=:= DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO =:=

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "=:= DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO =:="

Transcrição

1 1 =:= DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO =:= ESTUDO DOS PRINCIPAIS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO Disciplina: Direito Penal Especial 5 PERÍDODO Professora: Inessa Trocilo Rodrigues Azevedo DO FURTO No furto inexiste uso de violência ou grave ameaça pelo sujeito ativo do crime. Art. 155 caput furto simples crime comum, comissivo e material. 1 - furto noturno - repouso noturno é causa de aumento de pena - reconhecimento somente para o furto simples Não há um critério fixo para a perfeita caracterização do furto noturno. A doutrina majoritária tem entendido que, para o reconhecimento do aumento de pena do repouso noturno, é necessário que no momento do furto a casa esteja habitada com pessoa repousando. Se os moradores da casa estiverem festejando NÃO caracteriza, portanto, dependerá da análise do caso concreto. Há também julgados que reconhecem o furto noturno, independentemente se o local do delito estiver habitado ou não, com o fundamento de que esta causa de aumento de pena justifica-se porque durante o repouso noturno o bem jurídico (patrimônio) tende a ficar menos protegido. 2 Furto Privilegiado Para o reconhecimento do furto privilegiado é necessário a existência de dois requisitos: 1. Primariedade (agente primário) 2. Pequeno valor da cosia furtada. *Primariedade Só não é primário quem pratica novo crime, depois de haver sido irrecorrivelmente condenado por crime anterior no país ou no exterior. E, no caso de reincidência, o condenado retorna a qualidade de primário, após 05 (cinco) anos do cumprimento ou da extinção da pena imposta pela condenação anterior. *Réu primário é aquele que não comete novo crime, após o transito em julgado da sentença condenatória por crime. Sendo que, mesmo cometendo o crime, após 05 anos da sentença condenatória transitada em julgado, é considerado primário. Ex. JOAO foi condenado ao cumprimento de uma pena de 06 anos, pela prática de homicídio simples em 10/05/1995, com trânsito em julgado em 10/06/1995. Passado mais de 05 anos, em 10/07/2003, comete outro homicídio. João é considerado tecnicamente primário. *Coisa de pequeno valor Há duas diretrizes: 1ª Refere-se ao prejuízo sofrido pelo ofendido. 2ª É relativo ao valor da coisa. O PARÂMETRO É SEMPRE O SALÁRIO MÍNIMO VIGENTE A ÉPOCA DO CRIME. A determinação do pequeno valor da coisa furtada deve-se dar pela consideração de vários fatores conjuntamente, dentre eles: O EFETIVO PREJUÍZO SOFRIDO PELA VÍTIMA; A AVALIAÇÃO DA COISA E O SALÁRIO MÍNIMO VIGENTE À ÉPOCA DO FURTO.

2 2 3 Furto de energia elétrica Equiparam-se a energia elétrica: radioatividade, mecânica, térmica, vapor. Obs: O furto de eletricidade é crime permanente. Se o furto consiste na subtração de coisa móvel, entre as quais a energia elétrica que permite o funcionamento do sistema telefônico, o momento consumativo do delito está na utilização do telefone para quaisquer ligações. (TACrim RJD 9/102). 4 Furto qualificado I destruição ou rompimento de obstáculo é a violência utilizada contra o obstáculo. Ex. Quebrar uma porta, uma janela. II Abuso de confiança Não basta a relação de emprego, é necessária a relação subjetiva de confiança. Obs: não comunica aos partícipes, quando no concurso de pessoas. Se apenas 01 autor tinha relação de confiança, os outros não respondem por esta qualificadora. Mediante fraude a fraude é empregada para iludir a atenção ou vigilância do ofendido que nem percebe que a coisa está sendo subtraída. Escalada é a entrada no local por via anormal. Ex. Escada, subir na árvore. Requer a utilização de algum instrumento ou esforço incomum. Obs: pular janela ou muro baixo NÃO caracteriza. Destreza É a esperteza do agente. III Emprego de chave falsa é todo instrumento, com ou sem forma de chave, de que se utilize o ladrão para fazer funcionar, em lugar da chave verdadeira, o mecanismo de uma fechadura ou dispositivo análogo, possibilitando ou facilitando, assim, a execução do furto. (TACrim JTACrim, 50/45). IV Concurso de duas ou mais pessoas. Obs: Quando ocorre a hipótese de duas qualificadoras ocorre o furto duplamente qualificado. Ex. Dois agentes (concurso de pessoas) furtam a casa de Maria, com emprego de chave falsa. 5 Requisitos: 1. veículo automotor (automóvel, caminhões, ônibus, motocicletas, lanchas, aeronaves) 2. que venha a ser transportado para outro Estado ou para o exterior. Significado da qualificadora que venha a ser transportado para outro Estado ou para o exterior. Há dois posicionamentos: 1 1 ) qualifica-se o crime quando o objeto material, durante a fase de execução da subtração ou depois da consumação, estiver sendo ou tiver sido conduzido na direção de outro Estado ou para o exterior, não se exigindo que haja transposto os limites estaduais ou nacionais. 2 ) a incidência da circunstância exige que o veículo tenha transposto os limites do Estado ou do território nacional. 1 JESUS. Damásio E. Direito Penal. 2 volume parte especial. Ed. Saraiva, São Paulo, 1999

3 3 Art. 156 Furto de coisa comum Sujeito ativo: o condômino, co-herdeiro, ou sócio Sujeito passivo: o condômino, co-herdeiro, ou sócio, ou terceira pessoa possuidora legítima. A coisa comum é aquela que pertence a ambos (agente e vítima). Ex. O sócio que furta a sociedade. Obs: Se já estava na posse da coisa é APROPRIAÇÃO INDÉBITA. 1 Ação Penal Pública Condicionada a representação 2 Causa especial de exclusão da antijuridicidade ou ilicitude Requisitos 1. coisa comum fungível 2. valor não excedente a cota a que tem direito o agente. Fungíveis são bens móveis que podem substituir-se por outros da mesma espécie, qualidade e quantidade. OBS: A CONDIÇÃO DE SÓCIO SE COMUNICA AOS CO-AUTORES QUE SABEM DA SOCIEDADE. DO ROUBO Art. 157, caput. Roubo simples Chamado roubo próprio, pois a violência ou grave ameaça é empregada contra pessoa, no início ou concomitante à subtração da coisa, ou seja, antes ou durante a retirada do bem. Consuma-se quando a cosia é retirada da esfera de vigilância da vítima. 1 Chamado de Roubo Impróprio - pois a violência ou grave ameaça é empregada APÓS A SUBTRAÇÃO. OBS. TROMBADA choque ou batida que o ladrão dá na vítima para praticar o crime. Quando é apenas para desviar a atenção da vítima é FURTO QUALIFICADO PELA DESTREZA. Entretanto, se a violência for empregada contra a vítima, e consistir em vias de fato ou lesão corporal, e tiver por fim a redução ou a paralisação dos movimentos da vítima, o crime será o de ROUBO. 2 Causas de aumento de pena Incisos I a V OBS: USO DE ARMA DE BRINQUEDO. Há dois posicionamentos, a saber: 1 MAJORITÁRIO = O posicionamento que atualmente prevalece é o de que o uso de arma de brinquedo para prática do crime de roubo NÃO caracteriza a causa de aumento pena prevista no Art. 157, 2, I do CP, pois a arma utilizada pelo agente deve ter idoneidade ofensiva, capacidade de colocar em risco a integridade física da vítima, o que não ocorre com o emprego da arma de brinquedo. Assim, o agente responderá pelo delito de roubo em sua forma simples (Art. 157, caput); a não ser que exista outra causa de aumento de pena a ser reconhecida. 2 Outros doutrinadores defendem o contrário. Afirmam que a arma de brinquedo deve ser equiparada à arma verdadeira, para os fins específicos do tipo que define roubo, já

4 4 que sua finalidade se restringe à intimidação da vítima, o que é perfeitamente possível fazer com um simulacro. OBS: O Superior Tribunal de Justiça chegou a editar a Súmula 174 que previa: No crime de roubo, a intimidação feita com arma de brinquedo autoriza o aumento de pena. Ocorre que, a 3ª Seção do Superior Tribunal de Justiça em 24/10/2001 CANCELOU ESTÁ SÚMULA. Obs: A mesma discussão doutrinária e jurisprudencial tem ocorrido a respeito do uso da arma descarregada ou sem munição ou defeituosa. 3 Figuras qualificadas pelo resultado: 01) roubo seguido de lesão corporal grave ou roubo qualificado pelo resultado lesão corporal grave; 02) roubo seguido de morte ou roubo qualificado pela morte (famoso latrocínio). Obs: Independente se o agente tinha a intenção ou não de matar a vítima após, ou antes, da subtração, o crime será o de latrocínio. Posicionamento majoritário. SÚMULA 610 DO STF. Há crime de latrocínio, quando o homicídio se consuma, ainda que não realize o agente a subtração de bens da vítima. DA EXTORSÃO Art. 158 Extorsão Comum Objeto jurídico: o patrimônio, a liberdade e a incolumidade pessoais. Suj ativo e passivo qualquer pessoa crime comum Constranger é coagir, obrigar e deve ser praticada mediante violência ou grave ameaça (promessa de causar mal sério). Constrangimento para fazer (certa coisa); tolerar que se faça (obrigar a permitir) ou deixar de fazer. FINALIDADE: OBTER INDEVIDA VANTAGEM ECONÔMICA Para a maioria da doutrina é um CRIME FORMAL, consuma-se independente da obtenção da vantagem indevida. (STF). CONSUMAÇÃO: com o efeito da ação de constranger, ou seja, com o comportamento da vítima fazendo, tolerando que se faça ou deixando de fazer alguma coisa, sem dependência da obtenção do proveito. DIFERENÇA DA EXTORSÃO E DO ROUBO Na extorsão é a vítima quem entrega a coisa sob coação. Ex. A vítima é forçada a entregar as jóias, logo, É INDISPENSÁVEL O COMPORTAMENTO DA VÍTIMA, enquanto no roubo este comportamento é dispensável. No roubo, regra geral, o agente é quem retira da esfera de vigilância da vítima a coisa alheia móvel. VER CONFRONTO

5 5 1 Causa de aumento de pena crime cometido por duas ou mais pessoas, ou com emprego de arma. (aplicam-se as mesmas regras do crime de roubo para o uso de arma de brinquedo). 2 Extorsão seguida de lesão corporal grave e seguida de morte 3 Extorsão com restrição da liberdade da vítima, com resultado de lesão corporal grave e morte. Art. 159 Extorsão mediante seqüestro Objeto jurídico, suj. ativo e passivo semelhantes aos da extorsão. É crime formal, pois independe da obtenção de vantagem. É crime permanente, enquanto durar o seqüestro, ou seja, a privação da liberdade. OBS: Se não houver a intenção de obter vantagem, o agente responde pelo crime de seqüestro ou cárcere privado, previsto no Art APLICAÇÃO DE PENA MAIS GRAVE QUANDO:- a privação de liberdade dura mais de 24 h; a vítima é menor de 18 anos; a vítima é maior de 60 anos; o crime é praticado por quadrilha ou bando (v. Art. 288 do CP) 2 - extorsão mediante seqüestro seguida de lesão corporal grave -pena mais grave 3 - extorsão mediante seqüestro seguida de morte - pena mais grave. 4 - Redução de pena 1 a 2/3 - hipótese de delação premiada. Art. 160 Extorsão indireta Objeto jurídico: o patrimônio e a liberdade individual Suj ativo qualquer pessoa não apenas o agiota Suj. passivo qualquer pessoa Exigir = impor, obrigar. Receber = tem o sentido de tomar, aceitar. O objeto material é documento que pode dar causa a procedimento criminal, isto é, que seja capaz de dar causa a procedimento criminal. O documento precisa realmente ser apto a provocar ação penal contra o ofendido ou outra pessoa. Como garantia de dívida, na opinião da doutrina, inclui qualquer contrato, de empréstimo ou não; a garantia pode ser de dívida anterior, presente ou futura. Para a tipificação do crime é necessário também que o agente atue abusando da situação de alguém. O autor do crime deve ter a consciência da situação de necessidade, aflição ou precisão da vítima ou de outra pessoa, ao exigir o documento. Obs: Estudo dos crimes do Arts. 163 a 167 do CP.

6 6 DO DANO Art Dano simples Ação nuclear: DESTRUIR demolir, desmanchar, exterminar, desfazer. Ex.Quebrar a vidraça de uma janela, queimar um livro Inutilizar tornar inútil Ex. furar os olhos de um cão de guarda (Damásio) Deteriorar reduzir o valor da coisa. Ex.Manchar com outras tintas uma obra de arte. OBS: DANO QUALIFICADO Art. 163, parágrafo único, Incisos I ao IV OBS: Haverá concurso material de crimes quando o agente empregar violência contra a pessoa para a pratica do crime de dano. Ocorrerá dano + lesão corporal (analisar a gravidade da lesão). DA APROPRIAÇÃO INDÉBITA Art. 168 Apropriação indébita Ao contrário do furto e do estelionato, NA APROPRIAÇÃO INDÉBITA INEXISTE A SUBTRAÇÃO OU A FRAUDE. Apropriar-se é tomar para si. O agente já tem a posse ou a detenção da cosia alheia móvel É NECESSÁRIA A INVERSÃO ARBITRÁRIA DA POSSE DA COISA. 1 CAUSAS DE AUMENTODE PENA I - Depósito necessário é o depósito que se efetua por ocasião de alguma calamidade: incêndio, inundação. II tutor, curador, síndico, liquidatário, inventariante, testamenteiro, ou depósito judicial. III relação de confiança. as de fato ou lesão corporal leve, destinadas a reduzir ou paralisar seus movimentos, haverá ROUBO. DO ESTELIONATO Art. 171 Estelionato crime material, comissivo, comum OBJETO JURÍDICO = inviolabilidade do patrimônio Suj ativo = qualquer pessoa Suj passivo = a pessoa enganada Artifício = significa fraude no sentido material. Utilizar algum documento, filmes, etc...para fraudar a vítima. Ardil = é fraude no sentido imaterial. É a alteração da inteligência da vítima. cara-depau Fraude é a astúcia para causar engano, dano. Induzir ou manter alguém em erro. Consumação: O estelionato é crime material, consumando-se no momento e local em que o agente obtém vantagem ilícita, em prejuízo alheio.

7 7 DIFERENÇA ENTRE ESTELIONATO E EXTORSÃO A diferença está no ânimo da vítima. Na extorsão há a entrega da coisa, conquanto o ofendido não quisesse a entregar, e no ESTELIONATO, por estar iludida, a vítima entrega conscientemente a coisa. NO ESTELIONATO a fraude precisa ser anterior à obtenção da vantagem ilícita. Requisitos do Estelionato: 1) Fraude 2) Lesão Patrimonial Ex. Pratica estelionato quem assina cartão de crédito, que sabe não lhe pertencer, logrando efetuar compras em loja. Ex. O agente vende linhas telefônicas e recebe do comprador de boa fé o preço total da transação, mas não as transfere sob alegação de que as linhas estão indisponíveis. É estelionato, pois o agente vende o que não tem. Ex. Pratica estelionato o candidato que procura aprovação no vestibular por meios ilícitos, causando prejuízos aos demais concorrentes. OBS: SE HOUVER FRAUDE, MAS NÃO HOUVER PREJUÍZO FALA-SE EM TENTATIVA DE ESTELIONATO Art. 171 c/c Art. 14, Inciso II do CP. Art. 171, 1 - Estelionato privilegiado Causa de diminuição de pena Requisitos: 1) Primariedade do agente 2) Pequeno valor do prejuízo (ver comentário do Art. 155, 2 ). Art. 171, 2, Incisos I a VI figuras equiparadas do crime de estelionato Art. 171, 2 I disposição de coisa alheia como própria II é o silêncio sobre o ônus ou encargo que pesam sobre a coisa que constitui a fraude. III Art CC. O agente defrauda mediante alienação (venda, doação) ou por outro modo (destruição, abandono, ocultação) a garantia pignoratícia. Ex. o devedor que vende parte do gado comete defraudação de penhor. IV Fraude na entrega da coisa V para recebimento de indenização ou seguro ex. colocar fogo no veículo segurado VI Fraude no pagamento por meio de cheque Emitir é colocar em circulação. Frustrar o pagamento é obstar pelo bloqueio da conta. CONSUMAÇÃO: no momento e local em que o Banco recusa o pagamento. OBS: não basta a simples assinatura no cheque, é necessário colocá-lo em circulação. Art. 171, 3 Estelionato qualificado. Causa de aumento de pena. Lesão a interesse social. Entidade de Direito Público: União, Estados, Município e Distrito Federal, autarquias e entidades paraestatais. DA RECEPTAÇÃO

8 8 Art RECEPTAÇÃO SIMPLES Obj. jurídico PATRIMÔNIO. Suj ativo: qualquer pessoa, exceto o autor ou co-autor do crime original. Suj. passivo é o próprio sujeito passivo do crime de que adveio a coisa receptada. É indispensável que o objeto material deste delito seja coisa produto de crime. Art. 180, 1 ao 6 - receptação qualificada Bibliografia ANDREUCCI, Ricardo Antônio. Manual de Direito Penal. Parte Especial. Volume 2. ed. Saraiva: São Paulo, 2004; CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal. Parte Especial. Volume 2. ed. Saraiva: São Paulo, 2003; DELMANTO, Celso. Código Penal Comentado. Ed. Renovar: São Paulo, 2002; JESUS, Damásio E. Direito Penal. 2 volume parte especial. Ed. Saraiva, São Paulo, 1999

PONTO 1: Crimes contra o Patrimônio 1. CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO. Vítima deve fazer, deixar de fazer ou tolerar que se faça alguma coisa.

PONTO 1: Crimes contra o Patrimônio 1. CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO. Vítima deve fazer, deixar de fazer ou tolerar que se faça alguma coisa. 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Crimes contra o Patrimônio 1.1 EXTORSÃO 1. CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO Violência ou grave ameaça: a ameaça pode ser contra a integridade física ou contra objetos materiais da vítima.

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal IV 2 EXTORSÃO Art. 158 - Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal Iv 2 ROUBO 3 - Roubo Qualificado/Latrocínio 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de

Leia mais

Direito Penal. Furto art. 155/156 do CP. Furto art. 155/156 do CP. Professor Rafael Machado

Direito Penal. Furto art. 155/156 do CP. Furto art. 155/156 do CP. Professor Rafael Machado Direito Penal Professor Rafael Machado A Furto art. 155/156 do CP. Conceito: Subtração de coisa alheia móvel para si ou para outrem sem a prática de violência ou grave ameaça ou qualquer espécie de constragimento

Leia mais

TÍTULO II DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO CAPÍTULO I DO FURTO

TÍTULO II DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO CAPÍTULO I DO FURTO TÍTULO II DOS CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO CAPÍTULO I DO FURTO Furto Art. 155 - Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa. 1º - A pena aumenta-se

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 4ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 4ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 4ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal IV 2 FURTO NO REPOUSO NOTURNO: STJ: Causa de incidência de aumento de pena aplicada ao furto simples; O

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

Crimes em espécie. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Peculato Apropriação

Crimes em espécie. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Peculato Apropriação CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Peculato Apropriação Art. 312, caput, primeira parte - até a palavra cargo PECULATO APROPRIAÇÃO Art. 312. Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 1ª Fase OAB/FGV Aula 5 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a honra Crimes contra o patrimônio; Crimes contra a dignidade sexual; Crimes praticados

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará Cacildo Baptista Palhares Júnior: advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará 21. Para formação do nexo de causalidade, no

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2011

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 PROJETO DE LEI Nº DE 2011 Altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O art. 4º

Leia mais

CRIMES DE INFORMÁTICA. Introdução. O QUE É CRIME - Toda conduta humana (ação ou omissão) - típica, - antijurídica e - culpável.

CRIMES DE INFORMÁTICA. Introdução. O QUE É CRIME - Toda conduta humana (ação ou omissão) - típica, - antijurídica e - culpável. CRIMES DE INFORMÁTICA Introdução O QUE É CRIME - Toda conduta humana (ação ou omissão) - típica, - antijurídica e - culpável Introdução O QUE É CRIME - Tipicidade: perfeito enquadramento da conduta ao

Leia mais

Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR/CURITIBA MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS DO CURSO APROVAÇÃO

Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR/CURITIBA MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS DO CURSO APROVAÇÃO PF Direito Penal Turma Papiloscopista 04 I 06-2010 Turma 3 em 1 02 I 04-2010 Turma 2 em 1 08 I 10-2010 Teoria e Exercícios Parte 07 Data de impressão: 11/01/2011 ELABORAÇÃO E PRODUÇÃO: UMA PARCERIA Visite

Leia mais

Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal

Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal Escola Brasileira de Ensino Jurídico na Internet (EBEJI). Todos os direitos reservados. 1 Direito Penal Parte Especial do

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Aspectos penais em tópicos sintéticos: QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO?

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Aspectos penais em tópicos sintéticos: QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO? Do que trata? * Crimes contra a administração pública, cometidos por funcionário público. QUEM É O FUNCIONÁRIO PÚBLICO OU EQUIPARADO? Considera-se funcionário público, para os efeitos penais (Conforme

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 1ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 TEORIA GERAL DO CRIME REVISÃO CRIME É : FATO TÍPICO CONDUTA - DOLO E CULPA NEXO CAUSAL/NEXO DE IMPUTAÇÃO RESULTADO TIPICIDADE

Leia mais

TÍTULO II CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO FURTO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

TÍTULO II CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO FURTO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES TÍTULO II CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO FURTO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES 1 Furto Furto Art. 155 - Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel: Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação

Plano de Ensino. Identificação Plano de Ensino Identificação Curso: Direito Disciplina: Direito Penal III Ano/semestre: 2012/1 Carga horária: Total: 80h Semanal: 12h Professor: Ronaldo Domingues de Almeida Período/turno: 5º - matutino

Leia mais

DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART.

DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP DA EXTORSÃO ART. DA EXTORSÃO ART. 158 DO CP Art. 158 - Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter para si ou para outrem indevida vantagem econômica, a fazer, tolerar que se faça ou

Leia mais

Do Dano. Do Dano. Artigo 163 CP ( Dano Simples) Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia: Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa.

Do Dano. Do Dano. Artigo 163 CP ( Dano Simples) Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia: Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa. Direito Penal - Parte Especial Professor Sandro Caldeira Dos - Parte II Crimes Contra o Patrimônio Artigo 163 CP ( Dano Simples) Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia: Pena - detenção, de um

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

Elementos de. Direito PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL *** ~. ~n ED,ITORA. \t3j.i. METODO

Elementos de. Direito PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL *** ~. ~n ED,ITORA. \t3j.i. METODO - Elementos de Direito PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL 36882 - *** ~. ~n ED,ITORA \t3j.i. METODO SUMÁRIO Introdução..................... 1 - Algumas considerações acerca de segurança nacional, segurança interna,

Leia mais

DIREITO PENAL ESPECIAL AVANÇADO PROF. ROGÉRIO SANCHES EXTORSÃO, EXTORSÃO MEDIANTE SEQÜESTRO, EXTORSÃO INDIRETA E APROPRIAÇÃO INDÉBITA

DIREITO PENAL ESPECIAL AVANÇADO PROF. ROGÉRIO SANCHES EXTORSÃO, EXTORSÃO MEDIANTE SEQÜESTRO, EXTORSÃO INDIRETA E APROPRIAÇÃO INDÉBITA DIREITO PENAL ESPECIAL AVANÇADO PROF. ROGÉRIO SANCHES EXTORSÃO, EXTORSÃO MEDIANTE SEQÜESTRO, EXTORSÃO INDIRETA E APROPRIAÇÃO INDÉBITA 1 Artigos correlatos Extorsão mediante seqüestro e tortura: dois crimes?

Leia mais

CÓDIGO PENAL MILITAR CFS Cap Rogério. CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO Arts

CÓDIGO PENAL MILITAR CFS Cap Rogério. CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO Arts CÓDIGO PENAL MILITAR CFS- 2016 Cap Rogério CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO Arts. 240-256 FURTO (IMPROPRIAMENTE MILITAR) art. 240 SUBTRAIR PARA SI OU PARA OUTREM COISA ALHEIA MÓVEL DOLO DE PERMANECER COM A COISA

Leia mais

Metodologia de Reagregação de Códigos para Publicação em DOERJ

Metodologia de Reagregação de Códigos para Publicação em DOERJ Metodologia de Reagregação de Códigos para Publicação em DOERJ Em atendimento à determinação do Exmo. Sr. Secretário de Segurança, foi elaborado um modelo de adequação do sistema de agregação dos títulos

Leia mais

PARTE II - CONDIÇÕES ESPECIAIS

PARTE II - CONDIÇÕES ESPECIAIS PARTE II - CONDIÇÕES ESPECIAIS Apresentamos a seguir as Condições Especiais que em conjunto com as Condições Gerais, regem este seguro e estabelecem suas normas de funcionamento. LEMBRAMOS QUE SERÃO APLICÁVEIS

Leia mais

FALSIDADE DOCUMENTAL

FALSIDADE DOCUMENTAL FALSIDADE DOCUMENTAL E objetivo da proteção legal, em todos os casos, a fé pública que a lei atribui aos documentos como prova e autenticação de fatos jurídicos. Certos selos e sinais públicos, documentos

Leia mais

Centro Universitário da Cidade - UNIVERCIDADE Professor Fabio de Carvalho Couto Crimes em Espécie II Unidade Bonsucesso - Noite

Centro Universitário da Cidade - UNIVERCIDADE Professor Fabio de Carvalho Couto Crimes em Espécie II Unidade Bonsucesso - Noite Dos crimes contra a organização do trabalho (Artigos 197 a 207 do Código Penal Brasileiro) O Supremo Tribunal Federal e demais Tribunais distinguem entre: a) crimes que ofendem o sistema de órgãos e instituições

Leia mais

DIREITO PENAL CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO (CONTINUAÇÃO)

DIREITO PENAL CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO (CONTINUAÇÃO) DIREITO PENAL PONTO 1: CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO (CONTINUAÇÃO) PONTO 2: FURTO QUALIFICADO PONTO 3: ROUBO CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO (CONTINUAÇÃO) FURTO QUALIFICADO: ART. 155 1, 4º CP. I ROMPIMENTO/DESTRUIÇÃO

Leia mais

O PRINCÍPIO NE BIS IN IDEM E O CONCURSO DE CRIMES: ROUBO CIRCUNSTANCIADO E QUADRILHA ARMADA

O PRINCÍPIO NE BIS IN IDEM E O CONCURSO DE CRIMES: ROUBO CIRCUNSTANCIADO E QUADRILHA ARMADA O PRINCÍPIO NE BIS IN IDEM E O CONCURSO DE CRIMES: ROUBO CIRCUNSTANCIADO E QUADRILHA ARMADA Rogério Cardoso Ferreira¹ Jaqueline Camargo Machado de Queiroz² RESUMO A essência deste trabalho consiste em

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO

CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO SEGURO DE EQUIPAMENTOS ELETRONICOS PORTÁTEIS SEGURO DE GARANTIA ESTENDIDA ORIGINAL Cláusula 1 DEFINIÇÕES AVARIA OU DEFEITOS PREEXISTENTES Danos existentes antes da contratação

Leia mais

Direito Penal III. Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE. 2.3.1 Introdução

Direito Penal III. Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE. 2.3.1 Introdução Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE 2.3.1 Introdução a) Crime de perigo os da periclitação da vida e da saúde são denominados como crimes de perigo, cuja consumação se dá com a exposição

Leia mais

1. CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO.

1. CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO. 1. CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO. Patrimônio - Conceito: Complexo de relações jurídicas pertencentes a alguém e com valor econômico. Para o direito penal também se considera os bens que não tenham valor econômico,

Leia mais

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO E NO

Leia mais

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Prof. Sandro Caldeira Prezado(a) aluno(a), Na nossa primeira aula abordamos um roteiro de teses defensivas que iremos treinar durante

Leia mais

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material

01 MOEDA FALSA. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução. 1.1.2. Classificação doutrinária. 1.1.3. Objetos jurídico e material 01 MOEDA FALSA Sumário: 1. Moeda falsa 2. Crimes assimilados ao de moeda falsa 3. Petrechos para falsificação de moeda 4. Emissão de título ao portador sem permissão legal. 1.1. MOEDA FALSA 1.1.1. Introdução

Leia mais

1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Crimes Contra a Administração Pública 1. CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Crimes contra a Administração Pública impedem a progressão de regime sem a reparação do dano. A reparação

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

Substitua-se o Projeto pelo seguinte:

Substitua-se o Projeto pelo seguinte: Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 89, de 2003 (PL nº 84, de 1999, na Casa de origem), que Altera o Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal e a Lei nº 9.296, de

Leia mais

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO 1. Até a década de 70 não eram reconhecidos os crimes contra o patrimônio como risco a ser efetivamente protegido no transporte rodoviário de cargas,

Leia mais

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE PB Autor: Dicler Forestieri Ferreira

COMENTÁRIOS DAS PROVAS DE DIREITO PENAL DO TRE PB Autor: Dicler Forestieri Ferreira Saudações aos amigos concurseiros que realizaram a prova do TRE PB. Analisei as questões de Direito Penal (área judiciária e área administrativa) e estou disponibilizando o comentário das mesmas. Na minha

Leia mais

ESTELIONATO FRAUDE NO PAGAMENTO POR MEIO DE CHEQUE

ESTELIONATO FRAUDE NO PAGAMENTO POR MEIO DE CHEQUE CURSO DE DIREITO ESTELIONATO FRAUDE NO PAGAMENTO POR MEIO DE CHEQUE JULIANA RODRIGUES RA 485.283/1 Turma 3209 D 8557-9673 juliana.rodrigues.fmu@hotmail.com São Paulo 2008 CURSO DE DIREITO ESTELIONATO FRAUDE

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.712, DE 2015 (Do Sr. Macedo)

PROJETO DE LEI N.º 3.712, DE 2015 (Do Sr. Macedo) *C0057644A* C0057644A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.712, DE 2015 (Do Sr. Macedo) Resolve o contrato de alienação fiduciária para aquisição de veículos automotores, por motivo de roubo ou furto

Leia mais

Falsificação de documento particular. Falsidade ideológica

Falsificação de documento particular. Falsidade ideológica 1. DA FALSIDADE DOCUMENTAL Documento Público: é aquele elaborado por funcionário publico no exercício de suas funções e nos limites das suas atribuições. Falsificação de documento particular Art. 298 -

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME

Direito Penal. Prof. Davi André Costa TEORIA GERAL DO CRIME TEORIA GERAL DO CRIME 1. Conceito de infração penal: a) Unitário (monista): infração penal é expressão sinônima de crime. Adotado pelo Código Penal do Império (1830). b) Bipartido (dualista ou dicotômico):

Leia mais

Crimes contra o sistema financeiro: gestão fraudulenta e gestão temerária

Crimes contra o sistema financeiro: gestão fraudulenta e gestão temerária Crimes contra o sistema financeiro: gestão fraudulenta e gestão temerária Introdução Francisco Monteiro Rocha Júnior * O objetivo desta aula é a análise da Lei 7.492/86, que dispõe sobre os crimes contra

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: LIVRO II DOS

Leia mais

DIREITO PENAL. PIETRO PONTO 1: CRIMES CONTRA O PATRIMONIO PONTO 2: FURTO: estrutura e teorias. PONTO 3: -------

DIREITO PENAL. PIETRO PONTO 1: CRIMES CONTRA O PATRIMONIO PONTO 2: FURTO: estrutura e teorias. PONTO 3: ------- 1 DIREITO PENAL DIREITO PENAL PONTO 1: CRIMES CONTRA O PATRIMONIO PONTO 2: FURTO: estrutura e teorias. PONTO 3: ------- CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO -FURTO ART. 155 1 CP OBJETO: sob o que recai a conduta

Leia mais

PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito. 3) Espécies de concursos de crimes:

PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito. 3) Espécies de concursos de crimes: 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Concursos de Crimes: 1) Distinção 2) Conceito 3) Espécies de concursos de crimes 4) Natureza Jurídica 5) Sistemas de aplicação da pena 6) Concurso Material ou Real 7) Concurso

Leia mais

Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal

Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal Escola Brasileira de Ensino Jurídico na Internet (EBEJI). Todos os direitos reservados. 1 Principais julgados do 1 o Semestre de 2013 Julgados

Leia mais

TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68

TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68 Tabela de Correspondência de Questões: XIII EXAME UNIFICADO OAB 1ª. ETAPA TIPO 1 TIPO 2 TIPO 3 TIPO 4 59 60 61 64 60 61 60 63 61 62 59 62 62 59 64 59 63 64 63 61 64 63 62 60 65 66 67 68 PROVA TIPO 1 Questão

Leia mais

LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990

LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990 LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: LEI DOS CRIMES HEDIONDOS Dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do art. 5º, inciso XLIII, da Constituição Federal, e determina outras

Leia mais

CONDIÇÕES PARTICULARES

CONDIÇÕES PARTICULARES CONDIÇÕES PARTICULARES APÓLICE MULTIRISCO LOTÉRICOS 2015 Cláusula 1ª Fica entendido e acordado que o limite de cobertura para valores fora de cofres fortes e/ou caixas-fortes será de: a) Até R$ 4.000,00

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Furto de aparelho de som instalado em automóvel. 1. Problema jurídico Edison Miguel da Silva Jr. Ao quebrar o vidro do automóvel subtraindo apenas o aparelho de som nele instalado,

Leia mais

autorização ou em desconformidade com autorização do legítimo titular da rede de computadores, dispositivo de comunicação

autorização ou em desconformidade com autorização do legítimo titular da rede de computadores, dispositivo de comunicação PROJETO DE LEI Nº 84/1999 CRIMES INFORMÁTICOS COMPARATIVO ENTRE A VERSÃO APROVADA NO SENADO E APRESENTADA NO PLENÁRIO DA CÂMARA EM 18/07/2008, E O SUBSTITUTIVO DO RELATOR NA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

NOVA LEI DE CRIMES CIBERNÉTICOS ENTRA EM VIGOR

NOVA LEI DE CRIMES CIBERNÉTICOS ENTRA EM VIGOR NOVA LEI DE CRIMES CIBERNÉTICOS ENTRA EM VIGOR Apelidada de Lei Carolina Dieckmann, a Lei nº 12.737, de 30 de novembro de 2012, entrou em pleno vigor no último dia 3 de abril de 2013, alterando o Código

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE

INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE OAB - EXTENSIVO Disciplina: Direito Administrativo Prof. Flávia Cristina Data: 07/10/2009 Aula nº. 04 INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE 1. Modalidades a) Requisição b) Servidão c) Ocupação Temporária

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Significado de veículo automotor na Lei nº 9.426/96 Eduardo Luiz Santos Cabette* A Lei 9426/96 realizou alterações no Código Penal Brasileiro, interessando-nos neste trabalho especificamente

Leia mais

Proposta de Razão Recursal

Proposta de Razão Recursal Concurso: Banca examinadora: Proposta de Razão Recursal Oficial Escrevente FAURGS Questões recorríveis: 46, 47, 48, 49 e 52 Professor: Davi André Costa Silva Objeto de recurso Questão Motivo 46 Objeto

Leia mais

SUMÁRIO. Parte 1. Capítulo 3 Prisão em flagrante... 21

SUMÁRIO. Parte 1. Capítulo 3 Prisão em flagrante... 21 SUMÁRIO Parte 1 Aspectos gerais da atividade policial Capítulo 1 Distinção entre a Polícia Militar, a Polícia Civil, a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal e a Guarda Municipal...3 Capítulo 2

Leia mais

Treinamento de Prevenção a Fraudes

Treinamento de Prevenção a Fraudes Treinamento de Prevenção a Fraudes 1. Introdução Esse treinamento visa orientar os colaboradores, parceiros, fornecedores, terceiros e pessoas com as quais mantém relacionamento comercial com a PAN Seguros,

Leia mais

ATIVIDADE POLICIAL: ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS PENAIS, ADMINISTRATIVOS E CONSTITUCIONAIS 5ª EDIÇÃO

ATIVIDADE POLICIAL: ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS PENAIS, ADMINISTRATIVOS E CONSTITUCIONAIS 5ª EDIÇÃO ATIVIDADE POLICIAL: ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS PENAIS, ADMINISTRATIVOS E CONSTITUCIONAIS 5ª EDIÇÃO SUMÁRIO Parte 1 ASPECTOS GERAIS DA ATIVIDADE POLICIAL Capítulo 1 Distinção entre a Política Militar,

Leia mais

APONTAMENTOS DIP 169 a 183 do CP

APONTAMENTOS DIP 169 a 183 do CP APONTAMENTOS DIP 169 a 183 do CP 1 Alves, Rodrigo Teófilo. A474a Apontamentos : DIP III : 169 a 183 do CP / Rodrigo Teófilo Alves. Varginha, 2015. 19 f. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de

Leia mais

EXERCÍCIO MODELO QUEIXA-CRIME

EXERCÍCIO MODELO QUEIXA-CRIME 2ª Fase OAB/FGV Direito Processual Penal Monitoria Penal Karina Velasco EXERCÍCIO 1 O juiz, ao proferir sentença condenando João por furto qualificado, admitiu, expressamente, na fundamentação, que se

Leia mais

1. CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL. Lei nº 7.492/86. 1. Nacional (Lei nº 4.595/64):...

1. CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL. Lei nº 7.492/86. 1. Nacional (Lei nº 4.595/64):... 1 DIREITO PENAL DIREITO PENAL PONTO 1: CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL 1. CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Instituição Financeira Lei nº 7.492/86 1. Nacional (Lei nº 4.595/64):...

Leia mais

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça.

O art. 96, III da CF prevê o foro por prerrogativa de função dos membros do MP, incluindo os Promotores e Procuradores de Justiça. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 11 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Foro por Prerrogativa de Função; Conexão e Continência. 3.5 Foro por Prerrogativa de Função: b) Juízes

Leia mais

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 19. PRIMEIRA PARTE - aspectos gerais... 23. Capítulo 1 Noções gerais aplicáveis aos crimes tributários...

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 19. PRIMEIRA PARTE - aspectos gerais... 23. Capítulo 1 Noções gerais aplicáveis aos crimes tributários... Sumário Prefácio... 15 Introdução... 19 PRIMEIRA PARTE - aspectos gerais... 23 Capítulo 1 Noções gerais aplicáveis aos crimes tributários... 25 1. Infração tributária e crime contra a ordem tributária...

Leia mais

Excelentíssima Senhora Presidente da Comissão Permanente de Direito Penal do Instituto dos Advogados Brasileiros, Dra.

Excelentíssima Senhora Presidente da Comissão Permanente de Direito Penal do Instituto dos Advogados Brasileiros, Dra. Excelentíssima Senhora Presidente da Comissão Permanente de Direito Penal do Instituto dos Advogados Brasileiros, Dra. Victória Sulocki, Indicação nº 056/2012, sobre o "Projeto de Lei nº 3901/2012, de

Leia mais

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação.

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Prof. Marcos Monteiro te ...pode ser tipificado como : Falsidade ideológica

Leia mais

1. Objetividade jurídica: é a incolumidade física e a saúde da pessoa.

1. Objetividade jurídica: é a incolumidade física e a saúde da pessoa. Perigo de contágio venéreo Art. 130 - Expor alguém, por meio de relações sexuais ou qualquer ato libidinoso, a contágio de moléstia venérea, de que sabe ou deve saber que está contaminado: Pena - detenção,

Leia mais

CRIMES DE TORTURA (9.455/97)

CRIMES DE TORTURA (9.455/97) CRIMES DE TORTURA (9.455/97) TORTURA FÍSICA MENTAL Art. 1º Constitui crime de tortura: I - constranger alguém com emprego de violência ou grave ameaça, causando-lhe sofrimento físico ou mental: a) tortura-persecutória

Leia mais

DO DEPÓSITO. O depósito, no direito brasileiro, tem por objeto coisa móvel, não se admitindo o depósito de imóveis. VOLUNTÁRIO NECESSÁRIO

DO DEPÓSITO. O depósito, no direito brasileiro, tem por objeto coisa móvel, não se admitindo o depósito de imóveis. VOLUNTÁRIO NECESSÁRIO DAS VÁRIAS ESPÉCIES DE CONTRATO DO DEPÓSITO O depósito é o contrato pelo qual uma pessoa - depositário - recebe, para guardar, um objeto móvel alheio, com a obrigação de restituí-lo quando o depositante

Leia mais

MULTA MULTA VALOR EM R$

MULTA MULTA VALOR EM R$ - Aplicadas pela autoridade de trânsito (posteriormente): I - advertência por escrito; II - multa; III - suspensão do direito de dirigir; IV - apreensão do veículo; V - cassação da Carteira Nacional de

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição

CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Rafael Carvalho Rezende Oliveira 2ª para 3ª edição A 3ª edição do livro CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO foi atualizada com o texto do PL de novo CPC enviado pelo Congresso Nacional à sanção presidencial em 24.02.2015. Em razão da renumeração dos artigos

Leia mais

10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação

10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação 10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação Mesa Redonda: CRIMES DIGITAIS Recife/PE, 1º de Dezembro de 2004. Apresentação: Omar Kaminski Direitos e Garantias Constituicionais: II - ninguém será obrigado

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS -

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS - Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 11 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS

Leia mais