Fuzzy Logic = Ló gica Difusa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fuzzy Logic = Ló gica Difusa"

Transcrição

1 Fuzzy Logic = Ló gica Difusa Na vida real nada é absolutamente certo. A ló gica difusa é acerca da importância da precisão: Quão importante é ser exactamente correcto quando uma resposta grosseira é soluçã o. A ló gica difusa é uma forma conveniente de mapear um espaço de entradas num espaço de saídas. A caixa negra realiza o mapeamento. Existem muitas formas de o fazer: Redes neuronais, Expert systems, Fuzzy systems, etc. Rsl SCC 1

2 Fuzzy Logic = Ló gica Difusa Exemplos: 1. Diz-me quão quente desejas a água, e eu ajusto a torneira para a posiçã o adequada. 2. Diz-me a distância a que está o objecto a fotografar, e eu dir-te-ei qual a focagem a introduzir na lente. 3. Diz-me qual a qualidade do restaurante, e eu digo-te qual a gorjeta a dar. Realizaçã o através de sistemas difusos: 1. Conceptualmente simples. 2. Flexível. 3. Tolerante a dados imprecisos. 4. Pode facilmente incorporar dados da experiência. 5. Pode misturar-se com técnicas de controlo convencionais. 6. É baseada em linguagem natural. Rsl SCC 2

3 Fuzzy Logic / Ló gica Binária Ló gica Binária (Boleana): A ideia de enunciado ló gico ser verdadeiro ou falso e nada mais é chamada de Lei do meio excluído. Enunciado: O Sara éum deserto Racionalmente a maioria das pessoas concordaria que isto é verdade. Retiremos um grão de areia. O Sara permanece um deserto? De novo se concordará que sim. Continuemos a retirar grãos de areia e a fazer a pergunta. Quando já não houver mais areia, o Sara não será mais um deserto. Então a resposta será não. Quando é que a resposta passou de não a sim. Um deserto não deixa de ser um deserto por se retirar um grão de areia. Permanecendo com o conceito de que a verdade é tudo ou nada é difícil enquadrar a situaçã o descrita. Teremos um paradoxo! Rsl SCC 3

4 Ló gica Contínua ou Difusa Ló gica Contínua ou Ló gica Difusa: Reconhece que afirmações ló gicas acerca da realidade não absolutamente verdadeiras ou falsas, mas que têm um: Certo grau de verdade. Quando o Sara perde areia, a afirmaçã o de que é um deserto vai perdendo verdade. Quando já não restar areia a verdade desaparece toda. Na ló gica contínua, a verdade varia entre: 1 = ( absolutamente certo ) e 0 = ( absolutamente falso ). Se uma afirmaçã o é verdadeira com um grau de 0.75, então a sua negaçã o é verdade com um grau de ( = 0.25). Ló gica difusa e Probabilidades: Probabilidades: lidam com incertezas de ocorrências de acontecimentos bem definidos. Aleatoriedade: Descreve a incerteza de ocorrência de um evento. Ló gica Contínua ou Difusa lida com grau de ocorrência de acontecimentos mal definidos. Fuzziness: Descreve a ambiguidade de um evento (mede o grau em que um evento ocorre, e não se ele ocorre) Rsl SCC 4

5 Fuzzy Logic - Exemplo Para resolver um problema é necessário primeiro compreender o pró prio problema. Um exemplo rápido: O problema da gorjeta no restaurante (tip). 1.Aproximaçã o não fuzzy: Gorjeta fixa = 15% da conta (independente da qualidade do serviço). Gorjeta em funçã o do serviço. Dependência linear entre 5% e 25% com o serviço classificado numa escala de 0 a 10: tip=0.05+serviço*0.20/10 Problema estendido: Qualidade do serviço e da comida entre 0 e 10. Serviço com peso 80% e comida com peso 20%: servratio=0.8; tip=servratio*(0.20/10*service+0.05) +(1 servratio)*(0.20/10*food+0.05); Rsl SCC 5

6 Visão Fuzzy do Exemplo Aproximaçã o Fuzzy para o problema da Gorjeta no restaurante: -Serviço: 1. If service is poor, then tip is cheap 2. If service is good, then tip is average 3. If service is excellent, then tip is generous -Comida: 4. If food is rancid, then tip is cheap 5. If food is delicious, then tip is generous -Combinando o Serviço e a Comida: 1. If service is poor or the food is rancid, then tip is cheap 2. If service is good, then tip is average 3. If service is excellent or food is delicious, then tip is generous Rsl SCC 6

7 Fuzzy Logic: If-Then Rules Fuzzificar entradas: Resolver todas as expressões no antecedente para um grau de pertença entre 0 e 1. Se apenas há uma parte, esta é o grau de suporte da regra. Aplicar operadores fuzzy a antecedents com partes múltiplas: Se existirem múltiplas partes no antecedente, aplicar operadores ló gicos fuzzy e resolver os antecedentes para um número entre 0 e 1. Este será o grau de pertença da regra. Aplicar o método de implicaçã o : Usando o grau de pertença da regra para formar o conjunto fuzzy de saída. O consequente de uma regra fuzzy determina um conjunto fuzzy completo para a saída. Este é representado por uma funçã o de pertença que é escolhida par a indicar as qualidades do consequente. Se os antecedentes são apenas parcialmente verdadeiros (<1), então a saída é truncada de acordo com o método de implicaçã o. Rsl SCC 7

8 Fuzzy Logic = Operações Ló gicas Funçõ es de Pertença: Curvas que definem como cada ponto da entrada é mapeado para um valor de pertença (0 a 1). Operaçõ es Ló gicas: Funçõ es de Implicaçã o: Modificam o conjunto fuzzy de saída para o grau especificado pelos antecedentes. As formas mais comuns são o corte (funçã o min) ou chopped off ou o escalamento (funçã o prod) Corte (chopped off) Escalamento (scaling) Rsl SCC 8

9 Fuzzy Logic -Exemplo da Gorjeta Fuzzificaçã odas Entradas: Uma entrada Duas entradas Agregaçã o das Saídas: Pode ser produto, soma,... Para as 3 regras do exemplo: Desfuzzificaçã o: Transforma o conjunto fuzzy de saída num número. Métodos: Centroide; Maior dos máximo; Menor dos mínimos; Média dos máximos; etc. Rsl SCC 9

10 Diagrama de Inferência Fuzzy Interpretação do Diagrama de inferências fuzzy. Diagrama de inferência fuzzy completo para o exemplo da gorjeta: Rsl SCC 10

11 Execuçã o de Sistema Fuzzy Inicializaçã o Entrada Pré-processamento Simulaçã o; Testes; Comportamentos Regras - Máquina de Inferência Pó s-processamento Saída (plot, file,...) teste stop Sequência de execução de um sistema fuzzy Rsl SCC 11

12 Passos na preparaçã o de um programa Estabelecimento do programa: Definir o que se quer fazer. Variáveis do sistema: Variáveis de entrada e de saída. (Limites e valor inicial) Criaçã o dos graus de pertença (adjectivos): Qualificam as variáveis fuzzy a que se associam. (Criaçã o por métodos gráficos) Formulaçã o das regras: If ( ) then ( ) Relacionam as saídas com as entradas. (É comum poder-se atribuir pesos à s regras) Sintaxe: (english like) if (antecedente) then (consequente) # comentário Pré-e Pó s-processamento e Simulaçã o: Seguem uma linguagem de programaçã o usual relacionando expressões. Existem funções que podem ser chamadas (Mat., trig., etc.) Rsl SCC 12

13 Controlador Fuzzy Máquina de Lavar Objectivo: Desenhar uma maq. Lavar que dê um tempo correcto de lavagem (mesmo que um modelo correcto da relaçã o entradas/saída não esteja disponível. sujidade tipo de sujo Controlador Fuzzy tempo de lavagem Variáveis de entrada entre 0 e 100 e respectivos funções de pertença: Sujidade Tipo de sujo Rsl SCC 13

14 Controlador Fuzzy Máquina de Lavar (cont.) Variável de saída (tempo de lavagem) e funções de pertença. Notar que neste caso são valores fixos. Curva de resposta entrada/ saída Rsl SCC 14

15 Maq. Lavar - Regras Regras: 1.if dirtness_of_clothes is Large and type_of_dirt is Greasy then wash_time is VeryLong; 2. if dirtness_of_clothes is Medium and type_of_dirt is Greasy then wash_time is Long; 3.if dirtness_of_clothes is Small and type_of_dirt is Greasy then wash_time is Long; 4.if dirtness_of_clothes is Large and type_of_dirt is Medium then wash_time is Long; 5.if dirtness_of_clothes is Medium and type_of_dirt is Medium then wash_time is Medium; 6.if dirtness_of_clothes is Small and type_of_dirt is Medium then wash_time is Medium; 7.if dirtness_of_clothes is Large and type_of_dirt is NotGreasy then wash_time is Medium; 8.if dirtness_of_clothes is Medium and type_of_dirt is NotGreasy then wash_time is Short; 9.if dirtness_of_clothes is Small and type_of_dirt is NotGreasy then wash_time is VeryShort Rsl SCC 15

16 Exemplo: Cão caça Gato Objectivo: Cão caça gato -Problema de seguimento (tracking) a uma dimensão. -O cão persegue o gato ajustando o seu azimute de acordo com a direcçã o do gato. -Regra simples: Gerar correcções na direcçã o proporcionais ao erro. Variáveis do sistema: Entrada: Erro de seguimento (TrackingError: 180 a 180º). Saída: Ajuste de azimute (AzimuthAdjust: -45 a 45º). Assume-se: Coordenadas rectangulares; ângulos positivos no sentido CW; Erro positivo => correcçã o à esquerda Regras: If TrackingErroris LargePositivethen make AzimuthAdjust LargePositive; If TrackingErroris SmallPositivethen make AzimuthAdjust SmallPositive; If TrackingErroris NearZero then make AzimuthAdjust NearZero; If TrackingErroris SmallNegative then make AzimuthAdjust SmallNegative; If TrackingErroris LargeNegative then make AzimuthAdjust LargeNegative; Pré-Processamento -Calculo do erro de seguimento: If (Cat_x = Dog_x) If (Cat_y > Dog_y) TrackingError= 90; Elseif (Cat_y < Dog_y) TrackingError = -90; Else TrackingError= 0; End Else TrackingError= atand( (Cat_y -Dog_y) / (Cat_x -Dog_x) ) + iif( Cat_x < Dog_x, 180, 0); End TrackingError= angle180(trackingerror -DogAzimuth); Simulaçã o: Calcula o novo azimute do cão: DogAzimuth = DogAzimuth + AzimuthAdjust; DogAzimuth = angle180(dogazimuth); Rsl SCC 16

17 Cão Persegue Gato - Écrans Definiçã o dos adjectivos (Funções de pertença): Écran de execuçã o: Gráficos e Log s dos dados Rsl SCC 17

Inteligência Artificial. Fuzzy

Inteligência Artificial. Fuzzy Inteligência Artificial Fuzzy Graude Crença -Grau deverdade Lógica Fuzzy Grau de crença: População composta de brancos e negros Probabilidade de alguém ser branco. Grau de verdade: A partir do momento

Leia mais

Complemento III Noções Introdutórias em Lógica Nebulosa

Complemento III Noções Introdutórias em Lógica Nebulosa Complemento III Noções Introdutórias em Lógica Nebulosa Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

Algoritmo. Prof. Anderson Almeida Ferreira. Agradeço ao prof. Guilherme Tavares de Assis por fornecer slides que fazem parte desta apresentação

Algoritmo. Prof. Anderson Almeida Ferreira. Agradeço ao prof. Guilherme Tavares de Assis por fornecer slides que fazem parte desta apresentação 1 Algoritmo Prof. Anderson Almeida Ferreira Agradeço ao prof. Guilherme Tavares de Assis por fornecer slides que fazem parte desta apresentação Desenvolvimento de programas 2 Análise do problema Desenvolvimento

Leia mais

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Básico de Computadores Computador: dispositivos físicos + programas Dispositivos físicos: hardware Programas: as instruções que dizem aos dispositivos

Leia mais

Informática II Cap. 3

Informática II Cap. 3 Cap. 3 1 Tradicionalmente, programar significava apenas a escrita de um programa, que resolvesse o problema pretendido de uma forma aparentemente correcta. Problema Problema Programa Programa Desvantagens:

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de VISEU. Escola Superior de Tecnologia

Instituto Superior Politécnico de VISEU. Escola Superior de Tecnologia 1 Tradicionalmente, programar significava apenas a escrita de um programa, que resolvesse o problema pretendido de uma forma aparentemente correcta. Problema Problema Programa Programa Desvantagens: Programas

Leia mais

IES-300. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br

IES-300. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br IES-300 Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Me. Álvaro d Arce alvaro@darce.com.br Teste de Caixa Branca 2 Teste de Componentes: Caixa Branca Teste de Caixa Branca Grafo de Fluxo de

Leia mais

Inferências Geográfica: Inferência Bayesiana Processo Analítico Hierárquico Classificação contínua

Inferências Geográfica: Inferência Bayesiana Processo Analítico Hierárquico Classificação contínua Inferências Geográfica: Inferência Bayesiana Processo Analítico Hierárquico Classificação contínua Análise Multi-Critério Classificação continua (Lógica Fuzzy) Técnica AHP (Processo Analítico Hierárquico)

Leia mais

Programas simples em C

Programas simples em C Programas simples em C Problema 1. Escreve um programa em C que dados dois inteiros indique se são iguais ou qual o maior. Utilizar a construção em 5 etapas... quais? 1. Perceber o problema 2. Ideia da

Leia mais

Um compilador é um programa que lê um programa escrito numa dada linguagem, a linguagem objecto (fonte), e a traduz num programa equivalente

Um compilador é um programa que lê um programa escrito numa dada linguagem, a linguagem objecto (fonte), e a traduz num programa equivalente Capítulo 1 Introdução Um compilador é um que lê um escrito numa dada linguagem, a linguagem objecto (fonte), e a traduz num equivalente numa outra linguagem, a linguagem destino Como parte importante neste

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL

Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua. PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL Laboratório de Banco de Dados Prof. Luiz Vivacqua PL/pgSQL A Linguagem de programação do PostgreSQL 1) Visão Geral A PL/pgSQL é uma linguagem de programação procedural para o Sistema Gerenciador de Banco

Leia mais

Algoritmia e Estruturas de Dados

Algoritmia e Estruturas de Dados JOSÉ BRAGA DE VASCONCELOS JOÃO VIDAL DE CARVALHO Algoritmia e Estruturas de Dados Programação nas linguagens C e JAVA Portugal/2005 Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução,

Leia mais

Programação de Computadores III

Programação de Computadores III Programação de Computadores III Introdução a Linguagens de Programação Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.1/tcc-00.157

Leia mais

Introdução à Computação para o Ensino Médio. Centro Técnico Científico

Introdução à Computação para o Ensino Médio. Centro Técnico Científico Introdução à Computação para o Ensino Médio Centro Técnico Científico Abril de 2010 Algoritmo: Descrição, passo a passo, de uma metodologia que conduz à resolução de um problema ou à execução de uma tarefa.

Leia mais

Cap.2.5: Design de Algoritmos e Programação Estruturada. Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código

Cap.2.5: Design de Algoritmos e Programação Estruturada. Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código Cap.2.5: Design de Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código 1 Sumário Problemas e algoritmos Desenho de algoritmos/programas Passos na construção de algoritmos Método

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

Prof. Dr. Abel Gomes (agomes@di.ubi.pt) Cap.4: Design de Algoritmos e Programação Estruturada. Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código

Prof. Dr. Abel Gomes (agomes@di.ubi.pt) Cap.4: Design de Algoritmos e Programação Estruturada. Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código Prof. Dr. Abel Gomes (agomes@di.ubi.pt) Cap.4: Design de Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código 1 Sumário Problemas e algoritmos Desenho de algoritmos/programas Passos

Leia mais

Manipulando Strings no VBA (Replace, Mid e InStr)

Manipulando Strings no VBA (Replace, Mid e InStr) Manipulando Strings no VBA (Replace, Mid e InStr) por Eduardo Vieira Machado (Good Guy) Hoje gostaria de tratar de um assunto bastante atraente no Access e que é muito trabalhado nas empresas - a manipulação

Leia mais

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS 1. A Linguagem Access Basic. 2. Módulos e Procedimentos. 3. Usar o Access: 3.1. Criar uma Base de Dados: 3.1.1. Criar uma nova Base de Dados. 3.1.2. Criar

Leia mais

Conjuntos fuzzy e aplicações

Conjuntos fuzzy e aplicações Conjuntos fuzzy e aplicações Bruno de Paula Kinoshita 1, Daniel Hayashi Nakaya 1 1 Faculdade de Computação e Informática Universidade Presbiteriana Mackenzie Rua da Consolação, 930 01302-907 São Paulo

Leia mais

Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy.

Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy. Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy. Marcelo Musci Baseado no artigo: Change detection assessment using fuzzy sets and remotely sensed data: an application

Leia mais

Procalc v1.0. Versão Programador

Procalc v1.0. Versão Programador Procalc v1.0 Versão Programador Conteúdo Procalc... 4 Primeiros botões... 5 Funções Básicas... 6 Como funciona... 7 Funções avançadas... 8 Logaritmo... 8 Logaritmo Natural... 9 Expoente... 10 Factorial...

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Introdução à Lógica de Programação 1 Estruturas de dados Representação computacional das informações do problema ser resolvido Informações podem ser de

Leia mais

Parte II Introdução a Linguagens de Programação

Parte II Introdução a Linguagens de Programação Programação de Computadores III Aula 1 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

LÓGICA DIFUSA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL APLICADA A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

LÓGICA DIFUSA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL APLICADA A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL APLICADA A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LÓGICA DIFUSA Adilson Pereira de Souza Cristiano Zomer Humberto Luiz Locks Marcos Bortolotto Fernandes Natália Jeremias Fernandes Profº Saulo Popov

Leia mais

Representação do Conhecimento

Representação do Conhecimento UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Representação do Conhecimento Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Repescagem Segundo teste 0 de Julho de 004, 9:00H 0:0H Nome:

Leia mais

ActivALEA. active e actualize a sua literacia

ActivALEA. active e actualize a sua literacia ActivALEA active e actualize a sua literacia N.º 25 HIISTOGRAMA Por: Maria Eugénia Graça Martins Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL memartins@fc.ul.pt Emília Oliveira Escola

Leia mais

ESTRUTURA DE DADOS PILHA

ESTRUTURA DE DADOS PILHA ESTRUTURA DE DADOS PILHA CONCEITO DE PILHAS - Pilhas são listas lineares onde a inserção de um novo item ou a remoção de um item já existente se dá em uma única extremidade, no topo. Pilha vazia Insere(A)

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

Sumário Introdução... 15 1 Fundamentos... 19 2 Introdução ao IDE Delphi... 25 3 A Linguagem... 33 4 Projetos e Configurações do Ambiente...

Sumário Introdução... 15 1 Fundamentos... 19 2 Introdução ao IDE Delphi... 25 3 A Linguagem... 33 4 Projetos e Configurações do Ambiente... Sumário Introdução... 15 1 Fundamentos... 19 1.1 Linguagens de Programação... 19 1.1.1 Métodos de Implementação... 19 1.1.2 A Linkedição (Ligação)... 22 1.2 Ambientes Integrados de Desenvolvimento (Integrated

Leia mais

Fundamentos de Programação. Turma CI-240-EST. Josiney de Souza. josineys@inf.ufpr.br

Fundamentos de Programação. Turma CI-240-EST. Josiney de Souza. josineys@inf.ufpr.br Fundamentos de Programação Turma CI-240-EST Josiney de Souza josineys@inf.ufpr.br Agenda do Dia Aula 2 (07/08/15) Introdução ao Python História Características Estrutura dos código-fonte Primeiros elementos

Leia mais

Técnicas de Teste de Software

Técnicas de Teste de Software Técnicas de Teste de Software Fabrício Sousa fabricio@uesb.br Projeto de Caso de Teste Conjunto de técnicas para criação de casos de testes Série de casos de testes que tem grande probabilidade de encontrar

Leia mais

Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução. (procedimentos e funções)

Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução. (procedimentos e funções) Aulas anteriores... Formulação adequada do problema Identificação das variáveis de entrada; resultados/variáveis de saída e método ou solução Definição do algoritmo Método de decomposição hierárquica utilizando

Leia mais

Lista de Funções em Excel

Lista de Funções em Excel Lista de Funções em Excel SUM () Efetua a soma de valores de várias células. SUMIF () Efetua a soma de valores se uma determinada condição se mantém constante. Estrutura: SUMIF (onde se aplica o critério,

Leia mais

Aplicação de Lógica Fuzzy à avaliação de cursos, em particular dos cursos do sistema Arcu-Sul

Aplicação de Lógica Fuzzy à avaliação de cursos, em particular dos cursos do sistema Arcu-Sul Convenit Internacional 9 mai-ago 2012 CEMOrOc-Feusp / IJI - Univ. do Porto Aplicação de Lógica Fuzzy à avaliação de cursos, em particular dos cursos do sistema Arcu-Sul Ricardo Rhomberg Martins 1 Resumo:

Leia mais

Introdução, motivação e conjuntos fuzzy

Introdução, motivação e conjuntos fuzzy Lógica Fuzzy Introdução, motivação e conjuntos fuzzy Professor: Mário Benevides Monitores: Bianca Munaro Diogo Borges Jonas Arêas Renan Iglesias Vanius Farias Introdução "A lógica difusa tem por objetivo

Leia mais

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE

OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE OPERADORES E ESTRUTURAS DE CONTROLE 3.1 Operadores Os operadores indicam o tipo de operação matemática que será executada gerando novos valores a partir de um ou mais operadores. São muito utilizados em

Leia mais

Departamento: Matemática Curso: Eng a Madeiras Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2006/2007. Aula prática n o 1 - Introdução ao MATLAB

Departamento: Matemática Curso: Eng a Madeiras Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2006/2007. Aula prática n o 1 - Introdução ao MATLAB Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento: Matemática Métodos Numéricos Curso: Eng a Madeiras Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2006/2007 Aula prática n o 1 - Introdução

Leia mais

2 A Programação Básica

2 A Programação Básica 2 A Programação Básica 2.1 A Entrada de Dados Para um computador poder cumprir as ordens que um programador criou, ele precisa conhecer algumas informações iniciais. Assim como o ensinamento de uma criança

Leia mais

Programação WEB I Estruturas de controle e repetição

Programação WEB I Estruturas de controle e repetição Programação WEB I Estruturas de controle e repetição Operadores de Incremento Operadores de incremento servem como expressões de atalho para realizar incrementos em variáveis Operadores de Incremento Vamos

Leia mais

COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO 1º Semestre 2010/2011 MEMec, LEAN Ficha da Aula Prática 3: Entrada/saída de dados. Scripts e funções. Estruturas de selecção. Sumário das tarefas e objectivos da aula: 1. Utilizar

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA DESIGNERS - OPERADORES

PROGRAMAÇÃO PARA DESIGNERS - OPERADORES PROGRAMAÇÃO PARA DESIGNERS - OPERADORES Introdução Este tutorial faz parte de um grupo de tutoriais (Programação para Designers) cujo objectivo é ensinar actionscripting a quem não tem bases de programação.

Leia mais

ALGORITMOS PARTE 01. Fabricio de Sousa Pinto

ALGORITMOS PARTE 01. Fabricio de Sousa Pinto ALGORITMOS PARTE 01 Fabricio de Sousa Pinto Algoritmos: Definição 2 É uma sequência de instruções finita e ordenada de forma lógica para a resolução de uma determinada tarefa ou problema. Algoritmos 3

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0. Introdução Por método numérico entende-se um método para calcular a solução de um problema realizando apenas uma sequência finita de operações aritméticas. A obtenção

Leia mais

Programa. Linguagem MATLAB Métodos Computacionais para EDO Métodos Computacionais para EDP. Critérios

Programa. Linguagem MATLAB Métodos Computacionais para EDO Métodos Computacionais para EDP. Critérios Programa Linguagem MATLAB Métodos Computacionais para EDO Métodos Computacionais para EDP Critérios P1: 5a Aula - Peso 1 P2: 10a Aula - Peso 1.5 P3: 15a Aula- Peso 2.0 Presença e Participação: Peso 2.0

Leia mais

Programação em C++: Introdução

Programação em C++: Introdução Programação em C++: Introdução J. Barbosa J. Tavares Visualização Científica Conceitos básicos de programação Algoritmo Conjunto finito de regras sobre as quais se pode dar execução a um dado processo

Leia mais

Curso de Introdução ao SIMULINK

Curso de Introdução ao SIMULINK 4.3 - Modelando Sistemas Não Lineares O SIMULINK fornece uma variedade de blocos para a modelagem de sistemas não lineares. Esses blocos estão na biblioteca Nonlinear. O comportamento destes blocos não

Leia mais

Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos.

Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos. 3 COMANDOS CONDICIONAIS E DE LAÇO Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos. 3.1 COMANDOS CONDICIONAIS 3.1.1 Comando IF Como o próprio nome já indica, estes comandos

Leia mais

Testes Baseados na Implementação. (fluxo de controle) Baseado em notas de aula da profa. Eliane Martins

Testes Baseados na Implementação. (fluxo de controle) Baseado em notas de aula da profa. Eliane Martins Testes Baseados na Implementação (fluxo de controle) Baseado em notas de aula da profa. Eliane Martins 1 Tópicos O que é Grafo de fluxo de controle Critérios de cobertura 2 Referências B.Beizer R.Binder

Leia mais

Linguagens de programação

Linguagens de programação Prof. André Backes Linguagens de programação Linguagem de Máquina Computador entende apenas pulsos elétricos Presença ou não de pulso 1 ou 0 Tudo no computador deve ser descrito em termos de 1 s ou 0 s

Leia mais

MS777: Projeto Supervisionado Estudos sobre aplicações da lógica Fuzzy em biomedicina

MS777: Projeto Supervisionado Estudos sobre aplicações da lógica Fuzzy em biomedicina MS777: Projeto Supervisionado Estudos sobre aplicações da lógica Fuzzy em biomedicina Orientador: Prof. Dr. Laécio C. Barros Aluna: Marie Mezher S. Pereira ra:096900 DMA - IMECC - UNICAMP 25 de Junho de

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 2 Introdução aos aplicativos Java Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 2.1 Introdução Programação de aplicativo Java. Utilize as ferramentas do JDK para compilar

Leia mais

PC Fundamentos Revisão 4

PC Fundamentos Revisão 4 exatasfepi.com.br PC Fundamentos Revisão 4 André Luís Duarte...mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças; subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; andarão, e não se fatigarão.is

Leia mais

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10 1. TIPOS DE DADOS... 3 1.1 DEFINIÇÃO DE DADOS... 3 1.2 - DEFINIÇÃO DE VARIÁVEIS... 3 1.3 - VARIÁVEIS EM C... 3 1.3.1. NOME DAS VARIÁVEIS... 3 1.3.2 - TIPOS BÁSICOS... 3 1.3.3 DECLARAÇÃO DE VARIÁVEIS...

Leia mais

Apostila Básica de Lógica e Programação para Game Maker por Giosepe Luiz 1

Apostila Básica de Lógica e Programação para Game Maker por Giosepe Luiz 1 Apostila Básica de Lógica e Programação para Game Maker por Giosepe Luiz 1 Sumário 1. Introdução a Lógica... 03 2. Verdadeiro e Falso... 03 3. Conectivo E e OU... 03 4. Negação... 04 5. Introdução a Programação...

Leia mais

Programação II. Aula 2

Programação II. Aula 2 Programação II Aula 2 Introdução Para que serve programação? Resolver algum problema computacionalmente. Desenvolver um programa de computador (solução) cuja execução leve a um resultado (aceitável) de

Leia mais

WEB DESIGN ELEMENTOS GRÁFICOS

WEB DESIGN ELEMENTOS GRÁFICOS ELEMENTOS GRÁFICOS Parte 4 José Manuel Russo 2005 24 A Imagem Bitmap (Raster) As imagens digitais ou Bitmap (Raster image do inglês) são desenhadas por um conjunto de pontos quadrangulares Pixel alinhados

Leia mais

Gráficos tridimensionais. Introdução ao MATLAB p.1/31

Gráficos tridimensionais. Introdução ao MATLAB p.1/31 Gráficos tridimensionais Introdução ao MATLAB p1/31 Introdução Existe uma grande variedade de funções para exibir dados em três dimensões Podemos utilizar curvas em três dimensões, superfícies em retalhos

Leia mais

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte

Sintaxe e Semântica. Fases da Compilação. programa fonte Sintaxe e Semântica mleal@inf.puc-rio.br Fases da Compilação programa fonte tokens parse tree árvore anotada ou outra forma intermediária código intermediário código objeto código objeto otimizado scanner

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Aplicado a Bacias Hidrográficas Aula 2. Frederico Damasceno Bortoloti

Sistema de Informações Geográficas Aplicado a Bacias Hidrográficas Aula 2. Frederico Damasceno Bortoloti Sistema de Informações Geográficas Aplicado a Bacias Hidrográficas Aula 2 Frederico Damasceno Bortoloti Revisão das funcionalidades do ArcGIS Seleção por atributo e por localização Abrindo Tabelas A Interface

Leia mais

Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo;

Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo; Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo; O tipo de dados tem por base um tipo simples (enumerável); Na verdade, um set representa o conjunto

Leia mais

Linguagem algorítmica: Portugol

Linguagem algorítmica: Portugol Programação de Computadores I Aula 03 Linguagem algorítmica: Portugol José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/34 Introdução I Lógica A lógica é usada

Leia mais

Utilidades Diversas. Aplicações Informáticas para Engenharia. SérgioCruz

Utilidades Diversas. Aplicações Informáticas para Engenharia. SérgioCruz Utilidades Diversas Habitualmente os comandos que compõem um dado programa desenvolvido em matlab não são introduzidos usando a janela de comando mas sim escritos e gravados num ficheiro.m Para criar um

Leia mais

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática Folha 1-1 Introdução à Linguagem de Programação JAVA 1 Usando o editor do ambiente de desenvolvimento JBUILDER pretende-se construir e executar o programa abaixo. class Primeiro { public static void main(string[]

Leia mais

COTAÇÕES. 2... 88 pontos 2.1... 16 pontos 2.2. 2.2.1... 16 pontos 2.2.2... 24 pontos 2.3. 3... 24 pontos. 4... 16 pontos

COTAÇÕES. 2... 88 pontos 2.1... 16 pontos 2.2. 2.2.1... 16 pontos 2.2.2... 24 pontos 2.3. 3... 24 pontos. 4... 16 pontos Teste Intermédio Física e Química A Teste Intermédio Física e Química A Duração do Teste: 90 minutos 16.01.2008 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março COTAÇÕES 1....

Leia mais

Vectores e Matrizes Aplicações à Engenharia. Pedro Barahona DI/FCT/UNL Introdução aos Computadores e à Programação 2º Semestre 2010/2011

Vectores e Matrizes Aplicações à Engenharia. Pedro Barahona DI/FCT/UNL Introdução aos Computadores e à Programação 2º Semestre 2010/2011 Vectores e Matrizes Aplicações à Engenharia Pedro Barahona DI/FCT/UNL Introdução aos Computadores e à Programação 2º Semestre 2010/2011 Tipo de Dados Primitivo: a Matriz Ao contrário da generalidade das

Leia mais

2. Método de Monte Carlo

2. Método de Monte Carlo 2. Método de Monte Carlo O método de Monte Carlo é uma denominação genérica tendo em comum o uso de variáveis aleatórias para resolver, via simulação numérica, uma variada gama de problemas matemáticos.

Leia mais

Introdução sobre Scilab

Introdução sobre Scilab Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação DCA0399 - Métodos Computacionais para Engenharia Civil Natal, 14 de

Leia mais

Capítulo 1 Erros e representação numérica

Capítulo 1 Erros e representação numérica Capítulo 1 Erros e representação numérica Objetivos Esperamos que ao final desta aula, você seja capaz de: Pré-requisitos Identificar as fases de modelagem e os possíveis erros nelas cometidos; Compreender

Leia mais

Keeper of Knowledge. Capítulo 1 Conceitos Básicos do Java

Keeper of Knowledge. Capítulo 1 Conceitos Básicos do Java Capítulo 1 Conceitos Básicos do Java INTRODUÇÃO O objectivo deste tutorial é ensinar as regras básicas de programação em Java e facilitar a aprendizagem dos capítulos que se seguem. Qualquer dúvida sobre

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

Laboratório de Programação I

Laboratório de Programação I Laboratório de Programação I Introdução à Programação em Visual Basic Fabricio Breve Objetivos Ser capaz de escrever programas simples em Visual Basic Ser capaz de usar os comandos de entrada e saída Familiarizar-se

Leia mais

O Processo de KDD. Data Mining SUMÁRIO - AULA1. O processo de KDD. Interpretação e Avaliação. Seleção e Pré-processamento. Consolidação de dados

O Processo de KDD. Data Mining SUMÁRIO - AULA1. O processo de KDD. Interpretação e Avaliação. Seleção e Pré-processamento. Consolidação de dados SUMÁRIO - AULA1 O Processo de KDD O processo de KDD Interpretação e Avaliação Consolidação de dados Seleção e Pré-processamento Warehouse Data Mining Dados Preparados p(x)=0.02 Padrões & Modelos Conhecimento

Leia mais

Compiladores Aula 5. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br

Compiladores Aula 5. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br Aula 5 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Na aula passada Conjuntos Primeiro(First) e Seguidor(Follow) 2 Na aula de hoje Análise Sintática Análise Sintática Descendente Recursividade Fatoração 3

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Pipeline Slide 1 Pipeline Pipeline Hazards: Hazards Estruturais Hazards de Dados Hazards de Controle Organização e Arquitetura de Computadores I Caminho de Dados

Leia mais

Redes Neuronais e Aprendizagem Automática 1

Redes Neuronais e Aprendizagem Automática 1 Redes Neuronais e Aprendizagem Automática 2005/2006 17 a aula Fernando.Silva@ist.utl.pt Instituto Superior Técnico Redes Neuronais e Aprendizagem Automática 1 Sumário Árvores de decisão (continuação) Entropia.

Leia mais

Controlador de pontes rolantes. Sistemas de Inferência Fuzzy - Exemplos. Soluções anteriores (clássicas): Manual. Automáticas:

Controlador de pontes rolantes. Sistemas de Inferência Fuzzy - Exemplos. Soluções anteriores (clássicas): Manual. Automáticas: Controlador de pontes rolantes Pontes rolantes: usadas para carregar e descarregar navios em portos Sistemas de Inferência Fuzzy - Exemplos pegam containers com cabos flexíveis montados na cabeça da ponte

Leia mais

Sumário. Introdução...1. 2 Introdução ao IDE... 11. 3 Conceitos sobre a Linguagem C++ Builder... 17. 4 Projetos e Configurações de Ambiente...

Sumário. Introdução...1. 2 Introdução ao IDE... 11. 3 Conceitos sobre a Linguagem C++ Builder... 17. 4 Projetos e Configurações de Ambiente... Sumário Introdução...1 1 Fundamentos... 5 1.1 Linguagens de Programação... 5 1.1.1 Métodos de Implementação... 5 1.1.2 A Linkedição (Ligação)... 8 1.2 Ambientes Integrados de Desenvolvimento (Integrated

Leia mais

Simulador Para Estacionamento de Carros Autônomos Não Articulados Usando Lógica Difusa

Simulador Para Estacionamento de Carros Autônomos Não Articulados Usando Lógica Difusa Simulador Para Estacionamento de Carros Autônomos Não Articulados Usando Lógica Difusa Acadêmico: Ewerton Rocha Machado ewerton@inf.furb.br Orientador: Mauro Marcelo Mattos mattos@furb.br dezembro de 2009

Leia mais

Aluísio Eustáquio da Silva

Aluísio Eustáquio da Silva 1 Aluísio Eustáquio da Silva SciLab Programável Material didático usado em aulas de Programação de Computadores, Algoritmos e Lógica de Programação Betim Maio de 2012 2 PROGRAMAÇÃO O SciLab permite que

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 12 Aprendizado de Máquina Agentes Vistos Anteriormente Agentes baseados em busca: Busca cega Busca heurística Busca local

Leia mais

Programação. Folha Prática 3. Lab. 3. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015. Copyright 2010 All rights reserved.

Programação. Folha Prática 3. Lab. 3. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015. Copyright 2010 All rights reserved. Programação Folha Prática 3 Lab. 3 Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015 Copyright 2010 All rights reserved. LAB. 3 3ª semana EXPRESSÕES E INSTRUÇÕES 1. Revisão de conceitos

Leia mais

Expressões. Prof. Alberto Costa Neto alberto@ufs.br. Linguagens de Programação. Departamento de Computação Universidade Federal de Sergipe

Expressões. Prof. Alberto Costa Neto alberto@ufs.br. Linguagens de Programação. Departamento de Computação Universidade Federal de Sergipe Linguagens de Programação Departamento de Computação Universidade Federal de Sergipe Expressão é uma frase de um programa que ao ser avaliada retorna um valor Tipos Literais Agregados Chamadas de Função

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

BC0501 Linguagens de Programação

BC0501 Linguagens de Programação BC0501 Linguagens de Programação Aula Prática: 03 Assunto: Comandos de Seleção 1. Introdução Um comando de seleção define uma condição em um programa, que permite que grupos de comandos sejam executados

Leia mais

Modelo autorregressivo e controlador Fuzzy para um sistema de controle digital de velocidade do Kit Digital Servo

Modelo autorregressivo e controlador Fuzzy para um sistema de controle digital de velocidade do Kit Digital Servo Modelo autorregressivo e controlador Fuzzy para um sistema de controle digital de velocidade do Kit Digital Servo Adelson Siueira Carvalho (IFF Campos) adelsonsc@gmail.com Adriellen Lima de Sousa (IFF

Leia mais

e à Linguagem de Programação Python

e à Linguagem de Programação Python Introdução a Algoritmos, Computação Algébrica e à Linguagem de Programação Python Curso de Números Inteiros e Criptografia Prof. Luis Menasché Schechter Departamento de Ciência da Computação UFRJ Agosto

Leia mais

Cálculo Numérico Aula 1: Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante

Cálculo Numérico Aula 1: Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante Cálculo Numérico Aula : Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante Computação Numérica - O que é Cálculo Numérico? Cálculo numérico é uma metodologia para resolver problemas matemáticos

Leia mais

O Simulador Lógico Logisim

O Simulador Lógico Logisim O Simulador Lógico Logisim Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Departamento de Engenharia Informática Instituto Superior Técnico Lisboa, Julho de 2014 Índice 1 Introdução... 3 2...

Leia mais

ISCAP. Algoritmia. Pág. 1. Ana Paula Teixeira

ISCAP. Algoritmia. Pág. 1. Ana Paula Teixeira Algoritmia Pág. 1 Os Computadores e a resolução de Problemas PROBLEMA Fase de Resolução do Problema Pág. 2 Passo difícil Solução como um PROGRAMA de Computador Solução em forma de Algoritmo Fase de Implementação

Leia mais

Fila de Prioridade. Siang Wun Song - Universidade de São Paulo - IME/USP. MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008

Fila de Prioridade. Siang Wun Song - Universidade de São Paulo - IME/USP. MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008 MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008 Fila de prioridade Fila de prioridade é uma estrutura de dado que mantém uma coleção de elementos, cada um com uma prioridade associada. Valem as operações seguintes.

Leia mais

Aplicações de Programação CNC/ISO com Microcomputador

Aplicações de Programação CNC/ISO com Microcomputador Aplicações de Programação João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução No contexto da programação CNC seria benéfica a possibilidade de trabalhar com programas que, dentro do possível,

Leia mais

Laboratório de Programação 02

Laboratório de Programação 02 Laboratório de Programação 02 Ambiente de Desenvolvimento e Revisão da Linguagem C Prof. Carlos Eduardo de Barros Paes Prof. Julio Arakaki Departamento de Computação PUC-SP Code::Blocks Ambiente integrado

Leia mais

Introdução aos cálculos de datas

Introdução aos cálculos de datas Page 1 of 7 Windows SharePoint Services Introdução aos cálculos de datas Aplica-se a: Microsoft Office SharePoint Server 2007 Ocultar tudo Você pode usar fórmulas e funções em listas ou bibliotecas para

Leia mais

Circuitos sequenciais elementares

Circuitos sequenciais elementares Circuitos sequenciais elementares João Canas Ferreira Arquitectura de Computadores FEUP/LEIC Contém figuras de Computer Organization and esign,. Patterson & J. Hennessey, 3ª. ed., MKP ópicos Sistemas sequenciais

Leia mais

Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural

Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural Título: Observações introdutórias sobre os paradoxos sorites e o fenômeno da vagueza na linguagem natural Conceitos-chaves: Paradoxo sorites, Vagueza, Casos-fronteira, Teoria Epistêmica. 1. Introdução

Leia mais

Laboratório de Programação I

Laboratório de Programação I Laboratório de Programação I Estruturas de Controle: Parte I Fabricio Breve Objetivos Entender as técnicas básicas de solução de problemas Desenvolver algoritmos por meio do processo de refinamento top-down

Leia mais

1. Estrutura de seleção. Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição

1. Estrutura de seleção. Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição 1 Estrutura de seleção Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição - Necessário quando mais de uma ação deve ser tomada se uma condição for satisfeita

Leia mais

IEC 1131-3 Ladder SUPORTE DE CURSO. Livro Texto: Programming industrial control systems using IEC 1131-3 R.W. Lewis

IEC 1131-3 Ladder SUPORTE DE CURSO. Livro Texto: Programming industrial control systems using IEC 1131-3 R.W. Lewis SUORTE DE CURSO IEC 1131-3 Ladder Livro Texto: rogramming industrial control systems using IEC 1131-3 R.W. Lewis UFMG Informática Industrial rof. Constantino Seixas Filho IEC1131-3 - Ladder 1 IEC 1131-3

Leia mais