Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais"

Transcrição

1 Fatos Relevantes Maio/2014 Maio/2008 Vendas Industriais A Variável Indústria apresenta Química recuo com de (- aumento 8,42%), de incluso 9,16% em o maio setor fornece sucroenergético a maior contribuição e (-24,23%) para sem o setor resultado sucroenergpético. global do faturamento, excluindo-se o setor Custo sucroalcooleiro. das Operações Industriais Custo Nível do das COI Operações é menor do que o Industriais mês anterior e apresenta a O maior nível retração do COI, excluindo-se ano com o (- setor 12,79%). sucroalcooleiro, é maior do que o ano anterior à medida que os gêneros Material Pessoal Empregado de Transporte, Editorial Indústria e Gráfica, Mecânica é o Metalúrgicas segmento que e Siderúrgicas registra o pior e Química desempenho registram em forte maio com expansão recuo na variável nos custos de em (-44,74%) Pessoal Empregado Produtos Remunerações Alimentares Pagas e Bebidas, A massa Têxtil, salarial Indústria apresenta Mecânica, em maio uma Sucroalcooleiro elevada redução, e Minerais fruto dos Não-Metálicos desligamentos são os do gêneros setor açucareiro. que registram os piores desempenhos em maio. Horas Trabalhadas Remunerações Horas trabalhadas Pagas na A produção massa salarial no mês no é mês maior é à superior registrada à registrada no mês ao anterior, mês anterior. sendo a única O gênero variável Produtos positiva Alimentares no mês de maio. e Bebidas responde por 79% desse aumento. Utilização da Capacidade Horas Instalada Trabalhadas Têxtil A UCI e Minerais aponta Não- sinais de Metálicos retração e Sucroalcooleiro da atividade são industrial os grandes do Estado gêneros em todas responsáveis as bases de comparação. pela redução da variável. Capacidade Instalada A UCI demonstra sinais de estabilidade ao retirar-se a influência sazonal açucareira. De forma geral, as empresas operam com níveis de utilização da capacidade instalada muito próximas de 80%. IEA Indicadores de Desempenho Maio/2014 RESUMO EXECUTIVO Embora a variável tenha apresentado recuo no mês de maio, o acumulado do ano apresenta variação positiva de 28,90%, resultado do avanço de alguns segmentos que apresentaram uma melhora no ano. O comportamento da Indústria alagoana no mês de maio é o resultado do menor nível de atividade do setor produtivo, mesmo que com a diminuição do recuo de (-27,94%) em abril para (- 8,42%) em maio. Nessa direção, a crise da indústria de transformação alagoana reflete, além do débil desempenho da economia doméstica e internacional, a perda da competitividade do segmento com maior participação na indústria, bem como uma redução da evolução decrescente da Formação Bruta de Capital Fixo, do consumo das famílias, das exportações e importações, que decresceram já a partir dois últimos trimestres de Mesmo em um cenário de novas indústrias, do estimulo a indústria por meio da desoneração fiscal e de salários ou a compra de conteúdo local, as estimativas de crescimento do PIB no ano para Alagoas serão baixas. Em maio de 2014, o índice de venda industrial diminuiu (-8,42%) face a abril de 2014, mas comparativamente a maio de 2013, a variação foi positiva na indústria em geral (+0.16%) e nula na indústria transformadora, sem os dados do setor sucronergético. Como tal, quando se compara o período explicitado com igual período de abril de 2014, a maioria das variáveis pesquisadas apresenta recuo expressivo, com destaque para a retração de Remunerações pagas (-18,63%) e (-12,79%) nos Custos de operações industriais. Por outro lado, as remunerações pagas recuaram, mas o movimento pode ser uma reversão à trajetória de alta dos salários ocorrida anteriormente, visto a adequação do aumento do mínimo e os reajustes acima da inflação obtidos pelos sindicatos. Logo, as empresas alagoanas parecem estar tentando evitar uma disparada nos gastos com salários que levaram ao aumento da variável já a partir de E mesmo com cortes de pessoal, a folha de pagamento da indústria não para de crescer. Com base nos resultados preliminares das estatísticas do comércio internacional pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, em maio de 2014, comparativamente a abril de 2014, as exportações recuaram (-55,8%) e as importações 65% (preços correntes). Frisa-se ainda, pelos dados disponibilizados que o Estado teve no mês uma primeira variação positiva no ano de (19%) em razão do valor de US$ 64,5 milhões exportados vis-à-vis a maio de Nesse sentido, Alagoas continua a ser o estado em que a pauta de exportações está mais concentrada no Nordeste, seguido do Piauí, Maranhão e Pernambuco, ou seja, quase 99% do volume configuram de açúcares e produtos de confeitaria, com 90%, e bebidas, líquidos alcoólicos e vinagres, com 9%. De janeiro a maio de 2014, o Estado exportou US$ 365,5 milhões, representando um recuo de (-39%) sobre igual período de Segundo o Sindaçúcar-AL, após oito meses, a safra 13/14 em Alagoas foi encerrada em maio com apenas 22 usinas em

2 operação das 24 unidades industriais existentes no Estado. Foram beneficiadas neste ciclo 21,9 milhões de toneladas de cana. Segundo levantamento do Sindaçúcar-AL, em comparação a safra 12/13, quando foram processadas 23,7 milhões de toneladas de cana, houve uma variação negativa de 7,6% Essas informações ilustram o período da entressafra açucareira e justificam de forma mais genérica o comportamento da safra alagoana. Ademais, no ciclo 13/14, foram produzidas 1,7 milhão de toneladas de açúcar (VHP, cristal e refinado). Ante a safra anterior, quando o setor contou com uma produção de 2,2 milhões de toneladas de açúcar, a variação foi de - 21,6%. Por outro lado, a entressafra do setor açucareiro afetou com maior intensidade a atividade industrial de alguns setores, principalmente, a dinâmica das cadeias produtivas devido aos setores dependentes da atividade para financiamento da produção, bem como para alavancagem de suas vendas junto ao mercado. Nessa direção, a Indústria Mecânica apresentou uma inadequada performance no mês de maio com o recuo de (-67,66%) nas vendas industriais. No tocante as novas indústrias, o estado de Alagoas foi agraciado no mês com o anúncio de três novas indústrias com investimentos de aproximadamente R$ 3,5 milhões no Estado e com geração de mais de 100 empregos diretos e indiretos. Entre as empresas, destacam-se a Fortemix Concreto com investimentos de R$ 2 milhões para a fabricação e comercialização de concreto industrializado e artefatos de concreto pré-moldados para uso na indústria de construção. Ademais, outro empreendimento será a indústria de alimentos Asa Branca com investimentos de R$ 1 milhão e com capacidade inicial de produção de 150 mil produtos por ano no mercado de conservas de peixes, crustáceos, moluscos, carnes e subprodutos do abate. Por fim, a indústria Casa Forte, especializada na fabricação e comercialização de massa de concreto, argamassa para construção, tintas, vernizes, esmaltes e lacas voltado para atender o mercado dos estados de Pernambuco, Paraíba e Sergipe estará sendo instalada em Alagoas. De acordo com os dados da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), apesar da melhora dos volumes de produção e de vendas internas de produtos químicos para uso industrial em maio, a base de comparação inclui os meses de fevereiro a abril, que tiveram desempenho ruim e puxaram as médias acumuladas de janeiro a maio de 2014 para patamares negativos, em relação ao mesmo período do ano passado. O índice de produção retraiu 7,07% e o de vendas internas caíram 2,60% no acumulado dos cinco primeiros meses do ano em relação a iguais meses de No contexto doméstico, a indústria química no mês apresentou recuo de (-19,47%) em seu faturamento interno e em termos de exportação. Todavia, no mês em questão, no acumulado de janeiro a maio, as vendas da maior empresa do setor tiveram alta de (10,66%). Em relação a maio de 2013, o crescimento foi de 0,02%. Ressalta-se que o setor também não está conseguindo vender seus produtos no mercado externo. Segundo os dados do CAGED, em maio de 2014 foram eliminados empregos celetistas, o que representou uma retração de 2,51% em relação ao estoque de assalariados com carteira assinada do mês anterior. Tal resultado decorreu da queda principalmente no setor da Indústria de Transformação (-7.527postos), devido à redução de postos na Indústria de Produtos Alimentícios decorrente das atividades fabricação de açúcar em bruto. O faturamento real da indústria alagoana registrou um recrudescimento de (-8,42%) em maio, na comparação com abril. O emprego industrial mostrou queda de (-0,01%), quando comparado a abril. A variável hora trabalhada registrou alta de (3,80%) frente a abril. O nível de UCI instalada recuou de 84% para 64% em maio. A massa salarial industrial apresentou uma queda de (-18,63%) no mês. Por fim, o COI recuou (-12,79%) frente a abril.

3 Venda industrial apresenta retração no crescimento do semestre. O baixo desempenho da venda industrial observado desde abril é oriunda da sazonalidade sucroenergética, se deve à entressafra. Além disso, a análise dos outros setores destaca o rebatimento do real desvalorizado e do alto custo de se produzir no estado, impactando na competitividade da indústria. Mesmo com estoques em alta e a forte concorrência do importados, as perspectivas para a indústria alagoana, excluso setor sucroenergético, nos próximos meses são razoalvemente animadoras. Todavia, analistas apontam sinais de retração em razão do ritmo da economia brasileira decorrente das medidas que visam conter o consumo e, consequentemente, a inflação e do alto custo de produção no estado, bem como da influência do nível de confiança da indústria e dos consumidores, aliada em conjunto as elevadas taxas de juros e de inflação com consequente diminuição no ritmo de consumo e investimentos que impacta negativamente o desempenho da indústria. Em maio de 2014, o desempenho da variável venda retraiu (-8,42%), quando comparado com o mês anterior. Certamente, um dos fatores que explicam o fraco indicador no mês é a sazonalidade da indústria sucroenergética diante da entressafra à medida que os demais setores apresentam condição de estabilidade. Em outra base de comparação, os dados revelam um crescimento de 28,90% na variável, quando avaliado o acumulado do ano de 2014.

4 O emprego mostrou relativa estabilidade em relação a abril e recuou (-0,01%) na comparação com as demais bases de comparação. Os resultados negativos de maio mostram-se pontuais para o mês à medida que as demais bases de comparação apresentam significativa estabilidade para o emprego industrial. No mês apenas os setores de Têxtil, Vestuário e Calçados e Papel, Papelão e Celulose com 5,53%, respectivamente, apresentaram relativo crescimento. Some-se a isso, ao desempenho da indústria diversa e mobiliário, que vinha sendo beneficiada por programas de governo voltados à habitação. Como tal, o dinamismo desse setor tem impulsionado a produção de insumos, como o segmento de minerais não metálicos, cuja base de comparação dos outros meses condiciona a elevação. Por sua vez, os dados quando exclusos à indústria do açúcar, apresentam o recuo de (-7,14%) contra abril. O que explica esse comportamento é a desaceleração da produção industrial, resultado do recuo de setores com magnitude no número de empregos na indústria. Mencione-se que uma queda no número de ocupados na indústria alagoana também foi registrada em abril ( 0,5%), ou seja, dois meses consecutivos de retração a taxas cada vez mais negativas. É importante destacar que as expectativas para o terceiro trimestre é de retração, exceto setor sucroenergético, considerando os efeitos da desaceleração do crédito, do consumo e do cenário de crise internacional. A análise da distribuição regional permite pontuar que o recuo do emprego em maio não foi um fenômeno generalizado em termos setoriais, pois a maioria absoluta dos setores não exerceu qualquer influência significativa no total, apresentando um cenário de acomodação.

5 Nos primeiros cinco meses do ano, a variável recuou (-26,95) % ante mesmo período de Em maio as horas trabalhadas na produção elevaram-se em (3,80%) frente a abril. No entanto, a maior influência negativa nos primeiros cinco meses do ano foi registrada no setor de Indústria Mecânica, com (-77,29%). O setor Sucroenergético apresentou a maior queda e contribuição no indicador, de (-26,84%). A análise do valor de horas trabalhadas na comparação com o mesmo mês do ano anterior já reflete a moderação da atividade industrial de 2014, como aponta a tendência no gráfico ao lado, considerando os movimentos do setor sucroenergético. Tal comportamento acompanha o recuo ano indicador de utilização da capacidade instalada. Sendo evidente o nível de atividade, o indicador de horas trabalhadas na produção cresceu na comparação de maio com abril de 2014, sendo que só 07 dos setores pesquisados mostraram crescimento. Entre aqueles que mais contribuíram para a expansão são destaques os setores de Indústria Diversas e Mobiliário (28,90%) e Produtos Plásticos e Borracha (51,20%.). Em termos dessazonalizados, o indicador recuou 11,44%. Nessa direção, o desempenho mostrase em conformidade com os condicionantes sazonais que envolvem a produção, e, por conseguinte as suas contratações. É importante, também, sublinhar o efeito calendário, visto que o mês de maio é, normalmente de menor aquecimento na indústria e apresentou dias úteis a menos que abril. No mês, os resultados apresentam sinais ambíguos em relação à tendência da variável em maio com a maioria dos setores em estabilidade e outros em expansão.

6 No mês, a massa salarial recuou (-18,63%) ante abril. A trajetória do conjunto dos Indicadores Industriais demonstra um quadro de continuidade da tendência de estagnação. Como tal, os dados da Pesquisa de Desempenho revelaram que a massa salarial recuou (-18,63%) em maio, frente ao mês anterior. Assim, o resultado da variável adveio quase que exclusivamente da condição histórica do mês de maio, especificamente, da alta base de comparação de abril, ou seja, do crescimento anterior das remunerações vinculadas as verbas rescisórias do setor sucroenergético. Nesse contexto, a expectativa é de continuidade do ritmo bastante moderado para os setores, especificamente, em decorrência da maior inflação e da escassez de mão-deobra. Da mesma forma, os componentes do índice corroboram o cenário desfavorável, e ao analisarmos o movimento de disseminação da atividade industrial, constata-se que seis, dos quinze gêneros pesquisados, apresentaram recuo nos salários em maio. A alta da inflação acumulada acima do teto da meta inflacionária afetou significativamente a massa salarial e o rendimento médio reais dos trabalhadores da indústria em maio. Sublinha-se que a maior retração na variável ocorreu no gênero Sucroenergético com (-30,40%). Cabe mencionar, conforme gráfico ao lado, que o índice desse mês delineou o pior de todos os meses de maio desde o início da série histórica da pesquisa, considerando um cenário de inflação. Ressalta-se que as contribuições mais positivas relevantes vieram das Indústrias Química com (13,95%) e Madeira com (4,38%). O aumento nas remunerações pagas por esses gêneros foi provocado pelo crescimento nas remunerações pagas aos trabalhadores, devido o aumento no número de postos de trabalho e de verbas rescisórias.

7 Em maio, o COI retraiu (-12,79%) frente a abril. Os custos industriais apresentaram queda em maio, sinalizando pressões decrescentes em decorrência da entresafra sucroenergética e também dos preços cobrados dos consumidores, segundo a Pesquisa de Indicadores Industriais. Os resultados do COI em maio, sem os dados do setor sucroenergético, apresentaram um recuo da ordem de (-14,37%) frente ao mês de abril. Já os dados da indústria alagoana com a influência da indústria sucroenergética registraram uma retração de (- 12,79%) na variável Custos de Operações Industriais, em comparação com mês anterior. Da mesma forma, os componentes do índice corroboram o cenário desfavorável, especialmente, as compras, que caíram 4,5%. Todavia, a variável se destaca em alguns gêneros, entre eles: Produtos de Matérias Plásticas e Borracha com (13,10%), Metalurgicas e Siderugicas com expansão de (7,79%) e Papel, Papelão e Celulose com exapansão de (5,53%). Assim, o índice do nível de atividade do COI em relação ao usual recuou, mas apresenta forte desempenho em alguns setores. Diante do cenário de crise em eminência, alguns fatores são destaque, entre eles: elevada carga tributária, taxa de câmbio valorizada e alta taxa de juros. Sabe-se que a elevada carga tributária é destaque na elevação do componente custo. Outrossim, a desvalorização cambial aumenta a competição com importados. Assim, seguiram registrando recuo de dois dígitos as indústrias: Produtos Alimentares e Borracha com (-43,89%) e Madeira com (-100%). Cabe mencionar, a despeito da considerável incerteza inerente às previsões sobre a trajetória do consumo, espera-se que a variável

