PROPRIEDADE INTELECTUAL E O ACESSO À INFORMAÇÃO EM BIBLIOTECAS DIGITAIS NO BRASIL.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPRIEDADE INTELECTUAL E O ACESSO À INFORMAÇÃO EM BIBLIOTECAS DIGITAIS NO BRASIL."

Transcrição

1 JULIANA DA SILVA SANTIAGO PROPRIEDADE INTELECTUAL E O ACESSO À INFORMAÇÃO EM BIBLIOTECAS DIGITAIS NO BRASIL. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) apresentado ao Departamento de Biblioteconomia e Documentação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Biblioteconomia e Documentação. ORIENTADORA: Profª. Drª. Asa Fujino. São Paulo 2007

2 2 Santiago, Juliana da Silva. Propriedade intelectual e o acesso à informação em Bibliotecas Digitais no Brasil / Juliana da Silva Santiago. São Paulo: J.S. Santiago, p. Monografia (Trabalho de Conclusão do Curso de Biblioteconomia) Escola de Comunicações e Artes Universidade de São Paulo, Orientadora: Profª Drª Asa Fujino. 1. Propriedade Intelectual. 2. Direitos Autorais. 3. Internet. 4. Bibliotecas Digitais. I. Autor. II. Título.

3 3 Termos de Aprovação Nome do autor: Juliana da Silva Santiago Título da Monografia: Propriedade Intelectual e o Acesso à Informação em Bibliotecas Digitais no Brasil. Presidente da Banca: Profª Drª Asa Fujino Banca Examinadora: Profº Dr. José Fernando Modesto da Silva Instituição: Universidade de São Paulo Regina dos Anjos Fazioli Santos Instituição: Governo do Estado de São Paulo Aprovada em: / /

4 Para Carlos, Madalena, Luciana e toda a lista. 4

5 5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por ter aturado todas as blasfêmias por mim proferidas durante a elaboração deste trabalho, sem enviar um raio sequer à minha cabeça, nem relaxar os cuidados referentes à minha proteção. A minha família e a minha orientadora pela paciência e boa vontade em aguardar todos esses anos pela elaboração deste trabalho sem nunca faltar com apoio em tempo integral, carinho desmedido e puxões de orelha quando necessário. Incluindo também aqueles que infelizmente não puderam esperar este tempo todo e tiveram de partir. A equipe da Biblioteca Virtual do Governo do estado de São Paulo por todo suporte operacional, profissional, emocional e acadêmico. A Fernanda Bianchi, secretária de graduação e Ronaldo Cruz, secretário do departamento por ajudarem a desenrolar a minha vida acadêmica. E finalmente aos meus amigos que, apesar de terem sido amplamente negligenciados, jamais me abandonaram durante toda a jornada. Em especial a minha competentíssima equipe particular de revisão Dyane, Karin e Tiago, a não menos competente equipe de distração Moisés, Aline, Heres, Alessandra, Gilberto, Gledson, Caio, Daniela, Juliétti e os demais agregados.

6 6 SANTIAGO, Juliana da Silva. Propriedade Intelectual e o Acesso à Informação em Bibliotecas Digitais no Brasil. São Paulo, f. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) Departamento de Biblioteconomia e Documentação. Escola de Comunicações e Artes. Universidade de São Paulo. RESUMO: Dada a facilidade de acesso aos conteúdos das Bibliotecas Digitais em contraposição às deficiências sociais de acesso à informação como um todo (seja por meio de livros, bibliotecas e acesso às fontes de pesquisa), verifica-se muitas vezes que, numa tentativa viabilizar o acesso a tais obras, há um estímulo à distribuição cópias de trechos de materiais em formato digital de forma ilícita, sem que haja o devido reconhecimento aos direitos morais e financeiros de seus autores. Este trabalho refere-se à análise das possibilidades de se alcançar o justo equilíbrio entre o direito de propriedade e o direito do público à informação. Discute também o direito de acesso ou direito de controlar o acesso às informações contidas nas bases de dados das Bibliotecas Digitais. Palavras-Chave: Propriedade Intelectual, Direitos Autorais, Internet, Bibliotecas Digitais.

7 7 SUMÁRIO 1 Introdução Metodologia O Conceito de Informação Aplicações Atualidade O Preço da Informação O que é Internet? Histórico Internet no Brasil Funcionamento Legislação As Bibliotecas Digitais Histórico Legislação Propriedade Intelectual, Direitos Autorais e de Cópia Histórico Legislação Propriedade Intelectual e suas relações com a Internet Problemas Propostas Propriedade Intelectual aplicada ao caso das Bibliotecas Digitais Contras Prós Considerações Gerais Referências Anexos Legislações Citadas Texto Integral da Convenção de Berna Texto Integral da Lei n 9.610/98 de Consolidação dos Direitos Autorais no Brasil.77 Portaria e Decreto de Criação do Comitê Gestor da Internet no Brasil Declaração Universal dos Direitos Humanos

8 8 1- INTRODUÇÃO A curiosidade sobre o tema surgiu por razões profissionais. Após dois anos trabalhando em um serviço eletrônico de informações aos cidadãos do Governo do Estado de São Paulo, nos defrontamos com dúvidas a respeito da divulgação de informações em formato digital disponíveis na Web. A preocupação gira em torno de como a tecnologia das Bibliotecas Digitais e seus conteúdos se comportam em relação às leis de Propriedade Intelectual, uma vez que não há ainda controle efetivo sobre a disponibilização de material em formato digital na Internet. E, em havendo mecanismos de controle, como estes afetam o acesso à informação e quais conseqüências acarretam ao desenvolvimento de pesquisas e conseqüentemente da sociedade. O interesse em analisar o conceito de Propriedade Intelectual e as políticas de Direitos Autorais no Brasil em relação ao acesso das informações disponíveis em Bibliotecas Digitais dá-se em um momento em que a criação intelectual digitalizada encontra-se legalmente protegida como outra obra qualquer, possuindo os mesmos pressupostos de sanções e punições para sua proteção. A dificuldade está na efetividade de sua proteção, tendo em vista a facilidade de copiá-la. Atualmente, dada a facilidade de acesso aos conteúdos das Bibliotecas Digitais em contraposição às deficiências sociais de acesso à informação como um todo (seja por meio de livros, bibliotecas e acesso às fontes de pesquisa), verifica-se muitas vezes que, numa tentativa de suprir a falta de acesso a tais obras, estimula-se a distribuição de cópias de trechos de livros muitas vezes de forma ilícita, sem que haja o devido reconhecimento aos direitos morais e financeiros de seus autores. A dúvida que paira sobre o tema refere-se então à possibilidade ou não de se alcançar o justo equilíbrio entre o direito de propriedade e o direito do público à informação. Discute também o direito de acesso ou direito de controlar o acesso às informações contidas nas bases de dados das Bibliotecas Digitais, uma vez que, segundo Lima (2002), estamos na era da revolução tecnológica, onde a informação torna-se uma fonte de poder cara, e o acesso à informação é um dos pressupostos do Estado Democrático.

9 9 1.1 Metodologia: Este trabalho teve como base literatura das áreas de Direito, Biblioteconomia, Documentação e Ciência da informação. Durante a pesquisa bibliográfica evidenciamos a dificuldade em localizar textos específicos sobre bibliotecas digitais. Então, optamos por trabalhar com textos gerais sobre direitos autorais na Internet como um todo e, a partir da análise, destacar as similaridades e especificidades do tema, com o objetivo de definir o que é propriedade intelectual e como suas regulamentações interferem no acesso às informações disponíveis em Bibliotecas Digitais. O método de coleta de dados escolhido foi a pesquisa documentária feita através de ferramentas de busca na Internet e utilização dos acervos da Biblioteca da Escola de Comunicações e Artes, da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo e da Biblioteca da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Em virtude do tempo disponível para a execução deste trabalho e pela grande quantidade de bibliografia a respeito do tema na área de Direito, optou-se por efetuar um recorte temporal como critério para a seleção bibliográfica, levando-se em consideração a escolha de obras datadas a partir do ano 2000, salvo em caso de bibliografias básicas relacionadas ao tema e com preferência pelos resultados em idioma português. O tempo para execução deste trabalho também foi fator preponderante para que não fossem englobados os temas Direito Internacional e Propriedade Industrial, devido aos seus diversos desdobramentos.

10 O CONCEITO DE INFORMAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES. A palavra Informação vem do latim informationem, ("delinear, conceber idéia"), ou seja, dar forma ou moldar na mente. Os dicionários definem em linhas gerais informação como o ato de informar. Sob essa visão, a informação é vista como "algo" advindo de uma ação do verbo informar. Entretanto, não é feita uma descrição desse algo e não se faz uma descrição das características desse objeto sobre o qual a ação de informar age. vago e intuitivo: Iamamoto (1999) afirma que o conceito que temos de informação é bem Quando fazemos uma pergunta, estamos pedindo informação. Quando assistimos televisão ou um filme, estamos absorvendo informação. Ao ler um jornal, uma revista em quadrinhos, ou ao ouvir uma música, sabemos que estamos lidando com algum tipo de informação. Até quando contamos uma piada estamos transmitindo informação. Usamos, absorvemos, assimilamos, manipulamos, transformamos, produzimos e transmitimos informação durante o tempo todo, durante todo o tempo. (http://www.ime.usp.br/~is/ddt/mac333/aulas/tema-11-24mai99.html) Ou seja, não temos uma definição precisa do que é informação. Não temos uma definição que diga o que é e o que não é informação. Sabe-se intuitivamente o que é, entretanto, a realidade atual tem exigido uma definição precisa do que é a informação, já que estamos na Era da Sociedade da Informação. A importância da informação em nossas vidas e a forma como a encaramos estão sendo modificadas, e não temos muitos estudos sobre a informação em si permanecendo assim com um conceito vago. Segundo Barbosa (2001), informação é tudo que flui do emissor para o receptor extrínseca ou intrinsecamente. Para ser considerada como tal, a informação deve ser inteligível, relevante, completa, oportuna e confiável. Tem como objetivo (quando disseminada de forma correta) promover o desenvolvimento do indivíduo, de seu grupo e da sociedade como um acréscimo de bem estar e de qualidade de convivência, alcançado através do conhecimento.

11 Aplicações: Berbe (2005) explica que a informação tem diferentes funções dependendo da área em que é utilizada. Para Biblioteconomia e Ciência da Informação, informação representa o conteúdo de um acervo, armazenada em suportes físicos ou digitais, com potencial para agregar valor ao usuário visualizado pelo sistema de informação. Na comunicação, informação desempenha o papel de núcleo no processo comunicativo e tem significado associado à mensagem. Na administração, informação é insumo. Na computação é um conjunto de dados qualificados. Existem diferenças entre dados e informações. Segundo Iamamoto (1999) um dado é uma seqüência de símbolos, é um ente totalmente sintático, não envolve semântica como na informação. Os dados podem ser representados com sons, imagens, textos, números e estruturas. Uma base de dados, também denominada banco de dados ou, em inglês, database, pode ser conceituada como uma fonte de informação armazenada eletronicamente em formato digital de modo que possibilite o usuário a reagir com os recursos disponíveis Atualidade: A Sociedade da Informação (termo que, segundo Moura (2004), surgiu no fim do Século XX vinda da expressão Globalização ) surge como uma fase em que as transmissões de dados são de baixo custo e as tecnologias de armazenamento são amplamente utilizadas, onde a informação flui a velocidades e em quantidades, antes inimagináveis, assumindo valores políticos, religiosos, sociais, econômicos, e etc. e ainda age como um novo modo de evitar a exclusão social e para dar oportunidades aos menos favorecidos. De acordo com Milanesi (2002), a informação passou da posse de poucos para um bem adquirível e desejável por qualquer pessoa como instrumento de elevação social e para a sociedade como condição fundamental para seu próprio desenvolvimento.

12 12 Carvalho (2001) afirma que o século XX afigurou-se como o século da Revolução da Informação, onde uma informação neutra e parcial divulga fatos, dados e qualidades objetivamente apuradas com função social de contribuir para a elaboração do pensamento e cita que entusiastas indagam se o homem será capaz de conservar a possibilidade de formar um pensamento que lhe seja próprio, na medida em que o progresso tecnológico permite um fluxo incomensurável de informações que podem comprometer sua capacidade de reflexão O Preço da Informação: Martins (2001) afirma, que através da história da evolução da sociedade, diversos foram os critérios de avaliação da riqueza e do poder dos homens e das nações. Atualmente, a grande riqueza do homem é a informação e o capital de grandes empresas encontra-se centralizado em dois elementos básicos: Informação e Capital Intelectual. Informação esta que com o advento da tecnologia tornou-se cara de produzir, mas barata de reproduzir. Economistas afirmam que a produção de um bem de informação envolve altos custos de produção, mas baixos custos ditos marginais, ou seja, baixo custo de produção de cópias adicionais. Carboni (2000) explica que boa parte desta equação vem de longe. Data do século XV quando a invenção da imprensa pelo alemão Johan Gutemberg permitiu a impressão e a reprodução com maior facilidade dos exemplares manuscritos, divulgação de novas idéias, bem como sua difusão ao público, aumentando em muito o acesso a informações. Com isso, as obras impressas tornaram-se objeto de transações comerciais e fonte de lucro, abrindo um novo horizonte diante da necessidade de uma efetiva proteção às criações intelectuais e repressão às suas violações conforme veremos no decorrer deste trabalho. Segundo Singer (2000), na economia anterior aos tempos da Internet, a informação era uma mercadoria suficientemente valorizada para que o seu preço

13 13 cobrisse seus custos de produção, processamento e distribuição e ainda proporcionasse bons lucros às empresas. Um dos grandes feitos da nova economia é a redução de grande parte dos custos da informação, sobretudo o seu processamento, armazenamento e distribuição. Conseqüentemente, o preço da informação caiu na mesma medida, chegando em muitos casos a zero, pois a publicidade paga parte do custo da informação e quando este se torna muito pequeno, a informação pode ser oferecida de graça. O efeito da nova economia sobre o conhecimento está sendo, no entanto, oposto. O autor afirma que o conhecimento ganho pela análise e interpretação de informações, quando produzido por capitais privados, está sendo vendido a preços de monopólio e que este fato ganha relevância à medida que a produção de conhecimentos está sendo privatizada. Até há alguns anos, grande parte da produção científica era paga com recursos públicos e por isso os conhecimentos assim ganhos eram oferecidos de graça, como bens públicos. Agora, uma parte crescente desta produção se realiza em empresas privadas, que tratam de proteger o seu direito de propriedade intelectual mediante o patenteamento ou o monopólio da reprodução o chamado copyright sobre o qual falaremos posteriormente. Singer (2000) afirma ainda que só se produz conhecimento novo estudando e incorporando ou criticando e rejeitando conhecimentos anteriores e se estes são protegidos pelo sigilo industrial, só o detentor da patente tem acesso a conhecimento indispensável à produção do novo. O efeito geral é concentrar os capitais 'científicos' e a produção científica nos países em que residem a maioria dos detentores de direitos de propriedade intelectual. A Internet produziu enorme aumento de demanda por conhecimento científico, sob a forma de texto ou incorporado em produtos. A difusão pelo 3º Mundo do respeito da propriedade intelectual, majoritariamente de nãoresidentes, implica em restringir o livre uso do conhecimento para a produção de mais conhecimento além de onerar o déficit nas contas

14 14 externas e agravar a dependência econômico-financeira das grandes potências. (http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos/eno h tm) Assim sendo, restringir ou não o acesso à informação afeta diretamente a economia mundial, tanto ao prejudicar a possibilidade de desenvolvimento de determinados países quanto a gerar prejuízos para a vasta indústria que engloba tanto os produtores quanto os que lidam com o comércio dos diversos bens de informação. Torna-se necessário criar políticas que relacionem estes dois setores de forma equilibrada, uma vez que prejuízos em quaisquer destas circunstâncias atingem seriamente a ambos os lados da questão.

15 O QUE É INTERNET? Trata-se da mais famosa rede de informação, que pode ser entendida como um conglomerado de redes em escala mundial de milhões de computadores interligados que permite o acesso a informações e todo tipo de transferência de dados, sem que haja uma determinada central. A Internet é a principal das novas tecnologias de informação e comunicação, pois possibilita o acesso a informações de forma mais ampla e menos dispendiosa. Alguns dos serviços disponíveis na Internet, além da Web, são os acessos remotos a outras máquinas, transferência de arquivos, correio eletrônico, boletins eletrônicos (news ou grupos de notícias), bate-papo on-line (chat), mensagens instantâneas (ICQ, MSN Messenger, Blogs), Skype (novo tipo de serviço de telefonia), etc Histórico 1 : Surgiu entre as décadas de 60/70, período em que a Guerra Fria confrontava as duas maiores potências da época, os Estados Unidos e a ex-união Soviética. O governo americano queria desenvolver um sistema para que seus computadores militares pudessem trocar informações entre si, de uma base militar para outra. Foi assim que surgiu a ARPANET, o antecessor da Internet, um projeto iniciado pelo Departamento de Defesa Americano que realizou então a interconexão de computadores, através de um sistema conhecido como chaveamento de pacotes, que é um esquema de transmissão de dados em rede de computadores no qual as informações são divididas em pequenos pacotes, que por sua vez contém trecho dos dados, o endereço do destinatário e informações que permitiam a remontagem da mensagem original. 1 Fonte: WIKIPEDIA, verbete Internet [at al]. Disponível em:: Acesso em: 28 novembro 2007.

16 16 Este sistema garantia a integridade da informação caso uma das conexões da rede sofresse um ataque inimigo, pois o tráfego nela poderia ser automaticamente encaminhado para outras conexões. Em 1991, durante a Guerra do Golfo, certificou-se que esse sistema realmente funcionava, devido à dificuldade dos Estados Unidos para derrubar a rede de comando do Iraque, que usava o mesmo sistema. O sucesso do sistema criado pela ARPANET foi tanto que as redes agora também eram voltadas para a área de pesquisas científicas das universidades. Com isso, a ARPANET começou a ter dificuldades em administrar todo este sistema, devido ao grande e crescente número de localidades universitárias contidas nela. Dividiu-se então este sistema em dois grupos, a MILNET, que possuía as localidades militares e a nova ARPANET, que possuía as localidades não militares. Um esquema técnico denominado IP (Internet Protocol Protocolo da Internet) permitia que o tráfego de informações fosse caminhado de uma rede para outra. Todas as redes conectadas pelo IP na Internet comunicam-se em IP, para que todas possam trocar mensagens. Através da National Science Foundation, o governo americano investiu na criação de backbones (espinha dorsal, em português), que são poderosos computadores conectados por linhas que tem a capacidade de dar vazão a grandes fluxos de dados, como canais de fibra óptica, elos de satélite e elos de transmissão por rádio. Além desses backbones, existem os criados por empresas particulares. A elas são conectadas redes menores, de forma mais ou menos anárquica ou, conforme Eric Schmidt, citado por Corrêa (2000): A Internet é a primeira coisa que a humanidade criou e não entende a maior experiência de anarquia que jamais tivemos (p. 07) É basicamente isto que consiste a Internet, que não tem um dono específico, daí advem sua principal característica. Segundo Carboni (2000), qualquer pessoa com um computador e um modem pode ter acesso através de um provedor pago ou gratuito, seja para a obtenção de informações nela disponíveis, seja para alimentá-la com suas próprias informações, o que se tornou muito comum com a popularização dos

17 17 Blogs (página da Web cujas atualizações - chamadas posts - são organizadas cronologicamente como um histórico ou diário). Contudo, a Internet de hoje, com sua interatividade, redes interligadas de computadores e seus conteúdos multimídia, só se tornou possível pela contribuição do Cientista Tim Berners-Lee e ao CERN, Conseil Européen pour la Recherche Nucléaire - Centro Europeu de Pesquisas Nucleares, que criaram a World Wide Web, inicialmente interligando sistemas de pesquisa científicas e mais tarde acadêmicas, interligando Universidades; a rede coletiva ganhou uma maior divulgação pública a partir dos anos 90. Em agosto de 1991, Sir Tim Berners-Lee publicou seu novo projeto para a World Wide Web, dois anos depois de começar a criar o HTML, o HTTP e as poucas primeiras páginas no CERN, na Suíça. Em 1993 o Web Browser Mosaic 1.0 foi lançado, e no final de 1994 já havia interesse público na Internet. Em 1996 a palavra Internet já era de uso comum, principalmente nos países desenvolvidos, referindo-se na maioria das vezes a WWW Internet no Brasil: Silva (2001) afirma que as primeiras redes formadas no Brasil tiveram bases em redes telefônicas e de telex, ainda nos anos 60 e 70, e empregadas por grandes empresas como bancos, companhias de aviação, multinacionais e alguns órgãos do governo. Em 1987, a FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e o LNCC (Laboratório Nacional de Computação Científica) conectaram-se a instituições nos EUA. Após conseguirem acesso a redes internacionais, essas instituições incentivaram outras entidades do País a usar as redes. As entidades conectavam-se utilizando recursos próprios e pagando à EMBRATEL (Empresa Brasileira de Comunicação) as tarifas normais pela utilização de

18 18 circuitos de comunicação de dados. O critério utilizado para selecionar onde se conectar foi em função da distância. Esse modelo funcionou por algum tempo e mostrou a necessidade de um projeto adequado para a formação de um backbone nacional (para conectar os centros provedores de serviços especiais à redes regionais que, por sua vez, também deviam ser fomentadas). Em 1992, o Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase) e a Associação para o Progresso das Comunicações (APC) liberam o uso da Internet para ONGs. No mesmo ano, o Ministério da Ciência e Tecnologia inaugurou a Rede Nacional de Pesquisa (RNP) e organizou o acesso à rede por meio de um "backbone (tronco principal da rede). Dois anos depois, a Embratel inicia serviço comercial de acesso à Internet. Segundo Silva (2001), embora os usuários desses recursos, em grande parte possuíssem formação técnica a utilização da Internet ainda se limitava a uma categoria social de maior poder aquisitivo, tendo em vista os recursos mínimos exigidos para usar os serviços, ou seja, linha telefônica e de microcomputador, demandava um alto investimento que só algumas pessoas podiam realizar, fato que restringiu a popularização do sistema. Atualmente, o acesso à Internet no país ainda é muito limitado. Para a Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, a utilização da Internet no Brasil ainda tem como obstáculo, além do baixo poder aquisitivo da população, questões mercadológicas que impedem a chegada de portais de acesso em regiões menos desenvolvidas do país. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que 32,1 milhões de brasileiros, cerca de 21,9% da população acima dos 10 anos de idade, utilizaram a rede mundial de computadores, no país no ano de O número é expressivo, e coloca o Brasil como o primeiro país da América Latina e o quinto no mundo no uso da Internet. Se for considerado, no entanto,

19 19 o número de internautas em relação à população do país, a situação relativa do país é bem diferente. Nesta avaliação, o Brasil ocupa a 62ª posição mundial e a quarta na América Latina, sendo ultrapassado pela Costa Rica, Guiana Francesa e Uruguai. De acordo com o IBGE o governo brasileiro, pretende mudar este quadro desenvolvendo políticas públicas em parcerias com os governos estaduais e municipais, além do apoio da iniciativa privada para promover o acesso à Internet através projetos sociais e atividades reguladas pela ANATEL. 3.3 Funcionamento: Segundo Porta (2001), quando o usuário se conecta a rede, ele utiliza um servidor 2, que por sua vez é conectado a roteadores (responsáveis pela orientação do caminho que a informação deve percorrer numa rede) e backbones e daí a qualquer computador no mundo usando o mesmo protocolo. O usuário, ao se conectar ao seu provedor 3, recebe um endereço dado por este, baseado no IP do próprio servidor. Este endereço é expresso em formato numérico e é transferido em palavras pelo chamado DNS Domain Name System (Sistema de Nome de Domínio). Assim sendo, teoricamente é possível identificar o usuário através dos dados mantidos por seu provedor sobre aquele IP específico em determinado dia e hora. Diz-se teoricamente porque Porta (2001) afirma ser possível, através de técnicas adequadas que se consiga fazer a conexão ao provedor, navegar e enviar mensagens como se fosse o titular de determinada conta registrada no referido provedor de acesso, o que demonstra a fragilidade ainda existente no quesito de segurança quanto a identificação do usuário. 2 diz-se de ou computador us. numa rede para proporcionar algum tipo de serviço (como acesso a arquivos ou a periféricos compartilhados) aos demais componentes da rede (Fonte: HOUAISS ON LINE. Disponível em: < >. Acesso em 11 nov. 2006) 3 empresa ou organização que tem instalada uma conexão de alta capacidade com uma grande rede de computadores, e que põe à disposição de outros usuários o acesso a esta rede, por meio de linhas telefônicas ou cabos, cobrando ou não pelo serviço.( (Fonte: HOUAISS ON LINE. Disponível em: < >. Acesso em: nov. 2006).

20 Legislação: Com o aumento da influência da Internet e do mundo virtual nas relações humanas, a legislação brasileira precisa adaptar-se aos avanços tecnológicos uma vez que cerca de 8,5 milhões dentre os internautas são brasileiros. Para isso foi criado o Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) em 31 de maio de 1995 e institucionalizado apenas pelo Decreto Presidencial nº 4.829, de 3 de setembro de , com a proposta de coordenar e integrar todas as iniciativas de serviços Internet no país. Mantém grupos de trabalho e coordena diversos projetos em áreas de importância fundamental para o funcionamento e o desenvolvimento da rede no Brasil. Composto por membros do governo, do setor empresarial, do terceiro setor e da comunidade acadêmica tem entre suas atribuições: A proposição de normas e procedimentos relativos à regulamentação das atividades na Internet; A recomendação de padrões e procedimentos técnicos operacionais; O estabelecimento de diretrizes estratégicas relacionadas ao uso e desenvolvimento da Internet no Brasil; A promoção de estudos e padrões técnicos para a segurança das redes e serviços no país; A coordenação da atribuição de endereços Internet (IPs) e do registro de nomes de domínios usando <.br>; A coleta, organização e disseminação de informações sobre os serviços Internet, incluindo indicadores e estatísticas. Assim como o Comitê, toda a legislação quanto ao que se refere à Internet no Brasil é recente. Segundo Souza (2007) ainda encontra-se, em tramitação no Congresso Nacional, projeto de lei (nº 1589/99), o qual versa sobre o "spam", ou seja, mensagens indesejadas ou não solicitadas via . As medidas do legislativo, adotadas até o momento, revelam-se insuficientes para atribuir solidez às relações travadas por meio da rede. Tramita 4 Anexo 03, p.104.

21 21 atualmente na Comissão de Constituição e Justiça do Senado um projeto de lei que obriga a identificação dos usuários da Internet antes de iniciarem qualquer operação que envolva interatividade, como envio de s, conversas em salas de bate-papo, criação de blogs, captura de dados (como baixar músicas, filmes, imagens), entre outros. O acesso sem identificação prévia seria punido com reclusão de dois a quatro anos. Os provedores ficariam responsáveis pela veracidade dos dados cadastrais dos usuários e seriam sujeitos à mesma pena (reclusão de dois a quatro anos) se permitissem o acesso de usuários não-cadastrados. O texto é defendido pelos bancos e criticado por ONGs (Organizações Não-Governamentais), por provedores de acesso à Internet e por advogados. Os usuários teriam de fornecer nome, endereço, número de telefone, da carteira de identidade e do CPF às companhias provedoras de acesso à Internet, às quais caberia a tarefa de confirmar a veracidade das informações. O acesso só seria liberado após o provedor confirmar a identidade do usuário. Para isso, precisaria de cópias dos documentos dos internautas. Os provedores de acesso à Internet argumentam que o projeto vai burocratizar o uso da rede e que já é possível identificar os autores de crimes virtuais, a partir do registro do IP utilizado pelos usuários quando fazem uma conexão. O número IP é uma espécie de "digital" deixada pelos internautas. A partir dele, chega-se ao computador e, por conseguinte, pode-se chegar a um possível criminoso. Mas, para se aplicar à devida sanção penal, deve-se ter fixado um sujeito infrator. O direito penal não pode alcançar pessoas abstratas, virtuais. Diante deste fato é que os crimes realizados neste ambiente se caracterizam pala ausência física do criminoso, por isso, ficaram usualmente definidos como sendo crimes virtuais. Terceiro (2002) afirma que os tribunais de todos os modos tentam conter os chamados "crimes virtuais", observando e fazendo analogia a casos em concretos, aplicando uma solução que ora achar justa. Devido à ausência de tipificação legal, discriminante das condutas dos agentes que utilizam a Internet como instrumento na

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS Guilherme Carboni I. CRIAÇÕES INTELECTUAIS PROTEGIDAS PELA PROPRIEDADE INTELECTUAL Campo da Técnica Campo da Técnica Campo Estético Campo Estético Propriedade Industrial

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Diretoria de Direito Intelectual Secretaria de Políticas Culturais Ministério da Cultura Constituição Federal - Art. 216 - Constituem patrimônio cultural brasileiro

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Internet A Internet é um conjunto de redes de computadores de domínio público interligadas pelo mundo inteiro, que tem

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web 2010

Introdução à Tecnologia Web 2010 IntroduçãoàTecnologiaWeb2010 Internet ÓrgãosRegulamentadores ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger Internet Órgãosregulamentadores Índice 1 Breve Histórico da Internet... 2 2 Surgimento

Leia mais

Rede de Computadores. Arquitetura Cliente-Servidor

Rede de Computadores. Arquitetura Cliente-Servidor Rede de Computadores Arquitetura ClienteServidor Coleção de dispositivos de computação interconectados que permitem a um grupo de pessoas compartilhar informações e recursos É a conexão de dois ou mais

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROCEDE À ADAPTAÇÃO DO CÓDIGO DOS DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS ÀS NOVAS REALIDADES CRIADAS PELA SOCIEDADE DE INFORMAÇÃO Exposição de motivos O presente projecto de

Leia mais

1969 ARPANet - Advanced Research Projects Agency Network

1969 ARPANet - Advanced Research Projects Agency Network FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord 1969 ARPANet - Advanced Research Projects Agency Network O

Leia mais

INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB

INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB História da Internet A Internet surgiu a partir de pesquisas militares do governo dos Estados Unidos nos períodos áureos da Guerra Fria. Na década de 1960, quando dois blocos ideológicos e politicamente

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Este documento tem por objetivo definir a Política de Privacidade da Bricon Security & IT Solutions, para regular a obtenção, o uso e a revelação das informações pessoais dos usuários

Leia mais

*Conceitos básicos *Formas de conexão *Correio Eletrônico *WWW *Principais navegadores para Internet

*Conceitos básicos *Formas de conexão *Correio Eletrônico *WWW *Principais navegadores para Internet Conceitos básicos Formas de conexão Correio Eletrônico WWW Principais navegadores para Internet Para compreender a Internet faz-se necessário o conhecimento de conceitos simples e que muitas vezes causam

Leia mais

Projeto de Trabalho de Graduação 2

Projeto de Trabalho de Graduação 2 Projeto de Trabalho de Graduação 2 Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva 1 Agenda Plágio Proteção dos Direitos Autorais A Lei Brasileira 2 Plágio Plágio é a apropriação indevida de ideais ou textos de

Leia mais

APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET

APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET DEFINIÇÕES BÁSICAS A Internet é um conjunto de redes de computadores interligados pelo mundo inteiro, ue têm em comum um conjunto de protocolos e serviços. O ue permite a

Leia mais

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet.

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet. Faculdade INED Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III Legislação Propriedade Intelectual do Software Banco de Dados e Sistemas para Internet Agosto-2008 1 2 Referências Agenda PRESIDÊNCIA

Leia mais

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002 História da Internet? No final dos anos 50, os EUA formaram uma instituição de investigação, a qual designaram por ARPA (Advanced Research Projec Agency). O objectivo desta instituição, parte integrante

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Sua Privacidade Bem-vindo ao site eureca.me. Este site é de propriedade da empresa Eureca Atitude Empreendedora LTDA-ME. Esta Política de Privacidade destina-se a informá-lo sobre

Leia mais

Trilha 6: Ambiente legal, regulatório, segurança e inimputabilidade da rede

Trilha 6: Ambiente legal, regulatório, segurança e inimputabilidade da rede Trilha 6: Ambiente legal, regulatório, segurança e inimputabilidade da rede A) Questões chave levantadas: (Relato concatenado das discussões dos dias 13 e 14.) Busca de um ambiente legal e regulatório

Leia mais

Informática Básica. Internet Intranet Extranet

Informática Básica. Internet Intranet Extranet Informática Básica Internet Intranet Extranet Para começar... O que é Internet? Como a Internet nasceu? Como funciona a Internet? Serviços da Internet Considerações finais O que é Internet? Ah, essa eu

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

As palavras grafadas neste instrumento com letras maiúsculas terão o significado que a elas é atribuído de acordo com o estabelecido abaixo:

As palavras grafadas neste instrumento com letras maiúsculas terão o significado que a elas é atribuído de acordo com o estabelecido abaixo: Termo e Condições de Uso Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, entidade associativa sem fins lucrativos, CNPJ 04.481.317/0001-48, situada à Rua Bela Cintra, 756, 9 andar, conjunto 91, CEP 041415-000,

Leia mais

Pequena história da Internet

Pequena história da Internet Pequena história da Internet A Internet nasceu em 1969, nos Estados Unidos. Interligava originalmente laboratórios de pesquisa e se chamava ARPAnet (ARPA: Advanced Research Projects Agency). Era uma rede

Leia mais

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 Índice 1. Direito Civil - Continuação...3 1.1. Fatos e Atos Jurídicos... 3 1.2. Direito de Propriedade... 3 1.2.1. Propriedade intelectual... 4 1.2.2. Propriedade

Leia mais

Resolução nº 02-07 CONSUNI

Resolução nº 02-07 CONSUNI Resolução nº 02-07 CONSUNI O Conselho Universitário da Universidade de Caxias do Sul UCS, no uso das suas atribuições estatutárias e regimentais, e considerando a Portaria n. º 170, de 15 de maio de 1998,

Leia mais

DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL Gilsomar Silva Barbalho Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor,

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial:

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial: PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV 1. História e conceito do Direito Industrial: - Como referência ao direito industrial encontramos o uso da expressão marca e patente. Este ramo do direito teve início na Inglaterra

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

INTERNET CONCEITOS. Internet é a "grande rede mundial de computadores"

INTERNET CONCEITOS. Internet é a grande rede mundial de computadores INTERNET CONCEITOS O que é Internet Estamos acostumados a ouvir que Internet é a "grande rede mundial de computadores" Entretanto, essa definição não é muito simplista. Na realidade, Ela é uma coleção

Leia mais

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO FUNAI, no uso das atribuições que lhes são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n. 4.645, de 25 de

Leia mais

Instrução Normativa Conjunta 01/2011 PROGRAD/PROPPG

Instrução Normativa Conjunta 01/2011 PROGRAD/PROPPG Ministério da Educação Reitoria Instrução Normativa Conjunta 01/2011 OGRAD/OPPG Estabelece normas e procedimentos operacionais para o depósito de trabalhos de conclusão de curso de graduação e de especialização,

Leia mais

DWEB. Design para Web. Fundamentos Web I. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico

DWEB. Design para Web. Fundamentos Web I. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico DWEB Design para Web Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico Fundamentos Web I E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir O consumidor e o direito do autor O que você pode e o que não pode reproduzir a lei de direitos autorais permite diversos tipos de cópias. Mas as restrições são muito exageradas. Direito autoral não quer

Leia mais

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Faculdade de Tecnologia Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Alunos: Anderson Mota, André Luiz da Silva, Misael Bezerra, Rodrigo Damasceno Kaji. GTI 5 Noturno Noções de Direito Prof.

Leia mais

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

Sinopse... 2. Saudação... 3. Internet... 6 a 11. Usenet... 12 a 13. Protocolo... 14 a 15. Navegador... 16 a 19. Web... 20

Sinopse... 2. Saudação... 3. Internet... 6 a 11. Usenet... 12 a 13. Protocolo... 14 a 15. Navegador... 16 a 19. Web... 20 ÍNDICE Sinopse... 2 Saudação... 3 Internet... 6 a 11 Usenet... 12 a 13 Protocolo... 14 a 15 Navegador... 16 a 19 Web... 20 Internet explorer... 21 a 27 Download.... 28 a 32 E-mail... 33 a 38 Exercícios...

Leia mais

Direitos Autorais nas Bibliotecas Virtuais

Direitos Autorais nas Bibliotecas Virtuais Direitos Autorais nas Bibliotecas Virtuais 1 Prof. Omer Pohlmann Filho Prof.. Marco Gonzalez Edicarsia Barbiero José Mauricio Maciel Karen Borges Profª ª Elisa Corrêa dos Santos Jiani Cardoso Convênio

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

Como surgiu a Internet?

Como surgiu a Internet? Como surgiu a Internet? A internet nada mais é do que a conexão de várias redes de computadores interligadas entre si. O surgimento das primeiras redes de computadores datam a época em que o planeta estava

Leia mais

LW1. Como a internet funciona? PROF. ANDREZA S. AREÃO

LW1. Como a internet funciona? PROF. ANDREZA S. AREÃO LW1 Como a internet funciona? PROF. ANDREZA S. AREÃO O que é a Internet? Rede de Computadores: Consiste de dois ou mais computadores ligados entre si e compartilhando dados, impressoras, trocando mensagens

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

CEDIN - Centro de Documentação e Informação Tecnológica. Manual dos Serviços de Informação Tecnológica. Passo-a-passo para os clientes

CEDIN - Centro de Documentação e Informação Tecnológica. Manual dos Serviços de Informação Tecnológica. Passo-a-passo para os clientes CEDIN - Centro de Documentação e Informação Tecnológica Manual dos Serviços de Informação Tecnológica Passo-a-passo para os clientes CEDIN INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ÍNDICE 1 - Apresentação 02 2 - Por quê

Leia mais

Termo de Uso A AGENDA SUSTENTABILIDADE única e exclusiva proprietária do domínio www.agenda SUSTENTABILIDADE.com.br, doravante denominado AGENDA SUSTENTABILIDADE, estabelece o presente TERMO DE USO para

Leia mais

Fundação Altran para a Inovação Prémio 2012 Portugal. Regras

Fundação Altran para a Inovação Prémio 2012 Portugal. Regras Fundação Altran para a Inovação Prémio 2012 Portugal Tecnologia e Inovação ao serviço da inclusão social Regras I/ Contexto Criada em Junho de 1996, a Fundação Altran para a Inovação (doravante denominada

Leia mais

Trademarks: protege logotipos e outros símbolos que identificam um produto, empresa ou negócio.

Trademarks: protege logotipos e outros símbolos que identificam um produto, empresa ou negócio. DIREITOS AUTORAIS As informações a seguir foram elaboradas para ajudar a esclarecer as dúvidas mais frequentes sobre ilustração, contratos e direitos autorais. Para maiores informações jurídicas aconselhamos

Leia mais

Direito Do Autor. Roberto Fieira e Pedro Faria Escola Básica e Secundaria da Ponta do Sol 03-12-2013

Direito Do Autor. Roberto Fieira e Pedro Faria Escola Básica e Secundaria da Ponta do Sol 03-12-2013 2013 Roberto Fieira e Pedro Faria Escola Básica e Secundaria da Ponta do Sol 03-12-2013 1 ÍNDICE Direitos Do Autor... 2 1-Copyright... 2 Representação do símbolo... 3 Aspectos Jurídicos... 4 1-Reprodução...

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

O DIREITO DE AUTOR E A DISPONIBILIZAÇÃO DE OBRAS AO PÚBLICO ATRAVÉS DAS REDES DIGITAIS. Cláudia Trabuco

O DIREITO DE AUTOR E A DISPONIBILIZAÇÃO DE OBRAS AO PÚBLICO ATRAVÉS DAS REDES DIGITAIS. Cláudia Trabuco O DIREITO DE AUTOR E A DISPONIBILIZAÇÃO DE OBRAS AO PÚBLICO ATRAVÉS DAS REDES DIGITAIS Cláudia Trabuco Centro Português de Fotografia, Porto, 30.10.2007 Plano da exposição 1. Direitos de autor e direitos

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

Centro Digital Aula 1

Centro Digital Aula 1 Centro Digital Aula 1 A oficina de Criação de website visa capacitar o aluno a criar e hospedar uma página simples na internet, com moldes predeterminados para divulgação de seu negócio. A internet surgiu

Leia mais

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas PENSAR O LIVRO 6 Fórum Ibero-americano sobre o livro, a leitura e as bibliotecas na sociedade do conhecimento Junho 2009 Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES (DEFINIÇÕES) Prof. Msc. Hélio Esperidião

INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES (DEFINIÇÕES) Prof. Msc. Hélio Esperidião INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES (DEFINIÇÕES) Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É? Uma Rede de Computadores é formada por um conjunto de equipamentos(módulos processadores - MPs) capazes de trocar informações

Leia mais

Propriedade Intelectual e Lei de Inovação questão jurídica ou gerencial? Rodolfo Politano Núcleo de Inovação Tecnológica IPEN

Propriedade Intelectual e Lei de Inovação questão jurídica ou gerencial? Rodolfo Politano Núcleo de Inovação Tecnológica IPEN Propriedade Intelectual e Lei de Inovação questão jurídica ou gerencial? Rodolfo Politano Núcleo de Inovação Tecnológica IPEN AGENDA Lei de Inovação e demais legislação. Propriedade Intelectual na Lei

Leia mais

CREATIVE COMMONS O QUE É?*

CREATIVE COMMONS O QUE É?* CREATIVE COMMONS O QUE É?* Érica Daiane da Costa Silva** Se você está ouvindo falar em Creative Commons já deve ter ouvido falar também em Software Livre. Sem pretensão de apresentar uma explicação aprofundada,

Leia mais

Proteção de direitos e divulgação de arquivos

Proteção de direitos e divulgação de arquivos Electrónica ISCTE 31 janeiro 2012 Proteção de direitos e divulgação de arquivos Helena Simões Patrício Sumário 1. Introdução: a proteção de direitos em ambiente digital 3. Proteção de documentos de arquivo

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS INDÍGENAS. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006.

DIREITOS AUTORAIS INDÍGENAS. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO - FUNAI, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n o 4.645, de 25 de

Leia mais

INFORMAÇÕES ACADÊMICAS BÁSICAS SOBRE A MONOGRAFIA FORMA DE AVALIAÇÃO

INFORMAÇÕES ACADÊMICAS BÁSICAS SOBRE A MONOGRAFIA FORMA DE AVALIAÇÃO Faculdade Minas Gerais Avenida do Contorno, nº 10.185 - Prado - Belo Horizonte MG CEP: 30.110-140 Fone: (0xx)31 3295-4004 CURSO DE DIREITO - NÚCLEO DE MONOGRAFIA INFORMAÇÕES ACADÊMICAS BÁSICAS SOBRE A

Leia mais

FLEXPAG - Política de Privacidade

FLEXPAG - Política de Privacidade FLEXPAG - Política de Privacidade A infocusweb/flexpag tem um compromisso com o respeito à sua privacidade. Política de Privacidade Nós reconhecemos que ao optar por nos informar alguns de seus dados pessoais,

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Walter Feldman) Dispõe sobre a proteção dos direitos de propriedade intelectual e dos direitos autorais na Internet. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

RAQUEL DA SILVA OFRANTI VIOLAÇÃO E PROTEÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS DE OBRAS LITERÁRIAS PUBLICADAS NA INTERNET

RAQUEL DA SILVA OFRANTI VIOLAÇÃO E PROTEÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS DE OBRAS LITERÁRIAS PUBLICADAS NA INTERNET RAQUEL DA SILVA OFRANTI VIOLAÇÃO E PROTEÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS DE OBRAS LITERÁRIAS PUBLICADAS NA INTERNET RIO DE JANEIRO 2003 RAQUEL DA SILVA OFRANTI VIOLAÇÃO E PROTEÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS DE OBRAS

Leia mais

Ética e Legislação em Comunicação

Ética e Legislação em Comunicação Ética e Legislação em Comunicação Ambientes Digitais Blog Site/Sitio Portal Acervo Virtual Plataformas de aprendizagem virtual / Educação à distância Exercício coletivo: Exemplos e análise de ambientes

Leia mais

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14 portal@up.com.br Apresentação Este manual contém informações básicas, e tem como objetivo mostrar a você, aluno, como utilizar as ferramentas do Portal Universitário e, portanto, não trata de todos os

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 33ª Reunião Ordinária, realizada no dia vinte e sete de setembro de 2012, no uso das atribuições

Leia mais

Internet. EB 2/3 de Arrifana. Victor Henriques 2006/2007

Internet. EB 2/3 de Arrifana. Victor Henriques 2006/2007 Internet Sumário A Internet. Questões de segurança. 2 A Internet A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados entre si através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: LIVRO II DOS

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM BIBLIOTECAS DIGITAIS

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM BIBLIOTECAS DIGITAIS 1 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM BIBLIOTECAS DIGITAIS MARQUES, A. M. 1 ; VIDOTTI, S. A. B. G. 1 A Rede Internet como a conhecemos hoje foi concebida inicialmente para fins militares e depois utilizada como

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil Estrutura do INPI Propriedade Intelectual Sistema criado para garantir a propriedade ou exclusividade resultante da atividade intelectual nos campos industrial,

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA A propriedade intelectual abrange duas grandes áreas: Propriedade Industrial (patentes,

Leia mais

A COMPLETA INSTALAÇÃO DESTE SOFTWARE IMPLICA NA IMEDIATA ACEITAÇÃO DE TODOS OS SEUS TERMOS E CONDIÇÕES.

A COMPLETA INSTALAÇÃO DESTE SOFTWARE IMPLICA NA IMEDIATA ACEITAÇÃO DE TODOS OS SEUS TERMOS E CONDIÇÕES. SIGMA SISTEMA GERENCIAL DE MANUTENÇÃO CONTRATO DE LICENÇA DE USO E GARANTIA A COMPLETA INSTALAÇÃO DESTE SOFTWARE IMPLICA NA IMEDIATA ACEITAÇÃO DE TODOS OS SEUS TERMOS E CONDIÇÕES. 1.0. INDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CÁSSIO AUGUSTO BARROS BRANT LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL 1ª Edição Belo Horizonte Edição do Autor 2012 B821l Brant, Cássio Augusto Barros

Leia mais

VOTO EM SEPARADO I RELATÓRIO

VOTO EM SEPARADO I RELATÓRIO VOTO EM SEPARADO Perante a COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 121, de 2008, do Senador Magno Malta, que proíbe as empresas de cartões

Leia mais

Bem vindo ao CURSO DE FRANCÊS ONLINE, um Website pertencente ao Instituto de Estudos Franceses e Europeus de São Paulo Ltda (IFESP).

Bem vindo ao CURSO DE FRANCÊS ONLINE, um Website pertencente ao Instituto de Estudos Franceses e Europeus de São Paulo Ltda (IFESP). BEM VINDO Bem vindo ao CURSO DE FRANCÊS ONLINE, um Website pertencente ao Instituto de Estudos Franceses e Europeus de São Paulo Ltda (IFESP). Essa Política de Privacidade foi elaborada para lhe informar

Leia mais

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ 1. O que é o Mapa Musical da Bahia? O Mapa Musical da Bahia é uma ação da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) para mapear, reconhecer e promover a difusão da música

Leia mais

Assuntos Acadêmicos. Edson H. Watanabe Diretor para Assuntos Acadêmicos

Assuntos Acadêmicos. Edson H. Watanabe Diretor para Assuntos Acadêmicos Assuntos Acadêmicos Edson H. Watanabe Diretor para Assuntos Acadêmicos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 Jurkiewicz 12 13 AVALIAÇÃO CAPES A pós-graduação brasileira é avaliada a cada 3 anos com conceitos que vão

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual O que é a Propriedade Intelectual A Propriedade Intelectual é o mecanismo que visa proteger a propriedade sobre o conhecimento, fruto da inteligência e do talento humano. Divide-se tradicionalmente em

Leia mais

Ilma. Superintendente de Educação, Sra. Indira dos Reis Silva

Ilma. Superintendente de Educação, Sra. Indira dos Reis Silva Processo Administrativo n 07204/2010 Interessado: Secretaria Municipal de Educação Assunto: Exibição de Material Audiovisual e Textual na Rede Escolar Propriedade Intelectual. Direito Autoral. Lei nº.

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 4 Introdução aos Sistemas Biométricos 1. Identificação, Autenticação e Controle

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ALLAN ARDISSON COSSET DIEGO ALVES DE PAIVA ERICK SOUSA DAMASCENO HUGO NASCIMENTO SERRA RICARDO FRANÇA RODRIGUES Legislação Aplicada à Computação Crimes de

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial.

1. Patente de Invenção (PI) Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrial. 1 O que é patente? Patente é um título de propriedade temporária sobre uma invenção ou modelo de utilidade, outorgado pelo Estado aos inventores ou autores ou outras pessoas físicas ou jurídicas detentoras

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE USO

CONDIÇÕES GERAIS DE USO Antes de dar início ao processo de utilização do Website leia atentamente as Condições Gerais de Uso abaixo, as quais compõem o Contrato que regula a sua utilização. CONDIÇÕES GERAIS DE USO O presente

Leia mais

Sistemas Colaborativos Simulado

Sistemas Colaborativos Simulado Verdadeiro ou Falso Sistemas Colaborativos Simulado 1. Todos os tipos de organizações estão se unindo a empresas de tecnologia na implementação de uma ampla classe de usos de redes intranet. Algumas das

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE A FUNCIONAL, com o escopo de firmar o compromisso junto aos USUÁRIOS visando a segurança e privacidade das informações transitadas e recepcionadas através de seus sites www.funcionalcorp.com.br

Leia mais

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LUIZ GUILHERME JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA WISLIY LOPES Noções de Direito e Legislação da Informática GOIÂNIA JUNHO DE 2014 RELACIONAR

Leia mais