IMES - AACC VISÃO DO PROCESSO LEAN MANUFACTURING (MANUFATURA ENXUTA)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMES - AACC VISÃO DO PROCESSO LEAN MANUFACTURING (MANUFATURA ENXUTA)"

Transcrição

1 IMES - AACC VISÃO DO PROCESSO LEAN MANUFACTURING (MANUFATURA ENXUTA) Prof. Mauri Guerra Setembro/2008

2 Mini curriculum vitae Engenheiro Metalurgista EPUSP 1968 e Mestrando em Engenharia Mecânica - EPUSP Mestre em Administração de Empresas IMES 2001 Gerente de Controle de Qualidade Hoesch e Cofap 1969 a 1978 Professor Universitário Graduação: EPUSP, FEI, Mauá, UNIP, Fatec, IMES, FSA, etc, desde 1971 Pós Graduação: FDTE-USP, UNISA, UNISINOS, FSA, IMES, desde 1990 Consultor de Empresas Desenvolvimento pessoal e organizacional, Qualidade e Produtividade Desde 1984

3 Objetivos da palestra Entender o conceito de Produção Enxuta (Lean Manufacturing), nele reconhecendo uma metodologia de alto impacto nas modernas organizações. Fornecer métodos de análise, mapeamento e reengenharia do fluxo de valor, permitindo eventual aplicação na empresa em que atua. Conhecer as etapas de uma metodologia de mapeamento do fluxo de valor.

4 Conteúdos da palestra Módulo 1: Competitividade empresarial Módulo 2: O Sistema Lean (Produção enxuta) Módulo 3: Mapeamento do fluxo de valor Módulo 4: Ferramentas associadas

5 Bibliografia básica PORTER, Michael. Vantagem Competitiva: Criando e sustentando desempenho superior. 4ª ed., RJ: Campus, 1999 CSILLAG, João Mário. Análise do valor. 4ª ed., SP:Atlas, 1995 WOMACK, James. A máquina que mudou o mundo. RJ:Campus, 1992 GEORGE, Michael. Lean Seis Sigma. RJ:Qualitymark, 2004 HRADESKY, John. Aperfeiçoamento da qualidade e da produtividade. SP:McGraw Hill, 1999

6 Apresentações e expectativas individuais Gostaria de conhecê-los individualmente, bem como suas expectativas diante da palestra que ora se inicia. Fale um pouco de si e exorcize possíveis fantasmas que esteja trazendo de outras palestras. Assim, procure abordar: Nome, apelido e outros predicados Curso / Ano Empresa que tenha trabalhado Porque da escolha desta palestra (suas expectativas) Algo mais que você julgue importante (hobbies, distrações, manias, predicados, chatices, etc)

7 Módulo 1 Competitividade empresarial

8 Mudanças ocorrendo Mundo: momentos críticos (perda de mercado, concorrência maior/agressiva), buscando aumento da produtividade, redução de custos e de mão de obra. Sistemas, processos e metodologias não são suficientes para obter os resultados esperados (questão de sobrevivência). Desafio imposto requer: ações criativas e ágeis, soluções novas para problemas novos, flexibilidade e uso compartilhado do poder. Sistemas hierarquizados do passado criaram equipes de líderes voltadas mais para a manutenção do status-quo, que para a preparação das pessoas, da estrutura e da empresa, para o futuro improvável e cheio de mudanças.

9 Mudanças ocorrendo Níveis hierárquicos cortados e tarefas multiplicadas (papel humano toma significativo destaque). Pressões grandes, tal que a participação/compromisso das pessoas são condições quase obrigatórias. Time gerencial precisa eliminar práticas dos tempos em que para gerenciar bastava apenas dar ordens. Gestão participativa (mais de 15 anos) é ainda difícil de ser integralmente aplicada. Empresas com sucesso usam cada vez mais o potencial do seu capital intelectual, distribuído entre seus colaboradores, cada vez mais comprometidos com seu próprio sucesso e o da empresa, investem seu tempo, energia e esperanças no trabalho que executam.

10 Consumidor

11 Competitividade empresarial Qualidade Competitividade Custo Atendimento Pré Durante Pós venda

12 Ciclo de vida de um produto Cada vez mais curto Mais exigência de variedade

13 A explosão tecnológica do conhecimento 140 Conhecimento humano: : duplica : duplica : duplica EM 2002 SERIA 16 VEZES MAIOR QUE EM 1990

14 Descoberta da qualidade total DEMING 1950 FEIGENBAUM, JURAN 1960 ISHIKAWA, CROSBY JAPÃO QUALIDADE JAPÃO QUALIDADE TOTAL EUA, EUROPA TIGRES ASIÁTICOS 1990 PAÍSES EM DESENVOL- VIMENTO

15 Moral da história O GRANDE DESAFIO HOJE É: FAZER AQUILO QUE O MERCADO QUER QUE SEJA FEITO... MAS A BAIXO CUSTO OPERACIONAL!!!

16 Ciclo de melhoria (Deming( ) (Ação) A Definir as metas P (Planejamento) Agir corretivamente Verificar os resultados Definir como atingir as metas Educar e treinar (Verificação) C Executar (Medir) D (execução)

17 Empresa como um sistema sócio-técnico

18 Trabalho em equipe Qualidade Análise Crítica Tempo Executar Formalizar A Operação da Área Medições

19 Princípios da ISO 9001:2000 Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processo Abordagem sistêmica para gestão Melhoria contínua Abordagem de fatos para tomada de decisão Relacionamento de parceria com fornecedores

20 Módulo 2 O Sistema Lean (Produção Enxuta)

21 O Sistema Lean (Taichi Ohno) Desenvolvido pelos japonesas (final década de 40), para reduzir os desperdícios gerados no processo de manufatura (aumento de custos para o cliente, sem agregar valor para o produto). No pós-guerra, objetivando reconstruir suas atividades produtivas tornando-as competitivas, criaram uma guerra aos desperdícios. Num processo produtivo onde estejam envolvidos clientes e fornecedores, os componentes devem chegar à linha de montagem corretamente, no momento exato e na quantidade certa.

22 Desperdício e valor Desperdício: É toda atividade que consome tempo, recursos e/ou espaço, mas não contribui com a satisfação das necessidades do cliente, gerando custos excessivos para a empresa. Valor: Atividade que transforma ou modela as matérias-primas em produtos finais ou em serviços/informações, para atender às necessidades e expectativas dos clientes. O desperdício torna a empresa menos competitiva, pois aumenta seu custo operacional!!!

23 Valor e desperdício - Exemplo Exemplos: Usinar uma peça Montar um conjunto Encher garrafa Valor Agregado Desperdício Exemplos: Acumular papéis Inspeção 100% Exemplos: Andar para pegar materiais Ficar esperando por peças

24 8 Tipos de Desperdício Superprodução Produção demasiada ou cedo demais de produtos para o próximo processo ou para o cliente. Exemplos: Produção de peças na segunda-feira que serão expedidas ao cliente somente na sexta-feira; Produção de peças não requisitadas, somente porque há máquinas e pessoas disponíveis. Defeitos Erros freqüentes entes causados por problemas de qualidade nos produtos, necessitando-se se inspeção, retrabalho, refugo. Exemplos: Jogar fora as peças que falharam na inspeção final; Consertar uma superfície arranhada durante a montagem.

25 8 Tipos de Desperdício Estoque excessivo Armazenagem em excesso de produtos, resultando em um custo excessivo de fabricação (custos extras de inventário). Exemplos: Muitos dias de estoque de matéria-prima; Uma caixa contendo muitas peças que precisam ser montadas depois de passarem pela máquina. Processamento desnecessário Execução de um processo de trabalho com ferramentas, procedimentos ou sistemas inadequados. Exemplos: Pintar a estrutura do assento de um automóvel que será coberta com couro e o cliente nunca a verá; Inspeção, lavagem, etc.

26 8 Tipos de Desperdício Transporte excessivo Movimento excessivo de pessoas, informações ou produtos, resultando em perdas de tempo, esforço e custo. Exemplos: Mover peças para áreas de estoque; Transportar peças da área de máquinas para a área de montagem final. Espera Longos períodos de inatividade das pessoas, informações ou produtos, resultando num fluxo deficiente. Exemplos: Espera pela entrega da matéria-prima; Espera para uma máquina completar seu ciclo.

27 8 Tipos de Desperdício Movimentos desnecessários Má organização do local de trabalho, resultando em perdas de tempo, qualidade e ergonomia para os operadores. Exemplos: Virar-se para pegar uma peça ou uma ferramenta; Procurar em uma caixa cheia de peças para encontrar a correta. Não uso de talentos e conhecimento humano Não dar importância às idéias e sugestões dos principais envolvidos durante o processo. Exemplos: Comprar nova peça de um equipamento sem a opinião de operadores, comerciantes capacitados, etc. Fazer mudanças no processo do chão de fábrica sem ouvir a opinião dos operadores.

28 A Filosofia Lean Evidenciar os desperdícios das atividades tradicionais dos processos produtivos/administrativos. Tratar os desperdícios de forma a minimizar/eliminar os seus efeitos na capacidade de produção, obtendo uma melhor utilização da capacidade já instalada. EVIDENCIAR DESPERDÍCIOS ELIMINAR/MINIMIZAR DESPERDÍCIOS

29 Os 5 Princípios Lean Identificação da cadeia de valor Especificação do valor Busca da perfeição Criação do fluxo Produção puxada Além desses Princípios existem outros fatores que dão suporte à sua correta implementação. São as Chaves para o Lean!

30 Os 5 Princípios Lean Especificação do Valor O ponto de partida essencial para o pensamento lean é o valor. O valor só pode ser definido pelo cliente final. E só é significativo quando expresso em termos de um produto específico (bem ou serviço ou ambos simultaneamente) que atenda às necessidades do cliente, a um preço específico, num momento específico. Identificação da Cadeia de Valor Conjunto de todas as ações ões específicas para se levar um produto específico a passar pelas três tarefas gerenciais críticas em qualquer negócio: a tarefa de solução de problemas, a tarefa de gerenciamento da informação e a tarefa de transformação físicaf da matéria-prima ao produto acabado nas mãos do cliente.

31 Os 5 Princípios Lean Criação do Fluxo Uma vez especificado o valor, com precisão, a cadeia de valor dos produtos totalmente mapeadas e as etapas que geram desperdícios eliminadas, é necessário fazer com que as atividades restantes, que criam valor, fluam. Produção Puxada Éo primeiro efeito visível vel da conversão de departamentos e lotes em equipes de produção, mantendo um fluxo contínuo nuo, produzindo de acordo com o especificado pelos clientes. O tempo necessário para se passar da concepção ao lançamento, da venda à entrega, da matéria-prima ao cliente cai drasticamente, isso produzindo um fluxo de caixa extra, decorrente da redução dos estoques.

32 Os 5 Princípios Lean Busca da Perfeição À medida que as empresas começarem a especificar valor com precisão, identificar a cadeia de valor como um todo, fizerem fluir o fluxo de valor e deixar os clientes puxarem o valor, então o projeto para a redução de esforço, tempo, espaço, custo e erros oferece um produto que se aproxima ainda mais do que o cliente realmente quer. De repente, a perfeição, o quinto e último conceito do pensamento enxuto, não parece uma idéia maluca.

33 Chaves para o Lean Visão Compartilhada O Lean envolve todos da organização. O Lean cruza todos os limites organizacionais e deve ser um componente chave da estratégia da empresa. Uma integração do sistema total. Os departamentos devem tentar entender e apoiar a organização como um todo. Não estabelecer metas individuais por departamento.

34 Chaves para o Lean Comunicação A comunicação está em todo lugar. As informações são compartilhadas livremente com todos. Os operadores têm as informações de que precisam para melhorar seu serviço. Todos sabem o que é o lean e de que forma ele faz parte do trabalho.

35 Chaves para o Lean Comprometimento Todos se comprometem a implementar o lean. Todos acreditam que o lean veio para ficar e não se trata de outro modismo de gerenciamento. Todos acreditam que o lean funcionará na organização.

36 Chaves para o Lean Trabalho em Equipe Todos se entusiasmam e se unem com a implementação do lean. Todos compartilham suas idéias livremente e respeitam as opiniões alheias. Todos se animam com as mudanças que o lean trará para o local de trabalho.

37 O Cliente no Sistema Lean Aplica-se a clientes internos e externos. Qualidade é o que o cliente determina. Atender às necessidades não é suficiente: é preciso excedê-las! Os clientes são mais importantes que os processos. Cada etapa do processo deve atender às necessidades da etapa seguinte. A qualidade total (resultado esperado) não pode ser entregue ao cliente final a menos que haja qualidade em todos os processos.

38 O Ambiente Lean UM AMBIENTE LIVRE DE MEDOS! O Medo... Torna as pessoas defensivas Deixa questões escondidas por anos Cria uma crise - Elimine o desperdício, não as pessoas - Reposicione os funcionários - Estimule a correr riscos - Fale com dados

39 A Estrutura Lean Resolução problemas Smed TPM 5S VSM APG s Poka yoke Gerenciam. visual Kanban T R A B A L H O P A D R O N I Z A D O K A I Z E N / E S T A B I L I D A D E O P E R A C I O N A L

40 Resultados Lean QUALIDADE - O aumento do nível de qualidade do processo traduzse pela diminuição do número de erros, retrabalhos e refugos, gerando melhor utilização dos recursos da empresa. CUSTO - Na entrada da unidade de produção, tem-se os recursos humanos, as instalações e as matérias primas. Na saída, encontramse os produtos acabados. A produtividade cresce quando recursos idênticos na entrada geram mais produtos acabados na saída, ou quando, com volume de produtos acabados idênticos, os fatores da entrada diminuem. ENTREGA - O tempo de execução é definido pelo intervalo de tempo entre o recebimento das matérias primas e o recebimento pela empresa do pagamento dos produtos vendidos. Essa redução significa mais produtos fabricados no mesmo tempo, melhor rotatividade dos recursos e maior reatividade e flexibilidade para a satisfação das necessidades dos clientes.

41 Definições Lean TEMPO DE AGREGAÇÃO DE VALOR (TAV) - Tempo da atividade que o cliente julga como sendo de agregação de valor, ou seja, uma atividade que ele está disposto a pagar. TEMPO DE PROCESSAMENTO (T/P) - Tempo em que uma peça ou produto está efetivamente sendo trabalhado. TEMPO DE CICLO (T/C) TEMPO DE CICLO (T/C) - Freqüência com que uma peça ou produto é completado por um processo, conforme cronometrado por operação. Esse tempo pode incluir o tempo de operação mais o tempo requerido para preparar, carregar e descarregar os materiais.

42 Definições Lean - Exemplo T/P 1 = 15 s T/P 2 = 6 s T/P 3 = 10 s Processo 1 Processo 2 Processo 3 A B T/C A = 21 s + 6 s T/C B = 10 s + 5 s Tempo para carregar e descarregar a máquinam TAV = 31 segundos ( )

43 Definições Lean TAKT TIME - Freqüência de produção de um produto de acordo com o ritmo das vendas para atender à demanda dos clientes. LEAD TIME (OU LEAD TIME DE REPOSIÇÃO) - Tempo necessário para a produção do pedido mais todos os tempos extras para a sua entrega. É o tempo que o cliente deve esperar até receber o seu pedido desde o momento de sua solicitação. TEMPO DOCK-TO TO-DOCK - Tempo decorrido entre a descarga de matérias-primas e a liberação de produtos acabados para expedição. TEMPO DE CICLO DE MANUFATURA (TEMPO DE THROUGHPUT OU LEAD TIME DE PRODUÇÃO) - Tempo decorrido para a produção de um item durante todo o processo de manufatura.

44 Definições Lean 500 peças Takt Time = segundos 500 peças = 2 seg/pe /peça Cliente Recebimento segundos disponíveis Envio Processo de Produção Armazém de Entrada Tempo de Ciclo de Manufatura (MCT) Armazém m de Produtos Acabados Dock-to to-dock (DTD) Lead Time de Reposição

45 Definições Lean TAXA DE OPERAÇÃO/UTILIZA ÃO/UTILIZAÇÃO - Quantidade de tempo num dado período em que a máquina pode ser usada para a fabricar os produtos, de uma mesma família ou não. TEMPO DE TRABALHO DISPONÍVEL - Jornada de trabalho dos operadores num dado período, menos as paradas planejadas, como manutenções preventivas, limpezas, reuniões, falta de material e de programação. DISPONIBILIDADE - Quantidade de tempo relativo às paradas causadas por falhas nos equipamentos, ajustes e setups, percentualmente ao tempo disponível para a produção.

46 Definições Lean DESEMPENHO - Quantidade de tempo relativo às paradas por velocidade e operação. Funcionamento em velocidades mais baixas do que a determinada e pequenas paradas. QUALIDADE - Porcentagem de perdas ocasionadas por refugo/retrabalho em relação ao total de peças produzidas. EFICÁCIA CIA TOTAL DO EQUIPAMENTO - Produto da Disponibilidade, Desempenho e Qualidade, preocupando-se com as grandes perdas do processo produtivo. (principal indicador do TPM). TEMPO DE TROCA (SETUP) TEMPO DE TROCA (SETUP) - Tempo necessário para mudar a produção de um tipo de produto para outro (tempo de preparação da máquina).

47 Definições Lean Nº DE OPERADORES - Quantos operadores são necessários para a realização das atividades do processo. Nº DE VARIAÇÕES DO PRODUTO - Quantidade de itens diferentes que são processados durante o processo. TAMANHO DA EMBALAGEM/CONTÊINER - Nº de produtos que podem ser colocados numa embalagem. BUILD-TO TO-SCHEDULE (BTS) - Porcentagem de unidades programadas para um determinado dia, que são produzidas no dia certo, no mix correto, e na seqüência certa.

48 Definições Lean FIRST TIME THROUGH (FTT) - Porcentagem de unidades que completam uma etapa do processo e são aprovadas, em termos da qualidade, pela primeira vez, sem serem sucateadas, reprocessadas, retestadas, desviadas para reparo fora da linha, ou devolvidas. Entrada = 1000 peças Saída = 970 peças aprovadas 900 peças boas sem retrabalho 70 peças boas retrabalhadas Refugo = 30 peças FTT = 900 / 1000 = 90%

49 Definições Lean ROLLED TIME YIELD (RTY) - Porcentagem de unidades que completam todo um processo e são aprovadas, em termos da qualidade, pela primeira vez, sem serem sucateadas, reprocessadas, retestadas, desviadas para reparo fora da linha, ou devolvidas. Entrada: 1000 peças Retrabalho 1: 80 Refugo1: 30 Retrabalho 2: 50 Refugo 2: Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Saída: FTT1= (890/1000) = 0,89 = 89% FTT2= (820/890) = 0,92 = 92% Retrabalho 3: 60 Refugo 3: 40 FTT3= (720/820) = 0,88 = 88% FTT4= (640/720) = 0,89 = 89% Retrabalho 4: 70 Refugo 4: peças sem defeitos RTY = 0,89 x 0,92 x 0,88 x 0,89 = 64%!!

50 Algumas ferramentas: Kaizen Just in Time Teoria das Restrições Jidoka

51 Kaizen (Melhoria contínua) Desenvolvido no período pós-guerra pelos japoneses que (reconstrução) ão), com base nas ferramentas de Deming e Juran. Ênfase na crença de uma melhoria contínua nua, a eliminação do desperdício deve-se tornar um modo de vida. Razões para o Kaizen: Segurança Eliminação de desperdícios torna o local de trabalho mais seguro. Eficiência Eliminação de tempo e movimentos desnecessários torna o trabalho mais eficiente. Custo Um sistema mais eficiente custa menos para operar e proporciona mais lucro para a empresa. Qualidade Eliminação de retrabalho e defeitos aumenta a qualidade do processo. Entrega O produto certo e entregue na hora certa garante a satisfação do cliente.

52 Sistemática do Kaizen Descobrir os problemas Resolver os problemas Consolidar as mudanças, através da padronização

53 Sistemática do Kaizen Defeitos Estoque Processamento KAIZEN Transporte Espera Eliminar continuamente os problemas e desperdícios das atividades realizadas, padronizando as mudanças as atingidas com a melhoria contínua nua do processo! Padronização do trabalho Superprodução Recursos Humanos Movimentos Progresso

54 Sistemática do Kaizen Analisar Desenvolver Soluções Observar Planejar 6 5 Implementar e Avaliar Padronizar Os Sete passos do Kaizen para se atingir a melhoria contínua nua do processo, aumentando cada vez mais a sua Estabilidade Operacional,, que é a base do Sistema Lean. Ver novas oportunidades AUMENTA AUMENTA ESTABILIDADE OPERACIONAL

55 Estabilidade Operacional Os maiores problemas encontrados nas atividades produtivas geralmente estão associados à falta de liderança, ao baixo comprometimento e à falta de conhecimento e capacitação em suas operações, fazendo com que os processos não fluam. A Estabilidade Operacional deve criar uma tração suficiente entre eles, de modo a implicar na previsibilidade geral e na disponibilidade constante em relação aos 4M s: Mão-de-Obra, Materiais, Máquinas, Métodos

56 Estabilidade Operacional Mão-de de-obra - Uma mão-de de-obra bem treinada deve fazer com que os operadores conheçam muito bem a atividade realizada por meio de: Instruções/M ões/métodos de trabalho e Relações no trabalho. Materiais - Para garantir entregas no prazo, a criação de algum estoque intermediário pode ser necessária para o fluxo flua, caso existam instabilidades com relação aos materiais (ex.: falta de entrega no prazo por parte dos fornecedores). São conhecidos por: Estoque Pulmão (protegem( o cliente do fabricante no caso de alguma mudança abrupta na demanda) Estoque de Segurança a (protegem( o fabricante de alguma ineficácia dos processos fluxo acima e dos fornecedores).

57 Estabilidade Operacional Máquinas - A disponibilidade das máquinasm para atender a demanda dos clientes deve garantir que não ocorrerão perdas por instabilidade do equipamento (por isso é necessário que se conheça a capacidade do processo e a média real de produção para saber se está adequada ou não à demanda). Métodos - A criação de métodos padrão para o lean ajuda a mudar os métodos de trabalho existentes por meio de melhorias, gerando a redução de desperdícios. Um padrão nada mais é do que uma ferramenta de medição de como algo está sendo feito e uma referência quando se deseja mudar algo.

58 CUIDADO Estabilidade Operacional Com a ausência desses pontos numa implementação lean, o conceito de fluxo e ritmo pode se quebrar proporcionando a criação de um fluxo que não flui. Isto é grave porque, para o sistema lean, a grande questão a ser seguida é a de manter um fluxo perfeito entre os processos de fabricação de modo que, antes de melhorar o fluxo de valor, é necessário primeiramente garantir a estabilidade operacional dos processos.

59 Trabalho Padronizado O Trabalho Padronizado é o estabelecimento de procedimentos precisos para o trabalho de cada um dos operadores em um processo de produção. Ele se baseia em três elementos: Takt Time Seqüência exata do trabalho dentro do takt time Estoque padrão para manter o processo operando suavemente Conceitos do Sistema Lean que são importantes para se ter um trabalho padronizado com uma melhoria contínua do processo: Just-in in-time (Produção Puxada) Teoria das Restrições (Theory( of Constraints) Jidoka (Autonomação)

60 Just in Time Sistema de produção que produz e entrega apenas o necessário, quando necessário e na quantidade necessária. O Just-in-Time baseia-se no nivelamento da produção (Heijunka) e é formado pelo sistema puxado (ao invés do tradicional sistema empurrado). Objetivo: total eliminação dos desperdícios cios, para atingir a melhor qualidade nos menores tempos de produção e de entrega (lead time de reposição). Sistema Puxado Sistema Puxado Método de controle da produção em que as atividades fluxo abaixo avisam às atividades fluxo acima sobre as suas necessidades. Visa eliminar a produção em excesso produzindo em cada etapa do processo apenas o que é exigido pela etapa seguinte.

61 Just in Time SISTEMA EMPURRADO: Os lotes são processados em cada etapa e empurrados rampa abaixo para a próxima etapa. Qualquer atraso ou problema em uma etapa, pode causar acúmulo de estoques. SISTEMA PUXADO: Os lotes processados em cada etapa não fluem naturalmente rampa acima, de modo que não se acumulam estoques tão facilmente.

62 Sistema Empurrado (Tradicional) Quando o produto montado no processo A é empurrado para o processo B, forma estoques intermediarios desnecessários.

63 Sistema Puxado Os processos A e B são responsáveis por garantir a demanda / necessidade do cliente. Produz-se conforme a necessidade, sem a formação de estoques.

64 Just in Time - Exemplo

65 Teoria das Restrições (Goldratt) O TOC (Theory of constraints) baseia-se no princípio de que a otimização de todas as etapas do processo produtivo não necessariamente gera melhorias no sistema como um todo. Primeiro, deve-se trabalhar para identificar e minimizar/eliminar os principais problemas (restrições). Restrição do Processo (Gargalo) Acúmulo de estoque antes do gargalo. A restrição determina a velocidade da linha

66 Teoria das Restrições Os gargalos limitam os sistemas a alcançarem uma maior produtividade, por isso devem ser melhorados/eliminados em primeiro lugar, antes de qualquer outra melhoria nos processos que não são considerados restrições do sistema. Como a velocidade do processo é dada pelo seu gargalo, o nivelamento da produção deve-se ser obtido por meio do gargalo (ritmo de produção do gargalo não deve ser maior que o takt time do sistema). A partir da TOC, podemos concentrar os esforços os nos poucos pontos do processo que determinam seu desempenho (as restrições), melhorando-o a curto prazo. Você conhece as restrições de seu processo?

67 Teoria das Restrições - Etapas 1. Identificar a restrição do sistema. 2. Explorar a restrição do sistema. 3. Elevar a restrição do sistema. 4. Subordinar todo o sistema à restrição. 5. Se uma das etapas anteriores for quebrada, deve-se voltar à etapa 1. 1 hora ganha num gargalo é 1 hora ganha no sistema todo, mas 1 hora ganha num recurso não-gargalo é só uma miragem!!!

68 Teoria das Restrições Termos usados Tambor: A restrição do sistema determina o ritmo de produção para todas as outras etapas do processo produtivo (deveria ser usado 100% do tempo, sem problemas de falta de material ou quebra de máquina). Pulmão: Estoque utilizado para manter a integridade da restrição, caso algum problema ocorra nela. Corda: Mecanismo que obriga todas as etapas do sistema a trabalhar num ritmo ditado pelo tambor.

69 Teoria das Restrições Como explorar o Gargalo: Não utilizá-lo na produção de itens desnecessários. Reduzir seus tempos de parada para setup. Rodízio de operadores para manter a continuidade de sua operação (durante almoço e descanso). Fazer sua limpeza depois do turno de produção. Investir na sua manutenção preventiva. Colocar CQ antes para não alimentá-lo com itens defeituosos. Eliminar defeitos após a passagem pelo gargalo. Melhorar a qualidade de processo.

70 Teoria das Restrições Como explorar o Gargalo: Manter um pulmão de recurso antes do gargalo Manter um pulmão de espaço depois do gargalo Exemplo de pulmões junto ao gargalo

71 Jidoka Toyoda (década de 20) inventou um tear com parada automática tica em caso de rompimento do fio. Antes disso, se um fio quebrasse, o tear continuaria funcionando com a geração de desperdícios (grandes quantidades de tecido defeituosos). Assim, era necessário o constante monitoramento das máquinas por um operador. A inovação de Toyoda permitiu que um operador controlasse muitas máquinas.

72 Jidoka Conceito para fornecer às s máquinas m e aos operadores a habilidade de detectar quando uma condição anormal ocorreu e interromper imediatamente o trabalho. Isso possibilita que as operações construam a qualidade do produto em cada etapa do processo e separa os homens das máquinas para um trabalho mais eficiente. Chama a atenção para as causas dos problemas, pois o trabalho é interrompido imediatamente quando um problema ocorre. Isso leva a melhorias no processo de garantia da qualidade, eliminando as causas-raiz dos defeitos.

73 Jidoka É também conhecido por autonomação (automação com inteligência humana), pois dá aos equipamentos a habilidade de distinguir peças boas de ruins autonomamente, sem monitoramento do operador. Elimina-se assim a necessidade dos operadores ficarem observando continuamente e acarretando em um grande aumento de produtividade. Níveis de Autonomação

74 Lean X Seis Sigma Lean: Minimização do desperdício Seis Sigma Redução da variabilidade Balanceamento Redução estoques Just -in-time Kanban Nivelamento da produção Heijunka Box Single Minute Exchange of Die (SMED) TPM Andon Produção Puxada Lean Poka Yokes Kaizen Takt Time 7 Ferramentas Mapa do Processo Gerenciamento Visual Standardized Work Foco em Qualidade Resolu ção de Problemas Elimina ção do Desperd ício SIPOC PDCA/SDCA Medi ções Quality Function Deployment (QFD) Trabalho em Equipe Redu ção de Custos Amostragem Six Sigma Confiabilidade SPC FMEA Sigma Metric DMAIC Gr áfico de Vari áveis Voz do Cliente Teste de Hipótesesó Design for Six Sigma Design of Simula ção do Experiments Processo Tempo de (DOE) An álise de Ciclo Regressão Propaga ção da Varia ção

75 Módulo 3 Mapeameno do fluxo de valor (Value Stream Mapping -VSM)

76 Integração dos módulos Atendimento Kaizen Fluxo contínuo Custo 1 JIT 2 Takt time Regras Qualidade TOC Supermercado Competitividade Produção enxuta VSM Prod. pux./mix nivelado 3 Expectativas clientes Família de produtos Etapas Estágio atual Estágio futuro Implementação 4 Ferramentas APG s (5S, GV) SMED TPM Andon Kanban MASP

77 Fluxo de Valor Conjunto das ações a necessárias para trazer um produto por todas as etapas de fabricação, essenciais para a sua transformação num produto acabado. Para atender necessidades dos clientes, a empresa deve possuir esse fluxo, responsável por fazer com que o demandado chegue às mãos do cliente. As atividades pertencentes a esse fluxo podem ser: Atividades com adição de valor Atividade sem adição de valor Atividades necessárias sem adição de valor

78 Fluxo Total de Valor Fornecedores Planta ou Empresa Cliente Consumidor final Fluxo total de valor O foco está no fluxo de material, porta-a-porta, dentro da planta/empresa!

79 Mapeamento do Fluxo de Valor (VSM) Permite visualizar por completo o fluxo de valor existente para transformar a matéria prima no produto final, pois visualiza os fluxos de material e de informações. Fluxo de Material - Fluxo físico da transformação da matéria prima até a confecção do produto final. Fluxo de Informações - Fluxo que possibilita a realização das atividades, dizendo o que fabricar e a seqüência das atividades para cada processo.

80 Mapeamento do Fluxo de Valor Razões para seu uso: Ajuda a visualizar mais do que simplesmente os processos individuais (pode-se enxergar o todo). Ajuda a visualizar mais do que os desperdícios (identifica as fontes de desperdício no fluxo de valor). Torna as decisões sobre o fluxo visível e junta conceitos e técnicas enxutas. Mostra a relação entre o fluxo de informação e o fluxo de material. Mostra o que será feito para se atingir as metas. É a base para um plano de implementação!

81 Mapeamento do Fluxo de Valor Permite aplicar os conceitos que permeiam o Sistema Lean na prática, pois pode-se definir: - Família de Produtos - Situação Atual - Situação Futura - Plano de Implementação Mapear significa conseguir enxergar o estado atual e focar no fluxo com uma visão de um estado ideal!

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

Produção Enxuta. Lean Manufacturing

Produção Enxuta. Lean Manufacturing Produção Enxuta Lean Manufacturing Produção Enxuta Principais ferramentas Ferramentas do STP 5S; SMED ; Gestão Visual; Poka-Yoke; TPM Kanban; Kaizen; VSM Casa do STP 5 Sensos Filosofia cujo objetivo é

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola Introdução ao Lean Manufacturing Dário Spinola Dário Uriel P. Spinola Sócio da Táktica Consultoria em Manufatura MBA em Conhecimento, Tecnologia e Inovação pela FIA/FEA USP Mestrando e Engenheiro de Produção

Leia mais

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC.

PRODUÇÃO ENXUTA. Eng. Liane Freitas, MsC. PRODUÇÃO ENXUTA Eng. Liane Freitas, MsC. O que será visto neste capítulo? 1 O significado a filosofia JIT 2 O JIT versus a prática tradicional 3 As técnicas JIT de gestão 4 As técnicas JIT de planejamento

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

Aplicando lean em indústrias de processo

Aplicando lean em indústrias de processo Aplicando lean em indústrias de processo Alexandre Cardoso* Os setores de alimentos, químico, farmacêutico e de cosméticos, que na sua essência são indústrias de processo, têm obtido sucesso na aplicação

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva Sergio Kamada* Este artigo tem como objetivo descrever a importância da Cadeia de Ajuda no processo de estabilização produtiva e apresentar métodos

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE Menor Lead Time Estrutura do STP Just-In-Time Fluxo Contínuo Takt Time Produção Puxada Kanban Custo Mais Baixo CLIENTE Segurança Moral Jidoka Separação Homem/ Máquina Poka-Yoke Inspeção Fonte Ação Imediata

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA

JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA Gece Wallace Santos Reno (UFSCar) gece.reno@uol.com.br Carolina

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br O QUE ESTÁ POR TRÁS DA IDÉIA DE EMPRESA ENXUTA? ELIMINAÇÃO DE TODO TIPO DE DESPERDÍCIO NO SUPPLY VELOCIDADE FLEXIBILIDADE QUALIDADE

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

Mapeamento do Fluxo de Valor

Mapeamento do Fluxo de Valor Mapeamento do Fluxo de Valor O que é Fluxo de Valor É um conjunto de ações as que agregam valor, bem como as que não agregam valor necessárias para viabilizar o produto: da concepção ao lançamento do produto

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

ESCRITÓRIO ENXUTO (LEAN OFFICE)

ESCRITÓRIO ENXUTO (LEAN OFFICE) ESCRITÓRIO ENXUTO (LEAN OFFICE) Jeferson Duarte Oliveira * Este artigo tem como objetivo fazer uma revisão bibliográfica das mais importantes formas de desperdício nos escritórios e apresentar os métodos

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

VALUE STREAM MAPPING: UMA IMPORTANTE FERRAMENTA NA IMPLEMENTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA, UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL DE MODA PRAIA

VALUE STREAM MAPPING: UMA IMPORTANTE FERRAMENTA NA IMPLEMENTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA, UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL DE MODA PRAIA VALUE STREAM MAPPING: UMA IMPORTANTE FERRAMENTA NA IMPLEMENTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA, UM ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL DE MODA PRAIA Arielton Freire da Silva (UFRN) aryfreire@gmail.com Fabio

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

INTRODUÇÃO A LE L A E N A N M AN A U N FA F C A TURI R NG N

INTRODUÇÃO A LE L A E N A N M AN A U N FA F C A TURI R NG N INTRODUÇÃO A LEAN MANUFACTURING O queé LEAN? Uma filosofia de produção que enfatiza o minimização da quantidade de todos os recursos (inclusive tempo) usados nas várias atividades da empresa. Envolve a

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

O Lean manufacturing aplicado à indústria metalmecânica Maia

O Lean manufacturing aplicado à indústria metalmecânica Maia O Lean manufacturing aplicado à indústria metalmecânica Maia Jordana Lemos Pinheiro Novaes - jordanalemos@hotmail.com MBA Gestão da Qualidade e Engenharia da Produção Instituto de Pós-Graduação IPOG Resumo

Leia mais

Transformação enxuta: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma situação real

Transformação enxuta: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma situação real Transformação enxuta: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma situação real José Antonio de Queiroz (SC-USP) jaq@prod.eesc.usp.br Antonio Freitas Rentes (SC-USP) rentes@sc.usp.br Cesar Augusto

Leia mais

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção)

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção) TPM -Total Productive Maintenance (Gestão da Manutenção) 1 MANUTENÇÃO À MODA ANTIGA Nada de prevenção! Só se conserta quando quebrar e parar de funcionar. Use até acabar... Manutenção não tem nada em comum

Leia mais

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS Semana LIAG Limeira: 09/05/2011 1 Apresentação Palestrante: José Augusto Buck Marcos Engenheiro com formação e especialização

Leia mais

7º Encontro de Pesquisa Clínica. Metodologia Lean

7º Encontro de Pesquisa Clínica. Metodologia Lean 7º Encontro de Pesquisa Clínica Metodologia Lean 2 1 Áreas de Atuação Estratégico Planejamento Estratégico Diagnóstico Lean Sustentabilidade Processos Produtividade Qualidade Custo Sistemas de Gestão Pessoas

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado 1 SÍNTESE E CONCLUSÃO Como acoplar ou integrar gerencialmente uma cadeia de valor (ou etapas de um processo produtivo) no âmbito da filosofia Lean? SISTEMA PUXADO NIVELADO SISTEMA PUXADO NIVELADO: É o

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

Otimização. Processos I

Otimização. Processos I Saiba Como o Six Sigma Convive com Outras Metodologias de Gestão e Como Otimização Alinhadas Podem Promover de a Otimização de Processos e Resultados Expressivos Processos I Alberto Pezeiro pezeiro@setadg.com.br

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Introdução ao Lean Thinking Ministrante: Christopher Thompson Lean Institute Brasil Contatos: lean@lean.org.br Apoio São Paulo, 16 de setembro de 2010 Observação:

Leia mais

Preço da Venda. Custo operacional Preço de venda Melhoria

Preço da Venda. Custo operacional Preço de venda Melhoria Prof. Marcio Santos Antigamente Custo Operacional Preço da Venda Lucro Hoje Custo Operacional Preço de Mercado Lucro O mercado determina o preço! Custo operacional Preço de venda Lucro Melhoria Não me

Leia mais

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010)

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) 1) Fale a respeito de sua formação profissional e atuação. Sou engenheiro de produção pela Escola

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Tatiane Vaz Ferreira Daudte 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

TPM Planejamento, organização, administração

TPM Planejamento, organização, administração TPM Planejamento, organização, administração A UU L AL A Durante muito tempo as indústrias funcionaram com o sistema de manutenção corretiva. Com isso, ocorriam desperdícios, retrabalhos, perda de tempo

Leia mais

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial 46 Capítulo V Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* A busca incessante do lucro pelas empresas, focada relegando-a a uma posição secundária ou a ser vista

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

LEAN MANUFACTURING NA INDUSTRIA DE COMPONENTES DE REFRIGERAÇÃO

LEAN MANUFACTURING NA INDUSTRIA DE COMPONENTES DE REFRIGERAÇÃO LEAN MANUFACTURING NA INDUSTRIA DE COMPONENTES DE REFRIGERAÇÃO Levi da Silva Guimaraes (UMINHO ) levisguimara@hotmail.com Cintya Bareiro Colares (UMINHO ) cintyac@gmail.com Hyggor da Silva Medeiros (UMINHO

Leia mais

Introdução à Qualidade. Aécio Costa

Introdução à Qualidade. Aécio Costa Introdução à Qualidade Aécio Costa O que é Qualidade? Percepções Necessidades Resultados O que influencia: Cultura Modelos mentais Tipo de produto ou serviço prestado Necessidades e expectativas Qualidade:

Leia mais

Excelência Operacional

Excelência Operacional Excelência Operacional Inter-relação entre Lean Manufacturing e TPM ( Total Productive Management) Paulo Yida - Diretor Solving Efeso America do Sul Renato Cosloski Iamondi Consultor Senior Solving Efeso

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DE MELHORIA CONTÍNUA.

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DE MELHORIA CONTÍNUA. OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DE MELHORIA CONTÍNUA. Palestrante: Recife, Pernambuco LEAN THINK DEFINIÇÃO O Lean Manufacture é uma filosofia de administração da manufatura, surgida no Japão,

Leia mais

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida.

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. O sistema de gerenciamento ambiental está se tornando cada vez mais uma prioridade na gestão das empresas. Em diversas

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção II Engenharia de Produção. 19/02/2014 Propriedade da Produtividade Consultoria LTDA

Planejamento e Controle da Produção II Engenharia de Produção. 19/02/2014 Propriedade da Produtividade Consultoria LTDA Planejamento e Controle da Produção II Engenharia de Produção. 1 O que é o PCP. PCP Planejamento e Controle da Produção. O conceito antigo limitava-se exclusivamente à produção. É responsável por definir

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5F)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4)2*OHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& ANÁLIS CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO

Leia mais

Curso e-learning Manutenção Produtiva Total (TPM)

Curso e-learning Manutenção Produtiva Total (TPM) Curso e-learning Manutenção Produtiva Total (TPM) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Objetivos

Leia mais

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios.

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios. TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO 2016 CURSOS Formação prática em ferramentas essenciais para a melhoria dos processos e redução de desperdícios. Desenvolvimento de 1 Pessoas Propósito é o

Leia mais

ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011

ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011 O Papel da Cultura Lean no Contexto Actual António Abreu ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011 Sumário i. O

Leia mais

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Eberson de Andrade Moreira (SULZER) eng_eberson@hotmail.com Paulo Augusto Cauchick Miguel (USP)

Leia mais

TPM. Manutenção Produtiva Total ou Total Productive Maintenance

TPM. Manutenção Produtiva Total ou Total Productive Maintenance TPM Manutenção Produtiva Total ou Total Productive Maintenance ORIGEM DA TPM Durante muito tempo as indústrias funcionaram com o sistema de manutenção corretiva. Com isso, ocorriam: Desperdícios; Retrabalhos;

Leia mais

Comercial. Gestão da Qualidade

Comercial. Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Comercial Ferramentas da Qualidade: Ações preventivas são tomadas em problemas potenciais, aqueles que ainda não ocorreram, mas que podem vir a ocorrer no futuro caso não seja tomada

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROPOSTA DE UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS DO SISTEMA DE MANUFATURA ENXUTA EM UM SETOR DE USINAGEM

Leia mais

www.gestaoleanmanufacturing.com.br

www.gestaoleanmanufacturing.com.br www.gestaoleanmanufacturing.com.br www.gestaoleanmanufacturing.com.br Master em Lean Manufacturing Processo de Solução de Problemas Competitividade nas Empresas Gestão de Processos & Produção x Eficiência

Leia mais

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação 5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação Introdução Década de 50 Japão tenta se reerguer da derrota sofrida na Segunda Grande. Profissionais dos Estados Unidos vão ao Japão a ensinar como

Leia mais

Ecogerma 2012 Lean Production na redução de uso de recursos em processos produtivos

Ecogerma 2012 Lean Production na redução de uso de recursos em processos produtivos Ecogerma 2012 Lean Production na redução de uso de recursos em processos produtivos Paulino G. Francischini pgfranci@usp.br Conteúdo 1. Conceito de Lean Production 2. Desperdícios no processos produtivo

Leia mais

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos P G Q P Gestão de Produtividade Ivan De Pellegrin Produttare Consultores Associados Alexandre Soares Medabil Sistemas Construtivos Plano de Vôo 1. Introdução a. Produtividade um dos requisitos... b. Indicadores

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO Manutenção Produtiva Total MANTER CONSERVAR PREVENIR REPARAR SUBSTITUIR ADEQUAR MELHORAR PRODUÇÃO

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

www.cursosglm.com.br contato@cursosglm.com.br

www.cursosglm.com.br contato@cursosglm.com.br www.cursosglm.com.br contato@cursosglm.com.br Cursos GLM Palestras, Treinamentos & Consultoria Nossa História... Fundação Janeiro de 2007. Segmentos Modalidades Gestão de Manufatura e Qualidade; Gestão

Leia mais

JIDOKA. Gilberto I. Kosaka

JIDOKA. Gilberto I. Kosaka Gilberto I. Kosaka JIDOKA A filosofia lean com os seus cinco princípios: valor, fluxo de valor, fluxo contínuo, puxar e perfeição é inspirada no TPS (Toyota Production System). O TPS constitui um sistema

Leia mais

Metodologia para implementação de um Sistema de Produção Enxuta Lean Manufacturing em uma Empresa Metalúrgica

Metodologia para implementação de um Sistema de Produção Enxuta Lean Manufacturing em uma Empresa Metalúrgica Fabio Rogerio Sepulveda Sérgio Fujimura Metodologia para implementação de um Sistema de Produção Enxuta Lean Manufacturing em uma Empresa Metalúrgica Monografia de Conclusão do CEAI - Curso de Especialização

Leia mais

LEAN MANUFACTURING: REDUÇÃO DE DESPERDÍCIOS E A PADRONIZAÇÃO DO PROCESSO RESUMO. Palavras-Chaves: Lean Manufacturing. Cronoanálise. Padronização.

LEAN MANUFACTURING: REDUÇÃO DE DESPERDÍCIOS E A PADRONIZAÇÃO DO PROCESSO RESUMO. Palavras-Chaves: Lean Manufacturing. Cronoanálise. Padronização. LEAN MANUFACTURING: REDUÇÃO DE DESPERDÍCIOS E A PADRONIZAÇÃO DO PROCESSO Daiane Maciel Rezende ¹ Jessica Freitas da Silva ² Sheila Marcela Miranda ³ Anderson Barros 4 RESUMO O objetivo deste artigo é de

Leia mais

Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA. Reduza suas perdas e melhore seus resultados.

Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA. Reduza suas perdas e melhore seus resultados. Guia básico para implementação da PRODUÇÃO ENXUTA Reduza suas perdas e melhore seus resultados. INSTITUCIONAL A Consustec é uma empresa com menos de um ano de mercado, com espírito jovem e um time extremamente

Leia mais

GLOSSÁRIO DO LEAN MANUFACTURING

GLOSSÁRIO DO LEAN MANUFACTURING GLOSSÁRIO DO LEAN MANUFACTURING Entendendo melhor os termos mais usados e conhecidos do Lean Manufacturing Por Stephen A. Rooney e James J. Rooney A Abordagem de Lean com cinco fases: Um método sistemático

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Origem do nome do programa 5S

Origem do nome do programa 5S Os Cinco Sensos PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Origem do nome do programa 5S 5S s vem de cinco palavras japonesas que começam por S : SEIRI senso de utilização, seleção, descarte. SEITON senso de

Leia mais

POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA

POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA Marco Siqueira Campos Diretor da Siqueira Campos Associados Estatístico - Eng. Qualidade Cert. ASQ 15 anos 15 anos 1 Quem somos 15 anos de atuação. Foco em

Leia mais

Lean Manufacturing. Teoria e Prática. Primeira Edição 2014 Caique Cardoso. Todos os direitos reservados.

Lean Manufacturing. Teoria e Prática. Primeira Edição 2014 Caique Cardoso. Todos os direitos reservados. Lean Manufacturing Teoria e Prática Primeira Edição 2014 Caique Cardoso. Todos os direitos reservados. Lean Manufacturing.- Teoria e Prática. 2/28 Sumário 1Introdução...3 2As bases do Lean...5 3Lean e

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Declaração de Conflitos de Interesse Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Lean na Microbiologia Conceito de Lean Cláudio Pereira Diretor Regional NKB RJ Agenda Lean Thinking Sistema de Produção da Toyota

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO ESTUDO E PROPOSTA PARA APLICAÇÃO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO ENXUTA EM UMA LINHA DE USINAGEM

CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO ESTUDO E PROPOSTA PARA APLICAÇÃO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO ENXUTA EM UMA LINHA DE USINAGEM CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO ESTUDO E PROPOSTA PARA APLICAÇÃO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO ENXUTA EM UMA LINHA DE USINAGEM CURITIBA 2006 MARCELO BENETOR BILL MARLON JOSÉ CARDOSO ESTUDO E PROPOSTA PARA APLICAÇÃO

Leia mais

Sensibilizando para Organização e Limpeza

Sensibilizando para Organização e Limpeza Sensibilizando para Organização e Limpeza Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com. @sebraesp.com.br Ver-03/04 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo O QUE PODEMOS FAZER

Leia mais

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente!

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! Sakichi Toyoda - Fundador do grupo TOYOTA. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) O é um Ideal,

Leia mais

RELEASE À IMPRENSA São Paulo, 29 de outubro de 2008 Inédito! Especialista internacional ensina no Brasil como implementar Logística Lean

RELEASE À IMPRENSA São Paulo, 29 de outubro de 2008 Inédito! Especialista internacional ensina no Brasil como implementar Logística Lean RELEASE À IMPRENSA São Paulo, 29 de outubro de 2008 Inédito! Especialista internacional ensina no Brasil como implementar Logística Lean Escritor norte-americano, consultor do primeiro instituto Lean do

Leia mais

Lean na Indústria Farmacêutica Quebrando paradigmas

Lean na Indústria Farmacêutica Quebrando paradigmas Lean na Indústria Farmacêutica Quebrando paradigmas Neste artigo, apresento um breve relato pessoal de como vivenciei de perto a transformação lean em um ambiente farmacêutico e como alguns paradigmas

Leia mais

Como Operar um andon

Como Operar um andon Como Operar um andon Sergio Kamada* Este artigo irá explicar uma das várias maneiras de como a Toyota utiliza o Andon para controlar visualmente as várias paradas de uma linha de produção devido aos problemas

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

MARCEL FISCHER MAIA WANDERSON MAROTA BARBOSA

MARCEL FISCHER MAIA WANDERSON MAROTA BARBOSA MARCEL FISCHER MAIA WANDERSON MAROTA BARBOSA ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR (MFV) PARA ELIMINAÇÃO DOS DESPERDÍCIOS DA PRODUÇÃO Trabalho de graduação apresentado ao Departamento

Leia mais

5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE

5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE 5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE 5.1 INTRODUÇÃO Todas as pessoas convivem sob a sombra da palavra qualidade. Não é para menos, a qualidade tornou-se alicerce fundamental para as organizações, onde ganhou destaque

Leia mais

PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES

PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia Logística/6º 07/05/2015 PLANEJAMENTO DO LAYOUT PARA MELHORIA DA MOVIMENTAÇÃO INTERNA EM UMA EMPRESA DE LACRES Hendy de Oliveira Analista de Suprimentos

Leia mais

Exame simulado. EXIN Lean IT Foundation

Exame simulado. EXIN Lean IT Foundation Exame simulado EXIN Lean IT Foundation Edição julho 2015 Copyright 2015 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied or stored in a data processing system

Leia mais

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Alessandro Lucas da Silva (EESC-USP) als@sc.usp.br Gilberto Miller Devós Ganga (EESC-USP) gilberto_mdg@yahoo.com.br Roberta

Leia mais

FT 5 Critérios de excelência aeronáutica - LEAN

FT 5 Critérios de excelência aeronáutica - LEAN Trabalho Realizado por: Natalino Semedo Carlos Esteves Rui Marques Nádia Casquinha 1 Índice Introdução... 3 Padronização... 3 Efeito kaizen... 5 Polivalência... 5 Bechmarking... 6 Poka-Yoke... 7 Muri...

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais