Certificado de Qualidade do Etanol

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Certificado de Qualidade do Etanol"

Transcrição

1

2 Manual do Usuário Qualidade Combustível INTRODUÇÃO. A proposta deste documento é orientar e esclarecer os agentes da cadeia Combustível na emissão do Certificado da Qualidade e no envio mensal de dados da qualidade, conforme previsão expressa na Resolução ANP n 19/ que regulamenta as especificações Anidro Combustível (EAC) e Hidratado Combustível (EHC) e as obrigações quanto ao controle da qualidade a serem atendidas pelos diversos agentes econômicos que comercializam o produto em todo o território nacional. To Combustível disponibilizado no país deve estar especificado de acordo com a Resolução ANP n 19/2015. Art. 4º O Fornecedor de Etanol Combustível fica obrigado a garantir a qualidade Combustível a ser comercializado em todo o território nacional e a emitir o Certificado da Qualidade a cada batelada a ser comercializada, cujos resultados dos ensaios realizados em amostra representativa deverão atender aos limites estabelecidos nas especificações constantes da Tabela V do Regulamento Técnico, parte integrante desta Resolução. O Certificado da Qualidade é o documento da qualidade que contém todas as informações e os resultados das análises das características físico-químicas do produto obtidos da análise feita em uma amostra coletada a cada batelada comercializada. CERTIFICAÇÃO. A certificação do produto deve ser realizada a cada batelada produzida, isto é, deve ser emitido um Certificado da Qualidade para cada tanque de produção que será posteriormente comercializado. Este Certificado da Qualidade emitido continua válido desde que o produto comercializado seja o mesmo (Figura 1.). 1 Resolução ANP n 19 de 15 abril de 2015, republicada em 20 de abril de 2015 por ter saído no DOU de 17 de abril de 2015, seção 1, páginas 44 a 46, com incorreções no original. 2

3 Sempre que o tanque receber um novo volume de produção, deve ser emitido um novo Certificado da Qualidade, pois o Certificado da Qualidade anteriormente emitido não refletirá o produto atual no tanque (Figura 2.). Figura 1: Batelada produzida a ser comercializada 3

4 Figura 2: Entrada de novo volume de produção no tanque (mesmo que no tanque haja algum volume remanescente que já havia sido certificado). Para exemplificar a situação, consideremos o exemplo: a usina Etanol de Qualidade produziu etanol e alimentou o tanque 01 em dezembro. A mesma usina só retomou a produção em abril, quando novo volume de etanol foi transferido ao tanque 01. Entre dezembro e abril a usina comercializou o etanol ativamente em todos os meses. Neste caso, o Certificado da Qualidade referente ao tanque 01 somente deverá ser emitido no momento da certificação do tanque em dezembro, devendo ser emitido novo Certificado da Qualidade em abril, quando novo volume de produção for adicionado ao tanque. Nos meses em que não foram emitidos Certificados da Qualidade, a usina Etanol de Qualidade deverá comunicar a ANP que não houve produção, conforme será discutido a seguir, não sendo necessário envio de novo Certificado da Qualidade. Ressalta-se que no momento do carregamento poderão ser realizadas análises para comprovação da qualidade, porém os resultados das análises não devem ser reportados em um novo Certificado da Qualidade. Não há nenhum óbice em os parâmetros analíticos apresentarem pequenas variações entre o momento da certificação e o momento da efetiva entrega do produto ao Distribuidor, mas não permitido que os resultados das análises estejam discordantes dos limites de especificação. O Fornecedor de etanol, bem como todos os agentes envolvidos desde a produção até a revenda do produto, devem assegurar que todos os parâmetros da Resolução ANP nº 19/2015 atendam os limites estabelecidos na especificação. Nos casos certificação por amostragem em fluxo contínuo a emissão do Certificado da Qualidade deverá ser realizada em intervalos máximos de 12 horas, considerando como Volume Certificado a quantidade 4

5 de produto transferida entre dois instantes de amostragem (Figura 3.). O Volume Certificado é a quantidade segregada de produto em um único tanque, caracterizada por Certificado da Qualidade. Figura 3: Emissão do Certificado da Qualidade por amostragem em fluxo contínuo. AMOSTRA-TESTEMUNHA. As amostras testemunhas devem ser coletadas sempre que for realizada uma nova certificação, isto é, sempre que um novo volume de produção for adicionado ao tanque. Este procedimento é válido para todos os tanques. EMISSÃO DO CERTIFICADO DA QUALIDADE. O Certificado da Qualidade deve ser emitido pelo Fornecedor de Etanol; Operador do Terminal de Etanol, Firma Inspetora contratada pelo Importador no ato da sua internação quando o produto for importado. O Operador de Terminal, nos casos previstos na Resolução, deve seguir as regras relativas ao Fornecedor de Etanol, no que tange a emissão do Certificado da Qualidade e à garantia da qualidade do etanol combustível a ser comercializado. 5

6 Fornecedores de Etanol: Produtor de etanol com unidade fabril instalada no território nacional; Cooperativa de produtores de etanol; Empresa comercializadora de etanol; Agente operador de etanol (pessoa jurídica que atua em bolsa de mercadorias e futuros na condição de cliente de etanol); Importador de etanol. Só deve ser emitido o Certificado da Qualidade Combustível, quais sejam: Etanol Anidro Combustível, Etanol Hidratado Combustível e Etanol Hidratado Combustível Premium. Outros tipos de etanol, que não tenham a finalidade de combustível, não são regulados pela ANP. ITENS OBRIGATÓRIOS NO CERTIFICADO DA QUALIDADE. a) Resultados dos ensaios das características físico-químicas. Devem ser adotados apenas os métodos e limites estabelecidos na Resolução e os resultados devem ser exibidos com a indicação dos métodos empregados e os respectivos limites constantes na tabela de especificação. b) Data e a hora da amostragem, o tanque de origem e a identificação do lacre da amostratestemunha. Esses dados devem estar presentes no Certificado da Qualidade e devem ser rastreáveis às duas amostras-testemunhas, de um litro cada, representativas do Volume Certificado, que deverão ser mantidas em local protegido de luminosidade e de aquecimento. c) Identificação própria por meio de numeração sequencial anual. A identificação própria é o número do Certificado da Qualidade, criado pelo Fornecedor de Etanol; Operador do Terminal de Etanol ou Firma Inspetora. Ressalta-se que a numeração deve ser sequencial anual, isto é, na primeira batelada de cada ano, a numeração deve ser reiniciada. (Exemplo: Certificado da Qualidade nº 01/2015). d) Assinatura do profissional de química responsável pela qualidade Combustível na empresa. A assinatura do profissional de química deve estar presente no Certificado da Qualidade, inclusive quando este for emitido eletronicamente, com indicação legível de seu nome e do número de inscrição no órgão de classe. 6

7 e) Indicação do laboratório responsável por cada ensaio efetuado e de cada Boletim de Análise externo utilizado para compor o respectivo Certificado da Qualidade. No Certificado da Qualidade deve ser indicado o laboratório que realizou cada análise, inclusive nos casos de uso do laboratório da própria usina. Além disso, devem ser informados os números dos Boletins de Análise internos e externos que compuseram o Certificado da Qualidade. Quando forem utilizados resultados de um ou mais laboratórios contratados para compor o Certificado da Qualidade, este deverá ser emitido pelo Fornecedor de Etanol Combustível, Operador e Firma Inspetora, conforme o caso, contendo todos os resultados das análises realizadas. O Certificado da Qualidade deve estar acompanhado do(s) Boletin(s) de Análise(s). A exceção é quando o Boletim de Analise for emitido por laboratório próprio e contemplar todas as características necessárias à certificação completa Combustível, nesse caso o Boletim pode ser considerado como o próprio Certificado da Qualidade. Neste caso, o Certificado da Qualidade deverá indicar que todas as análises foram realizadas por laboratório próprio. EXEMPLO DE CERTIFICADO DA QUALIDADE COM TODOS OS ITENS OBRIGATÓRIOS. 7

8 ENVIO MENSAL DOS DADOS DA QUALIDADE. Os dados constantes dos Certificados da Qualidade, emitidos no mês, deverão ser encaminhados à ANP no endereço eletrônico: por meio de planilha eletrônica, que está disponível no sítio da ANP. Art. 7º O Fornecedor de Etanol Combustível e Operador deverão enviar mensalmente à ANP, até o 15º (décimo quinto) dia do mês subseqüente à comercialização Combustível, todas as informações constantes dos Certificados da Qualidade emitidos no mês referência, os dados dos laboratórios responsáveis pelas análises e os respectivos Volumes Certificados, por meio de endereço eletrônico disponibilizado no sítio Quando não houver comercialização de Etanol Combustível em um determinado mês, o Produtor de Etanol deverá obrigatoriamente comunicar à ANP no endereço eletrônico: Ao comunicar que não houve comercialização deverá ser informado: O período de não comercialização, CNPJ, Razão Social e Código de Instalação. PREENCHIMENTO DA PLANILHA ELETRÔNICA. A planilha eletrônica deve conter exatamente os dados informados no Certificado da Qualidade. A adoção de um modelo único proporciona a importação dos dados de forma eficiente e ágil. Todos os campos obrigatórios deverão ser preenchidos. Demais campos deverão ser preenchidos somente em determinadas situações. Campos obrigatórios: a) Razão Social: aquela constante da publicação de autorização no DOU. b) Mês de Referência: mês quando ocorreu a comercialização. Escolher o mês por meio da lista de opções ao lado do campo. c) Ano de Referência: escolher o ano por meio da lista de opções ao lado do campo. d) Código Instalação: Toda planta produtora de etanol, autorizada pela ANP, tem um código, que pode ser obtido por meio das Tabelas com códigos para apoio aos sistemas próprios (SIMP), disponível na página e) CNPJ: constante da publicação de autorização no DOU e da Razão Social. Digitar apenas os 14 dígitos do CNPJ sem traços e barras. f) Dados do Responsável Técnico pelo envio dos dados da qualidade de etanol combustível à ANP: Os campos deverão conter os dados referentes do responsável pelos dados declarados, para o caso de necessidade de contato. 8

9 g) Dados do Subscritor dos Certificados da Qualidade: Informar o nome completo e o número de inscrição do órgão de classe do profissional de química signatário dos Certificados da Qualidade. h) Dados de Envio: são informações necessárias para a rastreabilidade da batelada comercializada. - Produto: selecionar o produto por meio da lista de opções ao lado do campo. Escolher entre EAC (Etanol Anidro Combustível), EHC (Etanol Hidratado Combustível) e EHCP (Etanol Hidratado Combustível Premium). - Matéria-prima: selecionar o produto por meio da lista de opções ao lado do campo. Quando a matéria prima for diferente de cana-de-açúcar, selecionar a opção outros e informar a matéria prima utilizada no campo observações - Número Certificado da Qualidade: Informar o número do certificado da qualidade em formato sequencial anual. - Volume Certificado: Informar o volume certificado em Litros. Como medida a evitar informação de volume reportado em metros cúbicos, serão aceitos apenas valores iguais ou superiores a Data de emissão: Informar data de emissão do Certificado da Qualidade no formato dd/mm/aaaa. i) Dados da Qualidade: são análises que devem ser realizadas obrigatoriamente à cada batelada comercializada. - Método de ensaio: selecionar na lista de opções de cada campo o método adotado na determinação de cada característica. Apenas os métodos estabelecidos no Regulamento Técnico ANP N 2/2015 são permitidos. - Resultado: informar os resultados obtidos da análise do produto. Os campos Aspecto e Cor possuem lista de opções. Em caso de seleção da opção Outros, detalhar a informação no campo Observações ; Os resultados campos Acidez Total, Condutividade e Potencial Hidrogeniônico podem ser reportados em até uma casa decimal; Os valores dos campos Massa Específica e Teor Alcoólico permitem até duas casas decimais. Valores com casas decimais superiores serão automaticamente arredondados. Atentar para as unidades dos campos Massa Específica (kg/m³) e Teor Alcoólico (somente % massa). Como medida a evitar informação de massa específica em (g/cm³), serão aceitos apenas valores superiores a 100,00. 9

10 Demais campos. j) Somente EHC e EHCP: Informação obrigatória apenas para o Etanol Hidratado Combustível e Etanol Hidratado Combustível Premium. Informar o método utilizado e o resultado em até uma casa decimal. k) Análises Periódicas: Esse campo deve ser preenchido quando forem realizadas as análises de periodicidade mensal (Teores de Sulfato, Ferro, Sódio e Cobre) e Trimestral (Teor de Enxofre). Nos campos da seção dados de envio é obrigatório identificar qual Certificado da Qualidade informado na seção Análises Obrigatórias foi submetido as análises periódicas. Cada produto deve ter um Certificado da Qualidade com análises periódicas. Se a instalação produzir EAC e EHC, por exemplo, duas linhas de análises periódicas deverão ser preenchidas, uma para cada produto. Além disso, deverão ser preenchidas a cada trimestre as duas colunas referentes ao método e análise de teor de enxofre, uma para cada produto. Nos campos da seção dados da qualidade, preencher o método utilizado e o resultado das análises periódicas em até uma casa decimal. l) Transporte de Origem: Essa seção se aplica exclusivamente ao operador do terminal de etanol. Para o etanol proveniente de transporte dutoviário e/ou aquaviário, os métodos utilizados e o resultados das análises periódicas em até uma casa decimal para as características resíduo por evaporação e teor de hidrocarbonetos são de preenchimento obrigatório. No caso de etanol procedente de transporte aquaviário por navegação marítima, é obrigatório informar o método e o resultado da característica teor de cloreto. m) Dados de origem: Essa seção se aplica exclusivamente ao operador do terminal de etanol. Cada linha apresenta as informações referente ao volume transferido de uma instalação de produção. Informar o produto por meio da lista de opções seguido do número do tanque referente ao volume transferido, o número do certificado da qualidade emitido pelo operador do terminal que faz referência ao volume estocado, razão social da instalação que produziu o volume transferido, o código e instalação desta instalação e por fim, o volume transferido em litros. Cabe ressaltar que a soma dos volumes atribuídos a um mesmo certificado da qualidade deverá ser igual ao volume reportado pelo mesmo número de certificado na seção dados de envio. Em caso de dúvidas, entrar em contato com a Superintendência de Biocombustíveis e de Qualidade de Produtos, por meio do endereço eletrônico 10

Nova Regulamentação ANP que Especifica a Qualidade do Etanol Combustível

Nova Regulamentação ANP que Especifica a Qualidade do Etanol Combustível Nova Regulamentação ANP que Especifica a Qualidade do Etanol Combustível Cristiane Zulivia de Andrade Monteiro Superintendência de Biocombustíveis e de Qualidade de Produtos Novembro 2010 Revisão da Resolução

Leia mais

ESCLARECIMENTOS SOBRE O SIMP LUBRIFICANTES RESOLUÇÃO ANP Nº 17/2004 (Atualizado em 30/06/2016)

ESCLARECIMENTOS SOBRE O SIMP LUBRIFICANTES RESOLUÇÃO ANP Nº 17/2004 (Atualizado em 30/06/2016) ESCLARECIMENTOS SOBRE O SIMP LUBRIFICANTES RESOLUÇÃO ANP Nº 17/2004 (Atualizado em 30/06/2016) 1) O que é o SIMP? O SIMP Sistema de Informações de Movimentação de Produtos é o sistema institucional da

Leia mais

RESOLUÇÃO ANP Nº 36, DE 6.12.2005 - DOU 7.12.2005

RESOLUÇÃO ANP Nº 36, DE 6.12.2005 - DOU 7.12.2005 eu quero consulta rápida Voltar AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO ANP Nº 36, DE 6.12.2005 - DOU 7.12.2005 O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2012. Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012

Balanço Energético Nacional 2012. Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012 Balanço Energético Nacional 2012 Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012 Fevereiro de 2012 Apresentação O Balanço Energético Nacional BEN é o documento tradicional do setor energético brasileiro,

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR Roteiro para utilização do GEP Versão de referência: GEP V1.00 Índice analítico I Apresentação... 2 I.1 Controles básicos do sistema;... 2 I.2 Primeiro acesso... 2 I.3 Para trocar a senha:... 3 I.4 Áreas

Leia mais

Microprodução de Etanol e sua Comercialização Legal

Microprodução de Etanol e sua Comercialização Legal Microprodução de Etanol e sua Comercialização Legal Seminário Estadual Álcool, Leite e Cachaça Produção Integrada e Sustentável Belo Horizonte, 29 de novembro de 2011 Crescimento Consumo Aparente Combustíveis

Leia mais

Monitor de Comercialização Ofertante. Última Atualização 12/11/2015

Monitor de Comercialização Ofertante. Última Atualização 12/11/2015 Monitor de Comercialização Ofertante MT 43-1-00015-0 Última Atualização 12/11/2015 Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Como inserir subitens V Emissão de Relatórios VI

Leia mais

Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS

Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS Versão Fevereiro/2013 Índice PCS - Módulo de Prestação de Contas...3 Acesso ao Módulo PCS...3 1. Contas financeiras...5 1.1. Cadastro de

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Programa AMG Manual de Operação Conteúdo 1. Sumário 3 2. Programa

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15/12/98

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15/12/98 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15/12/98 Estabelece orientações e procedimentos a serem adotados pelas entidades fechadas de previdência privada(efpp), em decorrência da Decisão-Conjunta CVM/SPC n 02, de

Leia mais

Circular 0188/2000 São Paulo, 09 de junho de 2000.

Circular 0188/2000 São Paulo, 09 de junho de 2000. [fesehf/cabecalho.htm] Circular 0188/2000 São Paulo, 09 de junho de 2000. Assunto: Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS Prezado(a) Senhor(a), Administrador(a) Planos de Saúde A Agência Nacional de

Leia mais

CIRCULAR N 3.172. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.611 de 31/10/2012.

CIRCULAR N 3.172. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.611 de 31/10/2012. CIRCULAR N 3.172 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.611 de 31/10/2012. Estabelece procedimentos relativamente ao exercício de cargos em órgãos estatutários de instituições financeiras e demais

Leia mais

M A N U A L D O C I D A D Ã O

M A N U A L D O C I D A D Ã O M A N U A L D O C I D A D Ã O O Sistema Eletrônico do Serviço de Informações ao Cidadão (e-sic) servirá de auxílio ao SIC (setor físico), para consulta via internet. E-SIC Versão 1.05 Sumário Introdução

Leia mais

Sobre o Sistema FiliaWEB

Sobre o Sistema FiliaWEB Setembro/2009 SUMÁRIO SOBRE O SISTEMA FILIAWEB... 3 I - PAPÉIS E RESPONSABILIDADES NA NOVA SISTEMÁTICA DAS LISTAS DE FILIAÇÃO PARTIDÁRIA... 4 II CADASTRAMENTO DE USUÁRIO... 5 III REGISTRO DE FILIADOS...

Leia mais

Para os demais formatos, o relatório será gerado mas virá com configurações incorretas.

Para os demais formatos, o relatório será gerado mas virá com configurações incorretas. Balancete Orçamentário Produto : TOTVS Gestão Patrimonial - 12.1.6 Processo : Relatórios Subprocesso : Balancete Orçamentário Data publicação da : 17/06/2015 O Balancete é um relatório contábil oficial

Leia mais

MANUAL - CONTABILIDADE

MANUAL - CONTABILIDADE MANUAL - CONTABILIDADE MANUAL - TABELAS CONTÁBEIS E ORÇAMENTÁRIAS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. MÓDULO CONTABILIDADE...4 2.1. PLANO CONTÁBIL...4 2.2. BOLETIM CONTÁBIL...4 2.2.1. Lançamentos Contábeis...5

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 084 Novembro 2012

BOLETIM INFORMATIVO Nº 084 Novembro 2012 BOLETIM INFORMATIVO Nº 084 Novembro 2012 Novo Procedimento para Geração de Ordem de Serviço PREZADO(s) PARCEIRO(s) A Luizaseg tem uma novidade para vocês! Agora, será possível gerar a Ordem de Serviço

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota fiscal de devolução com ICMS e IPI na NF-e

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota fiscal de devolução com ICMS e IPI na NF-e Nota fiscal de devolução com ICMS e IPI na NF-e 03/10/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão...

Leia mais

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo.

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo. Recomendações Jurídico-Trabalhistas Interessados: Federação das Associações de Arrozeiros do Estado Rio Grande do Sul Federarroz e Outros Assunto: Resumo Referente Às Obrigações Patronais Trabalhistas

Leia mais

Revogada pela Resolução ANP nº 20, de 18.6.2009 DOU 19.6.2009 Efeitos a partir de 19.6.2009.

Revogada pela Resolução ANP nº 20, de 18.6.2009 DOU 19.6.2009 Efeitos a partir de 19.6.2009. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS PORTARIA ANP Nº 127, DE 30.7.1999 - DOU 2.8.1999 - REPUBLICADA DOU 30.9.1999 E 28.4.2000 Estabelece a regulamentação para a atividade de coleta

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 28.06.2012. Sumário:

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 28.06.2012. Sumário: NOTA FISCAL AVULSA ELETRÔNICA (NFA-e) - Preenchimento por não Contribuinte do ICMS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 28.06.2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - NOTA FISCAL AVULSA ELETRÔNICA

Leia mais

RESOLUÇÃO ANP Nº 57, DE 17.10.2014 - DOU 20.10.2014

RESOLUÇÃO ANP Nº 57, DE 17.10.2014 - DOU 20.10.2014 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO ANP Nº 57, DE 17.10.2014 - DOU 20.10.2014 A DIRETORA-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP, no

Leia mais

pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010

pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 CÓDIGO ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...

Leia mais

GUIA PARA CARGA DE RELATÓRIOS DE INVESTIMENTOS LOCAIS

GUIA PARA CARGA DE RELATÓRIOS DE INVESTIMENTOS LOCAIS GUIA PARA CARGA DE RELATÓRIOS DE INVESTIMENTOS LOCAIS Coordenadoria de Conteúdo Local Orientação para carga de relatórios no módulo de investimentos do SGCL Versão: 01 Rio de Janeiro, 02 de julho de 2014

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Leia com atenção e fique atento a todas as datas do processo. Saia na frente e boa sorte!

APRESENTAÇÃO. Leia com atenção e fique atento a todas as datas do processo. Saia na frente e boa sorte! APRESENTAÇÃO Descomplicando o ProUni é um guia que detalha o edital do Programa Universidade para Todos, o ProUni, do Governo Federal, que concede bolsas de estudo integrais e parciais para candidatos

Leia mais

1. Introdução Pregão Eletrônico

1. Introdução Pregão Eletrônico Índice 1. Introdução...3 2. Obtendo Senha de acesso...4 3. Identificando pregões de seu interesse...5 4. Encaminhando uma Proposta... 10 4.1. Incorporando o arquivo anexo à proposta... 11 4.2. Informando

Leia mais

VIPMAIS. CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente VIP Mais Versão Out./12

VIPMAIS. CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente VIP Mais Versão Out./12 VIPMAIS 2 VIP MAIS MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. Parabéns, você acaba de adquirir um produto garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência S/A que protege a sua família, caso algum

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS <!ID546934-1> RESOLUÇÃO Nº 15, DE 17 DE JULHO DE 2006

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS <!ID546934-1> RESOLUÇÃO Nº 15, DE 17 DE JULHO DE 2006 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO Nº 15, DE 17 DE JULHO DE 2006 Estabelece as especificações de óleo diesel e mistura óleo diesel/biodiesel - B2 de uso

Leia mais

MANUAL DO SERIE ALIMENTAÇÃO

MANUAL DO SERIE ALIMENTAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO SECRETÁRIO ADJUNTO DIRETORIA DE APOIO AO ESTUDANTE ASSESSORIA DE ANÁLISE E ESTATÍSTICA GERÊNCIA DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR 3 SUMÁRIO 1. ACESSO... 05 1.1 Alterar

Leia mais

DIRF 2012 (Ano base 2012) Entrega e Prazo. Da Obrigatoriedade de Entrega

DIRF 2012 (Ano base 2012) Entrega e Prazo. Da Obrigatoriedade de Entrega DIRF 2012 (Ano base 2012) A RFB (Receita Federal do Brasil) divulgou as regras para o preenchimento e o envio da Dirf (Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte) 2013. A Instrução Normativa nº 1.297/2012

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 003/2015. Desenvolvimento, produção e realização da 20ª Festa do Imigrante.

CARTA CONVITE Nº 003/2015. Desenvolvimento, produção e realização da 20ª Festa do Imigrante. São Paulo, 24 de fevereiro de 2015. CARTA CONVITE Nº 003/2015 Desenvolvimento, produção e realização da 20ª Festa do Imigrante. O (INCI), Organização Social gestora do Museu da Imigração, de acordo com

Leia mais

Manual de Conciliação Bancária

Manual de Conciliação Bancária Manual de Conciliação Bancária Índice Conciliação Bancária... 2 O módulo de Conciliação Bancária no SIGEF... 3 Conciliação Bancária Extrato Bancário... 5 Fazendo a Conciliação Bancária Extrato Bancário...

Leia mais

Sobre o Cancelamento de Gravames

Sobre o Cancelamento de Gravames Sobre o Cancelamento de Gravames Cancelamento de Reserva de Gravames - DETRAN/RS Procedimentos para solicitação do desbloqueio de cancelamento de gravame. De acordo com a portaria 246 de 13 de Outubro

Leia mais

Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2

Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2 Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2 Última Atualização: 08/01/2015 Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Painel de Lances V Envio de Lances VI Prorrogação

Leia mais

APOSTILA DE INTEGRAÇÃO CONTROLLER

APOSTILA DE INTEGRAÇÃO CONTROLLER APOSTILA DE INTEGRAÇÃO CONTROLLER A integração de dados do Controller com a contabilidade, seja com o sistema Contábil ou com qualquer outro sistema, é feita através de lotes. Os lançamentos seguem a estrutura

Leia mais

pdc_me_05 Página 1 de 28 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008.

pdc_me_05 Página 1 de 28 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. pdc_me_05 Página 1 de 28 Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

PCP 001 Tanques de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis.

PCP 001 Tanques de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis. rev 06 06/01/2016 Aprovado por PAG 1 / 10 1 OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo estabelecer as condições para a avaliação da conformidade do produto tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA. Sistema Nacional de Informações da Educação Profissional e Tecnológica (SISTEC) GUIA SISTEC

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA. Sistema Nacional de Informações da Educação Profissional e Tecnológica (SISTEC) GUIA SISTEC MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Sistema Nacional de Informações da Educação Profissional e Tecnológica (SISTEC) GUIA SISTEC FEVEREIRO / 2010 GUIA SISTEC INTRODUÇÃO...03 PRÉ-CADASTRO

Leia mais

REGULAMENTO PARA SUBVENÇÃO DIRETA AOS PRODUTORES DE CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO NORDESTE, EXCLUSIVAMENTE NA SAFRA 2008/2009

REGULAMENTO PARA SUBVENÇÃO DIRETA AOS PRODUTORES DE CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO NORDESTE, EXCLUSIVAMENTE NA SAFRA 2008/2009 REGULAMENTO PARA SUBVENÇÃO DIRETA AOS PRODUTORES DE CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO NORDESTE, EXCLUSIVAMENTE NA SAFRA 2008/2009 1. DO OBJETIVO. Estabelecer, exclusivamente para a safra 2008/2009, as condições

Leia mais

Ter o controle das pastas (Prontuários) armazenadas no "SAME", utilizando-se do recurso do "Volume".

Ter o controle das pastas (Prontuários) armazenadas no SAME, utilizando-se do recurso do Volume. Page 1 of 31 184771 Módulo: AMAP - SAME PDA 184771: Controle do Arquivamento de Pastas do SAME. SOLICITAÇÃO DO CLIENTE Ter o controle das pastas (Prontuários) armazenadas no "SAME", utilizando-se do recurso

Leia mais

CIRCULAR - PPA da PESL 1º Trimestre de 2013 REVISÃO DA PROVISÃO DE EVENTOS A LIQUIDAR

CIRCULAR - PPA da PESL 1º Trimestre de 2013 REVISÃO DA PROVISÃO DE EVENTOS A LIQUIDAR CIRCULAR - PPA da PESL 1º Trimestre de 2013 REVISÃO DA PROVISÃO DE EVENTOS A LIQUIDAR Conforme disposto na RN 227/10, da Diretoria Colegiada, regulamentada pela IN 45/10, da DIOPE, ambas da Agência Nacional

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO. 2 Periodicidade de Informação:

MANUAL DE ORIENTAÇÃO. 2 Periodicidade de Informação: Dispõe sobre o leiaute a ser utilizado nos arquivos a serem transmitidos para a Receita Estadual para fornecimento de informações de Nota Fiscal de Venda a Consumidor, modelo 2, modelo 1-1/A, ECF Antigo

Leia mais

MBA EM GESTÃO PÚBLICA

MBA EM GESTÃO PÚBLICA EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM GESTÃO PÚBLICA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Preenchimento do Formulário 2.01

Preenchimento do Formulário 2.01 Preenchimento do Formulário 2.01 O primeiro passo para o preenchimento formulário de Depósito de Pedido de Registro de Desenho Industrial é o download do formulário correto. A certeza de que o usuário

Leia mais

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 MANUAL DE USO DO SISTEMA GOVERNO DIGITAL ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 2.0. SOLICITAÇÕES DE AIDF E AUTORIZAÇÃO DE EMISSÃO DE NOTA

Leia mais

SPED Contribuições Pis, Cofins e INSS

SPED Contribuições Pis, Cofins e INSS Versão 6.04.00 Abril/2015 SPED Contribuições Pis, Cofins e INSS Passo a Passo: Cadastros, Configurações e Operações SPED Contribuições O SPED Contribuições é um arquivo digital instituído no Sistema Publico

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DO IFRS

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DO IFRS Manual do Usuário: SISTEMA DE BIBLIOTECAS DO IFRS Em 2013 foi adquirido o Sistema de Gerenciamento de Bibliotecas Pergamum para todas Bibliotecas do IFRS. A implantação está sendo feita de acordo com as

Leia mais

Guia Rápido. Sistema de Cobrança - Beneficiário

Guia Rápido. Sistema de Cobrança - Beneficiário GuiaRápido SistemadeCobrança-Beneficiário GR SistemadeCobrança Beneficiário Índice 1 Introdução... 4 2 Público Alvo... 4 3 Pré-Requisitos... 4 4 Acessando o Sistema de Cobrança... 5 5 Cadastro... 6 5.1

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Instrução Operacional nº 57 SENARC/ MDSBrasília,08de janeirode 2013. Assunto:Divulga aos municípios orientações para a substituição de Gestor Municipal, Prefeito, Órgão Responsável, Equipe de Gestão e

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Sistemas Corporativos da USP (Web)

Sistemas Corporativos da USP (Web) Sistemas Corporativos da USP (Web) O sistema de estágios remunerados da USP é fruto da colaboração das seguintes áreas da Reitoria da Universidade de São Paulo: Departamento de Recursos Humanos, Departamento

Leia mais

MANUAL DO RELATÓRIO DE SERVIÇO DO REPRODUTOR

MANUAL DO RELATÓRIO DE SERVIÇO DO REPRODUTOR MANUAL DO RELATÓRIO DE SERVIÇO DO REPRODUTOR Este manual tem como objetivo esclarecer e orientar os usuários a respeito dos trâmites formais realizados no processo de Inclusão do Relatório de Serviço do

Leia mais

DOCUMENTÁRIO ESPECÍFICO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTES

DOCUMENTÁRIO ESPECÍFICO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTES DOCUMENTÁRIO ESPECÍFICO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTES RODOVIÁRIO DE CARGAS: Qualquer transportador rodoviário de cargas ou passageiros que executar ou, melhor dizendo, que prestar serviços de transportes

Leia mais

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ?

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ? Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO 1- Como aderir à proposta AMQ? A adesão é realizada através do preenchimento e envio do Formulário de Cadastramento Municipal no site do projeto. O gestor municipal da saúde

Leia mais

Perguntas Freqüentes

Perguntas Freqüentes 1. ENADE Perguntas Freqüentes 1.1. Qual a legislação pertinente ao Enade? Lei nº. 10.861, de 14 de abril de 2004: Criação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) Portaria Normativa

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso Supervisão de Informática Departamento de Desenvolvimento Sistema Declaração On Line. Declaração On Line

Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso Supervisão de Informática Departamento de Desenvolvimento Sistema Declaração On Line. Declaração On Line Declaração On Line Manual de Apoio à Utilização do Sistema Manual do Usuário Versão 1.0 INTRODUÇÃO... 4 AUTENTICANDO-SE NO SISTEMA... 4 EM CASO DE ESQUECIMENTO DA SENHA... 5 ALTERANDO A SENHA DE ACESSO

Leia mais

Procedimento. Título do Documento: Código: Versão: SUMÁRIO

Procedimento. Título do Documento: Código: Versão: SUMÁRIO DIRPA 1/8 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 2 4. DEFINIÇÕES E SIGLAS... 2 5. PROCEDIMENTO E INSTRUÇÃO... 2 Campo 1 Depositante... 3 Campo 2 Natureza...

Leia mais

I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO

I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO PU_TRADICIONAL_100MM_15M Condições Gerais I. INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CARDIF CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ Nº. : 11.467.788/0001-67 PRODUTO: PU_TRADICIONAL_100MM_15M MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

Manual do Usuário - Cliente Externo

Manual do Usuário - Cliente Externo Versão 3.0 SGCL - Sistema de Gestão de Conteúdo Local SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Referências... 4 2. COMO ESTÁ ORGANIZADO O MANUAL... 4 3. FUNCIONALIDADES GERAIS DO SISTEMA... 5 3.1. Acessar a Central

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

-------------------------------------------------------------------------------- RESOLUÇÃO CFM Nº 1772/2005

-------------------------------------------------------------------------------- RESOLUÇÃO CFM Nº 1772/2005 Normas para certificado de atualização profissional O Conselho Federal de Medicina aprovou, em sessão plenária encerrada no dia 12 de agosto, a Resolução 1772/2005, que institui o certificado de atualização

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 10 de Dezembro de 2010 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.849. 2º As instituições a que se refere o caput devem:

RESOLUÇÃO Nº 3.849. 2º As instituições a que se refere o caput devem: RESOLUÇÃO Nº 3.849 Dispõe sobre a instituição de componente organizacional de ouvidoria pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. O Banco

Leia mais

www.aluminiocba.com.br Manual do Usuário Fornecedor

www.aluminiocba.com.br Manual do Usuário Fornecedor Manual do Usuário Fornecedor Manual do Usuário - Fornecedor Versão 1.2 Página 2 CBA Online Manual do Usuário Fornecedor Versão 1.2 3 de agosto de 2004 Companhia Brasileira de Alumínio Departamento de Tecnologia

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS Este manual foi elaborado para orientar o Cliente, Órgão/Entidade, sobre os procedimentos necessários a serem seguidos com relação à preparação

Leia mais

Manual do Sig@Livre BSM

Manual do Sig@Livre BSM Manual do Sig@Livre BSM Controle de Versão Versão Data Justificativa Responsável [1.0] 10.01.2012 Elaboração do documento Altamir Caetano Oliveira MDA - Ministério do Desenvolvimento Agrário Página 1 de

Leia mais

INTRODUÇÃO. Assim, a Marítima disponibiliza nesse comunicado algumas dicas para agilizar os processos de análise de risco de proposta. DICAS!

INTRODUÇÃO. Assim, a Marítima disponibiliza nesse comunicado algumas dicas para agilizar os processos de análise de risco de proposta. DICAS! INTRODUÇÃO Prezado corretor, Tendo como princípio o bom atendimento e a prestação de serviço com qualidade, a Marítima Seguros frequentemente revisa seus processos, desenvolve e aperfeiçoa os diversos

Leia mais

VÄâux atätä. Figura 1 Menu principal do SVE

VÄâux atätä. Figura 1 Menu principal do SVE Instrução para utilização do Sistema de Votação Eletrônica I. Introdução O Sistema de Votação Eletrônica (SVE) do Clube Naval (CN) destina se a apoiar a eleição dos membros da Diretoria, Conselho Diretor

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 548, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2015

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 548, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2015 INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 548, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2015 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA INEP,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA NOVA GIA-ST NOVIDADES 11/06/2012

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA NOVA GIA-ST NOVIDADES 11/06/2012 INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA NOVA GIA-ST Atualizado em: 11.06.2012 06.01.2012 21.03.2011 NOVIDADES 11/06/2012 - acrescentado item 1.5. que será selecionado pelos contribuintes que operem com combustíveis

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO. 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo:

GUIA DE ORIENTAÇÃO. 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo: GUIA DE ORIENTAÇÃO 1- Para acessar o sistema é necessário seguir os passos abaixo: 1.1 - ACESSAR O SITE DA PREFEITURA: 1.2 - CLICAR NA OPÇÃO: SERVIÇOS >> NOTA FISCAAL ELETRÔNICA 1.3 - Aguarde carregar

Leia mais

EDITAL Nº 002/2015. 1.1. A atividade de monitoria semipresencial será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação.

EDITAL Nº 002/2015. 1.1. A atividade de monitoria semipresencial será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Pró-Reitoria de Graduação Av. dos Estados, 5001 Bairro Bangu Santo André - SP CEP 09210-580 Fone: (11) 3356.7020 dpag.prograd@ufabc.edu.br EDITAL

Leia mais

1. REGISTRO DE PROJETOS

1. REGISTRO DE PROJETOS 1. REGISTRO DE PROJETOS Nesta aplicação será feito o registro dos projetos/ ações de extensão, informando os dados iniciais do projeto, as classificações cabíveis, os participantes, a definição da região

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DE ALUNOS PARA AS TURMAS DE PRÉ- VESTIBULAR/PRÉ-ENEM DO EQUALIZAR 2016

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DE ALUNOS PARA AS TURMAS DE PRÉ- VESTIBULAR/PRÉ-ENEM DO EQUALIZAR 2016 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DE ALUNOS PARA AS TURMAS DE PRÉ- VESTIBULAR/PRÉ-ENEM DO EQUALIZAR 2016 Leia atentamente este edital. Você deverá concordar com todo o texto antes de se inscrever no processo

Leia mais

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO Versão 5 Outubro de 2015 INDICE 1 Introdução 2 Utilização das Marcas de Conformidade no Produto 3 Utilização das

Leia mais

VERSÃO 5.12.0 VERSÃO 5.0.0 FINANCEIRO NEFRODATA ESTOQUE FINALIZAÇÃO: 10 JUN.

VERSÃO 5.12.0 VERSÃO 5.0.0 FINANCEIRO NEFRODATA ESTOQUE FINALIZAÇÃO: 10 JUN. VERSÃO 5.12.0 VERSÃO 5.0.0 FINANCEIRO NEFRODATA ESTOQUE ACD2016 FINALIZAÇÃO: 10 JUN. 13 04 NOV.2014 FEV. 201313 JUN. 2016 PUBLICAÇÃO: Prezado Cliente, Neste documento estão descritas todas as novidades

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Gestão Técnica da Informação SGI Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira SFF MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA ELABORAÇÃO E ENVIO DE

Leia mais

Boletim Técnico. Produto : Microsiga Protheus Livros Fiscais Versão 11 Data da publicação : 26/04/13. País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Todos

Boletim Técnico. Produto : Microsiga Protheus Livros Fiscais Versão 11 Data da publicação : 26/04/13. País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Todos Mapas dos Produtos Químicos Controlados Produto : Microsiga Protheus Livros Fiscais Versão 11 Data da publicação : 26/04/13 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Todos Chamado : TFXHV6/ TFXYPC/ TGVSQ8

Leia mais

SEDIF SN PERGUNTAS E RESPOSTAS

SEDIF SN PERGUNTAS E RESPOSTAS SEDIF SN PERGUNTAS E RESPOSTAS Sumário INTRODUÇÃO... 4 1. SEDIF-SN: QUESTÕES TÉCNICAS... 4 1.1. Como ler o nome identificador da declaração gerada pelo SEDIF_SN? Também como identificar se trata de uma

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP 2015 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Dos Objetivos Específicos... 2 3. Dos Envolvidos

Leia mais

ERU Especificação de Requisitos do Usuário Bolsa de Serviços na Web

ERU Especificação de Requisitos do Usuário Bolsa de Serviços na Web ERU Especificação de Requisitos do Usuário Bolsa de Serviços na Web Documento: Bolsa de Serviços na Web Versão: 1.3 Data: 27/08/2009 Preparado por: Ricardo Argenton Ramos Antonielly Garcia Rodrigues Humberto

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENFERMAGEM DO TRABALHO Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 075, de 15 de maio de 2003. O PRESIDENTE DO

Leia mais

INCLUSÃO DO PROCESSO IMPORTAR TABELA IBPT :

INCLUSÃO DO PROCESSO IMPORTAR TABELA IBPT : INCLUSÃO DO PROCESSO IMPORTAR TABELA IBPT : Importar tabela IBPT Através desta tela você pode importar a tabela Ibptax, fornecida pelo instituto brasileiro de planejamento tributário (IBPT). Esta tabela

Leia mais

Eng Civil Washington Peres Núñez Dr. em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Eng Civil Washington Peres Núñez Dr. em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul PESQUISA ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS DE QUALIDADE DE MISTURAS ASFÁLTICAS PRODUZIDAS NA ATUALIDADE NO SUL DO BRASIL E IMPACTOS NO DESEMPENHO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS. MANUAL DE OPERAÇÃO DO BANCO DE DADOS

Leia mais

Sistema Serviço de Valet

Sistema Serviço de Valet Sistema Serviço de Valet Manual do Usuário Página 1 Sistema Serviço de Valet Manual do Usuário Versão 1.0.0 Sistema Serviço de Valet Manual do Usuário Página 2 Índice 1. Informações gerais... 3 2. Passo-a-passo...

Leia mais

Introdução. A comunicação dos elementos dos documentos de transporte pode ser realizada através de serviço telefónico automático, nos seguintes casos:

Introdução. A comunicação dos elementos dos documentos de transporte pode ser realizada através de serviço telefónico automático, nos seguintes casos: Introdução O novo regime de bens em circulação entrará em vigor no dia 1 de julho de 2013. A Portaria nº 161/2013, publicada a 23 de abril no Diário da República, veio regulamentar o modo de cumprimento

Leia mais

Manual Espelho de NF para Materiais

Manual Espelho de NF para Materiais Manual Espelho de NF para Materiais Índice 1 Objetivo... 3 2 O Projeto e-suprir... 3 3 Introdução... 3 4 Informações Básicas... 4 4.1 Painel de Controle Vendas... 4 5 Acessando o Pedido... 5 5.1 Lista

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA GERAL OTG 1000, DE 21 DE OUTUBRO DE 2015

ORIENTAÇÃO TÉCNICA GERAL OTG 1000, DE 21 DE OUTUBRO DE 2015 ORIENTAÇÃO TÉCNICA GERAL OTG 1000, DE 21 DE OUTUBRO DE 2015 Aprova a OTG 1000 que dispõe sobre modelo contábil para microempresa e empresa de pequeno porte O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI EDITAL N o 03/2009

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI EDITAL N o 03/2009 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFCO E TECNOLÓGICO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online PSICOPEDAGOGIA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação na Modalidade

Leia mais

BTG PACTUAL PARTICIPATIONS, LTD. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO

BTG PACTUAL PARTICIPATIONS, LTD. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO BTG PACTUAL PARTICIPATIONS, LTD. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO (Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia (Director s Meeting) realizada em

Leia mais

SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO

SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO Prezados Srs. Transportadores O Sistema de Registro Eletrônico faz parte de um composto ( Averbação Eletrônica + Registro Eletrônico ), que propicia a Transportadora um rápido

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre o recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada

Leia mais

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO Manual passo-a-passo para obtenção do Auto de Licença de Funcionamento/ Auto de Licença de Funcionamento Condicionado Eletrônico

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENSINO DE FÍSICA EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação na Modalidade

Leia mais

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MARÇO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 13/2013

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MARÇO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 13/2013 ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MARÇO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 13/2013 IPI ESTABELECIMENTOS EQUIPARADOS A INDUSTRIAIS - CONCEITO PARA CARACTERIZAÇÃO COMO CONTRIBUINTE DO IPI... Pág. 79 ICMS ES MANIFESTAÇÃO

Leia mais