ÍNDICE DE ABREVIAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE DE ABREVIAÇÕES"

Transcrição

1

2 ÍNDICE DE ABREVIAÇÕES AGNU Assembleia Geral das Nações Unidas CIJ Corte Internacional de Justiça CPJI Corte Permanente de Justiça Internacional CSNU Conselho de Segurança das Nações Unidas DH Direitos Humanos EUA Estados Unidos da América ICISS Comissão Internacional sobre Intervenção e Soberania Estatal IIGM Segunda Guerra Mundial ONU Organização das Nações Unidas TPI Tribunal Penal Internacional R2P Responsabilidade de Proteger 1

3 SUMÁRIO ÍNDICE DE ABREVIAÇÕES... 1 CARTA DE APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO CASO A: PARECER CONSULTIVO ACERCA DO STATUS DO SUDOESTE AFRICANO Contexto Histórico Surgimento do Apartheid O Requerimento de parecer jurídico à CIJ CASO B: RESPONSABILIZAÇÃO DO ESTADO POR AÇÕES GENOCIDAS: O MASSACRE ÉTNICO DE RUANDA O caso Aspectos fáticos A relação dos europeus com o continente africano Ruanda e seus colonizadores Hutus e Tutsis A situação política de Ruanda O final do conflito A atuação comunidade internacional A noção de responsabilidade de proteger Responsabilidade de prevenir Responsabilidade de reagir Responsabilidade de Reconstruir O conceito de soberania e sua evolução na história Genocídio: história, origem da tipificação, reconhecimento internacional REFERÊNCIAS

4 CARTA DE APRESENTAÇÃO Caros delegadinhos e delegadinhas, É com imenso prazer que declaramos oficialmente iniciados os estudos se trabalhos para a XV SOI para nós, Mini SOI, mais especificamente o comitê da CIJ Corte Internacional de Justiça. Serão três dias de intenso aprendizado, diversão, debates e momentos que ficarão marcados na memória tanto dos delegados e delegadas quanto dos diretores. Mas para que toda essa experiência seja ainda mais prazerosa, é importante que conheçamos bem uns aos outros. Vamos à apresentação da mesa diretora: Carol Sedda (não, gente. O nome dela não é Carolina, Caroline, Maria Carolina, Ana Carolina... é Carol mesmo!) tem 21 anos e é estudante de Direito da UFRN, cursando o 8º período noturno e este já é seu segundo ano como diretora na Mini SOI. Faz parte da nossa direção acadêmica, portanto manda e desmanda em todos nós (DireHitler? Brincadeira! Ela é um amor) e ajuda na condução da CIJ em primeira mão, garantindo que tudo esteja dentro dos conformes. Carol, além de tudo, é uma cozinheira de mão cheia. Boatos fortes de que ela levará docinhos, brownies, bolos e muito mais para os dias de simulação. Só não a convide para comer pizza: seu histórico é de nunca deixar uma pizzaria sem ao menos devorar seis fatias. Dona de um coração do tamanho de seu apetite, Carol é uma mãe para todos. Vamos ver se ela cumpre com o prometido... Giselle Costa (Gise ou XL) tem 22 anos e também faz Direito na UFRN e, assim como Carol e ACM, também está no 8º período noturno. Com Carol, compõe a diretoria acadêmica do nosso comitê. Este é o seu segundo ano como diretora. Para aqueles delegados e delegadas interessados em acompanhar as discussões propostas na CIJ em tempo quase real, podem adicioná-la no Snapchat: nossa DireSnap é a rainha do aplicativo, colocando em Sua História registro de momentos memoráveis. Sigam e acompanhem! Vez ou outra, aparecem também umas ibaaagens e vídeos da Europa. É DireLuxo demais! Ana Clara Maia, ACM para alguns, e, para outros: Peppa Pig, é a nossa carpe diem do comitê. Estudante de Direito do 8º período da UFRN, está em seu terceiro ano como diretora da Mini SOI. Reza uma lenda nórdica antiga que, se você der uma caixa de skol beats pra ela com 6 latinhas, ela fecha os olhos e quando abri-los estará ao lado de um enfermeiro chamado Alejandro, prestes a enfiar uma agulha grande e grossa de glicose no braço dela. Esta jovem esbelta de 21 anos, além de tudo, é solteira (!!!!!) (alô marmanjos) e curte um forrózin no rastapé de quarta à sábado. Só não a chamem para o Whiskritório, pois outra 3

5 antiga lenda diz que, essa inocente garotinha - que nas horas vagas faz cosplay de RBD - foi proibida de entrar lá depois de alguns acontecimentos... Daniel Augusto (Gugu) cursa o 9º período de Direito na UFRN, tem 23 anos e está pela primeira vez conhecendo a grande felicidade que é fazer parte da Diretoria da Mini SOI. Apesar dessa carinha de menino bom, Gugu é forte candidato a DireBruto, sempre com uma piadinha de humor negro e sarcasmo na ponta da língua. Daniel não deixa escapar uma! Está sempre atento às possibilidades de tiração de onda... Apesar de tudo isso, é um amor de pessoa e é muito disposto a ajudar. Quem quiser indicações de filmes e seriados, pode pedir a ele também. Fontes disseram que ele já zerou o Netflix! Flora Assaf registra 19 anos na sua carteira de identidade, mas a verdadeira idade dela é, no máximo, 13 anos. Cursa o 4º período de Ciências Sociais na UFRN e também está pela primeira vez sendo Diretora da Mini SOI, porém já conhecia o projeto enquanto delegadinha. Apesar da sua fluência em língua francesa, todo seu conhecimento sobre sociologia e muito mais, talvez a lição que ela verdadeiramente tenha a passar para todos vocês seja: quando forem dançar sozinhos em casa, por favor, afastem os sapatos de perto. Assim, vocês evitam ficar andando de gesso + muleta por 345 meses, sendo carregada nos braços e tudo mais. Certamente este é seu ensinamento mais valioso! Gabriela Mariel, ou somente Mariel, é aluna do 7º período de Direito e também está estreando como Diretora da Mini SOI, embora também tenha participado como delegadinha em edições anteriores. Mariel certamente figura como uma das pessoas mais engraçadas do comitê, com a sua sinceridade ácida e sempre no ponto certo do humor. Além de uma diretora muito eficaz e solícita, ela também faz sucesso no Dubsmash. Sim, Mariel, os seus vídeos de dublagem vazaram e qualquer um pode atestar o seu talento para a atuação! Pedro Messias, que está pela primeira vez compondo a Diretoria da Mini SOI. O estudante do terceiro período de Direito da UERN já foi Diretor da União Africana na UniSIM e tem apenas 20 anos, mas sua ficha é mais suja que a de muitos centenários. Na sua ainda curta trajetória pela terra, já destruiu a sua reputação de maneira irreversível. Rei das novinhas, fácil vê-lo nas raves curtindo um progzão. Mas se festas que duram 24 horas não fazem o seu estilo, é muito fácil encontrá-lo em outros ambientes: basta acompanhar a agenda de artistas como Grafith, Rei da Cacimbinha e Luccaz, além de ser figura conhecida no carnaval de Macau. Muito empenhando na operação #fikagrande e #vemmonstro, malha 8 dias na semana, porém se alimenta como um ogro: faz parte do seu café da manhã uma vitamina composta por um litro de leite e 8 bananas, seu almoço no self-service do Camarões 4

6 não sai mais barato que R$ 100,00 e, para jantar, devora com facilidade 4 sanduíches triplos (um total de oito pães e 12 hambúrgueres) do Mc Donald s. De sobremesa, não dispensa uma rabanada. Ainda assim, consegue manter o shape desejado para conquistar corações das meninas desavisadas. Com seu corpo escultural e rostinho que enlouquece a mulherada tem tudo para ser escolhido como o Diretor #kidelíííííícia desta edição da SOI. Por último, mas não menos importante, temos Francisco André, que atende também pela alcunha de Bonde, certamente é conhecido por aqueles que já trilharam caminhos na Mini SOI. Cursando um período indefinido do curso de Direito da UFRN, sua idade também é um mistério. Sempre disposto a ajudar na construção desse mix de magia e diversão que é a SOI, esse ano atua como tutor do nosso comitê, trazendo para nós sua experiência por ter participado de tantas simulações que é impossível contar nos dedos. Um dos seus talentos é saber a música Saga de um Vaqueiro decorada e criar peixes betas (de acordo com ele, criou o peixe beta brigador mais forte e destruidor da história que arrasou, em média, outros 8 peixes). Além disso, dizem que quando ele está por perto, não chove, só venta... vamos averiguar a veracidade de todas essa histórias na simulação! 5

7 1 INTRODUÇÃO Criada pela Carta da ONU, em seu artigo 92, a Corte Internacional de Justiça (CIJ), começou a sua atuação em 1946 e, atualmente, é o principal órgão judiciário das Nações Unidas. Substituiu, com isso, a Corte Permanente de Justiça Internacional (CPIJ), órgão da Liga das Nações, a qual teve suas atividades encerradas em Sua sede é no Palácio da Paz, em Haia, nos Países Baixos 1. O principal objetivo da CIJ, que tem seu Estatuto inspirado no da CPIJ, é solucionar conflitos entres os Estados sobre os mais diversos temas no que tange ao ordenamento jurídico internacional. Sua importância vem sendo cada vez maior na comunidade internacional, tendo a Corte solucionado mais de cem casos, em seus quase 70 anos de funcionamento, respeitando sempre o direito internacional, a pacificidade e a imparcialidade. Atualmente, tal órgão é composto por 15 juízes eleitos pela Assembleia Geral das Nações Unidas e pelo Conselho de Segurança, para um mandato de nove anos. Cabe salientar, todos os Estados signatários do Estatuto da CIJ têm o direito de indicar candidatos aos cargos de juízes; entretanto, os indicados deverão atuar de acordo com as suas próprias convicções, não representando seu Estado de origem. Ademais, vale lembrar, o Brasil possuiu (e ainda possui) grandes papéis tanto na CPIJ quanto na CIJ, tendo importantes nomes eleitos como juízes em ambas as cortes. Por exemplo, na CPIJ, atuaram os renomados juristas Rui Barbosa e Epitácio Pessoa. Na CIJ, a seu turno, encontra-se em exercício o atual juiz Antônio Augusto Cançado Trindade (membro desde 2009), sucessor de outros grandes jurisconsultos que ocuparam o mesmo cargo, tal qual José Francisco Rezek e Filadelfo de Azevedo (primeiro juiz brasileiro a ocupar esse cargo na CIJ) 2. Além disso, a Corte Internacional de Justiça, é importante ressaltar, possui tanto competência contenciosa (que resulta na solução de disputas legais entre as nações), quanto consultiva (estando autorizada a emitir pareceres consultivos acerca das mais diversas 1 CORTE INTERNACIONAL DE JUSTIÇA. Disponível em: <http://www.icjcij.org/homepage/index.php?lang=en > Acesso em: 17 nov BIBLIOTECA VIRTUAL DE DIREITOS HUMANOS. Disponível em: <http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/corte-internacional-de-justi%c3%a7a/o-que-e.html >Acesso em: 17 nov

8 temáticas legais quando suscitado) 3. Logo, o presente comitê pretende utilizar ambas as competências, para tanto, abordando dois casos durante a simulação. 4 2 CASO A: PARECER CONSULTIVO ACERCA DO STATUS DO SUDOESTE AFRICANO 2.1 Contexto Histórico O Sudoeste Africano, hoje região conhecida por Namíbia, foi um território africano colonizado, em meados do século XIX, pelo antigo Império Alemão que obteve a tutela dessa região até o final da primeira guerra mundial sendo um dos frutos de um processo de partilha e exploração africana por parte das potências imperialistas da época 5. Todavia, como a história mostra, esse processo de ocupação da região nem sempre foi assim. Antes da chegada de potências europeias na Partilha da África, o espaço era território dos San 6, grupo étnico natural da região Sul da África, além de diversos povos falantes das línguas banto 7. Ao final da Idade Média, com o início da expansão marítima, grandes impérios se fizeram presentes na região, como Portugal, Países Baixos e Reino Unido, presença esta que durou até meados do século XIX. Como dito acima, por volta de 1884 o Império Alemão instaurou o protetorado do Sudoeste Africano na região, dando início a um período de quase 30 anos chamado de Sudoeste Africano Alemão, momento este em que diversas revoltas se manifestaram, inclusive com o genocídio dos hererós e namaquas, conhecido como o primeiro genocídio do 3 MARTINS, Hugo Lázaro Marques. A Corte Internacional de Justiça e a sua contribuição para manutenção da segurança internacional Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/23162/a-corteinternacional-de-justica-e-a-sua-contribuicao-para-manutencao-da-seguranca-internacional>. Acesso em: 17 nov MARTINS, Hugo Lázaro Marques. A Corte Internacional de Justiça e a sua contribuição para manutenção da segurança internacional Disponível em: <http://jus.com.br/artigos/23162/a-corteinternacional-de-justica-e-a-sua-contribuicao-para-manutencao-da-seguranca-internacional>. Acesso em: 17 nov THORNBERRY, Cedric. A Nation Is Born: The Inside Story of Namibia's Independence. [S.l.]: Gamsberg Macmillan Publishers Ltd., p. 6 SAPO. KHOISAN: Os caminhos da integração social. Disponível em: <http://viajar.sapo.ao/curiosidades/khoisan>. Acesso em 06 de maio de SCHAPIRA, I. The Khoisan Peoples of South Africa: Bushmen and Hottentots. Londres: Routledge,

9 século XX. Apesar da repressão alemã na região, inúmeras influências do povo germânico até hoje são notadas na Namíbia, como é visto na cidade de Swakopmund 8, que possui ruas com os nomes em alemão, além de fábricas e museus também de origem bávara, como a prisão de Altes Gafaengnis e o museu militar de Woermannhaus. Hoje em dia, acredita-se que a população da Namíbia, antigo Sudoeste Africano, possua diversos grupos étnicos ocupando a região, como os Owambos, Hereros, Namas, Caprivians e brancos descendentes de europeus. 9 Durante a Primeira Guerra Mundial, com a tentativa de expansão alemã e a vigorosa resposta da Entente, a União Sul-Africana 10, com o apoio militar do Império Britânico, se interpôs no domínio alemão na região do Sudoeste Africano, e tomou o controle não oficial do território em pouco tempo 11. Com a criação da Liga das Nações, em 1919, foi instituído o dever de tutela 12 sul-africano na antiga colônia germânica 13. Em 1945, como é de conhecimento geral, ao final da Segunda Guerra Mundial, e em resposta ao fracasso e extinção da Liga das Nações, foi criada a Organização das Nações Unidas, e com ela, a Corte Internacional de Justiça (CIJ). Paralelo a todos esses acontecimentos - fim do controle germânico na região, instauração do controle sul-africano sob autorização expressa da Liga das Nações, o fim da Liga das Nações e o entendimento de que todas as obrigações dessa organização teoricamente passariam a vigorar dentro da ONU - foi levantada algumas vezes a obrigatoriedade da responsabilidade de tutela da União Sul Africana sob essa região amplamente heterogênea, 8 NAMIBIA. Swakopmund Municipality. Disponível em: <http://www.swkmun.com.na/index.htm>. Acesso em: 06 de maio de NAMIBIA. The People of Namibia. Disponível em: <http://www.namibian.org/travel/namibia/population/>. Acesso em: 01 de abril de A União Sul-Africana hoje África do Sul foi colônia do antigo Império Britânico desde meados de 1910 até o começo da década de 60. É interessante observar que as posições políticas e militares adotadas pela União, durante este período colonial, representavam diretamente o interesse de Londres, sendo a União um forte instrumento de influência britânico no continente africano. 11 Namíbia: Geografia, História e Cultura. Disponível em: <http://emdiv.com.br/en/world/77- asmaravilhasdomundo/2220-namibia-geografia-historia-e-cultura.html>. Acesso em: 01 de abril de É importante entender que o dever de tutela não corresponde ao direito à anexação imprescritível de uma região por um Estado. A tutela consiste na responsabilidade de administrar, representar e assistir uma região, ao que for necessário, por um período de tempo definido, ou até que essa região sob tutela atinja um patamar notório de autotutela. 13 BRITANNICA. German South West Africa. Disponível em: <http://www.britannica.com/ebchecked/topic/230970/german-south-west-africa>. Acesso em: 01 de abril de

10 conforme pode se observar em documento expresso emitido pela CIJ, em resposta ao pedido de parecer da corte quando ao real status da região. 14 Sendo assim, no ano de 1949, o Secretário Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) deu entrada junto à Corte Internacional de Justiça (CIJ) no supracitado pedido de emissão de Parecer Jurídico acerca do real status ostentado por toda a região compreendida no sudoeste da África. Trata-se da formalização da nova condição que, gradativamente, se instalou naquele território, a saber, a segregação demográfica em razão da cor da pele dos habitantes, bem como em uma espécie de aviso prévio de toda a comunidade internacional sobre aquilo que poderia vir a acometer o país quando da perpetuação dessa ideologia em suas políticas internas e externas. O caso exigiu o estudo da construção histórico-social do continente africano, trazendo à tona questões culturais de extrema relevância e recorrentes em provas a nível nacional, como a multietnia de um povo, o regime da escravidão como instrumento de controle e pacificação de um povo e, sobretudo, a submissão africana em face do imperialismo europeu. Por derradeiro, a Corte foi instada a se pronunciar acerca do véu de faticidade e legitimidade que se deita sobre o separatismo sul-africano, esclarecendo, inclusive, as nuanças jurídicas que, por ventura, pudessem se configurar em um contexto futuro presumível. 2.2 Surgimento do Apartheid As teorias raciais ganharam destaque no final do século XIX, principalmente, conforme comentou Alessandra Rosa Santos 15, em referência à estudiosa Vera Beltrão Marques 16, devido à tese segundo a qual o comportamento dos indivíduos seria uma decorrência natural do resultado de determinações biológicas, isto é, os fatores físicos seriam os responsáveis tanto por tendências à 14 CIJ. Internacional Status of South-West Africa. Disponível em: <http://www.icjcij.org/docket/files/10/1891.pdf>. Acesso em: 06 de maio de SANTOS, Alessandra Rosa. Quando a Eugenia se distancia do Saneamento: as idéias de Renato Kehl e Octávio Domingues no Boletim de Eugenia ( ). Dissertação (Mestrado) - Curso de Pósgraduação em História das Ciências da Saúde, Casa de Oswaldo Cruz - Fiocruz, Rio de Janeiro, Disponível em: <http://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/6133/2/14.pdf>. Acesso em: 31 mar MARQUES, Vera Regina Beltrão. A medicalização da raça: médicos, educadores e discurso eugênico. Campinas: UNICAMP, 1994, p

11 criminalidade, como defendia Cesare Lombroso 17, como também por propensões à genialidade ou à loucura. Por conseguinte, conforme constatou Vera Beltrão Marques, a existência da crença de que as heranças físicas e permanentes caracterizavam e hierarquizavam os indivíduos com fundamento, inclusive, na teoria da evolução de Darwin, de que sobrevivem os indivíduos mais aptos. Demais disso, segundo relatou Aldina da Silva Melo 18, também os discursos religiosos à época contribuíam para essa segregação social, ao pregarem que a divisão dos seres humanos em grupos raciais decorria da vontade divina. Sendo assim, as relações políticas e sociais do Ocidente foram adequadas segundo esses argumentos científicos. Nesse sentido, infere-se que a eugenia 19, ou seja, a ideia da superioridade da etnia branca europeia sobre as demais foi disseminada mundialmente, sofrendo pouca oposição dos ideais liberais e democráticos, em razão dessas justificativas científicas e religiosas. Nessa linha de raciocínio, segundo a reportagem da edição especial da Veja de acerca do Apartheid, essa separação das etnias na África do Sul teve origem com a colonização europeia desse território, que se utilizou dessa cisão para manter o domínio sobre a população nativa. Posto que, desde quando a possessão holandesa passou aos ingleses em 1815, por determinação do Congresso de Viena, sobrevieram decretos dispondo acerca desse tema, a exemplo da Lei Agrária de 1913, a qual contribuiu para a definição do regime de segregação racial, conhecido como Apartheid. 17 Médico nascido na Itália e criador da teoria do homem delinqüente. Defendia o caráter hereditário do crime fundamentado em dados antropométricos, isto é, em medidas de partes do corpo humano. Com base nessa sua tese, então, propunha tratamentos diferenciados em função da raça, tendo vista que as características antropométricas eram distintas, devendo, por conseguinte cada indivíduo receber o tratamento adequado com base na sua composição física e consequentes características. Ver mais em: GOULD, Stephen Jay. A falsa medida do homem. São Paulo: Martins Fontes, 1991, p MELO, Aldina da Silva. Em Tempos de Segregação na África do Sul. XXVII Simpósio Nacional de História, Natal, 26 jul Disponível em: <http://www.snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/ _arquivo_artigoanpuh2013.pdf>. Acesso em: 01 abr O termo eugenia foi criado em 1883 por Francis Galton, conforme disposto em seu livro Inquiries into human faculty and its development e significa "bem nascido". Assim, Galton definiu eugenia como sendo o estudo feito pelos agentes, capaz de melhorar ou empobrecer, física e mentalmente, as qualidades raciais das futuras gerações, visando o controle social. Logo, eugenia diz respeito à ideologia criada de que certas raças, por características que lhes são próprias, são melhores que as demais, no caso do Apartheid, era disseminada a ideia de que a raça branca era superior. 20 Quando o racismo é a lei. Veja, 21 mar Disponível em: <http://veja.abril.com.br/historia/apartheid-africa-sul/apartheid-quando-racismo-lei.shtml>. Acesso em: 28 mar

12 Conforme destacado no artigo, intitulado O regime do Apartheid 21, o "Ato de Terras Nativas", ou melhor a Lei Agrária, contribuiu para esse domínio, pois determinava uma divisão de terras desproporcional em prol dos brancos na África do Sul, ao, forçar os negros, que correspondiam a 23 milhões de pessoas, a ocupar somente 13% do território sulafricano, enquanto os outros 87% das terras eram ocupados pela minoria de 4,5 milhões de brancos. Demais disso, asseverou-se no artigo supracitado que, como essa lei proibia os negros de comprarem terras além da área delimitada para eles, logo, contribuiu para a dominação branca, ao passo que, impediu a ascensão econômica dos negros, garantindo mão de obra barata aos latifundiários brancos. De forma semelhante, foi ressaltado que, apesar de ter sido permitida a execução de trabalhos essenciais nas cidades pelos negros, essas pessoas continuaram a ser marginalizadas, posto serem obrigadas a viver em áreas isoladas, conhecidas como guetos, intensificando, portanto, essa desigualdade racial. Seguindo essa ideia da discriminação, o texto supramencionado também tratou acerca das "Leis do Passe", definindo-as como aquelas disposições normativas as quais obrigavam os negros a apresentarem o passaporte, toda vez que intentassem se locomover dentro do território e mesmo obter emprego. Também essa lei contribuiu para essa supremacia branca, pois tratava os negros de forma desigual, constrangendo a locomoção deles. Por conseguinte, o Apartheid, uma política de segregação racial que perdurou desde 1948 até , sendo adotada pela República Sul-Africana, entre seus habitantes, visando a dominação dos brancos sobre os negros, mestiços e minorias de origem asiática, foi consequência da teoria racial que impulsionava movimentos discriminatórios. Ademais, entende-se que a consolidação desse regime separatista só se deu, segundo o artigo da Educação Globo 23, com a vitória do Partido Nacional em 1948, formado pelos Afrikaaners, isto é, brancos de origem holandesa, nas eleições sul-africanas, nas quais só os brancos puderam votar. Porquanto, foi a partir desse momento que começou o Estado Sulafricano a verdadeiramente criar leis para regularizar e legitimar o sistema discriminatório entre raças desenvolvido desde a sua colonização, chamado de Apartheid. 21 HISTORIANET. O regime do Apartheid. Disponível em: <http://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=50>. Acesso em: 01 abr Michaelis: dicionário de português online. Disponível em: <http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=apartheid>. Acesso em: 31 mar Apartheid na África do Sul. Educação Globo. Disponível em: <http://educacao.globo.com/artigo/apartheid-naafrica-do-sul-segregacao-racial.html>. Acesso em: 01 abr

13 Dessa forma, dentre os dispositivos normativos criados, relacionados a essa política discriminatória com intento de separar e sobrepor as pessoas de etnia branca sobre as negras e qualquer outra a ela distinta como a asiática, pode-se citar: Lei da proibição de casamentos mistos de 1949, Lei da imoralidade de 1950, Lei de registro populacional de 1950, Lei de agrupamentos urbanos de 1950, Lei dos nativos de 1952, Lei de reserva de benefícios sociais separados (1953) e a Lei de educação Bantu de Nesse diapasão, cumpre brevemente resumir do que cada uma dessas leis tratava com base na reportagem da revista Veja, a fim de constatar a índole discriminatória delas. Sendo assim, a Lei da proibição de casamentos mistos proibia o casamento entre brancos e pessoas de outras etnias, já a Lei da imoralidade, ainda mais restritiva, proibia e criminalizava qualquer relação sexual entre brancos e pessoas de etnias distintas. Para exemplificar essa situação, então, a escritora Judith Stone relatou um caso no qual, em 1984, [...] em Potchefstroom, um homem branco foi acusado de dormir com uma mestiça mas ela é que foi condenada a seis meses de trabalhos forçados por dormir com ele. 25. Esse caso concreto, portanto, claramente demonstra a perversidade desse sistema, visando a separação da raça branca das demais na África do Sul. Com esse mesmo objetivo, as demais leis se dotaram. Assim, a lei de registro populacional determinava o cadastramento em um registro nacional para a separação da população por raças. A lei de agrupamentos urbanos, por sua vez, forçava a separação física em pessoas de diferentes raças, estabelecendo, para tanto, a criação de áreas residenciais separadas, o que permitiu a remoção forçada dos negros de suas regiões de origem. Já a lei dos nativos, mais conhecida como Lei do passe, obrigava os negros a carregarem consigo uma caderneta de identificação a qual lhes permitia se locomover pelo território e cuja não apresentação à polícia, quando solicitado, constituía crime. A lei de reserva de benefícios sociais separados, porém, instituía a segregação em todos os locais e com relação a todos os equipamentos públicos a fim de eliminar por completo qualquer contato entre brancos e pessoas de outras raças. Com esse intento, logo, determinava a afixação de sinais indicando se o espaço ou objeto estava reservado a europeus (brancos) ou a não-europeus (demais raças). 24 Quando o racismo é a lei. Veja, 21 mar Disponível em: <http://veja.abril.com.br/historia/apartheid-africa-sul/apartheid-quando-racismo-lei.shtml>. Acesso em: 28 mar STONE, Judith. Retrato em preto e branco: a história verídica de uma família dividida por problemas raciais. São Paulo: Landscape, p

14 Por fim, a lei de Educação Bantu determinava o ensino segundo as raças, criando medidas para reduzir o nível da educação dirigida à população negra. Claramente, então, essa norma buscou intensificar ainda mais a desigualdade entre as raças, ao promover a raça branca em detrimento da negra e dificultando ainda mais a ascensão social desta última. Nesse contexto de forte discriminação racial e exploração econômica, ocorrida na região desde os momentos iniciais do domínio das nações europeias, conforme aduzido no sítio Educacional 26, aflorou no território sul-africano o sentimento revolucionário entre a população sobrepujada pelos brancos, culminando na fundação do Congresso Nacional Africano (CNA), em 1912, pelo líder zulu Pixley Ka Izaka Seme. Posteriormente, tal agremiação passou a receber financiamento da URSS, tendo em vista a sua aproximação com o Partido Comunista local e por ter sido o movimento melhor organizado na luta contra o Apartheid. Portanto, conclui-se que esse sistema foi arraigado pelo ódio racial o qual buscou a separação da raça branca das demais na África do Sul, com origens desde a colonização desse país pelos europeus, ganhando força com a vitória do Partido Nacional nas eleições de 1948, a qual permitiu a institucionalização desse sistema discriminatório. Enquanto isso restou legalizado e legitimado por uma série de leis que garantiram tanto essa separação como a dominação dos brancos no território Sul-africano. Contudo, cumpre salientar que todos os seres humanos têm o direito de serem tratados com dignidade e de forma igualitária, em virtude dos direitos humanos, os quais dizem respeito a um conjunto de valores éticos, independentes de previsão legal e que objetivam promover a dignidade humana, devendo, ademais, devido o seu caráter erga omnes, expressão em latim usada para denominar aquelas regras que devem ser prioridade e respeitadas por todos, segundo concluiu o respeitado doutrinador Carvalho Ramos 27. Com o intuito de normatizar esses direitos que naturalmente já eram conhecidos conforme os valores éticos humanos, pois imprescindíveis, sua proteção para uma convivência pacífica entre os povos, e em consequência das atrocidades decorrentes da Segunda Guerra mundial, como o genocídio de grupos étnicos, a comunidade internacional 26 EDUCACIONAL. 1948: a implantação do Apartheid. Disponível em:<http://www.educacional.com.br/reportagens/apartheid/parte-03.asp>. Acesso em: 01 abr CARVALHO RAMOS, André de. Teoria Geral dos Direitos Humanos na Ordem Internacional. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2012, pg

15 elaborou a Carta das Nações Unidas, em 1945, bem como promulgou a Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH), em A Declaração Universal dos Direitos Humanos, por conseguinte, de acordo com o previsto no parágrafo primeiro do seu preâmbulo 28, explicitamente instituiu como valor ético a fundamentar todos os demais, a dignidade humana. A DUDH, porém, por ser uma declaração e não uma convenção na qual os Estados assinam consentindo e se comprometendo a cumprir suas disposições, tem valor apenas declaratório, isto é, apenas sugere e não tem força vinculante, ou melhor, não tem o poder de impor a proteção a tais direitos. Além disso, o conceito do princípio da dignidade da pessoa humana, segundo os autores Benedetto Croce 29 e Pérez-Luño 30, varia conforme o momento histórico e as necessidades humanas provenientes dos valores morais específicos de cada sociedade. Esse entendimento acerca do significado desse princípio, então, pode ser variável conforme os valores de cada povo. O Apartheid, portanto, se justificou, pois a sociedade sul-africana, sobretudo, a parte desta composta pelos brancos, se firmava em valores próprios, justificando a suposta superioridade deles sob aspectos científicos e religioso, para fundamentar os tratamentos discriminatórios infligidos àqueles que não fossem brancos de origem europeia na África do Sul. 2.3 O Requerimento de parecer jurídico à CIJ Em 19 de Dezembro de 1949, o Secretário Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) acionou a consultoria da Corte Internacional de Justiça (CIJ), e deu entrada no pedido de emissão de Parecer Jurídico acerca do status internacional ostentado pelo Território do Sudoeste Africano. O Território de Sudoeste Africano foi uma das possessões ultramarinas alemãs. Entretanto, com o final da Segunda Guerra Mundial, por força do artigo 119 do Tratado de 28 ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos, Disponível em: <http://www.dhnet.org.br/direitos/deconu/textos/integra.htm >. Acesso em: 07 set CROCE, Benedetto. Declarações de Direitos Benedetto Croce, E. H. Carr, Raymond Aron. 2. ed. Brasília: Senado Federal, Centro de Estudos Estratégicos, Ministério da Ciência e Tecnologia, 2002, p PÉREZ-LUÑO, A. Enrique. Derechos humanos em la sociedade democratica. Madrid: Tecnos, 1984, p

16 Versalhes 31, o governo germânico renunciou a todos os seus direitos e títulos em favor dos principais países que integravam o então grupo da Entente, principalmente Reino Unido e França. Conforme explicado acima, a região do sudoeste africano ficou sobre o domínio especificamente do Reino Unido, responsável pela colonização de boa parte do continente africano. Ocorre que, desde o início do século XX, ainda por consequência do final da Primeira Guerra Mundial, essa região, a exemplo de muitas outras, encontrava-se submetida ao regime de tutela. Isto é, considerava-se que os povos que nela habitavam não eram capazes de se autogovernarem, devendo tal atividade ser desenvolvida por outra nação, durante o período de capacitação, por meio de uma espécie de contrato internacional. No ano de 1919, a Liga das Nações instituiu o Sistema de Mandatos por meio do artigo 22 do Pacto da Sociedade das Nações 32, a fim de viabilizar a concretização do Sistema 31 Artigo 119: A Alemanha renuncia dos Aliados Principais e Poderes Associados todos os direitos e títulos sobre suas possessões além-mar. Disponível em língua inglesa em: < Acesso em: 05 de abril de Artigo 22: Para essas colônias e territórios que, como consequência da guerra tarde deixaram de estar sob a soberania dos Estados que anteriormente regia eles e que são habitados por povos ainda não são capazes de cuidar de si mesmas nas condições árduas do mundo moderno, há deve ser aplicado o princípio de que o bemestar e o desenvolvimento desses povos formam uma missão sagrada de civilização e que os títulos para o desempenho dessa confiança deve ser incorporada no presente Pacto. O melhor método de dar efeito prático a este princípio é que a tutela desses povos deve ser confiada a nações avançadas que, em virtude dos seus recursos, sua experiência ou da sua posição geográfica melhor pode assumir essa responsabilidade, e que estão dispostos a aceitá-la, e que esta tutela deve ser exercido por eles como mandatários em nome da Liga. O caráter do mandato deve variar de acordo com o estágio de desenvolvimento das pessoas, a situação geográfica do território, as suas condições económicas, e outras circunstâncias semelhantes. Certas comunidades que anteriormente pertencia ao Império Turco chegaram a um estágio de desenvolvimento em que a sua existência como nações independentes podem ser reconhecidos provisório, sujeitos à prestação de assessoria administrativa e de assistência por um obrigatória até ao momento em que eles são capazes de ficar sozinho. Os desejos dessas comunidades deve ser uma consideração principal na escolha do mandatário. Outros povos, especialmente os da África Central, estão em tal estágio que a Obrigatório deve ser responsável pela administração do território em condições que garantam a liberdade de consciência e de religião, sujeito apenas à manutenção da ordem pública e da moral, a proibição de abusos, como o tráfico de escravos, o tráfico de armas, eo comércio de bebidas, bem como a prevenção do estabelecimento de fortificações ou militares e bases navais e de treinamento militar dos nativos, exceto para fins de polícia e defesa do território, e vontade também garantir a igualdade de oportunidades para o comércio e comércio de outros membros da Liga. Existem territórios, como a Sul-Oeste da África e algumas das ilhas do Pacífico Sul, que, devido à escassez de sua população, ou seu tamanho pequeno, ou seu distanciamento dos centros da civilização, ou a sua contiguidade geográfica no território da as circunstâncias obrigatórias, e outros, pode ser melhor administrado sob as leis das obrigatórios porções como integrante de seu território, sem prejuízo das garantias acima mencionadas, no interesse da população indígena. Em todos os casos de mandato, a Mandatária rendem ao Conselho um relatório anual, em referência ao território comprometida com sua carga. O grau de autoridade, controle ou administração a ser exercido pela Mandatária, se não for previamente acordado entre os membros da Liga, ser explicitamente definido em cada caso pelo Conselho. A Comissão Permanente será constituído para receber e examinar os relatórios anuais dos mandatários e para informar o Conselho sobre todas as questões relacionadas com a observância dos mandatos. (destaques nossos). Disponível, em língua inglesa, em: < Acesso em: 05 de abril de

17 de Tutela Internacional. Neste contexto, dois princípios reportaram-se de suma importância: o da não-anexação de territórios e o do dever sagrado de civilização. Em 17 de dezembro, 1920, o Primeiro Ministro do Reino Unido concordou em ceder o Poder Mandatário sobre o Sudoeste Africano em favor da União da África do Sul, definindo os termos do respectivo mandato. De acordo com a natureza deste documento, qual seja um mandato do Tipo C, conforme o supramencionado artigo 22 do Pacto das Nações, a União da África do Sul (Mandatário) teria plenos poderes de administração e legislação sobre o território, o qual deveria ser entendido como uma parte integrante da União e submisso às leis e necessidades circunstanciais desta 33. Por outro lado, o Mandatário também deveria observar inúmeras obrigações a nível internacional. Ao Conselho da Liga das Nações, enfim, cabia a supervisão de toda a atividade administrativa, bem como o poder de exigir o cumprimento das obrigações na íntegra. Ainda, as obrigações internacionais assumidas pela União da África do Sul poderiam ser subdivididas em duas espécies: a primeira encontrava-se diretamente relacionada à Administração do Território e correspondia à "sagrada confiança de civilização", a que se refere o artigo 22 do Pacto. O outro grupo delas compreendia todos os mecanismos de implementação, ou seja, os títulos - pactos, acordos e tratados - alcançados pelo então Poder Mandatário para a consecução e o desempenho da confiança. Sob o argumento de que assumira a obrigação geral de promover ao máximo o bemestar moral e material daquela sociedade, e o respectivo progresso social dos habitantes, a União da África do Sul passou a exercer diretamente o controle e até instituir as mais diversas atividades, como o trabalho forçado e o tráfico de armas, munições e bebidas intoxicantes, bem como atividades relativas à liberdade de consciência e ao livre exercício da adoração, o que representava a essência da "sagrada confiança da civilização". Nesse sentido, em que pese não houvesse qualquer implicação acerca da cessão de territórios ou a transferência de soberania para a União da África do Sul, no plano dos fatos, o Governo da União abusou de sua autoridade e excedeu a sua função internacional de 33 Histórico: A tentativa frustrada de anexação da África do Sul. Disponível em: <http://elmaxilab.com/definicao-abc/letra-n/nacoes-unidas-grupo-de-assistencia-de-transicao.php>. Acesso em: 13 de Maio e

18 administração, revelando-se um governo autoritário racista e com todas as intenções de se fazer definitivo 34. A exemplo disso, no ano de 1948, o governo do chamado Partido Nacional (na África do Sul), procedeu com a ilegal incorporação do território Sudoeste Africano, como uma espécie de 5ª Província da União, ignorando o status de Mandatário. A integração, porém, não foi meramente formal, assumiu também contornos econômicos - exploração dos recursos naturais e do contingente humano como força de trabalho; políticos e sociais. Assim, a política de Apartheid, que foi desenvolvida e implementada na África do Sul, foi estendido também para o Sudoeste Africano. O efeito disso foi a consolidação do sistema de contrato de trabalho migrante, com o sudoeste africano, o qual foi transformado em um verdadeiro reservatório de força de trabalho. Por outro lado, o poder e a capacidade de governo remanescia nas mãos da África do Sul, representada pela formação de uma nova classe privilegiada de funcionários e chefes tribais que atuavam como agentes do governo do Estado. A consequência, pois, desta política foi a imposição, por parte dos sul-africanos, de um imensurável óbice ao desenvolvimento e autogoverno do território do sudoeste africano por sua população nativa. Para tal, a África do Sul exercia um apertado controle de trânsito dos habitantes no perímetro urbano daquele território; estabelecia um regime de habitação segregada; submetia a população a inúmeras restrições ao direito de propriedade, bem como à prestação de serviços abaixo do padrão mínimo. Sobretudo, a intensificação do sistema de contrato de trabalho foi o resultado de uma busca por mão de obra barata, gerenciável e dócil ao serviço da economia florescente na África do Sul, especialmente para a indústria de mineração de crescimento rápido 35. Naquele mesmo ano, emergiu a resistência ao sistema de contrato de trabalho, quando mais de 2000 trabalhadores contratados de Ovambo, em Tsumeb 36, entraram em greve após o 34 Abaixo o imperialismo Alemão!. Os crimes coloniais no Sudoeste Africano Alemão: Qualquer Herero será baleado. Nove anos de luta de libertação do povo da Namíbia; Sobre o sucesso dos patriotas da Namíbia. Dsiponíveis em: <http://ciml.250x.com/africa/portuguese/namibia_portuguese.html>. Acesso em: 05 de abril de CLARENCE-SMITH, W. G.; MOORSOM, R. Subdesenvolvimento e formação de classes em Ovamboland: Jornal da História Africana. Grã Bretanha, nº. 16. p Disponível em: <http://www.jstor.org/stable/180472>. Acesso em: 11 mar INNES, D. Capital Sulafricana e Namíbia. In: KILJUNEN, M. L.; KILJUNEN, K. Namíbia: a última colônia. Essex: Longman, p Esta cidade está localizada na região nordeste da atual Namíbia. 17

19 assassinato de um trabalhador por um capataz branco 37. Em 1949, uma espécie de revolta teve como palco o porto de Lüderitz, instaurando uma onda de greves e hostilidade em todo o território nos anos seguintes. O governo Sul-Africano, então, vigorosamente, apertou o cerco contra o movimento sindical incipiente, utilizando a legislação de segurança, especialmente o Ato de 1950 de Supressão do Comunismo, para prender os sindicalistas, e proibir reuniões e sindicatos. O reinado de terror desencadeado foi suficiente para acabar com o movimento sindical, mas ataques esporádicos continuaram a ocorrer, apesar da repressão autoritária com que eles foram recebidos. A resistência política ao Apartheid até a década de 1950 foi de base étnica e organizada pelas autoridades tradicionais, mas o surgimento do sindicalismo, organizações estudantis e grupos políticos locais lançaram as bases para uma resistência mais sofisticada que estava a se aglutinar em um movimento nacional 38. Para o povo do planalto e do sul da África do Sudoeste, isso representou o aperto de um sistema que tinha se esforçado muito, mas para as pessoas do norte, especialmente de Ovamboland, isso significava que a extensão do controle administrativo de uma nova maneira 39. Assim, as pressões do crescimento da população, a deterioração dos meios tradicionais de produção e da estagnação da economia angolana fazia os nortistas cada vez mais dependente de emprego na economia do sul 40. Verdade é que a África do Sul não entende que o Poder Mandatório foi, primeiramente, concedido à União da África do Sul, enquanto região sob Domínio do Império Britânico, e, depois, que seu exercício é necessariamente temporário e limita-se expressamente ao campo administrativo. Prova disso foi o pedido realizado pela África do Sul em 1946 junto à Organização das Nações Unidas para anexar Sudoeste Africano ao seu 37 KILJUNEN, K. Resistência Nacional e a Luta pela Libertação. In: KILJUNEN, M. L.; KILJUNEN, K.. Namíbia: a última colônia. Essex: Longman. p Cf. op., cit. KILJUNEN, K. Resistência Nacional e a Luta pela Libertação. In: KILJUNEN, M. L.; KILJUNEN, K.. Namíbia: a última colônia. Essex: Longman. p. 148.UNESCO. Racismo e apartheid no Sudoeste da África: África do Sul e Namíbia. Paris: Unesco, Cf. op., cit. CLARENCE-SMITH, W. G.; MOORSOM, R. Subdesenvolvimento e formação de classes em Ovamboland: Jornal da História Africana. nº. 16. p Cf. op., cit. CLARENCE-SMITH, W. G.; MOORSOM, R. Subdesenvolvimento e formação de classes em Ovamboland: Jornal da História Africana. nº. 16. p

20 território, entendendo que o fim da Liga das Nações conferia-lhe o domínio irrestrito sobre o referido território 41. Diante disso, em 19 de Dezembro de 1949, a Organização das Nações Unidas (ONU) requereu, perante a Corte Internacional de Justiça (CIJ), a emissão de Parecer Jurídico acerca do ostentado pelo Território do Sudoeste Africano (Anexo I). 42 A carta do Secretário Geral da ONU tinha redação simples e objetiva. Questionava a referida Corte: (i) se a União da África do Sul deveria permanecer respondendo como Mandante do Sudoeste Africano e, em caso afirmativo, quais obrigações internacionais lhe seriam decorrentes dessa condição; (ii) se poderia submeter o Sudoeste Africano ao regime de tutela internacional previsto no capítulo XII da Declaração sobre os Territórios Não- Autogovernáveis e de que forma, se sim; e, (iii) se a União da África do Sul teria competência para modifica o status internacional do território do Sudoeste Africano, se não, qual órgão da comunidade internacional poderia fazê-lo. 3 CASO B: RESPONSABILIZAÇÃO DO ESTADO POR AÇÕES GENOCIDAS: O MASSACRE ÉTNICO DE RUANDA 3.1 O caso Em 2010, a Corte Internacional de Justiça recebeu pedido, por parte da República da África do Sul, de revisão do julgamento do Caso Ruanda, com o objetivo de responsabilizar o Estado de Ruanda pelas práticas genocidas ocorridas em seu território no ano de Nesse caso, foi estimada a morte de aproximadamente 800 mil pessoas. Contudo, apenas poucos generais envolvidos nos atos genocidas foram levados a julgamento, sendo bem menor o número de condenados e culpados. O restrito alcance dessa responsabilização deve-se, dentre outros fatores, ao fato de 41 Namíbia: apartheid, resistência e repressão ( ). Disponível em língua inglesa em: < Acesso em: 05 de abril de Carta do Secretário Geral das Nações Unidas ao Presidente da Corte Internacional de Justiça, Haia. Disponível em: <http://www.icj-cij.org/docket/files/10/8931.pdf>. Acesso em: 30 de Março de RWANDA'S Untold Story Documentary. S.l.: Bbc, Color. Disponível em: <http://vimeo.com/ >. Acesso em: 22 jan

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid INTRODUÇÃO A Convenção Apartheid foi aprovado pela Assembléia Geral da ONU em 1973, mas com um grande número de abstenções por

Leia mais

Guerras tribais ou conflitos étnicos?

Guerras tribais ou conflitos étnicos? Guerras tribais ou conflitos étnicos? O continente africano padece das conseqüências de um longo e interminável processo de exploração que espoliou a maior parte de suas nações, determinando, na maioria

Leia mais

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais.

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais. Questões: 01. Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiram características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade

Leia mais

Professor Thiago Espindula - Geografia. África

Professor Thiago Espindula - Geografia. África África A seguir, representação cartográfica que demonstra a localização da África, em relação ao mundo. (Fonte: www.altona.com.br) Europeus partilham a África A Conferência de Berlim, entre 1884 e 1885,

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

Resumo. 3º TRIMESTRE 8º Ano

Resumo. 3º TRIMESTRE 8º Ano Resumo 3º TRIMESTRE 8º Ano Chegada do homem à América Duas hipóteses Primeira: De que os primeiros habitantes tenham vindo da Ásia, atravessando o Estreito de Bering, num período glacial de cerca de 20

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

CONFLITOS ATUAIS. Metade dos países africanos estão em guerra. Metade das guerras no mundo são na África.

CONFLITOS ATUAIS. Metade dos países africanos estão em guerra. Metade das guerras no mundo são na África. África CONFLITOS ATUAIS Metade dos países africanos estão em guerra. Metade das guerras no mundo são na África. ORIGENS HISTÓRICAS.Ódio tribal exacerbado por três séculos de Tráfico Negreiro: Mercantilismo.

Leia mais

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo.

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Colégio Visão História Prof. Alexandre Discursiva D4 Questão 01 - (UFJF MG) Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Figura 1: Imperador Napoleão III (left) em Sedan, a 2 de Setembro de 1870,

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!!

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! 1.(UFABC 2009) Exibicionismo burguês. Verdadeiros espetáculos da evolução humana (as e xposições universais) traziam um pouco de tudo: de

Leia mais

O continente africano

O continente africano O continente africano ATIVIDADES Questão 04 Observe o mapa 2 MAPA 2 Continente Africano Fonte: . A região do Sahel, representada

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Brasil Declaração Universal dos Direitos Humanos adotada e proclamada pela resolução 217 A (III)

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Sumário. David Justino e Sílvia de Almeida

Sumário. David Justino e Sílvia de Almeida Sumário 3. Para uma -pologia da formação das nações e dos nacionalismos 3.3. A unificação da Alemanha e as origens do nacionalismo alemão 3.4 A unificação italiana e o Rissorgimento 3.5 Crise dos impérios

Leia mais

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO Profa. Dra. Luci Bonini Desde a assinatura da Declaração Universal dos Direitos Humanos, alguns órgãos da sociedade têm se manifestado no sentido de promover as garantias

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

Restrições à liberdade de expressão no Ruanda

Restrições à liberdade de expressão no Ruanda Restrições à liberdade de expressão no Ruanda A liberdade de expressão no Ruanda tem sido excessivamente restringida durante muitos anos. Os meses que se seguiram às eleições presidenciais de Agosto de

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO *

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * Aprovada e proposta para assinatura e ratificação ou adesão pela resolução 260 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas, de 9 de Dezembro

Leia mais

Declaração sobre a raça e os preconceitos raciais

Declaração sobre a raça e os preconceitos raciais Declaração sobre a raça e os preconceitos raciais Aprovada e proclamada pela Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, reunida em Paris em sua 20.º reunião,

Leia mais

Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio

Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito Internacional Penal Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio Conclusão e assinatura: Nova Iorque EUA, 09 de dezembro de

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Direito Ambiental Internacional e Interno: Aspectos de sua Evolução Publicado na Gazeta Mercantil em 12 de dezembro de 2002 Paulo de Bessa Antunes Advogado Dannemann Siemsen Meio

Leia mais

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX A supremacia Europeia sobre o Mundo A Europa assumia-se como 1ª potência Mundial DOMÍNIO POLÍTICO Inglaterra, França, Alemanha, Portugal e outras potências

Leia mais

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San. daniel.san@lasalle.org.br

GEOGRAFIA. Prof. Daniel San. daniel.san@lasalle.org.br GEOGRAFIA Prof. Daniel San daniel.san@lasalle.org.br África -Físico Segundo maior continente (Ásia), tanto em população quanto em extensão. Maior deserto do planeta: Saara, desconsiderando a Antártica

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Oriente Médio. Geografia Monitor: Renata Carvalho e Eduardo Nogueira 21, 24 e 25/10/2014. Material de Apoio para Monitoria

Oriente Médio. Geografia Monitor: Renata Carvalho e Eduardo Nogueira 21, 24 e 25/10/2014. Material de Apoio para Monitoria Oriente Médio 1.(VEST - RIO) A Guerra do Líbano, o conflito Irã/ Iraque, a questão Palestina, a Guerra do Golfo, são alguns dos conflitos que marcam ou marcaram o Oriente Médio. Das alternativas abaixo,

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde?

Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde? Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde? África e Ásia (Neocolonialismo) e América (Imperialismo). Causas

Leia mais

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**)

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Os Estados Membros da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura reunidos em Paris em virtude da 28ª reunião da Conferência

Leia mais

IGUALDADE RACIAL. 146 políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 ipea

IGUALDADE RACIAL. 146 políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 ipea IGUALDADE RACIAL Constituição da República Federativa do Brasil (CRFB) 1988 Artigo 5 o Caput Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini RESUMO: Após a Segunda Guerra Mundial, a sociedade internacional passou a ter como principal objetivo a criação de acordos

Leia mais

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data:

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: REVISÃO FINAL PARA O SIMULADO 1ª Avaliação: Imperialismo na Ásia e na África 01. Podemos sempre

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

EUA NO SÉC. XIX 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE:

EUA NO SÉC. XIX 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE: 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE: 1) Combate às políticas de recolonização do continente americano; 2) Aproximação com a América Latina; defesa do não-intervencionismo europeu na América como expressão

Leia mais

RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS. 1ª Edição OUT 2012

RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS. 1ª Edição OUT 2012 RICARDO S. PEREIRA NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS TEORIA 38 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Ricardo S. Pereira Organização e Diagramação: Mariane dos Reis 1ª

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial

As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial As Nações Unidas e as Políticas de Redução da Desigualdade Racial Introdução Este documento foi elaborado e aprovado pela Equipe de País do Sistema das Nações Unidas no Brasil em resposta ao interesse

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 DE NOVEMBRO PALÁCIO DA REPÚBLICA

Leia mais

Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente

Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente; Tendo-se reunido em Estocolmo de 5 a 16 de junho de 1972; Tendo considerado a necessidade

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados O Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, Lembrando o Plano de Acção de Milão 139, adoptado pelo

Leia mais

Corte Internacional de Justiça se manifesta acerca da declaração de independência do Kosovo

Corte Internacional de Justiça se manifesta acerca da declaração de independência do Kosovo Corte Internacional de Justiça se manifesta acerca da declaração de independência do Kosovo Análise Europa Segurança Jéssica Silva Fernandes 28 de Agosto de 2010 Corte Internacional de Justiça se manifesta

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

CURSOS ON-LINE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA DEMONSTRATIVA

CURSOS ON-LINE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA DEMONSTRATIVA AULA DEMONSTRATIVA Olá pessoal. Com a publicação do edital para Auditor-Fiscal da Receita Federal, como é de costume, houve mudanças em algumas disciplinas, inclusão de novas, exclusão de outras. Uma das

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

É uma contribuição do grupo sul-americano, participante da Aliança Internacional de Responsabilidades para Sociedades Sustentáveis.

É uma contribuição do grupo sul-americano, participante da Aliança Internacional de Responsabilidades para Sociedades Sustentáveis. Apresentação O Manifesto de Lima a Paris foi apresentado no encontro denominado Que Responsabilidades o mundo necessita frente às mudanças climáticas? Por uma nova governança ambiental. O evento foi realizado

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

As objeções relativas à competência da Corte para tratar da questão (parágrafo 19 ao 41 do parecer consultivo)

As objeções relativas à competência da Corte para tratar da questão (parágrafo 19 ao 41 do parecer consultivo) 1970 CONSEQÜÊNCIAS JURÍDICAS PARA OS ESTADOS DA PRESENÇA CONTÍNUA DA ÁFRICA DO SUL NA NAMÍBIA (SUDOESTE AFRICANO) NÃO OBSTANTE A RESOLUÇÃO 276 (1970) DO CONSELHO DE SEGURANÇA (1970-1971) 14. Parecer Consultivo

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Publicado em 28/06/2015, às 15h26 Atualizado em 28/06/2015, às 15h58 Sérgio Costa Floro* Especial para o NE10 #LoveWins tomou conta do discurso

Leia mais

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas DECLARAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE OS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS Perguntas e Respostas I - Introdução O Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, comemora a adoção da Declaração dos Direitos dos

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança Bernardo Hoffman Versieux 15 de abril de 2005 A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

Cap. 12- Independência dos EUA

Cap. 12- Independência dos EUA Cap. 12- Independência dos EUA 1. Situação das 13 Colônias até meados do séc. XVIII A. As colônias inglesas da América do Norte (especialmente as do centro e norte) desfrutavam da negligência salutar.

Leia mais

O imperialismo. Prof Ferrari

O imperialismo. Prof Ferrari O imperialismo Prof Ferrari Imperialismo ou neocolonialismo do séc. XIX Conceitos e definições sobre o imperialismo O imperialismo dos séculos XIX e XX resultou da expansão capitalista e atendia aos interesses

Leia mais

EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO

EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO 2ªRevolução Industrial HOLDING TRUSTE CARTEL Empresas financeiras que controlam complexos industriais a partir da posse de suas ações. Formação de grandes conglomerados

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

Conflito do Tibete. Resenha Segurança

Conflito do Tibete. Resenha Segurança Conflito do Tibete Resenha Segurança Ana Caroline Medeiros Maia 1 de abril de 2008 Conflito do Tibete Resenha Segurança Ana Caroline Medeiros Maia 1 de abril de 2008 O Tibete voltou a ser palco de conflitos

Leia mais

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA Por Neila Cristina N. Ramos Embora vivamos num país em que se tente transmitir uma imagem de igualdade e harmonia

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais