UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PRISCILA WOLF RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA NOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PRISCILA WOLF RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA NOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PRISCILA WOLF RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA NOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE CURITIBA 2012

2 RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA NOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE CURITIBA 2012

3 3 Priscila Wolf RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA NOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso De Direito da Faculdade de Ciências Jurídicas da Universidade Tuiuti do Paraná, como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Direito. Orientador: Professor Fernando Freire Filho. CURITIBA 2012

4 4 TERMO DE APROVAÇÃO Priscila Wolf RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA NOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE Esta monografia foi julgada e aprovada para a obtenção do titulo de Bacharel em Direito no programa curso de Direito da Universidade Tuiuti do Paraná. Curitiba, de de Curso de Direito Universidade Tuiuti do Paraná Orientador Prof. Fernando Freire Filho Universidade Tuiuti do Paraná. Prof. Dr. Prof. Dr.

5 5 DEDICATORIA Dedico esse trabalho primeiramente a Deus, por estar presente em todos os momentos de minha vida, por me dar forças, nos momentos mais difíceis; À minha mãe Nelita e avó Juracy, pela formação da pessoa que sou, pela paciência e compreensão por todos estes anos, pelo apoio que me foi proporcionado em minha vida e formação acadêmica.

6 6 AGRADECIMENTOS Ao meu Orientador Dr. Fernando Freire Filho pelas orientações e paciência neste estudo; Ao meu namorado, Irú pelo incentivo, compreensão e paciência que sempre teve em todos esses anos; Às minhas queridas amigas, Juliana e Morgana, por estarem presentes ao longo destes anos, pelo apoio e auxílio em cada matéria, nos momentos de dificuldades e alegrias que enfrentamos juntas ao longo do curso. Obrigada por fazerem parte da minha vida.

7 7 RESUMO O presente estudo busca expor a controvérsia existente na doutrina sobre a responsabilidade penal da pessoa jurídica nos crimes ambientais. A pessoa jurídica tem desempenhado um papel muito importante na sociedade moderna, sendo notável um aumento de crimes praticados por intermédio da pessoa jurídica, especialmente contra o meio ambiente. Com o intuito de punir estes crimes, foi inserida na Constituição Federal a possibilidade da pessoa jurídica responder penalmente por seus atos, e alguns anos depois, foi inserida na Lei Ambiental. A partir dos artigos inseridos pela Constituição Federal e Lei Ambiental, iniciou-se o grande debate, onde vemos doutrinadores contra e a favor da responsabilidade penal da pessoa jurídica. Palavras-chave: Direito Penal; Pessoa Jurídica; Crimes Ambientais.

8 8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONTROVÉRSIAS ACERCA DA RESPONSABILIZAÇÃO PENAL DE PESSOAS JURÍDICAS DOGMÁTICA Capacidade de Responsabilizar Penalmente a Pessoa Jurídica Incapacidade de Responsabilizar Penalmente a Pessoa Jurídica RESPONSABILIDADE PENAL DE PESSOAS JURÍDICAS NOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE A LEI 9.605/ Disposições Gerais Das Normas Penais Não Incriminadoras Das Normas Penais Incriminadoras ENTENDIMENTOS DOS TRIBUNAIS SOBRE A RESPONSABILIZAÇÃO PENAL DE PESSOAS JURÍDICAS NOS CRIMES AMBIENTAIS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 40

9 9 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho busca analisar, inicialmente, as teorias existentes sobre a responsabilidade penal da pessoa jurídica no meio ambiente. Tal tema suscita grande controvérsia no âmbito da doutrina. Sobre este tema encontramos doutrinadores que entendem ser possível e outros doutrinadores que entendem não ser possível, que a pessoa jurídica responda penalmente pelos crimes praticados contra o meio ambiente. Mesmo existindo vários doutrinadores discorrendo sobre tal tema, uma grande parte destes permanece inerte, não exteriorizando sua opinião. A controvérsia sobre a responsabilidade penal da pessoa jurídica remonta ao século XVIII, com várias teorias e sistemas. As teorias aplicadas eram: a teoria da ficção, criada por Savigny, o qual considera a pessoa jurídica uma mera invenção e a teoria da realidade, o qual entende que a pessoa jurídica é um organismo social como a pessoa física. E os sistemas existentes são o sistema anglo saxão, mais conhecido como sistema inglês, em que se aceitava a possibilidade de responder penalmente a pessoa jurídica, e o sistema romano-germânico, conhecido também pelo nome de sistema francês, que entendia não ser possível responder penalmente a pessoa jurídica. No Brasil a idéia da responsabilidade penal da pessoa jurídica ganhou força ao final século XIX. No início deste século a pessoa jurídica, sendo conhecida também como pessoa coletiva, ente coletivo ou pessoa moral, ficou esquecida pela dogmática penal, e ressurgiu após o processo da industrialização que influenciava e monopolizava nos meios de produção da economia do País. Porém, no final do

10 10 século XIX, tal tema voltou a ser discutido, despertando a atenção de doutrinadores penais em todo o mundo. Em nosso país encontramos doutrinadores de ambas as correntes. A corrente minoritária, que considera possível a responsabilidade penal da pessoa jurídica, e a corrente majoritária, que entende não ser possível a responsabilidade penal da pessoa jurídica. A corrente minoritária, tem por base os artigos 225, 3º e 173 5º da Constituição Federal, quando se refere ao meio ambiente. No entanto, para o entendimento da maioria dos doutrinadores não é cabível tal punição, entendendo estes, que a pessoa jurídica é desprovida de vontade própria, sendo assim, incapaz de agir por si só, e também com base no princípio em que a sociedade não pode delinqüir, ou seja, o princípio da societas delinquere non potest. Desta forma, este trabalho visa analisar, no direito brasileiro, a possibilidade de ser responsabilizada penalmente a pessoa jurídica nos crimes praticados contra o meio ambiente, com base no direito positivo e em pesquisa jurisprudencial.

11 11 2 CONTROVÉRSIAS ACERCA DA RESPONSABILIZAÇÃO PENAL DE PESSOAS JURÍDICAS. A seguir serão abordados os principais aspectos originadores de controvérsias em âmbito doutrinário, buscando demonstrar no que se baseia cada teoria. 2.1 DOGMÁTICA Capacidade de Responsabilizar Penalmente a Pessoa Jurídica. A capacidade da pessoa jurídica responder penalmente está localizada na doutrina minoritária. Entre os que aceitam a responsabilidade penal da pessoa jurídica encontramos doutrinadores do direito ambiental como: Édis Milaré, Edson Stadler, Fernando Capez, Sérgio Salomão Shecaira, entre outros. Para os que defendem a possibilidade de responsabilização, existem requisitos necessários para que a pessoa jurídica seja responsabilizada penalmente. É necessário que a infração cometida tenha sido realizada para benefício próprio da pessoa jurídica e que seja cometida por seus representantes legais ou colegiados. É necessária a análise do fato concreto para identificar se o crime praticado foi em benefício da empresa ou em benefício do próprio representante legal, pois, se esta foi praticada em benefício do representante legal, a pessoa jurídica passa a não ser mais o agente do tipo legal, e sim o instrumento utilizado para a autoria do crime.

12 12 Após analise da autoria, é verificado o elemento subjetivo, visto que a conduta é executada por ordem de seus representantes legais. Em seguida, constatando que a conduta foi realizada pela pessoa jurídica é verificada se a conduta foi para benefício próprio, ou ensejando satisfazer os interesses sociais, e posteriormente é analisado o dolo ou culpa da conduta. O concurso de agentes nos crimes realizados podem ser necessários, ou seja, quando existe uma pluralidade de agentes, ou eventuais, isto é, quando realizados por um só agente, mas que poderão ter partícipes ou co-autores. A Lei 9.605/1998 elenca os delitos que possuem autoria simples, de apenas um agente, mas isso não a impede de ser realizada por mais de um agente. Apesar desta lei em seu artigo 3 se referir apenas à pessoa jurídica, ela dispõe que a autoria dos delitos praticados possui co-autoria necessária, pois sempre haverá uma pessoa física agindo pela pessoa jurídica. Visto que a pessoa jurídica não pode cometer delitos, apenas a pessoa humana por intermédio dela. Entre os doutrinadores que aceitam a responsabilidade penal da pessoa jurídica encontra-se também a controvérsia quanto à sua abrangência, se esta é aplicada apenas a pessoa jurídica de direito privado ou se também pode ser aplicada a pessoa jurídica de direito publico. Uma parte dos doutrinadores entende que sim, que a responsabilidade penal deve ser abrangida em ambos os casos, mas a outra parte dos doutrinadores entende que não, que a responsabilidade penal deve ser aplicada apenas à pessoa jurídica de direito privado, e não à pessoa jurídica de direito público, tendo por

13 13 argumento que os crimes praticados por ela não podem beneficiá-la, e que as penas impostas prejudicariam diretamente a população que utiliza o serviço público. Nos crimes ambientais, a pessoa jurídica é o ente com maior poder de destruição do meio ambiente. Nas palavras de Edson Stadler: [...] a responsabilidade penal da pessoa jurídica é uma realidade no mundo atual, sendo adotada por diversos países ao lado da tradicional responsabilidade individual, bem como das penalidades de caráter civil, tributário e administrativo. Já não pode causar estranheza a aceitação da responsabilidade penal dos entes coletivos, sendo evidente que os parâmetros destas responsabilidades não podem ser o da responsabilidade individual, da culpa, propugnados pela Escola Clássica. Deve ser entendida no âmbito de uma responsabilidade social, a ser delimitada e aperfeiçoada pela doutrina e pela jurisprudência. A nova lei está em vigor, não podemos ignorá-la ou simplesmente criticá-la. Devemos aceitar os seus desafios e contribuir para seus aperfeiçoamentos. (2003, p. 82/83). Masson menciona de forma consolidada os fundamentos da possibilidade de a pessoa jurídica figurar como sujeito ativo de crimes da seguinte forma: a) a pessoa jurídica trata-se de uma pessoa autônoma, dotada de vontade e consciência, e que desta forma, pode realizar conduta passível de pena; b) a pessoa jurídica deve responder por seus atos, adequando a culpabilidade às suas características; c) como a pessoa jurídica é dotada de vontade, o Direito Penal reserva a ela tratamento isonômico; d) o estatuto social não prevê a prática de crimes, como uma finalidade de uma pessoa jurídica, desta forma, seu contrato não prevê a realização de ato ilícito, porém, isso não o impede de ser realizado, como por exemplo, a inadimplência; e) o princípio da personalidade da pena não é violado através da punição da pessoa jurídica, pois deve distinguir a pena dos efeitos da condenação; f) a pena de prisão não é a única forma de punição do Direito Penal. (2009, p. 167). Na visão dos defensores da possibilidade de responsabilização penal da pessoa jurídica, além dos fundamentos acima citados, temos os artigos constitucionais fundamentais do tema, que são os artigos 225, 3º e 173 5º.

14 14 Neste sentido Capez considera que o legislador adotou bem estes artigos, apoiando a idéia de que a pessoa jurídica pode realmente ser sujeito ativo de crime. Também entende que o princípio do societas delinquere non potest não é absoluto. Existem crimes que só serão possíveis através de uma pessoa física, como: homicídios, estupro, etc. Porém, existem outros crimes que por suas características, podem ser considerados exclusivos da pessoa jurídica, como: fraude, delitos ecológicos, entre outros. (2010. p. 76). Capez ainda cita: Não convence o argumento da doutrina tradicional no sentido de que é impossível a aplicação de pena às pessoas jurídicas. Há muitas modalidades de pena, sem ser a privativa de liberdade, que se adaptam à pessoa jurídica, tais como a multa, a prestação pecuniária, a interdição temporária de direitos e as penas alternativas de modo geral." (2010. p. 76). Historicamente o tribunal de Nuremberg chegou a condenar corporações inteiras por crimes contra a humanidade, como as tropas da SS e a Gestapo. (NUCCI, 2010). Já foi aceita por vários países a possibilidade de responder penalmente à pessoa jurídica, e dentre eles estão: Estados Unidos, Canadá, México, Inglaterra, Nova Zelândia, Austrália, Venezuela, França, Cuba, Colômbia, Holanda, Dinamarca, Portugal, Austrália, Japão e China. Esta aplicação tem se tornado uma tendência mundial, em admitir sanções de natureza penal à pessoa jurídica por ofensas ao meio ambiente Incapacidade de Responsabilizar Penalmente a Pessoa Jurídica.

15 15 A incapacidade de a pessoa jurídica responder penalmente é citada pela maioria dos doutrinadores. Entre os doutrinadores que não aceitam a responsabilidade penal da pessoa jurídica encontramos: Cezar Roberto Bitencourt, Luiz Regis Prado, René Ariel Dotti, Damásio Evangelista de Jesus, entre outros. No Direito Penal Brasileiro predomina a irresponsabilidade penal da pessoa jurídica, adotando o princípio da societas delinquere non postest, princípio deixado como herança do período romano-germânico, princípio que sustenta não ser possível responsabilizar penalmente a pessoa jurídica. O fundamento utilizado por estes autores refere-se à capacidade de ação, a capacidade de culpabilidade e a capacidade de aplicação de pena a pessoa jurídica. Estes entendem que a pessoa jurídica não tem consciência e vontade, como a pessoa física, indivíduo que pode ser qualificado como autor ou partícipe de uma infração penal. É necessário analisar separadamente quem é o sujeito da ação e o sujeito da imputação, pois, não são coincidentes com a pessoa coletiva, pois esta só atua através de um representante, que se trata de um ser humano, sendo este o sujeito da ação, dessa forma as ações realizadas pelo representante são os efeitos imputados à pessoa jurídica, o que significa que a autoria não foi da pessoa jurídica e sim de uma pessoa física. Além disso, para a realização do delito é necessário capacidade de ação ou omissão. A ação é a realização de um ato para uma determinada finalidade, por sua vez, a omissão é a não realização desse ato por uma determinada finalidade. A doutrina majoritária também considera ser incapaz a pessoa jurídica de culpabilidade e também de sanções penais. Entende-se que a culpabilidade é

16 16 atribuída a pessoa jurídica por um ato de vontade, porém, este ato é praticado por uma pessoa humana, visto que a pessoa jurídica é uma ficção. Desta forma temos uma organização defeituosa, pois a culpabilidade é atribuída à pessoa jurídica por um ato cometido por um de seus representantes, gerando a culpabilidade presumida, importando em violação do princípio da culpabilidade. O princípio da personalidade da pena também sofre violação, pois estabelece que nenhuma pena passará da pessoa do condenado, conforme Constituição Federal no artigo 5, XLV. A pena deve ser aplicada apenas aos autores do delito e não sobre os demais membros da coletividade. A pena deve ser aplicada exclusivamente ao autor do delito. (PRADO, 2006). Nucci ensina que os princípios regentes da pena são: a) princípio da responsabilidade pessoal, o qual a pena não passa da pessoa do delinquente (art. 5, XLV, CF); b) princípio da legalidade, que pena não pode ser aplicada sem prévia cominação penal (art. 5 XXXIX, CF); c) princípio da inderrogabilidade, ou seja, não pode deixar de ser aplicada; d) principio da proporcionalidade ao crime, gerando um equilíbrio ente a infração praticada e a sanção imposta (art. 5 XLVI, CF); e) princípio da individualização, estabelecendo uma pena exata ao delinquente (art. 5 XLVI, CF); f) princípio da humanidade, demonstrando que foi vedada a aplicação de penas insensíveis e dolorosas, respeitando a integridade física do condenado. (art. 5 XLVII e XLIX, CF). (2009, p. 388). Ainda neste sentido Guilherme de Souza Nucci sintetiza que a pena é: A ação do Estado, valendo-se do devido processo legal, cuja finalidade é a repressão ao crime perpetrado e a prevenção a novos delitos, objetivando reeducar o delinquente, retirá-lo do convívio social enquanto for necessário,

17 17 bem como reafirmar os valores protegidos pelo Direito Penal e intimidar a sociedade para que o crime seja evitado. (2009, p. 389). Devido ao ente coletivo não praticar o delito, não há o que se falar de medida de segurança de caráter penal, pois para tal aplicação necessita-se de uma ação ou omissão. Mas há de se falar da medida de segurança sui generis baseada na periculosidade objetiva do ente coletivo, pelas ações praticadas por um ente da corporação a seu serviço, mas neste caso tais medidas são administrativas, civis, entre outras, mas não penais. A ausência da responsabilidade penal da pessoa jurídica ocorre na falta dos seguintes elementos; a) capacidade de ação do âmbito do Direito Penal; b) capacidade de culpabilidade e c) capacidade de pena, ou seja, o princípio da capacidade da pena. Sobre estes requisitos Damásio Evangelista de Jesus ensina que: [...] a personalidade natural não é uma criação do Direito, sendo que este a recebe das mãos da natureza, já formada, e limita-se a reconhecê-la. A personalidade jurídica, ao contrário, somente existe por determinação da lei e dentro dos limites por esta fixados. Faltando requisitos psíquicos da imputabilidade. Não tem consciência e vontade próprias. É uma ficção legal. Assim, não tem capacidade penal e, por conseguinte, não pode cometer crimes. Quem por ela atua são seus membros diretores, seus representantes. Estes sim são penalmente responsáveis pelos crimes cometidos em nome dela. (2003, p. 168). René Ariel Dotti inicia no prefácio de um dos livros que coordenou sobre o tema, que esta desastrada interpretação de dispositivos constitucionais e um descaminho intelectual produziram o aspecto de responsabilidade objetiva no sistema penal brasileiro com transformação da pessoa jurídica de Instrumento em agente responsável pela ação delituosa praticada por terceiros [...]. (2010, p. 11). E ainda mencionado que o artigo 3 da Lei 9.605/98 trata-se de uma redação esdrúxula, por estabelecer que as pessoas jurídicas sejam responsabilizadas penalmente. (DOTTI, 2010).

18 18 Assim, nessa ordem de idéias, a doutrina minoritária estaria usando da culpabilidade penal para apreciar a responsabilidade penal da pessoa jurídica para indicar que esta comete crime, porém, a lógica jurídica entende ao contrario, partindo da qualificação comportamental como infração criminal, empregando o juízo de reprovação penal. Semelhante entendimento é o de Antonio Sergio Altieri de Moraes Pitombo que menciona que É hora de se reconhecer que o sentido da responsabilidade penal jurídica nada tem de direito penal. A previsão do artigo 3, da Lei 9605/98 constitui permissivo ao juiz penal para a aplicação de sanções de cunho administrativo à pessoa jurídica. (2010, p. 234/235). Deve-se recorrer ao Direito Penal apenas nos casos em que outros mecanismos de controle social já tenham se revelado insuficientes.

19 19 3 RESPONSABILIDADE PENAL DE PESSOAS JURÍDICAS NOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE 3.1 A LEI 9.605/ Disposições Gerais. Após serem apresentados ao Congresso Nacional mais de três projetos de leis distintos, referentes à regulamentação de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, ingressou no ordenamento jurídico brasileiro a Lei nº 9.605/98. A partir deste momento, no Brasil se instituiu a responsabilização penal da pessoa jurídica no âmbito de nossa legislação ordinária, tendo como referência o art da Constituição Federal de 1988, que já previa a responsabilidade penal e administrativa da pessoa jurídica pelos danos causados ao meio ambiente. verbis: No artigo da Constituição Federal consta a seguinte previsão, in As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados. Até 1998, o sistema jurídico brasileiro não aceitava a possibilidade de responsabilizar penalmente a pessoa jurídica, o princípio adotado era da societas delinquere non postest, tendo o significado de que a sociedade não pode delinqüir, porém, com esta lei busca-se romper esta visão. Tanto que, após esta lei, a chamada teoria da ficção, criada por Savigny, o qual entende que as pessoas jurídicas são simples criações de lei, ou seja, meras ficções, sendo, portanto, incapaz de possuir vontade própria, foi abandonada, predominando a teoria da

20 20 realidade cujo precursor mais ilustre foi Otto Gierke, que entende ser a pessoa jurídica um verdadeiro organismo social, assemelhado as pessoas naturais, inclusive com vontade própria, onde a pessoa moral é um ente real podendo realizar um delito e ser punida. Com a teoria da realidade sendo aceita, a Lei 9.605/98 passa a prever a responsabilidade penal da pessoa jurídica, iniciando em seu artigo 3. (2010. p. 74). No artigo 3 consta a seguinte previsão, in verbis: As pessoas jurídicas serão responsabilizadas administrativa, civil e penalmente conforme o disposto nesta Lei, nos casos em que a infração seja cometida por decisão de seu representante legal ou contratual, ou de seu órgão colegiado, no interesse ou benefício da sua entidade. Parágrafo único. A responsabilidade das pessoas jurídicas não exclui a das pessoas físicas, autoras, co-autoras ou partícipes do mesmo fato. De acordo com Shecaira este dispositivo veio confirmar a gravidade do dano cometido pela pessoa jurídica, que de certa forma, acoberta os agentes que se escondem através das estruturas empresariais. Atrás deste manto, graves violações ao consumidor e ao meio ambiente são praticadas pelas grandes corporações. Levando em consideração as grandes estruturas empresariais, entende-se que, não havendo punição à pessoa jurídica, somente os subordinados, seriam alcançados pelas sanções penais. (2011. p. 135/136). A discussão sobre a responsabilidade penal da pessoa jurídica no Brasil teve ligação com a repressão internacional aos delitos econômicos, em que eram acobertados, pela ficção da pessoa jurídica, os verdadeiros agentes, beneficiandose com a afirmativa de que a pessoa jurídica não é dotada de vontade, sendo assim, punindo apenas prepostos e não os verdadeiros criminosos.

21 21 Um importante aspecto aberto por esta lei foi à possibilidade de não ser responsabilizado somente o causador do dano, mas sim, todos os envolvidos. Mesmo a responsabilidade penal recaindo à pessoa jurídica, esta não exclui a aplicação de penalidades á pessoa física. Édis Milaré reforça que o principal delinqüente ecológico não é a pessoa física, como o quitandeiro da esquina, mas sim a pessoa jurídica, que busca lucros como finalidade, e não se preocupa com o que a população venha a sofrer ao longo do tempo. (2009. p. 983). Para alguns autores esta aceitação revela o avanço trazido por esta lei. Mesmo com a grande dificuldade de responsabilizar penalmente a pessoa jurídica, em princípio a culpabilidade vigente no direito penal, a tendência moderna penal é romper o princípio da societas delinquere non potest. Apesar deste avanço, devem ser observadas as particularidades para eventuais aplicações de penas no âmbito penal. Conforme o artigo 3º parágrafo único, já citado acima, a responsabilidade das pessoas jurídicas não exclui à responsabilidade das pessoas físicas, gerando o chamado sistema de dupla imputação ou também conhecidas por sistema de imputação paralela. Este nome é dado ao mecanismo de atribuição da responsabilidade penal à pessoa jurídica, sem prejuízo da responsabilidade penal à pessoa física que contribuiu para o crime, ou seja, trata-se de um sistema que possibilita a dupla atribuição da responsabilidade pelo crime praticado. A imputação penal pode ser atribuída somente à pessoa física ou a pessoa física e pessoa jurídica, mas não pode ser imputada somente à pessoa jurídica, devido ao sistema da responsabilidade penal por ricochete prevista no caput do artigo 3º, em que a responsabilidade jurídica pressupõe a da pessoa física, ou seja,

22 22 para que seja responsabilizada penalmente a pessoa jurídica é necessário que seja praticado um fato punível por uma pessoa física, que atue em benefício e em nome da entidade. Prado reforça que, não pode ser excluída a responsabilidade individual da pessoa física, para que seja evitada a utilização da pessoa jurídica como uma forma de escudo, para acobertar as infrações de próprio interesse praticadas pela pessoa física. (2006, p.283). Para entender melhor, é preciso relembrar os requisitos necessários para que seja reconhecida a responsabilidade penal à pessoa jurídica. Primeiramente a infração praticada deve ser em interesse da pessoa jurídica e situada dentro da esfera das atividades da empresa. A pessoa física que praticou a infração deve ser ligada à pessoa coletiva, por isso, possui grande relevância o sistema de dupla imputação, para que seja permitida a persecução penal contra a pessoa jurídica e contra a pessoa física simultaneamente. Para Shecaira não há que se falar em inconstitucionalidade do artigo 3º, nem em bis in idem (julgamento da mesma pessoa pelo mesmo fato por duas vezes), pois é realizada a punição em pessoas distintas, sendo cada uma dessas, punida de acordo com a contribuição dada para a concretização do delito. (2011. p. 139). Juliano Breda já não entende da mesma forma, o mesmo menciona que surge um problema no momento da fixação concreta da sanção penal, pois não há uma culpa autônoma da pessoa jurídica, exigindo sempre do julgador a remissão à

23 23 conduta da pessoa física, em outras palavras, é sempre única à culpabilidade, do administrador, que transfere a pessoa jurídica os seus efeitos. (2010, p. 285). O artigo 4º consiste na introdução sobre a questão da desconsideração da personalidade da pessoa jurídica: Poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que ela for obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados à qualidade do Meio Ambiente. Desconsideração da personalidade jurídica é desconsiderar a separação patrimonial, que existe entre o sócio e o capital da empresa, para efetivar uma determinada obrigação. Segundo o artigo 134, VII, do código Tributário Nacional os sócios, no caso de liquidação de sociedade de pessoas, respondem solidariamente pelos débitos fiscais da empresa, e no artigo 28 do Código de Defesa do Consumidor, que foi a primeira lei a tratar do assunto, traz disposição similar ao artigo 4º da Lei Ambiental sobre a desconsideração da personalidade jurídica. Neste entendimento Shecaira mencionada que: É importante verificar que o instituto abordado no art. 4º da Lei nº 9.605/1998 não tem qualquer relação com a despersonalização da pessoa jurídica que significa a perda da sua personalidade decorrente da sua extinção. O que se aborda é a desconsideração da pessoa jurídica para efeitos de pagamento dos danos decorrentes de crimes praticados contra o meio ambiente. (2011. p. 142). E continua, [...] mesmo entendendo ser um grande avanço na esfera extrapenal a teoria da desconsideração da personalidade, não há que se admitir sua incidência na órbita penal. (2011. p. 142). Sobre a lei ambiental e as penas cominadas às pessoas jurídicas, a implantação da responsabilidade penal da pessoa jurídica não exclui o reconhecimento de outros princípios fundamentais constitucionais do sistema punitivo, com eles, a responsabilidade penal da pessoa coletiva se movimenta.

24 24 Desta forma, há de ser reconhecido o princípio da legalidade e alcançado todo o ordenamento jurídico na esfera penal Das Normas Penais Não Incriminadoras. A Lei nº 9.605/1998 é dividida em VIII capítulos. No capitulo I, do art. 1º ao 5º, a Lei transmite considerações genéricas sobre a responsabilidade penal. No capitulo II, do art. 6º ao 24, o legislador estabelece critérios de aplicação de penas. No capitulo III, art. 25, alcança a apreensão do produto e do instrumento de infração administrativa ou de crime. No capitulo IV, do art. 26 ao 28, trata da ação e do processo penal. No capitulo V, do art. 29 ao 69, estabelece critérios dos crimes contra o meio ambiente. No capitulo VI, do art. 70 ao 76, trata das infrações administrativas. No capitulo VII, do art. 77 ao 78 menciona sobre a cooperação internacional para a preservação do meio ambiente. E por fim, No capitulo VIII, do art. 79 ao 82 trata das disposições finais. Para Shecaira, é clara e evidente a separação dos artigos 6º ao 20 à pessoa física e do artigo 21 a 24 à pessoa jurídica, e ainda menciona que tal objetivo aflora de leitura singela, tanto que, no artigo 8º no inciso V é mencionada a pena de recolhimento domiciliar, o que é evidente que só pode ser aplicado à pessoa física. (2011. p. 149). Mas nem para todos os doutrinadores essa evidência é clara e notória, em decorrência da ausência de informação nos artigos, não especificando a quem deve ser aplicado cada dispositivo.

25 25 São cinco as penas restritivas de Direito, que constam no artigo 8 da Lei 9.605/98, in verbis: As penas restritivas de direito são: I - prestação de serviços à comunidade; II - interdição temporária de direitos; III - suspensão parcial ou total de atividades; IV - prestação pecuniária; V - recolhimento domiciliar. A prestação de serviços à comunidade se refere a prestações, tarefas gratuitas junto a jardins e parques públicos, e nos casos de danos causados a coisa particular, tombada ou pública, se for possível a restauração desta (art. 8, I, e 9 ). A interdição temporária de direitos trata da proibição de contratar com o Poder Público, de efetuar licitações, de recebimento de incentivos fiscais ou outros benefícios. (art. 8, II, e 10 ). A suspensão parcial ou total de atividades é utilizada quando não estão atendendo os dispositivos legais (art. 8, III, e 11 ). A Prestação pecuniária trata do pagamento em dinheiro às entidades públicas ou privadas e às vítimas, com finalidade social, de importância fixada pelo juiz, sendo esta, não superior a trezentos e sessenta salários mínimos, nem inferiores a um salário mínimo. (art. 8, IV, e 12 ). E a ultima sendo o recolhimento domiciliar, baseia-se na autodisciplina e senso de responsabilidade do condenado, devendo este, permanecer nos dias e horários de folga em residência. (art. 8, V, e 13 ) Mais um exemplo de que é evidente a separação do artigo 6º ao 20 à pessoa física é o artigo 13 e 14. Artigo 13 da Lei 9.605/98, in verbis: O recolhimento domiciliar baseia-se na autodisciplina e senso de responsabilidade do condenado, que deverá, sem vigilância, trabalhar, frequentar curso ou exercer atividade autorizada, permanecendo recolhido

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos C W M C O M U N I C A Ç Ã O WALTEMIR DE MELO ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS CRÍTICOS

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS. João Batista Machado Barbosa

O MEIO AMBIENTE E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS. João Batista Machado Barbosa O MEIO AMBIENTE E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS João Batista Machado Barbosa DIREITO PENAL AMBIENTAL OBJETIVO Fazer com que a audiência compreenda os princípios e normas que constituem o Direito Penal Ambiental

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br (Artigos) considerações sobre a responsabilidade "penal" da pessoa jurídica Dóris Rachel da Silva Julião * Introdução É induvidoso que em se tratando da criminalidade econômica e

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

Inovações do Advento da Lei de Crimes Ambientais

Inovações do Advento da Lei de Crimes Ambientais Dr. Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas Inovações do Advento da Lei de Crimes Ambientais 1. Leis esparsas, de difícil aplicação.

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2011

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2011 PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2011 (Do Sr. Neri Geller) Susta os efeitos dos dispositivos que cita do Decreto 6.514, de 22 de julho de 2008, o qual dispõe sobre as infrações e sanções administrativas

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA Eladio Lecey Diretor-Presidente, Escola Nacional da Magistratura - AMB Diretor, Escola Brasileira de Direito

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2011

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 PROJETO DE LEI Nº DE 2011 Altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O art. 4º

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental - Lei 9.605/98

Responsabilidade Criminal Ambiental - Lei 9.605/98 Responsabilidade Criminal Ambiental - Lei 9.605/98 29 Clara Maria Martins Jaguaribe 1 BREVE INTRODUÇÃO Antes da sistematização da responsabilidade penal em termos de meio ambiente, todos os tipos penais

Leia mais

Excelentíssima Senhora Presidente da Comissão Permanente de Direito Penal do Instituto dos Advogados Brasileiros, Dra.

Excelentíssima Senhora Presidente da Comissão Permanente de Direito Penal do Instituto dos Advogados Brasileiros, Dra. Excelentíssima Senhora Presidente da Comissão Permanente de Direito Penal do Instituto dos Advogados Brasileiros, Dra. Victória Sulocki, Indicação nº 056/2012, sobre o "Projeto de Lei nº 3901/2012, de

Leia mais

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA

A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA A PROBLEMÁTICA CONTEMPORÂNEA DA RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA CLÁUDIO RIBEIRO LOPES Mestre em Direito (Tutela de Direitos Supraindividuais) pela UEM Professor Assistente da UFMS (DCS/CPTL)

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO

DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO 13 Congresso Brasileiro de Direito Ambiental Mesa Redonda IX DEZ ANOS DA LEI 9605/98: BALANÇO E PROPOSTAS CONCRETAS DE APERFEIÇOAMENTO LEGISLATIVO Presidente: Damásio de Jesus Relator Geral: Eladio Lecey

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL DIREITO NO BRASIL CONTEXTO NACIONAL Ordenamento Jurídico; O meio ambiente na constituição federal; Política Nacional do Meio Ambiente; SISNAMA; Responsabilidades civil; Responsabilidade penal ambiental;

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS RELATIVAS ÀS FUNÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público: I- promover,

Leia mais

LEIS PENAIS ESPECIAIS

LEIS PENAIS ESPECIAIS LEIS PENAIS ESPECIAIS Prof. Marcel Figueiredo Gonçalves Especialista em Direito Penal e Direito Processual Penal (PUC-SP) Mestre em Ciências Jurídico-Criminais (Universidade de Lisboa) www.cienciacriminal.com

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro Responsabilidade Criminal Ambiental Paulo Freitas Ribeiro Constituição Federal Artigo 225 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade

Leia mais

ARTIGO 14 da Lei nº 6368/76: CRIME HEDIONDO!

ARTIGO 14 da Lei nº 6368/76: CRIME HEDIONDO! ARTIGO 14 da Lei nº 6368/76: CRIME HEDIONDO! ELIANE ALFRADIQUE O artigo 14 da Lei nº 6.368/76 tem causado certa dificuldade em sua aplicação prática. O enunciado do artigo em questão, tipifica a associação

Leia mais

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL Atender às exigências internacionais de combate a corrupção Estimular a prática do compliance. Ética corporativa na administração.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br As Medidas de Segurança (Inconstitucionais?) e o dever de amparar do Estado Eduardo Baqueiro Rios* Antes mais nada são necessárias breves considerações acerca de pena e das medidas

Leia mais

A Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica nos Crimes Ambientais

A Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica nos Crimes Ambientais A Responsabilidade Penal da Pessoa Jurídica nos Crimes Ambientais Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho * Igor Oliveira Borges RESUMO: Este texto trata a respeito da Lei 9.605 de 1998, lei esta que

Leia mais

MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção.

MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção. MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014 Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção. Entrou em vigor no dia 29 de janeiro a Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013,

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO PENAL

DISCIPLINA: DIREITO PENAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO PENAL QUESTÃO Nº 109 Protocolo: 11913003657-0 Não existe qualquer erro material na questão. Nada a ser alterado. O recorrente

Leia mais

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS

RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SEGURANÇA DE BARRAGENS DE REJEITOS RESPONSABILIDADE DOS ATORES POLÍTICOS E PRIVADOS SIMEXMIN OURO PRETO 18.05.2016 SERGIO JACQUES DE MORAES ADVOGADO DAS PESSOAS DAS PESSOAS NATURAIS A vida é vivida por

Leia mais

Foto 10: Preenchimento 2. Foto 11: Esteira Etapas de repreenchimento. Foto 12: Acabamento final

Foto 10: Preenchimento 2. Foto 11: Esteira Etapas de repreenchimento. Foto 12: Acabamento final 49 Foto 10: Preenchimento 2 Foto 11: Esteira Etapas de repreenchimento Foto 12: Acabamento final 50 Foto 13: Utilização da esmiriradeira Foto 14: Armazenamento Foto 15: Acabamento final 51 Foto 16: Selo

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA QUESTIONAMENTO: Solicito pesquisa acerca do enquadramento típico de indivíduo que fora abordado pela Brigada Militar, conduzindo veículo embriagado (306 dp CTB) e com a CNH vencida, sendo que foi reprovado

Leia mais

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 Hassan Souki Advogado Associado do Escritório Homero Costa Advogados. A Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, tipifica, em seu

Leia mais

2 - Como as penas são aplicadas

2 - Como as penas são aplicadas 1 de 8 10/16/aaaa 11:40 Meio Ambiente A Lei de Crimes Ambientais Nome A Lei de Crimes Ambientais Produto Informação Tecnológica Data Setembro - 2000 Preço - Linha Meio Ambiente Resenha Informações resumidas

Leia mais

REPRESENTAÇÃO PENAL DA PESSOA JURÍDICA E PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

REPRESENTAÇÃO PENAL DA PESSOA JURÍDICA E PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 REPRESENTAÇÃO PENAL DA PESSOA JURÍDICA E PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Aline Barandas 1 RESUMO: A atual Constituição Federal brasileira prega valores sociais,

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94):

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94): Thiago d Ávila Membro da Advocacia-Geral da União. Procurador Federal. Procurador do INCRA em Natal/RN. Ex-Procurador do INSS. Ex-Procurador do Órgão de Arrecadação da Procuradoria-Geral Federal. Dedica-se

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 Altera os arts. 1º, 8º e 9º da Lei nº 5.197, de 3 de janeiro de 1967, que dispõe sobre a proteção

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 8ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE BELO HORIZONTE APELAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 8ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE BELO HORIZONTE APELAÇÃO EXMO.SR(a).DR(a). JUIZ(a) DE DIREITO DA 2 ª SECRETARIA CRIMINAL DO JUIZADO ESPECIAL DE BELO HORIZONTE -MG Réu: Autor: Ministério Público Processo n. APELAÇÃO O Ministério Público do Estado de Minas Gerais,

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas. www.aceti.com.br

Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas. www.aceti.com.br Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas A Responsabilidade Ambiental Tutela Administrativa Tutela Criminal Tutela Cível Copyright Proibida

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2015

PROJETO DE LEI Nº DE 2015 PROJETO DE LEI Nº DE 2015 Incluir Sinais de Tvs a Cabo ao 3º do art. 155, do Decreto Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Inclua-se sinais de Tvs à cabo ao 3º,

Leia mais

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS (41) 3087-6666 www.licidata.com.br SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS PENALIDADES, PROCEDIMENTOS E ASPECTOS POLÊMICOS 11 e 12 de Dezembro de 2014 - Vitória - ES Apresentação: As hipóteses

Leia mais

LEI PENAL X NORMA PENAL VIGÊNCIA A PERSECUÇÃO PENAL. -A persecução penal no Brasil é dividia em 5 fases: LEIS PENAIS INCOMPLETAS

LEI PENAL X NORMA PENAL VIGÊNCIA A PERSECUÇÃO PENAL. -A persecução penal no Brasil é dividia em 5 fases: LEIS PENAIS INCOMPLETAS 1 DIREITO PENAL PONTO 1: LEI PENAL X NORMA PENAL PONTO 2: VIGÊNCIA PONTO 3: FASES DA PERSECUÇÃO PENAL PONTO 4: LEIS PENAIS INCOMPLETAS PONTO 5: APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO PONTO 6: LEIS INTERMINTENTES

Leia mais

TEORIAS RELACIONADAS À RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA

TEORIAS RELACIONADAS À RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA TEORIAS RELACIONADAS À RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURÍDICA Bruno Rodrigo Aparecido de Oliveira 1 RESUMO Através deste artigo, iremos de maneira simples, porém cientifica, tratar das teorias que dão

Leia mais

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO O que muda na responsabilização dos indivíduos? Código Penal e a Lei 12.850/2013. MARCELO LEONARDO Advogado Criminalista 1 Regras Gerais do Código Penal sobre responsabilidade penal:

Leia mais

ASSUNTO: CRIMES AMBIENTAIS LEI 9605/98 Prof. RODRIGO VARELA

ASSUNTO: CRIMES AMBIENTAIS LEI 9605/98 Prof. RODRIGO VARELA ASSUNTO: CRIMES AMBIENTAIS LEI 9605/98 Prof. RODRIGO VARELA SUMÁRIO: 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 2. APLICAÇÃO DAS PENAS 3. APREENSÕES E SUA DESTINAÇÃO 4. CRIMES CONTRA FAUNA 5. CRIMES CONTRA FLORA 6. POLUIÇÃO

Leia mais

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS Camila Silvia Martinez Perbone 30* As penalidades, desde os primórdios da civilização, sempre tiveram a finalidade de punir de modo severo, apenas para restabelecer

Leia mais

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990.

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990. A NOVA DISCIPLINA DA PROGRESSÃO DE REGIME TRAZIDA PELA LEI Nº 11.464/07. MAURICIO MAGNUS FERREIRA JUIZ DE DIREITO DO TJ/RJ No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR ELBERT DA CRUZ HEUSELER Mestre em Direito da Administração Pública Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais Pós Graduado em Estratégia e Relações Internacionais Especialista em Globalização e Brasil

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

Comissão de Estudos da Concorrência e Regulação Econômica ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Secção de São Paulo

Comissão de Estudos da Concorrência e Regulação Econômica ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Secção de São Paulo Formulário de Sugestões Consulta Pública nº 17 (28.09.11 a 28.11.2011) Minuta do Projeto de lei que altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884,

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO EMPREENDEDOR E DA EQUIPE

RESPONSABILIDADE DO EMPREENDEDOR E DA EQUIPE RESPONSABILIDADE DO EMPREENDEDOR E DA EQUIPE Diz a Resolução 237/97 do Conama que o empreendedor e os profissionais que subscreverem os estudos necessários ao processo de licenciamento serão responsáveis

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Lei de Crimes Ambientais Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998* Dispõe sobre as sansões penais e

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR (Promotor de Justiça SP/2010) 01. Na ação de responsabilidade

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material 01 MOEDA FALSA Sumário: 1. Moeda falsa 2. Crimes assimilados ao de moeda falsa 3. Petrechos para falsificação de moeda 4. Emissão de título ao portador sem permissão legal. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução

Leia mais

A NATUREZA JURIDICA DOS CRIMES PREVISTOS NOS ARTIGOS 40 E 48 DA LEI DE CRIMES AMBIENTAIS. Estabelece o artigo 40 da Lei 9.

A NATUREZA JURIDICA DOS CRIMES PREVISTOS NOS ARTIGOS 40 E 48 DA LEI DE CRIMES AMBIENTAIS. Estabelece o artigo 40 da Lei 9. A NATUREZA JURIDICA DOS CRIMES PREVISTOS NOS ARTIGOS 40 E 48 DA LEI DE CRIMES AMBIENTAIS ROGÉRIO TADEU ROMANO Procurador Regional da República aposentado Estabelece o artigo 40 da Lei 9.605/1998: Art.

Leia mais

A EFETIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA PROTEÇÃO AMBIENTAL

A EFETIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA PROTEÇÃO AMBIENTAL A EFETIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA PROTEÇÃO AMBIENTAL FERNANDO REVERENDO VIDAL AKAOUI XIV Congresso Brasileiro do Ministério Público de Meio Ambiente - ABRAMPA RESPONSABILIDADE DO ESTADO PELA PROTEÇÃO

Leia mais

NORMA PENAL EM BRANCO

NORMA PENAL EM BRANCO NORMA PENAL EM BRANCO DIREITO PENAL 4º SEMESTRE PROFESSORA PAOLA JULIEN OLIVEIRA DOS SANTOS ESPECIALISTA EM PROCESSO. MACAPÁ 2011 1 NORMAS PENAIS EM BRANCO 1. Conceito. Leis penais completas são as que

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1.

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1. COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1.901/99) Dá nova redação ao caput do artigo 32 da Lei nº 9.605, de

Leia mais

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal 202 O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras, enfatizando a importância das alterações

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS

TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS San José, Costa Rica 11 y 12 de diciembre del 2013 Vania Tuglio Fiscal Criminal SP, Brasil GECAP Grupo Especial de Combate aos Crimes Ambientais Lei 9.605\98 Art.

Leia mais

Este estudo foi elaborado pelo DEJUR - Departamento Jurídico do CREA-PR

Este estudo foi elaborado pelo DEJUR - Departamento Jurídico do CREA-PR MÓDULO 01 AULA 03 RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL Temos a satisfação de apresentar o módulo de RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL em nosso Programa de Excelência em Projetos. Nele será possível entender as obrigações

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

Questão de Direito Penal 1,0 Ponto PADRÃO DE RESPOSTA.

Questão de Direito Penal 1,0 Ponto PADRÃO DE RESPOSTA. Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios XL Concurso Público para Provimento de Cargos de Juiz de Direito Substituto da Justiça do Distrito Federal SEGUNDA PROVA

Leia mais

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE A MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS: DENUNCIAÇÃO DA LIDE

ASPECTOS IMPORTANTES SOBRE A MODALIDADE DE INTERVENÇÃO DE TERCEIROS: DENUNCIAÇÃO DA LIDE II ANAIS DO CURSO DE EXTENSÃO EM TEORIA DO DIREITO: A Tríplice perspectiva do Direito e a relação teórica, prática e ética. Cáceres: Unemat Editora, Vol.1. n. 01 (2013). ISSN 2317-3478 ASPECTOS IMPORTANTES

Leia mais

Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013

Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013 Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013 FEBRABAN Arthur Lemos Jr Promotor de Justiça Lavagem de Dinheiro e de Recuperação de Ativos Compliance A LEI PROVOCA

Leia mais

DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA

DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA O Princípio da Territorialidade Temperada informa a aplicação da lei penal brasileira aos crimes cometidos no território nacional I, mas não é absoluta, admitindo

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE

CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE CURSO INTENSIVO DE DIREITO AMBIENTAL FMASE/IDPV Eladio Lecey Diretor, Escola Brasileira de Direito e Política Ambiental Presidente, Comité Brasileiro da UICN 1 RESPONSABILIDADE

Leia mais

RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURIDICA PELA PRÁTICA DE CRIME AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURIDICA PELA PRÁTICA DE CRIME AMBIENTAL 1 RESPONSABILIDADE PENAL DA PESSOA JURIDICA PELA PRÁTICA DE CRIME AMBIENTAL WILCINETE DIAS SOARES 1 Resumo: O desígnio deste trabalho é discorrer acerca da responsabilização penal da pessoa jurídica pela

Leia mais

AGEOS Associação Gaúcha de Obras de Saneamento. Giovani Agostini Saavedra Saavedra & Gottschefsky Advogados Associados

AGEOS Associação Gaúcha de Obras de Saneamento. Giovani Agostini Saavedra Saavedra & Gottschefsky Advogados Associados AGEOS Associação Gaúcha de Obras de Saneamento Giovani Agostini Saavedra Saavedra & Gottschefsky Advogados Associados Breve panorama sobre a nova Lei Anticorrupção Giovani Agostini Saavedra Contexto da

Leia mais

Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação

Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação 12) Revisão criminal contra sentença condenatória que for contrária ao texto expresso de lei penal T foi condenado por apropriação indébita previdenciária,

Leia mais

DIREITO PENAL MILITAR

DIREITO PENAL MILITAR DIREITO PENAL MILITAR Objetivos: Definir direito penal e direito penal militar; Distinguir direito penal militar das demais denominações do direito e dos demais direitos e ciências afins; Distinguir lei

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Estatuto do idoso em Benefício do Réu. Roberto Dantes Schuman de Paula * DA NOVATIO LEGIS IN PEJUS Em outubro de 2003 a ordem jurídica foi inovada com o advento da lei 10741/03,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Tutela penal do meio ambiente (Lei Federal nº 9.605/98) Daniele Pereira Corrêa ÍNDICE CONSIDERAÇÕES GERAIS RESPONSABILIDADE PENAL AMBIENTAL DOS CRIMES AMBIENTAIS SANÇÕES PENAIS PESSOAS

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL

A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL I CONGRESSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL Mariza Giacomin Lozer Patrício Advogada (FESV).

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Arnaldo Jordy) Altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, que dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio

Leia mais

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI COMENTÁRIOS AO ACÓRDÃO DO STJ RESP 1322945

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI COMENTÁRIOS AO ACÓRDÃO DO STJ RESP 1322945 EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI COMENTÁRIOS AO ACÓRDÃO DO STJ RESP 1322945 CURITIBA 2013 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 DISCUSSÃO ANALISADA NO RECURSO ESPECIAL NÚMERO 1.322.945-DF.. 4 3 NÃO INCIDÊNCIA DE CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Da Sra. Flávia Morais) Altera o art. 20 da Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993 Lei Orgânica da Assistência Social, e o art. 34 da Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003

Leia mais

O acórdão em análise é oriundo do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento de um agravo regimental em Recurso Especial e assim dispõe:

O acórdão em análise é oriundo do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento de um agravo regimental em Recurso Especial e assim dispõe: 3. COMENTÁRIOS À JURISPRUDÊNCIA 3.1 QUESTÕES PONTUAIS SOBRE EXECUÇÃO PENAL ÉRIKA DE LAET GOULART MATOSINHO Oficial do Ministério Público do Estado de Minas Gerais Bacharel em Direito 1. Escolha do acórdão

Leia mais

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça.

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 11 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Foro por Prerrogativa de Função; Conexão e Continência. 3.5 Foro por Prerrogativa de Função: b) Juízes

Leia mais

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13. Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.019/2014 Sanções administrativas LUIS EDUARDO PATRONE REGULES Advogado.

Leia mais

LEI DE CRIMES AMBIENTAIS: GUIA BÁSICO PARA O PRODUTOR RURAL

LEI DE CRIMES AMBIENTAIS: GUIA BÁSICO PARA O PRODUTOR RURAL LEI DE CRIMES AMBIENTAIS: GUIA BÁSICO PARA O PRODUTOR RURAL Antonio Carlos da Silva Zanzini 1 Jésus José de Oliveira 2 1 INTRODUÇÃO Com a promulgação da Lei de Crimes Ambientais n o 9605, que entrou em

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 80 h/a Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE

ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE ARQUITETURA E URBANISMO 1º SEMESTRE AULA 04 INTRODUÇÃO AO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DOCENTE: ROSEMARI VIEIRA BRAGANÇA ARQUITETO E URBANISTA RESPONSABILIDADES E OBRIGAÇÕES ÉTICA RESPONSABILIDADE TÉCNICA RESPONSABILIDADE

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PERMANENTE EM AMBIENTE EXTERNO A UFRB

AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PERMANENTE EM AMBIENTE EXTERNO A UFRB AUTORIZAÇÃO DE USO DE BEM PERMANENTE EM AMBIENTE EXTERNO A UFRB 1 BASE LEGAL LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 (Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das Autarquias

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS Objeto da Lei n.º12.846, de 2013 A Lei Anticorrupção dispõe sobre: a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas. pela

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais