8º ENEC. Período 09 a 11 de novembro de Horário 09h00 às 19h00. Local Universidade Federal Fluminense Niterói/RJ - Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "8º ENEC. Período 09 a 11 de novembro de 2016. Horário 09h00 às 19h00. Local Universidade Federal Fluminense Niterói/RJ - Brasil"

Transcrição

1 8º ENEC CALL FOR PAPERS 8 0 Encontro Nacional de Estudos do Consumo 4 0 Encontro Luso-Brasileiro de Estudos do Consumo 2 0 Encontro Latino-Americano de Estudos do Consumo Período 09 a 11 de novembro de 2016 Horário 09h00 às 19h00 Local Universidade Federal Fluminense Niterói/RJ - Brasil Tema COMIDA E ALIMENTAÇÃO NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA 1

2 EMENTA DO 8º ENEC Nas últimas décadas, a comida e a prática de comer, bem como um conjunto de instituições e profissões correlatas, tiveram seus papeis e significados reposicionados no cotidiano de grande parte das sociedades contemporâneas. A comida e o comer adquiriram, hoje, uma visibilidade e centralidade que antes lhes eram desconhecidos, uma vez que se encontravam inseridos no contexto das atividades rotineiras e mundanas. Por um lado, livros, programas de TV e filmes sobre culinária e gastronomia invadiram as nossas salas e quartos, enquanto cozinhar, uma prática até então pouco valorizada, pode hoje nos colocar a caminho do estrelato. Por outro lado, questões de sustentabilidade socioambiental, juntamente com a disseminação de informações sobre abordagens nutricionais múltiplas e sobre doenças relacionadas aos riscos alimentares e à obesidade, além do surgimento de novas ideologias alimentares e movimentos sociais em torno da alimentação e do bem-estar animal, entre outros elementos, tornaram a comida e o comer fontes de profunda preocupação e reflexividade. É a partir desse contexto que convidamos profissionais, pesquisadores e estudantes pós-graduação (mestrado e doutorado) para participarem do VIII ENEC, que terá como objetivo discutir tais questões e as diferentes interpretações, teóricas e populares, que procuram dar contar das transformações no âmbito do comer e da alimentação contemporânea. CHAMADA PARA TRABALHOS Convidamos pesquisadores e estudantes de pós-graduação (mestrado e doutorado) a submeter trabalhos baseados em reflexões teóricas e/ou resultados de pesquisas empíricas, em consonância com o tema de um dos Grupos de Trabalho (GT) relacionados abaixo. Cada autor e co-autor podem enviar quantas propostas desejarem. As propostas devem ser submetidas primeiramente sob a forma de resumos expandidos. Os coordenadores de cada GT os analisarão e selecionarão aqueles que serão apresentados no evento sob a forma de pôster ou apresentação oral. Após a seleção dos resumos expandidos, os autores devem encaminhar o paper completo, de acordo com o calendário estabelecido abaixo. CALENDÁRIO 12/07/2016 Data limite para a submissão de resumos expandidos pelos autores 30/08/2016 Data limite para a divulgação do resultado da avaliação dos resumos pelos Coordenadores de GT 05/10/2016 Data limite para o envio do artigo completo pelos autores* * Os trabalhos completos que não forem enviados no prazo não serão incluídos nos Anais do VIII Enec, mas poderão ser apresentados no evento. FORMATAÇÃO DOS RESUMOS Os autores devem submeter o resumo expandido através do site (www.estudosdoconsumo.com.br). Os resumos devem ter no mínimo caracteres e no máximo caracteres (com espaços). Serão aceitos trabalhos em português, inglês e espanhol. 2

3 GRUPOS DE TRABALHO GT Título Coordenadores 1 Politização e ambientalização do Fátima Portilho (CPDA/UFRRJ) consumo 2 Consumo, inclusão social e novas configurações subjetivas Sarah Silva Telles (PUC-Rio) Maria Isabel Mendes de Almeida (PUC-Rio) 3 Moda, arte e design: a composição estética da vida social Mylene Mizrahi (UFRJ) Maria Eduarda Guimarães (Senac/SP) 4 Globalização e circulação de bens e pessoas Marta Vilar Rosales (ICS/UL) Monica Truninger (ICS/UL) 5 Tendências do consumo alimentar Lívia Barbosa (PUC-Rio) Janine Collaço (UFG) 6 Consumo, marketing, comunicação e sociedade Roberta Campos (UFRJ) Ana Raquel Rocha (UFRJ) 7 Personagens, práticas e representações sobre alimentação Eliane Tania Freitas (UFRN) Laura Graziela Gomes (UFF) no ciberespaço 8 Mercados Contestados John Wilkinson (CPDA/UFRRJ) Livia Barbosa (PUC-Rio) 9 A organização social do consumo: sociologia do marketing e intermediários comerciais Flávia Galindo (UFRRJ) Tomás Ariztia (UDP/Chile) INSCRIÇÕES As inscrições devem ser feitas através do site e terão preços diferenciados para pagamento antecipado, de acordo com três categorias de participante: Categoria Até 31/07/2016 De 01/08 a 30/09/2016 De 01/10 a 04/11/2016 No local do evento Profissionais R$ 230,00 R$ 280,00 R$ 330,00 R$ 395,00 Estudantes de pós-graduação* R$ 175,00 R$ 225,00 R$ 275,00 R$ 330,00 Estudantes de graduação* R$ 80,00 R$ 110,00 R$ 135,00 R$ 160,00 * Necessário enviar comprovante no momento da inscrição. MAIS INFORMAÇÕES 3

4 COMISSÃO ORGANIZADORA Fátima Portilho (CPDA/UFRRJ Brasil) Flávia Galindo (PPGEN/UFRRJ Brasil) John Wilkinson (CPDA/UFRRJ Brasil) Laura Graziela (PPGA/UFF Brasil) Lívia Barbosa (Puc-Rio Brasil) Maria Elisabeth Goidanich (ECO/UFRJ e ESPM-RJ Brasil) Marta Vilar Rosales (ICS /UL Portugal) Tomas Ariztia (UDP Chile) COMISSÃO DE APOIO Cecília Soares (Doutoranda IESP/UERJ Brasil) Thaís Elethério Cordeiro (Mestranda CPDA/UFRRJ Brasil) COMITÊ CIENTÍFICO Eliane Tania Freitas (UFRN Brasil) Fátima Portilho (CPDA/UFRRJ Brasil) Flávia Galindo (PPGEN /UFRRJ Brasil) Janine Collaço (UFG Brasil) John Wilkinson (CPDA/UFRRJ Brasil) Laura Graziela Gomes (PPGA/UFF Brasil) Leticia Moreira Casotti (Coppead/UFRJ Brasil) Lívia Barbosa (Puc-Rio Brasil) Maria Eduarda Guimarães (Centro Universitário SENAC/SP Brasil) Maria Elisabeth Goidanich (ESPM-RJ Brasil) Maria Isabel Mendes de Almeida (Puc-Rio Brasil) Marta Vilar Rosales (ICS /UL Portugal) Monica Truninger (ICS/UL Portugal) Mylene Mizrahi (PPGSA/IFCS/UFRJ Brasil) Roberta Campos (Coppead/UFRJ Brasil) Sarah Silva Telles (Puc-Rio Brasil) Tania Freitas (UFRN Brasil) Tomas Ariztia (UDP Chile) 4

5 REALIZAÇÃO Grupo de Estudos do Consumo Associação Nacional de Estudos do Consumo INSTITUIÇÕES PROMOTORAS Universidade Federal Fluminense (UFF Brasil) PPGA - Programa de Pós-Graduação em Antropologia NEMO - Núcleo de Estudos da Modernidade Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ Brasil) CPDA Prog. de Pós-Grad. de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade Núcleo de Estudos Redes, Mercados e Valores Universidade de Lisboa (UL Portugal) Instituto de Ciências Sociais Universidad Diego Portales (UDP Chile) Facultad de Ciencias Sociales e Historia Escuela Sociología Programa de Estudios del Consumo y los Mercado ORGANIZAÇÃO 5

6 . Grupos de Trabalho - Ementas GT01: Politização e ambientalização do consumo Coordenação: Fátima Portilho (CPDA/UFRRJ) O GT pretende estimular a reflexão e o debate acadêmicos sobre a relação entre consumo, política e meio ambiente. Tal relação está contida tanto nos processos de politização, ideologização e ambientalização do consumo, quanto na análise das práticas cotidianas de consumo com implicações diretas para a questão da sustentabilidade. Os processos acima mencionados podem ser observados em campanhas, discursos e práticas de consumo que intencionam expressar e materializar valores, influenciar e pressionar atores e políticas públicas e ampliar os repertórios de participação e ação política, seja interpelando o consumidor individual, através do seu poder de compra e escolha, seja através das agendas de velhos e novos movimentos sociais, incluindo os chamados movimentos sociais econômicos. A pluralidade destes processos abre um leque amplo de manifestações que inclui práticas de consumo responsável/sustentável/ético, cooperativas de consumidores de alimentos orgânicos, cyberativismo de denúncia contra marcas e organizações, boicotes, práticas de consumo visando a apoiar causas (shopping for change, causumers), comunidades mobilizadas ao redor de estilos de vida como simplicidade voluntária e slowfood e movimentos veganistas. Por outro lado, fruto de inovações teóricas tais como o chamado practice turn nos estudos do consumo (Warde, 2005), os cientistas sociais têm explorado o tema do consumo sustentável a partir de análises sobre seu enraizamento em práticas comuns do dia-adia. Essa abordagem tem se concentrado, por exemplo, em examinar se e como as propostas de consumo sustentável são incorporadas nas práticas rotineiras da vida concreta dos cidadãos, na infraestrutura de provisão de produtos e serviços, na inovação tecnológica e na construção de novas convenções de normalidade. Várias questões norteiam esse debate: o que essas diferentes expressões revelam sobre o caráter do consumo e o papel dos consumidores nas sociedades contemporâneas? Até que ponto elas mudam aspectos substantivos de processos de empoderamento individual e coletivo? Qual a natureza e impacto destas expressões sobre a sociedade, seus atores e a agenda pública? Qual o contexto sociocultural que permite o surgimento desses fenômenos e quais as peculiaridades e motivações dos seus participantes? Como se constroem as convenções cotidianas de normalidade onde é definido e identificado o valor do consumo sustentável e do consumo normal? Do ponto de vista teórico, torna-se necessário revisar as teorias que buscam explicar as sociedades e culturas de consumo, pois tanto as teorias denuncistas quanto as mais positivas apresentam sinais de desgaste e falhas explicativas. Para avançar o debate, este GT dará prioridade a trabalhos acadêmicos baseados em problematizações teóricas, estudos de caso e análises de dados empíricos conectados com os desenvolvimentos da teoria social e política. GT02: Consumo, Inclusão Social e novas Configurações Subjetivas Coordenação: Sarah Silva Telles (PUC-Rio) e Maria Isabel Mendes de Almeida (PUC-Rio). O século XXI apresenta um novo cenário para muitas sociedades latino-americanas - e especificamente para a sociedade brasileira: as políticas de inclusão social de milhões de brasileiros ocorrem prioritariamente via consumo. Este fenômeno instiga os pesquisadores a compreender os múltiplos impactos nas esferas - econômica, política, social, cultural e subjetiva. As famílias 6

7 populares - e especificamente os jovens das camadas populares - ressignificam as possibilidades de reconhecimento e o desejo de consumir, que pode se traduzir em realização e solidariedade, bem como em frustração e conflito. Quais são as práticas de consumo específicas das camadas populares e em que medida tais práticas se chocam com a profunda segregação existente em nossas cidades? Quais os novos dilemas que surgem a partir da relação entre esse aumento exponencial no número de consumidores e a agenda dos direitos? Levar em conta o registro da subjetividade nos padrões de consumo jovem significa atentar para o plano das singularidades dos sujeitos quanto às formas de apreensão e significação da cultura material. Ou seja, tomar o consumo como porta de entrada para a inclusão social nos abre um imenso espectro de abordagens da imaginação, das emoções, da expressão de desejos que estão em pauta em um contexto em que o consumo vem convertendo-se numa espécie de ideal generalizado. Neste sentido destacam-se hoje repertórios de diferenças locais e culturais, sobretudo no universo jovem das camadas populares, que nos permitem flagrar novas composições e arranjos da subjetividade. Formas de apropriação muito particulares e criativas da cultura do consumo entre esses jovens contribuem para um importante redesenho dos desejos e da imaginação criativa que, a cada dia, vem desfazendo fronteiras sociais antes alocadas nos setores médios de nossa sociedade e que estão exigindo dos cientistas sociais novos instrumentais de análise e investigação. Este GT pretende discutir tais temas, a partir de trabalhos tanto empíricos quanto teóricos. GT03: Moda, arte e design: a composição estética da vida social Coordenação: Mylene Mizrahi (UFRJ) e Maria Eduarda Guimarães (SENAC/SP) A noção de estética vem sendo reconceituada nos últimos anos de modo a se afastar cada vez mais de uma definição que a remeta somente às qualidades formais do objeto material para recuperar a relação entre a forma e o conteúdo e a vinculação entre ética e estética. A noção ampliada de estética vem nos permitindo ainda pensar a arte em suas relações com a vida cotidiana. Neste GT propomos explorar a ideia de uma estetização da vida coletiva e cotidiana em contextos não exclusivamente moderno ocidentais a partir de reflexões em torno da moda, da arte e do design. Moda, arte e design podem ser abordados de uma perspectiva mais estabelecida, nos conduzindo a discussões sobre representação, teorias distintivas, signos e símbolos de status, como podemos também pensá-los a partir de sua materialidade, focando sobre suas qualidades físicas e seus processos de fatura e criação. Dessa perspectiva, pensar em modismos nos possibilita pensar também em inovações, que surgem como derivações de uma indústria do design e da criação. Pensar a criatividade na moda produzida em contextos industriais, para além da reprodutibilidade e da cópia, enseja uma discussão em torno da produção mediada pelo projetar. Ao mesmo tempo, explorar universos artísticos nos remete às relações mercadológicas assim como à uma definição de arte não estrita. Por meio de processos inventivos, inovações e novas linguagens busca-se engajar em novos desafios estéticos mediados pelos materiais, pelo corpo, pela cidade, pelas marcas, pelos consumidores. Este GT acolherá discussões que envolvam moda, arte e design, a partir de temas como mercado, criatividade, materialidade, símbolo, gosto, estilo, corpo, gênero, cópia, circulação, agência, consumo, identidades culturais, sustentabilidade, descarte, visibilidade, inclusão social. Deve-se notar ainda que a comida e a alimentação, tema do ENEC deste ano, são matérias igualmente inseridas em nossa proposta. Desde o vestuário, os instrumentos e materiais culinários que acompanham e possibilitam que o universo da alimentação se engendre, passando pelos produtos midiáticos em torno do tema como programas televisivos, blogs e projetos editoriais 7

8 chegando aos aspectos sensoriais que cercam as incursões ao universo da alimentação, são todos estes desdobramentos previstos em nossa discussão. GT04: Globalização e circulação de bens e pessoas Coordenação: Marta Vilar Rosales (ICS/UL) e Monica Truninger (ICS/UL) Os movimentos de pessoas ao longo da história implicaram sempre o movimento de coisas. Das malas de viagem aos objetos capazes de transportarem pertenças culturais e territoriais, das lojas de produtos da terra aos fluxos constantes de mercadorias entre os diversos espaços de pertença, dos cheiros e sabores da saudade às aprendizagens e incorporações de novas práticas, a circulação de bens e pessoas constitui um terreno particularmente interessante para discutir a materialidade e o consumo contemporâneos. Este GT tem como objetivo explorar as suas potencialidades analíticas e os desafios teóricos que a partir dele se enunciam. Partindo do pressuposto que os movimentos contemporâneos encontram na materialidade e no consumo um terreno expressivo e constitutivo, este workshop pretende: a) discutir em que medida as rotas percorridas pelas pessoas e pelos objetos se intersectam e se constituem mutuamente; b) explorar as modalidades a partir das quais os objetos viajam: os meios que são usados, as políticas de intermediação, os agentes implicados; c) avaliar a composição dos fluxos de objetos em movimento (que objetos percorrem que trajetos, com que finalidade e intensidade) e os tempos em que estes movimentos ocorrem; d) discutir o papel da cultura material na gestão das redes sociais e as suas implicações na gestão de pertenças, quer na origem quer nos destinos; e) observar os impactos locais das movimentações globais de pessoas e de coisas e discutir a sua participação na constituição de novas modalidades de consumo e relacionamento com a materialidade. GT05: Tendências do consumo alimentar Coordenação: Livia Barbosa (PUC-Rio) e Janine Collaço (UFG) Sentidos e valores são materializados nas práticas alimentares. As decisões de consumo alimentar se deparam atualmente com novas questões, referentes a aspectos morais, éticos, ambientais, religiosos, que interrogam não apenas o comer enquanto ato rotineiro ou emblemático, mas também a construção de novos mercados e a orientação de políticas públicas dirigidas à produção e consumo de alimentos. É nesse quadro que este Grupo de Trabalho pretende estimular o debate em torno das tendências do consumo alimentar, convidando a olhar especialmente para novos aspectos referentes à comida e seu consumo, a exemplo dos que envolvem significados associados à religião, abate de animais, uso do solo, desigualdades sociais, mercantilização de práticas tradicionais, entre outras. GT06: O comportamento do consumidor sob as lentes interpretativas da Consumer Culture Theory Coordenação: Roberta Campos (UFRJ) e Ana Raquel Rocha (UFRJ) Daniel Miller (2007), quando defende maior centralidade do consumo como objeto de pesquisa, sugere a inclusão de olhares de outras áreas, que possuam interesses de pesquisa avizinhados. Exemplo disso é o campo de comportamento do consumidor, em administração, que nos últimos 30 anos vem sendo cenário de uma vertente interpretativa de pesquisa sobre consumo. Neste 8

9 sentido, este grupo de trabalho pretende oferecer espaço para apresentação destas pesquisas, que nascem a partir da reorientação epistemológica, conduzida, entre outras iniciativas, pela Consumer Behavior Odyssey (Belk, Wallendorf, & Sherry, 1989) e a publicação do artigo Consumer Culture Theory (Arnould & Thompson, 2005; 2007). O campo de comportamento do consumidor, em administração, nasce nos anos 1970, a partir das lentes da ciência econômica e da psicologia - notadamente a psicologia cognitiva e comportamental - e são estas lentes que definem, em grande parte, os esforços de pesquisa na área até os dias atuais. No entanto, desde os anos 1980, um grupo de formação heterodoxa propõe a revisão deste modus operandi e passa a construir as bases estruturais, institucionais e epistemológicas de um campo novo, que será batizado, em 2005, de Consumer Culture Theory (CCT). A CCT constitui uma marca acadêmica que busca identificar - e assim oferecer abrigo institucional - ao grupo de pesquisadores interessados em uma abordagem interpretativa, reflexiva e crítica de consumo. Desde então, vê-se um movimento de fortalecimento deste grupo, incluindo pesquisadores de formações variadas (antropólogos, sociólogos, semióticos) dentro de uma tradição de pesquisa que vem ganhando consistência teórica e metodológica. Daí nascem pesquisas emblemáticas como a subcultura de consumo dos Bikers (Schouten & McAlexander, 1995), as estratégias de sacralização no consumo (Belk et al., 1989), as práticas de coleções (Belk, Wallendorf, Sherry & Holbrook, 1991), as práticas de gift-giving (Sherry, 1983), a socialização do consumidor (Ward, 1974) e mais recentemente reflexões sobre o significado das práticas de consumo de compartilhamento (Belk, 2010) em oposição a outras modalidades de consumo, como a compra ou o ato de presentear. Nesse contexto, este grupo de pesquisa se interessa em receber pesquisas que sejam um exemplo dos esforços interpretativos na área de administração para estudo do comportamento do consumidor, articulados ao tema do evento para 2016 (Comida e Alimentação na Sociedade Contemporânea). GT07: Personagens, práticas e representações sobre alimentação no ciberespaço Coordenadoras: Eliane Tânia Freitas (UFRN) e Laura Graziela Gomes (UFF) O presente GT tem como objetivo reunir propostas e trabalhos que reflitam acerca de personagens, práticas e representações sobre alimentação no ciberespaço. Nossa intenção é realizar também um mapeamento compartilhado e coletivo das principais questões a respeito do campo da alimentação, a partir de como elas são concebidas, organizadas e passam a circular nas e pelas diferentes plataformas, levando-se em conta o tipo de engajamento que estas promovem nos diferentes agentes envolvidos, desde as diferentes formas de ações coletivas na rede (ativismos), até a diversidade de conteúdos publicados em diferentes plataformas tais como blogs, tutoriais e receitas a respeito de práticas alimentares e culinárias, o que poderia ser pensado como uma forma de culinária digital com igual destaque para o fenômeno de celebrização em torno de determinadas personagens, veja-se o caso de Bela Gil, cuja imagem vem sendo apropriada em sucessivos memes com diferentes finalidades. Finalmente, estamos interessadas em trabalhos que pretendam refletir a relação entre culinária, gastronomia e fotografia em plataformas como Flickr, Instagram, Tumblr e outros. GT08: Mercados Contestados Coordenadores: John Wilkinson (CPDA/UFRRJ) e Lívia Barbosa (PUC-Rio) 9

10 Tudo a Venda capta uma visão geral do avanço aparentemente avassalador do mercado para todos os aspectos da vida, tanto social quanto pessoal. Hochschild, no seu livro The Outsourced Self, mostra como os nossos dias são caracterizados pela mercantilização de relações pessoais e emocionais. Philippe Steiner, por sua vez, explora a forma em que os avanços na medicina estão abrindo novas combinações de dádiva e de mercantilização em torno de transplantes, um tema inicialmente analisado em relação à doação ou venda de sangue. Esses avanços do mercado em novas áreas de sociabilidade levantam uma série de questionamentos éticos sobre os seus limites e efeitos. Viviana Zelizer tem mostrado a força de convicções morais e religiosas em bloquear o avanço de determinados mercados. Ao mesmo tempo, ela mostra como práticas sociais podem assegurar que a mercantilização não esmague relações sociais e pessoais. Por outro lado, influenciados pelos escritos de Polanyi, vários autores identificam áreas econômicas que são organizadas na base da reciprocidade. A economia solidária é uma expressão importante dessa dinâmica. Novos valores em relação ao meio-ambiente, bem-estar animal, e condições sociais de trabalho também desafiam o funcionamento padrão dos mercados. Sejam dilemas provocados pelo avanço do mercado em novas áreas do corpo e da alma, contestações baseadas em valores tradicionais, éticos ou religiosos, ou demandas para padrões mais altos para o seu funcionamento, o mercado hoje é sujeito a múltiplas contestações e questionamentos. Esse GT convida trabalhos sobre esse amplo leque de temas que explora essa fronteira movediça nas formas aceitáveis de mercantilização e nas combinações de entre dádiva, reciprocidade e relações de mercado. GT09: A organização social do consumo: sociologia do marketing e intermediários comerciais Coordenação: Flavia Galindo (UFRRJ) e Tomas Ariztia (UDP/Chile) Este grupo de trabalho pretende receber estudos sobre o consumo a partir das elaborações da sociologia dos mercados e dos estudos sociais do marketing. Em particular, objetiva estudar como as práticas do consumo se constituem e se definem em relação ao Marketing que, entre outros elementos, envolve a produção de dispositivos e práticas para captação de consumidores, a produção de significados e representações simbólicas, e a formulação de estratégias para a produção de bens, produtos e serviços que resultam nas trocas econômicas que criam valor e acionam sistemas simbólicos e de representação. O GT tem interesse pelas lógicas que orientam as práticas e os dispositivos do marketing que regulam as relações entre empresas, consumidores e grupos sociais, em que pesem inovações e novas tecnologias, ações de data mining, storytelling, entre outras. Reconhece-se que as organizações produtivas não somente detém um conhecimento técnico fundamental sobre o mercado, os consumidores e à própria trajetória dos produtos e serviços, mas também se revelam atores centrais no encontro entre consumidores e produtos. Essa condição remete às múltiplas práticas de produção de conhecimento perito que modelam e definem produtos a partir da segmentação de consumidores e, também, do que chamaremos vendas orquestradas, que resultam em um repertório cognitivo onde todos os atores, empresas e consumidores, detém alguma noção sociológica e cosmológica. O Marketing é uma área interdisciplinar, que demonstra intensa capacidade de renovação cognitiva e processual, incorporando em seus métodos, as descobertas de diversas áreas do conhecimento. Os especialistas do marketing são capazes de produzir e fazer circular as categorias e avaliações sobre o mundo social (ARIZTÍA, 2013), e, portanto, podemos inferir que as operações mercadológicas e publicitárias, são operações culturais a partir das quais se organiza socialmente o consumo. Este GT pretende discutir trabalhos que envolvam as relações entre o marketing e o consumidor, e as categorias que emergem destas relações, como early adopters, consumidor aspiracional, 10

11 haters, entre outras. Para além destas categorias, novos arranjos do conhecimento são formulados, como brand equity, marketing de conteúdo, marketing sensorial, storytelling, trending, entre outros. Por sua vez, nos interessam trabalhos que questionem as formas em que os consumidores são definidos, avaliados e mobilizados a partir das atividades do marketing, seja através de relatórios, prospectos, estudos ou operações criativas. Nesse contexto, nos interessam as formas de produção de categorias e valores do mundo social que movimentam as atividades do marketing. São tentativas de categorização que podem ser compreendidas como recursos organizacionais que, por meio de pesquisas de mercado e desenvolvimento de novos produtos, aglutinam consumidores e modelam ou participam ativamente das transformações de consumo e o repertório cultural. Entre tantas pesquisas do tema, o GT espera receber trabalhos sobre: mercado de alimentos biofortificados; mercados tabu e novos mercados; obsolescência planejada e o ciclo de vida dos produtos; representações sociais do consumo e do marketing; marketing verde; consumo e as dinâmica da inovação; consumo e o marketing de ideias e experiências; consumo e marketing político; o papel dos estudos do mercado e de outros saberes para a definição de consumidores e produtos por parte das práticas de marketing; ou de situações concretas de orquestração do consumo por meio das operações de marketing, tais como análises de promoções, vitrines, dispositivos de atração (carrinhos de supermercados, publicidade, cupons, cartões, etc). 11

CALL FOR PAPERS. Local Auditório da Escola Superior de Propaganda e Marketing / ESPM Rua do Rosário, 90 - Centro - Rio de Janeiro/RJ

CALL FOR PAPERS. Local Auditório da Escola Superior de Propaganda e Marketing / ESPM Rua do Rosário, 90 - Centro - Rio de Janeiro/RJ CALL FOR PAPERS 6 0 Encontro Nacional de Estudos do Consumo 2 0 Encontro Luso-Brasileiro de Estudos do Consumo Período 12, 13 e 14 de setembro de 2012 Horário 09:00 às 18:00 horas Local Auditório da Escola

Leia mais

CALL FOR PAPERS. Local Auditório da Escola Superior de Propaganda e Marketing / ESPM Rua do Rosário, 90 - Centro - Rio de Janeiro/RJ

CALL FOR PAPERS. Local Auditório da Escola Superior de Propaganda e Marketing / ESPM Rua do Rosário, 90 - Centro - Rio de Janeiro/RJ CALL FOR PAPERS 6 0 Encontro Nacional de Estudos do Consumo 2 0 Encontro Luso-Brasileiro de Estudos do Consumo Período 12, 13 e 14 de setembro de 2012 Horário 09:00 às 18:00 horas Local Auditório da Escola

Leia mais

Carta do Movimento Paz & Proteção

Carta do Movimento Paz & Proteção Carta do Movimento Paz & Proteção A infância é considerada merecedora de proteção especial por todas as religiões do mundo. A violência contra crianças e adolescentes, assim como a exploração e o abuso,

Leia mais

I SEMANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA I JORNADA CIENTÍFICA E VI FIPA DO CEFET BAMBUÍ REGULAMENTO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS

I SEMANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA I JORNADA CIENTÍFICA E VI FIPA DO CEFET BAMBUÍ REGULAMENTO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS I SEMANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA I JORNADA CIENTÍFICA E VI FIPA DO CEFET BAMBUÍ REGULAMENTO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS 1. DOS OBJETIVOS, CONCEITO E ORGANIZAÇÃO DO EVENTO 1.1 Este regulamento geral tem

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA

CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA uff UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SELEÇÃO DE ALUNOS ESTRANGEIROS PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Curso de Pedagogia Ementário da Matriz Curricular 2010.2

Curso de Pedagogia Ementário da Matriz Curricular 2010.2 1ª FASE 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL A Biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão neurológica nos processos básicos: os sentidos

Leia mais

RELACAO DE PROJETOS VINCULADOS A LINHA ESTUDOS CULTURAIS E COMUNICACAO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS.

RELACAO DE PROJETOS VINCULADOS A LINHA ESTUDOS CULTURAIS E COMUNICACAO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS. RELACAO DE PROJETOS VINCULADOS A LINHA ESTUDOS CULTURAIS E COMUNICACAO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS. SERGIO LUIZ PEREIRA DA SILVA Memória, identidade e cultura visual: a construção da identidade

Leia mais

MisturaBOA. Uma seleção de boas notícias e boas ideias para se viver melhor. Revista SAÚDE BOAS NOTICIAS E BOAS IDEIAS PARA SE VIVER MELHOR

MisturaBOA. Uma seleção de boas notícias e boas ideias para se viver melhor. Revista SAÚDE BOAS NOTICIAS E BOAS IDEIAS PARA SE VIVER MELHOR Revista MisturaBOA BOAS NOTICIAS E BOAS IDEIAS BOAS NOTICIAS PARA SE VIVER MELHOR E BOAS IDEIAS PARA SE VIVER MELHOR Uma seleção de boas notícias e boas ideias para se viver melhor Projeto 2015 conceito

Leia mais

PROJETO 3R é JOIA Rogério Dias Regazzi & Silvia Blumberg. Case Agenda Ambiental Água e Resíduos

PROJETO 3R é JOIA Rogério Dias Regazzi & Silvia Blumberg. Case Agenda Ambiental Água e Resíduos PROJETO 3R é JOIA Rogério Dias Regazzi & Silvia Blumberg Case Agenda Ambiental Água e Resíduos Subprojetos ou Famílias: Amor Concreto / Canteiro de Jóias / A Jóia do Lixo / O resíduo é Jóia / Ser Responsável

Leia mais

1ª Série. 6NIC088 FOTOGRAFIA Conceitos de fotografia analógica e digital e sua aplicação nos meios de comunicação de massa e na comunicação dirigida.

1ª Série. 6NIC088 FOTOGRAFIA Conceitos de fotografia analógica e digital e sua aplicação nos meios de comunicação de massa e na comunicação dirigida. 1ª Série 6NIC091 ADMINISTRAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS Conceitos básicos de administração geral. Organizações e grupos formais e informais. Estrutura organizacional. Funções organizacionais da administração.

Leia mais

INTEGRALIDADE EM SAÚDE. Integralidade como princípio do direito à saúde

INTEGRALIDADE EM SAÚDE. Integralidade como princípio do direito à saúde caleidoscópio contemporâneo da saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 3, p. 553-565, 2007. RIPS. Rede Interagencial de Informações para a Saúde. Indicadores Básicos de Saúde no Brasil:

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

CENTRO LÚCIO COSTA (CLC) PROGRAMA DE FORMAÇÃO Novembro 2013

CENTRO LÚCIO COSTA (CLC) PROGRAMA DE FORMAÇÃO Novembro 2013 CENTRO LÚCIO COSTA (CLC) PROGRAMA DE FORMAÇÃO Novembro 2013 Datam de 2008 as primeiras negociações entre o Governo do Brasil e a UNESCO para a criação de um Centro de Categoria II (CC2) sediado no Rio

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA NO ENSINO JURÍDICO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA NO ENSINO JURÍDICO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA NO ENSINO JURÍDICO Neida Terezinha Leal Floriano 1 Diante da crise do modelo jurídico-normativo dominante e da racionalidade formal se vislumbra a necessidade de uma nova concepção

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE EDUCAÇÃO

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE EDUCAÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DA DISCIPLINA: EDUCAÇÃO EM ESPAÇOS NÃO FORMAIS: PESQUISA E PRÁTICA CODICRED: 142AU-04 EMENTA: Caracterização, organização e gestão dos espaços não-formais na promoção da aprendizagem

Leia mais

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. UEPB E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br Aldeci Luiz de Oliveira Profa. Dra. PMCG E-mail:

Leia mais

M E M Ó R I A E M P R E S A R I A L

M E M Ó R I A E M P R E S A R I A L ! M E M Ó R I A E M P R E S A R I A L COMUNICAÇÃO INTERNA E IDENTIDADE NA ORGANIZAÇÕES ISABELA PIMENTEL Capítulo 1 Memória: usos e abusos A memória é mais uma ferramenta da comunicação corporativa, cujo

Leia mais

1999 2004. São Leopoldo: Editora UNISINOS. 1 UNISINOS (1999). Desdobramento do Planejamento Estratégico. Plano Geral das Prioridades Institucionais

1999 2004. São Leopoldo: Editora UNISINOS. 1 UNISINOS (1999). Desdobramento do Planejamento Estratégico. Plano Geral das Prioridades Institucionais TÍTULO: E-SOL ESPAÇO DE SOLIDARIEDADE NA BUSCA DA INDISSOCIABILIDADE ENTRE ENSINO E EXTENSÃO AUTORES: Profa. Vera Lúcia Schneider Bemvenuti e Haide Maria Hupffer e-mail: bemvenut@centauro.unisinos.br,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 7 ANO TURMAS A e B Prof. Alexandre Magno Guimarães Ementa:

Leia mais

Curso de Sustentabilidade em Projetos Culturais.

Curso de Sustentabilidade em Projetos Culturais. Curso de Sustentabilidade em Projetos Culturais. Sustentabilidade em Projetos Culturais: Criação e Dinamização de Redes e Mobilização de Recursos para a Cultura. 1 Diogo Reyes da Costa Silva. 2 Apresentação:

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação)

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a inclusão digital, instalando computadores nas escolas públicas de ensino fundamental

Leia mais

TV UFBA uma experiência em processo Área Temática: Comunicação Marise Berta de Souza Universidade Federal da Bahia (UFBA) Resumo Palavras-chave

TV UFBA uma experiência em processo Área Temática: Comunicação Marise Berta de Souza Universidade Federal da Bahia (UFBA) Resumo Palavras-chave TV UFBA uma experiência em processo Área Temática: Comunicação Marise Berta de Souza Universidade Federal da Bahia (UFBA) Resumo: A comunicação se propõe abordar o espaço de produção de uma televisão universitária,

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) DE PEDAGOGIA (LICENCIATURA) 1. COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO A leitura como vínculo leitor/texto, através da subjetividade contextual, de atividades de

Leia mais

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área.

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Autores: Ligia Claudia Gomes de Souza Universidade Salgado de Oliveira Faculdades Integradas Maria Thereza.

Leia mais

Planejamento estratégico 2016-2019

Planejamento estratégico 2016-2019 Planejamento estratégico 2016-2019 Fortalecer as instituições e a qualidade dos serviços públicos para fortalecer a democracia e a competitividade. www.agendapublica.org.br 2 GOVERNANÇA PARA UM FUTURO

Leia mais

A INTERNET COMO INSTRUMENTO DE EDUCOMUNICAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR: UMA QUESTÃO ÉTICA. Palavras-Chave: Educomunicação. Terceiro setor. Internet.

A INTERNET COMO INSTRUMENTO DE EDUCOMUNICAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR: UMA QUESTÃO ÉTICA. Palavras-Chave: Educomunicação. Terceiro setor. Internet. A INTERNET COMO INSTRUMENTO DE EDUCOMUNICAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR: UMA QUESTÃO ÉTICA Beatriz Jucá Universidade Federal do Ceará Resumo Esse artigo apresenta uma reflexão sobre a inclusão digital para

Leia mais

CTCH Departamento de Educação

CTCH Departamento de Educação CTCH Departamento de Educação Projeto de pesquisa EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA E OS LIMITES DO LIBERALISMO POLÍTICO. PARTE II: DEMOCRACIA, JUSTIÇA, DIREITOS, VIRTUDES E IDENTIDADES. Aluno: Felipe Costa Sampaio

Leia mais

Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil

Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil Zilma de Moraes Ramos de Oliveira zilmaoliveira@uol.com.br Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa OBJETIVOS Discutir as implicações

Leia mais

HISTÓRIA. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

HISTÓRIA. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos HISTÓRIA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura GRAU ACADÊMICO: Licenciado em História PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 8 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO A definição

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA PERIFERIA EM REDE. Pesquisar na fonte de origem e devolver ao povo em forma de arte

SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA PERIFERIA EM REDE. Pesquisar na fonte de origem e devolver ao povo em forma de arte SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA 2013 PERIFERIA EM REDE Pesquisar na fonte de origem e devolver ao povo em forma de arte Proponente Agencia Popular de Fomento a Cultura Solano Trindade União Popular de

Leia mais

PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 1 PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Área de conhecimento: Administração Eixo Temático: Outro RESUMO Nézio José da Silva 1 Lirane Elize Defante Ferreto de Almeida 2 O campo científico das

Leia mais

Resumo Objetivo e Definição do problema

Resumo Objetivo e Definição do problema 1 Resumo Objetivo e Definição do problema O presente trabalho estuda o uso potencial de instrumentos que utilizam uma interação próxima entre os setores público, privado e o terceiro setor, visando aumentar

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian

Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian Alfabetização midiática na era da informação: Escola como espaço de reflexão sobre o campo dos media. RODRIGUES, Lylian Mestranda em Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. ly_carol@yahoo.com.br

Leia mais

DIDÁTICA E COMPETÊNCIAS DOCENTES: UM ESTUDO SOBRE TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DIDÁTICA E COMPETÊNCIAS DOCENTES: UM ESTUDO SOBRE TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA N 429 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes, SANTOS Lázaro, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da. DIDÁTICA E COMPETÊNCIAS DOCENTES: UM ESTUDO SOBRE TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA O conhecimento, bem como os demais

Leia mais

A política e os programas privados de desenvolvimento comunitário

A política e os programas privados de desenvolvimento comunitário A política e os programas privados de desenvolvimento comunitário Por Camila Cirillo O desenvolvimento local privado O que aqui chamamos de programas de desenvolvimento comunitário são ações de promoção

Leia mais

CULTURA POPULAR E IDENTIDADE REGIONAL: A CONTRIBUIÇÃO DO SITE JORNALÍSTICO CULTURA PLURAL NOS CAMPOS GERAIS

CULTURA POPULAR E IDENTIDADE REGIONAL: A CONTRIBUIÇÃO DO SITE JORNALÍSTICO CULTURA PLURAL NOS CAMPOS GERAIS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CULTURA POPULAR E IDENTIDADE

Leia mais

Gestão Estratégica no Setor Público. Roberta Clemente ILP 30/10/2007

Gestão Estratégica no Setor Público. Roberta Clemente ILP 30/10/2007 Gestão Estratégica no Setor Público Roberta Clemente ILP 30/10/2007 Organização da Apresentação Introdução Estratégia Histórico da Intervenção estatal Crise do Estado Especificidades do caso brasileiro

Leia mais

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Versão final do Workshop 09/07/2010 PROJETO DE LEI ESTADUAL - PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Edital para Seleção de Trabalhos para o II Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação

Edital para Seleção de Trabalhos para o II Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Edital para Seleção de Trabalhos para o II Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

Projeto Comunidade: Construindo Intervenções à Luz da Psicologia Social Transformativa

Projeto Comunidade: Construindo Intervenções à Luz da Psicologia Social Transformativa Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Projeto Comunidade: Construindo Intervenções à Luz da Psicologia Social Transformativa Área Temática

Leia mais

O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO

O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO Mara Pereira da Silva IFPA- CRMB pereiracantora1@hotmail.com RESUMO A pesquisa foi realizada mediante análise

Leia mais

SELEÇÃO DE ALUNOS ESTRANGEIROS PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA EDITAL 2014. NÍVEL: Mestrado

SELEÇÃO DE ALUNOS ESTRANGEIROS PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA EDITAL 2014. NÍVEL: Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SELEÇÃO DE ALUNOS ESTRANGEIROS PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA EDITAL 2014

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:33

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:33 7//1 19:33 Centro de Ciências da Educação Curso: 9 Pedagogia (Noturno) Currículo: 11/ 1 CNA.157.-3 Biologia Humana Ementa: Natureza Biológica e Visão Sistêmica do Ser humano. Sistemas do corpo humano.

Leia mais

Fala do Presidente da SBS, Carlos Benedito Martins por ocasião de sua posse durante o 39ºncontro da Anpocs.

Fala do Presidente da SBS, Carlos Benedito Martins por ocasião de sua posse durante o 39ºncontro da Anpocs. 1 Fala do Presidente da SBS, Carlos Benedito Martins por ocasião de sua posse durante o 39ºncontro da Anpocs. Gostaria de agradecer a confiança dos associados na nova Diretoria eleita no 17º Congresso

Leia mais

A Grade Curricular da Habilitação de Relações Públicas da Universidade de Santa Cruz do Sul 1

A Grade Curricular da Habilitação de Relações Públicas da Universidade de Santa Cruz do Sul 1 A Grade Curricular da Habilitação de Relações Públicas da Universidade de Santa Cruz do Sul 1 Priscila dos Santos STEFFENS 2 Renata Gerhardt PICCININ 3 Jaqueline Lopes LUZ 4 Bruno KEGLER 5 Fabiana da Costa

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

A atuação do pedagogo em espaços não escolares: desafios e possibilidades

A atuação do pedagogo em espaços não escolares: desafios e possibilidades A atuação do pedagogo em espaços não escolares: desafios e possibilidades Aretha Soares Nascimento 1 Fabíola Tunala Fernandes Marta Justo Ferreira Renata Aparecida Paiva Rosimar Rodrigues de Lisboa Rubiane

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º AM076- ANTROPOLOGIA OBRIG 60 0 60 4.0 Fórmula: CS013 CS013- ANTROPOLOGIA CAMPOS DA ANTROPOLOGIA. PROBLEMAS E CONCEITOS BÁSICOS: CULTURA, ETNOCENTRISMO, ALTERIDADE E RELATIVISMO. NOÇÕES DE MÉTODOS/PRÁTICAS

Leia mais

PORTAL COMUNITÁRIO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DAS COMUNIDADES E MOVIMENTOS SOCIAIS DE PONTA GROSSA

PORTAL COMUNITÁRIO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DAS COMUNIDADES E MOVIMENTOS SOCIAIS DE PONTA GROSSA PORTAL COMUNITÁRIO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DAS COMUNIDADES E MOVIMENTOS SOCIAIS DE PONTA GROSSA Área Temática - Comunicação Autoras: Cintia Xavier 1 Maria Lúcia Becker 2, Hebe Maria Gonçalves de Oliveira

Leia mais

1ª Circular XXXI Encontro Estadual de Geografia. Professor, o Bacharel e o Estudante: diferentes ações, as mesmas geografias?

1ª Circular XXXI Encontro Estadual de Geografia. Professor, o Bacharel e o Estudante: diferentes ações, as mesmas geografias? 1ª Circular XXXI Encontro Estadual de Geografia O Professor, o Bacharel e o Estudante: diferentes ações, as mesmas geografias? 18 a 20 de maio de 2012 Universidade Federal de Rio Grande FURG Rio Grande

Leia mais

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 2

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 2 2 A PESQUISA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS: ELEMENTOS PARA INVESTIGAÇÃO E DISCUSSÃO RESUMO Adria Simone Duarte de Souza Universidade

Leia mais

Palavras-chave: Mercado Publicitário. Publicidade e Propaganda. TV Digital.

Palavras-chave: Mercado Publicitário. Publicidade e Propaganda. TV Digital. 8 1ª Jornada Científica de Comunicação Social A pesquisa em Comunicação: tendências e desafios O ADVENTO DA TV DIGITAL E A PRODUÇÃO DE CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS UM ESTUDO ENFOCANDO AS PERSPECTIVAS FUTURAS

Leia mais

Condições de pr odução do discurso : relações entre a força dos mercados e a autonomia do discursivo no campo das mídias 1

Condições de pr odução do discurso : relações entre a força dos mercados e a autonomia do discursivo no campo das mídias 1 Condições de pr odução do discurso : relações entre a força dos mercados e a autonomia do discursivo no campo das mídias 1 Jairo Ferreira Programa de Pós Graduação em Ciências da Comunicação Universidade

Leia mais

PLANO DE AÇÃO EM DH NA EDUCAÇÃO BÁSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

PLANO DE AÇÃO EM DH NA EDUCAÇÃO BÁSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA PLANO DE AÇÃO EM EDUCAÇÃO EM E PARA DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA Margarida Sônia Marinho do Monte Silva * Maria de Nazaré Tavares Zenaide ** 1 1. O QUE CONSISTE O PLANO DE AÇÃO EM EDUCAÇÃO EM/ PARA

Leia mais

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária

1. Apresentação. 2. Pontos Fixos de Comercialização Solidária Edital de Seleção de Pontos Fixos de Comercialização Solidária Candidatos para Participar da Rede Brasileira de Comercialização Solidária - Rede Comsol (Edital - Ubee/Ims N. 01/2014) 1. Apresentação A

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais

Educação Integral Desafios para a implementação

Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral: uma demanda da sociedade Enfrentamento da desigualdade social: Garantia de direitos Ampliação das redes de proteção para crianças e adolescentes

Leia mais

10 Análise dos recursos internos

10 Análise dos recursos internos 177 10 Análise dos recursos internos Essa seção do trabalho tem como objetivo fazer a análise dos recursos internos das duas empresas pesquisadas, Globo e Vivo. Como referencial teórico será utilizado

Leia mais

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Fundação Getulio Vargas, Abril de 2011 REGIÃO PODE TER LEGADO COMPATÍVEL COM DESENVOLVIMENTO INOVADOR E SUSTENTÁVEL Deixar um legado

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Introdução à Comunicação Visual 40 horas Não tem Desenho I 40 horas Não

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE 2ª COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE 2ª COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE 2ª COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO I ENCONTRO PARA ESTUDOS COM ORIENTADORES II ETAPA CADERNO I FORMADORA REGIONAL: Elyda Cristina

Leia mais

UM EVENTO CIENTÍFICO COM CARÁTER EDUCATIVO TRANSFORMADOR: A EXPERIÊNCIA DO VII CBSAF DIÁLOGO E INTEGRAÇÃO DE SABERES PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS

UM EVENTO CIENTÍFICO COM CARÁTER EDUCATIVO TRANSFORMADOR: A EXPERIÊNCIA DO VII CBSAF DIÁLOGO E INTEGRAÇÃO DE SABERES PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS 1 UM EVENTO CIENTÍFICO COM CARÁTER EDUCATIVO TRANSFORMADOR: A EXPERIÊNCIA DO VII CBSAF DIÁLOGO E INTEGRAÇÃO DE SABERES PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS Ynaiá Masse Bueno Embrapa Sede / DF Fabiana Mongeli Peneireiro

Leia mais

PLANO DE METAS EDUCAÇÃO PARAIBA

PLANO DE METAS EDUCAÇÃO PARAIBA PLANO DE METAS EDUCAÇÃO PARAIBA 2015 2018 Mensagem do Governador No projeto político que anima o Governo do Estado da Paraíba a educação tem, além das prioridades que vêm sendo desenhadas pelo arranjo

Leia mais

A OFICINA PAMIN: UMA EXPERIÊNCIA DE PRÁTICA EXTENSIONISTA.

A OFICINA PAMIN: UMA EXPERIÊNCIA DE PRÁTICA EXTENSIONISTA. A OFICINA PAMIN: UMA EXPERIÊNCIA DE PRÁTICA EXTENSIONISTA. ARAÚJO 1, Marinalda Pereira de LEANDRO 2, Patrícia de Araújo MORAIS 3, Mohana Ellen brito Rodrigues de MARINS 4 Jessyca SILVA 5 Aldenise Batista

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

P A N Ó P T I C A FILME, OBRA, LIVRO: CAMADAS PARA PENSAR A ANTROPOLOGIA VISUAL A PARTIR DO NIGHT CAFÉ, DE LÍGIA DABUL 1

P A N Ó P T I C A FILME, OBRA, LIVRO: CAMADAS PARA PENSAR A ANTROPOLOGIA VISUAL A PARTIR DO NIGHT CAFÉ, DE LÍGIA DABUL 1 P A N Ó P T I C A FILME, OBRA, LIVRO: CAMADAS PARA PENSAR A ANTROPOLOGIA VISUAL A PARTIR DO NIGHT CAFÉ, DE LÍGIA DABUL 1 Sabrina Parracho Sant Anna Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Escola de Cidadania: a Construção do Espaço Público para a Consolidação da Cultura Cívico-Democrática

Escola de Cidadania: a Construção do Espaço Público para a Consolidação da Cultura Cívico-Democrática Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Escola de Cidadania: a Construção do Espaço Público para a Consolidação da Cultura Cívico-Democrática

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME)

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME) PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME) NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL (NEA) SEMED TÉCNICAS RESPONSÁVEIS: REGINA FREIRE ARNALDO DO NASCIMENTO (GESTORA AMBIENTAL) E SOLANGE ALVES OLIVEIRA (BIÓLOGA) LEI N o 9.795,

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS Turno: VESPERTINO Autorizado pela Resolução UNIV. nº 25, de16 de setembro de 2002. Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação em Licenciatura

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Jornalismo. Projeto de Extensão. Programa Ade!. Interatividade.

PALAVRAS CHAVE: Jornalismo. Projeto de Extensão. Programa Ade!. Interatividade. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Juventude e música: a produção nos cursos de pós-graduação brasileiros 1

Juventude e música: a produção nos cursos de pós-graduação brasileiros 1 Juventude e música: a produção nos cursos de pós-graduação brasileiros 1 Thenille Braun Janzen Universidade Federal de Uberlândia Resumo: O presente relato de experiência pretende destacar os resultados

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

APONTAMENTOS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA APONTAMENTOS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA Ana Claudia da Silva Rodrigues; Lílian Maria Paes de Carvalho Ramos (Orientadora) Universidade Federal Rural

Leia mais

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 Bruna Mayara de Lima Cibotto 2 ; Patrícia Marques da Silva Prado 2 ; Ana Paula Machado Velho 3. RESUMO: O presente

Leia mais

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR I - OBJETIVO GERAL Realização de Módulos do programa de capacitação

Leia mais

Tese 1. A base do Curso de Pedagogia é a docência.

Tese 1. A base do Curso de Pedagogia é a docência. ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO (ANPED)/ ASSOCIAÇÃO NACIONAL PELA FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO (ANFOPE)/ ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL

EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Nome da disciplina: Introdução Ao Serviço Social Descrição: A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional

Leia mais

CURSO DE PSICOLOGIA. Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2

CURSO DE PSICOLOGIA. Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2 CURSO DE PSICOLOGIA Trabalho de Conclusão de Curso Resumos 2011.2 COORDENADORA DO CURSO: Prof.ª Mônica Ramos Daltro SALVADOR TEMA: Contribuições da Teoria do Pensamento Complexo Para a Área da Psicologia

Leia mais

Novas Tendências na Educação para o Trabalho. UnB/FE/NEPET Profª Olgamir F. de Carvalho

Novas Tendências na Educação para o Trabalho. UnB/FE/NEPET Profª Olgamir F. de Carvalho Novas Tendências na Educação para o Trabalho UnB/FE/NEPET Profª Olgamir F. de Carvalho - Identifica-se consensualmente a informação, o conhecimento e as tecnologias de informação, como elementos fundamentais

Leia mais

EDITAL 03 Perfil 3 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018

EDITAL 03 Perfil 3 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018 EDITAL 03 Perfil 3 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018 DESENVOLVIMENTO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA POR MEIO DA ESPECIALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE JUVENTUDE E DOS

Leia mais

Pré-Programa para Direção do Campus Diadema 2014 2018. Pela Institucionalização e Consolidação da Unifesp de Diadema

Pré-Programa para Direção do Campus Diadema 2014 2018. Pela Institucionalização e Consolidação da Unifesp de Diadema Pré-Programa para Direção do Campus Diadema 2014 2018 Candidatos à Direção Prof. João Alexandrino Prof. Newton Andréo Filho Equipe comprometida com o programa de trabalho Profa. Ileana Rubió Prof. Flaminio

Leia mais

Segunda Chamada: Jornalismo Digital e Educação 1

Segunda Chamada: Jornalismo Digital e Educação 1 Segunda Chamada: Jornalismo Digital e Educação 1 Marília DALENOGARE 2 Aline MARTINS 3 Camila Pilla de Azevedo e SOUZA 4 Dieison MARCONI 5 Josafá Lucas ROHDE 6 Luciano MIRANDA 7 Universidade Federal de

Leia mais

Divulgação Científica Nas Redes Sociais: Breve Olhar Sobre O Conteúdo Jornalístico Da Universidade Do Estado Do Amazonas No Facebook 1

Divulgação Científica Nas Redes Sociais: Breve Olhar Sobre O Conteúdo Jornalístico Da Universidade Do Estado Do Amazonas No Facebook 1 Divulgação Científica Nas Redes Sociais: Breve Olhar Sobre O Conteúdo Jornalístico Da Universidade Do Estado Do Amazonas No Facebook 1 RESUMO Vanessa Barbosa BRITO2 Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

POLÍTICAS E PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DE GESTORES ESCOLARES FRENTE ÀS NOVAS DCN PARA O CURSO DE PEDAGOGIA BREVE HISTÓRICO O INÍCIO DE UMA CAMINHADA

POLÍTICAS E PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DE GESTORES ESCOLARES FRENTE ÀS NOVAS DCN PARA O CURSO DE PEDAGOGIA BREVE HISTÓRICO O INÍCIO DE UMA CAMINHADA POLÍTICAS E PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DE GESTORES ESCOLARES FRENTE ÀS NOVAS DCN PARA O CURSO DE PEDAGOGIA Marcelo Soares Pereira da Silva UFU marcelosoares@ufu.br Resumo: No contexto das políticas de formação

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES DO USO DO MARCO LÓGICO/ZOOP EM UMA MÉDIA ONG DE EDUCAÇÃO POPULAR. Cristina Schroeter Simião 1

LIMITES E POSSIBILIDADES DO USO DO MARCO LÓGICO/ZOOP EM UMA MÉDIA ONG DE EDUCAÇÃO POPULAR. Cristina Schroeter Simião 1 LIMITES E POSSIBILIDADES DO USO DO MARCO LÓGICO/ZOOP EM UMA MÉDIA ONG DE EDUCAÇÃO POPULAR. Cristina Schroeter Simião 1 I. Introdução do Marco Lógico/Zopp na Aditepp: Limites e Possibilidades. No ano de

Leia mais

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: ARTES/MÚSICA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2016 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO: 2016 COORDENADOR DE ÁREA: ANTÔNIA PEREIRA BEZERRA COORDENADOR ADJUNTO: VERA BEATRIZ SIQUEIRA

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: A PERSPECTIVA 1 DO TERRITÓRIO

O ENSINO DE GEOGRAFIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: A PERSPECTIVA 1 DO TERRITÓRIO O ENSINO DE GEOGRAFIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: A PERSPECTIVA 1 DO TERRITÓRIO TESSMANN, Jéssica Moara da Cunha Universidade Federal de Pelotas UFPel (jessica_tessmann@hotmail.com) DAL MOLIN, Adriana Universidade

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Amambai 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Interdisciplinar Obs.: Para proposta

Leia mais

MOBILIZAÇÃO SOCIAL EM SAÚDE:

MOBILIZAÇÃO SOCIAL EM SAÚDE: MOBILIZAÇÃO SOCIAL EM SAÚDE: O PAPEL DA COMUNICAÇÃO ESTRATÉGICA Márcio Simeone Henriques Rennan Lanna Martins Mafra O termo mobilização social vem ganhando destaque a cada dia em nossa sociedade. Serve

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

Pedagogia Profª Luciana Miyuki Sado Utsumi. Roteiro. Perfil profissional do professor

Pedagogia Profª Luciana Miyuki Sado Utsumi. Roteiro. Perfil profissional do professor Pedagogia Profª Luciana Miyuki Sado Utsumi Abordagens do Processo Educativo, Saberes Docentes e Identidade Profissional Roteiro Reflexões sobre o papel do professor da Educação Infantil Educar, Cuidar

Leia mais

Eixo Temático ET-14-004 - Outros

Eixo Temático ET-14-004 - Outros 578 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 2014 Eixo Temático ET-14-004 - Outros COLETIVO ESTAÇÃO (SOUSA-PB): APLICAÇÃO DE TECNOLOGIAS SOCIAIS PARA MELHORIA

Leia mais

PARTIDO DOS TRABALHADORES DIRETÓRIO ESTADUAL DO CEARÁ

PARTIDO DOS TRABALHADORES DIRETÓRIO ESTADUAL DO CEARÁ REUNIÃO DA EXECUTIVA ESTADUAL RESOLUÇÃO PT CEARÁ: DIRETRIZES PARA O MODO PETISTA DE GOVERNAR O CEARÁ Após 32 (trinta e dois) anos da primeira disputa ao governo do estado, com a candidatura do inesquecível

Leia mais