ANDERSON FÁBIO NOGUEIRA ALVES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANDERSON FÁBIO NOGUEIRA ALVES"

Transcrição

1 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CRIMINOLOGIA INSTITUTO DE CRIMINOLOGIA DA ACADEMIA DE POLÍCIA CIVIL DE MG EM PARCERIA COM O INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA IEC DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MG. Crimes contra a hierarquia e disciplina: A evolução da criminalidade contra a hierarquia e disciplina na Justiça Militar do Estado de Minas Gerais no decênio ANDERSON FÁBIO NOGUEIRA ALVES Belo Horizonte 2008

2 2 ANDERSON FÁBIO NOGUEIRA ALVES Crimes contra a hierarquia e disciplina: A evolução da criminalidade contra a hierarquia e disciplina na Justiça Militar do Estado de Minas Gerais no decênio Monografia apresentada ao Curso de Especialização em Criminologia da Academia de Polícia Civil em convênio com o Instituto de Educação Continuada IEC da Universidade Católica de Minas Gerais como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Criminologia. Área de Concentração: Criminologia. Orientador(a): Prof(a). Patrícia Luiza Costa. Belo Horizonte 2008

3 3 Quis custodiet ipsos custodes (quem vigia os vigilantes?) Juvenal, As Sátiras

4 4 RESUMO O presente estudo analisa a criminalidade militar, especificamente os crimes cometidos por policiais militares e bombeiros militares estaduais, cuja competência para julgamento é do Tribunal de Justiça Militar do Estado de Minas Gerais. O objetivo foi averiguar a evolução da criminalidade militar relacionada com a hierarquia e disciplina, principalmente condutas como desacato, violência contra superior e insubordinação. A análise foi baseada na quantidade de ações penais oferecidas pelo Ministério Público e sentenças condenatórias proferidas pela Justiça Militar Estadual no período de 1998 a O resultado alcançado não concluiu pelo aumento desta criminalidade específica. Entretanto, foi observado um aumento significativo da quantidade de processos criminais na Justiça Militar Estadual, com o crescimento de determinadas espécies de crimes, e a redução de outras, no decorrer do período. Foram apresentadas sugestões para outros trabalhos, buscando melhor entender e explicar o fenômeno do crime militar. Além disso, foram propostas algumas medidas ao órgão judiciário, especialmente no tocante ao tratamento estatístico dispensado aos eventos ocorridos. Palavras chave: Tribunal de Justiça Militar do Estado de Minas Gerais crime militar hierarquia e disciplina.

5 5 ABSTRACT This paper analyzes the military criminality, specifically those crimes commited by state military policeman and state military fireman whose competence for judgement is of the State Military Court of Minas Gerais. The aim was to check the evolution of the military criminality connected with the hierarchy and discipline, chiefly conducts as disrespect, violence against superior and insubordination. The analysis was based on the quantity of military criminal actions proposed by the Public Department and condemnatory sentences uttered by de State Military Justice in the period from 1998 to The reached result did not conclude for the increase of this specific criminality. Meantime, there was observed a significant increase of the quantity of criminal processes in the State Military Justice, with the growth of determined kinds of crimes, and the decrease of others, in the course of the period. Suggestions were presented for other studies, in the search to understand and to explain the phenomenon of military crime. Besides, some measures were proposed to the judicial organ, specially on the statistical treatment dispensed to the occurred events. Keywords: State Military Court of Minas Gerais - military crime - hierarchy and discipline.

6 6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Tabela 1 Documentos distribuídos na 1ª Instância da JME Tabela 2 Denúncias oferecids na 1ª Instância da JME Tabela 3 Militares denunciados na 1ª Instância da JME Tabela 4 - Comparativo absoluto denúncias oferecidas na 1ª Instância da JME Tabela 5 - Comparativo percentual denúncias oferecidas na 1ª Instância da JME Tabela 6 - Evolução denúncias grupo Tabela 7 - Graduação/posto dos denunciados no grupo Tabela 8 - Total de denúncias na 1ª Instância da JME Tabela 9 - Comparativo absoluto sentenças condenatórias na 1ª Instância da JME 1998/ Tabela 10 - Comparativo percentual sentenças condenatórias na 1ª Instância da JME 1998/ Tabela 11 - Graduação/posto dos sentenciados grupo Tabela 12 - Sentenças condenatórias grupo Tabela 13 - Denúncias oferecidas na 1ª Instância da JME Tabela 14 - Denúncias oferecidas na 1ª Instância da JME Tabela 15 - Denúncias oferecidas na 1ª Instância da JME Tabela 16 - Denúncias oferecidas na 1ª Instância da JME Tabela 17 - Denúncias oferecidas na 1ª Instância da JME Tabela 18 - Sentenças condenatórias na 1ª Instância da JME Tabela 19 - Sentenças condenatórias na 1ª Instância da JME Tabela 20 - Sentenças condenatórias na 1ª Instância da JME Tabela 21 - Sentenças condenatórias na 1ª Instância da JME Tabela 22 - Sentenças condenatórias na 1ª Instância da JME Tabela 23 - Sentenças condenatórias na 1ª Instância da JME Tabela 24 - Evolução do efetivo das Instituiçõs Militares do Estado de Minas Gerais Gráfico 1 Documentos distribuídos na 1ª Instância da JME Gráfico 2 Denúncias oferecids na 1ª Instância da JME

7 7 Gráfico 3 Militares denunciados na 1ª Instância da JME Gráfico 4 - Comparativo absoluto denúncias oferecidas na 1ª Instância da JME Gráfico 5 - Comparativo percentual denúncias oferecidas na 1ª Instância da JME Gráfico 6 - Evolução absoluta denúncias grupo Gráfico 7 - Evolução percentual denúncias grupo Gráfico 8 - Graduação/posto dos denunciados no grupo Gráfico 9 - Total de denúncias na 1ª Instância da JME Gráfico 10 - Comparativo absoluto sentenças condenatórias na 1ª Instância da JME 1998/ Gráfico 11 - Comparativo percentual sentenças condenatórias na 1ª Instância da JME 1998/ Gráfico 12 - Graduação/posto dos sentenciados grupo Gráfico 13 - Evolução absoluta sentenças condenatórias grupo Gráfico 14 - Evolução percentual sentenças condenatórias grupo Gráfico 15 - Denúncias oferecidas na 1ª Instância da JME Gráfico 16 - Denúncias oferecidas na 1ª Instância da JME Gráfico 17- Denúncias oferecidas na 1ª Instância da JME Gráfico 18 - Denúncias oferecidas na 1ª Instância da JME Gráfico 19 - Denúncias oferecidas na 1ª Instância da JME Gráfico 20 - Sentenças condenatórias na 1ª Instância da JME Gráfico 21 - Sentenças condenatórias na 1ª Instância da JME Gráfico 22 - Sentenças condenatórias na 1ª Instância da JME Gráfico 23 - Sentenças condenatórias na 1ª Instância da JME Gráfico 24 - Sentenças condenatórias na 1ª Instância da JME Gráfico 25 - Sentenças condenatórias na 1ª Instância da JME Gráfico 26 - Evolução do efetivo das Instituiçõs Militares do Estado de Minas Gerais

8 8 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO SOCIEDADE E POLÍCIA CONTROLE DA ATIVIDADE POLICIAL DISCIPLINA E MOVIMENTOS REIVINDICATÓRIOS HIERARQUIA E A DISCIPLINA NA PMMG Crime de violência contra superior Crime de desrespeito a superior Crime de recusa de obediência Crime de desacato a superior NORMALIDADE DA INDISCIPLINA MÉTODO RESULTADOS Relatórios da Corregedoria da Justiça Militar Relatórios tipo a denúncias oferecidas Relatórios tipo b sentenças condenatórias DISCUSSÃO E CRÍTICA CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE... 85

9 9 1 INTRODUÇÃO As forças de segurança, especialmente a Polícia Militar, voltaram ao centro das discussões em toda a sociedade brasileira no ano de Pode-se destacar a estréia do filme TROPA DE ELITE, assim como a publicação do livro ELITE DA TROPA, como alguns dos eventos que trouxeram à tona a discussão sobre a polícia que queremos e a polícia que temos atualmente. A análise e o estudo da violência perpetrada pelas forças estatais no combate ao crime, assim como a criminalidade cometida pelos próprios componentes dessas corporações, são de notória percepção pela população. As classes de menor poder aquisitivo são as que mais diretamente percebem este tipo de fenômeno, especialmente no tocante à ação das Polícias Militares, o maior contingente de agentes de segurança estatais. Em recentíssimo artigo, o professor Fernando Antônio Galvão Nogueira da Rocha, Juiz Civil do Tribunal de Justiça Militar do Estado de Minas Gerais, apresentou uma análise do filme aludido: Sob vários aspectos, a obra de ficção nos convida à reflexão ao mesmo tempo em que nos desafia a compreensão sobre qual seja a polícia que serve aos nossos interesses. A premissa da discussão parece óbvia: a polícia existe para nos proteger e não para nos torturar ou matar. Mas, quando se pensa na tropa as coisas não são assim tão simples. 1 Os números apresentados pela imprensa nos indicam uma escalada da criminalidade no meio das forças de segurança, especialmente os chamados delitos graves. Reportagem da Revista VEJA (nº 1609, 1999) indicava que a taxa de criminalidade nas polícias militares, civis e federal, nos nove estados 1 Dispensando a Tropa...para preservar o Estado Democrático de Direito. Disponível em <http://www.tjm.mg.gov.br/index.php?option=com_content&task=view&id=627&itemid=111> acessado em 16/04/2007.

10 10 pesquisados, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Alagoas, Pará, Rio Grande do Sul e Distrito Federal, revelava que um percentual de 10% do efetivo era acusado de algum crime. Devemos notar, neste ponto, que a criminalidade perceptível pela sociedade civil (incluída a violência que extrapola os limites legais) cometida por policiais militares é apenas uma parte das condutas que a sociedade desaprova e que são cometidas por aqueles que deveriam protegê-la. Destacam-se os delitos militares, alguns deles totalmente diferentes dos delitos comuns, pois específicos das classes militares. Estes delitos, especialmente aqueles que buscam tutelar a disciplina e a hierarquia militares, estão diretamente ligados à estrutura das Polícias Militares. Esta criminalidade militar específica, apesar de atingir objetos não comuns a toda a sociedade, é um reflexo da degradação das forças de segurança. Delitos como a recusa de obediência (recusa em obedecer uma ordem legal relativa ao serviço) e desacato a superior, apresentando como autores e vítimas os próprios militares e a instituição militar, apresentam reflexos negativos no desempenho operacional da força de segurança pública, embora, ao menos diretamente, os desdobramentos não sejam visíveis à sociedade. A Polícia Militar, além de se preocupar com o combate à criminalidade na sociedade fora da caserna, tem de policiar a si mesma, coibindo as condutas criminosas de seus membros, sob pena de inoperância e incapacidade.

11 11 2 SOCIEDADE E POLÍCIA O homem vive em sociedade. O relacionamento entre os seres humanos deu origem, no decorrer da história, à formação de diversos tipos de grupamentos e organizações. Das tribos e clãs, passando pelas Cidades-Estado gregas, chegando até os grandes impérios, as relações se tornaram cada vez mais densas e complexas. Na modernidade, chegamos ao conceito de Estado, ente definido por Dalmo de Abreu Dallari (1990, p. 100) como a ordem jurídica soberana que tem por fim o bem comum de um povo situado em determinado território. Tal ordem jurídica se impõe de maneira cogente, seu poder se impõe de forma tão irresistível que se pode chegar, por vezes, a confundir o próprio Estado com o exercício do poder. Segundo nos apresenta Carvalho (2007, p, 82/83) O homem encontra-se inserido numa sociedade doméstica, religiosa e política, que modela sua conduta e define sua situação na vida. Submete-se a um conjunto de regras que condicionam seu comportamento social, que o colocam em situação de subordinação em correspondência com o tipo de estrutura do grupo a que pertence, a divisão do trabalho, os hábitos de vida e os meios econômicos do qual dispõe. A obediência, em qualquer de suas formas, surge como a fonte da qual emana o poder. Bordeau afirma que o Estado é a institucionalização do poder, ou seja, um poder que, fundado no direito e organizado segundo normas jurídicas, alcança uma espécie de objetividade e se despersonifica, o que o coloca acima de outros poderes. Esta questão do poder e do seu uso, pelo Estado, é uma das principais características que o diferenciam de outras instituições. Apenas ao Estado é deferido o uso da força, excetuando-se pontuais concessões, justamente por esta cogência que detém ao exercer o poder, tanto

12 12 que Webber definiu tal característica como o monopólio da força legítima. (apud, BOBBIO, 1998, p. 426) Mesmo antes da existência do Estado Democrático de Direito, no qual a ordem jurídica detém a supremacia frente às vontades individuais, todos os tipos de organização humana possuíram esta característica do exercício do poder. Cabe a um determinado tipo de organização, dentro do corpo social, o efetivo exercício da força, especialmente para garantir a segurança e manutenção da própria ordem estabelecida (atualmente a ordem jurídica, em outros tempos a ordem do soberano). Ao definir condutas, a lei ao mesmo tempo estabeleceu quem seria o responsável pela efetivação das medidas necessárias ao cumprimento de seus preceitos, destacando um determinado grupo de pessoas com poderes para exercer atividades tendentes a tal efetivação. Tais indivíduos constituem um corpo institucional denominado genericamente de Polícia. Segundo a definição apresentada no Dicionário de Política de Norberto Bobbio (1998, p. 944/945), polícia é uma função do Estado que se concretiza numa instituição de administração positiva e visa a pôr em ação as limitações que a lei impõe à liberdade dos indivíduos e dos grupos para salvaguarda e manutenção da ordem pública, em sua várias manifestações: da segurança das pessoas à segurança da propriedade, da tranqüilidade dos agregados humanos à proteção de qualquer outro bem tutelado com disposições penais. [...] a atividade de Polícia abrange, em seu conjunto, as iniciativas voltadas para prevenção e repressão dos delitos. Essa função há de ser exercida por um determinado tipo de organização, conforme descrição de Monet (2001, p. 26) [...] ao cabo de uma longa evolução histórica, a função policial que é a possibilidade de usar a coerção física na ordem interna para manter um certo nível de ordem e de segurança pela

13 13 aplicação das leis e a regulação dos conflitos interindividuais é hoje garantida, na maioria dos países do mundo, por agentes subordinados a autoridades públicas que os recrutam, remuneram e controlam. Esses agentes são profissionais, reunidos no seio de organizações hierarquizadas e estruturadas de acordo com corpos de regras jurídicas explícitas. As organizações policiais estão ligadas à chamada reação social, especialmente como resposta da sociedade para que realize a proteção da mesma contra atividades criminosas. Neste sentido, é um requisito essencial da função do combatente do crime que ele próprio respeite as regras que foi encarregado de proteger. Esta singular atividade, especialmente pela notoriedade de suas ações, corretas e principalmente incorretas, motivou a realização de vários estudos a respeito dos denominados desvios de conduta dos componentes das forças de segurança. Diversos estudiosos criminais e sociais trabalharam na busca insistente da identificação de fatores e condições que estariam ou não ligados ao desvio de conduta dos agentes da polícia. A literatura nacional é repleta de estudos neste sentido. No Estado de Minas Gerais, algumas pesquisas merecem destaque, pois representativas da preocupação social e mesmo institucional sobre o assunto. Antônio Álvaro Nicolau (1993), realizou pesquisa que buscava identificar os fatores que propiciariam a ocorrência de desvios de conduta na Polícia Militar do Estado de Minas Gerais. Dentre os diversos resultados por ele alcançados, e as hipóteses avaliadas, merece destaque o ponto levantado pelo autor relativo ao choque cultural imposto aos novos integrantes da Corporação. Segundo apresenta, ocorreria um conflito cultural entre a história do indivíduo e a história da instituição. O neófito traria consigo uma bagagem de valores e

14 14 conceitos completamente diversos dos conceitos que informam a Polícia Militar. Este embate, aliado a fatores como a pouca idade, a baixa escolaridade e a baixa remuneração, geraria os desvios de conduta. Luiz Alberto Oliveira Gonçalves, et. al. (2006), em trabalho que abrange tanto a Polícia Militar quanto a Polícia Civil de Minas Gerais, apresentou uma sistematização dos fatores apontados pela literatura como os ligados aos desvios de conduta. Tais fatores foram divididos em: a) associados às características dos indivíduos: idade, tempo de serviço, escolaridade, história de vida e condição sócio econômica; b) fatores associados ao meio: relativamente ao meio no qual o policial vivia antes de iniciar a atividade e o meio no que se refere à própria natureza do trabalho (atuação em áreas de risco e outros); c) fatores associados a pressões sociais: no tocante à aspiração de bens e valores e os meios disponíveis para alcançá-los, e d) fatores associados à própria Instituição: controle, disciplina, processo seletivo e características organizacionais. O trabalho de Gonçalves encontrou resultados em desconformidade com os alcançados no trabalho de Nicolau, concluindo que nenhum destes fatores seria determinante para o cometimento de desvios de conduta. Entretanto, tais diferenças apontam para uma necessária análise complementar dos resultados, mormente porque os enfoques metodológicos e os marcos temporais das pesquisas foram diferentes. É de se notar que tais trabalhos foram elaborados tendo como paradigma de estudo os desvios de conduta como uma categoria extensa de situações, indo desde condutas definidas como crimes, passando por infrações administrativas e indo até condutas qualificadas como prestação de serviço deficiente.

15 15 Não nos interessa o estudo de tão grande gama de situações, conquanto os fatores acima explicitados possam eventualmente ser aproveitados na análise do objeto de nossa pesquisa. A delimitação de nosso objeto de análise passa pela característica diferenciadora da instituição Polícia Militar do Estado de Minas Gerais, a sua organização estrutural e ideológica militarizada. Unem-se, na mesma instituição, a Polícia Militar, duas características: o combate ao crime e a organização militar. Como ponto de partida, merece destaque a constatação de que, paralelamente ao ordenamento comum, um conjunto de regras é dirigida especialmente ao ramo de atividade da PMMG, tomando por base a característica militar da organização. Jorge Alberto Romeiro (1994, p. 01) apresenta o ramo do ordenamento jurídico afeto às organizações militares. A preservação dessa ordem jurídica militar, onde preponderam a hierarquia e a disciplina, exige obviamente do Estado, mirando a seus possíveis violadores, um elenco de sanções de naturezas diversas, de acordo com os diferentes bens tutelados: administrativos, disciplinares, penais, etc. As penais surgem com o Direito Penal Militar, que é a parte do direito penal consistente no conjunto de normas que definem os crimes contra a ordem jurídica militar [...] Conquanto a lei penal militar descreva algumas condutas idênticas às estabelecidas na lei comum, existe determinada classe de delitos afetas apenas ao meio militar, especialmente porque ofendem a própria instituição militar nas suas condições de vida e nos seus meios de ação (ROMEIRO, 1994, p. 70) Tal modalidade recebe a classificação de crimes propriamente militares ou militares próprios. (vide ROMEIRO, 1994, p. 66 e segs.)

16 16 Embora importante a classificação apresentada, esta não nos interessa senão para constatar que especificamente no caso da Polícia Militar, existe um determinado grupo de delitos especialmente estabelecido para proteger o próprio funcionamento da organização que tem como objetivo o combate aos delitos na sociedade como um todo. Neste aspecto reside o interesse do presente trabalho, pois é nesta categoria de delitos que iremos nos ater, especificamente naqueles dirigidos à proteção da hierarquia militar, o que será melhor apresentado em tópico posterior.

17 17 3 CONTROLE DA ATIVIDADE POLICIAL O velho brocardo latino questiona quem seria o responsável por vigiar os vigias. Diante de tal questão, o chamado desvio de conduta dos componentes das forças de segurança é um fenômeno de especial interesse do ponto de vista criminológico. Desde desvios leves, ou meras infrações administrativas, até as condutas criminosas, todos estes eventos tendem a macular um tipo de estrutura que tem como principal razão de ser o combate a estes mesmos eventos. A sociedade espera que os componentes das instituições responsáveis por lhes garantir a segurança sejam os primeiros a cumprir as regras impostas a todos e especialmente as regras específicas de sua atividade. Desta forma, qualquer desvio de conduta de um policial gera uma descrença na capacidade da polícia de manter a ordem e combater o crime. Tal sentimento popular acaba por engendrar, especialmente em um agrupamento humano que tenta se estabelecer como um Estado Democrático de Direito, o conceito de que o policial deve ser íntegro, conhecedor e cumpridor das leis, não se concebendo que possa ele transigir com a lei ou mesmo descumpri-la. Consequentemente, as Corporações recebem os mesmos atributos ideais, pelo que sofrem a cobrança de que seus efetivos sejam compostos por elementos que, além de capazes e eficientes, atuem como pilares do cumprimento da lei e garantidores da segurança e do combate ao crime. Obviamente que este ideal é uma meta a ser alcançada, não se discutindo, neste trabalho, como chegar a ele ou se o mesmo pode ser realizado.

18 18 Também não se trata aqui de procurar as causas dos desvios de conduta, assunto já grandemente tratado em diversos trabalhos. A especificidade de nosso objeto demanda uma tomada de posição, de maneira científica, tanto do ponto a partir do qual se observa o fenômeno aqui tratado, quanto da modalidade com que se realiza a mensuração dos mesmos. Segundo a lição de David H. Bayley, citado por Silva (2006), existem quatro mecanismos de controle do Trabalho Policial. Segundo a divisão do autor, considerando-se se o exercício do controle é exercido dentro ou fora da instituição, existem os controles externos e internos, o primeiro se dividindo em Controle Externo Exclusivo e Inclusivo, o segundo em Controle Interno Explícito e Implícito. O Controle Externo Exclusivo é exercido mediante os seguintes mecanismos: a) Governamental - próprio; b) Unitário - múltiplo; c) Político burocrático; d) Autoritário conservador. Quanto ao Controle Externo Inclusivo, este é exercido pelos seguintes mecanismos: a) Tribunais; b) Promotores; c) Legislaturas; d) Partidos Políticos; e) Mídia.

19 19 Este tipo de controle é do tipo inclusivo, segundo Bayley, pois suas atividades não se restringem unicamente à atividade policial, mas se dirige a ela como parte de seu corpo de atribuições ou interesses. De outro lado, o Controle Interno Explícito se exerce pelos seguintes mecanismos: a) Supervisão hierárquica; b) Procedimentos Disciplinares; c) Responsabilidade entre colegas; d) Socialização. Quanto ao Controle Interno Implícito, os mecanismos de seu exercício são: a) Sindicatos e associações; b) Vocação para a carreira; c) Critérios de premiação; d) Contato com a sociedade. Conquanto a classificação dos diferentes mecanismos de controles apresentada pelo autor não seja taxativa, pois não apresenta todos os órgãos de controle, como as Ouvidorias e Corregedorias 2, além de não fazer menção a um órgão do poder judiciário afeto exclusivamente aos militares, qual seja, o Tribunal de Justiça Militar 3, é de lapidar utilidade na divisão do controle a partir do ponto em que é exercido, do interior da instituição ou do seu exterior. De fato, a divisão do controle do trabalho policial em controle interno e controle externo é um norte essencial para o estudioso do tema. A análise dos desvios de 2 Quem vigia os vigias? (Record, 2003), livro de Julita Lemgruber, Leonarda Musumeci e Ignácio Cano, apresenta interessante estudo sobre a atuação de ambas estas organizações nos diversos estados do Brasil e também em alguns outros países. O foco central é a atuação das ouvidorias de polícia como órgãos de exercícios do controle interno das polícias. 3 A Justiça Militar Estadual é constitucionalmente competente para processar e julgar os militares estaduais, policiais e bombeiros, pelo cometimento de crimes militares, por força do art. 125, 5º, da Constituição da República de 1988.

20 20 conduta devem ponderar diferentes questões quando se utilizam marcadores produzidos dentro ou fora da instituição policial. Certamente que os mesmos problemas podem ocasionar efeitos nos mecanismos afetos aos dois tipos de controle, entretanto, é de essencial importância que se atente para o tratamento dado às condutas de acordo com o mecanismo de controle que é acionado. Uma mesma conduta é analisada de maneira diversa quando o mecanismo acionado é interno ou externo. Desta forma, qualquer pesquisa que tenha como escopo a diagnose de determinado desvio de conduta deve atentar para esta diferença. Assim, o primeiro passo para a pesquisa científica é a escolha do tipo de controle a ser trabalhado. Tratando-se de desvios de conduta relativos à hierarquia e disciplina, grande é a quantidade de trabalhos realizados a partir do ponto de vista do controle interno, ou seja, grande é a quantidade de trabalhos e pesquisas realizados dentro do âmbito da PMMG, sendo que alguns dados relativos a estes trabalhos serão apresentados no tópico seguinte. Entretanto, o mesmo tema merece ser tratado do ponto de vista do controle externo da instituição. No caso, o que se tenciona é apresentar conclusões do ponto de vista dos mecanismos externos de controle que têm a função específica de avaliar as condutas dos militares do Estado de Minas Gerais, a saber: o Tribunal de Justiça Militar do Estado de Minas Gerais e o Ministério Público Estadual que atua diretamente junto a este órgão. Desta forma, diante de um fenômeno ocorrido no meio militar, a prática de condutas indicativas deste mesmo fenômeno que potencialmente podem ser

21 21 consideradas crimes acarretam a atuação de mecanismos de controle externo. Ocorrendo condutas que potencialmente configuram crimes militares, ocorre a atuação do MP e da JME. A quantificação e análise de tais condutas, assim como a solução apresentada pelos mecanismos indicados, podem nos fornecer dados a partir deste ponto de vista, o que serve de contraponto aos dados e conclusões resultantes de trabalhos realizados com base em dados do controle interno. Desta forma se pretende ampliar o conhecimento sobre o tema e possibilitar uma diferente abordagem tendendo a uma compreensão mais global a respeito do fenômeno sob estudo.

22 22 4 DISCIPLINA E MOVIMENTOS REIVINDICATÓRIOS A missão de proteger a sociedade e de manter a ordem cabe a um tipo de organização, como visto acima, denominada Polícia. Entretanto, administrativamente, existem diversas divisões do corpo de polícia, cada um dos quais com diferentes atribuições, de modo que se diferenciam, em um primeiro momento, as organizações policiais que seguem as bases de uma instituição militar e outras que não. No Brasil, a Polícia Civil e a Polícia Federal, que incluem em suas atribuições a função de polícia judiciária e investigativa, não apresentam, em sua organização, princípios militares, tais como a divisão hierárquica em postos e graduações, saudações regulamentares e o uso de insígnias e uniformes. Já as polícias militares estaduais apresentam estes atributos, sendo que o modelo de segurança pública constitucionalmente estabelecido no Brasil prevê a sua existência, atribuindo-lhes a função de polícia ostensiva e manutenção da ordem pública, e definindo-a como força auxiliar e reserva do Exército, de acordo com o art. 142, 5º e 6º, da CR/88. A Carta Constitucional também estabelece que as Polícias Militares seriam instituições organizadas com base na hierarquia e na disciplina conforme se observa do texto do art. 42, caput, também da CR/88. Não apenas no Brasil este paradigma é a base da instituição polícia, segundo Jean-Claude Monet (2001, p. 16) A polícia, tomada em sua unidade, consiste também de homens organizados, em todos os países da Europa (e em outras partes), em administrações públicas. Aqui, o termo polícia remete a um tipo particular de organização burocrática, que se inspira ao mesmo tempo na pirâmide das organizações militares e no recorte funcional das administrações públicas. Hierarquia e disciplina parecem as palavras-chave desse universo cujas engrenagens se

23 23 espera ver funcionar de modo azeitado e cujos agentes devem marchar como um só homem sob a ordem de seus chefes. Todavia, nada é menos monolítico, mais dividido, atravessado por conflitos de poder internos e rivalidades crônicas, nada é mais difícil de controlar do que uma polícia. Pois se a polícia constitui de fato uma administração, essa administração não é como as outras. Em todos os países, os policiais têm um estatuto diferente dos outros corpos de funcionários. O uniforme e a arma assinalam, de resto, sua pertença a um mundo à parte [...] De um modo geral, todos os corpos policiais, mesmo aqueles não moldados no estilo militar apresentam na hierarquia e na disciplina as suas bases de sustentação. A eficiência de um tipo de organização que necessita de estreito controle sobre seus componentes e que tencione alcançar resultados satisfatórios, passa pelo uso dos ditames da hierarquia e da disciplina. Foucaut, em seu clássico Vigiar e Punir (1997), aponta que a disciplina foi copiada dos meios militares para diversas instituições como forma de manter o controle sobre os indivíduos, especialmente para que cada um permanecesse em seu lugar e se desincumbisse daquilo a que estava obrigado. Nas instituições militares, o binômio hierarquia-disciplina figura como sustentáculo de sua existência, sendo tais elementos essenciais para a manutenção e eficiência da atividade desenvolvida. Esta exacerbação da disciplina e da hierarquia, a que pode ser creditado, em grande parte, o sucesso de grandes impérios da antiguidade, como o Império Romano, é apenas uma das especificidades do meio militar. No tocante às Polícias Militares, é um dos pontos que mais a diferenciam de outros corpos policiais, aproximando-a das forças armadas, instituições militares por excelência.

A REPERCUSSÃO, NO AMBITO DA ADMINISTRAÇÃO CASTRENSE, DA PRÁTICA DE CRIME COMUM POR MILITAR. 1

A REPERCUSSÃO, NO AMBITO DA ADMINISTRAÇÃO CASTRENSE, DA PRÁTICA DE CRIME COMUM POR MILITAR. 1 A REPERCUSSÃO, NO AMBITO DA ADMINISTRAÇÃO CASTRENSE, DA PRÁTICA DE CRIME COMUM POR MILITAR. 1 1. INTRODUÇÃO As Forças Armadas, conforme previsão constitucional, são organizadas com base na hierarquia e

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ DIREITO PROCESSUAL PENAL Professor Armando Antonio Sobreiro Neto

FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ DIREITO PROCESSUAL PENAL Professor Armando Antonio Sobreiro Neto DIREITO PENAL MILITAR NOÇÕES PREAMBULARES Conformação Constitucional: Lei Federal nº 6.880-09.12.80 - Estatuto dos Militares: Art. 14 - A hierarquia e a disciplina são a base institucional das Forças Armadas.

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

AS POLÍCIAS MILITARES E A PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA

AS POLÍCIAS MILITARES E A PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA AS POLÍCIAS MILITARES E A PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA INTRODUÇÃO O constituinte de 1988 inaugurou no Direito Constitucional brasileiro um capítulo sobre a segurança pública, e o fez repartindo competência

Leia mais

JEFFERSON PHILIPE CLARO SCHELBAUER

JEFFERSON PHILIPE CLARO SCHELBAUER JEFFERSON PHILIPE CLARO SCHELBAUER ANTINOMIA ENTRE O DIREITO PENAL MILITAR E A LEI N 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006, LEI MARIA DA PENHA, PARA CASAL DE MILITARES CURITIBA 2014 JEFFERSON PHILIPE CLARO SCHELBAUER

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Competência da Justiça Militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* A Justiça Militar é um dos órgãos do Poder Judiciário, com previsão constitucional e Lei de Organização Judiciária que

Leia mais

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO Marcelo Vituzzo Perciani

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Fábio Trad) Tipifica o crime de descumprimento de medidas protetivas da Lei 11.340, de 07 de agosto de 2006 - Lei Maria da Penha. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º

Leia mais

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito:

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: 1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: (A) desapropriação de terras improdutivas. (B) penhora de bens em execução

Leia mais

Informativo diário de dicas para concursos públicos - Nr 05 de 71/07/2011 P R A Z O S

Informativo diário de dicas para concursos públicos - Nr 05 de 71/07/2011 P R A Z O S P R A Z O S Processo/Procedimento Prazo Fundamento Comunicação Disciplinar 05 dias úteis art 56, parág 2º CEDM Entrada em vigor da Lei 14.310 45 dias artigo 98 CEDM Mudança de conceito cada ano sem punição

Leia mais

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº. 45/2004 E A SUBJETIVIDADE PASSIVA NOS CRIMES MILITARES

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº. 45/2004 E A SUBJETIVIDADE PASSIVA NOS CRIMES MILITARES EMENDA CONSTITUCIONAL Nº. 45/2004 E A SUBJETIVIDADE PASSIVA NOS CRIMES MILITARES FERNANDO EDSON MENDES 1 1 - INTRODUÇÃO Após doze anos e nove meses de longo processo legislativo, iniciado em março de 1992

Leia mais

A LEI Nº. 9.784/ 99 E A IMPOSSIBILIDADE DE SUA APLICAÇÃO NOS PROCESSOS DISCIPLINARES MILITARES. Jorge César de Assis 1

A LEI Nº. 9.784/ 99 E A IMPOSSIBILIDADE DE SUA APLICAÇÃO NOS PROCESSOS DISCIPLINARES MILITARES. Jorge César de Assis 1 A LEI Nº. 9.784/ 99 E A IMPOSSIBILIDADE DE SUA APLICAÇÃO NOS PROCESSOS DISCIPLINARES MILITARES Jorge César de Assis 1 A hierarquia e a disciplina constituem, por assim dizer, a própria essência das forças

Leia mais

ATIVIDADE JURÍDICA EXERCIDA POR OFICIAIS DAS POLÍCIAS MILITARES. Edgard Antônio de Souza Júnior

ATIVIDADE JURÍDICA EXERCIDA POR OFICIAIS DAS POLÍCIAS MILITARES. Edgard Antônio de Souza Júnior ATIVIDADE JURÍDICA EXERCIDA POR OFICIAIS DAS POLÍCIAS MILITARES Edgard Antônio de Souza Júnior Oficial da Polícia Militar de Minas Gerais (1º Tenente QOPM) Professor de Direito Penal (Comum e Militar)

Leia mais

Palavras-chave: Lei Maria da Penha. Violência doméstica e familiar entre militares. Justiça Militar. Crime militar. Polícia judiciária militar.

Palavras-chave: Lei Maria da Penha. Violência doméstica e familiar entre militares. Justiça Militar. Crime militar. Polícia judiciária militar. DA EVENTUAL APLICAÇÃO DE MEDIDAS PROTETIVAS PREVISTAS NA LEI MARIA DA PENHA NOS CASOS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER MILITAR Abelardo Julio da Rocha 1 RESUMO Em 1969, quando surgiram o Código Penal

Leia mais

Vistos, etc. Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Vistos, etc. Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer Vistos, etc. Recebo a denúncia. Cite-se, designado o dia 12.06.08, às 08h30min, para o interrogatório, e às 14h30min, para as duas primeiras testemunhas do rol. Acolho as declinações postuladas ao final

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

O PRINCÍPIO DA PUBLICIDADE E OS INSTITUTOS DA HIERARQUIA E DISCIPLINA NO ART. 40 DO REGULAMENTO DISCIPLINAR DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

O PRINCÍPIO DA PUBLICIDADE E OS INSTITUTOS DA HIERARQUIA E DISCIPLINA NO ART. 40 DO REGULAMENTO DISCIPLINAR DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR MILITAR MARCELO VITUZZO PERCIANI O PRINCÍPIO DA PUBLICIDADE E OS INSTITUTOS DA HIERARQUIA E DISCIPLINA NO

Leia mais

Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes

Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. PROMOÇÃO CONCEITO: O acesso na hierarquia

Leia mais

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia.

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia. Justiça Militar estadual e Justiça de Transição Justiça Militar no Império Conselho Supremo Militar e de Justiça Decreto de 1º de abril de 1808. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito de associação do servidor público militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* Constituição Federal vigente rompeu com o Estado até então existente e que era regido pela Constituição

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

LEI Nº 6.568, DE 6 DE JANEIRO DE 2005.

LEI Nº 6.568, DE 6 DE JANEIRO DE 2005. LEI Nº 6.568, DE 6 DE JANEIRO DE 2005. INSTITUI NA POLÍCIA MILITAR E NO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE ALAGOAS O SISTEMA DE ENSINO MILITAR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.645, DE 2014. Altera o art. 18 do Decreto-Lei nº 667, de 2 de julho de 1969, que extingue a pena de prisão disciplinar para as polícias

Leia mais

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes)

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) Dispõe sobre o conceito de trabalho análogo ao de escravo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Para fins desta Lei, a expressão "condição análoga à

Leia mais

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões Teoria Geral do Delito 05 questões 1 - ( Prova: CESPE - 2009 - Polícia Federal - Agente Federal da Polícia Federal / Direito Penal / Tipicidade; Teoria Geral do Delito; Conceito de crime; Crime impossível;

Leia mais

O DESACATO CONTRA POLICIAL MILITAR EM SERVIÇO

O DESACATO CONTRA POLICIAL MILITAR EM SERVIÇO O DESACATO CONTRA POLICIAL MILITAR EM SERVIÇO FERNANDO EDSON MENDES 1 1 - INTRODUÇÃO O serviço de policiamento ostensivo, embora seja em sua essência primordialmente preventivo, torna-se repressivo quando

Leia mais

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Subordinação: Finalidade: ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR - ADMINISTRAÇÃO DIRETA AO PREFEITO

Leia mais

WALCIR ALVES CARNEIRO

WALCIR ALVES CARNEIRO WALCIR ALVES CARNEIRO A ÉTICA E O DESVIO DE CONDUTA MILITAR Artigo científico apresentado à Disciplina de Metodologia da Pesquisa Científica como requisito parcial para a conclusão do Curso de Pós-Graduação

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA Índice 1. Competência...3 1.1. Critérios Objetivos... 3 1.1.1. Critérios Subjetivos... 4 1.1.2. Competência Territorial... 4 2. Dos Processos...4

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

BRASIL Entrevista con el Sr. General Ex Raymundo De Cerqueira Filho Ministro Presidente del Tribunal Superior Militar Brasil

BRASIL Entrevista con el Sr. General Ex Raymundo De Cerqueira Filho Ministro Presidente del Tribunal Superior Militar Brasil DIALOGANDO SOBRE JUSTICIA MILITAR BRASIL Entrevista con el Sr. General Ex Raymundo De Cerqueira Filho Ministro Presidente del Tribunal Superior Militar Brasil 1. De acordo com as leis de seu País, qual

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE CONCURSO POLÍCIA MILITAR CFO / Julho 2009 PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE CONCURSO POLÍCIA MILITAR CFO / Julho 2009 PARECER DOS RECURSOS 65) Sobre o crime de homicídio, segundo o Direito Penal Militar, analise as afirmações a seguir. l Comete crime militar de homicídio o soldado PM da ativa que mata outro soldado PM da ativa, em plena via

Leia mais

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01 REGIMENTO INTERNO O presente Regimento Interno, dirigido aos associados da ONG Brigada 1, inscrita no CNPJ 05.840.482/0001-01 e previsto no Art. 4º do Capítulo II do Estatuto da Instituição, visa estabelecer

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) Altera os arts. 161, 162, 164, 165, 169 e 292 do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941- Código

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

BRASIL. (tradução não oficial para o português)

BRASIL. (tradução não oficial para o português) Distr. GERAL CCPR/C/BRA/CO/2 2 de Novembro 2005 Original: Inglês Comitê de Direitos Humanos 85ª Sessão CONSIDERAÇÃO DE RELATÓRIOS ENVIADOS POR ESTADOS PARTES SOB O ARTIGO 40 DO PACTO Observações finais

Leia mais

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE Monster Concursos ABUSO DE AUTORIDADE AULÃO PM-MG 06/03/2015 ABUSO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965. #AULÃO #AQUIÉMONSTER Olá Monster Guerreiro, seja bem-vindo ao nosso Aulão, como

Leia mais

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres:

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: Murillo José Digiácomo 1 Uma questão que sempre surge quando se discute o papel do Conselho Tutelar no Sistema de Garantias idealizado

Leia mais

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE GERAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA Marcelo Vituzzo Perciani 1º Tenente da Polícia

Leia mais

Thiago Gondim de Almeida Oliveira 1 INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO

Thiago Gondim de Almeida Oliveira 1 INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO 154 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 14 Curso: Capacitação em Gênero, Acesso à Justiça e Violência contra as Mulheres A Lei Maria da Penha e o Estímulo à Denúncia da Violência, o Acesso à Justiça,

Leia mais

CRIMES DE TORTURA (9.455/97)

CRIMES DE TORTURA (9.455/97) CRIMES DE TORTURA (9.455/97) TORTURA FÍSICA MENTAL Art. 1º Constitui crime de tortura: I - constranger alguém com emprego de violência ou grave ameaça, causando-lhe sofrimento físico ou mental: a) tortura-persecutória

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

A APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340, DE 07 DE AGOSTO DE 2006 NA JUSTIÇA MILITAR

A APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340, DE 07 DE AGOSTO DE 2006 NA JUSTIÇA MILITAR A APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340, DE 07 DE AGOSTO DE 2006 NA JUSTIÇA MILITAR Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre o crime de lesão corporal, sob a égide do Direito Constitucional

Leia mais

O OFICIAL DE DIA COMO POLICIAL, AUTORIDADE POLICIAL MILITAR, AUTORIDADE PENITENCIÁRIA E AUTORIDADE JUDICIÁRIA MILITAR Luiz Carlos Couto

O OFICIAL DE DIA COMO POLICIAL, AUTORIDADE POLICIAL MILITAR, AUTORIDADE PENITENCIÁRIA E AUTORIDADE JUDICIÁRIA MILITAR Luiz Carlos Couto O OFICIAL DE DIA COMO POLICIAL, AUTORIDADE POLICIAL MILITAR, AUTORIDADE PENITENCIÁRIA E AUTORIDADE JUDICIÁRIA MILITAR Luiz Carlos Couto I - INTRODUÇÃO: O presente artigo, está sendo escrito, imaginando

Leia mais

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS Relatório FEVEREIRO, 2014 Direito à integridade física e psíquica de recluso Observatório dos Direitos Humanos http://www.observatoriodireitoshumanos.net/ dh.observatorio@gmail.com

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

Of. Circular nº 16/12-CAO/Saúde-i (c./) Curitiba, 17 de outubro de 2012.

Of. Circular nº 16/12-CAO/Saúde-i (c./) Curitiba, 17 de outubro de 2012. MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Proteção à Saúde Pública Of. Circular nº 16/12-CAO/Saúde-i (c./) Curitiba, 17 de outubro de 2012. Prezada(o) Colega.

Leia mais

Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI)

Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI) Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI) Processo de sua criação no âmbito do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, com vistas ao estabelecimento de um Código

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.022, DE 8 AGOSTO DE 2014. Dispõe sobre o Estatuto Geral das Guardas Municipais. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que

Leia mais

A Polícia Comunitária no Brasil

A Polícia Comunitária no Brasil BuscaLegis.ccj.ufsc.br A Polícia Comunitária no Brasil José Ricardo Chagas* Admite-se a polícia comunitária como filosofia, vez que é uma nova forma de conceber e pensar a ação da polícia, mas também,

Leia mais

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ Princípio A segurança pública deve promover a cidadania e prevenir a criminalidade. Princípio As políticas de segurança pública devem ser transversais.

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres

Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres 01- A prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes, o terrorismo e os crimes definidos como hediondos podem ser imputados, com

Leia mais

A HIERARQUIA E A DISCIPLINA APLICADAS ÀS INSTITUIÇÕES MILITARES: CONTROLE E GARANTIAS NO REGULAMENTO DISCIPLINAR DA BRIGADA MILITAR

A HIERARQUIA E A DISCIPLINA APLICADAS ÀS INSTITUIÇÕES MILITARES: CONTROLE E GARANTIAS NO REGULAMENTO DISCIPLINAR DA BRIGADA MILITAR ROBSON LUIS MARQUES THOMAZI A HIERARQUIA E A DISCIPLINA APLICADAS ÀS INSTITUIÇÕES MILITARES: CONTROLE E GARANTIAS NO REGULAMENTO DISCIPLINAR DA BRIGADA MILITAR Dissertação submetida à Pontifícia Universidade

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR ELBERT DA CRUZ HEUSELER Mestre em Direito da Administração Pública Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais Pós Graduado em Estratégia e Relações Internacionais Especialista em Globalização e Brasil

Leia mais

Conflito Aparente de Normas Art. 40, IV, da Lei 11.343 e o Estatuto do Desarmamento

Conflito Aparente de Normas Art. 40, IV, da Lei 11.343 e o Estatuto do Desarmamento Conflito Aparente de Normas Art. 40, IV, da Lei 11.343 e o Estatuto do Desarmamento Vinicius Marcondes de Araujo Juiz de Direito do TJ/RJ PROBLEMA POSTO O presente estudo visa a elucidar qual é a norma

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

O crime propriamente militar de violência contra superior e a possibilidade de co-autoria de civil na prática do delito

O crime propriamente militar de violência contra superior e a possibilidade de co-autoria de civil na prática do delito O crime propriamente militar de violência contra superior e a possibilidade de co-autoria de civil na prática do delito Rogério Wagner Pinto [1] 1. - Introdução. O tema proposto é polêmico e divergente,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº 220 /2008 - WG PROCESSO MPF Nº 1.00.000.006569/2008-99 ORIGEM: 1ª VARA FEDERAL DE CAMPINAS/SP RELATOR: WAGNER GONÇALVES EMENTA PEÇAS

Leia mais

O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo

O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo SEM REVISÃO O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo Ary César Hernandez (*) Promotor de Justiça SP SUMÁRIO: 1 Generalidades. 1.1 O poder disciplinar. 1.2 Requisitos da aplicação de

Leia mais

Perda do Posto e da Patente dos Oficiais e da Graduação das Praças

Perda do Posto e da Patente dos Oficiais e da Graduação das Praças Perda do Posto e da Patente dos Oficiais e da Graduação das Praças PAULO TADEU RODRIGUES ROSA é Juiz de Direito da Justiça Militar do Estado de Minas Gerais respondendo pela titularidade da 2ª AJME, Mestre

Leia mais

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Segurança Pública, no entendimento do professor Orlando Soares (in Comentários à Constituição da República Federativa do Brasil), traduz o estado

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE Atualizado em 12/11/2015 CLASSIFICAÇÕES E SISTEMAS DE CONTROLE CLASSIFICAÇÕES DO CONTROLE Quanto ao posicionamento do órgão controlador: Externo: exercido por um ente que

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre a impossibilidade jurídica do Tribunal do Júri na Justiça

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Alexandre Mesquita Presidente da AOJUS-DF

APRESENTAÇÃO. Alexandre Mesquita Presidente da AOJUS-DF APRESENTAÇÃO A Associação dos Oficiais de Justiça do Distrito Federal AOJUS/DF, entidade que congrega os oficiais do TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS, tem a honra de apresentar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS

ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS COMO É HOJE VERSÃO DO PL ANTERIOR SUBSTITUTIVO APRESENTADO em 22 de setembro de 2015 Art. 141 - As penas cominadas neste Capítulo aumentam-se de um terço, se qualquer dos crimes

Leia mais

Pena detenção, de 15 (quinze) dias a 1 (um) mês, ou multa." (3)

Pena detenção, de 15 (quinze) dias a 1 (um) mês, ou multa. (3) Dever legal de cooperação e dever legal de delação(1) Autor: Danilo Andreato Professor da pós graduação em Direito Penal e Crime Organizado da FTC/EaD Especialista em Direito Criminal pelo UniCuritiba

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) Acrescenta inciso V ao art. 141 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro

Leia mais

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO Artigo jurídico apresentado por MARCELO THIMOTI DA SILVA, professor, especialista em Direito Administrativo, Constitucional

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N o 193, DE 2015 Regulamenta o 7º do art. 144 da Constituição Federal, que versa sobre organização e funcionamento dos Órgãos

Leia mais

O ATO DISCIPLINAR MILITAR

O ATO DISCIPLINAR MILITAR O ATO DISCIPLINAR MILITAR FERNANDO EDSON MENDES 1 1. INTRODUÇÃO Com a promulgação, em 08 de dezembro de 2004, da Emenda Constitucional nº. 45, conhecida como Reforma do Judiciário, houve profunda alteração

Leia mais

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL 1 PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL Prof.Dr.Luís Augusto Sanzo Brodt ( O autor é advogado criminalista, professor adjunto do departamento de Ciências Jurídicas da Fundação Universidade Federal

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 37, de 2010, da Senadora Lúcia Vânia, que altera o art. 10 do Código de

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA A ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DA BAHIA AMAB, entidade civil sem fins lucrativos, inscrita no CNPJ sob o nº

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.479 RIO DE JANEIRO RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. ROBERTO BARROSO :MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL :PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA :MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO - AME/RJ

ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO - AME/RJ ot nojo ~ /20U Rio de Janeiro, 27 de setembro de ~OU. Do: Presidente da AMEIRJ. ;\0: ~xmo Sr. Procurador Geral de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Assunto: Desvio de função. Esta Associação, considerando

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR PRISÃO REALIZADA PELA GUARDA MUNICIPAL Denis Schlang Rodrigues Alves - Delegado de Polícia do Estado de Santa Catarina. Pós- Graduado em Direito Penal pela Universidade Paulista. Professor de Direito Penal

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

Código de Ética FTEC

Código de Ética FTEC CÓDIGO DE ÉTICA Código de Ética FTEC O Código de ética FTEC estabelece um conjunto de normas e valores que visam orientar as relações entre os membros da comunidade acadêmica entre si, com a Instituição,

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher.

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Vamos juntos trabalhar em prol da vida! BRASIL É CAMPEÃO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NUM RANKING DE 54 PAÍSES fonte: Sociedade Mundial de Vitimologia,

Leia mais

GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA

GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA Aristides Medeiros ADVOGADO Consoante estabelecido no art. 144, caput, da Constituição Federal, os órgãos incumbidos da segurança pública, isto é, da segurança geral,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996)

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará,

Leia mais

A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES

A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES Tiago Ghellar Fürst A nova Lei de Falências e Recuperação Judicial, que entrou em vigor no dia 09.06.2005 (Lei 11.101/2005, publicada no DOU

Leia mais

DESCRIÇÃO E EXPLICAÇÃO GERAL DO SISTEMA JUDICIAL DO PANAMÁ

DESCRIÇÃO E EXPLICAÇÃO GERAL DO SISTEMA JUDICIAL DO PANAMÁ DESCRIÇÃO E EXPLICAÇÃO GERAL DO SISTEMA JUDICIAL DO PANAMÁ A administração de justiça é gratuita, expedita e ininterrupta. A gestão e atuação de todo processo terão tramitação simples e não estarão sujeitas

Leia mais