Esse impalpável mas não menos denso sentimento de lonjura e proximidade: a crítica de uma razão colonial.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Esse impalpável mas não menos denso sentimento de lonjura e proximidade: a crítica de uma razão colonial."

Transcrição

1 12 de Março de Esse impalpável mas não menos denso sentimento de lonjura e proximidade: a crítica de uma razão colonial. Portugal, na sua singular imaginação de si mesmo, como um povo de sonhos maiores do que nós 1, viu através da televisão, a extraordinária violência com que o povo de Timor-Leste se confrontou nas primeiras semanas de Setembro de Desta vez o drama era protagonizado pelo poder colonial da Indonésia. A ironia trágica 2 destes acontecimentos agudizou ainda mais o sentimento de perplexidade desses dias. As televisões, os jornais, as rádios ampliavam, pelas imagens e pelas palavras, esses sentimentos contraditórios de lonjura e proximidade com um povo ao qual a nossa história colonial e a nossa imaginação imperial nos ligava há séculos e, ao mesmo tempo, do qual fôramos abruptamente cortados pela emergência feliz da democracia trazida pela Revolução dos Cravos. Em Setembro de 1999, Timor-Leste foi um misto de apego melancólico e de raiva cidadã. Entre esta melancolia e esta raiva parecia estar também a convicção de que havia de ser possível fazer prevalecer uma opinião pública nacional 1

2 12 de Março de acordada do sonho do império, apesar de uma classe política prolongadamente negligente e descomprometida com a sua história colonial 3. A criatividade e a irreverência das iniciativas pela libertação de Timor-Leste 4, cobriu o país como uma imensa e insuspeitada onda vinda do tasi feto 5 índico até à costa atlântica de Portugal. Em Setembro de 1999, ao contrário do que tinha acontecido até aí 6, Timor-Leste colocava nas ruas milhares de pessoas, parava o trânsito e transformava a vida privada e pública das cidadãs e cidadãos em Portugal, numa prolongada jornada de luta e na aprendizagem súbita de quase tudo sobre aquele lugar tão longínquo. As personagens da libertação ou da ocupação tornaramse nomes comuns nos lábios das pessoas; toda a gente conhecia datas e antecedentes; reavivou-se a memória sobre os massacres que vinham a acontecer desde 1975 e tudo parecia compreender-se e fazer sentido. As expressões dos cartazes, bandeiras, autocolantes, títulos dos jornais e slogans pintados por todo o lado, denunciavam uma sociedade globalmente mobilizada em torno de 2

3 12 de Março de acontecimentos que se transfiguraram, rapidamente, em uma causa. Talvez nesses dias densos e profundamente emocionantes de Setembro de 1999 a nossa hiper-identidade tenha vivido, um ponto de fuga onde se cruzou a nossa realidade amarga e a nossa utopia 7. De facto, parece que o que se passou em Portugal no seguimento do anúncio dos resultados do Referendo em Timor-Leste foi uma majestosa manifestação de uma consciência emancipatória de si e dos seus fantasmas e, ao mesmo tempo, da guerra e da violência que acontecia naquela pequena ilha do Sudeste asiático. Convém, no entanto, não esquecer que o sentido mais profundo desta manifestação de solidariedade cumulada com as dores pela liberdade, nada deve ter a ver com ligações históricas imaginadas e ainda alimentadas por alguns. Eduardo Lourenço não deixa de chamar à atenção que não cabe a nós, os portugueses medir esse impalpável mas não menos denso sentimento de distância cultural que separa, no interior da mesma língua, esses novos imaginários. 8 3

4 12 de Março de É necessário não perder de vista a especificidade das/os timores relativamente ao povo português e a sua reivindicação firme de independência, não apenas da Indonésia mas também do seu passado colonial com Portugal. Trinta e um anos após a queda do regime fascista do Estado Novo e trinta anos após a declaração da independência dos países africanos de língua oficial portuguesa e de Timor-Leste, muitas feridas permanecem por cicatrizar. Os processos de reconciliação são difíceis e precisam de muito tempo de outro tempo que não apenas o dos Tratados Internacionais e dos relógios institucionais; necessitam de resgatar as diversas memórias, as memórias divergentes, e reconstruir o ambiente propício a um novo encontro expresso nas diversas línguas portuguesas em que estamos a dizer e a escrever as nossas histórias pós-coloniais. Nestas línguas portuguesas em que, de um lado e de outro do planeta se afrontaram os fantasmas e os quebrantos e se disse, sim à liberdade e sim à dignidade, naqueles dias longos de Setembro de É a partir deste contexto politicamente complexo e emocionalmente 4

5 12 de Março de intenso que se torna imprescindível pensar em Timor-Leste não como parte de uma história apenas aparentemente comum 9 mas como parceiro das histórias que ainda estão por contar. Coimbra, tal como no passado, pode tornar-se parceira de esta história comum que está por inventar, desta vez assente no diálogo responsável e justo entre Portugal e Timor-Leste. Tendo a memória da tragédia mas também a da alegria da independência, cumpre-nos agora sermos capazes de realizar um futuro em que todas/os tenhamos a ganhar em dignidade, amizade e uma vida melhor. Seja Coimbra a cidade dos Direitos Humanos, a cidade dos conhecimentos mas também a cidade de um humanismo cosmopolita, informado e solidário. Com Timor-Leste e com o seu Povo saberemos encontrar ajusta forma de continuarmos seguindo a história, desta vez independentes mas, profundamente, amigos. 1 Lourenço, Eduardo (1999), A Nau de Ícaro seguido de Imagem e Miragem da Lusofonia. Lisboa: Gradiva, pp Este autor argumenta ainda que o nosso problema nunca foi o da identidade, mas do próprio excesso com que nos vivemos, em suma, o da nossa hiper- 5

6 12 de Março de identidade que historicamente nos adveio não só desse facto da nossa intensa singularidade, como suplemento que lhe foi agregado quando nos tornámos senhores da conquista da Guiné, Etiópia, etc. Eduardo Lourenço (1983), Crise de Identidade ou Ressaca Imperial, Prelo. 1, Out./Dez, Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, pp , p. 17. Também o sociólogo Boaventura de Sousa Santos chama a atenção para uma construção do imaginário português que assenta numa mitificação da sua centralidade no sistema mundo. Nas suas palavras, durante séculos, a cultura portuguesa sentiu-se num centro apenas porque tinha uma periferia (as suas colónias). Santos, Boaventura de Sousa (1997), Pela Mão de Alice O social e o politico na pósmodernidade. Porto: Afrontamento. Ainda Margarida Calafate Ribeiro trata este tema em que Portugal se vê como o império como imaginação do centro. Ribeiro, Margarida Calafate (2004), Uma História de Regressos. Império, guerra Colonial e Pós-colonialismo. Porto: Afrontamento, pp Expressão usada por Miguel Vale de Almeida num artigo publicado no jornal Público no dia 13 de Setembro de 1999, com o título, Timor, Portugal e a esquerda. 3 Os movimentos portugueses de solidariedade com Timor-Leste e algumas personalidades denunciaram repetidamente e publicamente, durante duas décadas, aquilo a que chamaram o descaso político da sociedade, dos políticos e dos Governos portugueses acerca de Timor-Leste. Retomando esse debate, num artigo publicado no jornal Público, no dia 11 de Setembro de 1999, com o título, A terceira traição, José Manuel Barata-Feyo afirma que nas duas décadas que se seguiram a 1975 o conjunto da classe politica portuguesa nunca acreditou sinceramente na causa de Timor. 4 A este propósito consultar a imprensa do último trimestre de Tasi feto é a expressão em tétum que designa o mar da costa norte da ilha de Timor-Leste e que quer dizer, literalmente, mar mulher. 6 Com excepção de alguma mobilização social depois de ter sido conhecido o massacre do cemitério de Stª Cruz que ocorreu em Díli em Contudo é de notar que esta mobilização foi parcial e pouco consequente em termos políticos. 7 Eduardo Lourenço (1983), Crise de Identidade ou Ressaca Imperial, Prelo. 1, Out./Dez, Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, pp , p Lourenço, 1983; Lourenço, 1999: Como Margarida Calafate Ribeiro diz, o pós-colonialismo surge de um sentimento de necessidade de elaborar uma visão critica de entendimento da história colonial, dando voz àqueles que a sofreram ou, por outras palavras, registando, problematizando e desconstruindo a memória da história colonial escrita pelo colonialismo, ao confrontá-la com outras memórias desta história aparentemente comuns. (2004), Uma História de Regressos: Império, Guerra Colonial e Pós-Colonialismo. Porto: Afrontamento, pp

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously Comunicação & Cultura, n.º 4, 2007, pp. 177-183 Entrevista a Barbie Zelizer Rita Figueiras * Barbie Zelizer é uma das mais notáveis investigadoras da actualidade na área do jornalismo e cultura. É professora

Leia mais

Portugal - João Seixas: "As cidades são grandes espelhos de nós próprios"

Portugal - João Seixas: As cidades são grandes espelhos de nós próprios Portugal - João Seixas: "As cidades são grandes espelhos de nós próprios" Nas crônicas urbanas do investigador João Seixas, agora publicadas em livro, a cidade é o reflexo das realizações e aspirações

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

Recebo com emoção o título de doutor Honoris Causa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira.

Recebo com emoção o título de doutor Honoris Causa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira. Discurso do Ex-Presidente Lula Outorga do Título de Doutor Honoris Causa da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira 1 de Março de 2013 Recebo com emoção o título de doutor

Leia mais

Fotografias de Raquel Porto

Fotografias de Raquel Porto Fotografias de Raquel Porto A RAPARIGA QUE SABIA ANTES Não se lembra da primeira vez que aconteceu. Foi talvez na infância, não se lembra ao certo. Para ela sempre foi assim. Vê as coisas acontecerem antes

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

MisturaBOA. Uma seleção de boas notícias e boas ideias para se viver melhor. Revista SAÚDE BOAS NOTICIAS E BOAS IDEIAS PARA SE VIVER MELHOR

MisturaBOA. Uma seleção de boas notícias e boas ideias para se viver melhor. Revista SAÚDE BOAS NOTICIAS E BOAS IDEIAS PARA SE VIVER MELHOR Revista MisturaBOA BOAS NOTICIAS E BOAS IDEIAS BOAS NOTICIAS PARA SE VIVER MELHOR E BOAS IDEIAS PARA SE VIVER MELHOR Uma seleção de boas notícias e boas ideias para se viver melhor Projeto 2015 conceito

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

NÃO SE ENCONTRA O QUE SE PROCURA

NÃO SE ENCONTRA O QUE SE PROCURA NÃO SE ENCONTRA O QUE SE PROCURA Do Autor: ficção Não te deixarei morrer, David Crockett (Contos e Crónicas), 2001 Equador (Romance), 2003 Premio Grinzane Cavour Narrativa Straniera (Itália) Rio das Flores

Leia mais

mudanças e a alterar realidade dos Censos

mudanças e a alterar realidade dos Censos Crise está a acelerar mudanças e a alterar realidade dos Censos RESULTADOS Menos de dois anos depois, a crise já contribuiu para desatualizar alguns números dos últimos Censos, apresentados ontem. ATUAL

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DE COIMBRA

ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DE COIMBRA COMUNICADO As razões que nos trazem hoje aqui entristecem-nos. Contudo, no seguimento de uma série de eventos que têm ocorrido, esta tornou-se na única resposta possível aquilo que sentimos como uma afronta

Leia mais

Declaração Política. (Falta cumprir o 25 de Abril nos Açores)

Declaração Política. (Falta cumprir o 25 de Abril nos Açores) Declaração Política (Falta cumprir o 25 de Abril nos Açores) Nasci em 1968, o ano em que o Dr. Salazar caiu da cadeira. Não vivi assim, pelo menos de forma consciente, as agruras da ditadura. No entanto

Leia mais

Margarida Calafate Ribeiro, Uma História de Regressos, Império, Guerra Colonial e Pós-Colonialismo, Porto, Edições Afrontamento, 2004, 464 páginas.

Margarida Calafate Ribeiro, Uma História de Regressos, Império, Guerra Colonial e Pós-Colonialismo, Porto, Edições Afrontamento, 2004, 464 páginas. Margarida Calafate Ribeiro, Uma História de Regressos, Império, Guerra Colonial e Pós-Colonialismo, Porto, Edições Afrontamento, 2004, 464 páginas. 202 Uma História de Regressos, Império, Guerra Colonial

Leia mais

1096 portugueses participam em acções de voluntariado missionário

1096 portugueses participam em acções de voluntariado missionário FEC - FUNDAÇÃO FÉ E COOPERAÇÃO COMUNICADO DE IMPRENSA (2012_009) 1096 portugueses participam em acções de voluntariado missionário Voluntariado internacional de inspiração cristã regista um aumento de

Leia mais

POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE: O DESFAZER DOS MITOS

POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE: O DESFAZER DOS MITOS POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE: O DESFAZER DOS MITOS Ramiro Marques Portugal tem conhecido, nos últimos 25 anos, um conjunto de inovações educativas de carácter contraditório mas que têm em comum, além de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 43 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

JUDICIALIZAÇÃO - REGULAMENTAÇÃO DO PRODUTO DE ATENÇÃO DOMICILAR

JUDICIALIZAÇÃO - REGULAMENTAÇÃO DO PRODUTO DE ATENÇÃO DOMICILAR JUDICIALIZAÇÃO - REGULAMENTAÇÃO DO PRODUTO DE ATENÇÃO DOMICILAR 1 A S S I S T Ê N C I A M É D I C O - H O S P I T A L A R : D E S A F I O S, C E N Á R I O S E O P O R T U N I D A D E S B R A S I L 2 0

Leia mais

SOBRE A HISTÓRIA BOM TRABALHO PARA TODOS!

SOBRE A HISTÓRIA BOM TRABALHO PARA TODOS! As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

TER NOÇÃO DA CONSTRUÇÃO DE UMA NAÇÃO

TER NOÇÃO DA CONSTRUÇÃO DE UMA NAÇÃO TER NOÇÃO DA CONSTRUÇÃO DE UMA NAÇÃO Por: Edson Incopté * 18.05.2008 Como se pode desejar o desenvolvimento sem termos a real noção do que de facto aconteceu, acontece e o que realmente queremos?!

Leia mais

Pesquisa x Pesquisa. do Setor Editorial Brasileiro revelou uma venda de quatro bilhões de reais em livros, com

Pesquisa x Pesquisa. do Setor Editorial Brasileiro revelou uma venda de quatro bilhões de reais em livros, com A Bíblia Sagrada já vendeu, aproximadamente, 3,9 bilhões de cópias. O livro Ágape, do Padre Marcelo Rossi, já vendeu 8 milhões de exemplares. O livro erótico, Cinquenta Tons de Cinza, chegou ao número

Leia mais

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE Anexo 2 O documento que se apresenta em seguida é um dos que consideramos mais apelativos neste estudo visto ser possível ver Cecília Menano e João dos Santos e a cumplicidade que caracterizou a sua parceria

Leia mais

RICHTER 8.2 A FÚRIA DA NATUREZA

RICHTER 8.2 A FÚRIA DA NATUREZA JOSÉ ARAÚJO RICHTER 8.2 1 RICHTER 8.2 2 JOSÉ ARAÚJO RICHTER 8.2 FURIA DA NATUREZA 3 RICHTER 8.2 Copyright 2008 José Araújo Título: Richter 8.2 Fúria da Natureza Edição: José Araújo Revisão: José Araújo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Lançamento da Campanha Contra a Poliomielite

Leia mais

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL Intervenção de Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa na Comissão Económica para a América Latina e Caraíbas - CEPAL Santiago do Chile, 7 de Novembro de 2007 Senhor Secretário Executivo da

Leia mais

Janaina: muitas flores, uma estória. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Fernanda de Sousa Vieira 2. Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3

Janaina: muitas flores, uma estória. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Fernanda de Sousa Vieira 2. Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3 Janaina: muitas flores, uma estória Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1 Fernanda de Sousa Vieira 2 Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3 Resumo O presente trabalho traz contribuições acerca do atendimento

Leia mais

Os combatentes agradecem reconhecidos a presença de V. Exas.

Os combatentes agradecem reconhecidos a presença de V. Exas. DIA DO COMBATENTE NA BATALHA, EM 14 DE ABRIL DE 2007 GENERAL JOAQUIM CHITO RODRIGUES Exmo. senhor Ministro da Defesa Nacional. Digna-se V. Exa. presidir a esta cerimónia evocativa do Dia do Combatente

Leia mais

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO ADILSON DE ANGELO Desde a sua criação, o MST assegurou na sua agenda política a luta pela educação e por uma escola mais significativa para a família

Leia mais

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer]

as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] as coisas já estão aí GRINGO CARDIA [Cenógrafo e designer] colagem, remix narrativa em banco de dados remix de referências de várias áreas novas tecnologias a maneira que eu trabalho Eu acredito, na verdade,

Leia mais

IMPRENSA REGIONAL PORTUGUESA: Caracterização dos públicos, Audiências e Hábitos de Leitura

IMPRENSA REGIONAL PORTUGUESA: Caracterização dos públicos, Audiências e Hábitos de Leitura IMPRENSA REGIONAL PORTUGUESA: Caracterização dos públicos, Audiências e Hábitos de Leitura A Imprensa Regional desempenha um papel relevante, não só no âmbito territorial, a que naturalmente mais diz respeito,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

248 249 250 251 252 253 Anexo B Textos dos alunos sobre a relação mídia sociedade 254 255 A importância da mídia para sociedade Por Aline da Silva Santos Antigamente, não tinha muitos meios de comunicação.

Leia mais

Abertura da Exposição Álvaro Cunhal, no Porto Segunda, 02 Dezembro 2013 17:57

Abertura da Exposição Álvaro Cunhal, no Porto Segunda, 02 Dezembro 2013 17:57 Intervenção de Jerónimo de Sousa, Secretário-Geral, Porto, Acto de abertura da Exposição «Álvaro Cunhal Vida, Pensamento e Luta: Exemplo que se Projecta na Actualidade e no Futuro» Em nome do Partido Comunista

Leia mais

MEU BRASIL BRASILEIRO. Fui ao Brasil pela primeira vez para assistir ao Carnaval. do Rio. Era o tempo de Salazar em Portugal e em que se falava

MEU BRASIL BRASILEIRO. Fui ao Brasil pela primeira vez para assistir ao Carnaval. do Rio. Era o tempo de Salazar em Portugal e em que se falava MEU BRASIL BRASILEIRO por Mário Soares Fui ao Brasil pela primeira vez para assistir ao Carnaval do Rio. Era o tempo de Salazar em Portugal e em que se falava ainda de Getúlio Vargas no Brasil. Tempos

Leia mais

E Deus viu que tudo era bom

E Deus viu que tudo era bom E Deus viu que tudo era bom Nunca pensei que fosse assim O Livro do Gênesis é o livro mais fascinante da Bíblia e o mais complicado. Foi escrito milhares de anos depois dos fatos que ele narra. Foram vários

Leia mais

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO 18 de Novembro de 2010 Teatro Municipal de Almada Senhora Presidente da Associação dos Profissionais de Serviços Social, Dr.ª Fernanda Rodrigues Senhoras e Senhores

Leia mais

A ESCOLA MULTISSERIADA EM IMAGENS: CONSTRUINDO A MEMÓRIA E O SIGNIFICADO DA ESCOLA NA COMUNIDADE CAMPESINA Juber Helena Baldotto Delboni UFES

A ESCOLA MULTISSERIADA EM IMAGENS: CONSTRUINDO A MEMÓRIA E O SIGNIFICADO DA ESCOLA NA COMUNIDADE CAMPESINA Juber Helena Baldotto Delboni UFES A ESCOLA MULTISSERIADA EM IMAGENS: CONSTRUINDO A MEMÓRIA E O SIGNIFICADO DA ESCOLA NA COMUNIDADE CAMPESINA Juber Helena Baldotto Delboni UFES Resumo Este estudo analisa de que maneira as fotografias são

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

1. Frei Luís de Sousa Almeida Garrett

1. Frei Luís de Sousa Almeida Garrett 1. Frei Luís de Sousa Almeida Garrett De entre as alternativas a seguir apresentadas, escolhe a que te parecer mais correcta, assinalando com um círculo. 1.1. O autor da obra Frei Luís de Sousa é A. Camões.

Leia mais

Flores do Dia Eduardo Corceli

Flores do Dia Eduardo Corceli BOA NOITE! ERA UMA VEZ... Flores do Dia Eduardo Corceli Amanhece o dia... Hora de trabalhar! Hora de lutar! Vem Ana, Maria, Tereza, Vem Claudia, Laura, Adriana... Flores do dia Para o seu dia. Suas folhas:

Leia mais

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário epílogo O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário do rebuliço que batia em seu peito. Quase um ano havia se passado. O verão começava novamente hoje, ao pôr do sol, mas Line sabia que,

Leia mais

Realidade vs Virtualidade

Realidade vs Virtualidade Realidade vs Virtualidade Vivendo entre quem Somos e quem queremos Ser Necessidade de sermos felizes Necessidade de sermos aceitos Necessidades de Sermos A CONSTRUÇÃO DA NOSSA IDENTIDADE Vivendo entre

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA OBRA «PORTUGAL NA QUEDA DA EUROPA», DE VIRIATO SOROMENHO-MARQUES 2 de Junho de 2014 CCB, LISBOA, 18 30h

APRESENTAÇÃO DA OBRA «PORTUGAL NA QUEDA DA EUROPA», DE VIRIATO SOROMENHO-MARQUES 2 de Junho de 2014 CCB, LISBOA, 18 30h APRESENTAÇÃO DA OBRA «PORTUGAL NA QUEDA DA EUROPA», DE VIRIATO SOROMENHO-MARQUES 2 de Junho de 2014 CCB, LISBOA, 18 30h ADRIANO MOREIRA Presidente do Instituto de Altos Estudos da Academia das Ciências

Leia mais

Livro com atividades para colorir, desenhar, construir, e muito mais! Este livro pertence a

Livro com atividades para colorir, desenhar, construir, e muito mais! Este livro pertence a Livro com atividades para colorir, desenhar, construir, e muito mais! Este livro pertence a CENTRO DE PSICOLOGIA APLICADA DO EXÉRCITO NÚCLEO DE APOIO PSICOLÓGICO E INTERVENÇÃO NA CRISE Edição - Julho 2014

Leia mais

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Evocar hoje, dia 8 de Março de 2007, o Tratado que instituiu a Comunidade Económica Europeia, assinado em Roma há 50

Leia mais

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal.

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. ONDA GOSPEL - Quando revelou ao seu amigo, Luis Melancia a vontade de adquirir a rádio,

Leia mais

Para uma democracia participativa 1

Para uma democracia participativa 1 Para uma democracia participativa 1 Em que sentido faz sentido falar hoje do Movimento Pintasilgo? Não faz sentido, por exemplo, falar dele enquanto movimento de apoio a um candidato às últimas eleições

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca INAUGURAÇÃO DA NOVA CIDADE DE CANINDÉ

Leia mais

Cerimónia de Homenagem aos Membros Fundadores. E Entrega de Distinções de Mérito Económico

Cerimónia de Homenagem aos Membros Fundadores. E Entrega de Distinções de Mérito Económico 1 Cerimónia de Homenagem aos Membros Fundadores E Entrega de Distinções de Mérito Económico Sala dos Presidentes da Associação Industrial Portuguesa Lisboa, 14 de Outubro de 2010 Celebramos hoje os primeiros

Leia mais

de 8 Que tipo de concurseiro é você? www.concurseirosolitario.com.br

de 8 Que tipo de concurseiro é você? www.concurseirosolitario.com.br de 8 1 Que tipo de concurseiro é você? FASCÍCULO 1 - ABRIL DE 2014 www.concurseirosolitario.com.br [ EDITORIAL] É com muito prazer que o blog do Concurseiro Solitário lança uma nova série de fascículos

Leia mais

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados POR ENTRETEMPOS, JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO, 04.10.2015 Tião, como é chamado pelos amigos, não toma café. Ainda assim, motivado

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt São Paulo-SP, 05 de dezembro de 2008 Presidente: A minha presença aqui

Leia mais

Preconceito juízo pré-concebido atitude discriminatória

Preconceito juízo pré-concebido atitude discriminatória PRECONCEITO RACIAL O QUE É PRECONCEITO? Preconceito é um juízo pré-concebido, que se manifesta numa atitude discriminatória, perante pessoas, crenças, sentimentos e tendências de comportamento. O preconceito

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 LOCAL: Figueirinha, Oeiras REALIZADO

Leia mais

ABIA 25 Anos. 30 anos de AIDS: a história social de uma epidemia e a resposta brasileira. Rio de Janeiro, 8-9 de Agosto de 2012.

ABIA 25 Anos. 30 anos de AIDS: a história social de uma epidemia e a resposta brasileira. Rio de Janeiro, 8-9 de Agosto de 2012. ABIA 25 Anos 30 anos de AIDS: a história social de uma epidemia e a resposta brasileira Rio de Janeiro, 8-9 de Agosto de 2012 Roda de Conversa O Legado do Betinho: Solidariedade, Direitos Humanos e HIV

Leia mais

OBAMA E O TESTE DAS HONDURAS. 1. Em quatro escassos meses, Barack Obama tem estado a

OBAMA E O TESTE DAS HONDURAS. 1. Em quatro escassos meses, Barack Obama tem estado a OBAMA E O TESTE DAS HONDURAS por Mário Soares 1. Em quatro escassos meses, Barack Obama tem estado a revolucionar, pacificamente, a América e o Mundo. Isto é, está a mudar radicalmente as políticas norte-americanas,

Leia mais

(T) (F) (TMV)

(T) (F) (TMV) Número: 30 Título: Esse impalpável mas não menos denso sentimento de lonjura e proximidade: a crítica de uma razão colonial. Autor@: Teresa Cunha, Celina M. dos Santos Data: Março 2006 Palavras Chaves:

Leia mais

TEMA. O jovem e a nova cena política: entre a indignação e a esperança na era da internet. Texto 1. Malala diz que não será silenciada por ameaças

TEMA. O jovem e a nova cena política: entre a indignação e a esperança na era da internet. Texto 1. Malala diz que não será silenciada por ameaças PROVA DE REDAÇÃO Instruções: Observe, rigorosamente, as orientações e informações a seguir: a) O texto deve ser desenvolvido segundo o tema. b) O tema vem acompanhado de uma coletânea, que tem o objetivo

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Sessão Pública: Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento Auditório Novo da Assembleia da República 19 de Janeiro de 2011 Apresentação Pública do Exame

Leia mais

TRABALHO: VILÃO OU SALVAÇÃO? Sofrimento Psíquico e Alcoolismo entre Servidores da Universidade Federal do Ceará

TRABALHO: VILÃO OU SALVAÇÃO? Sofrimento Psíquico e Alcoolismo entre Servidores da Universidade Federal do Ceará TRABALHO: VILÃO OU SALVAÇÃO? Sofrimento Psíquico e Alcoolismo entre Servidores da Universidade Federal do Ceará O Problema Alcoolismo - um dos mais graves problemas de saúde pública na atualidade. Abuso

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE Discurso de S.E o Presidente da Assembleia Nacional na cerimónia de abertura da I Conferência Internacional Uma Criança, Um Cidadão. Senhora Ministra da Educação

Leia mais

Prefácio. Eduardo Silva

Prefácio. Eduardo Silva Prefácio Eduardo Silva SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SILVA, E. Prefácio. In: ARAÚJO, DO. O tutu da Bahia: transição conservadora e formação da nação, 1838-1850. Salvador: EDUFBA, 2009, pp.

Leia mais

Análise spot publicitário

Análise spot publicitário Análise spot publicitário Trabalho Realizado por: Carlos Nunes carlosmmnunes@gmail.com Nº 20240 Para a disciplina: Multimédia Scriptwriting Leccionada por: Profª Joana Carvalho Porto, 13 de Abril de 2011

Leia mais

Perdão. Fase 7 - Pintura

Perdão. Fase 7 - Pintura SERM7.QXD 3/15/2006 11:18 PM Page 1 Fase 7 - Pintura Sexta 19/05 Perdão Porque, se vocês perdoarem as pessoas que ofenderem vocês, o Pai de vocês, que está no Céu também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem

Leia mais

Prova Escrita de Português

Prova Escrita de Português EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Português Alunos com deficiência auditiva de grau severo ou profundo 12.º Ano de Escolaridade Prova 239/2.ª

Leia mais

Eduardo Branco, presidente da APAN. É preciso. regressar. ao consumo. Pág. 30

Eduardo Branco, presidente da APAN. É preciso. regressar. ao consumo. Pág. 30 Eduardo Branco, presidente da APAN É preciso regressar ao consumo Pág. 30 Fátima de Sousa jornalista fs@briefing.pt "A quadratura do círculo é sermos mais eficientes, ou seja, conseguirmos fazer mais com

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava O menino e o pássaro Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava comida, água e limpava a gaiola do pássaro. O menino esperava o pássaro cantar enquanto contava histórias para

Leia mais

POR UM SINDICATO MAIS FORTE NAS ESCOLAS E COM OS PROFESSORES

POR UM SINDICATO MAIS FORTE NAS ESCOLAS E COM OS PROFESSORES Sobre a MOÇÃO B POR UM SINDICATO MAIS FORTE NAS ESCOLAS E COM OS PROFESSORES Rosa Vaz* Ao longo dos últimos anos temos vindo a sentir os efeitos perversos de políticas governativas de direita que optam

Leia mais

Será possível estudar a I República sem se afirmar contra ou a favor? Daniel Alves

Será possível estudar a I República sem se afirmar contra ou a favor? Daniel Alves recensão Será possível estudar a I República sem se afirmar contra ou a favor? Daniel Alves LUCIANO AMARAL (coord.) Outubro: A Revolução Republicana em Portugal (1910 1926) Lisboa, Edições 70, 2011, 375

Leia mais

MUNICIPIO DE ALMADA. Assembleia Municipal MOÇÃO/DELIBERAÇÃO. (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais)

MUNICIPIO DE ALMADA. Assembleia Municipal MOÇÃO/DELIBERAÇÃO. (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais) MOÇÃO/DELIBERAÇÃO (Cooperativas em Almada: A Alternativa para o Consumo e Economia Locais) Uma cooperativa é uma associação autónoma de pessoas que se unem, voluntariamente, para satisfazer aspirações

Leia mais

UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão

UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão Eva Simone de Oliveira (acadêmica) e-mail: UNESPAR/Campo Mourão e- mail: Claudia Priori (Orientadora) INTRODUÇÃO

Leia mais

A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA

A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA Que dimensões sociológicas existem numa passeio ao supermercado? A variedade de produtos importados que costumamos ver nos supermercados depende de laços econômicos

Leia mais

M édico do hospital de Portimão premiado por método inovador para tratar otite serosa nascrianças

M édico do hospital de Portimão premiado por método inovador para tratar otite serosa nascrianças Página Web 1 de 5 Ciência M édico do hospital de Portimão premiado por método inovador para tratar otite serosa nascrianças Por Elisabete Rodrigues 6 de Fevereiro de 2014 09:30 Comentar Temas centro hospitalar

Leia mais

MULHERES DA PESCA E DO CINEMA UM EXPERIMENTO CINEMATOGRÁFICO NO MUNICIPIO DE ITAPISSUMA - PE

MULHERES DA PESCA E DO CINEMA UM EXPERIMENTO CINEMATOGRÁFICO NO MUNICIPIO DE ITAPISSUMA - PE MULHERES DA PESCA E DO CINEMA UM EXPERIMENTO CINEMATOGRÁFICO NO MUNICIPIO DE ITAPISSUMA - PE Silvana Marpoara 1, Maria do Rosário de Fátima de Andrade Leitão 2 1 Silvana Marpoara é jornalista, produtora

Leia mais

Oficina sobre Revolução, Contestação o maio de 1968 francês

Oficina sobre Revolução, Contestação o maio de 1968 francês Oficina sobre Revolução, Contestação o maio de 1968 francês Roteiro 1. Essa atividade foi pensada para alunos do ensino médio e envolve a discussão de temas relacionados a juventude, meio estudantil, trabalhadores,

Leia mais

09/03/2015 DIFERENTES LINGUAGENS. O que é a linguagem? Profa. Ms. Paula Ciol

09/03/2015 DIFERENTES LINGUAGENS. O que é a linguagem? Profa. Ms. Paula Ciol DIFERENTES LINGUAGENS A linguagem é o instrumento com que o homem pensa e sente, forma estados de alma, aspirações e ações, o instrumento com que influencia e é influenciado. L. Hjelmslev Profa. Ms. Paula

Leia mais

02/12/2004. Discurso do Presidente da República

02/12/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de entrega do Prêmio Finep e sanção da Lei de Inovação de Incentivo à Pesquisa Tecnológica Palácio do Planalto, 02 de dezembro de 2004 Meus companheiros ministros,

Leia mais

Biblioteca Municipal António Botto. Serviço de Bibliotecas. Divisão do Conhecimento e Intervenção Comunitária. Município de Abrantes

Biblioteca Municipal António Botto. Serviço de Bibliotecas. Divisão do Conhecimento e Intervenção Comunitária. Município de Abrantes Serviço de Bibliotecas Divisão do Conhecimento e Intervenção Comunitária Município de Abrantes Programação de abril de 2016 CADERNOS DE VIAGEM DE ABRANTES DESENHO, LITERATURA, FOTOGRAFIA, VIDEO, JORNALISMO,

Leia mais

PROJETO DE LEITURA A PEDRA NO SAPATO DO HERÓI ORÍGENES LESSA INTENÇÃO: INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO

PROJETO DE LEITURA A PEDRA NO SAPATO DO HERÓI ORÍGENES LESSA INTENÇÃO: INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO PARTE 1 PROJETO DE LEITURA A PEDRA NO SAPATO DO HERÓI ORÍGENES LESSA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO 1. Conhecendo o autor...

Leia mais

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS Aline Cavalcante e Silva (Bolsista PIBIC/CNPq/UFPB) aline.mbz@hotmail.com Orientador: Dr. Elio Chaves Flores (PPGH/UFPB) elioflores@terra.com.br

Leia mais

Boniteza! Chegou o contador de história!

Boniteza! Chegou o contador de história! Rio de Janeiro / RJ 2015 Boniteza! Chegou o contador de história! Edição Editora Coordenação para desenvolvimento de projeto; organização, concepção editorial, texto e revisão Valéria Pereira Ilustrações

Leia mais

SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO

SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO SEMANA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGENERAÇÃO URBANA E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA INTERNACIONALIZAÇÃO Começo por saudar os presentes e agradecer a disponibilidade demonstrada pelos distintos oradores que

Leia mais

Seminário debate medidas para migrantes e refugiados

Seminário debate medidas para migrantes e refugiados Seminário debate medidas para migrantes e refugiados Buscando construir orientações e diretrizes nas ações de acolhida a migrantes e refugiados, a Cáritas Brasileira realizou nos dias 19 e 20 de outubro

Leia mais

No século VII a. C., a cidade-estado de Esparta apresentava a seguinte organização política:

No século VII a. C., a cidade-estado de Esparta apresentava a seguinte organização política: No século VII a. C., a cidade-estado de Esparta apresentava a seguinte organização política: Devido Para saberes às condições como era geográficas, constituída aas pólis, populações presta atenção isolaram-se

Leia mais

Pensar enfermagem é necessário

Pensar enfermagem é necessário Pensar enfermagem é necessário Maria Irene da Paz Valente Professora Coordenadora Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico da Guarda Enfermeiro é aquele Ser Humano, que cuida de outro Ser Humano,

Leia mais

CONCEITOS A EXPLORAR. Ciclo da vida. Biologia celular. Populações. Finitude. Temporalidade. Liberdade. Determinismo. Ética. O sagrado.

CONCEITOS A EXPLORAR. Ciclo da vida. Biologia celular. Populações. Finitude. Temporalidade. Liberdade. Determinismo. Ética. O sagrado. CONCEITOS A EXPLORAR H istória Conteúdos e conceitos. Historicidade. Mudança, transformação, simultaneidade e permanência. Alteridade, diversidade e respeito pela diferença. Cultura, sociedade, relação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 101 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas

I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas Colégio I.L.Peretz Setembro/2011 Qual o lugar da Família nesta reflexão? Profa. Dra. Elizabeth Polity Penso que vivemos um momento

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 6. Considerações Finais O estudo desenvolvido não permite nenhuma afirmação conclusiva sobre o significado da família para o enfrentamento da doença, a partir da fala das pessoas que têm HIV, pois nenhum

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

(O senhor Simplício Mário PT/PI pronuncia o seguinte discurso) Senhor presidente, senhoras e senhores deputados: O resultado deste ano no desfile das

(O senhor Simplício Mário PT/PI pronuncia o seguinte discurso) Senhor presidente, senhoras e senhores deputados: O resultado deste ano no desfile das (O senhor Simplício Mário PT/PI pronuncia o seguinte discurso) Senhor presidente, senhoras e senhores deputados: O resultado deste ano no desfile das escolas de samba do Carnaval Carioca tem um significado

Leia mais

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80 6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º Valor: 80 1. A invasão holandesa no Nordeste brasileiro, ao longo do século XVII, está relacionada com a exploração de um produto trazido para o Brasil pelos portugueses. Que

Leia mais

Índice. NOTA BIOGRÁFICA... 4 Prefácio... 11 Introdução... 15

Índice. NOTA BIOGRÁFICA... 4 Prefácio... 11 Introdução... 15 Índice NOTA BIOGRÁFICA... 4 Prefácio... 11 Introdução... 15 1 Já não são crianças, ainda não são adultos... 17 1. Desenvolvimento cognitivo... 18 2. Desenvolvimento psicossocial... 20 2 Ajudar a crescer

Leia mais

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Mestrando Marcos Francisco ALVES Orientadora Dra. Maria Amélia Garcia

Leia mais