Gestão de Competências: a Caminho da Maturidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de Competências: a Caminho da Maturidade"

Transcrição

1 Gestão de Competências: a Caminho da Maturidade Marcelo Ribeiro Galvão 1, Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães 2 1 ATAN Ciência da Informação Av. Afonso Pena, o andar Belo Horizonte MG Brasil 2 FITec Inovações Tecnológicas Av. Afonso Pena, o andar Belo Horizonte MG Brasil Abstract. Competence management is not only an important requirement in the main current quality models, but also a challenge and a need in most of the organizations. The aim of this paper is to show, through a practical example, how to obtain results in this area that fulfill several internationally known models ISO 9001:2000, PMBOK, ISO/IEC 12207, ISO/IEC 15504, P- CMM, SW-CMM, CMMI and MPS.BR. The Competence Management System developed by ATAN promotes a supervised registration of competences and abilities for employees and functions. It also makes cross-references of these data, defining a prioritized training plan and obtaining evaluation indexes for each employee. Resumo. Requisito relevante nos principais modelos de qualidade atuais, a gestão de competências é um desafio e uma necessidade na maioria das organizações. O objetivo deste trabalho é mostrar, por meio de um exemplo prático, como é possível obter resultados nesta área que atendam a vários modelos internacionalmente conhecidos ISO 9001:2000, PMBOK, ISO/IEC 12207, ISO/IEC 15504, P-CMM, SW-CMM, CMMI e MPS.BR. O Sistema de Gestão de Competências desenvolvido pela ATAN é capaz de promover o registro supervisionado de competências e habilidades para funcionários e funções existentes, bem como cruzar estas informações em busca da definição de um plano de treinamento priorizado e específico para cada funcionário. Também possibilita o cálculo de índices para avaliação dos funcionários em relação a sua qualificação. 1. Introdução Os procedimentos e tarefas envolvidos no desenvolvimento de software estão intimamente ligados à qualificação e ao desempenho dos indivíduos atuantes nesse processo. É necessário, portanto, um constante treinamento, de forma planejada e organizada, para que pessoas com os conhecimentos e perfis adequados sejam capazes de exercer os papéis necessários no desenvolvimento de software, de forma eficiente. O objetivo deste trabalho é mostrar, por meio de um exemplo prático, como a melhoria de processos pode buscar resultados para a área de Recursos Humanos que atendam a vários modelos internacionalmente conhecidos ISO 9001:2000, PMBOK,

2 ISO/IEC 12207, ISO/IEC 15504, P-CMM, SW-CMM, CMMI e MPS.BR considerando especialmente o requisito Gestão de Competências. Este trabalho está dividido em mais cinco seções. A seção 2 apresenta os principais conceitos relacionados ao assunto. A seção 3 comenta sobre o gerenciamento de competências nas principais normas e modelos relacionados à qualidade. A solução adotada pela ATAN é descrita na seção 4, e comparada aos principais modelos e normas na seção 5. Finalmente, a seção 6 encerra o assunto, identificando pontos de melhoria no sistema e fazendo um comparativo macro com outros sistemas existentes no mercado. 2. Principais Conceitos Relacionados Embora seja atualmente muito utilizado, principalmente na área de gestão de pessoas, o termo competência não possui uma definição unânime, em função de diferentes perspectivas e modelos em que é utilizado. Barato indica como ponto comum às diversas noções de competência seu entendimento "como a capacidade pessoal de articular saberes com fazeres característicos de situações concretas de trabalho" [BARATO 1998]. Assim, a competência pode ser compreendida como resultante de múltiplos saberes, obtidos das mais variadas formas aprendizagem formal, transferência de conhecimento entre pessoas, adaptação de experiências anteriores que possibilitam ao indivíduo criar uma base de conhecimentos e habilidades capazes de resolver problemas em situações concretas. Stroobants compreende a competência como uma resultante de três componentes principais [STROOBANTS 1997]: saberes ou conhecimentos formais que podem ser traduzidos em fatos concretos, definindo regras; saber-fazer, procedimento empírico como as receitas e conhecimentos tácitos dos ofícios, que se desenvolvem na prática cotidiana de uma profissão ou ocupação; saber-ser, compreendido como o saber social ou senso comum, que mobiliza estratégias e raciocínios complexos, bem como interpretações e visões de mundo. Foi durante a década de 1990, quando as organizações já possuíam uma estrutura de trabalho integrada e complexa aliada às inovações constantes, que surgiu um questionamento sobre a necessidade de determinadas habilidades e qualificaçõeschave. Nesta perspectiva, o conceito de competência individual passou a ser compreendido como um conjunto de capacidades humanas necessárias para que o indivíduo assumisse as atividades previstas no processo de organização do trabalho [FLEURY 2002]: conhecimentos - o que a pessoa precisa saber para desempenhar uma tarefa, o conjunto de informações associadas à experiência, à intuição e aos valores, podendo ser explícito (transmissível em linguagem formal) ou tácito (enraizado na ação, no comprometimento e no envolvimento, em um contexto específico); habilidades - demonstração de um talento particular na prática, da capacidade do indivíduo de desempenhar as várias tarefas previstas para o exercício da sua função, podendo ser intelectual ou física;

3 atitudes - modo de proceder ou agir, avaliações de diversos aspectos do mundo social armazenadas na memória que tornam mais previsível e estável o ambiente. Tanto na literatura acadêmica como nos textos que fundamentam a prática administrativa, destaca-se a importância de se alinhar competências às necessidades estabelecidas pelos cargos ou posições existentes nas organizações [FLEURY 2002]. É por meio do processo de aprendizagem e de gestão do conhecimento que as organizações podem desenvolver as competências necessárias para a realização de sua estratégia competitiva [FLEURY & FLEURY 2000]. 3. A Gestão de Competências e os Modelos da Qualidade Os modelos da qualidade representam um conjunto de boas práticas a serem adotadas pelas organizações em seu dia-a-dia. Apesar de cada um dos modelos apresentar uma visão própria, eles são unânimes em destacar a importância de preparar o pessoal para o trabalho e gerenciar capacitação, habilidades e programas de treinamento A Norma ISO 9001:2000 A Série ISO 9000 é formada por um conjunto de normas que representam o consenso internacional sobre boas práticas de gerenciamento, visando garantir o atendimento aos requisitos do cliente e a melhoria contínua, independente da área de atuação da organização. A norma ISO 9001:2000 [ABNT 1998a] estabelece um conjunto de requisitos necessários para que um Sistema de Gestão da Qualidade seja efetivo, considerando seus oito princípios básicos: foco no Cliente, liderança, envolvimento das pessoas, abordagem de processo, abordagem sistêmica da gestão, melhoria contínua, abordagem com base em fatos para apoiar a tomada de decisão; relacionamentos mutuamente benéficos com fornecedores. Na perspectiva da ISO 9001:2000, o pessoal que executa atividades que afetam a qualidade do produto deve ser competente com base em educação, treinamento, habilidades e experiência apropriados. Para tal, a organização deve: determinar as competências necessárias para o pessoal que executa trabalhos que afetam a qualidade do produto; fornecer treinamento ou tomar outras ações para satisfazer essas necessidades de competência; avaliar a eficácia das ações executadas; assegurar que o seu pessoal esteja consciente quanto à pertinência e importância de suas atividades e de como elas contribuem para atingir os objetivos da qualidade; manter registros apropriados de educação, treinamento, habilidade e experiência [ABNT 1998a] O PMBOK Na área de gerenciamento de projetos, a principal referência utilizada tem sido o PMBOK Project Management Body of Knowlege [PMI 2004], um guia genérico que estabelece 44 processos para gerenciamento de projetos, organizados em nove áreas de conhecimento ou de atuação gerencial. Uma dessas áreas é a de Gerência de Recursos Humanos, que tem como objetivo organizar e gerenciar a equipe do projeto, fazendo uso mais efetivo de competências e habilidades. Ela é composta por quatro processos:

4 Planejamento de recursos humanos, que visa identificar e documentar as funções, responsabilidades e hierarquia no projeto, além de criar um plano de gerenciamento de pessoal; Contratação e mobilização da equipe do projeto, que visa conseguir os recursos humanos necessários para trabalhar no projeto; Desenvolvimento da equipe, que visa aperfeiçoar competências e interação da equipe para melhorar seu desempenho no projeto; Gerenciamento da equipe, que visa acompanhar desempenho, resolver problemas, obter realimentação e coordenar mudanças A Norma ISO/IEC A norma ISO/IEC [ABNT 1998b] tem como objetivo estabelecer uma estrutura comum para os processos de ciclo de vida de software, com uma terminologia bem definida, que pode ser referenciada pela indústria de software e utilizada em todo o ciclo e por todos os envolvidos com a produção, manutenção e operação do software adquirentes, fornecedores, operadores, desenvolvedores, gerentes, profissionais de qualidade e usuários. Ela estabelece uma arquitetura de alto nível, abrangendo desde a concepção até a descontinuidade do software, sem especificar detalhes de como implementar ou executar as atividades incluídas nos processos, nem prescrever um modelo de ciclo de vida específico, um método de desenvolvimento de software ou uma linguagem de programação. Esta arquitetura é composta de processos, que são definidos em termos de suas atividades, que por sua vez são definidas em termos de suas tarefas. De acordo com o seu objetivo principal, os processos são agrupados em três grandes classes (fundamentais, de apoio e organizacionais), que passam por um processo de adaptação para serem usados na organização ou em um projeto específico. Os processos fundamentais aquisição, fornecimento, desenvolvimento, operação e manutenção são extremamente dependentes de pessoal com conhecimento e qualificação, sendo imperativo que ocorra um planejamento do treinamento, de forma que pessoal preparado esteja disponível quando necessário. Dentre os processos organizacionais está o de Recursos Humanos, que tem como propósito fornecer à organização os recursos humanos adequados e manter as suas competências consistentes com as necessidades do negócio [ABNT 1998b]. Este processo define as atividades básicas para recrutar pessoal, prover e manter pessoal treinado, bem como avaliar seu desempenho. Como resultado, espera-se que tanto para a organização quanto para o projeto: as habilidades e os papéis requeridos sejam identificados; recursos humanos sejam fornecidos; necessidades de treinamento sejam levantadas; treinamentos sejam realizados; o patrimônio intelectual da organização seja reunido e explorado por meio de um mecanismo estabelecido Os Modelos de Maturidade e o CMMI Os modelos de maturidade têm sido largamente adotados pela comunidade internacional e contribuído bastante para o fortalecimento da área de qualidade de software. Criado para ser um guia destinado a melhorar os processos organizacionais e a habilidade deste

5 em gerenciar o desenvolvimento, aquisição e manutenção dos produtos e serviços [SEI 2005a], o CMMI evoluiu e integrou diversos modelos de maturidade anteriormente desenvolvidos (SW-CMM, SE-CMM, IPD-CMM) [SEI 2005b], consolidando um framework que é consistente com a norma ISO/IEC 15504, também conhecida como SPICE (Software Process Improvement and Capability determination) [SPICE 2005]. O CMMI possui uma arquitetura basicamente composta pela definição de um conjunto de áreas de processo, organizadas em duas representações diferentes: um modelo por estágio, semelhante ao SW-CMM e um modelo contínuo, semelhante à ISO/IEC Seu objetivo é representar metas e recomendações genéricas para orientar a melhoria de processos em geral, não existindo soluções prontas para serem institucionalizadas. Na busca por melhorias relevantes, cabe a cada organização entender e interpretar as recomendações em relação ao contexto, objetivo e estratégia de negócio. A gestão de competências também é apontada como um objetivo das organizações que buscam a melhoria seguindo os modelos de maturidade. Na perspectiva do SW-CMM, a área-chave de processo "Programa de Treinamento" (TP - Nível 3) tem como objetivo "desenvolver os perfis e conhecimentos dos indivíduos de forma que eles possam exercer seus papéis, eficiente e eficazmente" [SEI 2005b]. No modelo CMMI por estágio, a área de processo "Treinamento Organizacional" (OT - Nível 3) possui o mesmo objetivo e orienta a organização a: identificar as necessidades de treinamento, tanto técnicos (para atuação específica em projetos) quanto operacionais (para atuação em processos organizacionais do dia-a-dia); disponibilizar treinamentos; desenvolver mecanismos que assegurem sua efetividade [SEI 2005a]. Seguindo a mesma linha, o modelo MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro, em seu nível E - Parcialmente Definido, está o processo de "Treinamento", que tem como propósito "prover a organização e os projetos com profissionais que possuam os conhecimentos e as habilidades necessárias para executar suas funções de forma efetiva" [SOFTEX 2005]. De uma forma ainda mais abrangente no tocante à capacidade de atrair, desenvolver, motivar, organizar e reter talentos, o P-CMM (People Capability Maturity Model) visa suprir a deficiência em relação ao gerenciamento e melhoria do processo em organizações que implantam programas baseados em CMM, com diversas áreas-chave relacionadas à gestão de competências: no nível 2, "Recrutamento, Seleção e Promoção de Pessoal", "Gerenciamento de Performance" e "Treinamento"; no nível 3, "Análise de Técnicas e de Conhecimento", "Desenvolvimento de Competência", "Práticas Baseadas em Competência"; no nível 4, "Gerenciamento de Competência Organizacional"; no nível 5, "Desenvolvimento Pessoal da Competência". Independente do modelo de maturidade escolhido, faz-se necessário manter em uma organização um programa de treinamento gerenciado, com planos documentados e instrutores adequadamente preparados. 4. A Solução Adotada pela ATAN Considerando a certificação em modelos de qualidade um fator de sobrevivência no mercado atual, a ATAN empresa integradora de sistemas, que desde 1987 dedica-se ao desenvolvimento de sistemas industriais de automação e informação tem investido nos últimos anos na melhoria contínua de seus processos produtivos, visando oferecer

6 produtos e serviços diferenciados. Nesta direção, está desenvolvendo uma solução própria de gestão corporativa composta por diversos sistemas, entre eles o Sistema de Gestão de Competências, que permite gerenciar os conhecimentos e as habilidades necessárias para que seu pessoal exerça as diversas funções da empresa, definidas a partir de critérios também utilizados na elaboração de currículos. O Sistema de Gestão de Competências (SGC) utiliza diversos cadastros de itens relevantes para a geração de planos de treinamento. Os itens de conhecimento são organizados em Área, Sub-Área e Conhecimento, de forma a facilitar a pesquisa por um determinado item. Assim, o conhecimento Programação em C#, por exemplo, pertence à Sub-área Programação e à Área Conhecimento de TI. O cadastramento de itens de conhecimento possui acesso restrito: somente os funcionários responsáveis pela manutenção do SGC podem criar, editar ou excluir itens de conhecimento.

7 Os itens de conhecimento cadastrados são utilizados pelos funcionários ao preencher seus currículos. Eles selecionam os conhecimentos que possuem, informando o Domínio técnico (básico, avançado e intermediário), tempo de Experiência (menos de 1 ano, de 1 a 3 anos e mais de 3 anos) e o Modo de Aprendizado. A figura 1 apresenta a interface de currículo, exibindo os conhecimentos cadastrados por um funcionário. Figura 1 - Interface de um currículo com os conhecimentos de um funcionário Além do cadastro de Conhecimentos, existe um cadastro de Habilidades, que possui organização hierárquica semelhante (Área, Sub-Área e Habilidade). Por serem mais subjetivas e necessitarem de uma avaliação criteriosa, os funcionários não podem cadastrar suas próprias habilidades, cabendo aos gerentes tal atribuição, por meio da interface Avaliação de Habilidades do Funcionário. Ao associar uma habilidade a um funcionário, é necessário preencher o domínio que ele possui daquela habilidade. Não é definido tempo de experiência para a habilidade, como ocorre no cadastro de itens de conhecimento. As diversas funções desempenhadas pelos funcionários também devem ser cadastradas, organizadas por Descrição e Categoria (trainee, júnior, pleno e sênior). Além destes dois itens, no cadastro de Funções é definida a escolaridade mínima desejável, bem como uma lista de Conhecimentos e Habilidades necessárias para seu pleno desempenho, composta por: Descrição do item de conhecimento; Domínio técnico (básico, intermediário ou avançado) e Experiência (menos de 1 ano, de 1 a 3 anos e mais de 3 anos) necessários; Tipo (se é fundamental ou complementar para seu exercício) e Peso do conhecimento. O Peso reflete a importância do Conhecimento para a função e será utilizado no cálculo de um índice de desempenho dos funcionários. Seu valor pode

8 variar de 0 a 3, sendo 3 a de maior peso. A figura 2 ilustra a interface que relaciona as competências de uma função segundo os critérios acima definidos. Figura 2 Interface que relaciona as competências para uma função O subsistema de Geração de Treinamentos foi implementado para cruzar os conhecimentos e habilidades de um funcionário e de uma função, visando identificar quais são os treinamentos que o funcionário deve realizar para desenvolver as competências nos níveis necessários para cada função desempenhada ou identificar a necessidade de proceder uma contratação ou uma redistribuição de tarefas, se for o caso. A figura 3 esquematiza as etapas seguidas para se obter pessoas competentes. Figura 3- Etapas para se obter pessoas competentes Os treinamentos identificados como necessários são priorizados: o treinamento de maior prioridade é aquele correspondente a uma competência exigida pela função e que o funcionário ainda não possui. Além disso, a prioridade depende da diferença entre os requisitos exigidos (domínio e experiência) das competências da função e do funcionário. Quanto maior essa diferença, maior será a prioridade do treinamento. A

9 tabela 1 é utilizada para definir a prioridade do treinamento para uma determinada competência, considerando o domínio e a experiência da função e do funcionário naquela competência. Os treinamentos assinalados com prioridade 0 são os considerados mais importantes.

10 Básico Tabela 1 - Prioridade definida para os treinamentos Funcionário Básico Intermediário Avançado Não Tem Função < 1 1 a 3 > 3 < 1 1 a 3 > 3 < 1 1 a 3 3 < 1 0 ok ok ok ok ok ok ok ok ok 1 a ok ok ok ok ok ok ok ok > ok ok ok ok ok ok ok < ok ok ok ok ok ok 1 a ok ok ok ok ok Intermediário Avançado > ok ok ok ok < ok ok ok 1 a ok ok > ok A figura 4 apresenta a interface para geração de planos de treinamento. Para que um plano de treinamento possa ser gerado para um funcionário, será necessário cruzar seus dados de currículo com os cadastrados para as funções por ele desempenhadas. Um funcionário comum não possui acesso às interfaces para associar funcionário à função e associar competências à função. O sistema possui uma interface Funções do Funcionário, que mostra a quais funções ele está associado e indica se ele está apto ou em capacitação. Essa avaliação é realizada de acordo com o seguinte critério: um funcionário está apto para desempenhar determinada função somente se ele possuir experiência e domínio igual ou superior à de todas as competências classificadas como fundamentais para aquela função. Ao realizar essa avaliação, o sistema não leva em consideração as Habilidades necessárias nem a formação desejada para a função. Para o funcionário saber quais são as competências necessárias para uma função, basta acessar a interface Competências da Função e filtrar as competências associadas a sua função. Figura 4- Interface contendo um plano de treinamento gerado

11 Também é possível gerar planilhas com o plano de treinamento, assim como campos adicionais para preenchimento de informações sobre a realização destes, permitindo a criação de registros dos treinamentos realizados. Estas planilhas possuem as mesmas informações contidas na interface de geração de treinamento, porém com campos adicionais como Data de Realização, Avaliação da eficácia do treinamento, entre outros que podem ser preenchidos pelos gerentes durante o acompanhamento da execução do plano de treinamento. Os níveis de Escolaridade a serem utilizados no currículo devem também ser previamente cadastrados no sistema, acompanhados de sua descrição. Quanto maior o valor atribuído, maior o nível da Escolaridade. Ao cruzar as informações do funcionário com as informações das funções por ele desempenhadas, caso o funcionário possua uma escolaridade menor do que a exigida para o desempenho de suas funções, ele será alertado pelo sistema por meio de uma mensagem de aconselhamento, que indica tal carência e aponta a escolaridade desejada. A partir do momento em que os treinamentos sugeridos pelo sistema são realizados, eles deverão ser registrados na planilha gerada com o plano de treinamento. Os funcionários deverão atualizar as competências referentes aos treinamentos realizados em seus currículos. Caso os níveis de domínio e experiência exigidos pelas funções desempenhadas sejam atingidos, essas competências não farão mais parte do plano de treinamento do funcionário. Outra funcionalidade do sistema de Gestão de Competência, disponível somente para os gerentes e responsáveis pelo sistema, é a que avalia o funcionário em relação às funções por ele desempenhadas. O sistema calcula um índice referente ao percentual de competências do funcionário que satisfazem às exigências daquela função, indicando se o funcionário está acima ou abaixo do nível exigido para ela. 5. Atendimento do SGC da ATAN aos Modelos da Qualidade A tabela 2 apresenta um estudo comparativo do atendimento do Sistema de Gestão de Competências desenvolvido pela ATAN aos processos relacionados na seção 3, integrantes dos principais modelos e normas da qualidade. Tabela 2 - Comparativo de atendimento do SGC aos modelos da qualidade Modelo, Processo e Objetivo ISO 9001:2000: 6.2 Recursos Humanos O pessoal que executa atividades que afetam a qualidade do produto deve ser competente com base em educação, treinamento, habilidades e experiência apropriados. A organização deve: determinar competências necessárias e fornecer, avaliar eficácia e manter registro de treinamentos. PMBOK - Gerência de Recursos Humanos Organizar e gerenciar a equipe do projeto, fazendo uso mais efetivo de competências e habilidades. Processos: Planejar Recursos Humanos, Contratar e Mobilizar Equipe do Projeto, Desenvolver a Equipe, Gerenciar a Equipe. ISO/IEC e (SPICE): Recursos Humanos Fornecer à organização os recursos humanos adequados e Sistema ATAN Possibilita identificar quais são os conhecimentos e habilidades necessárias nos processos que afetam a qualidade do produto. Fornece um plano de treinamento, a partir da carência de itens de conhecimento para os processos e dos registros de domínio e de experiência de cada indivíduo. Permite avaliar o desempenho dos funcionários e mantém registros apropriados. Após cadastramento de conhecimentos e habilidades requeridos dos funcionários e definidos para as funções, permite identificar perfis adequados a serem alocados em projetos, bem como eventuais carências de treinamento. Possibilita ainda elaborar plano de treinamento. Possibilita registrar conhecimentos e habilidades dos funcionários e comparar com as necessidades da organização e dos projetos,

12 Modelo, Processo e Objetivo manter as suas competências consistentes com as necessidades do negócio. Sistema ATAN gerando planos de treinamento. Permite ainda registrar treinamentos realizados e avaliar gap de competências necessárias para a função. Tabela 2 - Comparativo de atendimento do SGC aos modelos da qualidade (cont.) Modelo, Processo e Objetivo SW-CMM 3: KPA Programa de Treinamento Desenvolver as habilidades e conhecimentos dos indivíduos, para que eles possam executar suas tarefas de forma eficaz e eficiente. (obs: treinamento é visto como responsabilidade organizacional, mas também deve ser avaliado por projeto). CMMI 3: PA Treinamento Organizacional Desenvolver as habilidades e conhecimentos das pessoas, de forma que elas possam desempenhar seus papéis de maneira efetiva e eficiente. MPS.BR E: Processo de Apoio Treinamento Prover a organização e os projetos com profissionais que possuam os conhecimentos e as habilidades necessárias para executar suas funções de forma efetiva. P-CMM 2: Recrutamento, Seleção e Promoção de Pessoal Determinar um processo formal pelo qual talentos sejam recrutados, selecionados e promovidos. P-CMM 2: Gerenciamento de Performance Estabelecer critérios objetivos de performance individual e de grupo a serem medidos. Tais medições são avaliadas e fornecem dados para um melhoramento contínuo do desempenho do pessoal. P-CMM 2: Treinamento Garantir que todos os membros da organização recebam treinamento nas técnicas necessárias para a realização de suas atividades. P-CMM 3: Análise de técnicas e de conhecimento Identificar o conhecimento e as técnicas necessárias ao corpo de funcionários para a realização dos processos de software específicos de sua atividade. P-CMM 3: Desenvolvimento de Competência Ressaltar constantemente a capacidade do corpo de funcionários em realizar tarefas e cumprir com responsabilidades. P-CMM 3: Práticas Baseadas em Competência Garantir que todas as práticas sejam baseadas na capacidade e no conhecimento do corpo gerencial, cujos treinamentos e aprimoramentos foram realizados visando especificamente à otimização do processo da organização. P-CMM 4: Gerenciamento de Competência Organizacional Aumentar a capacidade da organização em atividades para a melhoria de competência. Determinar a eficácia das práticas Sistema ATAN Automatiza o atendimento à Meta 1 (As atividades de treinamento são planejadas). Possibilita identificar as competências para prover o treinamento adequado para necessidades específicas de um projeto. Mantém registro dos treinamentos realizados. Facilita o atendimento à SG 1 (Estabelecer uma Capacidade de Treinamento Organizacional), por dar suporte principalmente às SP 1.1 a 1.3 (Estabelecer as necessidades estratégicas de treinamento, determinar quais delas são de responsabilidade da organização e estabelecer e manter um plano tático de treinamento organizacional). Atende também à SP 2.2 (Estabelecer registros de treinamento) e facilita atender à SG 3 (Institucionalizar um processo definido). Possibilita obter os seguintes resultados esperados: TRE 1 (Uma estratégia de treinamento é planejada e implementada para atender as necessidades de treinamento dos projetos e da organização); TRE 2 (As necessidades de treinamento que são responsabilidade da organização são identificadas) e parte de TRE 4. (...são estabelecidos registros de sua realização). Fornece apoio ao processo formal estabelecido, uma vez que disponibiliza critérios de avaliação de acordo com as competências de cada indivíduo. Os indicadores disponíveis possibilitam avaliar se o funcionário está acima ou abaixo do nível exigido para a função em que atua, e o acompanhamento histórico destes índices propicia verificar sua evolução ao longo do tempo. Além disso, existem avaliações por departamento, possibilitando mensurar a performance de grupos. A ferramenta possibilita a elaboração de um programa de treinamento, não só para atender necessidades organizacionais, mas também direcionada para as necessidades de um projeto. A identificação de itens de conhecimento e técnicas necessárias é realizada e depois introduzida na ferramenta, a partir das quais o corpo de funcionários ou a gerência responsável registram conhecimentos e habilidades. Como os processos definidos identificam os papéis envolvidos e as pessoas estão associadas a papéis desempenhados por ela, é possível cada um identificar e acompanhar, de forma integrada, quais são as carências de competências individuais. Ao identificar e registrar as necessidades por projeto, a ferramenta possibilita cruzar informações e identificar os funcionários mais adequados para desenvolvê-lo. Não garante, porém, que as práticas a serem seguidas estejam baseadas nas competências isto teria que ser realizado à parte. Este é o principal foco da ferramenta: registrar conhecimentos e habilidades, possibilitando gerenciar e acompanhar índices de evolução das competências necessárias para a organização e para

13 Modelo, Processo e Objetivo de desenvolvimento de competência para alcançar os objetivos relacionados à otimização de competência. P-CMM 5: Desenvolvimento Pessoal de Competência Fornecer condições para que os membros da organização avaliem e melhorem sua performance ao realizar atividades. projetos específicos. Sistema ATAN Ao possibilitar ao funcionário comparar as competências e habilidades necessárias com as por ele desenvolvidas, é possível avaliar sua situação e direcionar seu desenvolvimento.

14 6. Conclusão Este trabalho apresentou o Sistema de Gestão de Competências desenvolvido pela ATAN, com o intuito de disseminar iniciativas deste tipo em empresas brasileiras de software. Com a implantação deste sistema, a ATAN deu um grande passo na melhoria da gestão de seus recursos humanos, se adequando às normas e modelos da qualidade. O SGC foi desenvolvido utilizando tecnologia.net da Microsoft, conceitos de programação orientada a objeto e arquitetura multicamadas. A camada de persistência utiliza banco de dados relacional Microsoft SQL Server. Desenvolvida para uso pela internet, a camada de apresentação conta com web forms. A linguagem de programação utilizada foi o C#. O sistema conta com um framework já implementado nessa linguagem para a camada de persistência. O desenvolvimento segue a abordagem ágil, empregando as metodologias XP (Extreme Programming) e Scrum. Existem outras funcionalidades ainda em desenvolvimento no sistema, entre elas o subsistema de registro de treinamento na documentação da qualidade, no qual o funcionário recebe s informando novos documentos da qualidade aprovados e, após leitura do documento, registra seu treinamento. Outra funcionalidade é a complementação de dados de currículo outros cursos, certificações obtidas, publicações, experiência profissional anterior, participação em projetos da ATAN visando sua apresentação para propostas técnicas. A incorporação do SGC ao sistema integrado de gestão corporativa, também em desenvolvimento pela ATAN, possibilitará a atualização automática de dados referentes à participação do funcionário em projetos recentes, bem como das competências adquiridas no decorrer do projeto. Pelo exposto, acredita-se que a ATAN está em processo de melhoria contínua, focada na busca da maturidade não só do desenvolvimento de software, mas também organizacional, tendo alcançado a certificação ISO 9001:2000 ao final de Programas para gestão de competências estão sendo gradativamente implantados nas organizações. Existe, porém, pouca divulgação de ferramentas que propiciem um controle adequado destas competências. Uma das iniciativas neste sentido foi o Sistema Perfil, implantado pelo Serviço Federal de Processamento de Dados [SERPRO 2004], que objetiva o registro e administração de informações relativas ao conhecimento dos empregados, utilizando uma estrutura em árvore composta por macro-processos, temas, ramos e assuntos. Esse programa possui índices de avaliação dos conhecimentos individuais e institucionais, porém não possibilita a geração automática de um programa de treinamento para os empregados cadastrados. Já o Projeto Profession, da Powertrain (uma joint venture formada pela Fiat e General Motors), gerou um sistema bem mais sofisticado, capaz de mapear todas as competências disponíveis e necessárias para a resolução dos mais diversos problemas em linhas de produção. A partir da criação de um verdadeiro banco de competências sobre seus profissionais espalhados pelo mundo, o sistema possibilita confrontar níveis de conhecimento existentes e necessários para a execução das atividades mais críticas, analisar necessidades de treinamento, planejar e executar as intervenções de formação profissional e avaliar os resultados obtidos. Além disso, um dicionário de competências com uma classificação

15 comum a todas as empresas do Grupo possibilita encontrar perfis e níveis de competência necessários para cada ocupação [SENAI 2005]. Referências ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. (1998a) NBR ISO 9001:2000 Sistema de gestão da qualidade Requisitos. Rio de Janeiro. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. (1998b) ISO/IEC Tecnologia da informação Processos de ciclo de vida do software. Rio de Janeiro. BARATO, J.N. Competências essenciais e avaliação do ensino universitário. Brasília: UNB, FLEURY, Maria Tereza Leme (2002). A gestão de competência e a estratégia organizacional. In: Maria Tereza Leme Fleury. (Org.). As pessoas na organização. São Paulo, 2002, v. 01, p FLEURY, Afonso, FLEURY, Maria Tereza Leme (2000). Estratégias empresariais e formação de competências. São Paulo: Atlas, PMI - Project Management Institute. (2004) A Guide to the Project Management Body of Knowledge. Pennsylvania, USA, 3a edição. SEI - Software Engineering Institute. (2005a) Site SEI - Software Engineering Institute. (2005b) Site SEI - Software Engineering Institute. (2005c) Site SENAI - Serviço Nacional da Indústria. (2005) Gestão de Recursos Humanos em Empresas da Indústria Automobilística. AntenaTematicaAutomobilistica.pdf SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados. (2004) PQGF Ciclo 2004 Relatório da Gestão SERPRO SOFTEX - Sociedade para Promoção da Excelência do Software Brasileiro. (2005) MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro: Guia Geral (Versão 1.0), SPICE Website. (2005) Site STROOBANTS, M. A visibilidade das competências. In: ROPÉ, F.; TANGUY, L.(orgas). Saberes e competências: o uso de tais noções na escola e na empresa. Campinas: Papirus, 1997.

16 Gestão de Competências: A Caminho da Maturidade Marcelo Ribeiro Galvão (ATAN) Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães (FITec) SIMPROS São Paulo, 21-23/Nov/2005 ATAN Sistemas de Automação e Informação 1 Agenda Motivação e Objetivos A Gestão de Competências e os Modelos da Qualidade PMBOK, Normas ISO 9001:2000 e ISO/IEC SPICE, SW-CMM, P-CMM, MPS.BR e CMMI A Solução Adotada pela ATAN Características gerais do sistema Funcionalidades disponíveis Atendimento da Solução ATAN aos Modelos da Qualidade Comparativo com os modelos de maturidade Conclusão <<XXXX-XX (Rev.:00)>> ATAN Sistemas de Automação e Informação 2

17 Motivação e Objetivos Processo de Desenvolvimento Sofre grande influência das pessoas atuantes Está constantemente evoluindo A qualificação das pessoas contribui para a qualidade resultante Necessário pessoas competentes, em capacitação permanente e planejada!! Competência = Conjunto de Capacidades Humanas Conhecimentos: o que é necessário saber para desempenhar uma tarefa Habilidades: demonstração de um talento particular na prática Atitudes: modo de proceder ou agir Objetivos desta Apresentação Apresentar o Sistema de Gestão de Competências da ATAN Mostrar como ele contribui para a melhoria de processos e permite trazer resultados para a área de Recursos Humanos Disseminar iniciativas semelhantes em empresas brasileiras <<XXXX-XX (Rev.:00)>> ATAN Sistemas de Automação e Informação 3 A Gestão de Competências e os Modelos da Qualidade PMBOK Área de Conhecimento: Gerência de Recursos Humanos Norma ISO 9001:2000 Item 6.2: Recursos Humanos Norma ISO/IEC Processo Organizacional: Recursos Humanos Norma ISO/IEC (SPICE) Processos Organizacionais: Recursos e Infra-estrutura Gerência de Recursos Humanos e Treinamento MPS.BR Processo de Apoio, do Nível E: Treinamento SW-CMM KPA do Nível 3: Programa de Treinamento CMMI PA do Nível 3: Treinamento Organizacional <<XXXX-XX (Rev.:00)>> ATAN Sistemas de Automação e Informação 4

18 A Gestão de Competências e os Modelos da Qualidade P-CMM Nível 2: Recrutamento, Seleção e Promoção de Pessoal Gerenciamento de Performance Treinamento Nível 3: Análise de Técnicas e de Conhecimento Desenvolvimento de Competência Práticas Baseadas em Competência Nível 4: Gerenciamento da Competência Organizacional Nível 5: Desenvolvimento Pessoal de Competência <<XXXX-XX (Rev.:00)>> ATAN Sistemas de Automação e Informação 5 A Solução Adotada pela ATAN: Características Gerais do Sistema Ambiente de Desenvolvimento Tecnologia.NET da Microsoft Programação orientada a objeto Linguagem de programação C# Arquitetura Multicamadas Camada de persistência Banco de dados Microsoft SQL Server Uso do framework ATAN Camada de negócios Desenvolvida utilizando orientação a objetos Camada de apresentação Interface dotada de Web Forms Uso de práticas baseadas em Metodologias Ágeis XP (Extreme Programming) e Scrum <<XXXX-XX (Rev.:00)>> ATAN Sistemas de Automação e Informação 6

19 A Solução Adotada pela ATAN: Funcionalidades Disponíveis Registrar as competências como um currículo tabulado <<XXXX-XX (Rev.:00)>> ATAN Sistemas de Automação e Informação 7 A Solução Adotada pela ATAN: Funcionalidades Disponíveis Registrar as funções que podem ser desempenhadas Registrar as competências necessárias para uma função <<XXXX-XX (Rev.:00)>> ATAN Sistemas de Automação e Informação 8

20 A Solução Adotada pela ATAN: Funcionalidades Disponíveis Identificar qual é a carência de competências para que um funcionário esteja preparado para exercer uma função Competências para assegurar a qualidade do produto Identificação das = competências das pessoas Lacuna de competência identificada Lacuna de competência identificada Ação: contratação, + = treinamento, redistribuição de tarefas, etc. Pessoas competentes Priorização de treinamentos Funcionário Não Básico Intermediário Avançado Função Tem < 1 1 a 3 > 3 < 1 1 a 3 > 3 < 1 1 a 3 3 < 1 0 ok ok ok ok ok ok ok ok ok 1 a ok ok ok ok ok ok ok ok > ok ok ok ok ok ok ok < ok ok ok ok ok ok 1 a ok ok ok ok ok Básico Intermediário Avançado > ok ok ok ok < ok ok ok 1 a ok ok > ok <<XXXX-XX (Rev.:00)>> ATAN Sistemas de Automação e Informação 9 A Solução Adotada pela ATAN: Funcionalidades Disponíveis Gerar treinamentos, de forma planejada <<XXXX-XX (Rev.:00)>> ATAN Sistemas de Automação e Informação 10

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional Promovendo a Melhoria de Processos e a Qualidade de Software em Minas Gerais Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães, Fernando Silva Parreiras, Frederico Faria Comitê Gestor do SPIN-BH Direitos reservados

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

MBA em Gestão de Empreendimentos Turísticos

MBA em Gestão de Empreendimentos Turísticos Prof. Martius V. Rodriguez y Rodriguez, DSc martius@kmpress.com.br MBA em Gestão de Empreendimentos Turísticos Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação Gestão do Conhecimento evolução conceitual.

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Qualidade de software É cada dia maior o número de empresas que buscam melhorias em seus processos de desenvolvimento de software. Além do aumento da produtividade e da diminuição do retrabalho, elas buscam

Leia mais

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR Fonte: http://www.softex.br/mpsbr/_home/default.asp Apostilas disponíveis no site 1 NORMAS: NBR ISO NBR ISO/IEC CMM SPICE Continuação... 2 NORMAS VISÃO GERAL NBR

Leia mais

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos 3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos A complexidade que caracteriza a implantação de um sistema ERP é uma das maiores preocupações das organizações que pretendem desenvolver projetos desta natureza.

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQP SW Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Categoria 2.36: Métodos de Gestão Soltin - Soluções

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

SEQUÊNCIA: TIPOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. PROF. MARTIUS V R Y RODRIGUEZ, DSc TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

SEQUÊNCIA: TIPOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. PROF. MARTIUS V R Y RODRIGUEZ, DSc TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO TIPOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 Prof. Martius Vicente Rodriguez y Rodriguez, DSc - 1 TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1. TIPOS DE 2. ARQUITETURAS DE SISTEMAS - CRM 3. KNOWLEDGE DISCOVERY IN DATABASE 4. SISTEMAS

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Renato Luiz Della Volpe Sócio Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. Formado em 1983 em Eng. Mecânica pela FEI e Pós-graduação em Administração pela USP 2001.

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP

Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática na área de Sistemas de Informação UFRJ/IM Pós-Graduado em Análise, Projeto e Gerência de Sistemas PUC Pós-Graduado

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano Unidade I GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Objetivo Estimular o aluno no aprofundamento do conhecimento das técnicas de gestão profissional de projetos do PMI. Desenvolver em aula

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. COBIT José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com COBIT Control Objectives for Information and Related Technology Copyright 1996, 1998, 2000 Information Systems Audit and Control Foundation. Information

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Engenharia de SoftwareLuiz Carlos Aires de Macêdo. Gestão de Projeto de Software

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Engenharia de SoftwareLuiz Carlos Aires de Macêdo. Gestão de Projeto de Software Gestão de Projeto de Software Gestão de Projeto de Software: Trata de práticas para entregar um software que respeite os custos, padrões e o tempo. Padrões Custos Engenheiro de Software Projeto de Software

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

Programa MPS.BR e Modelo MPS: MPS-RH

Programa MPS.BR e Modelo MPS: MPS-RH Programa MPS.BR e Modelo MPS: MPS-RH Gleison Santos (COPPE) Renato Luiz Della Volpe (ASR Consultoria) Introdução RENATO LUIZ DELLA VOLPE Sócio Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda.

Leia mais

Mapeamento GRH. 1. Introdução

Mapeamento GRH. 1. Introdução Mapeamento GRH 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem duas finalidades principais: a) Averiguar semelhanças e diferenças entre modelos, normas e guias de boas práticas para gestão de recursos

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Garantia da Qualidade de Processo e Produto Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. É permitido o uso deste material

Leia mais

SISTEMA. Tecnologia. Software. Hardware. Prazos. Pessoas. Qualidade. Custo GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI?

SISTEMA. Tecnologia. Software. Hardware. Prazos. Pessoas. Qualidade. Custo GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI? GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI? Os projetos de Tecnologia de Informação possuem características marcantes, que os diferencia dos demais são projetos onde o controle

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo QUALIDADE DE SOFTWARE - PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina:Projeto de Sistemas Qualidade de software cynaracarvalho@yahoo.com.br Qualidade de software Qualidade

Leia mais

Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa. Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions

Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa. Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions TI e Negócio 10 entre 10 CIOs hoje estão preocupados com: Alinhar TI ao Negócio;

Leia mais

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em

Leia mais

SIMPROS 2007 03 a 05 Dezembro de 2007

SIMPROS 2007 03 a 05 Dezembro de 2007 Conciliando Modelos: Arquitetura Corporativa, COBIT, PMBOK e CMMI em Harmonia Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions TI E NEGÓCIO 10 entre 10 CIOs hoje estão preocupados com: Alinhar TI ao Negócio;

Leia mais

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática www.asrconsultoria.com.br Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade 1 Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Tiago Domenici Griffo 1, Gothardo Francisco de Magalhães Santos 1, Rodrigo Becke Cabral 1 1

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR

CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR Leonardo Galvão Daun Universidade Estadual de Maringá leonardo.daun@gmail.com Profª Drª Sandra Ferrari Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

Qualidade do Processo de Software

Qualidade do Processo de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Qualidade do Processo de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais

Leia mais

Qualidade de Processo de Software. Implementação de Melhoria de Processos de Software

Qualidade de Processo de Software. Implementação de Melhoria de Processos de Software Qualidade de Processo de Software Implementação de Melhoria de Processos de Software Sumário Conceitos de Melhoria de Processos de Software (MPS) Implementação de Processos com Modelos e Normas de Qualidade

Leia mais

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail. Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura O Modelo Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Agenda O que é? Motivação Organização do MPS.BR Estrutura

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Introdução a CMMI Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Campina Grande, 29 de setembro de 2008 Agenda Processos Motivação Sintomas de falha de processo Aprimoramento de Processos O Framework

Leia mais

PMBok & CMM + CMMi Resumo

PMBok & CMM + CMMi Resumo PMBok & CMM + CMMi PMBok & CMM + CMMi Resumo Mauro Sotille, PMP mauro.sotille@pmtech.com.br www.pmtech.com.br Fontes SEI/Carnegie Mellon University Apresentação: Gerência de Projetos de Software, José

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Modelos de Processo Pessoal e de Equipe na Melhoria da Qualidade em Produção de Software Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Agenda Importância das Pessoas / Constatações Compromisso

Leia mais

Gerenciando Riscos no Desenvolvimento de Software

Gerenciando Riscos no Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, MSc rafael.espinha@primeup.com.br João Condack, MSc condack@primeup.com.br Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Gerenciando Riscos

Leia mais

Avaliação do Processo de atendimento de demandas de produtos de software da Embrapa

Avaliação do Processo de atendimento de demandas de produtos de software da Embrapa Avaliação do Processo de atendimento de demandas de produtos de software da Embrapa Edméia Leonor Pereira de Andrade Embrapa edmeia.andrade@embrapa.br AngélicaToffano Seidel Calazans Caixa Econômica Federal

Leia mais

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO OBJETIVO DA SEÇÃO Esta seção apresenta a Competência, Conscientização e do Sistema da Qualidade da TELEDATA que atende ao item 6.2.2 Norma ISO 9001:2008. DIRETRIZES

Leia mais

ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda.

ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. Qualidade de software: dois pontos de vista Já há algum tempo o software está presente em nosso cotidiano em quase tudo que nos cerca. Quando as empresas que desenvolvem software investem na melhoria da

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

24/09/2013. COBIT5: Novas perspectivas e desafios para a Auditoria Interna

24/09/2013. COBIT5: Novas perspectivas e desafios para a Auditoria Interna 24/09/2013 COBIT5: Novas perspectivas e desafios para a Auditoria Interna Luiz Claudio Diogo Reis, MTech, CISA, CRISC, COBIT (F), MCSO Luiz.reis@caixa.gov.br Auditor Sênior Caixa Econômica Federal Currículo

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA PMBoK 1. (FCC/ANALISTA-MPU 2007) De acordo com o corpo de conhecimento da gerência de projetos, as simulações

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Governança de TI: O que é COBIT?

Governança de TI: O que é COBIT? Governança de TI: O que é COBIT? Agenda Governança de TI Metodologia COBIT Relacionamento do COBIT com os modelos de melhores práticas Governança de TI em 2006 Estudo de Caso Referências Governança de

Leia mais

Visão Geral da Certificação CERTICS

Visão Geral da Certificação CERTICS Projeto 0113009300 - Implementação da CERTICS - Certificação de Tecnologia Nacional de Software IX Workshop Anual do MPS WAMPS 2013 Visão Geral da Certificação CERTICS Palestrante: Adalberto Nobiato Crespo

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Implantação da Governança a de TI na CGU

Implantação da Governança a de TI na CGU Implantação da Governança a de TI na CGU José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União I Workshop de Governança de TI da Embrapa Estratégia utilizada para

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais