VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO SRD.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO SRD."

Transcrição

1 VOTO PROCESSO: / INTERESSADO: 4NC Marketing Promocional RELATOR: Diretor André Pepitone da Nóbrega RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO SRD. ASSUNTO: Requerimento administrativo interposto pela 4NC Marketing Promocional com vistas a implantar infraestrutura de recarga de veículos elétricos I. R E L A T Ó R I O A Lei n o , de 15 de março de 2004, estabelece que a comercialização de energia elétrica entre concessionários, permissionários e autorizados de serviços e instalações de energia elétrica, bem como destes com seus consumidores, no Sistema Interligado Nacional SIN, ocorrerá mediante contratação regulada ou livre, nos termos dessa Lei e do seu regulamento. 2. A Resolução Normativa n o 414, de 9 de setembro de 2010, estabelece que quando constatado o fornecimento de energia elétrica a terceiros por aquele que não possua outorga federal para distribuição de energia elétrica, a distribuidora deve interromper, de forma imediata, a interligação correspondente, ou, havendo impossibilidade técnica, suspender o fornecimento da unidade consumidora da qual provenha a interligação. Essa Resolução apresenta também as definições de carga instalada, consumidor, segmentando-o em especial, livre e potencialmente livre, e unidade consumidora. VII carga instalada: soma das potências nominais dos equipamentos elétricos instalados na unidade consumidora, em condições de entrar em funcionamento, expressa em quilowatts (kw); [...] XVII consumidor: pessoa física ou jurídica, de direito público ou privado, legalmente representada, que solicite o fornecimento, a contratação de energia ou o uso do sistema elétrico à distribuidora, assumindo as obrigações decorrentes deste atendimento à(s) sua(s) unidade(s) consumidora(s), segundo disposto nas normas e nos contratos, sendo: a) consumidor especial: agente da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE, da categoria de comercialização, que adquire energia elétrica proveniente de empreendimentos de geração enquadrados no 5 o do art. 26 da Lei n o 9.427, de 26 de dezembro de 1996, para unidade consumidora ou unidades consumidoras reunidas por comunhão de interesses de fato ou de direito cuja carga seja maior ou igual a 500 kw e que não satisfaçam, individualmente, os requisitos dispostos nos arts. 15 e 16 da Lei n o 9.074, de 7 de julho de 1995;

2 FL. 2 de 10 b) consumidor livre: agente da CCEE, da categoria de comercialização, que adquire energia elétrica no ambiente de contratação livre para unidades consumidoras que satisfaçam, individualmente, os requisitos dispostos nos arts. 15 e 16 da Lei n o 9.074, de 1995; e c) consumidor potencialmente livre: aquele cujas unidades consumidoras satisfazem, individualmente, os requisitos dispostos nos arts. 15 e 16 da Lei n o 9.074, de 1995, porém não adquirem energia elétrica no ambiente de contratação livre. [...] LXXXV unidade consumidora: conjunto composto por instalações, ramal de entrada, equipamentos elétricos, condutores e acessórios, incluída a subestação, quando do fornecimento em tensão primária, caracterizado pelo recebimento de energia elétrica em apenas um ponto de entrega, com medição individualizada, correspondente a um único consumidor e localizado em uma mesma propriedade ou em propriedades contíguas; [...] 3. Em 12 de maio de 2015, a empresa 4NC Marketing Promocional solicitou 1 à ANEEL, [...] esclarecimentos e diretrizes para a implementação de infraestrutura de recarga para veículos elétricos em centros urbanos e rodovias, sejam estaduais ou federais; para aplicação em frota própria e prestação de serviço de recarga pública, nas 03 modalidades hoje apresentadas (rápida, média e lenta), haja visto que até a presente data não há uma regulamentação por parte da ANEEL, nos impedindo de uma contratação de fornecimento direto, junto as distribuidoras de energia. 4. A Requerente informou a intenção de iniciar tal infraestrutura com a implantação de 70 estações de recarga, de diferentes portes e tempos de recarga, em várias localidades no município de São Paulo. 5. A Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD, pela Nota Técnica n o 58/2015-SRD/ANEEL, de 20 de junho de 2015, analisou o assunto e concluiu que 44. [...] a implantação de infraestrutura para recarga de veículos elétricos para utilização em frota própria, frota essa a ser utilizada para oferecer um serviço de car sharing na forma proposta pela 4NC Marketing Promocional, não possui impedimento no que tange a regulamentação setorial atual. 45. Não obstante, conforme exposto anteriormente, todo serviço desse tipo devera ser objeto de resolução autorizativa especifica. O objetivo e dar segurança regulatória aos empreendedores pioneiros no ramo da mobilidade elétrica e as respectivas distribuidoras. E, ao mesmo tempo, evitar o crescimento desordenado desse novo ramo de atividade. 46. Por sua vez, a também pleiteada utilização da mesma infraestrutura para prestação de serviço de recarga publica (i.e. oferecida de forma indistinta a qualquer usuário de veiculo elétrico interessado) não e viável com o atual arcabouço legal e regulatório, por configurarse como fornecimento de energia elétrica a terceiros. 1 SIC /

3 FL. 3 de A Procuradoria Federal junto à ANEEL, por meio do Parecer n o 633/2015- PFANEEL/PGF/AGU, de 25 de setembro de 2015, concluiu que 90. Diante disso, a Procuradoria entende que o arcabouço jurídico vigente não permite a utilização de pontos de recarga de veículos elétricos com a finalidade de comercialização de energia elétrica por consumidor cativo, ainda que este não seja o principal objetivo do investimento n essa infraestrutura. 91. Por outro lado, a Procuradoria entende que não há impedimento legal para instalação de estações de recarga de veículos elétricos com a finalidade de suporte operacional ao serviço de car sharing, podendo, ainda, haver o compartilhamento da referida infraestrutura para recarga de veículos elétricos de titularidade de terceiros, desde que a recarga seja realizada mediante compensação por outra recarga ou mediante cobrança que reflita apenas o ressarcimento pelo consumo da energia na unidade consumidora da interessada. 92. Por fim, considerando que as únicas atividades que poderiam ser desenvolvidas pela 4NC Marketing Promocional não configuram atividades de exploração de serviços de energia elétrica, consistindo a instalação de estações de recarga que disponibilizam a energia mero suporte operacional para o desenvolvimento de atividades econômicas diversas, a Procuradoria entende que a ANEEL não detém competência para emitir atos de autorização no caso concreto, pelo que fica prejudicada a aprovação da minuta de resolução autorizativa submetida à análise. 7. A Superintendência de Mediação Administrativa, Ouvidoria Setorial e Participação Pública SMA, em 22 de abril de 2016, instaurou 2 a Consulta Pública 2/2016, por intercâmbio documental, com período de contribuições entre 22 de abril a 27 de julho de 2016, disponibilizando para análise da sociedade a Nota Técnica n o 50/2016-SRD/ANEEL, de 19 de abril de 2016, visando obter subsídios para avaliar a necessidade de regulamentar os aspectos relativos ao fornecimento de energia elétrica a veículos elétricos. 8. Essa Consulta Pública é uma das etapas do cumprimento, pela SRD, do Item 21 da Agenda Regulatória Indicativa 3 da ANEEL para o biênio , Avaliar necessidade de regulamentação dos aspectos comerciais relativos ao fornecimento de energia a veículos elétricos, que também integra a proposta de Agenda Regulatória para o biênio 2016/2018. II. F U N D A M E N T A Ç Ã O 9. A 4NC informou pretender prestar serviços de locação de veículos, movidos a energia, por hora. Para tanto, pretende disponibilizar vagas equipadas com carregadores elétricos [...] que poderão ser usados por qualquer proprietário de veículo elétrico, mediante aluguel do equipamento. O empreendedor 2 Aviso de Abertura da Consulta Pública 2/2016 publicado no Diário Oficial da União em 22/4/ Aprovada pela Portaria n o 3.604, de 30 de junho de 2015.

4 FL. 4 de 10 acrescentou na descrição do serviço, que existia pleito para que fosse criada a obrigação para cada empresa que desejasse se instalar para a prestação do mesmo tipo de serviço, colocasse carregadores a certa distância do carregador já instalado e que os carregadores fossem de utilização pública. 10. A SRD na Nota Técnica n o 58/2015-SRD/ANEEL e a Procuradoria Federal junto à ANEEL, no Parecer n o 633/2015-PFANEEL/PGF/AGU analisaram o assunto sob o ponto de vista da utilização das estações de recarga para prestação dos serviços de frota e de car sharing e da utilização das estações de recarga para recarga de veículos elétricos de terceiros ou, ainda, para recarga pública. 11. Verifica-se na Nota Técnica n o 58/2015-SRD/ANEEL, que o carregador ou a estação de recarga, seria, em termos simples, o equipamento utilizado para fornecer corrente alternada ou contínua ao veículo elétrico, sendo este último categoria de veículo que depende da energia elétrica armazenada em bateria recarregável para se movimentar. 12. Segundo a SRD, o serviço de car sharing, independentemente de utilizar ou não veículos elétricos, é caracterizado por grupo de usuários associados que compartilham número relativamente pequeno de veículos. Não há locais pré-determinados para a retirada ou a entrega dos veículos. O operador do serviço disponibiliza aos usuários formas para localizar veículos próximos e reservar um deles. Ainda que a entrega não possua local pré-determinado, se ela ocorrer fora da região de operação do serviço, é cobrada taxa e o operador do serviço envia equipe para trazer o veículo de volta. 13. Em função de vários usuários utilizarem os mesmos veículos e do trajeto a ser realizado depender da necessidade específica do usuário no momento, os trajetos que cada veículo percorre tendem a ser mais variados e o raio de utilização mais amplo, requerendo que a coberta regional de pontos de recarga seja minimamente abrangente A cobrança pelo serviço é baseada no tempo de utilização. Verifica-se na Nota Técnica da SRD que na definição do preço foram considerados os custos fixos e variáveis associados, inclusive o da energia elétrica necessária para que os veículos pudessem circular, estimado de 15% a 20% do preço a ser cobrado por hora. 4 Um estudo sobre a utilização da infraestrutura pública de recarga na cidade de Amsterdã e apresentado no EVS27 Symposium realizado em Barcelona, em novembro de 2013 fornece uma noção do impacto do serviço de car sharing Car2Go na dinâmica de utilização da infraestrutura. No período analisado, dos diferentes usuários contabilizados, 300 correspondiam a veículos Car2Go.

5 FL. 5 de Segundo a SRD, para a definição do preço do serviço foi assumida alguma premissa sobre o consumo de energia elétrica por hora de utilização que, entre outras coisas, é função da quilometragem rodada, do perfil de condução e do modelo do veículo. Ressalta-se que o veículo pode não estar em movimento durante todo o tempo de utilização, uma vez que o período de utilização é delimitado pelos eventos de desbloqueio e bloqueio do veículo pelo usuário. 16. Ao analisar o assunto a SRD entendeu que 26. Quando o proprietário usuário do veículo elétrico e o responsável pela unidade consumidora onde está instalado o equipamento de recarga são a mesma pessoa, não há qualquer impedimento, pois o uso da energia elétrica se caracteriza como consumo final. Esse é o caso, por exemplo, de um particular que carrega o seu veículo na sua residência, ou de uma empresa que carrega veículos de sua frota em algum de seus estabelecimentos. 17. Assim, concluiu que quando o uso da energia elétrica se caracterizava como consumo final ou insumo para prestação de serviço, não havia impedimento, do ponto de vista da atual regulamentação do setor elétrico, para a prestação do serviço. 18. A Procuradoria, ao analisar o assunto, considerou que a distinção essencial entre o modelo de negócio apresentado pela 4NC Marketing Promocional e o das demais locadoras de veículos, consistia no tempo de utilização do veículo (preço por hora ou por dia de utilização, por exemplo) e no fato de que os veículos da 4NC Marketing Promocional seriam veículos elétricos, movidos à bateria. 19. Diante disso, concluiu que a instalação de estações de recarga de veículos elétricos para uso em frota própria caracterizava-se como investimento necessário para o desenvolvimento de atividade econômica em sentido estrito; o aluguel de veículos elétricos a quaisquer interessados, o que não é objeto de regulação pela ANEEL. 20. Nesse contexto, a instalação de estações de recarga de veículos elétricos, para uso próprio, não caracterizaria atividade econômica relacionada à energia elétrica que demandaria prévia autorização do Poder Concedente. A energia elétrica disponibilizada nas estações de recarga se prestaria ao consumo da empresa de aluguel de veículos, tal qual seria o combustível adquirido para o aluguel de veículos movidos à gasolina ou a álcool. Em outras palavras, a energia disponibilizada nas estações de recarga caracterizar-se-ia como mero insumo do negócio cujo objeto é o aluguel de veículos.

6 FL. 6 de Com efeito, a 4NC Marketing Promocional será, na verdade, consumidor, nos termos dispostos no art. 2 o, inciso XVII 5, Resolução Normativa n o 414, de As estações de recarga, por sua vez, serão unidades consumidoras conforme o disposto no Capítulo II dessa Resolução Normativa. Ressalta-se que o art. 3 o da Resolução n o 414, de 2010, permite que determinado consumidor detenha uma ou mais unidades consumidoras, de modo que não há empecilho para que cada estação de recarga seja classificada como unidade consumidora individual. 22. Diante de tais argumentos a Procuradoria concluiu, com o que se concorda, [...] que, em termos regulatórios, não haveria impedimento para a implantação de infraestrutura para recarga de veículos elétricos para utilização em frota própria, a ser utilizada para oferecer um serviço de car sharing [...] (grifos nossos). 23. Quanto à pleiteada utilização da mesma infraestrutura para prestação de serviço de recarga pública (oferecida de forma indistinta a qualquer usuário de veiculo elétrico interessado), a SRD concluiu não ser possível diante do atual arcabouço legal e regulatório, por configurar-se como fornecimento de energia elétrica a terceiros. 24. Sobre o compartilhamento das estações de recarga com terceiros com vistas ao comércio da energia adquirida da Concessionária, a Procuradoria asseverou que se configuraria exploração de serviços de energia elétrica e dependeria de prévia regulamentação. 25. Segundo a Procuradoria, 51. [...] Ao instalar, manter e operar o seu ativo imobilizado para a recarga, que funciona, na prática como uma espécie de tomada, para os seus próprios veículos, a 4NC Marketing Promocional estaria utilizando-se da energia adquirida da distribuidora local na qualidade de consumidor cativo, que não necessita de concessão, permissão ou mesmo autorização. 52. Outrossim, quando disponibiliza essa energia a terceiros, por meio de aluguel dos equipamentos de recarga, não está agindo como um consumidor livre. Realmente, ele não escolhe seu fornecedor, não adquire o insumo de terceiros. Sob essa perspectiva, não há que se falar, no caso, em contrato de compra e venda e nem em comercialização de energia elétrica. A comercialização do insumo, aliás, está ausente do raio de atividades desse consumidor. 5 XVII consumidor: pessoa física ou jurídica, de direito público ou privado, legalmente representada, que solicite o fornecimento, a contratação de energia ou o uso do sistema elétrico à distribuidora, assumindo as obrigações decorrentes deste atendimento à(s) sua(s) unidade(s) consumidora(s), segundo disposto nas normas e nos contratos, sendo: (Redação dada pela REN ANEEL 418, de )

7 FL. 7 de No entanto, focando apenas na análise da legalidade do aluguel do equipamento com fins lucrativos, parece-nos que o caso espelharia sim uma atividade de comercialização de energia elétrica, já que se trata de um consumidor cativo revendendo energia para outro consumidor cativo, que não estaria abrangida pelo arcabouço jurídico vigente. Ou seja, o aluguel do equipamento, enquanto objeto do negócio, funcionaria como um véu que encobriria a verdadeira relação jurídica que estaria a unir 4NC Marketing Promocional aos demais consumidores cativos, que é a compra e venda de energia elétrica. [...] 56. O modelo de negócio apresentado pela 4NC Marketing Promocional seria enquadrado nos tipos 6 e 7 de serviços indicados na Nota Técnica n.º 058/2015-SRD/ANEEL: recarga frota terceiros e recarga pública, com cobrança por evento de recarga, o que indica que o preço do aluguel do equipamento seria proporcional à energia gerada, fortalecendo a crença de que é também a energia o objeto daquele modelo de negócio. A verdade é que, embora a 4NC Marketing Promocional não detenha ativos de geração de energia elétrica, a transferência da energia adquirida da distribuidora, mediante retribuição pecuniária, pela quantidade de energia associada à carga instalada do consumidor, no caso, o proprietário do veículo elétrico movido à bateria, caracterizaria o comércio de energia não previsto na legislação em vigor. 57. Há, portanto, de um lado a obrigação de transferência da coisa e, de outro, a obrigação do pagamento pecuniário. Não existe previsão, no ordenamento jurídico vigente, para que a ANEEL autorize o aluguel das estações de recarga com vistas à comercialização de energia pelo consumidor cativo a outro consumidor cativo. Na verdade, se de comercialização de energia se trata, o negócio que a 4NC Marketing Promocional pretende realizar com os demais proprietários de veículos elétricos, consumidores cativos, é vedado pela legislação brasileira. É que, como ficou explicitado anteriormente, somente os consumidores livres podem escolher o fornecedor de energia elétrica. Os consumidores cativos não possuem essa liberdade. [...] 74. Com efeito, no caso de aluguel das estações de recarga para terceiros com vistas ao comércio da energia adquirida da concessionária local de distribuição, a energia elétrica é o objeto principal de um contrato celebrado entre o detentor de uma unidade consumidora e um outro prestador de serviço de aluguel de veículos elétricos ou outro proprietário do veículo elétrico. Ou seja, o aluguel do equipamento de recarga é utilizado como meio para que outro proprietário de veículo elétrico possa adquirir energia para o funcionamento deste, caracterizando, em verdade, uma atividade de comercialização de energia de consumidor cativo para consumidor cativo. 75. Nesse caso, como haverá um pagamento em troca da energia disponibilizada, há necessidade de superveniência de lei que regule a matéria, indicando os parâmetros para a regulação desse modelo de negócio pela ANEEL. [...] (Grifos nossos) 26. Diante do exposto, acompanha-se o entendimento da SRD e da Procuradoria Federal no sentido de que [...] o arcabouço jurídico vigente não permite a utilização de pontos de recarga de veículos elétricos com a finalidade de comercialização de energia elétrica por consumidor cativo, ainda que este não seja o principal objetivo do investimento nessa infraestrutura (grifos nossos).

8 FL. 8 de Acolhe-se também a conclusão da Procuradoria de que [...] não há impedimento legal para instalação de estações de recarga de veículos elétricos com a finalidade de suporte operacional ao serviço de car sharing [...]. 28. Quanto à emissão de ato autorizativo pela ANEEL referente à oferta do serviço de car sharing mediante utilização de veículos elétricos, a Procuradoria manifestou-se contrária, haja vista não se tratar de atividade regulada pela Agência ou de atividade de exploração de energia elétrica que dependa de consentimento prévio do Poder Concedente, mas de atividade de comércio de aluguel de carros movidos à bateria; a instalação de estações de recarga se prestaria tão somente a possibilitar o exercício da atividade econômica referente ao aluguel de carros. 29. Isso porque a 4NC Marketing Promocional será consumidor de energia elétrica e a sua relação jurídica se formará com a distribuidora local a partir da ligação das unidades consumidoras relacionadas a cada estação de recarga, muito embora o serviço que lhe será prestado pela distribuidora local seja serviço regulado. 30. Ressalva-se que não se pretende afastar a necessidade de que a 4NC Marketing Promocional observe critérios técnicos de segurança, conforme disposto na Resolução Normativa n o 414, de Essas questões estarão afetas à relação jurídica entre a 4NC Marketing Promocional e a distribuidora local, que, somente poderá prestar atendimento a 4NC Marketing Promocional, caso estejam observados os requisitos técnicos e de segurança previstos nas normas técnicas pertinentes. 31. Nesse contexto, a Procuradoria Federal concluiu, com o que se concorda, que a ANEEL não detém competência para autorizar a Empresa 4NC Marketing Promocional a instalar pontos de recarga para veículos elétricos. Segundo a Procuradoria, [...] essa competência estará afeta ao Município no qual se localizarão os pontos de recarga, caso a legislação local assim determine (art. 30, inciso I da CF/88), ou, quando instalados em rodovias federais ou estaduais, aos demais órgãos integrantes daqueles entes federativos que tenham função relacionada à exploração e conservação das referidas rodovias. 32. A ANEEL, contudo, deve expedir ato administrativo para esclarecer os pontos solicitados pela 4NC Marketing Promocional, a fim de informá-la de que, embora o compartilhamento da infraestrutura não seja vedado, a comercialização de energia por meio das estações de recarga, não seria permitida pelo ordenamento jurídico vigente.

9 FL. 9 de Assim, tal ato deve esclarecer a Interessada de que não há possibilidade de exercício de atividade econômica, mediante instalação dos pontos de recarga, cuja finalidade seja a comercialização de energia elétrica com fins lucrativos, porque essa atividade caracterizaria exploração de serviços de energia elétrica e dependeria de prévia normatização. 34. Frisa-se que se encontra em andamento a Consulta Pública 2/2016, instaurada pela SRD visando obter subsídios para avaliar a necessidade de regulamentar os aspectos relativos ao fornecimento de energia elétrica a veículos elétricos. Assim, o entendimento proposto neste Voto pode ser alterado em caso de edição de ato normativo pela ANEEL com vistas a regulamentar o tema. 35. Assim, a eventual edição de regulamento específico sobre o tema não acarretará para a ANEEL, em nenhuma hipótese, qualquer responsabilidade com relação a encargos, ônus, obrigações ou compromissos assumidos pela 4NC Marketing Promocional com relação a terceiros, inclusive aqueles relativos aos seus empregados. III. D I R E I T O 36. Essa análise encontra fundamentação nos seguintes dispositivos normativos: a) Lei n o 9.427, de 26 de dezembro de 1996; b) Lei n o , de 15 de março de 2004; c) Resolução Normativa n o 265, de 13 de agosto de 1998; d) Resolução Normativa n o 414, de 9 de setembro de 2010; e) Resolução Normativa n o 570, de 23 de julho de IV. D I S P O S I T I V O 37. A partir de tal análise e das considerações apresentadas no Processo n o / , voto por informar à 4NC Marketing Promocional que a) não há impedimento legal para instalação de estações de recarga de veículos elétricos próprios com a finalidade de suporte operacional ao serviço de car sharing, observadas as disposições constantes nas Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica, Resolução Normativa n o 414, de 9 de setembro de 2010;

10 FL. 10 de 10 b) há impedimento legal para a utilização de pontos de recarga pública de veículos elétricos com a finalidade de comercialização de energia elétrica por consumidor cativo; c) há estudos em andamento na ANEEL com vistas a avaliar a necessidade de regulamentar os aspectos relativos ao fornecimento de energia elétrica a veículos elétricos, portanto, a edição de regulamento específico sobre o tema, ao qual a 4NC Marketing Promocional estará sujeita, não acarretará para a ANEEL, em nenhuma hipótese, qualquer responsabilidade com relação a encargos, ônus, obrigações ou compromissos assumidos pela 4NC Marketing Promocional. Brasília, 24 de maio de ANDRÉ PEPITONE DA NÓBREGA Diretor

11 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL DESPACHO N, DE 24 DE MAIO DE O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL, no uso das atribuições regimentais, tendo em vista deliberação da Diretoria e o constante do Processo n o / , decide informar à 4NC Marketing Promocional que i) não há impedimento legal para instalação de estações de recarga de veículos elétricos próprios com a finalidade de suporte operacional ao serviço de car sharing, observadas as disposições constantes nas Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica, Resolução Normativa n o 414, de 9 de setembro de 2010; ii) há impedimento legal para a utilização de pontos de recarga pública de veículos elétricos com a finalidade de comercialização de energia elétrica por consumidor cativo, e iii) há estudos em andamento na ANEEL com vistas a avaliar a necessidade de regulamentar os aspectos relativos ao fornecimento de energia elétrica a veículos elétricos, portanto, a edição de regulamento específico sobre o tema, ao qual a 4NC Marketing Promocional estará sujeita, não acarretará para a ANEEL, em nenhuma hipótese, qualquer responsabilidade com relação a encargos, ônus, obrigações ou compromissos assumidos pela 4NC Marketing Promocional. ROMEU DONIZETE RUFINO \SCG\Extrato_Resolução\117\Extrato_Resolução_202LG2409

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE GERAÇÃO SCG

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE GERAÇÃO SCG FL. 1 de 3 VOTO PROCESSO: 48000.002352/2013-18 INTERESSADO: Geração Biomassa Santa Cândida II S.A. RELATOR: Diretor André Pepitone da Nóbrega RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES

Leia mais

INTERESSADAS: Ecoprojeto Ltda. e Geração de Energia Sustentável Ltda. HGE. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração SCG.

INTERESSADAS: Ecoprojeto Ltda. e Geração de Energia Sustentável Ltda. HGE. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração SCG. FL. 1 de 2 PROCESSO: 48500.001421/2003-41. INTERESSADAS: Ecoprojeto Ltda. e Geração de Energia Sustentável Ltda. HGE. RELATOR: Diretor André Pepitone da Nóbrega RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 563, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004.

INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004. INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004 Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado, em reunião

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE GERAÇÃO SCG.

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE GERAÇÃO SCG. VOTO PROCESSO: 48500.004555/2011-87. INTERESSADO: Vento de Santo Uriel S.A. RELATOR: Diretor Edvaldo Alves de Santana RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE GERAÇÃO SCG. ASSUNTO:

Leia mais

RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TRANSMISSÃO SRT

RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TRANSMISSÃO SRT PROCESSO: 48500.003851/2013-22 INTERESSADA: Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Chesf RELATOR: Diretor André Pepitone da Nóbrega RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TRANSMISSÃO

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA ES

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA ES Contrato de Fornecimento de Energia Elétrica - Poder Público Contrato nº: DCPP ES 271/2014 Estrutura Tarifária: Baixa Tensão DISTRIBUIDORA Razão Social: Espírito Santo Centrais Elétricas S/A - ESCELSA

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico - MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 58/COGEN/SEAE/MF Brasília, 13 de julho de 2012. Assunto: Audiência Pública nº 44/2012 referente

Leia mais

PARECER REEXAMINADO (*) (*) Reexaminado pelo Parecer CNE/CES nº 204/2008 (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 19/11/2008

PARECER REEXAMINADO (*) (*) Reexaminado pelo Parecer CNE/CES nº 204/2008 (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 19/11/2008 PARECER REEXAMINADO (*) (*) Reexaminado pelo Parecer CNE/CES nº 204/2008 (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 19/11/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

VOTO PROCESSO: 48500.004792/2015-71. INTERESSADO: Energisa Minas Gerais Distribuidora de Energia S.A. RELATOR: Diretor José Jurhosa Junior.

VOTO PROCESSO: 48500.004792/2015-71. INTERESSADO: Energisa Minas Gerais Distribuidora de Energia S.A. RELATOR: Diretor José Jurhosa Junior. VOTO PROCESSO: 48500.004792/2015-71. INTERESSADO: Energisa Minas Gerais Distribuidora de Energia S.A. RELATOR: Diretor José Jurhosa Junior. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões, Permissões e Autorizações

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO.

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. Objeto O objeto do presente Contrato é a prestação, pela EMBRATEL, do Serviço Telefônico Fixo

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

VOTO. INTERESSADOS: Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE e Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS.

VOTO. INTERESSADOS: Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE e Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS. VOTO PROCESSO: 48500.004324/2007-97 INTERESSADOS: Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE e Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS. RELATOR: Diretor RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH A) Para Autoprodução PORTARIA Nº, DE DE DE 2005 Autoriza a empresa... a estabelecer-se como Autoprodutor de Energia Elétrica, mediante a implantação e exploração

Leia mais

VOTO. PROCESSOS: 48500.003441/2014-62. INTERESSADO: Elektro Eletricidade e Serviços S/A. RELATOR: Tiago de Barros Correia. RESPONSÁVEL: DIR.

VOTO. PROCESSOS: 48500.003441/2014-62. INTERESSADO: Elektro Eletricidade e Serviços S/A. RELATOR: Tiago de Barros Correia. RESPONSÁVEL: DIR. VOTO PROCESSOS: 48500.003441/2014-62. INTERESSADO: Elektro Eletricidade e Serviços S/A. RELATOR: Tiago de Barros Correia. RESPONSÁVEL: DIR. ASSUNTO: Recurso Administrativo interposto pela Elektro - Eletricidade

Leia mais

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Publicado no DOE(Pa) de 02.04.13. Institui o Programa de Parcerias Público-Privadas PPP/PA e regulamenta o Conselho Gestor de Parcerias Público- Privadas do Estado

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES DECRETO Nº 45.463, de 30 de agosto de 2010 Dispõe sobre a política de aquisição e locação de bens e contratação de serviços da Família Frota de Veículos, cria o Comitê Executivo de Gestão Estratégica de

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016 NOME DA INSTITUIÇÃO: FCA Fiat Chrysler Brasil Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Audiência pública

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004.

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da

Leia mais

5. Em sorteio realizado em 01/12/2014 fui designado Relator do Processo.

5. Em sorteio realizado em 01/12/2014 fui designado Relator do Processo. VOTO PROCESSO: 48500.005191/2014-03 INTERESSADO: Light Serviços de Eletricidade S.A. RELATOR: José Jurhosa Júnior. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões, Permissões e Autorizações de Transmissão

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 31

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Transmissão e Distribuição SCT

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Transmissão e Distribuição SCT VOTO PROCESSO: 48500.000787/2012-47 RELATOR: Diretor Romeu Donizete Rufino. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Transmissão e Distribuição SCT ASSUNTO: Declaração de utilidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO N o 24/2012, DO CONSELHO DE GRADUAÇÃO Aprova as Normas Gerais de Estágio de Graduação da Universidade Federal de Uberlândia, e dá outras providências. O CONSELHO DE GRADUAÇÃO DA, no uso das competências

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 12/8/2013, Seção 1, Pág. 11. Portaria n 733, publicada no D.O.U. de 12/8/2013, Seção 1, Pág. 10. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. Fixa os critérios e procedimentos para a realização de concursos públicos de provas e títulos, destinados ao provimento dos cargos efetivos do

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Coqueiros Transmissora de Energia S.A. CTE.

VOTO. INTERESSADO: Coqueiros Transmissora de Energia S.A. CTE. VOTO PROCESSO: 48500.003771/2014-58 INTERESSADO: Coqueiros Transmissora de Energia S.A. CTE. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos. RESPONSÁVEL: Diretoria - DIR. ASSUNTO: Recurso Administrativo interposto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

pdc_me_04_versao2 Página 1 de 19 Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010

pdc_me_04_versao2 Página 1 de 19 Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 pdc_me_04_versao2 Página 1 de 19. Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO

Leia mais

DECRETO ESTADUAL Nº 52.469, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007

DECRETO ESTADUAL Nº 52.469, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007 DECRETO ESTADUAL Nº 52.469, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007 Altera a redação de dispositivos do Regulamento aprovado pelo Decreto nº 8.468, de 08 de setembro de 1976, que dispõe sobre o controle da poluição

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSUNI) N.º 03/2011

RESOLUÇÃO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSUNI) N.º 03/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS RESOLUÇÃO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSUNI) N.º 03/2011 Dispõe sobre as normas gerais para a celebração de contratos ou convênios da Universidade

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 9 Ressarcimento de Danos Elétricos Revisão Motivo da Revisão Primeira

Leia mais

ENERPREV PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO GRUPO ENERGIAS DO BRASIL ESTATUTO SOCIAL. Aprovação: 18/08/2015

ENERPREV PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO GRUPO ENERGIAS DO BRASIL ESTATUTO SOCIAL. Aprovação: 18/08/2015 ENERPREV PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO GRUPO ENERGIAS DO BRASIL 2015 ESTATUTO SOCIAL Aprovação: 18/08/2015 SUMÁRIO DA ENTIDADE E SEUS FINS Página 2 DOS MEMBROS DA ENERPREV Página 2 DAS CATEGORIAS DE MEMBROS

Leia mais

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 Disciplina a celebração de convênios e operações de crédito com previsão de ingresso de recursos financeiros que beneficiem órgãos e entidades da Administração

Leia mais

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento.

