APOSTILA DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E MATERIAIS DO CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO SUBSEQUENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APOSTILA DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E MATERIAIS DO CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO SUBSEQUENTE"

Transcrição

1 APOSTILA DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E MATERIAIS DO CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO SUBSEQUENTE UMUARAMA

2 1 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Na pré história já acontecia a industrialização quando o homem polia a pedra para transformá-la em ferramentas. O artesão foi o primeiro a produzir organizadamente. Com o passar do tempo o artesão foi sendo substituído pela indústria. Neste caso podemos citar a evolução da produção em pequenas para grandes escalas, como a produção em série e utilizando cada vez mais a tecnologia para produzir mais com menos recurso, ou seja, buscando sempre maior produtividade para ter mais competitividade de mercado. A cultura de melhoria contínua através de técnicas sofisticadas sempre ocorreu através do tempo. A industrialização são atividades que levam a transformação de um bem tangível para outro com maior utilidade. Com a revolução industrial surge a necessidade de padronização em massa, a preocupação era produzir o máximo. O Japão após a Segunda Guerra Mundial desenvolvem estratégias empresariais, voltada para exportação e conquistar o mercado mundial. O americano estava atrelado em quantidade de produção e o Japonês se preocupava em atender em qualidade. As empresas foram obrigadas a ouvir o mercado e saber o que o mercado quer. Isto define e revoluciona todo o processo industrial onde as empresa começam a traçar estratégias competitivas, como: inovação, flexibilidade, custo competitivo, qualidade, produtividade. 2 - O PLANEJAMENTO EMPRESARIAL Auxilia no andamento eficaz da empresa, diz respeito ä capacidade de planejar as atividades, principalmente no sentido de fazer agora para chegar depois ao lugar ou situação desejada. Fatores para o planejamento da micro e pequena empresa - Facilidades em adequar as novas situações - Relacionar diretamente com os clientes - Expansão de mercado - Diferencial da empresa - Recursos disponível - Sazonalidade - Parcerias com outras empresas - Tecnologia e informática Benefícios do planejamento - Maior produtividade - Melhora o direcionamento da empresa - Antecede fatos importantes - Reduz a margem de erro Etapas do planejamento - Reconhecimento da situação atual - Definição da situação ideal desejada - Identificação do que falta para chegar lá - Levantamento de solução possíveis - Escolha da melhor solução - Organização dos recursos e atividade para executar - Implantação ou ação - Controle ou acompanhamento 2

3 3 ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO As empresas buscam um melhor posicionamento competitivo nos mercados mundiais, mas principalmente quanto se trata de micro e pequenas empresas, a preocupação é a sua sobrevivência, e para isto deve ter todas as informações necessárias para antever os acontecimentos. 3.1 CONCEITO DA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Área da administração que cuida dos recursos físicos e materiais que realizam o processo produtivo. Seu objetivo é alcançar a eficiência e eficácia com efetividade, sendo seus fatores e recursos: Fatores: Insumos matéria-prima qualificada e mais barata; Trabalho mão-de-obra adequada, reciclada e atualizada; Capital dinheiro (investimento); 3.2 SETORES DA PRODUÇÃO e SETORES DA ECONOMIA SETORES DA PRODUÇÃO O setor primário (no Brasil), ou sector primário (em Portugal), é o conjunto de atividades econômicas que produzem matéria-prima. Isto implica geralmente a transformação de recursos naturais em produtos primários. Muitos produtos do setor primário são considerados como matérias-primas levadas para outras indústrias, a fim de se transformarem em produtos industrializados. Os negócios importantes neste setor incluem agricultura, agronegócio, a pesca, a silvicultura e toda a mineração e indústrias pedreiras. As indústrias fabris em sentido diversificado, que agregam, embalam, empacotam, purificam ou processam as matérias-primas dos produtores primários, normalmente se consideram parte deste setor, especialmente se a matéria-prima é inadequada para a venda, ou difícil de transportar a longas distâncias. émbora o tráfego atualmente está um caos, vale a pena produzir alimentos para a subsistencia e comercializar. Segundo a nomenclatura econômica, o "setor primário" está dividido em seis atividades econômicas: Agricultura - Pecuária - Extrativismo vegetal - Caça - Pesca - Mineração O setor secundário é o setor da economia que transforma produtos naturais produzidos pelo setor primário em produtos de consumo, ou em máquinas industriais (produtos a serem utilizados por outros estabelecimentos do setor secundário). Geralmente apresenta porcentagens bastante relevantes nas sociedades desenvolvidas. É nesse setor, que podemos dizer que a matéria-prima é transformada em um produto manufaturado. A indústria e a construção civil são, portanto, atividades desse setor. Existe grande utilização do factor capital. O setor terciário (no Brasil) ou sector terciário (em Portugal), também conhecido como setor serviços, no contexto da economia, envolve a comercialização de produtos em geral, e o oferecimento de serviços comerciais, pessoais ou comunitários, a terceiros. 3

4 Definição O setor terciário é definido pela exclusão dos dois outros setores [1]. Os serviços são definidos na literatura econômica convencional como "bens intangíveis". O setor terciário é o setor da economia que envolve a prestação de serviços às empresas, bem como aos consumidores finais. Os serviços podem envolver o transporte, distribuição e venda de mercadorias do produtor para um consumidor que pode acontecer no comércio atacadista ou varejista, ou podem envolver a prestação de um serviço, como o antiparasitas ou entretenimento. Os produtos podem ser transformados no processo de prestação de um serviço, como acontece no restaurante ou em equipamentos da indústria de reparação. No entanto, o foco é sobre as pessoas interagindo com as pessoas e de servindo ao consumidor, mais do que a transformação de bens físicos. As últimas décadas foram marcadas por importantíssimas conquistas científicas e fantásticas inovações tecnológicas, que acabaram por provocar profundas transformações no estilo de vida das pessoas. Diante dessa conjuntura as empresas, que vendem excelência, trataram de reinventar as suas estruturas. SETORES Ao Primeiro Setor, representado pelo Governo, cabe a missão de dar oportunidades (iguais) para que a população tenha acesso a serviços públicos de excelente qualidade, como uma das formas de eliminar o perverso abismo que separa a ilha dos ricos do oceano dos pobres. A política de desenvolvimento econômico deve privilegiar a geração de empregos e a melhoria da distribuição de renda, como pré-requisitos para que o país melhore a sua classificação no ranking mundial do IDH - índice de desenvolvimento humano. Na iniciativa privada vamos encontrar o Segundo Setor, que tem no lucro a sua singular motivação. Estatísticas divulgadas pela imprensa comprovam que o índice de mortalidade de pequenas empresas tem sido excessivamente elevado. Entre as causas desses tropeços destacam-se falhas de planejamento e de pesquisas de mercado, recursos financeiros insuficientes para capital de giro, inexperiência em gestão empresarial e relacionamento insatisfatório junto à clientela. Apostar na melhoria contínua do processo é uma das mais inteligentes estratégias gerenciais. No Terceiro Setor encontram-se os mais diversos tipos de instituições sem fins lucrativos e os investimentos em projetos sociais desenvolvidos pela iniciativa privada. Este setor,que movimenta bilhões de dólares mundialmente e gera milhões de empregos,tem como objetivo maior tornar a sociedade mais justa economicamente e mais igualitária socialmente. A importância do tema nos leva à uma reflexão sobre o editorial da revista "Falando de Qualidade" (edição de 04/2004): "Tem como base de sustentação a ética, que se expressa por meio dos princípios e valores adotados pela organização,pois não adianta remunerar mal os funcionários, corromper a área de compras dos clientes, pagar propinas aos fiscais do governo e, de outro lado, desenvolver programas junto a entidades sociais da comunidade. Esse comportamento não segue uma linha de coerência entre o discurso e a ação." O Quarto Setor, sinônimo da economia informal, sobrevive através de criativos artifícios para fugir das garras do leão do imposto de renda. Com passaporte multinacional, o setor não tem preconceito, não discrimina e não provoca exclusão social, profissional, racial, eleitoral, empresarial ou digital. Recursos: De materiais (adm. De produção); Financeiros (adm. Financeiro); Humanos (adm. De pessoal); Mercadológicos (adm. Mercadológica); Administrativo (adm. Geral); 4

5 3.3 - ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Segundo Chiavenato, pg. 208, o desenho ou estrutura organizacional decorre da diferenciação de atividade dentro da empresa. Ou seja, a empresa é dividida em departamento, áreas no qual cada uma tem suas atividades sendo representada por um organograma. organograma Obs. Aplicar aquilo que conhecemos e buscar aquilo que não conhecemos. - Base do Administrador CLASSIFICAÇÃO DOS PRODUTOS / SERVIÇOS Área produtiva é classificada em produção de bens tangíveis e intangíveis: Bens tangíveis: De consumo Duráveis (geladeira) Semiduráveis (roupas) Perecíveis (alimentos) De produção Equipamentos industriais Bens intangíveis ou serviços Prestadores de serviços 3.5 COMPONENTES DOS PRODUTOS / SERVIÇOS A. Embalagem: madeira, plástico, vidro, etc... - Tem as funções técnicas sobre o produto; - Tem as funções logísticas sobre o transporte e armazenagem; - Tem as funções de comunicação, ou seja, as orientações ao consumidor; B. Qualidade: interna e externa C. Custo: custo de produção, custo de armazenagem/estocagem e custo de distribuição. - Custo de produção direto e indireto: Direto materiais (insumos) e mão-de-obra (direta); Indireto despesas gerais de produção e despesas de mão-de-obra indireta; - Custo de armazenagem / estocagem: Aluguel de deposito / salário; 5

6 Seguro / despesas financeiras; Máquina / equipamentos de movimentação; - Custo de distribuição: Transporte. 3.6 DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS / SERVIÇOS Estudo e pesquisa, criação, adaptação, melhorias na empresa. Levar em consideração os seguintes passos para desenvolvimento de novos produtos: geração da idéia, especificações funcionais, seleção do produto, projeto preliminar, construção do protótipo, testes, projeto final, introdução e avaliação SISTEMA DE PRODUÇÃO O sistema produtivo pode ser exemplificado da seguinte forma: Processo Produtivo Almoxarifado Produção Almoxarifado/ Entrada de matérias-primas máquinas, mão-de-obra depósito de Saídas Materiais e equipamentos prods acabados Fornecedores Clientes Produção Sob encomenda em lotes contínua pedido volume volume O IMPACTO NA TECNOLOGIA DO CONHECIMENTO E EQUIPAMENTO Implementação da informática na empresa com intuito de dinamizar e otimizar tempo nas informações de dados. Tecnologia no processo produtivo trazendo otimização de recursos, buscando maior eficiência na produção como rapidez, qualidade, segurança e produção. Nas áreas do: Conhecimento: - Mão-de-obra não qualificada; - Mão-de-obra qualificada; - Mão-de-obra especializada; Equipamento: - Com tecnologia intensiva; - Com média tecnologia; 6

7 3.9 - CAPACIDADE INSTALADA E CAPACIDADE DE PRODUÇÃO Capacidade instalada - é a capacidade máxima que a empresa comporta produzir. Capacidade de produção - é a capacidade instalada com os recursos: materiais, humanos e financeiros. *obs. Para calcular esta capacidade terá que levar em consideração os seguintes itens: Medidas de tempo: Homens hora de trabalho; Carga horária da maquina; Tempo de atendimento; LOCALIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES Proximidade Da Mão-De-Obra; Proximidade Da Matéria-Prima Fornecedor; Proximidade do mercado consumidor; Facilidade do transporte; Infra-estrutura; Tamanho do local; Incentivos fiscais; LAYOUT / ARRANJO FÍSICO É a disposição física dos equipamentos, pessoas e materiais da melhor maneira, mais adequada ao processo produtivo. Importância de um bom arranjo físico De acordo com Petrônio G. Martins e Fernando P. Laugeni (1998 pg 108) a sequência lógica a ser seguida para o layout é: localização da unidade industrial, determinação da capacidade, layout da empresa. Os tipos de layout são: por processo ou funcional; em linha; celular; por posição fixa e combinados. Etapas para a elaboração do layout: - Determinar a quantidade a produzir - Planejar o todo e depois as partes - Planejar o ideal e depois o prático - Seguir a sequência: local layout global layout detalhado - Calcular o número de máquinas - Selecionar e elaborar o tipo de layout considerando o processo e as máquinas - Planejar o edifício - Desenvolver instrumentos que permitam a clara visualização do layout - Utilizar a experiência de todos - Verificar o layout e avaliar a solução - Vender o layout - Implantar - - Layout por produto é a disposição que demonstra as operações do produto; Entrada Matéria-prima Corte Saída Prega 7

8 - Layout por processo é a disposição que demonstra as etapas, seções de cada processo; Seção Seção Seção Entrada A B C Saída PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO Tem a finalidade aumentar a eficiência e eficácia da produção. Planeja, organiza, direciona e controla op desempenho produtivo. São quatro as fases de Planejamento e Controle de Produção (P.C.P.). - Projeto de Produção: - Quantidade e características das maquinas e equipamentos; - Quantidade de pessoal disponível inventario das pessoas, cargos e funções em cada área; - Volume de estoques e tipos de matéria-prima inventario de estoques; - Métodos e procedimentos de trabalho cálculos; - Coleta de informações: - Movimentação / fluxograma da produção capacidade produtiva; - Horário de trabalho cronograma; - Volume necessário estoque (compra, venda, produção p/ alcançar as metas); - Tempo padrão / tarefas; - Planejamento de Produção: Capacidade de produção - Previsão plano de de vendas produção Nível de Estoque - Implementação do plano; Seções JAN FEV MAR ABR MAI A B C - Execução do Plano de execução emissão de ordens que deverão ser executadas: (ordem de produção, montagem, serviço, compra); - Controle de Produção acompanhar, avaliar e regular as atividades produtivas; tem a finalidade de correção e prevenção das falhas, avaliando a produção composta por: - Estabelecimento de padrões: padrão de quantidade, padrão de qualidade, padrão de tempo e padrão de custos; 8

9 i. Padrão de quantidade: volume de produção, nível de estoque, nível de horas trabalhadas. ii. Padrão de qualidade: controle de qualidade de matérias-primas / produtos acabados, especificação de produtos. iii. Padrão de tempo: tempo padrão, tempo médio de estocagem, padrões de rendimento. iv. Padrão de custos: ver anterior - Avaliação e comparação de dados Benchmarketing (melhor resultado). - Manutenção É a técnica utilizada para aumentar e aproveitar melhor a vida de máquinas e equipamentos. Há dois tipos de manutenção: preventiva e corretiva. - A manutenção preventiva estabelece parada periódicas para que sejam realizadas trocas de peças gastas, apertos, assegurando um funcionamento perfeito do maquinário ou equipamento. - Manutenção corretiva quando repara os defeitos após problemas já ocorrido Principais objetivos do planejamento e controle da produção são: - Atender a clientela dentro dos prazos e quantidade negociadas - Reduzir Custos - Fornecer informações sobre o que, quando e quanto comprar de matérias-primas e insumos - Assegurar a plena utilização da capacidade instalada e do pessoal disponível - Aumentar a rapidez de circulação do material, evitando a formação de estoques intermediários desnecessários, reduzindo assim o prazo de produção - Para planejar melhor a produção é preciso conhecer todos os fatores que estão no processo produtivo como materiais, pessoas, qualidade desejada, capacidade de produção dos equipamentos, prazo de entrega, pedidos existentes e outros. Estabelecer sequência nas operações, elaborar um programa de produção O controle da produção são os registros das atividades exercidas e comparando o que foi planejado e o realizado. Produtividade Significa produzir o máximo possível com as pessoas, máquinas e materiais com menor recurso possível, podendo ser representado também pela fórmula: Produtividade = número de peças produzidas(valor produzido) esforço e recurso utilizado p/ produzir(valor Consumido) Quadro da pagina 3 da obra Controle da Qualidade Total - TQC de Vicente Falconi Campos Pessoas treinadas e motivadas aumentam em muito a produtividade, reduzindo sobremaneira os acidentes e o custo final do produto ESTOQUES A avaliação de estoques parece ter sido a primeira das aplicações gerenciais da Contabilidade de Custos é geralmente aceito que os problemas de avaliação de estoques estão na própria origem da Contabilidade de Custos foi para resolvê-las que procedimentos típicos de análise e apuração de custos começaram a ser desenvolvidos. 9

10 CONCEITO DE ESTOQUE O termo "estoque" designa o "conjunto" dos itens materiais de propriedade da empresa que: São mantidos para venda futura; Encontra-se em processo de produção; ou São correntemente consumidos no processo de produção de produtos ou serviços a serem vendidos. Ativos considerados estoques: Mercadorias para comércio ou produtos acabados (matéria-prima e mercadorias mantidas para venda); materiais para produção (materiais comprado com a intenção de incorporá-los ao produto final através do processo produtivo); materiais em estoque não destinados à produção normal, chamados também de indiretos, auxiliares ou não produtivos (itens fisicamente não incorporados ao produto final, como ferramentas, material de limpeza e segurança); produtos em processo de fabricação ou elaboração (que inclui material direto, mão-de-obra direta e custos gerais de fabricação) devem refletir o custo atual dos produtos em processo; custo das importações em andamento referente a itens de estoque. As empresas comerciais tendo como função a revenda de bens adquiridos prontos de seus fornecedores- têm avaliação de seus estoques simplificada. Os estoques limitam-se, em geral, ao estoque de produtos destinados à comercialização e ao estoque de materiais diversos ou auxiliares que, referindo-se a itens adquiridos prontos, tem o seu custo disponível nos documentos de aquisição, restando, apenas para a devida avaliação do estoque, aplicar, sobre esse custo, o método de apuração definido na legislação em vigor. As empresas industriais, por sua vez, transformando matérias-primas e acoplando componentes para compor o produto final, apresenta, além dos estoques encontrados nas empresas comerciais, os estoques de matériasprimas para produção e os estoques de produtos em processamento, cujos itens, uma vez concluídos, são transferidos para o estoque de produtos acabados, correspondente ao estoque de bens para venda das empresas comerciais CLASSIFICAÇÃO E NÍVEIS DE ESTOQUE A empresa precisa conhecer seus estoques e obter as informações necessárias p/ saber o estoque ideal para um item. Para que isso ocorra há necessidade de pelo menos dois itens: fichário de estoque e classificação A, B, C. - Fichário de Estoque Banco de dados sobre os materiais, um conjunto de informações contendo: identificação (nome, número, especificações), controle (lote mínimo, demanda, preço unitário), rotação (pedido de reposição, recebimento e retiradas do material), saldo existente (pedido e reserva). - Classificação A,B, C, Dividir o estoque em três classes: Classe A- 15 a 20%- representa 80% valor do estoque. Classe B- 40%- representa 15% valor do estoque. Classe C- 40%- representa 05% valor do estoque. 10

11 Classificação de estoques mais importantes Recomenda-se controlar aqueles mais importantes, que consomem um grande volume de recursos. Para identificar quais os produtos a serem controlados, subdivide-se em três classes de ítens, A, B e C. Classe A os mais importantes, consomem grande volume de recursos. Classe B Corresponde a quantidade média de ítens e com um valor expressivo. Classe C Representam grande quantidade de controle, mas com pouco volume de recursos. Níveis de estoque Deve-se levar em consideração vários aspectos: - Tempo de reposição: emissão do pedido, preparação do pedido, transporte - Estoque Mínimo - Estoque Máximo PRINCIPAIS TIPOS DE ESTOQUE - Matéria prima - Materiais de expediente e limpeza - Peças e componentes - Produtos em processo de elaboração - Produtos acabados - Mercadorias - Ferramentais - Embalagens MÉTODOS HABITUAIS DE CODIFICAÇÃO DE ESTOQUE O objetivo da classificação de materiais é definir uma catalogação, simplificação, especialização, normatização, padronização e codificação de todos os materiais componentes do estoque da empresa, para existir um controle eficiente dos estoques. No método mais usual, as mercadorias ou produtos são classificados da seguinte maneira: 1.GRUPO 1.1 SUB GRUPO ESPECIFICAÇÃO EX CANETA AZUL GRUPO 1 MATERIAL DE ESCRITORIO SUB-GRUPO 1.1 CANETA ESPECIFICAÇÃO MARCA/COR CONTROLE DE ESTOQUE As informações deverão estar sendo monitoradas para ajudar nas decisões, nestes controles também deve verificar a rotatividade dos produtos, para isto é calcular rotatividade = consumo médio : estoque médio. Podendo ser diário, semanal, quinzenal, mensal, bimestral, anual conforme a necessidade da empresa OBJETIVO PRINCIPAL DO CUSTEIO DOS ESTOQUE E A SELEÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO. O maior objetivo do custeio do estoque é a determinação de custos adequados às vendas, de forma que o lucro apropriado seja calculado. Em adição ao fator lucro, existe um número de outros fatores que influenciam as decisões relativas à seleção dos métodos de custeio de estoque. 11

12 A lista destes fatores, excluindo a definição de lucro, incluiria: aceitação do método pelas autoridades do Imposto de Renda; a parte prática da determinação do custo; objetividade do método; utilidade do método para decisões gerenciais AVALIAÇÃO DOS ESTOQUES O princípio contábil de Custo de Aquisição determina que se incluam no custo dos materiais, além do preço, todos os outros custos decorrentes da compra, e que se deduzam todos os descontos e bonificações eventuais recebidas. O método de avaliação escolhido afetará o total do lucro a ser reportado para um determinado período contábil. Permanecendo inalterados outros fatores, quanto maior for o estoque final avaliado, maior será o lucro reportado, ou menor será o prejuízo. Quanto menor o estoque final, menor será o lucro reportado, ou maior será o prejuízo. Considerando que vários fatores podem fazer variar o preço de aquisição dos materiais entre duas ou mais compras (inflação, custo do transporte, procura de mercado, outro fornecedor, etc.), surge o problema de selecionar o método que se deve adotar para avaliar os estoques. Os métodos mais comuns são: Custo médio; Primeiro a entrar, primeiro a sair (PEPS); Último a entrar, primeiro a sair (UEPS). Custo Médio Este método, também chamado de método da média ponderada ou média móvel, baseia-se na aplicação dos custos médios em lugar dos custos efetivos. O método de avaliação do estoque ao custo médio é aceito pelo Fisco e usado amplamente. Para ilustrar numericamente, suponha-se que uma empresa, no início do mês de março, possua um estoque (inicial) de 20 unidades de certa mercadoria avaliada a R$ 20 cada uma, ou seja, um total de R$ 400 de Estoque Inicial. A movimentação dessa mesma mercadoria em março é a seguinte: Data 5/mar. 11/mar. 17/mar. 23/mar. 29/mar. Operação compra de 30 unidades a $ 30 cada Venda de 10 unidades Venda de 20 unidades compra de 30 unidades a $ 35 cada Venda de 10 unidades Suponha as seguintes informações: 12

13 As 10 unidades vendidas dia 11/mar. saíram do lote comprado dia 5/mar.; As 20 unidades vendidas dia 17/mar. saíram do estoque inicial; As 20 unidades vendidas dia 29/mar. saíram do lote comprado dia 23/mar. Primeiro a entrar, primeiro a sair (PEPS) Com base nesse critério, dá-se saída no custo da seguinte maneira: o primeiro que entra é o primeiro que sai (PEPS). À medida que ocorrem as vendas, vamos dando baixas no estoque a partir das primeiras compras, o que eqüivaleria ao raciocínio de que vendemos/compramos primeiro as primeiras unidades compradas/produzidas, ou seja, a primeira unidade a entrar no estoque é a primeira a ser utilizada no processo de produção o ou a ser vendida. Dentro desse procedimento, o estoque é representado pelos mais recentes preços pagos apresentando, dessa forma, uma relação bastante significativa com o custo de reposição. Obviamente, com a adoção desse método, o efeito da flutuação dos preços sobre os resultados é significativo, as saídas são confrontadas com os custos mais antigos, sendo esta uma das principais razões pelas quais alguns contadores mostra-se contrários a esse método. Entretanto, não é objeto do o procedimento em si, e sim o conceito do resultado (lucro). As vantagens do método são: Os itens usados são retirados do estoque e a baixa é dada nos controles de maneira lógica e sistemática; O resultado obtido espelha o custo real dos itens específicos usados nas saídas; O movimento estabelecido para os materiais, de forma contínua e ordenada, representa uma condição necessária para o perfeito controle dos materiais, especialmente quando estes estão sujeitos a deterioração, decomposição, mudança de qualidade, etc. Primeiro a entrar, primeiro a sair (PEPS). Último a entrar, primeiro a sair (UEPS) O UEPS (último a entrar, primeiro a sair) é um método de avaliar estoque muito discutido. O custo do estoque é determinado como se as unidades mais recentes adicionadas ao estoque (últimas a entrar) fossem as primeiras unidades vendidas (saídas) (primeiro a sair). Supõe-se, portanto, que o estoque final consiste nas unidades mais antigas e é avaliado ao custo destas unidades. Segue-se que, de acordo com o método UEPS, o custo dos itens vendidos/saídos tende a refletir o custo dos itens mais recentemente comprados (comprados ou produzidos, e assim, os preços mais recentes). Também permite reduzir os lucros líquidos relatados por uma importância que, se colocada à disposição dos acionistas, poderia prejudicar as operações futuras da empresa. O método UEPS não alcança a realização do objetivo básico, porque são debitados contra a receita os custos mais recentes de aquisições e não o custo total de reposição de todos os itens utilizados. As vantagens e desvantagens do método UEPS são: É uma forma de se custear os itens consumidos de maneira sistemática e realista; Nas indústrias sujeitas a flutuações de preços, o método tende a minimizar os lucros das operações; 13

14 Em períodos de alta de preços, os preços maiores das compras mais recentes são apropriados mais rapidamente às produções reduzindo o lucro; O argumento mais generalizado em favor do UEPS é o de que procura determinar se a empresa apurou, ou não, adequadamente, deus custos correntes em face da sua receita corrente. De acordo com o UEPS, o estoque é avaliado em termos do nível de preço da época, em que o UEPS foi introduzido. Outros Métodos Custo de mercado na data de entrega para consumo itens de estoque padronizados e comercializados em Bolsas de Mercadorias, tais como algodão, café, trigo cru, etc., são, às vezes, apropriados à produção pelo preço de cotação na Bolsa na data de entrega para consumo. Este procedimento substitui o custo de compra pelo custo de reposição e tem a virtude de apropriar os itens pelo custo corrente, que é, sem dúvida, mais significativo. Custo de mercado ou reposição através de um sistema pelo qual os ganhos ou perdas, na avaliação de estoques, sejam registrados separadamente dos lucros operacionais, a administração será informada sobre os efeitos da variação dos preços nos lucros da empresa e sobre o valor de mercado corrente, útil na área de planejamento e na de tomada de decisão. Um elemento-chave desse sistema é o valor de mercado (custo de reposição) dos itens de estoque. O objetivo principal do custo de reposição é determinar o custo de compra atual de um bem que pode estar no estoque há diversos meses, devendo prevalecer para fins de determinação inicial do preço de venda CONTROLE DE QUALIDADE Programa do 5 S De acordo com Vicente Falconi Campos (1992 p 173) O 5S é um programa para todas as pessoas da empresa, do presidente até os operadores. O programa deve ser liberado pela alta administração da empresa e é baseado em educação, treinamento e prática em grupo. Ferramenta de trabalho com os conceitos de qualidade que inicia com pequenas atitudes e que tem resultado rápido, fácil de aplicar e tem aceitação de todos os empregados. Por isto é utilizado em muitas empresas com muito êxito. Muitas empresas iniciam o processo de qualidade com certificação da ISO 9000 com a implantação dos 5 sensos: 1) Senso de utilização Seiri Descarte dos supérfluos, eliminar todas as coisas que não tem utilidade, vendendo, jogando fora, doando, etc. 2) Senso de ordenação Seiton Organização da empresa lugar certo para a coisa certa, evita acidente, rapidez na localização de objetos, é a arrumação de tudo. 3) Senso de Limpeza Seisou Ambiente limpo, seguro, sadio para todos 4) Senso de Saúde Seiketsu Manter todos empregados com a integridade física e mental, para isto programas de medicina no trabalho, combate a Lér, Aids, Cipas - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, Sipat Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho. Programas que tem adesão e comprometimento de todos na segurança, dentro e fora da empresa. 5) Senso de auto-disciplina Shitsuke Independência de cada colaborador em realizar os sensos individualmente, sabendo diferenciar o certo do errado, o justo do injusto, o companheirismo, a criatividade em participar e ajudar a empresa conseguir seus objetivos. 14

15 Programas de melhorias da qualidade: Motivação; Treinamento; Melhorias / métodos; Aplicações de técnicas; C.C.Q. (Circulo de Controle de Qualidade): Pequeno grupo p/ estudar, desenvolver e aplicar as normas; Programa Zero Defeito: Envolvimento; Reuniões; Atualizar os colaboradores (empregados); Detectar / analisar; Técnicas de C.Q. (Controle de Qualidade): Estatísticas; - Tipos de C.Q. (Controle de Qualidade): 100%; Amostra; O controle de qualidade Todo consumidor, ao adquirir o seu produto ou serviço, deseja duas coisas: - Qualidade do produto/serviço - satisfaça as suas expectativas quanto a durabilidade, eficiência. - Preço - seja o menor possível. O controle de qualidade facilita você prever e eliminar os defeitos. Tem como benefício: aumento do prestígio de sua empresa no mercado, redução de seus custos de retrabalho (fabricar outro) e reprodução da devolução de peças com defeito. De acordo com Antonio Robles Jr (1.996, p.101) As premissas estratégicas para a utilização plena do Sistema de Custos da Qualidade são três: 1) para cada falha, sempre haverá uma causa, 2) as causas são evitáveis e 3) a prevenção sempre é mais barata ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Materiais necessários, na hora certa, no dia certo, na quantidade certa. Utilizam os conceitos básicos em: Administração de Materiais: é o planejamento e controle de materiais, das compras, recepção, transporte, estocagem, movimentação; é a administração dos fluxos dos materiais. Classificamos em cinco etapas. - 1ª Etapa - em matéria-prima / insumos básicos p/ produção; - 2ª Etapa - materiais em processamento processo produtivo; - 3ª Etapa - materiais semi-acabados (produtos parcialmente acabados); - 4ª Etapa - materiais acabados prontos p/ anexar (falta embalar, agregar valor); - 5ª Etapa - produtos acabados prontos para consumo; Conceito de Suprimento: aquisição e movimentação de materiais a disposição é a programação das necessidades para suprir, fornecer os produtos p/ o processo produtivo. Conceito de Compras: é a localização dos fornecedores, aquisição e pagamento de acordo com as necessidades. O ciclo de compra é: - Análise das ordens de compra; - Localização e seleção dos fornecedores; - Negociação com o fornecedor; - Acompanhamento e recebimento dos materiais; Funções e importância do responsável pela compra Por ser uma atividade responsável pela maior fatia do Capital de Giro de uma empresa, comprar bem é tão importante quanto produzir e vender. As funções são: 15

