LEITES DESIDRATADOS. Farinhas lácteas 3 IMPORTÂNCIA DOS PRODUTOS LÁCTEOS DESIDRATADOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEITES DESIDRATADOS. Farinhas lácteas 3 IMPORTÂNCIA DOS PRODUTOS LÁCTEOS DESIDRATADOS"

Transcrição

1 1 1 CONCEITO LEITES DESIDRATADOS Produto resultante da desidratação parcial ou total, em condições adequadas, do leite adicionado ou não de substâncias permitidas pelo D.I.P.O.A. (art. 642, RIISPOA, 1997). 2 TIPOS DE LEITES DESIDRATADOS DESIDRATAÇÃO PARCIAL: Leite concentrado Leite evaporado Leite condensado Doce de leite DESIDRATAÇÃO TOTAL: Leite em pó Farinhas lácteas 3 IMPORTÂNCIA DOS PRODUTOS LÁCTEOS DESIDRATADOS Controle da sazonalidade da produção de leite - permite estocagem de leite da safra, sob a forma de produtos com longa vida de prateleira que podem ser reconstituídos em leite fluido nos períodos de entressafra. Facilidade de transporte e comercialização - geralmente esses produtos são transportados em temperaturas ambientes e há significativa redução de volume quando são desidratados total ou parcialmente. Utilização na indústria alimentícia - leites desidratados tem amplo emprego na culinária e em outros ramos da indústria alimentícia, como padarias e confeitarias. Aumento do período de validade do leite - com a desidratação do leite haverá redução da atividade de água deste produto, reduzindo a proliferação microbiana. Diminuição dos custos com estocagem - devidas à redução do volume e à estocagem em temperatura ambiente.

2 2 4 PROCESSAMENTO BÁSICO DOS LEITES DESIDRATADOS 4.1 SELEÇÃO DE MATÉRIA PRIMA QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA Com a desidratação de um produto ácido haverá concentração dessa acidez. Assim sendo, cuidados especiais devem ser tomados com a matéria-prima quanto à acidez (máxima de 18ºD) e à estabilidade do leite (evitar que este fique instável quanto houver a desidratação - utilizar alizarol a 72%, no mínimo). Além disso, os processos de desidratação demandam grande consumo de energia para a retirada da água em excesso, portanto, maior rigor deve existir na pesquisa da aguagem do leite. Paralelamente, seria interessante trabalhar somente com leite de elevado teor de sólidos totais ou desengordurados, visando melhorar o rendimento industrial. QUALIDADE MICROBIOLÓGICA Especial atenção deve ser dada quanto à presença de microrganismos esporulados e termodúricos, que podem sobreviver aos tratamentos térmicos do leite e degradar a qualidade durante o período de validade dos produtos desidratados. Também a presença de enzimas termoestáveis, produzidas quando microrganismos psicrotróficos alcançam contagens superiores a 10 6 ufc/ml no leite, teria esse efeito indesejável. 4.2 TRATAMENTOS PRÉVIOS CLARIFICAÇÃO A eliminação de sujidades do leite auxilia no aumento de sua vida de prateleira. A utilização de centrífugas permite a clarificação associada ao ajuste do teor de gordura do leite, assim como a bactofuga garante a eliminação da quase totalidade dos esporos porventura presentes na matéria-prima. Caso haja maior tempo de estocagem entre a clarificação e o seu tratamento térmico do leite, torna-se mais interessante fazer primeiro a filtração inicial do mesmo, e somente realizar a clarificação quanto o leite estiver prestes a ser desidratado. O objetivo deste cuidado é evitar o aumento da contagem global de microrganismos enquanto o leite aguarda o processamento.

3 PADRONIZAÇÃO DO TEOR DE GORDURA E/OU SÓLIDOS Visam melhorar o rendimento industrial e padronizar a composição dos lotes produzidos. A padronização do teor de gordura pode ser feita a partir da mistura de leite desnatado ao leite integral ou por intermédio das centrífugas padronizadoras. É prática comum entre as empresas que processam leites desidratados, estocar o leite desnatado concentrado, utilizando-o para aumentar o teor de sólidos do leite a ser prontamente desidratado HOMOGENEIZAÇÃO Torna-se importante porquê esses produtos são estocados por longo tempo em temperatura ambiente, o que favoreceria a separação da gordura durante a sua comercialização. Auxilia também na formação da cor branca quando se adiciona café aos produtos concentrados (leite evaporado) TRATAMENTO TÉRMICO O leite destinado à desidratação deve ser previamente pasteurizado ou tratado como UAT, a fim de garantir a segurança alimentar dos produtos. Alguns benefícios desse tratamento podem ser listados, além da destruição microbiana e inativação de enzimas naturais do leite: aquecimento do leite, atingindo as temperaturas usuais de concentração no evaporador e controle da viscosidade e do espessamento do produto final, ao estabilizar as proteínas (desnatura proteínas do soro, que interagem com as caseínas, evitando sua coagulação). Caso seja feito tratamento UAT no produto concentrado, há necessidade de adição de sais estabilizantes no leite ou no produto concentrado (fosfato ou citrato de sódio). Nessa situação, faz-se um tratamento prévio de pasteurização HTST do leite EVAPORAÇÃO OU CONCENTRAÇÃO Consiste na retirada de boa parte da água livre do leite, reduzindo seu volume e aumentando sua viscosidade e densidade. A concentração de sólidos pode chegar a valores de 70% ou mais, dependendo do produto lácteo. Essa evaporação é o processo determinante da produção dos lácteos parcialmente desidratados, representando a fase de concentração de sólidos do leite. Para o leite em pó e farinhas lácteas essa é uma etapa intermediária de desidratação, designada às vezes como pré-secagem, quando há concentração dos sólidos lácteos até níveis ideais para o processo seguinte, que é a secagem propriamente dita.

4 4 A evaporação é feita em equipamentos especiais e deve ser realizada necessariamente em condições de vácuo (exceto para o doce de leite) e de baixa pressão atmosférica. Assim, o leite entrará em ebulição em temperatura inferiores às normais, tão baixas quanto 40 a 70ºC, preservando suas características sensoriais e físico-químicas. O vácuo também favorece a retirada dos vapores desprendidos durante a concentração. Tipos de evaporadores: existem diferentes modelos de equipamentos para a evaporação do leite, que variam quanto a sua forma, ao funcionamento contínuo ou descontínuo, e à capacidade de recuperação de calor (presente em quase todos os modelos para reduzir o custo energético do processo). Quanto à forma existem modelos de evaporadores de circulação natural, geralmente providos de vários efeitos; os evaporadores de película descendente (tipo "falling film" - fig. 1), que são os modelos mais atuais, de maior eficiência; e os evaporados a placas (fig.2), que tem a vantagem de fácil ajuste da capacidade de produção. Fig. 1 Evaporador Falling film em múltiplos efeitos Figura 2. Evaporador a placas 5 PROCESSAMENTO INDUSTRIAL DOS LEITES DESIDRATADOS 5.1 LEITE EVAPORADO E LEITE CONDENSADO O processamento de leites evaporados e sua comercialização em embalagens seladas data do início da década de Antes disso, na década de 1850, um americano já havia aperfeiçoado a preservação desses leites pela adição de açúcar. A diferença entre o leite evaporado e o leite condensado é bastante significativa. O leite evaporado (condensado sem açúcar) é um produto esterilizado, branco e com a aparência de creme, sendo amplamente utilizado para reconstituição como leite fluido nas regiões onde este é escasso. Constitui-se no creme, do café com creme. No Brasil, seu uso é menos difundido, existindo poucas marcas comerciais. Esse produto é embalado em latas e posteriormente esterilizado ou

5 5 pode receber este tratamento térmico e ser envasado assepticamente, em um sistema UAT. Tem validade média de 8-9 meses no mercado nacional. Por sua vez, o leite condensado (ou evaporado com açúcar) é essencialmente um leite evaporado onde é adicionado esse ingrediente. O produto assume uma coloração mais amarelada, assemelhando-se mais à maionese. A elevada pressão osmótica desse produto faz com que a maioria dos microrganismos presentes sejam destruídos, eliminando a necessidade de um tratamento térmico. Geralmente é comercializado em latas, mas hoje encontra-se disponível também em embalagens cartonadas. As marcas comercializadas no Brasil tem adotado validade de cerca de 15 meses. O processamento inicial desses dois leites é bastante semelhante, até a etapa de evaporação (fig. 3). Deve ser feita a seleção da matéria-prima, com especial cuidado quanto aos fatores listados anteriormente, no item 4. A adição de estabilizantes (citrato ou fosfato de sódio, no máximo a 0,1g%) e de açúcar pode ocorrer no início do processo. Neste caso, adiciona-se açúcar seco, em quantidade previamente calculada, para que no produto final a concentração desse ingrediente não ultrapasse 64%. Essa preocupação justifica-se para evitar a ocorrência de reações de cristalização da lactose em maior escala, tornando os cristais perceptíveis ao nosso tato. Em muitos casos o açúcar é adicionado na forma de xarope (solução de sacarose a 41%) durante a etapa de concentração do leite. Após a adição dos ingredientes o leite deve ter seus teores de gordura e sólidos desengordurados padronizado para 3,0 e 8,5%, em média. Assim, no final, a relação gordura: SNG será de 1: 2,25. Em seguida será feito o tratamento térmico, com uma pasteurização em binômios mais rigorosos ( ºC / 1-3 minutos), que garantam a segurança alimentar, principalmente do leite condensado, devido ao seu amplo uso para crianças. Além disso, com as altas temperatura e tempo de aquecimento, haverá maior insolubilização do cálcio livre do leite e desnaturação das proteínas do soro, tornando o leite evaporado mais estável à esterilização e reduzindo os riscos de coagulação durante a longa estocagem. A evaporação do leite normalmente ocorre em evaporadores de múltiplo efeito, do tipo "falling film". Durante o processo de evaporação a densidade do produto é checada periodicamente a fim de garantir a concentração final, deve ser de 1,070 para leite evaporado e 1,030 a 1,035 para leite condensado. Alguns autores sugerem que a concentração deve ser feita até o leite evaporado apresentar 25 a 33% de matéria seca e até o leite condensado apresentar 72%. A partir desta etapa é que variações irão ocorrer entre os dois produtos. O leite evaporado será, em seguida, submetido à homogeneização, que deve ser cuidadosa para não alterar a estabilidade protéica e aumentar os riscos de coagulação durante a esterilização subseqüente. A seguir, o leite será refrigerado

6 6 a 14ºC, enlatado e esterilizado em autoclaves rotatórias, a ºC / minutos, o que resulta na formação de pigmentos escuros das reações de Maillard e de caramelização. Algumas indústrias adotam uma etapa de "shaking" após o resfriamento do produto esterilizado para temperaturas ambientes, visando romper agregados iniciais de proteínas e gordura láctea, que poderiam desencadear mais rapidamente um processo de espessamento tardio do leite evaporado. Na fabricação do leite condensado, em seguida à evaporação deverá ser feito um resfriamento do produto. Esta etapa é considerada crítica e talvez a mais importante do processo. Com a concentração do leite, somente metade da lactose estará em solução, o que gera a supersaturação do meio, favorecendo a sua precipitação na forma de cristais. Portanto, nesta etapa deve-se tentar controlar o processo de cristalização, criando condições para que sejam formados somente cristais pequenos, menores que 10µm, que são imperceptíveis. Isso será conseguido com o abaixamento da temperatura do leite concentrado para 15-18ºC, de forma rápida, com agitação vigorosa e contínua durante cerca de uma hora em um tanque de cristalização. Durante esta fase, quando o leite atingir 30ºC, cristais de lactose refinada (0,05%) deverão ser semeados para auxiliar na cristalização delicada. Em seguida o leite condensado deverá ser enviado para um tanque de estocagem, onde permanecerá até o dia seguinte, para que o processo de cristalização se complete. Será então envasado em latas previamente esterilizadas, em embalagens cartonadas ou em barris de 300 kg. Figura 3. Fluxograma de produção de leite evaporado e leite condensado

7 7 5.2 LEITE EM PÓ Com a secagem, os alimentos são conservados devido à inibição do crescimento microbiano, já que os microrganismos necessitam de água para sua sobrevivência e multiplicação. A preservação de alimentos pela secagem já é conhecida há séculos, sendo relatada por Marco Polo em suas viagens à Ásia, como a secagem do leite ao sol pelos Mongóis. Os leites em pó tem atualmente ampla produção e consumo em todo o mundo, sendo bastante interessantes devido à significativa redução do volume do leite, facilitando sua estocagem, e também pelo longo período de validade, que pode ser de até três anos para a modalidade desnatada e de seis meses para o tipo integral. Como dito anteriormente, o processo inicial do leite em pó é semelhante ao observado para os outros tipos de leite desidratado (fig. 4), consistindo da seleção da matéria-prima, clarificação, padronização dos teores de gordura e ESD, homogeneização (na modalidade integral), pasteurização e evaporação, que é conhecida também como pré-secagem do leite. Salienta-se o cuidado especial que se deve ter com o leite cru quanto as suas características microbiológicas, já que esse derivado lácteo tem amplo uso para crianças, inclusive recém-nascidos, e para idosos. Figura 4. Fluxograma de produção de leite em pó A pasteurização do leite que será convertido em pó irá determinar a sua qualidade. Caso esta seja feita em elevadas temperaturas poderá haver comprometimento das proteínas lácteas, levando-as a coagular na evaporação, e alteração sensorial significativa, modificando a cor, o aroma e o sabor do leite reconstituído. As temperaturas ideais de pasteurização do leite integral são

8 8 aquelas que garantam a inibição das lipases naturais, sendo que muitas indústrias chegam a adotar binômios (90-95ºC / segundos) que tornam o leite negativo para o teste da peroxidase. Já para o leite desnatado, a temperatura da pasteurização irá determinar sua classificação em três grupos distintos, determinados pela quantidade de proteínas do soro que permanecem sem desnaturar: a) leite em pó de baixo aquecimento (62-65ºC / 30 minutos), com mais de 6,0 mg de proteínas íntegras por grama de pó, apresentando amplo aproveitameto posterior por preservar bastante as propriedades físico-químicas e sensoriais do leite; b) leite em pó de médio aquecimento (72-75ºC / segundos), com 1,5-5,9 mg / g de proteínas íntegras, também de amplo uso industrial; e c) leite em pó de alto aquecimento (90-95ºC / segundos), cujo teor de proteínas do soro íntegras é inferior a 1,5 mg / grama de pó, somente apresentando aplicação na panificação e na fabricação de chocolate, quando torna-se interessante por reduzir a quantidade de cacau utilizada (escurece mais devido a reação de Maillard) e por apresentar melhor capacidade de ligação com a água. No caso da fabricação do leite em pó, a evaporação prévia do leite torna-se interessante (apesar de poder ser dispensada) por reduzir os custos energéticos e a necessidade de grande capacidade na etapa da secagem. Além disso, feita em evaporadores tipo "falling film" sob vácuo, permite um aquecimento mais leve e previne a desnaturação das proteínas, a destruição das vitaminas e a ocorrência da reação de Maillard, já que a temperatura não excede aos 70ºC nessa etapa. A concentração dos sólidos do leite, alcançada pela evaporação, será determinada em função do tipo de secagem que o mesmo vai receber. Para o processo de secagem "Roller drying", o leite será concentrado a 30% de matéria seca, enquanto que, para o sistema "Spray drying", essa concentração será de 45-55%. O sistema Roller drying (figs. 5 e 6) apresenta menor uso industrial nos dias atuais. Neste processo, o leite concentrado será distribuído em cilindros aquecidos internamente por vapor. A água do leite evapora e é retirada por um fluxo de ar quando ele entra em contato com a superfície quente do cilindro. O aquecimento mais intenso converte a proteína para uma forma menos solúvel e promove maior alteração da cor do produto. Entretanto, esse leite em pó terá maior capacidade de ligação com a água, sendo interessante na indústria confeiteira. Figura 5. Roller dryer tipo trough-fed Figura 6. Roller dryer tipo spray-fed

9 9 No sistema Spray drying (fig.7) o leite concentrado é pulverizado em um disco chamado atomizador (5.000 a rpm), como finas gotas, em uma câmara de secagem, onde entra em contato com uma corrente de ar quente ( ºC) para que ocorra a evaporação da água. A qualidade físico-química e sensorial desse leite é bem preservada, já que a temperatura das gotas não excede aos 75ºC (o calor latente de evaporação continuamente esfria sua superfície) e o tempo de residência do leite na câmara é calculado para aproximadamente 25 segundos. Quando as gotas secam, aglomeram-se no fundo cônico da torre de secagem e por corrente de ar frio o pó será enviado para os tanques de estocagem ou para a unidade de empacotamento. Cerca de 30% do pó pode ser carreado junto com a corrente de ar frio, então este deve ser recuperado em estruturas especiais (ciclones), semelhantes a uma torre em miniatura, ou em filtros (filtro de manga), de onde serão desviados para a embalagem. A maioria dos modelos Spray drying tem, acoplado ao final da torre de secagem, um outro equipamento chamado "fluid-bed", que finaliza o processo de secagem do pó, ajustando o teor de umidade deste de cerca de 5-6% para 3%, em média. Figura 7. Modelo de Spray-dryer 1. aquecedor indireto 2. câmara de secagem 3. fluid-bed 4.aquecedor de ar para o fluid-bed 5. ar frio para o fluid-bed 6. desumidificador de ar para o flui-bed 7.peneira Outra etapa comum na fabricação do leite em pó é a sua instantaneização. No "fluid bed" o pó entra primeiro em contato com vapor, para umidificá-lo e aglomerar as partículas, que serão secas com ar quente nas próximas sessões do equipamento, tornando-se mais porosas e de mais fácil dissolução em água fria. A instantaneização também pode ser obtida pelo retorno do pó que sai da torre de secagem ao início desta, quando as partículas secas entram em contato com as gotas aspergidas e ocorre a aglomeração das mesmas. Se for leite em pó integral, para torná-lo instantâneo deve-se adicionar a lecitina (5g / kg), que tem capacidade de ligação com a gordura láctea e a água.

10 10 Em seguida à secagem, o leite em pó será enviado em sistemas pneumáticos para o setor de embalagem. O envase pode ser feito em papel cartão (sacos de 30 kg), em papel aluminizado ou em latas. Principalmente nas embalagens destinadas ao consumidor, faz-se a gasagem, que consiste na retirada de ar de dentro das embalagens e simultânea injeção de gás inerte, como nitrogênio ou gás carbônico. 5.3 DOCE DE LEITE O doce de leite pode ser entendido como o produto, com ou sem adição de outras substâncias alimentícias, obtido por concentração e ação do calor à pressão normal ou reduzida do leite ou leite reconstituído, com ou sem adição de sólidos de origem láctea e/ou creme e adicionado de sacarose (parcialmente substituída ou não por monossacarídeos e/ou outros dissacarídeos) (RIISPOA, art. 659). Este derivado lácteo tem sua origem relatada na região do Rio da Prata, sendo, portanto, um produto típico da Argentina e do Uruguai, além do Brasil. Atualmente a comercialização do doce de leite vêm aumentando, principalmente devido a boa aceitação que esse produto lácteo têm recebido no exterior. Soma-se a isso, o fato de apresentar maior valor agregado e facilidade de estocagem e de diversificação quanto à forma de apresentação. Na maioria dos laticínios de médio e pequeno porte, o doce de leite é elaborado através da cocção do leite, padronizado para cerca de 1,5% de gordura, e ingredientes (bicarbonato de sódio, sal e açúcar), em um tacho de aço inoxidável, com tampa, pá agitadora e exaustor, construído com parede dupla na sua parte inferior, onde circula o vapor para o aquecimento da mistura. O bicarbonato de sódio é essencial para a estabilidade do leite que será superaquecido, devendo o último ter sua acidez reduzida para cerca de 13ºD imediatamente antes da fabricação. Por isso, somente leite com acidez normal (14-19ºD) e seguramente estável deverá ser utilizado. Por sua vez, o excesso de bicarbonato pode levar à alteração do sabor e da cor do doce, tornando-o muito escuro (as reações de escurecimento da lactose acontecem em meio alcalino). É essencial também que esse leite não tenha recebido fraude por adição de água, o que implica em redução do rendimento industrial na produção desse derivado. Um ingrediente opcional na fabricação do doce de leite é a lactase. Essa enzima pode ser adicionada ao leite quando ele alcançar cerca de 65ºC, com o objetivo de hidrolisar a maior parte da lactose, liberando glicose e galactose, na tentativa de controlar o defeito de cristalização desse constituinte ou arenosidade do doce. Conservantes, como o sorbato de potássio (600mg/kg) e a natamicina, também podem ser adicionados para evitar a contaminação do doce, principalmente por fungos. Opcionalmente, também pode-se substituir parte da sacarose a ser

11 11 utilizada no doce pela glicose (2% do volume de leite), para torná-lo mais macio e com maior viscosidade, o que dificulta o defeito de arenosidade. O processamento (fig. 8) consiste, portanto, na cocção do leite e de ingredientes (em temperaturas tão elevadas quanto 150ºC), em especial o açúcar (sacarose em concentração de 18-20% para doce pastoso e 30% para doce em barra, adicionada no leite quente a 70ºC), sob constante agitação (80rpm), de modo que a mistura seja concentrada devido à evaporação da água, até o ponto desejado pela indústria. Figura 8. Fluxograma de processamento de doce de leite O ponto pode ser verificado pela coloração e consistência do doce, associados a alguns testes, tais como: ao pingar gotas do doce em um copo de água fria, estas não podem se desmanchar até alcançarem o fundo - ideal para doce em barras; observar a consistência de uma pequena quantidade de doce depositada em uma superfície fria (doce pastoso); ou, melhor ainda, analisar o ponto de concentração utilizando-se um refratrômetro, que medirá a quantidade de sólidos solúveis no doce. Assim que alcançar o ponto desejado, o doce deve ter sua temperatura abaixada para cerca de 65-70ºC, evitando maior evaporação e escurecimento. Este resfriamento é alcançado pela circulação de água fria nas paredes do tacho, associada à agitação constante.

12 12 Em seguida, o doce deve ser embalado a quente, para evitar o crescimento de microrganismos no interior da lata, que será recravada, a fim de ficarem herméticas e evitar contaminação por fungos e leveduras. É obrigatória a desinfecção prévia das latas com solução sanificante e/ou vapor (cloro ou iodo, dentre outros). No caso de doce em barras, deve-se fazer uma agitação manual (bateção) após o ponto, sendo o doce resfriado a 65-70ºC e vertido em fôrmas previamente envolvidas por plástico para a sua moldagem. 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FERREIRA, L.C. Doce de leite. Apostila do Curso de Doce de Leite. Juiz de Fora: EPAMIG/ILCT. 2p. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. Secretaria de Defesa Agropecuária. Decreto nº de 04 de junho de Altera o REGULAMENTO DA INSPEÇÃO INDUSTRIAL E SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Brasília: Ministério da Agricultura, p. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Portaria nº 146, de 07 de março de Aprova os Regulamentos Técnicos de Identidade e Qualidade de Produtos Lácteos.(publicados no D.O.U., em 11 de março de 1996). ROSENTHAL, I. Milk and dairy products. Properties and processing. New York: VCH, p. SPREER, E. Lactologia industrial. Zaragoza: Acribia, p. TETRA PAK. Dairy processing handbook. Lund: Tetra Pak Processing Systems AB, (CD ROOM) VARNAM, A.H.; SUTHERLAND, J.P. Milk and milk products. Technology, Chemistry and Microbiology. London : Chapman & Hall Publishers, p. VEISSEYRE, R. Lactología técnica. Zaragoza: Acribia, p.

Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra

Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Processamento Geral dos Alimentos 2007/2008 Trabalho realizado por: Vanessa Sarmento nº20603003 Sofia Joaquim nº20603008 Liliana nº206030

Leia mais

TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA

TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA CONTROLE DE QUALIDADE DO LEITE CRU ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS PED C: Débora Parra Baptista

Leia mais

16/09/2015. movimentação de materiais colheita manual e mecânica na quinta transporte refrigerado transporte de gado vivo transporte em tapete rolante

16/09/2015. movimentação de materiais colheita manual e mecânica na quinta transporte refrigerado transporte de gado vivo transporte em tapete rolante 1 Processos utilizados na indústria alimentar divididos em operações comuns (operações unitárias) operações unitárias incluem diversas actividades operações mais comuns movimentação de materiais limpeza

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR Prof. ª Elessandra da Rosa Zavareze elessandrad@yahoo.com.br 1 Estratégias para controlar os agentes de alteração dos alimentos 2 Conhecimento dos seguintes fatores:

Leia mais

Genkor. 32 FOOD INGREDIENTS BRASIL Nº 10-2009 www.revista-fi.com. Introdução

Genkor. 32 FOOD INGREDIENTS BRASIL Nº 10-2009 www.revista-fi.com. Introdução MÉTODOS E CRITÉRIOS PARA SUBSTITUIÇÃO DE FONTES LÁCTEAS EM GELADOS COMESTÍVEIS Introdução O leite pode ser considerado a principal matéria-prima para a indústria de gelados comestíveis em função de ter

Leia mais

Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos

Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos Introdução Os micro organismos estão diretamente

Leia mais

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA O PROCESSAMENTO DE HORTALIÇAS CONGELADAS

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA O PROCESSAMENTO DE HORTALIÇAS CONGELADAS Ministério da Agricultura e do Abastecimento MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA O PROCESSAMENTO DE HORTALIÇAS CONGELADAS Documentos nº 40 ISSN - 1516-8247 julho, 2000

Leia mais

9/3/2011. Emulsão O/A de cor branca, ligeiramente amarelada, de odor suave e gosto adocicado com ph = 6,8

9/3/2011. Emulsão O/A de cor branca, ligeiramente amarelada, de odor suave e gosto adocicado com ph = 6,8 Tecnologia de leite e derivados Prof Msc Thiago Manzoni Jacintho Departamento da Saúde Curso: Farmácia 2011 Definição Leite = o produto oriundo da ordenha completa e ininterrupta, em condições de higiene,

Leia mais

Comparação da câmara de secagem spray de 3 estágios com a câmara tradicional de 2 estágios.

Comparação da câmara de secagem spray de 3 estágios com a câmara tradicional de 2 estágios. Relatórios Técnicos TECNOLOGIA DE SECAGEM DE LEITE Av. Pueyrredón 524-6to PISO (C1032ABS) Buenos Aires, Argentina Tel/Fax: (54-11) 4963 8282 / 9577 1 TECNOLOGIA DE SECAGEM DE LEITE. CÂMARA DE SECAGEM SPRAY

Leia mais

IOGURTE, BEBIDAS LÁCTEAS E DOCE DE LEITE

IOGURTE, BEBIDAS LÁCTEAS E DOCE DE LEITE 138 Coleção SENAR Acesse também o portal de educação à distância do SENAR: www.canaldoprodutor.com.br/eadsenar SGAN Quadra 601, Módulo K Ed. Antônio Ernesto de Salvo - 1º andar Brasília-DF - CEP: 70830-903

Leia mais

VI ENEL CAMPINA GRANDE Regulamento Técnico de Rotulagem de Produto de Origem Animal Embalado

VI ENEL CAMPINA GRANDE Regulamento Técnico de Rotulagem de Produto de Origem Animal Embalado MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUPERINTENDÊNCIA FEDERAL DE AGRICULTURA NA PARAÍBA SERVIÇO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS VI ENEL CAMPINA GRANDE Regulamento Técnico de Rotulagem

Leia mais

Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber

Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem como objetivo descrever os procedimentos para o ensaio Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber. É aplicável para leite fluido in natura ou

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2013 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Queijo Regional do Norte ou Queijo Tropical de Uso Industrial, conforme anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Queijo Regional do Norte ou Queijo Tropical de Uso Industrial, conforme anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 4 DE ABRIL DE 2002 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

PROCESSAMENTO DO LEITE

PROCESSAMENTO DO LEITE PROCESSAMENTO DO LEITE Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Capítulo 3 - Métodos de Conservação de Alimentos: Uso de Calor

Capítulo 3 - Métodos de Conservação de Alimentos: Uso de Calor 30 Capítulo 3 - Métodos de Conservação de Alimentos: Uso de Calor O suprimento de alimentos para humanidade necessita ocorrer diariamente, no entanto, a produção de alguns produtos e matéria prima é sazonal.

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CONTROLE DA UMIDADE

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CONTROLE DA UMIDADE CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CONTROLE DA UMIDADE 1 Processo no qual a água é removida rápida ou lentamente, envolvendo duas operações fundamentais na indústria de alimentos: transferência de calor e de

Leia mais

Pesquisa de Fosfatase Alcalina em Leite Fluido por Colorimetria

Pesquisa de Fosfatase Alcalina em Leite Fluido por Colorimetria 1 Escopo MAPA/SDA/CGAL Página 1 de 5 Este método tem como objetivo descrever os procedimentos para o ensaio Pesquisa de Fosfatase Alcalina em Leite Fluido por Colorimetria. 2 Fundamentos O principal objetivo

Leia mais

Disciplina: Tecnologia de Carnes, Pescados e Derivados (optativa) Acadêmicas: Ana Paula Roani e Giane Beatriz Friedrich

Disciplina: Tecnologia de Carnes, Pescados e Derivados (optativa) Acadêmicas: Ana Paula Roani e Giane Beatriz Friedrich Disciplina: Tecnologia de Carnes, Pescados e Derivados (optativa) Acadêmicas: Ana Paula Roani e Giane Beatriz Friedrich MORTADELA A mortadela tem uma história de mais de 2 mil anos, surgindo na época do

Leia mais

DEFUMAÇÃO. Aplicação da defumação. Defumação: DEFUMAÇÃO. Efeito conservante da defumação MECANISMO DE AÇÃO DA FUMAÇA

DEFUMAÇÃO. Aplicação da defumação. Defumação: DEFUMAÇÃO. Efeito conservante da defumação MECANISMO DE AÇÃO DA FUMAÇA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS ALM024- Processamento de Alimentos DEFUMAÇÃO Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano 2011 Defumação: alimentícios Defumação aplicação da fumaça aos

Leia mais

Princípios e métodos de esterilização

Princípios e métodos de esterilização Princípios e métodos de esterilização FUNDAMENTOS DE ESTERILIZAÇÃO Bactérias (forma vegetativa ou esporulada) São os menores organismos vivos; Existem em maior número; São as maiores responsáveis pelos

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS Profª Ana Paula F. Bernardes Silva A QUEM COMPETE MINISTÉRIO DA SAÚDE: Produtos de origem animal; Vegetais e cereais (grãos) in natura; Bebidas e vinagre; Mel. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA:

Leia mais

Alimentos: diet, light, açúcar e adoçantes

Alimentos: diet, light, açúcar e adoçantes Faculdade de Gastronomia AÇÚCAR Alimentos: diet, light, açúcar e adoçantes No singular açúcar, refere-se à sacarose proveniente da cana-de-açúcar e beterraba No plural açúcares diz respeito aos vários

Leia mais

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Compotas (limão, goiaba, manga, figo) Menu Introdução Figo Goiaba Limão Manga. 1.

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Compotas (limão, goiaba, manga, figo) Menu Introdução Figo Goiaba Limão Manga. 1. 1 de 5 10/16/aaaa 10:42 Agroindústria Agroindústria: Processamento Artesanal de Frutas - Compotas Processamento artesanal de frutas: Nome compotas de limão, goiaba, manga e figo Produto Informação Tecnológica

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS MEDIANEIRA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ALEXANDRE MATEUS DEVES MINKS RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS MEDIANEIRA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ALEXANDRE MATEUS DEVES MINKS RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS MEDIANEIRA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ALEXANDRE MATEUS DEVES MINKS RELATÓRIO DE ESTÁGIO MEDIANEIRA 2012 ALEXANDRE MATEUS DEVES MINKS RELATÓRIO DE

Leia mais

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL 1 - QUALIDADE DA MATÉRIA-PRIMA O leite destinado à fabricação de produtos lácteos deve ser de boa qualidade. Essa qualidade está diretamente relacionada

Leia mais

LOTES 01- PERECÍVEIS FRIOS

LOTES 01- PERECÍVEIS FRIOS LOTES 0- PERECÍVEIS FRIOS 3 4 5 Lingüiça, do tipo calabresa, resfriada, industrialmente embalada, com SIF, embalagem plástica transparente atóxica não reciclada, contendo informações sobre o fabricante

Leia mais

10. Principais Defeitos Encontrados na Panificação

10. Principais Defeitos Encontrados na Panificação 10. Principais Defeitos Encontrados na Panificação DEFEITO ASPECTO CAUSA PROCEDIMENTO a) massa dura a) ajustar a consistência da massa b) pouco descanso b) aumentar o tempo de descanso c) massa encascada

Leia mais

Conservação da Carne Professora: Sandra Carvalho Princípios de Conservação Aplicado a Carne Controle da contaminação por microrganismos. Remoção de microrganismos. Controle do Crescimento e da atividade

Leia mais

Curso de embalagens. Embalagem Cartonada Asséptica Ministrante: Assunta Camilo 2014 São Paulo - SP

Curso de embalagens. Embalagem Cartonada Asséptica Ministrante: Assunta Camilo 2014 São Paulo - SP Curso de embalagens Embalagem Cartonada Asséptica Ministrante: Assunta Camilo 2014 São Paulo - SP Embalagem cartonada Sistema de Envase Engenharia e tecnologia de embalagem para envase asséptico Sistema

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com base em conceitos e metodologias introdutórios relativos à engenharia genética, julgue os itens a seguir. O alto rendimento de um processo fermentativo está diretamente relacionado

Leia mais

Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja

Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja O farelo integral ou semi integral obtido através do processo de extrusão vem ganhando cada vez mais espaço em

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 37, DE 31 DE OUTUBRO DE 2000.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 37, DE 31 DE OUTUBRO DE 2000. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 37, DE 31 DE OUTUBRO DE 2000. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E

Leia mais

Tabela 1 - conteúdo de umidade em alguns alimentos:

Tabela 1 - conteúdo de umidade em alguns alimentos: UMIDADE EM ALIMENTOS Umidade, ou teor de água, de um alimento constitui-se em um dos mais importantes e mais avaliados índices em alimentos. É de grande importância econômica por refletir o teor de sólidos

Leia mais

PROCESSAMENTO DE OVOS

PROCESSAMENTO DE OVOS PROCESSAMENTO DE OVOS Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO: PAPENBORG LATICÍNIOS LTDA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO: PAPENBORG LATICÍNIOS LTDA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO - CTC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E DE ALIMENTOS EQA5611 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS I ORIENTADOR: JOÃO BORGES LAURINDO

Leia mais

16/04/2015. Aldeídos, cetonas, ácidos, alcoóis e peróxidos.

16/04/2015. Aldeídos, cetonas, ácidos, alcoóis e peróxidos. Causas da degradação de lipídeos: oxidação, hidrólise, pirólise e absorção de sabores e odores estranhos. Profa: Nádia Fátima Gibrim A oxidação é a principal causa de deterioração e altera diversas propriedades:

Leia mais

Processamento de Ketchup

Processamento de Ketchup LICENCIATURA EM ENGENHARIA ALIMENTAR PGA I - 2ºANO 2007/2008 Processamento de Ketchup Daniela Lucas - Nº 20503012 Elisa Santos Silva Nº 3705 Ângela Doro Nº 3763 Índice Introdução pag 3 Etapas do processo

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 26 DE JUNHO DE 2001 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO,

Leia mais

Embalagem Cartonada Longa Vida

Embalagem Cartonada Longa Vida Embalagem Cartonada Longa Vida 1) Objetivo Geral Saber mais sobre a embalagem cartonada e a conservação de alimentos. 2) Objetivo Específico Adquirir conhecimentos sobre a reciclagem da embalagem e seus

Leia mais

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TECNOLOGIA DE ALIMENTOS NUTRIÇÃO UNIC Profª Andressa Menegaz Conservação por irradiação A irradiação pode servir para: -destruir os microrganismos; -retardar a germinação de certos legumes; -destruir os

Leia mais

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido LEITES FERMETADOS Profa.Dra.Vanerli Beloti HISTÓRIA: Consumido há século em todo Mediterrâneo Oriental Primeiro alimento transformado que se tem notícia na história da humanidade Iogurte é o mais popular

Leia mais

COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE

COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Farmácia COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE Integrantes: Paula Floriano da Silva Virgínia Figueira Marques PROTEÍNAS PROTEÍNAS Ponto isoelétrico ou pi,

Leia mais

Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos

Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos Manual Elaborado por PEDRO PAULO TRIGO VALERY Considerações Gerais Estocar e administrar um almoxarifado de medicamentos não é como estocar alimentos apesar

Leia mais

Agroindústria. Processamento artesanal de farinhas e farináceos Fabricação de pão caseiro

Agroindústria. Processamento artesanal de farinhas e farináceos Fabricação de pão caseiro 1 de 5 10/16/aaaa 10:35 Agroindústria Processamento artesanal de farinhas e farináceos Fabricação de pão caseiro Processamento artesanal de farinhas e Nome farináceos : fabricação de pão caseiro Produto

Leia mais

Art. l Aprovar o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Queijo Petit Suisse, conforme consta dos Anexos desta Instrução Normativa.

Art. l Aprovar o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Queijo Petit Suisse, conforme consta dos Anexos desta Instrução Normativa. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 53, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR A RELAT LATICÍNIOS RENNER S/A

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR A RELAT LATICÍNIOS RENNER S/A APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR A RELAT LATICÍNIOS RENNER S/A Este case apresenta a aplicação da solução Elipse E3 para controlar as diferentes etapas e equipamentos envolvidos no processo

Leia mais

Determinação de cloretos em produtos de origem animal por argentometria

Determinação de cloretos em produtos de origem animal por argentometria Página 1 de 9 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de cloretos ou cloretos em NaCl de produtos de origem animal. 2 Fundamentos O ensaio fundamenta-se na reação do nitrato de prata com

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO EDITAL N o 135/2011 (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

CONCURSO PÚBLICO EDITAL N o 135/2011 (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO CONCURSO PÚBLICO EDITAL N o 135/2011 FUNÇÃO: NUTRICIONISTA (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES (N o DE INSCRIÇÃO) 1. Verifique

Leia mais

Oficina Bactérias e Fungos

Oficina Bactérias e Fungos Oficina Bactérias e Fungos Leia todo a material antes de iniciar as atividades. Aproveite esse momento para explorar seus conhecimentos e ter uma aprendizagem significativa. Socialize suas dúvidas e conhecimentos

Leia mais

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE 167 13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE As tubulações de refrigerante representam uma parte essencial no sistema de refrigeração, pois requer as mesmas considerações gerais de projeto que qualquer sistema de

Leia mais

Processamento de leite UHT

Processamento de leite UHT Processamento de leite UHT O leite foi desde os tempos mais remotos um alimento de eleição para os povos. Contudo, apesar de nutritivo era muito sensível e deteriorava-se depressa, pelo que não tinha poder

Leia mais

Anexo II Capítulo 5. ROTINAS DE ANÁLISES FÍSIC0 QUÍMICAS DE LEITE (Procedimentos Para Avaliação Do Estado de Conservação do Leite)

Anexo II Capítulo 5. ROTINAS DE ANÁLISES FÍSIC0 QUÍMICAS DE LEITE (Procedimentos Para Avaliação Do Estado de Conservação do Leite) 80 Anexo II Capítulo 5 ROTINAS DE ANÁLISES FÍSIC0 QUÍMICAS DE LEITE (Procedimentos Para Avaliação Do Estado de Conservação do Leite) (Créditos: Mariza Sobreira de Mendonza Sessa) 1.1 DETERMINAÇÃO DA ACIDEZ

Leia mais

Processamento do Iogurte Gordo Sólido

Processamento do Iogurte Gordo Sólido Escola Superior Agrária De Coimbra Processamento Geral dos Alimentos Processamento do Iogurte Gordo Sólido Trabalho realizado por: Pedro Sá nº20603025 Ana Oliveira nº 20603030 Lénia Belas nº 20603031 Elisabete

Leia mais

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Leites Fermentados Exemplos: iogurte, bebidas lácteas fermentadas, coalhada, kefir, entre outros. A fermentação pode

Leia mais

PLANO HACCP. 5- Recepção do sal O sal é recepcionado à temperatura ambiente em sacos de polietileno de 25Kg.

PLANO HACCP. 5- Recepção do sal O sal é recepcionado à temperatura ambiente em sacos de polietileno de 25Kg. Ideal DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE FABRICO Página: 1 / 5 1- Recepção do leite de vaca O Leite de vaca dá entrada na Queijaria Ideal num camião cisterna isotérmico a uma temperatura inferior a 6ºC. 2- Recepção

Leia mais

Considerando que o trânsito de alimentos em condições seguras pressupõe a preservação da saúde e do meio ambiente;

Considerando que o trânsito de alimentos em condições seguras pressupõe a preservação da saúde e do meio ambiente; Pag. 1 de 9 Portaria 069-R, de 26/09/2007. Dispõe sobre a documentação e requisitos básicos necessários para concessão de Licença Sanitária para Veículos Automotivos utilizados para o Transporte de Alimentos

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Iogurte. Resumo. Informações sobre iogurte. Palavras-chave

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Iogurte. Resumo. Informações sobre iogurte. Palavras-chave RESPOSTA TÉCNICA Título Iogurte Resumo Informações sobre iogurte. Palavras-chave Iogurte; lacticínio; bebida láctea; alimento; natural; sabores; leite Assunto 1052-0/00 - Fabricação de leite fermentado

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 9

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 9 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 9 São estratégias de projeto que devem ser adotadas quando não se consegue tirar partido dos recursos naturais. Geralmente são indispensáveis

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 21. Após o abate do animal, ocorre a queda pos mortem do ph do músculo devido ao acúmulo de ácido lático, e essa é uma das mudanças mais significativas durante a sua conversão

Leia mais

TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO DE BEBIDA LÁCTEA FERMENTADA E NÃO FERMENTADA

TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO DE BEBIDA LÁCTEA FERMENTADA E NÃO FERMENTADA Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO DE BEBIDA LÁCTEA FERMENTADA E NÃO FERMENTADA 1 O que é Bebida Láctea?

Leia mais

Regulamento Técnico MERCOSUL de Identidade e Qualidade de Queijo Minas Frescal

Regulamento Técnico MERCOSUL de Identidade e Qualidade de Queijo Minas Frescal MERCOSUL/GMC/RES.Nº145/96 Regulamento Técnico MERCOSUL de Identidade e Qualidade de Queijo Minas Frescal TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução Nº91/93 do Grupo

Leia mais

Óleo Combustível. Informações Técnicas

Óleo Combustível. Informações Técnicas Informações Técnicas 1. Definição e composição... 3 2. Principais aplicações... 3 2.1. Sistemas de combustão de óleo combustível... 3 3. Tipos de óleos combustíveis... 4 4. Requisitos de qualidade e especificação...

Leia mais

SEGURANÇA E TÉCNICA DE LABORATÓRIO AULA 01: ORGANIZANDO O LABORATÓRIO TÓPICO 03: ORGANIZAÇÃO LABORATORIAL O laboratório, seja de uma indústria, de um centro de pesquisa ou de uma instituição de ensino

Leia mais

INFRA ESTRUTURA FÍSICA EQUIPAMENTOS E UTENSÍLIOS LAVAGEM, SECAGEM E INATIVAÇÃO

INFRA ESTRUTURA FÍSICA EQUIPAMENTOS E UTENSÍLIOS LAVAGEM, SECAGEM E INATIVAÇÃO INFRA ESTRUTURA FÍSICA EQUIPAMENTOS E UTENSÍLIOS LAVAGEM, SECAGEM E INATIVAÇÃO 1 RDC 067/07 ANVISA ANEXO I (QUANDO APLICÁVEL) Área ou sala administrativa Área ou sala de armazenamento Área ou sala de controle

Leia mais

INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR ALERGÊNICOS E NUTRICIONAIS

INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR ALERGÊNICOS E NUTRICIONAIS INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR ALERGÊNICOS E NUTRICIONAIS PÃO DE QUEIJO MAXI Ingredientes: Amido de mandioca, queijo (leite pasteurizado, fermento lácteo, cloreto de sódio, cloreto de cálcio, coalho, corante

Leia mais

As matérias-primas alimentares frescas (após a colheita, a captura, a produção ou o abate)

As matérias-primas alimentares frescas (após a colheita, a captura, a produção ou o abate) As matérias-primas alimentares frescas (após a colheita, a captura, a produção ou o abate) são conservadas pela indústria alimentar, de modo a aumentar a sua estabilidade e o seu tempo de prateleira. 1

Leia mais

D99. JohnsonDiversey. Suma D9.9. Detergente em pó desengordurante para limpeza geral.

D99. JohnsonDiversey. Suma D9.9. Detergente em pó desengordurante para limpeza geral. JohnsonDiversey Suma D9.9 D99 Detergente em pó desengordurante para limpeza geral. Alto poder de remoção de sujidades pesadas Remove sujidades pesadas de qualquer origem, devido ao adequado balanceamento

Leia mais

a) preparado contendo uva (fruta) correspondente a um ingrediente característico:

a) preparado contendo uva (fruta) correspondente a um ingrediente característico: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 18, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 1 de 8 PAC 11 Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 15 Instalação, operação e manutenção dos sistemas de refrigeração comercial 03/04 Introdução É bem provável que a maioria das deficiências de operação em sistemas de refrigeração

Leia mais

CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II E ODONTOLÓGICOS

CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II E ODONTOLÓGICOS CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II Autoclave Vapor saturado sob pressão Denise Demarzo Curitiba, 17 de novembro de 2010-2010 CME Uso Esterilização,

Leia mais

Influência de diferentes espessantes nos atributos físico-químicos, sensoriais, microscópicos e de rendimento do doce de leite ( 1)

Influência de diferentes espessantes nos atributos físico-químicos, sensoriais, microscópicos e de rendimento do doce de leite ( 1) Influência de diferentes espessantes nos atributos físico-químicos, sensoriais, microscópicos e de rendimento do doce de leite ( 1) Monique Colombo (2), Ítalo Tuler Perrone (3), Paulo Henrique Fonseca

Leia mais

Efeito da embalagem na conservação de produtos minimamente processados Nilda de Fátima Ferreira Soares*

Efeito da embalagem na conservação de produtos minimamente processados Nilda de Fátima Ferreira Soares* Efeito da embalagem na conservação de produtos minimamente processados Nilda de Fátima Ferreira Soares* Os produtos minimamente processados são geralmente reconhecidos como alimentos submetidos a pequenas

Leia mais

PROCESSO DE PRODUÇÃO DO ARROZ DA COOPERJA

PROCESSO DE PRODUÇÃO DO ARROZ DA COOPERJA PROCESSO DE PRODUÇÃO DO ARROZ DA COOPERJA Autor: Aline Manenti Darabas Colaboraram para este projeto: Agenor Borges Arminda, Diarles Giusti Consoni, Karoline Hilzendeger Pereira, Sandro Novelli e Valdineia

Leia mais

Pecuária. Resfriamento do Leite e Coleta a Granel

Pecuária. Resfriamento do Leite e Coleta a Granel 1 de 5 10/17/aaaa 08:32 Pecuária Resfriamento do Leite e Coleta a Granel Resfriamento do Leite e Nome Coleta a Granel Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Pecuária Informações

Leia mais

ÓLEOS & VINAGRES: COMO FAZER A ESCOLHA CERTA? Amanda Wanderley

ÓLEOS & VINAGRES: COMO FAZER A ESCOLHA CERTA? Amanda Wanderley & VINAGRES: COMO FAZER A ESCOLHA CERTA? Amanda Wanderley O óleo à base de milho é bastante comum, assim como o de soja. Mas será que eles são os tipos mais saudáveis?? Qual a diferença entre óleo e gordura?!?!

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Caderno de Provas REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO SOLIDOR

INSTRUÇÕES DE USO EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO SOLIDOR INSTRUÇÕES DE USO EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO SOLIDOR Importador: Lamedid Comercial e Serviços Ltda. Endereço: Av. Gupê, nº 10767 Galpão 20, Bloco IV Jardim Belval Município: Barueri SP -CEP: 06422-120

Leia mais

Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão"

Deterioração dos Grãos Armazenados Os Ganhos da Exaustão Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão" Reduzir as perdas qualitativas e quantitativas é um desafio constante dos Armazenadores e, para isso, investem continuamente em tecnologias que

Leia mais

Tipos de malha de Controle

Tipos de malha de Controle Tipos de malha de Controle SUMÁRIO 1 - TIPOS DE MALHA DE CONTROLE...60 1.1. CONTROLE CASCATA...60 1.1.1. Regras para Selecionar a Variável Secundária...62 1.1.2. Seleção das Ações do Controle Cascata e

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA A DETERMINAÇÃO DA FAIXA OU TEMPERATURA DE FUSÃO

FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA A DETERMINAÇÃO DA FAIXA OU TEMPERATURA DE FUSÃO MERCOSUL/XLII SGT Nº 11/P.RES. Nº /14 FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA A DETERMINAÇÃO DA FAIXA OU TEMPERATURA DE FUSÃO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE COMPOSTO LÁCTEO

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE COMPOSTO LÁCTEO ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE COMPOSTO LÁCTEO 1. ALCANCE 1.1. OBJETIVO: estabelecer a identidade e os requisitos mínimos de qualidade que deve atender o produto Composto

Leia mais

Fundamentos de Agronomia

Fundamentos de Agronomia Fundamentos de Agronomia Uso da casca de Arroz para produção de Energia Térmica e Elétrica. Bruno Farias Daiane Casarin Milton Fábrica Renan Fontoura Casca de Arroz Ibamaembarga e autua depósito de casca

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico Cayo César Lopes Pisa Pinto Usinas Termelétricas Vitória 2008 Usinas Termelétricas Trabalho Apresentado à disciplina

Leia mais

INTOLERÂNCIA À LACTOSE

INTOLERÂNCIA À LACTOSE INTOLERÂNCIA À LACTOSE e produtos lácteos com baixo teor de lactose A lactose (galactose β-1,4 glucose) é um tipo de glicídio que possui ligação glisídica. É o açúcar presente no leite e seus derivados.

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 28 Compressores Octagon Aplicação Sub Crítica com Dióxido de Carbono CO 2 09/08 Nesse boletim vamos abordar as instruções de operação dos compressores Octagon aplicados com o Dióxido

Leia mais

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ Nº. 038/BR REVISÃO: 00 Página 1 de 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código interno de identificação do produto: Nome da empresa: Endereço: HOMOPOLÍMERO DE POLIPROPILENO

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

LEITE UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE GRADUAÇAO EM NUTRIÇÃO DISCIPLINA DIETÉTICA I CONCEITO

LEITE UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE GRADUAÇAO EM NUTRIÇÃO DISCIPLINA DIETÉTICA I CONCEITO UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE GRADUAÇAO EM NUTRIÇÃO DISCIPLINA DIETÉTICA I CONCEITO LEITE O leite é o produto da secreção das glândulas mamárias dos mamíferos. CARACTERÍSTICAS FÍSICAS O leite é

Leia mais

CAPÍTULO 7 PSICROMETRIA. - Dimensionamento de sistemas de acondicionamento térmico para animais e plantas

CAPÍTULO 7 PSICROMETRIA. - Dimensionamento de sistemas de acondicionamento térmico para animais e plantas CAPÍTULO 7 PSICROMETRIA 1. Introdução a) Quantificação do vapor d água na atmosfera. b) Importância da quantificação da umidade atmosférica: - Dimensionamento de sistemas de acondicionamento térmico para

Leia mais

Processamento da Congelação de Sardinha

Processamento da Congelação de Sardinha Processamento da Congelação de Sardinha 2ºAno LEAL 09/10 Disciplina de PGA Trabalho realizado por: Sara Cipriano nº20803011 Telma Cantante nº 20803047 Soraia Santos nº 20603014 Adriana Calçada nº 20803023

Leia mais

HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DAS USINAS

HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DAS USINAS HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DAS USINAS Histórico da evolução das Usinas de Asfalto. USINAS VOLUMÉTRICAS. USINAS BATCH ou GRAVIMÉTRICAS. USINAS DRUM MIX FLUXO PARALELO. USINAS CONTRA FLUXO O processo volumétrico

Leia mais

IRMANDADE DA SANTA CASA DE LOUVEIRA

IRMANDADE DA SANTA CASA DE LOUVEIRA RETIFICAÇÃO DO EDITAL PROCESSO LICITATÓRIO Nº 67/2014 PREGÃO Nº 02/2014 OBJETIVO: Aquisição de Cestas Básicas. Onde se lia: ANEXO I - ESPECIFICAÇÃO DO OBJETO E QUANTITATIVOS ITEM QTD UNID. DESCRIÇÃO DO

Leia mais

06/10/2014 UM POUCO DA HISTÓRIA CONSERVAÇÃO DOS ALIMENTOS O QUE SÃO MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO?

06/10/2014 UM POUCO DA HISTÓRIA CONSERVAÇÃO DOS ALIMENTOS O QUE SÃO MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO? UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UM POUCO DA HISTÓRIA Os alimentos nem sempre estiveram tão disponíveis quanto estão nos dias atuais. 2 UM POUCO DA HISTÓRIA A conservação de alimentos remonta a épocas

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 15, de 10 de fevereiro de 2015 D.O.U de 11/02/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 15, de 10 de fevereiro de 2015 D.O.U de 11/02/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 15, de 10 de fevereiro de 2015 D.O.U de 11/02/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 18 O Meio Atmosférico III: Controle da Poluição Atmosférica Profª Heloise G. Knapik 2º Semestre/ 2015 1 Controle da Poluição Atmosférica

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 019/2015

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 019/2015 EXTRATO DE PUBLICAÇÃO TRIMESTRAL ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 019/2015 Firma Detentora da Ata de Registro de Preços: TEIXEIRÃO COMERCIAL LTDA Processos administrativos n os, 8.440, 7.856, 8.457, 7.989,

Leia mais

Descrição dos produtos

Descrição dos produtos Descrição dos produtos Item Quant. Unid Descrição 01 1.100 latas (800g) 02 600 latas (800g) 03 4.000 Litros Produto de referência: Nutrison Soya, Nutri Enteral Soya ou similar. Nutrição enteral em pó a

Leia mais

1 Introdução simulação numérica termoacumulação

1 Introdução simulação numérica termoacumulação 22 1 Introdução Atualmente o custo da energia é um dos fatores mais importantes no projeto, administração e manutenção de sistemas energéticos. Sendo assim, a economia de energia está recebendo maior atenção

Leia mais