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento. Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras Tipo do documento: Procedimento Número: 01 Versão: 01 Classificação do documento: Público Vigência:

Leia mais

PLANO DE OCUPAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA DA AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS S/A

PLANO DE OCUPAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA DA AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS S/A PLANO DE OCUPAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA DA AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS S/A Diretoria Técnica Engenharia e Obras ÍNDICE 1 Objetivo... 3 2 Premissas de Procedimentos, de condições técnicas e de segurança... 3

Leia mais

VOTO. INTERESSADOS: CPFL Centrais Geradoras Ltda. e CPFL Geração de Energia S.A.

VOTO. INTERESSADOS: CPFL Centrais Geradoras Ltda. e CPFL Geração de Energia S.A. VOTO PROCESSOS: 48100.001166/1996-85 e 48100.001168/1996-19. INTERESSADOS: CPFL Centrais Geradoras Ltda. e CPFL Geração de Energia S.A. RELATOR: Diretor José Jurhosa Junior RESPONSÁVEL: Superintendência

Leia mais

LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA, Estado de Goiás, aprova e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA, Estado de Goiás, aprova e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei: 1 Gabinete do Prefeito LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Institui o Programa Municipal de Parcerias Público-Privadas, cria a Comissão Gestora de Parcerias Público-Privadas de Goiânia e dá outras providências.

Leia mais

VOTO PROCESSO: 48500.003850/2012-05.

VOTO PROCESSO: 48500.003850/2012-05. VOTO PROCESSO: 48500.003850/2012-05. INTERESSADOS: Edifício Master Tower Ibirapuera, Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de São Paulo S.A. - AES Eletropaulo, Agência Reguladora de Saneamento e Energia

Leia mais

Insurge-se a Impugnante contra o estabelecido nos subitens 8.3.2, 8.3.3 e 8.3.4 do edital. Aduz a empresa que:

Insurge-se a Impugnante contra o estabelecido nos subitens 8.3.2, 8.3.3 e 8.3.4 do edital. Aduz a empresa que: PREGÃO N.º 024/2007 PROTOCOLO N.º 08283/2007 ASSUNTO: Prestação de serviços de vigilância eletrônica para Zonas Eleitorais A empresa ABS SEGURANÇA ELETRÔNICA LTDA., com fundamento no art. 41, 1º e 2º,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS ASSUNTO: REP REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO 2. Quando a portaria entra em vigor? Na data de sua publicação, 25/08/2009, exceto para o uso do REP, que se tornará obrigatório no dia

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 53 de 28/01/2013 - CAS RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

RESOLUÇÃO N o 53 de 28/01/2013 - CAS RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES Regulamento de Estágios Estágios Não Obrigatórios Remunerados (ENOR) e Estágios Curriculares Obrigatórios (ECO) de alunos dos cursos superiores da Universidade Positivo. Aprovado pela Resolução n o 53

Leia mais

Companhia Energética de Minas Gerais

Companhia Energética de Minas Gerais CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 41/2012 Companhia Energética de Minas Gerais AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução Normativa nº 334/2008 NOTA TÉCNICA /2012

Leia mais

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO Capítulo I - FINALIDADE Artigo 1º - O Instituto FENASBAC tem as seguintes finalidades: I. promover a geração de conhecimento,

Leia mais

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES, PERMISSÕES E AUTORIZAÇÕES DE TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO SCT.

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES, PERMISSÕES E AUTORIZAÇÕES DE TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO SCT. VOTO PROCESSO: 48500.000514/2015-45. INTERESSADO: Pantanal Transmissora S.A. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES, PERMISSÕES E AUTORIZAÇÕES DE TRANSMISSÃO

Leia mais

Análise da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 634, de 26 de dezembro de 2013

Análise da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 634, de 26 de dezembro de 2013 Análise da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 634, de 26 de dezembro de 2013 Nota Técnica de Adequação Orçamentária e Financeira nº 06/2014 Assunto: Subsídios para análise da adequação

Leia mais

REGULAMENTO TESOURO DIRETO

REGULAMENTO TESOURO DIRETO REGULAMENTO TESOURO DIRETO Tesouro Nacional GLOSSÁRIO 4 CAPÍTULO I REGRAS GERAIS 6 CAPÍTULO II PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 7 1. CADASTRO... 7 1.1. ASPECTOS GERAIS 7 1.2. CADASTRO DE AGENTES DE CUSTÓDIA

Leia mais

Ressarcimento de danos elétricos em equipamentos

Ressarcimento de danos elétricos em equipamentos AO SENHOR NELSON JOSÉ HUBNER MOREIRA DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL SGAN 603, MÓDULO J, CEP: 70830-030 BRASÍLIA/DF RECOMENDAÇÃO 1. CONSIDERANDO que o Ministério Público é instituição

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 12.234, DE 13 DE JANEIRO DE 2005. (publicada no DOE nº 09, de 14 de janeiro de 2005) Dispõe sobre normas para

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 25 DE JUNHO DE 2009.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 25 DE JUNHO DE 2009. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 25 DE JUNHO DE 2009. Dispõe sobre o Processo de Concessão de Bolsas de Estudo em Idiomas como parte integrante do Programa Permanente de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 12/2011/CONSU Estabelece normas para o relacionamento entre a Universidade Federal de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 03, DE 10 DE AGOSTO DE 2010

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 03, DE 10 DE AGOSTO DE 2010 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 03, DE 10 DE AGOSTO DE 2010 Estabelecer as condições e os procedimentos a serem observados pelos concessionários

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências.

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. DECRETO N o 3.474, DE 19 DE MAIO DE 2000. Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

DECISÃO Nº 049/2014 D E C I D E

DECISÃO Nº 049/2014 D E C I D E CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 049/2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 10/01/2014, tendo em vista o constante no processo nº 23078.019657/13-31, de acordo com o Parecer nº 497/2013 da

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração SCG. 1. A UHE Cachoeira da Fumaça foi outorgada em 22/04/1975.

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração SCG. 1. A UHE Cachoeira da Fumaça foi outorgada em 22/04/1975. VOTO PROCESSO: 00000.703597/1973-68. INTERESSADOS: Porto Seguro Negócios Imobiliários S.A.. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 7 Cálculo de Perdas na Distribuição Revisão 0 1 2 3 Motivo da Revisão

Leia mais

Em de julho de 2013. Processo: 48500.001634/2002-00

Em de julho de 2013. Processo: 48500.001634/2002-00 Nota Técnica nº /2013 SGE/ANEEL Em de julho de 2013. Processo: 48500.001634/2002-00 Assunto: Proposta de alteração da Norma de Organização nº 15, que dispõe sobre o acesso à informação de natureza pública

Leia mais

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida VOTO ASSUNTO: Criação de norma que dispõe sobre regras e critérios para operação das coberturas oferecidas em planos de seguro de Riscos de Engenharia. PROCESSO N.º 15414.002179/2008-19 DIRETOR ALEXANDRE

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 13, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Dispõe sobre a documentação para regularização de equipamentos médicos das Classes de Risco I e II. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA SUGESTÃO N o 134, DE 2014 Sugere Projeto de Lei que institui o Sistema Carona Legal Transporte Solidário, em âmbito nacional, que visa incentivar e conscientizar o

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Os Estados contratantes, TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Desejosos de contribuir para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia, Desejosos de aperfeiçoar a proteção legal das invenções,

Leia mais

SIC 41/04. Belo Horizonte, 4 de outubro de 2004. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA. Distribuído a assessorados da CONSAE.

SIC 41/04. Belo Horizonte, 4 de outubro de 2004. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA. Distribuído a assessorados da CONSAE. SIC 41/04 Belo Horizonte, 4 de outubro de 2004. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DECRETO Nº 5.224, de 1º de outubro de 2004 Dispõe sobre a organização dos Centros Federais de Educação Tecnológica e dá outras providências.

Leia mais

DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXIS), NO MUNICÍPIO

DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXIS), NO MUNICÍPIO 1 LEI Nº 1485/2014 DISPÕE SOBRE AS PERMISSÕES DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE INDIVIDUAL DE PASSAGEIROS, ATRAVÉS DE AUTOMÓVEIS DE ALUGUEL (TÁXIS), NO MUNICÍPIO DE INHAÚMA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal

Leia mais

Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico Acessível ao Público num Local Fixo através de Cartão Virtual de Chamadas 1.

Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico Acessível ao Público num Local Fixo através de Cartão Virtual de Chamadas 1. Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico Acessível ao Público num Local Fixo através de Cartão Virtual de Chamadas da MEO - Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A., com sede na Av. Fontes

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 03/2014 AJUR ASSESSORIA JURÍDICA DA FAMURS

NOTA TÉCNICA Nº 03/2014 AJUR ASSESSORIA JURÍDICA DA FAMURS NOTA TÉCNICA Nº 03/2014 AJUR ASSESSORIA JURÍDICA DA FAMURS Data: 09 de outubro de 2014. Assunto: ILUMINAÇÃO PÚBLICA. TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS AOS MUNICÍPIOS. RESOLUÇÃO ANEEL N 414/2010 e Nº 479/2012. PRAZO:

Leia mais

DECRETO Nº 56.489, DE 8 DE OUTUBRO DE 2015

DECRETO Nº 56.489, DE 8 DE OUTUBRO DE 2015 DECRETO Nº 56.489, DE 8 DE OUTUBRO DE 2015 Institui a Categoria Táxi Preto no sistema de transporte individual remunerado de passageiros, autoriza a emissão de novos alvarás de estacionamento e regulamenta

Leia mais

port 617-2007 - ANVISA - ATENDIMENTO AO PÚBLICO - POLÍTICA - REGRAS

port 617-2007 - ANVISA - ATENDIMENTO AO PÚBLICO - POLÍTICA - REGRAS port 617-2007 - ANVISA - ATENDIMENTO AO PÚBLICO - POLÍTICA - REGRAS PORTARIA ANVISA Nº 617, DE 30 DE AGOSTO DE 2007 DOU 03.09.2007 Dispõe sobre a Política de Atendimento ao Público da Agência Nacional

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.º 88 DE 26 DE OUTUBRO DE 2010.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.º 88 DE 26 DE OUTUBRO DE 2010. PORTARIA CNMP-PRESI N.º 88 DE 26 DE OUTUBRO DE 2010. Regulamenta a utilização, manutenção e controle do Sistema de Telefonia fixa e móvel, no âmbito do Conselho Nacional do Ministério Público. O PRESIDENTE

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO ABILUMI

MINUTA DE RESOLUÇÃO ABILUMI MINUTA DE RESOLUÇÃO ABILUMI O CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso de suas atribuições e competências que lhe foram concedidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentadas

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEIS: Superintendência de Regulação de Mercado SRM e Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD.

VOTO. RESPONSÁVEIS: Superintendência de Regulação de Mercado SRM e Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD. VOTO PROCESSOS: 48500.000865/2014-75 INTERESSADOS: Mineração Caraíba S/A - MCSA. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEIS: Superintendência de Regulação de Mercado SRM e Superintendência de

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A.

VOTO. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A. VOTO PROCESSO: 48500.007977/2000-07. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações

Leia mais

ADMINISTRAR VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ASSOCIATIVA

ADMINISTRAR VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ASSOCIATIVA l Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 1497, de 27 de maio de 2010 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

VOTO. INTERESSADAS: Transenergia Renovável S.A. TER, Transenergia São Paulo S.A. TSP, Goiás Transmissão S.A. GOT e MGE Transmissão S.A.

VOTO. INTERESSADAS: Transenergia Renovável S.A. TER, Transenergia São Paulo S.A. TSP, Goiás Transmissão S.A. GOT e MGE Transmissão S.A. VOTO PROCESSO: 48500.002881/2015-83. INTERESSADAS: Transenergia Renovável TER, Transenergia São Paulo TSP, Goiás Transmissão GOT e MGE Transmissão MGE RELATOR: Diretor Tiago de Barros Correia RESPONSÁVEL:

Leia mais

LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre o Programa Municipal de Parcerias Público- Privadas. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração - SCG.

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração - SCG. VOTO PROCESSO: 48500.005606/2014-31. INTERESSADO: Floraplac MDF Ltda. - Floraplac RELATOR: Diretor José Jurhosa Junior RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração - SCG. ASSUNTO:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004. Dispõe sobre o procedimento administrativo para aplicação de penalidades por infrações cometidas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Preâmbulo Considerando que o progressivo aumento do parque automóvel e, consequentemente, da procura de estacionamento para satisfação

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA n o 001/2008:

CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA n o 001/2008: CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA n o 001/2008: Procedimentos para análise dos limites, condições e restrições para participação de agentes econômicos nas atividades do setor de energia elétrica

Leia mais

Leis sobre TV paga - TV por Satélite REGULAMENTO SERVIÇO DE TRANSPORTE DE SINAIS DE TELECOMUNICAÇÕES POR SATÉLITE. Capítulo I DAS GENERALIDADES

Leis sobre TV paga - TV por Satélite REGULAMENTO SERVIÇO DE TRANSPORTE DE SINAIS DE TELECOMUNICAÇÕES POR SATÉLITE. Capítulo I DAS GENERALIDADES Leis sobre TV paga - TV por Satélite REGULAMENTO SERVIÇO DE TRANSPORTE DE SINAIS DE TELECOMUNICAÇÕES POR SATÉLITE Capítulo I DAS GENERALIDADES Art. 1o Este Regulamento dispõe sobre Serviço de Transporte

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUMBÁ GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUMBÁ GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 1.442, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2014 Regulamenta a modalidade de hospedagem alternativa denominada "Cama e Café", a qual foi instituída no âmbito do Município de Corumbá pela Lei Complementar n 177,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DA PREFEITA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DA PREFEITA LEI MUNICIPAL Nº. 2.238/2009 Revoga a Lei nº. 2002/2007, e dispõe sobre a concessão de incentivos fiscais para o desenvolvimento de atividades econômicas no Município de Viana e dá outras providências.

Leia mais

TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO

TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO Estes Termos de Serviços de Acompanhamento (i) regem os Serviços de Acompanhamento executados pela Parte Contratante UL para o Cliente, algumas vezes também referido

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS PORTARIA Nº 160, DE 5 DE MARÇO DE 2013 Dispõe sobre a habilitação das instituições privadas de ensino superior e de educação profissional técnica de nível médio e sobre a adesão das respectivas mantenedoras

Leia mais

(Apenso o PL nº 5.010, de 2009)

(Apenso o PL nº 5.010, de 2009) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 3.572, DE 2008 (Apenso o PL nº 5.010, de 2009) Dispõe sobre normas gerais acerca da prestação de serviços funerários, administração de cemitérios

Leia mais

Instituto Federal de Brasília

Instituto Federal de Brasília Instituto Federal de Brasília PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE ÉTICA NO USO ANIMAL (CEUA) CAPITULO 1 Das Finalidades Artigo 1º - O Comitê de Ética no Uso Animal CEUA do Instituto Federal de Brasília

Leia mais

PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008 Estabelece os requisitos técnicos e procedimentos para credenciamento de empresas prestadoras de serviço de vistoria em veículos automotores. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DA LINHA DA SUPER ECONOMIA

CONTRATO DE ADESÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DA LINHA DA SUPER ECONOMIA CONTRATO DE ADESÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DA LINHA DA SUPER ECONOMIA Por este instrumento, em que são partes: de um lado a TELEFÔNICA BRASIL S.A., concessionária do Serviço Telefônico Fixo Comutado,

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes 1 - A utilização do CRF até seu vencimento pressupõe que as obrigações acessórias da Resolução ANTT nº 1.166/2005 também devem ser cumpridas, como o porte obrigatório de documentos

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 392, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2015 Dispõe sobre aceitação, registro, vinculação, custódia, movimentação e diversificação dos ativos garantidores das operadoras no âmbito do sistema

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES Página: 1/08 Elaborado por: Claudio Francisco Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 22/07/13 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os critérios utilizados

Leia mais

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010 Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 1 CONDIÇÕES GERAIS DE SERVIÇOS Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 2 1. DISPOSIÇÕES GERAIS (a) A menos se de

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI nº 4.804-B, de 2001 (Apensos Projetos de Lei nºs 7.277, de 2002; 1.156, de 2003; 1.784, de 2003; 4.347, de 2004; 3.632, de 2008; e 6.249, de 2009) Dispõe

Leia mais

LEI Nº. 1183/2015. IV - fomento ao desenvolvimento da cultura de transparência na administração pública;

LEI Nº. 1183/2015. IV - fomento ao desenvolvimento da cultura de transparência na administração pública; PREFEITURA MUNICIPAL DE ITARANA LEI Nº. 1183/2015 Dispõe sobre procedimento para se obter acesso à informação no âmbito do Poder Executivo do Município de ltarana/es e dá outras providências. A Câmara

Leia mais

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador DEMÓSTENES TORRES PARECER Nº, DE 2009

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador DEMÓSTENES TORRES PARECER Nº, DE 2009 SENADO FEDERAL Gabinete do Senador DEMÓSTENES TORRES PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 114, de 2005 (PL nº 3.432, de 2004, na origem), do Deputado

Leia mais

Aspectos Jurídicos 1

Aspectos Jurídicos 1 Aspectos Jurídicos 1 Planejamento do conteúdo: 1. Direito de energia no Brasil Estrutura e funcionamento do Estado brasileiro Marcos regulatórios (CR, as Políticas, as Leis, as Agências) 2. A contratação

Leia mais

Reunião Plenária do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação FNCE Região Centro Oeste

Reunião Plenária do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação FNCE Região Centro Oeste Reunião Plenária do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação FNCE Região Centro Oeste Educação à Distância no Território Nacional: desafios e perspectivas Francisco Aparecido Cordão facordao@uol.com.br

Leia mais

a) Poderão participar empresas isoladas detentoras de projetos eólicos estruturados ( Projetos );

a) Poderão participar empresas isoladas detentoras de projetos eólicos estruturados ( Projetos ); CHAMADA PÚBLICA PARA SELEÇÃO DE POTENCIAIS PARCEIROS PRIVADOS, DETENTORES DE PROJETOS EÓLICOS ESTRUTURADOS, PARA PARTICIPAR DA CONSTITUIÇÃO DE SOCIEDADE DE PROPÓSITO ESPECÍFICO (SPE) VISANDO A GERAÇÃO

Leia mais

MANUAL SOBRE CONTRATOS DE ENERGIA ELÉTRICA E ESTRUTURA TARIFÁRIA 2012

MANUAL SOBRE CONTRATOS DE ENERGIA ELÉTRICA E ESTRUTURA TARIFÁRIA 2012 MANUAL SOBRE CONTRATOS DE ENERGIA ELÉTRICA E ESTRUTURA TARIFÁRIA 2012 Unidade Responsável: DCAL/SCRLP Data de elaboração: 17/10/2012 As orientações constantes neste manual foram retiradas das Notas Técnicas

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.111, DE 16 DE MAIO DE 2012. (publicado no DOE nº 095, 17 de maio de 2012) Regulamenta, no âmbito da Administração Pública Estadual, a Lei Federal nº 12.527, de 18 de novembro de 2011, que

Leia mais