16 - Conhecer o mercado - Conhecer o nível de estoque - Manter atualizado o cadastro de fornecedores - Estar em sintonia com as áreas de produção, vendas e finanças da empresa. Preços pesquise, compare e negocie sempre para reduzir os custos dos produtos, ter um bom preço para o cliente e vender com certa margem de lucro. Qualidade conheça as exigências de seus clientes e compare o que melhor se adapte a eles; procure melhorar os produtos, evite desperdícios; conferir os produtos nos detalhes e especificações;. Quantidade Conheça os estoques mínimos e máximos, compre mais vezes em menos quantidade, evite ao máximo estoques. Prazo de pagamento o prazo de pagamento deverá ser superior ao giro dos estoques e maior que o prazo de recebimento das vendas. Seleção de fornecedores tenha no seu fornecedor um parceiro, onde atende os requisitos de prazo, valor, confiabilidade e qualidade. Conceito de Logística: coordena a estocagem, o transporte, o inventário das informações e entrega de produtos acabados. O ciclo da administração de materiais é ilustrado abaixo ADM MATERIAIS LOGÍSTICA (DISTRIBUIÇÃO) ANÁLISE ARMAZENAGEM RECEBIMENTO REPOSIÇÃO DOS MATERIAIS Fig 4.1 Petrônio G Martins e Fernando P. Laugeni - Administração de produção A necessidade do cliente deverá ser analisado e atendido pelo estoque existente ou pela reposição da compra. O recebimento e armazenamento deverá estar sendo conferido e controlado pela área responsável, observando a qualidade. A distribuição dos materiais deverá ser considerada os seguintes fatores: local, prazo, custo, em condições de qualidade SEGURANÇA NO TRABALHO A prevenção de acidentes, cujo objetivo principal é resguardar a vida e saúde do homem, deve ser preocupação não só do empresário, mas de todos na empresa. É preciso identificar as situações de riscos de acidentes (atos e ambientes inseguros). Implantando programas de caça aos riscos, com bonificações, prêmios. Cumprir e fazer cumprir as exigências de segurança estabelecida nas normas. 16

17 4 - LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA COMO FERRAMENTA COMPETITIVA O meio empresarial está vivenciando uma fase em que a competitividade esta cada vez mais acirrada nos diversos segmentos de mercado, isto devido a globalização econômica que tem se acompanhado. Neste ambiente as empresas têm buscado alternativas para manter sua competitividade através de dois tipos básicos de vantagem competitiva: menor custo e diferenciação nos serviços. Portanto, não basta às empresas tentarem se sustentar apenas na marca de seu produto, a qualidade também é um ponto muito importante. Qualidade entendida não apenas do produto, mas qualidade também no nível de serviço oferecido aos clientes, isto faz com que surja canais alternativos tal como a logística com o intuito de auxiliar a empresa tornar-se competitiva. Para que a logística possa obter êxito é necessário considerar um fator muito importante que é a capacitação e o treinamento. Deve haver a capacitação de profissionais nesta área para que estes possam desenvolver e aplicar programas de treinamento aos funcionários destas empresas. Mas, para alcançar o objetivo proposto, é necessário haver o comprometimento e a conscientização por parte das pessoas envolvidas no processo. No que se trata de pesquisas e publicações científicas, encontram-se vários estudos que tratam de problemas logísticos funcionais, como roteirização e dimensionamento de frota de veículos, localização, dimensionamento e layout de armazéns, seleção de fornecedores etc. Em contra partida são escassos estudos direcionados à integração das atividades logísticas na empresa, à quantificação e definição do nível de serviços aos clientes, transportadores e à integração de todos estes fatores dentro da cadeia logística. Em outras palavras, a execução das atividades relativas à movimentação de materiais e ao fluxo de informações, é feita de forma segmentada. Este enfoque fracionado incutido nas empresas traz algumas conseqüências nocivas: Ciclos logísticos de maior duração. Custos logísticos elevados. Nível de serviço ao cliente aquém do desejado. Aliado ao tratamento fracionado dado às atividades logísticas, deve-se destacar a falta de profissionais que dominem e possuam habilidades para planejar, executar e analisar todas as atividades de forma integrada. A logística busca o elo de ligação entre o mercado e a atividade operacional da empresa, estendendose sobre toda a organização desde a aquisição da matéria-prima até a distribuição do produto ao seu cliente. O eficiente gerenciamento da cadeia logística pode ser alcançado através da logística integrada, a qual consiste no reagrupamento das atividades logísticas em um único processo, onde se busca a máxima coordenação entre as atividades logísticas, desde a entrada da matéria-prima, produção até a entrega do produto acabado O AMBIENTE EMPRESARIAL As empresas desenvolvem suas atividades no meio de um macroambiente com a qual elas interagem, o qual condiciona de forma considerável seu funcionamento. O êxito destas empresas dependerá da sua capacidade em encontrar um ponto de equilíbrio dinâmico e permanente. O ambiente não permanece estático ele está em constante mutação de época para época. Se fosse estabelecida uma comparação com um processo hidrodinâmico para caracterizar o macroambiente, poderia se distinguir uma mudança de caráter laminar e outra de turbulento (quadro 1). 17

18 Características Ritmo da mudança Laminar Turbulento Demanda Crescente e sustentada Variável e restrita Custos materiais Baixos Altos Custos financeiros Baixos Altos Previsões Confiáveis Pouco confiáveis Modelo empresarial Produtividade Competitividade Culto à Quantidade Culto do serviço ao cliente Quadro 1 Macroambiente Empresarial O primeiro caso consiste em um tipo de mudança em que as trajetórias do que está em movimento se mantêm estáveis com o decorrer do tempo. As previsões são confiáveis, a demanda é sustentada e o foco passa a ser o volume. No segundo tipo de mudança, de caráter turbulento, as trajetórias das mudanças não se mantêm estáveis. A demanda é variável, as previsões tornam-se pouco confiáveis e, por isso, a necessidade de realizar mais previsões, já que é essencial antecipar-se às mudanças que irão ocorrer para poder reagir com maior rapidez. Estas características da mudança do macroambiente condicionam a forma de gerenciar as empresas. Para que uma empresa possa sobreviver em um ambiente turbulento, precisa oferecer resultados em quantidade, variedade, qualidade, preços, prazos compatíveis com as necessidades e expectativas dos clientes (fig. 1). Nesse contexto, a logística pode tornar-se um diferencial competitivo para a empresa. Inputs Sistema Produtivo Outputs Quantidade Preços Variedade Fig. 1 Modelo de competitividade Para atingir esses resultados a empresa sofre pressões do ambiente externo com a qual ela mantem interrelação, como: políticas do governo, infra-estrutura, religioso, cultural, ecológico, jurídico, sanitário, financeiro EVOLUÇÃO DA LOGÍSTICA Ela é uma atividade muito antiga, porém experimentou uma grande evolução principalmente nas últimas décadas, como exemplos têm a II Guerra Mundial e mais recentemente na Guerra do Golfo em A evolução da logística pode ser dividida em três períodos distintos: 18

19 1) Antes de 1950 Diferentes áreas eram responsáveis pelas atividades logísticas. Transporte era responsabilidade da gerência de produção Estoque era responsabilidade de marketing, finanças ou produção. Processamento de pedido era responsabilidade finanças ou produção. 2) Entre Ambiente propício para as novidades na área administrativa ocasionando uma decolagem tanto a nível prático como teórico. Ênfase na importância da distribuição física por parte de professores e estudiosos americanos. Mudanças na distribuição física - entregas mais rápidas e minimização de custo de estocagem. Adoção de modelos matemáticos e programação linear, teoria de controle de estoques e simulação para solucionar problemas logísticos. 3) Entre Os princípios básicos amplamente estabelecidos começam a proporcionar benefícios as empresas. Preocupação na geração de lucros e não no controle de custos. Competição mundial dos bens manufaturados, a falta de matérias-primas, elevação do preço do petróleo e aumento da inflação, filosofia direcionada a gestão dos suprimentos em vez do estímulo à demanda. O tratamento das atividades logísticas nas empresas pode ser classificado em várias fases, de acordo com o grau de inter-relação existente entre os diversos agentes da cadeia. Esse relacionamento inicia-se na fase em que a empresa trata os problemas logísticos somente em sua óptica interna, passa em seguida pelos primeiros rumos à integração empresa-cliente, progride posteriormente em direção ao tratamento integrado empresas-fornecedores e atinge a fase da logística integrada FLUXOS LOGÍSTICOS Os fluxos logísticos podem ser definidos como o mapeamento de todo o processo de atendimento ao cliente, através de um fluxograma. O processo de atendimento ao cliente vai desde a emissão do pedido, administração de vendas, PCP, suprimento, fabricação, armazenagem até a distribuição física. A redução do lead-time deste processo trás benefícios e um melhor serviço, proporcionando assim uma real vantagem competitiva. São três os fluxos logísticos: Fluxo material - é o mapeamento através de fluxograma, de como fluem as matérias-primas, produtos em processo e produtos acabados pelas diversas áreas por onde passam. Fluxo de Informações - são todas as informações adjuntas ao fluxo material e onde são processadas, também descritas por meio de fluxograma. O fluxo informativo é que comanda o Fluxo Material. Fluxo financeiro - também descrito em um fluxograma, demonstra como são feitos os pagamentos e cobranças que possibilitam a movimentação fluxo material CONCEITUAÇÃO DE LOGÍSTICA O termo logística origina-se no verbo loger que significa alojar. Adotada como estratégia militar, era responsável pelo: planejamento, transporte, armazenamento e abastecimento das tropas no campo de batalha. Logística pode ser conceituada como sendo a atividade responsável pela aquisição, movimentação, armazenamento, produção e distribuição de produtos até o seu cliente final, através dos fluxos que os coloca em movimento. De acordo a maior organização profissional de logística no mundo The Council of Logistic Management dos Estados Unidos, logística é o processo de planejar, implementar e controlar o fluxo e armazenagem eficiente e efetivo de matérias-primas, estoques em processo, produtos finais, serviços e a 19

20 correspondente informação desde o ponto de origem até o ponto de consumo, incluindo movimentos de entrada de saída, internos e externos, para os propósitos e tendo em conta os requerimentos dos cliente. A logística empresarial estuda como a administração pode prover melhor nível de rentabilidade nos serviços de distribuição aos clientes e consumidores, por meio de planejamento, organização e controles efetivos para as atividades de movimentação e armazenagem que visam facilitar o fluxo de produtos. A logística, portanto, engloba desde a cadeia de suprimentos (supply chain) até a distribuição física, procurando administrar eficientemente o fluxo material, financeiro e de informações que os coloca em movimento. A missão do profissional da área de logística, é portanto, colocar os bens e serviços certos, no lugar certo, na hora certa, na quantidade certa e nas condições desejadas, ao menor custo. A logística empresarial pode ser representada pela seguinte relação: Logística empresarial = suprimento físico + logística de produção + distribuição física A logística está presente nos diversos tipos de empresa e para cada o desenho esta tem funções distintas. Empresas transformadoras de matéria-prima em insumos para outras indústrias - dedicam especial atenção à Logística de suprimento, pois é nessa fase de seu sistema industrial que se concentram os maiores problemas. A distribuição de seus produtos é uma operação relativamente mais simples, pois são adquiridos em quantidades maiores, entregues em menor número de destinos. Empresas atacadistas se caracteriza pelo fato de que os produtos são idênticos aos insumos, uma vez que não há fabricação, mas apenas comercialização em larga escala. Empresas transportadoras possui semelhanças com os atacadistas. Recebem mercadorias diversas numa ponta, e as transportam para destinos diversos. O tempo de armazenagem é mínimo, apenas durante o curto período necessário para efetuar a triagem e o despacho. Certas empresas se especializam em carga fracionada ou parcelada. Nesse caso, o processo de coleta e distribuição adquire aspecto distinto em termos de frota (tipo de veículo), roteiros, operações nos depósitos. Empresas varejistas se caracterizam por receber mercadorias concentrada em grandes lotes, proveniente diretamente das indústrias ou de atacadistas, e distribuição pulverizada, atendendo aos inúmeros clientes que adquirem os produtos nas suas lojas. O processo de distribuição de produtos aos clientes é bastante complexo porque, muitas vezes, envolve veículos especiais, problemas de roteirização, etc., além de excessivo número de itens para processar, documentar e coordenar. Banco apesar da automação bancária, a maior parte das transações implica na emissão de documentos. O próprio cheque, quando é depositado numa conta corrente, deve chegar à agência do emitente para conferir assinatura, etc. Dessa forma, a operação bancária exige, com muita freqüência, o transporte de documentos que deve atender as restrições rígidas de temo (os cheques, compensados de uma agência devem chegar com tempo suficiente para serem verificados e retornados à compensação no caso de não terem fundos, quando a assinatura não confere, etc.). Em Logística, tanto o suprimento quanto a distribuição são igualmente importantes. A maior ênfase num ou noutro dependerá das características de cada empresa. A logística para alcançar seus objetivos desempenha atividades primárias e de apoio. 20

21 ATIVIDADES PRIMÁRIAS As atividades primárias são essências para a coordenação e realização da tarefa logística: Transportes: É a atividade logística mais importante, pois nenhuma empresa moderna pode operar sem movimentar suas matérias-primas ou produtos. Encontra problemas financeiros quando há a ocorrência de greves e aumento no preço dos combustíveis, ocasionando atrasos na entrega e deterioração dos produtos. Adiciona valor de lugar ao produto. Existem vários modais utilizados para movimentar produtos, tais como: rodoviário, ferroviário e aeroviário. Envolve decisões quanto a escolha de modal, roteirização e utilização da capacidade do veículo. Manutenção de estoques: Agem como amortecedores entre oferta e demanda. Agrega valor de tempo ao produto. Produtos mais próximos aos consumidores e/ou fábricas. Manutenção de baixos estoques provendo disponibilidade de produtos aos clientes. Processamento de pedidos: Elemento crítico em termos de tempo necessário para levar bens e serviços aos clientes. Refere-se a coleta, verificação e transmissão de informações sobre vendas. Atividade que inicializa a movimentação de produto e entrega de serviços. Este conjunto de atividades formam o ciclo crítico de atividades logísticas, conforme exposto na figura abaixo. CLIENTE PROCESSAMENTO DOS PEDIDOS DOS CLIENTES (TRANSMISSÃO) TRANSPORTE MANUTENÇÃO DE ESTOQUE Fig. 4 Relação entre as atividades logísticas primárias para atender clientes Ciclo Crítico ATIVIDADES DE APOIO As atividades primárias necessitam de uma série de atividades adicionais que lhes dão apoio. As atividades de apoio são: Armazenagem: administração do espaço necessário para manutenção de estoques. Localização, dimensão da área, layout, recuperação do estoque, projeto de docas ou baias de atracação e configuração do armazém. 21

22 Manuseio de materiais: é uma atividade relacionada a armazenagem. Refere-se à movimentação do produto no armazém. São problemas importantes: seleção do equipamento de movimentação, procedimentos para formação de pedidos e balanceamento da carga de trabalho (formação de pedidos). Embalagem de proteção: a embalagem de proteção do produto tem o objetivo de garantir a movimentação sem quebras, além do que também propiciam o manuseio e armazenagem de forma eficiente. Obtenção: Trata do fluxo de entrada (suprimento). Refere-se a seleção das fontes de suprimentos, quantidades a serem adquiridas, programação de compras e a forma pela qual o produto é comprado. Programação do produto: A programação trata do fluxo de saída (distribuição). Que quantidades devem ser produzidas e quando e onde devem ser fabricadas. Manutenção de informação: essências para o correto planejamento e controle logístico. Fornece informações importantes sobre custo e desempenho. Nível De Serviço Fig. 5 Relações entre as atividades logísticas primárias e de apoio e o nível de serviço planejado A LOGÍSTICA COMO SISTEMA ENFOQUE SISTÊMICO DE LOGÍSTICA Sistema pode ser definido como um conjunto de partes coordenadas que interagem entre si para realizar um conjunto de finalidades. Na logística, o enfoque sistêmico é vital. Os setores que se inter-relacionam dentro de uma empresa, quando um problema logístico surge, são vários e possuem visões diferentes: marketing, produção, comercialização, transporte, finanças etc. Portanto, os conceitos de Teoria de Sistemas constituem uma das bases fundamentais da Logística Aplicada. 22

23 A EMPRESA LOGÍSTICA PRODUÇÃO Atividades típicas: Controle de qualidade Planejamento detalhado Manuseio interno Manutenção de equipamento Atividades de interface: Programaçã o de produção Localização industrial Compras Atividades típicas: Manutenção de estoques Processamento de pedidos Armazenagem Manuseio de Materiais Atividades de interface: Padrões de níveis de serviço Formação de preço Embalagem Localização de depósitos MARKETING Atividades típicas: Promoção/ propaganda Pesquisa de mercado Administraçã o da força de vendas Interface Produção/logística Interface Marketing/logística Fig. 6 Visão geral das atividades logísticas dentro das atividades tradicionais da empresa. Segundo o enfoque sistêmico é muito importante a identificação com clareza das relações de causa e efeito entre os elementos que constituem o sistema. A logística numa visão moderna procura rearranjar as atividades existentes na firma de modo que o gerenciamento seja facilitado. Na fig. 6 a logística ocupa posição intermediária entre produção e marketing, ela procura criar atividades de interface que facilitem a otimização entre os elementos que formam o sistema. Exemplo: a formação de preços ou embalagens são exemplos de atividades administradas conjuntamente por logística e marketing. A formação de preço tem componentes tanto geográficos como competitivos. Já compras e programação de produção são exemplos de áreas de interface entre logística e produção. A produção deve adquirir bens a custo e qualidade aceitáveis, enquanto a logística se preocupa com a localização das fontes de suprimentos e os tempos para abastecimento. O setor de compras toma estas decisões. A programação da produção toma decisões similares. Ela se interessa pela seqüência e tamanho dos lotes de produção a serem fabricados, enquanto a logística novamente se preocupa com a localização e os tempos da produção. Os sistemas apresentam diversas características dentre as quais podem ser destacadas sete. O sistema é formado por componentes que interagem. Os sistemas, sejam eles mais ou menos complexos, são formados por componentes que se interrelacionam entre si e com o meio ambiente. Os componentes que formam parte de um sistema seus subsistemas não são apenas colocados juntos, numa simples justaposição de elementos um ao lado do outro. Ao contrário, quanto mais complexo o sistema, maior a interação entre eles: o funcionamento de um deles resulta, quase sempre, na participação orquestrada dos demais, ou de boa parte deles. Quando o sistema está otimizado, os componentes também o estão. 23

24 Não se pode analisar de modo isolado cada componente do sistema e otimizá-lo separadamente, como se os outros componentes e o conjunto não existissem. Isso levaria a resultados errôneos e sem conseqüências práticas. Para se chegar a sistemas bem projetados, é necessário que seus subsistemas também estejam otimizados, porém não de forma autônoma, e sim considerando as inter-relações entre eles. Todo sistema tem pelo menos um objetivo. Os sistemas de alguma forma têm um ou mais objetivos bem definidos, pois o homem, antes de mais nada, precisa definir claramente o que ele pretende com a sua criação. No que se refere aos problemas logísticos, a definição dos objetivos, geralmente implica na compatibilização de metas conflitantes entre diversos setores, como por exemplo : venda x produção. A avaliação do desempenho de um sistema exige medida(s) de rendimento. As medidas de rendimentos são úteis para nos indicar em que estágio estamos no processo evolutivo, ou se já alcançamos nosso objetivo. Como medidas de rendimento temos: nível de serviço, produtividade, qualidade, eficácia, eficiência, etc.. Sistemas criados pelos homens requerem planejamento. Como a aplicação do enfoque sistêmico não é fácil, deve ser desenvolvido um planejamento, seguindo as seguintes etapas: 1. Identificar claramente os componentes (subsistemas), formando uma estrutura adequada à análise. 2. Considerar cada componente como um sistema. 3. Estabelecer com clareza o objetivo pretendido. 4. Estabelecer as medidas de rendimento do sistema e definir as variáveis que irão representá-las. 5. Criar alternativas viáveis, envolvendo processos e/ou tecnologias diferentes e cobrindo uma gama ampla de rendimento. 6. Analisar as implicações de cada alternativa em cada um dos componentes (subsistemas). 7. Otimizar os subsistemas de forma integrada. 8. Calcular o rendimento e o custo, para cada alternativa, de cada componente ou subsistema. 9. Integrar os subsistemas de cada uma das alternativas de forma a gerar soluções consistentes para o sistema. 10. Avaliar as alternativas por meio da relação custo/benefício, custo/nível de rendimento ou outra metodologia de avaliação econômica. 11. A manutenção do nível de desempenho requer controle permanente. Não basta planejar e implantar bem um sistema. Para garantir seu bom funcionamento sem perder o seu objetivo e nível de serviço é necessário estabelecer formas de controle. Para se efetuar o controle, há a necessidade de garantir os objetivos pretendidos, não se pode deixar os objetivos mudarem conforme as circunstâncias vão se apresentando. Deve-se atuar sobre as variáveis que influem no rendimento, nos custos e na interação do sistema com o ambiente externo. Em termos práticos são estabelecidos controle de qualidade, controle de custos, controle dos prazos de entrega, controle jurídico. Estes controles servirão como feedback (retroalimentação) no sistema, o quais permitem que se façam correções de rumo, de forma a garantir os objetivos desejados. Interação do sistema com o ambiente. Tudo aquilo em que o responsável pelo sistema (gerente) não pode interferir, faz parte do ambiente (mundo externo). O ambiente limita o desenvolvimento livre de um determinado sistema por meio de restrições, normas, premissas etc. Há restrições reais e fictícias, sendo que as fictícias muito perigosas pois impedem muitas vezes a evolução e o progresso. O homem sistêmico, trabalhando na área de logística, deve sempre 24

25 considerar as restrições externas como fictícias, enquanto estivem no papel, na cabeça ou na boca dos outros. Esta postura, de supor fictícia até que se prove em contrário é saudável. As pressões contrárias que se seguirão, devidamente discutidas e esplanadas, fazem com que o responsável pelo sistema perceba com segurança as fronteiras do possível, encontrando os verdadeiros limites das restrições NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO O nível de serviço logístico é a qualidade com que o fluxo de bens e serviços é gerenciado. De acordo com especialistas, o nível de serviço refere-se especificamente à cadeia de atividades que atendem as vendas, em geral inicia na recepção do pedido e termina na entrega do produto ao cliente, sendo que em alguns casos, continua com serviços ou manutenção do equipamento ou outros tipos de apoio técnico. O nível de serviço está composto dos seguintes fatores: prazo de entrega, avarias na carga, extravios e reclamações diversas, sendo que cada um destes fatores pode ser medido através de um indicador. Há três grupos que estão ligados diretamente ao controle da logística os quais são classificados de acordo com a venda do produto. Estes são: Elementos de pré-transação: refere-se a políticas ou programas adotados pela empresa (por escrito) para a realização de um serviço. Elementos de transação: são elementos que estão diretamente relacionados aos resultados obtidos com a entrega do produto ao cliente. Elementos de pós-transação: correspondem aos serviços realizados após a entrega do produto que se encontra em uso pelo cliente A reunião de todos estes elementos forma o nível de serviço, e os clientes reagem a todo este conjunto. Se uma empresa não oferecer um bom nível de serviço ao seu cliente, provavelmente perderá uma grande fatia do mercado. A figura 7 representa os elementos do nível de serviço. NÍVEL DE SERVIÇOS ELEMENTOS DE PRÉ-TRANSAÇÃO ELEMENTOS DE TRANSAÇÃO ELEMENTOS DE PÓS- Política posta por escrito Política nas mãos do cliente Estrutura organizacional Flexibilidade do sistema Serviços Técnicos Nível de estoque Habilidade no trato de atrasos Elementos do ciclo de pedido Tempo Transbordo Precisão Conveniência do pedido Substitubilidade do produto TRANSAÇÃO Instalação, garantias, reparos, peças de reposição Rastreamento do produto Queixas e reclamações dos clientes Embalagem Reposição Fig. 7 Elementos do nível de serviço logístico. temporária do 25

26 Um fator muito importante a ser observado é que a medida que a empresa aumenta o seu nível de serviço o seu custo logístico também tende a aumentar, pois parte-se do pressuposto que melhores níveis de serviços custam mais caros, figura 8. Portanto, deve-se estabelecer patamares de nível de serviço que suportem o serviço logístico, identificando-se quais os elementos que determinam o serviço e estabelecer medidas que permitam a administração e planejamento deste serviço. A partir de pesquisas e teorias disponíveis, foi comprovado que as vendas tender a aumentar ser o serviço for melhorado além daquele oferecido por fornecedores concorrentes. Nota-se na figura 8 que a curva tem três estágios distintos: limiar, retornos decrescentes e declínio. Cada estágio mostra que melhorias no nível de serviço não trazem os mesmos ganhos de vendas. LIMIAR RETORNOS DECRESCENTES DECLÍNI Nível de serviço da distribuição física aumenta (relativo ao melhor nível de serviço da competição) Fig. 8 Relação geral entre nível de serviço da distribuição física e vendas CUSTOS LOGÍSTICOS O gerenciamento, controle e minimização dos custos logísticos têm se mostrado cada vez mais necessário se a empresa quiser competir no mercado. Um dos grandes desafios da logística está no gerenciamento do binômio custo/nível de serviço. Isto se deve ao fato de que os clientes têm exigido diariamente melhores níveis de serviço, entretanto sem querer pagar a mais por isso. Assim o fator preço tem sido o ponto mais importante em relação ao nível de serviço o qual é considerado como fator secundário, além de que este deve ser capaz de agregar valor aos seus clientes. Os seguintes serviços de acordo com a necessidades e características de cada cliente podem agregar valor: a) Redução no prazo de entrega de um produto. b) Disponibilidade de produtos. c) Confiabilidade na entrega (tempo, n.º de entrega). d) Entrega do pedido na hora certa. e) Maior facilidade de colocação do pedido. 26

27 Para atenderem a todas estas exigências e manterem-se competitivas no mercado as empresas têm segmentado seus canais de distribuição e atendimento. Os principais custos logísticos são: a) Transporte: roteirização, frota própria ou de terceiros, número e capacidade de veículos e modo de transporte. b) Armazenagem e movimentação: número de armazéns, localização, tamanho, mecanização e automação próprios e ou de terceiros. c) Processamento de pedidos: automação, informação. d) Estocagem: estoque básico, estoque de segurança, freqüência de compras, tamanho do pedido. e) Custo de produção: programação da produção. f) Serviço ao cliente: custo da venda perdida. Assim, a administração integrada de custos logísticos pressupõe trade-offs, ou seja, custos individuais não otimizados para permitir a redução do Custo Total LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS SISTEMA LOGÍSTICO DE SUPRIMENTOS (ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS) A logística de suprimento se refere a relação fornecedor-empresa. Os suprimentos são o primeiro passo na cadeia logística e também a maior distância até o consumidor, por isso é a mais afetada pelas variações do mercado e o mais difícil de sincronizar com a demanda dos consumidores. Suprimentos são a fonte de todas as matérias-primas, embalagens, componentes e outros insumos para preencher as necessidades de conversão da logística de produção. Trata do fluxo de produtos para a firma ao invés de a partir dela. Muitas atividades de administração de materiais são compartilhadas com a distribuição física. Para reduzir os tempos de fornecimento de materiais, receber produtos de melhor qualidade, reduzir os estoques tanto na empresa quanto no fornecedor, ter produtos disponíveis sempre que necessário, planejar de forma precisa a produção, é vital integrar os processos da empresa com os fornecedores e estabelecer relações estreitas e duradouras. A logística de suprimentos é um subsistema dentro da indústria e seus principais componentes são: a) Aquisição da matéria-prima no seu ponto de origem e preparo da mesma para o transporte. b) Deslocamento da matéria-prima desde a jazida até o local de manufatura, que corresponde ao transporte da mesma. c) Estocagem da matéria-prima na fábrica, aguardando que os produtos sejam manufaturados. As atividades identificadas no canal de suprimento podem ser consideradas fundamentais para a administração de materiais, pois elas afetam principalmente a economia e a eficácia do movimento de materiais. As tarefas mais importantes são: Inicialização e transmissão das ordens (pedidos) de compras, Transporte dos carregamentos até o local da fábrica. Manutenção dos estoques na planta.. Dentre os problemas encontrados na logística de suprimentos podem ser citados a diversificação da aquisição de matéria-prima. Muitas vezes não é ideal para a indústria ter apenas um fornecedor, por questões estratégicas. 27

28 Compras Colocação do pedido Seleção fontes de suprimento: Prazo, preço, qualidade Acompanhar pedidos Preparação da ordem de entrega CIF FOB Recepção e inspeção Estoque Produção Estoque Revenda. Fig Descrição do canal de suprimento físico OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS A importância da boa administração de materiais pode ser mais bem apreciada quando os bens necessários não estão disponíveis no momento correto para atender as necessidades de produção ou operação. Boa administração significa coordenar a movimentação de suprimentos com as exigências de operação. Ou seja, o objetivo da administração de materiais é prover o material certo, no local certo, no instante correto, em condição utilizável ao menor custo possível. A administração de materiais atende a poucos clientes sendo que as vezes um único, enquanto que a distribuição física atende a muitos. O cliente da administração de materiais é o sistema de operações. Existem duas maneiras de providenciar os suprimentos: Suprimentos para produção. Suprimentos para estoque. Suprimento para Estoque Estoques agem como amortecedores entre suprimento e demanda ou, neste caso, entre suprimento e necessidade de produção. São benéficos ao sistema de suprimento porque garantem: Maior disponibilidade de componentes para a produção. Diminuem o tempo para manter a disponibilidade desejada. Podem reduzir custos de transporte. Para item ser mantido economicamente em estoque, ao invés de ser comprado sob encomenda, deve geralmente seguir as seguintes características: Ser comprado em quantidades maiores ou iguais a um lote mínimo. A tabela de preços do fornecedor deve ter desconto por volume. 28

29 Ser de valor relativamente baixo. Ser econômico comprá-lo juntamente com outros itens. Poder ser usado numa larga variedade de modelos ou produtos. Ter tabelas de fretes ou requisitos de manuseio que facilitem a compra em grandes lotes. Ter algo grau de incerteza na entrega ou na continuidade do suprimento. Suprimento para a produção Manter em estoque todo material necessário para a produção pode ser ineficiente. Se em algum dos materiais tiver alto valor individual e puder ser utilizado apenas num número limitado de modelo e produtos, encomendá-lo diretamente para atender às necessidades de produção torna-se o modo mais econômico de realizar seu suprimento. Estes materiais fluem em quantidades pequenas comparadas com os volumes daqueles comprados para estoques e precisam de maior atenção por parte da administração, como aumentar comunicações ou acelerar os pedidos. A idéia de puxar peças, materiais e subconjuntos através do canal de suprimento à medida que haja necessidade operacional, é comum em empresas industriais. Um nome freqüentemente utilizado para esta técnica é planejamento ou cálculo de necessidades. Escolha de Fornecedores Para se realizar a escolha de seus fornecedores é necessário estabelecer um banco de dados de fornecedores de classe mundial. Para estabelecer este banco de dados podem ser utilizadas as seguintes fontes: consultoria de especialistas nos diversos ramos de indústria, federações de indústria, órgãos de classe, câmaras de comércio dos diversos países, consulados, referências de outras empresas etc. Uma equipe composta de membros de diversas áreas da empresa (suprimentos, engenharia, planejamento, custos e logística) vai definir a lista final de fornecedores de classe mundial, sejam eles locais ou do exterior. Eles serão selecionados segundo critérios estabelecidos pela equipe. Os critérios são: Preço, prazo, quantidade e qualidade. Localização geográfica (próxima ao mercado) Garantia e assistência técnica. Um método adotado para a seleção do fornecedor é a medição do desempenho. De acordo com Ching, estabelece-se pesos para cada critério a ser analisado variando de acordo com o grau de importância do item conforme as características de cada empresa. O resultado é uma média ponderada. O resultado dessa avaliação vai mostrar se o fornecedor está em condições de seguir fornecendo o material ou se deve ser rejeitado e descontinua seu fornecimento. A título de exemplo, imaginemos que uma empresa tenha escolhido os seguintes critérios e aplicado os respectivos pesos para cada um deles: Qualidade: peso 3; Prazo de entrega: peso 3; Quantidade: peso 2; Preço: peso 2; Total: peso 10. Ao final de um período de tempo, o desempenho do fornecedor foi mensurado da seguinte maneira: Qualidade : 98% de lotes aprovados x peso 3 = 2,94; Prazo de entrega: 95% de lotes entregues na hora certa x peso 3 = 2,85; Quantidade: 100% lotes entregues na quantidade certa x peso 2 = 2,00; Preço: 95% das vezes competitivo x peso 2 = 1,90; Total: 9,69. 29

30 A tabela de graduação dos resultados dessa empresa mostra o seguinte: Resultado de 0 a 7 - reprovado Resultado de 7,1 a 8 - aprovado Resultado de 8,1 a 9 - qualificado Resultado de 9,1 a 10 - certificado Este fornecedor, portanto, pelos resultados obtidos, teria condições de seguir fornecendo material para a empresa. Produto Logístico Uma empresa pode oferecer dois tipos básicos de produto: bens ou serviços. O produto serviço é composto de intangíveis como: conveniência, distinção e qualidade. Se o produto oferecido for um bem físico, ele tem atributos físicos, tais como: peso, volume, forma os quais têm influência no custo logístico. Os produtos podem ser classificados em bens de consumo e bens industriais. Os bens de consumo são dirigidos aos consumidores finais e estes podem ser: de conveniência, de comparação e de uso especial. Os bens industriais são dirigidos a indivíduos ou organizações que os utilizam para produzir outros produtos ou serviços. Os bens industriais podem ser: matérias-primas, edifícios, equipamentos, material de escritório ou serviços administrativos. Outro fator muito importante a ser considerado é o ciclo de vida do produto (fig. 11) que passa por quatro estágios: introdução, crescimento, maturidade e declínio. A cada fase haverá uma estratégia de distribuição distinta, e isto deve ser acompanhado e ajustado com máxima eficiência. Tempo Fig Curva do ciclo de vida do produto. O conhecimento do ciclo de vida permite: antecipar as necessidades de distribuição e o planejamento com maior brevidade possível. São características do produto, que influenciam a estratégia de distribuição os seguintes atributos: a) Peso-volume (densidade). Este atributo está diretamente relacionado aos custos de transporte e armazenagem. Para produtos densos os custos de armazenagem e transporte tendem a serem baixos, enquanto que, para produtos pouco densos a capacidade volumétrica do modal de transporte é preenchida antes de seus limites de carregamento em peso ser atingido. Ex.: pisos cerâmicos. b) Relação valor-peso. O valor do produto que está sendo movimentado e estocado é um fator muito importante para o desenvolvimento de uma estratégia logística. Custos de estoques são particularmente susceptíveis ao valor. Quando expressamos o valor com relação ao peso, algumas compensações óbvias de custos emergem e auxiliam a planejar o sistema logístico. 30

31 c) Substitubilidade. um produto é substituível quando o comprador não percebe muita diferença entre o produto de uma empresa e de seus concorrentes, caso do commodities. A logística não tem controle sobre a substitubilidade do produto e trata esta situação como vendas perdidas, através de alternativas como: transporte, estocagem ou ambas. d) Características de riscos (periculosidade). são consideradas características de risco: valor, perecibilidade, flamabilidade, tendência à explosão e facilidade de roubo. Tanto os custos de transporte como de estoque são maiores em termos tanto absolutos como em termos de porcentagem do preço de venda, conforme pode se observa na fig. 15. Estas características implicam em várias restrições ao sistema de distribuição. Embalagem do produto Elemento que protege o que vende, além de vender o que protege. A embalagem tem por objetivo oferecer aos produtores uma forma que garanta sua integridade, facilite a armazenagem e manuseio, ao menor custo possível. O embalamento do produto pode ter os seguintes objetivos: a) Facilitar o manuseio e armazenagem. b) Promover melhor utilização do equipamento de transporte. c) Proteger o produto. d) Promover a venda do produto. e) Alterar a densidade do produto. f) Facilitar uso do produto. g) Prover valor de reutilização para o consumidor. Nem todos estes objetivos podem ser atingidos mediante a administração logística, porém alterações na densidade do produto e em sua embalagem protetora pode fazer diferença. O custo da embalagem pode ser compensado em forma de fretes, custos de estoques menores e menor número de quebras DISTRIBUIÇÃO FÍSICA DE PRODUTOS O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO FÍSICA A distribuição física torna-se cada vez mais importante na solução de problemas logísticos, é o ramo da logística que trata da movimentação, estocagem e processamento de pedidos dos produtos finais da firma. Hoje as empresas têm buscado trabalhar com uma menor quantidade de produtos em estoque visando à diminuição no custo de armazenagem procurando agilizar o manuseio, transporte e distribuição de seus produtos. No caso brasileiro é comum encontrar problemas mais ou menos sérios na distribuição física de produtos. Este problemas envolvem desde o planejamento (frota, depósitos, coleta, transferência, distribuição, etc.) e projetos dos sistemas até sua operação e controle CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Existem basicamente dois tipos de mercados: a) Usuários finais: são aqueles que usam o produto para satisfazer suas necessidades ou para criar novos produtos. 31

32 b) Usuários intermediários: não consomem o produto, revendem-no para outros consumidores finais. Ex.: distribuidores, varejistas e usuários finais. As cadeias de distribuições são canais através dos quais os produtos chegam ao mercado de consumo, e podem ser: Fábrica - consumidor. Fábrica centro de distribuição consumidor. Fábrica atacado - consumidor. Fábrica varejista consumidor. Fábrica atacadista varejista consumidor. Fábrica centro de distribuição atacadista varejista consumidor. Fábrica operador logístico consumidor. Fábrica operador logístico atacadista varejista consumidor. Venda por catálogo ou correspondência ESCOLHA DO CANAL DE DISTRIBUIÇÃO Ao escolher a forma de distribuição a ser utilizada deve-se considerar: 1) Qual serviço de transporte deve ser utilizado para movimentar os produtos a partir da fábrica? E a partir do armazém? 2) Quais procedimentos de controles a serem utilizados para os itens de inventário. 3) Localização dos depósitos, suas dimensões e quantidades. 4) Quais arranjos para comunicação de pedidos devem existir? E quantas pós-pedido são necessárias? 5) Qual nível de serviço deve ser providenciado para cada item de produto? Estas e outras questões devem ser respondidas antes do sistema estar funcionando eficientemente ADMINISTRAÇÃO EM TRÊS NÍVEIS A administração da distribuição física é desenvolvida em três níveis: 1. Estratégico: Como deve ser o nosso sistema de distribuição? É o desenho do sistema de distribuição em termos mais gerais. Responsabilidade da alta administração. 2. Tático: Como o sistema pode ser utilizado da melhor maneira possível? É como utilizar os recursos através do planejamento a curto prazo. Responsabilidade da média gerência. 3. Operacional: Vamos fazer as mercadorias sair. Refere-se as operações tarefas diárias que o gerente de distribuição e funcionários devem desempenhar para garantir que os produtos fluam através do canal de distribuição até o último cliente. Para lidar com o problemas existentes na distribuição física é necessária a compreensão de três conceitos básicos. Responsabilidade pessoal de supervisão. 4.8 O CICLO DE PEDIDO O ciclo de pedido é o tempo transcorrido entre a colocação de pedido do cliente até a sua entrega. Cada evento do ciclo requer um intervalo de tempo para seu término. A soma dos tempos individuais representa o tempo total para o cliente receber seu pedido. Os elementos individuais do ciclo de pedido são controlados pelo pessoal de logística através de escolha e projeto dos métodos de transmissão das ordens, dos níveis de estoque, dos procedimentos de processamento de pedidos e dos modos de entrega. Como estes são diretamente controlados pelos profissional de logística e como o tempo de ciclo é 32

33 medido pelo cliente, eles devem ser considerados fundamentais para estabelecer e controlar o nível de serviço logístico. Outros fatores como freqüência de visitas de vendedores, restrições de tamanho de lote, condições de compra e habilidade para consolidação de pedidos, também podem ser importantes na consideração do nível de serviço, além do ciclo de pedido. ARMAZÉM Processamento e montagem do pedido Pedido do cliente Transmissão do pedido Transmissão dos itens em falta CLIENTE Varejista Distribuidor Entrega Entrega dos itens faltantes Tempo total do ciclo de pedido FÁBRICA Processamento e montagem do pedido a partir do estoque ou produção caso não haja estoque Transmissão do pedido Processamento e Montagem do pedido Tempo para aquisição de estoque Tempo de Entrega a. Consolidação do pedido b. Transmissão do pedido ao depósito a. Preparação do manifesto b. Liberação do crédito c. Montagem do pedido no depósito a. Se item em falta, tempo adicional para conseguir estoque da a.tempo de entrega a partir do depósito. b. Tempo de entrega a partir da fábrica. c. Processamento da entrega no cliente O SUBSISTEMA ARMAZÉM Os depósitos e armazéns são importantes, devido ser difícil realizar uma previsão de demanda que seja precisa. Eles funcionam como um ponto de transição de um fluxo para outro, da manufatura a transferência, ou transferência a distribuição física. O armazém é visto como uma componente do sistema logístico global. É o local onde se realizam as atividades de apoio da logística. Ele é formado pelos seguintes componentes: 33

APOSTILA DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS E MANUFATURAS

APOSTILA DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS E MANUFATURAS APOSTILA DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS E MANUFATURAS 1 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Na pré história já acontecia a industrialização quando o homem polia a pedra para transformá-la

Leia mais

1 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

1 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO 1 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Na pré história já acontecia a industrialização quando o homem polia a pedra para transformá-la em ferramentas. O artesão foi o primeiro a produzir organizadamente.

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

Palavras-chave: estoques, gestão de estoques, sistemas, controle.

Palavras-chave: estoques, gestão de estoques, sistemas, controle. 1 GESTÃO DE ESTOQUES Sylvia Andreza de Souza Cerqueira 1 RESUMO Neste artigo comenta-se a gestão de estoques que é considerada um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS.

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. Marcelo ARAUJO (1); Luís Felipe SANTOS (2); Diego SOUSA (3); Wemerton Luis EVANGELISTA (4). 1Graduando do Curso Superior Tecnológico em

Leia mais

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação Benefícios! Quais são? Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação de condições e atos inseguros

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

ROTEIRO DE LEVANTAMENTO DE DADOS E INFORMAÇÕES PARA UM DIAGNÓSTICO INTEGRADO DE PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

ROTEIRO DE LEVANTAMENTO DE DADOS E INFORMAÇÕES PARA UM DIAGNÓSTICO INTEGRADO DE PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Recursos Materiais e Patrimoniais

Recursos Materiais e Patrimoniais Recursos Materiais e Patrimoniais Professor conteudista: Jean Carlos Cavaleiro Sumário Recursos Materiais e Patrimoniais Unidade I 1 OS RECURSOS...2 1.1 Administração de materiais...6 1.1.1 Medida de desempenho...6

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Administração de Recursos e Administração de Recursos e Objetivo Discutir o conceito da administração de recursos materiais e sua relação

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento Completem o DHF Melhoria Continua e Teste As Organizações como Sistemas Abertos As organizações estão em um constante estado de fluxo. AMBIENTE Estagio de

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO Cap. I INTRODUÇÃO O planejamento depende da empresa ou organização. Para falarmos de PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO, precisamos entender a e a ADMINISTRAÇÃO OU GESTÃO DA PRODUÇÃO. Nota:

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 17//2010 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais QUESTÕES DE CONCURSOS Acerca de planejamento e controle da produção, e gestão da cadeia de suprimentos, julgue os seguintes itens. 01. A importância do planejamento da produção decorre principalmente da

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

AUTOR(ES): CRISTIANE LEONCIO DE MELO, GISLAINE APARECIDA PAULINO ADRIANO, NATALIA ANGUINONI DA SILVA

AUTOR(ES): CRISTIANE LEONCIO DE MELO, GISLAINE APARECIDA PAULINO ADRIANO, NATALIA ANGUINONI DA SILVA TÍTULO: SISTEMA DE INVENTARIO NA AREA DE TRABALHO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): CRISTIANE LEONCIO DE MELO,

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Faculdade de Tecnologia de Pompéia LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Concepção de logística Agrupar conjuntamente as atividades relacionadas ao fluxo de produtos e serviços para administrá-las de forma coletiva.

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza Aula Anterior: Cadastramento de Materiais CADASTRAMENTO DE MATERIAIS O QUE É??? O CADASTRAMENTO DE MATERIAIS

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Administração de Materiais

Administração de Materiais Administração de Materiais vanessa2010.araujo@gmail.com EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO Subsistemas Adm. Materiais 1) (CESPE-SGA/AC 2008) A Administração de materiais busca coordenar os estoques e a movimentação

Leia mais

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Logística Empresarial Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Atividades chave da Logística Padrões de serviço ao cliente (c/ marketing): Determinar as necessidades/desejos

Leia mais

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho Sistemas de Produção Administração de Compras José Roberto de Barros Filho Compras e o Planejamento e Controle da Produção Planejamento da Produção nos 3 níveis Planejamento Estratégico da Produção Departamento

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO BOLSAS E ACESSÓRIOS

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO BOLSAS E ACESSÓRIOS OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO BOLSAS E ACESSÓRIOS 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

PROJETO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS NA MATA ATLÂNTICA. OFICINA Gestão do Negócio, Qualidade do Produto e Serviço, Formatação de Preço

PROJETO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS NA MATA ATLÂNTICA. OFICINA Gestão do Negócio, Qualidade do Produto e Serviço, Formatação de Preço PROJETO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS NA MATA ATLÂNTICA OFICINA Gestão do Negócio, Qualidade do Produto e Serviço, Formatação de Preço Realização: Programa Mercado Mata Atlântica RBMA Instituto Amigos da Reserva

Leia mais

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas.

Gestão Empresarial para Logística, com duração de 220 horas. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO O presente curso é composto de quatro módulos, a saber: MÓDULO I MÓDULO II MÓDULO III MÓDULO IV Gestão de Pessoas para Logística, com duração de 220 horas. Gestão Empresarial

Leia mais

Administração de Materiais e Logística

Administração de Materiais e Logística Administração de Materiais e Logística Com abordagem a Supply Chain Scorecard Prof. Me Clesio L. Landini Jr. - 2012 - Dedicatória Aos meus alunos, a mola propulsora para a realização desta obra; Aos meus

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI A) Área de Administração Geral ÁREAS E ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO O estagiário desta área de interesse deverá participar de atividades essenciais de uma empresa, tais como: marketing, produção,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

07/02/2015 1901-1972 BIBLIOGRAFIA BÁSICA

07/02/2015 1901-1972 BIBLIOGRAFIA BÁSICA EMENTA Ementa: Conceitos e estrutura da administração de produção. Sistemas de produção. Planejamento e controle da produção. Desenvolvimento de novos produtos. Técnicas modernas de administração de produção.

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

PRODUTEC INTEGRAÇÃO INTELIGENTE

PRODUTEC INTEGRAÇÃO INTELIGENTE PRODUTEC INTEGRAÇÃO INTELIGENTE Com duas décadas e meia no mercado, a garantia de excelência e segurança são marcas registradas dos produtos e serviços Produtec. Direcionados à gestão empresarial, as soluções

Leia mais

Aplicando lean em indústrias de processo

Aplicando lean em indústrias de processo Aplicando lean em indústrias de processo Alexandre Cardoso* Os setores de alimentos, químico, farmacêutico e de cosméticos, que na sua essência são indústrias de processo, têm obtido sucesso na aplicação

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2005/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Professor Márcio Micheli. Administração de Recursos Materiais. Questões CESPE

Professor Márcio Micheli. Administração de Recursos Materiais. Questões CESPE 1. A ocorrência de custos de armazenagem depende da existência de materiais em estoque e do tempo de permanência desses materiais no estoque. 2. Materiais que requerem cuidados especiais na armazenagem

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

CAMINHADA PARA A EXCELÊNCIA

CAMINHADA PARA A EXCELÊNCIA CAMINHADA PARA A EXCELÊNCIA 1ª FASE ENTENDENDO O SEU TRABALHO 2ª FASE ARRUMANDO A CASA 3ª FASE AJUSTANDO A MÁQUINA 4ª FASE CAMINHANDO PARA O FUTURO ENTENDA O SEU TRABALHO ARRUME A CASA PADRONIZE ELIMINE

Leia mais

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu.

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PREVISÃO DE ESTOQUES NO CONTROLE E PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA EM UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE FRANGOS DE CORTE: UM ESTUDO DE CASO BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais