Autoria: Marcia Regina Godoy, Robson Alexandre Maria, Sidnei Pereira do Nascimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autoria: Marcia Regina Godoy, Robson Alexandre Maria, Sidnei Pereira do Nascimento"

Transcrição

1 Efeito da Entrada do Medicamento Genéricos nos Preços do Medicamento de Referência e Similar Autoria: Marcia Regina Godoy, Robson Alexandre Maria, Sidnei Pereira do Nascimento RESUMO A introdução dos medicamentos genéricos no mercado brasileiro causou uma grande alteração nos preços. Este trabalho verificou a evolução dos preços dos medicamentos que possuíam o mesmo princípio ativo comercializado simultaneamente na forma de medicamento de referência/marca, genérico e similar. O período analisado foi de dezembro de 1999 a janeiro de Os resultados indicam que os medicamentos similares custam menos que os medicamento genérico e que os genéricos, na maioria das vezes, é mais barato do que o de referência. Além disto, verificou-se que ao contrário da experiência internacional, no Brasil, os medicamentos de referência têm sofrido redução de preço após a introdução do genérico. Demonstrando que a política adotada pelo governo brasileiro foi eficaz ao introduzir a concorrência visando à redução de preços. Fatores como a sinalização de qualidade através dos testes exigidos pela ANVISA e os gastos com propaganda contribuíram para o acirramento da concorrência. 1 - INTRODUÇÃO O mercado farmacêutico é caracterizado por um oligopólio diferenciado baseado na ciência, existindo grandes monopólios e oligopólios por classes e subclasses terapêuticas (RÊGO, 2000). Por exemplo, o laboratório Roche domina o mercado de vitaminas; o Alcon, o de colírios; o Schering, o de anticoncepcionais (BRASIL, 2000b).Várias características estruturais tornam o mercado de medicamentos imperfeito do ponto de vista concorrencial, favorecendo a existência de poder de monopólio. Entre elas destacam-se: a) elevada concentração; b) o fato de o consumidor estar tecnicamente impossibilitado de decidir o que consumir; c) existência de patentes; c) fidelidade à marca (uma marca famosa desempenha um papel importante no processo de ingresso em um mercado relevante); d) existência de barreiras à entrada. As potenciais barreiras à entrada são: 1) os elevados custos irrecuperáveis (sunk cost) em P&D, manufatura, desenvolvimento da marca, pesquisa; 2) Barreiras Tecnológicas; 3) elevados recursos financeiros, para adquirir ou construir bases física e equipamentos indispensáveis á produção. Conferindo um poder monopólico as empresas estabelecidas, já que inibe a entrada de novos concorrentes pela impossibilidade de recuperarem os custos incorridos por sua instalação (SCHYMURA, 1999, p.87). Outra característica igualmente importante neste mercado é o elevado gasto em propaganda, pois a manutenção das vendas de produtos antigos (tradicionais) e o lançamento de produtos inovadores/novos requerem uma complexa estrutura de propaganda. Morton (2000) através de um estudo econométrico conclui que embora sejam elevados estes gastos eles não são barreira à entrada de novos produtos. A razão de ser da indústria farmacêutica é apoiar o progresso da medicina na busca da cura das doenças e do bem-estar do ser humano. Este esforço vem sendo bem-sucedido, pois a expectativa de vida da população aumentou. Em razão deste aumento e do envelhecimento populacional, o consumo de medicamentos e de serviços de saúde tem crescido a taxas elevadas, causando dificuldades para os governos (CÂMARA, 1993; REGO, 2000). O crescimento dos gastos em saúde inclusive medicamentos-, tanto no setor público como privado, tem levado os governos a buscarem estratégias e alternativas para racionalização desses gastos e facilitar o acesso à população, pois há uma estimativa da Organização Mundial da Saúde de que 1/3 da população mundial não tem acesso a

2 medicamentos essenciais, há necessidade de políticas que amenizem este problema (REICH, 2000). Para o caso do mercado brasileiro, Saliba (1998) estima que dos 160 milhões de brasileiros, somente 50 milhões são realmente consumidores de medicamentos, 50 milhões são consumidores parciais e os demais 60 milhões não tem acesso. Diante deste quadro, governos têm buscado formas de amenizar estes problemas através da regulação feita através de diversas formas de intervenção no mercado farmacêutico e sobretudo com a adoção da política dos medicamentos genéricos, visando, de um lado, facilitar o acesso a medicamentos ao disponibilizar no mercado medicamentos mais baratos e, de outro lado, reduzir os gastos públicos com saúde. Os gastos com medicamentos constituem um dos itens de grande importância no orçamento familiar e público. Na Tabela 1 está demonstrado o percentual do orçamento familiar que é comprometido com gastos com medicamentos no Brasil. QUADRO 1: Percentual da Despesa Média Mensal Familiar com Medicamentos no Brasil para as áreas da POF 1987 e 1996 Classes de recebimento mensal familiar (S.M.) Variação Percentual Total 1,71 1,89 10,5% Até 2 S.M. 4,26 4,83 13,4% Mais de 2 a 3 S.M. 3,14 3,84 22,3% Mais de 3 a 5 S.M. 3,07 3,46 12,7% Mais de 5 a 6 S.M. 2,50 3,22 28,8% Mais de 6 a 8 S.M. 2,42 2,73 12,8% Mais de 8 a 10 S.M. 2,28 2,60 14,0% Mais de 10 a 15 S.M. 2,28 2,24-1,8% Mais de 15 a 20 S.M. 1,63 2,00 22,7% Mais de 20 a 30 S.M. 1,53 1,79 17,0% Mais de 30 S.M. 1,00 1,01 1,00% Fonte: IBGE Neste artigo buscamos avaliar o impacto da entrada dos genéricos no mercado brasileiro sobre os preços dos medicamentos de marca e similares, pois até o momento, só foram feito pesquisas para demonstrar a diferença de preço entre medicamentos de referência e genéricos. Assim, este artigo tem como objetivo discutir as características do mercado de medicamentos de genéricos no Brasil e principalmente, verificar empiricamente a diferença de preço entre medicamentos de marca, genéricos e similares. 2 TIPOS DE MEDICAMENTOS 2.1 Medicamentos de referência (ou de marca) Os medicamentos de referência se caracterizam por elevados gastos com pesquisa e desenvolvimento de novos processos e produtos, segundo Godoy (2002) existem estimativas que estes custos giram em torno de US$500 milhões para desenvolvimento de um medicamento. As características das inovações dos produtos do setor de medicamentos, novas moléculas, permitem uma maior eficácia na implementação da lei de patentes nesse setor do que na maioria dos demais setores econômicos (ANDRADE, 2000). A maior parte desses investimentos, entretanto, resulta em fracassos: gastos de pesquisa que não resultam em produtos aprovados ou rentáveis. De fato, dentre a moléculas sintetizadas em média apenas uma é aprovada. Dessa forma, a renda de 2

3 monopólio garantida pela posse temporária da patente de uma inovação bem sucedida, financia os gastos com pesquisa e desenvolvimento das demais moléculas sintetizadas (LISBOA, 1998). Mundialmente, o investimento em pesquisa e desenvolvimento atingiu US$ 50 bilhões no ano de 2.000; no Brasil, o investimento das empresas em pesquisa clínica totalizou R$ 93 milhões em 2.000, mas de seis vezes o valor do que foi aplicado em (Revista KAIROS, 2002). Esse esforço é resultado de um circulo virtuoso, cujo elo fundamental é o cumprimento da lei de patentes. Sem a efetiva proteção da propriedade intelectual de suas inovações, seria impossível para a indústria farmacêutica de pesquisa, garantir o trabalho de desenvolvimento de novos remédios e vacinas. 2.2 Medicamentos genéricos Medicamento genérico é aquele que contém o mesmo principio ativo, na mesma dose e forma farmacêutica de um remédio de referência. Também é administrado pela mesma via e tem indicação idêntica. É tão seguro e eficaz quanto o medicamento de marca, mas em geral custa menos (CRF-SP, 2002). Os chamados genéricos são medicamentos cujas patentes já expiraram e cuja comercialização pode ser realizada sem marca comercial, apenas com o nome do princípio ativo. A utilização do nome genérico permite a comparação de preços entre substitutos terapêuticos por parte dos médicos e dos consumidores, de forma a atenuar a assimetria de informações que caracteriza o setor. Um dos primeiros países a adotar os medicamentos genéricos foram os Estados Unidos, através do Waxmann-Hatch Act de 1984, posteriormente foram adotados em diversos outros países tais como: Canadá, Inglaterra, França e Itália (ULRICH, 2000). Em 1984, o mercado de genéricos representava 18,6% do total, elevando sua participação para 47% em 2000, crescimento justificado pelas compras dos sistemas de saúde pública (PHRMA, 2001). Atualmente, no mercado americano os medicamentos genéricos representam 72% do receituário médico e entram no mercado, em média, três meses após expiração da patente. Segundo BERMUDEZ (1999), a questão dos medicamentos genéricos se tornou tendência mundial, não apenas nos países do Terceiro Mundo, mas também nos países centrais, motivada pela necessidade de contenção dos gastos públicos. Muitos países têm adotado políticas agressivas de promoção dos genéricos, como forma de propiciar à população medicamentos com preços mais acessíveis e reduzir gastos com a assistência farmacêutica, (ANVISA, 2002). A experiência internacional mostra que os maiores êxitos obtidos na promoção dos genéricos, têm ocorrido nos países onde as ações são direcionadas para influenciar o comportamento dos médicos, através de informações eficientes que comprovam a qualidade e a confiabilidade desses medicamentos. Na literatura internacional um dos artigos mais importantes a respeito da concorrência dos genéricos é o feito por GRABOWSKI & VERNON (1992). Os resultados encontrados pelos autores indicam a concorrência de medicamentos genéricos tendeu a afetar positivamente a maioria dos preços dos medicamentos de marca pioneiros do mercado. Este artigo inspirou vários estudos, pois a crença mais comum seria imaginar que o medicamento de marca reduzisse seu preço como decorrência do aumento da concorrência no mercado propiciada pelos medicamentos genéricos. GRILICHES & COCKBORN (1993) dizem que quando um genérico entra no mercado ele é vendido por preços mais baixos, algo em torno de 30% a 50% mais barato do que o de marca-referência. 3

4 FRANK & SALKEVER (1995) utilizaram uma amostra dos 32 medicamentos mais vendidos que haviam perdido a proteção da patente no início da década de 80 para testar um modelo econométrico de mínimos quadrados de dois estágios e analisar o comportamento dos preços de medicamentos. Eles verificaram que a maior competição entre produtores de medicamentos genéricos resulta em uma substancial redução de preços para estes medicamentos. Além disso, eles não encontraram evidência que a redução de preços no medicamento de marca seja fruto da entrada de produtos genéricos. Adicionalmente, concluíram que a entrada de genéricos leva os consumidores que são sensíveis ao preço a mudarem para genéricos, os consumidores não sensíveis ao preço continuam a comprar medicamento de marca. Uma outra conclusão foi que a cada nova empresa que iniciava fabricação do genérico, o preço médio dele caia entre 5,6% e 7,2%. Já, FERRANDIZ (1999), encontrou evidências que após a entrada do genérico há um aumento nos preços dos medicamentos de marca. MORTON (2000) utilizou uma amostra de 98 medicamentos genéricos para observar as vendas do medicamento de marca dois anos antes da expiração da patente até um ano depois, no período entre 1986 e Ela desejava verificar se a propaganda da marca de referência podia atuar como uma barreira na entrada de genéricos. Para tal estudo utilizou o modelo de regressão de Poisson e concluiu que as vendas de medicamento de marca no ano anterior a expiração da patente eram o fator mais importante na determinação da quantidade de empresas de genéricos a entrar; vendas mais altas atraem maior número de laboratórios e concluiu ainda que a propaganda não é uma barreira de entrada para empresas de genéricos no mercado farmacêutico americano. MORTON (2000) concluiu que as drogas usadas para tratamento de doenças crônicas atraem mais laboratórios interessados em fabricar genéricos. MORTON (1997) afirmou que os medicamentos com faturamento alto atraíram maior número de interessados em fabricar genéricos e que quanto maior o número de empresas que fabricavam um mesmo genérico, maior seria a redução de preços dada a concorrência. LEXCHIN (2004), examinando o efeito da competição dos genéricos nos preços do medicamento de marca no Canadá não encontrou mudança significativa de preços após a introdução do genérico. Os resultados do autor, indicam que 11% dos medicamentos sofrerão uma redução de preços de 30% e 41,67% não tiveram alteração. Mostrando assim, que não há competição naquele mercado. Para o Brasil, LISBOA & FIUZA (2001) mostram que a concorrência prévia, propiciada pelos medicamentos similares, e derivada da disputa entre laboratórios privados, era pouco eficaz para reduzir os preços dos medicamentos de referência. Entretanto GODOY (2002) e NISHIJIMA & BIASOTO (2003) mostram que ocorreu redução de preços. 2.3 Medicamentos similares Remédios similares são a mesma droga produzida em laboratórios diferentes, tendo diversos nomes fantasia. Aqueles que contém o mesmo ou os mesmos princípios ativos, apresenta a mesma concentração, forma farmacêutica, via de administração, posologia, indicação terapêutica, e são medicamentos registrados no órgão federal responsável pela vigilância sanitária, podendo diferir somente em características relativas a tamanho e forma do produto, prazo de validade, embalagem, rotulagem, excipiente e veículos, devendo sempre ser identificado por nome comercial ou marca (PRÓGENERICOS, 2002). Os medicamentos similares surgiram no Brasil a partir de 1971, quando o Brasil decidiu não reconhecer patentes de medicamentos, pois as invenções que tiveram por objeto substâncias, matérias, misturas, ou produtos alimentícios, químicos-farmacêuticos e medicamentos de qualquer gênero passaram a ser não privilegiáveis pela legislação brasileira (Lei 7903/1945, Lei 1005/1969 e Lei 5772/1971). 4

5 Dada a ausência de proteção da patente os fabricantes nacionais passaram a copiar as invenções. A situação de não reconhecimento de patentes era bastante cômoda para a indústria brasileira, já que podia-se copiar livremente, não necessitando fazer investimentos em pesquisas e desenvolvimento, conseqüentemente havia uma redução drástica de custos na ausência de patentes. Além disto, a Vigilância Sanitária concedia o direito de registro de produto farmacêutico por similaridade a outro já registrado (Lei 6360/76). Assim, os laboratórios solicitavam ao governo a manutenção do não reconhecimento de patentes, e mecanismo de proteção ao capital local (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE QUÍMICA DO RIO GRANDE DO SUL, 1987). Em 1996, com o reconhecimento da lei de patentes (Lei 9279/96), ficou determinado que os laboratórios nacionais poderiam produzir similares de medicamentos patenteados em outros países, somente se este estivesse expirado a data da produção interna. Com a nova legislação, essas patentes são concedidas aos respectivos laboratórios que pesquisam um princípio ativo ou uma molécula e documentam cientificamente e clinicamente suas propriedades, estabelecendo parâmetros de utilização do produto. Essas patentes são concedidas por até 20 anos. Vencida a patente, essa tecnologia passa a ser de domínio público, quando poderão ser registrados medicamentos genéricos. (ANVISA, 2002). Em 5 de outubro de 1993, o presidente Itamar Franco assinou um decreto tornando obrigatório que tanto a embalagem, quanto à bula dos medicamentos tenham sua denominação genérica em destaque, impressa em posição superior à da marca, isto é, do nome fantasia, que não poderá ultrapassar 25% do tamanho da denominação genérica, isto facilitaria o consumidor a escolher o mais barato. (Os laboratórios pediram seis meses de prazo para se ajustarem às novas normas, que nunca entraram em vigor). Com a Resolução nº62 de 12/08/2002, a ANVISA regulamenta o registro de medicamento similar, este regulamento é composto por três partes: das medidas antecedentes ao registro, as exigências legais e técnicas do registro, as medidas pós-registro. 3 A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA COM MEDICAMENTOS GENÉRICOS A indústria farmacêutica brasileira a partir de 2000, adquiriu grande destaque no cenário político/econômico, principalmente pela entrada dos medicamentos genéricos no mercado, os quais foram lançados para viabilizar o acesso aos medicamentos à população carente. O assunto dos medicamentos genéricos foi discutido no Congresso Nacional a partir de 1992 e em 1999 foi assinada a Lei 9787/99 que estabeleceu as regras para a instituição do medicamento genérico através da criação formal desta denominação. Dentre outros instruções, a lei instituiu a obrigatoriedade de fixação na embalagem da denominação comum brasileira (DCB), ou seja, o princípio ativo, em letras cujo tamanho não pode ser inferior à metade do tamanho do nome comercial. Já os medicamentos genéricos devem ter escrito na embalagem: Medicamento Genérico - Lei 9787/99. A partir do dia 10 de fevereiro de 1999, com a Lei 9.787, estabeleceram-se as bases legais para os medicamentos genéricos e atribuições de poderes à Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) para regulamentação das condições de registro e controle de qualidade. Até então, não existiam genéricos no país, só medicamentos de marca e similares, utilizando a denominação genérica. Um dos argumentos utilizados para justificar os preços menores dos genéricos é que como os fabricantes de medicamentos genéricos copiam um determinado medicamento sem fazer investimentos em pesquisas para o seu desenvolvimento, visto que as formulações já estão definidas pelos medicamentos de referência e que servirão de parâmetro para a fabricação. Outro argumento é que não necessitam fazer propaganda, pois não há marca a ser divulgada. 5

6 Os medicamentos genéricos comercializados no mercado brasileiro são predominantemente fabricados por laboratórios fixados no Brasil. Cerca de 22,25% deles são importados de vários países como: Alemanha, Canadá e principalmente Índia, entre outros. O Laboratório que possui maior número de registros, atualmente, é o EMS com 158, seguido do Eurofarma com 115 e Medley com 105. QUADRO 2: Medicamentos Genéricos no Brasil 03/2004 Registrados Fármacos 268 Registros 1094 N.º classes terapêuticas 57 Apresentações 4273 Laboratórios Fabricantes 51 Fonte: ANVISA O Governo visando estimular as vendas de genéricos determinou que no serviço público de Saúde (SUS - Sistema Único de Saúde), os profissionais têm a obrigatoriedade de prescrever os medicamentos pela denominação genérica. Já nos serviços privados de saúde, a prescrição fica a critério do médico responsável, podendo ser realizada sob nome genérico ou comercial, devendo, no entanto, ressaltar as restrições à intercambialidade, quando necessário. Neste caso, a restrição deverá ser efetuada pelo prescritor, de próprio punho, de forma clara, legível e inequívoca, (ANVISA, 2002). QUADRO 3: Evolução da quantidade vendida de medicamento genéricos no Brasil - Junho de 2000 a Junho 2001 Mês Quantidade Vendida em milhões de unidades Participação no Mercado Total (%) Junho/00 2,02 1,48% Julho/00 2,26 1,67% Agosto/00 2,71 1,95% Setembro/00 2,77 2,18% Outubro/00 3,23 2,40% Novembro/00 2,46 1,92% Dezembro/00 3,18 2,45% Janeiro/01 3,58 2,70% Fevereiro/01 3,40 3,13% Março/01 4,57 3,46% Abril/01 4,58 3,60% Maio/01 6,39 4,80% Junho/01 6,16 4,76% Fonte: ANVISA Embora os frutos da entrada dos genéricos no mercado brasileiro sejam difíceis de mensurar dada a escassez de dados, procurou-se neste trabalho ilustrar alguns casos do efeito da entrada do genérico na quantidade vendida e no preço do medicamento de referência. Os Gráficos 1 e 2 revelam os efeitos sobre as vendas do Antak e do Renitec, respectivamente, pode-se verificar que os produtos de marca reduziram suas vendas e a parcela de mercado dos genéricos tem se ampliado. 6

7 GRÁFICO 1: Evolução das vendas do medicamento Antak e o genérico Cloridrato de Ranitidina período maio/2000 a abril/2001 Quantidade Vendida (em 1000 unidades) mai/00 jun/00 jul/00 ago/00 set/00 out/00 nov/00 dez/00 jan/01 fev/01 mar/01 abr/01 Total Ranitidina Antak (referência) Fonte: ANVISA GRÁFICO 2: Evolução das Vendas do Renitec (referência) e genérico Maleato de Enalapril - maio/2000 a abril/ Quantidade Vendida mai/00 jun/00 jul/00 ago/00 set/00 out/00 nov/00 dez/00 jan/01 fev/01 mar/01 abr/01 FONTE: ANVISA Total Renitec(referência) Enalapril 4 A PESQUISA 4.1 Procedimentos Metodológicos Para verificar a existência das diferenças do preço máximo ao consumidor entre as três classes de medicamentos: marca, genéricos e similares. Utilizamos a seguinte metodologia: num primeiro momento, identificamos os medicamentos que possuem o mesmo princípio 7

8 ativo e a mesma apresentação nas três classes de medicamentos (marcas, genéricos e similares), como forma de eliminar as diferenças entre eles. A seguir, buscamos identificar os preços dos medicamentos para verificar a diferença entre as classes de medicamentos. Para que seja realizado o calculo sobre a diferenciação de preços no mercado farmacêutica brasileiro, serão usados como fonte de dados, o preço máximo ao consumidor. Com relação a estes preços, estão disponibilizados nas revistas KAIROS e ABCFARMA, esta última é de uso obrigatório nas farmácias e drogarias do Brasil, Portaria nº 37 de 11 de maio de Devido ao aumento de preços dos medicamentos em períodos diferentes, neste trabalho para realizar a chamada diferenciação de preços, será adotado o preço do último mês de cada ano estudado, (dezembro de 1999, dezembro de 2000, dezembro de 2001, dezembro 2002 e dezembro de 2003). Os critérios para selecionar os medicamentos para este trabalho consistiu em: 1º - Medicamentos que possuem genéricos e similares idênticos quanto à apresentação e quantidade; 2º - Medicamentos que são entre os mais vendidos. Para atender o critério número 1, utilizamos a Lista Comparativa de Preços de Medicamentos Genéricos disponibilizada no site da ANVISA e também Lista de Preços da ABCFARMA. Para o critério 2, utilizamos BRASIL (2000) que contempla uma lista com os medicamentos mais vendidos no Brasil. Seguindo estes critérios, selecionamos os medicamentos abaixo relacionados: 4.2 Medicamentos selecionados Os medicamentos de referência selecionados foram: Medicamento Apresentação Quantidade Laboratório! Amplacilina 500 mg 12 cápsulas Eurofarma! Keflex 500 mg 8 drágeas Eli Lilly! Cataflam 50 mg 20 drágeas Novartis! Voltarem 50 mg 20 comprimidos Novartis! Magnopirol 500 mg 20 ml Farmasa! Tylenol 200 mg 15 ml Janssen Cilag! Diabinese 250 mg 30 comprimidos Pfizer! Glifage 850 mg 30 comprimidos Merck! Zocor 20 mg 30 comprimidos Merck Sharp! Renitec 20 mg 30 comprimidos Merck Sharp! Capoten 50 mg 28 comprimidos Bristol Myers Squibb! Losec 20 mg 14 cápsulas Astrazeneca! Tagamet 200 mg 40 comprimido Glaxosmithkline! Aldomet 500 mg 30 comprimidos Prodome! Feldene 20 mg 10 cápsulas Pfizer! Helmibem 100 mg 6 comprimidos Eurofarma! Flagyl 250 mg 20 comprimidos Aventis Pharma 4.3 Resultados Nesta seção mostraremos de forma sintética os resultados obtidos na pesquisa, dado que as tabelas são de grande proporção e eliminamos as tabelas dos anos de 1999 e Esta omissão não compromete seriamente a analise dos resultados, uma vez que, nem todos os princípios ativos possuíam medicamentos genéricos nestes anos. 8

9 QUADRO 4: Comparação de Preço dos medicamentos do ano de Doença Principio Ativo Medicamento Diferença Percentual 2001 entre Unidade Marca e Genérico Marca e Genérico e Similar Similar Amoxil 20,16 Amoxicilina Genérico 12, ,75 74 Similar 11,60 Amplacilina 16,49 Antibiótico Ampicilina Genérico 9,64 (Infecções) Similar 9, ,4 78 Keflex 18,03 Cefalexina Genérico 11, ,09 60 Similar 11,28 Cataflam 12,12 Diclofenaco Genérico 6,69 Potássico Similar 5, Voltarem 12,24 Antiinflamatório Diclofenaco Genérico 6,99 (Inflamações) Sódico Similar 5, Feldene 10,64 Piroxicam Genérico 5, Similar 3,35 Magnopirol 6,90 Dipirona Genérico 4, ,95 89 Antipirético Sódica Similar 3,65 Análgesico (Febre/Dor) Tylenol 7,28 Paracetamol Genérico 4, Similar 3,59 Antilipênico Zocor 71,37 (Hipercoles- Sinvastativa Genérico 46, terolenia) Similar 41,94 Renitec 32,73 Maleato de Genérico Enalapril 28,29 Anti-hipertensivo Similar 17, (Hipertensão) Capotem 48,68 Captopril Genérico 23, Similar 17,16 Losec 57,71 Omeprazol Genérico 25, Antiulceroso Similar 21,97 (Gastrointestinal) Antak 23,76 Ranitidina Genérico 11, Similar 9,21 Zentel 5,20 Albendazol Genérico 3, Anti-parasitário Similar 2,51 (Verminose) Helmibem 7,78 Mebendazol Genérico 2, Similar 2,14 Fonte: Dados da Pesquisa obtidos em ABCFARMA (12/2001), nº

10 O quadro 4 consiste em comparar os preços dos medicamentos genéricos de referência e os similares do ano 2001, calculando a diferença em percentual entre eles. QUADRO 5: Comparação de Preço dos medicamentos do ano de Doença Principio Ativo Medicamento Antibiótico (Infecções) Antiinflamatório (Inflamações) Antipirético Análgesico (Febre/Dor) Antilipênico (Hipercolesterolenia) Anti-hipertensivo (Hipertensão) Antiulceroso (Gastrointestinal) Anti-parasitário (Verminose) Amoxicilina Ampicilina Cefalexina Diclofenaco Potássico Diclofenaco Sódico Piroxicam Dipirona Sódica Paracetamol Sinvastativa Maleato de Enalapril Captopril Omeprazol Ranitidina Albendazol 2002 Unidade Amoxil 21,16 Genérico 12,48 Similar 11,60 Amplacilina 17,44 Genérico 10,45 Similar 9,34 Keflex 19,09 Genérico 11,01 Similar 10,98 Cataflam 12,82 Genérico 8,19 Similar 5,54 Voltarem 12,95 Genérico 7,34 Similar 5,21 Feldene 11,25 Genérico 6,87 Similar 3,55 Magnopirol 7,30 Genérico 4,32 Similar 3,83 Tylenol 7,70 Genérico 4,62 Similar 3,81 Zocor 75,53 Genérico 49,15 Similar 31,65 Renitec 34,33 Genérico 29,94 Similar 16,99 Capotem 49,11 Genérico 24,21 Similar 16,36 Losec 61,07 Genérico 25,36 Similar 12,89 Antak 25,14 Genérico 11,75 Similar 9,44 Zentel 5,21 Genérico 3,37 Similar 2,97 Marca e Genérico Diferença Percentual entre Genérico e Similar Marca e Similar 69 0, ,

11 Helmibem 8,23 Mebendazol Genérico 3,09 Similar 2,68 Fonte: Dados da Pesquisa obtidos em ABCFARMA (12/2002), nº O quadro 5 consiste em comparar os preços dos medicamentos genéricos de referência e os similares do ano 2002, calculando a diferença em percentual entre eles. QUADRO 6: Comparação de Preço dos medicamentos do ano de Doença Principio Ativo Medicamento Antibiótico (Infecções) Antiinflamatório (Inflamações) Antipirético Análgesico (Febre/Dor) Antilipênico (Hipercolesterolenia) Anti-hipertensivo (Hipertensão) Antiulceroso (Gastrointestinal) Amoxicilina Ampicilina Cefalexina Diclofenaco Potássico Diclofenaco Sódico Piroxicam Dipirona Sódica Paracetamol Sinvastativa Maleato de Enalapril Captopril Omeprazol Ranitidina 2003 Unidade Amoxil 26,06 Genérico 15,31 Similar 13,77 Amplacilina 21,47 Genérico 12,12 Similar 11,70 Keflex 23,50 Genérico 14,58 Similar 7,31 Cataflam 15,81 Genérico 10,08 Similar 8,87 Voltarem 15,95 Genérico 10,36 Similar 5,34 Feldene 13,83 Genérico 9,17 Similar 4,07 Magnopirol 9,41 Genérico 5,79 Similar 4,60 Tylenol 9,52 Genérico 5,67 Similar 4,59 Zocor 93,07 Genérico 60,55 Similar 35,47 Renitec 39,23 Genérico 36,89 Similar 19,04 Capotem 60,52 Genérico 27,14 Similar 16,45 Losec 72,75 Genérico 30,63 Similar 22,53 Antak 30,72 Genérico 16,02 Marca e Genérico Diferença Percentual entre Genérico e Similar Marca e Similar , ,

12 Anti-parasitário (Verminose) Albendazol Similar 13,54 Zentel 5,74 Genérico 3,41 Similar 3,23 Helmibem 10,11 Genérico 3, ,55 77 Mebendazol Similar 1,91 Fonte: Dados da Pesquisa obtidos em ABCFARMA (12/2003), nº 148. O quadro 6 consiste em comparar os preços dos medicamentos genéricos de referência e os similares do ano 2003, calculando a diferença em percentual entre eles Resultados e discussão Os resultados das análises de preço demonstram que a diferença entre os medicamentos de marcas e similares é muito maior que entre medicamentos de marca e genéricos. Para melhor visualizar essa diferença e analisar os resultados como um todo, ano a ano, foi calculado a média ponderada ano por ano. QUADRO 7: Média Ponderada ano a ano. Ano Marca e Genérico ,3 % ,8 % 21,8 % 137,7 % ,5 % 24,1 % 128,1 % % 37,1 % 146,8 % ,5 % 50 % 168,2 % O Quadro acima é composto pela média ponderada do Quadro 4; Quadro 5 e Quadro 6. Pode-se notar que a diferença entre os medicamentos de marca e similar tendem a aumentar, e a diferença entre medicamentos de marca e genéricos a diminuir. Para melhor visualizar estas diferenças e analisar os resultados, foi calculado a média ponderada de 1999 a 2003 (Quadro 8). QUADRO 8: Média Ponderada de 1999 a Genérico e Similar Marca e Similar Marca e Genérico Marca e Ano Genérico e Similar Similar 1999 a ,7 % 33,2 % 135,2 % O Quadro acima é a média ponderada do Quadro 7, cujo resultado é a diferença média dos preços dos medicamentos no mercado brasileiro, no período de 1999 ao início de Alguns laboratórios detentores da marca de referência, após a redução na quantidade vendida têm adotado estratégia competitiva de preços, visando amenizar a perda de receita com a queda das vendas em unidades. Um exemplo disto, pode ser evidenciado no caso do Renitec (Maleato de Enalapril) que reduziu o preço R$61,07 em dezembro de 2000 para R$32,73 em dezembro de CONSIDERAÇÕES FINAIS Com a introdução dos medicamentos genéricos no mercado brasileiro, os medicamentos de referência e similares diminuíram nitidamente os preços, logo à política dos medicamentos genéricos tem sido eficiente. Ao contrário do que indicava a experiência 12

13 internacional, onde o produtor do medicamento de referência mantinha ou aumenta seus preços, no Brasil tem ocorrido redução de preços. A análise dos resultados encontrados no Quadro 7, demonstra que a diferença entre os medicamentos de marca e os genéricos estão lentamente diminuindo. A diferença entre os medicamentos genéricos e similares está aumentando, de 21,8 % para 50 % em quatro anos, observou-se à diminuição do preço dos medicamentos similares, Quadro 7. Adicionalmente, verificamos que alguns laboratórios detentores da marca de referência, após a redução na quantidade vendida têm adotado estratégia competitiva de preços, visando amenizar a perda de receita. O comportamento dos fabricantes de medicamentos de referência pode ter sido alterado por dois motivos. O primeiro deles é que o governo, ao exigir testes de bioequivalência para os medicamentos genéricos sinaliza para o mercado que o medicamento genérico é um produto de boa qualidade, pois em mercados com problemas de informação imperfeita a sinalização é um instrumento muito útil. O segundo motivo é que os elevados gastos do governo com publicidade sobre os medicamentos genéricos foram eficazes em fazer ao fornecer informações para os consumidores, atuando de forma semelhante aos grandes gastos com propaganda realizados pelos grandes laboratórios farmacêuticos. Verificou-se que a diferença de preços entre medicamentos de marca e similares, foi de 95,3 % para 168,2 % aumentando nitidamente a diferença com a introdução dos medicamentos genéricos no mercado. Na amostra analisada, foi possível detectar que os medicamentos de referência custam 80,7 % a mais que os medicamentos genéricos, e 135,2 % a mais que os medicamentos similares. Estas diferenças são muito significativas uma vez que 43% dos consumidores de genéricos possuem renda de até 3 salários mínimos e que famílias que recebem até 2 salários mínimos, comprometem 4,83% do seu orçamento mensal com medicamentos, tornando assim o medicamento similar uma boa opção de compra. Contudo analisando as Tabelas de Preços houve alguns poucos casos como, por exemplo, os genéricos Sulfato de Amicacina, Ampicilina e Cefalotina cujos valores foram superiores entre 1,20% a 15% - aos dos medicamentos de referência. Tais fatos evidenciaram a importância de uma legislação que regulamente a questão dos preços dos genéricos, seja através de uma determinação de que este não pode ser superior ao do de referência, ou do estabelecimento de padrão mínimo de diferença entre preços. Esta sugestão, justifica-se pela existência da assimetria de informação entre o balconista/farmacêutico e o paciente/consumidor; além disto, as campanhas informativas e de divulgação dos genéricos, tendiam/tendem a transmitir a idéia que estes são mais baratos, mas nem sempre tem acontecido desta forma. Como sugestão de trabalho futuro, verificar se os medicamentos de referência e similares continuam a ter redução de preço, após a entrada dos genéricos no mercado brasileiro através de modelos econométricos como Elison et al (1997). 6 - Bibliografia ABCFARMA. Órgão Oficial da Associação Brasileira do Comércio Farmacêutico para farmácias drogarias e empresas do setor. São Paulo: dezembro 1999 a dezembro ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br>. ANDRADE, Mônica Viegas. Ensaios em economia da saúde. Rio de Janeiro: FVG,

14 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE QUÍMICA DO RIO GRANDE DO SUL. Anais. Porto Alegre, BATISTA, Jailton. Guia de medicamentos Teuto. Goiás: Terra, BERMUDEZ, J.A.Z. As bases para uma política de medicamentos genéricos. in Medicamentos e a Reforma do Setor Saúde. Bermudez, J.A.Z; Bonfim, J.R.A. (Org.) Editora Hucitec/Sobravime, 2000, p BERMUDEZ, J.A.Z.; EPSZTEJN, R.; OLIVEIRA; M.A.; HASENCLEVER. O acordo TRIPS da OMC e a proteção patentária no Brasil: mudanças recentes e implicações para a produção local e o acesso da população a medicamentos. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ENSP, BRASIL. Ministério da Saúde. A dor dos remédios b. BRASIL. Congresso. Câmara dos Deputados. Comissão Parlamentar de Inquérito Destinada a Investigar os Reajustes de Preços e a Falsificação de Medicamentos, Materiais Hospitalares e Insumos de Laboratórios. Relatório da CPI Medicamentos: relatório final da Comissão.../relator Deputado Ney Lopes Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações, CÂMARA, M.R.G. Indústria farmacêutica: grupos estratégicos, tecnologia e regulamentação - a experiência brasileira em debate. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo,1993. CERQUEIRA Adimilson. Farmácia atual. São Paulo: Soriak, CERVO, Amado Luiz, BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia científica. São Paulo: Makron, CONSENDEZ, M.A.; BERMUDEZ, J.; et all Assistência farmacêutica na atenção básica de saúde: a experiência de três estados brasileiros. Caderno de Saúde Pública. v. 16, n. 1, 2000, p CRF-SP. Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo. Medicamentos genéricos. Informações para farmacêuticos e profissionais de saúde pública. São Paulo: CRF-SP, FERRANDIZ, J.M. The impact of generic goods in the pharmaceutical industry. Journal of Health Economics v. 8, 1999, p FRANK, R.G.; SALKEVER, D.S. Generic entry and the pricing of pharmaceuticals. NBER. Working Paper Series. Working Paper 5306, GRILICHES, Z; COCKBURN, I. Generics and new goods in pharmaceutical price indexes. NBER. Working Papers Series. Working Paper 4272, GRABOWSKI H.G., VERNON J. M. Brand Loyalty, Entry, and Price Competition in Pharmaceuticals After the 1984 Drug Act. Journal of Law and Economics,

15 GODOY, M.R. A Industria Farmacêutica Brasileira. Universidade de Brasília. Dissertação de Mestrado (Economia), ELISSON, S.F, HAUSMAN, J; COCKBURN, I.; GRILICHES, Z. Characteristics of demand for pharmaceutical products: an examination of four chephalosporins Rand Journal of Economics. v. 28, n. 3, 1997, p IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br>. INPI. Instituto Nacional de Propriedade Intelectual. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br>. KOROLKOVAS, A. Dicionário terapêutico Guanabara. Rio de Janeiro: Koogan, LISBOA, M.B.; FIÚZA, E.; VIEGAS, M.; FERRAZ, L. Política Governamental e Regulação do Mercado de Medicamentos. Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, Política governamental e regulação do mercado de medicamentos. Brasília: IPEA, LEXCHIN, Joel. The effect of generic competition on the price of brand-name drugs. Health Policy. Vol 68, Nº 1, MORTON, F.M. S. Barriers to entry, brand advertising, and generic entry in the US pharmaceutical industry. International. Journal of Industrial Organization. v. 18, 2000, p The objectives of the FDA s office of generic drugs. NBER. Working Paper Series. Working Paper 61, NISHIJIMA, M.; BIASOTO, G.. Os Preços dos Medicamentos de Referência Após a Entrada dos Medicamentos Genéricos no Mercado Brasileiro. Encontro Nacional de Economia (ANPEC). Anais do Encontro. Porto Seguro, Organização Pan-Americana da saúde OPAS / OMS. A saúde no Brasil. Brasília: IPEA, PHRMA. Pharmaceutical Researcher s and Manufacture s Association. Pharmaceutical Industry Profile Disponível em: <http://www.phrma.org>. Acesso em: REGO, E.C.L. - Políticas de regulação do mercado de medicamentos: a experiência internacional. Revista do BNDES. v.7, n. 14, 2000, p REVISTA FARMACÊUTICA KAIROS. Prol Editora Ltda. Números 133 a 171, São Paulo, 1999 a SALIBA, A.C. Tendências do setor farmacêutico: Perspectivas de investimentos no Brasil para os próximos dois anos. Anais Mega Farma 98. São Paulo:

16 ULRICH, V. Health care in Germany: structure, expenditure and prospects. Fraser Institute VALTINGOJER, W. H. Manual de boas práticas em drogarias. Brasília: Anvisa, ZORZETTO, Ricardo. Mercado de genérico cresce, mas não resolve problema de acesso a remédio. Disponível em: <http://www.unifesp.br/comunicacao/jpta/ed159/debate.htm>. Acesso em: 28 de abril de

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS LABORATÓRIO DE TECNOLOGIA DOS MEDICAMENTOS PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Prof. Pedro Rolim PANORAMA

Leia mais

Genéricos - Avanços importantes Economia para o Consumidor. Genéricos são oficialmente, no mínimo, 35% mais baratos que os medicamentos de

Genéricos - Avanços importantes Economia para o Consumidor. Genéricos são oficialmente, no mínimo, 35% mais baratos que os medicamentos de IMPACTOS E AVANÇOS Genéricos - Avanços importantes Economia para o Consumidor Genéricos são oficialmente, no mínimo, 35% mais baratos que os medicamentos de referência Na venda ao consumidor, são em média

Leia mais

Mudanças Estruturais ocasionadas pelo medicamento genérico e Tendências da Indústria Farmacêutica no Brasil

Mudanças Estruturais ocasionadas pelo medicamento genérico e Tendências da Indústria Farmacêutica no Brasil Mudanças Estruturais ocasionadas pelo medicamento genérico e Tendências da Indústria Farmacêutica no Brasil 1 Estrutura de Oferta. Afora o evidente poder de mercado que surge de estruturas de oferta tão

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

3 MERCADO FARMACÊUTICO BRASILEIRO

3 MERCADO FARMACÊUTICO BRASILEIRO 3 MERCADO FARMACÊUTICO BRASILEIRO 3.1 Panorama Geral do Setor A indústria farmacêutica representa 33% da produção mundial de químicos, o que constitui cerca de US$ 280 bilhões. A distribuição por origem

Leia mais

SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA ESTUDO Nº 376, DE 2003

SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA ESTUDO Nº 376, DE 2003 SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA ESTUDO Nº 376, DE 2003 Referente à STC nº 200305985, da Senadora LÚCIA VÂNIA, solicitando subsídios para a audiência pública a ser realizada no âmbito da Subcomissão

Leia mais

Controle de Qualidade de medicamentos: conceito

Controle de Qualidade de medicamentos: conceito Controle de Qualidade de medicamentos: conceito Antes dos anos 70: Determinação da quantidade de princípio ativo presente no medicamento Depois de 1977: FDA/USA: Estudo de biodisponibilidade Equivalência

Leia mais

Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente

Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente Brasília, 21 de outubro de 2013. Processo nº: 25351.584974/2013-59 Tema da Agenda Regulatória 2013/2014 nº:

Leia mais

Procedimentos Simplificados para Registro de Medicamentos CLONES

Procedimentos Simplificados para Registro de Medicamentos CLONES SUMED Procedimentos Simplificados para Registro de Medicamentos CLONES IV Symposium Sindusfarma IPS/FIP-Anvisa Novas Fronteiras Farmacêuticas nas ciências, tecnologia, regulamentação e sistema de qualidade

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA Neste módulo vamos tratar de situações que envolvem dúvidas quanto à melhor maneira de agir e as práticas permitidas ou não pela legislação, mas que, comumente,

Leia mais

IMS Health do Brasil - Farmácia 360º A visão que faltava para o seu negócio. Tutorial para a leitura analítica do relatório Farmácia 360º

IMS Health do Brasil - Farmácia 360º A visão que faltava para o seu negócio. Tutorial para a leitura analítica do relatório Farmácia 360º IMS Health do Brasil - Farmácia 360º A visão que faltava para o seu negócio Tutorial para a leitura analítica do relatório Farmácia 360º Índice Objetivos e Aplicações do Farmácia 360º 3-4 Conteúdo do Farmácia

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PORTARIA Nº 111, DE 27 DE JUNHO DE 2012. Dispõe sobre normas técnicas e administrativas relacionadas à prescrição e dispensação de medicamentos e insumos do Componente Básico

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO JOSÉ ANTONIO LOPES

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO JOSÉ ANTONIO LOPES FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO JOSÉ ANTONIO LOPES ESTUDO SOBRE A REAÇÃO DE PREÇO DOS MEDICAMENTOS LÍDERES DE MERCADO À INTRODUÇÃO DE CONCORRENTES GENÉRICOS E SIMILARES SÃO PAULO

Leia mais

3. Visão Geral do Mercado Farmacêutico

3. Visão Geral do Mercado Farmacêutico 3. Visão Geral do Mercado Farmacêutico 3.1. Introdução A saúde, estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas ausência de enfermidade, é uma das necessidades básicas da espécie humana.

Leia mais

MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS

MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS ELIEZER J. BARREIRO NATALIA MEDEIROS DE LIMA MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS ISBN 978-85-910137-1-5 INCT INOFAR/ Portal dos Fármacos 2009 DOS MEDICAMENTOS INCT INOFAR/ Portal dos Fármacos 2009

Leia mais

Medicamento O que é? Para que serve?

Medicamento O que é? Para que serve? Medicamento O que é? Para que serve? Os Medicamentos são produtos farmacêuticos, tecnicamente obtidos ou elaborados, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico (Lei nº

Leia mais

PRINCIPAIS MERCADOS DE ESPECIALIDADES FARMACÊUTICAS(P OR PAÍS)* US$ BILHÕES

PRINCIPAIS MERCADOS DE ESPECIALIDADES FARMACÊUTICAS(P OR PAÍS)* US$ BILHÕES PRINCIPAIS MERCADOS DE ESPECIALIDADES FARMACÊUTICAS(P OR PAÍS)* US$ BILHÕES Estados Unidos 150 Japão 58 Alemanha 17 França 16 Italia 11 Reino Unido 11 Canadá 6 Espanha 6 México 5,6 Brasil 5,4 PRINCIPAIS

Leia mais

MEDICAMENTOS SIMILARES

MEDICAMENTOS SIMILARES MEDICAMENTOS SIMILARES Fica assegurado o direito de registro de medicamentos similares a outros já registrados, desde que satisfaçam as exigências estabelecidas nesta Lei. (Art. 21 da Lei 6360/76) MEDICAMENTOS

Leia mais

Comprimido 100 mg. Código. Comprimido 500 mg. Código. comprimido adulto - 500 mg. Amoxil, GlaxoSmithKline. Indicações: Antibiótico.

Comprimido 100 mg. Código. Comprimido 500 mg. Código. comprimido adulto - 500 mg. Amoxil, GlaxoSmithKline. Indicações: Antibiótico. ACEBROFILINA Brondilat, Aché. Aspirina, Bayer. Indicações: Analgésico e antitérmico. Xarope pediátrico xarope pediátrico 25 mg/5 ml Reg. M.S.: 1.4381.0131.002-1 100 mg SABOR FRAMBOESA EAN: 7896523209128

Leia mais

RESUMO SEMANAL DO SETOR Farmoquímico e Farmacêutico EDIÇÃO 30/14

RESUMO SEMANAL DO SETOR Farmoquímico e Farmacêutico EDIÇÃO 30/14 Caso não deseje receber este periódico, basta responder o presente e-mail colocando no Assunto "SUSPENDER ENVIO". RESUMO SEMANAL DO SETOR Farmoquímico e Farmacêutico EDIÇÃO 30/14 1 LEGISLAÇÃO 1.1 Aresto

Leia mais

CLIPPING SINFARMIG RETORNO DE MÍDIA PESQUISA GENÉRICOS

CLIPPING SINFARMIG RETORNO DE MÍDIA PESQUISA GENÉRICOS CLIPPING SINFARMIG RETORNO DE MÍDIA PESQUISA GENÉRICOS Fonte: Jornal Estado de Minas - Caderno Opinião Fonte: Agência Brasil Fonte: Jornal Hoje em Dia - Carderno Economia Fonte: Jornal O Tempo VERSÕES

Leia mais

MAIORES EMPRESAS AS CAMPEÃS DE 25 SETORES OS DESTAQUES DE CADA REGIÃO ESPECIAL ANÁLISE DOS BALANÇOS AS 250 MAIORES HOLDINGS OS 100 MAIORES BANCOS

MAIORES EMPRESAS AS CAMPEÃS DE 25 SETORES OS DESTAQUES DE CADA REGIÃO ESPECIAL ANÁLISE DOS BALANÇOS AS 250 MAIORES HOLDINGS OS 100 MAIORES BANCOS www.valoronline.com.br Agosto 2011 Ano 11 Número 11 R$ 20,00 VALOR ECONÔMICO AS 250 MAIORES HOLDINGS OS 100 MAIORES BANCOS edição 2011 MAIORES EMPRESAS AS CAMPEÃS DE 25 SETORES OS DESTAQUES DE CADA REGIÃO

Leia mais

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 48

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 48 BIBLIOTECA ARTIGO Nº 48 MUITO BARULHO POR NADA - COMO COMPLICAR A EXPLICAÇÃO Autores - Marcos Lobo De Freitas Levy e Silvia V. Fridman A ANVISA prevê a elaboração de uma nova resolução para permitir a

Leia mais

Farmácias: Estratégia e Diferenciação

Farmácias: Estratégia e Diferenciação Seminário GVcev Farmácias: Estratégia e Diferenciação Evolução e Tendências do Mercado de Farmácias Paulo Paiva IMS Health do Brasil Brasil Retail Market 2 O mercado vive hoje um bom momento Evolução mercado

Leia mais

A Questão da Propriedade Intelectual como Barreira a Disseminação Tecnológica. >Profa. Lia Hasenclever (IE/UFRJ)

A Questão da Propriedade Intelectual como Barreira a Disseminação Tecnológica. >Profa. Lia Hasenclever (IE/UFRJ) A Questão da Propriedade Intelectual como Barreira a Disseminação Tecnológica >Profa. Lia Hasenclever (IE/UFRJ) Seminário Estado, Desenvolvimento e Inovação, ABIFINA, Rio de Janeiro, 25 de novembro de

Leia mais

Novas Medidas de Regulação do Mercado de Medicamentos Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED)

Novas Medidas de Regulação do Mercado de Medicamentos Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED) Novas Medidas de Regulação do Mercado de Medicamentos Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED) Ministério da Saúde e Agência de Vigilância Sanitária Brasília, 27 de fevereiro Contexto Lei

Leia mais

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 O que é um produto inovador? Dois caminhos para oferecer melhores medicamentos aos

Leia mais

PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA- ANVISA) Bom-dia, Ministro Presidente do Supremo Tribunal

PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA- ANVISA) Bom-dia, Ministro Presidente do Supremo Tribunal O SR. DIRCEU RAPOSO DE MELLO (DIRETOR PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA- ANVISA) Bom-dia, Ministro Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Gilmar Mendes, em nome de quem eu

Leia mais

3 O mercado farmacêutico

3 O mercado farmacêutico 3 O mercado farmacêutico Este capítulo contempla os conceitos básicos do mercado farmacêutico, a estrutura da cadeia produtiva farmacêutica e o arcabouço legal e regulatório aplicado ao setor. Aborda,

Leia mais

As Patentes e o Futuro da Indústria Nacional de Fármacos

As Patentes e o Futuro da Indústria Nacional de Fármacos Seminário As Patentes e o Futuro da Indústria Nacional de Fármacos Dando sequência a quatro seminários em 2011 sobre patentes e inovação, o Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica da Câmara dos

Leia mais

Receita de sucesso. Três anos após a efetiva adoção BALANÇO DE TRÊS ANOS MOSTRA QUE GENÉRICOS VIERAM PARA FICAR, MAS É PRECISO CONSOLIDAR CONQUISTAS

Receita de sucesso. Três anos após a efetiva adoção BALANÇO DE TRÊS ANOS MOSTRA QUE GENÉRICOS VIERAM PARA FICAR, MAS É PRECISO CONSOLIDAR CONQUISTAS CIÊNCIA SAÚDE Receita de sucesso BALANÇO DE TRÊS ANOS MOSTRA QUE GENÉRICOS VIERAM PARA FICAR, MAS É PRECISO CONSOLIDAR CONQUISTAS Três anos após a efetiva adoção no país, os genéricos atendem a mais de

Leia mais

Quantificação do desperdício de medicamentos na prática clínica

Quantificação do desperdício de medicamentos na prática clínica ARTIGO ORIGINAL Quantificação do desperdício de medicamentos na prática clínica Quantifying the drug waste in clinical practice Marcelo A. Nakazone 1 ; Gabriel L.B. Araújo 2 ; Anielli Pinheiro 1 ; Claudia

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

A Dra. Giovanna Dimitrov possui mais de 22 anos de formada e vivência na área farmacêutica, onde o curso de Farmácia foi o primeiro passo para sua

A Dra. Giovanna Dimitrov possui mais de 22 anos de formada e vivência na área farmacêutica, onde o curso de Farmácia foi o primeiro passo para sua A Dra. Giovanna Dimitrov possui mais de 22 anos de formada e vivência na área farmacêutica, onde o curso de Farmácia foi o primeiro passo para sua carreira. Cursos como: Marketing, Merchandising aplicado,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DOS MEDICAMENTOS GENÉRICOS COM OS DEMAIS MEDICAMENTOS EM CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO

ESTUDO COMPARATIVO DOS MEDICAMENTOS GENÉRICOS COM OS DEMAIS MEDICAMENTOS EM CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO ESTUDO COMPARATIVO DOS MEDICAMENTOS GENÉRICOS COM OS DEMAIS MEDICAMENTOS EM CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO ÉDENA MARIA MONTEBELLER PALMERO 1 MARIA JACIRA SILVA SIMÕES 1. Vigilância Sanitária

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO PESQUISA COMPARATIVA DE PREÇOS DE MEDICAMENTOS MAIO - 2016

RELATÓRIO TÉCNICO PESQUISA COMPARATIVA DE PREÇOS DE MEDICAMENTOS MAIO - 2016 NÚCLEO REGIONAL DE SOROCABA RELATÓRIO TÉCNICO PESQUISA COMPARATIVA DE PREÇOS DE MEDICAMENTOS MAIO - 2016 A Fundação PROCON/SP realizou pesquisa comparativa de preços de medicamentos entre os dias 10/05/16

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA

FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA 1 FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA ESTUDO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA BRASILEIRA: A QUEDA DAS PATENTES E ENTRADA DOS MEDICAMENTOS GENÉRICOS Graduanda: Elines Terra Resende Silva Orientador:

Leia mais

CONHECENDO MELHOR A FARMÁCIA E SEUS PRODUTOS

CONHECENDO MELHOR A FARMÁCIA E SEUS PRODUTOS CONHECENDO MELHOR A FARMÁCIA E SEUS PRODUTOS No Brasil, a venda de medicamentos é feita em estabelecimentos devidamente registrados em órgãos específicos que visam a monitorar a venda correta desses produtos,

Leia mais

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 MEDICAMENTOS CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 Parceria: Farmácia Escola da UFRGS - Programa Farmácia Popular Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Título: Um Estudo da Inserção dos Medicamentos Genéricos no Mercado Brasileiro.

Título: Um Estudo da Inserção dos Medicamentos Genéricos no Mercado Brasileiro. 1 Título: Um Estudo da Inserção dos Medicamentos Genéricos no Mercado Brasileiro. Autores: Fernando Nascimento Zatta (*) Hercules Vander de Lima Freire (**) Marcio Luiz de Castro (***) Moises Brasil Coser

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

www.saude.gov.br (Portal da saúde) Farmácia Popular do Brasil

www.saude.gov.br (Portal da saúde) Farmácia Popular do Brasil www.saude.gov.br (Portal da saúde) Farmácia Popular do Brasil O Governo Federal criou o Programa Farmácia Popular do Brasil para ampliar o acesso aos medicamentos para as doenças mais comuns entre os cidadãos.

Leia mais

O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica

O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica Renato Alencar Porto Diretor 22 de junho de 2015 Bases legais para o estabelecimento do sistema de regulação Competências na Legislação Federal

Leia mais

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010.

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010. Fracionamento de medicamentos para dispensadores Parcerias: Defensoria Pública do Estado do Ceará; Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA Conselho Regional de Farmácia - CRF- CE Sindicato do

Leia mais

JORGE MIGUEL FERREIRA DA SILVA PERSPECTIVAS E BENEFÍCIOS DOS MEDICAMENTOS GENÉRICOS NO BRASIL

JORGE MIGUEL FERREIRA DA SILVA PERSPECTIVAS E BENEFÍCIOS DOS MEDICAMENTOS GENÉRICOS NO BRASIL JORGE MIGUEL FERREIRA DA SILVA PERSPECTIVAS E BENEFÍCIOS DOS MEDICAMENTOS GENÉRICOS NO BRASIL PALMAS TO 2014 JORGE MIGUEL FERREIRA DA SILVA PERSPECTIVAS E BENEFÍCIOS DOS MEDICAMENTOS GENÉRICOS NO BRASIL

Leia mais

Brasil é reconhecido por...

Brasil é reconhecido por... Brasil é reconhecido por... Fonte: Pesquisa Industrial Anual (IBGE); Sistema Alice (MDIC); Elaboração própria Fonte: Pesquisa Industrial Anual (IBGE); Sistema Alice (MDIC); Elaboração própria Fonte: Pesquisa

Leia mais

Os preços dos medicamentos de referência após a entrada dos medicamentos genéricos no mercado farmacêutico brasileiro

Os preços dos medicamentos de referência após a entrada dos medicamentos genéricos no mercado farmacêutico brasileiro Os preços dos medicamentos de referência após a entrada dos medicamentos genéricos no mercado farmacêutico brasileiro Marislei Nishijima Sumário: 1. Introdução; 2. Revisão Bibliográfica; 3. Dados e Estatísticas

Leia mais

Gestão estratégica aplicada a dois laboratórios farmacêuticos transnacionais. Patrícia Di Battisti

Gestão estratégica aplicada a dois laboratórios farmacêuticos transnacionais. Patrícia Di Battisti Gestão estratégica aplicada a dois laboratórios farmacêuticos transnacionais Patrícia Di Battisti 2 Gestão estratégica aplicada a dois laboratórios farmacêuticos transnacionais Patrícia Di Battisti Banca

Leia mais

Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos

Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos Reginaldo Minaré A produção agrícola ocupa posição de destaque na comunidade brasileira, produz, de fato, os alimentos necessários à população

Leia mais

Patentes na Indústria Farmacêutica

Patentes na Indústria Farmacêutica Patentes na Indústria Farmacêutica 1. PATENTES 2. O MERCADO FARMACÊUTICO 3. COMPETIVIDADE DO SETOR 4. A IMPORTÂNCIA DAS PATENTES NO MERCADO FARMACÊUTICO PATENTES PATENTES Definiçã ção o ( LEI 9.279 DE

Leia mais

Guia do Professor. Esta atividade poderá ser realizada, satisfatoriamente, em uma aula de 50 minutos.

Guia do Professor. Esta atividade poderá ser realizada, satisfatoriamente, em uma aula de 50 minutos. Caro Professor, O principal objetivo do projeto RIVED é oferecer aos professores do Ensino Médio novos recursos didáticos, em forma de módulos, para a melhoria da aprendizagem dos alunos em sala de aula.

Leia mais

RELATÓRIO. RELATOR: Senador FERNANDO COLLOR

RELATÓRIO. RELATOR: Senador FERNANDO COLLOR RELATÓRIO Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, sobre o Aviso AMA nº 25, de 2012 (Aviso nº 1.432-Seses-TCU-Plenário, de 8 de novembro de 2012, na origem), do Tribunal

Leia mais

MUDANÇAS NO MERCADO BRASILEIRO PARA O TRATAMENTO DA DISFUNÇÃO ERÉTIL INTERCORRENTES DA QUEBRA DA PATENTE DO CITRATO DE SILDENAFILA (Viagra )

MUDANÇAS NO MERCADO BRASILEIRO PARA O TRATAMENTO DA DISFUNÇÃO ERÉTIL INTERCORRENTES DA QUEBRA DA PATENTE DO CITRATO DE SILDENAFILA (Viagra ) MUDANÇAS NO MERCADO BRASILEIRO PARA O TRATAMENTO DA DISFUNÇÃO ERÉTIL INTERCORRENTES DA QUEBRA DA PATENTE DO CITRATO DE SILDENAFILA (Viagra ) Luiz Marques Campelo 1, Marcelo Gurgel Carlos da Silva 1, Maria

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007 Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios Brasília, 1º de outubro de 2007 A ANVISA Autarquia sob regime especial Independência administrativa e

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO PESQUISA COMPARATIVA DE PREÇOS DE MEDICAMENTOS MARÇO 2014

RELATÓRIO TÉCNICO PESQUISA COMPARATIVA DE PREÇOS DE MEDICAMENTOS MARÇO 2014 RELATÓRIO TÉCNICO PESQUISA COMPARATIVA DE PREÇOS DE MEDICAMENTOS MARÇO 2014 A pesquisa de medicamentos foi realizada pela equipe do Núcleo Regional de Sorocaba, da Fundação PROCON-SP, dia 13/02/2014 e

Leia mais

GABARITO. Resposta: Cálculo da superfície corporal para dose de gencitabina 1 m 2 --- 1000 mg 1,66 m 2 --- X mg X = 1660 mg

GABARITO. Resposta: Cálculo da superfície corporal para dose de gencitabina 1 m 2 --- 1000 mg 1,66 m 2 --- X mg X = 1660 mg GABARITO 1 - Sr José, 65 anos, apresenta dor abdominal intensa há dois meses. Após solicitação de ultrasonografia pelo médico assistente chegou-se ao diagnóstico de câncer de pâncreas. O tratamento proposto

Leia mais

(' / (' / (' / (' / //// '''' *) *) *) *) (' (' (' (' DC > DC DC 7[ > DC 7[ DC DC L I DC ` > 7[ DC L I ` JI 7[ Db ;< 7[ Db L= ; : G DC BA? ; :II W c Y 00 0 0 && & &.& ( (((,, ---- + + + + &&&& %&!! $ #"

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO PESQUISA COMPARATIVA DE PREÇOS DE MEDICAMENTOS MAIO - 2015

RELATÓRIO TÉCNICO PESQUISA COMPARATIVA DE PREÇOS DE MEDICAMENTOS MAIO - 2015 RELATÓRIO TÉCNICO PESQUISA COMPARATIVA DE PREÇOS DE MEDICAMENTOS MAIO - 2015 A Fundação PROCON/SP realizou pesquisa comparativa de preços de medicamentos entre os dias 05/05/15 e 07/05/2015. A pesquisa

Leia mais

Ao longo da década de 90, Pfizer ampliou sua presença na Ásia oriental com a construção de uma planta farmacêutica em Dalian (China), reintroduziu-se

Ao longo da década de 90, Pfizer ampliou sua presença na Ásia oriental com a construção de uma planta farmacêutica em Dalian (China), reintroduziu-se PFIZER INC. A Pfizer é uma empresa de origem norte-americana que pesquisa, desenvolve, produz e comercializa produtos nas áreas de saúde humana e animal e de consumo. Possui 100 unidades industriais espalhadas

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

(REPRESENTANTE DA CONECTAS DIREITOS HUMANOS) Excelentíssimo Senhor Ministro Presidente; ilustríssimos

(REPRESENTANTE DA CONECTAS DIREITOS HUMANOS) Excelentíssimo Senhor Ministro Presidente; ilustríssimos A SRA. HELOÍSA MACHADO DE ALMEIDA (REPRESENTANTE DA CONECTAS DIREITOS HUMANOS) Excelentíssimo Senhor Ministro Presidente; ilustríssimos representantes dos Estados, senhoras e senhores. Em primeiro lugar,

Leia mais

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o elenco de medicamentos e aprova o regulamento dos procedimentos de aquisição e dispensação de medicamentos especiais para tratamento ambulatorial

Leia mais

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 Agência Nacional de Vigilância Sanitária GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIGENTE A PARTIR DE 09/10/2015

Leia mais

ANVISA: AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

ANVISA: AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANVISA: AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Los Medicamentos com Patentes de Molécula em Brasil Espanha, 12 de mayo de 2010 Sumário: 1. Apresentação 2. Metodologia 3. Resultados 3.1 Mercado Interno

Leia mais

1.2. Escrituração de medicamentos e insumos farmacêuticos. 1.2.2. Arquivos XML sem movimentações. 1.2.2.1. Medicamentos vencidos

1.2. Escrituração de medicamentos e insumos farmacêuticos. 1.2.2. Arquivos XML sem movimentações. 1.2.2.1. Medicamentos vencidos Atualizado: 25 / 10 / 2013 FAQ AI 1. Escrituração e movimentação dos arquivos XML no SNGPC 1.1. Programa interno do estabelecimento 1.1.1. Alteração do software 1.2. Escrituração de medicamentos e insumos

Leia mais

ÍNDICE - 29/11/2004 Folha de S.Paulo...2 Folha de S.Paulo...2 Dinheiro/ LENTIDÃO...2 Folha de S.Paulo...4 São Paulo/ OUTRO LADO...

ÍNDICE - 29/11/2004 Folha de S.Paulo...2 Folha de S.Paulo...2 Dinheiro/ LENTIDÃO...2 Folha de S.Paulo...4 São Paulo/ OUTRO LADO... ÍNDICE - Folha de S.Paulo...2 Folha de S.Paulo...2 Dinheiro/ LENTIDÃO...2 Propriedade intelectual enfrenta gargalo...2 Folha de S.Paulo...4 São Paulo/ OUTRO LADO...4 Barato é "falso", diz representante

Leia mais

ÍNDICE - 02/09/2004 O Globo... 2 Cartas...2 Folha de S.Paulo... 3 Folha de S.Paulo... 3 São Paulo/ SAÚDE...3

ÍNDICE - 02/09/2004 O Globo... 2 Cartas...2 Folha de S.Paulo... 3 Folha de S.Paulo... 3 São Paulo/ SAÚDE...3 ÍNDICE - O Globo...2 Cartas...2 Cartas dos leitores...2 Excesso de farmácias...2 Folha de S.Paulo...3 Folha de S.Paulo...3 São Paulo/ SAÚDE...3 Anvisa retira cinco inseticidas da relação de produtos que

Leia mais

Insumos Farmacêuticos Ativos Registrados IN 15 /2009 e IN 03/2013

Insumos Farmacêuticos Ativos Registrados IN 15 /2009 e IN 03/2013 GERÊNCIA GERAL DE MEDICAMENTOS Coordenação de Insumos Ativos - COIFA Insumos Ativos Registrados IN 15 /2009 e IN 03/2013 Considerando a RDC n 57/2009, que dispõe sobre o de IFAs; a Instrução Normativa

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal FARMACOLOGIA. Professor Bruno Aleixo Venturi

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal FARMACOLOGIA. Professor Bruno Aleixo Venturi Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal FARMACOLOGIA Professor Bruno Aleixo Venturi Farmacologia fármacon: drogas lógos: estudo É a ciência que estuda como os medicamentos

Leia mais

Indicadores SEBRAE-SP

Indicadores SEBRAE-SP Indicadores SEBRAE-SP Pesquisa de Conjuntura (resultados de julho de 2008) setembro/08 1 Principais destaques Em julho/08 as micro e pequenas empresas (MPEs) apresentaram queda de 3% no faturamento real

Leia mais

Química e Medicamentos Automedicação e os riscos à saúde

Química e Medicamentos Automedicação e os riscos à saúde Química e Medicamentos Automedicação e os riscos à saúde A falta de consciência da população no uso de diversos medicamentos sem a prescrição médica e os riscos da automedicação à saúde foram os principais

Leia mais

SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA NOTA TÉCNICA Nº 2.029, DE 2003

SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA NOTA TÉCNICA Nº 2.029, DE 2003 SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA NOTA TÉCNICA Nº 2.029, DE 2003 Referente à STC nº 200306305, da Senadora LÚCIA VÂNIA, em que requer a elaboração de um sumário das exposições realizadas na audiência

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Tema: Informações técnicas sobre a substituição do Depakene pelo Ácido Valpróico genérico em crises convulsivas.

Tema: Informações técnicas sobre a substituição do Depakene pelo Ácido Valpróico genérico em crises convulsivas. Data: 19/11/2012 Nota técnica18/2012 Solicitante Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade 1ª Câmara Cível - TJMG Medicamento Material Procedimento Cobertura x Tema: Informações técnicas sobre a substituição

Leia mais

USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS

USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS Seminário Nacional Sobre Propaganda e Uso Racional de Medicamentos Regional Sudeste USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS Maria Beatriz Cardoso Ferreira Docente do Departamento de Farmacologia ICBS/UFRGS Pesquisadora

Leia mais

Novos Negócios Farma

Novos Negócios Farma Novos Negócios Farma *Estudos Pré-Clínicos no Brasil: atual cenário e oportunidades *P&D de Novas Moléculas no Brasil *Parcerias ICTs & Empresas: barreiras e oportunidades *Oportunidades e desafios do

Leia mais

Informalidade no Setor Farmacêutico: Barreira ao Crescimento da Economia Brasileira e Risco à Saúde Pública

Informalidade no Setor Farmacêutico: Barreira ao Crescimento da Economia Brasileira e Risco à Saúde Pública Informalidade no Setor Farmacêutico: Barreira ao Crescimento da Economia Brasileira e Risco à Saúde Pública São Paulo, 6 de Dezembro de 2005 Consultores: McKinsey & Company Pinheiro Neto Advogados OBJETIVOS

Leia mais

1.1. Política de Medicamentos e a Política de Medicamentos no Brasil

1.1. Política de Medicamentos e a Política de Medicamentos no Brasil 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Política de Medicamentos e a Política de Medicamentos no Brasil Segundo a Organização Mundial de Saúde, política de medicamentos é um conjunto de diretrizes com a finalidade de assegurar

Leia mais

Acesso a Medicamentos no Brasil Nave 5 Consultores Empresariais Ltda. Pharma Business Knowledge. Delivered.

Acesso a Medicamentos no Brasil Nave 5 Consultores Empresariais Ltda. Pharma Business Knowledge. Delivered. Acesso a Medicamentos no Brasil Pharma Business Knowledge. Delivered. O artigo abaixo foi escrito e publicado como encarte nos Arquivos Brasileiros de Cardiologia e no Guia da Farmácia, em Abril de 2010,

Leia mais

Consulta Pública n. 72, de 14 de julho de 2010. Estabelece os critérios de aceitabilidade de nomes comerciais de medicamentos.

Consulta Pública n. 72, de 14 de julho de 2010. Estabelece os critérios de aceitabilidade de nomes comerciais de medicamentos. Consulta Pública n. 72, de 14 de julho de 2010. Estabelece os critérios de aceitabilidade de nomes comerciais de medicamentos. Versão Consolidada n. 07, de 27 de maio de 2013. Para Audiência Pública Resolução

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 396/2013 Naprix, Vastarel, Lasix, Carvedilol, Atorvastatina, Aspirina

RESPOSTA RÁPIDA 396/2013 Naprix, Vastarel, Lasix, Carvedilol, Atorvastatina, Aspirina RESPOSTA RÁPIDA 396/2013 Naprix, Vastarel, Lasix, Carvedilol, Atorvastatina, Aspirina SOLICITANTE Dra. Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira. Juiza de Direito NÚMERO DO PROCESSO 13 007501-7 DATA 07/11/2013

Leia mais

Federação Nacional de Saúde Suplementar SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS

Federação Nacional de Saúde Suplementar SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Federação Nacional de Saúde Suplementar SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Ciclo de Debates SUS O Cenário do Fornecimento de Órteses e Próteses Uma visão das Operadoras de Planos Privados 07 de

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS Informações gerais Estado Amazonas Organizadores (sindicato e Sindicato dos Farmacêuticos

Leia mais

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil IX Encontro Internacional de Farmacovigilância das Américas Painel: Comunicação do Risco em Farmacovigilância: o que fazer para a informação chegar a quem interessa? Desafios para a Comunicação Efetiva

Leia mais

Desafios regulatórios Até onde vai a liberdade do Pesquisador?

Desafios regulatórios Até onde vai a liberdade do Pesquisador? Desafios regulatórios Até onde vai a liberdade do Pesquisador? Equipe de Identificação de pré-candidatos (internos ou externos) Pré-candidatos selecionados? Criação da Equipe do Projeto - Diretoria Diretória

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

Valor Econômico 23/02/2007 Empresas Vacina contra câncer de próstata é aposta da gaúcha FK

Valor Econômico 23/02/2007 Empresas Vacina contra câncer de próstata é aposta da gaúcha FK Valor Econômico Empresas Vacina contra câncer de próstata é aposta da gaúcha FK Sérgio Bueno Criada pelo médico gaúcho Fernando Kreutz, de 39 anos, uma vacina terapêutica contra o câncer da próstata pode

Leia mais

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Define a assistência

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DECRETO Nº 8.448, DE 6 DE MAIO DE 2015 Altera o Regulamento de Fiscalização de Produtos de Uso Veterinário e dos Estabelecimentos que os Fabriquem ou Comerciem, aprovado pelo Decreto

Leia mais

Sistema de Rastreamento e Autenticidade 11 junho 2008

Sistema de Rastreamento e Autenticidade 11 junho 2008 Sistema de Rastreamento e Autenticidade 11 junho 2008 Quem Somos Fundado em 2003, o Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO é uma organização sem fins lucrativos que congrega entidades empresariais

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária REGISTRO DE MEDICAMENTOS

Agência Nacional de Vigilância Sanitária REGISTRO DE MEDICAMENTOS REGISTRO DE MEDICAMENTOS GERÊNCIA GERAL DE MEDICAMENTOS - SETORES A Gerência Geral de Medicamentos está em fase de reestruturação, portanto as divisões setoriais são provisórias; Gerência de Pesquisas,

Leia mais

Resolução - RDC nº 135, de 29 de maio de 2003(*)

Resolução - RDC nº 135, de 29 de maio de 2003(*) 1 de 10 24/11/2008 17:14 Resolução - RDC nº 135, de 29 de maio de 2003(*) Republicada no D.O.U de 12/08/2003 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que

Leia mais

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil CPI da OPME 6.Abr. 2015 Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil SISTEMA UNIMED 351 Cooperativas contribuindo com a interiorização dos médicos da medicina de qualidade no Brasil. SISTEMA

Leia mais

ESTRUTURAS DE MERCADO

ESTRUTURAS DE MERCADO ESTRUTURAS DE MERCADO Introdução A concorrência é uma forma de organizar os mercados que permite determinar os preços e as quantidades de equilíbrio. Incentivo: Meio de estimular a competição Lucro: Motivo

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 135, DE 29 DE MAIO DE 2003

RESOLUÇÃO - RDC Nº 135, DE 29 DE MAIO DE 2003 RESOLUÇÃO - RDC Nº 135, DE 29 DE MAIO DE 2003 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV do Regulamento da ANVISA aprovado

Leia mais