PONTO 1: Crimes contra o Patrimônio 1. CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO. Vítima deve fazer, deixar de fazer ou tolerar que se faça alguma coisa.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTO 1: Crimes contra o Patrimônio 1. CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO. Vítima deve fazer, deixar de fazer ou tolerar que se faça alguma coisa."

Transcrição

1 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Crimes contra o Patrimônio 1.1 EXTORSÃO 1. CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO Violência ou grave ameaça: a ameaça pode ser contra a integridade física ou contra objetos materiais da vítima. Importante é que essa ameaça realmente tenha potencialidade, a vítima deve se sentir constrangida. Este constrangimento não é avaliado em relação ao homem médio e sim quanto a pessoa da vítima. Essa ameaça tanto pode ser para a pessoa da vítima quanto para algum parente ou objeto da vítima. Imprescindível que este constrangimento tenha o intuito de obtenção de indevida vantagem econômica. Se não houver a vantagem econômica indevida será crime de constrangimento ilegal. Vítima deve fazer, deixar de fazer ou tolerar que se faça alguma coisa. Conclui-se que a extorsão é crime complexo, ou seja, tutela a integridade física, a integridade moral e o patrimônio do ofendido. Obs.: Diferença entre roubo e extorsão: segundo o entendimento do STJ e do STF, na extorsão a conduta da vítima é parte integrante do tipo, imprescindível que a vítima participe de alguma forma. Sem a participação da vítima, antes ou durante a prática do crime, não há o crime de extorsão. Para o TJ/RS, o que diferencia o roubo da extorsão é o momento da obtenção da vantagem, se a vantagem é atual, seria o crime de roubo, se a vantagem é futura seria extorsão. Tipo subjetivo: Existe na extorsão o dolo específico a indevida vantagem econômica. Se credor constrange o devedor a fazer pagamento não configura extorsão, pois a vantagem não é indevida, seria exercício arbitrário das próprias razões (art. 345 do CP). A vantagem deve ter conteúdo econômico para caracterizar a extorsão, senão tipifica o constrangimento ilegal, art. 146 do CP. A extorsão exige duas condutas: ameaça. a) Conduta do agente que constrange a vítima mediante violência ou grave b) Conduta da vítima, de fazer, não fazer ou tolerar que se faça alguma coisa. Momento consumativo da extorsão: Posição dos Tribunais superiores: basta a mera ação do agente, ou seja, mesmo que não se obtenha a indevida vantagem econômica

2 já estará consumada a extorsão, extorsão é crime formal, mas isso não impede o reconhecimento da tentativa. Súmula 96 do STJ. O funcionário público que age com violência ou grave ameaça não comete concussão e sim extorsão. Possibilidades de tentativa: a) quando a vítima não se sente constrangida. b) quando o constrangimento ocorre por carta e a carta é extraviada. Segunda posição: Como o crime exige duas ações (do autor e da vítima), para que haja a consumação do crime de extorsão é necessário que haja a ação da vítima conforme o que foi determinado. Obs.: cresce o entendimento no sentido da exigência da conduta da vítima, mas não afastando a súmula 96 do STJ. Pode a vítima fazer, deixar de fazer ou tolerar que se faça alguma coisa sem que o agente obtenha a indevida vantagem. Ex: Se a pessoa simula um seqüestro: é somente extorsão, pois o seqüestro é falacioso, não existe. Art. 158, 1º - Na extorsão existem menos majorantes do que no roubo, mas aquelas que existem são exatamente idênticas a do crime de roubo. Para que haja a majorante do concurso de pessoas, tanto pode ser a título de co-autoria como de participação. Concursos na área federal teoria do domínio do fato. Não adotar a teoria objetivo formal nestes concursos. Emprego de arma: STF mudou o entendimento exigindo a apreensão da arma para que haja majorante e a perícia na mesma (deve ter potencialidade lesiva), fulcro no art. 167 do CPP. Art. 158, 2º - Aplica-se a súmula 610 do STF. É crime hediondo. SEQUESTRO RELÂMPAGO - art. 158, 3º: LFG entende que essa lei é mais benéfica ao réu, houve uma novatio legis in mellius, pois agora não é mais crime equiparado a hediondo. Discussões para o surgimento deste novo parágrafo: antes da alteração legislativa o seqüestro relâmpago era tratado da seguinte forma: a) Roubo majorado pela restrição à liberdade, art. 157, 2, V do CP. b) Somente extorsão. Art. 158 do CP. c) Extorsão mediante seqüestro, art. 159 do CP. Hoje há a tipificação própria no art. 158, 3º do CP. 2 Sujeito ativo do crime: é crime comum, ou seja, qualquer pessoa pode praticálo. Sujeito passivo: necessariamente a pessoa física, pessoa natural.

3 Acabou a discussão e, este 3º traz uma grande diferença com o crime de extorsão, porque na extorsão do art. 158, caput, seria possível que a pessoa jurídica fosse vítima, mas no 3º tão somente a pessoa física. Tipo objetivo: exigem-se os elementos da extorsão que são: constranger, forçar, coagir, obrigar, privando da liberdade com o elemento específico da obtenção de indevida vantagem econômica. A privação da liberdade, a restrição da liberdade é meio imprescindível utilizado pelo agente para obtenção da indevida vantagem econômica, ou seja, a restrição da liberdade é o único caminho possível para que o réu obtenha a vantagem. Se o comportamento da vítima não for imprescindível, haverá o roubo majorado, art. 157, 2º, V do CP. A indevida vantagem deve ser obtida da própria vítima, porque se a vantagem depender de terceira pessoa, a restrição da liberdade não seria mais necessário para a prática do crime. 3 indevida. A vantagem sempre deve ser econômica ou economicamente apreciável e Momento consumativo: mantida a orientação da súmula 96 do STJ no sentido de que, para a consumação basta a mera restrição à liberdade da vítima, independentemente da obtenção da indevida vantagem (mero exaurimento do crime). Distinções: Haverá roubo quando o agente, apesar de prescindir, não necessitar da colaboração da vítima para se apoderar da coisa, restringe a sua liberdade de locomoção para garantir o sucesso da empreitada, da subtração ou da fuga. Ocorrerá a extorsão ou o sequestro relâmpago quando o agente, dependendo da colaboração da vítima para alcançar a vantagem econômica visada, priva o ofendido da sua liberdade pelo tempo necessário até que o locupletamento se concretize. A extorsão mediante sequestro (art. 159) acontece quando o agente priva a vítima de sua liberdade e condiciona a sua devolução ao pagamento de um resgate a ser efetivado por terceira pessoa. 1.2 EXTORSÃO MEDIANTE SEQUESTRO - Art. 159 É o crime mais grave do Código Penal Brasileiro. Todas as formas de extorsão são crimes hediondos. Elementos do tipo: Sequestrar, ou seja, privar alguém da sua liberdade por um espaço de tempo, com o intuito de obter vantagem como condição ou preço do resgate. Extorsão mediante seqüestro exige somente uma conduta, uma ação, que é a do réu, não se exige ação da vítima, é um crime meramente formal, que se consuma com o sequestro, bastando que haja prova de que a intenção do agente é obter vantagem com o resgate. A obtenção de vantagem é inerente ao tipo. Se não houver a intenção da vantagem haverá o crime de cárcere privado (art. 148 do CP - a vítima é colocada em um confinamento muito pequeno). A dimensão do local onde fica a vítima diferencia o cárcere privado do seqüestro.

4 Crime de sequestro consuma-se com a retirada da vítima de sua esfera de proteção, é a posse mansa e pacífica sobre a vítima. Correntes sobre a obtenção de vantagem: O intuito é a obtenção de qualquer vantagem, ou seja, não se trata apenas de vantagem econômica, pode ser vantagem moral, patrimonial, devida ou indevida. Mirabete e Damásio. Se for para fim libidinoso irá incidir o art. 148, 1º, V. Para que seja extorsão mediante sequestro, a vantagem pretendida deve ser indevida e econômica, ou seja, restringe-se a leitura do tipo. Não há predomínio de uma corrente ou outra, Prof. prefere a primeira. Formas qualificadas de extorsão mediante sequestro art. 159, 1º: 4 Durar mais de 24 horas; Em razão da idade: menor de 18 e maior de 60 anos. Agente deve conhecer a idade da vítima, senão seria responsabilidade penal objetiva. Quando se tratar de extorsão mediante sequestro com vítima menor de 14 anos aplica-se o caput do art. 159 e a majorante do art. 9º da Lei dos Crimes Hediondos, ou seja, desconsidera o 1º do 159. Se a vítima tiver 14 anos e ficar privada da sua liberdade por mais de 24 horas, haverá a extorsão do 1º mais a majorante do art. 9º da Lei dos Crimes Hediondos. Art. 288 quadrilha ou bando: exige-se o ânimo de permanência, jamais haverá quadrilha ou bando quando essa associação for eventual. Bem jurídico tutelado pela quadrilha ou bando é a paz pública, exige pelo menos quatro pessoas. Correntes sobre o concurso de crimes ou conflito aparente de normas: O crime de quadrilha ou bando é absorvido pela extorsão mediante sequestro, senão haveria bis in idem. Entendimento que prevalece. Haverá concurso material de crimes entre a extorsão majorada de quadrilha ou bando e o art. 288 do CP, pois são duas objetividade jurídicas diversas. ou morte. Art. 159, parágrafo único: são crimes qualificados pelo resultado ou lesão grave Art. 29, 2º do CP - Participação dolosamente distinta: resultado mais grave se aplica a todos. Só não se aplica aos crimes qualificados pelo resultado. Para que haja a qualificadora, a vítima que sofre a lesão grave ou a morte deve ser a vítima do cativeiro. Se quem sofrer a lesão grave ou a morte for o responsável pelo pagamento do resgate, haverá concurso material de crimes. Posição de César Roberto Bitencourt: qualquer pessoa que morrer em decorrência do sequestro já qualifica o crime, mesmo que não seja o sequestrado.

5 5 DELAÇÃO PREMIADA EFICAZ Art. 159, 4º do CP: pressupõe o concurso de pessoas, deve ser voluntária (deve partir da iniciativa do agente), mas isso não significa que ela possa ser advertida pelo juiz ou MP. Essa delação deve ser eficaz, no sentido de que permita a liberação da vítima, se não houver a liberação da vítima não haverá a delação premiada eficaz. 1.3 ESTELIONATO ART. 171 do CP Elementos do crime: obtenção de vantagem ilícita em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro mediante fraude. E se um servidor público induz alguém em erro para obter algo? Pode ser peculato estelionato (erro exclusivo do particular, pois se o agente público induz alguém em erro ele pratica estelionato), art. 312, 3º do CP. Trata-se de crime material, se consuma quando o agente obtém indevida vantagem (ilícita). Imprescindível que a vítima sofra prejuízo. Exemplo: criminoso passa cheque com fraude, mas o banco paga, por não ter havido prejuízo à vítima, não haverá estelionato. Para a consumação do crime exige-se: a) obtenção da indevida vantagem; b) prejuízo alheio. Art. 171, 2º, V do CP: de regra o estelionato é crime material, mas a hipótese de fraude em seguro é crime formal, independe de efetivo prejuízo. Exige-se prática de ato fraudulento pelo réu e finalidade de fraudar o seguro. Vantagem: em se tratando de crime contra o patrimônio, a vantagem deve ser exclusivamente patrimonial, deve ter conteúdo econômico. Não pode ser vantagem moral. No estelionato a vítima ou as vítimas devem ser pessoas determinadas, não ocorre o estelionato quando as vítimas forem indeterminadas, nesse caso ou haverá crime contra a economia popular ou crime contra as relações de consumo, não haverá estelionato. Em alguns casos poderá haver concurso formal entre o estelionato e crime contra as relações de consumo. Ex: anúncios em classificados de casas em praias que não existem, a mera publicação desse anúncio é ato preparatório, não configura nem a tentativa, esta inicia quando a vítima faz contato e quando se iniciarem as tratativas do negócio. Fraude: Fraude é uma conduta enganosa que submeta ou mantenha a vítima em erro. Conduta que visa iludir a vítima. Essa fraude não precisa ser, necessariamente, comissiva (conduta ativa do réu), pode ser de forma omissiva. Artifício: é uma encenação material. Ardio: a habilidade verbal, qualquer forma que não implique em ato material. Qualquer meio é hábil para consumar o crime, inclusive o silêncio. A fraude deve ser idônea, capaz de enganar uma pessoa (não o homem médio), de acordo com a vítima.

6 6 Súmula 73 do STJ: A utilização de papel moeda grosseiramente falsificado configura, em tese, o crime de estelionato, da competência da Justiça Estadual. da JF. Quando a falsificação for bem elaborada será o crime do art. 289, competência ESTELIONATO PRIVILEGIADO: art. 155, 2 No furto privilegiado se exige o pequeno valor da coisa furtada. O estelionato privilegiado exige pequeno valor do prejuízo. Primário não reincidente. Juiz deve: substituir a pena de reclusão por detenção; reduzir 2/3; aplicar pena de multa. Adulteração de máquinas caça níqueis: a fraude que impede a vitória do apostador caracteriza o estelionato. Ação entre amigos: quando não são sorteado os prêmios é estelionato. Corrente de amigos: todos depositam a favor de um, se pessoa tem consciência do crime não configura o crime, se não tiver consciência configura o crime. Fraude civil X Fraude penal: Não há fraude civil, e sim má-fé ou dolo na esfera civil. Haverá o crime de estelionato quando o intuito de enganar para obter a vantagem existe no momento da realização do negócio. Havendo a fraude desde o início será estelionato, ocorrendo posteriormente será mero inadimplemento civil. Absolvição do réu pelo art. 386, III do CPP no caso de inadimplemento. No estelionato a fraude é predeterminada. Diferença entre Estelionato e Apropriação Indébita: no estelionato a vítima também entrega, mas está cometendo em erro, há o dolo do agente antecedente. Na apropriação indébita o dolo é posterior. No estelionato a fraude faz com que a pessoa entregue seu patrimônio. Diferença entre estelionato e Furto qualificado mediante fraude: no segundo a fraude é usada para que a vítima não perceba que o objeto está sendo subtraído. No estelionato a fraude é usada para que a própria vítima entregue o seu bem. Torpeza bilateral: vítima também age com má-fé. Duas posições: a) Persiste o estelionato, ou seja, a má-fé da vítima não elide a fraude. Juiz deve levar em conta na fixação da pena, art. 59 do CP. b) O direito não pode proteger condutas imorais, ou seja, pessoas que não agem de boa-fé, nesse sentido não persiste o estelionato. Posição de Magalhães Noronha. O dinheiro invocado pela vítima do prejuízo deve ser lícito.

7 Procedimento: Ordinário, mas caberá suspensão condicional do processo, art. 89 da Lei Prevalece o entendimento de que, ao final da audiência de instrução e julgamento cabe a suspensão condicional do processo. Estelionato X Falsidade ideológica X Falsidade material: Posições antagônicas: TJ, TRF e STJ: aplicam a súmula 17 do STJ, se a fraude foi utilizada unicamente para a prática de estelionato, sem outra intenção, o crime de estelionato abrange a falsificação. STJ entende que, para que se aplique a súmula, não pode ter havido outra potencialidade lesiva, a fraude deve ter sido utilizada unicamente para o estelionato. STF: não aplica a súmula 17 do STJ, entendimento que sempre haverá, no mínimo concurso formal, podendo ser concurso material. Teoria do Prejuízo Novo: Ex: cheque sem fundo em hospital. Quando o prejuízo causado à vítima é anterior à ação do agente não haverá estelionato. Estelionato X Habilidade Negocial: no estelionato cria-se uma situação fraudulenta, enganosa, artificial e inverídica. Na habilidade negocial a atividade do negócio é lícita. Tentativa: cabe a tentativa, é crime material. Formas específicas de estelionato, art º: I - Alienação de coisa alheia como própria: crime de estelionato sempre vem acompanhado de um crime de falsidade. Ex: falsificação de uma escritura, matrícula, assinatura. Ou seja, tanto a falsidade ideológica como a material. II Alienação ou oneração de coisa fraudulenta própria: Aqui a coisa é própria, mas como ela possui algum tipo de restrição ou oneração, ela não pode ser comercializada. Ou seja, a coisa própria é inalienável, gravada com ônus ou litigiosa. Na primeira parte deste inciso não importa se o bem é móvel ou imóvel, na segunda parte o agente promete vender o bem para duas pessoas diversas. A segunda parte só incide sobre bens imóveis. III Defraudação de penhor: as condutas podem ser de alienação, doação ou qualquer outro meio, desde que isto não tenha o consentimento do credor. O artigo referese a penhor, ou seja, direito real de garantia. O devedor acaba exercendo a posse do bem empenhado. IV - Fraude na entrega de coisa: a coisa deve ser necessariamente móvel. A fraude se configura na alteração da substância, da qualidade ou da quantidade da coisa. Não se aplica às relações de comércio, porque nestas incide o art. 175 do CP. Se for relação de consumo, aplica-se o CDC. Ou seja, esse inciso somente se aplica às relações entre particulares. V Fraude para recebimento de indenização ou valor de seguro: trata-se de modalidade de crime formal e a consumação ocorre com a prática do ato. O recebimento do valor do seguro é mero exaurimento. 7

8 8 VI Fraude no pagamento por meio de cheque: é imprescindível que o cheque tenha sido colocado em circulação. Se banco pagar, não haverá crime, pois não houve prejuízo. A consumação se dá no momento da recusa do pagamento, antes da recusa do pagamento é possível a tentativa. Se o cheque for de pessoa jurídica, quem responde é a pessoa que assina o cheque. Cheque pós-datado: não caracteriza o estelionato do 2º, VI, mas não impede a caracterização do caput do art. 171, desde que o cheque tenha sido o meio utilizado para a prática da fraude. Se o cheque tiver sido emitido sem a obtenção de fraudar, não haverá o crime de estelionato, haverá mero inadimplemento civil, súmula 246 do STF. Se for cheque para pagamento de jogo proibido, não será crime, pois não há prejuízo. O mesmo se o cheque for para pagamento de drogas. Súmula 554 do STF prejudicada, anterior ao art. 16 do CP (arrependimento posterior) se houver o pagamento do cheque antes do recebimento não haverá justa causa para a mesma. Pagamento depois do recebimento da denúncia caracteriza apenas o arrependimento posterior. Se alguém emitir cheque com a conta do banco encerrada ou passar cheque falsificado, não ocorre o inciso VI, mas o art. 171 caput do CP. Pois o art. 171, 2º, VI só pode ser praticado pelo titular da conta. Competência: súmula 521 do STF, o foro competente é o local onde se deu a recusa do pagamento do cheque. Súmula 244 do STJ. A competência é do estabelecimento do banco sacado, porque é neste local que haverá o prejuízo. Essas duas súmulas só se aplicam ao estelionato do art. 171, 2º, VI do CP. Cheque falsificado, súmula 48 do STJ. SÚMULAS sobre estelionato: STJ: 17, 24, 48, 73, 107, 244. STF: 246, 521, RECEPTAÇÃO Art. 180 do CP Pressupõem, como objeto material, coisas oriundas de outros crimes, tanto de ação penal pública quanto de ação penal privada (crime antecedente). O bem deve ser móvel, conforme a posição majoritária. Exige-se a tradição da coisa. Mirabete entende que pode ser por coisas imóveis também. O bem não precisa ser alheio, pode ser próprio. É possível receptação de receptação? Duas correntes: a) é possível a receptação da receptação desde que a coisa mantenha o seu caráter ilícito. b) Não é possível se alguém adquirir de boa-fé. Mesmo que não haja a apuração do crime antecedente, ou mesmo que fique isento de pena, haverá o crime de receptação, art. 180, 4º do CP. RECEPTAÇÃO DOLOSA Art.180

9 9 Exige o dolo direto. Receptação dolosa propriamente dita. Segunda parte do art. 180 influencia a comprar autoria imediata. Receptação própria é crime material e admite a tentativa. Consumação com a efetiva aquisição, receptação, condução. Receptação Imprópria: consuma-se com o ato de influir. É crime formal, não se admite tentativa, pois é crime formal unisubsistente. 2ª parte do art. 180 caput. Receptação qualificada: art. 180, 1º - trata-se de um crime próprio, porque exige uma condição especial do sujeito ativo (comerciante ou industrial). Não se trata de modalidade culposa. O 1º trata-se de dolo eventual. Discute-se a constitucionalidade do 1º, pois a pena do dolo eventual é maior do que o direto, violaria o princípio da proporcionalidade. Duas correntes: a) Pena maior se aplica ao comerciante e ao industriário. b) A pena é desproporcional, portanto inconstitucional, então quando o comerciante agir com dolo direto ou eventual irá se aplicar a punição do art. 180, caput do CP. 2º - Não é necessária a constituição da empresa na Junta Comercial. Equipara camelô e ambulante. Se o produto for proveniente de contrabando, competência da JF. Receptação culposa: art. 180, 3º - trata-se de modalidade culposa porque o agente deve presumir que o produto advém de culpa. Competência do JECrim. 6º - Majorante: somente se aplica a receptação do caput, ou seja, se o crime de receptação for praticado por um comerciante em prejuízo da União, vai incidir somente esta majorante. 5º - Duas situações: a) Perdão judicial quando for receptação culposa. Súmula 18 do STJ. b) Receptação privilegiada segunda parte somente se aplica à receptação dolosa.

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal IV 2 EXTORSÃO Art. 158 - Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

=:= DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO =:=

=:= DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO =:= 1 =:= DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO =:= ESTUDO DOS PRINCIPAIS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO Disciplina: Direito Penal Especial 5 PERÍDODO Professora: Inessa Trocilo Rodrigues Azevedo DO FURTO No furto inexiste

Leia mais

Direito Penal. Furto art. 155/156 do CP. Furto art. 155/156 do CP. Professor Rafael Machado

Direito Penal. Furto art. 155/156 do CP. Furto art. 155/156 do CP. Professor Rafael Machado Direito Penal Professor Rafael Machado A Furto art. 155/156 do CP. Conceito: Subtração de coisa alheia móvel para si ou para outrem sem a prática de violência ou grave ameaça ou qualquer espécie de constragimento

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

Apologia de crime ou criminoso

Apologia de crime ou criminoso 1. CRIMES CONTRA A PAZ PÚBLICA O iter criminis é dividido em três fases: cogitação, preparação e execução. O ponto que inicia a execução é aquele no qual se atinge o núcleo do tipo, saindo da esfera do

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal Iv 2 ROUBO 3 - Roubo Qualificado/Latrocínio 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de

Leia mais

Art. 316 CONCUSSÃO. 3. ELEMENTO DO TIPO 3.1. Ação nuclear. Objeto material. Elemento normativo do tipo

Art. 316 CONCUSSÃO. 3. ELEMENTO DO TIPO 3.1. Ação nuclear. Objeto material. Elemento normativo do tipo Art. 316 CONCUSSÃO 1. CONCEITO Reza o artigo 316, caput, do Código Penal: Exigir, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função, ou antes, de assumi-la, mas em razão dela, vantagem

Leia mais

TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO

TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO Significado: Terminar, acabar. Importância: Termo inicial da prescrição e na competência territorial (não esquecer da teria da ubiqüidade quanto ao

Leia mais

CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA

CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA Sumário Histórico Noção Bem Jurídico Sujeito Ativo Sujeito Passivo Tipos Objetivos Tipo Subjetivo Consumação Concurso de Crimes Penas Ação Penal Extinção da Punibilidade

Leia mais

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material 01 MOEDA FALSA Sumário: 1. Moeda falsa 2. Crimes assimilados ao de moeda falsa 3. Petrechos para falsificação de moeda 4. Emissão de título ao portador sem permissão legal. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará Cacildo Baptista Palhares Júnior: advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará 21. Para formação do nexo de causalidade, no

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 1ª Fase OAB/FGV Aula 5 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a honra Crimes contra o patrimônio; Crimes contra a dignidade sexual; Crimes praticados

Leia mais

Treinamento de Prevenção a Fraudes

Treinamento de Prevenção a Fraudes Treinamento de Prevenção a Fraudes 1. Introdução Esse treinamento visa orientar os colaboradores, parceiros, fornecedores, terceiros e pessoas com as quais mantém relacionamento comercial com a PAN Seguros,

Leia mais

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME TEORIA GERAL DO CRIME 1. Conceito de infração penal: a) Unitário (monista): infração penal é expressão sinônima de crime. Adotado pelo Código Penal do Império (1830). b) Bipartido (dualista ou dicotômico):

Leia mais

1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Crimes Contra a Administração Pública 1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Crimes contra a Administração Pública impedem a progressão de regime sem a reparação do dano. A reparação

Leia mais

Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal

Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal Escola Brasileira de Ensino Jurídico na Internet (EBEJI). Todos os direitos reservados. 1 Direito Penal Parte Especial do

Leia mais

TÍTULO II DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO CAPÍTULO I DO FURTO

TÍTULO II DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO CAPÍTULO I DO FURTO TÍTULO II DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO CAPÍTULO I DO FURTO Furto Art. 155 - Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa. 1º - A pena aumenta-se

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7:

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1. CONCURSO DE CRIMES 1.1 DISTINÇÃO: * CONCURSO

Leia mais

PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito. 3) Espécies de concursos de crimes:

PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito. 3) Espécies de concursos de crimes: 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito 3) Espécies de concursos de crimes 4) Natureza Jurídica 5) Sistemas de aplicação da pena 6) Concurso Material ou Real 7) Concurso

Leia mais

Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas.

Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas. CONCURSO DE PESSOAS Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas. Nos crimes unisubjetivos o concurso

Leia mais

DOS CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA

DOS CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA DOS CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA Crimes Tributários: Conceito:- Crimes tributários em sentido amplo condutas delituosas com comportamento lesivo ao erário (inclui contrabando e, mais particularmente,

Leia mais

DIREITO PENAL ÍNDICE DE DIREITO PENAL Danilo D. Oyan. Aula 01 HOMICÍDIO (artigo 121 do C.P.)

DIREITO PENAL ÍNDICE DE DIREITO PENAL Danilo D. Oyan. Aula 01 HOMICÍDIO (artigo 121 do C.P.) DIREITO PENAL ÍNDICE DE DIREITO PENAL Danilo D. Oyan Aula 01 HOMICÍDIO (artigo 121 do C.P.) 1. HOMICÍDIO SIMPLES ART. 121 CAPUT DO C.P. 1.1. Homicídio Simples: 1.1.1. Objeto jurídico (bem jurídico tutelado):

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.712, DE 2015 (Do Sr. Macedo)

PROJETO DE LEI N.º 3.712, DE 2015 (Do Sr. Macedo) *C0057644A* C0057644A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.712, DE 2015 (Do Sr. Macedo) Resolve o contrato de alienação fiduciária para aquisição de veículos automotores, por motivo de roubo ou furto

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2011

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 PROJETO DE LEI Nº DE 2011 Altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O art. 4º

Leia mais

DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART.

DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP Art. 158 - Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter para si ou para outrem indevida vantagem econômica, a fazer, tolerar que se faça ou

Leia mais

APONTAMENTOS DIP 169 a 183 do CP

APONTAMENTOS DIP 169 a 183 do CP APONTAMENTOS DIP 169 a 183 do CP 1 Alves, Rodrigo Teófilo. A474a Apontamentos : DIP III : 169 a 183 do CP / Rodrigo Teófilo Alves. Varginha, 2015. 19 f. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de

Leia mais

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA 1 Certas práticas, sejam cometidas por agentes públicos ou por particulares, afetam negativamente a gestão pública. Algumas são consideradas crimes pelo Código Penal Brasileiro (Decreto-Lei n. 2.848, de

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais art. 327 1, CP: (É diferente do art. 5º 2 da Lei 4898/65)

1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais art. 327 1, CP: (É diferente do art. 5º 2 da Lei 4898/65) 1 PONTO 1: Crimes contra Administração Pública PONTO 2: Introdução aos crimes em espécie PONTO 3: Crimes em espécie 1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Pessoas PONTO 2: Concurso de Crimes

PONTO 1: Concurso de Pessoas PONTO 2: Concurso de Crimes DIREITO PENAL PONTO 1: Concurso de Pessoas PONTO 2: Concurso de Crimes PONTO 1 CONCURSO DE PESSOAS 1- Introdução 2- Requisitos 2.1 Exigem-se, pelo menos, duas condutas: ou duas condutas principais (coautoria)

Leia mais

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça.

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 11 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Foro por Prerrogativa de Função; Conexão e Continência. 3.5 Foro por Prerrogativa de Função: b) Juízes

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Gilberto, quando primário, apesar de portador de maus antecedentes, praticou um crime de roubo simples, pois, quando tinha 20 anos de idade, subtraiu de Renata, mediante

Leia mais

ESTELIONATO FRAUDE NO PAGAMENTO POR MEIO DE CHEQUE

ESTELIONATO FRAUDE NO PAGAMENTO POR MEIO DE CHEQUE CURSO DE DIREITO ESTELIONATO FRAUDE NO PAGAMENTO POR MEIO DE CHEQUE JULIANA RODRIGUES RA 485.283/1 Turma 3209 D 8557-9673 juliana.rodrigues.fmu@hotmail.com São Paulo 2008 CURSO DE DIREITO ESTELIONATO FRAUDE

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Aspectos penais em tópicos sintéticos: QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO?

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Aspectos penais em tópicos sintéticos: QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO? Do que trata? * Crimes contra a administração pública, cometidos por funcionário público. QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO? Considera-se funcionário público, para os efeitos penais (Conforme

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal

Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal Escola Brasileira de Ensino Jurídico na Internet (EBEJI). Todos os direitos reservados. 1 Principais julgados do 1 o Semestre de 2013 Julgados

Leia mais

DOS FATOS JURÍDICOS. FATO JURÍDICO = é todo acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito.

DOS FATOS JURÍDICOS. FATO JURÍDICO = é todo acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito. DOS FATOS JURÍDICOS CICLO VITAL: O direito nasce, desenvolve-se e extingue-se. Essas fases ou os chamados momentos decorrem de fatos, denominados de fatos jurídicos, exatamente por produzirem efeitos jurídicos.

Leia mais

Crimes em espécie. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Peculato Apropriação

Crimes em espécie. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Peculato Apropriação CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Peculato Apropriação Art. 312, caput, primeira parte - até a palavra cargo PECULATO APROPRIAÇÃO Art. 312. Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou

Leia mais

Dermeval Farias Gomes Filho Promotor de Justiça do MPDFT; Membro Auxiliar do CNMP; Professor de Direito Penal da Fundação Escola Superior do MPDFT.

Dermeval Farias Gomes Filho Promotor de Justiça do MPDFT; Membro Auxiliar do CNMP; Professor de Direito Penal da Fundação Escola Superior do MPDFT. Breves considerações sobre a proposta do novo Código Penal- Projeto de Lei do Senado n. 236 de 2012: o tratamento dos crimes de peculato, corrupção e enriquecimento ilícito. Dermeval Farias Gomes Filho

Leia mais

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 25 Guia de leitura da Coleção... 27

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 25 Guia de leitura da Coleção... 27 Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 25 Guia de leitura da Coleção... 27 Capítulo I DOS CRIMES CONTRA A PESSOA... 29 1. DOS CRIMES CONTRA A VIDA... 33 1.1 HOMICÍDIO... 33 1. Bem jurídico... 34 2.

Leia mais

DIREITO PENAL ESPECIAL AVANÇADO PROF. ROGÉRIO SANCHES EXTORSÃO, EXTORSÃO MEDIANTE SEQÜESTRO, EXTORSÃO INDIRETA E APROPRIAÇÃO INDÉBITA

DIREITO PENAL ESPECIAL AVANÇADO PROF. ROGÉRIO SANCHES EXTORSÃO, EXTORSÃO MEDIANTE SEQÜESTRO, EXTORSÃO INDIRETA E APROPRIAÇÃO INDÉBITA DIREITO PENAL ESPECIAL AVANÇADO PROF. ROGÉRIO SANCHES EXTORSÃO, EXTORSÃO MEDIANTE SEQÜESTRO, EXTORSÃO INDIRETA E APROPRIAÇÃO INDÉBITA 1 Artigos correlatos Extorsão mediante seqüestro e tortura: dois crimes?

Leia mais

1 CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES

1 CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES DIREITO PENAL Classificação dos Crimes RESUMO DA AULA 1 CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES; 2 QUESTÕES COMENTADAS. INTRODUÇÃO 1 CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES O CRIME PODE SER VISTO POR INÚMEROS ÂNGULOS E, DEPENDENDO

Leia mais

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico.

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico. ANTIJURIDICIDADE 1 - Crime 1.1 - Conceito Clássico: fato típico, antijurídico e culpável. 1.2 - Conceito segundo o Finalismo: fato típico e antijurídico. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista

Leia mais

CARTILHA SOBRE COMBATE E PREVENÇÃO À FRAUDE

CARTILHA SOBRE COMBATE E PREVENÇÃO À FRAUDE CARTILHA SOBRE COMBATE E PREVENÇÃO À FRAUDE Setembro/2015 MITSUI SUMITOMO SEGUROS Parte integrante do MS&AD Insurance Group, o maior grupo segurador do Japão e um dos maiores do mundo, a Mitsui Sumitomo

Leia mais

Falsificação de documento particular. Falsidade ideológica

Falsificação de documento particular. Falsidade ideológica 1. DA FALSIDADE DOCUMENTAL Documento Público: é aquele elaborado por funcionário publico no exercício de suas funções e nos limites das suas atribuições. Falsificação de documento particular Art. 298 -

Leia mais

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL. Nomen juris: a Lei nº 12.978/2014 alterou o nome

Leia mais

BREVES COMENTÁRIOS SOBRE O CRIME

BREVES COMENTÁRIOS SOBRE O CRIME PROFESSOR: AMADO PEREIRA DISCIPLINA: DIREITO PENAL CURSO: AUDITOR FISCAL DE ATIVIDADES URBANAS BREVES COMENTÁRIOS SOBRE O CRIME 1. CONCEITO DE CRIME = CONTRAVENÇÃO PENAL Conceito Formal de Crime: Crime

Leia mais

LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990

LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990 LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: LEI DOS CRIMES HEDIONDOS Dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do art. 5º, inciso XLIII, da Constituição Federal, e determina outras

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 2ª Fase OAB/FGV Aula 07 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a vida; ; Homicídio simples Art. 121 CP. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte

Leia mais

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Crimes contra o sistema financeiro PONTO 2: Crimes de lavagem de dinheiro CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO - CF - Lei 4595/64 - Aspectos administrativos - Lei 7492/86 Lei dos

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal III Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 4º ano Docente Responsável: Gustavo

Leia mais

Perícia contábil em Ação Civil Pública, relativa a ato de improbidade administrativa e enriquecimento sem causa de Servidor Público.

Perícia contábil em Ação Civil Pública, relativa a ato de improbidade administrativa e enriquecimento sem causa de Servidor Público. Perícia contábil em Ação Civil Pública, relativa a ato de improbidade administrativa e enriquecimento sem causa de Servidor Público. Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos uma breve

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

FALSIDADE DOCUMENTAL

FALSIDADE DOCUMENTAL FALSIDADE DOCUMENTAL E objetivo da proteção legal, em todos os casos, a fé pública que a lei atribui aos documentos como prova e autenticação de fatos jurídicos. Certos selos e sinais públicos, documentos

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL ENUNCIADO Gilberto, quando primário, apesar de portador de maus antecedentes, praticou um crime de roubo simples, pois, quando tinha 20 anos de idade, subtraiu de

Leia mais

TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68

TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68 Tabela de Correspondência de Questões: XIII EXAME UNIFICADO OAB 1ª. ETAPA TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68 PROVA TIPO 1 Questão

Leia mais

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido.

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido. ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA CONCEITO Dispõe o art. 288 do CP: Associarem-se três ou mais pessoas, para o fim específico de cometer crimes: Pena reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos. No delito em apreço, pune-se

Leia mais

LEGISLAÇÃO PENAL ESPECIAL PROFESSORA SOLANGE DE OLIVEIRA RAMOS 1. Comentários ao Estatuto do Desarmamento. Material didático

LEGISLAÇÃO PENAL ESPECIAL PROFESSORA SOLANGE DE OLIVEIRA RAMOS 1. Comentários ao Estatuto do Desarmamento. Material didático LEGISLAÇÃO PENAL ESPECIAL PROFESSORA SOLANGE DE OLIVEIRA RAMOS 1 Comentários ao Estatuto do Desarmamento Material didático 1 Mestre em Direito. Professora de Direito Penal do curso de Direito das Faculdades

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Penal Professor Patrícia Vanzolini Data: 31/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Penal Professor Patrícia Vanzolini Data: 31/07/2009 9ª Aula: Parte Especial: Homicídio, Infanticídio, Participação no Suicídio, Aborto e Lesão Corporal. 1. HOMICIDIO 1. Homicídio simples: Caput pena de 6 a 20 anos de reclusão. É crime hediondo? Não, salvo

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Í N D I C E Código Disciplina Página DIR 05-00188 Direito Penal I 2 DIR 05-00361 Direito Penal II 3 DIR 05-00528 Direito Penal III 4 DIR 0-00684 Direito Penal IV 5 DIR 05-07407

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR A punição administrativa ou disciplinar não depende de processo civil ou criminal a que se sujeite também o servidor pela mesma falta, nem obriga

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

Centro Universitário da Cidade - UNIVERCIDADE Professor Fabio de Carvalho Couto Crimes em Espécie II Unidade Bonsucesso - Noite

Centro Universitário da Cidade - UNIVERCIDADE Professor Fabio de Carvalho Couto Crimes em Espécie II Unidade Bonsucesso - Noite Dos crimes contra a organização do trabalho (Artigos 197 a 207 do Código Penal Brasileiro) O Supremo Tribunal Federal e demais Tribunais distinguem entre: a) crimes que ofendem o sistema de órgãos e instituições

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

CRIMES CONTRA A FÉ PÚBLICA ROTEIRO DE ESTUDO. ART. 289, CP: moeda falsa. - tipo objetivo : FALSIFICAR : FABRICAR (CONTRAFAÇÃO) OU ALTERAR

CRIMES CONTRA A FÉ PÚBLICA ROTEIRO DE ESTUDO. ART. 289, CP: moeda falsa. - tipo objetivo : FALSIFICAR : FABRICAR (CONTRAFAÇÃO) OU ALTERAR CRIMES CONTRA A FÉ PÚBLICA ROTEIRO DE ESTUDO - bem jurídico tutelado : fé pública - sujeito ativo : qualquer pessoa - sujeito passivo : Estado ART. 289, CP: moeda falsa - tipo objetivo : FALSIFICAR : FABRICAR

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL Jerusa, atrasada para importante compromisso profissional, dirige seu carro bastante preocupada, mas respeitando os limites de velocidade. Em uma via de mão dupla,

Leia mais

1 Conflito de leis penais no tempo.

1 Conflito de leis penais no tempo. 1 Conflito de leis penais no tempo. Sempre que entra em vigor uma lei penal, temos que verificar se ela é benéfica ( Lex mitior ) ou gravosa ( Lex gravior ). Lei benéfica retroage alcança a coisa julgada

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES Patricia Smania Garcia 1 (Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio)

CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES Patricia Smania Garcia 1 (Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio) CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES Patricia Smania Garcia 1 (Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio) RESUMO Há várias classificações para os crimes, ora se referindo à gravidade do fato, ora à forma de

Leia mais

O crime de peculato mediante erro de outrem exige como sujeito ativo o FUNCIONÁRIO PÚBLICO, portanto é crime PRÓPRIO.

O crime de peculato mediante erro de outrem exige como sujeito ativo o FUNCIONÁRIO PÚBLICO, portanto é crime PRÓPRIO. ART. 313 PECULATO MEDIANTE ERRO DE OUTREM A p r o p r i a r - s e d e d i n h e i r o o u q u a l q u e r u t i l i d a d e q u e, n o e x e r c í c i o d o c a r g o r e c e b e u p o r e r r o d e o

Leia mais

SUMÁRIO. Parte 1. Capítulo 3 Prisão em flagrante... 21

SUMÁRIO. Parte 1. Capítulo 3 Prisão em flagrante... 21 SUMÁRIO Parte 1 Aspectos gerais da atividade policial Capítulo 1 Distinção entre a Polícia Militar, a Polícia Civil, a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal e a Guarda Municipal...3 Capítulo 2

Leia mais

Fraude em seguros. fraude, estabeleceu ações e controles que visam o cumprimento à legislação vigente.

Fraude em seguros. fraude, estabeleceu ações e controles que visam o cumprimento à legislação vigente. Apresentação O que é fraude Os crimes de fraude ameaçam as sociedades, corporações e governos de todo mundo, independentemente do estágio de desenvolvimento de cada país. O mercado de seguros, assim como

Leia mais

PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal. 1. Introdução:

PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal. 1. Introdução: 1 PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal 1. Introdução: - Teoria da dupla imputação art. 225, 3º 1, CF. - STF RE 628582. - INF 639, J.

Leia mais

Funções: 1ª) Proteção aos bens jurídicos. Bens Jurídicos são os interesses, os valores protegidos pela norma penal; 2ª) Manutenção da paz social.

Funções: 1ª) Proteção aos bens jurídicos. Bens Jurídicos são os interesses, os valores protegidos pela norma penal; 2ª) Manutenção da paz social. DIREITO PENAL O Direito Penal é o conjunto de princípios e normas que disciplinam o crime, as contravenções, a pena e a medida de segurança. Funções: 1ª) Proteção aos bens jurídicos. Bens Jurídicos são

Leia mais

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção Leonardo de Medeiros Garcia Coordenador da Coleção Marcelo André de Azevedo Promotor de Justiça no Estado de Goiás. Assessor Jurídico do Procurador-Geral de Justiça e Coordenador da Procuradoria de Justiça

Leia mais

WWW.FELIPECALDEIRA.COM.BR

WWW.FELIPECALDEIRA.COM.BR AULA EMERJ SEQUESTRO RELÄMPAGO 1. NORMA CULTA DA LÍNGUA PORTUGUESA A palavra sequestro", a partir do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, não possui mais trema. 2. NOÇÕES GERAIS 2.1. Filosofia do Direito

Leia mais

Manual de Prática Penal

Manual de Prática Penal Felipe Novaes Rodrigo Bello Manual de Prática Penal 2. a edição revista, atualizada e ampliada Coordenação Vauledir Ribeiro Santos *** ~ SÃO PAULO ~ A EDITORA MÉTODO se responsabiliza pelos vícios do produto

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011 Disciplina: Direito Penal IV Departamento III Penal e Processo Penal Docente Responsável: Mauro Augusto de Souza Mello Junior Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo:

Leia mais

1. CONCURSO MATERIAL OU REAL

1. CONCURSO MATERIAL OU REAL DO CONCURSO DE CRIMES C V D Sumário 1. Concurso material ou real; 1.2 Espécies; 1.3 Aplicação das penas 2. Concurso formal ou ideal: 2.1 Espécies; 2.2 Aplicação das penas 3. Crime continuado: 3.1 Requisitos;

Leia mais

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CTB- Parte Especial Art. 302. Praticar

Leia mais

Pena detenção, de 15 (quinze) dias a 1 (um) mês, ou multa." (3)

Pena detenção, de 15 (quinze) dias a 1 (um) mês, ou multa. (3) Dever legal de cooperação e dever legal de delação(1) Autor: Danilo Andreato Professor da pós graduação em Direito Penal e Crime Organizado da FTC/EaD Especialista em Direito Criminal pelo UniCuritiba

Leia mais

PONTO 1: Suicídio PONTO 2: Infanticídio PONTO 3: Aborto PONTO 4: Lesão Corporal. 1. Suicídio art. 122 do CP:

PONTO 1: Suicídio PONTO 2: Infanticídio PONTO 3: Aborto PONTO 4: Lesão Corporal. 1. Suicídio art. 122 do CP: 1 PONTO 1: Suicídio PONTO 2: Infanticídio PONTO 3: Aborto PONTO 4: Lesão Corporal 1. Suicídio art. 122 do CP: Induzimento, instigação ou auxílio a suicídio Art. 122 - Induzir ou instigar alguém a suicidar-se

Leia mais

Crimes contra o sistema financeiro: gestão fraudulenta e gestão temerária

Crimes contra o sistema financeiro: gestão fraudulenta e gestão temerária Crimes contra o sistema financeiro: gestão fraudulenta e gestão temerária Introdução Francisco Monteiro Rocha Júnior * O objetivo desta aula é a análise da Lei 7.492/86, que dispõe sobre os crimes contra

Leia mais

Dos crimes contra a vida

Dos crimes contra a vida Direito Penal Parte Especial Professor Sandro Caldeira Dos Crimes Contra a Vida Parte II Art. 123 - Matar, sob a influência do estado puerperal, o próprio filho, durante o parto ou logo após: Pena - detenção,

Leia mais

Prof. José Nabuco Filho. Aborto

Prof. José Nabuco Filho. Aborto Aborto Apostila 1. Introdução Sob o nomem juris de aborto, o Código Penal tipifica quatro crimes diferentes: 1 duas definidas no art. 124, tendo como sujeito ativo a gestante; outras duas, em que o sujeito

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS

SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS SUBSTITUIÇÃO DE PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE EM PENAS RESTRITIVAS DE DIREITOS BARBOSA, Lenires Terezinha de Oliveira Toledo1 JARDIM, Edeveraldo Alessandro da Silva2 NASCIMENTO, Rogerio3 SILVA, Cristiane

Leia mais

Direito Penal III. Aula 17 13/06/2012

Direito Penal III. Aula 17 13/06/2012 Aula 17 13/06/2012 Direito Penal III 2.7.28 Receptação art. 180 a) Objeto jurídico patrimônio. b) Tipo objetivo Receptação Simples Receptação própria adquirir, receber, transportar, conduzir ou ocultar

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Civil Professor Andre Barros Data: 19/09/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Civil Professor Andre Barros Data: 19/09/2009 Aula 3: Validades dos Atos, Vícios, Erro, Dolo, Coação, Estado de Perigo, Lesão, Fraude contra credores, Simulação, Efeitos dos Negócios Jurídicos, Condição, Termo, Encargo, Prescrição e Decadência. Validade

Leia mais

Faculdade Cathedral Curso de Direito 6º Semestre Direito Penal IV Prof. Vilmar A. Silva AULA 1 A 4 PARTE 2

Faculdade Cathedral Curso de Direito 6º Semestre Direito Penal IV Prof. Vilmar A. Silva AULA 1 A 4 PARTE 2 Faculdade Cathedral Curso de Direito 6º Semestre Direito Penal IV Prof. Vilmar A. Silva AULA 1 A 4 PARTE 2 Crime qualificado pela provocação de lesão grave ou em razão da idade da vítima Art. 213, 1º Se

Leia mais

&RQFHLWRGH'ROR. Descaracterizando o DOLO de uma conduta, tornando o ato de doloso para culposo, a extensão da pena diminui drasticamente.

&RQFHLWRGH'ROR. Descaracterizando o DOLO de uma conduta, tornando o ato de doloso para culposo, a extensão da pena diminui drasticamente. &RQFHLWRGH'ROR 3RU$QGUp5LFDUGRGH2OLYHLUD5LRV(VWXGDQWHGH'LUHLWR Tão importante no Direito Penal, o conceito de DOLO, deve estar sempre presente na cabeça do advogado Criminalista. Pois, quem conhece e sabe

Leia mais

ATIVIDADE POLICIAL: ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS PENAIS, ADMINISTRATIVOS E CONSTITUCIONAIS 5ª EDIÇÃO

ATIVIDADE POLICIAL: ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS PENAIS, ADMINISTRATIVOS E CONSTITUCIONAIS 5ª EDIÇÃO ATIVIDADE POLICIAL: ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS PENAIS, ADMINISTRATIVOS E CONSTITUCIONAIS 5ª EDIÇÃO SUMÁRIO Parte 1 ASPECTOS GERAIS DA ATIVIDADE POLICIAL Capítulo 1 Distinção entre a Política Militar,

Leia mais

CERTIDÃO OU ATESTADO IDEOLOGICAMENTE FALSO, FALSIFICAÇÃO MATERIAL DE ATESTADO OU CERTIDÃO E FALSIDADE DE ATESTADO MÉDICO

CERTIDÃO OU ATESTADO IDEOLOGICAMENTE FALSO, FALSIFICAÇÃO MATERIAL DE ATESTADO OU CERTIDÃO E FALSIDADE DE ATESTADO MÉDICO CERTIDÃO OU ATESTADO IDEOLOGICAMENTE FALSO, FALSIFICAÇÃO MATERIAL DE ATESTADO OU CERTIDÃO E FALSIDADE DE ATESTADO MÉDICO ROGÉRIO TADEU ROMANO Procurador Regional da República aposentado Discutem-se nesse

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 1ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 TEORIA GERAL DO CRIME REVISÃO CRIME É : FATO TÍPICO CONDUTA - DOLO E CULPA NEXO CAUSAL/NEXO DE IMPUTAÇÃO RESULTADO TIPICIDADE

Leia mais

Desembaraço aduaneiro, fraude praticada por terceiros e pena de perdimento, análise de uma situação concreta

Desembaraço aduaneiro, fraude praticada por terceiros e pena de perdimento, análise de uma situação concreta Desembaraço aduaneiro, fraude praticada por terceiros e pena de perdimento, análise de uma situação concreta Por Tácio Lacerda Gama Doutor em Direito pela PUC/SP Um caso concreto A União Federal move ação

Leia mais

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO DE FAMÍLIA 06.09.2014 Dimas Messias de Carvalho Mestre em Direito Constitucional Promotor de Justiça aposentado/mg Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado Membro

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

DIREITO PENAL. PIETRO PONTO 1: CRIMES CONTRA O PATRIMONIO PONTO 2: FURTO: estrutura e teorias. PONTO 3: -------

DIREITO PENAL. PIETRO PONTO 1: CRIMES CONTRA O PATRIMONIO PONTO 2: FURTO: estrutura e teorias. PONTO 3: ------- 1 DIREITO PENAL DIREITO PENAL PONTO 1: CRIMES CONTRA O PATRIMONIO PONTO 2: FURTO: estrutura e teorias. PONTO 3: ------- CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO -FURTO ART. 155 1 CP OBJETO: sob o que recai a conduta

Leia mais