BuscaLegis.ccj.ufsc.br

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BuscaLegis.ccj.ufsc.br"

Transcrição

1 BuscaLegis.ccj.ufsc.br Internet e Direito Autoral Marcelo De Luca Marzochi * A Internet nasceu de um projeto militar norte-americano denominado ARPAnet. O objetivo desse projeto era a construção de uma rede de comunicação que resistisse em caso de calamidade, como um bombardeio nuclear. O conceito da Internet é uma rede na qual todos os pontos se eqüivalem e não há comando central. Antigamente apenas interligava universidades e centros de pesquisa. Em 1987 foi liberada pela primeira vez para uso comercial. No Brasil, apenas em Em 1992, com o surgimento das primeiras empresas provedoras de acesso nos Estados Unidos, a rede começou a se popularizar[1]. É o símbolo dessa nova era que se apresenta, a globalização. Enquanto o símbolo da Guerra Fria era um muro, que separava, a Internet é o símbolo dessa nova era, que une[2]. Dada a grande facilidade de manipulação de dados e informações[3], a violação dos direitos autorais se tornou o delito mais comum praticado na Internet. Este delito está previsto no artigo 184 do Código Penal. Segundo Júlio Fabbrini Mirabete em seu Código Penal Interpretado, no crime do artigo 184 o sujeito ativo é qualquer pessoa que violar (ofender, infringir, transgredir) o direito autoral de outrem. O crime é consumado com a violação, ainda que o sujeito não obtenha o proveito econômico. Segundo Celso, Roberto, Roberto Júnior e Fábio Delmanto no Código Penal Comentado, o crime do artigo 184 possui três figuras. No caput a

2 conduta prevista é violar a qual se caracteriza pelo dolo, a vontade livre e consciente[4] de ofender o direito do autor. No parágrafo primeiro é a reprodução sem autorização do autor que se caracteriza pelo dolo com a consciência da falta de autorização e o intuito de lucro. No parágrafo segundo é a conduta de quem vende, expõe à venda, aluga, introduz no país, adquire, oculta, empresta, troca ou tem em depósito, a qual se caracteriza pelo dolo com a vontade de praticar estas ações, com consciência de que o original ou cópia foi produzido ou reproduzido com violação do direito do autor e com o intuito de lucro. A Lei 9610/98 - que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorias - diz o seguinte em seu artigo 7.º, caput: "São obras intelectuais protegidas as criações de espírito, expressas por qualquer meio ou fixadas em qualquer suporte, tangível ou intangível, conhecido ou que se invente no futuro". Pela segunda parte do artigo, podemos perceber que o meio Internet como expressão de obras intelectuais está previsto, haja vista a intenção do legislador tenha sido a de proteger o artista em qualquer situação, presente ou futura. Essa interpretação é reforçada pelos conceitos - todos aplicáveis ao material que circula pela Internet - fixados pelo legislador no artigo 5.º da mesma lei, como por exemplo a publicação, transmissão, distribuição, comunicação ao público, reprodução e radiodifusão. Há um problema em relação ao link[5] sobre se este caracterizaria a violação de direitos autorais através da distribuição, reprodução ou publicação indevida. Reportagem do "The New York Times"[6] de 23 de março de 2001 mostrava o caso da empresa Better Business Bureau, que ameaçava processar a BizMove.com por violação da marca porque esta mantinha em seu site vários

3 links para o site da primeira. O link é um dos fundamentos e uma das maiores inovações da Internet. É uma maneira de fazer uma ligação de um texto com outro, de uma página à outra, ou um site a outro. Pode ser uma palavra ou uma imagem os quais, quando clicados, nos leva à outra página ou documento. O link não disponibiliza o material. É uma simples instrução, a indicação do caminho de como acessar determinada página ou documento. Portanto, não há violação de direitos do autor nesse caso, muito menos prejuízo para o proprietário do site indicado no link. Vejamos o caso da música. A música na Internet virou polêmica em 2000 com o Napster. O Napster é um pequeno programa disponível na Internet que permite ao usuário compartilhar arquivos de música. Serviu ainda de inspiração para criação de diversos programas para troca de arquivos pela rede, baseados na tecnologia P2P (peer-to-peer: ponto a ponto). A grande inovação é ter transformado cada computador ligado ao sistema em cliente e servidor ao mesmo tempo, numa rede descentralizada. O programa exibe uma lista dos arquivos disponíveis nos computadores de usuários registrados no sistema e que estejam conectados ao serviço naquele momento. Ao encontrar a música desejada o programa permite que um usuário faça a cópia diretamente do computador de outro usuário. Ao invés de comprar um disco por causa de uma única música, pode-se recorrer ao sistema e buscá-la de graça na Internet. Várias gravadoras processaram a Napster, empresa proprietária do programa, por estar facilitando a pirataria e o desrespeito aos direitos autorais. Mas o primeiro resultado foi conseguido pela banda Metallica que conseguiu na Justiça dos Estados Unidos que todos os usuários que tivessem copiado suas músicas fossem banidos do sistema[7]. Um serviço semelhante ao Napster no Brasil não renderia uma grande

4 discussão jurídica, como querem alguns os quais afirmam que a empresa não comete pirataria diretamente, por não se caracterizar o intuito de lucro. Entretanto, a empresa fornece as condições materiais para a realização do delito - o que caracteriza a co-autoria - do artigo 184 caput do Código Penal. Além é claro de responder por perdas e danos, dano moral e pelas demais sanções previstas na lei 9610/98. Em novembro de 2000, a Napster fez um acordo com uma das maiores gravadoras do mundo e passou a ser um serviço pago[8]. Entretanto, o compartilhamento de arquivos se tornou um modelo de negócio. Vários programas nos moldes do Napster continuam no mercado possibilitando a troca de arquivos de maneira quase anônima. Apesar da polêmica em torno do MP3, a venda de discos só tem aumentado. Muitos artistas encontraram na distribuição gratuita de suas músicas a maneira de se tornarem conhecidos e ao mesmo tempo alavancarem a venda de discos. Vejamos a posição de Nicholas Negroponte[9] sobre direito autoral: "A lei do direito autoral está totalmente ultrapassada. Trata-se de um artefato gutenberguiano. Como se trata de um processo reativo, é provável que sucumba inteiramente antes que possa corrigi-la. A maior parte das pessoas preocupa-se com os direitos autorais em razão da facilidade de se fazerem cópias. No mundo digital, a questão não é apenas a facilidade, mas também o fato de que a cópia digital é tão perfeita quanto o original, e, com o auxílio do computador e de alguma imaginação, até melhor. Da mesma forma que séries de bits podem ter seus erros corrigidos, pode-se também limpar, melhorar e libertar uma cópia de quaisquer ruídos. A cópia é perfeita. A indústria da música sabe disso muito bem, e o fato de a cópia ser perfeita tem motivado a demora no lançamento de muitos produtos eletrônicos, (...).O tratamento hoje dispensado aos direitos autorais, e a atitude em relação a eles, varia radicalmente de um veículo para outro. A música desfruta de considerável atenção internacional, e os compositores de melodias, letras e sons são

5 reembolsados por anos e anos. A melodia de "Parabéns a você" é de domínio público, mas se você quiser usar a letra numa cena de filme, tem de pagar royaties à Warner/Chappell. Não é lá muito lógico, mas, de qualquer maneira, isso faz parte de um complexo sistema de proteção aos compositores e intérpretes. Um pintor, pelo contrário, mais ou menos dá adeus a sua pintura no ato da venda. Um sistema do tipo pague-para-ver [pay-per-view] seria impensável. (...) Assim, mesmo para o mundo analógico, o sistema atual não vai durar muito tempo nem é inteiramente justo. No mundo digital, não se trata simplesmente de ser mais fácil copiar e de as cópias serem mais fiéis. Nós conheceremos um novo tipo de fraude, que pode afinal não ser fraude alguma. Quando leio algo na Internet e qual um recorte de jornal, quero mandar uma cópia para alguém ou para uma lista, isso parece inofensivo. No entanto, com menos de uma dúzia de teclas digitadas, eu poderia retransmitir esse material para milhares de pessoas por todo o planeta (o que não acontece com o recorte de jornal). Recortar bits é bem diferente de recortar átomos. Na economia irracional da Internet de hoje, não custa sequer um centavo fazer o que descrevi anteriormente. Ninguém possui uma idéia clara de quem paga o quê na Internet, mas ela parece um serviço gratuito para a maioria dos usuários. Mesmo que isso venha a mudar no futuro, e algum modelo econômico racional seja aplicado à Internet, a distribuição de 1 milhão de bits para 1 milhão de pessoas poderá custar não mais do que um ou dois centavos. Com certeza, o preço não chegará nem perto das tarifas postais ou das taxas cobradas pela Federal Express, as quais se baseiam na movimentação de átomos. (...) O que acontece, então, quando transmitimos bits - que são, na realidade, amorfos - como aqueles dados sobre a previsão do tempo de que falei antes? Difícil dizer se um modelo das condições do tempo feito em computador é ou não uma expressão desse tempo. Na verdade, um modelo completo e robusto das condições do tempo feito em computador constitui, antes, uma simulação dessas condições, tão próxima da "coisa real" quanto se pode conceber. Decerto, a "coisa real" não é uma expressão de si mesma, mas ela própria. (...) Veja o mercado de ações. As flutuações dos preços das ações minuto a minuto podem ser apresentadas de várias maneiras diferentes. O conjunto dos dados, tanto quanto o conteúdo da lista telefônica, não pode ser objeto de direito autoral. Objeto deste seria, sem dúvida, uma ilustração do

6 desempenho de uma determinada ação ou grupo de ações. Cada vez mais o receptor, e não o transmissor, dará esse tipo de forma aos dados, complicando ainda mais o problema da proteção. Em que medida esse conceito do caráter amorfo dos dados pode ser estendido a materiais menos prosaicos? A um noticiário (o que é possível) ou a um romance (algo mais difícil de se imaginar)? Quando os bits são bits, deparamos com todo um novo elenco de questões, e não apenas com os velhos problemas como a pirataria. O meio não é mais a mensagem." Veja o que diz John Perry Barlow[10]: "A última vez que se tentou amplamente usar a tecnologia para evitar as cópias - lembra quando a maioria dos softwares era protegida contra cópia? - ela falhou completamente. Embora os executivos do entretenimento sejam lentos demais para perceber isso, um dia eles se darão conta que deveriam ter entendido há muito tempo: a livre proliferação da expressão não diminui seu valor comercial. O acesso livre a aumenta e deveria ser encorajado, em vez de reprimido. (...) A maioria de nós vive hoje graças à inteligência, produzindo "verbos", isto é, idéias em vez de "substantivos", como automóveis e torradeiras. Médicos, arquitetos, executivos, consultores, advogados: todos sobrevivem economicamente sem serem "proprietários" de seu conhecimento. (...)Desde que o MP3 começou a inundar a rede, as vendas de CDs aumentaram 20%. Depois de desistir da proteção contra cópias, a indústria de software esperava que a pirataria se espalhasse. E isso não aconteceu - o mercado continua crescendo. Por quê? Quanto mais um programa é pirateado, mais provavelmente ele se tornará um padrão. Todos esses exemplos apontam para a mesma conclusão: a distribuição não comercial de informação aumenta a venda de informações comerciais. A abundância gera abundância. (...) Depois da morte do direito autoral, acho que nossos interesses serão garantidos pelos seguintes valores práticos: relacionamento, conveniência, interatividade, serviço e ética. (...) Em geral, se substituirmos "propriedade" por "relacionamento" entenderemos por que uma economia de informação

7 digitalizada pode funcionar muito bem na ausência de uma lei de propriedade. Conveniência é outro fator importantíssimo na remuneração futura da criação. O motivo pelo qual o vídeo não matou o cinema é que era mais conveniente alugar um vídeo que copiá-lo. Software é fácil de ser copiado, mas a pirataria não empobreceu Bill Gates. Por quê? No longo prazo é mais conveniente entrar num relacionamento com a Microsoft se você pretende usar seus produtos permanentemente. A interatividade também é fundamental para o futuro da criação. Desempenho é forma de interação. (...) Finalmente, há o papel da ética. As pessoas se sentem inclinadas a premiar o valor criativo, se não for difícil demais fazê-lo." O direito autoral é necessário. Não há motivo para declará-lo morto. Deve existir como forma de garantir segurança financeira ao artista, estímulo à criação e circulação de conhecimento. Nomes de Domínio O nome de domínio, domain-name, são seqüências de letras ou números que servem para indicar um endereço na Internet. Vejamos a estrutura de um endereço: Onde marzochi é o nome de domínio, com indica comercial, a categoria a que esse domínio pertence e br indica o país, no caso Brasil. A característica do domínio é ser único, pois indica um endereço também único. O conflito surge quando esse nome de domínio é igual ou similar ao de uma marca. Qual a definição de marca? Todas as definições dizem "sinal distintivo aposto - aos produtos, artigos ou serviços - para diferenciá-los de outros

8 idênticos ou semelhantes, de origem diversa". Pelo fato de um domínio ser único ele passa a ser usado como "sinal distintivo", portanto com valor equivalente, com a natureza jurídica de uma marca. Segundo Clóvis Silveira[11], "enquanto o nome de domínio é único, uma marca de produto ou serviço pode estar repetida em muitas classes de marcas e ter proprietários diferentes". Então, somente seria objeto de discussão o domínio que estivesse sendo usado como marca. Waldemar Álvaro Pinheiro[12] diz que o registro de marca alheia na Internet traz como conseqüência o prejuízo do proprietário, a vantagem ilícita por parte do usurpador e a indução a erro de terceiros. Classifica tal conduta como concorrência parasitária, a qual define como o ato de tirar proveito das realizações e do renome adquirido por outrem, ainda que não tenha a intenção de prejudicar. Segundo Gustavo Corrêa[13]: "(...) podemos concluir que o endereço eletrônico, ou domínio, da mesma forma que a marca, é parte integrante do estabelecimento comercial, enquadrando-se perfeitamente na categoria dos bens incorpóreos. (...) o domínio nos possibilita o acesso às informações alojadas em um servidor. Estas podem estar relacionadas tanto à marca de determinado produto quanto ao título de um estabelecimento comercial. Assim, o núcleo do domínio pode ser tanto a marca quanto o título do estabelecimento comercial, dependendo da natureza e do objetivo da informação armazenada no servidor. (...) Vemos o domínio como algo não primordialmente responsável pela distinção de produto ou serviço, semelhante ou afim, não sendo por isso marca. Porém, pelo fato de desempenhar função identificadora dentro da Internet, seu núcleo, sim, poderá estar relacionado à marca de um produto ou serviço, dependendo da natureza da informação alojada no site, e assim, deverá obedecer aos preceitos da lei que regula os direitos e obrigações relativos à propriedade industrial, sob pena

9 de ser praticado o crime de concorrência desleal, previsto nos artigos 195 e 209 da Lei de Propriedade Industrial (lei 9279/96). A natureza jurídica do endereço eletrônico se aproxima muito da natureza do nome empresarial, aquele com o qual o comerciante se apresenta no comércio. Fica fácil relacioná-los quando aprendemos que o nome empresarial é responsável por tutelar diferentes interesses de um empresário, sendo eles a preservação de seu crédito perante o mercado e de sua clientela. Nesse mesmo sentido, o endereço eletrônico também os protege, pois é o meio pelo qual a clientela se relaciona com o estabelecimento, e também a maneira pela qual o estabelecimento é visto no ciberespaço. (...) Com relação à matéria em questão, Fábio Ulhoa Coelho afirma que: 'a adoção de núcleo de endereço eletrônico que possa induzir o internauta em erro quanto à identidade do empresário titular do estabelecimento virtual configura concorrência desleal. O prejudicado tem direito, além da indenização por perdas e danos, à prestação jurisdicional cautelar que autorize medidas registrárias e técnicas capazes de obstar a prática desleal'." Sobre o conflito entre domínio e marca, diz Jacques Labrunie[14]: "(...) a doutrina reconhece à marca várias funções. Em documento preparado pela International Trademark Association - INTA, em 1997, foram identificadas duas principais funções para a marca: indicação de origem (prevenir confusão dos consumidores) e qualidade. Luiz Leonardo, no Anuário de Propriedade Industrial da ABPI de 1979, identificou três funções para as marcas: indicação de origem, garantia da qualidade e publicidade e propaganda. Para Paul Mathèly, a marca exerce uma função essencial, de distinguir produtos e serviços; uma derivada, de garantia de qualidade e uma complementar, de publicidade. (...) Não há dúvida que a doutrina reconhece a função e importância econômica da marca, como sinal distintivo, de suma importância para o funcionamento do mercado e das empresas em geral. (...) Pouco importa se aquele que registra como nome de domínio, marca alheia, está utilizando ou não o site, pois mesmo que o site esteja vazio, o legítimo titular da

10 marca esta impedido de registrar sua marca como nome de domínio - o que caracteriza uma turbação ao uso normal da marca. (...) A Internet não criou um mundo à parte. As regras do ordenamento jurídico aplicam-se da mesma forma. O uso indevido é indevido por qualquer meio." O registro de uma marca famosa como domínio é garantia de audiência, de acessos ao endereço eletrônico[15]. No Brasil, torna-se proprietário de um domínio quem primeiro o registrar, posição adotada mesmo após vários casos de pirataria. A reportagem "Lotação Esgotada", de Hélio Gurovitz na revista Exame em 1996, mostrou os primeiros casos. Uma empresa de informática de São Paulo tentou registrar como domínios, marcas como "Coca-Cola", "American Express", "Danone". Nos Estados Unidos, um jornalista da revista Wired, registrou o domínio mcdonalds.com, só devolvendo ao Mcdonald's depois da empresa ter feito doações à entidades de caridade. Ao iniciar suas atividades no mercado brasileiro em 1999, o provedor norte-americano America On-line constatou que seu domínio - aol.com.br - havia sido registrado por uma empresa de informática de Curitiba com o mesmo nome. A empresa americana perdeu a briga na Justiça. Os produtores do filme The Matrix, constataram - antes de lançar o filme - que o domínio thematrix.com já tinha dono. Optaram então por colocar o site do filme no endereço whatisthematrix.com. Um caso interessante é o dos sites whatshappening.com - americano - e do espanhol quepasa.com. Os dois são provedores de conteúdo, portais na linguagem dos especialistas da área. Oferecem o mesmo tipo de serviço que vai de notícias ao horóscopo. A única diferença é que o site americano oferece o serviço apenas em inglês enquanto o site espanhol oferece em espanhol e inglês.

11 Acontece que o site americano estava processando o espanhol por violação de marca, haja vista os nomes de domínio, embora em línguas diferentes, terem o mesmo significado. O caso foi mostrado numa reportagem da revista Wired em 13 de outubro de Fica a pergunta: houve violação da marca, ou se trata de uma tentativa do site americano de barrar a concorrência? Esses conflitos só se resolverão após briga judicial. Muitos domínios registrados estão à venda pela Internet. Um dos primeiros casos resolvidos pela Justiça brasileira foi o do domínio ayrtonsenna.com.br, o qual havia sido registrado pela escola "Meu Cantinho" de Curitiba. No dia 10 de abril de 2000, sentença do Tribunal de Justiça do Paraná devolveu o domínio para a empresa Ayrton Senna Promoções, da família do piloto[16]. A escola recorreu e perdeu. O Tribunal de Justiça do Paraná decidiu que nome ou marca notórios têm os mesmos direitos na Internet[17]. Outro caso foi o do domínio A empresa brasileira de telecomunicação recorreu ao Comitê Arbitral da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI), ligado a Organização das Nações Unidas, que delibera sobre disputas por registros de domínios genéricos, na maioria os.com, e conseguiu reaver o domínio que levava a sua marca, o qual estava registrado por um cidadão chamado Kevin McCarthy, um nome muito comum, equivalente a "João da Silva" no Brasil[18]. O processo é mais rápido, cerca de sessenta dias, mais barato e sua posição é reconhecida pela justiça americana. A OMPI exige a prova de três itens: que o domínio é igual ou similar a marca registrada; que o reclamante deve ser considerado como não tendo direitos sobre o domínio e explicar por que o uso do nome deve ser considerado de má-fé[19]. A OMPI também resolveu o caso envolvendo o livro infantil Harry Potter, sucesso de vendas em 2000 por todo o mundo. A Time Warner, detentora dos direito sobre o livro, conseguiu reaver 107 endereços, registrados em diversas

12 categorias, como.com e.org, envolvendo o nome Harry Potter[20]. A Justiça brasileira cancelou o registro dos nomes de domínio Jornal Nacional e Globo Esporte devolvendo-os a proprietária das marcas, a Rede Globo de Televisão. O empresário que havia feito o registro foi condenado ainda a pagar indenização de quinhentos reais por dia de utilização indevida das marcas[21]. Em 2 de julho de 2000 a Confecções New Top Ltda. foi condenada a pagar multa diária de 20 salários mínimos pelo período de 21 de fevereiro a 19 de maio de 2000, pelo uso indevido da marca Bloomberg em um site na Internet. A marca é mundialmente conhecida e pertence a Comunicações Bloomberg L.P., com sede nos Estados Unidos e a filial brasileira, Bloomberg do Brasil Comércio e Serviços Ltda.. Descobriu-se também que tinha sido registrado pela empresa mais oito conhecidos nomes de domínio, sem qualquer relação com o ramo de confecções[22]. O problema não é o fato de que se torna proprietário o primeiro que o registrar. É o registro, por parte de terceiros, de marcas alheias como domínio, que se tornou um negócio atrativo. A solução para essa questão seria delegar a responsabilidade em relação ao combate desse tipo de pirataria ao órgão responsável pelo registro, a FAPESP, o qual deveria obrigar o requerente a demonstrar o vínculo, o interesse no nome a ser registrado. Com isso evitar-seia, pelo menos, os problemas com os domínios registrados no Brasil, os terminados em.br. Todavia o órgão de registro alega não ter poderes para decidir sobre propriedade de marcas, pois isso seria objeto de decisão do Poder Judiciário. E os provedores alegam que são simples prestadores de serviço e com o crescimento acelerado da Internet fica impossível a fiscalização. Sobre essa questão Ivan Moura Campos[23] diz o seguinte: "Uma regra básica, adotada em todo o mundo, é o princípio da precedência no tempo para efeito de registro, ou seja 'quem registra primeiro recebe o nome'.

13 No Brasil, além disso, é feita uma consulta a uma lista de marcas notórias, as protegidas em todas as classes da propriedade industrial para evitar que indivíduos não vinculados à empresa tentem registrar nomes como CocaCola.com.br, por exemplo. Em caso de pendência, o Comitê Gestor cumpre eventual decisão do Judiciário. Ciclicamente aflora a idéia de que o registro de nomes de domínio deveria ser concedida somente após uma consulta à base de marcas do INPI. Ora, isso não é feito em lugar nenhum do mundo, pela simples razão de que não há um consenso sobre se há relação entre o universo das marcas e o dos nomes de domínio. Além do mais, quantas marcas se registram por dia em média, para obter o registro de marca definitivo? Amarrar um registro ao outro teria inviabilizado o crescimento da Internet ainda no berçário. Uma alternativa em estudo para o caso brasileiro, a exemplo da dotada pela ICANN, nos Estados Unidos, envolve o credenciamento de instâncias administrativas extrajudiciais para conciliação e arbitragem, abrindo a oportunidade de entendimento entre as partes, sem prejuízo de, em caso de insucesso, recorrer-se às instâncias judiciais, como se faz hoje. (...) Em qualquer país, o registro de nomes de domínio é feito em uma base de dados única, central, pelo motivo simples de que não pode haver homônimos. Nos Estados Unidos, onde o número de 'hosts' sob nomes de domínios genéricos é muito maior que a soma do resto do mundo e o volume de solicitações é extraordinariamente grande, foi adotado um sistema de 'ciberdespachantes' ('registrars') para os domínios genéricos de primeiro nível '.com', '.org' e '.net', mantendo, obviamente, um banco de dados centralizado, no 'registry'. Não há nenhum motivo que justifique a adoção de procedimento semelhante no Brasil, com relação ao registro '.br', a começar pelo fato de qualquer computador conectado à Internet poder fazer um registro em um par de minutos. O Brasil não precisa, e esperamos que não venha a precisar, de ciberdespachantes. As funções de registrar nomes de domínio e assinalar endereços IP são de interesse público e nem mesmo nos Estados Unidos, onde quase tudo é exercido pela iniciativa privada, o governo está ausente da formulação destas políticas. Cada país tem adotado solução própria para estabelecer uma autoridade para registro de nomes e endereços, desde ONGs, passando por autarquias e ministérios, mas sempre com a presença ou supervisão governamental.

14 Em março de 2001, o juiz da 2.º Vara Cível de Brasília, Alfeu Gonzaga Machado, determinou a responsabilidade da FAPESP no registro indevido de dois domínios, os quais deveriam ser suspensos e transferidos para a autora da ação. A Fundação 18 de Março - FUNDAMAR - alegou violação da marca, registrada por ela no INPI, com relação aos domínios fundamar.com.br e fundamar.org.br registrados pela empresa Transitória Brasileira e pela Fundação Marlim Azul[24]. A ICANN (Internet Corporation for Assigned Names and Numbers), um conselho de fiscalização internacional para endereços na Internet selecionou uma série de novos domínios, os chamados domínios de primeiro nível, que indicam a categoria, para evitar a sobrecarga de nomes.com, o qual contava com mais de vinte milhões de registros[25]. Os selecionados foram os seguintes:.info e.biz para uso geral,.pro para profissionais,.name para sites pessoais,.museum para museus,.aero para empresas aéreas e.coop para cooperativas de negócios[26]. As eleições viraram o alvo dos piratas também. Reportagem do jornal Gazeta Mercantil[27] mostrava que os nomes dos virtuais candidatos à eleição presidencial de 2002 estavam registrados em nome de terceiros. Os exemplos citados mostram claramente a intenção de lucrar com o nome alheio. Há domínios registrados por uma empresa com sede em Manila nas Filipinas. Outros em nome de Vasconcellos morador de Punta del Este no Uruguai. Os terminados em.br estavam em nome de empresas brasileiras. Foi criado, pelo Tribunal Superior Eleitoral e Comitê Gestor da Internet, o domínio "can.br" para os candidatos às eleições municipais[28] do ano Foi a forma encontrada para padronizar a campanha pela rede, facilitando a busca de informações pelos eleitores e a fiscalização[29]. Embora a lei eleitoral não tenha previsto a Internet como meio de campanha, o entendimento do Tribunal Superior Eleitoral é que se aplica à rede as mesmas disposições

15 referentes aos demais meios de comunicação. Conclusão Como ficou demonstrado, a Internet é mais um meio de expressão das criações artísticas, dentro da esfera de proteção legal. O direito autoral é uma questão de ordem pública pois visa garantir a produção e a circulação do conhecimento. Há a necessidade de se cobrar também a responsabilidade dos provedores. Os provedores devem ser responsabilizados pelo conteúdo que expõem e armazenam. A tecnologia já evoluiu o suficiente para que esta vigilância seja feita. O meio digital não é um obstáculo à proteção ao autor. A própria tecnologia tem meios para coibir a violação. E não se trata de uma mudança cultural. Basta a aplicação efetiva da lei [1] Bê-a-bá da Internet, no endereço [2] FRIEDMAN, Thomas L.. Manifesto para o mundo veloz. O Estado de São Paulo. São Paulo, 23 de maio Caderno 2, p. D-4 até D-7

16 [3] "No texto 'Data, Information, Knowledge and Competency', disponível em sua página na Internet (http://www.ime.usp.br/~vwsetzer), Valdemar Setzer, professor titular de Ciência da Computação na USP, propõe uma compreensão dos termos 'dado', 'informação' e 'conhecimento' bem diferente da que tem sido divulgada pelos arautos da nova era tecnológica. Para Setzer, dados são abstrações formais quantificadas que podem ser armazenadas e processadas por computador. Informação são abstrações informais (não podem ser formalizadas segundo uma teoria matemática ou lógica) que representam, por meio de palavras, som ou imagem, algum significado para alguém. Informações podem ser armazenadas em computador, mas não podem ser processadas (para isso seria preciso quantificá-las, reduzindo-as a dados). Enquanto dados são puramente sintáticos, informações contém semântica. Conhecimento é uma abstração interna e pessoal gerada a partir da experiência. Nesse sentido, não pode ser completamente descrito, representado, caso contrário seria apenas informação. Portanto, o conhecimento não pode ser armazenado nem processado por um computador." LOBO, Flávio. A Era da Ignorância. Carta Capital. São Paulo, 6 de dezembro 2000, n.º 137, p. 22. [4] A falta desse requisito caracteriza o erro de tipo. Mirabete e Delmanto citam jurisprudência sobre o caso de vendedor ambulante de "fitas piratas", sem instrução que não é capaz de entender a ilicitude da conduta. [5] KAPLAN, Carl. Is linking illegal?. The New York Times. New York, 16 de junho 2000, Technology, no endereço [6] KAPLAN, Carl. When linking isn't better business. The New York Times. New York, 23 de março Technology, no endereço [7] GREGO, Maurício. A Era Napster. Info Exame. São Paulo, n.º 171, p , junho 2000.

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI 3M COMPANY X OMAR QUADROS MOTTA PROCEDIMENTO N ND20157 DECISÃO

Leia mais

Dreaming in Digital, Living in Real Time, Thinking in Binary, Talking in IP? Welcome to your wolrd!

Dreaming in Digital, Living in Real Time, Thinking in Binary, Talking in IP? Welcome to your wolrd! Dreaming in Digital, Living in Real Time, Thinking in Binary, Talking in IP? Welcome to your wolrd! Leis de Software U M A V I S Ã O D O S A S P E C T O S R E G U L A T Ó R I O S D A T E C N O L O G I

Leia mais

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção Leonardo de Medeiros Garcia Coordenador da Coleção Marcelo André de Azevedo Promotor de Justiça no Estado de Goiás. Assessor Jurídico do Procurador-Geral de Justiça e Coordenador da Procuradoria de Justiça

Leia mais

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS Os conteúdos listados abaixo são uma prévia dos temas e podem ser adequados ao cliente de acordo com o perfil e demanda da empresa/instituição.

Leia mais

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Faculdade de Tecnologia Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Alunos: Anderson Mota, André Luiz da Silva, Misael Bezerra, Rodrigo Damasceno Kaji. GTI 5 Noturno Noções de Direito Prof.

Leia mais

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI TRANSPERFECT TRANSLATIONS INTERNATIONAL, INC. X HENRIQUE TRENTINI

Leia mais

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015.

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015. COIFFEUR BRASIL Termo e Condições de Uso v.1 Publicação dia 03 de Junho de 2015. Qualquer pessoa que se utilize dos serviços denominados Coiffeur Brasil (registrada sob CNPJ 20.402.266/0001 78 e localizada

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Microsoft Informática Ltda., Microsoft Corporation v. Raphael Castro Cabrera Caso No.

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Microsoft Informática Ltda., Microsoft Corporation v. Raphael Castro Cabrera Caso No. ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Microsoft Informática Ltda., Microsoft Corporation v. Raphael Castro Cabrera Caso No. DBR2013-0010 1. As Partes A Reclamante é Microsoft

Leia mais

Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio

Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio Política aprovada em 26 de agosto de 1999 Documentos de implementação aprovados em 24 de outubro de 1999 Versão em português da Organização

Leia mais

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4.1 Legislação aplicável a crimes cibernéticos Classifica-se como Crime Cibernético: Crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), furtos, extorsão,

Leia mais

LIVRARIA CULTURA S/A X MARIA LUZ GAMBARTE PROCEDIMENTO N ND201319 DECISÃO DE MÉRITO I. RELATÓRIO

LIVRARIA CULTURA S/A X MARIA LUZ GAMBARTE PROCEDIMENTO N ND201319 DECISÃO DE MÉRITO I. RELATÓRIO CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI 1. Das Partes LIVRARIA CULTURA S/A

Leia mais

TERMO DE USO 1. ACESSO AO WEB SITE

TERMO DE USO 1. ACESSO AO WEB SITE TERMO DE USO O presente web site é disponibilizado pela VIDALINK DO BRASIL S/A ("VIDALINK") e todos os seus recursos, conteúdos, informações e serviços ( conteúdo ) poderão ser usados exclusivamente de

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Solazyme Brasil Óleos Renováveis e Bioprodutos Ltda. v. Reinaldo Camargo Caso No. DBR2011-0003

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Solazyme Brasil Óleos Renováveis e Bioprodutos Ltda. v. Reinaldo Camargo Caso No. DBR2011-0003 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Solazyme Brasil Óleos Renováveis e Bioprodutos Ltda. v. Reinaldo Camargo Caso No. DBR2011-0003 1. As Partes A Reclamante é Solazyme Brasil

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Tumi Inc. v. Tumi Construções e Empreendimentos Ltda. Caso No. DBR2013-0014

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Tumi Inc. v. Tumi Construções e Empreendimentos Ltda. Caso No. DBR2013-0014 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Tumi Inc. v. Tumi Construções e Empreendimentos Ltda. Caso No. DBR2013-0014 1. As Partes A Reclamante é Tumi Inc., de South Plainfield,

Leia mais

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LUIZ GUILHERME JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA WISLIY LOPES Noções de Direito e Legislação da Informática GOIÂNIA JUNHO DE 2014 RELACIONAR

Leia mais

COREMA Consultoria em Registro de Marca

COREMA Consultoria em Registro de Marca Quando você decidiu abrir um empreendimento, além de pensar em como desenvolver seu trabalho de forma única e exemplar provavelmente surgiu também a dúvida em relação ao nome de sua empresa: Tenho que

Leia mais

Termo de Uso A AGENDA SUSTENTABILIDADE única e exclusiva proprietária do domínio www.agenda SUSTENTABILIDADE.com.br, doravante denominado AGENDA SUSTENTABILIDADE, estabelece o presente TERMO DE USO para

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL

POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL Leia com atenção a nossa Política de Privacidade. Esta Política de Privacidade aplica-se à todos os usuários cadastrados no site, e integram os Termos e Condições

Leia mais

Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada<< Campo excluído do banco de dados >> SENTENÇA

Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada<< Campo excluído do banco de dados >> SENTENÇA fls. 1 Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada> faço estes autos conclusos à(o) MM. Juiz(a) de Direito. Eu,, Escrevente, Subsc. SENTENÇA Processo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para

Leia mais

Gestão Legal no Varejo

Gestão Legal no Varejo SEMINÁRIO GVCEV: Gestão Legal no Varejo Aspectos Práticos da Gestão de Propriedade Intelectual Antonio Carlos Siqueira da Silva A PROPRIEDADE INTELECTUAL ESTÁ PRESENTE NO COTIDIANO DO VAREJO! Gestão de

Leia mais

O Reclamado é Renato Lucas, de Marília, São Paulo, Brasil, representado por Rogério Fabrizzi Lucas.

O Reclamado é Renato Lucas, de Marília, São Paulo, Brasil, representado por Rogério Fabrizzi Lucas. ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Volkswagen Aktiengesellschaft e Volkswagen do Brasil Indústria de Veículos Automotores Ltda. v. Renato Lucas Caso No. DBR2013-0015 1. As

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O direito autoral e sua tutela penal na internet Claudia Curi Direito exclusivo, individual, subjetivo, decorrente da garantia Constitucional [1] de que é livre a expressão da atividade

Leia mais

LISTA DE ESPECIALISTAS DA OMPI DADOS BIOGRÁFICOS

LISTA DE ESPECIALISTAS DA OMPI DADOS BIOGRÁFICOS ARBITRATION AND MEDIATION CENTER LISTA DE ESPECIALISTAS DA OMPI DADOS BIOGRÁFICOS Rodrigo AZEVDO Rua Dom Pedro II, 1240, conj. 607. Porto Alegre, RS, Brasil. 90550-141 Data de Nascimento: 25/08/1974 Nacionalidade:

Leia mais

a adaptação de músicas conhecidas sem autorização do autor

a adaptação de músicas conhecidas sem autorização do autor Prezado Coordenador: Gostaria de saber se constitui crime a reprodução de músicas, sem autorização do autor, pelos candidatos ao Legislativo Municipal ou pelas empresas que realizam a reprodução. Aqui

Leia mais

PROCEDIMENTO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS PÓS- DELEGAÇÃO DE MARCAS (PDDRP DE MARCAS) 4 DE JUNHO DE 2012

PROCEDIMENTO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS PÓS- DELEGAÇÃO DE MARCAS (PDDRP DE MARCAS) 4 DE JUNHO DE 2012 PROCEDIMENTO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS PÓS- DELEGAÇÃO DE MARCAS (PDDRP DE MARCAS) 4 DE JUNHO DE 2012 1. Partes da disputa As partes da disputa serão o titular da marca e o operador de registro do gtld.

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 37ª ZONA ELEITORAL DO ESTADO DE MATO GROSSO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 37ª ZONA ELEITORAL DO ESTADO DE MATO GROSSO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 37ª ZONA ELEITORAL DO ESTADO DE MATO GROSSO COLIGAÇÃO UM NOVO CAMINHO PARA CUIABÁ, formada pelos Partidos Políticos PDT / PR / PPS / PSB / PV, por seu representante

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para

Leia mais

VOTO EM SEPARADO I RELATÓRIO

VOTO EM SEPARADO I RELATÓRIO VOTO EM SEPARADO Perante a COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 121, de 2008, do Senador Magno Malta, que proíbe as empresas de cartões

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Citrix Systems, Inc. v. WebSIAlive Soluções, Tecnologia e Serviços Ltda. Caso No. DBR2013-0004

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Citrix Systems, Inc. v. WebSIAlive Soluções, Tecnologia e Serviços Ltda. Caso No. DBR2013-0004 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Citrix Systems, Inc. v. WebSIAlive Soluções, Tecnologia e Serviços Ltda. Caso No. DBR2013-0004 1. As Partes A Reclamante é Citrix Systems,

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Telefônica Brasil S.A. v. Luciano Simões Neto - ME Caso No. DBR2012-0014

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Telefônica Brasil S.A. v. Luciano Simões Neto - ME Caso No. DBR2012-0014 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Telefônica Brasil S.A. v. Luciano Simões Neto - ME Caso No. DBR2012-0014 1. As Partes A Reclamante é Telefônica Brasil S.A., de São Paulo,

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL DIREITO COMERCIAL SINAIS DISTINTIVOS. MARCA Classificação - espécies. MARCA Classificação - espécies

PROPRIEDADE INTELECTUAL DIREITO COMERCIAL SINAIS DISTINTIVOS. MARCA Classificação - espécies. MARCA Classificação - espécies DIREITO COMERCIAL PROPRIEDADE INTELECTUAL CONFLITO ENTRE S E OUTROS SINAIS DISTINTIVOS DO EMPRESÁRIO Armindo de Castro Júnior SINAIS DISTINTIVOS Classificação - espécies Marcas de Produto ou Serviço Marcas

Leia mais

Prof. Douroando Luiz Carlos Pereira AULA 1

Prof. Douroando Luiz Carlos Pereira AULA 1 Prof. Douroando Luiz Carlos Pereira AULA 1 EMENTA: Caracterização das leis de software. Conceituação: Tratamento e sigilo de dados; Propriedade intelectual; Noções de Direitos Autorais; Responsabilidade

Leia mais

VALIDAÇÃO DE DADOS o cadastro de usuário só será validado, se todas as informações pessoais estiverem corretas;

VALIDAÇÃO DE DADOS o cadastro de usuário só será validado, se todas as informações pessoais estiverem corretas; Este Termo de Uso apresenta as "Condições Gerais" aplicáveis ao uso dos serviços oferecidos por Nome Fantasia: Acordo Certo, inscrito no CNPJ sob n.º 08.702.298/0001-93, com sede a Rua Sete de Abril, 97-6º

Leia mais

Contrato de Licença de Software de Aplicativos Fon

Contrato de Licença de Software de Aplicativos Fon Contrato de Licença de Software de Aplicativos Fon Sua utilização do Aplicativo Móvel Bem-vindo ao Contrato de Licença ( o Contrato ) de Software de Aplicativos Fon ( o Software ) Este Contrato é entre

Leia mais

CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET

CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET Luciana Cristina Ribeiro Pércope e Guilherme Domingos do Carmo Palavras-Chave: liberdade, internet,

Leia mais

Trilha 2 Propriedade intelectual na rede

Trilha 2 Propriedade intelectual na rede TEMA: Mudança de paradigma: do bem físico para o intangível POSICIONAMENTOS Governo - O conceito de propriedade está relacionado ao seu contexto. Passamos da noção de centralidade do bem físico na economia

Leia mais

PIRATARIA DE SOFTWARE E SUAS RESPONSABILIDADES: OS DANOS CAUSADOS E AS SOLUÇÕES PONTUAIS ADOTADAS

PIRATARIA DE SOFTWARE E SUAS RESPONSABILIDADES: OS DANOS CAUSADOS E AS SOLUÇÕES PONTUAIS ADOTADAS PIRATARIA DE SOFTWARE E SUAS RESPONSABILIDADES: OS DANOS CAUSADOS E AS SOLUÇÕES PONTUAIS ADOTADAS 2 I. INTRODUÇÃO I. a) BREVE HISTÓRICO Para relatar, ainda que de modo sucinto, a trajetória do programa

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000450602 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0112846-73.2008.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante COMPANHIA MULLER DE BEBIDAS, são apelados

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO 3A Composites USA, Inc. v. Fernando Terzian Caso No. DBR2015-0003

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO 3A Composites USA, Inc. v. Fernando Terzian Caso No. DBR2015-0003 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO 3A Composites USA, Inc. v. Fernando Terzian Caso No. DBR2015-0003 1. As Partes A Reclamante é 3A Composites USA, Inc., de Statesville,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Walter Feldman) Dispõe sobre a proteção dos direitos de propriedade intelectual e dos direitos autorais na Internet. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

Propriedade Intelectual nº16

Propriedade Intelectual nº16 Intelectual nº16 Destaques STJ - Não se aplica a responsabilidade objetiva ao provedor de correio eletrônico por não fazer a fiscalização prévia das mensagens enviadas TJSP No caso de depósitos realizados

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores PEREIRA CALÇAS (Presidente), ENIO ZULIANI E MAIA DA CUNHA.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores PEREIRA CALÇAS (Presidente), ENIO ZULIANI E MAIA DA CUNHA. PODER JUDICIÁRIO ACÓRDÃO Registro: 2012.0000482093 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0167281-64.2012.8.26.0000, da Comarca de Santos, em que é agravante RINALDI PRODUÇÕES

Leia mais

Termos de Serviço Política de Privacidade. Última atualização dezembro 2014

Termos de Serviço Política de Privacidade. Última atualização dezembro 2014 Termos de Serviço Política de Privacidade Última atualização dezembro 2014 Este é um acordo de licença com o usuário final, definida a partir de agora, "Contrato". Escogitiamo SRLs é uma empresa italiana,

Leia mais

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI 1. Das Partes VRG LINHAS AÉREAS S.A. X SUPER MEGAS PROVEDOR

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A decisão contra o Pirate Bay e sua repercussão sobre o futuro do direito autoral na internet Demócrito Reinaldo Filho * Quatro diretores do famoso site Pirate Bay [01] foram condenados,

Leia mais

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI Nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998 Dispõe sobre a proteção de propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências.

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE RECOMPENSAS QUIZ GAZETA FM

REGULAMENTO DO PLANO DE RECOMPENSAS QUIZ GAZETA FM REGULAMENTO DO PLANO DE RECOMPENSAS QUIZ GAZETA FM 1. APRESENTAÇÃO A Rádio Clube de Alagoas, sociedade LTDA constituída sob as leis brasileiras, razão social, com sede na Cidade de Maceió, endereço Avenida

Leia mais

Fit+ Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 16 de Setembro de 2015.

Fit+ Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 16 de Setembro de 2015. Fit+ Termo e Condições de Uso v.1 Publicação dia 16 de Setembro de 2015. Qualquer pessoa que se utilize dos serviços denominados Fit+ (registrada sob CNPJ 23.128.926/0001-62 e localizada à Rua Cassilândia,387,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE USO

CONDIÇÕES GERAIS DE USO Antes de dar início ao processo de utilização do Website leia atentamente as Condições Gerais de Uso abaixo, as quais compõem o Contrato que regula a sua utilização. CONDIÇÕES GERAIS DE USO O presente

Leia mais

3º A proteção aos direitos de que trata esta Lei independe de registro.

3º A proteção aos direitos de que trata esta Lei independe de registro. Lei Nº 9.609 CAPÍTULO II DA PROTEÇÃO AOS DIREITOS DE AUTOR E DO REGISTRO Art. 2º O regime de proteção à propriedade intelectual de programa de computador é o conferido às obras literárias pela legislação

Leia mais

CRIMES NA INTERNET. 1. Desenvolvimento

CRIMES NA INTERNET. 1. Desenvolvimento CRIMES NA INTERNET * James Nogueira Bueno ** Vânia Maria Bemfica Guimarães Coelho 1 Resumo Este trabalho apresenta a dimensão ética contida nos espaços e suportes informacionais trazido à realidade do

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Petróleo Brasileiro S.A. - Petrobras v. Pricio Ricardo Pedrozo dos Santos Caso No. DBR2014-0004

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Petróleo Brasileiro S.A. - Petrobras v. Pricio Ricardo Pedrozo dos Santos Caso No. DBR2014-0004 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Petróleo Brasileiro S.A. - Petrobras v. Pricio Ricardo Pedrozo dos Santos Caso No. DBR2014-0004 1. As Partes A Reclamante é Petróleo Brasileiro

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS Guilherme Carboni I. CRIAÇÕES INTELECTUAIS PROTEGIDAS PELA PROPRIEDADE INTELECTUAL Campo da Técnica Campo da Técnica Campo Estético Campo Estético Propriedade Industrial

Leia mais

PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Presidente do Conselho Curador da FESP, no uso de suas atribuições, faz regulamentar o uso da rede de computadores

Leia mais

Marcelo Ivanir Peruzzo

Marcelo Ivanir Peruzzo 5 Web Marketing Marcelo Ivanir Peruzzo É comum as pessoas utilizarem o termo marketing nas mais variadas situações, como na política: Ele está fazendo uma jogada de marketing para conquistar o cargo de

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Amgen Inc. e Laboratório Químico Farmacêutico Bergamo Ltda. v. Thiago Rodrigues Cabral Caso No.

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Amgen Inc. e Laboratório Químico Farmacêutico Bergamo Ltda. v. Thiago Rodrigues Cabral Caso No. ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Amgen Inc. e Laboratório Químico Farmacêutico Bergamo Ltda. v. Thiago Rodrigues Cabral Caso No. DBR2012-0015 1. As Partes As Reclamantes

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Comuto v. IBT Comércio de Produtos Óticos e Correlatos Ltda. Caso No. DBR2014-0006

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Comuto v. IBT Comércio de Produtos Óticos e Correlatos Ltda. Caso No. DBR2014-0006 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Comuto v. IBT Comércio de Produtos Óticos e Correlatos Ltda. Caso No. DBR2014-0006 1. As Partes A Reclamante é Comuto, de Paris, França,

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede

Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede Índice 1 Introdução... 3 2 Política de cadastro e senhas... 5 3 Política de Utilização da Internet... 7 4 Política de Utilização de

Leia mais

um país digital & continental A realidade do setor nos Estados Brasileiros Como entender e interagir com o novo consumidor na hora da compra

um país digital & continental A realidade do setor nos Estados Brasileiros Como entender e interagir com o novo consumidor na hora da compra REVISTA DIGITALKS. ano 01. número 02 um país digital & continental A realidade do setor nos Estados Brasileiros Como entender e interagir com o novo consumidor na hora da compra #Content marketing 11 passos

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era Produção de textos online O modelo de consumo de uma nova era Introdução Novas tecnologias, ou mesmo o aprimoramento daquelas já existentes, tem transformado o modo como são consumidos os conteúdos disponibilizados

Leia mais

Responsabilidade na Internet

Responsabilidade na Internet Responsabilidade na Internet Papos em Rede 26/01/2012 Glaydson Lima Advogado e Analista de Sistema @glaydson glaydson.com http://delicious.com/glaydsonlima/paposemrede Responsabilidade por publicação direta

Leia mais

Termo de Licença de Produtos Royalty-Free

Termo de Licença de Produtos Royalty-Free Termo de Licença de Produtos Royalty-Free Este é um Contrato de Licenciamento (doravante denominado simplesmente CONTRATO), que rege as condições entre o Contratante e/ou sua empresa ou cliente final (doravante

Leia mais

Felipe Perin. AUV surveyor. Consultor de TI. Desenvolvedor web. Entusiasta em software livre. Segurança em Redes de Computadores.

Felipe Perin. AUV surveyor. Consultor de TI. Desenvolvedor web. Entusiasta em software livre. Segurança em Redes de Computadores. Felipe Perin E-mail: Linkedin: Sites: AUV surveyor Consultor de TI Desenvolvedor web Entusiasta em software livre Segurança em Redes de Computadores Palestrante perin.ng@gmail.com http://br.linkedin.com/in/felipeperin

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, STREAMING COMPARTILHADA

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, STREAMING COMPARTILHADA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, STREAMING COMPARTILHADA PRESTADORA DNSLINK SOLUÇÕES PARA INTERNET LTDA., inscrita no CNPJ sob o nº. 11.170.163/0001-39, com sede na Av. Jequitibá 685, sala 328, Águas

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO 1 TERMOS E CONDIÇÕES DE USO 1. A plataforma on-line 2study, disponibilizada a você, doravante usuário, por meio do endereço: http://2study.com.br/, é desenvolvida e provida pela LCA Consulting LTDA, pessoa

Leia mais

Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria. 1 de setembro de 2012

Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria. 1 de setembro de 2012 Projeto Escola Legal Direitos Autorais e Propriedade Intelectual x Pirataria 1 de setembro de 2012 Quem somos? Fundada em 1988, a Business Software Alliance (BSA) é a principal organização mundial dedicada

Leia mais

1. Política de Privacidade e Confidencialidade do PAG CENTERCOB

1. Política de Privacidade e Confidencialidade do PAG CENTERCOB 1. Política de Privacidade e Confidencialidade do PAG CENTERCOB Estas políticas de privacidade (as "Políticas de Privacidade") entrarão em vigor desde sua aceitação para os usuários do S.C.A Serviço de

Leia mais

Anunciante(s): são as empresas que fazem Anúncios Publicitários.

Anunciante(s): são as empresas que fazem Anúncios Publicitários. Termos de Uso Este Termo de Uso tem por objetivo informar as responsabilidades, deveres e obrigações que todo Usuário assume ao acessar o Site. O Usuário deve ler com atenção os termos abaixo antes de

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 1. EMENTA A Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014, estabeleceu princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil, conhecido

Leia mais

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Lego System A/S v. Guilherme Tadeu Sacomori Caso No. DBR2014-0009

DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Lego System A/S v. Guilherme Tadeu Sacomori Caso No. DBR2014-0009 ARBITRATION AND MEDIATION CENTER DECISÃO DO PAINEL ADMINISTRATIVO Lego System A/S v. Guilherme Tadeu Sacomori Caso No. DBR2014-0009 1. As Partes A Reclamante é Lego System A/S, de Billund, Dinamarca, representada

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO DO COMÉRCIO PARECER JURÍDICO DNRC/COJUR/Nº 205/03 REFERÊNCIA: Processos

Leia mais

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Piracicaba, 2000 Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Este trabalho se destina a avaliação da disciplina de Teoria da Comunicação Piracicaba,

Leia mais

Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998.

Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998. Lei de Software Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre a proteção da propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI NATURA COSMÉTICOS S/A. E INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE COSMÉTICOS

Leia mais

Termos do Serviço. 1. Aceitação dos Termos do Serviço. Bem-vindo a TapToLogin.

Termos do Serviço. 1. Aceitação dos Termos do Serviço. Bem-vindo a TapToLogin. Termos do Serviço 1. Aceitação dos Termos do Serviço Bem-vindo a TapToLogin. A RD2Buzz Brasil Consultoria e Internet Ltda (RD2Buzz). fornece a você ("Usuário ) o aplicativo TapToLogin, sujeito aos Termos

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE TERMOS E CONDIÇÕES DE USO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE O presente Termo apresenta as regras e condições, bem como a política de privacidade, aplicáveis a todos os visitantes, usuários, afiliados e cadastrados,

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini

DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini IME USP Outubro/2007 Direitos Autorais Lei nº 9.610/98 Propriedade imaterial Direitos autorais Propriedade industrial Direitos

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: LIVRO II DOS

Leia mais

Termos e Condições de Utilização do Mercadinho Português Online

Termos e Condições de Utilização do Mercadinho Português Online Termos e Condições de Utilização do Mercadinho Português Online LEIA ATENTAMENTE OS TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DO MERCADINHO PORTUGUÊS ONLINE ANTES DE UTILIZAR O SITE E SERVIÇOS POR ELE OFERECIDOS.

Leia mais

Des. Carlos Eduardo da Fonseca Passos

Des. Carlos Eduardo da Fonseca Passos TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0024946-03.2011.8.19.0210 APELANTE: BARATÃO MÁQUINAS DE COSTURA LTDA-ME APELADA: TAVARES PINTO DISTRIBUIDORA LTDA. RELATOR: DES. CARLOS EDUARDO

Leia mais

Termos e Condições de Uso My Benefits

Termos e Condições de Uso My Benefits Termos e Condições de Uso My Benefits Este Termo de Uso apresenta as Condições Gerais aplicáveis ao uso do website e plataforma de descontos oferecida por PORTAL SUPER PUBLICO LTDA., inscrita no CNPJ sob

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA 1 REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX Empresa XX LTDA A EMPRESA XX LTDA, através de seu Comitê de Tecnologia da Informação, órgão responsável pela normatização e padronização

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

Tribunal deve dar meios para petição virtual

Tribunal deve dar meios para petição virtual Page 1 of 5 Texto publicado terça, dia 23 de fevereiro de 2010 NOTÍCIAS Tribunal deve dar meios para petição virtual POR MARINA ITO O processo eletrônico no Judiciário é uma realidade sem volta. Em decisão

Leia mais

mdic.empauta.com Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior Clipping da imprensa Brasília, 27 de maio de 2008 às 16h19

mdic.empauta.com Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior Clipping da imprensa Brasília, 27 de maio de 2008 às 16h19 Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior Clipping da imprensa Brasília, 27 de maio de 2008 às 16h19 Gazeta do Povo PR Vitórias na Justiça mostram força da lei do consumidor...................................

Leia mais

CONCURSO SEMANA DO MEIO AMBIENTE UFSC COMO POSSO CONTRIBUIR PARA A SUSTENTABILIDADE NA UFSC?

CONCURSO SEMANA DO MEIO AMBIENTE UFSC COMO POSSO CONTRIBUIR PARA A SUSTENTABILIDADE NA UFSC? CONCURSO SEMANA DO MEIO AMBIENTE UFSC COMO POSSO CONTRIBUIR PARA A SUSTENTABILIDADE NA UFSC? TÍTULO I - Da Caracterização Art. 1º. O Concurso SEMANA DO MEIO AMBIENTE UFSC é uma promoção da Coordenadoria

Leia mais

Regulamento da Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio

Regulamento da Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio 1 Regulamento da Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio Política aprovada em 26 de agosto de 1999 Documentos de implementação aprovados em 24 de outubro de 1999 Versão em

Leia mais

SUBSTITUTIVO. (ao PLS 76/2000, PLS 137/2000 e PLC 89/2003) O CONGRESSO NACIONAL decreta:

SUBSTITUTIVO. (ao PLS 76/2000, PLS 137/2000 e PLC 89/2003) O CONGRESSO NACIONAL decreta: 20 SUBSTITUTIVO (ao PLS 76/2000, PLS 137/2000 e PLC 89/2003) Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), o Decreto-Lei nº 1.001, de 21 de outubro de 1969 (Código Penal Militar),

Leia mais

Direito Digital Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Direito Digital Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

CONTRATO DE REGISTRO DOMINIOS

CONTRATO DE REGISTRO DOMINIOS CONTRATO DE REGISTRO DOMINIOS I. PREÂMBULO De um lado, a empresa ORIONS SITES E HOST, com razão social denominada ORIONS Ltda, inscrita no CNPJ sob nº, estabelecida à rua Ítalo Cipro, 206, Beira Rio, Guaratinguetá,

Leia mais

Estes termos gerais de prestação são parte integrante do Contrato do Hotel celebrado entre um Meio de Hospedagem e o Euamohotelfazenda.com.br.

Estes termos gerais de prestação são parte integrante do Contrato do Hotel celebrado entre um Meio de Hospedagem e o Euamohotelfazenda.com.br. Eu Amo Hotel Fazenda LTDA v01 Estes termos gerais de prestação são parte integrante do Contrato do Hotel celebrado entre um Meio de Hospedagem e o Euamohotelfazenda.com.br. DEFINIÇÕES Além dos termos definidos

Leia mais

TEM SEMPRE UM FILME EM SUA VIDA 1

TEM SEMPRE UM FILME EM SUA VIDA 1 TEM SEMPRE UM FILME EM SUA VIDA 1 Fernando LOUZADA 2 Juliana GIRALDI 3 Tatiana MICHAUD 4 Vinicius CARVALHO 5 Christiane Monteiro MACHADO 6 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO O tempo de vida das

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR OSMAR LOPES JUNIOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR Introdução Não é preciso dizer o quanto a internet

Leia mais

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br 1 A INTERNET NÃO É UM MUNDO SEM LEIS!!! 11/7/2014 2 INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? X X 11/7/2014 3 Lei 12.737/12 CRIME DE INVASÃO Violação de domicílio Pena - detenção,

Leia mais

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR 1. INTRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO DE ARAXÁ POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR Este documento pretende descrever como deverá ser o uso apropriado dos recursos de computação

Leia mais

COMPROMISSO PARTICULAR DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VIRTUSHOST

COMPROMISSO PARTICULAR DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VIRTUSHOST Pág. 1 de 5 COMPROMISSO PARTICULAR DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VIRTUSHOST Seção 1. Definições Pág. 2 de 5 Uptime: Porcentagem de tempo em que o serviço ficou disponível durante um ano. Gerenciamento Avançado:

Leia mais

Advocacia, Ética e Nomes de Domínio na Internet

Advocacia, Ética e Nomes de Domínio na Internet BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Advocacia, Ética e Nomes de Domínio na Internet *Eurípedes Brito Cunha Júnior Devem ser observados quando da confecção da homepage do advogado os princípios da veracidade, da objetividade

Leia mais