O REGISTRO DE IMÓVEIS COMO INSTRUMENTO PARA A PROTEÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO MERCADO IMOBILIÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O REGISTRO DE IMÓVEIS COMO INSTRUMENTO PARA A PROTEÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO MERCADO IMOBILIÁRIO"

Transcrição

1 ESADE LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO BIANCA SANT ANNA DELLA GIUSTINA O REGISTRO DE IMÓVEIS COMO INSTRUMENTO PARA A PROTEÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO MERCADO IMOBILIÁRIO Porto Alegre 2009

2 BIANCA SANT ANNA DELLA GIUSTINA O REGISTRO DE IMÓVEIS COMO INSTRUMENTO PARA A PROTEÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO MERCADO IMOBILIÁRIO Monografia apresentada como requisito à conclusão do curso de Curso de Especialização em Direito Imobiliário da ESADE - Laureate International Universities. Orientador: Professor Pós-Doutor Germano André Doederlein Schwartz Porto Alegre 2009

3 RESUMO O presente trabalho busca estudar o papel do registro de imóveis para a proteção e desenvolvimento do mercado imobiliário. Para tanto, analisa-se a necessidade de implementação de sistemas registrais e seus reflexos na economia. Identificam-se os principais sistemas de publicidade registral do mundo. Logo após, estudam-se os princípios registrais responsáveis pela segurança nas transações imobiliárias. Por fim, apontam-se medidas para ampliar a atuação do registro imobiliário com a finalidade de fortalecer a economia. Utiliza-se o método de pesquisa indutivo. Aponta-se como o principal objetivo deste estudo a importância de um sistema registral sólido para assegurar a saúde do sistema imobiliário interno e internacional e, por via de conseqüência, de uma economia de mercado globalizada. Palavras-chave: Desenvolvimento do Mercado. Fortalecimento Economia. Função Econômica. Registro Imobiliário. Segurança Jurídica.

4 ABSTRACT This monograph aims to study the role of the registry of property for the protection and development of the property market. Thus, analyzing the need for implementation of systems records and its consequences on the economy. Identifies the main systems registral advertising on the planet. Soon after, studying the principles responsible for the security registered in real estate transactions. Finally, suggest measures to expand the activities of the real estate registry in order to strengthen the economy. Adopts the method of inductive research. It is pointed out as the main objective of this study the importance of a solid registral to ensure the health of the domestic and international real estate and, by way of consequence of a globalized market economy. Keywords: Market Development. Strengthening the Economy. Staff Cost. Property Registry. Juridical Security.

5 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS REGISTRAIS SÓLIDOS: INSTRUMENTO PARA GARANTIR A SAÚDE DO MERCADO IMOBILIÁRIO INTERNO E INTERNACIONAL NECESSIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO, MANUTENÇÃO OU APERFEIÇOAMENTO DOS SISTEMAS REGISTRAIS IMOBILIÁRIOS PARA ASSEGURAR E POSSIBILITAR O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO IMOBILIÁRIO AS PRINCIPAIS MODALIDADES DE PUBLICIDADE DOS DIREITOS IMOBILIÁRIOS ENCONTRADAS NO PLANETA PRINCÍPIOS ESTRUTURANTES DA ATIVIDADE REGISTRAL: GARANTIA DE SEGURANÇA NAS TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS PRINCÍPIOS DA QUALIFICAÇÃO, DA LEGALIDADE E DA DISPONIBILIDADE PRINCÍPIO DA INSCRIÇÃO PRINCÍPIO DA PUBLICIDADE PRINCÍPIO DA PRESUNÇÃO DE VALIDADE DOS ATOS E DA FÉ PÚBLICA PRINCÍPIO DA PRIORIDADE PRINCÍPIO DO TRATO SUCESSIVO OU DA CONTINUIDADE PRINCÍPIO DA ESPECIALIDADE OBJETIVA E SUBJETIVA PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE AMPLIAÇÃO DO PAPEL DESEMPENHADO PELO REGISTRO DE IMÓVEIS: FORTALECIMENTO DO MERCADO IMOBILIÁRIO CONCENTRAÇÃO DE TODOS OS DADOS RELATIVOS AO IMÓVEL EM SUA MATRÍCULA RAPIDEZ NO ACESSO ÀS INFORMAÇÕES CONSTANTES DA MATRÍCULA E PRECISÃO DE SEUS DADOS...38

6 4.3 UNIFICAÇÃO DAS DISPOSIÇÕES DOS CÓDIGOS DE NORMAS ESTADUAIS CONSIDERAÇÕES FINAIS...42 REFERÊNCIAS...46 ANEXO...51 ANEXO A - Administração da Terra e Proteção de Direitos Reais Imobiliários...52

7 6 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho é fruto de uma reflexão sobre o papel desempenhado pelo Registro Imobiliário depois da grave crise econômica que assolou os mercados há um ano e meio. 1 Embora hoje já se possa pensar em um um mundo pós-crise, uma vez que a economia global 2 econtra-se em franca recuperação, deve-se se atentar para as causas que levaram ao surgimento e à eclosão da crise econômica mundial cuja gênese está no mercado imobiliário americano. Reportando-se aos acontecimentos que deram origem à crise, observa-se que o mercado imobiliário americano apresentou um intenso crescimento, impulsionado pelo grande aumento da oferta de crédito. A maior disponibilidade de recursos fez com que as instituições financeiras passassem a conceder empréstimos mais facilmente. Possibilitou-se, assim, que pessoas com histórico de inadimplência pudessem também se beneficiar desta flexibilização. A concessão de crédito imobiliário a pessoas com alto potencial de inadimplência estava garantida pelos próprios imóveis financiados os quais se encontravam em crescente valorização. 3 Os créditos oriundos de tais financiamentos 1 Em quase todos os sites jornalísticos do mundo, a catástrofe foi, com ligeiras variações, anunciada assim em 15 de setembro de 2008, uma segunda feira: Nesta manhã, a Lehman Brothers, uma das mais prestigiosas instituições do Wall Street, entrou com o pedido de proteção por falência depois que as tentativas para salvá-la feitas durante o fim de semana fracassaram. Nos meses seguintes, os desdobramentos da falência do Lehman Brothers desencadeariam uma torrente de destruição da riqueza de pessoas, empresas e países (GUANDALINI, Giuliano. O Mundo Pós-Crise. Revista Veja, ed. 2130, ano 42, n. 37, p , 16 set p. 121 et seq). 2 Segundo a obra Dicionário da Globalização, a globalização é o conjunto dos processos em cujo andamento os Estados nacionais vêem a sua soberania, sua identidade, suas redes de comunicação, suas chances de poder e suas orientações sofrerem a interferência cruzada de atores transnacionais (GIDDENS, 1988 apud ARNAUD, André Jean; BOTELHO, Eliane. Dicionário da Globalização. Direito - Ciência Política. Rio de Janeiro, Lumen Juris, p. 100). [...] Trata-se essencialmente de uma questão de transgressão das fronteiras: um Direito global extrapola largamente as fronteiras do Estado Nacionas para buscar suas fontes também fora dele: desde os tratados multilaterais [...] até as normas emanadas dos organismos internacionais [...], passando pela rica jurisprudência dos entes jurisdicionais internacionais (SUNFELD, 1988 apud ARNAUD; BOTELHO, op. cit., p. 157 et seq). 3 SILVA, Bruno Mattos e. Subprime Mortgage no SFH e a súmula n º 84 do STJ: o sistema bancário brasileiro corre risco? Revista Boni Juris, Curitiba, ano XXI, n. 546, p. 6-7, maio 2009, p. 6-7.

8 7 ficaram conhecidos como créditos subprime ou subprime morgtage 4, isto é, créditos de segunda linha, justamente em razão do maior risco de inadimplência. O crescimento desse segmento de financiamento foi alavancado pelo fato de os empréstimos, em sua grande maioria, terem sido firmados a curto prazo. Se os mutuários tornassem-se inadimplentes teriam de repactuar o empréstimo ou desocupar o imóvel. Outrossim, o fato de tais financiamentos oferecerem maior risco para as instituições financeiras, elevava a taxa de juros, o que os tornou mais atraentes aos olhos de bancos e de fundos de investimento na busca por maiores lucros. Os títulos oriundos dos financiamentos imobiliários subprime mortgage eram comprados por outras instituições financeiras antes de terem sido saldados junto à instituição financiadora. A instituição financiadora, então, voltava a emprestar dinheiro com o produto da venda desses títulos e assim sucessivamente. Dessa forma, estabeleceu-se uma cadeia de compra e venda de tais títulos. 5 Contudo, grande parcela dos tomadores de empréstimos garantidos pelo subprime mortagage passou a não saldar as suas dívidas, o que deu início a um efeito dominó de inadimplência. Como resposta para este fenômeno, diminuiu a oferta de crédito para a compra e venda de títulos subprime mortgage, uma vez que tais investimentos começaram a se mostrar inseguros. O problema toma proporções gigantescas porque os títulos subprime mortgage, que eram garantidos como investimentos seguros por agências especializadas em avaliar riscos, foram livremente negociados em bolsas de valores por todo o mundo. Muitos fundos de investimento formados por instituições financeiras que emitiram títulos subprime mortgage, por não conseguirem vendê-los 4 Segundo Bruno Mattos e Silva (2009, p. 7), [...] os jornais passaram a utilizar a expressão subprime mortgage como significado oposto ao de prime mortgage: se o prime mortgage é o empréstimo excelente em termos de baixo risco, subprime mortgage é o empréstimo em que a possibilidade de inadimplência do devedor é grande e a garantia é insuficiente. 5 ENTENDA a crise com o mercado imobiliário nos EUA. Folha Online, 16 ago (Seção Dinheiro). Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u shtml>. Acesso em: 17 out

9 8 no mercado, voltavam a adquiri-los na expectativa de revendê-los, futuramente, a um preço mais alto. 6 Das causas que levaram à conformação da crise imobiliária e, por via de conseqüência, à crise econômica mundial, observa-se a existência de um movimento de desregulamentação dos mercados, especialmente, nos Estados Unidos da América e no Reino Unido, a partir dos anos oitenta. Ademais, vislumbrase que o crescimento econômico experimento pelo mercado imobiliário americano esteve apoiado, eminentemente, em um movimento especulativo, próprio do sistema capitalista. Significa dizer, em outras palavras, que as pessoas adquiriam ativos, in casu, imóveis, na expectativa de obter uma valorização futura. 7 Como decorrência deste movimento, o aumento do número de investidores causou uma alta nos preços dos imóveis, levando mais e mais pessoas a escolherem este tipo de ativo, o que gerou a propalada bolha especulativa. A crise instalou-se, definitivamente, quando os valores dos imóveis sob os quais estavam lastreados os empréstimos começaram a decair, ocasionando, assim, uma diminuição da garantia total da dívida. 8 Não há dúvida de que foram adotadas uma série de medidas bem sucedidas para estancar a atual crise. No entanto, é preciso que se criem novos mecanismos para impedir que, futuramente, novas crises de grandes proporções, como essa, voltem a ocorrer. A solução, segundo especialistas, está na combinação de medidas políticas, econômicas, fiscalizatórias e regulatórias. No que tange ao mercado imobiliário, além das medidas elencadas, a existência de um sistema registral sólido desponta como um elemento imprescindível para alavancar o crescimento imobiliário tanto no âmbito nacional quanto no âmbito internacional. Resta analisar de que forma a instituição jurídica do registro de imóveis promove a proteção e o desenvolvimento do mercado imobiliário na era da globalização. 6 HUTTON, Will. This terrifying moment is our one chance for a new world. The 2008 Crash - The Observer, p. 8, 5 out p SILVA, 2009, p Ibid., p. 6.

10 9 Para o desenvolvimento do estudo em questão, a metodologia de pesquisa adotada é a do método indutivo. A partir da identificação e delimitação das posições existentes sobre o tema, serão apontadas as melhores soluções para a análise proposta. A técnica de pesquisa 9 adotada é a da documentação indireta. 10. A forma de pesquisa escolhida é a da revisão bibliográfica 11 do tema abordado, acompanhada de um estudo de direito comparado. Para a realização do trabalho, a monografia foi dividida em três capítulos. No primeiro capítulo, examina-se o papel desempenhado por diferentes sistemas registrais para a construção de um mercado imobiliário saudável. No segundo capítulo, apontam-se os princípios imobiliários registrais garantidores da segurança jurídica, indispensável para viabilizar as transações comerciais. No último capítulo, analisa-se como o Registro Imobiliário, em nosso país, pode atuar para conferir mais segurança jurídica nas relações negociais, bem como para favorecer um maior crescimento econômico. A importância do presente estudo reside em identificar e propor inovações para ampliar o papel desenvolvido pelo registro de imóveis de modo a fortalecer o mercado imobiliário e a economia de mercado como um todo. Em um mundo globalizado, que encontra na universalização da economia uma das suas principais características, as soluções adotadas no Brasil irradiam reflexos em todo o mercado. 9 Segundo Eva Maria Lakatos, Técnica é um conjunto de preceitos ou processos de que se serve uma ciência ou arte; é a habilidade para usar esses preceitos ou normas, a parte prática. Toda ciência utiliza inúmeras técnicas na obtenção de seus propósitos (MARCONI, Maria de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. 7. reimpr. São Paulo: Atlas, p. 176). 10 Conforme o ensinamento de Eva Maria Lakatos, a documentação indireta é a fase da pesquisa realizada com o intuito de recolher informações prévias sobre o campo de interesse. O levantamento de dados, primeiro passo de qualquer pesquisa científica, é feito de duas maneiras: pesquisa documental (ou de fontes primárias) e pesquisa bibliográfica (ou de fontes secundárias) (MARCONI; LAKATOS, op. cit., p. 176). 11 De acordo com Eva Maria Lakatos, A pesquisa bibliográfica, ou de fontes secundárias, abrange toda a bibliografia já tornada pública em relação ao tema de estudo, desde publicações avulsas, boletins, jornais, revistas, livros, pesquisas, monografias, teses material cartográfico etc., até meios de comunicação orais: rádio, gravações em fita magnética e audiovisuais: filmes e televisão. Sua finalidade é colocar o pesquisador em contato direto com tudo o que foi escrito, dito ou filmado sobre determinado assunto, inclusive conferências seguidas de debates que tenham sido transcritos por alguma forma, quer publicadas, quer gravadas. Para Manzo (1971;32), a bibliografia pertinente oferece meios para definir, resolver, não somente problemas já conhecidos, como também explorar novas áreas onde os problemas não se cristalizaram suficientemente e tem por objetivo permitir ao cientista o reforço paralelo na análise de pesquisas ou manipulação de suas informações (Trujilo, 1974:230) (MARCONI; LAKATOS, op. cit., p. 185).

11 10 Nesse sentido, a bem lançada lição do Pós-Doutor Germano Schwartz 12 ao asserverar que se na forma clássica de Estado, o poder era exercido pela força física, agora, o poder passa a ser exercido por força econômica. Por isso, não se pode relegar a um segundo plano a atuação do Registro Imobiliário, uma vez que a sua existência e a sua conformação interferem nas transações que movimentam o mercado. 12 COSTA, Renata Almeidada; SCHWARTZ, Germano. Estado, Globalização e Política Cosmopolita: Que forma estatal para qual direito? Revista da Ajuris, Porto Alegre, ano 26, n. 75, set p. 173.

12 11 2 IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS REGISTRAIS SÓLIDOS: INSTRUMENTO PARA GARANTIR A SAÚDE DO MERCADO IMOBILIÁRIO INTERNO E INTERNACIONAL 2.1 NECESSIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO, MANUTENÇÃO OU APERFEIÇOAMENTO DOS SISTEMAS REGISTRAIS IMOBILIÁRIOS PARA ASSEGURAR E POSSIBILITAR O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO IMOBILIÁRIO É a inter-relação entre a Economia 13 e o Direito que impulsiona o crescimento de um mercado imobiliário sólido e confiável. Calha invocar, nesse sentido, a lição de Luciano Benetti Timm 14, ao analisar as razões pelas quais a ciência econômica deve dialogar com a ciência jurídica: Por que o Direito deveria dialogar e se aproximar da Economia? Brevemente, em primeiro lugar, porque a Economia é a ciência que descreve de maneira suficientemente adequada o comportamento dos seres humanos em interação no mercado, que é tão importante para a vida real em sociedade. Em segundo lugar, porque a Economia é uma ciência comportamental que atingiu respeitável e considerável padrão científico, sendo hoje uma das grandes estrelas dentre as ciências sociais aplicadas pelo grau de comprovação matemático e econométrico de seus modelos. Em terceiro lugar, a Ciência Econômica preocupa-se com a eficiência no manejo dos recursos sociais escassos para atender ilimitadas necessidades humanas - que é problema chave quando se falam de direitos sociais ou mais genericamente fundamentais. Com efeito, a aplicação da ciência econômica à ciência jurídica é benéfica. Um bom exemplo está no trabalho integrado entre Economia e Direito para gerar e 13 Segundo Eduardo Gulart Pimenta, A economia pode, em essência, ser tomada como o ramo das ciências sociais aplicadas destinado à análise da forma pela qual a população gera, organiza e usufrui de seus limitados recursos materiais com o objetivo de atender às suas necessidades e vontades. [...] Em outras palavras, é o estudo de como a sociedade escolhe entre suas necessidades e desejos de forma a adequá-los aos recursos materiais de que dispõe e de como a sociedade procura aperfeiçoar a utilização desses mesmos recursos materiais (PIMENTA, Eduardo Goulart. Direito, Economia e relações patrimoniais privadas. Revista de Informação Legislativa, Brasília, ano 43, n. 170, p. 160, abr./jun p. 160). 14 SARLET, Ingo Wolfgang et al. Direitos fundamentais: orçamento e reserva do possível. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p. 57.

13 12 distribuir riquezas. A partir da análise econômica do Direito, as normas jurídicas são concebidas, interpretadas e aplicadas conforme as necessidades econômicas e sociais do respectivo país. Como referência da análise econômica do direito, cita-se o direito à propriedade privada imobiliária. Do ponto de vista da ciência economica, ele é um poderoso ativo. Do ponto de vista da ciência jurídica, o direito à propriedade privada é um direito fundamental. Portanto, seja pelas implicações econômicas, seja pelas implicações jurídicas, é preciso que se adotem regras para disciplinar o direito à propriedade privada imobiliária. De acordo com a lição de Benito Arruñada 15, O direito de propriedade tem uma importância fundamental, pois é a chave fundamental do desenvolvimento. Ademais, é um direito humano fundamental, que estende suas raízes no mais profundo da psicologia humana. Fixe-se em como os animais defendem seu território ou como as crianças seus brinquedos. Ademais, a propriedade encerra conseqüências políticas substanciais, já que sem propriedade, não há liberdade. Considerando a importância do direito à propriedade privada imobiliária para o desenvolvimento e crescimento da economia, organismos internacionais como a Organização das Nações Unidas (ONU) 16 e a Comissão Econômica para a Europa das Nações Unidas (CEE/ONU) já preconizavam a adoção, em termos mundiais, de sistemas de registros de direitos da propriedade muito antes da crise americana das hipotecas. 15 ARRUÑADA, Benito. Diálogos Meridianos. Direitos, Registros e função social da propriedade. Diálogos com Benito Arruñada. Boletim Eletrônico do IRIB, São Paulo, n. 2179, 27 nov Disponível em: <http://www.irib.org.br/pdf/be2179.pdf>. Acesso em: 1 ago A ONU, desde a sua criação, tem buscado implementar pelo mundo sistemas cadastrais, gênero do que chamamos de sistemas de registro de imóveis. Segundo consta da Declaração de Bogor, este compromisso da ONU reconhece que sistemas cadastrais eficientes e eficazes são essenciais para o desenvolvimento econômico, gestão ambiental, estabilidade social em países desenvolvidos e em desenvolvimento (FÉDÉRATION INTERNATIONALE DES GÉOMÈTRES (FIG). The Bogor Declaration: United Nations Interregional Meeting of Experts on the Cadastre. Bogor, mar Disponível em: <http://www.fig.net/commission7/reports/bogor/bogordeclaration.html>. Acesso em: 22 fev. 2009).

14 13 A importância de um sistema registral confiável é reconhecida também pelo Banco Mundial e pelo Fórum Econômico Mundial 17 como uma peça chave para o bom funcionamento do mercado. Trata-se, portanto, de um dos ingredientes necessários para a construção da prosperidade econômica de um país, isoladamente, e de uma economia de mercado, como um todo. Com efeito, a implementação, a manutenção ou o aperfeiçoamento dos sistemas registrais imobiliários representam avanços de diferentes ordens para as nações. Quais são os principais avanços? Inicialmente, pode-se apontar o registro imobiliário como uma instituição indispensável para a proteção jurídica dos direitos patrimoniais. Ao garantir o direito à propriedade privada, o registro imobiliário inibe ou, pelo menos, minimiza os litígios que possam surgir em relação à propriedade. Dessa forma, o registro de imóveis contribui, decisivamente, para a estabilidade social e justiça. Ademais, o registro imobiliário é a melhor solução para diminuir os custos 18 na aquisição da propriedade. O álbum imobiliário possibilita que o futuro adquirente avalie a situação jurídica em que se encontra o imóvel. Significa dizer que, a partir das informações advindas do registro, saber-se-á quem é o titular da propriedade, os gravames e os direitos que sobre ela recaiam. Destarte, o valor real do imóvel será 17 Segundo José Augusto Guimarães Mouteira Guerreiro, 4- Um dos oito factores que no Word Economic Fórum são identificados e considerados determinantes para o desenvolvimento é precisamente o das instituições civis tidas como as de natureza legal e civil, relevando para uma economia de mercado competitiva. Aí se indica o papel da lei e das ofertas de protecção dos direitos de propriedade. Diz-se depois, nomeadamente, o seguinte: Há prova que demonstra que o papel da lei e da dominialidade são fundamentos para uma economia de mercado competitiva e são condições necessárias para um país prosperar. Estas citações reflectem de modo inequívoco o papel, que, para um foro especializado e de tanto prestígio entre os economistas mundiais como é o Word Economic Fórum, devem desempenhar os sistemas que visem assegurar a protecção dos property rights. Ora, tais sistemas são, evidentemente, os que têm por objecto o registro da propriedade imobiliária (GUERREIRO, José Augusto Guimarães Mouteira. Registro Imobiliário. Necessário Instrumento do Progresso Econômico-social. Palestra proferida no XIII Encontro do Cinder em Punta del Este, Uruguai Disponível em: <http://www.irib.org.br/biblio/ guerreiro.asp>. Acesso em: 24 fev. 2009). 18 O principal referencial adotado pela Economia para para avaliar a conduta de um agente é o binômio eficiência/ineficiência, que é feito a partir da comparação entre custos e benefícios. Os custos podem ser definidos como aquilo que se abriu mão para a realização da conduta e os benefícios podem ser compreendidos como o que foi obtido como efeito da ação (PIMENTA, 2006, p. 160).

15 14 melhor aferido. Conforme o ensinamento de José Augusto Guimarães Mouteira Guerreiro 19 Os custos de transacção a que nos temos referido estão, pois, directamente ligados aos custos de informação e implicitamente aos custos de vigilância. Para que a transacção se processe é primordial que o agente económico esteja informado sobre as qualidades do produto, incluindo os direitos, reservas, encargos, utilidades que contém e pode proporcionar - e que constituem factores determinantes do seu valor - bem como sobre as condições em que a própria transacção se pode concretizar. No tocante à redução de custos, cumpre sinalar, igualmente, que a existência de um sistema registral imobiliário viabiliza a execução judicial e extrajudicial dos direitos de garantia. Um sistema eficaz de direitos de garantia gera reflexos em toda a economia. Cita-se, nessa linha, a lição de Vicente Domínguez Calatayud 20 : [...] resulta evidente que sem direitos reais devidamente concedidos não há mercado, posto que os agentes não poderiam intercambiar os bens se não existe uma vinculação entre os titulares e esses bens; sem direitos de propriedade definidos não há mercados eficientes, e sem estes últimos, não há crescimento econômico. O oferecimento de uma garantia real implica diminuição das taxas de juros, reduzindo-se substancialmente o risco de insolvência. Como resultado, os créditos serão mais baratos e, por via de conseqüência, será maior o número de beneficiados pela credibilidade da economia, irradiando-se tais efeitos no âmbito interno e externo. Dessa forma, haverá um desenvolvimento econômico mais rápido. 21 Gize-se, por oportuno, que os custos de transação, segundo a ciência econômica, são indicadores de eficiência ou ineficiência. A aferição desses indicadores é analisada a partir da ação do agente, ou seja, é preciso examinar se a ação perpetrada contribuiu ou não para a maximização dos recursos materiais disponíveis ou para sua excelente utilização. A avaliação, então, é feita com base 19 GUERREIRO, CALATAYUD, Vicente Domínguez. Eficácia dos sistemas registrais como base da proteção jurídica dos direitos da propriedade do cidadão. In: INSTITUTO DE REGISTRO IMOBILIÁRIO DO BRASIL (IRIB). XIV Congresso Internacional de Direito Registral de Moscou. 1-7 jun Disponível em: <http://www.irib.org.br/biblio/congresso_moscou_12.doc>. Acesso em: 20 jul ARRUÑADA, 2005.

16 15 na comparação entre os custos, ou seja, aquilo do que se teve que abrir mão, e os benefícios, isto é, o que foi obtido pela ação. 22 Considerando-se este referencial adotado pela economia, resta claro que a adoção de um sistema registral imobiliário gera uma redução nos custos de transação, mostrando-se, portanto, muito eficiente. Somando-se aos muitos benefícios que advém da existência de um sistema registral sólido, não se pode deixar de mencionar a segurança jurídica 23. Ela é alcançada quando se confere a máxima proteção possível aos titulares dos direitos registrais imobiliários e aos terceiros de boa-fé. Arrola-se, nesse diapasão, excerto da Declaração de Lima 24 O Estado moderno consagra o princípio constitucional da segurança jurídica. O tráfego imobiliário exige que o ordenamento jurídico esteja investido de mecanismos que permitam aos cidadãos adotar suas decisões em um marco de juridicidade plena. O Registro Imobiliário é a instituição da qual se vale o Estado para proporcionar a segurança e a certeza jurídicas nas transações imobiliárias. A segurança jurídica, própria de um sistema registral sólido, está alicerçada nos elementos que garantem a sua existência. Citam-se, nesse sentido, a adoção de um sistema registral imobiliário com indicadores real e pessoal 25, a exigência de autenticidade dos documentos que ingressam no ofício imobiliário 26, a observância 22 PIMENTA, 2006, p Segundo as Conclusões do VIII Congresso Internacional de Direito Registral, a segurança jurídica é um valor essencial do Direito, afiança a justiça, assegura a liberdade, propende à paz social, e, por tudo isso, resulta ineludível para realizar o bem comum. Tal segurança deve alcançar tanto à titularidade e ao conteúdo dos direitos, como à proteção do tráfego sobre os mesmos (SERRANO, Juan José Pretel. Sistemas registrais: a propriedade inscrita como a propriedade protegida. In: INSTITUTO DE REGISTRO IMOBILIÁRIO DO BRASIL (IRIB). XIV Congresso Internacional de Direito Registral de Moscou. 1-7 jun Disponível em: <http://www.irib.org.br/biblio/congresso_moscou_5.doc>. Acesso em: 5 ago. 2009). 24 INSTITUTO DE REGISTRO IMOBILIÁRIO DO BRASIL (IRIB). Declaração de Lima (Declaración de Lima). Boletim Eletrônico do IRIB, n. 2993, 14 jun Disponível em: <www.irib.org.br/notis_noti/boletimel2993.asp>. Acesso em: 28 jul No Brasil, o artigo 173 da Lei dos Registros Públicos, Lei nº 6015/1973, disciplina que haverá no Registro de Imóveis um livro destinado ao Indicador Real (Livro nº 4) e outro destinado ao Indicador Pessoal (Livro nº 5). 26 No nosso país, o artigo 1º da Lei de Registros Públicos, Lei nº 6.015/1973, dispõe que os serviços concernentes aos Registros Públicos servem para dar autenticidade, segurança e eficácia aos atos jurídicos. A mesma disposição está lançada no artigo 1º da Lei nº 8.935/94.

17 16 de uma rigorosa qualificação dos títulos 27 e a necessidade de formação jurídica especializada para o exercício da atividade notarial ou de registro. 28 Ressalta-se, ainda, que a segurança jurídica é transmitida aos investidores quando encontram um sistema de registro de imóveis confiável e isento. A confiabilidade nas informações prestadas e a isenção do registrador de imóveis no exercício de sua função são indispensáveis para impulsionar as transações imobiliárias. Cita-se, nesse sentido, excerto de palestra proferida pela Comissão Econômica para a Europa das Nações Unidas (CEE/ONU) 29 : Independentemente do tipo de garantia utilizada, a segurança do comércio jurídico recai sobre a confiabilidade da informação disponível para as partes contratantes. Esta exigência será sempre imperfeita enquanto as próprias partes fornecerem esta informação. Seria melhor se a informação útil para a transação fosse registrada em um serviço público de registro criado por uma autoridade neutra e determinada. Para que o sistema registral imobiliário cumpra plenamente sua função econômica, é preciso que o registro da propriedade seja operacionalizado por uma instituição jurídica, o que já ocorre em considerável parte dos países no mundo como, por exemplo, o Brasil. Nesses países, o procedimento que disciplina o registro, o seu conteúdo e os seus efeitos encontram sua conformação no ordenamento jurídico. Conforme José Simeón Rodríguez Sánchez 30 : 27 No nosso Brasil, o artigo 176 da Lei de Registros Públicos, Lei nº 6.015/1973, arrola uma série de requisitos que devem ser seguidos para que se proceda a um registro no Ofício Imobiliário dentre os quais figuram a análise do título transmissão ou do ônus; a forma do título, sua procedência e caracterização. 28 No nosso país, o artigo 3º da Lei nº 8.935/94 disciplina que o notário ou tabelião, e o oficial de registro ou registrador são profissionais do direito, dotados de fé pública, a quem é delegado o exercício da atividade notarial e de registro. 29 UNITED NATIONS ORGANIZATION (UNO). Economic and Social Council. Workshop on security mecanisms in the creation of real property of real property markets: protecting rights. Madrid, sep Disponível em: <http://www.unece.org/hlm/documents/2001/hbp/hbp e.pdf>. Acesso em: 1 mar Tradução nossa. 30 SÁNCHEZ, José Simeón Rodríguez. Princípios de Regulação e organização do Sistema Registral: Poder Público, organização, autofinanciamento, responsabilidade. In: INSTITUTO DE REGISTRO IMOBILIÁRIO DO BRASIL (IRIB). XIV Congresso Internacional de Direito Registral de Moscou. 1-7 jun Disponível em: <http://www.irib.org.br/biblio/congresso_moscou_8.pdf>. Acesso em: 6 ago

18 17 O registro de propriedade é jurídico em seu procedimento porque a norma jurídica determina os passos para a recepção de títulos que têm acesso ao mesmo, seu controle, sua publicação, e sua publicidade. Configurado como procedimento administrativo, judicial ou sui generis, a maior parte dos ordenamentos prevê uma regulamentação para o procedimento de registração de domínio e dos direitos reais, tanto mais elaborada tecnicamente quanto mais se configure o Registro como um Registro de direitos com efeitos de fé publica. O procedimento registral pressupõe, pois, um marco jurídico definido que afeta a atuação dos operadores do sistema registral, a definição dos direitos suscetíveis de inscrição e as normas que os encarregados do Registro devem aplicar na qualificação dos documentos que se apresentam ao Registro e na publicidade de sua informação. Nessa senda, calha invocar, ainda, o ensinamento de Álvaro Delgado Scheelje 31 [...] nenhuma sociedade pode garantir o pleno exercício dos direitos patrimoniais de seus integrantes, se antes não estrutura um sistema registral eficiente que outorgue publicidade a tais direitos ou a determinados documentos que se subscrevam no exercício destes. Dessa maneira, os agentes econômicos que efetuam transações comerciais, poderão contar como uma valiosa ferramenta que lhes permitirá conhecer a existência, os alcances e as limitações da titularidade destes direitos patrimoniais num contexto determinado. Com efeito, um sólido sistema de registro imobiliário é fundamental para o desenvolvimento de uma economia de mercado célere, eficiente e operativa. Como bem assevera Benito Arruñada 32, a propriedade é a base do sistema de incentivos dos agentes econômicos. Se a propriedade não for segura, os incentivos diminuem consideravelmente, o que afeta o sistema econômico. Refere-se, como exemplo, um contrato de compra e venda de bem imóvel. A titularidade da propriedade, os ônus que sobre ela incidem e as possibilidades de imposição de novos gravames interferem, decisivamente, nas fases pré-contratual, contratual e até mesmo na pós-contratual. Significa dizer que as informações constantes da matrícula do imóvel são fundamentais para a formação de uma rede de transações, mola propulsora do mercado. Vislumbra-se, claramente, que a 31 SCHEELJE, Álvaro Delgado. Eficácia dos sistemas registrais na proteção jurídica do direito de propriedade e demais direitos patrimoniais do cidadão. In: INSTITUTO DE REGISTRO IMOBILIÁRIO DO BRASIL (IRIB). XIV Congresso Internacional de Direito Registral de Moscou. 1-7 jun Disponível em: <http://www.irib.org.br/biblio/congresso_moscou_4.doc>. Acesso em: 2 ago ARRUÑADA, 2005.

19 18 adoção de sistemas de registro de imóveis é condição para o funcionamento de uma economia de mercado eficiente e operativa. 2.2 AS PRINCIPAIS MODALIDADES DE PUBLICIDADE DOS DIREITOS IMOBILIÁRIOS ENCONTRADAS NO PLANETA O sistema de publicidade imobiliária existe para assegurar o direito das partes contratantes, para salvaguardar seus direitos em relação a terceiros e para viabilizar futuras transações. Sem dúvida, a publicidade é um dos pilares do sistema registral imobiliário, pois sua principal finalidade é dar vida ao princípio da segurança jurídica, indispensável às relações negociais. Consoante o magistério de Álvaro Delgado Sheelje, 33 a publicidade registral é a exteriorização sustentada e ininterrupta de determinadas situações jurídicas, para produzir cognoscibilidade geral. Dessa forma, o conhecimento acerca da titularidade dominial é disponibilizado a todos de forma ampla, geral e irrestrita. A publicidade registral pode ser divida em material e formal. A publicidade material é entendida como a presunção de conhecimento geral dos dados que se encontram no registro ou, pelo menos, o seu potencial conhecimento pela comunidade. Por sua vez, a publicidade formal espelha a possibilidade de acesso ao conteúdo dos assentos registrais, o que pode ocorrer pelo fornecimento de nota informativa ou certidão. Ressalta-se, igualmente, que a publicidade se impõe em diferentes situações na atividade registral. Ela pode ser a forma necessária à existência, à afirmação ou ao conhecimento do ato perante terceiros. Pode também se apresentar como uma condição ou, ainda, como uma concausa para que o ato venha a produzir efeitos jurídicos SCHEELJE, ALMEIDA, Carlos Ferreira de. Publicidade e teoria dos registros. Coimbra: Almedina, p. 198 et seq.

20 19 Embora cada país tenha um sistema de registro imobiliário com suas peculiaridades, existem características comuns que permitem agrupar os sistemas de acordo com o tipo de publicidade que é dada ao registro. Em linhas gerais, os sistemas de publicidade registral dividem-se em romano-germânicos e anglosaxônicos. A publicidade imobiliária, no sistema romano-germânico, conhecido também como sistema latino, é caracterizada, dentre outros aspectos, pela necessidade de inscrição tabular para que o ato produza efeitos contra terceiros. O direito publicizado é considerado o único que existe ou, pelo menos, o único do qual o adquirente precisa ter conhecimento. 35 A presunção da existência do direito real inscrito no registro pode ser absoluta ou relativa conforme o ordenamento jurídico dispuser. No direito alemão, por exemplo, a presunção é absoluta, ao passo que no direito espanhol é relativa. 36 Nesse sistema, a publicidade registral só ocorre se tiver informada por um documento autêntico, ex vi legis, como, por exemplo, uma escritura pública ou uma sentença judicial. A publicidade pressupõe, ainda, a legitimação dos requerentes e a qualificação do título, que deve ser acompanhada pelo exame da legalidade do ato. 37 Por sua vez, o sistema saxônico, próprio dos países que adotaram a commow law, apresenta uma publicidade bastante diminuta. O registro limita-se a um mero arquivo. Os documentos que geram o direito de propriedade são eminentemente privados. Não existe, a exemplo do que ocorre no sistema latino, uma análise dos títulos e da legitimação dos contraentes. Da mesma forma, o sistema anglo-saxão não prevê o exame da legalidade dos atos registráveis. 38 Dadas as características do sistema anglo-saxônico, observa-se que o conhecimento acerca dos titulares da propriedade imobiliária e dos encargos que recaiam sobre ela decorre de presunções. Na realidade, tais informações são 35 SERRANO, GUERREIRO, Ibid. 38 Ibid.

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. FINALIDADE. DOS TÍTULOS REGISTRÁVEIS: ESCRITURA

Leia mais

DO REGISTRO DA COMPRA E VENDA CONDICIONAL

DO REGISTRO DA COMPRA E VENDA CONDICIONAL DO REGISTRO DA COMPRA E VENDA CONDICIONAL João Pedro Lamana Paiva 1 Resumo: este artigo faz uma abordagem acerca do registro do contrato de compra e venda de imóvel que contenha cláusula que condicione

Leia mais

REGISTRO PÚBLICO DE IMÓVEIS: BASE SEGURA PARA O CRÉDITO IMOBILIÁRIO

REGISTRO PÚBLICO DE IMÓVEIS: BASE SEGURA PARA O CRÉDITO IMOBILIÁRIO REGISTRO PÚBLICO DE IMÓVEIS: BASE SEGURA PARA O CRÉDITO IMOBILIÁRIO Seminário ABECIP 20/09/2012: dobrando a participação do crédito imobiliário no PIB Flaviano Galhardo Registrador de Imóveis 1 - FINS

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS João Pedro Lamana Paiva 1 O novo Código de Processo Civil (Lei nº 13.105, de 16.3.2015), sancionado em 16.3.2015, introduz na ordem jurídica brasileira,

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

As implicações da Medida Provisória nº 656/2014 para o adquirente de imóvel

As implicações da Medida Provisória nº 656/2014 para o adquirente de imóvel As implicações da Medida Provisória nº 656/2014 para o adquirente de imóvel Por Roberto Santos Silveiro* Com o propósito de dar maior segurança jurídica ao adquirente de imóvel, no dia 07 de novembro deste

Leia mais

Lei 11.795/08 A NOVA LEI DE CONSÓRCIOS. Juliana Pereira Soares

Lei 11.795/08 A NOVA LEI DE CONSÓRCIOS. Juliana Pereira Soares Lei 11.795/08 A NOVA LEI DE CONSÓRCIOS Art. 2º da Lei 11.795/08: Consórcio é a reunião de pessoas naturais e jurídicas em grupo, com prazo de duração e número de cotas previamente determinados, promovida

Leia mais

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL Professor Luiz Egon Richter 1. DA DISTINÇÃO ENTRE A

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

O 10. QUADROS DA NBR 12.721/2006, COM ART O 11. ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO O 12. ATESTADO DE IDONEIDADE FINANCEIRA O 13. CONTRATO-PADRÃO

O 10. QUADROS DA NBR 12.721/2006, COM ART O 11. ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO O 12. ATESTADO DE IDONEIDADE FINANCEIRA O 13. CONTRATO-PADRÃO LISTA DE DOCUMENTOS 1 Lei 4.591/64, Provimento nº 260/CGJ/2013. O incorporador deverá apresentar, no Ofício de Registro de Imóveis, os seguintes documentos, organizados nesta ordem. CHECK LIST O 1. MEMORIAL

Leia mais

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR DISPOSIÇÕES GERAIS Édison Renato Kirsten Registrador Santo Antônio da Patrulha/RS Conforme artigo 32 da Lei 6015/73, os assentos de nascimento,

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

A INCLUSÃO DAS TAXAS CARTORÁRIAS NOS FINANCIAMENTOS IMOBILIÁRIOS PARA O SEGMENTO DE BAIXA RENDA: VIABILIDADE E UTILIDADE

A INCLUSÃO DAS TAXAS CARTORÁRIAS NOS FINANCIAMENTOS IMOBILIÁRIOS PARA O SEGMENTO DE BAIXA RENDA: VIABILIDADE E UTILIDADE A INCLUSÃO DAS TAXAS CARTORÁRIAS NOS FINANCIAMENTOS IMOBILIÁRIOS PARA O SEGMENTO DE BAIXA RENDA: VIABILIDADE E UTILIDADE CASSIANO LUIZ CRESPO ALVES NEGRÃO Consultor Legislativo da Área VII Sistema Financeiro,

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA DECRETO Nº 13.346, DE 24 DE JUNHO DE 2013. Regulamenta a Lei Complementar nº 4.403, de 5 de junho de 2013, que Estabelece obrigação de uso do sistema ITBI

Leia mais

Marcelo Rodrigues. Desembargador TJMG. marcelo@tjmg.jus.br

Marcelo Rodrigues. Desembargador TJMG. marcelo@tjmg.jus.br Marcelo Rodrigues Desembargador TJMG marcelo@tjmg.jus.br Enumera exaustivamente todas as necessidades existentes para o desenvolvimento econômico e social, especificamente no que concerne à propriedade

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Minuta PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Altera a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 (Código de Defesa do Consumidor), para dispor sobre o comércio eletrônico. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Licitação segundo a Lei n. 8.666/93 Leila Lima da Silva* *Acadêmica do 6º período do Curso de Direito das Faculdades Integradas Curitiba - Faculdade de Direito de Curitiba terça-feira,

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

Traslados e Certidões.

Traslados e Certidões. Traslados e Certidões. Ementa: Noções sobre traslados e certidões, suas distinções, possibilidades, capacidade para expedição, finalidades, validade jurídica e efeitos. Noções Gerais Nesta aula abordaremos

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

Direito das Coisas II

Direito das Coisas II 2.8 DO DIREITO DO PROMITENTE COMPRADOR Ao cabo do que já era reconhecido pela doutrina, o Código Civil de 2002, elevou o direito do promitente comprador ao status de direito real. Dantes, tão somente constava

Leia mais

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO Inovações trazidas pela Lei Federal n.º 12.810 de 15 de maio de 2013. João Pedro Lamana Paiva* 1 Desde o advento da Lei

Leia mais

O Processo Administrativo na Inscrição em Dívida Ativa Tributária

O Processo Administrativo na Inscrição em Dívida Ativa Tributária O Processo Administrativo na Inscrição em Dívida Ativa Tributária Fato que provoca discussões e controvérsias é se a inscrição de um crédito tributário na Dívida Ativa exige sempre o registro do número

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM ECONÔMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Os entes políticos, por vezes, encontram-se no pólo passivo de demandas judiciais referentes à entrega

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada*

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* Como se sabe, em decorrência das disputas entre Estados e Municípios na partilha de impostos, o legislador constituinte de 1988 cindiu o

Leia mais

Consultor Legislativo da Área VII Finanças, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa do Consumidor e

Consultor Legislativo da Área VII Finanças, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa do Consumidor e SOBRE AS ALTERAÇÕES NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO E OUTRAS REFERENTES À POLÍTICA HABITACIONAL CONTIDAS NA MP 2.212 DE 30/8/01 E NAS MPS 2.221 E 2.223 DE 4/9/01 EDUARDO BASSIT LAMEIRO DA COSTA Consultor Legislativo

Leia mais

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF.

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF. LEI 10.188, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2001 Cria o Programa de Arrendamento Residencial, institui o arrendamento residencial com opção de compra e dá outras providências. Faço saber que o Presidente da República

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO O presente estudo tem o intuito de analisar e diferenciar brevemente os institutos da cessão de uso, concessão de uso e concessão de direito real de

Leia mais

O Novo Regime Jurídico dos Fundos de. investimento imobiliário em Angola. 15 de novembro de 2013. angola@vda.pt

O Novo Regime Jurídico dos Fundos de. investimento imobiliário em Angola. 15 de novembro de 2013. angola@vda.pt 15 de novembro de 2013 angola@vda.pt Foi publicado o Decreto Legislativo Presidencial n.º 7/13 ( Decreto 7/13 ) que veio consagrar o Regime Organismos de Coletivo ( OIC ) 1 e, entre estes, dos Imobiliário

Leia mais

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6)

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) O Provedor de Justiça, no uso da competência prevista no artigo 281.º, n.º 2, alínea d), da Constituição da República Portuguesa,

Leia mais

Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas

Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas O Governo divulgou recentemente um conjunto de medidas de revisão e aperfeiçoamento do atual Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas,

Leia mais

PROGRAMA COMPROU, GANHOU MÓVEIS PLANEJADOS - VERDE MORUMBI

PROGRAMA COMPROU, GANHOU MÓVEIS PLANEJADOS - VERDE MORUMBI PROGRAMA COMPROU, GANHOU MÓVEIS PLANEJADOS - VERDE MORUMBI REALIZADORA BONNAIRE RESIDENCIAL EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A., sociedade por ações, inscrita no CNPJ sob n. 09.259.333/0001-04, com seus

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público:

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Venho à presença de Vossa Excelência, nos termos do Regimento Interno deste Conselho, apresentar

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA Departamento Estadual de Trânsito Gabinete da Direção Geral

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA Departamento Estadual de Trânsito Gabinete da Direção Geral PORTARIA N. 1446/GAB/DETRAN-RO PORTO VELHO, 12 DE MAIO DE 2010. Disciplina procedimentos para o registro de contratos de financiamentos de veículos gravados com cláusula de alienação fiduciária, arrendamento

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO SÃO PAULO AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 614.481-0/4 - Agravante: Finasa Leasing Arrendamento Mercantil S.A. Agravados: Panorama Turismo Ltda. Aparecida Sircelj Parte: Banco Safra S.A. EXECUÇÃO. ARREMATAÇÃO. PENHORA.

Leia mais

NOTA TÉCNICA CONJUNTA PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

NOTA TÉCNICA CONJUNTA PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA NOTA TÉCNICA CONJUNTA PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Associação dos Notários e Registradores do Brasil ANOREG/BR Instituto de Registro Imobiliário do Brasil IRIB Associação dos Registradores Imobiliários

Leia mais

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2005 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Dispõe sobre a desburocratização dos processos de constituição, funcionamento e baixa das microempresas e empresas de pequeno porte, nos

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

REGISTRO ELETRÔNICO. BASE LEGAL O Registro Eletrônico no Brasil foi introduzido pela Lei 11.977, de 7 de julho de 2009.

REGISTRO ELETRÔNICO. BASE LEGAL O Registro Eletrônico no Brasil foi introduzido pela Lei 11.977, de 7 de julho de 2009. REGISTRO ELETRÔNICO Trabalho apresentado no XXVII Encontro do Comitê Latino Americano de Consulta Registral BASE LEGAL O Registro Eletrônico no Brasil foi introduzido pela Lei 11.977, de 7 de julho de

Leia mais

RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2012.

RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2012. RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2012. Regulamenta a aplicação da Convenção da Cidade do Cabo e seu Protocolo Relativo a Questões Específicas ao Equipamento Aeronáutico. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO

Leia mais

A PORTABILIDADE DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA LEI FEDERAL N.º 12.703/2012 E SEUS REFLEXOS

A PORTABILIDADE DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA LEI FEDERAL N.º 12.703/2012 E SEUS REFLEXOS A PORTABILIDADE DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA LEI FEDERAL N.º 12.703/2012 E SEUS REFLEXOS A portabilidade de financiamento imobiliário (com transferência de alienação fiduciária de bem imóvel em garantia)

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80 Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Portuguesa sobre Transportes e Navegação Marítima Assinado em 23 de maio de 1978 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41,

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROGRAMA DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR-PROCON Rua Álvaro Mendes, 2294, Centro Teresina PI, CEP: 64000-060 Fones: (86)3221-5848 (86) 3216-4550 TERMO DE AJUSTAMENTO

Leia mais

a) Verificar o direito real do promitente comprador;

a) Verificar o direito real do promitente comprador; PROMESSA DE COMPRA E VENDA 1 Lindiara Antunes Do Nascimento 2, Carlos Guilherme Probst 3. 1 TRABALHO DE CURSO - TC 2 AUTOR- Aluna do curso de Direito pela UNIJUI 3 COUATOR - Mestre em Educação nas Ciências

Leia mais

CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA E INSTRUTORIA

CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA E INSTRUTORIA CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA E INSTRUTORIA PERGUNTAS FREQUENTES Este guia com perguntas e respostas foi desenvolvido para possibilitar um melhor entendimento

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE RISCO DO BANCO CENTRAL DO BRASIL

SISTEMA DE CONTROLE DE RISCO DO BANCO CENTRAL DO BRASIL SISTEMA DE CONTROLE DE RISCO DO BANCO CENTRAL DO BRASIL Autor: Luciano Duarte Peres, sócio diretor de Peres Advogados Associados, atuante na área de direito financeiro e mercado de capitais. Obrigatoriedade

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em novembro de 2010 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

Regime dos Avaliadores Imobiliários do Sistema Financeiro

Regime dos Avaliadores Imobiliários do Sistema Financeiro Page 1 of 5 Veja este e-mail no seu browser SOCIEDADE DE ADVOGADOS IMOBILIÁRIO / NOV 2015 Regime dos Avaliadores Imobiliários do Sistema Financeiro A Lei n.º 153/2015, de 14 de setembro, que entrou em

Leia mais

A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT.

A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT. 1 A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT. Vinicius Leal Batista de Andrade 1 RESUMO A empresa seus aspectos e características, notas breves sobre o que venha ser uma empresa, sua função. Recuperação judicial,

Leia mais

Direito Notarial: O Direito Notarial como ciência, síntese histórica, organização do notariado, conceito e definição dos atos notariais SUMÁRIO

Direito Notarial: O Direito Notarial como ciência, síntese histórica, organização do notariado, conceito e definição dos atos notariais SUMÁRIO Direito Notarial: O Direito Notarial como ciência, síntese histórica, organização do notariado, conceito e definição dos atos notariais SUMÁRIO CAPÍTULO I: O Direito Notarial como objeto científico 1.

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO 1 O art. 19 da Lei nº 8.112/90, com a redação dada pela Lei nº 8.270/91, estabelece que os servidores públicos deverão cumprir jornada de trabalho fixada em razão das

Leia mais

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS E TURISMO

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS E TURISMO Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS E TURISMO ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

BOLSA DE ESTUDOS FGC REGULAMENTO

BOLSA DE ESTUDOS FGC REGULAMENTO BOLSA DE ESTUDOS FGC REGULAMENTO Art. 1º - O Fundo Garantidor de Créditos FGC concederá, nos termos deste Regulamento, auxílio bolsa de estudos para os melhores projetos de monografia de conclusão de curso,

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

RESOLUÇÃO ANVISA Nº 22, DE 17 DE JUNHO DE 2010 DOU 18.06.2010

RESOLUÇÃO ANVISA Nº 22, DE 17 DE JUNHO DE 2010 DOU 18.06.2010 RESOLUÇÃO ANVISA Nº 22, DE 17 DE JUNHO DE 2010 DOU 18.06.2010 Dispõe sobre a regulamentação da transferência de titularidade de registro de produtos sujeitos à vigilância sanitária em razão de operações

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. Súmula: Estabelece normas e procedimentos para a realização de inscrição dos mutuários, relaciona os documentos necessários a instruir

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO 1 QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO Resolução 3.265, de 4 de março de 2005. (reunião do Mercado de Câmbio de Taxas Livres e do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes e instituição de

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013 Deliberação Normativa nº 016, de 28 de maio de 2013. Reedita, com alterações, a Deliberação Normativa nº 014, de 11 de setembro de 2012, que aprovou a implantação do PROGRAMA CASA PAULISTA APOIO AO CRÉDITO

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007 PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO EM SOCIEDADES DE PROPÓSITO ESPECÍFICO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA VENDA DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007. Processo nº 80000.014403/2007-50

PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007. Processo nº 80000.014403/2007-50 PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007 CONSULTA EFETUADA PELA CAIXA. ANÁLISE DE ESCRI- TURA DE ÁREA DE INTERVENÇÃO, REFERENTE A CON- TRATO DE REPASSE CELEBRADO COM O MUNICÍPIO DE (...). IMÓVEL ORIUNDO

Leia mais

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução Lei n. o 7/2013 Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção Breve introdução 1. O que regula essencialmente o Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção?

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ PROVIMENTO Nº 0060/97 O Desembargador GILBERTO DE PAULA PINHEIRO, Vice- Presidente/Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Amapá, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a Lei Federal nº 6.766,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação

Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação Capítulo I Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação Desapropriação é o termo jurídico que indica ato, emanado do poder público, do qual resulta a resolução do domínio do titular sobre

Leia mais

PARECER: 34 / 2009. ENTIDADE INTERESSADA: Instituto de Assistência e Previdência do Estado do Piauí- IAPEP

PARECER: 34 / 2009. ENTIDADE INTERESSADA: Instituto de Assistência e Previdência do Estado do Piauí- IAPEP PARECER: 34 / 2009 ASSUNTO: Necessidade de exigência de documentação de regularidade fiscal perante o INSS e FGTS em contratos com a Administração Pública. ENTIDADE INTERESSADA: Instituto de Assistência

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

*50425D34* Mensagem n o 342. Senhores Membros do Congresso Nacional,

*50425D34* Mensagem n o 342. Senhores Membros do Congresso Nacional, ** Mensagem n o 342 Senhores Membros do Congresso Nacional, Nos termos do disposto no art. 49, inciso I, combinado com o art. 84, inciso VIII, da Constituição, submeto à elevada consideração de Vossas

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

DECRETO Nº 63.404, DE 10 DE OUTUBRO DE 1968.

DECRETO Nº 63.404, DE 10 DE OUTUBRO DE 1968. DECRETO Nº 63.404, DE 10 DE OUTUBRO DE 1968. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Promulga o Acôrdo Básico de Cooperação Técnica e Cientifica, com a França havendo o Congresso Nacional aprovado pelo Decreto Legislativo

Leia mais

Breves Considerações sobre o Superendividamento

Breves Considerações sobre o Superendividamento 116 Breves Considerações sobre o Superendividamento Luiz Eduardo de Castro Neves 1 O empréstimo de valores é realizado com a cobrança de juros, de forma a permitir uma remuneração pelo valor emprestado.

Leia mais

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhada pela UTE para o Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - -

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhada pela UTE para o Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - - UTE INFORMAÇÕES PARA CONTATO: NOME: TELEFONES: ( ) EMAIL: AGENTE FINANCEIRO DE ENCAMINHAMENTO DA PROPOSTA: ( ) BANCO DO BRASIL ( ) BANCO DO NORDESTE ( ) CAIXA ECONÔMICA FEDERAL LINHA DE FINANCIAMENTO:

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T XX ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T XX ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T XX ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 FORMALIDADE DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL 3 19 FORMALIDADE DA ESCRITURAÇÃO EM FORMA ELETRÔNICA 20 29 ESCRITURAÇÃO

Leia mais

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos.

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE COOPERAÇÃO EM PESQUISA CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO O Governo da República

Leia mais

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 Promulga a Convenção sobre Privilégios e Imunidades das Agências Especializadas das Nações Unidas, adotada, a 21 de novembro de 1947, pela Assembléia Geral das

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 Altera a Resolução Normativa - RN 4, de 19 de abril de 2002, que dispõe sobre o parcelamento de débitos tributários e não tributários para com a

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor.

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. NOTA TÉCNICA n 3 Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. Alayde Avelar Freire Sant Anna Ouvidora/ANAC

Leia mais

Brasília, 27 de maio de 2013.

Brasília, 27 de maio de 2013. NOTA TÉCNICA N o 20 /2013 Brasília, 27 de maio de 2013. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Fundo para Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal n o 4.320, de 17 de março de 1964 Constituição

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO DO CADASTRO

REESTRUTURAÇÃO DO CADASTRO REESTRUTURAÇÃO DO CADASTRO VISANDO À MULTIFINALIDADE: Aspectos técnicos, legais e administrativos Profª Andrea F. T. Carneiro Programa de Pós-graduação em Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Dispõe sobre a mediação extrajudicial. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º Esta lei dispõe sobre mediação extrajudicial. Parágrafo único.

Leia mais