Os recursos hídricos no Brasil e no mundo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os recursos hídricos no Brasil e no mundo"

Transcrição

1 Os recursos hídricos no Brasil e no mundo

2

3

4

5

6

7

8

9 DISPONIBILIDADE DE ÁGUA POR HAB./ANO NO MUNDO (ANA, 2005) Exemplos de países situados na parte superior da lista Ranking Continente País Recursos Hídricos (m³/pessoa.ano) 1 América do Norte Groenlândia América do Norte Alasca, Estados Unidos América do Sul Guiana Francesa Europa Islândia América do Sul Guiana América do Sul Suriname América do Sul Brasil

10 DISPONIBILIDADE DE ÁGUA POR HAB./ANO NO MUNDO (ANA, 2005) Ranking Exemplos de países situados na parte média da lista Continente Europa América do Norte Ásia Europa Ásia Europa África País Portugal México Coréia França Japão Itália Nigéria Recursos Hídricos (m³/pessoa.ano)

11 DISPONIBILIDADE DE ÁGUA POR HAB./ANO NO MUNDO (ANA, 2005) Exemplos de países situados na parte inferior da lista Ranking Continente País Recursos Hídricos (m³/pessoa.ano) 133 Ásia Índia Europa Alemanha África África do Sul Ásia Israel Ásia Arábia Saudita Ásia Emirados Árabes Unidos Ásia Kuwait 10

12

13

14 Usos múltiplos da água por continente (km 3 ) (1995) Região Irrigação Indústria Doméstico/ municipal África 127,7 7,3 10,2 Ásia 1.388,8 147,0 98,0 Austrália - Oceania 5,7 0,3 10,7 Europa 141,1 250,4 63,7 Américas do Norte e Central 248,1 235,5 54,8 América do Sul 62,7 24,4 19,1 Total mundial 2.024,1 684,9 256,5 Percentagem do total mundial (%) 68,3 23,1 8,6 Ponte: Raven et a/. (1998).

15

16

17 CONSUMO DE ÁGUA DOCE NO PLANETA (ANA, 2005) Continente Retirada Total de Água Doce (km³/ano ) Volume de Retirada de Água Estimada para o ano 2000 (m³/hab/ano) Consumo Doméstic o (%) Consumo Industrial (%) Consum o Agrícola (%) Consumo Doméstico (m³/hab/ano) Consumo Industrial (m³/hab/ano) Consumo Agrícola (m³/hab/ano) África 151, , ,00 342, ,00 América do Norte e Central 608, , , , ,00 América do Sul 106, , ,00 370, ,00 Ásia 1495, , , , ,00 Europa 311, , , , ,00 Antiga União Soviética 269, , , , ,00 Oceania 16, , ,00 81,00 524,00 Total 2961, , , , ,00

18 CONSUMO DE ÁGUA PERCAPTA EM ALGUNS PAÍSES (UNEP, 1990) Estados Unidos, 500 litros Suécia, 250 litros Itália, 230 litros Alemanha, 145 litros Holanda, 120 litros França, 110 litros Brasil, 250 litros

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30 Usos múltiplos da água Agricultura Abastecimento público Irrigação e outras atividades relacionadas Usos domésticos Hidroeletricidade Usos industriais diversificados Recreação Turismo Pesca Produção pesqueira comercial ou esportiva Cultivo de peixes, moluscos, crustáceos de água doce. Aquacultura Reserva de água doce para futuros empreendimentos e conseqüente uso múltiplo Transporte e navegação Mineração

31 Histórico do uso e transformação dos ecossistemas aquáticos continentais Alteração e uso Navegação em canais naturais (km) Navegação em canais construídos < N.D N.D N.D N.D. Grandes represas (> 5 km 3 ) N.D. N.D N.D > Volume represado (km3) N.D. N.D. N.D. 528 N.D > m' Potencial hidroelétrico (MWh/ano x 10 6 ) N:D. N.D. N.D. 50 N.D I Retiradas de águas (km3/ano) Irrigação N.D Consumo N.D. 300 Todos os usos N.D Uso per capita (m3 x ano/pessoa x 10 3 ) N.D. Áreas drenadas (km 2 ) N.D. N.D. N.D. N.D. N.D

32

33

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43

44

45

46 O CASO DO MAR DE ARAL E SEUS AFLUENTES (ÁSIA CENTRAL) Localidade: Cazaquistão Forma original de uso: indústria de pesca, recreação e turismo Intervenção: produção de algodão irrigado Impacto Primário: Área (km2) Situação em Situação em O problema dos megaprojetos não é só o impacto inicial, é também o efeito posterior, que necessita ser dimensionado (Tundisi, 2003).

47 Consequências: 1) Aumento da salinidade devido a diminuição drástica do volume: 10g/l (1960) para 60g/l (2000); 2) Desertificação: 5 milhões de hectares em 40 anos. Hoje há uma taxa de expansão da desertificação de 150 mil hectares/ano; 3) Formação de solo improdutivo devido ao uso intensivo de pesticidas e irrigação mal controlada; 4) Aumento de 20% em mortalidade por doenças resultantes de substâncias tóxicas e salinização; 5) Aumento em 50% no índice de câncer, devido a ingestão de agrotóxicos e outras substâncias cancerígenas; 6) Milhares de desempregados pela extinção da indústria da pesca; 7) 35 milhões de pessoas afetadas direta ou indiretamente pelo desastre.

48

49

50

51

52

53 Déficits do setor de saneamento por região brasileira Déficit (%) Serviço Brasil Região Região Região Região Região Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Água 24,07 32,53 21,74 6,47 9,38 20,29 Esgoto 62,17 98,28 86,78 29,55 82,15 66,73 1. Com base nos dados do IBGE de Com base no Censo de 1991 do IBGE. (Adaptado de Hespanho1, 1999, e IBGE, 1997).

54

55

56

57 Síntese dos principais problemas e desafios para a gestão de recursos hídricos no Brasil Região Região Norte Região Nordeste Região Centro- Oeste Região Sudeste Usos Navegação Pesca Abastecimento público Energia Pesca Navegação Abastecimento público Energia Irrigação Pesca Navegação Abastecimento Turismo Recreação Abastecimento público Hidroeletricida de Turismo e recreação Características principais e impactos Abundãncia de água per capita Desmatamento Queimadas Mineração Escassez de água no semi-árido Salinização Doenças de veiculação hídrica Áreas alagadas frágeis e de alta biodiversidade Introdução de espécies exóticas Pesca excessiva Desmatamento Hidrovias Escassez relativa (alta concentração de população) Intensa urbanização Grande número de espécies exóticas intródl1zidas Principais desafios e problemas Conservação e sustentabilidade dos recursos hídricos Saneamento básico Manutenção da biodiversidade Controle da pesca Sustentabilidade do semi-árido Saneamento básico Disponibilização de água na região urbàna e tural Incremento da pesca e aql1acultura nos grandes reservatórios Conservação Manutenção da sustentabilidade Manutenção da biodiversidade Proteção de ecossistemas representativos Controle da pesca Recuperação de rios, lagos e represas Proteção dos mananciais e da biodiversidade Redução dos custos de tratamento

58 Síntese dos principais problemas e desafios para a gestão de recursos hídricos no Brasil (continuação) Região Região Sudeste Usos Pesca e aquacultura Navegação Uso industrial Pesca Características principais e impactos Eutrofização e toxicidade Aqüíferos contaminados Uso excessivo dos aqüíferos Principais desafios e problemas Solução da eutrofização e toxicidade Estímulo ao reuso Controle do turismo em grandes represas Recuperação e proteção dos aqüíferos Região Sul Abastecimento público Irrigação Hidroeletricida de Navegaçâo Pesca Uso industrial Turismo Abundância de água com tendência à escassez telativa por concenrração de população Intensa urbanização Contaminação e poluição por atividades agrícolas Aumento da toxicidade e eutrofização Contaminação dos aqüíferos Recuperação de rios, lagos e represas Redução dos custos de tratamento Tratamento da eutrofização e toxicidade Proteção de mananciais Proteção da biodiversidade em alagados Recuperação dos aqüíferos Todas as regiões Uso municipal Fonte: CTHidro (2002) Modificado Esgotos não tratados Degradação dos mananciais Contaminação dos aqüíferos Disposição de resíduos sólidos nas bacias hidrográficas Proteção dos mananciais Diminuição do desperdício Proteção e conservação das bacias hidrográficas Tratamento de esgotos Treinamento de gerentes Disposição adequada de resíduos

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO É ESSENCIAL PARA A VIDA NA TERRA serve de fundação a todos os ecossistemas SERVE DE FUNDAMENTAL

Leia mais

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO [27] TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO 1. Nos últimos anos a maioria dos países enfrentou grave crise econômica, que gerou um grande

Leia mais

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste No Brasil as políticas afirmativas tiveram inicio com a Constituição de 1988. A Legislação de Recursos Hídricos avançou em mecanismos de gestão e governança

Leia mais

Governança da Água no Brasil

Governança da Água no Brasil Governança da Água no Brasil Devanir Garcia dos Santos Coordenador de Implementação de Projetos Indutores - ANA Seminário Água em Debate: Uso Sustentável da Água na Agricultura Desafios e Soluções Brasília

Leia mais

ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21

ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21 ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21 Cuidar da Água: Desafio para sociedade Combater: Desmatamento Poluição Desperdício Investir Refloretamento Saneamento Tecnologia e Gestão Integrada 8,5 145 72 70 20

Leia mais

A água nossa de cada dia

A água nossa de cada dia A água nossa de cada dia Marco Antonio Ferreira Gomes* Foto: Eliana Lima Considerações gerais A água é o constituinte mais característico e peculiar do Planeta Terra. Ingrediente essencial à vida, a água

Leia mais

Áreas degradadas. Áreas degradadas conceitos e extensão

Áreas degradadas. Áreas degradadas conceitos e extensão Áreas degradadas Áreas degradadas conceitos e extensão Conceituação e caracterização de áreas degradadas O ecossistema que sofreu alterações relativas à perda da cobertura vegetal e dos meios de regeneração

Leia mais

Localização Estoques Hídricos

Localização Estoques Hídricos ÁGUA USO RACIONAL FUNDAÇÃO RELICTOS Ciclo da Água Estado Físico da Água. Localização Estoques Hídricos Água no Mundo Água no Nosso Corpo 74% do nosso corpo também é constituído de água. Assim como a água

Leia mais

Dimensão ambiental e atuação parlamentar. Consultoras Legislativas da Área XI

Dimensão ambiental e atuação parlamentar. Consultoras Legislativas da Área XI Dimensão ambiental e atuação parlamentar Ilidia Juras Suely Araújo Consultoras Legislativas da Área XI SUMÁRIO "Limites da Terra principais problemas ambientais: no mundo no Brasil A atuação parlamentar

Leia mais

NOVA VISÃO DO GESTÃO SUSTENTÁVEL DE RECURSOS HÍDRICOS

NOVA VISÃO DO GESTÃO SUSTENTÁVEL DE RECURSOS HÍDRICOS NOVA VISÃO DO SANEAMENTO NA GESTÃO SUSTENTÁVEL DE RECURSOS HÍDRICOS IMPORTÂNCIA DO REUSO NA GESTÃO Alan Graham Macdiarmid (Prêmio Nobel de Química 2000) Energia Democracia Água Educação 10 maiores problemas

Leia mais

Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente

Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente Antonio Rocha Magalhães CGEE Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Ex-membro da CJP de Brasilia. A Campanha da Fraternidade Ecumênica, de 2016, elegeu

Leia mais

O retrato da água no Brasil na visão da Sociedade

O retrato da água no Brasil na visão da Sociedade O retrato da água no Brasil na visão da Sociedade Enfrentando a escassez da água O Dia da Água, instituído por resolução da assembleia das ONU em 22 de março de 1992, chama atenção da sociedade para a

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

Investimento e Gestão: desatando o nó logístico do País. 6º Ciclo ÁGUA. Painel 3

Investimento e Gestão: desatando o nó logístico do País. 6º Ciclo ÁGUA. Painel 3 Investimento e Gestão: desatando o nó logístico do País I Identificação 6º Ciclo ÁGUA Painel 3 Assunto: Saneamento básico: principais gargalos e soluções. Local: Plenário da Comissão de Serviços de Infraestrutura

Leia mais

Serviços dos ecossistemas aquáticos

Serviços dos ecossistemas aquáticos Recursos hídricos na Região Sudeste: segurança hídrica, riscos, impactos e soluções Serviços dos ecossistemas aquáticos Colaboradores Maione Wittig Franco Raquel Cordeiro Francisco AR Barbosa LIMNEA/ICB-UFMG

Leia mais

Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013. QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM

Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013. QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM As Principais Ameaças a Conservação do Ecossistema de Várzea Amazônica, e a Experiência do Instituto Mamirauá (IDSM-OS) Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013 QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento

Leia mais

O Entrave para a Paz no Oriente Médio e Norte da África - ÁGUA

O Entrave para a Paz no Oriente Médio e Norte da África - ÁGUA O Entrave para a Paz no Oriente Médio e Norte da África - ÁGUA A água cobre mais de 70% do planeta. Porém, somente 3% é água doce, sendo o restante água salgada. A degradação dos ecossistemas de água doce

Leia mais

Escassez de água: Aspectos econômicos, sociais e ambientais. Prof. Dr. Antonio Carlos Zuffo

Escassez de água: Aspectos econômicos, sociais e ambientais. Prof. Dr. Antonio Carlos Zuffo Escassez de água: Aspectos econômicos, sociais e ambientais Prof. Dr. Antonio Carlos Zuffo Campinas, 18 de Março de 2015 S 1974 1987 1999 2013 Conceitos Básicos Bilhões 3 4 5 6 7 8 9 Figura 1. Gráfico

Leia mais

JOSÉ GALIZIA TUNDISI

JOSÉ GALIZIA TUNDISI JOSÉ GALIZIA TUNDISI é presidente e pesquisador do Instituto Internacional de Ecologia (São Carlos) e professor convidado do Instituto de Estudos Avançados da USP (São Carlos). JOSÉ GALIZIA TUNDISI aintrodução

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E AÇÃO LOCAL FRENTE A CRISE HÍDRICA NO SUDESTE DO BRASIL

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E AÇÃO LOCAL FRENTE A CRISE HÍDRICA NO SUDESTE DO BRASIL MUDANÇAS CLIMÁTICAS E AÇÃO LOCAL FRENTE A CRISE HÍDRICA NO SUDESTE DO BRASIL Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria Municipal do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável LOCALIZAÇÃO Macrometrópole

Leia mais

Questão 25 Questão 26

Questão 25 Questão 26 Questão 25 Questão 26 A Antártida apresenta um quadro natural com características marcantes: o inverno é longo, com seis meses sem luz solar e médias térmicas ao redor de 60ºC negativos; no verão, o albedo

Leia mais

Águas subterrâneas, poços tubulares e o saneamento brasileiro

Águas subterrâneas, poços tubulares e o saneamento brasileiro Águas subterrâneas, poços tubulares e o saneamento brasileiro Dr. Ricardo Hirata CEPAS Vice-Diretor Instituto de Geociências Universidade de São Paulo Imagine se uma grande maldição se abatesse sobre o

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO

PROBLEMAS AMBIENTAIS NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO Problemas Ambientais no Brasil 1 PROBLEMAS AMBIENTAIS NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO! Os problemas ambientais no Brasil estão relacionados ao complexo quadro de crise geral e a falta de uma política quanto ao

Leia mais

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN Resumo expandido - Avaliação e Estudos de Impactos Ambientais Manoel Cirício Pereira Neto

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

Questão 25. Questão 27. Questão 26. alternativa A. alternativa D

Questão 25. Questão 27. Questão 26. alternativa A. alternativa D Questão 25 Observe os mapas, que representam as sub-regiões e as bacias hidrográficas do Nordeste brasileiro. (IBGE.) Indique a alternativa que contém as sub-regiões inteiramente localizadas na Bacia de

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros CRESCIMENTO POPULACIONAL Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros O que é Crescimento Populacional? O crescimento populacional é a mudança positiva do número de indivíduos de uma população dividida por

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS CONCEITUAÇÃO, DISPONIBILIDADE E USOS

RECURSOS HÍDRICOS CONCEITUAÇÃO, DISPONIBILIDADE E USOS ESTUDO ESTUDO RECURSOS HÍDRICOS CONCEITUAÇÃO, DISPONIBILIDADE E USOS ESTUDO ABRIL/2004 José de Sena Pereira Júnior Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial,

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE ÁGUA DE IRRIGAÇÃO 04/11/2015 XVIII COBREAP

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE ÁGUA DE IRRIGAÇÃO 04/11/2015 XVIII COBREAP XVIII COBREAP Radegaz Nasser Júnior Engenheiro Civil e de Segurança do Trabalho Pós-graduado em Avaliações e Perícias (IBAPE-ES / UNIVILA) Mestre em Avaliações (UPV Universidade Politécnica de Valência

Leia mais

ALEXANDRA FACCIOLLI MARTINS Buenos Aires - 05/06/14

ALEXANDRA FACCIOLLI MARTINS Buenos Aires - 05/06/14 ALEXANDRA FACCIOLLI MARTINS Buenos Aires - 05/06/14 1 SISTEMA CANTAREIRA: LOCALIZAÇÃO 2 REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Disponibilidade Hídrica = Regiões Áridas 7.900 km² (quase coincidente com a Bacia

Leia mais

Unidade 8. Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas

Unidade 8. Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas Unidade 8 Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas Ciclos Biogeoquímicos Os elementos químicos constituem todas as substâncias encontradas em nosso planeta. Existem mais de 100 elementos químicos,

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

ÁGUA: PESQUISA PARA A SUSTENTABILIDADE

ÁGUA: PESQUISA PARA A SUSTENTABILIDADE Workshop FAPESP/SABESP ÁGUA: PESQUISA PARA A SUSTENTABILIDADE Adolpho José Melfi 12/05/09 Água Recurso natural do século 21 Densamente povoado Gestão Fortemente urbanizado Altamente industrializado Representa

Leia mais

Analise o gráfico sobre o número acumulado de inversões térmicas, de 1985 a 2003, e a) defina o fenômeno meteorológico denominado inversão

Analise o gráfico sobre o número acumulado de inversões térmicas, de 1985 a 2003, e a) defina o fenômeno meteorológico denominado inversão 11 GEOGRAFIA Nas épocas de estiagem, a dispersão de poluentes é dificultada e a qualidade do ar piora muito na cidade de São Paulo, afetando, consideravelmente, a saúde das pessoas. NÚMERO DE INVERSÕES

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

Parecer sobre a Salinidade do Rio Araranguá e suas Implicações para a Cultura do Arroz Irrigado

Parecer sobre a Salinidade do Rio Araranguá e suas Implicações para a Cultura do Arroz Irrigado Parecer sobre a Salinidade do Rio Araranguá e suas Implicações para a Cultura do Arroz Irrigado Introdução A bacia hidrográfica do rio Araranguá está inserida na Região Hidrográfica Catarinense do Extremo

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA HÍDRICA OFICINA: SETOR HIDROELETRICIDADE

CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA HÍDRICA OFICINA: SETOR HIDROELETRICIDADE CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA HÍDRICA OFICINA: SETOR HIDROELETRICIDADE Luiz Fernando V. Rezende Consórcio Capim Branco Energia CRISE HÍDRICA NO BRASIL - SETOR ELETRICO Capacidade de Geração do Brasil

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável Capítulo II. O Desenvolvimento Sustentável e suas Dimensões Social e Econômica

Desenvolvimento Sustentável Capítulo II. O Desenvolvimento Sustentável e suas Dimensões Social e Econômica Desenvolvimento Sustentável Capítulo II O Desenvolvimento Sustentável e suas Dimensões Social e Econômica A Dimensão Social do Desenvolvimento Sustentável: O caso da Energia Eólica Segundo Sachs (1993),

Leia mais

Questões Climáticas e Água

Questões Climáticas e Água Questões Climáticas e Água Material de apoio para Monitoria 1. (UNICAMP-2012) O mapa abaixo indica a ocorrência de queda de neve na América do Sul. Observe o mapa e responda às questões. a) Que fatores

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

EFEITOS DO AQUECIMENTO GLOBAL NAS DISPONIBILIDADES DE ÁGUA DOCE. Carlos Mello Garcias 1 Arnaldo Carlos Muller 2

EFEITOS DO AQUECIMENTO GLOBAL NAS DISPONIBILIDADES DE ÁGUA DOCE. Carlos Mello Garcias 1 Arnaldo Carlos Muller 2 EFEITOS DO AQUECIMENTO GLOBAL NAS DISPONIBILIDADES DE ÁGUA DOCE Carlos Mello Garcias 1 Arnaldo Carlos Muller 2 1 Carlos Mello GARCIAS: Engenheiro Civil-UFPR 1975; Mestre em Recursos Hídricos e Saneamento-

Leia mais

Programação Anual. 6 ọ ano (Regime 9 anos) 5 ạ série (Regime 8 anos) VOLUME VOLUME

Programação Anual. 6 ọ ano (Regime 9 anos) 5 ạ série (Regime 8 anos) VOLUME VOLUME Programação Anual 6 ọ ano (Regime 9 anos) 5 ạ série (Regime 8 anos) 1 ọ 2 ọ O OLHAR GEOGRÁFICO: LENTES NOVAS PARA ENTENDER NOSSO MUNDO 1. O espaço em transformação Geografia para quê? O espaço geográfico:

Leia mais

3 - A Água e a Economia

3 - A Água e a Economia 22 Crise nas Águas Ricardo M. Pinto-Coelho & Karl Havens 3 - A Água e a Economia A água desempenha um papel muito mais importante na vida econômica de um país do que o de representar apenas uma matéria-prima

Leia mais

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Prof. José Carlos Mierzwa mierzwa@usp.br São Paulo, 29 de Outubro de 2014 Sumário da apresentação Conceitos

Leia mais

MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS DECLARAÇÃO ALUSIVA AO DIA MUNDIAL DA ÁGUA 22 DE MARÇO DE 2016 Água e Emprego DECLARAÇÃO ALUSIVA AO DIA MUNDIAL DA ÁGUA O dia 22 de Março foi instituído em 1992 pela Organização

Leia mais

Saneamento Básico na Área Rural. Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos

Saneamento Básico na Área Rural. Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos Saneamento Básico na Área Rural Fontes dispersas com ênfase nos resíduos orgânicos MSc. Lilian F. de Almeida Martelli São Carlos, 30 de Outubro de 2013 BRASIL: o Celeiro do mundo Destaque na produção agrícola

Leia mais

4. Indicadores de desenvolvimento sustentável

4. Indicadores de desenvolvimento sustentável 4. es de desenvolvimento sustentável para o Município de Fronteira 1. Os indicadores de desenvolvimento sustentável são instrumentos de monitorização do caminho que é percorrido desde a situação existente,

Leia mais

A região Nordeste e seus aspectos econômicos e sociais. As atividades econômicas

A região Nordeste e seus aspectos econômicos e sociais. As atividades econômicas A região Nordeste e seus aspectos econômicos e sociais As atividades econômicas Conforme o mapa mostra, de todas as capitais nordestinas, apenas Teresina, capital do Piauí, não está voltada para o Oceano

Leia mais

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas UFRGS Porto Alegre-RS Brasil Conteúdo Desenvolvimento urbano e a fonte de impacto na gestão das águas As fases

Leia mais

Camila Rosani Beal², Reginaldo Ferreira Santos²

Camila Rosani Beal², Reginaldo Ferreira Santos² Revista Brasileira de Energias Renováveis Estudo sobre o consumo de água em restaurantes na cidade de Cascavel - PR¹ Camila Rosani Beal², Reginaldo Ferreira Santos² ¹ Aceito para publicação em 1 de outubro

Leia mais

PROF. TOMÁZ PESSOA 1

PROF. TOMÁZ PESSOA 1 1. Entendendo que as setas do esquema significam a água entrando na superfície, ou dela saindo, os nomes LIVRE, SUSPENSO, CONFINADO e COSTEIRO referem-se a uma determinada estrutura líquida do planeta

Leia mais

O que são e como funcionam os Aquíferos e as Águas Subterrâneas

O que são e como funcionam os Aquíferos e as Águas Subterrâneas Águas subterrâneas: uso atual e potencial para a Segurança Hídrica Encontro Temático: Água, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional São Paulo 23 e 24 de setembro de 2015 Osvaldo Aly Jr Engenheiro

Leia mais

Prof: Marcio Santos Enem 2009

Prof: Marcio Santos Enem 2009 Prof: Marcio Santos Enem 2009 Mapa Mundi Ciências Humanas Aula III Brasil Características Políticas - Nome: República Federativa do Brasil - 5º país do mundo em população - 5º país do mundo em território

Leia mais

GESTÃO INTEGRADA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS - PRINCIPAIS DIRETRIZES E DESAFIOS. Flávio Terra Barth 1

GESTÃO INTEGRADA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS - PRINCIPAIS DIRETRIZES E DESAFIOS. Flávio Terra Barth 1 GESTÃO INTEGRADA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS - PRINCIPAIS DIRETRIZES E DESAFIOS Flávio Terra Barth 1 Resumo - A Lei Federal 9.433, de 8 de janeiro de 1997 sobre a Política e o Sistema Nacional de Recursos

Leia mais

COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA

COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA Ocupa mais de 5 milhões de km ²; Abrange quase toda a região Norte, centro-norte do Mato Grosso e oeste do Maranhão; É marcada pela presença da Floresta Amazônica; A Floresta

Leia mais

Questão 25. Questão 27. Questão 26. alternativa B. alternativa C

Questão 25. Questão 27. Questão 26. alternativa B. alternativa C Questão 25 No Brasil, no período 1990-91 a 2003-04, a produção de grãos apresentou crescimento de 125%, enquanto a área plantada aumentou apenas 24%, conforme mostra o gráfico. BRASIL _ ÁREA PLANTADA E

Leia mais

Água no Brasil: abundância, desperdício e escassez

Água no Brasil: abundância, desperdício e escassez Água no Brasil: abundância, desperdício e escassez Aldo da C. Rebouças * Resumo A descarga média de longo período nos rios (182.6 m /s), dividida pela população de 170 milhões de habitantes (IBGE, 2000),

Leia mais

Água na produção de alimentos: o papel da academia e da indústria no alcance do desenvolvimento sustentável

Água na produção de alimentos: o papel da academia e da indústria no alcance do desenvolvimento sustentável Água na produção de alimentos: o papel da academia e da indústria no alcance do desenvolvimento sustentável WATER IN FOOD PRODUCTION: UNIVERSITY AND INDUSTRY WORK ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT REACH Demetrios

Leia mais

Gisela Forattini Diretora da Agência Nacional de Águas Conferência Nacional de Segurança Hídrica CNSH 13 a 16 de setembro de 2015 Uberlândia/MG

Gisela Forattini Diretora da Agência Nacional de Águas Conferência Nacional de Segurança Hídrica CNSH 13 a 16 de setembro de 2015 Uberlândia/MG SEGURANÇA HÍDRICA Gisela Forattini Diretora da Agência Nacional de Águas Conferência Nacional de Segurança Hídrica CNSH 13 a 16 de setembro de 2015 Uberlândia/MG SUMÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA A EVOLUÇÃO DO

Leia mais

VII SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL

VII SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL VII SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOSH NA RMSP - SABESP MAIO DE 2010 Gestão de Recursos Hídricos PANORAMA GLOBAL Aumento da população mundial: 1950 2,52 bilhões

Leia mais

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA A hidrosfera fonte para a vida A superfície do planeta Terra é constituída predominantemente de água. Os continentes e ilhas constituem cerca de 30% da superfície

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO Fredy Moreinos Netafim Brasil Sist. Equips. Irrigação Ltda Rua Salvador Scaglione, 135 14066-446 Ribeirão Preto SP 55 16 2111.8000 netafim@netafim.com.br O Brasil

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - Julho 2005-1ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 GEOGRAFIA QUESTÃO 21

Processo Seletivo/UFU - Julho 2005-1ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 GEOGRAFIA QUESTÃO 21 Observe a tabela. GEOGRAFIA QUESTÃO 21 POPULAÇÃO DE CONSUMIDORES NOS PAÍSES, EM 2002 País População da Classe de Participação nototal da Consumidores (em milhões) População (em %) Estados Unidos 242,5

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL 08 de Novembro de 2012 O que é o Brasil Rural? O Brasil Rural Diversidade: raças, origens étnicas, povos, religiões, culturas Conflitos: concentração de terra, trabalho

Leia mais

PEP/2011 3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

PEP/2011 3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) PEP/2011 3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO 1 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Estudar o processo de ocupação da Região Norte do Brasil, a partir de 1970, e concluir sobre os impactos causados

Leia mais

O mito da estiagem de São Paulo

O mito da estiagem de São Paulo TRABALHO GEOGRAFIA: Formar grupos de no máximo 4 integrantes. Preparar apresentação do texto para próxima 5 a feira(16/06). O mito da estiagem de São Paulo Costa do Sudeste brasileiro Embora as fontes

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

HIDROLOGIA CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO À HIDROLOGIA. 1.1. Introdução

HIDROLOGIA CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO À HIDROLOGIA. 1.1. Introdução HIDROLOGIA CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO À HIDROLOGIA 1.1. Introdução Hidrologia: é a ciência que trata da água na Terra, sua ocorrência, circulação e distribuição, suas propriedades físicas e químicas e sua

Leia mais

Atendimento urbano por rede coletora de esgotos. Fonte: Conjuntura (2009). ANA

Atendimento urbano por rede coletora de esgotos. Fonte: Conjuntura (2009). ANA PROGRAMA PELD Rogers et all, 2006 Atendimento urbano por rede coletora de esgotos. Fonte: Conjuntura (2009). ANA Paris, 24 e 25 de Março G8 + 5 Academias Números do problema Mundial da Água 2,6 bilhões

Leia mais

Carlos A Nobre Centro de Ciência do Sistema Terrestre, INPE. Foto: David McGrath. Senado Federal

Carlos A Nobre Centro de Ciência do Sistema Terrestre, INPE. Foto: David McGrath. Senado Federal MUDANÇAS AS CLIMÁTICAS E O BRASIL Carlos A Nobre Centro de Ciência do Sistema Terrestre, INPE Foto: David McGrath Senado Federal Brasília, 29 de Outubro de 2008 Vulnerabilidade do Brasil às Mudanças Climáticas

Leia mais

PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO - PLANSAB

PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO - PLANSAB Implementação do Marco Regulatório do Saneamento Ambiental PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO - PLANSAB Ernani Ciríaco de Miranda Diretor da DARIN/SNSA/MCIDADES Belo Horizonte, 20 de março de 2013 Art.

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

9º Lugar. População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB :

9º Lugar. População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB : População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB : per capita R$ 7.701,00 9º Lugar Principais distâncias: Goiânia: 154 km Brasília:

Leia mais

2005-2015 - A Década da ONU Água para a vida

2005-2015 - A Década da ONU Água para a vida THE GAIA-MOVEMENT TRUST LIVING EARTH GREEN WORLD ACTION O Movimento GAIA Março 2005 THE GAIA-MOVEMENT TRUST LIVING EARTH GREEN WORLD ACTION 2005-2015 - A Década da ONU Água para a vida Água para os Ecosistemas

Leia mais

Formas de uso da água

Formas de uso da água Formas de uso da água INTRODUÇÃO A água é utilizada para várias atividades humanas: uso doméstico, geração de energia, irrigação, navegação, lazer, entre outras atividades. Distribuição relativa do consumo

Leia mais

Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos;

Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos; MICRORGANISMOS E MEIO AMBIENTE Microbiologia ambiental relaciona-se principalmente com os processos microbianos que ocorrem no solo, na água, no ar ou nos alimentos; 1 Os microrganismos vivem em comunidades,

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS 1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS A sustentabilidade e a integração prática das diferentes modalidades do saneamento: água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos Porto Alegre, 01 de dezembro

Leia mais

AGRICULTURA IRRIGADA E ESTIAGEM NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO

AGRICULTURA IRRIGADA E ESTIAGEM NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO AGRICULTURA IRRIGADA E ESTIAGEM NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO Daniel Pereira Guimarães 1, Elena Charlotte Landau 1, Denise Luz de Sousa 2 1 Engenheiro Florestal, Pesquisador, Embrapa Milho e Sorgo, Sete

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes A água é o constituinte mais característico da terra, é o ingrediente essencial da vida, a água é talvez o recurso mais precioso que a terra fornece

Leia mais

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar GEOGRAFIA

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar GEOGRAFIA Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar GEOGRAFIA A proposta A proposta do Material Didático Positivo é a de construir um entendimento do geográfico com a perspectiva de que os

Leia mais

Livro. Amazônia. do Aquário de São Paulo

Livro. Amazônia. do Aquário de São Paulo Livro mazônia do quário de São Paulo Bioma mazônia mazônia ocupa a porção norte do Brasil e é nosso maior bioma. m bioma é um conjunto de ecossistemas semelhantes. pesar de ser considerado um bioma único,

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br Nas questões de 1 a 30, marque, em cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Na Folha de Respostas, a indicação do campo SR é facultativa e não contará para efeito de avaliação;

Leia mais

1. Seu município enfrenta problemas com a seca? 43 Sim... 53% 38 Não... 47%

1. Seu município enfrenta problemas com a seca? 43 Sim... 53% 38 Não... 47% O CASO DO MARANHÃO O Estado do Maranhão tem uma área territorial de pouco mais de 331 mil de km² e é o 2º maior estado do Nordeste em dimensões territoriais correspondente a 4% do tamanho do Brasil, e

Leia mais

IMPACTO E PERSPECTIVAS SOBRE A REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA

IMPACTO E PERSPECTIVAS SOBRE A REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA IMPACTO E PERSPECTIVAS SOBRE A REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA Vera Maria Lopes Ponçano 1, Genesis Duarte de Oliveira Silva 2 1 Consultora Independente, Rede Metrológica do Estado de São Paulo,

Leia mais

Hidrografia - Brasil. Professora: Jordana Costa

Hidrografia - Brasil. Professora: Jordana Costa Hidrografia - Brasil Professora: Jordana Costa As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado em relação a disponibilidade de água; Possui cerca de 12% de água doce do planeta em

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA AMAZÔNICA DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS: A CRIAÇÃO DO COMITÊ DE MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TARUMÃ-AÇU, MANAUS AM BRASIL

UMA EXPERIÊNCIA AMAZÔNICA DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS: A CRIAÇÃO DO COMITÊ DE MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TARUMÃ-AÇU, MANAUS AM BRASIL UMA EXPERIÊNCIA AMAZÔNICA DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS: A CRIAÇÃO DO COMITÊ DE MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TARUMÃ-AÇU, MANAUS AM BRASIL Profº Esp. Francisco Emerson Vale Costa SEDUC/PA PPGEO/UFPA

Leia mais

Nome: ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Nome: ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Disciplina: Geografia Ano / Série: 6ª ano Professor (a):gabriel Moreira Perona Data: / / 2014 Roteiro de Recuperação Nome: ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM

VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM María del Pilar Durante Ingunza (1) Geóloga/Universidad Complutense de Madrid/Espanha, Mestre em Meio Ambiente/Universidad Politécnica de Madrid/Espanha,

Leia mais

PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS

PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO ESTUDO PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS José de Sena Pereira Jr. Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

O VALOR DA NATUREZA E A ENGENHARIA AMBIENTAL

O VALOR DA NATUREZA E A ENGENHARIA AMBIENTAL O VALOR DA NATUREZA E A ENGENHARIA AMBIENTAL Joésio Deoclécio Pierin Siqueira Eng. Florestal, Dr. em Economia e Política Florestal Vice-Presidente da STCP Engenharia de Projetos DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS

Leia mais

20114 Advocacia-Geral da União. Apoio às Políticas Públicas e Áreas Especiais 0580 Defesa Jurídica da União. 92000 Atividades Padronizadas

20114 Advocacia-Geral da União. Apoio às Políticas Públicas e Áreas Especiais 0580 Defesa Jurídica da União. 92000 Atividades Padronizadas Anexo III - s Responsáveis por s 20114 Advocacia-Geral da União 0580 Defesa Jurídica da União 92000 Atividades Padronizadas 0089 Previdência de Inativos e Pensionistas da União 0750 0807 Apoio Administrativo

Leia mais

Por que o nível dos mares não sobe, mesmo recebendo continuamente as águas dos rios?

Por que o nível dos mares não sobe, mesmo recebendo continuamente as águas dos rios? CICLO DA ÁGUA 1. (ENEM-1998) O sol participa do ciclo da água, pois além de aquecer a superfície da Terra dando origem aos ventos, provoca a evaporação da água dos rios, lagos e mares. O vapor da água,

Leia mais

PROGRAMA INTERAÇÕES IMPROVÁVEIS ÁGUA DE

PROGRAMA INTERAÇÕES IMPROVÁVEIS ÁGUA DE 1 Adriana Jazzar São Paulo - abril/maio - 2015 2 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO PARTE 1 ÁGUA FONTE DE VIDA v PORQUE PRECISAMOS DE ÁGUA PARA SOBREVIVER v OUTROS USOS DA ÁGUA v O CICLO DA ÁGUA NA NATUREZA v ÁGUA

Leia mais

1.Instituto Oksigeno... 3 Missão... 4 Visão... 4 Valores... 4

1.Instituto Oksigeno... 3 Missão... 4 Visão... 4 Valores... 4 Sumário 1.Instituto Oksigeno... 3 Missão... 4 Visão... 4 Valores... 4 2. Apresentação... 5 3. Objetivo... 6 3.1 Objetivos específicos... 6 4. Justificativa... 6 5. Educação Ambiental... 7 6. Prezo de execução...

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato) Dispõe sobre a recuperação e conservação de mananciais por empresas nacionais ou estrangeiras especializadas em recursos hídricos ou que oferecem serviços

Leia mais