8 aumente até final do semestre. FIEA Indicadores de Desempenho Maio/2014 Utilização da Capacidade Instalada recua em maio e sinaliza a formação de estoques. Os dados da pesquisa de indicadores de desempenho indicam que a utilização da capacidade instalada da indústria de Alagoas, incluso o setor sucroenergético, atingiu 64% em maio, ante 84,00% no mês anterior e 44,8% em maio do ano passado. O recuo no uso da capacidade aconteceu de forma mais suave frente a uma redução das horas trabalhadas. Por sua vez, os dados revelaram que a retracão de 1,00 p.p. na utilização da capacidade instalada, excluso o setor sucroenergético, foi mais intensa em relação a abril. Dos segmentos com maior grau de utilização no mês frente ao mês anterior, destacam-se: Indústrias Diversas e Mobiliário e Sucroenergético 0,90 0,80 0,70 0,60 0,50 0,40 0,30 0,20 0,10 - Capacidade Instalada Em termos explicativos, o recuo na produção industrial de alguns setores no ano trouxe conseqüências para a variável na medida em que a sustentação do setor em 2014 está pautado em um ambiente de elevada confiança para novos investimentos e no controle por meio de medidas macroprudenciais pelo governo. De forma geral, a retração da UCI em maio é observada em, praticamente, a metade dos 5 setores pesquisados. O recuo maior foi observado nos setores atrelados a dinâmica açucareira e aqueles em que sofreram os primeiros impactos das importacões devido as atividades sob impacto direto da desvalorização cambial.

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015 Publicado em Novembro de 2015 Fatos Relevantes Agosto/2015 Vendas Industriais As vendas industriais registraram expansão de 28,40% em agosto. Trata-se do maior aumento dos últimos três meses e aponta para

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

No Panorama Conjuntural FIEA desta edição será dado

No Panorama Conjuntural FIEA desta edição será dado No Panorama Conjuntural FIEA desta edição será dado destaque ao aumento do déficit comercial da indústria de transformação brasileira, alavancado pelo avanço do desequilíbrio comercial dos setores de alta

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

Indicadores de Desempenho Setembro de 2014

Indicadores de Desempenho Setembro de 2014 Setembro de 2014 Fatos Relevantes Setembro/2014 Vendas Industriais A indústria de material de transportes teve a maior elevação na variável vendas, com a variação positiva de 189,31%. Custo das Operações

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS Indicadores dos Níveis de Atividade e Emprego continuam em tendência de queda na Indústria da Construção de Alagoas e do Nordeste no 2º Trimestre de 2015 2º

Leia mais

COMENTÁRIOS. Em agosto de 2015, o total do pessoal ocupado assalariado na. indústria mostrou queda de 0,8% frente ao patamar do mês imediatamente

COMENTÁRIOS. Em agosto de 2015, o total do pessoal ocupado assalariado na. indústria mostrou queda de 0,8% frente ao patamar do mês imediatamente COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Em agosto de 2015, o total do pessoal ocupado assalariado na indústria mostrou queda de 0,8% frente ao patamar do mês imediatamente anterior, na série livre de influências

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos Fevereiro/2014 Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Retrospectiva 2013 Frustração das Expectativas 2 Deterioração das expectativas

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Indústria tem queda da atividade em novembro Os dados de horas trabalhadas, faturamento e utilização da capacidade instalada mostraram

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 25 número 07 agosto 2010 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Julho de 2010 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

COMENTÁRIOS. Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo

COMENTÁRIOS. Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo consecutivo, levando a uma

Leia mais

Economia em Perspectiva 2012-2013

Economia em Perspectiva 2012-2013 Economia em Perspectiva 2012-2013 Porto Alegre, 28 Nov 2012 Igor Morais igor@vokin.com.br Porto Alegre, 13 de março de 2012 Economia Internacional EUA Recuperação Lenta Evolução da Produção Industrial

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

Saldo de Empregos Celetistas Cearense - Fevereiro de 2014

Saldo de Empregos Celetistas Cearense - Fevereiro de 2014 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº58 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Índice de Vendas acumula queda de -1,02% até outubro Vendas do setor

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL OUTUBRO DE 2014 Outubro de 2014 www.fiergs.org.br Indústria cresce pelo quarto mês seguido O IDI/RS, Índice de Desempenho Industrial do Rio Grande do Sul, apontou

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

Produção Industrial Setembro de 2014

Produção Industrial Setembro de 2014 Produção Industrial Setembro de 2014 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - SETEMBRO/14 Conforme esperado, o segundo semestre está sendo melhor do que o primeiro. Estamos no terceiro mês consecutivo de

Leia mais

Análise do mercado de trabalho

Análise do mercado de trabalho Análise do mercado de trabalho 1 Introdução Esta análise tem como propósito a apresentação do desempenho do mercado de trabalho brasileiro no primeiro trimestre de 2010 com base, principalmente, nos indicadores

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Decomposição da Inflação de 2011

Decomposição da Inflação de 2011 Decomposição da de Seguindo procedimento adotado em anos anteriores, este boxe apresenta estimativas, com base nos modelos de projeção utilizados pelo Banco Central, para a contribuição de diversos fatores

Leia mais

Análise Setorial. Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3)

Análise Setorial. Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3) Análise Setorial Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3) A Sabesp divulgou ontem (09/05/2013, após o encerramento do mercado, seus números referentes ao primeiro trimestre de 2013. O

Leia mais

Informe Econômico SEFAZ/RJ

Informe Econômico SEFAZ/RJ Economia Mundial. Em julho, o cenário geopolítico internacional apresentou-se bastante conturbado. Entre os acontecimentos que têm gerado grande apreensão internacional, são destaques: (i) o aumento das

Leia mais

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 ARTIGOS Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 Fabiana Karine S. Andrade* Os investimentos industriais

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

Relatório Mensal - Julho

Relatório Mensal - Julho Relatório Mensal - Julho (Este relatório foi redigido pela Kapitalo Investimentos ) Cenário Global A economia global apresentou uma relevante desaceleração nos primeiros meses do ano. Nosso indicador de

Leia mais

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho Outubro de 2009 Julho de 2012 Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho O Índice de Confiança da Indústria de Transformação de Pernambuco (ICI-PE) volta a recuar em julho

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº56 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Ritmo de vendas do autosserviço diminui em agosto Resultado do mês

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 3º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 3º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 3º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 está sendo marcado pela alternância entre

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/215 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou os dados do Cadastro Geral de Empregados

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Pesquisa Anual da Indústria da Construção - PAIC levanta informações sobre o segmento empresarial da indústria da construção A em todo o Território Nacional. A presente análise apresenta

Leia mais

Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado

Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado O dinamismo do consumo privado, traduzindo a evolução favorável das condições dos mercados de trabalho e de crédito, e das expectativas dos consumidores,

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014

BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 BALANÇO ECONÔMICO 2013 & PERSPECTIVAS 2014 Porto Alegre, 4 de fevereiro de 2014 a CENÁRIO INTERNACIONAL CRESCIMENTO ANUAL DO PIB VAR. % ESTADOS UNIDOS: Focos de incerteza Política fiscal restritiva Retirada

Leia mais

Indicadores de Desempenho Junho de 2012

Indicadores de Desempenho Junho de 2012 Junho de 2012 PANORAMA CONJUNTURAL FIEA Governo adota medidas de incentivo à competitividade As medidas adotadas pelo Governo Federal para aumentar a competitividade da indústria brasileira estão no foco

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea),

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA. Duplo desafio para crescer mais

ECONOMIA BRASILEIRA. Duplo desafio para crescer mais Informativo CNI ECONOMIA BRASILEIRA Edição Especial do Informe Conjuntural Duplo desafio para crescer mais O BRASIL TEM UM DUPLO DESAFIO EM 2015: restaurar os fundamentos macroeconômicos e elevar a competitividade.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Castro

Prefeitura Municipal de Castro ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 (Art. 4º, 1º, inciso II do 2º da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000) DEMONSTRATIVO I ANEXO DE METAS ANUAIS Em cumprimento ao disposto

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio Nº 45- Maio/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em fevereiro de 2015, alta de 0,8% em relação ao mesmo

Leia mais

Informativo Mensal de Emprego CAGED nº 08/2012 1 16/08/2012

Informativo Mensal de Emprego CAGED nº 08/2012 1 16/08/2012 Informação e Análise do Mercado de Trabalho Informativo Mensal de Emprego CAGED nº 08/2012 1 16/08/2012 EM SANTA CATARINA SÃO CRIADAS 3.227 VAGAS DE EMPREGO EM JULHO Com isso se interrompe a trajetória

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E 2012 Camila Cristina Farinhaki Henrique Alves dos Santos Lucas Fruet Fialla Patricia Uille Gomes Introdução Este artigo tem como objetivo

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

PIB Produto Interno Bruto

PIB Produto Interno Bruto CARTA ECONÔMICA Nº 11/2015 Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, No atual momento econômico vem surgindo a dúvida se o Brasil está em recessão ou em depressão. Se por recessão

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR CAEM 42% EM FEVEREIRO

EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR CAEM 42% EM FEVEREIRO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 16/março/2015 n. 566 EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR CAEM 42% EM FEVEREIRO Os dados mais recentes de exportação de açúcar disponibilizados pela Secretaria de

Leia mais

O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016

O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016 O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016 Francisco José Gouveia de Castro* No início do primeiro semestre de 2015, o foco de atenção dos agentes tomadores de decisão, principalmente da iniciativa privada, é

Leia mais

Indicadores de Desempenho Novembro de 2014

Indicadores de Desempenho Novembro de 2014 Novembro de 2014 PANORAMA CONJUNTURAL FIEA A Economia Brasileira no terceiro trimestre de 2014 O desempenho da economia brasileira no terceiro trimestre de 2014, tanto na margem como em relação ao mesmo

Leia mais

Taxa de desemprego sobe para 5,7% em março

Taxa de desemprego sobe para 5,7% em março Taxa de desemprego sobe para 5,7% em março A taxa de desemprego registrou elevação para 5,7% em março ante 5, observado em fevereiro nas seis regiões metropolitanas pesquisadas na apuração da Pesquisa

Leia mais

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012 Relatório Econômico Mensal Abril - 2012 Índice Indicadores Financeiros...3 Projeções...4 Cenário Externo...5 Cenário Doméstico...7 Renda Fixa...8 Renda Variável...9 Indicadores - Março 2012 Eduardo Castro

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Relatório TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III. Julho de 2009

Relatório TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III. Julho de 2009 Relatório de Acompanhamento Setorial TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III Julho de 2009 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO SETORIAL TÊXTIL E CONFECÇÃO Volume III Equipe: Célio Hiratuka Samantha Cunha Pesquisadores e

Leia mais

Boletim Econômico da Scot Consultoria

Boletim Econômico da Scot Consultoria Boletim Econômico da Scot Consultoria ano 1 edição 2 22 a 28 de abril de 2013 Destaque da semana Alta na taxa Selic O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu elevar a taxa Selic para 7,50% ao ano,

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICO-FISCAIS

INDICADORES ECONÔMICO-FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA - SEF DIRETORIA DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO DIOR NOTA EXPLICATIVA: A DIOR não é a fonte primária das informações disponibilizadas neste

Leia mais

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Universidade Estadual de Campinas Instituto de Economia Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015 Dezembro/2015 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação cresceu 0,3% em outubro de 2015,

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº59 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Supermercados mostram queda de -1,61% até novembro Desemprego e renda

Leia mais

Boletim informativo: Brasil em Foco

Boletim informativo: Brasil em Foco mar/02 dez/02 set/03 jun/04 mar/05 dez/05 set/06 jun/07 mar/08 dez/08 set/09 jun/10 mar/02 dez/02 set/03 jun/04 mar/05 dez/05 set/06 jun/07 mar/08 dez/08 set/09 jun/10 Edição 3 Boletim informativo: Brasil

Leia mais

Panorama Econômico - Outubro/08

Panorama Econômico - Outubro/08 Panorama Econômico - Outubro/08 COMÉRCIO INTERNACIONAL BALANÇA COMERCIAL MENSAL (OUTUBRO/2008) - MDIC Fato Em outubro, a Balança Comercial fechou com superavit de US$ 1,21 bilhão, resultado de exportações

Leia mais

Seminário debate eficiência energética e apresenta projetos para economia e uso racional na indústria

Seminário debate eficiência energética e apresenta projetos para economia e uso racional na indústria FIEG ANÁPOLIS Seminário debate eficiência energética e apresenta projetos para economia e uso racional na indústria presidente da Fieg Regional O Anápolis, Wilson de Oliveira participou, na última sexta-feira,07,

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral

Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral 6 análise de conjuntura Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral Brasileiro Vera Martins da Silva (*) As perspectivas sombrias sobre a economia brasileira se confirmaram e houve

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional 9 dez 2008 Nº 58 Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional Por Fernando Pimentel Puga e Marcelo Machado Nascimento Economistas da APE Levantamento do BNDES indica

Leia mais

Sustentabilidade da Dívida Brasileira (Parte 2)

Sustentabilidade da Dívida Brasileira (Parte 2) 36 temas de economia aplicada Sustentabilidade da Dívida Brasileira (Parte 2) Raí Chicoli (*) Este é o segundo de uma série de três artigos que tratarão do tema da sustentabilidade da dívida brasileira.

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2015

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2015 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2015 Data: 10/08/2015 Participantes Efetivos: Wagner de Jesus Soares Presidente, Mariana Machado de Azevedo Economista, Rosangela Pereira

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Leão Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

Economia para Trabalhadores,

Economia para Trabalhadores, Economia para Trabalhadores Ano 3, Edição XXXII Novembro de 2015 Nesta edição: Resumo de Conjuntura Econômica Resumo de Indicadores do Mercado de Trabalho Atividade Industrial no Atividade Industrial em

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

1ª GESTÃO DILMA. Menor rigor fiscal. Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito

1ª GESTÃO DILMA. Menor rigor fiscal. Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito 1ª GESTÃO DILMA Menor rigor fiscal Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito Controles diretos de preços (gasolina e energia, por exemplo) e desonerações

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Resultados 2T14 em português TOTVS (TOTS3 BZ) 31 de julho de 2014

Transcrição da Teleconferência Resultados 2T14 em português TOTVS (TOTS3 BZ) 31 de julho de 2014 Operadora: Bom dia. Sejam bem-vindos à teleconferência da TOTVS referente aos resultados do 2T14. Estão presentes os senhores Alexandre Mafra, Vice-Presidente Executivo e Financeiro e Vice-Presidente de

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº57 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Setor de supermercados acumula queda de -0,96% Renda e inflação afetam

Leia mais

Agora gostaríamos de passar a palavra ao Sr. Marcial Portela. Por favor, Sr. Portela, pode prosseguir.

Agora gostaríamos de passar a palavra ao Sr. Marcial Portela. Por favor, Sr. Portela, pode prosseguir. Operadora: Boa tarde, e obrigada por aguardarem. Sejam bem-vindos à teleconferência de resultados relativos ao 2T12 do Banco Santander S.A.. Presentes aqui estão o Sr. Marcial Portela, Presidente Executivo

Leia mais

Indicadores de Desempenho Junho de 2014

Indicadores de Desempenho Junho de 2014 Junho de 2014 PANORAMA CONJUNTURAL FIEA Lenta recuperação da economia global Os dados do último relatório World Economic Outlook do FMI, como podem ser observado nos gráficos nº 1 e 2, deixam claro que

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO PIB PARANAENSE - 2009 A 2014

A EVOLUÇÃO DO PIB PARANAENSE - 2009 A 2014 A EVOLUÇÃO DO PIB PARANAENSE - 2009 A 2014 Marcelo Luis Montani marcelo.montani@hotmail.com Acadêmico do curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Mônica Antonowicz Muller monicamuller5@gmail.com Acadêmica

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 2/2 - Janeiro de 2014

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 2/2 - Janeiro de 2014 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 - Janeiro de 2014 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 Maio de 2012

e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 Maio de 2012 Notícias do Comércio Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 Maio de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais