PANOPTICON VIRTUAL DA CONTEMPORANEIDADE: o Currículo Lattes como possibilidade de controle e vigilância na Área de Arte

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PANOPTICON VIRTUAL DA CONTEMPORANEIDADE: o Currículo Lattes como possibilidade de controle e vigilância na Área de Arte"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE ANA LÚCIA DE SOUZA PANOPTICON VIRTUAL DA CONTEMPORANEIDADE: o Currículo Lattes como possibilidade de controle e vigilância na Área de Arte São Paulo 2010

2 ANA LÚCIA DE SOUZA PANOPTICON VIRTUAL DA CONTEMPORANEIDADE: o Currículo Lattes como possibilidade de controle e vigilância na Área de Arte Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação, Arte e História da Cultura da Universidade Presbiteriana Mackenzie, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Educação, Arte e História da Cultura. Orientador: Prof. Dr. Paulo Roberto Monteiro Araujo São Paulo 2010

3 S729p Souza, Ana Lucia Panopticon Virtual da contemporaneidade: o Currículo Lattes como possibilidade de controle e vigilância na área de Arte / Ana Lúcia de Souza São Paulo, f.. ; 30 cm Dissertação (Mestrado em Educação, Arte e História da da cultura) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Bibliografia: f Mecanismos de controle. 2. Relações de poder. 3. Ensino Superior. 4. Currículo Lattes. 5. Michel Foucault. 6. Panopticon Virtual. I. Título. CDD

4 ANA LÚCIA DE SOUZA PANOPTICON VIRTUAL DA CONTEMPORANEIDADE: o Currículo Lattes como possibilidade de controle e vigilância na Área de Arte Dissertação apresentada à Universidade Presbiteriana Mackenzie como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Educação, Arte e História da Cultura Aprovado em BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Paulo Roberto Monteiro Araujo - orientador Universidade Presbiteriana Mackenzie Profa. Dra. Márcia Angelita Tiburi Universidade Presbiteriana Mackenzie Profa. Dra. Carla Andrea Soares Araujo Centro Universitário da FEI

5 A educação é uma comunicação de si, isto é, do próprio modo de se relacionar com o real. O homem, de fato, é uma modalidade viva de relação com o real. Luigi Giussani

6 Para Marcelo, grande amor, amigo, companheiro sempre, nos caminhos de um destino infinito.

7 AGRADECIMENTOS Ao Prof. Dr. Paulo Roberto Monteiro Araujo, grande amigo, por toda orientação, compreensão e profissionalismo nesses anos que pudemos compartilhar essa jornada em busca do conhecimento. Obrigada por fazer parte da minha trajetória acadêmica, pois contribuiu para meu crescimento por meio de sua preciosa convivência. Ao Instituto Presbiteriano Mackenzie, na pessoa do Dr. Gilson Novaes, agradeço o incentivo e o apoio na concessão de desconto financeiro que foi fundamental para a realização desta pesquisa e permitiu a realização de um grande desejo de ampliar meus horizontes de conhecimento. Sem este apoio não teria sido possível trilhar esses caminhos. Ao Centro de Comunicação e Letras, em especial à Profa. Dra Esmeralda Rizzo, pelo apoio, amizade e carinho. Agradeço, profundamente, pela grande oportunidade de cursar o Mestrado em Educação, Arte e História da Cultura. Ao MackPesquisa, pelo subsídio da Reserva Técnica, sendo este auxílio de fundamental relevância para o sucesso desta pesquisa, sem a qual, não poderia ter ampliado os horizontes fronteirísticos desta investigação. Aos professores e colegas do Centro de Comunicação e Letras, que tanto contribuíram para meu crescimento acadêmico e profissional e às minhas colegas de turma Ana Luisa Campos Souza e Beatriz Albuquerque que compartilharam comigo os momentos de alegria, de descoberta, de angústia e que tornaram esse período uma ocasião para reforçar os laços de uma verdadeira amizade. Nós conseguimos! À profa. Ms. Célia Guimarães Helene, minha grande amiga, agradeço por todo o apoio, fundamental para a conclusão deste trabalho, e manifesto todo o meu respeito, carinho e admiração. À minha família, em especial, à minha mãe Elizabete, minha irmã Alessandra e meu sobrinho Miguel, que compartilharam comigo dessa realização, apoiando-me para trilhar os degraus dessa caminhada. Aos meus amigos João e Fernanda e à minha grande amiga Eli, que perto ou à distância dividiram comigo os desafios que a vida nos coloca, tornando nossa amizade preciosa e duradoura. Aos amigos do Movimento Comunhão e Libertação, que me ensinaram, pelo carisma de Dom Luigi Giussani, a reconhecer Cristo no cotidiano da vida através da nossa companhia.

8 RESUMO Essa dissertação consistiu numa pesquisa acerca das relações de poder-saber, de disciplina e vigilância da sociedade disciplinar e sociedade vigilante presentes na idéia de panoptismo próprio da sociedade contemporânea apontados por Michel Foucault, e o formulário eletrônico Currículo Lattes, do CNPq, para o cadastro de dados relativos à produção acadêmica de pesquisadores vinculados ao Ensino Superior do Brasil. Procuramos apreender, a partir dos estudos correspondentes à conceituação de Michel Foucault, os principais pressupostos teóricos com a finalidade de estabelecer uma relação de semelhança entre tais conceitos e o formulário eletrônico entendido como um mecanismo de disciplina e controle das pesquisas acadêmicas do país. Assim, procedemos com um levantamento histórico acerca do surgimento do Ensino Superior no Brasil com a finalidade de apreender características deste processo que contribuíram para o surgimento de mecanismos de controle como o Currículo Lattes, tornado referência nacional para o registro de tais atividades. Buscamos identificar as características deste dispositivo tecnológico a partir de um panorama histórico de seu surgimento e de sua repercussão em âmbito nacional. Identificamos ainda quais características o assemelham às teorias foucaultianas adotando o termo Panopticon Virtual da contemporaneidade e como este dispositivo age nos comportamentos dos sujeitos humanos - em especial da área de Arte - vinculados a instituições de Ensino Superior. Para apreender tais percepções recorremos a pesquisa de campo, com a realização de entrevistas com membros ligados ao CNPq e, por outro lado, pesquisadores artistas de instituições de relevância em Arte no contexto acadêmico, com titulação em Arte, com atuação em cursos de graduação e pós-graduação nesta Área de Conhecimento. Esta investigação permitiu compreender as relações de poder que o dispositivo representa no meio acadêmico, bem como clarificar a configuração de uma cultura de produtividade a partir de quesitos pré-estabelecidos que podem, por meio de um dispositivo de controle e vigilância, impor, a partir de interesses específicos, uma conduta de professores e pesquisadores frente às demandas do cenário institucional universitário brasileiro. Palavras-chaves: Mecanismos de Controle. Relações de Poder. Ensino Superior. Currículo Lattes. Panopticon Virtual.

9 ABSTRACT This dissertation is the result of a research on the relationship between power and knowledge, and among discipline, surveillance by the disciplinarian and vigilant society present in the idea of panoptism peculiar to contemporary society, pointed out by Michel Foucault, and the electronic form called Lattes CV (of CNPq National Council of Technological and Scientific Development) used for registering data concerning the academic output of researchers linked to higher education in Brazil. Based on studies related to Michel Foucault s concepts expounded in his works that deal with this subject, it is an attempt at understanding the main theoretical foundation with a view to establishing the similarities between such concepts and the electronic form, taken as a mechanism for the disciplining and control of academic research in the country. To this end, we make a historical survey of the beginnings of higher education in Brazil in order to explain the characteristics of this process which contributed to the development of control mechanisms such as the Lattes CV, which has become a national reference for the recording of research activities. We try to identify the characteristics of this technological device starting with a historical survey of its beginnings and of its reception on a national level. We also describe which characteristics approximate it to the Foucaultian theories by adopting the term Virtual Panopticon of contemporary society, and how this device affects the behavior of human subjects particularly in the arts area linked to higher education institutions. In order to ascertain such perceptions we resorted to field research, carrying out interviews with CNPq members and, on the other hand, with artists who are researchers from relevant universities, holding academic titles and teaching in undergraduate and graduate courses in the arts area. This investigation allowed us to understand the power relations represented by the device in the academic milieu as well as clarify the configuration of a productivity culture by means of pre-established questions which may, through a control device and serving specific interests, impose a conduct on professors and researchers to answer the demands of the Brazilian university institution scenery. Keywords: Control mechanisms. Power relations. Higher Education. Lattes CV. Virtual Panoptico

10 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO A TEORIA FOUCAULTIANA E OS MECANISMOS DE CONTROLE: PRESSUPOSTOS PARA A COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES DE PODER E VIGILÂNCIA EM CONTEXTOS CONTEMPORÂNEOS FOUCAULT E AS RELAÇÕES DE PODER: AS PRÁTICAS DOS MICRO-PODERES E A DISCIPLINA COMO EXERCÍCIO DE PODER VIGILÂNCIA E SOCIEDADE DISCIPLINAR: FACES DE UM MECANISMO DE CONTROLE O PANOPTICON E A SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: TECNOLOGIA DO PODER DISCIPLINAR SOCIEDADE DA VIGILÂNCIA E O CURRÍCULO LATTES: DISPOSITIVO TECNOLÓGICO DE CONTROLE NO CONTEXTO ACADÊMICO CONTEMPORÂNEO 30 CAPÍTULO 2 37 CURRÍCULO LATTES: DISPOSITIVO DISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL O ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E AS REFORMAS DO ESTADO: CONDIÇÕES PARA O SURGIMENTO DO CURRÍCULO LATTES O CNPQ E O CURRÍCULO LATTES: SISTEMA DE REFERÊNCIA NACIONAL DE REGISTRO DA PRODUÇÃO ACADÊMICA O FORMULÁRIO DO CURRÍCULO LATTES: MODELO DO PANOPTICON VIRTUAL DA CONTEMPORANEIDADE 61 CAPÍTULO 3 A ÁREA DE ARTE E O CURRÍCULO LATTES: DIÁLOGOS POSSÍVEIS PARA A COMPREENSÃO DO DISPOSITIVO TECNOLÓGICO NA CONTEMPORANEIDADE O CURRÍCULO LATTES E A ÁREA DE ARTE: REPERCUSSÕES NO CONTEXTO ACADÊMICO O CNPQ, OS PESQUISADORES E O CURRÍCULO LATTES: MECANISMO DE PODER DIANTE DA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO 80 CONSIDERAÇÕES FINAIS BIBLIOGRAFIA APÊNDICE I - QUESTIONÁRIOS ELABORADOS PARA A REALIZAÇÃO DAS ENTREVISTAS 141 APÊNDICE II - MEMORIAL SIMPLIFICADO DAS ENTREVISTAS REALIZADAS APÊNDICE III - TRANSCRIÇÃO DAS ENTREVISTAS REALIZADAS (NA ÍNTEGRA) ANEXOS - MODELO DO FORMULÁRIO CURRICULO LATTES

11 INTRODUÇÃO A temática que envolve a compreensão dos aspectos que permeiam a constituição do Ensino Superior no Brasil e o papel da Universidade, representado pela sociedade em geral, requer perspicácia para apreender aspectos pertinentes à sua ampla atuação no campo da cultura e da produção do conhecimento. Faz-se relevante identificar em que medida influencias político-econômicoculturais, impulsionadas pelos avanços das novas tecnologias, incidem numa cultura própria da contemporaneidade acadêmica pautada em uma produção de conhecimento relacionada à quantidade para atendimento de quesitos pré-estabelecidos por instituições de ensino e órgãos reguladores como o Ministério da Educação (MEC) 1, o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e agências de fomento como CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). Essa investigação partiu de uma inquietação acerca da latente exigência de que o pesquisador brasileiro torne visível toda a sua produção em âmbito acadêmico. Para isso, foi criado um espaço de visualização e controle das produções, por meio de um dispositivo tecnológico, a saber, o Currículo Lattes, um sistema único de informações, integrado, que atende às exigências do CNPq para a avaliação de competência e mérito na concessão de bolsas para pesquisas. Além disso, o formulário tornou-se referência nacional para outras instituições de fomento e instituições ligadas ao ensino superior. Tomamos como ponto de partida para o desenvolvimento desta pesquisa a análise das relações de poder e o Currículo Lattes como instrumento de vigilância, a partir da obra de Michel Foucault, presentes na temática acerca da Sociedade Disciplinar. A idéia de Panoptismo, associada ao formulário eletrônico, permitiu-nos transitar entre os campos do conhecimento acadêmico, em particular a área de Arte, que contemplam os limites e intersecções e que compreendem o limiar das áreas de investigação: história da cultura, educação e as novas tecnologias. Aprofundamos nossa análise na possibilidade do Currículo Lattes estar assemelhado à idéia do Panopticon, que traz consigo os conceitos que serão abordados nas teorias foucualtianas acerca das relações de poder-saber, de disciplina, de vigilância 1 Identificaremos, a partir desse ponto, as instituições por suas siglas, a saber: MEC (Ministério da Educação), MCT (Ministério da Ciência e Tecnologia), CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), CNPQ (Conselho nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). 1

12 que são regidas por um poder microscópico e discreto. Este poder agindo na sociedade contemporânea foi denominado por Foucault (2008b) de microfísica do poder, atuando enquanto tecnologia de poder nos âmbitos sociais, em particular nos ambientes acadêmicos. Direcionamos nossa pesquisa no campo de atuação deste dispositivo, a partir de uma perspectiva acerca da efetividade da produção acadêmica versus atendimento de requisitos de modelos padronizados. Sob esse prisma investigamos se este dispositivo tecnológico pode ser considerado como um mecanismo de vigilância e controle e se este pode influenciar e direcionar a produção do conhecimento por meio do seu próprio mecanismo. Michel Foucault (2008a) em sua produção teórica teve como principal objetivo investigar as condições histórico-filosóficas de existência das ciências do homem, situando-as em relação a outros saberes da modernidade. 2 O autor oferece, por meio de sua obra, elementos de grande relevância acerca da análise realizada, apresentando conceitos sobre as relações de poder e os procedimentos existentes no cadastro das produções acadêmicas no Currículo Lattes. Este dispositivo de visualização nos permite salientar que o conceito de disciplina pode ser identificado na medida em que: A 'disciplina' não pode se identificar com uma instituição nem com um aparelho; ela é um tipo de poder, uma modalidade para exercê-lo, que comporta todo um conjunto de instrumentos, de técnicas, de procedimentos, de níveis de aplicação, de alvos; ela é uma 'física' ou uma 'anatomia' do poder, uma tecnologia. (FOUCAULT, 2008a, p.177). Pudemos apreender nesta pesquisa que a produção de conhecimento normatizado por um instrumento tecnológico insere o pesquisador - por meio de relações de poder - numa nova situação no que tange à produção de conhecimento na academia. Nesse sentido, aprofundamos nossa investigação para identificar elementos conceituais das teorias foucaultianas que pudessem ser analisados sob o prisma do formulário eletrônico Currículo Lattes enquanto uma tecnologia de poder que permite um controle que não só determina o pesquisador, mas pode torná-lo refém de uma produtividade cujo propósito é o de atender à demanda desse dispositivo: registro de atividades científicas em tempo real. 2 Roberto Machado. 'Orelha' do livro Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal,

13 Ao apreendermos questões relacionadas ao Currículo Lattes e às práticas de sua utilização no meio acadêmico, nos deparamos com uma questão considerada de grande relevância acerca das áreas de conhecimento. Elegemos aprofundar esta temática a partir do viés da área de Arte. O interesse por analisar estas relações se deu em função da identificação de que esta área possuía um índice baixo de adesão ao currículo em relação a outras áreas de conhecimento cadastradas na base de dados do CNPq. Nesse sentido ainda, a área de Artes é agrupada às Áreas de Letras e Lingüística, o que nos levou a verificar uma redução de sua classificação, uma vez que esta área possui uma identidade própria. Segundo informação disponível na Plataforma Lattes acerca dos registros dos pesquisadores cadastrados no Currículo: A distribuição dos doutores cadastrados na Plataforma Lattes por área aponta uma maior concentração nas áreas de Ciências Exatas e da Terra e Humanas, seguidas por Ciências da Saúde, Biológicas e Engenharias. (PLATAFORMA LATTES, 2008). Identificamos que a área de Arte ocupa lugar pouco expressivo junto ao dispositivo, o que despertou-nos o interesse sobre como tal formulário incidia ou não em profissionais da área com atuação em ambientes acadêmicos, uma vez que o Currículo Lattes tornou-se de preenchimento obrigatório para todos os participantes de atividades com relevância acadêmica no país. Portanto, para obter os subsídios necessários ao desenvolvimento dessa pesquisa, recorremos ao estudo das obras de referência do filósofo francês Michel Foucault, a propósito da conceituação das relações de poder-saber, da sociedade disciplinar, da vigilância e da idéia de Panopticon para identificar as relações de contradição e semelhança entre o formulário eletrônico Currículo Lattes e a abordagem foucaultiana aplicada na contemporaneidade. Utilizamos ainda alguns autores contemporâneos que discutem e ampliam as temáticas relacionadas aos conceitos apresentados por Foucault e que acrescentam novos elementos como as novas tecnologias, que estiveram presentes ao longo desta investigação. Procedemos uma pesquisa documental, junto à fonte de informações acerca do Currículo Lattes disponível no site da agência da fomento. Esta fonte nos permitiu estabelecer um histórico do formulário, bem como a caracterização de sua estrutura e sua consolidação em âmbito acadêmico nacional e internacionalmente reconhecido. 3

14 A fim de compreendermos estas relações de poder em detalhes, por meio de pesquisa qualitativa, nos valemos do instrumento de pesquisas semi-abertas, nas quais, a partir da análise de relatos orais, buscamos apresentar as relações estabelecidas entre o dispositivo e pesquisadores da área de Arte, além de profissionais que participam da equipe técnica, dos Comitês Assessores em Arte do CNPq, bem como da Diretoria de Assuntos Horizontais que abriga o Currículo Lattes na estrutura formal da Agência de Fomento. É relevante destacarmos que a metodologia adotada para a análise das entrevistas foi a História Oral. Enquanto instrumento metodológico destacamos a necessidade de um roteiro para a realização das entrevistas a partir da definição dos pressupostos e objetivos que se pretende alcançar, bem como a escolha de recursos tecnológicos como a gravação, filmagem ou transcrição dos relatos, para garantir-lhes segurança e veracidade em seu tratamento posterior durante a pesquisa. Meihy (1996) ressalta que: História oral é um conjunto de procedimentos que se iniciam com a elaboração de um projeto e continuam com a definição de um grupo de pessoas (ou colônia) a serem entrevistados, com a transcrição, com a conferência do depoimento, com a autorização para o uso, arquivamento e, sempre que possível, com a publicação dos resultados que devem, em primeiro lugar, voltar ao grupo que gerou as entrevistas. (MEIHY, 1996, p. 15). Em nossa análise adotamos a modalidade história oral temática e de vida apontadas por Meihy em sua obra Manual de História Oral 3. Segundo o autor, pesquisas baseadas em relatos orais "dependem de entrevistas com pessoas que estão com as faculdades mentais em boas condições e se apresentam para dar depoimento independente de pagamentos ou outros benefícios materiais" (1996, p. 16). Desta forma, todos os entrevistados se dispuseram a contribuir com esta pesquisa sem qualquer interesse particular e, a partir dos relatos que foram muito proveitosos, pudemos elencar de forma satisfatória as categorias de análise postuladas para este estudo. Nesta perspectiva, tais conceitos tornam-se muito úteis em nossa análise, posto que nosso objetivo foi o de compreender por meio dos relatos orais dos sujeitos entrevistados seus papéis enquanto pesquisadores da área de Arte frente a um dispositivo tecnológico, o Currículo Lattes, em que buscamos identificar se esse dispositivo pode ser considerado um aparelho de vigilância e poder. Analisamos ainda se ele pode ser 3 MEIHY, J.C.S.Manual de História Oral. São Paulo: Loyola,

15 assemelhado à idéia de prisão denominada de Panopticon por Michel Foucault e adotado por nós nessa pesquisa como Panopticon Virtual. 4 Com a finalidade de estabelecer um diálogo entre as vozes e olhares de nossos entrevistados, nossa análise abordou a temática proposta a partir da delimitação de alguns tópicos, que ao serem analisados singularmente nos foram grandes auxiliadores na compreensão do contexto a que nossos entrevistados estiveram relacionados e possibilitaram uma amplitude no aprofundamento desta pesquisa. Os tópicos elencados para a análise foram dispostos em quatro categorias operatórias, a saber: Currículo Lattes e Mecanismos de Controle; Área de Arte e Sociedade Vigilante; Ética e Relações de Poder, e Disposições & Aprimoramento do Currículo Lattes. Esses tópicos foram utilizados para a apreensão temática acerca das questões que envolveram a percepção que os pesquisadores têm desta ferramenta, bem como sua visualização dos posicionamentos institucionais, além de contribuir para a abordagem específica de contextualização da área de Arte, mediante a esta ferramenta tecnológica de registro de atividades acadêmicas. No primeiro capítulo apresentamos os pressupostos teóricos que fundamentam nossa pesquisa, baseados nas teorias foucaultianas acerca da conceituação das relações de Poder-saber, da Sociedade Disciplinar e Sociedade Vigilante, associadas ao Currículo Lattes enquanto dispositivo de controle e vigilância das pesquisas acadêmicas do país. Por meio de uma reflexão crítica apresentamos os conceitos de Disciplina como exercício de poder nas práticas disciplinares, muito comuns em diversos âmbitos da sociedade contemporânea. O conceito de microfisica de poder abordado trouxe grande contribuição para a análise das relações de poder proposta neste capítulo. Aprofundamos a temática ao abordarmos os conceitos de Vigilância e Sociedade Disciplinar como faces de um mecanismo de controle que conduzem a uma prática disciplinar atuante na consciência do agente humano e que permitem a utilização da idéia de Panopticon. Essa idéia adotada por Foucault define-o como uma prisão que tem o objetivo de realizar mudanças no comportamento dos indivíduos segundo interesses daqueles que se utilizam de tal mecanismo. O Panopticon é apresentado na sociedade contemporânea como uma tecnologia de poder disciplinar que pode ser assemelhado à idéia do Currículo Lattes utilizado como um mecanismo de controle. Adotamos em nossa pesquisa o termo 4 Adotamos o termo Panopticon Virtual da contemporaneidade para destacar a relação que postulamos neste estudo acerca da semelhança da abordagem foucaultiana e os impactos sociais e culturais deste modelo - impulsionado pelas novas tecnologias - em nossa contemporaneidade. 5

16 Panopticon Virtual da contemporaneidade para definir o Currículo Lattes, uma vez que o formulário apresentou características apontadas por Foucault. Tais elementos, impulsionados pelas novas tecnologias, permitiram uma sofisticação da arte de controlar em ambientes acadêmicos. No segundo capítulo contextualizamos o surgimento do Ensino Superior no Brasil com vistas a destacar as características deste processo de construção das Universidades e Escolas Superiores. Apresentamos o início da busca de uma identidade que, contudo, será pautada em parâmetros de avaliação e competência que permitiram o desenvolvimento de sistemas como a Plataforma Lattes, que abriga o Currículo Lattes. Aprofundamos a temática apresentando um contexto da criação do formulário tecnológico, suas características em ambientes acadêmicos, sua estrutura, seu desenvolvimento e sua consolidação como sistema de referência nacional das produções acadêmicas. Propomos ainda uma reflexão crítica acerca do dispositivo tecnológico enquanto modelo do Panopticon Virtual da contemporaneidade, apresentando as características e semelhanças do Panopticon postuladas por Michel Foucault, e a análise do Currículo Lattes como exemplo do panoptismo enquanto tecnologia de poder. No terceiro capítulo apresentamos detalhadamente a estrutura da pesquisa de campo realizada por meio de entrevistas com professores pesquisadores-artistas com titulação e atuação no Ensino Superior em Arte, representantes do Comitê Assessor em Arte, equipe técnica do CNPq, o Diretor de Assuntos Horizontais do CNPq e o presidente da Comissão do Currículo Lattes do CNPq. Apresentamos algumas características relevantes acerca da Área de Arte em contexto educacional de Ensino Superior. São destacadas as dificuldades de enquadramento desta área de conhecimento em parâmetros e pré-requisitos devido sua grande diversidade de linguagens. Este capítulo aprofunda a discussão acerca de produção de conhecimento e de reconhecimento e valorização da área de Arte. A análise das entrevistas nos permitiu identificar as relações desta Área com a estrutura do formulário, além de apresentar semelhanças que nos possibilitaram adotar o termo Panopticon Virtual da contemporaneidade para este dispositivo. Aprofundamos essa temática ao estabelecermos uma análise crítica do formulário eletrônico e das relações de produção do conhecimento na contemporaneidade. Estas, impulsionadas pelas novas tecnologias, incutem uma cultura de produtividade pautada em quesitos quantitativos adotados por Universidades e Institutos de Pesquisa para atender a demandas de órgãos 6

17 de regulamentação de Cursos como o MEC e CAPES; e de agências de fomento como CNPq e FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) 5, dentre outras. Por meio das categorias de análise pudemos destacar aspectos singulares acerca das peculiaridades do sistema e estabelecer um diálogo dos entrevistados com o referencial teórico proposto nesta investigação. A pesquisa proporcionou a compreensão da leitura do Currículo Lattes enquanto dispositivo tecnológico de vigilância e controle das produções acadêmicas, tendo como recorte de análise a área de Arte. Essa investigação possibilitou identificar aspectos específicos desta área de forma que o debate acerca da produção do conhecimento autêntico versus produção, a partir de quesitos pré-estabelecidos, deve ser amplamente fomentado para garantir que tais características de diversidade cultural acadêmica sejam consideradas no contexto educacional superior. Essa pesquisa lança novas possibilidades de investigação acerca da necessidade de valorização da área de Arte e, sobretudo, da necessidade de mudanças nos processos de avaliação da produção acadêmica e científica que possam garantir a originalidade e qualidade das pesquisas a serem desenvolvidas nos país. 5 Identificaremos, a partir deste ponto, a instituição por sua sigla. 7

18 CAPÍTULO 1 A teoria foucaultiana e os mecanismos de controle: pressupostos para a compreensão das relações de poder e vigilância em contextos contemporâneos Consideramos relevante num primeiro momento, apresentar algumas das concepções abordadas na obra de Michel Foucault tomado como referencial teórico e de alguns autores contemporâneos que discutem e ampliam as temáticas relacionadas às relações de poder-saber, a Sociedade Disciplinar e a Sociedade Vigilante, a partir do modelo do Panopticon 6. Tais conceitos, apresentados pelo autor como um dispositivo tecnológico de controle e vigilância próprios da sociedade contemporânea serão utilizados para a análise que pretendemos realizar ao longo desta pesquisa, a saber, a relação do Currículo Lattes e a Área de Arte,- este - compreendido em nossa investigação como dispositivo de controle e vigilância das pesquisas acadêmicas no país. A opção pela abordagem foucaultiana se dá por considerarmos o filósofo francês como um dos principais autores que trouxeram um novo significado a conceitos tradicionais como: poder, disciplina, vigilância e controle. Tal proposição corresponde em sua análise a uma abordagem do poder não mais relacionado a processos de totalização e centralização, mas como uma estratégia em que as relações de poder se exercem em diversos âmbitos sociais. Essas técnicas propiciam manobras que geram efeitos múltiplos e constituem aquilo a que Foucault denomina de microfísica do poder. Tais conceitos correspondem amplamente a esta análise, posto que o Currículo Lattes apresenta-se, em alguma medida, enquanto uma tecnologia utilizada como estratégia correspondente a um certo mecanismo de controle e vigilância da própria dinâmica das produções acadêmicas. É pela possibilidade de ampliação da análise que optamos pela utilização dos conceitos propostos por Michel Foucault, tomando como eixo norteador os principais elementos relacionados à temática das relações de poder-saber. Tais concepções nos auxiliarão na percepção de como as transformações nas práticas sociais dos séculos XVIII e início do século XIX permitiram a concepção de uma nova forma de poder. Nossa abordagem compreende ainda a maneira como tais mudanças na concepção dessas relações de poder propiciaram o surgimento da sociedade disciplinar na qual os 6 O Panopticon é uma imagem utilizada por Michel Foucault, inspirado na criação arquitetural de Jeremy Bentham, que consiste na criação de um edifício em forma de anel, com um pátio e uma torre central. O edifício era dividido em celas pequenas cujo objetivo era permitir uma visibilidade isolante. Tal imagem reflete, segundo o autor, a uma tecnologia de poder que resolvia os problemas da vigilância. 8

19 indivíduos passam por mudanças no tratamento das punições realizadas no corpo para a disciplina dos indivíduos; a organização dos espaços; a vigilância e o controle dos movimentos. Tais transformações tinham como finalidade tornar os corpos disciplinados e dóceis e, por fim, ter o controle da alma 7 desses agentes humanos. Utilizaremos, de maneira aprofundada, a imagem de Panopticon, adotado por Foucault, para abordar a temática referente à existência de uma tecnologia de poder pautada em uma visibilidade vigilante, algo muito comum em nossa sociedade contemporânea. Além disso, abordaremos como as características deste modelo aplicadas em âmbito social permitiram o surgimento de uma Sociedade Vigilante. Dentre os elementos apreendidos, buscamos ainda estabelecer relações entre os conceitos abordados por Michel Foucault e a denominada Sociedade Vigilante, que compreende as novas tecnologias como grandes aliadas no aprimoramento das técnicas de controle e vigilância de nossa contemporaneidade, e que se assemelha à prática do Currículo Lattes nos ambientes acadêmicos e institucionais Foucault e as relações de poder: as práticas dos micro-poderes e a disciplina como exercício de poder A temática acerca do poder, abordada na teoria foucaultiana, nos permite refletir sobre sua prática no contexto social com vistas a estabelecer pontos de intersecção junto à leitura do Currículo Lattes, por uma perspectiva que corresponda às relações de podersaber, disciplina e vigilância, possibilitando-nos ampliar os horizontes de análise crítica desta pesquisa. Desse modo, podemos identificar Michel Foucault - de acordo com Deleuze (2006) - como o primeiro autor a elaborar um novo questionamento sobre o problema do poder, até então, legado somente a uma concepção de soberania e centralização. O poder seria, até aquele momento, de propriedade daquele(s) que o haviam conquistado. Afirma o autor, contudo, que Foucault direciona seu olhar para uma nova concepção de poder: (...) ele é menos uma propriedade que uma estratégia, e seus efeitos não são atribuíveis a uma apropriação, mas a disposições, a manobras, táticas, técnicas, funcionamentos ; ele se exerce mais do que se possui, não é o privilégio adquirido ou conservado da classe 7 Michel Foucault. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. RJ: Vozes,

20 dominante, mas o efeito de conjunto de suas posições estratégicas. (DELEUZE, 2006, p.35). Trata-se, pois, de uma idéia de poder que se instala de forma completamente diferente das concepções difundidas na sociedade até aquele período. Considerando outros agentes, diferentes procedimentos e estratégias, o poder será definido, nessa nova perspectiva, a partir de uma multiplicidade de fatores, que corresponde a uma microfísica do poder. Foucault define o poder como uma relação de poder, e nesse sentido, como salienta Machado (2008), não existe algo unitário e global, mas formas de práticas de poder em constante transformação, de modo que os poderes se exercem em níveis variados e em diferentes pontos que se pluralizam e repercutem funcionando como uma grande rede, sem limites, nem fronteiras, a que nada ou ninguém pode escapar. Para Michel Foucault (2008b) o poder em si não existe. O que existem são as práticas desse poder, significando que este é algo que se exerce; ele não é uma coisa, um objeto, mas realiza-se enquanto uma maquinaria social disseminada pela rede da sociedade. A esse respeito, o autor afirma: Quando penso na dinâmica do poder, penso em sua forma capilar de existir, no ponto em que o poder encontra o nível dos indivíduos, atinge seus corpos, vem se inserir em seus gestos, suas atitudes, seus discursos, sua aprendizagem, sua vida cotidiana. (...) Também é verdade que foi a constituição deste novo poder microscópico, capilar, que levou o corpo social a expulsar elementos como a corte e o personagem do rei. (FOUCAULT, 2008b, p.131). Foucault apresenta, entretanto, um novo conceito de poder demonstrando que essas relações possuem características de produção eficazes, rompendo com a idéia de que o poder é somente aquele que diz não, que impõe limites e castiga. Neste sentido, Machado (2008) pontua que as análises foucaultianas apontam para o fato de que o poder não pode ser classificado somente como veículo de repressão, na medida em que a dominação capitalista não haveria de se manter em um sistema exclusivamente repressivo. Trata-se de refletir também sobre aspectos positivos que o poder possui, como por exemplo, sob o prisma de um poder transformador. Machado (2008) afirma que é importante destacarmos tais aspectos do poder, posto que: O poder produz; ele produz real; produz domínios de objetos e rituais de verdade. O poder possui uma eficácia produtiva, uma riqueza 10

PANOPTICON VIRTUAL DA CONTEMPORANEIDADE: o Currículo Lattes como possibilidade de controle e vigilância na Área de Arte

PANOPTICON VIRTUAL DA CONTEMPORANEIDADE: o Currículo Lattes como possibilidade de controle e vigilância na Área de Arte UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE ANA LÚCIA DE SOUZA PANOPTICON VIRTUAL DA CONTEMPORANEIDADE: o Currículo Lattes como possibilidade de controle e vigilância na Área de Arte São Paulo 2010 Livros Grátis

Leia mais

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA Rafael Nóbrega Araújo, graduando em História (UEPB) e-mail: rafaelnobreg@hotmail.com Patrícia Cristina Aragão,

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI).

Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI), Denis Barros de Carvalho (Orientador, Departamento de Fundamentos da Educação/UFPI). A Produção de pesquisas sobre Educação dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD. Aline de Souza Santiago (Bolsista PIBIC-UFPI),

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Bruna Mendes Muniz 1 Gislaine Aparecida Puton Zortêa 2 Jéssica Taís de Oliveira Silva

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

O PROFESSOR E A CONTEMPORANEIDADE: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL PARA UMA OUTRA SOCIEDADE

O PROFESSOR E A CONTEMPORANEIDADE: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL PARA UMA OUTRA SOCIEDADE O PROFESSOR E A CONTEMPORANEIDADE: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL PARA UMA OUTRA SOCIEDADE BARREIRO, Cristhianny Bento 1 IFSUL AFONSO, Marcela da Silva 2 IFSUL CASTRO, Beatriz Helena Viana 3 IFSUL Grupo de Trabalho

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES - DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012

OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES - DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012 OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012 Profa. Ms. Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof.

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E A ENFERMAGEM: A FORMAÇÃO E A ATUAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DE UM COLEGIADO DE GESTÃO REGIONAL Sueli Terezinha Goi Barrios

A GESTÃO DA SAÚDE E A ENFERMAGEM: A FORMAÇÃO E A ATUAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DE UM COLEGIADO DE GESTÃO REGIONAL Sueli Terezinha Goi Barrios A GESTÃO DA SAÚDE E A ENFERMAGEM: A FORMAÇÃO E A ATUAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DE UM COLEGIADO DE GESTÃO REGIONAL Sueli Terezinha Goi Barrios Alcindo Antônio Ferla Adelina Giacomelli Prochnow Ana Cristina

Leia mais

3.2 MATERIAL DIDÁTICO

3.2 MATERIAL DIDÁTICO A comparação do presencial e do virtual: um estudo de diferentes metodologias e suas implicações na EAD André Garcia Corrêa andregcorrea@gmail.com Universidade Federal de São Carlos Resumo. O presente

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social.

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social. PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA UNICENTRO, PROVARS: COMPARTILHANDO CONHECIMENTOS PARA A EFETIVAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. RESUMO: O presente trabalho pretendeu verificar

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL JÚNIOR/2013 Mostra de Trabalhos do Ensino Fundamental ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL Novo Hamburgo, abril de 2013. 1 APRESENTAÇÃO Estas orientações foram elaboradas baseadas

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA RAQUEL MONTEIRO DA SILVA FREITAS (UFPB). Resumo Essa comunicação objetiva apresentar dados relacionados ao plano

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Resumo O presente texto tem por objetivo refletir e discutir sobre a integração entre ensino,

Leia mais

EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015

EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015 EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação PROPPI torna públicas as normas para apresentação de propostas

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES 1/6 A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES Definir o que é pesquisa; mostrar as formas clássicas de classificação das pesquisas; identificar as etapas de um planejamento de pesquisa. INTRODUÇÃO O que é pesquisa?

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÄO DO CURSO-TCC DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÄO DO CURSO-TCC DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÄO DO CURSO-TCC DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPITULO I Do Conceito, dos Princípios, das Finalidades e dos Objetivos Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso-TCC

Leia mais

A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder

A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder Waldênia Klésia Maciel Vargas SOUSA (FL/UFG) Bolsista CAPES waldeniaklesia10@hotmail.com Eliane

Leia mais