CALCULANDO EXAGERADO PARA NÃO PASSAR VERGONHA NO CAIXA: CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS COTIDIANOS DE JOVENS E ADULTOS DO MORRO DE SÃO CARLOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CALCULANDO EXAGERADO PARA NÃO PASSAR VERGONHA NO CAIXA: CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS COTIDIANOS DE JOVENS E ADULTOS DO MORRO DE SÃO CARLOS"

Transcrição

1 CALCULANDO EXAGERADO PARA NÃO PASSAR VERGONHA NO CAIXA: CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS COTIDIANOS DE JOVENS E ADULTOS DO MORRO DE SÃO CARLOS Maria Cecilia de Castello Branco Fantinato FEUFF 1 I. Apresentando a pesquisa O presente texto busca apresentar algumas das idéias desenvolvidas na minha tese de Doutorado 2. Minha pesquisa insere-se em uma linha de estudos que busca devolver o sentido positivo 3 da caracterização do jovem/adulto da classe trabalhadora, ou seja, que busca conhecer suas formas próprias de produção e sistematização de conhecimentos matemáticos, em contextos diversificados. Duas áreas contribuíram na fundamentação teórica da referida pesquisa: a educação matemática de jovens e adultos e a etnomatemática A etnomatemática constituiu a principal vertente teórico-metodológica, especialmente em sua dimensão política (D AMBROSIO, 2001). O resgate das raízes culturais de um outro, função de todas as etapas da pesquisa em etnomatemática de acordo com este mesmo autor, confere poder a grupos que se encontram em situação de marginalização social, porque dá visibilidade a suas formas próprias de representar quantitativa e espacialmente o mundo. O local escolhido para o trabalho de campo foi o morro de São Carlos, comunidade de baixa renda da cidade do Rio de Janeiro, onde realizei uma pesquisa etnográfica durante o ano de 2000, com diversos retornos posteriores à comunidade. A 1 NEPEM-UFF (Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática da UFF) 2 FANTINATO, M. C. C. B. (2003) 3 Procurando diferenciar-se da abordagem habitual de algumas abordagens na área de educação de jovens e adultos, que costumam pensar este educando em sentido negativo, como a-nalfabeto, não-criança, não-escolarizado (OLIVEIRA, 1999).

2 2 rotina de duas turmas do curso de jovens e adultos local, assim como de aspectos da vida comunitária, foi acompanhada por meio de observação participante, entrevistas, documentação fotográfica e análise de documentos. As representações quantitativas e espaciais de um grupo de jovens e adultos urbanos, foram analisadas na minha pesquisa de acordo com três grandes categorias, partindo-se de visão mais ampla para um olhar mais focalizado. A primeira categoria analisou as relações quantitativas e espaciais na comunidade, a segunda voltou-se para os conhecimentos matemáticos da vida cotidiana e a terceira procurou as relações entre a matemática escolar e a matemática do dia a dia. Neste texto concentrarei-me nos principais resultados relativos à segunda categoria, a partir de três enfoques : aspectos do raciocínio matemático dos jovens e adultos pesquisados em situação de compras, o cálculo mental enquanto marca de identidade cultural, e o papel dos centavos nas estratégias de sobrevivência dos adultos do São Carlos. II. Conhecimentos matemáticos da vida cotidiana de jovens e adultos do São Carlos II.1 O raciocínio matemático no contexto das compras: entre a auto-estima e o orçamento A situação de compras apareceu como uma referência imediata nas entrevistas e contatos informais com os sujeitos da pesquisa, em suas representações sobre matemática do cotidiano. A atividade rotineira de fazer compras no mercado, ligada à satisfação de uma necessidade básica - alimentar-se e prover alimentos para sua família - apresentou um aspecto em comum, que diz respeito à motivação para o cálculo. Algumas falas de alunos, relacionadas abaixo, mencionam o sentimento comum a todos os entrevistados, mulheres e homens, de diferentes idades: Se uma coisa é dois reais e oitenta centavos, eu falo, é três reais. Eu falo assim...pra mim poder saber se o meu dinheiro vai dar pra mim pagar! Se uma coisa é um real e oitenta, eu falo, dois reais. Deu cinco e quarenta, eu ponho seis reais. Eu faço assim, que aí eu pago e sei que não vou passar vergonha no caixa. (E7 4, 28/09/00)

3 3 Porque às vezes a gente pode chegar no mercado, e ir comprando, colocar aquilo no carrinho, na cesta, e a hora que chega lá daí o dinheiro não dá, né. Então já sei, já levo tudo anotadinho e vou pegando, vou colocando na cestinha e já vou fazendo a conta. ( E8, 28/09/00) O dinheiro que você...você ganha pouco...você vai no supermercado...se você não levar uma caneta...já...anotando o que você...você vai pegando do supermercado e anotando com a caneta...se você for comprar algumas coisinha...no caixa você passa vergonha! Porque você tá com pouco dinheiro, fica botando, enchendo o carrinho... ( E5, 28/09/00)...eu vou anotando o preço das coisas e vou anotando, mas sempre arredondando, tá, pra mim quando chegar na caixa num passar pela situação de não dar o dinheiro, né? ( E3, 15/09/00) Os fatos acima revelam procedimentos de arredondamento, cálculo mental, cálculo escrito, estimativa e registro. As falas também revelam a presença do cálculo estimativo, com a justificativa verbalizada para o mesmo. Tudo indica que a necessidade de estimar antes de pagar, venha de uma organização doméstica com papel moeda, onde inexistem cheques e cartões de crédito. Como vemos, os procedimentos variam um pouco, mas a preocupação de não passar vergonha no caixa é a mesma. Uma preocupação comum parece levá-los a calcular previamente: não passar pela situação constrangedora de não ter o suficiente para pagar. A consulta a um dicionário de língua portuguesa, revela algumas definições para a palavra vergonha que parecem melhor explicar o sentimento expresso pelos educandos. São elas: Vergonha Sentimento penoso de desonra, humilhação ou rebaixamento diante de outrem. 3. Sentimento de insegurança provocado pelo medo do ridículo...6. Sentimento da própria dignidade, brio, honra...(ferreira, 1975:1453) Uma possível explicação para o não querer passar vergonha está relacionada à definição de número 6 apresentada acima. Ao que parece, movidos por um sentimento 4 E, para Entrevista (seguida de um número), e DC, para Diário de Campo, serão abreviações utilizadas neste texto. 5 A origem etimológica de vergonha é da palavra latina verecundia, cujo significado de pudor, reserva, discrição não parece corresponder ao sentido em que está sendo empregada pelos educandos do São Carlos. As outras definições, apresentadas acima, enquadram-se melhor na situação descrita.

4 4 da própria dignidade, de probidade 6, os educando são estimulados a raciocinar matematicamente. Por que estariam eles, aparentemente mais do que outras pessoas diante da mesma situação, protegendo sua auto-estima 7? O sentimento expresso parece ser fruto de uma situação de classe, de uma imagem negativa de que são destinatárias as pessoas das camadas de menor poder aquisitivo, e particularmente os moradores de favela. Como diz Celso Vergne, psicólogo que também desenvolveu sua pesquisa no morro do São Carlos: A televisão e os jornais têm sido importantes construtores deste medo, definindo a favela a partir das imagens-símbolo, de carência e criminalidade. (VERGNE, 2002:100). Falando de nossas diferenças em relação aos favelados, este autor afirma que: Não temos que conviver com as leis rígidas de comportamento que são usadas para avaliar se sou honesto ou trabalhador, como as regras silenciosas de avaliação da polícia voltada para as populações pobres. A análise dos suspeitos a partir das roupas, do modo de falar e da cor da pele tem sido prática comum da polícia junto á população. (VERGNE, 2002:63) Talvez por habitarem numa comunidade onde os limites entre honestidade/desonestidade, trabalhadores/ bandidos não são claramente percebidos pela sociedade de fora, sentem necessidade de evitar passar por uma situação, na qual esse tipo de julgamento poderia ser feito sobre eles. A falta de dinheiro para pagar poderia ser interpretada, por alguém de fora do mundo do educando, como seria o gerente do supermercado, como uma tentativa de roubar a mercadoria, de levá-la sem pagar. Para afirmarem-se como honestos, diferentes dessa imagem homogênea e negativa que se tem dos membros de classe social desfavorecida, e particularmente dos moradores de favela, os jovens/ adultos do São Carlos procuram evitar passar por essa situação. Por isso, talvez, calculam exagerado, arredondando para cima o valor. A definição número 2 de vergonha fala em humilhação, rebaixamento. Para se proteger da humilhação, para evitar passar por uma situação de rebaixamento, os adultos do São Carlos estimam para cima o valor das compras. Aparentemente, não querem se sentir inseguros diante de um outro, representado pela pessoa que está no caixa do supermercado, por isso organizam-se previamente, antecipando os gastos. Esse medo de 6 No sentido de integridade, honradez 7 Utilizei esse termo auto-estima, ao longo da tese, por ser do senso comum, evitando um de seus sinônimos, narcisismo, da teoria psicanalítica.

5 5 passar vergonha pode ser fruto, talvez, de um temor íntimo, de vir exatamente a corresponder ao que a sociedade, que os oprime, espera deles. Parece ser fruto de uma introjeção de uma auto-imagem negativa. Uma outra possível hipótese explicativa das evidências acima apresentadas, está, portanto, na baixa auto-estima do educando jovem/adulto. Muitos autores mencionam esse sentimento auto-depreciativo entre educandos de baixa escolaridade. Paulo Freire é um deles: A autodesvalia é outra característica dos oprimidos. Resulta da introjeção que fazem êles da visão que dêles têm os opressores.. (FREIRE, 1974:54). Essa introjeção a que se refere Paulo Freire resulta numa alienação sobre as condições concretas, sociais, que os levaram a se encontrar na posição de oprimidos. Numa sociedade urbana, letrada, ter sido excluído precocemente da escola não apenas limita o acesso ao mercado de trabalho, como também traz danos de natureza psicológica para o indivíduo nessa situação, levando-o a crer em sua incapacidade pessoal de aprender., que ele transfere para outros setores de sua vida 8. Talvez possamos deduzir que essas pessoas associem o fato de não ter o suficiente para pagar a um sentimento de incapacidade, de inferioridade, que produz a vergonha. Em uma sociedade urbana e aparentemente letrada, como é a carioca, os jovens/adultos do São Carlos, em função de seu baixo nível de escolaridade, de sua pertinência a uma classe economicamente desfavorecida e também por serem moradores de favela, encontram-se, portanto, em múltipla situação de desvantagem. Teriam, também, menos oportunidades de lutar contra esse processo de marginalização social, e um menor número de necessidades satisfeitas do que uma pessoa escolarizada, de classe média. Isso teria conseqüências na auto-estima dos mesmos. Tudo indica que uma baixa auto-estima do oprimido (FREIRE, 1974) possa estar relacionada à vergonha mencionada pelos educandos. Pedro Benjamim Garcia também aborda o sentimento de vergonha do aluno de baixa escolaridade, a partir do enfoque do domínio do código escrito. Segundo esse autor, o analfabeto sente-se diminuído por desconhecer algo considerado básico numa sociedade letrada, que é o domínio da linguagem escrita: 8 Conversando recentemente (2003) com uma das educandas da pesquisa, pude constatar novamente como a a baixa escolaridade pode gerar sentimentos de autodesvalia. A costureira, que havia abandonado o curso de educação de jovens e adultos, manifestou seu desejo de voltar a estudar, porque sente vergonha (palavra sua) de não saber direito ler, escrever e calcular.

6 6 Quem não tem este básico está fora da sociedade letrada. Donde o escândalo de um desconhecimento que se constitui uma negação à sociedade que tem sua base neste patamar. Talvez seja esta uma das razões da desqualificação atribuída ao analfabeto, considerado como incapaz. Incapacidade que ele incorpora com sentimento de culpa. (GARCIA, 1985:12) Para lutar contra esse sentimento de autodesvalia dos jovens/educandos, ele defende um processo de alfabetização que amplie o espaço de expressão e criatividade dos educandos: A ampliação deste espaço reforça a auto-estima deste adulto que carrega o estigma de ser analfabeto, estigma que o faz fugir desta identificação...julgando-se incapaz de aprender, cria bloqueios que não são fáceis de superar. Partindo desta constatação, buscamos criar um clima que, da vergonha do não saber se chegasse à curiosidade do conhecer. 9 (GARCIA, 1985:16) Uma educanda da pesquisa demonstrou sentir-se envergonhada numa situação semelhante à apontada por Garcia, ou seja, em função de um pouco domínio de uma conhecimento do tipo escolar. Em seu caso, não apenas as atividades de cálculo são geridas por esse sentimento de vergonha. Admitindo ter dificuldades na leitura de números, apresenta uma estratégia que utiliza quando vai fazer alguma compra: Eu tenho vergonha, às vezes eu chego numa loja, pra comprar uma roupa e eu vou pelo tecido, porque eu tô vendo aqueles número ali, num tô entendendo não!... O preço das roupas! Os sapatos... Por exemplo, se for uma roupa, um tecido bom, eu sei que aquilo ali é caro... Não vai ser dez, vai ser cem...pra mim poder entender a matemática, eu vou pela qualidade das coisas, os sapatos... (E3, 15/09/00) A costureira faz uma leitura global de números, estabelecendo uma relação comparativa entre os seus valores estimados, deduzidos a partir de sua experiência prática. Utiliza esse caminho para não passar pela situação constrangedora de não saber reconhecer a diferença entre a centena e a dezena exata; relaciona essa sua dificuldade com o número de zeros e com as constantes mudanças nas cédulas de dinheiro. 9 Grifos meus.

7 7 CARVALHO (1997) parece estar se referindo à uma atitude semelhante à da aluna, quando diz:...a pessoa sem escolarização tende a ler o valor impresso em uma etiqueta de preço não tanto pelo número de zeros impressos, mas sim pelo conhecimento que tem da ordem de grandeza dos preços freqüentemente praticados por aquele produto. Em grande parte das vezes, o produto que custa R$ 50,00 fica longe do outro que custa R$ 500,00..As notas e as moedas têm outros indícios de seu valor além do número: a cor, os desenhos, o tamanho, a forma, além da freqüência do contato. Nossos alunos não confundem uma nota de R$ 10,00 com uma de R$100,00 porque vêem esta última muito raramente; o zero a menos na primeira é irrelevante para essa diferenciação. (CARVALHO, 1997: 13-14) O raciocínio matemático da vida prática segue, portanto, caminhos diferentes do da escola. Enraizado na situação contextual que o gerou, é a partir dessa mesma que as formas de resolução do problema prático vão sendo criadas. Equilibrar o orçamento doméstico, adquirindo o que é necessário à sobrevivência, é certamente um desafio constante para esses jovens e adultos do São Carlos, que motiva-os para o cálculo das despesas. Como disse uma educanda: Só posso gastar vinte, então eu calculo assim: se uma coisa custa cinco e oitenta, eu penso em seis reais. (DC, 27/08/00). A conexão lógica entre as duas partes da oração não deixa dúvidas: calcula-se para não ultrapassar o limite do possível. A estratégia de arredondamento atende a essa necessidade de não exceder a quantia que se tem, e a educanda, assim como outros que eu entrevistei, tem consciência dessa imprecisão necessária. Um diálogo com outro aluno, é muito esclarecedor sobre as prioridades determinando os processos de raciocínio matemático no ato das compras: Porque a coisa que puxa mais é a carne. A carne, se a senhora num somar a conta da carne primeiro, ela outra a mais as compras do que...o alimento sai mais barato do que um quilo de carne...se a senhora pagar oito e quarenta no quilo de carne, olha a diferença como é que é..um quilo de arroz acho que tá um real e catorze centavos...aí é muita diferença demais...eu sou mais da opinião que...primeiro o grosso pra depois pensar na carne. Aí se sobrar pra carne, tudo bem, se não sobrar...o grosso tá garantido. (E9, 07/10/00).

8 8 Nesse processo de escolha dos alimentos de acordo com uma escala de prioridades, o educando utiliza um raciocínio do tipo ordinal: x vem primeiro que y, ou y vem depois de x. Aqui também, o critério de ordenação parece ter sido ditado pela sobrevivência na dignidade e probidade. O raciocínio matemático passa a ser uma ferramenta de adaptação a um orçamento econômico apertado. Um procedimento semelhante ao utilizado pela costureira, indicado acima, na qual é feita uma comparação qualitativa baseada em informações disponíveis no cenário da loja - disposição das roupas na loja, preços expostos foi encontrado por LAVE e outros (1984), ao estudar o raciocínio aritmético durante a atividade de compras no supermercado, por moradores de uma pequena cidade dos Estados Unidos. De acordo com essa pesquisadora, muitas vezes a atividade de cálculo é dispensável nas tomadas de decisões diante de uma relação de produtos a serem adquiridos. Critérios qualitativos, como a preferência por um produto ou o espaço disponível na dispensa doméstica, podem ser mais decisivos do que o preço mais barato de algum ítem. Somente após ultrapassar esse primeiro estágio de indecisão, e quando ainda existe dúvida sobre a escolha de dois ou três produtos similares, o comprador lança mão de procedimentos aritméticos, como o cálculo da relação preço-quantidade para tomar uma decisão. E muitas vezes o cálculo numérico serve apenas para racionalizar uma escolha já feita por critérios qualitativos, usando o argumento do menor preço como justificativa. Diferentemente da interpretação de Lave, no caso dos jovens/adultos do São Carlos, o cálculo numérico estimativo parece estar bastante presente na atividade de compras no mercado, como pôde ser constatado nos depoimentos acima. A necessidade premente de calcular previamente as despesas, vem da pressão de se tentar sobreviver com o que se tem, e também da defesa emocional de proteger de uma possível situação embaraçosa, no caso, do dinheiro faltar. Já as pessoas entrevistadas por Lave constituíam um grupo predominantemente de classe média, cujas preocupações, mesmo que também passassem pela necessidade de realizar alguma economia doméstica, divergiam muito, em capacidade de consumo, de um grupo de moradores de uma favela carioca. Esta observação não leva a desconsiderar os resultados encontrados pela pesquisadora americana, mas tende a confirmar a importância do contexto socioeconômico-cultural na determinação dos modos de pensamento de qualquer grupo. Outros paralelos podem ser traçados entre as duas pesquisas, apesar das diferenças de contexto em que foram desenvolvidas. Um aspecto interessante apontado

9 9 por Lave é o fato do cálculo numérico ser uma dentre outras opções para a tomada de decisões no contexto do supermercado. Procurando explorar o raciocínio que acompanha o processo das compras, ela encontrou muito pouco uso de medidas quantitativas. Ao invés de calcular por meio de razões o preço de queijos que pareciam estar com etiquetas erradas, Lave observou a utilização de outras táticas como a procura por queijos com igual peso. Assim como os sujeitos de Lave comparam queijos para decidir se o preço dos mesmos está correto, a costureira do São Carlos, compara tecidos quanto à sua qualidade para decidir qual deles é o mais caro, ou seja, tanto num caso quanto noutro são utilizados procedimentos não numéricos, de ordem qualitativa. De maneira semelhante, Wanderleya Costa (1998), em sua pesquisa com ceramistas do Vale do Jequitinhonha, também encontrou procedimentos não numéricos para estimativa de uma medida de peso 10. LAVE (1984) mostra também que a própria organização do supermercado já é feita de maneira a facilitar as decisões na hora das compras, como a exposição destacada dos produtos em promoção, por exemplo. Por ser essa uma atividade rotineira, as experiências anteriores, fruto de inúmeras idas ao mercado, passam a ser constitutivas do modo de pensamento diante daquela situação; por exemplo, uma determinada marca passa a ser uma critério de referência, porque já se sabe que aquela é sempre mais em conta. Em minha pesquisa, alguns alunos também mostraram tomar certas decisões baseando-se na experiência prática. Um educanda menciona esse conhecimento advindo de sua prática de ir ao mercado: Mais ou menos eu conheço os números, o preço das coisas, né, a gente conhece o preço das coisas, né, aí vai mais ou menos de acordo com o que vai dar. (E17, 30/11/00). Na pesquisa de Lave, o fato do cálculo aritmético ser uma alternativa, entre outras, para as decisões durante a situação de compras, leva a curiosa situação de que este, quando ocorre, ocorre com extrema precisão, porque estão ali dialeticamente justapostas no momento atividades de problema, de solução e de aferição....qualquer circunstância que faça com que o abandono de um cálculo seja uma alternativa plausível, leva a um menor número de cálculos completos, mas a cálculos mais corretos, do que se as opções não estivessem disponíveis. Se o processo de geração 10 Um dos sujeitos da pesquisa explica para essa pesquisadora como sabe é de olhá : «Quando ocê vai na feira e compra um quilo de carne, então ocê pega outra coisa e compara, intão ocê já faz uma base e

10 10 de problema está sob controle da pessoa que está resolvendo o problema, a forma da solução é gerada ao mesmo tempo; alternativamente, o solucionador do problema pode exercitar outras opções além do cálculo. (LAVE e outros, 1984: 92) 11 A presença da solução já semi-embutida em problemas gerados em contextos da vida cotidiana, como o caso das compras no mercado, assim como da possibilidade de sua aferição, é uma característica que facilita portanto a resolução da situação. II.2. O cálculo mental numa perspectiva cultural O calcular de cabeça é estratégia declaradamente utilizada pelos alunos entrevistados. Embora mais presente nos alunos pouco letrados, ele também aparece como um recurso dos alunos com maior nível de letramento. Cito abaixo alguns exemplos da pesquisa: A gente trabalha, eu, mesmo com meu pouco estudo, eu sabia só assinar meu nome, eu aprendi a trabalhar com dinheiro e nunca, graças a Deus, nunca faltou dinheiro na minha caixa, nunca sobrou. Sempre deu tudo certinho. Porque hoje, trabalhar num supermercado, é moleza mesmo, porque aquelas máquinas já dá o total, dá até o troco, a pessoa faz ali, já tá saindo tudo. Antigamente não era assim. Aquelas caixas de cinema, a gente só batia ali o total. Se por acaso desse alguma coisa, algum troco errado, desse alguma confusão, tinha que fechar a caixa, somar todo dinheiro, pra poder saber se tava sobrando ou faltando... Eu fazia tudo na cabeça. Assim, eu somava assim, contava assim, tinha um caderninho sempre, pra mim fazer a conta de somar, né?...as pessoas davam o dinheiro: Eu quero três! De ingresso, no caso. Eu já tinha toda aquela tabela, aquela tabelinha já tava ali, eu já sabia tudinho, quanto dava o dinheiro. (E12, 07/11/00)...a gente bota no papel as coisas que já é básica e faz um cálculo mais ou menos, cento e poucos reais, que vai gastar em compra...somo de cabeça. Na hora, a gente vai colocando ali mais ou menos as coisas que tem que colocar no carrinho quando chegar no caixa, mais ou menos dá cem, cento e dez, cento e vinte, por aí (E10, 09/10/00) Do que foi apresentado, podemos fazer algumas observações sobre o calcular de cabeça entre os adultos pesquisados, que recebe a denominação de cálculo mental. sabe se aquela coisa tem um quilo ou não...a gente sabe á pur comparação.» (COSTA, 1998:67)

11 11 Em primeiro lugar, ele pode ser um recurso utilizado por si só, ou combinado com alguma forma de registro escrito: a primeira educanda construiu uma tabela de preços de bilhetes de cinema, classificando por quantidade e tipo de entrada; a segunda anota as mercadorias que quer comprar e faz o cálculo das mesmas mentalmente. Durante o trabalho de campo também observei outros tipos de combinação escrito/mental, como o cálculo do resultado de um algoritmo escolar seguido do registro escrito do resultado, ou a antecipação do lucro de vendas, acompanhado do registro num caderno de controle de quantidade de peças vendidas e seu preço, entre outras formas. As situações que podem motivar a presença simultânea dos recursos oral/escrito variam. Por vezes é uma necessidade da própria pessoa, de confirmar seus resultados. Por vezes essa necessidade vem de fora, como no contexto escolar, onde freqüentemente os educandos só utilizam o registro escrito do cálculo quando há uma demanda explícita do professor para isso. Ou numa situação como a de uma entrevista da pesquisadora com um educando comerciante, por exemplo, quando este construiu uma conta escrita hipotética, envolvendo os gastos de uma pessoa no armazém, e depois acrescentou: Normalmente não faço assim, faço de cabeça. (DC, 30/08/00). Outro aspecto relativo ao cálculo mental, entre os jovens e adultos do São Carlos, aparece no depoimento abaixo:...a gente trabalha na cabeça! O pessoal do Norte tá mais apto que o pessoal do Sul...O pessoal do Sul agora é tudo máquina, maquinazinha, né? Lá no Norte é na cabeça, ainda que funciona ao menos funciona! (E10, 09/10/00) A fala do educando apresenta uma característica interessante: a associação do uso do cálculo mental à região de origem. Esse homem fala com orgulho desse seu tipo de saber. Esse orgulho provém de uma capacidade de dispensar o uso da máquina, de uma prova de independência em relação às tecnologias modernas. Mais do que um recurso, ele passa a ser um valor cultural, uma marca identificatória. Numa população desvalorizada socialmente, o calcular de cabeça passa a ser um elemento diferenciador entre os outros (sulistas, usuários de tecnologias modernas) e nós (nordestinos, moradores de favela, detentores de saberes tradicionais próprios). No caso desse aluno, que alcançou no passado um certo nível de escolaridade (cursou até a quarta-série profissional), esse aspecto valorativo fica mais evidente. Mas pode-se 11 Tradução da autora.

12 12 observar o mesmo em alunos com muito pouca escolaridade, como acontece com a bilheteira de cinema, quando subestima a atividade de caixa de supermercado nos tempos atuais, considerando-a moleza, devido ao uso da máquina que já indica o resultado, restando à pessoa apenas a função de digitar. Pude observar a valorização da habilidade de calcular de cabeça, dispensando outros tipos de apoio, numa situação do cotidiano do São Carlos. Estava no armazém da família de uma das alunas do curso. A sua filha, que já freqüenta faculdade, construiu uma tabela de correspondência de preços e medidas, para as mercadorias vendidas a quilo no estabelecimento. Esta tabela é utilizada por ela mesma ou pelas outras pessoas que trabalham ali. Ao mostrar as tabelas, ela me fala: Quem tem facilidade de cabeça, não precisa. Mas não é meu caso. (DC, 30/08/00). Provavelmente essa mulher, sendo a pessoa mais letrada da família, aprendeu a valorizar esse conhecimento no seu contexto de vida cotidiana, não no ambiente escolar. CARRAHER, CARRAHER e SCHLIEMANN (1989: 65-66) concordam com essa minha dedução, quando afirmam: A matemática, aprendemos implicitamente, é uma atividade que se pratica por escrito, é algo para aqueles que vão à escola. E esta é a forma apropriada de resolver problemas. Esta ideologia não apenas inibe o cálculo oral, mas também desvaloriza este tipo de saber popular, que não tem lugar na escola nem pode ser reconhecido num sistema de promoção em que todas as avaliações são feitas por escrito. 12 A forma como essas estratégias de cálculo mental foram aprendidas parece ser definitória dessa sua característica de marca cultural. Muitos aprenderam a fazer contas de cabeça na infância, com algum parente mais velho, que mesmo analfabeto tinha sucesso nas situações cotidianas que envolviam representações numéricas. Um senhor fala de um avô que o ensinou a juntar os inteiros e depois os quebrados e insistia que os netos fizessem conta de cabeça, mesmo que também aprendessem os algoritmos escritos. Uma senhora conta de seu pai que confrontava sua estimativa de quantas arrobas têm de café, de cacau, quantas quartas de milho tinha, com o valor calculado pelo comprador na maquininha Outro aluno, que tem dificuldades para aprender a ler, declara ter aprendido com seu avô e essa aprendizagem lhe serve no exercício de sua profissão de vendedor: 12 Grifos no original.

13 13 Escrever já não sei, escrever na conta assim, eu já sou fraco pra escrever. Sou mais na conta de cabeça, que eu faço... Aprendi lá no Norte ainda. Foi lá no Ceará com meu avô...meu avô era bom nas contas, rapaz, fazia todas as contas Ele me ensinou a fazer essas contas Mesmo no lápis eu não sei fazer não, mas de cabeça eu faço. (E6, 28/09/00) A manutenção dessas estratégias de cálculo mental, mesmo entre os sujeitos mais escolarizados, parece poder explicar-se pela forma como foram aprendidas, e por representarem uma forma de resistência dessa população à sociedade tecnológica que os exclui, uma maneira de conquistar o seu lugar na mesma, de não serem anulados por ela. Como diz DE CERTEAU (1999:100): Seria legítimo definir o poder do saber por essa capacidade de transformar as incertezas da história em espaços legíveis. Mas é mais exato reconhecer nessas estratégias um tipo específico de saber, aquele que sustenta e determina o poder de conquistar para si um lugar próprio. 13 II.3. O valor dos centavos na vida cotidiana do São Carlos A diferença cultural e social existente entre pesquisadora e pesquisados, facilitou o reconhecimento de uma característica da representação numérica entre os adultos do São Carlos : a importância dos números pequenos. Durante a pesquisa de campo, diversas experiências levaram à construção dessa idéia. Na festa de final de ano do curso, estando o valor do presente de amigo oculto em dois reais, tive enorme dificuldade em achar um presente desse preço, acabando por comprar um de valor superior; enquanto isso, os alunos traziam diversas idéias do que se pode comprar com dois reais: caixas de mantimentos, copos, porta-retratos, etc. O que parecia pouco para mim, era mais do que suficiente para eles. Outro exemplo de diferença significativa de valor do dinheiro entre o universo do morro de São Carlos e o meu próprio, pude observar no dia em que vi afixada, nas paredes da sala de aula do curso, uma propaganda de aula particular, para alunos de C.A à 4 a série. No cartaz estava escrito o preço cobrado e a freqüência das aulas: R$ 25,00 por mês, com aulas três vezes por semana. Se dividirmos o valor mensal por treze (número aproximado de aulas por mês), o valor pago a cada aula seria de R$ 1,92. Esse 13 Grifos no original

14 14 valor, surpreendentemente baixo para mim, que faço parte de uma classe social que paga por aula o valor total, ou até um valor maior que o pago por mês no São Carlos (R$ 25,00), certamente representa quantia da qual nem todos os moradores daquela comunidade podem dispor. Quando o orçamento familiar gira em torno de alguns salários mínimos, um real faz sem dúvida muita diferença, podendo determinar a alguém, por exemplo, a decisão de pegar ou não a kombi na subida do morro. Os centavos passam a ter um significado especial nesse contexto. Um exemplo é o de uma aluna costureira, que trabalha dividindo tarefas com sua cunhada. São pagas por peça, e o que arrecadam está sempre dentro dos valores dos centavos. Num tipo de vestido, a educanda ganha sessenta centavos, em outro, cinquenta e cinco centavos é o valor a ser dividido entre ela e a cunhada. Nesse contexto, uma diferença de cinco centavos é representativa: ela me pagava vinte e cinco um biquíni desses, agora ela vai me pagar trinta 14 (E14, 15/11/00). Um outro exemplo é o de uma senhora que produz enfeites de miçangas para serem colocados em biquínis: trabalha por encomenda de uma fábrica e também ganha por peça - trinta centavos cada uma. Pude observar também a significância dos centavos, na vida cotidiana no São Carlos, no contexto de um armazém situado dentro da comunidade. Uma mulher veio comprar ovos, que são vendidos a 1,20 a dúzia, ou a 10 centavos a unidade. Um dos ovos se quebrou e a mulher levou-o assim mesmo, dizendo que ia fazer empada; pagou então 5 centavos pelo ovo quebrado. Do ponto de vista da mulher, houve lucro, porque pagou menos por uma mercadoria que iria utilizar embora quebrado. Do ponto de vista do dono do armazém, também houve lucro, porque este não poderia vender o ovo quebrado a outra pessoa. Curiosamente, a importância dos centavos passa a ter outra conotação quando se trata de estimar o valor das compras no mercado. Como já foi mencionado anteriormente, muitos adultos aparentemente ignoram os centavos nesse momento, arredondando para cima o valor dos produtos, para não arriscarem de não ter o dinheiro na hora do caixa. Como diz um sujeito da pesquisa:...a gente calcula também um pouco exagerado, né? (E9, 07/10/00). Essa estratégia pode parecer inversa da outra, porque nesse caso parece que os centavos estão sendo descartados no processo de cálculo. Mas 14 Nessa situação, cabe observar que cinco centavos, embora seja um valor baixo, representa 20% de aumento. sobre o valor anterior, de vinte e cinco centavos

15 15 na realidade, os centavos continuam sendo importantes nesse tipo de heurística de arredondamento eles passam a ser superestimados, ou seja, continuam presentes. III. Considerações finais Entre jovens e adultos do morro de São Carlos, as formas de representações quantitativas e espaciais da vida cotidiana parecem atender a uma dupla necessidade. Por um lado, conhecimentos matemáticos são utilizados tendo em vista garantir condições de sobrevivência : o cálculo exagerado, a habilidade para lidar com números pequenos, são formas de administrar um orçamento reduzido. Por outro, os saberes construídos por esse grupo social, os matemáticos dentre eles, parecem ser também estratégias de afirmação de identidade : a conservação de práticas de raciocínio próprias como o cálculo mental, a estratégia do arredondamento antecipado das compras para não passar vergonha no caixa, entre outras, parecem ser formas de resistir a um processo de anulação de identidade. A pesquisa em etnomatemática na qual este texto foi baseado, enfrentou o desafio de procurar estudar a matemática relacionada à cultura de um grupo diversificado, como é uma turma de jovens e adultos de um contexto urbano. A identidade socioeconômica e a tríplice situação de exclusão compartilhada por todos (favelados, de baixa escolaridade e de baixo poder aquisitivo) apareceu como um fator determinante nas semelhanças encontradas entre as formas de representações quantitativas e espaciais do grupo. Resumo Este trabalho apresenta parte dos resultados de uma pesquisa etnográfica desenvolvida em uma comunidade de baixa renda da cidade do Rio de Janeiro, que procurou compreender relações entre conhecimentos matemáticos construídos por jovens e adultos trabalhadores na vida cotidiana e conhecimentos matemáticos escolares. O texto analisa algumas estratégias envolvendo raciocínio matemático, como o ato de arredondar para cima a previsão do montante a pagar, evitando-se o constrangimento de que o dinheiro disponível não seja suficiente para as compras, a

16 16 prática do cálculo mental entre os adultos pesquisados, assim como o valor dos centavos em suas atividades cotidianas. Os resultados indicaram estreita associação entre o uso de habilidades matemáticas no cotidiano com a necessidade de garantir formas de sobrevivência, assim como com a preservação da identidade dos sujeitos. Palavras-chave: etnomatemática, educação de jovens e adultos, conhecimentos matemáticos cotidianos. Referências bibliográficas CARRAHER, T., CARRAHER, D.& SCHLIEMANN, A (1989). Na vida dez, na escola zero. São Paulo: Cortez; CARVALHO, D. L. (1997) A educação matemática dos jovens e adultos nas séries iniciais do ensino básico. Alfabetização e Cidadania 6, São Paulo: RAAAB, (11-24); COSTA, W. N. G. (1998) Os ceramistas do vale do Jequitinhonha: uma investigação etnomatemática. Campinas: Faculdade de Educação da UNICAMP, Dissertação de Mestrado; D AMBROSIO, U. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. Coleção Tendências em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2001; DE CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1999; FANTINATO, M. C. C. B. Identidade e sobrevivência no morro de São Carlos : representações quantitativas e espaciais entre jovens e adultos. São Paulo : Faculdade de Educação da USP, Tese de Doutorado, 2003; FERREIRA, A. B. DE H. (1975) Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira;

17 17 FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974; GARCIA, P. B. O olho do outro: algumas anotações sobre alfabetização de adultos In A Bezerra (ed.) Cadernos de Educação Popular 8: Alfabetização de adultos. Petrópolis: Vozes (9-18), 1985; LAVE, J., MURTAUGH, M. & DE LA ROCHA, O. (1984) The dialectic of arithmetic in grocery shopping. In B. Rogoff & J. Lave (Eds), Everyday cognition: Its development in social context. Cambridge: Cambridge University Press (67-94); OLIVEIRA, M. K. Jovens e Adultos como sujeitos de conhecimento e aprendizagem Revista Brasileira de Educação. São Paulo: ANPED Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação, n. 12 (59-73), 1999; VERGNE, C. M. A história dos rostos esquecidos: a violência no olhar sobre os moradores de favelas cariocas. Rio de Janeiro: Departamento de Psicologia da PUC/RJ, Dissertação de Mestrado, 2002.

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. não Eu Não r que o f existe coleção Conversas #14 - outubro 2014 - a z fu e r tu r uma fa o para c ul m d im ad? e. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS REFERÊNCIA: LEFFA, Vilson J. ; LOPES, Rita de Cássia Campos. Determinação sócio-lingüística do conceito de leitura. 46 a Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Vitória, 17 a 22 de

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Palestra tudo O QUE VOCE sobre precisa entender Abundância & Poder Pessoal EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Como aprendemos hoje na palestra: a Lei da Atração, na verdade é a Lei da Vibracao. A frequência

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Henrique Innecco Longo e-mail: hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas Escola de Engenharia,

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

Oito em cada dez brasileiros não sabem como controlar as próprias despesas, mostra estudo do SPC Brasil

Oito em cada dez brasileiros não sabem como controlar as próprias despesas, mostra estudo do SPC Brasil Oito em cada dez brasileiros não sabem como controlar as próprias despesas, mostra estudo do SPC Brasil Mais de um terço dos brasileiros desconhecem o valor das contas que vencem no próximo mês. Falta

Leia mais

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim.

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim. INTRODUÇÃO LIVRO: ECONOMIA E SOCIEDADE DIEGO FIGUEIREDO DIAS Olá, meu caro acadêmico! Bem- vindo ao livro de Economia e Sociedade. Esse livro foi organizado especialmente para você e é por isso que eu

Leia mais

Portfólio fotográfico com o tema Unicamp Caroline Maria Manabe Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes

Portfólio fotográfico com o tema Unicamp Caroline Maria Manabe Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes Portfólio fotográfico com o tema Unicamp Caroline Maria Manabe Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes Introdução Como foi explicitado no Projeto de Desenvolvimento de Produto, a minha intenção

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 A partir do texto que publiquei na revista ABC EDUCTIO, nº 54, de março do corrente ano, tratando das armadilhas que são

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

Aula 4 Lugares de argumentação

Aula 4 Lugares de argumentação Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Design Disciplina Seminário de desenvolvimento de tese Aula 4 Lugares de argumentação Profa. Dra. Jackeline Lima Farbiarz

Leia mais

Há 4 anos. 1. Que dificuldades encontra no seu trabalho com os idosos no seu dia-a-dia?

Há 4 anos. 1. Que dificuldades encontra no seu trabalho com os idosos no seu dia-a-dia? Entrevista A13 I Experiência no lar Há quanto tempo trabalha no lar? Há 4 anos. 1 Qual é a sua função no lar? Encarregada de Serviços Gerais. Que tarefas desempenha no seu dia-a-dia? O contacto directo

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS FORTES, Gilse Helena Magalhães PUCRS GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora: não contou com financiamento A escola por ciclos,

Leia mais

O que é o Ação Integrada?

O que é o Ação Integrada? O que é o Ação Integrada? Resultado de uma articulação entre a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE/MT), o Ministério Público do Trabalho (MPT/MT), a Fundação Uniselva da Universidade

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online.

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Assunto E-commerce Metodologia Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Quantidade de entrevistas realizadas: 1.652 mulheres Perfil: 18 a 50 anos Mercado: Brasil

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão :

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : dilemas e soluções contingenciais para evitar a exclusão social na investigação Isabel Estrela Rego & Ana Moura Arroz Métodos Qualitativos em Ciências

Leia mais

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 369 PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Jorge Leonardo Garcia (Uni-FACEF) Sílvia Regina Viel Rodrigues (Uni-FACEF) O Ensino da Matemática Hoje As aulas típicas

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Tema: O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender. tomada de decisão do jovem na hora da compra.

Tema: O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender. tomada de decisão do jovem na hora da compra. Radar Jovem 2015 Tema: Já sabemos que o jovem é um dos consumidores que mais possui poder aquisitivo do país*. O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender agora. Nesse estudo iremos

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO ADILSON DE ANGELO Desde a sua criação, o MST assegurou na sua agenda política a luta pela educação e por uma escola mais significativa para a família

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1 Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 Ana Luiza Araujo COSTA anaepietro26@gmail.com Maria Simone

Leia mais

Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais

Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais Ex ore parvulorum veritas A A verdade sai da boca das crianças as. Ditado Latino Inclusão a qualquer custo? Má Inclusão Inferiorização + Aprendizado

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Criação de um site sobre Comunicação

Criação de um site sobre Comunicação Luciano Conceição Martins Criação de um site sobre Comunicação UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Introdução: Um site é um conjunto de arquivos feitos através de códigos de programação. E, estes

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia PAOLA GENTILE Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia A forma como se lê um texto varia mais de acordo com o objetivo proposto do que com o gênero, mas você pode ajudar o aluno a entender

Leia mais

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE 689 O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: Este estudo traz os resultados de uma pesquisa de campo realizada em uma escola pública

Leia mais

Marketing não Sobrevive sem Endomarketing

Marketing não Sobrevive sem Endomarketing Marketing não Sobrevive sem Endomarketing Um ótimo serviço pode se tornar ruim se os funcionários não confiam em si mesmos. Uma endoentrevista sobre endomarketing. Troquemos de lugar! O título é, sem dúvida,

Leia mais

PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE

PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE Gilmara Gomes MEIRA 1 1 Departamento de Matemática Mestrado em Ensino de Ciências

Leia mais

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL.

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. Wagner José Bolzan 1. Resumo Em minha dissertação de mestrado

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia Módulo 1 Questões Básicas da Economia 1.1. Conceito de Economia Todos nós temos uma série de necessidades. Precisamos comer, precisamos nos vestir, precisamos estudar, precisamos nos locomover, etc. Estas

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

UMA PARCERIA DE SUCESSO!

UMA PARCERIA DE SUCESSO! RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Parceria Santa Dorotéia e Junior Achievement de Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO! 1 SUMÁRIO 1. Resultados Conquistados... 3 2. Resultados 2013... 4 3. Resultados Pesquisas...

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Apresentação Esta cartilha representa um grito dos educadores, dos estudantes, dos pais, dos trabalhadores e da sociedade civil organizada em defesa da educação pública de qualidade, direito de todos e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL É LIÇÃO DE CIDADANIA E DE MATEMÁTICA PLANO DE AULA EDUCAÇÃO FISCAL

EDUCAÇÃO FISCAL É LIÇÃO DE CIDADANIA E DE MATEMÁTICA PLANO DE AULA EDUCAÇÃO FISCAL EDUCAÇÃO FISCAL É LIÇÃO DE CIDADANIA E DE MATEMÁTICA PLANO DE AULA EDUCAÇÃO FISCAL PARANACITY- 2009 ESCOLA ESTADUAL SANTOS DUMONT ENSINO FUNDAMENTAL PROFESSORA: MARIA HILDA LIMA ÁREA DE CONHECIMENTO: MATEMÁTICA

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA.

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA. VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA. Maria de Fátima Silva Araújo (bolsista do PIBIC/ UFPI), Catarina de Sena Sirqueira Mendes da Costa (Orientadora,

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

O Ensino de Matemática na Educação Infantil

O Ensino de Matemática na Educação Infantil Débora de Oliveira O Ensino de Matemática na Educação Infantil No Brasil, desde 1996, a Educação Infantil é considerada a primeira etapa da educação básica e tem como guia de reflexão de cunho educacional

Leia mais

O que Vês na Imagem?

O que Vês na Imagem? O que Vês na Imagem? Fonte: Farol, versão portuguesa do COMPASS: www.humanaglobal.com Duração aproximada: 30 minutos a 1 hora Palavras-chave: direitos humanos, interpretação/visão individual dos direitos

Leia mais

Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1

Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1 Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 1 Se não pode subir a montanha, torne-se uma. Por Tiago Bastos Quer Dinheiro Online? 2 ISSO ESTÁ ME GERANDO R$7.278,05 - R$10.588,38 POR SEMANA E VOCÊ PODE FAZER

Leia mais

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO Universidade Estadual de Campinas Fernanda Resende Serradourada A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO INTRODUÇÃO: O Projeto de Desenvolvimento realizado por mim visava à confecção

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

O que fazer em meio às turbulências

O que fazer em meio às turbulências O que fazer em meio às turbulências VERSÍCULO BÍBLICO Façam todo o possível para viver em paz com todos. Romanos 12:18 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças assistirão a um programa de auditório chamado Geração

Leia mais

A MATEMÁTICA NO CARTÃO DE CRÉDITO

A MATEMÁTICA NO CARTÃO DE CRÉDITO A MATEMÁTICA NO CARTÃO DE CRÉDITO VIANA, Waldiléria Silva ENDLICH, Rafaela Saloméa de Oliveira Araki Resuno: Trata-se de um relato de experiência com uma atividade sugerida por alunas do programa PIBID/Ifes/Vitória/matemática.

Leia mais

Aplicar, investir, guardar e juntar Para você é a mesma coisa? Para o Investidor não.

Aplicar, investir, guardar e juntar Para você é a mesma coisa? Para o Investidor não. Aplicar, investir, guardar e juntar Para você é a mesma coisa? Para o Investidor não. Ana Claudia Leoni Superintendente de Educação da ANBIMA Workshop Linguagem e Abordagem Uma revisão de paradigmas na

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública

A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública Anais do I Seminário PIBID/FPA 2014. FPA. Vol I, nº 1. São Paulo, 2014. 1 A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública Uma proposta pedagógica de ensino de artes visuais

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O pão da avó

Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O pão da avó Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O pão da avó Sumário Sobre a série... 3 Material de apoio... 3 Roteiro para uso dos vídeos em grupos... 4 Orientações para o facilitador... 4 Conduzindo

Leia mais

Neste e-book vamos esclarecer melhor como é feita essa transição financeira, quais os melhores investimentos para a aposentadoria, como você deve administrar os demais gastos, onde é possível cortar despesas

Leia mais

PESQUISA DE CABELEIREIRA/TÉCNICO DE ESTÉTICA:

PESQUISA DE CABELEIREIRA/TÉCNICO DE ESTÉTICA: Fundo Perpétuo de Educação PESQUISA DE CABELEIREIRA/TÉCNICO DE ESTÉTICA: Os depoimentos, ensinamentos e metas dos participantes mais bem sucedidos. A escolha da escola fez a diferença na sua colocação

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais