Âmbito de Aplicação... 3 Promotores... 3 Enquadramento Territorial... 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Âmbito de Aplicação... 3 Promotores... 3 Enquadramento Territorial... 3"

Transcrição

1 Linha de Apoio I Território, Destinos e Produtos Ficha Informativa - Junho 2007

2 Índice Âmbito de Aplicação... 3 Promotores... 3 Enquadramento Territorial... 3 Desenvolvimento de Pólos Turísticos... 3 Desenvolvimento ou consolidação dos Produtos Turísticos Estratégicos... 3 Requalificação de Destinos Turísticos... 4 Condições de Elegibilidade dos Projectos... 4 Condições de Elegibilidade dos Promotores... 4 Despesas Elegíveis... 4 Critérios de Selecção... 5 Natureza e Cumulação do Incentivo... 6 Intensidade do Apoio... 6 Desenvolvimento de Pólos Turísticos... 6 Desenvolvimento e consolidação de Produtos Turísticos Estratégicos... 6 Requalificação de Destinos Turísticos... 7 Limites do Incentivo... 7 Candidaturas... 8 Disposição Transitória... 8 ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO

3 Âmbito de Aplicação Ao abrigo do PIT - Programa de Intervenção do Turismo, são enquadráveis os projectos que contribuam, conjunta ou alternativamente, para: - o desenvolvimento de pólos turísticos; - o desenvolvimento ou consolidação dos produtos turísticos estratégicos; - a requalificação de destinos turísticos. Promotores Os promotores dos projectos com enquadramento na presente linha de apoio são as entidades públicas que desenvolvam os projectos. Podem, ainda, ser promotores quaisquer outras entidades jurídicas que se proponham a realizar projectos elegíveis, desde que uma, ou mais, das entidades públicas a que se refere o número anterior exerça uma influência dominante na sua gestão. Desde que não possam aceder aos sistemas de incentivos aplicáveis ao investimento privado, podem igualmente ser promotores as pessoas colectivas sem fins lucrativos que tenham posse de património cultural edificado e as pessoas colectivas de utilidade pública. Enquadramento Territorial Desenvolvimento de Pólos Turísticos Nos municípios integrados em pólos turísticos (ver anexo 2) são financiados os projectos que concretizem os produtos turísticos estratégicos identificados no PENT especificamente para cada pólo turístico ou outros produtos turísticos identificados no PENT para as regiões onde se localizam os pólos turísticos. São, igualmente, financiados os projectos que não correspondendo especificamente a produtos turísticos estratégicos, demonstrem contribuir para a adequada estruturação dos pólos turísticos correspondentes. Desenvolvimento ou consolidação dos Produtos Turísticos Estratégicos Nos municípios não integrados em pólos turísticos são financiados os projectos que concretizem os produtos turísticos estratégicos definidos no PENT para as regiões onde os municípios se localizam. 3

4 Requalificação de Destinos Turísticos São financiados os projectos que se traduzam em intervenções integradas de requalificação patrimonial, urbanística, paisagística e ambiental, nos destinos turísticos a requalificar - município de Lisboa, Costa do Estoril, Ilha da Madeira e Algarve. Condições de Elegibilidade dos Projectos Estar devidamente habilitados para o exercício da actividade promovida à data da celebração do contrato de concessão do incentivo, quando aplicável. Possuir as respectivas situações devedoras e contributivas regularizadas para com a administração fiscal, a segurança social e o Turismo de Portugal, I.P. Condições de Elegibilidade dos Promotores - Se aplicável, encontrarem-se aprovados pelas entidades para tanto competentes - Estarem instruídos com uma declaração, subscrita pelo promotor, atestando que os projectos se encontram em condições de ser executados nos termos propostos no formulário de candidatura - Serem financiados com um mínimo de 10% de capitais próprios; - Envolverem um investimento total mínimo de ,00; - Serem materialmente executados no prazo de dois anos, prorrogável por mais um nos termos definidos nos contratos a celebrar (*) - Não estar iniciada a respectiva execução à data da apresentação das candidaturas Despesas Elegíveis Para efeitos de determinação do incentivo financeiro a conceder, são consideradas elegíveis as seguintes despesas: - Estudos, projectos e assistência técnica necessária para a preparação da candidatura e para a execução dos projectos, bem como a fiscalização externa, desde que realizadas há menos de um ano e com um montante máximo, em cada projecto, de 10% do total das despesas elegíveis - Obras e equipamentos directamente relacionados com a finalidade turística do projecto - Aquisição de suportes informativos e execução de acções de divulgação da realização do projecto - Certificações ambientais, de qualidade ou, nos termos em venham a ser regulamentados, de destinos - Adaptação de equipamentos ou infra-estruturas de redução da emissão de agentes poluentes (*) Esta condição é verificada pela data do auto de consignação, ou, quando este documento não seja legalmente exigível, pela data da primeira factura. 4

5 - Adaptação de equipamentos ou infra-estruturas para obtenção ou utilização racional de água e energias, incluindo a utilização de energias renováveis - A título excepcional e desde que essencial à requalificação de uma zona turística de interesse, aquisição de terrenos e edifícios, até ao limite de 25% do custo total do investimento - Hardware, software, organização de informação e conteúdos necessários para a concepção e implementação de plataformas tecnológicas inovadoras directamente associadas à sistematização de informação turística relevante para a fruição de recursos - Intervenção dos revisores oficiais de contas O montante máximo elegível das despesas relativas a acessibilidades e equipamentos colectivos não pode exceder, em cada projecto, 50% do valor total das despesas elegíveis deste. O cálculo das despesas elegíveis é efectuado a preços correntes, deduzido do IVA sempre que o promotor não esteja isento deste imposto e possa exercer o direito à sua dedução. Critérios de Selecção Os projectos são apreciados e seleccionados de acordo com os seguintes critérios: Grau de relevância Turística Grau de diferenciação do projecto - os investimentos a realizar devem destinar-se predominantemente à utilização por visitantes e turistas - contribuir efectivamente para a satisfação das expectativas decorrentes da visita - concorrer para qualificação e organização de recursos com interesse turístico - incrementar a atractividade do produto e do destino - a concepção, construção e ou gestão dos investimentos a realizar são valorizadas através da qualidade e inovação das soluções apresentadas, da performance ambiental e da dinamização sócio-económica gerada Os projectos de investimentos são classificados em três níveis, de 1 a 3, de acordo com o resultado da ponderação conjunta dos critérios referidos. Não são seleccionados os projectos que não obtenham a classificação mínima de 1. 5

6 Natureza e Cumulação do Incentivo Natureza: Não reembolsável Os incentivos a conceder não são cumuláveis com os apoios concedidos ao abrigo do Programa de Intervenções para a Qualificação do Turismo (PIQTUR) e dos Programas Integrados Turísticos Estruturante e de Base Regional (PITER). Intensidade do Apoio Desenvolvimento de Pólos Turísticos Níveis de classificação de acordo com os resultados obtidos na avaliação Projectos que: Nível 1 Nível 2 Nível 3 concretizem produtos turísticos estratégicos identificados no PENT especificamente para cada pólo turístico concretizem outros produtos turísticos identificados no PENT para as regiões onde se localizam os pólos turísticos não correspondendo a produtos turísticos estratégicos, demonstrem contribuir para a estruturação dos pólos correspondentes 35% 45% 60% 25% 35% 50% 15% 25% 40% Desenvolvimento e consolidação de Produtos Turísticos Estratégicos Níveis de classificação de acordo com os resultados obtidos na avaliação % de incentivo a conceder Nível 1 15% Nível 2 25% Nível 3 40% 6

7 Requalificação de Destinos Turísticos Níveis de classificação de acordo com os resultados obtidos na avaliação Requalificação dos destinos: Nível 1 Nível 2 Nível 3 Algarve 20% 30% 45% Município de Lisboa, Costa do Estoril e Ilha da Madeira 10% 20% 35% Majoração de 5% se os projectos apresentarem uma das despesas enumeradas abaixo, desde que essas despesas, consoante o caso, contribuam de forma significativa para a valorização do projecto em termos ambientais ou de inovação tecnológica e não decorram do cumprimento de obrigações de natureza legal. 1. Certidões ambientais, de qualidade ou, nos termos que venham a ser regulamentados, de destinos 2. Adaptação de equipamentos ou infra-estruturas de redução da emissão de agentes poluentes 3. Adaptação de equipamentos ou infra-estruturas para obtenção ou utilização racional de água e energias, incluindo a utilização de energias renováveis 4. Hardware, software, organização de informação e conteúdos necessários para a concepção e implementação de plataformas tecnológicas inovadoras directamente associadas à sistematização de informação turística relevante para a fruição de recursos O montante dos incentivos a conceder tem por limite necessário, quando aplicável, o cumprimento das regras relativas aos meios próprios dos promotores constantes dos regimes jurídicos de outros incentivos de que beneficiem. Limites do Incentivo Os incentivos a conceder não podem ultrapassar o limite de ,00, salvo se, em razão de prioridades da política sectorial e atendendo a circunstâncias concretas, o membro do Governo com tutela sobre o turismo pode, a título excepcional, definir taxas mais elevadas de intensidade do incentivo. 7

8 Candidaturas As candidaturas são apresentadas a todo o tempo, devendo ser enviadas pela Internet através do preenchimento de um formulário electrónico, disponível em Portal do Turismo de Portugal, ip. Sempre que os projectos sejam da responsabilidade de diversos promotores, as candidaturas são apresentadas por apenas um daqueles, que actua em representação dos demais. O promotor deve possuir nas suas instalações um dossier, devidamente organizado e actualizado, com todos os elementos susceptíveis de comprovar as condições de elegibilidade. O Turismo de Portugal, I.P. valida as candidaturas e aprecia-as no prazo máximo de 20 dias úteis contados da data da respectiva recepção. Sempre que necessário para a apreciação das candidaturas, o Turismo de Portugal, I.P. pode solicitar aos promotores esclarecimentos complementares, a prestar no prazo que, para o efeito, for definido, e durante o qual se suspende o prazo de análise referido no ponto anterior, decorrido o qual a ausência de resposta significa a desistência da candidatura. Disposição Transitória No ano de 2007, podem ser objecto de candidatura projectos cuja execução se tenha iniciado após 1 de Janeiro e que, à data da apresentação das candidaturas, estejam realizados em menos de 25%. 8

9 ANEXO 1 Lista Indicativa de Projectos Elegíveis 9

10 SOL E MAR Criação ou requalificação de frentes de mar com vista à valorização turística dessas frentes, desde que configurem intervenções integradas de qualificação urbanística e paisagística Requalificação de praias e suas envolventes directas, incluindo intervenções que visem a obtenção de Bandeira Azul, a implementação de um sistema de gestão ou certificação ambiental ou ainda, a qualificação de praia acessível Requalificação do espaço público em zonas balneares de interesse turístico, desde que essa requalificação valorize turisticamente o espaço público e configure uma intervenção integrada de qualificação urbanística e paisagística Criação ou requalificação de equipamentos culturais e de lazer em zonas balneares de interesse turístico, que contribuam para a dinamização da procura e, no caso de projectos de criação, que demonstrem grande potencial de procura turística associados ao produto Sol e Mar TOURING CULTURAL E PAISAGÍSTICO Requalificação de imóveis classificados como monumentos nacionais, imóveis de interesse público ou imóveis de interesse municipal, ou em vias de o serem, bem como as respectivas envolventes, desde que essa requalificação, para além valorizar turisticamente os imóveis, contribua para a dinamização da procura turística associada ao produto Touring Cultural e Paisagístico Criação ou requalificação de equipamentos culturais e de lazer, bem como as respectivas envolventes, que se situem em zonas turísticas de interesse e associados ao produto Touring Cultural e Paisagístico, desde que essa intervenção valorize turisticamente os próprios equipamentos, contribua para a dinamização da procura e, no caso de projectos de criação, que demonstrem grande potencial de procura turística Requalificação do espaço público localizado em centros históricos ou zonas turísticas de interesse associados ao produto Touring Cultural e Paisagístico, desde que essa requalificação se destine a valorizar turisticamente o espaço público e configure uma intervenção integrada de qualificação urbanística e paisagística associados ao produto Touring Cultural e Paisagístico CITY BREAK Requalificação de imóveis classificados como monumentos nacionais, imóveis de interesse público ou imóveis de interesse municipal, ou em vias de o serem, bem como as respectivas envolventes, desde que essa requalificação, para além valorizar turisticamente os imóveis, contribua para a dinamização da procura turística Criação ou Requalificação de equipamentos culturais e de lazer, bem como as respectivas envolventes, desde que essa intervenção, para além de valorizar turisticamente os próprios equipamentos, contribua para a dinamização da procura e, no caso de projectos de criação, que demonstrem grande potencial de procura turística 10

11 Requalificação do espaço público localizado em centros históricos ou zonas turísticas de interesse, com vista à valorização turística do próprio espaço público, desde que configure uma intervenção integrada de qualificação urbanística e paisagística associados ao produto City Break TURISMO DE NEGÓCIOS associados ao produto Turismo de Negócios TURISMO DE NATUREZA Criação ou requalificação de recursos, equipamentos e estruturas de apoio, desde que essa intervenção, para além da valorização turística da área natural em que se inserem, contribua para a dinamização da procura e, no caso de projectos de criação, que demonstrem grande potencial de procura turística, em função da capacidade de carga de cada área natural classificada associados ao produto Turismo na Natureza TURISMO NÁUTICO Criação ou requalificação de infraestruturas náuticas ligadas às condições de navegabilidade e atracagem e directamente associados a um projecto privado de criação ou requalificação de marinas ou portos de recreio Criação ou requalificação de estruturas e equipamentos de acolhimento de cruzeiros, desde que destinados à prestação de serviços de recepção, informação e venda de produtos nacionais aos turistas associados ao produto Turismo Náutico SAÚDE E BEM ESTAR Requalificação paisagística da envolvente, natural ou edificada, de centros de bem estar e balneários termais que, para além de valorizar turisticamente a própria envolvente, se encontre directamente associada a um projecto privado de criação ou requalificação daquelas modalidades de estabelecimentos associados ao produto Saúde e Bem Estar GOLFE associados ao produto Golfe 11

12 RESORTS INTEGRADOS/TURISMO RESIDENCIAL associados ao produto Resorts Integrados/Turismo Residencial GASTRONOMIA E VINHOS Criação ou requalificação de equipamentos e estruturas de apoio que contribuam para a dinamização da Gastronomia e/ou Vinhos regionais ao nível da organização do produto, da promoção, da comercialização e da animação associados ao produto Gastronomia e Vinhos 12

13 ANEXO 2 Municípios Integrados em Pólos de Desenvolvimento Turístico 13

14 PÓLOS NUTS/MUNICÍPIOS DOURO NUT III Douro Alijó, Armamar, Vila Real, Carrazeda de Ansiães, Freixo de Espada à Cinta, Lamego, Mesão Frio, Moimenta da Beira, Penedono, Peso da Régua, Sabrosa, Santa Marta de Penaguião, S. João da Pesqueira, Sernancelhe, Tabuaço, Tarouca, Vila Nova de Foz Côa, Torre de Moncorvo e Vila Flor Envolvente do Pólo Baião e Resende NUT III Serra da Estrela Fornos de Algodres, Gouveia e Seia SERRA DA ESTRELA NUT III Beira Interior Norte Almeida, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Guarda, Manteigas, Meda, Pinhel, Sabugal e Trancoso NUT III Cova da Beira Belmonte, Covilhã e Fundão Envolvente do Pólo Penamacor LITORAL ALENTEJANO ALQUEVA OESTE PORTO SANTO AÇORES NUT III Alentejo Litoral Alcácer do Sal, Grândola, Santiago do Cacém, Odemira e Sines Envolvente do Pólo Aljezur e Vila do Bispo PROZEA (Plano Regional de Ordenamento da Zona Envolvente à Albufeira de Alqueva) Alandroal, Reguengos de Monsaraz, Portel, Mourão, Moura e Barrancos NUT III Oeste Alcobaça, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Bombarral, Cadaval, Caldas da Rainha, Lourinhã, Nazaré, Óbidos, Peniche, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras Porto Santo Todos os municípios da Região Autónoma dos Açores 14

15 ANEXO 3 Outras Localizações Abrangidas 15

16 OUTRAS LOCALIZAÇÕES ABRANGIDAS ILHA DA MADEIRA NUT II Norte NUT II Centro MUNICIPIOS Calheta; Câmara de Lobos; Funchal; Machico; Ponta do Sol; Porto Moniz; Ribeira Brava; Santa Cruz; Santana; São Vicente Minho-Lima: Arcos de Valdevez, Caminha, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Ponte da Barca, Ponte de Lima, Valença, Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira. Cávado: Amares, Barcelos, Braga, Esposende, Terras de Bouro e Vila Verde. Ave: Fafe, Guimarães, Póvoa de Lanhoso, Santo Tirso, Trofa, Vieira do Minho, Vila Nova de Famalicão e Vizela. Grande Porto: Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Valongo, Vila do Conde e Vila Nova de Gaia. Tâmega: Castelo de Paiva, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Amarante, Baião, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Paredes, Penafiel, Mondim de Basto, Ribeira de Pena, Cinfães e Resende. Entre Douro e Vouga: Arouca, Feira, Oliveira de Azeméis, São João da Madeira e Vale de Cambra. Douro: Carrazeda de Ansiães, Freixo de Espada à Cinta, Torre de Moncorvo, Vila Flor, Vila Nova de Foz Côa, Alijó, Mesão Frio, Peso da Régua, Sabrosa, Santa Marta de Penaguião, Vila Real, Armamar, Lamego, Moimenta da Beira, Penedono, São João da Pesqueira, Sernancelhe, Tabuaço e Tarouca. Alto Trás-os-Montes: Alfândega da Fé, Bragança, Macedo de Cavaleiros, Miranda do Douro, Mirandela, Mogadouro, Vimioso, Vinhais, Boticas, Chaves, Montalegre, Murça, Valpaços e Vila Pouca de Aguiar. Baixo Vouga: Águeda, Albergaria-a-Velha, Anadia, Aveiro, Estarreja, Ílhavo, Mealhada, Murtosa, Oliveira do Bairro, Ovar, Sever do Vouga e Vagos. Baixo Mondego: Cantanhede, Coimbra, Condeixa-a-Nova, Figueira da Foz, Mira, Montemor-o-Velho, Penacova e Soure. Pinhal Litora: Batalha, Leiria, Marinha Grande, Pombal e Porto de Mós. Pinhal Interior Norte: Arganil, Góis, Lousã, Miranda do Corvo, Oliveira do Hospital, Pampilhosa da Serra, Penela, Tábua, Vila Nova de Poiares, Alvaiázere, Ansião, Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinhos e Pedrógão Grande. Pinhal Interior Sul: Oleiros, Proença-a-Nova, Sertã, Vila de Rei e Mação. Dão-Lafões: Aguiar da Beira, Carregal do Sal, Castro Daire, Mangualde, Mortágua, Nelas, Oliveira de Frades, Penalva do Castelo, Santa Comba Dão, São Pedro do Sul, Sátão, Tondela, Vila Nova de Paiva, Viseu e Vouzela. 16

17 OUTRAS LOCALIZAÇÕES ABRANGIDAS NUT II Centro (.../cont.) NUT II Lisboa NUT II Alentejo NUT II Algarve NUT III - Alentejo Litoral NUT III - Oeste Rede Nacional de Áreas Classificadas MUNICIPIOS Serra da Estrela: Fornos de Algodres, Gouveia e Seia. Beira Interior Norte: Almeida, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Guarda, Manteigas, Meda, Pinhel, Sabugal e Trancoso. Beira Interior Sul: Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Penamacor e Vila Velha de Ródão. Cova da Beira: Belmonte, Covilhã e Fundão. Oeste: Alcobaça, Bombarral, Caldas da Rainha, Nazaré, Óbidos, Peniche, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Cadaval, Lourinhã, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras. Médio Tejo: Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Sardoal, Tomar, Torres Novas, Vila Nova da Barquinha e Vila Nova de Ourém. Grande Lisboa: Amadora, Cascais, Lisboa, Loures, Odivelas, Oeiras, Sintra, Vila Franca de Xira e Mafra. Península de Setúbal: Alcochete, Almada, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela, Seixal, Sesimbra e Setúbal. Lezíria do Tejo: Almeirim, Alpiarça, Azambuja, Benavente, Cartaxo, Chamusca, Coruche, Golegã, Rio Maior, Salvaterra de Magos e Santarém. Alentejo Litoral: Alcácer do Sal, Grândola, Odemira, Santiago do Cacém e Sines. Alto Alentejo: Alter do Chão, Arronches, Avis, Campo Maior, Castelo de Vide, Crato, Elvas, Fronteira, Gavião, Marvão, Monforte, Mora, Nisa, Ponte de Sor e Portalegre. Alentejo Central: Alandroal, Arraiolos, Borba, Estremoz, Évora, Montemoro-Novo, Mourão, Portel, Redondo, Reguengos de Monsaraz, Vendas Novas, Viana do Alentejo, Vila Viçosa e Sousel. Baixo Alentejo: Aljustrel, Almodôvar, Alvito, Barrancos, Beja, Castro Verde, Cuba, Ferreira do Alentejo, Mértola, Moura, Ourique, Serpa e Vidigueira. Algarve: Albufeira, Alcoutim, Aljezur, Castro Marim, Faro, Lagoa, Lagos, Loulé, Monchique, Olhão, Portimão, São Brás de Alportel, Silves, Tavira, Vila do Bispo e Vila Real de Santo António. Alcácer do Sal; Grândola; Odemira; Santiago do Cacém; Sines Alcobaça; Alenquer; Arruda dos Vinhos; Bombarral; Cadaval; Caldas da Rainha; Lourinhã; Nazaré; Óbidos; Peniche; Sobral de Monte Agraço; Torres Vedras Rede Nacional de Áreas Protegidas e Rede Natura 2000 (com exclusão das localizadas na região do Algarve e do Alentejo) 17

18 ANEXO 4 Produtos Turísticos por Pólos e Regiões 18

19 Produtos Turísticos Estratégicos Douro NUT III: - Douro Serra da Estrela Sol e mar City break Touring cultural e paisagístico Gastron. e vinhos Turismo de natureza Saúde e bem estar Turismo náutico Turismo de negócios Golfe Resorts integrados Turismo residencial Pólos Turísticos Regiões - NUT II NUTS III: -S. Estrela -Beira Int. Norte -Cova da Beira Oeste NUT III: -Oeste Litoral Alentejano NUT III: -Alentejo Litoral Alqueva -PROZEA Porto Santo R.A. Açores - todos Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve Madeira nos municípios de Lisboa e Porto Áreas naturais classificadas Plano Regional de Ordenamento da Zona Envolvente à Albufeira de Alqueva Três pólos abrangem áreas envolventes, designadamente: Douro (Baião e Resende), Serra da Estrela (Penamacor) e Litoral Alentejano (Aljezur e Vila do Bispo) 19

DESAGREGAÇÃO DE ASSOCIADOS 1 ASSOCIADOS POR ESPECIALIDADE E CONSELHO REGIONAL

DESAGREGAÇÃO DE ASSOCIADOS 1 ASSOCIADOS POR ESPECIALIDADE E CONSELHO REGIONAL DESAGREGAÇÃO DE ASSOCIADOS Notas: 1 O conselho geral deliberou, em reunião de 15 de outubro, nos termos do n.º 2 do artigo 11.º do EOSAE, agregar as delegações distritais de Beja, Évora e Portalegre numa

Leia mais

Global Map of Irrigation Areas PORTUGAL

Global Map of Irrigation Areas PORTUGAL NUTS3-region NUTS2-region irrigation Area actually (ha) irrigated (ha) Alentejo Central Alentejo 42 675 22 287 Alentejo Litoral Alentejo 40 289 14 427 Alto Alentejo Alentejo 39 974 20 993 Baixo Alentejo

Leia mais

ANEXO II. Página 1 ORDEM TIPO DE C. CLASSE CONCELHO TEM SISTEMA?

ANEXO II. Página 1 ORDEM TIPO DE C. CLASSE CONCELHO TEM SISTEMA? ORDEM TIPO DE C. CLASSE CONCELHO TEM SISTEMA? 2 C. Predial 1 VISEU NÃO 0 C. Predial/Comercial 1 BRAGANÇA NÃO 0 C. Civil/Predial/Comercial 2 VILA NOVA DE CERVEIRA NÃO 0 C. Predial/Comercial 1 VIANA DO CASTELO

Leia mais

Listagem de delegações da IGAC por ordem alfabética

Listagem de delegações da IGAC por ordem alfabética ÁGUEDA AGUIAR DA BEIRA ALBERGARIA-A-VELHA ALBUFEIRA ALCÁCER DO SAL ALCANENA ALCOBAÇA ALCOCHETE ALCOUTIM ALENQUER ALFÂNDEGA DA FÉ ALJEZUR ALJUSTREL ALMADA ALMEIDA ALMEIRIM ALMODÔVAR ALTER DO CHÃO AMADORA

Leia mais

Decreto-Lei n.º 78/84, de 8 de Março Estabelece a Classificação dos Municípios do Continente e das Regiões Autónomas

Decreto-Lei n.º 78/84, de 8 de Março Estabelece a Classificação dos Municípios do Continente e das Regiões Autónomas Decreto-Lei n.º 78/84, de 8 de Março Estabelece a Classificação dos Municípios do Continente e das Regiões Autónomas Por expressa determinação do Código Administrativo, no seu artigo 6.º, a classificação

Leia mais

DISTRITO CONCELHO DIA HORA Localidade LOCAL Morada VIANA DO CASTELO BRAGA PORTO VILA REAL BRAGANÇA

DISTRITO CONCELHO DIA HORA Localidade LOCAL Morada VIANA DO CASTELO BRAGA PORTO VILA REAL BRAGANÇA DISTRITO CONCELHO DIA HORA Localidade LOCAL Morada BRAGANÇA VILA REAL PORTO BRAGA VIANA DO CASTELO ARCOS DE VALDEVEZ 10 de Maio de 2003 14h e 30m Braga Casa dos Crivos Orfeão de Braga CAMINHA 10 de Maio

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1.ª série N.º 73 14 de Abril de 2008 2193 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Lei n.º 68/2008 de 14 de Abril Nos termos do Programa do XVII Governo Constitucional considera

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PEDIDO DE HABITAÇÃO O presente documento pretende apoiá-lo/a no preenchimento do formulário Pedido de Habitação, informando que os campos identificados com

Leia mais

Memorando apresentado pelo ME sobre "recrutamento e colocação de professores"

Memorando apresentado pelo ME sobre recrutamento e colocação de professores Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Memorando apresentado pelo ME sobre "recrutamento e colocação de professores" 0. QUESTÃO PRÉVIA SOBRE A NEGOCIAÇÃO Em primeiro lugar, a FENPROF pretende

Leia mais

QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04)

QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04) QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04) Z3 ENTRE DOURO E VOUGA (21) AVEIRO (01) VISEU (18) Z4 COIMBRA (06) LEIRIA (10) Z5 CASTELO

Leia mais

Serviços disponibilizados pelas autarquias através do Balcão do Empreendedor Informação atualizada no dia 18 de junho 2012 Grupo Entidade Formalidade

Serviços disponibilizados pelas autarquias através do Balcão do Empreendedor Informação atualizada no dia 18 de junho 2012 Grupo Entidade Formalidade Serviços disponibilizados pelas autarquias através do Balcão do Empreendedor Informação atualizada no dia 18 de junho 2012 Grupo Entidade Formalidade Acampamento ocasional Câmara Municipal de Braga Acampamento

Leia mais

Barreiro 0,00% Fafe 0,25% Meda 0,25% Penalva do Castelo 0,25% São Vicente 0,00% Vila Nova de Foz Côa 0,00% Batalha 0,25% Faro 0,25% Melgaço 0,00%

Barreiro 0,00% Fafe 0,25% Meda 0,25% Penalva do Castelo 0,25% São Vicente 0,00% Vila Nova de Foz Côa 0,00% Batalha 0,25% Faro 0,25% Melgaço 0,00% Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Abrantes 0,25% Boticas 0,25% Figueiró dos Vinhos 0,00% Mirandela 0,25% Pombal 0,25% Sertã 0,25%

Leia mais

Entidades Intermunicipais. Entidade Intermunicipal Designação Munícipios População. Comunidade Intermunicipal do Alto Minho

Entidades Intermunicipais. Entidade Intermunicipal Designação Munícipios População. Comunidade Intermunicipal do Alto Minho Intermunicipal Intermunicipal Intermunicipal Área Metropolitana Intermunicipal Intermunicipal do Alto Minho Intermunicipal do Cávado Área Metropolitana do Porto Intermunicipal do Ave Intermunicipal do

Leia mais

https://www.portaldasfinancas.gov.pt/pt/main.jsp

https://www.portaldasfinancas.gov.pt/pt/main.jsp DISTRITO ANGRA DO HEROISMO 1901 ANGRA DO HEROISMO 0,500 % 0,300 % 0,80 % 1902 CALHETA (AÇORES) 0,800 % 0,500 % 0,80 % 1903 SANTA CRUZ DA GRACIOSA 0,500 % 0,300 % 0,80 % 1904 VELAS 0,500 % 0,300 % 0,80

Leia mais

RENDA MÁXIMA ADMITIDA PARA O ANO DE 2015 DE ACORDO COM A PORTARIA N.º 1190/2010, DE 18 DE NOVEMBRO (ORDENADA POR MUNICÍPIO)

RENDA MÁXIMA ADMITIDA PARA O ANO DE 2015 DE ACORDO COM A PORTARIA N.º 1190/2010, DE 18 DE NOVEMBRO (ORDENADA POR MUNICÍPIO) ABRANTES MÉDIO TEJO 334,00 468,00 589,00 AGUEDA BAIXO VOUGA 368,00 501,00 645,00 AGUIAR DA BEIRA DÃO LAFÕES 334,00 468,00 589,00 ALANDROAL ALENTEJO CENTRAL 368,00 501,00 645,00 ALBERGARIA-A-VELHA BAIXO

Leia mais

QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR MUNICÍPIO EM DEZEMBRO DE 2013

QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR MUNICÍPIO EM DEZEMBRO DE 2013 VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO 317 303 716 996 1.601 RIBEIRA BRAVA 127 127 125 123 1.558 PORTIMÃO 1.088 1.140 797 780 1.057 SANTA CRUZ 518 515 566 595 1.049 ALIJÓ 202 208 206 203 827 ÉVORA 541 623 867 843

Leia mais

Parque Automóvel Seguro 2000-2001 INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL

Parque Automóvel Seguro 2000-2001 INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL 2000-2001 INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance

Leia mais

PMP (n.º dias) a 31-12-2007

PMP (n.º dias) a 31-12-2007 (N.º 20 - Resolução de Conselho de Ministros n.º 34/, publicada no DR n.º 38, 1.ª série, de 22 de Fevereiro) Ordenado por ordem decrescente do PMP em 31-12- a 30-09- a 31-12- VILA FRANCA DO CAMPO 158 182

Leia mais

Código - Designação Serviço Finanças

Código - Designação Serviço Finanças 01-AVEIRO 19-AGUEDA 4 01-AVEIRO 27-ALBERGARIA-A-VELHA 2 01-AVEIRO 35-ANADIA 3 01-AVEIRO 43-AROUCA 3 01-AVEIRO 51-AVEIRO-1. 1 01-AVEIRO 60-CASTELO DE PAIVA 1 01-AVEIRO 78-ESPINHO 1 01-AVEIRO 86-ESTARREJA

Leia mais

Ofício-Circulado 20007, de 19/03/1999 - Direcção de Serviços do IRC

Ofício-Circulado 20007, de 19/03/1999 - Direcção de Serviços do IRC Ofício-Circulado 0, de //99 - Direcção de Serviços do IRC Taxas de Derrama lançada para cobrança em 99 (Exercício de 98) Ofício-Circulado 0, de //99 - Direcção de Serviços do IRC Taxas de Derrama lançada

Leia mais

Information on the videoconferencing equipment in the courts of Portugal

Information on the videoconferencing equipment in the courts of Portugal Information on the videoconferencing equipment in the courts Portugal No Court name & city Equipment type and make 1 Abrantes Tribunal Judicial 3 2 Abrantes Tribunal do Trabalho 1 3 Águeda Juízo de Instrução

Leia mais

PARTE C PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. 26092-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015

PARTE C PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. 26092-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 26092-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 PARTE C PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Gabinete do Secretário de Estado da Administração Local Despacho n.º 10123-A/2015 Considerando

Leia mais

(Primeira Verificação e Verificação Periódica) Distribuição de Instrumentos e Sistemas de Medição por Zonas Geográficas

(Primeira Verificação e Verificação Periódica) Distribuição de Instrumentos e Sistemas de Medição por Zonas Geográficas ORGANISMOS DE VERIFICAÇÃO METROLÓGICA QUALIFICADOS PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CONTROLO METROLÓGICO LEGAL (Primeira Verificação e Verificação Periódica) Distribuição de Instrumentos e Sistemas de Medição

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos -Amb3E - Victor Sousa Uva Amb3E

Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos -Amb3E - Victor Sousa Uva Amb3E Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos -Amb3E - Victor Sousa Uva Amb3E Vila Real, 21 de Fevereiro de 2007 Agenda 1. Enquadramento Legal 2. Amb3E 3. Centros de

Leia mais

Protocolos firmados no âmbito das Autarquias: Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens

Protocolos firmados no âmbito das Autarquias: Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens 1 Abrantes Santarém 2 Águeda Aveiro 3 Albufeira Faro 4 Alcanena Santarém 5 Alcobaça Leiria 6 Alcoutim Faro 7 Alenquer Lisboa 8 Alfândega da Fé Bragança 9 Aljustrel Beja 10 Almada Setúbal 11 Almodôvar Beja

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 16/2013. Taxas de derrama a cobrar em 2013 Oficio Circulado n.º 20165

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 16/2013. Taxas de derrama a cobrar em 2013 Oficio Circulado n.º 20165 INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 16/2013 Taxas de derrama a cobrar em 2013 Oficio Circulado n.º 20165 Com a publicação do Ofício Circulado n.º 20165, do passado dia 5 de Março, foram divulgadas a relação dos municípios

Leia mais

DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte

DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte Produção de Pequenos Frutos na Região Norte Em Portugal, à exceção do morango,

Leia mais

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Artigo 18.º - Obrigações dos operadores económicos - Informação aos consumidores sobre as entidades de Resolução Alternativa de Litígios de Consumo SOU UMA EMPRESA OU

Leia mais

Declaração. Fundamento Data Finalidade Município/Freguesia beneficiario

Declaração. Fundamento Data Finalidade Município/Freguesia beneficiario Direcção-Geral do Orçamento Ministério das Finanças e da Administração Pública Declaração Em cumprimento do disposto no número 7 do art.º 8 da lei 2/2007 de 15 de Janeiro que aprova a Lei das Finanças

Leia mais

Concelhos e Distritos (2016)

Concelhos e Distritos (2016) Angra do Heroísmo Calheta Corvo Horta Lagoa Lajes das Flores Lajes do Pico Madalena Nordeste Ponta Delgada Povoação Praia da Vitória Ribeira Grande Santa Cruz da Graciosa Santa Cruz das Flores São Roque

Leia mais

Mapa de Sensibilidade Ambiental dos Concelhos de Portugal Continental

Mapa de Sensibilidade Ambiental dos Concelhos de Portugal Continental Mapa de Sensibilidade Ambiental dos Concelhos de Portugal Continental 233 234 238 240 235 231 232 59 236 237 246 46 242 34 44 252 42 39 37 36 35 41 191 58 52 54 53 249 247 38 47 181 245 48 192 187 183

Leia mais

Seminário AGRICULTURA FAMILIAR E SUSTENTABILIDADE DOS TERRITÓRIOS RURAIS. Isabel Rodrigo

Seminário AGRICULTURA FAMILIAR E SUSTENTABILIDADE DOS TERRITÓRIOS RURAIS. Isabel Rodrigo Seminário AGRICULTURA FAMILIAR E SUSTENTABILIDADE DOS TERRITÓRIOS RURAIS Agricultura Familiar no Rural Baixa Densidade Sul: uma síntese Isabel Rodrigo Instituto Superior de Agronomia (ISA/UL) Sociedade

Leia mais

Anexo 7 - Lista de Códigos de Concelhos por QZP

Anexo 7 - Lista de Códigos de Concelhos por QZP Anexo 7 - Lista de s de s por QZP QZP - 01 AVEIRO 0101 ÁGUEDA 0102 ALBERGARIA-A-VELHA 0103 ANADIA 0105 AVEIRO 0108 ESTARREJA 0110 ÍLHAVO 0111 MEALHADA 0112 MURTOSA 0114 OLIVEIRA DO BAIRRO 0115 OVAR 0117

Leia mais

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Documento explicativo sobre o artigo 18.º que estabelece as obrigações dos operadores económicos - Informação aos consumidores sobre as entidades de Resolução Alternativa

Leia mais

Concelhos abrangidos pela Rede Social, segundo a NUT II, por NUT III e Distrito

Concelhos abrangidos pela Rede Social, segundo a NUT II, por NUT III e Distrito abrangidos pela Rede Social, segundo a NUT II, por NUT III e Distrito NUTS II* NUT III* Distrito Concelhos Ano de Adesão 278 Bragança Alfândega da Fé 2004 Bragança 2005 Macedo de Cavaleiros 2000 Miranda

Leia mais

a eficiência do ramo da educação pré-escolar no norte de portugal uma análise da última década 1

a eficiência do ramo da educação pré-escolar no norte de portugal uma análise da última década 1 a eficiência do ramo da educação pré-escolar no norte de portugal uma análise da última década 1 Paulo Reis Mourão Daniela Gaspar Resumo: Palavras-chave Portugal Códigos JEL Abstract: Keywords JEL Codes

Leia mais

MAPA XIX - TRANSFERÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS - OE/2017

MAPA XIX - TRANSFERÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS - OE/2017 FINAL ÁGUEDA 7 035 116 781 680 7 816 796 775 247 0 8 592 043 586259 65140 64603 0 586267 65140 64614 0 ALBERGARIA-A-VELHA 4 478 645 497 627 4 976 272 498 356 418 651 5 893 279 373220 41468 41529 34887

Leia mais

MAPA XIX - TRANSFERÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NOS IMPOSTOS DO ESTADO

MAPA XIX - TRANSFERÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NOS IMPOSTOS DO ESTADO MAPA XIX - PARA OS MUNICÍPIOS PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NOS IMPOSTOS DO ESTADO - 2012 MUNICÍPIOS AVEIRO (distrito) ÁGUEDA 4 477 961 2 985 308 7 463 269 660 535 1 284 849 5,0% 1 284 849 9 408 653 ALBERGARIA-A-VELHA

Leia mais

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS 1 ABRANTES LVT INTERMUNICIPAL S PT 05 002 CGM in situ 2 ÁGUEDA C MUNICIPAL PT 03 004 CGM 3 AGUIAR DA BEIRA C INTERMUNICIPAL PT 03 005 CGM SÁTÃO 4 ALCANENA LVT INTERMUNICIPAL PT 05 005 CGM TORRES NOVAS

Leia mais

EVOLUÇÃO DO ENDIVIDAMENTO DE MÉDIO E LONGO PRAZOS, POR MUNICÍPIO (2010 a 2013)

EVOLUÇÃO DO ENDIVIDAMENTO DE MÉDIO E LONGO PRAZOS, POR MUNICÍPIO (2010 a 2013) Limite de Endividamento SANTARÉM ABRANTES 17.826.299 16.296.512 6.660.154 9.636.358 11.590.900 14.996.367 6.097.434 8.898.933 10.014.089 14.811.552 5.575.824 9.235.728 16.157.114 13.234.222 5.022.183 8.212.039

Leia mais

Itinerários Complementares

Itinerários Complementares Itinerários Complementares Viana do Castelo IC28 Bragança IC14 Braga Trofa Vila do Conde Santo Tirso Paços de Ferreira IC25 Matosinhos IC1 IC23 IC2 Espinho Paredes Valongo Porto IC24 Gondomar IC29 Porto

Leia mais

COBERTURA TDT POR CONCELHO

COBERTURA TDT POR CONCELHO COBERTURA TDT POR CONCELHO Percentagem (%) de população coberta, estimada para cada concelho, da rede implementada pela PT Comunicações, relativa ao primeiro trimestre de 2012. Cobertura Televisão Digital

Leia mais

MAPA XIX - TRANSFERÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NOS IMPOSTOS DO ESTADO

MAPA XIX - TRANSFERÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NOS IMPOSTOS DO ESTADO MAPA XIX - PARA OS MUNICÍPIOS CORRENTE CAPITAL PIE % a transferir AVEIRO (distrito) ÁGUEDA 6 728 451 747 606 7 476 057 775 247 1 585 731 0,0% 0 8 251 304 ALBERGARIA-A-VELHA 4 279 964 475 551 4 755 515

Leia mais

Devolução municipal do IRS em 2016

Devolução municipal do IRS em 2016 Devolução municipal do IRS em 2016 Devolução máxima (5%) Devolução entre 3% e 4% Devolução entre 2% e 2,5% Devolução até 1,5% Sem devolução Municípios IRS para o município Devolução do IRS Águeda 0,00%

Leia mais

Para conhecimento e informação aos interessados, divulga-se a lista de Municípios, com a

Para conhecimento e informação aos interessados, divulga-se a lista de Municípios, com a Classificação: 2 O 5. O 5. O 2 Segurança: 1-AT autoridade tributária e aduaneira Processo: 428/2014 DIREÇÃO DE SERViÇOS DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS Oficio Circulado N,o: 20170 de

Leia mais

Reabilitação de Coberturas em Tribunais

Reabilitação de Coberturas em Tribunais Gouveia (Seia / Coimbra) Grândola (Santiago do Cacém / Évora) Inaugurado em 10/10/1982 Guarda (Guarda / Coimbra) Inaugurado em 27/04/1953 Guimarães (Guimarães / Porto) Arq. Luís Benavente Inaugurado em

Leia mais

Distância-física entre NUTS II ponderado pela População (Censos 2011)

Distância-física entre NUTS II ponderado pela População (Censos 2011) Distância-física entre NUTS II ponderado pela População (Censos 2011) Centro Lisboa 73,6 Centro 205,5 132,7 Lisboa 364,8 216,7 30,0 403,3 254,7 146,9 133,7 595,4 452,3 282,6 264,1 49,2 Informação relativa

Leia mais

QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR MUNICÍPIO EM DEZEMBRO DE 2014

QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR MUNICÍPIO EM DEZEMBRO DE 2014 QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR PORTIMÃO 1.054 1.055 1.975 2.044 4.628 NAZARÉ 421 428 1.632 1.692 3.411 PAÇOS DE FERREIRA 874 916 865 1.122 1.417 SÃO VICENTE 436 543 744 889 1.088

Leia mais

Itinerários Principais

Itinerários Principais Itinerários Principais Bragança Viana do Castelo Braga IP9 Vila Real IP4 Porto Aveiro IP3 Viseu IP5 Guarda Coimbra Leiria Castelo Branco IP6 Santarém IP2 Portalegre IP1 Lisboa Setúbal IP7 Évora IP8 Beja

Leia mais

Emergência de instrumentos e mecanismos de liderança a e participação em territórios rios de baixa densidade

Emergência de instrumentos e mecanismos de liderança a e participação em territórios rios de baixa densidade Emergência de instrumentos e mecanismos de liderança a e participação em territórios rios de baixa densidade O caso dos PROVERE Joaquim Felício CCDRC/MAIS CENTRO Coimbra, 24 novembro 2014 1 política pública

Leia mais

1712 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de Março de 2009

1712 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de Março de 2009 1712 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de Março de 2009 Portaria n.º 273/2009 de 18 de Março O Programa do XVII Governo Constitucional define que «o sistema [de saúde] deve ser reorganizado a todos

Leia mais

Multirriscos Habitação

Multirriscos Habitação Produto Âmbito Duração Cliente-alvo Multirriscos Garante casas de habitação em bom estado de conservação, que sejam residência permanente, contra a generalidade dos riscos a que estão sujeitas. Um ano

Leia mais

Portugal Mapas e Números

Portugal Mapas e Números Plano Anual de Atividades 2011-12 Portugal Mapas e Números Código da atividade ogf3 Destinatários Toda a comunidade educativa da ESSM Intervenientes Responsáveis Prof. Augusto Cebola e Prof. Jorge Damásio

Leia mais

COMPOSIÇÃO DO GRUPO CRÉDITO AGRÍCOLA

COMPOSIÇÃO DO GRUPO CRÉDITO AGRÍCOLA COMPOSIÇÃO DO GRUPO CRÉDITO AGRÍCOLA 133 1. Caixa Central e Empresas do Grupo CAIXA CENTRAL DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, C.R.L. Tel.: 213 809 900 Fax: 213 8 861 CRÉDITO AGRÍCOLA INFORMÁTICA - SISTEMAS DE

Leia mais

Tabela 1: Classificação dos Municípios por dimensão

Tabela 1: Classificação dos Municípios por dimensão Tabela 1: Classificação dos Municípios por dimensão Municípios de grande dimensão 1 Lisboa Lisboa Vale do Tejo 519 795 509 751 499 700 489 562 2 Sintra Lisboa Vale do Tejo 419 382 428 470 437 471 445 872

Leia mais

SERVIÇO DESCONCENTRADO NIB FAX

SERVIÇO DESCONCENTRADO NIB FAX 1ª Conservatória do Registo Predial de Almada 0035.2143.00033486530.03 212721259 1ª Conservatória do Registo Predial de Amadora 0007.0000.00207288322.23 214929419 1ª Conservatória do Registo Predial de

Leia mais

Lojas CTT com Espaços Cidadão. agosto 2015

Lojas CTT com Espaços Cidadão. agosto 2015 Lojas CTT com Espaços Cidadão agosto 2015 Lojas CTT com Espaços do Cidadão até final de agosto Distrito Concelho Freguesia- designação atual Loja Lisboa Lisboa Alvalade ALVALADE (LISBOA) Lisboa Amadora

Leia mais

BRAGANÇA CASTELO BRANCO

BRAGANÇA CASTELO BRANCO AVEIRO ALBERGARIA-A-VELHA JOÃO AGOSTINHO PINTO PEREIRA, PSD ANADIA LITÉRIO AUGUSTO MARQUES, PSD ESTARREJA JOSÉ EDUARDO VALENTE DE MATOS, PSD SANTA MARIA DA FEIRA ALFREDO OLIVEIRA HENRIQUES, PSD ÍLHAVO

Leia mais

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas de Operações Isoladas PRU/1/2008 Política de Cidades Parcerias para a Regeneração

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Desemprego Registado por Concelho Estatísticas Mensais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Desemprego Registado por Concelho Estatísticas Mensais Abril 2009 FICHA TÉCNICA TÍTULO Desemprego Registado por Concelho Estatísticas Mensais EDIÇÃO Gabinete de Estudos e Avaliação Rua de Xabregas, 52 1949-003 Lisboa Telef.: 218 614 100 Fax: 218 614 613 DIRECÇÃO

Leia mais

Taxas de derrama em cobrança em 2014 corrigidas pelas Finanças

Taxas de derrama em cobrança em 2014 corrigidas pelas Finanças s de derrama em cobrança em 2014 corrigidas pelas Finanças Após publicação do ofício circulado nº 20170 de 2014-03-1, a Autoridade Tributária emitiu novo ofício circulado o nº20171/2014 de 25-03-2014 no

Leia mais

< 5 4,28 5,57 5,86 6,41 20,48 5 a 10 4,65 6,05 6,14 6,98 28,79

< 5 4,28 5,57 5,86 6,41 20,48 5 a 10 4,65 6,05 6,14 6,98 28,79 Serviço Standard Serviço Especial Peso (Kg) 1 2 3 4 5 Entrega até às 18:00H GRUPOL10H GRUPOL13H GRUPOLSAB GRUPOLMA Entrega até às 10:00H do dia seguinte Entrega até às 13:00H do dia seguinte Entrega ao

Leia mais

1.1 Municípios por NUTS III, distrito/ra e CCR/RA (2001, Municípios por ordenação alfabética)

1.1 Municípios por NUTS III, distrito/ra e CCR/RA (2001, Municípios por ordenação alfabética) 1.1 Municípios por NUTS III, distrito/ra e CCR/RA ABRANTES Médio Tejo Santarém Lisboa e Vale do Tejo Continente ÁGUEDA Baixo Vouga Aveiro Centro Continente AGUIAR DA BEIRA Dão-Lafões Guarda Centro Continente

Leia mais

TABELA DE TAXAS DE DERRAMA A APLICAR NO PERÍODO FISCAL DE 2012

TABELA DE TAXAS DE DERRAMA A APLICAR NO PERÍODO FISCAL DE 2012 CÓDIGO TABELA DE TAXAS DE DERRAMA A APLICAR NO PERÍODO FISCAL DE 2012 MUNICÍPIO TAXA NORMAL TAXA REDUZIDA ISENÇÃO ÂMBITO DA ISENÇÃO DISTRITO DE AVEIRO 01 01 ÁGUEDA 1,50% - 01 02 ALBERGARIA-A-VELHA 1,35%

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 31 de Janeiro de 2005

PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 31 de Janeiro de 2005 PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 31 de Janeiro de 2005 Fundo de Investimento Mobiliário RAIZ POUPANÇA ACÇÕES Tipo de Fundo: Fundo de Poupança em Acções Início de Actividade: 21 de Novembro de 1995

Leia mais

COMISSÕES DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS

COMISSÕES DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS ABRANTES Rua Grande, nº12 241 361 695 241 361 695 2200-418 Abrantes cpcj.abrantes@gmail.com cpmab1@sapo.pt http://cpcjabrantes.blogspot.com ÁGUEDA Rua da Misericórdia, n.º 189 234 180 112 234 611 298 3750-130

Leia mais

Código QZP Código Concelho

Código QZP Código Concelho Códigos dos quadros de zona pedagógica Códigos de Concelhos por QZP Código QZP Código Concelho 01 AVEIRO 02 BAIXO ALENTEJO/ALENTEJO LITORAL 0101 0102 0103 0105 0108 0110 0111 0112 0114 0115 0117 0118 0201

Leia mais

ÍNDICE QUADROS SÍNTESE 3 PROJECTOS E SUBPROJECTOS POR DISTRITOS E CONCELHOS 33 REGIONALIZAÇÃO POR ÁREA DE INFLUÊNCIA 5 TOTAIS POR NUTS 9

ÍNDICE QUADROS SÍNTESE 3 PROJECTOS E SUBPROJECTOS POR DISTRITOS E CONCELHOS 33 REGIONALIZAÇÃO POR ÁREA DE INFLUÊNCIA 5 TOTAIS POR NUTS 9 M A P A - X V - A ÍNDICE QUADROS SÍNTESE 3 REGIONALIZAÇÃO POR ÁREA DE INFLUÊNCIA 5 TOTAIS POR NUTS 9 TOTAIS POR DISTRITOS 15 TOTAIS POR 19 PROJECTOS E SUBPROJECTOS POR DISTRITOS E 33 QUADROS SÍNTESE

Leia mais

RENDA MÁXIMA ADMITIDA PARA O ANO DE 2016 DE ACORDO COM A PORTARIA N.º 1190/2010, DE 18 DE NOVEMBRO (ORDENADA POR MUNICÍPIO)

RENDA MÁXIMA ADMITIDA PARA O ANO DE 2016 DE ACORDO COM A PORTARIA N.º 1190/2010, DE 18 DE NOVEMBRO (ORDENADA POR MUNICÍPIO) ABRANTES MÉDIO TEJO 335,00 469,00 590,00 AGUEDA BAIXO VOUGA 369,00 502,00 647,00 AGUIAR DA BEIRA DÃO LAFÕES 335,00 469,00 590,00 ALANDROAL ALENTEJO CENTRAL 369,00 502,00 647,00 ALBERGARIA-A-VELHA BAIXO

Leia mais

Mais se solicita brevidade no envio da referida lista de candidatos a peritos locais da avaliação geral, se possível até final próxima semana.

Mais se solicita brevidade no envio da referida lista de candidatos a peritos locais da avaliação geral, se possível até final próxima semana. Documento recebido da Autoridade Tributária relativamente ao processo de seleção de peritos locais de avaliação geral a selecionar por Serviço de Na sequência dos contactos efetuados sobre o assunto em

Leia mais

ACES com programação completa cobertura total ACES com programação parcial - cobertura ainda incompleta

ACES com programação completa cobertura total ACES com programação parcial - cobertura ainda incompleta ACES Início Conclusão 00 0 0 Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Nov Dez Alto Minho -0-00 -0-0 Alto Tâmega e Barroso 8-06-00-07-0 Aveiro Norte 0-09-00-0-0

Leia mais

Novidades na plataforma SSAIGT 2.0

Novidades na plataforma SSAIGT 2.0 14 de outubro de 2015 Novidades na plataforma SSAIGT 2.0 Funciona numa única plataforma online, sem necessidade de instalação local e de atualizações; Permite o acesso a uma organização dos formulários

Leia mais

Bloom Consulting. Digital Demand. Countries Regions and Cities. Digital Demand - D2. A Atratividade Online dos Municípios Portugueses.

Bloom Consulting. Digital Demand. Countries Regions and Cities. Digital Demand - D2. A Atratividade Online dos Municípios Portugueses. - D2 A Atratividade Online dos Municípios Portugueses Portugal Bem-vindo! Since 2003 Introdução ao A Bloom Consulting desenvolveu a ferramenta (D2) de forma a obter todos os dados relevantes sobre o comportamento

Leia mais

Parceria 5àsec - La Redoute 1 de Janeiro a 28 de Fevereiro 2015

Parceria 5àsec - La Redoute 1 de Janeiro a 28 de Fevereiro 2015 Parceria 5àsec - La Redoute 1 de Janeiro a 28 de Fevereiro 2015 Nome Loja Cidade Distrito ÁGUEDA PINGO DOCE ÁGUEDA Distrito Aveiro ALBERGARIA-A-VELHA RUA ALBERGARIA A VELHA Distrito Aveiro AVEIRO GLICÍNIAS

Leia mais

Centros de Recursos. Profissional de Vila Real TORRE DE MONCORVO. Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS APACI

Centros de Recursos. Profissional de Vila Real TORRE DE MONCORVO. Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS APACI DELEGAÇÃO REGIONAL DO NORTE Profissional de Vila Real VILA REAL TORRE DE MONCORVO A2000 ARDAD Centro de Emprego do Baixo Ave VILA NOVA DE FAMALICÃO ACIP SANTO TIRSO Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS

Leia mais

Onde e como se vive em Portugal 2011

Onde e como se vive em Portugal 2011 Onde e como se vive em Portugal 2011 25 de junho de 2013 Onde e como se vive em Portugal 2011 De acordo com os resultados definitivos dos Censos 2011 na região de Lisboa regista-se a maior densidade populacional,

Leia mais

Distrito de Setúbal Concelhos Abrangidos Alcochete, Almada, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela, Seixal, Sesimbra, Setúbal.

Distrito de Setúbal Concelhos Abrangidos Alcochete, Almada, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela, Seixal, Sesimbra, Setúbal. Algarve Distrito de Faro Albufeira, Alcoutim, Aljezur, Castro Marim, Faro, Lagoa, Lagos, Loulé, Monchique, Olhão, Portimão, S. Brás de Alportel, Silves, Tavira, Vila do Bispo, Vila Real de Santo António.

Leia mais

ARQUIVOS MUNICIPAIS X ENCONTRO NACIONAL LEIRIA 4 DE NOVEMBRO 2011 BAD. SAM Secção de Arquivos Municipais COMISSÃO PERMANENTE

ARQUIVOS MUNICIPAIS X ENCONTRO NACIONAL LEIRIA 4 DE NOVEMBRO 2011 BAD. SAM Secção de Arquivos Municipais COMISSÃO PERMANENTE ARQUIVOS MUNICIPAIS X ENCONTRO NACIONAL LEIRIA 4 DE NOVEMBRO 2011 BAD SAM Secção de Arquivos Municipais COMISSÃO PERMANENTE Maranhão Peixoto Fernanda Rodrigues João Sabóia 3.º INQUÉRITO AOS ARQUIVOS MUNICIPAIS

Leia mais

Reabilitação de Coberturas em Tribunais. Anexo I Mapa da actual Divisão Judicial

Reabilitação de Coberturas em Tribunais. Anexo I Mapa da actual Divisão Judicial Reabilitação de Coberturas em Tribunais Anexo I Mapa da actual Divisão Judicial I II Anexo II Actual Divisão Judicial Distrito Judicial Círculo Judicial Comarca Porto Porto Porto Barcelos Barcelos Esposende

Leia mais

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação - NERSANT. Março, 2014

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação - NERSANT. Março, 2014 Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação - NERSANT Março, 2014 A OxyCapital gere dois fundos (FRE e FRC) e está a lançar um fundo Mezzanine para oportunidades híbridas de dívida/capital

Leia mais

TIPO MUNICÍPIOS COM SERVIÇOS CRO OBSERVAÇÃO - OUTRAS AUTORIZAÇÕES. ABRANTES LVT INTERMUNICIPAL S PT CGM in situ

TIPO MUNICÍPIOS COM SERVIÇOS CRO OBSERVAÇÃO - OUTRAS AUTORIZAÇÕES. ABRANTES LVT INTERMUNICIPAL S PT CGM in situ ABRANTES LVT INTERMUNICIPAL S PT 05 002 CGM in situ ÁGUEDA C MUNICIPAL PT 03 004 CGM AGUIAR DA BEIRA C INTERMUNICIPAL PT 03 005 CGM SÁTÃO ALCANENA LVT INTERMUNICIPAL PT 05 005 CGM TORRES NOVAS ALCOBAÇA

Leia mais

Listas. Listas de escolas com crédito (Aplicação do Despacho Normativo n.º 6/2014, de 26 de maio)

Listas. Listas de escolas com crédito (Aplicação do Despacho Normativo n.º 6/2014, de 26 de maio) Listas Listas de escolas com crédito (Aplicação do Despacho Normativo n.º 6/2014, de 26 de maio) Os Agrupamentos de Escolas / Escolas não agrupadas (que aqui serão designados, simplesmente, por Escolas

Leia mais

Estatísticas das redes e serviços de alta velocidade. Preâmbulo

Estatísticas das redes e serviços de alta velocidade. Preâmbulo Estatísticas das redes e serviços de alta velocidade Preâmbulo 1. Tendo em conta que: a) desde o final de 2007 que o Governo assumiu o desenvolvimento das redes de nova geração (RGN) como uma prioridade

Leia mais

ÉPOCA BALNEAR 2011 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS NO ÂMBITO DO PROJECTO PRAIA ACESSÍVEL, PRAIA PARA TODOS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE

ÉPOCA BALNEAR 2011 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS NO ÂMBITO DO PROJECTO PRAIA ACESSÍVEL, PRAIA PARA TODOS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE ÉPOCA BALNEAR 2011 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS NO ÂMBITO DO PROJECTO PRAIA ACESSÍVEL, PRAIA PARA TODOS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE Caminha V. Praia de Âncora costeira C/ cadeira anfíbia

Leia mais

Teresa Almeida Pinto http://cidades.projectotio.net

Teresa Almeida Pinto http://cidades.projectotio.net Amigas das Pessoas Idosas Teresa Almeida Pinto http://cidades.projectotio.net Associação Valorização Intergeracional e Desenvolvimento Activo Amigas das Pessoas Idosas cidades I Estudo nacional sobre amigabilidade

Leia mais

MAPA XIX TRANSFERÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NOS IMPOSTOS DO ESTADO 2015 (Un: euros) FEF FINAL

MAPA XIX TRANSFERÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS NOS IMPOSTOS DO ESTADO 2015 (Un: euros) FEF FINAL MAPA XIX TRANSFERÊNCIAS PARA OS PARTICIPAÇÃO DOS NOS IMPOSTOS DO ESTADO 2015 (Un: euros) FEF FINAL CORRENTE CAPITAL PIE % a transferir TRANSFERÊNCIAS AVEIRO (distrito) ÁGUEDA 6 628 952 736 550 7 365 502

Leia mais

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação TORRES INOV-E. 26 de Março, 2014

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação TORRES INOV-E. 26 de Março, 2014 Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação TORRES INOV-E 26 de Março, 2014 A OxyCapital gere dois fundos (FRE e FRC) e estáa lançar um fundo Mezzanine para oportunidades híbridas de dívida/capital

Leia mais

DESEMPREGO REGISTADO POR CONCELHOS

DESEMPREGO REGISTADO POR CONCELHOS INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DESEMPREGO REGISTADO POR CONCELHOS Estatísticas Mensais Junho/2006 FICHA TÉCNICA TÍTULO Desemprego Registado por Concelho Estatísticas Mensais EDIÇÃO Departamento

Leia mais

S. PEDRO DO SUL RUA RAINHA D. AMÉLIA, Nº223 LOUROSA 3660-249 SANTA CRUZ DA TRAPA INT. A.C.M.R.-EMP.TRABALHO TEMPORÁRIO E

S. PEDRO DO SUL RUA RAINHA D. AMÉLIA, Nº223 LOUROSA 3660-249 SANTA CRUZ DA TRAPA INT. A.C.M.R.-EMP.TRABALHO TEMPORÁRIO E 2008-SEMEAR E CRESCER, SOCIEDADE UNIPESSOAL, SEIXAL RUA ANTÓNIO ALEIXO, LOTE 334 2865-051 FERNÃO FERRO NAC. LDA. A BENEFICENTE - PÓVOA DE VARZIM PÓVOA DE VARZIM RUA FERNANDO BARBOSA, 89 4490-635 PÓVOA

Leia mais

ÉPOCA BALNEAR 2012 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE

ÉPOCA BALNEAR 2012 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE ÉPOCA BALNEAR 2012 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS NO ÂMBITO DO PROJECTO PRAIA ACESSÍVEL, PRAIA PARA TODOS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE Caminha V. Praia de Âncora costeira C/ cadeira anfíbia

Leia mais

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS ABRANTES LVT INTERMUNICIPAL S PT 05 002 CGM in situ ÁGUEDA C MUNICIPAL PT 03 004 CGM AGUIAR DA BEIRA C INTERMUNICIPAL PT 03 005 CGM SÁTÃO ALCANENA LVT INTERMUNICIPAL PT 05 005 CGM TORRES NOVAS ALCOBAÇA

Leia mais

Competência Elevada competência aplicada à gestão eficiente dos resíduos e à valorização da qualidade de vida.

Competência Elevada competência aplicada à gestão eficiente dos resíduos e à valorização da qualidade de vida. Apresentação A Empresa Geral do Fomento, S.A. (EGF) é a sub-holding do Grupo Águas de Portugal responsável por assegurar o tratamento e valorização de resíduos, de forma ambientalmente correta e economicamente

Leia mais

1. TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os Colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

1. TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os Colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1. TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os Colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em

Leia mais

Municípios por distrito (entre 05/11/2002 e anos seguintes) - NUTS 2002 (nível II e III) Municípios por distrito NUTS 1998

Municípios por distrito (entre 05/11/2002 e anos seguintes) - NUTS 2002 (nível II e III) Municípios por distrito NUTS 1998 Municípios por distrito (entre 05/11/2 e anos seguintes) - NUTS 2 (nível II e III) 01 Aveiro 0101 Águeda Centro 1 Baixo Vouga 01 Aveiro 0102 Albergaria-a-Velha Centro 1 Baixo Vouga 01 Aveiro 0103 Anadia

Leia mais

VII JORNADAS DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO

VII JORNADAS DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO VII JORNADAS DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO E AMBIENTE: DESAFIOS PARA A GESTÃO PÚPLICA E PRIVADA BARCELOS, 24 DE NOVEMBRO DE 2006 EM QUE AMBIENTE VIVE A GESTÃO DO 1 O Contexto Territorial 2 O Contexto Temporal

Leia mais

LOJAS CTT QUE PRESTAM O SERVIÇO DE VALIDAÇÃO DE DOCUMENTOS

LOJAS CTT QUE PRESTAM O SERVIÇO DE VALIDAÇÃO DE DOCUMENTOS LOJAS CTT QUE PRESTAM O SERVIÇO DE VALIDAÇÃO DE DOCUMENTOS ALFRAGIDE MONTIJO ABÓBODA ABRANTES ABRAVESES (VISEU) AEROPORTO DAS LAJES (TERCEIRA) AEROPORTO DE FARO AEROPORTO DO FUNCHAL AEROPORTO LISBOA AGUADA

Leia mais

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM 2009 - A Formação Específica. ANATOMIA PATOLÓGICA Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E.

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM 2009 - A Formação Específica. ANATOMIA PATOLÓGICA Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E. Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E. Hospital Central de Faro - E.P.E. Instituto Português Oncologia de Lisboa Hospital Central do Funchal Hospital Central do Funchal Preferencial Hospital Curry

Leia mais

Departamento de Conservação da Natureza e Florestas (DCNF)

Departamento de Conservação da Natureza e Florestas (DCNF) ABRANTES ÁGUEDA AGUIAR DA BEIRA ALANDROAL ALBERGARIA-A-VELHA ALBUFEIRA ALCÁCER DO SAL ALCANENA ALCOBAÇA ALCOCHETE ALCOUTIM ALENQUER ALFÂNDEGA DA FÉ ALIJÓ ALJEZUR ALJUSTREL ALMADA ALMEIDA ALMEIRIM ALMODÔVAR

Leia mais

Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento Hospitalar em Portugal Continental (2000-2004)

Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento Hospitalar em Portugal Continental (2000-2004) Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento Hospitalar em Portugal Continental (2000-2004) http:// www.insa.pt Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento

Leia mais