APONTAMENTOS SOBRE A LEITURA: HISTÓRIA, IMPORTÂNCIA E O TRABALHO REALIZADO NA ESCOLA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APONTAMENTOS SOBRE A LEITURA: HISTÓRIA, IMPORTÂNCIA E O TRABALHO REALIZADO NA ESCOLA"

Transcrição

1 APONTAMENTOS SOBRE A LEITURA: HISTÓRIA, IMPORTÂNCIA E O TRABALHO REALIZADO NA ESCOLA Caroline Sanchez Massuia (FCT Unesp Faculdade de Ciências e Tecnologia Júlio de Mesquita Filho) Renata Junqueira de Souza (orientadora) (FCT Unesp Faculdade de Ciências e Tecnologia Júlio de Mesquita Filho) Apoio Financeiro: FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) Atualmente é inegável a importância da leitura na sociedade moderna. Por meio da leitura as pessoas podem se informar, adquirir novos conhecimentos, se distrair e, além disso, o leitor adquire autonomia para fazer suas próprias interpretações de mundo e da realidade. Sendo assim, o presente trabalho tem como objetivo refletir sobre a história da leitura, atentando-se para as mudanças ocorridas ao longo dos anos nas maneiras de se ler, e como a leitura tornou-se um instrumento importante para a conscientização dos indivíduos. Também será realizada uma reflexão sobre o trabalho realizado com leitura nas escolas, que é um espaço privilegiado para formação do leitor, pois sabe-se que muitas crianças só tem contato com a leitura dentro da escola. E ao final serão feitas algumas considerações sobre a leitura dos professores e como esta é trabalhada durante a formação dos educadores. Palavras chaves: Leitura, formação do leitor e letramento. 1

2 APONTAMENTOS SOBRE A LEITURA: HISTÓRIA, IMPORTÂNCIA E O TRABALHO REALIZADO NA ESCOLA INTRODUÇÃO O ato de ler não surgiu do nada, foi construído lentamente ao longo da história, foi surgindo de acordo com a necessidade das pessoas, que passaram a registrar aos poucos aquilo que não poderia ser esquecido. A maneira das pessoas lerem e fazerem seus registros escritos também foi mudando com o tempo, tornaram-se mais simples e práticas, também se tornaram mais fáceis de serem aprendidas e, além disso, passou a ser ensinada para mais pessoas ao longo dos anos. Souza (1992) aponta que a escrita teve um papel muito importante na sociedade, possibilitou que mensagens fossem transmitidas de geração para geração, e de diversos lugares. E por meio da leitura estas mensagens podem ser compreendidas, mas uma única mensagem não é compreendida da mesma forma por diferentes pessoas. A compreensão não depende apenas do que está escrito, ela depende das experiências vividas e dos conhecimentos prévios do leitor, que interpreta o escrito da sua maneira. Muitas crianças não possuem contato com a leitura e com a literatura em suas casas e outros ambientes fora da escola. É neste local que essas crianças conhecem os diferentes materiais escritos e suas diferentes funções. Com isso cabe à escola ensinar às crianças a importância da leitura, em diferentes situações, e como esta pode auxiliar na vida cotidiana, além disso como a leitura pode representar uma forma de lazer e distração. Muitas pessoas ao tentar conceituar leitura caem no conceito de decodificação (ao decodificar os sinais escritos, a pessoa está lendo), mas diferentes autores tratam da leitura como algo mais amplo e complexo. A leitura é um processo riquíssimo que não cabe em conceituações restritivas. Considerá-la simples decodificação de sinais providos de sentido próprio não basta. Há que se encarar o leitor como atribuidor de significados; e nessa atribuição, leva-se em conta a interferência da bagagem cultural do receptor sobre o processo de decodificação e interpretação da mensagem. (SOUZA, 1992, p.2). É importante para o aluno que a escola tenha a preocupação de trabalhar com diferentes tipos de texto, que tenham diferentes funções (informar, distrair, ensinar, etc.) dessa forma a criança vai se familiarizando com estes materiais e passa a incorporá-los em seus dia-a-dia. 2

3 Ao ensinar leitura para crianças é preciso mostrar à elas que cada texto transmite uma mensagem e informação, e que ao ler, esta criança poderá fazer sua própria interpretação autonomamente, sem precisar de ninguém para ajudá-la. O significado de um texto também depende do leitor, o texto em si possui um significado (dado pelo autor), mas para Solé (1998) o leitor também constrói o significado do texto que lê, pois compreende a partir de suas próprias experiências, expectativas e conhecimentos prévios. Nas palavras da autora: Para ler necessitamos, simultaneamente, manejar com destreza as habilidades de decodificação e aportar ao texto nossos objetivos, idéias e experiências prévias; precisamos nos envolver em um processo de previsão e inferência contínua, que se apóia na informação proporcionada pelo texto e na nossa própria bagagem, e em um processo que permita encontrar evidência ou rejeitar as previsões e inferências antes mencionadas (SOLÉ, 1998, p.23) Um desafio da escola consiste em ensinar os alunos a ler corretamente, sabe-se que a leitura é extremante importante para se ter autonomia nas sociedades letradas, é também inegável a desvantagem das pessoas que não possuem esse aprendizado. No Brasil, segundo uma pesquisa realizada pelo Ipea (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas) e publicada por Claúdia e Jader Resende, revela que em % da população era considerada analfabeta, ou seja cerca de 14 milhões de brasileiros acima de 15 anos, são incapazes de ler e escrever um bilhete simples. Observando esses dados é possível notar que no Brasil, ainda há muitas pessoas analfabetas, e segundo a pesquisa realizada, se a diminuição desse índice continuar neste ritmo, o analfabetismo do país só acabará em 20 anos. Isso demonstra que no Brasil há milhares de pessoas que hoje são excluídas, da sociedade letrada, que não utilizam a leitura e escrita diariamente e que com certeza passam por diversos problemas, por não terem autonomia ao lidar com materiais escritos. Para entender melhor a importância da leitura é preciso entender um pouco sobre como ela surgiu, como ela foi construída historicamente e quais foram os fatores que a tornaram tão importante para a vida moderna. DESENVOLVIMENTO 3

4 Ao estudar um pouco sobre a história da leitura, percebe-se como esta surgiu a partir das necessidades; como ela foi mudando ao longo dos séculos, tornandose mais simples; como ela foi ganhando novas dimensões, passando a incluir novos gêneros, contando histórias para o leitor; como os livros surgiram e o que isso representou para a história da leitura e por fim como a leitura que conhecemos hoje, tornou-se tão importante para a vida na sociedade. Fischer (2006) trabalha com a história da leitura, mas fala um pouco sobre a escrita, que para ele nasceu como testemunha imortal, ela tornou-se necessária para recordar fatos, confirmando-os ou não. Conforme ocorreu o crescimento das cidades surgiu também a necessidade de formas de documentação mais complexas. Fischer também aponta as diferenças entre leitura e escrita, A leitura sempre foi diferente da escrita. A escrita prioriza o som, uma vez que a palavra falada deve ser transformada ou desmembrada em sinais representativos. A leitura, no entanto, prioriza o significado. A aptidão para ler, na verdade pouco tem a ver com a habilidade de escrever. (FISCHER, 2006, p.9). Cagliari faz uma comparação entre a leitura e a escrita, que para ele: a escrita tem como objetivo a leitura. A leitura tem como objetivo a fala. A fala é expressão lingüística e se compõe de unidades, de tamanho variável, chamadas signos e que se caracterizam em sua essência pela união de um significado a um significante (CAGLIARI, 1989, pág.114) Fischer (2006) aponta que a leitura no início consistia em apenas, obter informações visuais com base em algum sistema codificado, bem como na compreensão de seu significado. Mais tarde passou a ser definida como a compreensão de um texto; depois passou a incluir a extração de informações codificadas em telas eletrônicas. Atualmente a leitura envolve a capacidade de extrair sentido de símbolos escritos ou impressos (MITCHELL, D.C. 1982, In FISCHER, 2006, p.11) onde o leitor emprega símbolos para recuperar informações de seu cérebro, para com essas criar uma interpretação do que foi lido. Provavelmente a definição de leitura continuará a ser modificada de acordo com o avanço da sociedade. Sendo assim, segundo Fischer a leitura deixou de ser a união do som ao grafema, que ocorre em um nível mais básico. O significado passa a ser fundamental, e 4

5 em um nível mais avançado de percepção, a leitura pode, até mesmo, exprimir significado isoladamente, sem recorrer ao som. 5 Fischer (2006) acredita haver indícios de dois tipos de leitura diferentes: leitura literal ou mediada (aprendizado) onde o leitor atribui som ao sinal. E a leitura visual ou imediata (fluente), onde o leitor atribui sentido diretamente ao sinal, seguido de frases e sentenças curtas. Para o autor todos os leitores iniciantes fazem a leitura mediata, e na medida em que avançam passam para a leitura imediata, pois para Fischer, leitores freqüentes, sempre tornam-se fluentes, os quais passam a minimizar o som e a maximizar o significado. Como já foi citado a leitura não surgiu da maneira como a conhecemos hoje, ela foi evoluindo aos poucos, tornando-se mais simples e mais acessível. Os materiais de leitura também passaram por muitas evoluções, tornaram-se mais fáceis de manusear, sua produção tornou-se mais simples e rápida, deixando-os mais baratos e também acessíveis. Séculos atrás havia outra relação com a leitura e com os materiais de leitura, estes eram muito caros, só os nobres o tinham, pois estes materiais eram copiados à mão por escribas. Durante muito tempo a leitura foi uma atividade para ser realizada em grupo, pois faltavam materiais e era raro encontrar alguém que soubesse ler. Na Antiguidade a literatura era destinada a apenas um seleto grupo e expressava somente o que podia ser decorado. As pessoas liam para depois poderem declamar aquilo que foi lido. Para Fischer (2006) isso demonstra que a leitura e a escrita eram apenas complemento do discurso oral. Fischer trata sobre o caráter passivo da leitura, que antigamente servia apenas para extrair informações do texto lido, a leitura e a escrita serviam apenas para registro de algumas coisas da vida diária. Até o século V a.c., a leitura permaneceu essencialmente passiva. Abrangia na maior parte contas, registros de contas, embarques de mercadorias, conhecimentos de carga e documentos jurídicos e apenas uma quantidade muitos limitada de textos literários. Nenhum desses escritos fazia do leitor um analista-intérprete ativo, mas serviam para ajudar as pessoas a recordar contas simples, informações ou algo que tivesse ficado a cargo da memória (FISCHER, 2006, p.38-39). No caso da literatura, esta costumava ser coletiva. Em jardins e saguões as pessoas costumavam se reunir para escutar a leitura de romances e épicos, agora lidos por um membro da família, e não por um escravo, como se fazia anteriormente. A leitura coletiva acontecia, pois as pessoas costumavam passar o dia todo em grupos, e

6 além disso eram poucas as pessoas alfabetizadas (uma em cada cem). Além disso os livros também eram raros, tornando-se difícil possuir um exemplar. Ao longo do tempo isso mudou, em várias etapas e por diferentes motivos. Fischer (2006) aponta que a passagem do mundo oral para o letrado ocorreu gradualmente. A Europa ocidental iniciou a transição de uma sociedade oral para uma letrada no início da Idade Média, começando pelas camadas mais altas da sociedade aristocracia e clero e, por fim, incluindo todos os demais cerca de 1200 anos mais tarde (FISCHER, 2006, p.132). A leitura silenciosa foi tornando-se mais comum no século IX, os textos começaram a trazer marcas de pontuação e as linhas eram escritas inteiras por orações e frases, facilitando a leitura. Com a prática da leitura silenciosa, esta passou a ser um ato individual e privado. Tornou-se possível ler em segredo e em silêncio, chegado aos conceitos de modo direto, fazendo com que pensamento corra em um nível superior de consciência. Algo que marcou profundamente a história da leitura, foi a invenção da imprensa, com o surgimento da prensa, que imprimia mais livros em menos tempo, estes aos poucos foram tornando-se algo mais acessível. Fischer (2006) aponta que na Alemanha, em 1450, iniciou-se a Era do Papel, onde os textos passaram a ser impressos. Foi Gutenberg que inaugurou a prensa de parafuso e com isso os materiais, os temas, a linguagem e a prática da leitura começaram a mudar. A invenção de Johann G. Zum Gutenberg de Mainz revolucionou a prática da leitura, pois produzia folhas de papel impressas em massa. Seu objetivo era aumentar as vendas e os lucros. Mas ele acabou criando o método mais eficiente de multiplicar textos escritos, já que ante da prensa os textos escritos eram copiados à mão individualmente, o que dava mais trabalho e aumentava o custo. Entre 1450 e 1500 foram impressos, aproximadamente 27 mil títulos diferentes com esse avanço, a impressão desenvolveu um comercio autônomo próprio, fazendo a produção de cópias à mão terminasse com a Idade Média (FISCHER, 2006, p.192). É importante ressaltar que as primeiras prensas produziam textos curtos, calendários, almanaques e outros materiais. A partir de 1500 havia muitas prensas espalhadas por toda a Europa, com isso foi surgindo uma indústria completa de produção de livros. A imprensa (...) modificou a sociedade de forma fundamental. Oferecendo ao público cópias quase infinitas de textos idênticos, por 6

7 meios mecânicos, ela transformou uma sociedade cujo acesso ao conhecimento era limitado em outra cujo acesso era quase ilimitado. (...) Não seria exagero afirmarmos que o advento da imprensa foi tão importante para a humanidade quanto o domínio do fogo e da roda (FISCHER, 2006, p.196). No século XIX as nações desenvolvidas já tinham a leitura como algo comum, como parte integrante da vida diária das pessoas. Na igreja, nas ruas, nas lojas haviam palavras, nomes e textos a serem lidos. A partir disso percebe-se que a leitura e a escrita, foram sendo construídas historicamente, surgiram a partir da necessidade do registro para que não fosse esquecido facilmente. Lentamente elas foram se aperfeiçoando, tornaram-se mais simples e necessárias, ganharam força e tornaram-se indispensáveis na vida de muitas pessoas, principalmente daquelas que vivem nas sociedades letradas e necessitam da leitura e da escrita a todo momento para comunicação, informação, lazer e outros. Ao falar sobre a importância da leitura e também da escrita, para quem vive em sociedades modernas entramos na questão do letramento, ou seja, pensamos no que faz uma pessoa ser letrada e por que isto é desejável. Antes de tudo é preciso caracterizar o que se entende por letramento. Magda Soares (2002), em seu livro letramento um tema em três gêneros considera que a palavra letramento é a versão para o português da palavra da língua inglesa litercy. Esta por sua vez, significa a condição de ser literate, que significa educado, especialmente capaz de ler e escrever (p.17). Soares (2002) explica que literacy é o estado de quem sabe ler e escrever. Juntamente com esse conceito está a idéia de que a escrita traz conseqüências sociais, culturais, políticas econômicas, cognitivas e lingüísticas para o sujeito e para o grupo no qual está inserido. Sendo assim, o indivíduo letrado adquiriu o estado de quem se apropriou da leitura e da escrita, incorporando-as como práticas sociais. A nova palavra (que já existia, mas que ganhou um novo significado), só agora tornou-se necessária, pois para ser letrado não basta saber ler e escrever, é preciso saber fazer uso da leitura e da escrita, respondendo às exigências da sociedade. A partir dessas considerações é possível entender o fato de um analfabeto (aquele que não sabe ler nem escrever) poder ser letrado, se fizer uso da leitura e da escrita com a ajuda de alguém que possui estes aprendizados e o auxilia lendo jornais e 7

8 correspondências, lendo livros, escrevendo cartas, etc. Nessas condições o analfabeto pode ser letrado, pois utiliza a leitura e a escrita e se envolve nessas práticas sociais. Por fim a autora conceitua letramento como sendo: resultado da ação de ensinar e aprender as práticas sociais de leitura e escrita. O estado ou condição que adquire um grupo social ou um indivíduo, como conseqüência de ter-se apropriado da escrita e de suas práticas sociais. (SOARES, 2002, p.39) Por fim é preciso considerar que aquele que se apropria da leitura e da escrita, torna-as próprias, assumindo-as como propriedade e as incorpora em sua vida, fazendo uso contínuo dessas práticas. Sendo assim, Soares (2002) aponta que uma pessoa alfabetizada não é necessariamente letrada, pois ela pode não utilizar a leitura e a escrita em suas atividades diárias. Paulo Freire foi um dos primeiros educadores a escrever sobre o poder revolucionário do letramento. Quando afirmou que o educando pode usar a leitura e a escrita para tomar consciência da realidade, e transformá-la, onde o letramento liberta ou domestica o homem. A partir do que foi discutido anteriormente o papel de realizar o letramento é da escola, já que muitas crianças não possuem contato com as práticas da leitura e da escrita em suas casas. Soares (2002) aponta que na escola o letramento é mais um processo do que um produto, dessa forma a escola pode avaliar o progresso de seus alunos, não precisando escolher um único ponto que defina se o aluno é letrado, ou não. Mas o problema é que o conhecimento escolar é fragmentado, assim algumas habilidades e práticas de leitura e escrita são selecionadas e então, organizadas em grupo, ordenadas e avaliadas periodicamente, através de um processo de testes e provas tanto padronizadas, quanto informais (SOARES, 2002, p.85). Britto (2003) é outro autor que discute um pouco sobre o valor da leitura para o ser humano, refletindo se a leitura seria realmente um requisito essencial para participação na sociedade. Em relação à falta de leitura, Britto acredita que grande parte desse problema é causado pelas condições de acesso ao livro e à informação e não pela falta de vontade e interesse das pessoas. Para Britto (2003) a escrita possibilitou a formalização do pensamento, onde a memória passou a ser registrada. Esse processo permitiu o avanço das ciências e 8

9 estabeleceu uma cultura da escrita, que por sua vez fez emergir novos produtos culturais e novas formas de participação na sociedade. Essas observações remetem à percepção de que o fenômeno da cultura escrita ou mais exatamente, da sociedade de cultura escrita tem uma dimensão que vai além daquela em que se situam os indivíduos. O desenho urbano, as formas de interlocução no espaço público, as expressões de cultura, os princípios e constrangimentos morais, as leis, a organização da indústria e do comércio, tudo isso é parte da sociedade de cultura escrita (BRITTO, 2003, p.50) Quanto mais o sujeito participa da cultura escrita, mais ele utilizará textos escritos e realizará uma leitura autônoma deste conviverá melhor com raciocínio abstrato e utilizará a escrita para registro próprio. Nas palavras do autor: Por isso pode-se dizer que participar da sociedade de escrita implica conhecer e poder utilizar os objetos e discursos da cultura escrita, o que implica deter a informação, saber manipulá-la e inseri-la em universos referenciais específicas (BRITTO, 2003, p.51). Mais uma vez voltamos à questão de que a leitura precisa se ensinada nas escolas, pelos professores, nessas condições o professor tem um papel de grande importância de formador do leitor. No ensino da leitura e no processo de formação do leitor é de grande importância o papel do professor, que para formar leitores precisa ser também um leitor, pois só assim ele conseguirá transmitir aos alunos, a importância da leitura e como ler pode ser interessante e divertido. Muitos pesquisadores tem se atentado para a leitura dos professores e dos futuros professores (o que estes tem lido, textos teóricos? literatura? são leitores?) Ane-Marie Chartier (1999) é uma autora que trata sobre a falta de leitura dos futuros professores, para ela, estes lêem poucos livros, além dos exigidos para sua formação. Muitos alunos consideram desperdício de tempo se dedicar à outras leituras que não dizem respeito à suas disciplinas. Isso pode ser conseqüência do grande número de leituras indicadas e exigidas pelos formadores de professores, aponta Chartier (1999), muitos livros indicados são aqueles que o professor não tem tempo para trabalhar na sala de aula, que indica como leitura extra. Além das leituras os futuros professores ainda precisam 9

10 freqüentar as aulas, fazer estágios e trabalhos, sobrando pouco tempo para leitura por fruição. 10 Chartier apresenta três tipos de leituras que considera essenciais: Leitura universitária, de textos de informação e reflexão em campos disciplinares definidos; Leitura de textos prescritivos que podem ser usados em sala de aula, fichários, manuais, preparações de seqüências publicadas em revistas, etc. e Leitura da cultura profissional, ou seja, leituras de debates atuais sobre o papel da escola, por exemplo. É possível perceber, também, que o problema da leitura se inicia já na formação dos professores, e continua durante a vida profissional, é fácil encontrar pesquisas muitas vezes divulgadas pela mídia, dizendo que os professores não lêem, escrevem mal e que não são capacitados para exercer a profissão. Batista (1998) fala sobre as diversas pesquisas que concluem que os professores não são leitores, que ao serem entrevistados não conseguem citar obras, autores ou nomes de revistas que costumam ler. Para o autor isso revela que o professor tem sido excluído da cultura escrita, e que não a utiliza, fato que dificulta a formação de alunos leitores, não contribuindo de modo positivo para sua inserção destes no mundo da cultura escrita. Ao refletir se os professores são leitores Batista chega à conclusão que eles aos leitores, devido à algumas constatações. Como o fato dos professores viverem dentro de uma sociedade letrada, e é improvável que eles não sejam leitores, já que estão inseridos em maior ou menor grau nesta sociedade. Muitos cursos de licenciatura não formam o professor que consiga estabelecer uma relação não-escolar com a leitura, dessa forma ele não se apropriou da cultura legítima. E por fim, apesar desse fracasso relativo sua imagem como leitor é atacada a todo momento pela imprensa, pela pesquisa e pelos formadores de professores. nas palavras do autor: Para Batista os docentes precisam acreditar no seu papel e no seu trabalho, mas os docentes devem, ao mesmo tempo, criar para si mesmos e para os outros a crença em suas competências em matéria de cultura legítima, evitando denunciar a si mesmos e ao blefe cultural que na verdade mantêm (BATISTA, 1998, p. 58) Britto (1998) também participa da discussão fazendo a famosa pergunta É o professor um não-leitor?, sabendo que esta é quase uma ofensa para os educadores, pois atualmente, ser leitor é uma qualidade positiva, que torna as pessoas mais críticas e

11 conscientes. Com isso, ser um não-leitor seria uma situação vergonhosa, principalmente para um professor, que cursou ensino superior, em uma instituição baseada na cultura letrada. Mas para Britto (1998) só é possível compreender devidamente os dados e se for considerado as condições do exercício da profissão e da formação e comportamento intelectual do professor. Isto é, cabe ainda explicar por que o professor não lê, se é que não lê (p. 62) Antes de continuar é preciso explicar o que significa para Britto a expressão não-leitor. A leitura está presente em todos os lugares da vida moderna, a multiplicação dos materiais escritos e desenvolvimento dos meios de comunicação impõe a toda população a necessidade da leitura, nesta sociedade procedimentos e regras são estabelecidos e administrados pela escrita. Assim para ser leitor é preciso mais do que conhecer o código escrito, ou ter domínio de certos protocolos sociais de base escrita. O leitor é quase sempre retratado como alguém imerso na leitura, que lê por prazer, distante da situação real, vivenciando as emoções e sentimentos descritos em seu livro. Nas palavras do autor: 11 o leitor será alguém que tenha o hábito de ler, hábito gratuito, quase sempre ligado à curiosidade intelectual ou a tipo superior de entretenimento e da reflexão, e acima um comportamento individual. Ler reconforta, instrui, permite o recolhimento e o autoconhecimento (BRITTO, 1998, p ). A partir desta concepção o professor seria um não-leitor, por não possuir o hábito gratuito da leitura, ou por não gostar de ler. Mas estas concepções apresentadas aponta o tornar-se leitor como um ato individual, é um hábito que cada um deve adquirir, ignora o fato da leitura ser uma prática social inscrita nas reações histórico-sociais. Para se tornar leitor o sujeito precisa ler com certa desenvoltura, mas principalmente precisa incorporar um conjunto de valores e de representações que o permitam ingressar, e ingressar apropriadamente, no universo da leitura (BRITTO, 1998, p. 69) Leitor é aquele que possui domínio do código escrito e que tenha domínio dos códigos e valores da cultura escrita. A leitura é, portanto, uma forma de

12 conhecimento e de inserção social articulada com outros conhecimentos e expressões da cultura. Britto (1998) aponta que as classes sociais privilegiadas possuem um padrão de leitor que além de possuir o domínio da leitura, adquire comportamentos específicos e até profissões características. Neste caso a leitura representa um capital cultural/individual com valor de mercado e de status na sociedade. Na escola cabe ao professor transmitir conhecimentos já estabelecidos e legitimados para os alunos, para isso é preciso que o professor tenha total domínio desses saberes, conhecendo também diferentes formas de ensiná-los. É fácil perceber que os professores do ensino fundamental tem menores salários, menor tempo de formação e é este professor que atua nos primeiros anos de escolarização. Sobre a questão se o professor é ou não um não-leitor, Britto aponta que o professor não é um não-leitor, pois vive em uma sociedade letrada, convive e manipula diversos materiais escritos. Mas isso não faz do professor propriamente um leitor, pois sua leitura limita-se basicamente à materiais da cultura escolar (como livros didáticos e paradidáticos). Quando se lê livros literários são voltados para a idade de seus alunos. É certo que o professor não se encaixa nos modelos de leitor apresentados anteriormente (que lêem por prazer, em momentos de fruição). O professor como cidadãos tem pouco acesso a textos literários, devido sua condição socioeconômica e também por questões culturais. Com isso Britto (1998) chega à seguinte conclusão; mais do que ser leitor ou não-leitor, o professor é um leitor interditado. Isso por que o professor aos poucos foi sendo excluído do mundo e das práticas de leitura, o trabalho, o tempo, os baixos salários, foram fazendo que o professor deixasse de ser aquele leitor, conceituado historicamente como que lê horas e horas por prazer, sem compromisso a não ser com si mesmo e com o livro. Como já foi apontado por Batista (1998) o professor costuma ler materiais próprios do mundo escolar, e também utiliza a escrita dentro da escola, nas práticas próprias da escola. Como já foi citado é difícil falar que um professor não lê, devido o lugar onde ele se encontra na sociedade, mas é possível falar que o professor já não representa mais aquele leitor que lê por simples prazer, como apontou Britto (1998). Ao falar sobre a formação do leitor, é muito importante considerar como os professores vê realizando o trabalho com leitura na escola. 12

13 Normalmente os trabalhos realizados na escola não demonstram preocupação com a formação do gosto do aluno pela leitura, se preocupando muito mais com o cumprimento de tarefas, como fichas de leitura ou interpretação de textos do livro didático. Além disso, a escola se preocupa muito com a leitura oral dos alunos, com a boa dicção, para que estes leiam em voz alta corretamente, mas não há nenhum tipo de preocupação com a compreensão do texto lido, que vá além dos exercícios do livro didático. Souza e Santos (2004) apontam que o gosto pela leitura se constrói por meio de um longo processo em que sujeitos desejantes encontram nela uma possibilidade de interlocução com o mundo (p.81), as autoras ressaltam que o ato da leitura proporciona uma maior compreensão da realidade e do mundo que se vive. Sendo assim, para que se forme o leitor na escola, as autoras apontam que o professor precisa ser mediador entre os alunos e os materiais de leitura, que incentive os alunos a ter maior contato com os livros. Para isso é necessário que o professor também seja um leitor, que também goste de ler, para transmitir aos alunos o gosto e o interesse pela leitura, reconhecendo bons materiais de leitura, que agradem seus alunos. É importante ressaltar que para formar o leitor que aprecie obras consagradas não pode-se impor leituras ao sujeito todo momento, é preciso que o leitor escolha seus próprios livros e em alguns o professor pode sugerir alguma leitura que considere importante. É preciso dar liberdade ao leitor, para que ele escolha aquilo que lhe interessa, pois se ele tiver muitas leituras impostas ao invés de se tornar um leitor, este terá repulsa pela literatura e pelos livros. A escola constitui um espaço privilegiado para a formação do leitor, e para que isso aconteça é preciso que ela promova o contato dos alunos com livros de caráter estético, estes permitem à criança vivenciar a história e as emoções, colocando-se em ação por meio da imaginação (SOUZA e SANTOS, 2004, p.81), tendo assim, uma visão mais crítica do mundo. Não é possível realizar esse trabalho utilizando livros didáticos e paradidáticos (estes combinam informação com ficção). Por sua vez, estes são os materiais mais utilizados na escola, e como aponta Souza e Santos (2004) esse tipo de obra é pedagogizante, pragmática e tenta converter a narrativa artística em um artefato de utilidade imediata (p.82). 13

14 Ou seja quando se trabalha com a leitura não é recomendado fazer relações com outros conteúdos trabalhados em sala de aula, a leitura precisa ser trabalhada de maneira agradável atendendo aos interesses e necessidades dos alunos. Não é preciso ressaltar os sentidos da obra, pois cada um interpreta da maneira como lhe for possível, agradável e necessário. O uso de livros didáticos e paradidáticos e a falta de leituras do professor revelam vários problemas presentes na escola, segundo Souza e Santos. As autoras também consideram que muitas escolas não possuem bons livros de literatura para serem utilizados pelos professores, que acabam utilizando o que tem em mãos. Outro fator possível de ser verificado é a falta de formação específica do professor para o trabalho com literatura infantil (como escolher bons livros, de acordo com os interesses da criança e como realizar o trabalho em sala de aula). Souza e Santos (2004) consideram que uma alternativa possível para começar a resolver os problemas da leitura na escola seria formar o professor, inicialmente, como leitor de literatura infantil, instrumentalizá-lo para estabelecer relações dialógicas entre texto e leitor (p. 84). Dessa forma o professor seria um conhecedor da literatura infantil e poderia reconhecer nestas obras discussões e temas diversos para serem incluídos em suas aulas. CONSIDERAÇÕES FINAIS Atualmente a leitura chegou às telas dos computadores, milhares de pessoas têm acesso à internet e realizam a leitura para se informar e também podem baixar diversos livros e diversos outros tipos de materiais pelo computador. Livrarias e até algumas bibliotecas públicas tem se preocupado em oferecer ao leitor um espaço agradável, onde ele tenha autonomia para escolher o livro de sua preferência. Portanto é interessante para escola se atentar para o ensino da leitura, não como apenas emitir o som das palavras corretamente, e sim ensinar a compreender o texto lido. Fazendo com que os alunos compreendam o que é lido, percebendo a mensagem transmitida pelo texto e consciente do porque aquela mensagem está sendo transmitida daquela forma. Dessa forma a escola estará formando um leitor capaz de conhecer e dialogar com diferentes obras, sendo capaz de reconhecer o valor de cada uma. 14

15 Sabe-se que para se formar alunos leitores é preciso que os professores sejam também leitores, pois só um professor que conhece literatura consegue transmitir o prazer que a leitura pode oferecer e como esta também é importante para a vida moderna. Além disso um professor leitor reconhece bons materiais para serem oferecidos aos alunos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AGUIAR, Vera Teixeira de. O leitor competente à luz da teoria da literatura. Revista Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro, BATISTA, A. G. Os professores são não leitores?. In: MARINHO, M. & SILVA, C. S. R. da. Leituras do professor. Campinas: Mercado das Letras, BRITTO. L. P. Leitor interditado. In: MARINHO, M. & SILVA, C. S. R. da. Leituras do professor. Campinas: Mercado das Letras, BRITTO, L. P. Sociedade e cultura escrita, alfabetismo e participação. In: RIBEIRO, V. M. Letramento no Brasil. São Paulo: Global, CAGLIARI, L. C. Alfabetização & Lingüística. São Paulo: Scipione, CHARTIER, A. M. Os futuros professores e a leitura. In: BATISTA, A A. G. & GALVÃO, A. M. de O. (orgs.) Leitura, práticas, impressos, letramento. Belo Horizonte: Autentica, FISCHER, Steven R. História da leitura. Tradução: Cláudia Freire. São Paulo: Editora Unesp, SOARES, Magda. Letramento um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica: SOUZA, Renata J. Narrativas infantis: a literatura e a televisão de que as crianças gostam. Bauru, EDUSC,

16 SOUZA, Renata J. & SANTOS, Caroline C. Silva dos. A leitura da literatura infantil na escola. In: SOUZA R. J. (org.) Caminhos para a formação do leitor. São Paulo, DCL,

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais

Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais "LETRAR É MAIS QUE ALFABETIZAR" Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais Nos dias de hoje, em que as sociedades do mundo inteiro estão cada vez mais centradas na escrita,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Kelly Cristina Costa Martins 1 Simônica da Costa Ferreira 2 Introdução Nos dias atuais percebemos

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS Driely Xavier de Holanda Kátia Fabiana Lopes de Goes Valmira Cavalcante Marques Regina Celi Mendes Pereira Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UMA ANÁLISE ACERCA DOS CONCEITOS.

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UMA ANÁLISE ACERCA DOS CONCEITOS. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UMA ANÁLISE ACERCA DOS CONCEITOS. Gersivalda Mendonça da Mota (Universidade Tiradentes) historiagerssyn@hotmail.com Carlos Vinícius de Farias (Universidade Tiradentes) Alfabetizar

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

TEORIA DA MEDIAÇÃO DE LEV VYGOTSKY

TEORIA DA MEDIAÇÃO DE LEV VYGOTSKY TEORIA DA MEDIAÇÃO DE LEV VYGOTSKY Sérgio Choiti Yamazaki Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Lev Semenovich Vygotsky (1896-1934) estudou literatura na Universidade de Moscou, interessando-se primeiramente

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS RESUMO Juliana Candido QUEROZ (Bolsista) 1 ; Natália SILVA (Bolsista) 2, Leila BRUNO (Supervisora) 3 ; Sinval Martins S. FILHO (Coordenador)

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA

OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA OS SENTIDOS DO LER E ESCREVER NA SOCIEDADE E NA ESCOLA JOSE MABEL PEREIRA LOPES DAS NEVES (UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS). Resumo A pesquisa tem como objetivo conhecer quais os saberes que as ingressantes

Leia mais

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS REFERÊNCIA: LEFFA, Vilson J. ; LOPES, Rita de Cássia Campos. Determinação sócio-lingüística do conceito de leitura. 46 a Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Vitória, 17 a 22 de

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA GT 13 - DIÁLOGOS ABERTOS SOBRE A EDUCAÇÃO BÁSICA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA Daniella

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID Michele Dalzotto Garcia Acadêmica do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Centro- Oeste/Irati bolsista do PIBID CAPES Rejane Klein Docente do

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

A LITERATURA ESCOLARIZADA

A LITERATURA ESCOLARIZADA Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia N. 12, JAN/JUN 2012 A LITERATURA ESCOLARIZADA Raylla Portilho Gaspar 1 RESUMO Esse artigo

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Henrique Innecco Longo e-mail: hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas Escola de Engenharia,

Leia mais

Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio

Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio 1. Substitua as palavras destacadas e copie as frases, tornando os fragmentos abaixo mais elegantes, além de mais próximos à língua padrão e à proposta

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM

CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM CARRENHO, Silvanira migliorini 1 KIMURA, Marcia Regina de Souza 1 VEGAS, Dirce Aparecida Izidoro 1 ANTONIO, Fernanda Peres 2 RESUMO

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Técnicas de Memorização.

Técnicas de Memorização. Como Estudar? Técnicas de Memorização. Aprendizagem: dreamstime As estratégias de estudo que adquiriste no ensino secundário devem ser adaptadas ao ensino superior. Existem disciplinas com forte componente

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA Avaliação Da Prática Docente A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA PRÁTICA DOCENTE Autora: Maria Peregrina de Fátima Rotta Furlanetti Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Estadual

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br PEDAGOGIA SURDA Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br Alfabetizar alunos com Culturas diferentes é um choque tanto para o professor ouvinte como

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

Competência individual essencial

Competência individual essencial Competência individual essencial Introdução Objetivo Reflexão e aprofundamento sobre o processo básico da comunicação, a fim de que haja maior exatidão na compreensão do significado daquilo que se quer

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

/(,785$(&,'$'$1,$ $d (6&2/$%25$7,9$6( 352&(6626)250$7,926

/(,785$(&,'$'$1,$ $d (6&2/$%25$7,9$6( 352&(6626)250$7,926 /(,785$(&,'$'$1,$ $d (6&2/$%25$7,9$6( 352&(6626)250$7,926 CONSELHO EDITORIAL Luiz Percival Leme Britto (Universidade Federal do Oeste do Pará) Diógenes Buenos Aires de Carvalho (Universidade Estadual do

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral ENSINANDO A LER: AS ESTRATÉGIAS DE LEITURA SILVA, Joice Ribeiro Machado da 1 RESUMO Buscamos nessa pesquisa compreender como a criança poderá se tornar uma leitora competente através do letramento literário.

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO por Wesley José Silva Setembro, 2004 A informática hoje vem sendo uma das soluções a ser implantada na didática de ensino aprendizagem, tendo como

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros Alfabetização e letramento Professora : Jackeline Miranda de Barros O que é alfabetização? O que é letramento? Qual o melhor método? Como alfabetizar? Para início de conversa, vamos exercitar nossa memória...

Leia mais

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME.

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. Adriane Abrantes Lazarotti 1 Gisele Rogelin Prass ¹ Pedrinho Roman 2 RESUMO A educação está buscando soluções para problemas

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

PROJETO DE VIDA O PAPEL DA ESCOLA NA VIDA DOS JOVENS

PROJETO DE VIDA O PAPEL DA ESCOLA NA VIDA DOS JOVENS PROJETO DE VIDA O PAPEL DA ESCOLA NA VIDA DOS JOVENS O que é ensinado nas escolas prepara os alunos para concretizarem seus projetos na vida adulta? Para achar a resposta, entrevistamos jovens egressos

Leia mais

Trabalho e educação. Vamos aos fatos

Trabalho e educação. Vamos aos fatos Trabalho e educação Vamos aos fatos O maior problema da educação brasileira é o povo brasileiro. Sinto muito, mas esta é a conclusão a que muitos de nossos educadores chegaram. Somos uma nação materialista,

Leia mais

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia PAOLA GENTILE Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia A forma como se lê um texto varia mais de acordo com o objetivo proposto do que com o gênero, mas você pode ajudar o aluno a entender

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais