Comissão Mista Medida Provisória 647/2014 Audiência Pública

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comissão Mista Medida Provisória 647/2014 Audiência Pública"

Transcrição

1 Versão 16 Jul 14 Comissão Mista Medida Provisória 647/2014 Audiência Pública Senado Federal, 16/07/2014 IMPACTOS DO PNPB Aspectos mais relevantes das Externalidades Positivas do PNPB (Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel) e Impactos na Progressão da Mistura.

2 Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB) Evolução da Mistura 2005/06/07 2% % 3% 3% 4% 2010/11/12/13 5% % 6% 7% % % 8% 8% 9% % 10% AUTORIZATIVA OBRIGATÓRIA Fonte:Ubrabio

3 Grãos Oleaginosos Cadeia Produtiva do Biodiesel Esmagamento 80% Farelo (Soja) Fornecimento de Proteínas Cadeias Beneficiadas Suinocultura Avicultura Outros (30%) Agricultura Familiar Óleo de frituras Reciclado 20% Óleo (Soja) Piscicultura Bovinocultura 10% Glicerina Gorduras Animais 90% Biodiesel Transesterificação Fonte:Ubrabio

4 Estimativa do Complexo de Soja 2013/2014 (mil toneladas) 50% 52% 24% Exportação de soja em grão (44.000) 78% Exportação (17.000) Exportação (1.900) 49% Farelo (33.500) 48% 29% 11% Produção de Soja (88.000) Processamento (43.000) 22% Consumo Interno (16.000) Produção de Biodiesel (2.400) Glicerina (260) Óleo (8.200) 47% Alimentação Óleo de cozinha (3.900) Fonte:Ubrabio

5 Geração de Empregos e Impacto no PIB Cerca de 100 mil famílias de agricultores beneficiadas anualmente, desde Em reflexo ao PNPB entre 2005 a 2010 foram criados 1,3 milhão de empregos entre o campo e postos de combustíveis segundo a FGV. Com B7 serão criados 133 mil postos de trabalho e aumento de R$13,5 bilhões no PIB (FIPE).

6 Matérias-primas utilizadas na produção do Biodiesel 2013 (%) 20% 2% 1% Óleo de Soja Gordura Bovina Óleo de Algodão Óleo de Fritura Outros Gordura de porco Outros materiais graxos Óleo de nabo-forrageiro Gordura de frango Ácido graxo de óleo de palma 0,31% 1,61% 0,60% 74% 3% 0,07% 0,03% 0,03% Fonte: ANP

7 Produção anual de biodiesel a partir do óleo de fritura usado m³ Fonte: ANP

8 Destinação Sustentável de resíduos pecuários ANTES DO PNPB AGORA Gorduras Animais A produção de Biodiesel está contribuindo para uma destinação sustentável do subproduto da pecuária de corte, que não conseguia colocação integral no mercado, e acabava se transformando em passivo ambiental Mais de 500 mil toneladas de Sebo utilizadas na produção de Biodiesel em 2013 Fonte: ANP

9 Emissão de Gases de Efeito Estufa (GEE) na Produção do Biodiesel Pegada de Carbono da produção de Biodiesel As emissões de GEE de biodiesel de soja produzido nos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul são 70% menores se comparadas ao diesel fóssil, considerando as emissões totais do biodiesel desde a fase agrícola até o consumidor final, em Paulinia-SP. Etapas envolvidas no levantamento da pegada de Carbono do biodiesel de soja Produção de Soja Óleo de Soja Biodiesel Transporte & Distribuição Fonte: MAPA - Benefícios Ambientais da Produção do Uso do Biodiesel - Outubro 2013

10 Emissão de Gases de Efeito Estufa (GEE) no uso do Biodiesel Diesel 85,2* B5 82,1* -3,6% B6 81,47* -4,4% B7 80,9* -5% B8 80,23* -5,8% B9 79,61* B10-6,5% 79,0* B20-7,3% 72,8* -14,5% Redução das emissões de GEE pelo aumento do percentual de biodiesel no diesel. B30 66,51* -21,8% * Fator de emissão: Gramas de CO 2 equivalente por megajaoule Fonte: Ubrabio a partir do relatório de Benefícios Ambientais da Produção do Uso do Biodiesel - MAPA

11 Autonomia e Emissão de CO2 dos Combustíveis selecionados Abastecendo R$ 100,00 Gasolina 329 km Diesel S km Etanol 368 km Biodiesel 581 km Gasolina 24 kg CO 2 Biodiesel 6,7 kg CO 2 Etanol 10,2 kg CO 2 Quantidade de Gás Carbônico emitida em 100km percorridos Diesel 21,7 kg CO 2 Fonte: Elaboração Ubrabio a partir de dados ANP e MME

12 Impacto do aumento da mistura na emissão de GEE Efeito das emissões ao incremento da mistura Bx Biodiesel É muito menos poluente -20 CO CO ² HC MP Melhora A qualidade do Ar -60 SOx B5 B20 B100 NOx* Reduz Em 57% as emissões em relação Diesel Fóssil * Os óxidos de nitrogênio (NOx) serão eliminados na etapa posterior de tratamento dos gases das emissões no escapamento do veículo com uso de cataliosadores. Fonte: United States - Environmental Protection Agency

13 100 Emissões de GEE evitadas e equivalência em plantios de árvores por ano B5 B5 / B6 / B7 B7 / B+6 B20 Metropolitano B30 Agrícola B8 / B+7 B20 Metropolitano B30 Agrícola B9 / B+8 B20 Metropolitano B30 Agrícola B10 / B+9 B20 Metropolitano B30 Agrícola Milhões de Toneladas de CO ² / ano Milhões de árvores/ano Fonte: Ubrabio a partir do relatório de Benefícios Ambientais da Produção do Uso do Biodiesel - MAPA

14 Aquisição de matéria-prima da Agricultura Familiar R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ Valor de aquisição de matéria-prima da agricultura familiar Número de famílias beneficiadas pelo PNPB 0 Fonte: Até 2013 MDA, a partir de 2014 elaboração Ubrabio

15 Impactos da primeira fase do PNPB (2005/2014) 4 N 28 co SE 3 NE 11 Impacto em diversas áreas econômicas, com reflexo no desenvolvimento em todas as regiões do País Nº de unidades produtoras ,6 milhoes m³ S Evolução da Capacidade Instalada mil m³ Fonte: ANP

16 Biodiesel Capacidade Autorizada pela ANP, Produção e Ociosidade m³ % 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Capacidade Autorizada pela ANP Produção Ociosidade Fonte: ANP

17 Consumo e Dependência Externa de Diesel Considerando a Progressão da Mistura Obrigatória e Facultativa ,0% ,0% 16,0% 14,0% 12,0% 10,0% ,0% 6,0% 4,0% 2,0% 0,0% Consumo Nacional de Diesel (Litros) Dispêndio com Importação de diesel (US$) Volume de Importação de Diesel (Litros) Dependência de importação do diesel Fonte: Ubrabio e ANP

18 Estímulo da oferta de farelo pelo incremento do uso do Biodiesel (mil toneladas) Produção de Farelo de Soja Produção de Óleo Fonte: MAPA, ANP, Abiove - Elaboração Ubrabio

19 Comparativo da receita de exportação do complexo soja menos o dispêndio com importação de diesel B5 Constante Progressão da mistura Mil US$ Receita de exportação do Complexo Soja ( ) Grão - Redução de US$ 29 bilhões Farelo - Aumento de US$ 30,5 bilhões Óleo - Aumento de US$ 3 bilhões Redução do dispêndio com importação de diesel US$ 16 bilhões US$ 4 bilhões B5 B5 B6 / B7 B7 / B+6 B20 / B30 B8 / B+7 B20 / B30 B9 / B+8 B20 / B30 B10 / B+9 B20 / B30 Evolução da receita do complexo de soja e do dispêndio da importação de diesel - B5 constante Evolução da receita do complexo de soja e do dispêndio da importação de diesel - Progressão da mistura Fonte: MAPA, ANP, Abiove - Elaboração Ubrabio

20 Evolução da Receita do complexo de soja e do dispêndio da Importação de Diesel Dispêndio com importação (US$ Mil) Receita com exportação de farelo (US$ Mil) Receita com exportação de grão (US$ Mil) Receita com exportação de óleo (US$ Mil) Saldo da Balança Comercial Fonte: MAPA, MME, ANP, Abiove - Elaboração Ubrabio

21 Evolução competitividade do Biodiesel em relação ao diesel importado 3,00 2,75 2,50 B2 B3 B4 B5 2,25 Preço médio em R$ 2,00 1,75 1,50 1,25 1,00 0,75 0,50 0,25 0, Queda de 26% no preço do biodiesel (2,60 p/ 1,94) L1 L2 L3 L4 L5 L6 L7 L8 L9 L10 L11 L12 L13 L14 L15 L16 L17 L18 L19 L20 L21 L22 L23 L24 L25 L26 L27 L28 L29 L29 L30 L31 L32 L33 L34 L Preço médio dos Leilões de Biodiesel* L = Leilão de Biodiesel Preço médio do Diesel Importado** * Sem PIS/Cofins (R$ 0,148/litro) ** Adicionado custo de internação (R$ 0,0533/litro) Fonte: Elaboração Ubrabio a partir de dados ANP, MME e Banco Central (Cotação média anual do dólar do período de e média mesal de 2014)

22 Diferença entre a cotação internacional de diesel e o preço praticado internamente R$/Litro 2,40 2,30 2,20 2,10 2,00 1,90 1,80 1,70 1,60 1,50 1,40 1,30 1,20 1,10 1,00 0,90 0,80 0,70 0,60 0,50 0,40 0,30 0,20 0,10 0,00 Cotação Internacional USG Preço Interno até 2012 Diesel Interno S500 Diesel Interno S10 Evolução das Cotações de Óleo Diesel (Ref. Golfo Americano) USG ( 15ppm) = R$ 1,689 / litro USG+CI = R$ 1,742 / litro Pint (10ppm) = R$ 1,617 / litro Pint (500ppm) = R$ 1,499 / litro As cotações US Gulf (em dólares americanos) da gasolina e óleo diesel apresentaram avanço de 7,0% e 4,3%, respectivamente, quando comparados os valores alcançados em e No caso do diesel S10, a alternativa de importação para o óleo diesel apresenta-se desfavorável, com preços superiores aos preços internos de realização (PI) em 8%, quando incluso o custo de internação. A partir de , apresentam-se preços internos para dois tipos de diesel: S10 e S500. OBS - custo de internação considerado para gasolina e óleo diesel: R$ 0,0533/litro. Fonte: MME - Relatório do Mercado de Derivados de Petróleo Maio 2014

23 Diferença percentual entre a cotação internacional do diesel S10 e o preço praticado internamente (Jan/13 a Mai/14) Evolução da diferença (em %) do preço interno do diesel S10 em relação à cotação do Golfo Americano 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% Elaboração Ubrabio a partir do Relatório do Mercado de Derivados de Petróleo, números 85 a MME.

24 Competitividade do biodiesel em relação ao diesel (2013) Estados com referencia de leilão com entregas em 2013 Preço médio B100 Preço médio das distribuidoras B5 (S10) Projeção do preço médio B20 (-15%D+15%B) Diferença preço do B20 e B5 (S10) Diferença (%) preço do B20 e B5 (S10) Projeção do preço médio B7 (-2%D+2%B) Diferença preço do B7 e B5 (S10) Diferença (%) preço do B7 e B5 (S10) Mato Grosso 2,021 2,422 2,362-0,060-2,48% 2,414-0,008-0,33% Santa Catarina 1,825 2,162 2,111-0,051-2,34% 2,155-0,007-0,31% Mato Grosso do Sul 2,075 2,336 2,297-0,039-1,68% 2,331-0,005-0,22% Rio Grande do Sul 2,004 2,185 2,158-0,027-1,25% 2,182-0,004-0,17% Goiás 2,104 2,262 2,239-0,024-1,05% 2,259-0,003-0,14% Rondônia 2,212 2,321 2,305-0,016-0,71% 2,319-0,002-0,09% Paraná 2,075 2,114 2,108-0,006-0,28% 2,114-0,001-0,04% Minas Gerais 2,190 2,220 2,215-0,005-0,20% 2,219-0,001-0,03% São Paulo 2,184 2,119 2,128 0,010 0,46% 2,120 0,001 0,06% Tocantins 2,171 2,082 2,095 0,013 0,64% 2,084 0,002 0,09% Bahia 2,297 2,135 2,159 0,024 1,14% 2,138 0,003 0,15% Ceará 2,330 2,129 2,159 0,030 1,41% 2,133 0,004 0,19% Rio de Janeiro 2,354 2,129 2,163 0,034 1,58% 2,134 0,004 0,21% Fonte: Resumo mensal de preços (2013) - ANP S10 - diesel de melhor qualidade comercializado no país (10 ppm - partes por milhão de enxofre) B5-95% diesel fóssil e 5% biodiesel B7-93% diesel fóssil e 7% biodiesel B20-80% diesel fóssil e 20% biodiesel

25 Competitividade do biodiesel em relação ao diesel (Maio de 2014) Estado Preço médio do biodiesel - 36º Leilão (Mar e Abr) 2014 Preço médio das distribuidoras (S10) (Mai) Projeção do preço médio B20 (-15%D+15%B) Diferença preço do B20 e B5 (S10) Diferença (%) preço do B20 e B5 (S10) Projeção do preço médio B7 (-2%D+2%B) Diferença preço do B7 e B5 (S10) Diferença (%) preço do B7 e B5 (S10) Mato Grosso 1,810 2,571 2,457-0,114-4,44% 2,556-0,015-0,59% Mato Grosso do Sul 1,876 2,472 2,383-0,089-3,61% 2,460-0,012-0,48% Rio Grande do Sul 1,901 2,482 2,395-0,087-3,51% 2,470-0,012-0,47% Goiás 1,829 2,321 2,247-0,074-3,18% 2,311-0,010-0,42% Santa Catarina 1,843 2,332 2,259-0,073-3,15% 2,322-0,010-0,42% Rondônia 2,018 2,499 2,427-0,072-2,89% 2,489-0,010-0,38% Paraná 1,868 2,298 2,233-0,065-2,81% 2,289-0,009-0,37% São Paulo 1,945 2,270 2,221-0,049-2,15% 2,264-0,006-0,29% Minas Gerais 2,099 2,388 2,345-0,043-1,82% 2,382-0,006-0,24% Tocantins 2,000 2,224 2,190-0,034-1,51% 2,220-0,004-0,20% Bahia 2,130 2,307 2,280-0,027-1,15% 2,303-0,004-0,15% Rio de Janeiro 2,164 2,307 2,286-0,021-0,93% 2,304-0,003-0,12% Ceará 2,245 2,301 2,293-0,008-0,37% 2,300-0,001-0,05% Fonte: Resumo mensal de preços (Maio/2014) - ANP S10 - diesel de melhor qualidade comercializado no país (10 ppm - partes por milhão de enxofre) B5-95% diesel fóssil e 5% biodiesel B7-93% diesel fóssil e 7% biodiesel B20-80% diesel fóssil e 20% biodiesel

26 Principais Países Produtores de Biodiesel e mistura praticada EUA m³ Alemanha Brasil França Argentina* Colômbia Itália Alemanha (5% a 7%) Argentina (9%) Brasil (5%) Colômbia (5% a 7%) EUA (2% a 20%) França (5% a 7%) Itália (5% a 7%) * Queda a partir de 2012 consequente das tarifas antidumping impostas pela União Européia. Fonte: ANP, USDA, Carbio, EIA, EBB, NBB, Oil World - Elaboração Ubrabio

27 Percentual de Biodiesel Utilizado em Países Selecionados B20 EUA B19 B18 B17 B16 B15 B14 B13 B12 B11 B10 Colômbia (interurbano) B9 Argentina B8 Colômbia (urbano) B7 UE B6 Brasil B5 EUA B4 B3 B2 EUA B Fonte: ANP, USDA, Carbio, EIA, EBB, NBB, Oil World - Elaboração Ubrabio

28 Propostas Ubrabio para o Biodiesel no Brasil ( PNPB 2ª FASE ) Previsibilidade Futura C ontinuidade da Mistura Obrigatória Nacional evolutivamente crescente B6 a partir de Julho de 2014 B7 a partir de Novembro de 2014 B8 B9 B20 Metropolitano a partir de Março de 2015 Transporte Coletivo Cidades acima de 500 mil habitantes Mercados Regionais Facultativos (quantidades adicionais além da Mistura Obrigatória Nacional de acordo com as necessidades dos Agentes) B+ 01/03/ /03/ /03/ /03/2015 B +6 B30 Agrícola a partir de Março de 2015 B10 01/03/ /03/ /03/2018 B +7 B +8 B +9 (Uso na logística, máquinas e implementos agrícolas)

29 Projeção do Consumo de Diesel e Biodiesel Brasil - m³ Mistura Obrigatória Consumo Biodiesel obrigatório nacional Consumo de biodiesel para B20 nos municípios com mais de 500 mil habitantes* Mistura Facultativa Consumo de biodiesel para o B+ Consumo de biodiesel para B30 Agrícola Consumo total de biodiesel para mistura nacional, B20, B+ e B30 Agrícola** * Municípios: São Paulo, Guarulhos, Campinas, São Bernardo do Campo, Santo André, Osasco, São José dos Campos, Ribirão Preto, Sorocaba, Belo Horizonte, Uberlândia, Contagem, Juiz de Fora, Porto Alegre, Belém, Ananindeua, Rio de Janeiro, São Gonçalo, Duque de Caxias, Nova Iguaçu, Niterói, Brasília, Manaus, Londrina, Goiânia, São Luís, Cuiabá, Salvador, Feira de Santana, Fortaleza, Recife, Maceió, Teresina, Campo Grande, Joinville, Natal, João Pessoa, Aracaju ** B+ e B30 Agrícola: GO, MT, MS, RS, TO. Fonte: ANP, Ubrabio - Elaboração Ubrabio

30 Propostas Ubrabio para o Biodiesel no Brasil ( PNPB 2ª FASE ) B+5 B+6 B30 - AGRÍCOLA B20 - METROPOLITANO B+7 B+8 B+9 B5 B6 B7 B8 B9 B B30 AGRÍCOLA (facultativo) Máquinas e implementos Agrícolas B20 Metropolitano (obrigatório) Transporte coletivo nos municípios com mais de 500 mil habitantes B+ (facultativo) Mercados Regionais Mistura (obbrigatória) Biodiesel nacional Fonte: Ubrabio

31 OBRIGADO! Juan Diego Ferrés SCN Quadra 01 Bloco C - nº 85 - Sala 304, Edifício Brasília Trade Center - Brasília/DF CEP Telefone (61) ubrabio.com.br ubrabio

Versão 21 Mai 14 IMPACTOS DO PNPB

Versão 21 Mai 14 IMPACTOS DO PNPB Versão 21 Mai 14 IMPACTOS DO PNPB Aspectos mais relevantes das Externalidades Positivas do PNPB (Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel) e Impactos na Progressão da Mistura. Programa Nacional

Leia mais

Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável

Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável Versão 02/03/16 Biodiesel: Combustível alinhado ao modelo de desenvolvimento global sustentável Donizete Tokarski Diretor Superintendente Audiência Pública da Comissão Especial da Câmara dos Deputados

Leia mais

A indústria de biodiesel no Brasil: panorama atual e visão de futuro

A indústria de biodiesel no Brasil: panorama atual e visão de futuro - Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais A indústria de biodiesel no Brasil: panorama atual e visão de futuro Leonardo Zilio Assessor Econômico leonardo@abiove.org.br Brasília/DF 26 de

Leia mais

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis EDIÇÃO N o 91 Agosto/2015 BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

Leia mais

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias 50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias Pesquisa realizada pela Rizzo Franchise e divulgada pela revista Exame listou as 50 cidades com as melhores oportunidades para abertura de

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ÓLEOS E GORDURAS

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ÓLEOS E GORDURAS SOCIEDADE BRASILEIRA DE ÓLEOS E GORDURAS PLANTAS OLEAGINOSAS POTENCIAIS PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL Prof. Dr. Gil Miguel de Sousa Câmara USP / ESALQ - LPV Florianópolis - SC Novembro / 2007 O POR QUÊ

Leia mais

Mercado de biodiesel no Brasil: avaliação e perspectivas

Mercado de biodiesel no Brasil: avaliação e perspectivas V Simpósio Nacional de Tecnologia em Agronegócio Mercado de biodiesel no Brasil: avaliação e perspectivas Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia da ABIOVE FATEC Ourinhos PR 17 de outubro de 2013 1 Roteiro

Leia mais

Biodiesel no Brasil. A Visão da Indústria de Óleos Vegetais. Márcio Nappo. Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Biodiesel no Brasil. A Visão da Indústria de Óleos Vegetais. Márcio Nappo. Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Biodiesel no Brasil A Visão da Indústria de Óleos Vegetais ABIOVE Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Márcio Nappo Coordenador de Economia e Estatística 6º Fórum de Debates sobre Qualidade

Leia mais

Como o Brasil pode contribuir para o esforço internacional de redução das emissões. Allan Kardec Duailibe Diretor

Como o Brasil pode contribuir para o esforço internacional de redução das emissões. Allan Kardec Duailibe Diretor Como o Brasil pode contribuir para o esforço internacional de redução das emissões Allan Kardec Duailibe Diretor Apostar nos BIOcombustíveis! Apostar no conceito BIcombustível Matriz múltipla O Brasil

Leia mais

Visão Geral do Programa de Biodiesel

Visão Geral do Programa de Biodiesel 16ªReunião Ordinária da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Oleaginosas e Biodiesel Visão Geral do Programa de Biodiesel Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis

Leia mais

Políticas Governamentais para Biocombustíveis

Políticas Governamentais para Biocombustíveis Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis Políticas Governamentais para Biocombustíveis Ricardo B. Gomide ricardo.gomide@mme.gov.br

Leia mais

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL BIODIESEL O que é? O biodiesel pode ser produzido a partir de qualquer óleo vegetal - tal como soja, girassol, canola, palma ou mamona -, assim como a partir de gordura

Leia mais

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos.

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Industria Matéria-prima Mão de obra Saúde e Meio Ambiente Economia 2

Leia mais

Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil

Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil Mudança do Clima A mudança do clima representa um desafio para a sustentabilidade global. Os gases de efeito estufa (GEEs) são apontados como os principais responsáveis

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis EDIÇÃO N o 89 Junho/2015 BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS SUMÁRIO

Leia mais

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 27 de abril de 2016 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 ROTEIRO I. Considerações sobre a atual situação do setor sucroenergético II. Bioeletricidade III. Condições climáticas e agronômicas

Leia mais

FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos

FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos Seminário Internacional sobre Tributação Imobiliária FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos Maria Cristina Mac Dowell maria-macdowell.azevedo@fazenda.gov.br

Leia mais

Brasil Ecodiesel. Movendo o Brasil com Biodiesel. Biodiesel Congress 2009 01/09/09

Brasil Ecodiesel. Movendo o Brasil com Biodiesel. Biodiesel Congress 2009 01/09/09 Brasil Ecodiesel Movendo o Brasil com Biodiesel Biodiesel Congress 2009 01/09/09 Macro Tendências do Setor de Biodiesel Pressão mundial por combustíveis renováveis Mundo Em 2008, os biocombustíveis representaram

Leia mais

Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10

Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10 Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10 ALLAN KARDEC DUAILIBE Diretor Anfavea 30 de Maio, 2011 Sistema Nacional de Abastecimento de Combustíveis Produtor de Biodiesel e Etanol Produtor de GNV,

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

Conjuntura e perspectivas. Panorama do mercado de extração de óleos

Conjuntura e perspectivas. Panorama do mercado de extração de óleos Conjuntura e perspectivas Panorama do mercado de extração de óleos I Simpósio Tecnológico PBIO de Extração de Óleos Vegetais Daniel Furlan Amaral Economista Rio de Janeiro - RJ 03 Dezembro 2009 Roteiro

Leia mais

Biodiesel Uma Sinopse das Conjunturas Brasileira e Mundial.

Biodiesel Uma Sinopse das Conjunturas Brasileira e Mundial. Biodiesel Uma Sinopse das Conjunturas Brasileira e Mundial. * Penteado, R. A. N. (1) ; * Cunha, R. B. C.; * Penteado, A.P. (1)l renato@lactec.org.br (*) Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento (LACTEC)

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEL O SONHO VERDE PROFª NEIDE REGINA USSO BARRETO

BIOCOMBUSTÍVEL O SONHO VERDE PROFª NEIDE REGINA USSO BARRETO BIOCOMBUSTÍVEL O SONHO VERDE PROFª NEIDE REGINA USSO BARRETO BIOCOMBUSTÍVEL Qualquer combustível de origem biológica, não fóssil. Mistura de uma ou mais plantas como: cana-de-açúcar, mamona, soja, cânhamo,

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 41 INTRODUÇÃO

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 41 INTRODUÇÃO Página 41 BIODIESEL: UMA UTILIZAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA A FAVOR DO DESENVOLVIMENTO SÓCIO- ECONÔMICO E AMBIENTAL NO BRASIL Emanoela Moura Toscano¹; Aurilene de Souza Costa¹; Andréa Amorim¹; Giselle Medeiros

Leia mais

Allan Kardec Duailibe Diretor

Allan Kardec Duailibe Diretor Allan Kardec Duailibe Diretor Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Minas e Energia 25 de Maio, 2011 A POLÍTICA DOS BIOCOMBUSTÍVEIS NO BRASIL Objetivos definidos na Lei n º 9.478/97: Alargar

Leia mais

A POLÍTICA PÚBLICA DE INSERÇÃO DO BIODIESEL NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA E SEUS REFLEXOS SÓCIO-AMBIENTAL E ECONÔMICO

A POLÍTICA PÚBLICA DE INSERÇÃO DO BIODIESEL NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA E SEUS REFLEXOS SÓCIO-AMBIENTAL E ECONÔMICO A POLÍTICA PÚBLICA DE INSERÇÃO DO BIODIESEL NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA E SEUS REFLEXOS SÓCIO-AMBIENTAL E ECONÔMICO * HERALDO FELIPE FARIA 1 INTRODUÇÃO... 2 2 A POLÍTICA PÚBLICA DE INSERÇÃO DO BIODIESEL

Leia mais

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja.

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Maria Helena M. Rocha Lima Nilo da Silva Teixeira Introdução Quais os fatores

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL (PNPB)

PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL (PNPB) PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL (PNPB) 1. Biodiesel no Brasil No Brasil, biodiesel é o biocombustível derivado de biomassa renovável para uso em motores a combustão interna com ignição

Leia mais

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin Panorama do Mercado Brasileiro Richard Nicolas De Jardin Linha do Tempo Falta de Infraestrutura Poucos Postos Segmento de Taxi Privatizações Crescimento da Infraestrutura Novos mercados Aumento das Vendas

Leia mais

10º Congresso ABAG Paradigma da Energia Barata

10º Congresso ABAG Paradigma da Energia Barata 10º Congresso ABAG Paradigma da Energia Barata São Paulo, 08 de agosto de 2011 Vantagens do Etanol de Cana-de-Açúcar vs. Outras Culturas Matéria-Prima País Brasil EUA União Européia União Européia Redução

Leia mais

7 Transporte e Logística

7 Transporte e Logística 7 Transporte e Logística Este capítulo apresenta a análise da logística das cadeias produtivas das oleaginosas pesquisadas e os custos de transporte utilizados nas simulações. 7.1. Logística Para a organização

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS APRESENTAÇÃO

BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS APRESENTAÇÃO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis EDIÇÃO N o 96 Março/2016 BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS SUMÁRIO

Leia mais

BOLETIM MENSAL DO BIODIESEL

BOLETIM MENSAL DO BIODIESEL Superintendência de Refino, Processamento de Gás Natural e Produção de Biocombustíveis APRESENTAÇÃO JANEIRO DE 2015 www.anp.gov.br Boletins ANP BOLETIM MENSAL DO BIODIESEL Agência Nacional do Petróleo,

Leia mais

BRASIL ECODIESEL INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE BIOCOMBUSTÍVEIS E ÓLEOS VEGETAIS S.A. CNPJ/MF sob nº. 05.799.312/0001-20 NIRE 33.

BRASIL ECODIESEL INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE BIOCOMBUSTÍVEIS E ÓLEOS VEGETAIS S.A. CNPJ/MF sob nº. 05.799.312/0001-20 NIRE 33. BRASIL ECODIESEL INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE BIOCOMBUSTÍVEIS E ÓLEOS VEGETAIS S.A. CNPJ/MF sob nº. 05.799.312/0001-20 NIRE 33.30028160-6 COMUNICADO AO MERCADO A BRASIL ECODIESEL INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE BIOCOMBUSTÍVEIS

Leia mais

Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes

Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes Produção e consumo de óleos vegetais no Brasil Sidemar Presotto Nunes Apresentação O consumo de óleos vegetais tem aumentado no mundo todo, substituindo parte do consumo de gorduras animais. Embora tenham

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Sucroenergético Brasileiro

Sustentabilidade no Setor Sucroenergético Brasileiro Sylvio Nóbrega Coutinho Sustentabilidade no Setor Sylvio Nóbrega Coutinho Energia Elemento propulsor de desenvolvimento da sociedade A humanidade depende cada vez mais de um elevado consumo energético

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2014 ÓLEO DIESEL

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2014 ÓLEO DIESEL CDC Coordenadoria de Defesa da Concorrência RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2014 ÓLEO DIESEL 1. Introdução Neste relatório será apresentado o comportamento dos preços do óleo

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis EDIÇÃO N o 92 Setembro/2015 BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

unesp JABOTICABAL Programa Coleta de Óleos de Fritura

unesp JABOTICABAL Programa Coleta de Óleos de Fritura unesp JABOTICABAL Programa Coleta de Óleos de Fritura Desde maio de 2004 o LADETEL USP / RP desenvolve o projeto de reciclagem de óleo de fritura. O óleo de fritura usado é recolhido e enviado ao LADETEL

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

Nova Regulamentação para o setor de Combustíveis

Nova Regulamentação para o setor de Combustíveis Nova Regulamentação para o setor de Combustíveis Cristiane Zulivia de Andrade Monteiro Superintendente-Adjunta de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos, Junho 2012 Superintendência de Biocombustíveis

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

Microprodução de Etanol e sua Comercialização Legal

Microprodução de Etanol e sua Comercialização Legal Microprodução de Etanol e sua Comercialização Legal Seminário Estadual Álcool, Leite e Cachaça Produção Integrada e Sustentável Belo Horizonte, 29 de novembro de 2011 Crescimento Consumo Aparente Combustíveis

Leia mais

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO DE ESTUFA NO CICLO DE VIDA DO BIODIESEL DE SOJA PRODUZIDO NO BRASIL

EMISSÕES DE GASES DE EFEITO DE ESTUFA NO CICLO DE VIDA DO BIODIESEL DE SOJA PRODUZIDO NO BRASIL EMISSÕES DE GASES DE EFEITO DE ESTUFA NO CICLO DE VIDA DO BIODIESEL DE SOJA PRODUZIDO NO BRASIL R.,GRISOLI 1, A. NOGUEIRA 2, É. G. CASTANHEIRA 4, F. FREIRE 4, G. A. SILVA 2, S. COELHO 1 1 CENBIO/IEE/USP

Leia mais

Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios

Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios José Ricardo Severo Superintendência Técnica CNA Março 2010 1 Objetivos: 1. Importância do Agronegócio; 2. Alavanca exportadora como fator de crescimento;

Leia mais

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades 1 São Paulo, 16 de fevereiro de 2016 NOTA à IMPRENSA Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades A partir de janeiro de 2016, o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos)

Leia mais

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13 NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Comercialização Safra-2011/12 60,00 55,00 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 S oja Grã o P re ços

Leia mais

Cadeia produ+va do Biodiesel

Cadeia produ+va do Biodiesel Recursos Energé-cos Cadeia produ+va do Biodiesel Felipe Guerra Pedro Camarero Biodiesel O que é? É um combus8vel biodegradável derivado de fontes renováveis como óleos vegetais e gorduras animais. São

Leia mais

Biodiesel: produção e benefícios

Biodiesel: produção e benefícios Audiência Pública da Comissão Especial sobre Motores a Diesel para Veículos Leves Biodiesel: produção e benefícios Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia Câmara dos Deputados Brasília DF 2 de março 2016

Leia mais

BOLETIM MENSAL DO BIODIESEL

BOLETIM MENSAL DO BIODIESEL Superintendência de Refino, Processamento de Gás Natural e Produção de Biocombustíveis APRESENTAÇÃO JUNHO DE 2015 www.anp.gov.br Boletins ANP BOLETIM MENSAL DO BIODIESEL Agência Nacional do Petróleo, Gás

Leia mais

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético 23 de julho de 2015 Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético Antonio de Padua Rodrigues Diretor técnico ROTEIRO I. Perspectivas para a safra 2015/2016 II. Mercados de açúcar e de etanol

Leia mais

4 Coleta de dados. 4.1. Soja

4 Coleta de dados. 4.1. Soja 50 4 Coleta de dados Os principais dados necessários para este estudo são os preços históricos dos insumos, subprodutos e reagentes decorrentes da produção do Biodiesel a partir de cada uma das oleaginosas

Leia mais

Perspectivas para o biodiesel no Brasil

Perspectivas para o biodiesel no Brasil Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Palma de Óleo Perspectivas para o biodiesel no Brasil Fábio Guerra Assessor Econômico Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília DF 17 de março

Leia mais

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 6, n. 47 - Outubro/2015 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br

Leia mais

Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária

Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária Dr. Guilherme Cunha Malafaia Embrapa Gado de Corte Estruturação do Debate A Cadeia Produtiva da Pecuária de Corte e seus Agentes;

Leia mais

Visões Ambientais para o Financiamento de Biocombustíveis no Brasil

Visões Ambientais para o Financiamento de Biocombustíveis no Brasil A expansão da agroenergia e seus impactos sobre os ecossistemas brasileiros Rio de Janeiro, 26-27 março 2007 Visões Ambientais para o Financiamento de Biocombustíveis no Brasil Eduardo Bandeira de Mello

Leia mais

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL BIODIESEL: O PRODUTO 2 BIODIESEL O que é? É um éster, metílico ou etílico, produzido a partir de uma reação química chamada transesterificação, entre um óleo vegetal

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS CORREDORES DO ARCO NORTE AVALIAÇÕES TÉCNICAS MAIO DE 2014 AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Leia mais

Agosto/2015 Belo Horizonte - MG

Agosto/2015 Belo Horizonte - MG SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Agosto/2015 Belo Horizonte - MG ÍNDICE 03. Apresentação 04. Dados de Minas Gerais 05. Área, Produção

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Assessoria de Gestão estratégica Brasília, novembro de 2007

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Assessoria de Gestão estratégica Brasília, novembro de 2007 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO MUNDO E BRASIL 26/7 a 217/18 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Assessoria de Gestão estratégica Brasília, novembro de 27 1 SISTEMA AGROINDUSTRIAL AMBIENTE INSTITUCIONAL

Leia mais

A FASE P-7 DO PROCONVE E OS SEUS IMPACTOS NO SETOR DE TRANSPORTE

A FASE P-7 DO PROCONVE E OS SEUS IMPACTOS NO SETOR DE TRANSPORTE A FASE P-7 DO PROCONVE E OS SEUS IMPACTOS NO SETOR DE TRANSPORTE III Encontro anual da Equipe Técnica do Despoluir Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Rio de Janeiro, novembro de 2010. Proconve Programa

Leia mais

3º Seminário BM&F Famato Os desafios da pecuária no cenário global. Mercados futuros para um Mato Grosso mais competitivo.

3º Seminário BM&F Famato Os desafios da pecuária no cenário global. Mercados futuros para um Mato Grosso mais competitivo. 3º Seminário BM&F Famato Os desafios da pecuária no cenário global Mercados futuros para um Mato Grosso mais competitivo Ivan Wedekin Você é competitivo quando tem um desempenho a longo prazo acima da

Leia mais

Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis

Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis 4 e 5 de junho de 2007 World Trade Center São Paulo, Brasil SÃO PAULO ETHANOL SUMMIT Novas Fronteiras do Etanol: Desafios da Energia no Século 21 Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis Arnaldo Walter

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

Conjuntura e perspectivas

Conjuntura e perspectivas Conjuntura e perspectivas Panorama do mercado de oleaginosas Aproveitamento para produção de óleo e derivados IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas Daniel

Leia mais

Relatório do Mercado de Derivados de Petróleo

Relatório do Mercado de Derivados de Petróleo Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Derivados de Petróleo Relatório do Mercado de Derivados de Petróleo Número 109 Janeiro

Leia mais

A VISÃO O ATUALIZADA DA QUESTÃO O ETANOL. Maurílio Biagi Filho

A VISÃO O ATUALIZADA DA QUESTÃO O ETANOL. Maurílio Biagi Filho A VISÃO O ATUALIZADA DA QUESTÃO O ETANOL Maurílio Biagi Filho Roteiro Evolução e perspectivas da indústria sucroalcooleira no Brasil. Brasil: potencial para aumento da produção e produtividade. Expansão

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE BIODIESEL: EDIÇÃO Nº 1 - MARÇO DE 213 A, documento elaborado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ABIOVE, possui o intuito de levar ao mercado informações

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE BIODIESEL: EDIÇÃO Nº 13 FEVEREIRO DE 214 A, documento elaborado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ABIOVE, possui o intuito de levar ao mercado informações

Leia mais

Preço do etanol tem queda nas principais cidades de Santa Catarina

Preço do etanol tem queda nas principais cidades de Santa Catarina Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 07 Julho/2015 Preço do etanol tem queda nas principais cidades de Santa Catarina Desde janeiro

Leia mais

Emissões no Transporte. Fórum de avaliação da atividades do downstream e aspectos ambientais da indústria

Emissões no Transporte. Fórum de avaliação da atividades do downstream e aspectos ambientais da indústria Emissões no Transporte Fórum de avaliação da atividades do downstream e aspectos ambientais da indústria Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Julho de 2009 Redução das Emissões no Transporte

Leia mais

Munícipios de Santa Catarina apresentam queda nos preços da gasolina no mês de agosto de 2014

Munícipios de Santa Catarina apresentam queda nos preços da gasolina no mês de agosto de 2014 Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 3, Nº 7 Agosto/2014 Munícipios de Santa Catarina apresentam queda nos preços da gasolina no mês de

Leia mais

Agronegócio Sul-mato-grossense

Agronegócio Sul-mato-grossense Agronegócio Sul-mato-grossense (cenário atual, perspectivas e desafios) Eduardo Riedel Presidente do Sistema Famasul Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso do Sul Sistema Sindical

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA BIOCOMBUSTÍVEIS: ATRAÇÃO DE INVESIMENTOS PARA O ESTADO DO PARÁ CONTEXTO: A Agência de Desenvolvimento da Amazônia, deseja

Leia mais

Negociações internacionais para abertura e manutenção de mercados. panorama da situação atual. Rinaldo Junqueira de Barros

Negociações internacionais para abertura e manutenção de mercados. panorama da situação atual. Rinaldo Junqueira de Barros Negociações internacionais para abertura e manutenção de mercados panorama da situação atual Rinaldo Junqueira de Barros Balança comercial do Agronegócio 120 100 100 80 83 60 40 20 17 0 1997 1998 1999

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL JUNHO

CONJUNTURA MENSAL JUNHO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL JUNHO ANO 1 Nº2 O preço mundial da commodity apresenta movimento de alta em nível mundial, impulsionado principalmente pelas condições climáticas adversas nos Estados

Leia mais

Análise de viabilidade econômica de implantação de uma unidade de extração de óleo vegetal e produção de biodiesel a partir da soja

Análise de viabilidade econômica de implantação de uma unidade de extração de óleo vegetal e produção de biodiesel a partir da soja Análise de viabilidade econômica de implantação de uma unidade de extração de óleo vegetal e produção de biodiesel a partir da soja Marco Antonio Sartori (UFV) marcosartori@ufv.br Silvia Regina Sartori

Leia mais

HIDRATADO ACUMULA QUEDA DE 18,79% EM 30 DIAS. EXPECTATIVA DE QUEDA AINDA CONTINUA

HIDRATADO ACUMULA QUEDA DE 18,79% EM 30 DIAS. EXPECTATIVA DE QUEDA AINDA CONTINUA Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Nº 395 Ano IX 08/maio/2014 HIDRATADO ACUMULA QUEDA DE 18,79% EM 30 DIAS. EXPECTATIVA DE QUEDA AINDA CONTINUA No mercado físico de etanol a segunda semana de

Leia mais

Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034

Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034 Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034 MILHO (Zea mays) Sustento da Vida Maior cultura agrícola do mundo;

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS SENADO FEDERAL AUDIÊNCIA MEDIDA PROVISÓRIA 595 MARÇO 2013 Enfrentamento dos gargálos logísticos Programa rodoviário Programa

Leia mais

BOLETIM MENSAL DO BIODIESEL

BOLETIM MENSAL DO BIODIESEL Superintendência de Refino, Processamento de Gás Natural e Produção de Biocombustíveis APRESENTAÇÃO MAIO DE 2014 www.anp.gov.br Boletins ANP BOLETIM MENSAL DO BIODIESEL Agência Nacional do Petróleo, Gás

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO 2007 www.agricultura.gov.br daa@agricultura.gov.br

Leia mais

ENERGIA, TECNOLOGIA E INSTITUIÇÕES: A PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL

ENERGIA, TECNOLOGIA E INSTITUIÇÕES: A PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL ENERGIA, TECNOLOGIA E INSTITUIÇÕES: A PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL RENATA MARTINS SAMPAIO Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) / Instituto de Geociências (IG), Departamento de Política Científica

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

TECNOLOGIA E MERCADO GLOBAL: PERSPECTIVAS PARA SOJA. Mudanças climáticas e estratégias para a agricultura

TECNOLOGIA E MERCADO GLOBAL: PERSPECTIVAS PARA SOJA. Mudanças climáticas e estratégias para a agricultura TECNOLOGIA E MERCADO GLOBAL: PERSPECTIVAS PARA SOJA Mudanças climáticas e estratégias para a agricultura INDICE AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: CONCEITOS ATITUDES FRENTE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Leia mais

Biodiesel: O custo e a economia do biocombustível

Biodiesel: O custo e a economia do biocombustível Biodiesel: O custo e a economia do biocombustível O Histórico do PNPB Segurança energética Os benefícios do biodiesel: PIB e Emprego; Benefícios ambientais e de saúde pública; Agregação de valor na cadeia;

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS EDIÇÃO N o 68 Setembro/2013

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 I Resultados do mês (comparativo Mar/2015 Mar/2014)

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola Primeiro e Pecuário Relatório de Avaliação Nacional PAP 2013/2014 sobre Mudanças Climáticas ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Nelson

Leia mais

Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República

Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República Membro da Comissão Executiva Interministerial e do Grupo Gestor do Biodiesel Consolidação do Programa Nacional

Leia mais

Por quê o (plantio) Óleo de Palma não avança no Brasil? Marcello Brito, Diretor Comercial & Sustentabilidade AGROPALMA

Por quê o (plantio) Óleo de Palma não avança no Brasil? Marcello Brito, Diretor Comercial & Sustentabilidade AGROPALMA Por quê o (plantio) Óleo de Palma não avança no Brasil? Marcello Brito, Diretor Comercial & Sustentabilidade AGROPALMA Fatores Preponderantes ao cultivo da palma de óleo Edafoclimáticos Alta incidência

Leia mais

Judicael Clevelário Júnior

Judicael Clevelário Júnior ANÁLISE DOS IMPACTOS NA SAÚDE E NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DECORRENTES DE AGRAVOS RELACIONADOS AO ESGOTAMENTO SANITÁRIO INADEQUADO NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS COM MAIS DE 300.000 HABITANTES Denise Maria

Leia mais