Visão 2040 Cenários mundiais para a indústria de óleo e gás

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Visão 2040 Cenários mundiais para a indústria de óleo e gás"

Transcrição

1 Visão 2040 Cenários mundiais para a indústria de óleo e gás

2 Para entender as próximas décadas A indústria brasileira de óleo e gás encontra-se em um momento singular em sua história. Com a exploração das reservas da camada pré-sal, o País prepara-se para um salto sem precedentes na produção diária de óleo. Entretanto, para que nossa indústria possa realizar seu potencial na plenitude, é preciso levar em consideração uma série de fatores econômicos, sociais e geopolíticos que influenciam o setor de óleo e gás mundialmente além dos desafios tecnológicos e logísticos envolvidos na extração das reservas. É necessário entender como vão se comportar variáveis importantes como a demanda global por combustíveis, a ascensão de fontes alternativas de energia, as mudanças climáticas, o impacto de conflitos regionais e as tendências de desenvolvimento econômico em diferentes regiões do planeta. O presente estudo, elaborado pelo Centro de Excelência (CoE) de Óleo e Gás da Deloitte em conjunto com a Monitor Deloitte, nossa prática de consultoria em estratégia, procura entender como todas essas (e outras) incertezas podem alterar o panorama da indústria até Espero que esse estudo proporcione aos leitores informações relevantes sobre possíveis cenários do futuro do setor. Atenciosamente, Carlos Vivas Sócio-líder para a indústria de Óleo e Gás no Brasil Para que nossa indústria possa realizar seu potencial na plenitude, é preciso levar em consideração uma série de fatores econômicos, sociais e geopolíticos que influenciam o setor de óleo e gás mundialmente além dos desafios tecnológicos e logísticos envolvidos na extração das reservas.

3 Índice 5 Como ler o estudo 7 As tendências 10 As incertezas críticas 21 Cenários mundiais de óleo e gás para Globalização sustentável 23 Declínio do petróleo 24 Hegemonia dos produtores tradicionais 25 Domínio de fontes fósseis 26 Caso base Deloitte MarketPoint 30 Os megaprojetos brasileiros (e outros desafios) Contatos Lideranças do atendimento à indústria Carlos Vivas Sócio-líder para a indústria de Óleo e Gás no Brasil José Carlos Monteiro Sócio-líder para o relacionamento com a Petrobras Autores deste estudo Eduardo Tavares Raffaini Sócio-líder de Consultoria para a indústria de Óleo e Gás no Brasil Fabio Carneiro Gerente sênior de Consultoria para a indústria de Óleo e Gás no Brasil Jim Garland Gerente sênior da Deloitte MarketPoint Marcelo Soares Gerente da Monitor Deloitte Ricardo Savini Consultor associado do Centro de Excelência de Óleo & Gás no Brasil Rogério Rizzi Monitor Deloitte Visão 2040 Cenários mundiais para a indústria de óleo e gás Estão reservados à Deloitte todos os direitos autorais desta publicação. A reprodução de informações nela contidas está sujeita à autorização prévia, mediante consulta formal e citação de fonte. Para mais informações, contate a Deloitte pelo Visão 2040 Cenários mundiais para a indústria de óleo e gás 3

4 Estratégia para apoiar decisões O estudo Visão 2040 Cenários mundiais para a indústria de óleo e gás usa a metodologia consagrada da Monitor Deloitte de elaboração de cenários para projetar um panorama dos rumos que o setor em questão pode tomar nas próximas décadas. Para tanto, nossos consultores especialistas neste segmento analisaram o contexto atual da indústria e os principais fatores que o influenciam, através do levantamento das principais tendências que devem direcionar mais fortemente os movimentos do setor e também considerando as várias incertezas que podem impactar o mercado. No desenvolvimento dos cenários toda a experiência de nossas equipes de estratégia e da indústria de óleo e gás foi empregada, compondo cenários que levam em conta informações econômicas, questões geopolíticas, dados demográficos e sociais e análises de fatores específicos da indústria de óleo e gás. Nossa metodologia consiste em, primeiramente, elencar as principais tendências e, na sequência, levantar as incertezas críticas, que são os fatores com maior nível de imprevisibilidade. Do cruzamento das tendências e incertezas, são criados os cenários narrativas plausíveis para o intervalo de tempo em questão. Ao final, apresentamos a visão mais provável sob o nosso ponto de vista, denominado cenário-alvo, o qual é detalhado e quantificado. Incluímos também nos cenários análises da realidade da indústria brasileira, com as devidas contextualizações, ajudando os competidores locais a entender as consequências dos movimentos descritos no estudo. Essa variedade de informações é tratada com a conhecida habilidade da Monitor Deloitte, líder mundial de consultoria estratégica no desenvolvimento de estratégia corporativa baseada em cenários. A capacidade de entender as múltiplas variáveis que vão determinar os caminhos do segmento de óleo e gás é fundamental para um planejamento de longo prazo. Temos a capacidade de compreender o cenário atual, de entender quais são as forças fundamentais que agirão sobre este cenário nos próximos anos e de apoiar a indústria na construção de estratégias multidisciplinares. Boa leitura! José Carlos Monteiro Sócio-líder para o relacionamento com a Petrobras A capacidade de entender as múltiplas variáveis que vão determinar os caminhos do segmento de óleo e gás é fundamental para um planejamento de longo prazo. 4

5 Como ler o estudo Centro de Excelência (CoE) de Óleo & Gás, localizado no Rio de Janeiro Poucas áreas da economia são tão voláteis literal e figurativamente quanto o setor de óleo e gás. A multiplicidade de fatores que influenciam os rumos da cadeia produtiva do petróleo é imensa, tornando a tarefa de elaborar estratégias e planos de ação um grande desafio. Avanços tecnológicos, oferta e demanda, preços, modelos de negócio, sustentabilidade, evolução demográfica, conflitos armados e disputas geopolíticas; essas são apenas algumas das variáveis que devem estar no horizonte, ano a ano. E como mapear as mudanças que o mercado reserva a seus atores em um futuro ainda mais distante, em um segmento com altos custos de produção e retornos de longo prazo e no qual o planejamento de longo prazo é essencial? Para um panorama tão complexo, não há bola de cristal. Mas há cenários: conjuntos de hipóteses que, em vez de tentar prever o futuro, descrevem uma gama de possibilidades. São projeções elaboradas, baseadas em dados que, estudados hoje, podem levar as empresas a tomarem melhores decisões. Os cenários dão ênfase a descrições do ambiente externo (em lugar do foco no contexto interno das empresas). Empregam técnicas narrativas que instigam a pensar em situações inesperadas e desafiam o senso comum, mas sempre mantendo a plausibilidade. E, quando bem articulados, oferecem um guia que possibilita aos gestores reconhecerem as mudanças que estão por vir e prepararem-se com antecedência. Os cenários combinam informações de três ambientes distintos. Do ambiente contextual, decorrem dados sobre mudanças socioeconômicas, avanços tecnológicos e movimentos geopolíticos. Do ambiente da indústria, são compiladas informações sobre mercado, clientes, competidores, produtos, serviços e operações. E o ambiente organizacional provê conhecimento sobre a empresa que vai utilizar o cenário em sua estratégia. A esse conjunto de dados, unem-se as tendências fatores que irão afetar o futuro em maior ou menor grau, e sobre cuja ocorrência tem-se relativa certeza e as incertezas críticas fatores que são considerados de maior impacto e sobre os quais ainda paira maior grau de imprevisibilidade. Do cruzamento das informações, tendências e incertezas críticas, surgem os panoramas delineados pelos cenários, que podem ser usados para desenvolver e testar estratégias, gerar ideias inovadoras, aperfeiçoar processos, mitigar riscos e trazer mais clareza às decisões. Esta publicação sumariza os cenários que a Monitor Deloitte delineou para responder às seguintes perguntas: quais são as principais incertezas e tendências envolvidas nesse contexto? Como essas tendências e incertezas vão influenciar o futuro? Quais são as principais implicações desses cenários para a indústria nacional? Em resumo, qual é o contexto mundial no qual a indústria brasileira de óleo e gás vai se desenvolver até 2040? Visão 2040 Cenários mundiais para a indústria de óleo e gás 5

6 Este estudo de cenários está dividido em quatro principais partes: Tendências, Incertezas, Cenários e Nossa Visão. As Tendências sugerem direcionamentos esperados para a indústria. As Incertezas Críticas, fatores sobre os quais há maior grau de imprevisibilidade, são de compreensão essencial, mais do que os capítulos anteriores, pois os cenários serão construídos com base nos extremos das incertezas críticas. Os Cenários descrevem narrativas plausíveis para o futuro em questão, bem como os resultados e implicações dos acontecimentos descritos. Mais uma vez, a compreensão das incertezas críticas é fundamental para o desenvolvimento e compreensão dos cenários. Por fim, a metodologia tradicional de cenários, de natureza qualitativa, recebe um tratamento quantitativo que chamamos de Nossa Visão, em parceria com a Deloitte MarketPoint centro de dados de referência e análise sobre o setor energético, para descrever um cenário distinto utilizando indicadores numéricos. Este capítulo pode ser lido de maneira independente dos cenários descritos anteriormente, mas requer a compreensão ampla dos capítulos iniciais. Uma ótima leitura a todos, Eduardo Tavares Raffaini Sócio-líder de Consultoria para a indústria de Óleo e Gás no Brasil [Cenários] São projeções elaboradas, baseadas em dados que, estudados hoje, podem levar as empresas a tomarem melhores decisões. 6

7 As tendências População mundial por continente ( , em bilhões de habitantes) 5,3 3,21 0,63 1,46 1,3% 6,1 3,71 0,80 6,9 4,16 1,03 Quatro tendências foram identificadas como determinantes para a indústria de óleo e gás, quando se analisam os anos que nos separam de 2040: o aumento de demanda de energia devido a fatores sociodemográficos, o aumento da eficiência energética, o aumento do custo de extração do petróleo e o crescimento da produção de gás natural não convencional na América do Norte. Analisando cada uma dessas macrotendências, os cenários para o futuro tornam-se progressivamente mais claros ,7 4,58 0,8% 8,3 4,88 Projeções 8,9 1,31 1,63 1,99 1,59 1,71 1,81 1,79 1,83 Distribuição da população ( , porcentagem de habitantes vivendo em cada área) , Total Ásia África Outros continentes Rural Urbana 1. Aumento da demanda de energia por fatores sociodemográficos O mundo continuará a demandar mais e mais energia nos próximos anos. Dados do estudo World Urbanization Prospects, concluído pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2011, indicam que a população mundial continuará a crescer a um ritmo de 0,8% ao ano entre 2010 e 2040, saltando de 6,9 bilhões de pessoas em 2010 para cerca de 8,9 bilhões em E esse aumento populacional estará concentrado principalmente na Ásia e na África, que também estarão puxando a crescente urbanização global. Uma população maior, por si só, indica um crescimento da demanda de energia. E um maior contingente de habitantes urbanos também implica necessariamente em aumento do consumo de energia. É interessante notar que apenas muito recentemente em 2009 o mundo passou a ter um maior número de pessoas vivendo nas cidades do que no campo. Entretanto, as projeções da ONU indicam que, até 2040, a população urbana global equivalerá a quase o dobro da população rural. 2. Aumento da eficiência energética Na contramão do aumento da demanda energética devido ao crescimento populacional e à urbanização, surge uma tendência de desaceleração da mesma demanda por conta dos avanços tecnológicos que otimizam o aproveitamento energético. A busca por produtos automóveis, eletrodomésticos, maquinário em geral e dispositivos eletrônicos que consumam menos energia é um dos grandes vetores de inovação da indústria atualmente. Pesquisas do Banco Mundial refletem isso: entre 1980 e 2010, o Produto Interno Bruto global aumentou, mas com um consumo 33% menor de energia. Ou seja, em 30 anos, produziu-se mais riqueza, gastando-se proporcionalmente menos energia. Isso é uma função direta dos esforços bem-sucedidos (das iniciativas pública e privada) para ampliar a eficiência energética Projeções Os países industrializados possuem, para o futuro próximo, metas bem definidas de melhoria da eficiência energética. Nos Estados Unidos, legislações que determinam a produção de automóveis que consumam menos combustível, com efeito para Visão 2040 Cenários mundiais para a indústria de óleo e gás 7

8 veículos fabricados entre 2017 e 2025, devem gerar uma redução de demanda de até 4 bilhões de barris de petróleo durante a vida útil dos automóveis. Na União Europeia, a busca pela redução de emissões vai obrigar as montadoras a fabricarem veículos menos poluentes e mais eficientes. Prevê-se uma redução no consumo médio de 18%, até 2017, e de 40%, até 2020, em comparação com o consumo médio registrado em Aumento do custo da extração do petróleo Por um lado, a demanda vai aumentar, com mais gente morando em grandes cidades. Por outro, a demanda vai cair, com máquinas e equipamentos em geral empregando menos energia. Mas outra macrotendência não terá uma contrapartida: a elevação nos custos de extração do combustível. Fora das reservas do Oriente Médio, a maior parte do petróleo que sobrou a ser explorado, exige operações cada vez mais caras e complexas. As reservas mais expressivas, concentradas na Venezuela, na Rússia e no Canadá, contém óleo pesado ou se localizam em areias betuminosas, dois complicadores que aumentam o custo da exploração. A Rússia, em particular, enfrenta ainda PIB por unidade de energia utilizada ( , PIB PPP por kg de óleo equivalente) ,21 4,25 4,97 5, Mundo +33% grandes desafios operacionais em sua atuação no Ártico (devido às distâncias e às complexidades de perfuração em terra e no mar). São dificuldades semelhantes às encontradas nos campos do Cazaquistão. Na região de Kashagan, no Mar Cáspio, enormes reservas foram confirmadas, mas o custo de extração é igualmente elevado, dadas as dificuldades climáticas, a instabilidade institucional e as deficiências de logística. Os Estados Unidos e a China, combinados, detêm reservas provadas de óleo bruto que chegam a 53 bilhões de barris (segundo dados de 2013 Aumento do custo de extração de petróleo A oferta de petróleo fora do Oriente Médio deve vir principalmente de óleo de difícil extração e, logo, mais caro, como óleo pesado, areias betuminosas, shale oil e águas ultraprofundas Reservas provadas de óleo bruto (2013, Bilhões de Barris) Venezuela Canadá Rússia Cazaquistão Estados Unidos 1 China Brasil ,54 25,58 15,3 173,1 297,5 Rússia ainda possui desafios operacionais 80 na exploração de suas reservas no Ártico Campo de Kashagan no Cazaquistão é considerado o projeto de O&G mais caro do mundo, com custo de mais de US$40 Bn Tipo de reserva predominante/desafio Óleo pesado Areias betuminosas Temperaturas extremas e logística complexa Provável custo de extração (USD/barril) Shale oil Águas ultraprofundas As operações nas grandes fronteiras com reservas ainda inexploradas de petróleo terão um alto custo de desenvolvimento e produção. Não há mais petróleo novo e barato. Michelle Sampaio, diretora de Consultoria para a indústria de Óleo e Gás no Brasil 1 Dados de 2012 para os Estados Unidos e Brasil Fontes: EIA, ODAC, Clippings, Análise Monitor

9 do Departamento de Energia dos Estados Unidos). Nesses países, a maior parte das reservas está na forma de shale oil, que tem custos de extração mais altos do que os de reservas convencionais. O Brasil será uma área de forte crescimento da produção petrolífera nos próximos anos, devido à exploração das vastas reservas do pré-sal. Entretanto, esses recursos encontram-se em áreas offshore ultraprofundas, a cerca de 300 quilômetros da costa, com elevado custo de extração. A costa oeste africana apresenta panorama similar. 4. Crescimento do gás não convencional na América do Norte Fontes não convencionais de gás natural devem continuar a ampliar sua relevância no panorama energético nos EUA e no Canadá. Dados da EIA (United States Energy Information Administration) conferem solidez a essa macrotendência, mostrando que em 30 anos (2010 a 2040), a participação do gás não convencional no total da produção de gás natural nos Estados Unidos saltará de 61% para 79%. Em 2020, o país deverá ter condições de passar a ser um exportador líquido. No Canadá, que é um país exportador, a fatia do shale gas no total da produção será maior ainda em 2040 (84%) do que nos Estados Unidos. Haverá crescimento da produção de gás não convencional em outros pontos do globo, mas não na escala verificada na América do Norte. Por essa razão, incluímos esse crescimento fora da América do Norte como uma incerteza e não uma tendência. Produção de gás natural nos Estados Unidos e Canadá (em trilhões de pés cúbicos; projeções) 8 Estados Unidos 33 Canadá 1, ,7 27 7,6 29 7,5 30 7,2 31 7,1 6, ,5 1,2 7 1,2 6,7 8,2 12,8 16,3 19,4 21,5 22,8 23,9 26,1 2,7 2,3 2,2 2,8 4,0 4,5 4,8 5, Fontes convencionais Fontes não convencionais Total da produção Comércio líquido de gás natural nos Estados Unidos e Canadá (em trilhões de pés cúbicos; projeções) Estados Unidos Canadá 0,1 1,6 2,1 2,5 3,6-2,6-1, ,5 1,9 1,8 1,8 2,0 2,3 2, Importação líquida Exportação líquida Fontes: EIA, Análise Monitor Deloitte Visão 2040 Cenários mundiais para a indústria de óleo e gás 9

10 As incertezas críticas Cinza As incertezas críticas que pairam sobre o futuro da indústria de óleo e gás podem ser divididas em dois eixos principais. O primeiro se refere ao ambiente político-econômico global. Quais são os fatores do panorama geopolítico que poderão causar maior impacto à indústria de óleo e gás até 2040? O mundo caminha para uma fase de desenvolvimento econômico e relativa estabilidade política global? Ou veremos a eclosão de conflitos em diversas regiões, atravancando o avanço da economia mundial? De onde surgirão as novas crises e os novos surtos de industrialização? O segundo eixo trata da competitividade das fontes de energia. Observa-se hoje a contraposição entre combustíveis de origem fóssil, caso da indústria de óleo e gás, e as fontes renováveis. Hoje, a dependência do petróleo é grande em quase todas as atividades produtivas, mas como será esse contexto em 2040? Mudanças climáticas, viabilidade econômica de fontes alternativas e avanços tecnológicos terão papel importante nessa discussão. Crescimento ordenado Ambiente político-econômico mundial Competitividade de fontes de energia Estagnação conflituosa Verde Ambiente político-econômico mundial: estagnação conflituosa ou crescimento ordenado Nos cenários estudados nesta publicação, o eixo que engloba as incertezas sobre a situação geopolítica global até 2040 tem dois extremos. Em um deles, as tensões políticas regionais se acirram, dificultando o livre comércio e diminuindo a produção de riqueza. Seria um estado denominado estagnação conflituosa. Na outra ponta do eixo, um ambiente político mais pacífico cria condições para um período prolongado de bonança econômica. Teríamos então um crescimento ordenado, com a retomada da integração de mercados globais, o estabelecimento de novos acordos multilaterais entre países e a resolução das negociações em curso na Organização Mundial do Comércio (OMC). A indústria de óleo e gás é severamente influenciada pelo contexto geopolítico. Tempos mais estáveis oferecem condições favoráveis para o atendimento da demanda energética. Em contraposição, períodos marcados por guerras e disputas podem levar a oscilações drásticas de oferta e preço do combustível. Exemplos relativamente recentes foram as crises do petróleo de 1973, 1979 e 1990 todas com um forte componente político envolvido, resultando em fortes altas do preço do barril. De modo correlato, o aumento na demanda por energia geralmente acompanha ciclos de crescimento econômico (que se beneficiam da estabilidade política), enquanto períodos de recessão (que tendem a ocorrer durante turbulências institucionais) reduzem a demanda. Nos países de democracia jovem, como aqueles impactados pela Primavera Árabe, há hoje muita incerteza geopolítica, o que impacta o mercado de óleo e gás Marcelo Soares, gerente da Monitor Deloitte 10

11 Para onde vão os emergentes O desenvolvimento econômico experimentado nas últimas duas décadas pelos países emergentes assumirá novos aspectos daqui em diante. O ritmo de crescimento da China é uma das principais incógnitas para os próximos anos (veja no gráfico abaixo). Com taxas de elevação do PIB que ultrapassaram 10% na década passada, a economia chinesa trouxe a reboque altas demandas por matérias-primas e combustíveis. Desde 2007, essa velocidade vem diminuindo, levando fontes como a BBC a criar termos como demanda global anêmica para rotular a consequente queda nas importações necessárias para o crescimento chinês. Entender a extensão dessa anemia para o resto do mundo é importante para a indústria de óleo e gás. Outro dos emergentes asiáticos, a Índia, pode assumir o papel de locomotiva global. Os níveis de crescimento econômico do país nos últimos anos foram comparáveis aos da China, mas ainda falta suprir uma enorme carência de infraestrutura que impede uma maior aceleração (veja no gráfico abaixo). Investimentos em educação e saúde pública também são essenciais. Aí reside outra incerteza: durante este novo ciclo de construção de infraestrutura, até onde irá a capacidade indiana de investir nesses setores e levantar as demandas mundiais novamente? Taxa de crescimento do Produto Interno Bruto chinês , Porcentagem de crescimento anual do PIB 14,2 12,7 7,6 8,3 9, ,1 11,3 9,6 9,2 10,4 9,3 7,7 7, Fonte: Banco Mundial; Fundo Monetário Internacional (FMI) Comparação de Índices de desenvolvimento e infraestrutura entre Índia e China Tráfego de containers em portos (2010, MM TEUs) 9,8 130,3 População coberta por saneamento básico (2010, %) 34,2 64,8 Taxa de alfabetização (2010, %) 62,8 95,1 Índia China Visão 2040 Cenários mundiais para a indústria de óleo e gás 11

12 Algumas outras forças surgem como atores prováveis no bloco dos emergentes. São economias que, junto à Índia, poderiam iniciar um novo ciclo de crescimento global. Na América Latina, o Brasil, México e Colômbia; entre o Oriente Médio e a Europa, a Turquia; e no Sudeste Asiático, Vietnã, Malásia e Indonésia. Todos apresentam como potencial vantagem a proximidade de grandes centros econômicos e um forte crescimento demográfico, o que contribui com a força de trabalho e com o mercado consumidor. Entretanto, assim como a Índia, todas essas nações precisam sanar lacunas básicas de infraestrutura e elevar seus patamares de produtividade. Uma nova ordem econômica mundial Uma série complexa de fatores interligados pode levar o mundo a uma situação na qual um baixo crescimento econômico seria uma realidade persistente e predominante (veja no gráfico da pág. 13). O envelhecimento médio da população global como um todo a tendência de aumento da expectativa de vida é comum em praticamente todos os países causa uma pressão na chamada razão de dependência de cada nação. A razão de dependência é a relação matemática entre o número de pessoas economicamente ativas e o número de pessoas economicamente dependentes. Uma razão menor isto é, um número crescente de ativos, contra um contingente reduzido de dependentes tende a sinalizar melhores condições para o desenvolvimento econômico, a chamada janela de oportunidade demográfica. É a situação em boa parte dos países emergentes, incluindo o Brasil. Para as principais economias industrializadas, a razão de dependência está aumentando, o que significa que esses países atravessaram sua janela de oportunidade demográfica (veja no gráfico da pág. 13). Agora, sua população está envelhecendo e seu crescimento demográfico está em queda, o que representa uma menor força de trabalho e um maior número de pessoas inativas. Outro fator preocupante nas economias avançadas é a persistência de altos níveis de desemprego, que, de acordo com estudos da Organização Internacional do Trabalho (OIT), pode chegar a máximos históricos nos próximos anos, sem grandes perspectivas de melhoria em curto ou médio prazo. Entre 1950 e 2000, a população do Brasil quadruplicou e se concentrou nas cidades. Hoje somos um dos países que envelhece mais rapidamente, e isso traz impactos para o setores produtivo e energético. Rogério Rizzi, da Monitor Deloitte 12

13 Evolução do PIB (% ano a ano, valores constantes) ,2 8,7 7, ,2 3,7 2,8 5,2 3,0 5,3 2,7 5,9 2,7 3,1 5,2 3,0 6,3 3,9 1,7 5,0 3,2 1,4 4,7 3,0 1,3 4,9 3,6 2,2 5,3 3,9 2,3 5,3 3,9 2,1 Economias emergentes Economias avançadas Mundo ,1-0,4 1996/ (projeção) (projeção) (projeção) -3,4 Fonte: IMF World Economic Outlook Evolução da Razão de Dependência ,56 0, ,46 0,29 0,40 0,38 0,35 0,19 0,43 0,25 0,22 0,14 0,06 0,42 0,28 0,26 0,22 0,15 0,14 0,50 0,45 0,38 0,31 0,20 Brasil Índia África China G7 América Latina (exclui Brasil) 1 PEI dividida pela PEA (15-60 anos) ex. se a razão é igual a 1, significa que uma pessoa economicamente inativa é dependente de uma pessoa economicamente ativa (projeção) 2050 (projeção) Fonte: UN Department of Economics and Social Affairs Visão 2040 Cenários mundiais para a indústria de óleo e gás 13

14 Enquanto os EUA pensam em retrair sua presença geopolítica global, vários players Rússia, Irã, China estão atentos às oportunidades que podem surgir para a indústria de óleo e gás. Fábio Carneiro, gerente sênior de Consultoria para a indústria de Óleo e Gás no Brasil Revoltas sociais em democracias jovens A última virada de década trouxe consigo uma exacerbação das tensões sociais em diversos países emergentes. A indústria de petróleo precisa acompanhar essas movimentações com atenção, uma vez que várias delas se concentram em países importantes para a cadeia internacional de óleo e gás, e ainda podem interferir no fluxo normal de oferta e demanda do combustível (veja na tabela abaixo). A chamada Primavera Árabe assume relevância especial nesse contexto. Diversos países no Oriente Médio e no norte da África foram abalados por manifestações populares, indicando a insatisfação com os desmandos e o autoritarismo dos grupos instalados no poder. Ainda em 2009, grandes protestos foram organizados no Irã (membro importante da Opep). Em 2010 e 2011, uma série de levantes derrubou os governos da Tunísia e da Líbia e causou abalos consideráveis na Síria e no Egito. Em 2013, a onda chegou à Turquia. Outros países, incluindo detentores de grandes reservas de petróleo como a Arábia Saudita, o Iraque, o Kuwait e o Bahrein, também foram palco de agitações. Outros países em desenvolvimento fora do Oriente Médio, mas importantes para a indústria, passaram por turbulências. A Venezuela, grande produtor na América Latina, em turbulência política há uma década, sofre desde 2013 com protestos contra o governo, instigados por lideranças estudantis; a crise econômica e a opressão aos partidos de oposição são vistos como os principais motivos da revolta. Uma série de protestos reivindicando melhorias na qualidade dos serviços públicos emergiu em junho de 2013 no Brasil. A Tailândia, uma das economias mais dinâmicas do Sudeste da Ásia na década passada, vive desde 2008 uma grave crise institucional, incluindo protestos populares que foram violentamente reprimidos pelo Estado. Protestos pelo mundo: instabilidade política afetando a indústria Mês/ano País Revolta Abril/2009 Tailândia Protestos contra o governo de Abhisit Vejjajiva que, de acordo com os protestos, não foi eleito de forma democrática Junho/2009 Irã Protestos contra os resultados das eleições e busca pela liberdade de expressão Dezembro/2010 Tunísia Protestos com o intuito de acabar com o regime vigente, fim da violência policial e direitos humanos Janeiro/2011 Egito Protestos reivindicando o fim do regime vigente, liberdade de expressão e mais empregos Fevereiro/2011 Líbia Protestos pela substituição do regime de Kadafi por uma democracia e por mais direitos humanos Março/2011 Síria Protestos contra o regime de Al-Assad, busca de direitos humanos e de democracia Junho/2013 Turquia Protestos em diversas cidades reivindicando direitos humanos e a saída do poder do premiê Erdogan Junho/2013 Brasil Protestos espalhados pela melhoria dos serviços públicos Fevereiro/2014 Venezuela Protestos de estudantes contra a violência, hiperinflação, falta de produtos e opressão aos oponentes Outubro/2014 Hong Kong Protestos por maior participação popular nas próximas eleições em região controlada pela China 14

15 EUA Com crescentes problemas internos, e grande pressão da população, os EUA têm retraído sua participação no cenário mundial Quem será a polícia do mundo? A imprevisibilidade sobre o panorama geopolítico ganha novos contornos quando se considera o papel global dos Estados Unidos. Desde o fim da Segunda Guerra Mundial, os EUA assumiram o papel de polícia do mundo, intervindo direta e indiretamente em Conflitos geopolíticos O desengajamento americano em assuntos externos, a ascensão da China e disputas territoriais regionais poderiam impactar o panorama geopolítico futuro Rússia Procura ampliar sua influência na região da ex-urss, como com a recente anexação da Crimeia Irã Busca consolidar sua influência no Golfo Pérsico, aproveitando o enfraquecimento do Iraque Índia Disputa da região da Caxemira com Paquistão. Ambos são potências nucleares Coreia do Norte Procura criar desequilíbrios regionais, inclusive com os recentes testes de mísseis China Apesar de buscar fortalecimento geopolítico no Sudeste Asiático e na África, ainda é incerto o papel a ser desempenhado pela China no contexto global conflitos regionais e exercendo pressão econômica e política sobre outros países (veja alguns dos conflitos geopolíticos no mapa ao lado). Não se sabe se isso continuará a valer para as próximas décadas. O longo envolvimento das forças armadas do país em conflitos no exterior vem sendo cada vez mais criticado por seu custo em recursos, desgaste político e vidas humanas. Internamente, ainda se recuperam da crise financeira de e enfrentam debates sobre questões como desemprego e a saúde pública (veja no gráfico abaixo). Tudo isso faz com que algumas análises apontem a possibilidade de um gradual afastamento dos Estados Unidos do centro da política internacional. Se no contexto econômico a China se prepara para destronar os Estados Unidos como maior economia do mundo, no debate geopolítico a troca de guarda é menos clara. O país oriental vem procurando assegurar sua hegemonia na África e no Sudeste da Ásia, mas não sinaliza disposição para assumir a função de guardião global. A incerteza se complica diante dos conflitos persistentes em países vizinhos como a Índia e o Paquistão (que estão em disputa pela região da Caxemira) e a beligerância da aliada Coreia do Norte. No limiar entre a Ásia e a Europa, a Rússia tenta estender sua influência aos países da antiga União Soviética; a recente anexação da Crimeia e as intervenções na Ucrânia demonstram essa intenção. Taxa de desemprego (Porcentagem da força de trabalho) ,9 7,5 7,3 8,2 6 5,4 5,9 5,8 5,1 6,0 5,1 6,0 5,3 6,0 5,3 6,0 5,3 Economias emergentes Economias desenvolvidas Mundo 4 Fonte: International Labour Organization Visão 2040 Cenários mundiais para a indústria de óleo e gás 15

16 A energia eólica sempre foi tratada como uma solução de nicho, mas vem crescendo. Já a energia solar apresenta mais eficiência e inovação tecnológica. A principal restrição às novas fontes continua a ser o seu alto custo. Carla Rocha, sócia-líder de IT Advisory para a indústria de Óleo e Gás no Brasil Ainda no âmbito de sobressaltos regionais relevantes à cadeia de óleo e gás, vale lembrar mais uma vez a instabilidade no Oriente Médio. O Irã procura emergir como principal força geopolítica da região, aproveitando-se da queda da influência do Iraque após a intervenção dos Estados Unidos e da instabilidade interna em outros países causada pela Primavera Árabe. Israel continua, como nas últimas décadas, em constante conflito com seus vizinhos; uma fonte permanente de tensão regional. Competitividade entre fontes de energia: um futuro mais cinza ou mais verde? O debate sobre a mudança na matriz energética do mundo é intenso e se tornará ainda mais complexo nos próximos anos. A redução do consumo de combustíveis mais poluentes é apontada como necessária para mitigar os efeitos das mudanças climáticas. Com isso, investimentos em fontes alternativas ganham cada vez mais força. Exemplos de sucesso são o desenvolvimento do mercado de gás natural na América do Norte ou a grande base de veículos com motores flex (que usam etanol ou gasolina ou uma mistura de ambos) no Brasil. Mas apesar dos recentes avanços, essas novas fontes ainda não provaram totalmente sua viabilidade econômica, apresentando ainda custos mais altos que os do petróleo e do carvão, além de escala insuficiente para justificar seu fornecimento no âmbito global. Além disso, faltam políticas sistemáticas de incentivo à adoção dessas energias alternativas. Tudo isso gera várias incertezas sobre o desenvolvimento de uma nova matriz energética, sua aceitação e viabilidade econômica e quais seriam os efeitos sobre o mercado de óleo e gás. O eixo que se desenha em torno dessas questões aponta para dois extremos. Num futuro que denominamos cinza, teríamos uma economia ainda bastante dependente das fontes convencionais, com os combustíveis fósseis tradicionais ainda mantendo a liderança no fornecimento de energia. Na outra ponta, no extremo verde do eixo, veríamos as energias alternativas renováveis e menos poluentes ganhando papel relevante na matriz mundial. Neste panorama, um mercado globalizado de gás natural também emergiria, aproveitando a expansão da produção em vários pontos do mundo. Resposta às mudanças climáticas Evidências de mudanças climáticas de grande escala se tornaram notícias corriqueiras na mídia. Enchentes, derretimento da calota polar, secas prolongadas, aumento do nível do mar e violentos fenômenos meteorológicos como furacões e tempestades suscitam questões. Qual o papel do consumo de combustíveis convencionais nessa história? Como as autoridades mundiais devem reagir diante dessas ameaças cada vez mais palpáveis? Aqui, a incerteza reside sobre o caminho a ser tomado. O Protocolo de Kyoto, que buscou um consenso global em torno de metas de redução de emissões de gases causadores do efeito estufa, expirou em 2012; no mesmo ano, a Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas concordou em estender o Protocolo até A Conferência também fixou para 2015 a deliberação sobre um acordo que sucederia o de Kyoto, e que deverá incluir todos os países do mundo. 16

17 Os subsídios governamentais para novas fontes de energia estão na pauta de discussão, o que pode aumentar o interesse por (e incentivar o uso de) soluções como carros elétricos, geração de energia eólica e placas solares. O mercado de captura e armazenamento de carbono que visa reduzir as emissões de CO 2 geradas por grandes indústrias é outra possibilidade de mitigação. E uma das macrotendências vistas na seção anterior, o aumento da eficiência energética, também pode ter papel neste contexto, junto a novas técnicas de reaproveitamento de energia. Equipamentos que consomem menos reduzem a demanda, o que ajuda a diminuir a geração de emissões. É possível, entretanto, que simplesmente não se tome iniciativa alguma. Os Estados Unidos, um dos campeões de emissões de gases do efeito estufa per capita, nunca ratificaram o Protocolo de Kyoto. Outras economias avançadas, como o Canadá e o Japão, preferiram abandonar o pacto antes de seu prazo de expiração. Ainda restam dúvidas sobre a real extensão da atividade industrial sobre as mudanças climáticas, o que pode justificar uma certa hesitação de Estados e empresas em adotar políticas radicais de cortes de emissões. Desenvolvimento de novas fontes O uso de energias alternativas é uma realidade em Uma realidade para poucos, no entanto. Menos agressivas ao meio ambiente, as fontes alternativas mais promissoras esbarram em um mesmo obstáculo: alto custo de produção, fator que impede sua popularização e tornam incerto seu uso em larga escala (veja na tabela abaixo). A energia eólica demanda grandes investimentos em infraestrutura (aerogeradores, centrais coletoras e de transmissão) para sair do papel. Além disso, para se tornarem economicamente viáveis, os chamados parques eólicos precisam de enormes áreas territoriais. A energia solar também enfrenta a barreira dos custos altos, complicados por um fator adicional: o baixo rendimento. Em comparação com as fontes convencionais, a energia gerada pelas placas solares custa de três a seis vezes mais. O caso das baterias elétricas, alternativa pesquisada para os motores a gasolina de automóveis, apresenta desafios e oportunidades. Assim como os geradores eólicos e os painéis solares, ainda têm custo mais alto em comparação com outras fontes convencionais. A autonomia é baixa e a infraestrutura necessária Barreiras ao desenvolvimento de fontes limpas de energia Energia eólica Altos custos devidos principalmente ao alto capital inicial para a construção de usinas, além da necessidade de grandes áreas para sua implementação para tornar a operação economicamente viável. Energia solar Altos custos de produção das placas solares e o relativo baixo rendimento, que, aliados, tornam o custo da energia gerada de três a seis vezes mais cara que a obtida por fontes convencionais. Carro elétrico Alto custo de produção de baterias, além da dificuldade de fabricar baterias capazes de dar aos carros autonomia para viagens longas. Visão 2040 Cenários mundiais para a indústria de óleo e gás 17

18 Vendas de carros de luxo nos EUA (1º semestre de 2013, unidades vendidas) Tesla Model S Mercedes Classe S Lexus LS Lincoln MKS BMW Série Fonte: Deloitte Review (Charging Ahead: Battery Electric Vehicles and the Transformation of an Industry) para utilizá-las, que inclui a expansão de uma rede de estações de recarga, ainda é precária. Outras incertezas residem na segurança dos usuários, no desempenho dos motores e em questões de sustentabilidade, como o descarte correto das baterias após o fim de sua vida útil. Porém, com a popularização dos smart grids, ou sistemas inteligentes de transmissão de energia, o uso de baterias elétricas pode ser tornar progressivamente mais vantajoso. Com o desenvolvimento de inovações e tecnologias que aumentam a eficiência e por consequência a autonomia dos veículos o exemplo mais visível é o da Tesla Motors, da Califórnia e incentivos governamentais a seu uso subsídios ou mudanças na legislação os automóveis elétricos podem se tornar mais competitivos Novas potências em gás não convencional O shale gas é o tipo de gás encontrado em formações sedimentares de folhelho. Sua exploração é um sucesso comprovado nos Estados Unidos e no Canadá, que detêm grandes reservas. Outros recursos expressivos estão na China, na Argentina, na Argélia e no México. A dúvida é saber se o modelo bemsucedido implantado na América do Norte pode ser replicado em outras partes do mundo. Uma série de requisitos econômicos, geológicos e institucionais precisam ser cumpridos para tanto. Uma cadeia eficiente de exploração, produção e comercialização de gás não convencional depende da formação de uma força de trabalho experiente, complementada por um setor de serviços bem desenvolvido. Para vencer os desafios tecnológicos e operacionais da extração do recurso, a cooperação entre indústria, universidades, laboratórios e demais centros de inovação é indispensável. Os altos custos das operações demandam condições favoráveis de crédito e financiamento. De sua parte, os governos precisam facilitar a atuação das empresas privadas, criando legislações mais favoráveis, oportunidades de cooperação e incentivos fiscais. Por fim, a instalação de uma infraestrutura de processamento e distribuição, viabilizando o acesso aos novos mercados consumidores, é fundamental. Até 2040, uma série de novos competidores deverão se juntar aos Estados Unidos e ao Canadá no mercado. A China anunciou a meta de produzir 100 bilhões de metros cúbicos de shale gas ao ano até A Argentina, que conta com o segundo maior volume de recursos de shale gas do mundo, sedia projetos de multinacionais. No México, que detém o sexto maior recurso global, o fim do monopólio de exploração da estatal Pemex, em julho de 2013, preparou o campo para investimentos estrangeiros. O Tesla é uma realidade: um carro elétrico com alta autonomia e performance. Mas ainda é caro, principalmente pelo custo de produção de sua bateria. Existem estudos para a produção de um modelo popular. Carlos Gagliardi, sócio-líder de IT Consulting para a indústria de Óleo e Gás no Brasil 18

19 Um mercado global de gás natural? É possível pensar na expansão de uma rede internacional de distribuição de gás natural, o que aumentaria a relevância do recurso na matriz energética global. Em adição aos gasodutos e plantas de gás que interligam alguns dos maiores centros produtores a mercados externos, várias outras instalações de grande porte estão sendo construídas nos Estados Unidos e na Austrália, aumentando o fornecimento do combustível (veja na tabela e no mapa ao lado). Algumas incertezas pairam sobre esse potencial mercado mundial. É preciso que a produção global aumente, para ampliar a oferta aos mercados consumidores, e que as possíveis barreiras e especificidades de cada país produtor sejam levadas em consideração nos acordos de exportação. Ainda é necessário mensurar o poder real de competitividade do gás natural liquefeito (GNL) com outras fontes de energia, tendo como base os custos atuais de liquefação, regaseificação e transporte. O papel dos Estados Unidos como exportador também entra na equação. Atualmente, existem restrições legais sobre o volume de gás que o país pode exportar. Mas, hoje, com a aprovação do governo de Barack Obama, algumas grandes instalações de liquefação estão em construção; quando concluídas, serão capazes de exportar gás natural para mercados estratégicos na Europa e na Ásia. A expansão potencial do gás natural pelo mundo Argentina Brasil China México A região de Vaca Muerta abriga o segundo volume de recursos mundiais de shale gas, atrás apenas da China, e tem recebido investimentos de diversos players como Petrobras, ExxonMobil, Chevron e Shell Décimo no mundo em recursos de shale gas, o Brasil licitou blocos de exploração e produção de gás natural não convencional na última rodada da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Com os maiores recursos de shale gas do mundo, o governo chinês traçou a meta de produzir 100 bilhões de m3 em 2020, alavancando fontes não convencionais de gás natural Alteração na Constituição em Julho de 2013 termina com o monopólio da estatal Petroleos Mexicanos (PEMEX), com o objetivo de atrair mais investimentos. O país detém o sexto maior recurso de shale gas do planeta. Fluxo de comércio de gás natural mundial e localização das principais plantas de GNL (2012, Bilhões de metros cúbicos) EUA Sabine 24 Bm 3 /a Peru Peru LNG 6 Bm 3 /a Noruega Skangass LNG 0,4 Bm 3 /a Iêmen Yemen LNG (T2) 4 Bm 3 /a Malásia MLNG Dua Debottleneck 1,6 Bm 3 /a Catar Qatargas III 10 Bm 3 /a RasGas III (T2) 10 Bm 3 /a Qatargas IV 10 Bm 3 /a O aumento no PIB nos últimos anos foi maior nos países em desenvolvimento do que nas economias desenvolvidas, o que pode impulsionar a demanda por energia naquelas regiões. Existentes Projetadas Gasoduto GNL Austrália Pluto LNG (T1) 6 Bm 3 /a Queensland Curtis 11 Bm 3 /a Australia Pacific LNG 12 Bm 3 /a Gladstone LNG 22 Bm 3 /a Gorgon 21 Bm 3 /a Ichtys 11 Bm 3 /a Wheatstone 12 Bm 3 /a Prelude 4 Bm 3 /a Papua-Nova Guiné PNG LNG 9 Bm 3 /a Eduardo Tavares Raffaini, sócio-líder de Consultoria para a indústria de Óleo e Gás no Brasil Visão 2040 Cenários mundiais para a indústria de óleo e gás 19

20 O aumento da produção de gás na América do Norte já começa a atrair indústrias como a de fertilizantes e alumínio para a região. Rafael Delatorre, diretor de Consultoria em Estratégia da Monitor Deloitte Influência dos produtores tradicionais Mesmo diante de tantas incertezas, os principais produtores de petróleo no mundo atual podem continuar a exercer influência decisiva. O papel dos estados membros da Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep) e a recuperação da capacidade produtiva do México surgem como fatores importantes a serem considerados daqui para frente. Projeções da Opep apontam que os países da entidade detinham, em 2012, cerca de 81% das reservas conhecidas de petróleo no mundo. Portanto, devem continuar a ser os maiores fornecedores do recurso. Ainda assim, pairam incertezas sobre o comportamento do mercado. Em diversas ocasiões no passado, a Opep alterou o curso usual da oferta e da procura, organizando embargos nas exportações ou, inversamente, inundando o mercado com óleo (como aconteceu em dezembro de 1980) e forçando a queda do preço (veja na tabela abaixo). No México, a recente mudança na legislação, derrubando o monopólio da empresa estatal Pemex, pode trazer dinamismo à produção. Espera-se que, em 2025, o país esteja produzindo 4 milhões de barris por dia, tornando-se o quinto maior produtor mundial. Seria uma reversão da queda experimentada nos últimos anos; se em 2004 eram 3,4 milhões de barris diários, o México hoje produz 2,5 milhões. A nova lei sobre o mercado de óleo e gás também instituí o Fundo Mexicano do Petróleo, que vai administrar os recursos advindos da exploração. Entretanto, tudo isso depende de uma alteração definitiva da Constituição do país (o que requer apoio da maioria dos estados) e a oposição esquerdista anunciou que vai se esforçar para reverter as mudanças anunciadas. Crises globais que provocaram a alta do preço do petróleo nos últimos 40 anos Ano Crise Impacto no preço do barril de óleo bruto 1973 Países da Opep aprovam embargo de exportações aos Estados Unidos e a outros países que apoiaram Israel durante a Guerra do Yom Kippur 1979 Queda drástica na produção do Irã, após a deposição do xá Reza Pahlevi Alta de US$ 3 (outubro de 1973) para US$ 12 (março de 1974) Alta de US$ 15,85 (abril de 1979) para US$ 39,50 (abril de 1980) 1990 O Iraque invade o Kuwait Alta de US$ 17 (julho de 1990) para US$ 36 (outubro de 1990) 20

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

Identificando os tipos de fontes energéticas

Identificando os tipos de fontes energéticas Identificando os tipos de fontes energéticas Observe a figura abaixo. Nela estão contidos vários tipos de fontes de energia. Você conhece alguma delas? As fontes de energia podem ser renováveis ou não-renováveis,

Leia mais

Geopolítica do Petróleo:

Geopolítica do Petróleo: Seminário Energia e Geopolítica: Os impactos da segurança energética nas relações internacionais Geopolítica do Petróleo: uma Década de Transformações Helder Queiroz Pinto Junior Diretor ANP CEBRI Rio

Leia mais

O futuro do xisto nos Estados Unidos

O futuro do xisto nos Estados Unidos O futuro do xisto nos Estados Unidos Exploração do xisto nos Estados Unidos transforma matriz energética do país A INTL FCStone Inc. é uma empresa listada na Fortune 500 que fornece aos clientes pelo mundo

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012 +Gás Brasil A energia que pode revolucionar a economia brasileira São Paulo, 17 de Outubro de 2012 A hora do gás na agenda nacional Mudanças tecnológicas, econômicas e políticas globais e locais impõem

Leia mais

01. Com freqüência os meios de comunicação noticiam conflitos na região do Oriente Médio.

01. Com freqüência os meios de comunicação noticiam conflitos na região do Oriente Médio. 01. Com freqüência os meios de comunicação noticiam conflitos na região do Oriente Médio. Sobre essa questão, leia atentamente as afirmativas abaixo: I. Em 11 de setembro de 2001, os EUA sofreram um violento

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL BRASIL O Brasil possui uma economia sólida, construída nos últimos anos, após a crise de confiança que o país sofreu em 2002, a inflação é controlada, as exportações sobem e a economia cresce em ritmo

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Conclusão é do novo relatório do Earth Security Group, lançado hoje em São Paulo na sede da Cargill São Paulo, 23 de

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

O SETOR DE GÁS NATURAL NO MUNDO

O SETOR DE GÁS NATURAL NO MUNDO O SETOR DE GÁS NATURAL NO MUNDO FRANCISCO JOSÉ ROCHA DE SOUSA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos FEVEREIRO/2010 Francisco José Rocha de Sousa 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

mudanças nos modelos de negócios do setor automobilístico, impulsionadas pelas pesquisas de novas tecnologias energéticas e de segurança.

mudanças nos modelos de negócios do setor automobilístico, impulsionadas pelas pesquisas de novas tecnologias energéticas e de segurança. AUTOMOTIVE Mudança de rumos Pressões dos consumidores por praticidade e economia, somadas à necessidade de adaptação dos veículos ao planejamento urbano, criam um cenário desafiador para a indústria automobilística

Leia mais

RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS. Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br

RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS. Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br RECURSOS MINERAIS E COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Prof.º Elves Alves www.professorelves.webnode.com.br RECURSOS NATURAIS A palavra recurso significa algo a que se possa recorrer para a obtenção de alguma coisa,

Leia mais

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040 212 - Panorama Energético: Perspectivas para Índice Fundamentos globais 2 Residencial/comercial 3 Transportes 4 Industrial 5 Geração de eletricidade 6 Emissões 7 Fornecimento e tecnologia 8 Conclusão 9

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 62 O PETRÓLEO EM DESTAQUE

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 62 O PETRÓLEO EM DESTAQUE GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 62 O PETRÓLEO EM DESTAQUE Como pode cair no enem? (ENEM) No mundo contemporâneo, as reservas energéticas tornam-se estratégicas para muitos países no cenário internacional. Os

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

As Descobertas de Petróleo no Brasil Trazem Novos Desafios

As Descobertas de Petróleo no Brasil Trazem Novos Desafios As Descobertas de Petróleo no Brasil Trazem Novos Desafios A descoberta de grandes reservas de petróleo na costa do Brasil representa a possibilidade de elevar a classificação do país no mercado energético

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

ÇÕES SOBRE MODELOS CONTRATUAIS PARA EXPLORAÇÃ ÇÃO O E PRODUÇÃ

ÇÕES SOBRE MODELOS CONTRATUAIS PARA EXPLORAÇÃ ÇÃO O E PRODUÇÃ CONSIDERAÇÕ ÇÕES SOBRE MODELOS CONTRATUAIS PARA EXPLORAÇÃ ÇÃO O E PRODUÇÃ ÇÃO O DE PETRÓLEO E GÁS G S NATURAL Ivan Simões Filho Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás G s e Biocombustíveis - IBP Seminário

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08 Dirigindo uma das principais entidades de petróleo do mundo, o World Petroleum Council, mas também presidente da brasileira Barra Energia, Renato Bertani acha que o Brasil não pode se dar ao luxo, como

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Confederação Nacional da Indústria Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Edição revisada Brasília, 2008 Nota técnica Os gráficos desta cartilha foram elaborados a partir

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética Sumário Executivo Ameaças climáticas e soluções As mudanças climáticas globais, conseqüências do incessante aumento dos gases de efeito estufa na atmosfera do planeta, já estão alterando ecossistemas e

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 A Petrobras comunica que seu Conselho de Administração aprovou o Plano Estratégico Petrobras 2030 (PE 2030) e o Plano de Negócios

Leia mais

SUMÁRIO RELATÓRIO WIND FORCE 12

SUMÁRIO RELATÓRIO WIND FORCE 12 SUMÁRIO RELATÓRIO WIND FORCE 12 OS IMPACTOS DO AQUECIMENTO GLOBAL SÃO DE TAL MAGNITUDE QUE EU NÃO HESITARIA EM CONSIDERÁ-LOS UMA ARMA DE DESTRUIÇÃO EM MASSA. Sir John Houghton, The Guardian, 28 de julho

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Petróleo no Brasil e no Mundo e Situação atual da Petrobras Armando Guedes Coelho

Petróleo no Brasil e no Mundo e Situação atual da Petrobras Armando Guedes Coelho Petróleo no Brasil e no Mundo e Situação atual da Petrobras Armando Guedes Coelho Membro do Conselho de Administração do IBP Presidente do Conselho Empresarial de Energia da FIRJAN Panorama Mundial Século

Leia mais

Volatilidade e Mudanças Estruturais Impactos na Indústria de Petróleo

Volatilidade e Mudanças Estruturais Impactos na Indústria de Petróleo Volatilidade e Mudanças Estruturais Impactos na Indústria de Petróleo Cristina Brunet de Figueiredo Coordenadora da Comissão de Responsabilidade Social do IBP Coordenadora de Comunicação e Relações Externas

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

Brasil sustentável. Desafios do mercado de energia

Brasil sustentável. Desafios do mercado de energia Brasil sustentável Desafios do mercado de energia A A BRASIL SUSTENTÁVEL DESAFIOS DO MERCADO DE ENERGIA Índice Apresentação 3 Fator essencial no desenho do futuro 4 Conceitos fundamentais 7 Contexto mundial

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA NA AMÉRICA LATINA Norberto Medeiros dxcb-cme,brasil Agosto / 2002 Para discutir os recursos energéticos e a integração

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Ciências Militares no Século XXI: Situação atual e desafio futuros

Ciências Militares no Século XXI: Situação atual e desafio futuros Ciências Militares no Século XXI: Situação atual e desafio futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Petróleo Renata Nascimento Szczerbacki Petrobras Estratégia Corporativa Junho de 20151 Versão 25/02/2014

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa Luiz Pinguelli Rosa O BRASIL NO CONTEXTO DA AMÉRICA LATINA E A QUESTÃO DA ESQUERDA NO GOVERNO Superar a identificação da esquerda estritamente com o socialismo de tipo soviético O QUADRO POLÍTICO NACIONAL,

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CAMADA PRÉ-SAL NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA CAMADA PRÉ-SAL NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA CAMADA PRÉ-SAL NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL SEMINÁRIO PRÉ-SAL E A NOVA LEI DO PETRÓLEO - DESAFIOS E POSSIBILIDADES Mauricio T. Tolmasquim Presidente Empresa de Pesquisa Energética

Leia mais

Desafio mundial. Paralelamente a questões

Desafio mundial. Paralelamente a questões KPMG Business Magazine 31 Getty Images/Alexander Bryljaev Muitas tendências apontadas pelo estudo já são evidentes, e a lentidão na busca de soluções para mitigá-las trará sérias consequências para a população

Leia mais

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Para analisar qualquer mercado é importante entender primeiramente o contexto no qual

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Ásia. Bandeiras da China, Japão, Índia, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Tuvalu respectivamente. Os países líderes na questão ambiental na região.

Ásia. Bandeiras da China, Japão, Índia, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Tuvalu respectivamente. Os países líderes na questão ambiental na região. Ásia O desenvolvimento sustentável no continente asiático é visto como consequência de vários fatores que se apresentam na região como o grande número populacional e a sua enorme concentração urbano, a

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

PETRÓLEO E GÁS NATURAL

PETRÓLEO E GÁS NATURAL PANORAMA DOS MERCADOS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL NO BRASIL E NO MUNDO* Ivan Magalhães Júnior** * Novembro de 2004. ** Engenheiro da Área de Planejamento do BNDES. PETRÓLEO E GÁS NATURAL Resumo O objetivo

Leia mais

Geopolítica energética: o papel da América Latina Introdução ao debate

Geopolítica energética: o papel da América Latina Introdução ao debate Geopolítica energética: o papel da América Latina Introdução ao debate Organização Co-organização Contexto global Cenário de baixo preço e pressão por eficiência - Manutenção da oferta da OPEP em níveis

Leia mais

Inteligência Tecnológica na Petrobras

Inteligência Tecnológica na Petrobras Inteligência Tecnológica na Petrobras Maio/2012 CENPES/GTEC/EST Informações Institucionais Sistema Tecnológico Petrobras Processos de Gestão da Tecnologia Monitoração e Prospecção Tecnológica Informações

Leia mais

A emergência de um novo mundo no século XXI?

A emergência de um novo mundo no século XXI? A emergência de um novo mundo no século XXI? José Eustáquio Diniz Alves 1 A economia mundial deve crescer cerca de 4 vezes nos próximos 40 anos. Isto quer dizer que o Produto Interno Bruto (PIB) terá o

Leia mais

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO S E T O R D E P R O M O Ç Ã O C O M E R C I A L BOLETIM DE MERCADO O MERCADO DE ÁLCOOL NO JAPÃO 1. Definição da Categoria do Produto A categoria enquadra-se no Grupo 22 da

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO:

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO: DISCIPLINA: Geografia PROFESSOR(A): Rodrigo/Saulo DATA: VALOR: 20 PONTOS NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ªEM TURMA: Nº: 01. RELAÇÃO DO CONTEÚDO Demografia (Transição

Leia mais

PERSPECTIVAS DO CENÁRIO GEOPOLÍTICO DE ENERGIA E OS IMPACTOS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO NO BRASIL

PERSPECTIVAS DO CENÁRIO GEOPOLÍTICO DE ENERGIA E OS IMPACTOS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO NO BRASIL ISSN 1984-9354 PERSPECTIVAS DO CENÁRIO GEOPOLÍTICO DE ENERGIA E OS IMPACTOS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO NO BRASIL Eduardo Costa (Universidade Federal Fluminense) Resumo: O incremento das fontes renováveis

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO E CONFLITOS NO NOVO SÉCULO 1 A GLOBALIZAÇÃO: ACTORES, & FLUXOS -UMA VISITA A PARTIR DO PACÍFICO

GLOBALIZAÇÃO E CONFLITOS NO NOVO SÉCULO 1 A GLOBALIZAÇÃO: ACTORES, & FLUXOS -UMA VISITA A PARTIR DO PACÍFICO MUDANDO DE MUNDO GLOBALIZAÇÃO E CONFLITOS NO NOVO SÉCULO 1 A GLOBALIZAÇÃO: ACTORES, & FLUXOS -UMA VISITA A PARTIR DO PACÍFICO José Manuel Félix Ribeiro 10 de Janeiro de 2012 Programa das Conferências 1O

Leia mais

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs José Eustáquio Diniz Alves 1 O acrônimo BRIC (tijolo em inglês), formado pelas letras iniciais dos nomes de quatro países de dimensões continentais Brasil,

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Hidrocarbonetos nos mares da lusofonia

Hidrocarbonetos nos mares da lusofonia Hidrocarbonetos nos mares da lusofonia José Eduardo Sequeira Nunes Chefe do Gabinete da Presidência Lisboa, 29 de outubro de 2013 Operador integrado de energia focado na exploração e produção Subida do

Leia mais

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 Fortune Top companies: Biggest by Market Value Fortune Top companies: Most profitable VALOR V = Valor percebido pelo cliente (

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

A Nova Geopolítica do Petróleo

A Nova Geopolítica do Petróleo A Nova Geopolítica do Petróleo Introdução ao problema: A expressão geopolítica engloba assuntos que são concebidos como de enorme importância para países numa determinada região, continente, hemisfério

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Capítulo 1: Japão - Capítulo 2: China - Capítulo 4: Tigres Asiáticos Apresentação elaborada pelos alunos do 9º Ano C Monte Fuji - Japão Muralha da China Hong Kong

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo. Paulo R. Feldmann- FEA USP

Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo. Paulo R. Feldmann- FEA USP Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo Paulo R. Feldmann- FEA USP Nossa experiência no IEE A recarga da bateria de 1 V.E. requer 24 kwh equivalente

Leia mais

Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal. Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo

Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal. Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo Biodiesel BIODIESEL no Brasil Jatropha Lei nº 11.097 / 2005 - Introduziu o biodiesel na matriz energética brasileira

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

BRIC A EMERGÊNCIA OU INSURGÊNCIA DA PERIFERIA?

BRIC A EMERGÊNCIA OU INSURGÊNCIA DA PERIFERIA? BRIC A EMERGÊNCIA OU INSURGÊNCIA DA PERIFERIA? Ontem, Brasília foi realmente o foco das atenções mundiais. No Brasil, um pouco menos. Não foi o Brasil que inventou isso, mas a gente registrou o fenômeno

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.013, DE 2011 Dispõe sobre a fabricação e venda, em território nacional, de veículos utilitários movidos a óleo diesel, e dá

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Energia em transformação

Energia em transformação 10Minutos Energia e serviços de utilidade pública 13ª Pesquisa Global de Energia e Serviços Públicos da PwC Energia em transformação Março 2014 Destaques A perspectiva de transformação do modelo de negócios

Leia mais

SERÁ QUE HÁ MOTIVAÇÃO PARA INVESTIR NO VEÍCULO ELÉTRICO NO BRASIL?

SERÁ QUE HÁ MOTIVAÇÃO PARA INVESTIR NO VEÍCULO ELÉTRICO NO BRASIL? Maksen SERÁ QUE HÁ MOTIVAÇÃO PARA INVESTIR NO VEÍCULO ELÉTRICO NO BRASIL? O VE É UM DOS TEMAS MAIS DISCUTIDOS DA ATUALIDADE, NO ENTANTO NÃO EXISTE AINDA UM CONSENSO QUANTO À TECNOLOGIA E ESTIMATIVAS DE

Leia mais

IV Fórum da Terra. " Mudança Climática o Desafio do Século XXI

IV Fórum da Terra.  Mudança Climática o Desafio do Século XXI IV Fórum da Terra " Mudança Climática o Desafio do Século XXI Mariana Luz CEBRI Centro Brasileiro de Relações Internacionais Rio de Janeiro, 25 de Outubro de 2011 Economia verde como desafio global Economia

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL fevereiro 2010 NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL Paulo Roberto Delgado * Gracia Maria Viecelli Besen* Na presente década, verificou-se forte expansão do comércio externo nos países da América

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Visões para o Desenvolvimento da Indústria do Gás Natural Ieda Gomes

Visões para o Desenvolvimento da Indústria do Gás Natural Ieda Gomes Visões para o Desenvolvimento da Indústria do Gás Natural Ieda Gomes Gás Natural no Contexto Mundial O gás natural ocupa e continuará a ocupar um papel muito importante na matriz energética mundial. Segundo

Leia mais

PETRÓLEO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara

PETRÓLEO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara PETRÓLEO Prof. Marcos Colégio Sta. Clara CONCEITO E ORIGEM Petróleo: do latim petrus (pedra) + oleum (óleo) = óleo de pedra É uma substância de origem orgânica, oleosa, inflamável, geralmente menos densa

Leia mais