DIREITO PENAL. Teoria, legislação, jurisprudência, dicas e exercícios.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREITO PENAL. Teoria, legislação, jurisprudência, dicas e exercícios."

Transcrição

1 1 DIREITO PENAL Teoria, legislação, jurisprudência, dicas e exercícios. Prof. Pereira MATERIAL DE DEMONSTRAÇÃO - Alguns tópicos da matéria Significa que foi excluído conteúdo. Para comprar acesse: CONTEUDO PROGRAMÁTICO: Da aplicação da Lei Penal: princípios da legalidade e da anterioridade; a lei penal no tempo e no espaço O fato típico e seus elementos Relação de causalidade Culpabilidade Superveniência de causa independente Crime consumado, tentado e impossível Desistência voluntária e arrependimento eficaz; arrependimento posterior Crime doloso e culposo Erro de tipo: erro de proibição; erro sobre a pessoa Coação irresistível e obediência hierárquica Causas excludentes da ilicitude Da imputabilidade penal Do concurso de pessoas Do concurso de crimes Das penas: Espécies Cominação Aplicação Da suspensão condicional da pena Do livramento condicional Efeitos da condenação Da reabilitação Das medidas de segurança Arts. 96 a Da ação penal pública e privada Arts. 100 a Da extinção da punibilidade Da execução das penas em espécie: das penas privativas de liberdade, das penas alternativas (Lei n.º 9.714/98), dos regimes, autorizações de saída, remição e incidentes da execução Dos crimes contra a fé pública - Arts. 289 a Crimes contra a Administração Pública DA LEI PENAL Diferença entre lei penal e norma penal Lei penal não se confunde com a norma penal. Enquanto a lei é descritiva, a norma é impositiva de um comportamento e valorativa. A lei penal é fonte da norma, pois é a partir da sua leitura que se interpreta a norma. Ex.: Lei = Matar alguém (art. 121, CP) Norma = É proibida matar. ESPÉCEIS DE NORMA PENAL

2 2 A lei penal tem como características não ser proibitiva, mas sim descritiva. A lei indica o tipo penal e logo após impõe uma sanção. a) Norma Penal Primária (preceptum iuris): _comando que emana da Lei Penal incriminadora _caráter impositivo de conduta: proibitivo ou mandamental _revela o bem jurídico tutelado. Preceito primário é proibido matar Preceito secundário penal de 6 a 20 anos. b) Norma Penal Secundária (sanctio iuris): Dirigida ao juiz. É a sanção penal. Preceito primário o juiz deve aplicar a pena Preceito secundário pena de responsabilidade penal. Aspectos da norma penal a) valorativo revela valor penal do bem > fundamenta o injusto penal b) imperativo impõe conduta > fundamenta a culpabilidade. CLASSIFICAÇÃO DA LEI PENAL a) incriminadoras Descreve crimes e cominam penas. b) não incriminadoras Não descrevem os tipos nem determinam suas penas. b.1) permissivas São as leis que determinam os casos específicos em que condutas consideradas típicas no cotidiano são permitidas. Ex: Legítima defesa. 1. permissivas justificantes, quando têm por finalidade afastar a ilicitude (antijuridicidade) da conduta do agente, como aquelas previstas nos arts. 23, 24 e 25 do Código Penal; 2. permissivas exculpantes, quando se destinam a eliminar a culpabilidade, isentando o agente de pena, como nos casos dos arts. 26, caput e 29, 1, do Código Penal. DICA DE CONCURSO: O dispositivo legal que prevê o estado de necessidade é uma norma penal não incriminadora permissiva justificante porque tem por finalidade afastar a ilicitude da conduta do agente. (PromJust.MPE-RO/CESPE/2010) b.2) complementares ou explicativas Têm como função estabelecer os limites do conteúdo de outras normas. Ex. Art. 5º CP. b.3) integrativas São utilizadas para que haja a tipicidade de certos fatos. Ex. Art. 14, II e art. 29 do CP. CARACTERÍSTICAS DA LEI PENAL a) anterioridade - são se aplicam aos crimes antes da criação da lei. b) exclusividade - somente as leis penais podem descrever os crimes e as penas. c) imperatividade - são impostas a todos. d) impessoalidade - não fazem distinção quanto a quem se dirigem. São imparciais. e) generalidade - possuem eficácia erga omnes. NORMAS PENAIS EM BRANCO São aquelas cujo conteúdo é indeterminado, cuja descrição da conduta é incompleta, necessitando de complementação por outra norma. Espécies a) Em sentido lato ou homogêneo quando o complemento é outra lei (ex.: art. 237 CP o complemento está no art. 1521, I a VII do CC).

3 3 b) Em sentido estrito ou heterogêneo quando o complemento é ato infralegal, como portarias, decretos, etc... (ex.: art. 12 da Lei de Tóxicos definição de substância entorpecente está em portaria do Ministério da Saúde). DICA DE CONCURSO: A caracterização de um tipo penal a outro dispositivo legal existente ou futuro chama-se norma penal em branco. (OAB-MG/2001) LEI PENAL COMPLETA E INCOMPLETA a) completa é a que não precisa de nenhum complemento de conteúdo b) incompleta - é a que possui preceito secundário > carece de complemento. DICAS DE CONCURSOS: A lei penal em branco inversa ou ao avesso é aquela em que o preceito primário é completo, mas o secundário reclama complementação, que deve ser realizado obrigatoriamente por uma lei, sob pena de violação ao princípio da reserva legal. (Proc.PGE-PA/2009) O complemento da lei penal em branco em sentido estrito, se possuir caráter regulador, como as tabelas oficiais, segue a regra do artigo 3º do Código Penal, que estabelece a ultratividade das leis temporárias e excepcionais. (Prom.Just.DFT/2005) OBS. (CAPEZ): 1) Normas híbridas, que trazem em seu bojo disposições de natureza penal e processual (ex: art. 366 CPP), prevalece a disposição penal para fins de se verificar se a norma retroage ou não. A norma retroagirá ou não sempre por inteiro. 2) Normas processuais têm aplicabilidade imediata (art. 2º CPP), não importando a data do fato. 3) Normas de regime de cumprimento de pena são sempre penais, pois aumentam ou diminuem o nível de satisfação do Estado na execução da pena. APLICAÇÃO DA LEI PENAL LEI PENAL NO TEMPO: PENAL NO TEMPO Art. 2º Ninguém pode ser punido por fato que lei posterior deixa de considerar crime, cessando em virtude dela a execução e os efeitos penais da sentença condenatória. Parágrafo único - A lei posterior, que de qualquer modo favorecer o agente, aplica-se aos fatos anteriores, ainda que decididos por sentença condenatória transitada em julgado. A regra da irretroatividade prevista no artigo anterior aplica-se somente à lei penal mais severa. Tratando-se de norma penal mais benigna ou benéfica, a regra a ser aplicada é a de retroatividade da lei mais favorável. Isso pode acontecer em duas hipóteses: a) o fato não é mais considerado crime pela nova lei (abolitio criminis) > cessam todos os efeitos penais, principais e acessórios. b) a lei nova, de alguma forma, beneficia o agente (lex mitior). Há possibilidade, conforme expressa disposição legal, de retroatividade ou ultratividade da lei. Retroatividade: a norma jurídica é aplicada a casos ocorridos antes do início de sua vigência. Ultratividade: aplicação da lei após sua revogação. DICAS DE CONCURSOS: Dado o reconhecimento, na CF, do princípio da retroatividade da lei penal mais benéfica como garantia fundamental, o advento de lei penal mais favorável ao acusado impõe sua imediata aplicação, mesmo após o trânsito em julgado da condenação. Todavia, a verificação da lex mitior, no confronto de leis, é feita in concreto, cabendo, conforme a situação, retroatividade da regra nova ou ultra-atividade da norma antiga. (Ofic.Intel.ABIN/CESPE/2010) O dispositivo constitucional que estabelece que a lei não retroagirá, salvo para beneficiar o réu, aplica-se à lei penal e à lei processual penal. (OAB/CESPE/2007.3) Tipos de revogação

4 4 Existem quatro tipos de revogação: Expressa: a nova lei declara que ficam revogadas as normas anteriores que disciplinavam a questão. Tácita: é quando a nova lei é incompatível com a lei anterior, ou quando regula inteiramente o conteúdo de que tratava a lei anterior. Total: é quando a nova lei dispõe inteiramente sobre o conteúdo tratado pela lei anterior. Parcial: quando a nova lei modifica alguns dispositivos tratados pela lei anterior. ATENÇÃO! Não há revogação pelo simples desuso da lei. Solução legal das hipóteses de conflito de leis penais no tempo (espécies de norma penal): a) Novatio legis Incriminadora é a lei que passa a considerar o fato criminoso, não aplica a fato anterior irretroativa face o princípio da legalidade; b) Novatio legis in pejus é a nova lei que prejudica o agente de qualquer modo - a nova lei é mais severa que a anterior irretroativa; c) Novatio legis in mellius é a nova lei que beneficia o agente - retroatividade da lei mais benigna; d) Abolitio Criminis é a nova lei que deixa de considerar o fato como crime. Faz desaparecer todos os efeitos penais da sentença penal condenatória, permanecendo os efeitos cíveis. Haverá extinção da punibilidade nos termos do art. 107, III, do CP. DICAS DE CONCURSOS: Em matéria de Direito Penal, a lei posterior mais severa é irretroativa; a posterior mais benéfica é retroativa; a anterior mais benéfica é ultra-ativa. (OAB-DF/2001). A abolitio criminis configura exceção ao princípio da irretroatividade da lei penal. (Notários/TJ-MS/2009) A abolitio criminis faz cessar a execução da sentença condenatória e todos os efeitos penais decorrentes dessa decisão. (Prom.Just.2002) Lei intermediária: No caso de 03 leis sucessivas, aplica-se a lei mais benigna. DICA DE CONCURSO: Havendo sucessão de leis penais no tempo é aplicável a lei intermediária se ela for a mais favorável. (Proc.MPU/2008) Conflito intertemporal: Se a lei revogada for mais benéfica, aplica-se-a ultrativamente ao fato cometido à sua época. Em caso contrário, sendo mais benéfica a lei revogadora, é esta que deverá ser aplicada retroativamente. DICA DE CONCURSO: A abolitio criminis é fato jurídico extintivo da punibilidade. (Adv.CRF-SP/VUNESP/2009) Lei interpretativa: Há o entendimento dominante de que esta lei não deve ser considerada in pejus, pois está indicando aquilo que deveria estar sendo feito e não criando uma nova ação. Por isso deve ter a liberdade da retroação. Tempo do crime para a fixação da lei aplicável: a) Crimes permanentes: A execução dá-se segundo a lei vigente, sendo ela a mais benigna ou não, pois há a constante renovação da ação e da incidência da lei. b) Crimes continuados: Quando nova lei entra em vigor no momento em que esta em curso uma série de crimes. A nova lei, mesmo in pejus, valerá para todo o evento pelo fato deste poder ter sido interrompido quando na mudança da lei. Competência para aplicação da lei mais benéfica: Cabe ao Juiz que preside o processo ou ao Tribunal, se estiver em recurso. Se em execução, ao Juízo das Execuções Criminais Art. 66, I, da LEP (Lei de Execução Penal).

5 5 LEI EXCEPCIONAL OU TEMPORÁRIA Art. 3º A lei excepcional ou temporária, embora decorrido o período de sua duração ou cessadas as circunstâncias que a determinaram, aplica-se ao fato praticado durante sua vigência. Vigência da Lei O princípio da retroatividade da lei mais benigna não é aplicável em casos de leis excepcionais ou temporárias. Tendo em vista a natureza especial dessas normas, editadas para vigorar apenas em situações anormais ou por tempo determinado, o CP abre exceção, com relação a elas, à regra da retroatividade da lei posterior mais favorável. EXERCÍCIOS 01. (Adv.AGU/CESPE/2009) A respeito da aplicação da lei penal, dos princípios da legalidade e da anterioridade e acerca da lei penal no tempo e no espaço, julgue os seguintes itens 1.[151] Ocorrendo a hipótese de novatio legis in mellius em relação a determinado crime praticado por uma pessoa definitivamente condenada pelo fato, caberá ao juízo da execução, e não ao juízo da condenação, a aplicação da lei mais benigna. 2. [152] O princípio da legalidade, que é desdobrado nos princípios da reserva legal e da anterioridade, não se aplica às medidas de segurança, que não possuem natureza de pena, pois a parte geral do Código Penal apenas se refere aos crimes e contravenções penais. 3. [153] A lei processual penal não se submete ao princípio da retroatividade in mellius, devendo ter incidência imediata sobre todos os processos em andamento, independentemente de o crime haver sido cometido antes ou depois de sua vigência ou de a inovação ser mais benéfica ou prejudicial. 02. (Tec.Adm.MPU/FCC/2007) Dispõe o artigo 1º do Código Penal: Não há crime sem lei anterior que o defina. Não há pena sem prévia cominação legal. Tal dispositivo legal consagra o princípio da: a) ampla defesa b) legalidade c) presunção de inocência d) dignidade e) isonomia DO CRIME O Direito brasileiro comporta dois tipos de infrações penais: a) as contravenções; e b) os crimes. Crime e contravenção são espécies do gênero infração penal. Essas espécies, por sua vez, não possuem diferenças significativas entre si, cabendo ao legislador a qualificação de determinado fato como crime ou como contravenção. A distinção entre crimes contravenções reside na maior ou menor gravidade com que a lei vê tais condutas, denominando contravenções as mais leves e crimes as mais graves. Tanto os crimes como as contravenções são comportamentos que infringem mandamentos legais, que contém como sanção, a imposição de pena 1. O art. 1º da Lei de Introdução ao Código Penal (Decreto-Lei nº 3.914/41) assim os definiu: Art. 1º. Considera-se crime a infração penal que a lei comina pena de reclusão ou de detenção, quer isoladamente, quer alternativa ou cumulativamente com a pena de multa; contravenção, a infração penal a que a lei comina, isoladamente, pena de prisão simples ou de multa, ou ambas, alternativa ou cumulativamente. Em relação às penas cominadas, geralmente as contravenções tem previsão de multa e prisão simples. 1 Pena é a sanção imposta pelo Estado ao autor de uma infração penal (crime ou contravenção).

6 Os crimes, por sua vez, preveem multa, detenção ou reclusão. Mas esse critério não é absoluto, ou seja, a natureza da pena não tem influência sobre a natureza do delito, para caracteriza-lo como crime ou contravenção. Todas as contravenções possuem pena máxima igual ou inferior a um ano, portanto serão sempre julgados pelo Juizado Especial, que é competente 2 para julgar não só todas as contravenções, mas todos os delitos considerados de menor potencial ofensivo, isto e, com pena máxima igual ou inferior a 2 anos, dentre os quais se incluem também as contravenções. Art. 61. Consideram-se infrações penais de menor potencial ofensivo, para os efeitos desta Lei, as contravenções penais e os crimes a que a lei comine pena máxima não superior a dois anos, cumulada ou não com multa. (Art. 91, Lei 9.099/95). Assim, crimes propriamente dito são os a lei comina pena multa, de reclusão ou de detenção. Portanto, não confunda!! - contravenções estão na LCP Lei de Contravenções Penais; - crimes de menor potencial ofensivo, dos quais as contravenções também são espécies, pois possuem penas inferiores a 2 anos, encontram-se esparsos, sem um estatuto definido. Ex. Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia. 6 Fonte: Aulas de Direito Penal, p.155. Paulo M.Galvão, Ed. Método/2010. CONCEITO DE CRIME Para que haja crime é preciso, em primeiro lugar, uma conduta humana positiva ou negativa (ação ou omissão). Mas nem todo comportamento do homem constitui delito. Em face do princípio da reserva legal, somente os descritos pela lei penal podem assim ser considerados. Portanto, por exemplo, a subtração de coisa com a simples intenção de usá-la (furto de uso) é fato irrelevante para a nossa legislação penal, pois não se enquadra na norma penal incriminadora do art Falta-lhe o fim de assenhoreamento definitivo contido na expressão para si ou para outrem do tipo. Sem ele o fato não se ajusta à norma. É atípico. Dessa forma, somente o fato típico, isto é, o fato que se amolda ao conjunto de elementos descritivos do crime contido na lei, é penalmente relevante. Não basta, porém, que o fato seja típico para que exista crime. É preciso que seja contrário ao direito, antijurídico. Assim, não obstante enquadradas em normais penais incriminadoras, tornando-se fatos típicos, não ensejam a aplicação de sanção. Ex.: A, em legítima defesa, atira em B, matando-o. O fato se enquadra na descrição legal do homicídio: é típico. Mas não basta seja típico, necessita também ser contrário à ordem jurídica. No caso, concorre uma causa de exclusão da antijuridicidade. Ora, excluída a antijuridicidade, não há crime. Doutrinariamente, crime é definido como fato típico 3 e antijurídico(ilicitude). Trata-se do conceito bipartido. Porem, para aplicação da pena, conforme leciona Maximiliano 4, é necessário que o fato, além de típico e antijurídico, seja também culpável. Trata-se do conceito tripartido. Assim, o crime pode ser conceituado sob os seguintes aspectos: Conceito Formal: crime é toda conduta que atente, colida frontalmente contra a lei penal editada pelo Estado (poderá, no entanto, haver uma causa de exclusão de ilicitude). É todo fato humana proibido pela lei penal (Bettiol) Conceito Material (substancial): crime é a conduta humana que viola bens jurídicos mais importantes (pelo princípio da intervenção mínima, nem todos os bens são tutelados pela Direito Penal). Conceito Analíticos - dogmático ou formal analítico (Teoria tripartida): Crime é um fato típico, antijurídico e culpável. A função do conceito analítico é a de analisar todos os elementos ou características que integram o conceito de infração penal sem que com isso se queira 2 Súmula 38 do STJ - Compete à Justiça Estadual Comum, na vigência da Constituição de 1988, o processo por contravenção penal, ainda que praticada em detrimento de bens, serviços ou interesse da União ou de suas entidades. 3 FATO TÍPICO é o comportamento humano descrito em lei como crime ou contravenção. 4 Resumo de Direito Penal, Malheiros 2009.

7 fragmentá-lo. Ou o agente comete um delito ou o fato por ele praticado será considerado um indiferente penal. > Enfoca os elementos ou requisitos do crime. 7 Conceito de crime pela teoria finalista: Resulta que são características do crime sob o aspecto formal: 1) o fato típico + 2) a antijuridicidade. Assim, presente um fato típico e antijurídico (tipicidade + antijuridicidade), teremos um crime, segundo a Teoria Finalista da ação, adotada pelo Código Penal Brasileiro. A culpabilidade, adotada a teoria finalista da ação, não é elemento conceitual de crime e sim pressuposto para a aplicação de pena. DICA DE CONCURSOS. Adotada a teoria finalista da ação, a culpa e o dolo integram a tipicidade. (Anal.MPE- SE/FCC/2009). Conceito de crime pela teoria clássica (causal ou naturalista): De acordo com a Teoria Clássica da Ação, crime é um fato típico, antijurídico e culpável. Portanto, estruturalmente, o crime é composto dos seguintes elementos: 1) fato típico + 2) antijuridicidade (ou ilicitude) + 3) culpabilidade. ATENÇÃO: A maioria dos doutrinadores adota a Teoria Clássica (tipicidade + antijuridicidade + culpabilidade) para conceituar crime. O legislador, todavia, quando da reforma do Código Penal (Parte Geral), veio a adotar a Teoria Finalista (somente tipicidade + antijuridicidade). SUJEITOS DO CRIME Sujeito Ativo: o criminoso, o agente ou delinquente, a pessoa que pratica a conduta 5. O Código Penal utiliza a expressão agente. No inquérito chama-se indiciado, no processo, acusado ou querelado, após a sentença, condenado, e no Código Penal, repita-se, o nome é agente. Somente o ser humano, isoladamente ou associado a outros, possui capacidade 67 para delinquir (autoria ou co-autoria). Observa-se, no entanto, que a CF, art. 173, art. 5º, admitiu a responsabilidade penal da pessoa jurídica nos crimes contra a ordem econômica e financeira e contra a economia popular e no art. 225, 3º, nos crimes contra o meio ambiente. Assim, a pessoa jurídica também pode ser sujeito ativo de infração nesses crimes. Sujeito Passivo: é a vítima, a pessoa que experimenta o crime; é a pessoa que sofre a conduta criminosa. Tem-se, como regra geral, que a vítima de todos os crimes é o Estado, porque é esse quem sustenta o processo, encarcera o criminoso, condena-o e, eventualmente, reembolsa a vítima. Podemos distinguir o sujeito passivo sob dos aspectos: a) formal, geral ou constante - é o titular do mandamento proibitivo não observado pelo sujeito ativo. Ou seja, o Estado. b) material, eventual, particular ou acidental - é aquele que sofre a lesão do bem jurídico, ou seja, o homem, o Estado, a pessoa jurídica e a coletividade. ATENÇÃO!! Os crimes em que os sujeitos passivos são coletividades destituídas de personalidade jurídica, como a família, o público ou a sociedade, são denominados vago. OBJETOS DO CRIME Objeto Jurídico: trata-se do bem que a lei protege; é o que foi tutelado 8 pela Lei Penal. Objeto Material: é a coisa onde recai a conduta criminosa, é a matéria, é a base sobre a qual o criminoso age. É o que sofre o crime: o corpo, no homicídio; a carteira, no patrimônio; a honra, na injúria etc. Exs.: No crime de homicídio: o objeto material é o corpo; objeto jurídico é a vida. 5 Entende-se como conduta a ação ou omissão do agente. 6 Capacidade penal: É o conjunto de condições exigidas para que um sujeito possa se tornar titular de direitos ou obrigações no campo do direito penal. 7 Doentes mentais, desde que maiores de dezoito anos de idade, têm capacidade penal ativa.(delg.pol.rn/cespe/2009). 8 Tutela: ação de vigiar, proteger, defender.

8 8 No crime de difamação: o objeto material é a imagem pública; o objeto jurídico é a honra. No crime de furto: o objeto material é a coisa subtraída; o objeto jurídico é o patrimônio. ATENÇÃO!! Os mortos, animais e entes inanimados podem ser objetos ou instrumentos do crime (ex: sujeito que treina cão para matar alguém. O cão é instrumento do crime, e não sujeito ativo). ATENÇÃO!! Não há possibilidade de, ao mesmo tempo, uma pessoa ser sujeito ativo e passivo. O ser humano não comete crime contra si mesmo. As condutas ofensivas contra sua própria pessoa, se definidas como crime, lesam interesses jurídicos de outras pessoas. O suicídio não é crime (somente sua instigação ou auxílio - art CP); na auto-lesão a vítima é a seguradora (crime de fraude contra seguro); quem pratica auto-mutilação para se subtrair do serviço militar, ofende o Estado; no incêndio, é a incolumidade pública; na auto-acusação falsa, é o Estado. ELEMENTOS OBJETIVOS E SUBJETIVOS 9 Elementos Objetivos São os que se referem à materialidade da infração penal forma de execução, tempo, lugar, etc. Elementos Subjetivos? CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DOS CRIMES ATENÇÃO!!! É comum as bancas examinadoras cobrarem questões sobre a classificação dos crimes. Portanto, é de fundamental importância o estudo e aprendizado dessa classificação. Quanto ao resultado: a) materiais são aqueles em que a lei descreve a conduta do agente e o seu resultado (efeito natural) que consuma o crime, necessitando de um resultado externo à ação. Ex: no homicídio (morte); furto e roubo (subtração) etc. FATO TÍPICO: Já foi visto que o crime é um fato típico e antijurídico. Para que se possa afirmar que o fato concreto tem tipicidade, é necessário que ele se contenha perfeitamente na descrição legal, ou seja, que haja perfeita adequação do fato concreto ao tipo penal. Deve-se, por isso, verificar de que se compõe o fato típico. Conceito de fato típico: É o fato advindo de um comportamento humano que se amolda ao tipo penal, infringindo-o. DICA DE CONCURSO: Fato típico é o comportamento humano descrito em lei como crime ou contravenção. (Tec.MPE- SE/FCC/2009) Elementos do fato típico: O fato típico é composto pelo(a) 1) conduta do agente (dolosa ou culposa, comissiva ou omissiva) 2) resultado naturalístico 3) nexo de causalidade (ou relação de casualidade) 4) tipicidade penal (formal + material). Exemplificando: Sujeito A intencionalmente desfere golpes de faca (conduta) em B que vem a falecer (resultado naturalístico), em virtude da conduta de A, a qual se amolda perfeitamente ao modelo em lei art. 121 do Código Penal (tipicidade). O nexo causal ou relação de causalidade é o elo que liga a conduta do agente 9 FONTE: Alexandre José Granzotto.

9 9 com o resultado produzido, e, portanto o resultado será imputado ao agente que lhe deu causa, logo A responderá pelo resultado (morte de B). ATENÇÃO!! Caso um desses 4 elementos (conduta, resultado, nexo causal e tipicidade) esteja ausente na conduta, não haverá fato típico e, consequentemente, não existirá crime. DICA DE CONCURSO: Para haver fato típico é indispensável a existência de relação de causalidade entre a conduta e o resultado. (Anal.Jud.TRE-MS/FCC/2007) 1) CONDUTA É ação ou omissão humana, voluntária e consciente, dolosa ou culposa, dirigida a um fim. Elementos da conduta Do conceito de conduta, extrai-se que seus elementos são: a) vontade b) finalidade c) exteriorização d) consciência Ausência de conduta a) ato reflexo b) coação física irresistível c) ataque epilético d) sonambulismo. Formas de conduta comissiva e omissiva. TIPO PENAL É a norma que descreve a conduta proibida. O tipo penal serve-se de ELEMENTARES e CIRCUNSTÂNCIAS. Elementares do tipo: São componentes fundamentais da figura típica sem os quais o crime não existe. Espécies de elementares ou elementos Podemos classificar os elementos do tipo penal da seguinte maneira: 1. Objetivos - referem-se ao aspecto material do fato. 1.1 Descritivos Referentes à ilicitude, ao injusto ou a alguma norma estabelecida. Descrevem os aspectos materiais da conduta, como objetos do crime, lugar, meios empregados, o núcleo do tipo (verbo), etc. São aqueles que independem de juízo de valor, existem concretamente no mundo (ex.: mulher, coisa móvel, filho etc.). 1.2 Normativos - são os elementos do tipo que exigem, do operador do direito, a formulação de um juízo de valoração normativa, no âmbito da própria verificação da tipicidade, já no primeiro momento do crime, o fato típico. Existem duas espécies de elementos normativo: - elemento normativo jurídico: é aquele que depende de interpretação jurídica (ex.: funcionário público, documento etc.) - elemento normativo extrajurídico ou moral: é aquele que depende de interpretação não jurídica (ex.: mulher honesta ). 2. Subjetivos = especial fim de agir - referem-se às intenções do agente (dolo) e, a priori e sub censura, a sua falta de cuidado (culpa).

10 10 Circunstâncias do tipo: São todos os dados acessórios da figura típica, cuja ausência não a elimina. Influenciam na aplicação da pena. EXERCÍCIOS 01. (OAB/MG/2007) São elementos do fato típico culposo, exceto: a) Conduta humana voluntária. b) Previsibilidade objetiva. c) Nexo de causalidade. d) Consciência da conduta e do resultado. 02. (OAB/MG/2004) Os elementos normativos do tipo são aqueles que a) dispensam valor para a apreensão do seu significado. b) quando inserido no tipo, reforçam a garantia do princípio da reserva legal. c) exigem uma especial valoração para a apreensão do seu significado. d) não se encontram previstos na legislação penal brasileira. 5. CAUSAS DE EXCLUSÃO DA ILICITUDE Não excluem a tipicidade, mas é conduta típica justificada. Heleno Fragoso classifica as causas de exclusão da ilicitude em três grandes grupos: a) causas que defluem de situação de necessidade (legítima defesa e estado de necessidade); b) causas que defluem da atuação do direito (exercício regular do direito, estrito cumprimento do dever legal); e c) causas que deflui de situação de ausência de interesse (consentimento do ofendido). Segundo a doutrina tradicional, as causas de exclusão de ilicitude podem ser de duas formas a saber: 1) Causas legais são as previstas em lei: legítima defesa, estado de necessidade, exercício regular do direito e estrito cumprimento do dever legal; 2) Causas supralegais são aquelas que, embora não previstas em lei são admitidas pro meio do consentimento do ofendido. 5.1 CAUSAS LEGAIS DE EXCLUSÃO DA ANTIJURIDICIDADE:... EXERCÍCIOS 01. (Anal.Jud.TRE-MA/CESPE/2009) Em relação aos institutos de direito penal, assinale a opção correta. a) Tentativa imperfeita ocorre quando o agente pratica todos os atos de execução, mas não chega a atingir a vítima. b) A desistência voluntária e o arrependimento eficaz provocam a exclusão da adequação típica indireta, respondendo o autor pelos atos até então praticados e, não, pela tentativa. c) Ocorrendo erro de tipo essencial escusável que recaia sobre elementar do crime, exclui-se o dolo do agente, que responde, no entanto, pelo delito na modalidade culposa, se previsto em lei. d) Pela teoria da acessoriedade limitada, o partícipe somente responde pelo crime se o fato principal for típico e ilícito, e o autor, culpável. e) Ainda que favoráveis as circunstâncias judiciais, é inadmissível a adoção do regime prisional semiaberto aos reincidentes condenados à pena privativa de liberdade igual ou inferior a quatro anos. 02. (Fisc.Trib.PM RioBranco/CESPE/2007) Julgue os itens que se seguem, acerca da licitude de condutas 1 [98] O Código Penal brasileiro previu as hipóteses de exclusão da ilicitude de condutas praticadas pelo agente e as restringiu ao seguinte universo: legítima defesa, estado de necessidade, estrito cumprimento do dever legal e exercício regular de direito. 2 [99] A legítima defesa ocorre quando, por exemplo, um atleta lesiona outro durante a prática de uma competição esportiva, ainda que dentro das regras previstas para o combate.

11 11 3 [100] Quando um agente pratica uma conduta típica, a regra é a de que essa conduta também é antijurídica ou ilícita, contudo, há ações típicas que se apresentam perante o direito como ações lícitas.... DA CULPABILIDADE 1. INTRODUÇÃO O crime é um fato típico, antijurídico e culpável. O fato típico está caracterizado pela subsunção do ato concreto ao ordenamento jurídico penal. A antijuridicidade é caracterizada por ser determinada conduta contrária ao Direito. A culpabilidade é o juízo de reprovação que a conduta humana provoca no ambiente da coletividade, que somada às características da tipicidade e antijuridicidade caracterizam o crime. Assim, do ponto de vista jurídico o delito é toda conduta humana que o legislador tornou merecedora de uma sanção. Contudo, como previsão constitucional não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal, consubstanciando o Estado Brasileiro como um Estado Democrático de Direito. 2. DEFINIÇÃO DE CULPABILIDADE Segundo Fernando Capez A culpabilidade é a possibilidade de se considerar alguém culpado pela prática de uma infração penal. Por essa razão, costuma ser definida como juízo de censurabilidade e reprovação exercido sobre alguém que praticou um fato típico e ilícito. Não se trata de elemento do crime, mas pressuposto para imposição de pena, porque, sendo um juízo de valor sobre o autor de uma infração penal, não se concebe possa, ao mesmo tempo, estar dentro do crime, como seu elemento, e fora, como juízo externo de valor do agente. Para censurar quem cometeu um crime, a culpabilidade deve estar necessariamente fora dele. É, pois, o liame subjetivo entre o autor e o resultado; é o pressuposto da imposição da pena. 3. DIFERENÇA ENTRE CULPABILIDADE E IMPUTABILIDADE Imputabilidade diz respeito exclusivamente ao sujeito, sendo dele um atributo. Já culpabilidade (com ou sem dolo) se refere às relações desse sujeito com a ação ou acontecimento em tais e quais circunstâncias. 4. CULPABILIDADE COMO PRESSUPOSTO DA PENA A culpabilidade, tido como componente do crime pelos doutrinadores causalistas, é conceituada pela Teoria Finalista como o grau de reprovabilidade da conduta que liga o homem ao fato típico e antijurídico. É, em última análise, a contradição entre a vontade do agente e a vontade da norma (valoração social Dessa forma, dolo e culpa não podem integrar o elemento da culpabilidade, porque são partes do fato típico. De acordo com a própria Teoria Finalista, dolo e culpa são elementos psicológicos que assumem a conduta, ligando o agente ao seu fato. Dolo e culpa não são, portanto, a causa de reprovabilidade da conduta. Não fazem parte do conceito de Culpabilidade ELEMENTOS (REQUISITOS) DA CULPABILIDADE Código Penal adotou a teoria normativa pura, segundo a qual são seus pressupostos: a) Imputabilidade (arts. 26, 27 e 28) É a capacidade psíquica que o agente possui para entender o que a lei determina, e agindo ele de forma diversa a lei, sofrerá uma sanção, anotada na própria lei. b) Potencial consciência da ilicitude ou antijuridicidade (art. 21 Erro de proibição) A sanção penal só poderá ser corretamente aplicada ao indivíduo imputável que no momento / local da prática da conduta tinha a possibilidade de entender que seu ato era ilícito. c) Exigibilidade de conduta diversa (art. 22 Coação moral irresistível e Obediência hierárquica) Somente se pune o agente, se no momento em que ele praticou o ato existia outra forma, manifestamente licita, de, o praticar. 7. CAUSAS DE EXCLUSÃO DA CULPABILIDADE

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 80 h/a Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

LEI PENAL X NORMA PENAL VIGÊNCIA A PERSECUÇÃO PENAL. -A persecução penal no Brasil é dividia em 5 fases: LEIS PENAIS INCOMPLETAS

LEI PENAL X NORMA PENAL VIGÊNCIA A PERSECUÇÃO PENAL. -A persecução penal no Brasil é dividia em 5 fases: LEIS PENAIS INCOMPLETAS 1 DIREITO PENAL PONTO 1: LEI PENAL X NORMA PENAL PONTO 2: VIGÊNCIA PONTO 3: FASES DA PERSECUÇÃO PENAL PONTO 4: LEIS PENAIS INCOMPLETAS PONTO 5: APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO PONTO 6: LEIS INTERMINTENTES

Leia mais

Capítulo 1 Notas Preliminares...1

Capítulo 1 Notas Preliminares...1 S u m á r i o Capítulo 1 Notas Preliminares...1 1. Introdução... 1 2. Finalidade do Direito Penal... 2 3. A Seleção dos Bens Jurídico-Penais... 4 4. Códigos Penais do Brasil... 5 5. Direito Penal Objetivo

Leia mais

1. PRINCÍPIOS. 2. NORMAS PENAIS.

1. PRINCÍPIOS. 2. NORMAS PENAIS. 1. PRINCÍPIOS. Princípio da Legalidade: os tipos penais só podem ser criados através de lei em sentido estrito. Princípio da Anterioridade: a lei penal só pode ser aplicada quando tem origem ANTES da conduta

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 3 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PENAL I (1ª PARTE- TEORIA DO CRIME) NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Ciências Penais,

Leia mais

Desenvolver as habilidades essenciais para uma verdadeira formação profissional do Bacharel em Direito.

Desenvolver as habilidades essenciais para uma verdadeira formação profissional do Bacharel em Direito. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-09 PERÍODO: 3 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PENAL I NOME DO CURSO: DIREITO CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 2. EMENTA Introdução:

Leia mais

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES Perguntas/Respostas alunos Módulo 2 Seguem abaixo as respostas aos questionamentos elaborados pelos alunos. Bons estudos! PERGUNTA 1 Aluna: Talita Késsia Andrade

Leia mais

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões Teoria Geral do Delito 05 questões 1 - ( Prova: CESPE - 2009 - Polícia Federal - Agente Federal da Polícia Federal / Direito Penal / Tipicidade; Teoria Geral do Delito; Conceito de crime; Crime impossível;

Leia mais

Exercícios de fixação

Exercícios de fixação 1. (UFMT) As infrações penais se dividem em crimes e contravenções. Os crimes estão descritos: a) na parte especial do Código Penal e na Lei de Contravenção Penal. b) na parte geral do Código Penal. c)

Leia mais

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico.

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico. ANTIJURIDICIDADE 1 - Crime 1.1 - Conceito Clássico: fato típico, antijurídico e culpável. 1.2 - Conceito segundo o Finalismo: fato típico e antijurídico. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista

Leia mais

1 Conflito de leis penais no tempo.

1 Conflito de leis penais no tempo. 1 Conflito de leis penais no tempo. Sempre que entra em vigor uma lei penal, temos que verificar se ela é benéfica ( Lex mitior ) ou gravosa ( Lex gravior ). Lei benéfica retroage alcança a coisa julgada

Leia mais

Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas.

Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas. CONCURSO DE PESSOAS Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas. Nos crimes unisubjetivos o concurso

Leia mais

Chamamos esses fenômenos jurídicos de ultratividade da lei penal e retroatividade

Chamamos esses fenômenos jurídicos de ultratividade da lei penal e retroatividade Conceito A lei penal, quanto à sua obrigatoriedade e efetiva vigência, está subordinada às mesmas regras que disciplinam as leis em geral: publicação oficial no Diário Oficial e decurso de eventual prazo

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) Reforma o Código Penal Brasileiro. Código Penal. O CONGRESSO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: TEORIA GERAL DO DIREITO PENAL (D-11) Área: Ciências Sociais Período: Segundo Turno: matutino/noturno Ano: 2013-1 Carga Horária: 72 H; Créd.: 04

Leia mais

(E) contra a vida ou a liberdade do Presidente da República. II. Da Aplicação da Lei Penal. 1. (Delegado PC-MA FCC) Tem efeito retroativo a lei que

(E) contra a vida ou a liberdade do Presidente da República. II. Da Aplicação da Lei Penal. 1. (Delegado PC-MA FCC) Tem efeito retroativo a lei que II. Da Aplicação da Lei Penal 1. (Delegado PC-MA FCC) Tem efeito retroativo a lei que (A) elimina circunstância atenuante prevista na lei anterior. (B) comina pena mais grave, mantendo a definição do crime

Leia mais

Aula de Direito Penal. 2015.02. Professor Jomar Sarkis. Teoria do Crime. Conteúdo programático.

Aula de Direito Penal. 2015.02. Professor Jomar Sarkis. Teoria do Crime. Conteúdo programático. Aula de Direito Penal. 2015.02 Professor Jomar Sarkis. Teoria do Crime. Conteúdo programático. Conceito analítico do crime. A teoria bipartida e tripartida do crime. Crime é uma conduta típica, ilícita

Leia mais

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas DIREITO PENAL Prof. Marcelo André de Azevedo TEORIA GERAL DO CRIME INTRODUÇÃO TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA RESULTADO NEXO DE CAUSALIDADE CONDUTA TEORIAS a) causal b) causal valorativa (neoclássica)

Leia mais

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO PRESCRIÇÃO Professor Márcio Widal 1. Introdução. A perseguição do crime pelo Estado não pode ser ilimitada no tempo, por força, inclusive, da garantia da presunção de inocência. Além disso, o Estado deve

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal I Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º ano Docente Responsável: Prof.

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO E NO

Leia mais

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Prof. Sandro Caldeira Prezado(a) aluno(a), Na nossa primeira aula abordamos um roteiro de teses defensivas que iremos treinar durante

Leia mais

TCU ACE 2008 DIREITO PENAL Prof. Dicler Forestieri

TCU ACE 2008 DIREITO PENAL Prof. Dicler Forestieri Caros concurseiros, é com imensa satisfação que hoje trago os comentários da prova de Direito Penal do cargo de Analista de Controle Externo do TCU, aplicada pelo CESPE/UnB no último fim de semana. Tenha

Leia mais

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO

CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 PLANO DE ENSINO CURSO: DIREITO NOTURNO - CAMPO BELO SEMESTRE: 2 ANO: 2015 C/H: 67 AULAS: 80 DISCIPLINA: DIREITO PENAL I PLANO DE ENSINO OBJETIVOS: * Compreender as normas e princípios gerais previstos na parte do Código

Leia mais

Direito Penal Emerson Castelo Branco

Direito Penal Emerson Castelo Branco Direito Penal Emerson Castelo Branco 2014 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO PENAL CONCEITO DE CRIME a) material: Todo fato humano que lesa ou expõe a perigo

Leia mais

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE RETROATIVIDADE DA LEI QUE NÃO MAIS CONSIDERA O FATO COMO CRIMINOSO ART. 107, III ABOLITIO CRIMINIS O CRIME É APAGADO CONSIDERA-SE INEXISTENTE PRESCRIÇÃO ART. 107, IV CP PRESCRIÇÃO LIMITAÇÃO TEMPORAL DO

Leia mais

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29

Sumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 XXSumário NOTA DO AUTOR... 23 PARTE 1 FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL 1 INTRODUÇÃO... 29 1. Conceito de direito penal... 29 1.1. Relação entre Direito Penal e Direito Processual Penal... 32 1.2. Conceito

Leia mais

DICAS DE DIREITO PENAL. Parte Geral. - art. 5º, XXXIX, XL, XLII, XLIII, XLIV, XLV, XLVI, XLVII, CF

DICAS DE DIREITO PENAL. Parte Geral. - art. 5º, XXXIX, XL, XLII, XLIII, XLIV, XLV, XLVI, XLVII, CF DICAS DE DIREITO PENAL Parte Geral - art. 5º, XXXIX, XL, XLII, XLIII, XLIV, XLV, XLVI, XLVII, CF - diferenciar meios de INTERPRETAÇÃO da lei penal e MEIOS DE INTEGRAÇÃO da lei penal - princípio da legalidade

Leia mais

DIREITO PENAL MILITAR

DIREITO PENAL MILITAR DIREITO PENAL MILITAR Objetivos: Definir direito penal e direito penal militar; Distinguir direito penal militar das demais denominações do direito e dos demais direitos e ciências afins; Distinguir lei

Leia mais

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal Pedro Melo Pouchain Ribeiro Procurador da Fazenda Nacional. Especialista em Direito Tributário. Pósgraduando em Ciências Penais

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. QUESTÕES DE DIREITO PENAL Aplicação da Lei Penal: princípios da legalidade e da anterioridade; a lei penal no tempo e no espaço;

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal III Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 4º ano Docente Responsável: Gustavo

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 4h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

Fonte significa a origem de algo. Fonte do Direito Penal significa a origem do direito penal (como surge, como nasce o direito penal).

Fonte significa a origem de algo. Fonte do Direito Penal significa a origem do direito penal (como surge, como nasce o direito penal). NOÇÕES GERAIS Antes de entrarmos no estudo das principais questões sobre o Direito Penal, é necessário conhecermos algumas noções básicas desse ramo do direito, que são imprescindíveis para a correta compreensão

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Gilberto, quando primário, apesar de portador de maus antecedentes, praticou um crime de roubo simples, pois, quando tinha 20 anos de idade, subtraiu de Renata, mediante

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 2ª Fase OAB/FGV Aula 07 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a vida; ; Homicídio simples Art. 121 CP. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte

Leia mais

PONTO 1: Aplicação da Lei Penal no Tempo PONTO 2: Lei Processual Penal PONTO 3: Tempo do crime 1) APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO:

PONTO 1: Aplicação da Lei Penal no Tempo PONTO 2: Lei Processual Penal PONTO 3: Tempo do crime 1) APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO: 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Aplicação da Lei Penal no Tempo PONTO 2: Lei Processual Penal PONTO 3: Tempo do crime 1) APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO: Conflitos de Leis Penais no tempo: Direito intertemporal,

Leia mais

ESTUDOS DE DIREITO PENAL AVANÇADO TEORIA GERAL DO CRIME

ESTUDOS DE DIREITO PENAL AVANÇADO TEORIA GERAL DO CRIME TEORIA GERAL DO CRIME Davi André Costa Silva Neste módulo CAUSAS DE EXCLUSÃO DO CRIME Estrutura do crime na teoria finalista Crime Fato típico Conduta (objetiva e subjetiva) resultado naturalístico nexo

Leia mais

SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL 1. Direito penal 1.1. Conceito de Direito Penal 1.2. Denominação 1.3. Taxonomia 1.4.

SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL 1. Direito penal 1.1. Conceito de Direito Penal 1.2. Denominação 1.3. Taxonomia 1.4. SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL 1. Direito penal 1.1. Conceito de Direito Penal 1.2. Denominação 1.3. Taxonomia 1.4. Dogmática penal, criminologia e política criminal 1.5. Direito Penal objetivo

Leia mais

Prof. José Nabuco Filho. Direito Penal

Prof. José Nabuco Filho. Direito Penal Direito Penal 1. Apresentação José Nabuco Filho: Advogado criminalista em São Paulo, mestre em Direito Penal 1 (UNIMEP), professor de Direito Penal desde 2000. Na Universidade São Judas Tadeu, desde 2011,

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

2. Regras do conflito de leis no tempo 2.1. Abolitio criminis descriminalização de condutas (Artigo 2º do

2. Regras do conflito de leis no tempo 2.1. Abolitio criminis descriminalização de condutas (Artigo 2º do Capítulo II Aplicação da Lei Penal Militar Sumário 1. Aplicação da lei penal militar no tempo 2. Regras do conflito de leis no tempo: 2.1. Abolitio criminis: descriminalização de condutas (Artigo 2º do

Leia mais

Sumário ÍNDICE DE PERGUNTAS... 21

Sumário ÍNDICE DE PERGUNTAS... 21 Sumário Sumário ÍNDICE DE PERGUNTAS... 21 Prefácio de um Amigo-Editor a um Amigo-Autor... 25 PARTE 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO PENAL CAPÍTULO 1 NOÇÕES GERAIS DE DIREITO PENAL... 29 1. Definição... 29 2. Direito

Leia mais

CRIMES DE INFORMÁTICA. Introdução. O QUE É CRIME - Toda conduta humana (ação ou omissão) - típica, - antijurídica e - culpável.

CRIMES DE INFORMÁTICA. Introdução. O QUE É CRIME - Toda conduta humana (ação ou omissão) - típica, - antijurídica e - culpável. CRIMES DE INFORMÁTICA Introdução O QUE É CRIME - Toda conduta humana (ação ou omissão) - típica, - antijurídica e - culpável Introdução O QUE É CRIME - Tipicidade: perfeito enquadramento da conduta ao

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL ENUNCIADO Gilberto, quando primário, apesar de portador de maus antecedentes, praticou um crime de roubo simples, pois, quando tinha 20 anos de idade, subtraiu de

Leia mais

PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito. 3) Espécies de concursos de crimes:

PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito. 3) Espécies de concursos de crimes: 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito 3) Espécies de concursos de crimes 4) Natureza Jurídica 5) Sistemas de aplicação da pena 6) Concurso Material ou Real 7) Concurso

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará Cacildo Baptista Palhares Júnior: advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará 21. Para formação do nexo de causalidade, no

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 2ª ª- DIREITO PENAL III LEGISLAÇÃO ESPECIAL 2ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 DIREITO PENAL TEORIA DO CRIME 2 Teoria do crime INFRAÇÃO PENAL; Critério bipartido; Art. 1 da LICP Crime é infração penal

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) Identificação Disciplina Direito Penal II - NOTURNO Carga horária

Leia mais

As penas. Efeitos da condenação. Reabilitação. Medidas de segurança. Ação penal. Extinção da punibilidade.

As penas. Efeitos da condenação. Reabilitação. Medidas de segurança. Ação penal. Extinção da punibilidade. Programa de DIREITO PENAL II 3º período: 80h/a Aula: Teórica EMENTA As penas. Efeitos da condenação. Reabilitação. Medidas de segurança. Ação penal. Extinção da punibilidade. OBJETIVOS Habilitar o futuro

Leia mais

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Fato típico é o primeiro substrato do crime (Giuseppe Bettiol italiano) conceito analítico (fato típico dentro da estrutura do crime). Qual o conceito material

Leia mais

PONTO 1: Crime, Delito e Contravenção PONTO 2: Conceito de Crime

PONTO 1: Crime, Delito e Contravenção PONTO 2: Conceito de Crime PONTO 1: Crime, Delito e Contravenção PONTO 2: Conceito de Crime DIREITO PENAL PONTO 3: Fato Típico PONTO 4: Conduta PONTO 5: Do Resultado PONTO 6: Nexo Causal ou relação de Causalidade TEORIA GERAL DO

Leia mais

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL. Nomen juris: a Lei nº 12.978/2014 alterou o nome

Leia mais

DIREITO PENAL I 1ª QUESTÃO: Assinale a opção INCORRETA:

DIREITO PENAL I 1ª QUESTÃO: Assinale a opção INCORRETA: DIREITO PENAL I 1ª QUESTÃO: a) Ninguém pode ser punido por fato que lei posterior deixa de considerar crime, cessando em virtude dela a execução e os efeitos penais da sentença condenatória. b) A função

Leia mais

Capítulo II Princípios penais e político-criminais

Capítulo II Princípios penais e político-criminais Capítulo II Princípios penais e político-criminais Sumário 1. Princípio da legalidade penal: 1.1. Previsão; 1.2. Origem; 1.3. Denominação e alcance; 1.4. Funções 2. Princípio da fragmentariedade 3. Princípio

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1.1 FUNÇÕES DO TIPO: a) Função garantidora : 1. TEORIA DA TIPICIDADE b) Função

Leia mais

CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável

CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável 1. O FATO TÍPICO 1 CRIME = FATO TÍPICO + Antijurídico + Culpável Elementos do FATO TÍPICO: FATO TÍPICO 1) CONDUTA DOLOSA OU CULPOSA Conceito: É fato material que se amolda perfeitamente aos elementos constantes

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Penal Professor Patrícia Vanzolini Data: 31/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Penal Professor Patrícia Vanzolini Data: 31/07/2009 9ª Aula: Parte Especial: Homicídio, Infanticídio, Participação no Suicídio, Aborto e Lesão Corporal. 1. HOMICIDIO 1. Homicídio simples: Caput pena de 6 a 20 anos de reclusão. É crime hediondo? Não, salvo

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7:

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1. CONCURSO DE CRIMES 1.1 DISTINÇÃO: * CONCURSO

Leia mais

Funções: 1ª) Proteção aos bens jurídicos. Bens Jurídicos são os interesses, os valores protegidos pela norma penal; 2ª) Manutenção da paz social.

Funções: 1ª) Proteção aos bens jurídicos. Bens Jurídicos são os interesses, os valores protegidos pela norma penal; 2ª) Manutenção da paz social. DIREITO PENAL O Direito Penal é o conjunto de princípios e normas que disciplinam o crime, as contravenções, a pena e a medida de segurança. Funções: 1ª) Proteção aos bens jurídicos. Bens Jurídicos são

Leia mais

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção

Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira. Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção Direito Penal Aula 3 1ª Fase OAB/FGV Professor Sandro Caldeira TEORIA DO DELITO Infração Penal (Gênero) Espécies: 1. Crime (delito) 2. Contravenção 1 CONCEITO DE CRIME Conceito analítico de crime: Fato

Leia mais

Art. 1º, LICP as infrações penais representam um gênero que se divide em duas espécies:

Art. 1º, LICP as infrações penais representam um gênero que se divide em duas espécies: DO CRIME Introdução O Brasil adotou somente dois tipos de infrações penais como a doutrina denomina de sistema dicotômico ou bipartido, conforme se extrai da leitura do art. 1º da Lei de Introdução ao

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE MS Autor: Dicler Forestieri Ferreira

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE MS Autor: Dicler Forestieri Ferreira Caros amigos batalhadores pela aprovação no concurso público, abaixo segue a resolução das provas de Direito Penal aplicadas pela Fundação Carlos Chagas (FCC) no último fim de semana em virtude do concurso

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

QUESTÕES. 1) Considere as afirmações: (Defensor Público SP 2006 FCC)

QUESTÕES. 1) Considere as afirmações: (Defensor Público SP 2006 FCC) QUESTÕES 1) Considere as afirmações: (Defensor Público SP 2006 FCC) I No Estado democrático de direito é dada especial relevância à noção de que o direito penal tem como missão a proteção de bens jurídicos

Leia mais

TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO

TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO Significado: Terminar, acabar. Importância: Termo inicial da prescrição e na competência territorial (não esquecer da teria da ubiqüidade quanto ao

Leia mais

DIREITO PENAL SERIADO I APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO. (2015 - FMP - DPE-PA - Defensor Público Substituto) Assinale a alternativa INCORRETA.

DIREITO PENAL SERIADO I APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO. (2015 - FMP - DPE-PA - Defensor Público Substituto) Assinale a alternativa INCORRETA. DIREITO PENAL SERIADO I APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO. Fala, pessoal. Beleza? Neste material, constam a justificativa, por escrito, do gabarito de cada questão. A explicação para os erros das demais

Leia mais

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material 01 MOEDA FALSA Sumário: 1. Moeda falsa 2. Crimes assimilados ao de moeda falsa 3. Petrechos para falsificação de moeda 4. Emissão de título ao portador sem permissão legal. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução

Leia mais

CENTRO DE DIREITOS HUMANOS DE CRISTALÂNDIA Filiado ao Movimento Nacional de Direitos Humanos Luta pela vida, contra a violência

CENTRO DE DIREITOS HUMANOS DE CRISTALÂNDIA Filiado ao Movimento Nacional de Direitos Humanos Luta pela vida, contra a violência TEMA Direitos Humanos, Cidadania e Relações Humanas Constitucional CURSO DE CAPACITAÇÃO DE AGENTE JURÍDICO POPULAR I MÒDULO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA Conceito de Direitos

Leia mais

Prof. José Nabuco Filho. Aborto

Prof. José Nabuco Filho. Aborto Aborto Apostila 1. Introdução Sob o nomem juris de aborto, o Código Penal tipifica quatro crimes diferentes: 1 duas definidas no art. 124, tendo como sujeito ativo a gestante; outras duas, em que o sujeito

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. O direito penal está relacionado a alguma forma de violência 1.2. Conceito de direito penal 1.3. Direito penal ou direito

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. O direito penal está relacionado a alguma forma de violência 1.2. Conceito de direito penal 1.3. Direito penal ou direito SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. O direito penal está relacionado a alguma forma de violência 1.2. Conceito de direito penal 1.3. Direito penal ou direito criminal? 1.4. Código penal (Decreto-lei 2.848, de 7

Leia mais

Prescrição da pretensão punitiva

Prescrição da pretensão punitiva PRESCRIÇÃO PENAL 1 CONCEITO É o instituto jurídico mediante o qual o Estado, por não fazer valer o seu direito de punir em determinado tempo, perde o mesmo, ocasionando a extinção da punibilidade. É um

Leia mais

A PRESCRIÇÃO SOB A ÉGIDE DA NOVA LEI DE FALÊNCIAS

A PRESCRIÇÃO SOB A ÉGIDE DA NOVA LEI DE FALÊNCIAS A PRESCRIÇÃO SOB A ÉGIDE DA NOVA LEI DE FALÊNCIAS Com a entrada em vigor, em maio de 2005, da nova lei que regula a recuperação judicial, a extrajudicial e a falência das empresas (Lei 11.101 de 09.02.2005),

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

Dos crimes contra administração pública Direito penal

Dos crimes contra administração pública Direito penal Polícia Federal Concurso de 2009 (Cespe/UnB) Direito penal Julgue os seguintes itens, relativos a crimes contra a pessoa e contra o patrimônio. 1 Diferenciam-se os crimes de extorsão e estelionato, entre

Leia mais

5IJmário. Sumário PRIMEIRA PARTE FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL. Capítulo I - Introdução... 1. Conceito de direito penal...

5IJmário. Sumário PRIMEIRA PARTE FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL. Capítulo I - Introdução... 1. Conceito de direito penal... 5IJmário Sumário Nota do Autor............... PRIMEIRA PARTE FUNDAMENTOS DO DIREITO PENAL Capítulo I - Introdução...... 1. Conceito de direito penal........... 1.1. Relação entre Direito Penal e Direito

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES Patricia Smania Garcia 1 (Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio)

CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES Patricia Smania Garcia 1 (Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio) CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES Patricia Smania Garcia 1 (Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio) RESUMO Há várias classificações para os crimes, ora se referindo à gravidade do fato, ora à forma de

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal Iv 2 ROUBO 3 - Roubo Qualificado/Latrocínio 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL Jerusa, atrasada para importante compromisso profissional, dirige seu carro bastante preocupada, mas respeitando os limites de velocidade. Em uma via de mão dupla,

Leia mais

TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68

TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68 Tabela de Correspondência de Questões: XIII EXAME UNIFICADO OAB 1ª. ETAPA TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68 PROVA TIPO 1 Questão

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: DIREITO PÚBLICO: PENAL PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS EMENTA: DIREITO PENAL: conceito, crime e contravenção. Crimes contra a fé pública e contra a administração pública.

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO PENAL

DISCIPLINA: DIREITO PENAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO PENAL QUESTÃO Nº 109 Protocolo: 11913003657-0 Não existe qualquer erro material na questão. Nada a ser alterado. O recorrente

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3. Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA

DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3. Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências Jurídicas e Ciências Sociais DÉBORA DE OLIVEIRA SOUZA RA: 2087915/3 Crime de Trânsito: Dolo Eventual ou Culpa Consciente? BRASÍLIA 2013 2 DÉBORA DE

Leia mais

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65 Índice Prefácio à 2ª edição Marco Aurélio Costa de Oliveira 7 Apresentação à 2ª edição Marco Antonio Marques da Silva 9 Prefácio à 1ª edição Nelson Jobim 11 Apresentação à 1ª edição Oswaldo Lia Pires 13

Leia mais

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa Germano Marques da Silva Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2012 PREFÁCIO Publiquei em 1998 o Direito Penal Português, II, Teoria do

Leia mais

DIREITO PENAL. Apostila 01. ão, fontes. Profº.. HEBER LIMA NEVES

DIREITO PENAL. Apostila 01. ão, fontes. Profº.. HEBER LIMA NEVES DIREITO PENAL Apostila 01 Assunto 01: Conceito, aplicação ão, fontes Assunto 02: Crimes: definição ão, sujeitos, formas de punição Profº.. HEBER LIMA NEVES A lei penal deve ser clara, precisa, atual e

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA DA DISCIPLINA OBJETIVOS DA DISCIPLINA. 1-Identificar os bens jurídicos tutelados no Código Penal Brasileiro.

PLANO DE ENSINO EMENTA DA DISCIPLINA OBJETIVOS DA DISCIPLINA. 1-Identificar os bens jurídicos tutelados no Código Penal Brasileiro. FACULDADE: FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS CURSO: DIREITO DISCIPLINA: DIREITO PENAL PARTE ESPECIAL I CÓDIGO: CARGA HORÁRIA: 075 4º- SEMESTRE: 2013 PROFESSOR(A): LÁSARO MOREIRA DA SILVA PLANO

Leia mais

Apostilas OBJETIVA - Técnico Ministerial / Sem Especialidade MP/PB Ministério Público do Estado da Paraíba Concurso 2015. Índice

Apostilas OBJETIVA - Técnico Ministerial / Sem Especialidade MP/PB Ministério Público do Estado da Paraíba Concurso 2015. Índice Índice PG. Princípios de Direito Penal... 02 Da Aplicação da Lei Penal... 04 Interpretação da Lei Penal... 14 Do Crime... 20 Da Imputabilidade Penal... 61 Do Concurso das Pessoas... 65 Das Penas... 70

Leia mais