBCUTÂNEA BASEADA NA OBSERVAÇÃO DE PEÇAS ANATÔMICAS DISSECADAS 1 DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA SUBCUTÂNEA BASEADA NA OBSERVAÇÃO DE PEÇAS ANATÔMICAS DISSECADAS 1 CAMPOS, Adriana 1 ; SANTOS, Danillo Luiz 2 ; ARAÚJO, Patrick Correia de Souza 3 ; LUIZ, Carlos Rosemberg 4 ; BENETTI,

Leia mais

MICROAGULHAMENTO COMO AGENTE POTENCIALIZADOR DA PERMEAÇÃO DE PRINCÍPIOS ATIVOS CORPORAIS NO TRATAMENTO DE LIPODISTROFIA LOCALIZADA: ESTUDO DE CASOS

MICROAGULHAMENTO COMO AGENTE POTENCIALIZADOR DA PERMEAÇÃO DE PRINCÍPIOS ATIVOS CORPORAIS NO TRATAMENTO DE LIPODISTROFIA LOCALIZADA: ESTUDO DE CASOS MICROAGULHAMENTO COMO AGENTE POTENCIALIZADOR DA PERMEAÇÃO DE PRINCÍPIOS ATIVOS CORPORAIS NO TRATAMENTO DE LIPODISTROFIA LOCALIZADA: ESTUDO DE CASOS Aline Prando Klayn 1 ; Mirieli Denardi Limana 2, Lilian

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA (PROCOR)

PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA (PROCOR) PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA (PROCOR) Priscila Bendo Acadêmica do Curso de Educação Física da UFSC Luiza Borges Gentil Acadêmica do Curso de Medicina da UFSC José Henrique Ramos

Leia mais

TODAS AS COISAS TÊM SEU TEMPO. SALOMÃO

TODAS AS COISAS TÊM SEU TEMPO. SALOMÃO TODAS AS COISAS TÊM SEU TEMPO. SALOMÃO Fertilidade Natural: Reflexologia e Shiatsu CAPÍTULO 13 Reflexologia e Shiatsu O TOQUE DA FILOSOFIA ORIENTAL O indivíduo nasce, cresce, pode ser chamado de Maria,

Leia mais

A hipertensão arterial é comum?

A hipertensão arterial é comum? Introdução A hipertensão arterial é comum? Se tem mais de 30 anos e não se lembra da última vez em que verificou a sua tensão arterial, pode pertencer aos dois milhões de pessoas neste país com hipertensão

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ESTILETE ERGONÔMICO. Aryanne ROCHA, Nilma ARRAES, Ronald RUFFEIL

DESENVOLVIMENTO DE UM ESTILETE ERGONÔMICO. Aryanne ROCHA, Nilma ARRAES, Ronald RUFFEIL DESENVOLVIMENTO DE UM ESTILETE ERGONÔMICO Aryanne ROCHA, Nilma ARRAES, Ronald RUFFEIL Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (IESAM) Av.Governador José Malcher, 1148-66.055-260-Belém-Pa Nilmaarraes3@bol.com.br

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 ANATOMIA E FISIOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 2 DEFINIÇÕES Anatomia é a ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição e o desenvolvimento

Leia mais

CARBOXITERAPIA, CARBOTERAPIA, CARBOSSITERAPIA, CARBOXITHERAPY, CARBOXIDTERAPIA. CARBON DOIXIDE THERAPY, etc.

CARBOXITERAPIA, CARBOTERAPIA, CARBOSSITERAPIA, CARBOXITHERAPY, CARBOXIDTERAPIA. CARBON DOIXIDE THERAPY, etc. CARBOXITERAPIA Permanentemente recibo e-mails de colegas e principalmente dos meus alunos perguntando sobre a Carboxiterapía. Um procedimento de moda e muito utilizado no mundo inteiro. Vamos então fazer

Leia mais

TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira

TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira MASSAGEM MODELADORA Indicadas para modelar o corpo e reduzir medidas; além de ser importante no combate contra a celulite; TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira MASSAGEM MODELADORA Esta técnica,

Leia mais

ULTRA-SOM NA PRESERVAÇÃO E PROCESSAMENTO DOS ALIMENTOS

ULTRA-SOM NA PRESERVAÇÃO E PROCESSAMENTO DOS ALIMENTOS Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura em Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos ULTRA-SOM NA PRESERVAÇÃO E PROCESSAMENTO DOS ALIMENTOS Ricardo Aranha 20703040 Ana Ferreira 20803028

Leia mais

Administração de medicamentos via parenteral. Profª Leticia Pedroso

Administração de medicamentos via parenteral. Profª Leticia Pedroso Administração de medicamentos via parenteral Profª Leticia Pedroso INJETÁVEIS- VIA PARENTERAL É a administração de medicamentos através das vias: Endovenosa (EV), intramuscular (IM, subcutânea (SC) e Intradérmica

Leia mais

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos.

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos. CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU CURSO DE ESTÉTICA E COSMÉTICA Gresemar Aparecida Silva Vedat Sevilla RA 5250988 Natalia Matos da Silva RA: 6837127 Coordenadora: Prof. Natalie

Leia mais

EFEITO DO AQUECIMENTO MUSCULAR GERADO PELA BICICLETA ERGOMÉTRICA SOBRE A EXTENSIBILIDADE IMEDIATA DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS

EFEITO DO AQUECIMENTO MUSCULAR GERADO PELA BICICLETA ERGOMÉTRICA SOBRE A EXTENSIBILIDADE IMEDIATA DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 EFEITO DO AQUECIMENTO MUSCULAR GERADO PELA BICICLETA ERGOMÉTRICA SOBRE A EXTENSIBILIDADE IMEDIATA DOS MÚSCULOS ISQUIOTIBIAIS

Leia mais

Introdução: a homeostase orgânica pode ser alterada pelo exercício físico, através do incremento

Introdução: a homeostase orgânica pode ser alterada pelo exercício físico, através do incremento TCC em Re vista 2009 85 PRADO, Fernanda Peres 13. Análise do estresse oxidativo no plasma sanguíneo através da microscopia óptica em indivíduos submetidos à crioimersão corporal imediata ao esforço físico

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

COMO SURGEM OS TECIDOS

COMO SURGEM OS TECIDOS TECIDO EPITELIAL COMO SURGEM OS TECIDOS Nos seres de reprodução sexuada, que constituem a maioria dos organismos, todas as células surgem a partir de uma única célula, a célula-ovo. Esta sofre divisões

Leia mais

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral Sistema Cardiovascular

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral Sistema Cardiovascular Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral! Sistema Cardiovascular! Professor: Bruno Aleixo Venturi! O sistema cardiovascular ou é composto pelo coração

Leia mais

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO GUIZELINI, L.H.; PEREIRA, N.T.C. RESUMO A mastectomia pode

Leia mais

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br LEITE, Gisele Bueno da Silva; MOURA, Karla Senger Pinto de; DORNELAS, Lilian Maria Candido de Souza; BORGES, Juliana Bassalobre Carvalho. Atuação

Leia mais

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Ms. Giovana B. Milani Mestre em Ciências pela FMUSP Pós- Graduada em Fisioterapia Dermatofuncional Pós- Graduada em Aparelho locomotor no esporte

Leia mais

Sexualidade Humana. Mensagem Importante. O sexo é uma necessidade humana básica, essencial para uma vida equilibrada e satisfatória.

Sexualidade Humana. Mensagem Importante. O sexo é uma necessidade humana básica, essencial para uma vida equilibrada e satisfatória. Como Superar a Disfunção Erétil (DE) e a Ejaculação Precoce (EP). Maximen Urologia Especializada O sexo é uma necessidade humana básica, essencial para uma vida equilibrada e satisfatória. Mensagem Importante

Leia mais

Dra. Camila Pepe EXERCÍCIO VIBRATÓRIO NA SÍNDROME DA DESARMONIA CORPORAL

Dra. Camila Pepe EXERCÍCIO VIBRATÓRIO NA SÍNDROME DA DESARMONIA CORPORAL CAMILA PEPE CREFITO 3/ 113735 F ESTETICISTA FACIAL E CORPORAL FISIOTERAPEUTA ESPECIALISTA EM DERMATO FUNCIONAL APERFEIÇOAMENTO EM ELETROTERAPIA E COSMETOLOGIA ESPANHA APERFEIÇOAMENTO EM DRENAGEM LINFÁTICA

Leia mais

COSMETOLOGIA (Farmácia) Profa. Thabata Veiga PRONATEC

COSMETOLOGIA (Farmácia) Profa. Thabata Veiga PRONATEC COSMETOLOGIA (Farmácia) Profa. Thabata Veiga PRONATEC Índice de Massa Corporal Classificação quanto a Distribuição de Gordura: Difusa: distribuição generalizada por todo o corpo Androide: relacionada a

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA MEIA ELÁSTICA NO TRATAMENTO DA INSUFICIÊNCIA VENOSA CRÔNICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

UTILIZAÇÃO DA MEIA ELÁSTICA NO TRATAMENTO DA INSUFICIÊNCIA VENOSA CRÔNICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015 Sistema Tegumentar Sistema Tegumentar É constituído pela pele, tela subcutânea e seus anexos cutâneos Recobre quase toda superfície do corpo Profa Elaine C. S. Ovalle Arquitetura do Tegumento Funções do

Leia mais

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS I. OBJETIVO Regulamentar a competência da equipe de enfermagem, visando o efetivo cuidado e segurança do

Leia mais

O beneficio da fisioterapia utilizando a drenagem linfática manual facial no pós-operatório de Blefaroplastia

O beneficio da fisioterapia utilizando a drenagem linfática manual facial no pós-operatório de Blefaroplastia 1 O beneficio da fisioterapia utilizando a drenagem linfática manual facial no pós-operatório de Blefaroplastia Karen Camila Souza de Oliveira¹ karenzinha_oliveira@hotmail.com Pós-graduação em Fisioterapia

Leia mais

Introdução a eletroestética

Introdução a eletroestética Agentes físicos: Introdução a eletroestética -Corrente elétrica, ondas eletromagnéticas, ondas ultrasônicas -Calor -Luz -Água -Movimento Interação dos agentes físicos (aparelhos) x tecido biológico (pele/corpo

Leia mais

1. Ato de esfoliar ou descamar a pele. 2. Denominada esfoliação ou peeling. 3. Técnica utilizada em adição à limpeza da pele.

1. Ato de esfoliar ou descamar a pele. 2. Denominada esfoliação ou peeling. 3. Técnica utilizada em adição à limpeza da pele. 1. Ato de esfoliar ou descamar a pele. 2. Denominada esfoliação ou peeling. 3. Técnica utilizada em adição à limpeza da pele. 4. São preparações cosméticas que aceleram a descamação natural dos corneócitos

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO DO LINFEDEMA PÓS-MASTECTOMIA

TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO DO LINFEDEMA PÓS-MASTECTOMIA PONTÍFICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA DERMATO FUNCIONAL LARISSA ALVES GUEDES LIMA TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO DO LINFEDEMA

Leia mais

O que é a Terapia das Pedras? Terapia das Pedras. O que é a Terapia das Pedras? O que é a Terapia das Pedras? O que é a Terapia das Pedras?

O que é a Terapia das Pedras? Terapia das Pedras. O que é a Terapia das Pedras? O que é a Terapia das Pedras? O que é a Terapia das Pedras? O que é a Terapia das Pedras? Terapia das Pedras Professora: Debora Clinicamente é a aplicação de termoterapia, usando-se pedras aquecidas de efeito permanente e alternando com pedras extremamente frias.

Leia mais

Coffea arábica (Coffee) seed oil and Vegetable steryl esters. Modificador mecanobiológico da celulite e gordura localizada.

Coffea arábica (Coffee) seed oil and Vegetable steryl esters. Modificador mecanobiológico da celulite e gordura localizada. Produto INCI Definição Propriedades SLIMBUSTER L Coffea arábica (Coffee) seed oil and Vegetable steryl esters Modificador mecanobiológico da celulite e gordura localizada. - Diminui a gordura localizada

Leia mais

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS INTRODUÇÃO Um grande grupo muscular, que se situa na parte posterior da coxa é chamado de isquiotibiais (IQT), o grupo dos IQT é formado pelos músculos bíceps femoral, semitendíneo

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data!

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

Introdução. Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação.

Introdução. Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. L.A.S.E.R. Introdução Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. Introdução Em 1900 o físico alemão Max Planck apresentou uma explanação

Leia mais

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck)

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck) Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos

Leia mais

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Classificação: A. Tecidos conjuntivos embrionários: 1- Tecido Conjuntivo Mesenquimal (mesênquima) 2- Tecido Conjuntivo Mucoso B. Tecidos conjuntivos propriamente

Leia mais

ANÁLISE DOS FATORES COMUNS ENTRE MULHERES COM FIBRO EDEMA GELÓIDE ATENDIDAS EM UM CENTRO ESTÉTICO DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ ENTRE 2006 E 2008.

ANÁLISE DOS FATORES COMUNS ENTRE MULHERES COM FIBRO EDEMA GELÓIDE ATENDIDAS EM UM CENTRO ESTÉTICO DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ ENTRE 2006 E 2008. ANÁLISE DOS FATORES COMUNS ENTRE MULHERES COM FIBRO EDEMA GELÓIDE ATENDIDAS EM UM CENTRO ESTÉTICO DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ ENTRE 2006 E 2008. ¹Carine Gotardo - Acadêmica do Curso Superior de Tecnologia em

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 UTILIZAÇÃO DO LÚDICO NO TRATAMENTO DA CRIANÇA COM PARALISIA CEREBRAL REALIZADO POR UMA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR. Patrícia Cristina Nóbrega Contarini Fabiana da Silva Zuttin Lígia Maria Presumido Braccialli

Leia mais

ANÁLISE LABORATORIAL DE URINA PÓS-DRENAGEM LINFÁTICA

ANÁLISE LABORATORIAL DE URINA PÓS-DRENAGEM LINFÁTICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE LABORATORIAL DE URINA PÓS-DRENAGEM LINFÁTICA Tuane Krupek 1 ; Louriane Panucci de Oliveira 1 ; Lilian Rosana dos Santos Moraes 2 ; Silvana Lorenzi

Leia mais

O Nosso Corpo Volume XV Sistema Linfático

O Nosso Corpo Volume XV Sistema Linfático O Nosso Corpo Volume XV um Guia de O Portal Saúde Novembro de 2009 O Portal Saúde Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright O Portal Saúde, todos os direitos

Leia mais

Conteúdo: Partes do corpo humano. Atividade física eleva a qualidade de vida. Cuidando das articulações. FORTALECENDO SABERES

Conteúdo: Partes do corpo humano. Atividade física eleva a qualidade de vida. Cuidando das articulações. FORTALECENDO SABERES 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I Conteúdo: Partes do corpo humano. Atividade física eleva a qualidade de vida. Cuidando das articulações. 3 CONTEÚDO

Leia mais

O uso da Carboxiterapia no tratamento do Fibro Edema Gelóide

O uso da Carboxiterapia no tratamento do Fibro Edema Gelóide 1 O uso da Carboxiterapia no tratamento do Fibro Edema Gelóide Luciana Maria Lima Azevedo Luciaazevedo_@hotmail.com 1 Dayana Priscila Maia Mejia 2 Pós- graduação em Dermato-Funcional Faculdade Ávila Resumo

Leia mais

CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA

CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA A cirurgia mamária, seja ela uma tumorectomia, quadrantectomia ou mastectomia, provoca uma alteração significativa no órgão e que pode e deve ser minimizada.

Leia mais

INTRODUÇÃO DE ENFERMAGEM I

INTRODUÇÃO DE ENFERMAGEM I INTRODUÇÃO DE ENFERMAGEM I A Sistematização da Assistência de Enfermagem SAE É uma atividade privativa do enfermeiro, utilizam método e estratégia de trabalho, baseados em princípios científicos, para

Leia mais

RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o. Palavras chave: crioterapia, lesões de tecidos moles, fase aguda.

RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o. Palavras chave: crioterapia, lesões de tecidos moles, fase aguda. O USO DA CRIOTERAPIA NAS LESÕES AGUDAS DE TECIDO MOLE RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o organismo responde através do mecanismo de inflamação e o uso da crioterapia vai amenizar

Leia mais

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

Palavras-chave: Lipodistrofia Ginóide. Tratamento Fisioterapêutico. Endermoterapia.

Palavras-chave: Lipodistrofia Ginóide. Tratamento Fisioterapêutico. Endermoterapia. A ENDERMOTERAPIA COMO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NA LIPODISTROFIA GINÓIDE (LDG): UMA ABORDAGEM CRÍTICA ENTRE TEORIA E PRÁTICA Alessandra Costi Bolla * Laura Patrício de Arruda RESUMO Este artigo visa

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais