- Direito Penal Parte Especial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- Direito Penal Parte Especial"

Transcrição

1 Crimes contra a pessoa 1.(JUIZ DE DIREITO MATO GROSSO CESPE/UNB) Aldo é o único herdeiro de sua irmã Sofia, que sofre de depressão. Induzida por Aldo, Sofia tentou tirar sua própria vida, cortando os pulsos. Levada para o hospital pela empregada da casa, recebeu tratamento imediato, tendo sofrido lesões corporais leves. Nessa situação, Aldo responderá pelo crime de participação em suicídio. 2.(DEFENSORIA PÚBLICA DO ESPÍRITO SANTO CESPE/UNB) Considere a seguinte situação hipotética. Ronan, brincando de roleta-russa e sabendo que o revólver estava municiado, pôs-se a abrir, girar e fechar o tambor do mesmo por diversas vezes. Acionando o gatilho com o revólver apontado para a vítima, causou-lhe a morte. Nessa situação, é correto afirmar que Ronan responderá por homicídio culposo. 3.(DEFENSORIA PÚBLICA DO ESPÍRITO SANTO CESPE/UNB) Ângela, sob a influência do estado puerperal, matou o próprio filho, logo após o parto, por estrangulamento. Cessada a influência do estado puerperal, Ângela desesperou-se e, arrependida do ato praticado, foi acometida por intenso sofrimento. Nessa situação, tendo em vista que as consequências da conduta de Ângela atingiram-na profundamente, poderá o juiz aplicar perdão judicial. 4.(DELEGADO DA POLÍCIA CIVIL/PB CESPE/UNB) No homicídio qualificado pela paga ou promessa de recompensa, o STJ entende atualmente que a qualificadora não se comunica ao mandante do crime. 5.(PROMOTOR/MT CESPE/UNB- 2005) Um escritor publicou obra literária em que vários de seus personagens, com suas ideias, faziam apologia do suicídio, o que levou um leitor desconhecido, sugestionado, a ceifar a própria vida. Nessa situação, o escritor não praticou de induzimento ou instigação ao suicídio. 6.(OAB CEARÁ CESPE/UNB) Alonso, com evidente intenção homicida, praticou conduta compatível com a vontade de matar Betina, ministrando a ela veneno. A partir dessa situação hipotética podemos dizer que Alonso somente responderá pelo homicídio qualificado pelo uso de veneno se for comprovado que o mesmo foi inoculado sem que a vitima percebesse, ou seja, de forma sub-reptícia. 7.(DELEGADO DA POLÍCIA CIVIL/PB CESPE/UNB) Com relação ao motivo torpe, a vingança pode ou não configurar a qualificadora, a depender da causa que a originou. 8.(DELEGADO DA POLÍCIA CIVIL/RN CESPE/UNB) Na legislação brasileira, não se mostra possível a existência de um homicídio qualificado-privilegiado, uma vez que as causas qualificadoras, por serem de caráter subjetivo, tornam-se incompatíveis com o privilégio. Além disso, a própria posição topográfica da circunstância privilegiadora parece indicar que ela não se aplicaria aos homicídios qualificados. 9.(OAB CESPE/UNB) Fábio induziu Marília, portadora de desenvolvimento mental retardado síndrome de Down- a praticar suicídio. Posteriormente, após Marília ter aderido à ideia, Fábio emprestou-lhe um revólver, vindo ela a se matar. Nessa situação hipotética, Fábio responderá por homicídio doloso. 10. Considere que uma gestante, sóbria, estando na direção de seu veículo automotor, colida, culposamente, com um poste, causando, em razão do impacto sofrido, o aborto. Nessa situação, a conduta da gestante não gera responsabilidade, haja vista a inexistência de previsão legal para a modalidade culposa de aborto. 11.(OAB CESPE/UNB) O agente que mata alguém, sob o domínio de violenta emoção, logo após injusta provocação da vítima, está legalmente acobertado pela excludente da legítima defesa. 13.(PROMOTOR DE JUSTIÇA DE TOCANTINS CESPE/UNB) Se, após consumado o estupro, o autor, temeroso em ser reconhecido, mata a vítima, esse homicídio é qualificado, para assegurar a impunidade, sendo assim conhecido como uma qualificadora consenquencial. 14.(DELEGADO DA POLÍCIA CIVIL/PB CESPE/UNB) Para a configuração da qualificadora relativa ao emprego de veneno, é indiferente o fato de a vítima ingerir a substância à força ou sem saber que o está ingerindo. Página 1

2 15.(PROMOTOR DE JUSTIÇA DE TOCANTINS CESPE/UNB) Em regra, consuma-se o delito de homicídio no momento em que a vítima tem sua integridade física atingida. 16. Considere a seguinte situação hipotética. Diego e Márcio, adultos, resolveram testar suas respectivas sortes, instigando, um ao outro, a participar de roleta russa. Em hora e local, combinados, diante de um revólver municiado com apenas um projétil, cada qual começou a puxar o gatilho contra sua própria cabeça, até que Márcio findou por se suicidar. Nessa situação, Diego não responderá por nada, pois não se pune a autoeliminação da vida. 17.(DELEGADO DA POLÍCIA CIVIL/PB CESPE/UNB) A qualificadora relativa ao emprego de tortura foi tacitamente revogada pela lei específica eu previu o crime de tortura com resultado morte. 18.(PROMOTOR DE JUSTIÇA DE TOCANTINS CESPE/UNB) Matar alguém sob o domínio de violenta emoção, logo após a injusta provocação da vítima, caracteriza o homicídio privilegiado. 19.(DEFENSOR PÚBLICO ALAGOAS CESPE/UNB) Caracteriza o homicídio privilegiado o fato de o agente cometer o crime impelido por motivo de relevante valor social ou moral, ou sob a influência de violenta emoção, provocada por ato injusto da vítima. 20. (DEFENSOR PÚBLICO ALAGOAS CESPE/UNB) Os delitos de infanticídio, de aborto e de induzimento, instigação ou auxílio ao suicídio são denominados crimes contra a vida. 21.(DELEGADO DA POLÍCIA CIVIL/PB CESPE/UNB) A ausência de motivo configura motivo fútil, apto a qualificar o crime de homicídio. 22.(AGENTE DA POLÍCIA CIVIL DO DISTRITO FEREDAL CESPE/UNB) João, irresignado com a despedida que lhe foi imposta, resolveu atear fogo à sede da empresa, quando, antes mesmo de iniciar a execução, foi flagrado pelo vigia, que tentou segurá-lo para impedir a ação criminosa, oportunidade em que João desferiu-lhe golpes de faca, tirando-lhe a vida. Nessa situação, João cometeu um homicídio qualificado pela conexão consequencial. 23.(AGENTE DA POLÍCIA CIVIL DO DISTRITO FEDERAL CESPE/UNB) João foi convencido pela esposa Maria à prática do suicídio para receber o segura e pagar o tratamento médico do filho, já que estava desempregado. Para tanto, desferiu-se um tiro na região temporal esquerda, sendo socorrido por vizinho. No nosocômio, verificaram que o projétil desviou-se no osso denominado rochedo e sequer penetrou no couro cabeludo. João foi imediatamente liberado e, após dez dias, retornou ao trabalho que lhe devolvido pelo patrão. Nessa situação, Maria deverá responder pelo crime de induzimento, instigação ou auxílio a suicídio, na forma tentada. 24.(AGENTE DA POLÍCIA CIVIL DO DISTRITO FEDERAL CESPE/UNB) Joana queria matar o próprio filho, estando ela em estado puerperal, contudo, mata filho de outra pessoa. Assim e de acordo com o código penal, deverá ela responder pelo crime de homicídio qualificado por matar um recém nascido. 25.(AGENTE DA POLÍCIA CIVIL DO DISTRITO FEDERAL CESPE/UNB) Maria descobriu que estava grávida e comunicou tal fato a João, seu marido, e, de comum acordo, revolveram pela prática abortiva. Para tanto, João realizou manobras que resultaram na expulsão e morte do feto. Nessa situação, João responde pelo crime de provocar aborto com o consentimento da gestante, e Maria responde como coautora de tal delito. 26.(AGENTE DA POLÍCIA CIVIL DO DISTRITO FEDERAL CESPE/UNB) Maria, três dias após a realização, por João, seu marido, de um aborto por ela consentido, passou mal e foi levada ao hospital por seu marido, onde se constatou que a expulsão do feto foi parcial, provocando infecção generalizada na gestante, que veio ao óbito. Nessa situação, João responderá por homicídio culposo mediante a imperícia nos meios abortivos empregados. 27.(PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL CESPE/UNB) A pessoa jurídica pode ser sujeito ativo do crime de homicídio, de acordo com a teoria da ficção legal. Página 2

3 28.(OAB CEARÁ CESPE/UNB) Leonardo, indignado por não ter recebido uma dívida referente a venda de cinco cigarros, desferiu facadas no devedor, que, em razão dos ferimentos, faleceu. Logo após o fato, Leonardo escondeu o cadáver em uma gruta dessa forma seu crime deve ser considerado um crime hediondo. 29.(JUIZ DE DIREITO BAHIA CESPE/UNB) Um indivíduo, cuja esposa padecia, há anos, de uma doença incurável, a seu pedido ceifou-lhe a vida por meio de asfixia tóxica, produzida por gases deletérios (óxido de carbono, cloro e bromo) liberados no quarto em que se encontrava. Nessa situação, o indivíduo, responderá por homicídio qualificado-privilegiado, que, de acordo com o STJ, não é considerado crime hediondo. Armando e Sérgio deviam a quantia de quinhentos reais a Paulo, porém se recusaram a pagar. No dia marcado e com a intensão de matar. Foram ao local com uma arma emprestada por Mário, que sabia da intensão dos dois. O crime de fato ocorreu. 30.(AGENTE POLÍCIA CILVIL RR CESPE/UNB) Armando, Sérgio e Mário são sujeitos ativos do crime perpetrado, sendo os dois primeiros coautores, e Mário, partícipe. 31.(AGENTE POLÍCIA CIVIL RR CESPE/UNB) Paulo é sujeito passivo do crime de homicídio privilegiado. 32.(AGENTE POLÍCIA CIVIL RR CESPE/UNB) Segundo determina a Lei n 8.072/1990, o homicídio de Paulo é considerado crime hediondo. 33.(AGENTE POLÍCIA CIVIL RR CESPE/UNB) O crime de homicídio descrito acima consumou-se no momento em que a vítima foi ferida em sua integridade física. 34.(ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL CESPE/UNB) Rui era engenheiro e participava da construção de uma rodovia, para a qual seria necessária a destruição de uma gente rocha, com o uso de explosivos. Rui, contudo, por insuficiência de conhecimentos técnicos, não calculou bem a área de segurança para a explosão. Por isso, um fragmento da rocha acabou atingindo uma pessoa, a grande distância, matando-a. Nessa situação, devido ao fato de a morte haver decorrido do uso de explosivos, o caso é de homicídio qualificado. 35.(DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL CESPE/UNB) Se for doloso o homicídio, a pena será aumentada de um terço, no caso de crime praticado contra pessoa menor de catorze anos. 36.(DELEGADO DA POLÍCIA FEDERAL CESPE/UNB) Não é crime o aborto realizado pela própria gestante, se for provado que o feto estava contaminado com vírus causador de doença incurável. 37.(DELEGADO POLÍCIA CIVIL- SE CESPE/UNB) Levando em consideração as orientação jurisprudencial recente, podemos afirmar que o aborto do feto anencéfalo é permitido. 38.(DELEGADO POLÍCIA CIVIL TO CESPE/UNB) Considere a seguinte situação hipotética. Manoel, penalmente responsável, instigou Joaquim à pratica de suicídio, emprestando-lhe, ainda, um revólver municiado, com o qual Joaquim disparou contra o próprio peito. Por circunstâncias alheias à vontade de ambos, o armamento apresentou falhas e a munição não foi deflagrada, não tendo resultado qualquer dano à integridade física de Joaquim. Nessa situação, a conduta de Joaquim, por si só, não constitui ilícito penal, mas Manuel responderá por tentativa de participação em suicídio. 39.(DELEGADO POLÍCIA CIVIL RR - CESPE/UNB) Considere a seguinte situação hipotética. Manuel trancafiou seu desafeto em um compartimento completamente isolado e introduziu nesse compartimento gases deletérios (óxido de carbono e gás de iluminação), os quais causaram a morte por asfixia tóxica da vítima. Nessa situação, Manuel responderá pelo crime de homicídio qualificado. 40.(DELEGADO POLÍCIA CIVIL RR - CESPE/UNB) Considere a seguinte situação hipotética. João e Maria, por enfrentarem grave crise conjugal, resolveram matar-se, instigando-se mutuamente. Conforme o combinado, João desfechou um tiro de revólver contra Maria e, em seguida, outro contra si próprio. Maria veio a falecer; João, apesar do tiro, sobreviveu. Nessa situação, João responderá pelo crime de induzimento, instigação ou auxílio a suicídio. Página 3

4 Crimes contra o patrimônio 1 Arnaldo furta e logo após emprega violência ou grave ameaça para garantir a posse do bem, assim, estamos diante de um crime denominado roubo impróprio. 2 No crime de roubo a arma desmuniciada mas com potencial lesivo não serve para qualificar o crime. 3 - Se um indivíduo for processado por ter, volitivamente, tomado refeição em restaurante quando não dispunha de recursos para pagar o que consumiu, o juiz, conforme as circunstâncias do fato, não poderá reduzir a pena desse indivíduo, podendo, no entanto, conceder-lhe perdão judicial. 4 - Considere que Lúcio, mediante o uso de faca do tipo peixeira, tenha constrangido Maria a entregar-lhe o valor de R$ 2,50, sob a justificativa de estar desempregado e necessitar do dinheiro para pagar o transporte coletivo. Nesse caso, segundo entendimento do STF quanto ao princípio da insignificância, Lúcio, se processado, deverá ser absolvido por atipicidade da conduta. 5 - Francisco, imputável, realizou uma compra de produtos alimentícios em um supermercado e, desprovido de fundos suficientes no momento da compra, efetuou o pagamento com um cheque de sua titularidade para apresentação futura, quando imaginou poder cobrir o deficit. Apresentado o título ao banco na data acordada, não houve compensação por insuficiente provisão de fundos. Nessa situação, o entendimento doutrinário e a jurisprudência dominantes é no sentido de que, não tendo havido fraude do emitente, não se configura o crime de emissão de cheques sem fundos (estelionato). 6 - João entregou a Manoel certa quantia em dinheiro para que, em prazo determinado, a entregasse a uma terceira pessoa. Ao fim do prazo, Manoel se apossou do montante, tendo se utilizado do dinheiro para gastos pessoais. Nessa situação, a conduta de Manoel caracteriza o crime de apropriação indébita. 7 - O roubo nada mais é do que um furto associado a outras figuras típicas, como as originárias do emprego de violência ou grave ameaça. 8 - Conforme a jurisprudência dominante do STF, a incidência da majorante do emprego de arma de fogo no roubo não prescinde da apreensão e da perícia para verificação de seu potencial lesivo. 9 - Cláudio, com intenção de furtar, entrou no carro de Vagner, cuja porta estava destravada, e acionou o motor por meio de uma chave falsa na ignição do veículo, assim logrando êxito em subtrair o veículo. Nessa situação, e de acordo com a jurisprudência do STJ, Cláudio responde por crime de furto simples Marcelo, simulando portar arma de fogo, subtraiu para si dois aparelhos celulares, pertencentes a pessoas diversas, amedrontando as vítimas. Nessa situação, Marcelo deve responder por crime de roubo, em concurso formal. 1 - C 2 - E 3 - C 4 - E 5 - C 6 - C 7 - C 8 - C 9 - E 10 - C 1 - ( Prova: CESPE ) Considere a seguinte situação hipotética. Pedro e Marcus, penalmente responsáveis, foram flagrados pela polícia enquanto subtraíam de Antônio, mediante ameaça com o emprego de arma de fogo, um aparelho celular e a importância de R$ 300,00. Pedro, que portava o celular da vítima, foi preso, mas Marcus conseguiu fugir com a importância subtraída. Nessa situação hipotética, Pedro e Marcus, em conluio, praticaram o crime de roubo tentado. 2 - ( Prova: CESPE -) Página 4

5 Considere que Adolfo, querendo apoderar-se de bens existentes no interior de uma casa habitada, tenha adentrado o local e subtraído telas de LCD e forno micro-ondas. Nessa situação, aplicando-se o princípio da consunção, Adolfo não responderá pelo crime de violação de domicílio, mas somente pelo crime de furto. 3 - ( Prova: CESPE ) Considere que Alberto, querendo apoderar-se dos bens de Cícero, tenha apontado uma arma de fogo em direção a ele, constrangendo-o a entregar-lhe a carteira e o aparelho celular. Nessa situação hipotética, da mera comparação entre os tipos descritos como crime de constrangimento ilegal e crime de roubo, aplica-se o princípio da especialidade a fim de se tipificar a conduta de Alberto. 4 - ( Prova: CESPE ) Em se tratando do crime de furto mediante fraude, a vítima, ludibriada, entrega, voluntariamente, a coisa ao agente. No crime de estelionato, a fraude é apenas uma forma de reduzir a vigilância exercida pela vítima sobre a coisa, de forma a permitir a sua retirada. 5 - ( Prova: CESPE 2013 adaptada) Analise a seguinte situação hipotética: Arnaldo, vai até a agência de veículos e apresenta documentos falsos para poder efetuar um test drive em veículo zero quilômetro. Contudo, não retorna e fica com o automóvel para si. Vale lembrar que a intenção de Arnaldo desde o início era não entregar o bem aos legítimos donos. Assim, Arnaldo é autor do crime de estelionato. 6 - ( Prova: CESPE ) Três criminosos interceptaram um carro forte e dominaram os seguranças, reduzindo - lhes por completo qualquer possibilidade de resistência, mediante grave ameaça e emprego de armamento de elevado calibre. O grupo, entretanto, encontrou vazio o cofre do veículo, pois, por erro de estratégia, efetuara a abordagem depois que os valores e documentos já haviam sido deixados na agência bancária. Por fim, os criminosos acabaram fugindo sem nada subtrair. Nessa situação, ante a inexistência de valores no veículo e ante a ausência de subtração de bens, elementos constitutivos dos delitos patrimoniais, ficou descaracterizado o delito de roubo, subsistindo apenas o crime de constrangimento ilegal qualificado pelo concurso de pessoas e emprego de armas. 7 - ( Prova: CESPE )O crime de extorsão possui pena maior em caso de concurso de duas ou mais pessoas. 8 - ( Prova: CESPE ) Considere que Marcos, penalmente imputável, subtraia de seu genitor de sessenta e oito anos de idade, um relógio de alto valor. Nessa situação, o autor não pode beneficiar-se da escusa penal absolutória, em razão da idade da vítima. 9 - ( Prova: CESPE ) Considere que João, por vários meses, tenha captado sinal de televisão a cabo por meio de ligação clandestina e que, em razão dessa ligação, considerável valor econômico tenha deixado de ser transferido à prestadora do serviço. Nessa situação hipotética, considerando-se o entendimento do Superior Tribunal de Justiça a respeito da matéria, João praticou o crime de furto de energia ( Prova: CESPE ) Para a configuração do crime de roubo mediante restrição da liberdade da vítima e do crime de extorsão com restrição da liberdade da vítima, nominado de sequestro relâmpago, é imprescindível a colaboração da vítima para que o agente se apodere do bem ou obtenha a vantagem econômica visada. 1 - E 2 - C 3 - E 4 - E 5 - E 6 - E 7 - C 8 - C 9 - C 10 - E Página 5

6 Crimes contra a Administração Pública 1 - ( Prova: CESPE PRF ) Considere a seguinte situação hipotética. Aproveitando-se da facilidade do cargo por ele exercido em determinado órgão público, Artur, servidor público, em conluio com Maria, penalmente responsável, subtraiu dinheiro da repartição pública onde trabalha. Maria, que recebeu parte do dinheiro subtraído, desconhecia ser Artur funcionário público. Nessa situação hipotética, Artur cometeu o crime de peculato e Maria, o delito de furto. 2 - ( Prova: CESPE PRF) O crime de concussão configura-se com a exigência, por funcionário público, de vantagem indevida, ao passo que, para a configuração do crime de corrupção passiva, basta que ele solicite ou receba a vantagem, ou, ainda, aceite promessa de recebê-la. 3 - ( Prova: CESPE TCE- ) A advocacia administrativa, crime praticado por funcionário público contra a administração pública, abrange interesses privados legítimos ou ilegítimos 4 - ( Prova: CESPE TCE-RO ) Pratica o crime de peculato o funcionário público que, atuando na fiscalização do comércio em geral, se apropria de bem móvel de particular apreendido no exercício da fiscalização. 5 - ( Prova: CESPE TCE-RO)Funcionário público que, estando fora de sua função, mas em razão do cargo que ocupa, exige para si, por meio de interposta pessoa, vantagem pecuniária indevida pratica o crime de corrupção passiva. 6 - ( Prova: CESPE TCE-RO ) A diferença básica entre os crimes de corrupção passiva e de corrupção ativa diz respeito à qualidade do sujeito ativo: no de corrupção passiva, é o funcionário público; no de corrupção ativa, o particular. 7 - ( Prova: CESPE Polícia Federal) Os delitos de inserção de dados falsos e de modificação ou alteração de dados não autorizada em sistema de informações só se configuram se praticados por funcionário público autorizado, com o fim específico de obter vantagem indevida para si ou para outrem, ou para causar dano, sendo as penas aumentadas de um terço até a metade se da modificação ou alteração resultar dano para a administração pública ou para o administrado. 8 - ( Prova: CESPE Polícia Federal - Escrivão da Polícia Federal) O peculato é conceituado doutrinariamente como crime funcional impróprio ou misto, porquanto na hipótese de não ser praticado por funcionário público, opera tipicidade relativa, passando a constituir tipo penal diverso. 9 - ( Prova: CESPE PC-BA - Escrivão de Polícia) Incorrem na prática de condescendência criminosa tanto o servidor público hierarquicamente superior que deixe, por indulgência, de responsabilizar subordinado que tenha cometido infração no exercício do cargo quanto os funcionários públicos de mesma hierarquia que não levem o fato ao conhecimento da autoridade competente para sancionar o agente faltoso ( Prova: CESPE PC-BA - Escrivão de Polícia) O crime de concussão é delito próprio e consiste na exigência do agente, direta ou indireta, em obter da vítima vantagem indevida, para si ou para outrem, e consuma-se com a mera exigência, sendo o recebimento da vantagem considerado como exaurimento do crime ( Prova: CESPE PC- ) Constitui pressuposto material dos crimes de peculato-apropriação e peculato-desvio, em suas formas dolosas, a anterior posse do dinheiro, do valor ou de qualquer outro bem móvel, público ou particular, em razão do cargo ou função ( Prova: CESPE PC-BA) Servidor público que, na qualidade de agente fiscal, exigir vantagem indevida para deixar de emitir auto de infração por débito tributário e de cobrar a consequente multa responderá, independentemente do recebimento da vantagem, pela prática do crime de concussão, previsto na parte especial do Código Penal (CP) ( Prova: CESPE PC-BA) A consumação do crime de corrupção passiva ocorre quando o agente deixa efetivamente de praticar ou retarda ato de ofício, com infração de dever funcional, cedendo a pedido ou influência de outrem, em troca de vantagem indevida anteriormente percebida ( Prova: CESPE PC-BA) Incorrem na prática de condescendência criminosa tanto o servidor público hierarquicamente superior que deixe, por indulgência, de responsabilizar subordinado que tenha cometido infração no exercício do cargo quanto os funcionários públicos de mesma hierarquia que não levem o fato ao conhecimento da autoridade competente para sancionar o agente faltoso. Página 6

7 15 - ( Prova: CESPE PC-BA) O crime de concussão é delito próprio e consiste na exigência do agente, direta ou indireta, em obter da vítima vantagem indevida, para si ou para outrem, e consuma-se com a mera exigência, sendo o recebimento da vantagem considerado como exaurimento do crime ( Prova: CESPE - ) O funcionário público autorizado que inserir dados falsos em sistema de informações, visando causar prejuízos, cometerá crime qualificado de dano contra o patrimônio da administração pública ( Prova: CESPE ) Nos crimes de peculato, o funcionário que reparar o dano até a publicação da sentença condenatória fará jus à extinção da punibilidade ( Prova: CESPE ) Recentemente, ocorreu a inclusão do crime de corrupção ativa no rol dos delitos hediondos, fato que, entre outros efeitos, tornou esse crime inafiançável e determinou que o início do cumprimento da pena ocorra em regime fechado ( Prova: CESPE ) O particular que, em conjunto com a esposa, funcionária pública, apropriar-se de bens do Estado responderá por peculato, ainda que não seja membro da administração. Peculato é crime funcional impróprio, afiançável e prescritível ( Prova: CESPE ) Ângelo, funcionário público exercente do cargo de fiscal da Agência de Fiscalização do DF (AGEFIS), no exercício de suas funções, exigiu vantagem indevida do comerciante Elias, de R$ 2.000,00 para que o estabelecimento não fosse autuado em razão de irregularidades constatadas. Para a prática do delito, Ângelo foi auxiliado por seu primo, Rubens, taxista, que o conduziu em seu veículo até o local da fiscalização, previamente acordado e consciente tanto da ação delituosa que seria empreendida quanto do fato de que Ângelo era funcionário público. Antes que os valores fossem entregues, o comerciante, atemorizado, conseguiu informar policiais militares acerca dos fatos, tendo sido realizada a prisão em flagrante de Ângelo. Com referência a essa situação hipotética, julgue os itens a seguir. Se Ângelo for condenado pela prática do delito praticado contra a administração pública, não caberá a seguinte agravante, prevista em artigo do CP: Ter o agente cometido o crime com abuso de poder ou violação de dever inerente a cargo, ofício, ministério ou profissão. 1 - C 2 - C 3 - C 4 - C 5 - E 6 - C 7 - E 8 - C 9 - C 10 - C 11 - C 12 - E 13 - E 14 - C 15 - C 16 - E 17 - E 18 - E 19 - C 20 C 1 - ( Prova: CESPE PC-BA ) Em relação aos crimes contra a administração pública e aos delitos praticados em detrimento da ordem econômica e tributária e em licitações e contratos públicos, julgue os itens de 37 a 41. Considere a seguinte situação hipotética. Alfredo, alegando, de forma fraudulenta, a terceiros interessados que, por ter influência sobre determinado funcionário público, poderia acelerar a conclusão de processo administrativo de interesse do grupo, cobrou desse grupo vultosa quantia em dinheiro, da qual metade lhe foi paga adiantadamente. Antes da conclusão do processo, entretanto, descobriu-se que Alfredo não tinha qualquer acesso ou influência sobre o referido funcionário. Nessa situação hipotética, a conduta de Alfredo constitui crime de estelionato, já que ele alegou ter prestígio que, na realidade, não possuía. 2 - ( Prova: CESPE TC- ) Em 15 de janeiro de 2012, Fábio, com vinte anos de idade, sócio da empresa Diversões Ltda., pretendendo sagrar-se vencedor em licitação aberta para contratar a execução de show comemorativo do aniversário da cidade de Brasília, coagiu moralmente o funcionário público Mateus, ameaçando ofender a integridade física de seus filhos menores, se ele não introduzisse no edital licitatório cláusula que direcionasse o certame para favorecer sua empresa. Temeroso de que as ameaças se concretizassem, Mateus elaborou o edital e dele fez constar cláusulas destinadas a assegurar a vitória da empresa de Fábio, frustrando, dessa forma, o caráter competitivo da licitação. Acerca dessa situação hipotética, julgue os itens que se seguem Página 7

8 O sujeito ativo do crime de frustrar ou fraudar o caráter competitivo do procedimento licitatório, previsto em artigo da Lei de Licitações e Contratos, poderá ser tanto o particular que concorre na licitação quanto o servidor público com atuação no procedimento licitatório, razão por que, na hipótese em questão, Fábio e Mateus poderiam figurar no polo passivo de ação penal pertinente. 4 - ( Prova: CESPE TJ-RR) Francisco, advogado, tendo encontrado Carlos no tribunal de justiça onde este trabalhava, percebeu que Carlos estava utilizando a impressora do cartório judicial para imprimir os rascunhos de sua monografia de final de curso. Indignado, Francisco ofendeu Carlos e afirmou que ele era um servidor público desonesto, que não merecia integrar os quadros do tribunal. Indignado com essa acusação, Carlos chamou a polícia judiciária, que prendeu o causídico. Ao encaminhar Francisco à delegacia, Antônio, um policial militar, exigiu que Francisco lhe pagasse R$ 500,00 para ser solto. Contudo, Francisco não atendeu à exigência e permaneceu preso. Por sua vez, César, diretor de secretaria e chefe de Carlos, ao tomar conhecimento de que seu subordinado havia usado a impressora do cartório para fins particulares, por pena, deixou de comunicar a ocorrência à corregedoria do tribunal. Francisco praticou o crime de desacato, porque ofendeu, sem razão, Carlos, um servidor público que estava no exercício de suas funções no tribunal. 5 - ( Prova: CESPE PC-AL ) Caracteriza corrupção ativa oferecer vantagem indevida a policial militar, ainda que em horário de folga e à paisana, para que este se omita quanto a flagrante que presenciou. 6 - ( Prova: CESPE ) O particular pode ser sujeito ativo do crime de peculato, se agir em concurso de agentes com servidor público, no caso de o particular estar ciente dessa condição do comparsa. 7 - ( Prova: CESPE Polícia Federal) Pedro se opôs à execução de diligência policial cujo objetivo era investigá-lo e recusou-se a colaborar com os agentes que a realizaram, razão por que a diligência não pôde ser executada. Nessa situação, Pedro não pode ser responsabilizado criminalmente por não ter atendido às ordens policiais, uma vez que o sistema penal brasileiro não pune a resistência passiva, tampouco a caracteriza como delito de desobediência. 8 - ( Prova: CESPE ) Não pratica crime de corrupção ativa, definido como crime contra a administração pública, aquele que, sem ter oferecido ou prometido anteriormente vantagem indevida a um funcionário público, dá-lhe essa vantagem, cedendo a seu pedido. 9 - ( Prova: CESPE ) No crime de desacato, o sujeito passivo é o funcionário público ofendido, e o bem jurídico tutelado é a honra do funcionário público ( Prova: CESPE STM ) Jonas, réu em ação penal, ficou irritado com a inclusão de seu nome no rol de denunciados e, ao ser citado pelo oficial de justiça, rasgou o mandado e os documentos que o acompanhavam, lançando-os, com desprezo, no rosto do oficial. Nessa situação, Jonas praticou dois delitos: inutilização de documento público e desacato. 1 - E 2 - C 3 - C 4 - E 5 - C 6 - C 7 - C 8 - C 9 - E 10 - C 1 - ( Prova: CESPE TJ-DF) Considere a seguinte situação hipotética. Maurício, advogado regularmente inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil, deixou de restituir autos de processo, recebidos em carga, na qualidade de advogado da parte ré. Depois da regular intimação pessoal para a restituição dos autos e do decurso do prazo estabelecido para tanto, Maurício quedou-se inerte e, somente após comunicação do juízo ao órgão do Ministério Público, antes do oferecimento da denúncia, entregou os autos na secretaria da vara. Nessa situação hipotética, consumou-se o crime de sonegação de papel ou objeto de valor probatório, previsto no Código Penal. 2 - ( Prova: CESPE Polícia Federal ) Juan, cidadão espanhol, que havia sido expulso do Brasil após cumprimento de pena por tráfico internacional de drogas, retornou ao país, sem autorização de autoridade competente, para visitar sua companheira e seu filho, nascido no curso do cumprimento da pena. Nessa situação, para que o simples Página 8

9 reingresso de Juan ao Brasil configurasse crime, seria necessário que ele praticasse nova infração, de natureza dolosa, em território nacional. 3 - ( Prova: CESPE PC-ES) Frederico, na condição de advogado constituído por um investigado, recebeu das mãos do escrivão da delegacia os autos do inquérito policial para exame e, ao final da consulta, deixou de restituí-los ao cartório da delegacia, levando-os consigo, sem autorização para tanto. Nessa situação, caracterizou-se o crime de sonegação de papel ou objeto de valor probatório. 4 - ( Prova: CESPE ) Jair, interessado em não ser responsabilizado por determinado ato ilícito que cometera, induziu Lino, seu colega de trabalho, a fazer afirmação falsa sobre fato juridicamente relevante ao depor, como testemunha, sob compromisso, nos processos administrativo-disciplinar e criminal que apuram a responsabilidade de Jair. A retratação do agente, ou a decisão de falar a verdade, terá o efeito penal de impossibilitar a punição, se realizada a qualquer tempo antes da sentença condenatória no processo penal por falso testemunho ao qual o agente responderá em razão de seu(s) testemunhos(s) falso(s). 5 - ( Prova: CESPE PC-ES) Se Jair, em vez de apenas pedir e induzir, tivesse oferecido a Lino quantia em dinheiro para que este prestasse seus depoimentos falsos, e este tivesse aceito, responderiam ambos também por crimes de corrupção ativa e passiva. Contudo, nada se alteraria em relação às imputações por falso testemunho narradas, uma vez que o dano à administração da justiça e à administração pública é o mesmo, independentemente da razão que tenha levado ao depoimento mentiroso. 6 - ( Prova: CESPE PC-ES) Há crime de falso testemunho, ainda que não faça o agente qualquer declaração falsa, se acaso omitir-se em dizer a verdade sobre fato que conhece, juridicamente relevante para o caso, e sobre o qual seja perguntado. 7 - ( Prova: CESPE PC-ES) Nos termos da jurisprudência vigente no Superior Tribunal de Justiça e no Supremo Tribunal Federal, Jair poderá responder por crime de falso testemunho em concurso com Lino, apesar de não prestar compromisso ou realizar qualquer depoimento ele mesmo. 8 - ( Prova: CESPE STM ) Nos crimes de favorecimento pessoal e real, caso o sujeito ativo seja ascendente ou descendente do criminoso, fica isento de pena. 9 - ( Prova: CESPE TRE-) Francisco, renomado advogado eleitoral, em audiência, induziu a testemunha José a fazer afirmação falsa em processo judicial, instruindo-o a prestar depoimento inverídico, com o fim de obter prova destinada a produzir efeito em ação penal em curso. Segundo os tribunais superiores, não se admite a participação de Francisco no crime de falso testemunho, por se tratar de crime de mão própria, isto é, somente José pode ser seu sujeito ativo ( Prova: CESPE DETRAN-DF) João atropelou Pedro. O pai de João, que estava no banco do carona, ao seu lado, no intuito de eximi-lo da responsabilidade criminal e civil, alterou a posição da vítima e do carro antes de a perícia chegar ao local. O pai de João praticou o crime de favorecimento pessoal, na medida em que modificou, de maneira tendenciosa, o lugar do crime, no intuito de induzir o perito em erro para favorecer o filho. 1 - C 2 - E 3 - C 4 - E 5 - E 6 - C 7 - C 8 - E 9 - E 10 - E Página 9

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ÍNDICE Direito Penal - Evandro Guedes...2 Crimes Contra a Administração Pública...2 Parte Geral - Concurso de Pessoas...5 1 Direito Penal - Evandro Guedes Crimes Contra a Administração

Leia mais

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões Teoria Geral do Delito 05 questões 1 - ( Prova: CESPE - 2009 - Polícia Federal - Agente Federal da Polícia Federal / Direito Penal / Tipicidade; Teoria Geral do Delito; Conceito de crime; Crime impossível;

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Penal Professor Patrícia Vanzolini Data: 31/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Penal Professor Patrícia Vanzolini Data: 31/07/2009 9ª Aula: Parte Especial: Homicídio, Infanticídio, Participação no Suicídio, Aborto e Lesão Corporal. 1. HOMICIDIO 1. Homicídio simples: Caput pena de 6 a 20 anos de reclusão. É crime hediondo? Não, salvo

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 2ª Fase OAB/FGV Aula 07 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a vida; ; Homicídio simples Art. 121 CP. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte

Leia mais

CRIMES DE TORTURA (9.455/97)

CRIMES DE TORTURA (9.455/97) CRIMES DE TORTURA (9.455/97) TORTURA FÍSICA MENTAL Art. 1º Constitui crime de tortura: I - constranger alguém com emprego de violência ou grave ameaça, causando-lhe sofrimento físico ou mental: a) tortura-persecutória

Leia mais

1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Crimes Contra a Administração Pública 1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Crimes contra a Administração Pública impedem a progressão de regime sem a reparação do dano. A reparação

Leia mais

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PEÇA PROFISSIONAL Mariano Pereira, brasileiro, solteiro, nascido em 20/1/1987, foi denunciado pela prática de infração prevista no art. 157, 2.º, incisos I e II,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Aspectos penais em tópicos sintéticos: QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO?

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Aspectos penais em tópicos sintéticos: QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO? Do que trata? * Crimes contra a administração pública, cometidos por funcionário público. QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO? Considera-se funcionário público, para os efeitos penais (Conforme

Leia mais

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE PB Autor: Dicler Forestieri Ferreira

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE PB Autor: Dicler Forestieri Ferreira Saudações aos amigos concurseiros que realizaram a prova do TRE PB. Analisei as questões de Direito Penal (área judiciária e área administrativa) e estou disponibilizando o comentário das mesmas. Na minha

Leia mais

Proposta de Razão Recursal

Proposta de Razão Recursal Concurso: Banca examinadora: Proposta de Razão Recursal Oficial Escrevente FAURGS Questões recorríveis: 46, 47, 48, 49 e 52 Professor: Davi André Costa Silva Objeto de recurso Questão Motivo 46 Objeto

Leia mais

Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal

Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal Escola Brasileira de Ensino Jurídico na Internet (EBEJI). Todos os direitos reservados. 1 Direito Penal Parte Especial do

Leia mais

Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas.

Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas. CONCURSO DE PESSOAS Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas. Nos crimes unisubjetivos o concurso

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 1ª Fase OAB/FGV Aula 5 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a honra Crimes contra o patrimônio; Crimes contra a dignidade sexual; Crimes praticados

Leia mais

Resolução de questões-tropa de elite Direito Penal Questões Emerson Castelo Branco

Resolução de questões-tropa de elite Direito Penal Questões Emerson Castelo Branco Resolução de questões-tropa de elite Direito Penal Questões Emerson Castelo Branco 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. DIREITO PENAL FINAL CRIMES CONTRA A FÉ PÚBLICA

Leia mais

SUMÁRIO. Parte 1. Capítulo 3 Prisão em flagrante... 21

SUMÁRIO. Parte 1. Capítulo 3 Prisão em flagrante... 21 SUMÁRIO Parte 1 Aspectos gerais da atividade policial Capítulo 1 Distinção entre a Polícia Militar, a Polícia Civil, a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal e a Guarda Municipal...3 Capítulo 2

Leia mais

PARTE ESPECIAL TÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A PESSOA CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A VIDA

PARTE ESPECIAL TÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A PESSOA CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A VIDA Homicídio simples Art 121. Matar alguém: PARTE ESPECIAL TÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A PESSOA CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A VIDA Pena - reclusão, de seis a vinte anos. Caso de diminuição de pena 1º Se o

Leia mais

Metodologia de Reagregação de Códigos para Publicação em DOERJ

Metodologia de Reagregação de Códigos para Publicação em DOERJ Metodologia de Reagregação de Códigos para Publicação em DOERJ Em atendimento à determinação do Exmo. Sr. Secretário de Segurança, foi elaborado um modelo de adequação do sistema de agregação dos títulos

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais art. 327 1, CP: (É diferente do art. 5º 2 da Lei 4898/65)

1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais art. 327 1, CP: (É diferente do art. 5º 2 da Lei 4898/65) 1 PONTO 1: Crimes contra Administração Pública PONTO 2: Introdução aos crimes em espécie PONTO 3: Crimes em espécie 1. Crimes contra Administração Pública: Conceito de Funcionário Público para fins penais

Leia mais

Aulão Polícia Civil Direito Penal Questões Emerson Castelo Branco

Aulão Polícia Civil Direito Penal Questões Emerson Castelo Branco Aulão Polícia Civil Direito Penal Questões Emerson Castelo Branco 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1-Fundação Pública Federal contrata o técnico de informática

Leia mais

TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO

TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO Significado: Terminar, acabar. Importância: Termo inicial da prescrição e na competência territorial (não esquecer da teria da ubiqüidade quanto ao

Leia mais

ATIVIDADE POLICIAL: ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS PENAIS, ADMINISTRATIVOS E CONSTITUCIONAIS 5ª EDIÇÃO

ATIVIDADE POLICIAL: ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS PENAIS, ADMINISTRATIVOS E CONSTITUCIONAIS 5ª EDIÇÃO ATIVIDADE POLICIAL: ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS PENAIS, ADMINISTRATIVOS E CONSTITUCIONAIS 5ª EDIÇÃO SUMÁRIO Parte 1 ASPECTOS GERAIS DA ATIVIDADE POLICIAL Capítulo 1 Distinção entre a Política Militar,

Leia mais

GABARITO SIMULADO WEB 1

GABARITO SIMULADO WEB 1 GABARITO SIMULADO WEB 1 PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL No dia 10 de outubro de 2014, Caio, na condução de um ônibus, que fazia a linha Centro Capão Redondo, agindo com imprudência, realizou manobra

Leia mais

TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68

TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68 Tabela de Correspondência de Questões: XIII EXAME UNIFICADO OAB 1ª. ETAPA TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68 PROVA TIPO 1 Questão

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 Suponha se que Maria estivesse conduzindo o seu veículo quando sofreu um acidente de trânsito causado por um ônibus da concessionária do serviço público

Leia mais

DIREITO PENAL ÍNDICE DE DIREITO PENAL Danilo D. Oyan. Aula 01 HOMICÍDIO (artigo 121 do C.P.)

DIREITO PENAL ÍNDICE DE DIREITO PENAL Danilo D. Oyan. Aula 01 HOMICÍDIO (artigo 121 do C.P.) DIREITO PENAL ÍNDICE DE DIREITO PENAL Danilo D. Oyan Aula 01 HOMICÍDIO (artigo 121 do C.P.) 1. HOMICÍDIO SIMPLES ART. 121 CAPUT DO C.P. 1.1. Homicídio Simples: 1.1.1. Objeto jurídico (bem jurídico tutelado):

Leia mais

OAB 1ª FASE EXTENSIVO Direito Penal Data = 04.06.2009 Aula = 7

OAB 1ª FASE EXTENSIVO Direito Penal Data = 04.06.2009 Aula = 7 TEMAS TRATADOS EM SALA CRIMES CONTRA A VIDA TITULO I I - Homicídio = Art. 121. II - Induzimento/Instigação/Auxílio ao Suicídio = Art. 122. III - Infanticídio = Art. 123. IV - Aborto = Art. 124/128. 1.

Leia mais

LEIS PENAIS ESPECIAIS

LEIS PENAIS ESPECIAIS LEIS PENAIS ESPECIAIS Prof. Marcel Figueiredo Gonçalves Especialista em Direito Penal e Direito Processual Penal (PUC-SP) Mestre em Ciências Jurídico-Criminais (Universidade de Lisboa) www.cienciacriminal.com

Leia mais

Espelho da 2ª Redação_ Simulado Policia Federal_30.11.13. Delimitação do tema.

Espelho da 2ª Redação_ Simulado Policia Federal_30.11.13. Delimitação do tema. Espelho da 2ª Redação_ Simulado Policia Federal_30.11.13 Um policial federal, ao executar a fiscalização em um ônibus interestadual procedente da fronteira do Paraguai, visando coibir o contrabando de

Leia mais

CODIGO PENAL PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO

CODIGO PENAL PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO Homicídio simples Art 121. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte anos. TÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A PESSOA CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A VIDA Caso de diminuição de pena 1º Se o agente comete

Leia mais

OAB 2ª Fase Penal Espelho Simulado Estefânia Rocha & Emerson Castelo Branco

OAB 2ª Fase Penal Espelho Simulado Estefânia Rocha & Emerson Castelo Branco OAB 2ª Fase Penal Espelho Simulado Estefânia Rocha & Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. José foi denunciado como incurso no art. 155, 4o,

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal IV 2 EXTORSÃO Art. 158 - Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter

Leia mais

Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres

Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres 01- A prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes, o terrorismo e os crimes definidos como hediondos podem ser imputados, com

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

QUESTÕES PARA RESOLUÇÃO DIREITO PENAL PROF. JOERBERTH PINTO NUNES

QUESTÕES PARA RESOLUÇÃO DIREITO PENAL PROF. JOERBERTH PINTO NUNES QUESTÕES PARA RESOLUÇÃO DIREITO PENAL PROF. JOERBERTH PINTO NUNES 01. Funcionário público da fiscalização em transportes, no exercício da sua função, que adverte um amigo seu de uma fiscalização itinerante

Leia mais

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA 1 Certas práticas, sejam cometidas por agentes públicos ou por particulares, afetam negativamente a gestão pública. Algumas são consideradas crimes pelo Código Penal Brasileiro (Decreto-Lei n. 2.848, de

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

1 CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES

1 CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES DIREITO PENAL Classificação dos Crimes RESUMO DA AULA 1 CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES; 2 QUESTÕES COMENTADAS. INTRODUÇÃO 1 CLASSIFICAÇÃO DOS CRIMES O CRIME PODE SER VISTO POR INÚMEROS ÂNGULOS E, DEPENDENDO

Leia mais

PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO

PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO PEÇA D E S P A C H O 1. Autue-se o Auto de Prisão em Flagrante; 2. Dê-se o recibo de preso ao condutor; 3. Autue-se o Auto de Apresentação

Leia mais

Dos crimes contra administração pública Direito penal

Dos crimes contra administração pública Direito penal Polícia Federal Concurso de 2009 (Cespe/UnB) Direito penal Julgue os seguintes itens, relativos a crimes contra a pessoa e contra o patrimônio. 1 Diferenciam-se os crimes de extorsão e estelionato, entre

Leia mais

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 25 Guia de leitura da Coleção... 27

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 25 Guia de leitura da Coleção... 27 Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 25 Guia de leitura da Coleção... 27 Capítulo I DOS CRIMES CONTRA A PESSOA... 29 1. DOS CRIMES CONTRA A VIDA... 33 1.1 HOMICÍDIO... 33 1. Bem jurídico... 34 2.

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Í N D I C E Código Disciplina Página DIR 05-00188 Direito Penal I 2 DIR 05-00361 Direito Penal II 3 DIR 05-00528 Direito Penal III 4 DIR 0-00684 Direito Penal IV 5 DIR 05-07407

Leia mais

Lição 5. Crimes contra a administração pública

Lição 5. Crimes contra a administração pública Lição 5. Crimes contra a administração pública 5.1. CRIMES PRATICADOS POR FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS PECULATO Artigo 312 - Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel,

Leia mais

IV - APELACAO CIVEL 374161 2000.50.01.011194-0

IV - APELACAO CIVEL 374161 2000.50.01.011194-0 RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL GUILHERME COUTO DE CASTRO APELANTE : UNIAO FEDERAL APELADO : JOSÉ RODRIGUES PINHEIRO ADVOGADO : SONIA REGINA DALCOMO PINHEIRO ORIGEM : QUARTA VARA FEDERAL DE VITÓRIA (200050010111940)

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

PONTO 1: Crimes contra o Patrimônio 1. CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO. Vítima deve fazer, deixar de fazer ou tolerar que se faça alguma coisa.

PONTO 1: Crimes contra o Patrimônio 1. CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO. Vítima deve fazer, deixar de fazer ou tolerar que se faça alguma coisa. 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Crimes contra o Patrimônio 1.1 EXTORSÃO 1. CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO Violência ou grave ameaça: a ameaça pode ser contra a integridade física ou contra objetos materiais da vítima.

Leia mais

DIREITO PENAL Denunciação caluniosa Comunicação falsa de crime ou de contravenção Auto-acusação falsa Falso testemunho ou falsa perícia

DIREITO PENAL Denunciação caluniosa Comunicação falsa de crime ou de contravenção Auto-acusação falsa Falso testemunho ou falsa perícia Crimes contra a Administração da Justiça e Denunciação caluniosa Art. 339. Dar causa à instauração de investigação policial, de processo judicial, instauração de investigação administrativa, inquérito

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

RETA FINAL DEFENSORIA PÚBLICA RJ Disciplina: Direito Penal Tema: Exercícios Parte Especial Profa.: Elisa Pitaro Data: 05/07/2007

RETA FINAL DEFENSORIA PÚBLICA RJ Disciplina: Direito Penal Tema: Exercícios Parte Especial Profa.: Elisa Pitaro Data: 05/07/2007 EXERCÍCIOS DE DIREITO PENAL PARTE ESPECIAL 1. "A" desfere um golpe de faca em "B", com o objetivo de matá-lo. No entanto, "B" sofre apenas lesões corporais leves, sendo transportado para o hospital em

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Introdução. - O Estado é o sujeito responsável. - Na responsabilidade civil do Estado os princípios próprios são mais rigorosos (atuação Estatal é uma imposição, devendo o Estado ser responsabilizado de

Leia mais

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420)

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420) Fica autorizada a reprodução do texto e ilustrações, no todo ou em parte, desde que se não altere o sentido, bem como seja citada a fonte. As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria

Leia mais

BEM JURÍDICO TUTELADO (DIREITO PROTEGIDO)

BEM JURÍDICO TUTELADO (DIREITO PROTEGIDO) CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA BEM JURÍDICO TUTELADO (DIREITO PROTEGIDO) O direito protegido é o funcionamento da administração pública, ou seja, a normalidade, prestígio da administração em geral.

Leia mais

Capítulo 12 Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual

Capítulo 12 Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual Capítulo 12 Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual 645. (CESPE / Promotor de Justiça - MPE - ES / 2010) No ordenamento jurídico brasileiro, apenas o homem pode ser autor do delito de estupro; a mulher pode

Leia mais

Crimes em espécie. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Peculato Apropriação

Crimes em espécie. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Peculato Apropriação CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Peculato Apropriação Art. 312, caput, primeira parte - até a palavra cargo PECULATO APROPRIAÇÃO Art. 312. Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Capítulo I Dos Crimes Praticados por Funcionário Público contra a Administração em Geral Peculato Art. 312. Apropriar-se o funcionário público de dinheiro,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal III Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 4º ano Docente Responsável: Gustavo

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará Cacildo Baptista Palhares Júnior: advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará 21. Para formação do nexo de causalidade, no

Leia mais

Correção da Prova de Legislação Especial Agente da PF 2014 Professor: Leonardo Coelho. Prof. Heraldo Rezende 1 de 7. www.exponencialconcursos.com.

Correção da Prova de Legislação Especial Agente da PF 2014 Professor: Leonardo Coelho. Prof. Heraldo Rezende 1 de 7. www.exponencialconcursos.com. Correção da Prova de Legislação Especial Agente da PF 2014 Professor: Leonardo Coelho Prof. Heraldo Rezende 1 de 7 Correção da Prova de Legislação Especial Agente da PF 2014 Falaí, pessoal, como comentei

Leia mais

DIREITO PENAL APLICAÇÃO DA LEI PENAL

DIREITO PENAL APLICAÇÃO DA LEI PENAL DIREITO PENAL APLICAÇÃO DA LEI PENAL Súmula 711: A Lei penal mais grave aplica-se ao crime continuado ou ao crime permanente, se a sua vigência é anterior à cessação da continuidade ou da permanência.

Leia mais

PROCEDIMENTO DA DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º

PROCEDIMENTO DA DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º PROCEDIMENTO DA AUTORIDADE POLICIAL DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS CONHECIMENTO DA NOTITIA CRIMINIS delegado deve agir de acordo comoart.6º e 7º do CPP, (não exaustivo

Leia mais

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE MS Autor: Dicler Forestieri Ferreira

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE MS Autor: Dicler Forestieri Ferreira Caros amigos batalhadores pela aprovação no concurso público, abaixo segue a resolução das provas de Direito Penal aplicadas pela Fundação Carlos Chagas (FCC) no último fim de semana em virtude do concurso

Leia mais

RELATÓRIO O EXMO. SR. JUIZ TOURINHO NETO (RELATOR):

RELATÓRIO O EXMO. SR. JUIZ TOURINHO NETO (RELATOR): fls.1/5 RELATÓRIO O EXMO. SR. JUIZ TOURINHO NETO (RELATOR): 1. Trata-se de apelação criminal interposta pelo MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL contra sentença proferida pelo Juiz Federal Substituto da 2ª Vara

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal Iv 2 ROUBO 3 - Roubo Qualificado/Latrocínio 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de

Leia mais

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMENTÁRIOS DA PROVA Questões da prova de Oficial de Justiça PJ-H/2014 Questão 48 (art. 325) Questão 47 (art. 312 parágrafo segundo) QUESTÃO 48 - GABARITO: D QUESTÃO 47 - GABARITO: C CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE JATAÍ - CESUT A s s o c i a ç ã o J a t a i e n s e d e E d u c a ç ã o EMENTA 1- DOS CRIMES CONTRA A FAMÍLIA 2 - Dos crimes contra o estado de filiação 3 - Dos crimes contra a assistência familiar 4 - Dos crimes contra o pátrio poder, tutela e curatela 5 - DOS CRIMES CONTRA

Leia mais

Art. 316 CONCUSSÃO. 3. ELEMENTO DO TIPO 3.1. Ação nuclear. Objeto material. Elemento normativo do tipo

Art. 316 CONCUSSÃO. 3. ELEMENTO DO TIPO 3.1. Ação nuclear. Objeto material. Elemento normativo do tipo Art. 316 CONCUSSÃO 1. CONCEITO Reza o artigo 316, caput, do Código Penal: Exigir, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função, ou antes, de assumi-la, mas em razão dela, vantagem

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO

RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO ROBERVAL CASEMIRO BELINATI Desembargador do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Membro da 2ª Turma Criminal Professor

Leia mais

TÍTULO II DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO CAPÍTULO I DO FURTO

TÍTULO II DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO CAPÍTULO I DO FURTO TÍTULO II DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO CAPÍTULO I DO FURTO Furto Art. 155 - Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa. 1º - A pena aumenta-se

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. QUESTÕES DE DIREITO PENAL Aplicação da Lei Penal: princípios da legalidade e da anterioridade; a lei penal no tempo e no espaço;

Leia mais

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas DIREITO PENAL Prof. Marcelo André de Azevedo TEORIA GERAL DO CRIME INTRODUÇÃO TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA RESULTADO NEXO DE CAUSALIDADE CONDUTA TEORIAS a) causal b) causal valorativa (neoclássica)

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Pessoas PONTO 2: Concurso de Crimes

PONTO 1: Concurso de Pessoas PONTO 2: Concurso de Crimes DIREITO PENAL PONTO 1: Concurso de Pessoas PONTO 2: Concurso de Crimes PONTO 1 CONCURSO DE PESSOAS 1- Introdução 2- Requisitos 2.1 Exigem-se, pelo menos, duas condutas: ou duas condutas principais (coautoria)

Leia mais

Direito Penal. Furto art. 155/156 do CP. Furto art. 155/156 do CP. Professor Rafael Machado

Direito Penal. Furto art. 155/156 do CP. Furto art. 155/156 do CP. Professor Rafael Machado Direito Penal Professor Rafael Machado A Furto art. 155/156 do CP. Conceito: Subtração de coisa alheia móvel para si ou para outrem sem a prática de violência ou grave ameaça ou qualquer espécie de constragimento

Leia mais

Direito Administrativo Crimes contra a Administração Pública

Direito Administrativo Crimes contra a Administração Pública 1 de 6 14/02/2015 21:13 Curtir Compartilhar 6 mil Tweet Seguir 91.4Mil seguidores PROGRAMA DO CONCURSO Direito Administrativo Crimes contra a Administração Pública Peculato TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO PRESCRIÇÃO Professor Márcio Widal 1. Introdução. A perseguição do crime pelo Estado não pode ser ilimitada no tempo, por força, inclusive, da garantia da presunção de inocência. Além disso, o Estado deve

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: DECRETO-LEI N o 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: (...) TÍTULO XI DOS CRIMES CONTRA A

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

BUSCA E APREENSÃO NO DIREITO PROCESSUAL PENAL

BUSCA E APREENSÃO NO DIREITO PROCESSUAL PENAL POLICIA FEDERAL DO BRASIL BUSCA E APREENSÃO NO DIREITO PROCESSUAL PENAL VISÃO GERAL Com o intuito de que não desapareçam am as provas do crime, o que tornaria impossível ou problemático o seu aproveitamento,

Leia mais

Julio 2008 O CRIME DE PARTICIPAÇÃO EM SUICÍDIO NO CÓDIGO PENAL

Julio 2008 O CRIME DE PARTICIPAÇÃO EM SUICÍDIO NO CÓDIGO PENAL Julio 2008 O CRIME DE PARTICIPAÇÃO EM SUICÍDIO NO CÓDIGO PENAL Marcelo Nunes Apolinário Para citar este artículo puede utilizar el siguiente formato: Nunes Apolinário, M.: O crime de participação em suicídio

Leia mais

PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito. 3) Espécies de concursos de crimes:

PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito. 3) Espécies de concursos de crimes: 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito 3) Espécies de concursos de crimes 4) Natureza Jurídica 5) Sistemas de aplicação da pena 6) Concurso Material ou Real 7) Concurso

Leia mais

DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART.

DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP Art. 158 - Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter para si ou para outrem indevida vantagem econômica, a fazer, tolerar que se faça ou

Leia mais

Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista

Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista 1 SUMÁRIO DEDICATÓRIAS E AGRADECIMENTOS 02 CARTA DE APRESENTAÇÃO 03 O QUE SERIA O SOFRIMENTO FÍSICO? 04 E O SOFRIMENTO MENTAL? 04 TORTURA-PROVA 05 TORTURA

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Gilberto, quando primário, apesar de portador de maus antecedentes, praticou um crime de roubo simples, pois, quando tinha 20 anos de idade, subtraiu de Renata, mediante

Leia mais

2ª AULA INQUÉRITO POLICIAL

2ª AULA INQUÉRITO POLICIAL 2ª AULA INQUÉRITO POLICIAL O inquérito policial é um procedimento (não é processo) que tem por escopo a produção de provas, tudo para abalizar a denúncia (se for o caso) do membro do Ministério Público.

Leia mais

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material 01 MOEDA FALSA Sumário: 1. Moeda falsa 2. Crimes assimilados ao de moeda falsa 3. Petrechos para falsificação de moeda 4. Emissão de título ao portador sem permissão legal. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: ANDERSON LUIZ. 5º Simulado de Ética na Administração Pública

CURSO ON-LINE PROFESSOR: ANDERSON LUIZ. 5º Simulado de Ética na Administração Pública Prezados(as) concurseiros(as), Espero que todos estejam bem! Divirtam-se! 5º Simulado de Ética na Administração Pública 1. (CESPE/ACE/TCE-AC/2009) Suponha que Fábio, auditor-fiscal da Receita Federal do

Leia mais

DIREITO PENAL ESPECIAL AVANÇADO PROF. ROGÉRIO SANCHES EXTORSÃO, EXTORSÃO MEDIANTE SEQÜESTRO, EXTORSÃO INDIRETA E APROPRIAÇÃO INDÉBITA

DIREITO PENAL ESPECIAL AVANÇADO PROF. ROGÉRIO SANCHES EXTORSÃO, EXTORSÃO MEDIANTE SEQÜESTRO, EXTORSÃO INDIRETA E APROPRIAÇÃO INDÉBITA DIREITO PENAL ESPECIAL AVANÇADO PROF. ROGÉRIO SANCHES EXTORSÃO, EXTORSÃO MEDIANTE SEQÜESTRO, EXTORSÃO INDIRETA E APROPRIAÇÃO INDÉBITA 1 Artigos correlatos Extorsão mediante seqüestro e tortura: dois crimes?

Leia mais

AULA 16 1. CONTEÚDO DA AULA: Desistência voluntária. Arrependimento Eficaz. Crime Impossível e Arrependimento Posterior.

AULA 16 1. CONTEÚDO DA AULA: Desistência voluntária. Arrependimento Eficaz. Crime Impossível e Arrependimento Posterior. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 16 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 16 1 CONTEÚDO DA AULA: Desistência voluntária. Arrependimento

Leia mais

Formulário de Visita Técnica à Delegacia de Polícia Estadual

Formulário de Visita Técnica à Delegacia de Polícia Estadual Formulário de Visita Técnica à Delegacia de Polícia Estadual Resolução CNMP Nº 20 de 28/05/2007 Dados da Entidade Visitada Nome: CPF ou CNPJ:: Endereço: Município: UF: Telefones c/ddd: Seção I Identificação

Leia mais

Autor: André Gomes Rabeschini

Autor: André Gomes Rabeschini Artigos Jurídicos Autor: André Gomes Rabeschini PRISÕES CAUTELARES André Gomes Rabeschini Funcionário Publico do Estado de São Paulo, Bacharel em Direito pela Universidade Nove de Julho, Especializando

Leia mais

MATERIAL DE APOIO. *segundo o STF o MP tem poder de investigação, ou seja, pode o MP investigar além da polícia.

MATERIAL DE APOIO. *segundo o STF o MP tem poder de investigação, ou seja, pode o MP investigar além da polícia. Escrivao P.F Nível Superior DISCIPLINA:D.Proc.Penal Professor: Guilherme Madeira Aula 01 MATERIAL DE APOIO Processo Penal Professor Madeira Dicas: -Apenas caderno e lei na reta final! -Fazer uma prova

Leia mais

SUMÁRIO. UNIDADE 10 Prescrição ou ministração culposa de drogas; UNIDADE 11 Condução de embarcação ou aeronave sob o efeito de drogas;

SUMÁRIO. UNIDADE 10 Prescrição ou ministração culposa de drogas; UNIDADE 11 Condução de embarcação ou aeronave sob o efeito de drogas; SUMÁRIO LEI Nº 11.343/06 NOVA LEI DE DROGAS; UNIDADE 1 UNIDADE 2 UNIDADE 3 UNIDADE 4 Antinomia aparente de normas penais; Delito de posse de drogas ilícitas para consumo pessoal; Vedação da prisão em flagrante;

Leia mais

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça.

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 11 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Foro por Prerrogativa de Função; Conexão e Continência. 3.5 Foro por Prerrogativa de Função: b) Juízes

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2011

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 PROJETO DE LEI Nº DE 2011 Altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O art. 4º

Leia mais

PONTO 1: Suicídio PONTO 2: Infanticídio PONTO 3: Aborto PONTO 4: Lesão Corporal. 1. Suicídio art. 122 do CP:

PONTO 1: Suicídio PONTO 2: Infanticídio PONTO 3: Aborto PONTO 4: Lesão Corporal. 1. Suicídio art. 122 do CP: 1 PONTO 1: Suicídio PONTO 2: Infanticídio PONTO 3: Aborto PONTO 4: Lesão Corporal 1. Suicídio art. 122 do CP: Induzimento, instigação ou auxílio a suicídio Art. 122 - Induzir ou instigar alguém a suicidar-se

Leia mais

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença:

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: 1. Qualidade da redação: 1.1. Com observância, inclusive, de ortografia e gramática além de completo domínio do vernáculo. 1.2. Valor: 2,0

Leia mais

TIPOS DE CRIMES E SEUS TOTAIS CONSTANTES NOS INQUÉRITOS POLICIAIS DISTRIBUÍDOS JANEIRO DE 2009

TIPOS DE CRIMES E SEUS TOTAIS CONSTANTES NOS INQUÉRITOS POLICIAIS DISTRIBUÍDOS JANEIRO DE 2009 JANEIRO DE 2009 Crimes contra a vida Homicídio Simples 8 2 Crimes contra a vida Homicídio Qualificado 23 3 Crimes contra a Honra Difamação 4 Crimes contra a Honra Injúria 3 5 Crimes contra a liberdade

Leia mais

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO

TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO TEMA: CONCURSO DE PESSOAS (concursus delinquentium) CONCURSO DE AGENTES / CONCURSO DE DELINQUENTES / CO-AUTORIA/ CODELINQÜÊNCIA/PARTICIPAÇÃO INTRODUÇÃO Normalmente, os tipos penais referem-se a apenas

Leia mais