A SITUAÇÃO DO MERCADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A SITUAÇÃO DO MERCADO"

Transcrição

1 GESTÃO DA QUALIDADE

2 A SITUAÇÃO DO MERCADO Poucas Opções Administração Funcional Clientes Satisfeitos Melhores Equipamentos Produto Melhores Materiais Melhores Metodos Mercado Estático Produto Muitas opções Pessoas Capacitadas Administração por Sistemas Clientes Exigentes Mercado Dinâmico

3 ADMINISTRAÇÃO POR OBJETIVOS COMPETÊNCIA Administração por Objetivos e Resultados Individuais O enfoque do trabalho e individual O objetivo e cumprir o negociado com o chefe No esquema de competência a informação é valiosa, da benefícios e privilégios Poder A burocracia é freqüente, as definições não estão ligadas as necessidades do cliente.

4 ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA Administração de Processos Colaboração Consenso O enfoque do trabalho é em equipe O propósito é criar valor para o negocio e o cliente Propósito Comum, através de indicadores de qualidade e desempenho

5 ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA ERA FONTE DE VALOR GRUPO DOMINANTE Agrícola Terra Proprietário da terra Industrial Capital Banqueiro Industrial Moderna Mercado Executivos Atual Conhecimento Indivíduo Cliente FOCAR INVESTIR RESPEITAR

6 Evolução da Administração Empresarial A Gestão Moderna cruza as funções e focaliza o Cliente

7 O QUE É QUALIDADE? Satisfação do cliente e melhoria contínua (Deming) Atendimento aos requisitos dos clientes (ASQC) O que é Qualidade? Grau no qual um conjunto de características satisfaz a requisitos (ISO 9000:2000) Adequação ao uso (Juran)

8 O QUE É QUALIDADE? Aumentar a Probabilidade de Resultados Desejáveis O que é Qualidade na Saúde?

9 O que é Gestão da Qualidade? A Gestão da Qualidade é uma prática administrativa que emprega : Conceitos Técnicas Promocionais É Preciso Escolher a Ferramenta Certa Momento certo Conforme o motor organizacional

10 Gestão da Qualidade Causas Prováveis do Insucesso da Implantação: Conceitos Cultura Comportamento Planejamento Atuação da Administração Técnicas Promocionais Escolha do Modelo

11 CERTIFICAÇÃO Modo pelo qual uma terceira parte dá garantia escrita de que o produto, processo ou serviço está em conformidade com requisitos especificados (ABNT ISO/IEC Guia 2:1993).

12 CERTIFICAÇÃO Avaliação da Conformidade ("conformity assessment"): atividade com o objetivo de determinar, direta ou indiretamente, que o serviço atende aos requisitos técnicos pré-estabelecidos. Requisitos técnicos são critérios definidos em uma norma técnica,de referência ( Manual Brasileiro de Acreditação das Organizações Prestadoras de Serviços de Saúde ).

13 CREDENCIAMENTO Tipos Certificação de produtos: enfoque no produto. Certificação de sistemas de gestão: enfoque no Sistema e na forma como é gerenciada.

14 GESTÃO DE PROCESSOS

15 O QUE É GESTÃO DE PROCESSOS É a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas as atividades para atender aos requisitos do sistema.

16 ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS INSTITUCIONAIS Segurança Ambulatório CCIH Direção Enfermagem Administração Tratamento da Água Corpo Clínico Recepção RH Preparação dos Capilares Segurança Ocupacional Higiene Gestão de Resíduos TI Arquivo CCIH Manutenção Remoção Farmácia Suprimentos Terapia Dialítica

17 O que são Processos? PROCESSO é um conjunto de operações sucessivas e ou paralelas que proporcionam um resultado bem definido. Geralmente como parte de um ciclo global de produção de um produto ou de um serviço PROCESSO É UM CONJUNTO DE CAUSAS

18 GESTÃO POR PROCESSOS Materiais INPUT OUTPUT Energia Informações HARDWARE Equipamentos Materiais HUMANWARE Elemento Humano SOFTWARE Procedimentos CLIENTE CUSTOS FATURAMENTO PRODUTIVIDADE=FATURAMENTO / CUSTOS

19 GESTÃO POR PROCESSOS Bens Tangíveis Bens Intangíveis Materiais HARDWARE Equipamentos HUMANWARE Elemento Human Energia Informações Materiais Estrutura SOFTWARE Procedimentos CLIENTE Força invisível que a concorrência tem dificuldade de ver.

20 DIAGRAMAS DE CAUSA E EFEITO Pessoas Materiais e Equipamentos Espinha dorsal Característica Característica (efeito) Meio Ambiente Métodos Fatores (causas)

21 CARACTERISTICAS PRINCIPAIS DOS PROCESSOS DELEGAÇÃO Autoridade - Sobre seu Processo ( Meio ) Responsabilidade - Sobre os Resultados ( Fins )

22 METAS X PROBLEMAS Aqui estão as CAUSAS Aqui estão os PROBLEMAS PROCESSOS PRODUTO CLIENTE MEDIDAS + META DIRETRIZES

23 ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS INSTITUCIONAIS PROCESSOS PRIMÁRIOS São os que resultam em um produto ou serviço. Tratamento da água / procedimento diálitico Farmácia / suprimentos / recepção / arquivo PROCESSOS GERENCIAIS Processos que existem para facilitar o funcionamento regular da Instituição. Diretoria Clínica/ Gerencia de Enfermagem/ Gerencia Adm. PROCESSOS DE APOIO Geram produtos invisíveis. Ocorrem nos bastidores mas são essenciais para a gestão eficaz da empresa. CCIH/ Recursos Humanos/ TI / Segurança Ocupacional / Escritório da Qualidade

24 FERRAMENTA PARA GERENCIAR PROCESSOS

25

26 Funcionamento do Ciclo PDCA P D 5 PLANEJAR O que queremos alcançar? Visão Missão Objetivos Como podemos alcançar? Plano de negócios Estratégias Recursos FAZER Fazer com que todos se sintam envolvidos, comprometidos e motivados ( Liderança!) Executar o plano Desdobrar e difundi-lo na organização inteira Divulgar os objetivos em funções e níveis apropriados

27 O QUE SIGNIFICA LIDERAR/GERENCIAR? Organizar, planejar, dirigir e controlar ações simples ou complexas no processo administrativo e operacional das organizações, através das Pessoas.

28 COMPETÊNCIA DO LÍDER HARDWARE Equipamentos Materiais HUMANWARE Elemento Humano SOFTWARE Método EDUCAR E TREINAR PESSOAS COMPETÊNCIA Saber HABILIDADES Saber fazer ATITUDE Querer fazer

29 TREINAMENTO? Gap no Desempenho do Processo Por Que? Materiais Inadequados Mau Desempenho do RH Equipamentos Inadequados Procedimentos Inadequados Competências Inadequadas do RH? Falta de Alinhamento do RH com os Procedimentos? Solução pelo Treinamento do Staff Existente? Adquirir Novas Competências PROCESSO DE TREINAMENTO RECRUTAMENTO

30 PROJETO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO Gap do Desempenho Identificado 1. Definição das Necessidades de Treinamento 4. Avaliação dos Resultados do Treinamento Monitorização 2. Projeto e Planejamento do Treinamento 3. Execução do Treinamento

31 Funcionamento do Ciclo PDCA N 2 6 CHECAR É isso que esperávamos? Os resultados são bons? Procurar tendências C A EFETIVO 7 8 S AGIR Corrigir o que aconteceu de errado (Correção) Planejar para fazer corretamente da próxima vez (Ação corretiva) Aprender a fazer coisas a prova de erro (Ação preventiva) Pensar como podemos fazer isso.. Melhor Mais rápido Mais barato De forma mais seguro Mais amigável com o meio ambiente (Melhoria)

32 CICLO DO PDCA AGIR Humildade A P PLANEJAR Paciência VERIFICAR C D EXECUTAR DISCIPLINA

33 O que esperar da Gestão por Processos? Gerenciamento dos Pontos de risco Eliminação de Situações de Retrabalho Clarificação das Operações e das Responsabilidades Construção da Memória Organizacional Monitoramento de Indicadores de desempenho Eliminar Gargalos e Entraves do Processo Maior Agilidade nos Processos Redução de Custos

34 GERENCIAMENTO DE RISCOS

35 RISCO + Erro Evento Sentinela Evento Adverso

36 RISCO Ameaças Vulnerabilidade Conseqüências do Evento Baixa Alto Riscos Aceitáveis Atuar a Médio Prazo Baixa Alto Probabilidade

37 DEFINIÇÕES BÁSICAS Erro Evento Sentinela Evento Adverso

38 Erro!!! Desvio em relação ao que é direito ou correto, em relação a uma norma (MÉTODO) Pode ou não gerar um mal resultado do Processo ou um evento sentinela

39 ERRO é frequentemente o resultado final de uma cadeia de eventos acionada por um sistema mal elaborado Gandhi;Seger;Batis (2000)

40 Acidente Erro!!! Os Erros podem ser classificados em 3 grandes grupos : 1. Má Utilização 2. Subutilização de Recursos 3. Sobreutilização de Recursos

41 Erro!!! 1. Má Utilização RISCOS Esta relacionada a má pratica da assistência Gera serviços e custos adicionais para tratar os maus resultados. Ideal Realidade

42 Erro!!!

43 Evento Adverso Lesão causada por medical practice e não pelo processo da doença base. O termo evento adverso é definido como qualquer ocorrência médica nova e imprevista em um paciente que recebeu um produto farmacêutico e que não precisa necessariamente uma relação causal com esse tratamento. Portanto, um evento adverso poder ser qualquer sinal, sintoma ou doença desfavorável e não-pretendido, temporalmente associado com o uso de um produto medicinal, seja este considerado ou não relacionado a esse produto.

44 Evento Sentinela Ocorrência inesperada ou variação do processo envolvendo óbito, lesão física ou psicológica sérias, ou o risco dos mesmos. Qualquer variação significativa do processo caracterizada por risco aumentado de resultado adverso sério deve ser objeto de investigação Se a recorrência da mesma variação do processo puder ser associada a 50% de chance de resultado adverso sério, esta variação deve ser considerada como evento sentinela

45 Evento Sentinela Classificação de acordo com 3 fatores críticos: Processo Erros de medicação, erros de diagnóstico, erros relacionados a equipamentos,... Resultado Óbito, seqüela temporária, seqüela permanente. Etiologia ou causalidade (causa raiz) Deficiência no treinamento dos profissionais, procedimento inadequado de administração de medicamentos,...

46 MAGNITUDE Em 1999, o Institute of Medicine publicou um estudo, onde se verificou que grande parte dos custos do sistema de saúde norte-americano era causada por erros diversos dentro da prestação de serviços, que poderiam ser evitados. Erros tanto preventivos como assistenciais, gerando quase 30% de desperdício em média

47 MAGNITUDE Estima-se que cerca de 100 mil pessoas morram nos EUA, vítimas de Eventos Adversos. Essa alta incidência resulta em uma taxa de mortalidade maior que as atribuídas a AIDS, câncer de mama ou atropelamentos. ( Kohn et al., ) Nos Estados Unidos é a Fonte : Associação Médica Americana 4 causa de óbitos

48 A Infecção Relacionada à Assistência a Saúde responde pela terceira causa óbito no País. Atrás de acidentes de transito e doenças vasculares. Estima-se que cerca de 50 mil óbitos ocorrem todos os anos por Infecção Fonte: ABIH Associação Brasileira dos Profissionais de Controle de Infecção

49 Segurança Ocupacional A Área da Saúde registrou em ,7 mil acidentes de trabalho. Superou : Construção Civil Industria de Transformação Agricultura Transporte Fonte: Ministério da Previdência Social

50 Evento Sentinela Sua ocorrência gera 2 desafios: Compreender como e por que o evento ocorreu Prevenir a ocorrência do mesmo evento ou evento similar no futuro

51 Método de Investigação 1. Analise de erros por abordagem retrospectiva Root cause analysis 2. Estratégias para redução de riscos

52 Analise do Evento Root cause analysis Evento Indesejável Sintomas Correção Causa Resultado do Processo Prevenção Gerenciamento Recorrência do Problema A análise deve determinar onde atuar para reduzir/eliminar o risco de recorrência.

53 Analise do Evento Root cause analysis Definir o evento Identificar as causas : Pessoas; deficiência do método; falha em equipamento; fatores ambientais Estabelecer e implementar mudanças Medir o sucesso das intervenções

54 Investigando o Evento O que ocorreu Nível de Análise Evento Sentinela QUESTÕES ACHADOS Causa Por que Quais são os detalhes do evento ( descrição) O QUE OCORREU? Ações Quando o evento ocorreu? Quais os processos foram envolvidos DEFINIR O EVENTO

55 Investigando o Evento Utilização de ferramentas para análise: Fluxogramas Diagrama de Causa-Efeito Gráfico de Pareto

56 Investigando o Evento Identificação das causas: Pessoas Informação Comunicação Ambiente Cultura institucional

57 Desenvolvendo um Plano de Ação Planejar as intervenções considerando: Quem é o responsável pela ação? Quando as ações serão implementadas? (Cronograma) Como será medida a efetividade das ações? (Indicadores)

58 RISCO E IMAGEM DA INSTITUIÇÃO Risco = Perigo + Indignação Perigo Indignação A reação do público é insuficiente ( erro de medicação ) Perigo Indignação A reação do público é exacerbada ( atraso no atendimento )

59 Gerenciamento de Riscos IDENTIFICA QUANTIFICA Mensurar o impacto do evento na assistência e para o negocio. Avalia e Define Priorização TRATAMENTO GERENCIAMENTO Implementação das medidas de segurança

60 Pontos Críticos de Controle Gestão de Pessoas Como Seleciona Como Treina Como Avalia Como Motiva Como Desenvolve O que e como Remunera Como Conduz e Desafia para o novo

61 Competências Técnicas Tipos de Competências Conjunto de conhecimentos, habilidades e experiências de uma especialização requerida para a realização técnica de uma determinada operação ou atividade. Exemplos: formação em engenharia, habilidade em cálculos numéricos, conhecimento de matemática financeira, domínio de idiomas...

62 Competências Comportamentais Tipos de Competências Conjunto de conhecimentos, habilidades e experiências expressos no comportamento individual e que permeiam os contatos internos e externos da empresa. Exemplos: comunicação, iniciativa, tomada de decisões difíceis, pró-atividade, colaboração

63 Competências Conceituais Conjunto de conhecimentos, habilidades e experiências que impactam no business, nas tomadas de decisões mais amplas, no contexto do mercado - cliente, concorrente, fornecedor e dos ambientes internos e externos. Exemplos: visão global, planejamento estratégico, macroeconomia

64 Tipos de Competências Tipos de Competências A a a Conceituais Conceituais Comportamentais Comportamentais Técnicas Técnicas Operacional Operacional Lideranças Médio Alta Chefia A A a a Administração

65 QUALIDADE EM SAÚDE O ponto de partida Gerenciamento de Risco Gerenciamento de Risco Gerenciamento de Risco Gerenciamento de Risco Gerenciamento de Risco Gerenciamento de Risco Gerenciamento de Risco Gerenciamento de Risco

66 IDENTIFICAÇÃO DE PROCESSOS

67 GERENCIAMENTO DO PROCESSO O FLUXO DOS PROCESSOS FORNECE PARÂMETROS PARA RELATAR E MANUSEAR DADOS RELATIVOS AOS MESMOS. É UMA FORMA DE ACOMPANHAR A EXECUÇÃO DAS TAREFAS, CONSTATANDO AS NECESSIDADES DE EVOLUÇÕES E MELHORIAS. Revisão: 03 Data : 28/09/1998 Pág. 1/ 1 GERENCIAMENTO DE PROCESSO Título:... Resultado Resultado SISTEMA GERENCIAL FLUXO (O QUE) Esperado Do OCASIÃO LOCAL EXECUTOR Procedimento Processo (QUANDO) (ONDE) (QUEM) Processo anterior: Inspeção de bobinas à frio NGP S S N Receber bobinas à frio e conferir a documentação Vai estocar bobinas? Estocar bobinas à frio BF s para mercado externo? Identificação Bobinamento Posicionamento das fitas Identificação Bobinamento Posicionamento das fitas Forma Superfície Forma Superfície Após liberado pelo controlador das LI s Bancadas estiverem abastecidas Esteira de saída das LI s Pátio de estocagem Controlador de produção Bancadas de embalagem de bobinas àfrio NOP NOP NOT N Preparar bancadas para mercado externo Preparar bancadas para mercado Posicionamento dos componentes da embalagem Posicionamento dos componentes Embalagem Superfície Embalagem Superfície Bancadas estiverem livres Bancadas estiverem livres Bancadas de embalagem de bobinas à frio Bancadas de embalagem de Operador I Embalador Operador I Embalador NOP NOF NOT A NOT NOP NOF NOT

68 Gerenciamento de Processo Revisão: Página ; 1/1 Título : O que Resultado Esperado SISTEMA GERENCIAL Quando Onde Quem Procedimento Resultado do Processo

69 GERENCIAMENTO DO PROCESSO Recebe de um Processo Recebe de um Processo Atividade Atividade Atividade Atividade Atividade RESULTADO Atividade RESULTADO Entrega para um Processo Entrega para um Processo

70 PROCESSO TAREFAS ORDENADAS, INTERLIGADAS E SUCESSIVAS, COM INÍCIO E FINAL DEFINIDOS, ATRAVÉS DAS QUAIS SE OBJETIVA UM RESULTADO, E QUE, A PARTIR DE INSUMOS E INFORMAÇÕES, SE ELABORAM DETERMINADOS PRODUTOS/SERVIÇOS Ñ 3 S 5

71 TAREFA ATIVIDADES ORDENADAS, INTERLIGADAS E SUCESSIVAS, COM INÍCIO E FINAL DEFINIDOS, ATRAVÉS DAS QUAIS SE OBJETIVA UM RESULTADO E QUE FAZ PARTE DE UM PROCESSO Ñ 3 S 5

72 GERENCIAMENTO DO PROCESSO Número: GP Revisão: 3 Data : 28/09/1998 Pág. 1 / 1 Título: CENTRO CIRÚRGICO GERENCIAMENTO DE PROCESSO FLUXO (O QUE) RESULTADO ESPERADO RESULTADO DO PROCESSO OCASIÃO (QUANDO) LOCAL (ONDE) SISTEMA GERENCIAL EXECUTOR (QUEM) PROCEDIMENTO O QUE NOME DA TAREFA QUE DEVE SER EXECUTADA RELACIONADA AO FLUXO.

73 GERENCIAMENTO DO PROCESSO Número: GP Revisão: 3 Data : 28/09/1998 Pág. 1 / 1 Título: FARMÁCIA GERENCIAMENTO DE PROCESSO FLUXO (O QUE) RESULTADO ESPERADO RESULTADO DO PROCESSO OCASIÃO (QUANDO) LOCAL (ONDE) SISTEMA GERENCIAL EXECUTOR (QUEM) PROCEDIMENTO RESULTADO ESPERADO ITEM QUE DEVE SER CONTROLADO PARA QUE A CARACTERÍSTICA DA QUALIDADE SEJA ATINGIDA DEVE SER MENSURÁVEL DE FÁCIL MEDIÇÃO OU DETERMINAÇÃO CRITÉRIO DEFINIDO PARA TOMADA DE DECISÃO **Indicador que serve para avaliar se a tarefa foi bem ou mal executada

74 GERENCIAMENTO DO PROCESSO Número: GP Revisão: 3 Data : 28/09/1998 Pág. 1 / 1 GERENCIAMENTO DE PROCESSO Título: NUTRIÇÃO E DIETÉTICA FLUXO (O QUE) RESULTADO ESPERADO RESULTADO DO PROCESSO OCASIÃO (QUANDO) LOCAL (ONDE) SISTEMA GERENCIAL EXECUTOR (QUEM) PROCEDIMENTO RESULTADO DO PROCESSO ITEM DE CONTROLE QUE AFETA DIRETAMENTE A QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO ITEM DE CONTROLE QUE AFETA A QUALIDADE DO PRODUTO, NECESSÁRIA PARA O PROCESSO SEGUINTE.

75 GERENCIAMENTO DO PROCESSO Número: GP Revisão: 3 Data : 28/09/1998 Pág. 1 / 1 Título: HIGIENE GERENCIAMENTO DE PROCESSO FLUXO (O QUE) RESULTADO ESPERADO RESULTADO DO PROCESSO OCASIÃO (QUANDO) LOCAL (ONDE) SISTEMA GERENCIAL EXECUTOR (QUEM) PROCEDIMENTO OCASIÃO (QUANDO) INDICAÇÃO, PARA CADA UMA DAS TAREFAS DO PROCESSO, DO MOMENTO OU PERIODICIDADE DE EXECUÇÃO DA TAREFA. Ex.: TODO INÍCIO DE PLANTÃO APÓS INTERNAÇÃO ANTES DO PROCEDIMENTO CIRURGICO

76 GERENCIAMENTO DO PROCESSO Número: GP Revisão: 3 Data : 28/09/1998 Pág. 1 / 1 Título: LAVANDERIA GERENCIAMENTO DE PROCESSO FLUXO (O QUE) RESULTADO ESPERADO RESULTADO DO PROCESSO OCASIÃO (QUANDO) LOCAL (ONDE) SISTEMA GERENCIAL EXECUTOR (QUEM) PROCEDIMENTO LOCAL (ONDE) INDICAÇÃO DO LOCAL ONDE A TAREFA DEVE SER EXECUTADA Ex.: CENTRAL DE ESTERILIZAÇÃO UNIDADE DE INTERNAÇÃO GERADOR

77 GERENCIAMENTO DO PROCESSO Número: GP Revisão: 3 Data : 28/09/1998 Pág. 1 / 1 Título: MANUTENÇÃO GERENCIAMENTO DE PROCESSO FLUXO (O QUE) RESULTADO ESPERADO RESULTADO DO PROCESSO OCASIÃO (QUANDO) LOCAL (ONDE) SISTEMA GERENCIAL EXECUTOR (QUEM) PROCEDIMENTOA EXECUTOR (QUEM) INDICAÇÃO DA FUNÇÃO DO RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO DA TAREFA Ex.: MÉDICO TÉCNICO DE ENFERMAGEM AUXILIAR DE LAVANDERIA

78 GERENCIAMENTO DO PROCESSO Número: GP Revisão: 3 Data : 28/09/1998 Pág. 1 / 1 GERENCIAMENTO DE PROCESSO Título: UNIDADE DE TRATAMENTO INTENSIVO FLUXO (O QUE) RESULTADO ESPERADO RESULTADO DO PROCESSO OCASIÃO (QUANDO) LOCAL (ONDE) SISTEMA GERENCIAL EXECUTOR (QUEM) PROCEDIMENTO PROCEDIMENTO INDICAR O NÚMERO DOS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS A EXECUÇÃO DA TAREFA. Ex.: POP POT

79 INTERAÇÃO DE PROCESSOS

80 Cadeia de Valor Atividade Atividade Atividade Atividade RECEBIMENTO PRODUÇÃO PRODUÇÃO ENTREGA FORNECEDORES CLIENTES INFORMAÇÃO As atividades devem agregar valor ao processo.

81 INTERAÇÃO DE PROCESSOS Processo Atendimento de Diálise ao Paciente Renal Fornecedor Gestão de Pessoas Manutenção Predial Manutenção de Equipamentos Tratamento da Água Controle de Infecção Suprimentos Sistema Elétrico Equipamentos Materiais Estrutura Física Médicos Enfermeiros Técnicos Nutricionistas Psicólogos Assistente Social Protocolos Médicos Protocolos da Enfermagem Protocolos da Equipe Multiprofissional Cliente Serviços de Diagnóstico Hospital de Referência Prontuário do Paciente Faturamento Higiene

82 INTERAÇÃO DE PROCESSOS Tratamento da Água Fornecedor Fornecedor Externo da Água Médicos Enfermeiros Técnicos Cliente Gestão de Pessoas Manutenção Predial Manutenção de Equipamentos Controle de Infecção Suprimentos Sistema Elétrico Higiene Laboratório Equipamentos Materiais Estrutura Física Protocolo de Monitorização Protocolo de Desinfecção Protocolo de Manutenção Processo de Atendimento de Diálise ao Paciente Renal

83 Interação Sistêmica entre Processos Interação de Processos PROCESSO : Objetivo : Página ; 1/1 Fornecedores : Clientes : Resultado da Negociação :

84 NÃO CONFORMIDADES CADEIA DE VALOR FORNECEDORES Falha no atendimento dos pedidos Na entrega Na elaboração do produto Na aquisição dos insumos No manuseio No armazenamento No tempo CLIENTES

85 MODELO DE RELATÓRIO DE NÃO CONFORMIDADE RELATÓRIO Número : NÃO CONFORMIDADE Data : Origem : Cliente Fornecedor Acreditação Outro Descrição da Não Conformidade : Responsável : Data: Análise das Causa(s) : Responsável : Data: Ação Corretiva : Responsável : Data:

86 DEFINIÇÃO DOS PROCEDIMENTOS MÉTODO

87 Padronização dos Procedimentos 1 2 COLETAR AS IDÉIAS ORGANIZAR AS IDÉIAS 3 4 ANALISAR DESCREVER 5 VERIFICAR 6 PADRONIZAR

88 QUAIS PROCEDIMENTOS DESCREVER? Procedimentos Alinhados às Tarefas do Processo Procedimentos que Interferem no Resultado do Processo Procedimentos de Risco Procedimentos que serão Gerenciados

89 MODELO PARA DESCRIÇÃO DE PROCEDIMENTO Título : Quem : Quando : Onde : Condições Necessárias : PROCEDIMENTO Número : Pagina 1/1 OPERACIONAL Revisão: 00 Data : Descrição do Procedimento : Resultado Esperado : Em caso de anomalia : Elaborado: Data: Aprovado: Data:

90 O que esperar da Gestão por Processos? Identificação de Pontos Críticos Eliminação de Situações de Retrabalho Clarificação das Operações e das Responsabilidades Construção da Memória Organizacional Monitoramento de Indicadores de desempenho Eliminar Gargalos e Entraves do Processo Maior Agilidade nos Processos Redução de Custos

91 SISTEMA DE MEDIÇÃO

92 Diretrizes do Sistema de Medição 1. Não medir nada, a menos que seja feito um registro. 2. Não registre nada, a menos que seja representado graficamente. 3. Não representar nada, a menos que planeje analisa-lo. 4. Não analisar nada, se não pretende agir.

93 GESTÃO DA QUALIDADE Planejamento e Execução Controle / Avaliação Alta Administração PROCESSOS Resultados Estratégias Planos INFORMAÇÃO Organização e Direção

94 ESTRATÉGIA É uma decisão institucional que envolve a declaração de futuro desejado Fixa limites à ação empresarial Define as ações a necessárias para obtenção de metas de valor previamente definidas Declaração da visão para 2008: Ser reconhecida em âmbito nacional como um hospital de excelência na prestação de serviços de alta complexidade

95 POLÍTICAS São os desdobramentos das estratégias jáj definidas São regras, diretrizes, parâmetros ou orientações que buscam encaminhar a tomada de decisão pelo gestor do processo. Estabelece coordenadas à estratégica e orienta a gestão para ão dos Objetivos e Metas obtenção dos

96 DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES Meta = Medida + Valor + Prazo Medidas 1 Medidas 2 Medidas 3 Estratégicos Meta = Medida + Valor + Prazo Medidas 1 Medidas 2 Medidas 3 Gerenciais WHAT WHO WHEN WHERE WHY Medidas Medida 1 Medida 2 Medida 3 Operacionais

97 Geração de Indicadores Ambiente Interno (forças e fraquezas) Capacidade dos Processos BSC x PE Plano Estratégico Ambiente Externas (ameaças e oportunidades) Tecnologia e Recursos Objetivos e Estratégias QFD Necessidades e Expectativas dos clientes Plano do Negócio Características dos Processos Indicadores e Metas Referencias de Comparação ( Indicadores externos) Benchmark Evolução do Desempenho ( Acompanhamento da série histórica) Benchmarking SISTEMA DE MEDIÇÃO

98 Referenciais de Comparação Pertinentes Organizações líderes reconhecidas no mercado Líderes do ramo de atividade BENCHMARK ( Referencial de excelência ) BENCHMARKING ( Comparação com melhores práticas ) Valor de um indicador de líder reconhecido, usado para comparação. Atividade de comparar um processo com líderes reconhecidos para identificar as oportunidades de melhoria de desempenho.

99 Geração de Indicadores BSC x PE Financeira Mercado Pessoas Inovação Responsabilidade Social Planejamento Estratégico QFD Custo Qualidade Desempenho Moral Segurança Características dos Processos Indicadores e Metas Referencias de Comparação ( Indicadores externos) Benchmark Evolução do Desempenho ( Acompanhamento da série histórica) Benchmarking SISTEMA DE MEDIÇÃO

100 Gerenciamento de Processo Revisão: Página ; 1/1 Título : O que Resultado Esperado SISTEMA GERENCIAL Quando Onde Quem Procedimento ( Itens de Verificação ) ( Itens de Verificação ) ( Itens de Verificação ) ( Itens de Verificação ) Resultado do Processo - Itens de Controle Custo Qualidade Desempenho Segurança Moral

101 COMO DESENVOLVER INDICADORES OPERACIONAIS

102 ADVERTÊNCIA O ótimo de um sistema é diferente da soma dos ótimos das partes que o compõem, vistas isoladamente.

103 Gerenciamento de Processo Revisão: Página ; 1/1 Título : O que Resultado Esperado ( Itens de Verificação ) ( Itens de Verificação ) ( Itens de Verificação ) ( Itens de Verificação ) SISTEMA GERENCIAL Quando Onde Quem Procedimento Resultado do Processo - Sobrevida Tempo de Tratamento Número de Internações Peritonite Taxa de Depuração de Úreia Taxa de Transplante Taxa de Cálcio Taxa de Hematocrito Taxa de Fósforo

104 Geração de Indicadores Ambiente Interno (forças e fraquezas) Capacidade dos Processos BSC x PE Plano Estratégico Ambiente Externas (ameaças e oportunidades) Tecnologia e Recursos Objetivos e Estratégias Indicadores e Metas Evolução do Desempenho ( Acompanhamento da série histórica) Referencias de Comparação ( Indicadores externos) SISTEMA DE MEDIÇÃO

105 ESTRATEGIAS E INDICADORES Estratégia Ser uma Empresa rentável, através de serviços diferenciados e expansão para novos segmentos Perspectivas Financeira Mercado Processo Inovação Pessoas Ambiente Organizacional Objetivos Ser autosustentável Novos Segmentos Padronização Novos serviços diferenciados Atualizar Unidade de Negócios Outcomes Itens de Controle Índice de auto sustentabilidade Satisfação % de novos Clientes % Processos Padronizados % da receita com novos serviços Grau de Atualização Índice de interação entre as unidades Fatores Críticos do Sucesso Glosas Relacionamento Qualidade percebida Sistematização Atualização Tecnológica Treinamento Autonomia Informatização Drivers Itens de Verificação % de Glosas N de Visitas % Colocação N não Conformidades Grau de atualização equipamentos Grau de Eficácia no Treinamento Grau de Autonomia Grau de Descentralização

106 ANALISE CRÍTICA Coleta, Análise e Uso dos Dados DADOS Coleta de fatos independentes SABEDORIA (capital intelectual ) Otimização ou uso dos conhecimentos geram melhores tomadas de decisão e maximiza os recursos disponíveis INFORMAÇÕES Interpretação ou análise de dados CONHECIMENTO Assimilação ou análise crítica das informações geram previsões e/ou conhecimentos

107 BOAS PRÁTICAS NA ASSISTÊNCIA

108 Estratégia de Excelência na Prestação de Serviços Estratégia de Excelência Operacional Atributos do Serviço Relacionamento Imagem Preço Qualidade Tempo Segurança Marca Estratégia para o Cliente Atributos do Serviço Relacionamento Imagem Serviço Relacionamento Marca

109 Sinais de Impressão do Cliente No contato com as empresas os clientes filtram diversos sinais, que formam suas impressões SINAIS FUNCIONAIS Estão relacionados com a verificação do modo satisfatório da realização do serviço. Está relacionado com as ações técnicas SINAIS MECÂNICOS Estão associados aos objetos: aparência, limpeza, hotelaria... SINAIS HUMANOS São os estímulos transmitidos pelas pessoas: modo de falar, os gestos, aparência..

110 Analisando a Satisfação dos Clientes Satisfação é uma medida relativa e depende do Nível de expectativa de cada indivíduo Sua avaliação Só é plenamente satisfeita quando não há uma diferença entre expectativa e avaliação SATISFAÇÃO = Resultados Obtidos Expectativa dos Clientes

111 Analisando a Satisfação dos Clientes SATISFAÇÃO = Resultados Obtidos Expectativa dos Clientes 0 = Qualidade Satisfatória > 0 = Qualidade Insatisfatória

112 Analisando a Satisfação dos Clientes QUALIDADE = PERCEPÇÃO - EXPECTATIVA QUALIDADE OFERECIDA QUALIDADE ESPERADA QUALIDADE PERCEBIDA

113 GESTÃO DA QUALIDADE GARANTIA DA QUALIDADE Prevenção de problemas ( técnicas planejadas Padronização e suas revisões de melhoria ) CONTROLE DA QUALIDADE Conjunto de técnicas para manter a Qualidade ( encontrar e eliminar causas de problemas )

114 CLASSIFICAÇÃO DAS AUDITORIAS AUDITORIA OBJETO OBJETIVO 1º Parte Processo Garantia da Qualidade Eficiência 2º Parte Processo Controle da Qualidade Qualificação 3º Parte Sistema de Gestão Certificação Manutenção

115 Métodos de Avaliação Auditoria Interna ( de 1a. Parte ) Realizado por pessoas que fazem parte da próprias Organização. Deve ser parte integrante do Sistema de Qualidade das Organizações permitindo, que o ciclo de melhoria contínua esteja sempre presente. Correção Sistêmica Novo Nível de Atuação Identificação de Não Conformidades

116 Auditoria de 1a. Parte Tanto a conduções de avaliações internas (1a. Parte ) quanto a realização de atividades de análise critica pela direção da organização são requisitos exigidos pelas normas que tratam da construção e manutenção do Sistema de Gestão da Qualidade.

117 Objetivo da Auditoria Interna É assessorar a organização no desempenho efetivo de suas funções e responsabilidades, fornecendo-lhe análises, apreciações, recomendações, pareceres e informações relativas às atividades examinadas, promovendo, assim, um controle efetivo dos padrões pré definidos de segurança e qualidade.

118 Característica da Auditoria de 1a. Parte Sistemática e Periódica - Processo rigoroso que é planejado, metódico e conduzido periodicamente Documentada - Registros e constatações usando listas de verificação e formulários Independente - Conduzida por pessoas independentes das atividades auditadas Objetiva - Base factual

119 Garantia da Qualidade Deve-se definir : O que avaliar? Com que freqüência? Quem Avalia? Quantas solicitações de ações corretivas Quantas analisadas Quantas aguardam tomadas de ações Quantas estão encerradas Quantas estão concluídas Quantas aguardam acompanhamento Quantas estão vencidas e não foram encerradas Para quantas estão programadas próximas visitas

120 O que Avaliar DEVEM AVALIAR A ADEQUAÇÃO E CONFORMIDADE DO SISTEMA INTERNO Auditorias Internas de Segurança Auditorias Internas de Controle de Documentos Acompanhamento dos Pontos de Risco Gerenciamento de Processos

121 Métodos de Avaliação Avaliação Externa ( de 2a. Parte ) Realizada pela Instituição em seus Fornecedores QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES ( identificados como significativos ) * Qualifica quanto a capacidade de atender a requisitos previamente especificados

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013

Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 Treinamento ISO 9001:2008 e Selo de Qualificação ONA. Ubiara Marfinati Janeiro/2013 ISO 9001: 2008 Princípios Básicos 4.2 Controle de Documentos e Registros 5.2 Foco no Cliente 5.3 Política da Qualidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR Normas NR: NA 6 Pág: 1/1 AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR 1. Objetivo Sistematizar a metodologia de Avaliação das

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Requisitos comuns a todos as subseções Planeja as atividades,

Leia mais

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade Norma ISO 9001:2008 Gestão da Qualidade Sistemas da Qualidade e Qualidade Ambiental ISO 9000 e ISO 14000 Prof. M. Sc. Helcio Suguiyama 1- Foco no cliente 2- Liderança 3- Envolvimento das Pessoas 4- Abordagem

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e SETEMBRO DE 2014 Assessoria da Garantia da Qualidade Fundação Hemocentro de Brasília

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

CONSULTA PÚBLICA MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE A Organização Nacional de Acreditação, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 5º, inciso II, do seu Estatuto, aprovado em 21 de janeiro de 2008, adotou a seguinte e eu, Presidente da ONA, determino

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Certificação ISO. Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA

Certificação ISO. Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA Certificação ISO Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA Avanços em Medicina Laboratorial UNICAMP 2012 Introdução à Qualidade Não existem laboratórios

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

O RH Alinhado ao Negócio. Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH

O RH Alinhado ao Negócio. Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH O RH Alinhado ao Negócio Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH O RH ALINHADO AO NEGÓCIO Essencial x fundamental As pessoas e a empresa A importância da estratégia Navegar é preciso A espinha dorsal do

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014

DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 DIS ISO 9001:2015 Publicado em Maio de 2014 Abordagem de Processos Risk-based thinking (Pensamento baseado em Risco) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) Anexo SL (Estrutura de Alto Nível) 1 - Escopo 2 -

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Gestão de Segurança da Informação Prof. João Henrique Kleinschmidt (slides cedidos pelo Prof. Carlos Kamienski - UFABC) Gerenciamento e Avaliação de Riscos Terminologia

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão II Forum PLANISA de Gestão da Saúde Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão HOSPITAL MÃE DE DEUS 380 leitos 2.234 funcionários 68.000 m 2 - área construída

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO Departamento de Certificação A FUNDAÇÃO VANZOLINI Fundada em 1967 pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado.

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado. GLOSSÁRIO Accountability: obrigação de prestar contas. Responsabilização. Envolve não apenas a transparência dos processos como também a definição de responsabilidades e identificação dos responsáveis.

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: As Atividades de Manutenção devem ser pensadas estrategicamente de maneira a contribui para resultado da empresa rumo a Excelência

Leia mais

Mais Eficiência e Eficácia cia nas. Gestão de Processos. Irene Szyszka Lucem Sistemas Integrados de Gestão

Mais Eficiência e Eficácia cia nas. Gestão de Processos. Irene Szyszka Lucem Sistemas Integrados de Gestão Mais Eficiência e Eficácia cia nas Organizações Através s da Gestão de Processos Irene Szyszka Lucem Sistemas Integrados de Gestão 14/03/2007 Lucem Sistemas Integrados de Gestão - Direitos Reservados 1

Leia mais

Desempenho da Fase Analítica. Fernando de Almeida Berlitz

Desempenho da Fase Analítica. Fernando de Almeida Berlitz Indicadores de Desempenho da Fase Analítica Fernando de Almeida Berlitz Ishikawa Estratégia e Medição PARA QUEM NÃO SABE PARA ONDE VAI, QUALQUER CAMINHO OS SERVE... Processos PROCESSOS Não existe um produto

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

Índice. Índice. Introdução...04. Acreditação e Certificação...05 ISO 9001:2008...06 ONA...07. Benefícios e ganhos...09. Dicas...10

Índice. Índice. Introdução...04. Acreditação e Certificação...05 ISO 9001:2008...06 ONA...07. Benefícios e ganhos...09. Dicas...10 02 Índice Índice Introdução...04 Acreditação e Certificação...05 ISO 9001:2008...06 ONA...07 Benefícios e ganhos...09 Dicas...10 de termos da qualidade...1 1 Estrutura de Documentação Unimed-BH...34 Conclusão...37

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000

Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 ATENÇÃO AO PACIENTE/CLIENTE Esta seção agrupa todos os componentes, atividades e serviços que se relacionam aos processos

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA Bernardo Leite AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HÁ TEMPOS... Objetivos principais: Aumento de salário Demissão CONCLUSÃO: A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO É um processo natural e

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos de de Manutenção Treinamentos Técnicos de de Manutenção Treinamentos de de Manutenção Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 151 30 de novembro 2015 Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Renata Maciel da Silva renata.maciel55@gmail.com

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas, exponenciais

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 Sistema Unimed no Estado de São Paulo Singulares - 73 Intrafederativas - 6 Federação Estadual

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão 00-fevereiro de 2014 1/11 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 2. OBJETIVOS DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 3. ORGANIZAÇÃO... 4 4. HISTÓRICO... 6 5.

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais