Considerações sobre os crimes contra a Ordem Tributária

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Considerações sobre os crimes contra a Ordem Tributária"

Transcrição

1 Considerações sobre os crimes contra a Ordem Tributária Diogo Malan SUMÁRIO: 1. Introdução 2. Crime do colarinho branco 3. Fundamento político-criminal dos crimes contra a Ordem Tributária 4. Parte Geral: 4.1 Antecedentes históricos da Lei 8.137/90; 4.2 Conceito de crime contra a Ordem Tributária e bem jurídico tutelado; 4.3 Sujeitos do crime; 4.4 Responsabilidade penal; 4.5 Extinção da punibilidade pelo pagamento 5. Parte Especial: 5.1 Considerações gerais; 5.2 Artigo 1º da Lei 8.137/90; 5.3 Artigo 2º da Lei 8.137/90; 5.4 Artigo 3º da Lei 8.137/90 6. Questões processuais: 6.1 Representação fiscal para fins penais; 6.2 Denúncia genérica; 6.3 Afastamento de sigilos fiscal e financeiro; 6.4 Inviolabilidade domiciliar e privilégio contra a autoincriminação; 6.5 Suspensão da pretensão estatal punitiva e do prazo prescricional 7. Conclusão 8. Referências bibliográficas Resumo: Estudo panorâmico sobre os crimes contra a Ordem Tributária tipificados nos artigos 1º, 2º e 3º da Lei 8.137/90, incluindo seus principais aspectos criminológicos, políticocriminais, penais e processuais penais. Summary: Panoramic study on tax crimes according to articles 1, 2 and 3 of Federal Law 8.107/90, including their main criminological, political, penal and procedural aspects. Palavras-chave: Crimes contra a Ordem Tributária Lei 8.137/90 Crime do colarinho branco Eticização do direito penal fiscal Crimes de acumulação ( Kumulationsdelikte ) Key words: Tax Crimes Federal Law 8.137/90 Whitecollar crime Ethicalization of tax criminal law Accumulation crimes ( Kumulationsdelikte ) 1. Introdução

2 O objetivo do presente artigo é propiciar ao leitor uma visão panorâmica acerca dos crimes contra a Ordem Tributária, abrangendo todas as nuanças desses delitos. A esse propósito, de início serão analisados os aspectos criminológicos e político-criminais da criminalidade fiscal, incluindo o chamado crime do colarinho branco ( white collar crime ) e o fundamento político-criminal para a incriminação de condutas relacionadas à sonegação fiscal. Posteriormente, serão abordadas as questões jurídico-penais de caráter mais geral acerca desses crimes, como seu conceito, bem jurídico penalmente tutelado, sujeitos do crime, critérios de imputação e atribuição da responsabilidade penal, formas de extinção da punibilidade etc. Em seguida, serão investigadas as características dos três principais tipos penais relativos aos crimes contra a Ordem Tributária ora em vigor no ordenamento jurídico brasileiro: os artigos 1º, 2º e 3º da Lei 8.137/90. Por fim, serão perscrutadas as principais questões processuais que surgem por ocasião da persecução penal desses crimes contra a Ordem Tributária. Nesse diapasão, serão estudados institutos como a representação fiscal para fins penais, denúncia genérica, afastamento dos sigilos fiscal e financeiro do contribuinte, fiscalização tributária e inviolabilidade domiciliar, dever de informar e privilégio contra a auto-incriminação ( nemo tenetur se detegere ) e a suspensão da pretensão estatal punitiva e da prescrição. A opção pela abordagem de uma ampla gama de questões, se por um lado tem a vantagem de propiciar uma visão mais completa acerca do setor de incriminação ora em estudo, por outro acarreta certa desvantagem em termos da profundidade dogmática jurídico-penal da análise encetada. Nada obstante, se tentará minimizar tal desvantagem por meio do uso de notas de pé de página contendo fartas referências bibliográficas que permitem ao leitor interessado o aprofundamento do estudo de cada ponto abordado. 2. Crime do colarinho branco O conceito de white collar crime foi cunhado em 1939, por ocasião de palestra homônima proferida pelo

3 criminólogo norte-americano Edwin Sutherland na American Sociological Association. A pesquisa comprovou que das setenta maiores corporações norte-americanas, 100% delas já haviam sido condenadas (em média catorze vezes cada uma), perfazendo um total de novecentas e oitenta condenações pela prática de infrações de natureza penal e administrativa tais como fraudes fiscais, violações à livre concorrência, venda de produtos defeituosos etc. O índice de reincidência verificado nessas condutas foi de 91.7%. 1 Essa palestra causou tamanha inquietação no meio acadêmico que a obra homônima de Sutherland somente viria a ser publicada, na íntegra, trinta e quatro anos mais tarde. 2 Nessa ocasião, Sutherland fez duras críticas à inexistência de punição na esfera penal para infrações praticadas no âmbito empresarial, apresentando um novo perfil de delinqüente que entrava em rota de colisão com a Criminologia daquela época. Esta última tradicionalmente buscava explicar o fenômeno do crime através de relações de causa e efeito (teorias exógenas), a saber: a) teoria da ecologia criminal: segundo a Escola de Chicago, as características geográficas favorecem a prática de crimes, pois as pessoas são influenciadas pelas características do meio onde vivem. O fenômeno do crime estaria essencialmente concentrado nas periferias; b) teoria das subculturas criminais: focada na delinqüência juvenil, defende que jovens pobres praticam crimes pois não se sentem bem sucedidos à luz dos valores sociais predominantes, o que dá ensejo ao surgimento de subculturas criminais, que buscam abraçar outros valores; c) teoria da anomia social: sustenta que existem determinados objetivos que são comuns aos membros do corpo social, mas como os meios legítimos para alcançá-los não estão ao alcance de todos, surge o fenômeno da criminalidade. De acordo com Sutherland, nenhuma destas teorias explica de forma satisfatória o crime do colarinho branco, motivo pelo qual todas seriam equivocadas. 1 SANTOS, Cláudia Maria Cruz. O crime de colarinho branco, p SUTHERLAND, Edwin. White-collar crime: The uncut version.

4 O sobredito criminólogo introduziu a teoria da associação diferencial, segundo a qual tanto a motivação quanto o know-how necessários para a prática do crime resultam de um processo de aprendizagem dos valores predominantes em um determinado grupo social. 3 O crime do colarinho branco, portanto, comprova que não são diferenças (físicas, psíquicas ou sociais) do criminoso com relação às pessoas comuns que causam o fenômeno da criminalidade, pois os criminosos do colarinho branco são pessoas com boa situação econômica e social, além de perfeitamente capazes física e intelectualmente, até acima da média. Sutherland adotou um conceito subjetivo de white collar crime, centrado nas características pessoais do criminoso. Assim, para ele crime do colarinho branco é aquele crime praticado por pessoa de respeitabilidade e alta condição social, no exercício da sua atividade profissional. Algumas características do crime do colarinho branco que podem ser alinhavadas são as seguintes: 4 a) complexidade: a prática do crime normalmente exige conhecimentos especializados acerca do mundo dos negócios que estão além do alcance do cidadão comum; b) opacidade: o crime normalmente é praticado em lugares inacessíveis ou de acesso restrito, ao contrário do crime comum, praticado em locais públicos, à vista de todos; c) dificuldade estatal na investigação: os órgãos estatais responsáveis persecução penal encontram grandes dificuldades materiais na investigação desse tipo de delito, como conseqüência direta das sobreditas complexidade e opacidade; d) conflito latente: o crime não envolve a prática de violência ou grave ameaça, logo e a percepção social acerca do nexo de causalidade entre conduta e resultado criminoso é muito tênue; e) difusão da vitimização: o crime não atinge uma vítima individualizada e sim o Estado ou toda a coletividade, motivo pelo qual é reduzida a consciência social acerca da vitimização e da gravidade do crime; f) dispersão de responsabilidade: há uma diluição das responsabilidades penais individuais, porque 3 SANTOS, Cláudia Maria Cruz. Op. cit., p. 43 e ss. 4 SANTOS, Cláudia Maria Cruz. Op. cit., p. 100 e ss.

5 normalmente o crime é praticado por meio de uma pessoa jurídica e envolve um intrincado procedimento decisório, decorrente da complexa divisão de tarefas entre os diversos órgãos corporativos; A teoria do white collar crime foi importante na evolução do pensamento criminológico, na medida em que ela forçou o abandono da idéia de que o criminoso é uma pessoa anormal do ponto de vista biológico ou intelectual. Ademais disso, ela é importante para ressaltar as principais características sociológicas dos crimes contra a Ordem Tributária e seus autores. 3. Fundamento político-criminal dos crimes contra a Ordem Tributária O fundamento político-criminal da punição dos crimes contra a Ordem Tributária é o fenômeno da eticização do direito penal fiscal. 5 Tal fenômeno decorre da conscientização social acerca de que a arrecadação tributária não é um fim em si mesmo. Em vez disso, tal arrecadação é um meio indispensável para que o Estado Social de Direito realize seus objetivos de justiça social distributiva, impostos pelo seu cariz democrático. 6 Nesse diapasão, a obtenção de receitas tem como finalidade a consecução dos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil, notadamente a constituição de uma sociedade livre, justa e solidária e a erradicação da pobreza e da marginalização, além da redução das desigualdades sociais e regionais (artigo 3º da Carta Política). Assim, para Anabela Miranda Rodrigues a criminalização de condutas lesivas ao Erário satisfaz o critério político-criminal da necessidade. 7 Resta saber se tal processo de criminalização igualmente satisfaz os critérios da subsidiariedade e da eficácia. Quanto àquele critério, cumpre indagar se o Estado não dispõe de meios de cariz cível ou administrativo 5 RODRIGUES, Anabela Maria Pinto de Miranda. Contributo para a fundamentação de um discurso punitivo em matéria penal fiscal. 6 PRADO, Luiz Regis. Direito penal econômico, p RODRIGUES, Anabela Maria Pinto de Miranda. Op. cit., p. 482.

6 suficientes para tutelar a arrecadação tributária. No que tange a este último critério, o questionamento diz respeito à eficácia da tutela da arrecadação tributária pelo Direito Penal. A sobredita professora lusitana responde a essas questões da seguinte forma: Fundamento da intervenção punitiva penal é, também aqui, no domínio penal fiscal, a conservação ou o reforço da norma violada pelo crime como modelo de orientação do comportamento das pessoas na interação social. Tanto basta para que, no plano legal, não se justifique que se utilize apenas a pena de multa como pena principal. Só uma degradação das infrações penais fiscais em confronto com as infrações penais gerais pode explicar a não inclusão no elenco das penas principais a pena de prisão. À dignidade penal indiscutível dos comportamentos de fuga ilegítima ao fisco deve corresponder a dignidade das penas a aplicar. É testemunho do grau de eticização do direito penal fiscal a categoria das penas que o servem. 8 Logo, a referida autora vislumbra na incriminação de condutas lesivas ao Fisco a função de formar uma consciência ética fiscal na sociedade, despertando a percepção social acerca das vantagens oriundas do cumprimento dos deveres fiscais e das reais proporções da vitimização causada pelas condutas criminosas. Já Susana Aires de Sousa fundamenta a punição dos crimes fiscais partindo de uma concepção sóciopersonalista das relações entre o Estado e o contribuinte, segundo a qual a tributação se funda na figura do contribuinte, considerado ser social, possuidor de deveres contributivos ante o corpo social. Assim, o imposto adquire dimensão ética, se consubstanciando em: (i) instrumento de justiça social; (ii) meio financeiro indispensável ao cumprimento pelo Estado de 8 RODRIGUES, Anabela Maria Pinto de Miranda. Idem, ibidem.

7 programa de despesas públicas benéficas à sociedade como um todo. 9 Logo, a incriminação dos crimes fiscais se justificaria na medida em que a impunidade da conduta de um contribuinte individual pode dar azo a uma grande quantidade de condutas assemelhadas, a qual causa vultosos danos sociais. 10 Assim, o discurso punitivo relativo aos delitos fiscais aparenta fincar seus espeques na tese dos crimes de acumulação ( Kumulationsdelikte ), segundo a qual é legítimo se sancionar criminalmente uma determinada conduta por si só inofensiva ao bem jurídico tutelado, desde que haja diversos outros comportamentos idênticos, cujo somatório acarrete lesão ao referido bem. 11 Por outro lado, tal fundamento político-criminal é passível de críticas. A incriminação de conduta geradora tão-só de um perigo que pode ser considerado presumido, estatístico ou global ao bem jurídico penalmente tutelado rompe com o princípio da culpabilidade individual, justificando-se a sanção criminal com base em fatos praticados por terceiros. Ademais, os crimes de acumulação se relacionam a problemas sociais sistêmicos, os quais não podem ser atribuídos às ações de determinadas pessoas. Por fim, há violação aos princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, na medida em que a conduta do agente não enseja sequer perigo abstrato para o bem jurídico penalmente tutelado. 12 Uma análise mais aprofundada dessas críticas extrapola o objetivo do presente estudo. 4. Parte Geral 4.1 Antecedentes históricos da Lei 8.137/90 O primeiro diploma a tipificar o crime de sonegação fiscal no País foi a Lei 4.729/65, promulgada em plena 9 SOUSA, Suzana Aires de. Os crimes fiscais: Análise dogmática e reflexão sobre a legitimidade do discurso criminalizador, p SOUSA, Suzana Aires de. Op. cit., passim, especialmente p SILVA SÁNCHEZ, Jesús-María. A expansão do direito penal: Aspectos da política criminal nas sociedades pós-industriais, p. 121 e ss. 12 SILVA SÁNCHEZ, Jesús-María. Op. cit., p. 112 e ss.

8 ditadura militar, que cominava às condutas fraudulentas tipificadas no seu artigo 1º pena de detenção de seis meses a dois anos, além de multa de duas a cinco vezes o valor do tributo. Essa pena privativa de liberdade podia ser substituída pela pena pecuniária de valor correspondente a dez vezes o montante do crédito tributário sonegado, caso o agente fosse primário (artigo 1º, 1º). Considerada de péssima técnica legislativa 13, essa lei continha disposições teratológicas como o artigo 2º, parágrafo único, que dispunha Não será punida com as penas cominadas nos arts. 1º e 6º a sonegação anterior à vigência desta lei ; o artigo 3º, o qual asseverava que somente os atos definidos nesta Lei poderão constituir crime de sonegação fiscal ; o artigo 4º, que esclarecia que o valor da pena pecuniária imposta seria computado e recolhido integralmente como receita pública extraordinária. Os dois primeiros dispositivos eram absolutamente redundantes, eis que enunciavam regras decorrentes dos princípios já consagrados como a legalidade penal e a impossibilidade de aplicação retroativa de norma penal mais gravosa atualmente plasmados nos incisos XXXIX e XL da Constituição da República, respectivamente. O último dispositivo igualmente continha verdadeiro truísmo, pois seria impossível o cômputo e recolhimento do valor da sanção penal de natureza pecuniária como receita pública ordinária. No ano de 1990 veio à baila a Lei 8.137, a qual revogou a Lei 4.729/65. O novel diploma se originou do Projeto de Lei nº 4.788/90, de autoria do Poder Executivo, cuja exposição de motivos é de clareza meridiana ao preconizar o recrudescimento das normas incriminadoras e das penas como sendo uma medida idônea a desestimular a sonegação fiscal. Ademais, há três fatos sintomáticos do caldo de cultura político-criminal autoritário e punitivo no qual foi cozinhada a Lei 8.137/90. A uma, a inédita nomeação pelo então Presidente Fernando Collor de Mello (acoimado de caçador de marajás ) de um Delegado de Polícia Federal (Romeu Tuma) para o 13 FRAGOSO, Heleno Cláudio. O novo direito penal tributário e econômico; PIMENTEL, Manoel Pedro. Crime de sonegação fiscal.

9 cargo de Secretário da Receita Federal, em meio a discursos de maior rigor punitivo com os sonegadores do Fisco. A duas, o confisco de ativos dos cidadãos depositados no Sistema Financeiro Nacional, determinado pela Medida Provisória 168, de 15 de março de Por fim, a entrada em vigor naquele ano da chamada Lei dos Crimes Hediondos (Lei 8.072/90), considerada o marco inaugural da política criminal simbólica e punitivista neste País. Nesse contexto político-criminal, não causa surpresa que as penas cominadas aos crimes de sonegação fiscal foram substancialmente agravadas: de um máximo de dois anos de detenção (artigo 1º da Lei 4.729/65) passaram a um máximo de cinco anos de reclusão (artigo 1º da Lei 8.137/90). 4.2 Conceito de crime contra a Ordem Tributária e bem jurídico tutelado Como é cediço, o Direito Penal é um ramo do saber jurídico considerado de intervenção mínima, no sentido de que ele só deve intervir naqueles conflitos sociais considerados de extrema gravidade, relegando-se aos demais as sanções de natureza cível ou administrativa. Ademais disso, nosso ordenamento jurídicoconstitucional proíbe a prisão civil por dívida, ressalvando tão-somente as hipóteses do alimentante inadimplente e do depositário infiel (artigo 5º, LXVII). Assim, seria flagrantemente inconstitucional qualquer incriminação que incidisse sobre o mero inadimplemento de tributos. Nessa toada, quando o sujeito passivo da obrigação tributária se abstém do devido recolhimento do tributo, pratica uma infração fiscal que é sujeita a uma sanção de natureza administrativa (normalmente a multa fiscal). Tal fato não se reveste, por si só, de relevância jurídico-penal, sendo consideradas suficientes as sanções existentes no ramo do Direito Administrativo sancionador. Para que seja revestida de legitimidade a intervenção do Direito Penal, é imprescindível que ela seja seletiva, proporcional e criteriosa. Há uma maior reprovação social na conduta do contribuinte que propositadamente emprega uma fraude para se omitir do recolhimento do

10 tributo. Nesse caso, o fato pela sua maior gravidade caracteriza crime fiscal, ficando sujeito a uma sanção mais severa, de natureza penal. 14 Segundo Manoel Pedro Pimentel, É delito tributário toda conduta que viola dispositivo de lei penal editada para proteger a boa execução da política tributária do Estado. 15 A nosso sentir inexiste um Direito Penal Tributário cientificamente autônomo em relação ao Direito Penal tradicional. Aquele utiliza por empréstimo a metodologia, o objeto e o arcabouço de princípios pertencentes a este último. Assim, a expressão Direito Penal Tributário somente tem utilidade para fins didáticos, referindo-se ao Direito Penal particularizado a uma área de incriminação específica. O bem jurídico-penal é instituto de difícil conceituação, dada a variegada e heterogênea gama de bens, valores, relações e interesses sociais que o Direito Penal visa a resguardar. Pode-se conceituá-lo, na esteira de Luiz Regis Prado, como sendo um ente (dado ou valor social) material ou imaterial haurido do contexto social, de titularidade individual ou metaindividual reputado como essencial para a coexistência e o desenvolvimento do homem em sociedade e, por isso, jurídico-penalmente protegido. 16 Atualmente parece mais acertada a concepção material-constitucional de bem jurídico-penal, segundo a qual este deve expressar as condições essenciais da vida humana em sociedade refletidas nos valores inerentes ao Estado Democrático e Social de Direito, sendo adotadas pelo texto constitucional. Tais condições têm que balizar os critérios de seleção das condutas típicas por parte do legislador. 17 Há grande divergência doutrinária no que tange a qual é o bem jurídico tutelado nos crimes contra a Ordem Tributária. Para Miguel Bajo Fernández e Silvina Bacigalupo, é o Erário, malgrado haja igualmente a tutela indireta da 14 RIOS, Rodrigo Sánchez. O crime fiscal, p PIMENTEL, Manoel Pedro. Introdução ao estudo do direito penal tributário. 16 PRADO, Luiz Regis. Bem jurídico-penal e constituição, p PRADO, Luiz Regis. Op. cit., p. 82 e ss.

11 política estatal de arrecadação e alocação de recursos públicos. 18 De forma semelhante, Rodrigo Sánchez Rios considera como bem jurídico imediato o Erário, e como mediato o valor constitucional da solidariedade de todos os cidadãos na contribuição da manutenção dos gastos públicos. 19 A professora lusitana Susana Aires de Sousa aduz que o bem é o conjunto das receitas fiscais de que o Estado é titular. 20 O Promotor de Justiça Andreas Eisele vislumbra na relação de disponibilidade (no momento e dimensão material juridicamente discriminados) existente entre o sujeito passivo imediato do crime e a receita tributária que configura expressão do patrimônio público o bem jurídico penalmente tutelado. 21 Manoel Pedro Pimentel, por outro lado, leciona que o bem jurídico é a defesa dos interesses do Estado, ligados à política de arrecadação dos tributos devidos e à respectiva fiscalização da sua execução. 22 O magistrado Rui Stoco identifica os interesses estatais ligados à arrecadação dos tributos devidos à Fazenda Pública, visando à boa execução da política tributária do Estado como sendo o bem jurídico tutelado. 23 A política socioeconômica do Estado, como receita estatal, para obtenção dos recursos necessários à realização de suas atividades é o bem jurídico, na visão de Luiz Regis Prado. 24 Segundo Cláudio Costa, o bem tutelado é, simplesmente, a arrecadação tributária, na medida em que: (i) a Fazenda não se interessa pela cobrança de tributos de valor desprezível; (ii) o pagamento do tributo devido enseja a extinção da punibilidade do agente. 25 Entendemos que esta última posição é a que melhor se ajusta ao modelo de tipificação de condutas consagrado no bojo da Lei 8.137/ BAJO FERNÁNDEZ, Miguel, BACIGALUPO, Silvina. Delitos tributarios y previsionales, p RIOS, Rodrigo Sánchez. Op. cit., p SOUSA, Suzana Aires de. Op. cit., p EISELE, Andreas. Crimes contra a ordem tributária, p PIMENTEL, Manoel Pedro. Op. cit. 23 STOCO, Rui. Sonegação fiscal e os crimes contra a Ordem Tributária. 24 PRADO, Luiz Regis. Direito penal econômico, p COSTA, Cláudio. Crimes de sonegação fiscal, p

12 Com efeito, este último diploma legal conferiu ao bem jurídico um cariz patrimonial, que se consubstancia na arrecadação integral e tempestiva da totalidade das receitas oriundas de cada espécie de imposto. Nesse contexto, o crime contra a Ordem Tributária é tipificado com ênfase no desvalor do resultado da conduta criminosa, despontando como crime material ou de resultado. Vale dizer: a consumação do delito exige a inflição de dano patrimonial ao Fisco, mediante a supressão ou redução do crédito tributário devido. 26 Corrobora tal asserção a previsão em nosso ordenamento jurídico do pagamento do débito tributário e dos acessórios como causa de extinção da punibilidade do agente (item 4.5, infra). O Erário não é o bem jurídico-penal tutelado e sim o sujeito passivo do crime contra a Ordem Tributária. A arrecadação tributária é um bem jurídico-penal de cariz supra-individual, eis que de titularidade coletiva ou difusa. 27 Nada obstante, a lesão a esse bem jurídico pode ser de monta tão reduzida que exclua a própria tipicidade do crime de sonegação fiscal. A esse propósito, é decisivo assinalar que a União está dispensada por lei de ajuizar ações de execução fiscal relativas a débitos de valor inferior ao patamar de R$ ,00 (dez mil reais), nos termos do artigo 20 da Lei /02 (com a redação da Lei /04). 28 Esse preceito é repetido pelo artigo 1º, II, da Portaria 49/04 do Ministério da Fazenda. Logo, é lícito concluir que eventual supressão ou redução de crédito tributário até esse montante deve ser considerada crime de bagatela. Vale dizer: esse fato deve ser considerado atípico por força da chamada teoria da 26 FIGUEIREDO DIAS, Jorge de; COSTA ANDRADE, Manuel da. O crime de fraude fiscal no novo direito penal tributário português: Considerações sobre a factualidade típica e o concurso de infrações, p. 418 e ss.; SOUSA, Suzana Aires de. Op. cit., pp. 68 e 277 e ss. 27 Trata-se de um bem jurídico coletivo cuja titularidade pertence à comunidade dos indivíduos, por meio do Estado que se compromete a realizar uma gestão adequada e a prosseguir objetivos econômicos e sociais reconhecidos como fundamentais pela sociedade (SOUSA, Suzana Aires de. Op. cit., p. 299). 28 Art. 20. Serão arquivados, sem baixa na distribuição, mediante requerimento do Procurador da Fazenda Nacional, os autos das execuções fiscais de débitos inscritos como Dívida Ativa da União pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional ou por ela cobrados, de valor consolidado igual ou inferior a R$ ,00 (dez mil reais).

13 insignificância, na medida em que nem mesmo a Fazenda se interessa pela cobrança judicial do valor sonegado. 4.3 Sujeitos do crime O sujeito ativo quem comete o fato punível descrito na norma penal dos crimes tipificados nos artigos 1º e 2º da Lei 8.137/90 é o particular, que normalmente também é o sujeito passivo da obrigação tributária. De fato, a Seção I do Capítulo I ( Dos crimes contra a Ordem Tributária ) da Lei se intitula Dos crimes praticados por particulares. Não é possível a incriminação da pessoa jurídica por meio da qual o tributo foi sonegado, pois a única hipótese de responsabilidade penal da pessoa jurídica prevista em nosso ordenamento e mesmo assim altamente controvertida é a de prática de crime contra o Meio Ambiente, nos termos do artigo 225, 3º da Constituição, regulamentado pelo artigo 3º da Lei 9.605/98. A nosso sentir, o artigo 173, 5º da Constituição não autoriza a responsabilização penal da pessoa jurídica pela prática de atos atentatórios à ordem econômica e financeira e à economia popular, pois menciona expressamente que as punições aplicáveis à pessoa jurídica devem ser compatíveis com sua natureza. 29 Em algumas hipóteses, o sujeito ativo do crime pode não ser o sujeito passivo da obrigação tributária, como no caso do artigo 2º da Lei 8.137/90, incisos III e V. No primeiro inciso, o sujeito ativo pode ser qualquer das partes intervenientes no empreendimento agraciado com isenção fiscal ou até mesmo um intermediário. 30 Na segunda hipótese, pode ser o analista ou técnico de informática que divulga o programa de processamento de dados que permite ao contribuinte possuir escrituração contábil paralela. 31 Por outro lado, o crime do artigo 3º da Lei 8.137/90 é próprio, integrante do Capítulo I, Seção II da Lei ( Dos crimes praticados por funcionários públicos ). Vale dizer: 29 Art. 173 (omissis) 5º. A lei, sem prejuízo da responsabilidade individual dos dirigentes da pessoa jurídica, estabelecerá a responsabilidade desta, sujeitando-a às punições compatíveis com sua natureza, nos atos praticados contra a ordem econômica e financeira e contra a economia popular. 30 COSTA, Cláudio. Op. cit., p COSTA, Cláudio. Op. cit., p

14 somente pode ser praticado por quem ostente a qualidade de servidor público. Esse conceito jurídico-penal de funcionário público é encontrado no artigo 327 do Código Penal. 32 Assim, nas modalidades descritas no artigo 3º da Lei 8.137/90 o sujeito ativo é servidor público integrante da administração tributária do Estado. O sujeito passivo dos delitos dos artigos 1º e 2º da Lei 8.137/90 quem é titular do bem jurídico lesado pelo crime é o Erário, ou, mais especificamente, a pessoa jurídica de direito público (União, Estado Federado, Distrito Federal, Autarquia ou Município) titular do crédito tributário sonegado. Quanto ao crime do artigo 3º da Lei 8.137/90, o sujeito passivo é a Administração Pública. 4.4 Responsabilidade penal Ao contrário da responsabilidade civil, a penal é sempre de natureza subjetiva, personalíssima e intransferível. 33 Como o nosso ordenamento jurídico-constitucional adota os cânones da pessoalidade e humanidade da pena (artigo 5º, incisos XLV e XLVI), a responsabilidade penal só pode recair sobre a pessoa física que efetivamente concorre para a prática do delito. O artigo 29 do Código Penal dispõe textualmente que quem, de qualquer modo, concorre para o crime incide nas penas a este cominadas, na medida de sua culpabilidade. Esse preceito é repetido em termos praticamente idênticos pelo artigo 11 da Lei 8.137/90. Assim, nos crimes de sonegação fiscal a responsabilidade penal recai sobre os agentes que efetivamente empregam, de forma livre e consciente, fraude para fins de suprimir ou reduzir crédito tributário. 32 Art Considera-se funcionário público, para os efeitos penais, quem, embora transitoriamente ou sem remuneração, exerce cargo, emprego ou função pública. 1º. Equipara-se a funcionário público quem exerce cargo, emprego ou função em entidade paraestatal, e quem trabalha para empresa prestadora de serviço contratada ou conveniada para a execução de atividade típica da Administração Pública. (omissis) 33 CERNICCHIARO, Luiz Vicente, COSTA JÚNIOR, Paulo José da. Direito penal na constituição, p. 89 e ss.

15 É decisivo assinalar que inexiste responsabilidade penal objetiva, por presunção, por fato de outrem ou por disposição estatutária. Por esse motivo, a responsabilização criminal não pode recair sobre uma determinada pessoa pelo simples fato de ela figurar nos estatutos sociais da empresa como gestora ou como responsável pelo recolhimento do tributo. 34 Tampouco pode o Ministério Público denunciar uma pessoa exclusivamente com base nesses critérios, oferecendo a chamada denúncia genérica (item 6.2, infra). 4.5 Extinção da punibilidade pelo pagamento Quando um agente pratica fato criminoso (típico, antijurídico e culpável), o abstrato poder-dever de punir do Estado se concretiza, autorizando este a aplicar ao agente uma punição de cariz penal, caso seja comprovada a prática desse fato no devido processo penal. Ocorre que a nossa legislação estabelece, por razões de política criminal, algumas situações supervenientes à prática do crime cujo advento faz cessar a punibilidade da conduta do agente. A possibilidade de o contribuinte fazer jus à extinção da sua punibilidade pelo pagamento do débito tributário é antiga em nosso ordenamento jurídico. 35 Com efeito, há mais de quatro décadas a Lei 4.729/65 instituiu a extinção da punibilidade caso o agente promovesse o recolhimento do tributo antes de se iniciar na esfera administrativa a ação fiscal própria (artigo 2º). Quando do advento da Lei 8.137/90 havia a previsão semelhante, prevendo a extinção da punibilidade caso o contribuinte adimplisse o débito e os acessórios até o momento do recebimento da denúncia (artigo 14). No ano seguinte, o artigo 98 da Lei 8.383/91 revogou esse dispositivo. Dois anos depois, o artigo 3º da Lei 8.696/93, que almejava restabelecer o pagamento como causa extintiva da punibilidade, foi vetado pelo Presidente da República. 34 COSTA, Cláudio. Op. cit., p Sobre esse tema, ver: RIOS, Rodrigo Sánchez. Das causas de extinção da punibilidade nos delitos econômicos; ROSENTHAL, Sérgio. A punibilidade e sua extinção pela reparação do dano; SCHMIDT, Andrei Zenkner. Exclusão da punibilidade em crimes de sonegação fiscal.

16 Posteriormente, o artigo 34 da Lei 9.249/95 reintroduziu tal causa de extinção da punibilidade, em termos idênticos àqueles do revogado artigo 14 da Lei 8.137/90. Mais recentemente, a Lei do REFIS (Lei 9.964/00) instituiu no seu artigo 15, 3º a extinção da punibilidade quando a pessoa efetuasse o pagamento integral dos débitos e acessórios que tiverem sido objeto de parcelamento, antes do recebimento da denúncia criminal. Ademais disso, esse diploma criou uma nova causa de suspensão da pretensão estatal punitiva e do prazo prescricional, a qual será analisada no item 6.5, infra. Por fim, o artigo 9º, 2º da Lei do PAES (Lei /03) eliminou o marco temporal-limite do recebimento da denúncia para que o pagamento do débito e acessórios pelo agente enseje a extinção da sua punibilidade. 36 Assim, atualmente o agente faz jus à extinção da punibilidade caso pague o débito e acessórios a qualquer tempo, independentemente da fase procedimental na qual se encontre o processo criminal. Esse dispositivo se aplica a todos os crimes contra a Ordem Tributária tipificados nos artigos 1º e 2º da Lei 8.137/90, referidos textualmente no caput do artigo 9º da Lei /03. Por se tratar de norma inquestionavelmente mais benéfica para o acusado, ela se aplica retroativamente a todos os casos em que houve pagamento do débito tributário e dos acessórios, independentemente da fase procedimental em que tal pagamento foi feito. Tal aplicação retroativa da norma penal mais benéfica se encontra prevista no artigo 5º, XL da Carta Política e no artigo 2º, parágrafo único, do Código Penal. 5. Parte Especial 5.1 Considerações gerais A pedra de toque dos crimes contra a Ordem Tributária é a existência de uma fraude como modo de 36 Art. 9º (omissis) 2. Extingue-se a punibilidade dos crimes referidos neste artigo quando a pessoa jurídica relacionada com o agente efetuar o pagamento integral dos débitos oriundos de tributos e contribuições sociais, inclusive acessórios.

17 execução do delito, por vezes antecedida de uma falsidade documental. Em última análise, a maioria das modalidades de sonegação fiscal se assemelha ao estelionato 37, cujo tipo penal incrimina a conduta de obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil ou qualquer outro meio fraudulento (artigo 171 do Código Penal). O que diferencia os crimes contra a Ordem Tributária do estelionato comum é (i) o bem jurídico penalmente tutelado: neste último é o patrimônio da vítima, ao passo que naqueles é a arrecadação tributária; (ii) o especial fim de agir que anima o atuar do agente: obter vantagem ilícita em prejuízo alheio neste último e suprimir ou reduzir tributo nos primeiros. Não obstante, algumas figuras típicas da Lei 8.137/90 guardam maior similitude com o crime de apropriação indébita (artigo 168 do Código Penal), como o artigo 2º, inciso II. Outros crimes contra a Ordem Tributária tipificam condutas que se assemelham aos crimes de falsidade documental previstos nos artigos 297, 298 e 299, todos do Código Penal, embora normalmente tal falsidade seja um meio para a prática da fraude contra o Fisco. No que tange ao elemento subjetivo do tipo penal, insta repisar que a reforma da Parte Geral do Código Penal de 1984 encampou a chamada teoria finalista da ação de Hans Welzel, segundo a qual a vontade livre e consciente do agente, finalisticamente dirigida ao resultado criminoso (em se tratando de crime doloso) ou a voluntária e consciente violação do dever objetivo de cuidado (caso o crime seja de natureza culposa), são imprescindíveis para a caracterização da própria tipicidade, encarada sob o prisma do seu elemento subjetivo. 38 Por conseguinte, os crimes contra a Ordem Tributária exigem para fins de conformação da tipicidade o dolo específico, ou seja, a vontade livre e consciente do agente, finalisticamente dirigida ao resultado, nos casos dos 37 EISELE, Andreas. Op. cit., p WELZEL, Hans. El nuevo sistema del derecho penal: Una introducción a la doctrina de la acción finalista, passim.

18 artigos 1º e 2º da Lei 8.137/90, da supressão ou redução do crédito tributário. 39 Isso porque inexiste previsão, nas figuras típicas em questão, de modalidade culposa. Logo, se aplica na hipótese vertente o artigo 18, parágrafo único, do Código Penal: Salvo os casos expressos em lei, ninguém pode ser punido por fato previsto como crime, senão quando o pratica dolosamente. A regularidade na escrituração contábil do contribuinte é prova indicativa da inexistência de dolo no seu atuar, à míngua da prática de uma fraude Artigo 1º da Lei 8.137/90 Trata-se de norma penal incriminadora da conduta de suprimir ou reduzir tributo, ou contribuição social e qualquer acessório, mediante as seguintes condutas (...). Há pelo menos duas pequenas impropriedades técnicas na redação desse dispositivo. A uma, a referência a tributo ou contribuição social, na medida em que esta última é uma das espécies do gênero tributo (artigo 5º do Código Tributário Nacional), motivo pelo qual tal menção é redundante. A duas, a expressão crédito tributário deveria ter sido empregada no lugar de tributo, pois este último só pode ser suprimido ou ter sua alíquota reduzida pelo legislador, através do devido processo legislativo. O que o particular pode fazer é suprimir ou reduzir o crédito tributário. Quanto ao momento da consumação do crime, é lícito aduzir que esse crime é de cariz material ou de resultado, somente se consumando com a efetiva supressão ou redução do crédito tributário devido. 41 Trata-se de uma mera questão de interpretação gramatical do artigo em análise, o qual dispõe que constitui crime contra a ordem tributária suprimir ou reduzir tributo (...) 39 CORRÊA, Antonio. Dos crimes contra a ordem tributária, p COSTA, Cláudio. Op. cit., p COSTA JÚNIOR, Paulo José da, DENARI, Zelmo. Infrações tributárias e delitos fiscais, p. 109; EISELE, Andreas. Op. cit., p ; GOMES, Luiz Flávio, BIANCHINI, Alice. Prévio exaurimento da via administrativa e crimes tributários, p ; RIOS, Rodrigo Sánchez. Op. cit., p. 72. SILVA, Juary. Elementos de direito penal tributário, p. 184.

19 Com efeito, a constituição definitiva do crédito tributário é imprescindível para a caracterização da tipicidade objetiva do crime fiscal. Não se trata de questão prejudicial (artigo 92 do Código de Processo Penal) 42 e tampouco de condição de procedibilidade da ação penal, que é de iniciativa pública incondicionada (art. 15 da Lei 8.137/90). A questão se coloca em patamar lógico anterior, especificamente no âmbito do Direito Penal material: trata-se de saber se o tributo é ou não devido para, a partir daí, se averiguar se houve ou não a conduta penalmente relevante de redução ou supressão do crédito tributário devido. Desde o julgamento do habeas corpus nº DF, o Excelso Pretório entende que o delito em apreço é material, somente se consumando com o lançamento definitivo do crédito tributário, considerado elemento normativo do tipo ou condição objetiva de punibilidade desse crime. 43 Trata-se de interpretação correta nas suas linhas gerais. Não obstante, há dois pequenos reparos que devem ser feitos a esse leading case do STF. O primeiro deles é que o lançamento definitivo do crédito tributário à luz da dogmática jurídico-penal não possui a natureza jurídica de condição objetiva de punibilidade. 44 Isso porque esta última é por definição estranha aos elementos integrantes do tipo penal e independente do dolo do agente, ao passo que o artigo em análise fala expressamente em suprimir ou reduzir tributo. 42 GOMES, Luiz Flávio, BIANCHINI, Alice. Op. cit., p I. Crime material contra a ordem tributária (L. 8137/90, art. 1º): lançamento do tributo pendente de decisão definitiva do processo administrativo: falta de justa causa para a ação penal, suspenso, porém, o curso da prescrição enquanto obstada a sua propositura pela falta do lançamento definitivo. 1. Embora não condicionada a denúncia à representação da autoridade fiscal (ADInMC 1571), falta justa causa para a ação penal pela prática do crime tipificado no art. 1º da L. 8137/90 - que é material ou de resultado -, enquanto não haja decisão definitiva do processo administrativo de lançamento, quer se considere o lançamento definitivo uma condição objetiva de punibilidade ou um elemento normativo de tipo. 2. Por outro lado, admitida por lei a extinção da punibilidade do crime pela satisfação do tributo devido, antes do recebimento da denúncia (L. 9249/95, art. 34), princípios e garantias constitucionais eminentes não permitem que, pela antecipada propositura da ação penal, se subtraia do cidadão os meios que a lei mesma lhe propicia para questionar, perante o Fisco, a exatidão do lançamento provisório, ao qual se devesse submeter para fugir ao estigma e às agruras de toda sorte do processo criminal. 3. No entanto, enquanto dure, por iniciativa do contribuinte, o processo administrativo suspende o curso da prescrição da ação penal por crime contra a ordem tributária que dependa do lançamento definitivo. (STF, Tribunal Pleno, HC DF, Rel. Min. Sepúlveda Pertence, DJU , p. 06) 44 GOMES, Luiz Flávio, BIANCHINI, Alice. Op. cit., p

20 Por conseguinte, o lançamento definitivo do crédito tributário caracteriza, a bem da verdade, elemento normativo do tipo previsto no artigo 1º da Lei 8.137/90, à míngua do qual a conduta do agente é rigorosamente atípica. 45 Destarte, em razão do manifesto equívoco técnico do legislador em fazer menção à supressão ou redução de tributo (o qual, como é cediço, não pode ser suprimido ou reduzido por ato de particular), essa expressão deve ser interpretada restritivamente, sob pena de flagrante desrespeito ao cânone constitucional da legalidade (artigo 5º, XXXIX da Constituição da República). Via de conseqüência, a conduta incriminada nos artigo 1º da Lei 8.137/90 só pode ser a supressão ou redução do crédito tributário devido, ou seja, definitivamente constituído, líquido, certo e exigível, o que somente se caracteriza no ato de lançamento definitivo. Ante o exposto, é indispensável que se aguarde a decisão definitiva acerca da existência do crédito tributário para que se possa instaurar inquérito policial ou ajuizar ação penal condenatória por crime contra a Ordem Tributária. Do contrário, a falta de tipicidade da conduta do agente acarreta falta de justa causa para a persecução e inflige constrangimento ilegal ao cidadão contribuinte, passível de tutela pela via do habeas corpus. A nosso sentir é igualmente equivocada a afirmação do STF no sentido de haver suspensão do prazo prescricional da pretensão estatal punitiva durante a tramitação do processo administrativo fiscal. Isso porque o termo do início da fluência do prazo prescricional penal é o momento da consumação do crime, ou seja, quando se reúnem todos os elementos de sua definição legal (artigos 14, I e 111, I, todos do Código Penal). Logo, o prazo prescricional dos crimes fiscais só começa a correr no ato do lançamento definitivo do crédito tributário, que é, repita-se, elemento normativo do tipo penal, não se podendo suspender antes disso prazo que a rigor sequer começou a fluir. Em suma: a caracterização da tipicidade objetiva do crime de sonegação fiscal depende da prévia constituição definitiva do crédito tributário que o agente reduziu ou suprimiu. 45 TUCCI, Rogério Lauria. Breve estudo sobre a ação penal relativa a crimes contra a ordem tributária.

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 19. PRIMEIRA PARTE - aspectos gerais... 23. Capítulo 1 Noções gerais aplicáveis aos crimes tributários...

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 19. PRIMEIRA PARTE - aspectos gerais... 23. Capítulo 1 Noções gerais aplicáveis aos crimes tributários... Sumário Prefácio... 15 Introdução... 19 PRIMEIRA PARTE - aspectos gerais... 23 Capítulo 1 Noções gerais aplicáveis aos crimes tributários... 25 1. Infração tributária e crime contra a ordem tributária...

Leia mais

Luiz Eduardo de Almeida

Luiz Eduardo de Almeida Luiz Eduardo de Almeida Apresentação elaborada para o curso de atualização do Instituo Brasileiro de Direito Tributário IBDT Maio de 2011 Atividade da Administração Pública: ato administrativo Em regra

Leia mais

Crimes contra a ordem tributária e sonegação fiscal II. Crimes do artigo 2.º da Lei 8.137/90

Crimes contra a ordem tributária e sonegação fiscal II. Crimes do artigo 2.º da Lei 8.137/90 Crimes contra a ordem tributária e sonegação fiscal II Francisco Monteiro Rocha Júnior * Crimes do artigo 2.º da Lei 8.137/90 Os crimes previstos no artigo 2.º da Lei 8.137/90, cujo caput aduz constitui

Leia mais

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional?

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? L F Ladir & Franco A D V O G A D O S RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? Túlio Arantes Bozola Advogado - Ladir & Franco

Leia mais

ÍNDICE. Alguns estudos do autor... Prefácio...

ÍNDICE. Alguns estudos do autor... Prefácio... ÍNDICE Alguns estudos do autor................... Prefácio..................................... 5 11 Capítulo I - CONCEITO DE DIREITO TRIBUTÁRIO 1. Direito financeiro e direito tributário........ 23 2.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Aspectos penais em tópicos sintéticos: QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO?

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Aspectos penais em tópicos sintéticos: QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO? Do que trata? * Crimes contra a administração pública, cometidos por funcionário público. QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO? Considera-se funcionário público, para os efeitos penais (Conforme

Leia mais

1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Crimes Contra a Administração Pública 1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Crimes contra a Administração Pública impedem a progressão de regime sem a reparação do dano. A reparação

Leia mais

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO PRESCRIÇÃO Professor Márcio Widal 1. Introdução. A perseguição do crime pelo Estado não pode ser ilimitada no tempo, por força, inclusive, da garantia da presunção de inocência. Além disso, o Estado deve

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões Teoria Geral do Delito 05 questões 1 - ( Prova: CESPE - 2009 - Polícia Federal - Agente Federal da Polícia Federal / Direito Penal / Tipicidade; Teoria Geral do Delito; Conceito de crime; Crime impossível;

Leia mais

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Kiyoshi Harada* É pacífico na doutrina e na jurisprudência que o crédito tributário resulta do ato

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

Parte I - Conceitos Fundamentais, 1

Parte I - Conceitos Fundamentais, 1 Parte I - Conceitos Fundamentais, 1 1 O Estado e o poder-dever de punir, 3 1 O Estado e o direito, 3 1.1 Explicação preliminar, 3 1.2 Identidade entre Direito e Estado: a tese de Kelsen, 4 1.3 Distinção

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 527.703 - SP (2014/0128049-6) RELATORA AGRAVANTE AGRAVADO ADVOGADO AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRA REGINA HELENA COSTA : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL : JOSÉ CARLOS ISSA DIP : PAULO

Leia mais

Lição 5. Crimes contra a administração pública

Lição 5. Crimes contra a administração pública Lição 5. Crimes contra a administração pública 5.1. CRIMES PRATICADOS POR FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS PECULATO Artigo 312 - Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel,

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO EXCLUSÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO Art. 175 ao Art. 182 CTN Centro de Ensino Superior do Amapá Direito Financeiro e Tributário II Professora: Ilza Facundes Macapá-AP, 2013.1

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL E TRIBUTOS

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL E TRIBUTOS VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL E TRIBUTOS Orientador Empresarial Crimes contra a Ordem Tributária Representações pela RFB - Procedimentos a

Leia mais

CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA

CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA Sumário Histórico Noção Bem Jurídico Sujeito Ativo Sujeito Passivo Tipos Objetivos Tipo Subjetivo Consumação Concurso de Crimes Penas Ação Penal Extinção da Punibilidade

Leia mais

CRIMES TRIBUTÁRIOS PERGUNTAS FREQUENTES. Henrique da Rosa Saibro 2013

CRIMES TRIBUTÁRIOS PERGUNTAS FREQUENTES. Henrique da Rosa Saibro 2013 CRIMES TRIBUTÁRIOS PERGUNTAS FREQUENTES Henrique da Rosa Saibro 2013 Porto Alegre, RS CEP 90010-050 Fone/Fax: 3212.01.22 www.garrastazu.com.br INTRODUÇÃO As atividades empresariais têm se mostrado bastante

Leia mais

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL SINDICÂNCIA PATRIMONIAL A sindicância patrimonial, assim como os demais procedimentos investigativos, conforma um procedimento inquisitorial, sigiloso, não contraditório e não punitivo, que visa colher

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA Eladio Lecey Diretor-Presidente, Escola Nacional da Magistratura - AMB Diretor, Escola Brasileira de Direito

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE Monster Concursos ABUSO DE AUTORIDADE AULÃO PM-MG 06/03/2015 ABUSO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965. #AULÃO #AQUIÉMONSTER Olá Monster Guerreiro, seja bem-vindo ao nosso Aulão, como

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.101, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2005. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: ( ) CAPÍTULO VII DISPOSIÇÕES PENAIS Seção I Dos Crimes em

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios 01- O estabelecimento de normas gerais em matéria de legislação tributária sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários, deverá fazer-se, segundo norma contida na Constituição,

Leia mais

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Prof. Sandro Caldeira Prezado(a) aluno(a), Na nossa primeira aula abordamos um roteiro de teses defensivas que iremos treinar durante

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR A punição administrativa ou disciplinar não depende de processo civil ou criminal a que se sujeite também o servidor pela mesma falta, nem obriga

Leia mais

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE PROMOTOR DE JUSTIÇA ASSESSOR DO CENTRO DE APOIO OPERACIONAL CRIMINAL DO MINISTÉRIO PUBLICO

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

1 Conflito de leis penais no tempo.

1 Conflito de leis penais no tempo. 1 Conflito de leis penais no tempo. Sempre que entra em vigor uma lei penal, temos que verificar se ela é benéfica ( Lex mitior ) ou gravosa ( Lex gravior ). Lei benéfica retroage alcança a coisa julgada

Leia mais

Murillo Lo Visco 1 Editora Ferreira

Murillo Lo Visco 1 Editora Ferreira Olá pessoal! Sabemos que se aproxima a prova do concurso destinado a selecionar candidatos para provimento de vagas no cargo de Fiscal de Rendas de 3ª Categoria, do quadro da Secretaria de Estado de Fazenda

Leia mais

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990.

No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação do artigo 2º, da lei nº 8.072, de 28 de julho de 1990. A NOVA DISCIPLINA DA PROGRESSÃO DE REGIME TRAZIDA PELA LEI Nº 11.464/07. MAURICIO MAGNUS FERREIRA JUIZ DE DIREITO DO TJ/RJ No dia 29 de março de 2007, entrou em vigor a lei nº 11.464/07 que alterou a redação

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica VIOLAÇÃO DO SIGILO FISCAL SANÇÕES DISCIPLINARES MP 507/2010. Jorge Cézar Moreira Lanna Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica VIOLAÇÃO DO SIGILO FISCAL SANÇÕES DISCIPLINARES MP 507/2010. Jorge Cézar Moreira Lanna Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica VIOLAÇÃO DO SIGILO FISCAL SANÇÕES DISCIPLINARES MP 507/2010 Jorge Cézar Moreira Lanna Advogado Ironicamente, o Governo que sempre desdenhou o direito do contribuinte

Leia mais

Decadência e Prescrição em Matéria Tributária

Decadência e Prescrição em Matéria Tributária CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO TRIBUTÁRIO Decadência e Prescrição em Matéria Tributária F A B I A N A D E L P A D R E T O M É G O I Â N I A, 1 1 / 0 4 / 2 0 1 5 CICLO DE POSITIVAÇÃO DO DIREITO CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01 REGIMENTO INTERNO O presente Regimento Interno, dirigido aos associados da ONG Brigada 1, inscrita no CNPJ 05.840.482/0001-01 e previsto no Art. 4º do Capítulo II do Estatuto da Instituição, visa estabelecer

Leia mais

Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal

Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal Escola Brasileira de Ensino Jurídico na Internet (EBEJI). Todos os direitos reservados. 1 Direito Penal Parte Especial do

Leia mais

REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá.

REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá. REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá. Em sede do julgamento do habeas corpus n. 97.256/RS, o Supremo Tribunal

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

Capítulo II Princípios penais e político-criminais

Capítulo II Princípios penais e político-criminais Capítulo II Princípios penais e político-criminais Sumário 1. Princípio da legalidade penal: 1.1. Previsão; 1.2. Origem; 1.3. Denominação e alcance; 1.4. Funções 2. Princípio da fragmentariedade 3. Princípio

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO Autos n. 0006589-45.2015.4.03.6181 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação COORDENAÇÃO GERAL DE FISCALIZAÇÃO (COFIS)

Coordenação Geral de Tributação COORDENAÇÃO GERAL DE FISCALIZAÇÃO (COFIS) Fl. 19 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 13 Data 16 de maio de 2013 Origem COORDENAÇÃO GERAL DE FISCALIZAÇÃO (COFIS) ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

Coordenação Pedagógica Fiscal - Dezembro de 2014. Prof. Darlan Barroso. FUNDAMENTOS PARA RECURSOS Escrevente Técnico Judiciário TJ/SP

Coordenação Pedagógica Fiscal - Dezembro de 2014. Prof. Darlan Barroso. FUNDAMENTOS PARA RECURSOS Escrevente Técnico Judiciário TJ/SP Coordenação Pedagógica Fiscal - Dezembro de 2014 Prof. Darlan Barroso FUNDAMENTOS PARA RECURSOS Escrevente Técnico Judiciário TJ/SP Orientações de interposição do recurso O candidato poderá apresentar

Leia mais

MATERIAL DE APOIO MONITORIA

MATERIAL DE APOIO MONITORIA Delegado Federal Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.01.2010 Aula n.º 08 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Artigos Correlatos 1.1 Lançamento por homologação 2. Jurisprudência

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli APELAÇÃO CÍVEL Nº 550822-PE (2001.83.00.010096-5) APTE : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL REPTE : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE APDO : LUZIA DOS SANTOS SANTANA ADV/PROC : SEM ADVOGADO/PROCURADOR

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO

ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO DA CONTRIBUIÇÃO DO PIS/PASEP MEDIANTE ALÍQUOTA DE 1% (UM POR CENTO) INCIDENTE SOBRE A FOLHA DE SALÁRIO

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS)

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) Toda lesão de direito deve ser reparada. A lesão pode decorrer de ato ou omissão de uma pessoa física ou jurídica. Quando o autor da lesão

Leia mais

APELAÇÃO CRIMINAL 2005.38.03.003936-9 MINAS GERAIS RELATÓRIO

APELAÇÃO CRIMINAL 2005.38.03.003936-9 MINAS GERAIS RELATÓRIO APELAÇÃO CRIMINAL 2005.38.03.003936-9 MINAS GERAIS RELATÓRIO O EXMO. SR. DESEMBARGADOR FEDERAL CÂNDIDO RIBEIRO: O Ministério Público Federal ofereceu denúncia contra Marcelo Henrique Belonsi, imputando-lhe

Leia mais

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010.

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010. 1/7 CONSIDERANDO a Lei de Execução Penal 7.210/1984, a partir da redação em vigor dada pela Lei 10.792/2003, especificamente no que diz respeito ao Exame Criminológico; CONSIDERANDO a Súmula Vinculante

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE MATHEUS BRITO MEIRA GUIA DE ESTUDOS Aracaju 2013 BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O DIREITO TRIBUTÁRIO. INTRODUÇÃO À DISCIPLINA 1 Matheus Brito Meira

Leia mais

Proposta de Razão Recursal

Proposta de Razão Recursal Concurso: Banca examinadora: Proposta de Razão Recursal Oficial Escrevente FAURGS Questões recorríveis: 46, 47, 48, 49 e 52 Professor: Davi André Costa Silva Objeto de recurso Questão Motivo 46 Objeto

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992. Dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento

Leia mais

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial.

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, 2013 - COMPLEMENTAR Estabelece normas gerais sobre o processo administrativo fiscal, no âmbito das administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Capítulo I Dos Crimes Praticados por Funcionário Público contra a Administração em Geral Peculato Art. 312. Apropriar-se o funcionário público de dinheiro,

Leia mais

DOS CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA

DOS CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA DOS CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA Crimes Tributários: Conceito:- Crimes tributários em sentido amplo condutas delituosas com comportamento lesivo ao erário (inclui contrabando e, mais particularmente,

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: ANDERSON LUIZ. 5º Simulado de Ética na Administração Pública

CURSO ON-LINE PROFESSOR: ANDERSON LUIZ. 5º Simulado de Ética na Administração Pública Prezados(as) concurseiros(as), Espero que todos estejam bem! Divirtam-se! 5º Simulado de Ética na Administração Pública 1. (CESPE/ACE/TCE-AC/2009) Suponha que Fábio, auditor-fiscal da Receita Federal do

Leia mais

SPED no Cenário Jurídico e Corporativo. De quem é a Responsabilidade?

SPED no Cenário Jurídico e Corporativo. De quem é a Responsabilidade? SPED no Cenário Jurídico e Corporativo. De quem é a Responsabilidade? I. MULTAS (Legislação do SPED) - I por apresentação extemporânea: a) R$ 500,00 (quinhentos reais) por mês-calendário ou fração, relativamente

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 6, ANO III JUNHO DE 2011 1 TRIBUTOS COM EXIGIBILIDADE SUSPENSA NÃO PODEM SER DEDUZIDOS DA CSLL De acordo com o CARF, os valores provisionados

Leia mais

1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais art. 327 1, CP: (É diferente do art. 5º 2 da Lei 4898/65)

1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais art. 327 1, CP: (É diferente do art. 5º 2 da Lei 4898/65) 1 PONTO 1: Crimes contra Administração Pública PONTO 2: Introdução aos crimes em espécie PONTO 3: Crimes em espécie 1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC Lançamento 1-(FCC - 2012 - Prefeitura de São Paulo - SP - Auditor Fiscal do Município) Um contribuinte do Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU possuía

Leia mais

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção Leonardo de Medeiros Garcia Coordenador da Coleção Marcelo André de Azevedo Promotor de Justiça no Estado de Goiás. Assessor Jurídico do Procurador-Geral de Justiça e Coordenador da Procuradoria de Justiça

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO MPF FLS. 2ª CCR MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL VOTO Nº 7399/2015 (IPL 1763/2010-1) ORIGEM: 5ª VARA FEDERAL CRIMINAL DO RIO DE JANEIRO PROCURADOR OFICIANTE: ARIANE GUEBEL DE ALENCAR RELATORA: RAQUEL ELIAS FERREIRA

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO TRIBUTÁRIO

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO TRIBUTÁRIO DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL Trata-se de ação de consignação em pagamento, com previsão no art. 164, I, do CTN, tendo em vista que a Fazenda Municipal se recusa a receber a prestação tributária

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2011

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 PROJETO DE LEI Nº DE 2011 Altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O art. 4º

Leia mais

II FONACRIM ENUNCIADOS

II FONACRIM ENUNCIADOS II FONACRIM ENUNCIADOS 1. Nos crimes tributários, o parâmetro objetivo para aplicação da insignificância penal excluídas as condutas fraudulentas é o valor do credito tributário (principal e acessório)

Leia mais

A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES

A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES A NOVA LEI DE FALÊNCIAS E OS CRIMES FALIMENTARES ANTERIORES Tiago Ghellar Fürst A nova Lei de Falências e Recuperação Judicial, que entrou em vigor no dia 09.06.2005 (Lei 11.101/2005, publicada no DOU

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro Responsabilidade Criminal Ambiental Paulo Freitas Ribeiro Constituição Federal Artigo 225 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br As Medidas de Segurança (Inconstitucionais?) e o dever de amparar do Estado Eduardo Baqueiro Rios* Antes mais nada são necessárias breves considerações acerca de pena e das medidas

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: DECRETO-LEI N o 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: (...) TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A

Leia mais

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL. Nomen juris: a Lei nº 12.978/2014 alterou o nome

Leia mais

Clipping. GOVERNO DO ESTADO Governador: Fernando Pimentel. Leis e Decretos LEI Nº 21.735, DE 3 DE AGOSTO DE 2015.

Clipping. GOVERNO DO ESTADO Governador: Fernando Pimentel. Leis e Decretos LEI Nº 21.735, DE 3 DE AGOSTO DE 2015. Clipping Veículo: Minas Gerais Data: 04/08/2015 Editoria: Caderno 1 - Diário do Executivo Páginas: 1 e 2 GOVERNO DO ESTADO Governador: Fernando Pimentel Leis e Decretos LEI Nº 21.735, DE 3 DE AGOSTO DE

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO PENAL

DISCIPLINA: DIREITO PENAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO PENAL QUESTÃO Nº 109 Protocolo: 11913003657-0 Não existe qualquer erro material na questão. Nada a ser alterado. O recorrente

Leia mais

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas)

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) 1) O que é tributo? Considerando a classificação doutrinária que, ao seguir estritamente as disposições do Código Tributário Nacional, divide os tributos em "impostos",

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS REFERENTES À ELABORAÇÃO DAS QUESTÕES DE PROVA OU GABARITO PRELIMINAR

PARECER DOS RECURSOS REFERENTES À ELABORAÇÃO DAS QUESTÕES DE PROVA OU GABARITO PRELIMINAR QUESTÃO: 22 22- Assinale a alternativa correta: (A) O direito do contribuinte em pleitear a repetição de tributos sujeitos a lançamento por homologação, indevidamente recolhidos, extingue-se em cinco anos,

Leia mais

A MP 685/2015 e a declaração de planejamentos tributários. Marco Aurélio Greco

A MP 685/2015 e a declaração de planejamentos tributários. Marco Aurélio Greco A MP 685/2015 e a declaração de planejamentos tributários Marco Aurélio Greco FISCO x CONTRIBUINTE Relação tensa Atitudes frequentes: Autoridade da lei Estratégias de bloqueio Aumento da complexidade das

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO WILDO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO WILDO ORIGEM : 37ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO - PE RELATÓRIO O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator): Tratam-se de apelações criminais interpostas por ROMERO SANTOS VERAS e ROMERO SALES GOMES em face de sentença

Leia mais

PARECER ANISTIA FISCAL MULTA E JUROS RENÚNCIA DE RECEITA

PARECER ANISTIA FISCAL MULTA E JUROS RENÚNCIA DE RECEITA Salvador, 17 de Março de 2014. Da: CAMP - Consultoria em Administração Pública Ltda. Para: Prefeito Municipal de Barrocas Senhor Prefeito, Vimos por meio deste, em atenção a consulta feita por V.Exª.,

Leia mais

a) identificação da unidade judiciária: Vara Criminal da Comarca de Montenegro/RS b) e-mail para contato e envio de informações: alat@tj.rs.gov.br.

a) identificação da unidade judiciária: Vara Criminal da Comarca de Montenegro/RS b) e-mail para contato e envio de informações: alat@tj.rs.gov.br. Apresentação a) identificação da unidade judiciária: Vara Criminal da Comarca de Montenegro/RS b) e-mail para contato e envio de informações: alat@tj.rs.gov.br. c) nome do trabalho/projeto: Sistema para

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº 4984/2015 ORIGEM: PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MARANHÃO PROCURADOR OFICIANTE: THIAGO FERREIRA DE OLIVEIRA RELATOR: JOSÉ ADONIS CALLOU

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Tutela antecipada e suspensão da exigibildade do crédito tributário Eduardo Munhoz da Cunha* Sumário:1. Introdução. 2. A possibilidade de concessão de tutela antecipada contra a

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Arrependimento Posterior e Extinção da Punibilidade Marcelo Lessa Bastos* O art. 16 do Código Penal, nada obstante estar entre nós há 20 (vinte) anos, está a merecer uma reflexão

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON QUESTÃO 1 1 - Responda às perguntas abaixo e em seguida assinale a opção correta. I. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios cobrar

Leia mais

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL Atender às exigências internacionais de combate a corrupção Estimular a prática do compliance. Ética corporativa na administração.

Leia mais