A COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING DAS AGÊNCIAS DE PROPAGANDA E ANUNCIANTES: UM ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING DAS AGÊNCIAS DE PROPAGANDA E ANUNCIANTES: UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O M A R K E T I N G A COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING DAS AGÊNCIAS DE PROPAGANDA E ANUNCIANTES: UM ESTUDO DE CASO Ana Akemi Ikeda Doutorado FEA/USP Livre docente do Departamento de Administração da FEA/USP Cláudio Luiz Chiusoli Doutorando FEA/USP Docente da FIAP SP e Faculdades Metropolitana Londrina Pr Mario Nei Pacanhan Doutorando FEA/USP - Docente da FACCAR e Faculdades Metropolitana Londrina Pr RESUMO Este artigo tem a finalidades de conhecer a utilização da ferramenta da comunicação integrada de marketing (CIM) na relação das agências de propaganda e os anunciantes. Desta forma foi realizada uma abordagem conceitual a respeito da comunicação de integrada de marketing (CIM): Pessoal de Vendas, Relações Públicas, Publicidade, Promoções de Vendas e Propaganda. Nessa relação, é exposto como cada uma dessas ferramentas são empregadas pelas agências, de acordo com o as características dos produtos e/ou serviços de seus cliente, no caso os anunciantes. Para desenvolver esse trabalho, a metodologia utilizada nessa pesquisa de caráter exploratório foi por meio de entrevistas pessoais em profundidade junto a quatro anunciantes e duas agências de propaganda, sendo uma de menor porte e a outra de maior porte já tradicional no meio publicitário. A partir dos resultados verificaram-se diferenças nas ações de comunicação quando se depara com o porte dos anunciantes e a estrutura das agências. Dessa forma, espera-se que esse estudo de caso possa contribuir para outros trabalhos futuros de pesquisas, possibilitando um maior aprofundamento a respeito do assunto. Palavras chaves: Comunicação integrada de marketing, Agências e Anunciantes

2 2 A comunicação integrada de marketing das agências de propaganda e anunciantes: Um estudo de caso 1. INTRODUÇÃO A necessidade de conhecer as características, as atitudes e as mudanças de comportamento do consumidor fez com que as Agências de Propaganda procurassem utilizarse das ferramentas propiciadas pela comunicação integrada de marketing, para promoção dos produtos e serviços de seus clientes que, no caso específico, trata-se do anunciante. Este é um importante ponto a levantar para saber se as Agências de Propaganda estão preparadas para oferecer seus produtos e serviços aos anunciantes. Além do mais, poderia haver um maior preparo por parte das Agências de Propaganda utilizando mais racionalmente seus recursos, indicando aos anunciantes para qual segmento é mais interessante propagar seus produtos / serviços. Este trabalho enfoca, especificamente, o processo de comunicação do marketing integrado, que leva em conta as seguintes variáveis: Promoção de Vendas, Propaganda, Publicidade, Relações Públicas e Venda Pessoal. Assim, este trabalho tem por objetivo conhecer a utilização da ferramenta da comunicação integrada de marketing (CIM) na relação das agências de propaganda e os anunciantes. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 COMUNICAÇÕES INTEGRADAS DE MARKETING O composto de marketing inclui os elementos produto, promoção, preço e distribuição. O composto promocional é um subitem do composto de marketing, envolvendo a combinação de outras variáveis para satisfazer a necessidade do mercado alvo, em que o administrador de marketing procura com o composto promocional atingir a combinação ótima de vários elementos promocionais para alcançar os objetivos (BOONE & KURTZ 1998). No quadro 02, pode-se observar como cada autor trabalha os elementos que compõem a comunicação do marketing integrado, havendo alguns pontos semelhantes, que são o pessoal de vendas, promoções de vendas e propaganda. QUADRO 02 DIFERENÇAS DO CIM SEGUNDO ALGUNS AUTORES Boone & Kurtz 1998 McCarthy 1997 Kotler 1998 Nickels & Wood 1999 Vendas pessoais Vendas pessoais Propaganda Venda Pessoal Vendas não pessoais Venda em massa Promoção de Vendas Propaganda Propaganda (Propaganda e Relações Públicas e Relações Públicas Promoções de Vendas Relação Públicas Publicidade) Promoção de vendas Publicidade Vendas Pessoal Marketing Direto Malas Diretas Displays de lojas Sites na internet FONTE: Cláudio Luiz Chiusoli, Adaptado e desenvolvido para dissertação de mestrado De acordo com Boone & Kurtz (1998), os componentes do composto promocional são as vendas pessoais e não pessoais, incluindo neste último a propaganda, promoções de vendas e relações públicas. Para Nickels & Wood (1999), comunicação integrada de marketing (CIM) é um processo interfuncional de estabelecimento e fortalecimento de relacionamento lucrativo com clientes e outros grupos de interesse; todas as mensagens de marketing são coordenadas para criar uma imagem unificada para a organização, assim como seus produtos. Para Kotler (1998), o composto promocional, também conhecido como composto de comunicação de marketing, consiste em cinco importantes modos de comunicação que são propaganda, promoção de vendas, relações públicas e publicidade, venda pessoal e marketing direto. No

3 3 Quadro 3 estão descritas algumas ferramentas mais comuns para cada compostos de marketing. QUADRO 3- FERRAMENTAS COMUNS DE COMUNICAÇÃO PROPAGANDA PROMOÇÃO DE VENDAS RELAÇÕES PÚBLICAS VENDA PESSOAL Anúncios Concurso, Kits para a Apresentações de impressos de sorteios, loterias imprensa vendas rádio e televisão Brindes Apresentações ao Convenções de Anúncios em Amostra grátis vivo na imprensa vendas embalagens Feiras e Seminários Programas de Encartes em convenções Relatórios anuais incentivo embalagens Exposições Doações de Distribuição de Anúncios em Demonstrações caridade amostras projeções Cuponagem Patrocínios Feiras e cinematográficas Descontos Publicações convenções Catálogos e Financiamento a Relações com a folhetos juros baixos comunidade Anuários Entretenimento Mídias especiais Revista da MARKETING DIRETO Catálogos Lista de clientes (mailing list) Telemarketing Compra eletrônica Compra por televisão Fax Correio de voz (voice mail) Fonte: KOTLER, Philip, Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle, São Paulo: Atlas, 1998, p RELAÇÕES PÚBLICAS Relações públicas é uma ferramenta muito comum nas grandes organizações, que vem sendo cada vez mais implementada, devido a sua importância, pois é ali que se vive uma maior proximidade com o cliente. Também se faz presente nas questões intermediárias entre diretoria e presidência. Para se entender o conceito de relações públicas e suas aplicações, têm-se visões diferenciadas de vários autores que seguem na seqüência. Nas palavras de Lesly (1995), relações públicas é um fenômeno e uma necessidade do nosso tempo, tendo sido criada pelas forças que aumentaram o ritmo do mundo, colocando as pessoas em muitos grupos diversificados, todos buscando objetivos diferentes, mas todos precisando trabalhar juntos no sentido de obter vantagens e progresso comuns. As relações públicas representam o relacionamento e a comunicação entre a empresa e seus vários públicos, que incluem consumidores, fornecedores, acionistas, empregados, governo, o público em geral e a sociedade na qual a empresa opera (BOONE & KURTZ, 1997). As relações públicas são vantajosas pela capacidade de criar uma atitude positiva em relação a um produto ou empresa e por acentuar a credibilidade deles. Suas desvantagens são não permitir uma avaliação precisa dos seus efeitos nas vendas e envolver muitos esforços direcionados a metas não orientadas para o marketing (BOONE & KURTZ, 1997). Já para Nickels & Wood (1999), afirmam que relações públicas é o processo de avaliar as atitudes dos grupos de interesse, identificando os produtos e as atividades da empresa com os interesses destes últimos e utilizando comunicações não pagas para construir relacionamentos de longo prazo com eles. 2.3 VENDA PESSOAL Outra ferramenta que toda organização precisa ter e muito bem estruturada, naturalmente variando de acordo com o tipo de negócio, é uma boa equipe de vendas capaz de entender bem seu ramo de atividade, pró-ativa e com foco no cliente. Seguem algumas definições de autores para se conhecer o conceito de venda pessoal e suas aplicações. Para McCarthy (1997), a venda pessoal envolve comunicação oral direta entre vendedores e consumidores potenciais. A venda face a face promove o feedback imediato que ajuda a

4 4 adaptação dos vendedores. Já para Nickels & Wood (1999), venda pessoal é um processo de comunicação interpessoal no qual os representantes da empresa identificam clientes potenciais, examinam suas necessidades, apresentam informações sobre o produto, conseguem um compromisso e acompanham e mantêm os relacionamentos de troca com eles. E de acordo com Kotler (1998, p. 544), venda pessoal é a ferramenta mais eficaz em termos de custo nos estágios finais do processo de compra, particularmente no desenvolvimento da preferência, convicção e ação do consumidor. Embora os vendedores sejam incluídos na maioria dos compostos de marketing, a venda pessoal pode ser muito cara. Assim, é freqüentemente desejável combinar venda pessoal com venda em massa e promoção de vendas (MCCARTHY, 1997). As vendas pessoais têm as vantagens de permitir uma avaliação da eficácia, recebem uma resposta mais rápida e também permitem a adequação da mensagem para se ajustar ao consumidor. Sua desvantagem é que se baseia quase exclusivamente na habilidade do vendedor e envolve um custo alto por contato (BOONE & KURTZ 1998). A venda em massa é uma atividade que envolve comunicação com grande número de consumidores potenciais ao mesmo tempo. É menos flexível do que a venda pessoal, mas quando o mercado alvo é amplo e espalhado à venda em massa pode ser mais barata (MCCARTHY, 1997). Para Boone & Kurtz (1998), a venda pessoal é forma mais original de todas as promoções, que pode ser definida como uma apresentação promocional de um vendedor a um comprador, conduzida numa forma de corpo a corpo. Estabelece-se deste modo uma relação direta de promoção que pode ser conduzida face a face, através de videoconferência ou de redes interativas de computador. Já as vendas não pessoais incluem propaganda, promoção de vendas e relações públicas, sendo que as duas primeiras são consideradas as formas mais importantes de vendas não pessoais (BOONE & KURTZ, 1998). 2.4 PUBLICIDADE A publicidade é uma ferramenta interessante porque todas as organizações a fazem sem ao menos saber disso, tecnicamente. Algumas definições estão expostas para uma melhor compreensão desse tópico. A publicidade é parte integrante no esforço de se ter um trabalho eficiente de relações públicas. Pode ser definida como estímulo não pessoal à demanda por um bem, serviço, pessoa, causa ou organização, através de notícias significativas nos meios de comunicação escrita ou de apresentações favoráveis em rádio, televisão ou palco, que não são pagas por um patrocinador identificado (BOONE & KURTZ, 1997). Para McCarthy (1997), publicidade é qualquer forma gratuita de apresentação impessoal de idéias, bens ou serviços, na tentativa de atrair a atenção para a empresa e suas ofertas sem ter que pagar os custos de mídia. Para Costa (1991), a publicidade é considerada a estratégia que explora o caráter informativo da comunicação, a criação de fatos e provocação de notícias, desenvolvendo um trabalho de formação e fortalecimento da imagem corporativa da empresa e de informação do lançamento, modificações e de características específicas de produtos. Uma outra definição, não se diferenciando dos outros autores, observa que a publicidade é uma ferramenta bastante interessante na relação custo/benefício. Assim, para Kincaid (1990), a publicidade, geralmente de apresentação não pessoal, é diferente da propaganda, porque não é paga por um patrocinador. Envolve uma apresentação favorável nos meios de comunicações associados aos negócios da instituição. 2.5 PROMOÇÃO DE VENDAS Promoção de vendas, dada a natureza de negócio de cada organização, possui um vínculo com o consumidor final. É ali que a organização se diferencia das demais concorrentes, despertando, assim, as necessidades do consumidor que se identifica com a promoção

5 5 proposta. Como visto no Quadro 02, há várias formas de promoções, desde a cuponagem até sorteios. Essas orientações podem ser observadas segundo vários autores. Para desenvolver um composto promocional otimizado, de acordo com Boone & Kurtz (1998), quando não se dispõe de uma medida quantitativa da eficácia de cada componente do composto num determinado segmento de mercado, a escolha da combinação apropriada dos elementos promocionais é uma das tarefas mais difíceis com que se defronta o administrador de marketing. São cinco os elementos que afetam o composto promocional: a natureza do mercado, a natureza do produto, o estágio em que o produto se encontra em seu ciclo de vida, o preço e os recursos disponíveis para a promoção. Conforme Boone & Kurtz (1998), ressaltam que a promoção exerce um papel crucial na sociedade, a qual pode ter objetivos orientados socialmente, como combate ao tabagismo e às drogas, planejamento familiar, condicionamento físico, da mesma forma que tem importância econômica e empresarial. Fornecer informações é a função tradicional da promoção, informando o mercado sobre a disponibilidade de um produto ou serviço particular, sempre que os lançam em mercados novos. Para Kotler (1998), a promoção de vendas consiste em um conjunto diversificado de ferramentas de incentivo, em sua maioria em curto prazo, que visa estimular a compra mais rápida e/ou em maior volume de produtos / serviços específicos por consumidores ou comerciantes. As vantagens da promoção de vendas são que produzem uma resposta mais imediata do consumidor, atraem a atenção, criam consciência do produto, permitem uma medição mais fácil dos resultados e obtêm um aumento nas vendas em curto prazo. Por outro lado, suas desvantagens consistem em ser uma venda não pessoal e na dificuldade de se diferenciar dos esforços dos concorrentes (BOONE & KURTZ, 1997). Outro esforço promocional muito freqüente realizado pelo anunciante é a diferenciação do produto. Têm-se dois tipos de demanda para esse caso: a demanda homogênea, em que o consumidor julga o produto do anunciante virtualmente idêntico ao da concorrência e a demanda diferenciada que permite uma maior flexibilidade nos diferentes passos da estratégia de marketing como, por exemplo, mudanças de preço (BOONE & KURTZ, 1998). A promoção pode explicar aos consumidores a melhor utilização de um produto, acentuando dessa forma seu valor e justificando um preço mais alto no mercado. Para Nickels & Wood (1999), entendem que promoção de vendas consiste em incentivos de duração limitada que estimulam os membros da cadeia de valor e os consumidores finais a anteciparem uma compra, em vez e deixá-la para depois. Assim, de acordo com Costa (1991), as promoções de vendas, caracteriza-se por ações de estímulo à compra: utilizam a promessa e oferta de benefícios adicionais, que representam uma vantagem para o público visado. 2.6 PROPAGANDA A última ferramenta em exposição é a propaganda, provavelmente, considerada a mais importante no processo de comunicação de marketing. Não há divergências dos autores quanto à definição da propaganda, como pode ser notado a seguir. Segundo Boone & Kurtz (1998), interpretam a propaganda como uma comunicação não pessoal, paga, que se utiliza várias mídias, feita por empresas comerciais, organizações sem fins lucrativos ou indivíduos que, de algum modo, são identificados na mensagem da propaganda e cuja expectativa é informar ou persuadir os componentes de uma audiência particular. E para Costa (1991), a propaganda é uma forma de comunicação impessoal, unilateral, paga e assumida pelo anunciante que assina suas mensagens, podendo atingir grande volume de pessoas no público visado, em grandes extensões geográficas, permitindo que um produto possa, rapidamente, tornar-se conhecido e aceito. Segundo as idéias de Kotler (1998), a propaganda é qualquer forma paga de apresentação impessoal e de promoção de idéias, bens ou serviços realizados por um patrocinador identificado. E McCarth (1997), conclui que a propaganda é a principal

6 6 forma de venda em massa, definida como qualquer forma paga de apresentação impessoal de idéias, bens ou serviços elaborados por patrocinador identificado, incluindo o uso de mídias, como revistas, jornais, rádios, televisão, cartazes e mala direta. Por outro lado, é possível obter uma venda em massa através da publicidade, o que evita os custos de mídia. A publicidade é definida como qualquer forma gratuita de apresentação impessoal de idéias, bens ou serviços (MCCARTHY, 1997). Para se anunciar, deve-se recorrer às mídias que mais se adequam à natureza do produto ou serviço do anunciante e, de acordo Boone & Kurtz (1998), a mídia eletrônica compreende rádio e televisão e a mídia impressa é compreendida por jornais, revistas, cartazes e mala direta. 3. METODOLOGIA DA PESQUISA Esta pesquisa de cunho exploratório, que tem como principal característica à flexibilidade e a criatividade, e procura-se obter um primeiro contato com a situação a ser pesquisa ou um melhor conhecimento sobre o objeto em estudo (SAMARA & BARROS, 2002, p. 48). A procedência dos dados compreendeu dados primários, no caso do levantamento de campo e dados secundários, no caso da revisão bibliográfica. Quanto ao tempo, foi classificada como ocasional, por ser um único levantamento. Quanto à natureza das variáveis, a pesquisa foi qualitativa, com entrevistas em profundidade, caracterizando um estudo de caso, junto a duas Agências de Propaganda e dois Anunciantes de cada agência instalados na cidade de Londrina/Pr, totalizando quatro entrevistas em profundidade. As entrevistas foram realizadas pessoalmente junto aos responsáveis de cada organização com prévio agendamento do horário. O levantamento de dados foi junto a duas agências de propaganda existentes em Londrina e em cada uma dessas agências foram entrevistados dois de seus principais clientes. Este trabalho de um caráter qualitativo é corroborado pelas palavras de Stake (1983), segundo o qual, o uso de métodos qualitativos tem crescido em importância nas pesquisas acadêmicas em Administração e, entre eles, o estudo de casos merece destaque por sua utilidade e pela falta generalizada de conhecimento sobre essa metodologia. De acordo com Yin (1989, p.35) o estudo de caso é uma forma de se fazer pesquisa social empírica, ao investigar-se um fenômeno atual dentro de seu contexto de vida real, em que as fronteiras entre o fenômeno e o contexto não são claramente definidas e na situação em que múltiplas fontes de evidência são usadas. Para atender ao objetivo do trabalho, é necessário que o pesquisador efetue antecipadamente o planejamento formal de uma pesquisa de campo que atenda aos princípios essenciais do trabalho científico, privilegiando seu método e rigor analítico (MACHADO). De acordo com Mattar (1986), a pesquisa exploratória visa prover o pesquisador de maior conhecimento sobre o tema ou problema de pesquisa em perspectiva. Por isso, é apropriada para os primeiros estágios da investigação quando a familiaridade, o conhecimento e a compreensão do fenômeno por parte do pesquisador são, geralmente, poucos ou inexistentes. Para Machado (1998), citando Mattar (1993, p.86/88), a pesquisa exploratória utiliza métodos como o levantamento em fontes secundárias, levantamentos de experiência, estudos de casos selecionados e observação informal. O estudo de casos é indicado por ser muito produtivo para estimular a compreensão e sugerir hipótese e questões para pesquisa. Mais uma vez, dentre os métodos sugeridos pelo autor, o estudo de casos se encaixa melhor quanto à natureza do estudo e ao objetivo da pesquisa. Para Yin (1989), há três condições que compõem os tipos de questões de uma pesquisa: o tipo de questão da pesquisa, o alcance do controle do investigador sobre os eventos comportamentais atuais e o grau e o foco em eventos contemporâneos. O Quadro 01 expõe os critérios aplicados em cada uma das cinco principais pesquisas estratégicas na Ciência Social, que são: experimentação; levantamento; análise de arquivos; análise histórica e estudo de caso.

7 7 QUADRO 01- SITUAÇÕES RELEVANTES PARA DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE PESQUISA ESTRATÉGIA QUESTÕES CONTROLE SOBRE EVENTOS CONTEMPORÂNEO FOCO EM EVENTOS CONTEMPORÂNEO S S Experimentação Como? Por quê? Sim Sim Levantamento Quem? O quê? Onde? Não Sim Quanto? Análise de arquivos Quem? O quê? Onde? Não Sim / Não Quanto? Análise histórica Como? Por quê? Não Não Estudo de caso Como? Por quê? Não Sim FONTE: YIN, Robert K. Case study research: design and methods, 2. Ed. Newbury Park: Sage, v.5, P. 17. Apesar de entender a possibilidade de se utilizar quaisquer das estratégias em pesquisa exploratória, a combinação entre natureza do fenômeno (não requer controle sobre os eventos comportamentais e o foco é sobre eventos contemporâneos) e objetivo da pesquisa (como? e por quê?) com as características presentes nas diversas estratégias, de acordo com os critérios de seleção apontados por Yin (1989), indicam o estudo de casos como a alternativa mais adequada (MACHADO, 1998). De acordo com Yin (1998), o estudo de caso é indicado quando as questões propostas são do tipo como? ou por quê? sobre um conjunto atual de eventos, sobre os quais o investigador tem pouco ou nenhum controle. O estudo intensivo de um caso permite a descoberta de relações que não seriam encontradas de outra forma, sendo as análise e inferências em estudo de casos feitas por analogia de situações, respondendo às questões por quê? e como? (CAMPOMAR, 1991). Segundo Campomar (1991), no estudo de casos é necessário definir claramente o problema a ser pesquisado, deixando claro qual é a estratégia adequada para resolver esse problema. Para Gil (1991), o estudo de caso é caracterizado pelo estudo profundo e exaustivo de um ou de poucos objetos, de maneira que permita o seu amplo e detalhado conhecimento, tarefa praticamente impossível mediante os outros delineamentos considerados. Após isso, são necessários que se desenhe à estrutura da coleta de dados e a apresentação das perguntas principais, decidindo-se por um único ou por múltiplos casos, lembrando que o uso de mais de um caso deverá ser determinado pela conveniência e oportunidade e não para aumentar a possibilidade de inferências (CAMPOMAR, 1991). 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO Para discorrer sobre este estudo, dividiu-se em dois blocos, sendo o primeiro bloco o estudo de caso da Agência de Propaganda ALFA (uma agência tradicional e de grande porte) e o segundo bloco a Agência de propaganda BETA (uma agência sem tradição e de pequeno porte). Para cada bloco em separado, procura-se detalhar o histórico das agências de propaganda, bem como de seus respectivos clientes - anunciantes. Entre vários clientes, o autor escolheu dois anunciantes de cada agência de propaganda que pudessem colaborar com a dissertação. Nesse caso, os anunciantes representando clientes da Agência de Propaganda ALFA, um é concessionária de pedágios e outra atua no setor de plano de saúde e os clientes - anunciantes da Agência de Propaganda BETA, um atua com serviços funerários e a outra na construção civil.

8 8 4.1 AGÊNCIA DE PROPAGANDA ALFA E ANUNCIANTES: CONCESSIONÁRIA E PLANO DE SAÚDE AGÊNCIA DE PROPAGANDA ALFA HISTÓRICO A Agência de Propaganda ALFA já atua no mercado de Londrina, há mais de 25 anos, sendo fundada em 1973, com aproximadamente 22 funcionários. Possui, no quadro de estrutura, 3 atendimentos, 1 tráfego, 2 redatores e 7 criadores e produtores. Ela configura entre as 180 agências citadas no anuário Agência e Anunciante publicado pela editora Meio & Mensagem, na posição nº 119. Tal publicação classifica as maiores agências do País por faturamento. (MEIO & MENSAGEM Agência & Anunciantes, 31 de maio de 1999, p. 28). Entre os vários clientes, a concessionária chegou através da indicação de outros empresários, pois no momento precisava saber qual a agência que teria o perfil para atendê-lo e a de maior referência foi a Agência de Propaganda ALFA, após ter havido contatos com outras agências da cidade. O cliente do ramo de plano de saúde recebeu a visita da agência através de uma prospeção de mercado realizada há 15 anos, quando o mesmo estava em pleno crescimento e havia necessidade de uma agência para cuidar da comunicação. Alguns projetos começaram a ser desenvolvido e a partir de então foram repassados todos os trabalhos de comunicação ANUNCIANTES: CONCESSIONÁRIA DE PEDÁGIOS E PLANO DE SAÚDE HISTÓRICO: CONCESSIONÁRIA DE PEDÁGIOS A Concessionária é uma empresa prestadora de serviço, fundada em 1997, a qual tem a concessão do governo para a cobrança do pedágio no Paraná, empregando aproximadamente 90 pessoas. É uma empresa nova no mercado, entretanto, já se preocupa em desenvolver um trabalho mais profissional. Para isso, procurou trabalhar com uma agência de propaganda, bem como trabalhar com pesquisas de perfil e satisfação do usuário. Começou a operar de fato em Julho de 1998, com a permissão do governo para a cobrança do pedágio. Esse período foi um pouco conturbado, com a opinião pública manifestando-se contra o pedágio. Na questão social, entretanto, foi grande empregadora de mão de obra. HISTÓRICO: PLANO DE SAÚDE O Plano de saúde é uma prestadora de serviços na área de plano de saúde, fundada em 1971, através de uma cooperativa de médicos. Hoje conta com aproximadamente 240 funcionários e mais de usuários, levando em consideração não somente Londrina, mas algumas cidades da região, como Cambé, Rolândia, Ibiporã e outras. A idéia de criar uma cooperativa foi porque na época via-se a necessidade de se oferecer serviços médicos e clínicos para a população, devido à grande demanda nessa área que o governo não conseguira suprir. 4.2 AGÊNCIA DE PROPAGANDA BETA E ANUNCIANTES: SERVIÇOS FUNERÁRIOS E CONTRUTORA AGÊNCIA DE PROPAGANDA BETA HISTÓRICO Agência de Propaganda BETA, fundada em 1997, hoje conta com sete funcionários e sua estrutura é composta por um atendimento, um redator, dois criadores, dois produtores e uma secretária. Na sua gênese, começou com três pessoas, avançando aos poucos com o surgimento de novas contas. É uma agência pequena começando seu trabalho mais com design. Essa empresa é um cliente de pequeno porte, portanto é menos exigente, até porque seu público é de mais fácil acesso. A Agência de propaganda BETA recebeu o convite de um dos antigos sócios da empresa dos serviços funerários para prestar serviços. Na época, a agência atendia uma outra empresa. Já a Construtora chegou até a agência, quando esta iniciou suas atividades em Londrina. Até aquele momento trabalhavam com outra agência de propaganda. Naquela ocasião a Agência de Propaganda BETA era especializada somente em

9 9 design. Mais adiante, em um novo contato voltou a visitá-los, mostrando o seu novo portifólio, até que, nesse momento ganhou a conta ANUNCIANTES: SERVIÇOS FUNERÁRIOS E CONTRUTORA HISTÓRICO: SERVIÇOS FUNERÁRIOS É uma empresa prestadora de serviço, fundada em 1997, que conta hoje com 13 0funcionários fixos e 40 vendedores autônomos, com cerca de associados, contemplando aproximadamente pessoas, somando todos os membros da família que tem a cobertura desse plano. Atua nas cidades de Londrina, Cambé, Bela Vista do Paraíso, Jaguapitã, Primeiro de Maio, Alvorada do Sul, Ibiporã e Sertanópolis. Surgiu através de uma sociedade com vários membros, passando mais tarde a ter apenas dois sócios da mesma família. A criação dessa empresa foi para atender a camada da população que não tem condições financeiras de honrar os compromissos funerários na perda de um ente, podendo dar assim um funeral digno a seus familiares. Essa cobertura vai desde o aluguel da sala para velório, cafezinho, compra do caixão, do túmulo etc. HISTÓRICO: CONSTRUTORA A construtora, com data de fundação em 1970, conta hoje com aproximadamente 500 funcionários. Sua matriz encontra-se em Londrina e filiais em Curitiba, Campo Grande e Cuiabá, sendo do ramo da construção civil. Esse grupo compreende um trabalho de excelência em engenharia através das atividades de quatro empresas coligadas. Com três décadas de atuação na construção civil em diversos segmentos incorporação residencial, construção civil e montagem industrial as empresas atuam em faixas diferenciadas de mercado, mantendo em comum o compromisso, a seriedade e o respeito ao cliente. A unidade de filosofia e postura é o princípio básico no desenvolvimento do trabalho. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Como considerações finais desse artigo, procurou-se resumidamente montar dois quadros, que pudessem expor o resultado de um trabalho no qual o objetivo está sendo respondido. Para recordar, essa questão o seguinte objetivo: Conhecer a utilização da ferramenta da comunicação integrada de marketing (CIM) na relação das agências de propaganda e os anunciantes. O Quadro 4 expõe um comparativo das ferramentas utilizadas no CIM entre os quatros Anunciantes. Desse modo, torna-se possível observar várias diferenças estruturais, até porque atuam em ramos de atividade diferentes, embora todos sejam prestadores de serviços. QUADRO 4 COMPARAÇÃO ENTRE OS ANUNCIANTES DESCRIÇÀO CONCESSIONÁR PLANO DE SERVIÇOS CONSTRUTORA IA SAÚDE FUNERÁRIOS Ano Fundação Nº funcionários fixos autônomos Ramo de atividade Prestação de serviços Prestação de serviços Prestação de serviços Construção civil pedágios saúde assistência funeral Dptº de Marketing Sim Sim Não Sim próprio Do CIM, qual é o mais usual Relações Públicas e Publicidade Propaganda e Publicidade Venda Pessoal e Propaganda (TV e rádio) Marketing Direto Mídia mais utilizada Outdoors e Panfletagem Televisão, Rádio, Outdoors e Revistas Rádios Como chegou até a agência Indicação Visita da própria agência Indicação FONTE: Cláudio Luiz Chiusoli, Adaptado e desenvolvido para dissertação de mestrado Jornais, Folders, Malas Direta e telemarketing Visita da própria agência

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

Questões abordadas no capítulo

Questões abordadas no capítulo AULA 12 Marketing Questões abordadas no capítulo Qual é a função da comunicação de marketing? Como funciona a comunicação de marketing? Quais são as principais etapas do desenvolvimento de uma comunicação

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

5/11/2008. Questões abordadas no capítulo. Comunicação de marketing

5/11/2008. Questões abordadas no capítulo. Comunicação de marketing Capítulo 17 Gerenciamento da comunicação integrada de marketing Questões abordadas no capítulo Qual é a função da comunicação de marketing? Como funciona a comunicação de marketing? Quais são as principais

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

Estratégias de Comunicação Ferramentas Utilizadas para Comunicação de Marketing

Estratégias de Comunicação Ferramentas Utilizadas para Comunicação de Marketing Estratégias de Comunicação Ferramentas Utilizadas para Comunicação de Marketing Profa. Waléria Macaciel Comunicação de marketing É o meio pelo qual as empresas buscam informar, persuadir e lembrar os consumidores,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Propaganda Qualquer forma paga de apresentação não pessoal e promocional

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

Comunicação Integrada de marketing.

Comunicação Integrada de marketing. Comunicação Integrada de marketing. - COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO - 4 A s - 4 C s Comunicação: é a transmissão de uma mensagem de um emissor para um receptor, de modo que ambos a entendam da mesma maneira.

Leia mais

Como Atrair Clientes

Como Atrair Clientes COMO ATRAIR CLIENTES QUESTÕES BÁSICAS Quem são os meus clientes? Quantos sãos? Onde estão? Como fazer para falar com eles? DEFINIÇÃO SEGMENTO DE MERCADO Significa um grupo de consumidores com necessidades

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO MRKETING DESENVOLVIMENTO HUMNO MRKETING rte de conquistar e manter clientes. DESENVOLVIMENTO HUMNO É a ciência e a arte de conquistar e manter clientes e desenvolver relacionamentos lucrativos entre eles.

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

sz propaganda propaganda sz consulting sz webdesign sz branding sz design um novo começo. um novo começo. além da marca e muito mais

sz propaganda propaganda sz consulting sz webdesign sz branding sz design um novo começo. um novo começo. além da marca e muito mais sz propaganda um novo começo. propaganda sz um novo começo. sz consulting maximizando resultados sz branding além da marca sz design e muito mais sz webdesign sem portas fechadas Planejamento estratégico,

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

AULA 20. Atendimento

AULA 20. Atendimento AULA 20 Atendimento Marketing em Serviços Marketing em serviços pode ser definido com o conjunto de atividades que objetivam a análise, o planejamento, a implementação e o controle de programas destinados

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MARKETING II Comunicação Integrada de Marketing Profª: Michele Freitas Santa Maria, 2012. O que é comunicação integrada? É o desenvolvimento

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

Prof. Milton Henrique mcouto@catolica-es.edu.br

Prof. Milton Henrique mcouto@catolica-es.edu.br Prof. Milton Henrique mcouto@catolica-es.edu.br Qual é o seu Negócio? Hoje em dia existe um excesso de: empresas similares, empregando pessoas similares, que tiveram educações similares, exercendo funções

Leia mais

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA 4 E ÚLTIMO MÓDULO: Como Ganhar dinheiro com Mala Direta APRESENTAÇÃO PESSOAL Edileuza

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação de Marketing

Planejamento Estratégico de Comunicação de Marketing Prof. Edmundo W. Lobassi O único objetivo da propaganda é vender, não há nenhuma outra justificativa que mereça ser mencionada. (Young & Rublican) Satisfazer a necessidade do consumidor. (David Ogilvy)...

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS DA VOLVO DO BRASIL...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3 3. Foco de Atuação...4

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

Estratégias de Comunicação para Micro e Pequenas Empresas

Estratégias de Comunicação para Micro e Pequenas Empresas Estratégias de Comunicação para Micro e Pequenas Empresas SEGMENTOS DE ATUAÇÃO Encomendas Mensagens Financeiro Digital Logística Integrada Conveniência Marketing Direto Serviços Internacionais SEGMENTOS

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Gestão de. O que é Marketing? Steven Albuquerque. Steven Albuquerque DISCIPLINA. Conceituação de Marketing. Conceituação de Marketing 15/02/2016

Gestão de. O que é Marketing? Steven Albuquerque. Steven Albuquerque DISCIPLINA. Conceituação de Marketing. Conceituação de Marketing 15/02/2016 2 Gestão de Mestre em Administração Univ. Federal de Pernambuco - UFPE Master em International Business Universidad de Barcelona MBA em Estratégico Univ. Federal de Pernambuco - UFPE Administrador Univ.

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006

A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006 A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006 Mar / 2006 Por que focar no Varejo? Investimentos em Mídia Volume em R$ 5.540.176 Varejo representa 27% dos

Leia mais

DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS

DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS VITÓRIA 2004 Dicas de como participar de feiras Introdução As feiras são eventos ricos em oportunidades de negócios. São ambientes privilegiados para o incremento das

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Capítulo 7. As Informações e o Processo de Tomada de Decisão do Gestor Público

Capítulo 7. As Informações e o Processo de Tomada de Decisão do Gestor Público Capítulo 7 As Informações e o Processo de Tomada de Decisão do Gestor Público Pós Graduação Gestão Pública Administração de Marketing Conteúdo - Capítulo 7 Imagem e conhecimento do mercado: A imagem da

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Pesquisa Mercadológica. Prof. Renato Resende Borges

Pesquisa Mercadológica. Prof. Renato Resende Borges Pesquisa Mercadológica Prof. Renato Resende Borges Definição de Pesquisa de Marketing É a identificação, coleta, análise e disseminação de informações de forma sistemática e objetiva e o uso de informações

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

Política de Patrocínios e Doações da Volvo do Brasil

Política de Patrocínios e Doações da Volvo do Brasil Política de Patrocínios e Doações da Volvo do Brasil Data de publicação: 10/07/2007 Última atualização: 10/07/2007 APRESENTAÇÃO Os patrocínios exercem um importante papel na estratégia de comunicação e

Leia mais

Plano de Marketing. Produto (Posicionamento) Preço. Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing. josedornelas.com.br

Plano de Marketing. Produto (Posicionamento) Preço. Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing. josedornelas.com.br Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing Plano de Marketing Para traçar o plano de marketing do plano de negócios, deve-se atentar à estratégia que será seguida pela empresa. A estratégia pode ser definida

Leia mais

Inspire Inove Faça Diferente

Inspire Inove Faça Diferente Inspire Inove Faça Diferente Inspire Inove Faça Diferente Se eu tivesse um único dolar investiria em propaganda. - Henry Ford (Fundador da Motor Ford) As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Gestão de Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Branding Publicidade e propaganda Comunicação Digital Comunicação Empresarial Prof. Msc Alice Selles

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

Programas de Suporte a Força de Vendas

Programas de Suporte a Força de Vendas Prof. Edmundo W. Lobassi Hoje, abordaremos o tema Programas de suporte à força de vendas. Na aula passada, vimos os programas de incentivo como forma de aumentar a venda qualitativa (mix de produtos) e

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

Pós Graduação em Gestão do Entretenimento

Pós Graduação em Gestão do Entretenimento Pós Graduação em Gestão do Entertainment Business Management Público - alvo Indicado para profissionais e empreendedores que necessitam de habilidades e ferramentas para a atuação no setor de gestão, nas

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

PESQUISA DE MARKETING

PESQUISA DE MARKETING PESQUISA DE MARKETING CONCEITOS É a busca de informação, a investigação do fenômeno que ocorre no processo de transferência de bens ao consumidor Trata da coleta de qualquer tipo de dados que possam ser

Leia mais

PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO. Fatima Gouvêa

PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO. Fatima Gouvêa PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO Fatima Gouvêa Comunicação = papel estratégico MISSÃO Gerar e tornar disponível conhecimento relevante e formar profissionais qualificados, devolvendo à sociedade o investimento

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Apresentação para Representantes. www.puro3d.com.br

Apresentação para Representantes. www.puro3d.com.br Apresentação para Representantes www.puro3d.com.br Puro 3D - Resumo Somos focados em desenvolver Games, Vídeos, Sites, Maquete Virtual, Transmídia, Produtos, Protótipos 3D, Design e Comerciais para Empresas

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

PRINCÍPIOS DE MARKETING, MARKETING DIRETO E O MERCADO GAÚCHO

PRINCÍPIOS DE MARKETING, MARKETING DIRETO E O MERCADO GAÚCHO PRINCÍPIOS DE MARKETING, MARKETING DIRETO E O MERCADO GAÚCHO 1 2 Evandro Marcon PRINCÍPIOS DE MARKETING, MARKETING DIRETO E O MERCADO GAÚCHO Porto Alegre, RS Maio 2011 ASSERS 3 Copyright do autor Produção:

Leia mais

COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA CONTEXTO. Professora Rosicler Bettarelli rbettarelli@cidadesp.edu.br

COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA CONTEXTO. Professora Rosicler Bettarelli rbettarelli@cidadesp.edu.br COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA CONTEXTO Professora Rosicler Bettarelli rbettarelli@cidadesp.edu.br A COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA...... deve ser elaborada a partir do quadro sociocultural do consumidor alvo COMUNICAÇÃO

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

10 Análise dos recursos internos

10 Análise dos recursos internos 177 10 Análise dos recursos internos Essa seção do trabalho tem como objetivo fazer a análise dos recursos internos das duas empresas pesquisadas, Globo e Vivo. Como referencial teórico será utilizado

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

O desafio do marketing para micro pequenas empresas de base tecnológica: Estudo de caso no CENTEV/UFV

O desafio do marketing para micro pequenas empresas de base tecnológica: Estudo de caso no CENTEV/UFV O desafio do marketing para micro pequenas empresas de base tecnológica: Estudo de caso no CENTEV/UFV Autores: Ronise Suzuki- Mestre em Administração - UFV Andréa Furtado de Almeida- Especialista em Gestão

Leia mais

APRESENTAÇÃO SUA EMPRESA EM BOAS MÃOS. ASSESSORIA EM MÚLTIPLOS SEGMENTOS. SOLUÇÕES COMPLETAS EM: REGISTRO DE MARCAS PUBLICIDADE WEBSITES

APRESENTAÇÃO SUA EMPRESA EM BOAS MÃOS. ASSESSORIA EM MÚLTIPLOS SEGMENTOS. SOLUÇÕES COMPLETAS EM: REGISTRO DE MARCAS PUBLICIDADE WEBSITES APRESENTAÇÃO SUA EMPRESA EM BOAS MÃOS. ASSESSORIA EM MÚLTIPLOS SEGMENTOS. SOLUÇÕES COMPLETAS EM: REGISTRO DE MARCAS PUBLICIDADE WEBSITES WWW.GRUPOZION.COM.BR Você sente uma grande dificuldade de encontrar

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO -

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - A estrutura a seguir foi desenvolvida com base no escopo da disciplina de Planejamento Estratégico de Comunicação,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

OFERTA DE CONSULTORIAS TÉCNICAS E DE GESTÃO PARA NEGÓCIOS

OFERTA DE CONSULTORIAS TÉCNICAS E DE GESTÃO PARA NEGÓCIOS OFERTA DE CONSULTORIAS TÉCNICAS E DE GESTÃO PARA NEGÓCIOS A Universidade do Estado do Pará (UEPA) através da (RITU) com apoio do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), disponibiliza ao

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Aula 10. Definição dos Objetivos Estratégicos. Profa. Daniela Cartoni

Aula 10. Definição dos Objetivos Estratégicos. Profa. Daniela Cartoni Aula 10 Definição dos Objetivos Estratégicos Profa. Daniela Cartoni CONTEÚDO GERAL DA AULA OBJETIVOS DE MARKETING - Formas de se estabelecer objetivos quantitativos e objetivos qualitativos ELABORAÇÃO

Leia mais

Produto da Divisão Marketing

Produto da Divisão Marketing Marketing para o Terceiro Setor Produto da Divisão Marketing OBJETIVO Dispor ao mercado de entidades relacionadas ao Terceiro Setor, um leque de atividades relacionados ao marketing e comunicação voltados

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais