Plano Agrícola e Pecuário, safra 2015/16 Medidas anunciadas em 02 de junho de 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Agrícola e Pecuário, safra 2015/16 Medidas anunciadas em 02 de junho de 2015"

Transcrição

1 1. Introdução O Crédito Rural abrange recursos destinados a custeio, investimento ou comercialização. As suas regras, finalidades e condições estão estabelecidas no Manual de Crédito Rural (MCR), elaborado pelo Banco Central do Brasil. Essas normas são seguidas por todos os agentes que compõem o Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR), como bancos e cooperativas de crédito. Os créditos de custeio ficam disponíveis quando os recursos se destinam a cobrir despesas habituais dos ciclos produtivos, da compra de insumos à fase de colheita. Já os créditos de investimento são aplicados em bens ou serviços duráveis, cujos benefícios repercutem durante muitos anos. Por fim, os créditos de comercialização asseguram ao produtor rural e a suas cooperativas os recursos necessários à adoção de mecanismos que garantam o abastecimento e levem o armazenamento da colheita nos períodos de queda de preços. O produtor pode pleitear as três modalidades de crédito rural como pessoa física ou jurídica. As cooperativas rurais são também beneficiárias naturais do sistema. O recurso é tomado diretamente nos bancos ou por meio das cooperativas de crédito. A oferta de linhas de créditos para investimentos conta com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e dos Fundos Constitucionais de Financiamento do Centro Oeste, e Nordeste, conhecidos, respectivamente como FCO, FNO e FNE. As medidas anunciadas em 02/06 foram aguardadas com muita expectativa, muito em função das novas diretrizes de políticas públicas vinculadas sobretudo as medidas relativas ao ajuste fiscal. Nas linhas abaixo, segue o resumo das principais medidas. 2. Montante de recursos agricultura comercial (médios e grandes produtores) Aumento de 20,2% no montante total de recursos de crédito rural para a safra 2015/16, passando para R$187,7 bilhões, comparado com a safra 2014/15, quando foram disponibilizados R$156,1 bilhões, conforme descrito no Quadro 01. Destaque para acréscimos de 9,8% no volume de recursos de custeio e comercialização a juros controlados. Em relação aos recursos a juros livres o aumento se deu acima de dois dígitos, em aproximadamente 130,4%. Em relação aos recursos relativos a investimentos houve decréscimo de 13,4%.

2 Quadro 01. Resumo dos recursos de crédito rural para a agricultura comercial, por safras e variação (safras 2013/14, 2015/16 e 2014/15). Finalidades Safra 2013/14 Safra 2014/15 Safra 2015/16 Variação bilhões bilhões bilhões 15/16 14/15 Custeio e comercialização 97,2 112,0 149,5 33,5% juros controlados 82,2 87,9 96,5 9,8% juros livres 15,0 23,0 53,0 130,4% Investimento 38,4 44,1 38,2 13,4% Total 136,0 156,1 187,7 20,2% 3. Montante de recursos agricultura comercial (apenas médios produtores Pronamp) O montante de recursos aumentou de R$16,9 para R$18,9 bilhões, o que representa um acréscimo de 11,8%. Destaque para aumento dos limites de custeio em 7,6%, passando de R$660 mil para R$710 mil. As taxas de juros aumentaram significativamente de 40% (custeio) e 36,3% (investimento). A partir da safra 2015/16 serão de 7,75% e 7,5%, respectivamente. Quadro 02. Resumo do Programa de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), por safras e variação (safras 2013/14, 2015/16 e 2014/15). Especificação Safra 2013/14 Safra 2014/15 Safra 2015/16 Variação 15/16 14/15 Montante de recursos 13,2 bilhões 16,90 bilhões 18,90 bilhões 11,8% Renda bruta anual mil mil mil Limite de crédito para custeio 600 mil 660 mil 710 mil 7,6% Limite de crédito para investimento 350 mil 400 mil 385 mil 3,8% Taxa de juros 4,50% 5,50% 7,75% (custeio) 40% (custeio) 7,5% (investimento) 36,3% (investimento)

3 4. Juros 4.1. Custeio As taxas de juros do crédito rural custeio para a safra 2015/16 ficaram mais caras em relação a safra 2014/15, passando de 6,5% na atual safra para 8,75%, aumentando assim 2,25% em valores absolutos. Importante destacar que a Selic também aumentou aproximadamente 2,25%, saindo de 11% (maio/2014) para 13,25% (maio/2015). Comparativamente, em valores relativos, a variação foi maior no aumento das taxas de custeio do que a variação da Selic, em aproximadamente 34,6%. Quadro 03. Resumo das taxas de juros para a agricultura comercial, safras 2013/14, 2015/16 e 2014/15. Programas Safra 2013/14 Safra 2014/15 Safra 2015/16 Variação 15/16 14/15 Crédito de custeio e comercialização agricultura comercial 5,50% 6,50% 8,75% 34,6% Programa de apoio ao médio produtor (Pronamp) 4,50% 5,50% 7,75% (custeio) 40% (custeio) 7,5% (investimento) 36,3% (investimento) Interessante ressaltar que o impacto na elevação das taxas de juros (2,25%) nos programas de custeio e comercialização dos recursos controlados de R$96,5 bilhões (safra 2015/16) é de R$2,17 bilhões, ou seja, este é o aumento dos custos real relativos a elevação da taxa para contratação dos recursos pelos produtores e suas cooperativas por 01 ano Investimentos Foram várias as alterações, especialmente nas taxas de juros e volume de recursos programados dos programas de investimentos coordenados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), ao amparo de recursos equalizados pelo Tesouro Nacional (TN) ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Listamse a seguir, as principais alterações nos programas cujas cooperativas são beneficiárias. 1. Ampliação das taxas de juros e redução dos volumes programados do Pronamp, ABC, Procapagro (integralização e giro), Prodecoop, PCA, PSI cerealistas, Inovagro, Moderagro e Moderinfra (agricultura irrigada).

4 Quadro 04. Recursos programados, limite por beneficiário, prazo de reembolso, carência e comparativo dos recursos programados e taxas, por safras 2014/15 e 2015/16. Recursos Recursos Variação Limite/ Limite/ Programa Programados Programados 15/16 14/15 beneficiário beneficiário 2014/15 (bilhões) 2015/16 (bilhões) 2014/ /16 Pronamp 6,3 5,3 17% 385 milhões 385 milhões ABC (produtores Pronamp e demais) 4,5 3,0 33% 2 milhões 2 milhões Procapagro (integralização) 0,5 0,3 32% 50 mil 50 mil Procapagro (capital de giro) 2,6 1,7 35% 60 milhões até 20 milhões de 20 milhões a 60 milhões Prodecoop 2,1 1,6 24% 100 milhões 100 milhões PCA 3,5 2,0 43% Moderfrota/PSI Rural 8,0 10,0 25% PSI cerealistas 1,0 0,4 60% Inovagro 1,7 1,4 18% 1 milhão 1 milhão Moderagro 550,0 400,0 27% 800 mil 800 mil Moderinfra (agricultura irrigada) 300,0 290,0 3% 2 milhões 2 milhões Moderinfra (modern. refor. armazéns) 250,0 Prorenova (rural e industrial) 3,0 1,5 50%... continuação Quadro 04. Recursos programados, limite por beneficiário, prazo de reembolso, carência e comparativo dos recursos programados e taxas, por safras 2014/15 e 2015/16. Prazo Carência Taxa Taxa Variação Programa 2015/ / / /16 15/16 14/15 Pronamp 12 anos 2 anos 5,50% 7,50% 36,4% ABC (produtores Pronamp e demais) 15 anos 3 anos 4,5%/5% 7,5%/8% 67%/60% Procapagro (integralização) 6 anos 2 anos 6,50% 7,50% 15,4% Procapagro (capital de giro) 2 anos 6 meses 7,50% 8,75% 10,50% 16,7%/40% Prodecoop 12 anos 3 anos 6,50% 8,75% 34,6% PCA 15 anos 3 anos 4% 7,50% 87,5% Moderfrota/PSI Rural 8 anos/10 anos 2 anos 4,5%/6% 7,5%/7,0% até 90 milhões de RBA 9,0%/9,5% acima de 90 milhões de RBA PSI cerealistas 15 anos 3 anos 5% 9,0% até 90 milhões de RBA 10,0% acima de 90 milhões de RBA Inovagro 10 anos 3 anos 4% 7,50% 87,5% Moderagro 10 anos 3 anos 6,5% 8,75% 34,6% Moderinfra (agricultura irrigada) 12 anos 3 anos 4% 8,75%/7,5% 118,8%/87,5% Moderinfra (modern. refor. armazéns) 6,5% Prorenova (rural e industrial) 6 anos 18 meses TJLP + 2,7% TJLP + 2,7%

5 Abaixo, inserese breve resumo sobre a alteração dos programas cujas cooperativas são beneficiárias. O montante de recursos ofertados para programas de investimento na safra 2015/16 é de R$ 38,2 bilhões, o que representa uma redução de 13% em relação a 2014/ PRODECOOP Montante de recursos: R$ 1,6 bilhão Taxa de juros: 8,75% a.a. Limite de crédito: Limite de financiamento de R$ 100 milhões, quando o investimento for realizado no estado de origem da cooperativa, podendo ser elevado para até R$ 150 milhões, quando os recursos adicionais forem destinados a empreendimentos da própria cooperativa em outras unidades da federação, ou a empreendimentos realizados no âmbito de cooperativa central. Prazo: até 12 anos, com 3 anos de carência. Considerando a elevação da taxa de 6,5% ao ano para 8,75% ao ano, o aumento dos custos para cooperativas agropecuárias provenientes da elevação da taxa de 1,25% atingiria valores aproximados de R$288 milhões. 2. PROCAP AGRO Montante de recursos: R$ 1,99 bilhão 2.1. Modalidade integralização de cotas partes. Montante de recursos: R$ 340,00 milhões. Limite de crédito: R$ 50,00 milhões. Juros: 7,5 % a.a. Prazo: até 6 anos, incluídos até 2 anos de carência Modalidade capital de giro Montante de recursos: R$ 1,65 bilhão. Limite de crédito: R$ 60,00 milhões. Juros: de 8,75% a.a (até R$ 20 milhões) e 10,5% a.a. (entre R$ 20 e 60 milhões). Prazo: até 2 anos, incluídos até 6 meses de carência.

6 Considerando que todos os investimentos fossem contratados com a taxa de 8,75% ao ano, o aumento dos custos para cooperativas agropecuárias provenientes da elevação da taxa de 1,25% atingiria valores aproximados de R$42,5 milhões. Em se considerando as contratações a taxa de 10,5% ao ano, o aumento dos custos provenientes da elevação da taxa de 3% atingiria valores aproximados de R$102 milhões. 3. PCA Montante de Recursos: R$ 2 bilhões. Encargos financeiros: taxa efetiva de juros de 7,5 % a.a. Prazo de reembolso: até 15 anos, com até 3 anos de carência. Considerando a elevação da taxa de 4% ao ano para 7,5% ao ano, o aumento dos custos para cooperativas agropecuárias provenientes da elevação da taxa de 3,5% atingiria valores aproximados de R$665 milhões, o maior comparativamente aos outros programas analisados. Quadro 05. Impactos na elevação das taxas de juros Principais programas de investimentos para cooperativas agropecuárias. Volume de recursos Valor do custo Valor do custo Safra 2014/15 Safra 2015/16 programado 2015/16 da taxa de juros da taxa de juros Diferenciais de taxas 1 Programas Taxa de juros Taxa de juros R$ Safra 2014/15 R$ Safra 2015/16 R$ R$ Procapagro giro 7,50% 10,50% Prodecoop 6,50% 8,75% PCA 4,00% 7,50% Aumento nos custos financeiros, provenientes da elevação das taxas de juros para cooperativas agropecuárias ao longo dos prazos de reembolso. 5. Seguro Rural No seguro rural o governo disponibilizou R$668 milhões para subvenção do prêmio para o ano de O governo sinaliza alterações para fazer zoneamento agrícola mais compatível com a realidade dos cultivos agrícolas. Uma novidade é o estímulo às negociações de grupos de produtores com seguradoras. O

7 plano prevê a padronização das apólices de seguro, estabelecendo um nível mínimo de cobertura de 60% da produtividade. Também, criouse um Sistema Integrado de Informações (SIS Rural) para dar suporte ao seguro. Quadro 05. Programação dos recursos para o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR), por safras. Programa Safra 2013/14 Safra 2014/15 Safra 2015/16 Variação 15/16 14/15 Programa de Subenção ao Seguro Rural (PSR) 700 milhões 700 milhões 668 milhões 4,6% 6. Análise dos pontos positivos: 1. Aumento do volume global de recursos em 20%, para R$ 187,7 bilhões. 2. Aumento no volume dos recursos a juros controlados em 9,8%. 3. Aumento do limite de crédito para custeio agrícola por tomador, de R$ 1,1 milhão para 1,2 milhão e para comercialização agrícola, de R$ 2,2 milhões para R$ 2,4 milhões. 4. Aumento do volume de recursos para os médios produtores para R$ 18,9 bilhões, ou 17% a mais que no ciclo anterior. 5. Anúncio de um planejamento estratégico para a agricultura brasileira. 7. Análise dos pontos negativos: 1. Aumento geral nas taxas de juros para custeio, comercialização e investimentos em média de 35%, apesar da conjuntura macroeconômica atual, especialmente pelas proposições relativas ao ajuste fiscal, foram consideradas compreensíveis, haja vista o aumento médio da Selic no período analisado, base maio de 2015/maio Redução do montante de recursos para investimentos em 13%, sinalização não muito bem vista pelo setor produtivo, uma vez que os recursos de investimento são considerados linha nobre por serem estruturantes, com reflexos multiplicadores sobre a performance produtiva no médio e longo prazos.

8 3. Aumento do montante de recursos para custeio e comercialização com taxas de juros livres, o que significam custos financeiros mais onerosos. 4. Redução dos recursos e aumento das taxas de juros do PCA foi a medida de maior impacto, ou seja, foram os maiores cortes nos volumes programados e as maiores elevações em termos de taxas de juros, ainda sim permanecem menores do que as taxas de custeio e de alguns programas de investimento. 5. Postergação na divulgação dos preços mínimos de garantia, fundamentais para orientação e planejamento dos produtores rurais e suas cooperativas. 6. As proposições de políticas do Sistema Cooperativista em relação ao précusteio, custeio beneficiamento e industrialização, ajustes nas normas dos programas com recursos do BNDES não foram mencionadas e serão devidamente tratadas e monitoradas pela OCB junto ao Executivo ao longo deste ano safra.

Mais de R$ 180 bilhões em crédito para

Mais de R$ 180 bilhões em crédito para Plano Agrícola e Pecuário 2015/2016 Mais de R$ 180 bilhões em crédito para o produtor rural O Brasil investe mais no campo para avançar na produção de alimentos. O Governo Federal e o Ministério da Agricultura,

Leia mais

RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.866, DE 7 DE JUNHO DE 2010 DOU 08.06.2010

RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.866, DE 7 DE JUNHO DE 2010 DOU 08.06.2010 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.866, DE 7 DE JUNHO DE 2010 DOU 08.06.2010 Dispõe sobre programas de investimento agropecuário amparados em recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Leia mais

PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO PAP 2015/16 ANÁLISE DAS MEDIDAS ANUNCIADAS EM 02 DE JUNHO DE 2015

PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO PAP 2015/16 ANÁLISE DAS MEDIDAS ANUNCIADAS EM 02 DE JUNHO DE 2015 PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO PAP 2015/16 ANÁLISE DAS MEDIDAS ANUNCIADAS EM 02 DE JUNHO DE 2015 I - Medidas Anunciadas 1. Montante de Recursos Aumento de 20,0% no total de recursos do crédito rural, passando

Leia mais

PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO PAP 2016/17 ANÁLISE DAS MEDIDAS ANUNCIADAS EM 04 DE MAIO DE 2016

PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO PAP 2016/17 ANÁLISE DAS MEDIDAS ANUNCIADAS EM 04 DE MAIO DE 2016 PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO PAP 2016/17 ANÁLISE DAS MEDIDAS ANUNCIADAS EM 04 DE MAIO DE 2016 I - Medidas Anunciadas 1. Montante de Recursos Aumento de 8% no total de recursos do crédito rural, passando para

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário, safra 2016/17 Medidas anunciadas em 04 de maio de 2016

Plano Agrícola e Pecuário, safra 2016/17 Medidas anunciadas em 04 de maio de 2016 O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) divulgou hoje (04/05), as novas regras de política agrícola para a safra 2016/17. Segue breve resumo das principais medidas: 1. Montante de

Leia mais

Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016

Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016 Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016 Introdução...4 O cooperativismo e a agricultura familiar... 5 Crédito Rural...8 Sugestões para aprimoramento das

Leia mais

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013 PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL novembro de 2013 EVOLUÇÃO DO FINANCIAMENTO RURAL 160,0 1200% 140,0 1100% 1000% 120,0 900% BILHÕES 100,0 80,0 60,0 40,0 424% 349% 800% 700% 600%

Leia mais

Crédito Agro Principais Linhas de Crédito. Fortaleza (CE), maio de 2014

Crédito Agro Principais Linhas de Crédito. Fortaleza (CE), maio de 2014 Crédito Agro Principais Linhas de Crédito Fortaleza (CE), maio de 2014 Agricultura Familiar Principais Linhas de Crédito Pronaf Custeio - Beneficiários: Agricultores familiares, exceto dos grupos A e B;

Leia mais

Análise Técnico-econômica

Análise Técnico-econômica Análise Técnico-econômica POLÍTICA AGRÍCOLA Curitiba, 07 de junho de 2017 Plano Agrícola e Pecuário 2017/2018 1234 Agricultura Comercial 1 Resumo No dia 07 de junho de 2017 foram anunciadas as medidas

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS

23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS 23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS Carteira de Crédito Sicredi Fevereiro/2013 Saldo da Carteira de Crédito do Sicredi Carteira de Crédito Sicredi R$ 10.310,12 56,13% R$ 4.563,96

Leia mais

Agência do Paraná. Prospecção a novos negócios Curitiba, Região Metropolitana e Litoral

Agência do Paraná. Prospecção a novos negócios Curitiba, Região Metropolitana e Litoral Agência do Paraná Prospecção a novos negócios Curitiba, Região Metropolitana e Litoral O BRDE Região de atuação: MS - PR - SC - RS Criado em 1961 pelos governos do PR, SC e RS Primeiro agente do BNDES

Leia mais

Diretoria de Agronegócios. Safra 2013/2014

Diretoria de Agronegócios. Safra 2013/2014 Diretoria de Agronegócios Safra 2013/2014 Agricultura Empresarial Custeio Custeio MCR 6.2 e MCR 6.4 Equalizado 1) Limite recursos controlados: R$ 800 mil, por beneficiário/safra, independentemente da cultura;

Leia mais

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015 Produtos, Serviços e Soluções Novembro de 2015 PRONAF AGROINDÚSTRIA Financiamento das necessidades de custeio do beneficiamento e industrialização da produção, da armazenagem e conservação de produtos

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Setembro de 2012 A política agrícola anunciada para a agricultura empresarial se caracterizou por assegurar o necessário apoio ao produtor rural.

Leia mais

Boletim Informativo - 18/09 - Edição: 17

Boletim Informativo - 18/09 - Edição: 17 Boletim Informativo - 18/09 - Edição: 17 Crédito para Implantação de uma suinocultura de Baixa Emissão decarbono Esta edição do boletim informativo da Suinocultura de Baixa Emissão de Carbono visa sanar

Leia mais

Financiamentos para o Agronegócio

Financiamentos para o Agronegócio Financiamentos para o Agronegócio Banco do Brasil Maior Parceiro do Agronegócio Carteira em Dez/2012 R$ 100 bilhões Banco do Brasil Sustentabilidade e Meio Ambiente Programa ABC Em Dezembro de 2012 R$

Leia mais

I - despesas de soca e ressoca de cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios parciais;

I - despesas de soca e ressoca de cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios parciais; RESOLUÇÃO Nº 4.226, DE 18 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre ajustes nas normas de financiamento de custeio, de investimento e de comercialização com recursos do crédito rural, a partir de 1º de julho de 2013.

Leia mais

O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário. dezembro de 2012

O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário. dezembro de 2012 O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário dezembro de 2012 Apoio ao setor rural Ministério da Agricultura Pecuária e Abatecimento - MAPA Programas Agropecuários do Governo Federal Operacionalizados pelo

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre a utilização de recursos das exigibilidades de aplicação em crédito rural oriundos da poupança rural e dos depósitos a vista para financiamentos destinados à liquidação de dívidas de produtores

Leia mais

Crédito do Pronaf em R$ bilhões

Crédito do Pronaf em R$ bilhões Crédito do Pronaf em R$ bilhões 23,9 (parcial até 30/06) Crédito na safra 2015/2016 - R$ 28,9 bilhões Recursos por fonte - safra 2015/2016 Fonte Projeção (em reais) % sobre o total Poupança rural Banco

Leia mais

Linhas de Financiamento

Linhas de Financiamento A história do cooperativismo no País está relacionada ao crescimento da agricultura brasileira. E o Banco do Brasil, como principal responsável pelo impulso do nosso agronegócio, é também o banco do cooperativismo.

Leia mais

BANCO DO BRASIL. Seminário de Sensibilização do Programa ABC

BANCO DO BRASIL. Seminário de Sensibilização do Programa ABC BANCO DO BRASIL Seminário de Sensibilização do Programa ABC LINHAS DE CRÉDITO Crédito Rural; Pronaf; Fundos Constitucionais. CRÉDITO RURAL Suprimento de recursos financeiros, disponibilizados por instituições

Leia mais

DERAL- Departamento de Economia Rural. ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA Política Agrícola Safra 2014/2015

DERAL- Departamento de Economia Rural. ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA Política Agrícola Safra 2014/2015 ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA Política Agrícola Safra 2014/2015 Novembro 2014 A política agrícola para a agricultura empresarial vem se caracterizando nos últimos anos por assegurar o necessário apoio

Leia mais

PLANO SAFRA DAS ÁGUAS 2010-2011

PLANO SAFRA DAS ÁGUAS 2010-2011 PLANO SAFRA DAS ÁGUAS 2010-2011 1 PLANO SAFRA DAS ÁGUAS - PESCA E AQUICULTURA BRASÍLIA-DF 2010 SUMÁRIO Pag. Apresentação...4 Novidades...5 Linhas de Crédito - Pronaf Pesca e Aquicultura...6 Linhas de Crédito

Leia mais

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados:

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados: RESOLUCAO 3.856 Dispõe sobre linhas de crédito destinadas aos financiamentos de custeio, colheita, estocagem de café e para Financiamento para Aquisição de Café (FAC), ao amparo de recursos do Fundo de

Leia mais

Cooperativismo Agropecuário

Cooperativismo Agropecuário Cooperativismo Agropecuário rio Camara Temática de Insumos Agropecuários Paulo Cesar Dias Junior Brasília, 25 de novembro de 2013 Sistema OCB. Você participa. Todos crescem. OCB: Atuação Representação

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

O Crédito e a. no BB

O Crédito e a. no BB O Crédito e a Sustentabilidade no BB O Crédito e a Sustentabilidade no BB Para efeito de concessão de crédito, os produtores são divididos da seguinte forma: Agricultura Familiar: Agricultores e Pecuaristas

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural

DERAL - Departamento de Economia Rural ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA POLÍTICA AGRÍCOLA - SAFRA 2015/16 A política agrícola para a agricultura empresarial vem se caracterizando nos últimos anos por assegurar o necessário apoio ao produtor

Leia mais

2. inadimplência na data de publicação desta Resolução, contratadas até 30 de junho de 2010;

2. inadimplência na data de publicação desta Resolução, contratadas até 30 de junho de 2010; RESOLUÇÃO Nº 4.028, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 Autoriza a composição de dívidas e a renegociação de operações de crédito rural, no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Leia mais

DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE.

DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE. PRODUTOR RURAL: fale com o gerente do seu banco e saiba como ter acesso aos créditos e benefícios do Plano Agrícola e Pecuário 2014/2015. DO OUTRO, O AGRONEGÓCIO PRODUZ UM PAÍS CADA VEZ MAIS FORTE. Para

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO CÂMARA SETORIAL DO ARROZ

CUSTOS DE PRODUÇÃO CÂMARA SETORIAL DO ARROZ CUSTOS DE PRODUÇÃO CÂMARA SETORIAL DO ARROZ Temas a serem tratados: Custos de Produção 2015 e Orçamentação para 2016 Proposta de Projeto de Lei com estabelecimentos de critérios em Lei; Mecanismos de Comercialização

Leia mais

Propostas IPA/FPA para o Plano-Safra 2015/2016

Propostas IPA/FPA para o Plano-Safra 2015/2016 Propostas IPA/FPA para o Plano-Safra 2015/2016 1. Crédito a Juros Controlados Elevar o volume de crédito rural (custeio, comercialização e investimento) para R$ 220 milhões, sendo R$ 190 milhões para a

Leia mais

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas)

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas) Informativo da Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Informativo N o 54 Maçã Ano 6 Vol. 54, março de 213 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Financiamento Agropecuário na Safra 2015/16. Relatório Julho 2015 a Março 2016 (01/04/2016)

Financiamento Agropecuário na Safra 2015/16. Relatório Julho 2015 a Março 2016 (01/04/2016) Financiamento Agropecuário na Safra 2015/16 Relatório Julho 2015 a Março 2016 (01/04/2016) Balanço dos Financiamentos no Plano Agrícola e Pecuário 2015/16 Finalidade (R$ milhões) jul/2013 - mar/2014 jul/2014

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL VOTOS APROVADOS NA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CMN 16/04/2009

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL VOTOS APROVADOS NA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CMN 16/04/2009 MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL VOTOS APROVADOS NA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CMN 16/04/2009 1 - PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA ESTOCAGEM DE ÁLCOOL ETÍLICO COMBUSTÍVEL

Leia mais

Programa ABC. Banco do Brasil Safra 2013/2014

Programa ABC. Banco do Brasil Safra 2013/2014 Programa ABC Banco do Brasil Safra 2013/2014 Balanço da Safra 2012/2013 Plano Safra 2012/2013 Crédito Rural - Desembolsos R$ 61,5 bilhões CRESCIMENTO de 28% em relação à safra anterior R$ 6,5 bilhões acima

Leia mais

Linhas de Investimento Baixa emissão de carbono

Linhas de Investimento Baixa emissão de carbono Linhas de Investimento Baixa emissão de carbono Suinocultura Leandro Capuzzo Gerente Regional de Assessoramento Técnico Engenheiro Agrônomo Pré-requisitos para o crédito Cadastro atualizado Documentos

Leia mais

Guia de. Financiamento Florestal. 2ª Edição

Guia de. Financiamento Florestal. 2ª Edição Guia de Financiamento Florestal 2011 2ª Edição Dilma Rousseff Presidenta da República Michel Temer Vice-Presidente da República Izabella Mônica Vieira Teixeira Ministra do Meio Ambiente Francisco Gaetani

Leia mais

Crédito Rural. Comissão de Agricultura e Reforma Agrária - CRA 10.06.2011

Crédito Rural. Comissão de Agricultura e Reforma Agrária - CRA 10.06.2011 Ciclo de Palestras e Debates Crédito Rural Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária - CRA 10.06.2011 CONTEXTUALIZAÇÃO FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO BNDES LINHAS DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO

Leia mais

POSSIBILIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A APICULTURA

POSSIBILIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A APICULTURA POSSIBILIDADES DE FINANCIAMENTO PARA A APICULTURA MECANISMOS DE POLÍTICAS DE CRÉDITO RURAL JOÃO CLAUDIO DA SILVA SOUZA SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Brasília, 27 de novembro de 2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

Cartilha Agronegócio Sustentável

Cartilha Agronegócio Sustentável Cartilha Agronegócio Sustentável Agronegócio Sustentável A melhor maneira de pensar o seu negócio OAgronegócio é uma atividade fundamental para a economia brasileira. Tem grande participação no PIB do

Leia mais

Linhas de Financiamento Belo Horizonte, MG - 26/06/2017

Linhas de Financiamento Belo Horizonte, MG - 26/06/2017 Linhas de Financiamento Belo Horizonte, MG - 26/06/2017 :: FINANCIAMENTOS RESPONSABILIDADES Esclarecimentos e orientação às empresas associadas e seus clientes sobre linhas de financiamento disponíveis

Leia mais

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA José Luiz Miranda 1 Desde o ano de 2014 o cenário de inflação tem se acentuado no país. Esse fato tem se tornado visível no dia a dia das pessoas em função

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre ajustes nas normas de de custeio, de investimento e de comercialização com recursos do crédito rural, a partir de 1º de julho de 2014. O Banco Central

Leia mais

FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE

FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE FCO FUNDO CONSTITUCIONAL DE FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE QUAIS SÃO AS PRIORIDADES DO FCO? O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado

Leia mais

BANCO DO BRASIL. Seminário Investimentos em Biodiesel. Diretoria de Agronegócios. Rio de Janeiro, 16 de março de 2006

BANCO DO BRASIL. Seminário Investimentos em Biodiesel. Diretoria de Agronegócios. Rio de Janeiro, 16 de março de 2006 Seminário Investimentos em Biodiesel Rio de Janeiro, 16 de março de 2006 BANCO DO BRASIL Painel: Linhas de Investimento e Custeio BB Biodiesel BB Biodiesel Finalidade Financiamento: acusteio; ainvestimento;

Leia mais

FRENTE PARLAMENTAR DA AGROPECUÁRIA Especial Lei. 11775 Renegociação das Dívidas Rurais

FRENTE PARLAMENTAR DA AGROPECUÁRIA Especial Lei. 11775 Renegociação das Dívidas Rurais LEI Nº 11.775, DE 17 DE SETEMBRO DE 2008. Institui medidas de estímulo à liquidação ou regularização de dívidas originárias de operações de crédito rural e de crédito fundiário; altera as Leis n os 11.322,

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 2 INTRODUÇÃO... 3 CRÉDITO RURAL...

APRESENTAÇÃO... 2 INTRODUÇÃO... 3 CRÉDITO RURAL... 0 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...2 INTRODUÇÃO...3 1 CRÉDITO RURAL...4 1.1 MONTANTE DE RECURSOS E TAXA DE JUROS...4 1.2 LINHAS DE CRÉDITO PARA INVESTIMENTO...5 1.2.1 PROGRAMA DE SUSTENTAÇÃO DO INVESTIMENTO PSI

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.775, DE 17 DE SETEMBRO DE 2008. Mensagem de veto Conversão da MPv nº 432, de 2008 Institui medidas de estímulo à liquidação

Leia mais

Serviço Florestal Brasileiro. Guia de Financiamento Florestal. Guia de. Financiamento Florestal. Brasília, maio de 2013

Serviço Florestal Brasileiro. Guia de Financiamento Florestal. Guia de. Financiamento Florestal. Brasília, maio de 2013 Guia de Financiamento Florestal 2013 Brasília, maio de 2013 1 Realização Apoio Presidenta da República Dilma Rousseff Vice-Presidente da República Michel Temer Ministra do Meio Ambiente Izabella Mônica

Leia mais

Superintendência Estadual de Mato Grosso

Superintendência Estadual de Mato Grosso Superintendência Estadual de Mato Grosso Programa ABC Conceito Crédito Fixo orientado com o objetivo de: - reduzir das emissões de Gases de Efeito Estufa; - reduzir o desmatamento; - aumentar a produção

Leia mais

Nº 3 - Junho 2011. 1) Introdução

Nº 3 - Junho 2011. 1) Introdução Nº 3 - Junho 2011 1) Introdução Criado pelo Governo Federal em 1996, o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) dispõe de Linhas de crédito, em condições mais favoráveis do

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

Coordenação Geral de Crédito

Coordenação Geral de Crédito Presidência da República Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca Subsecretaria de Planejamento de Aqüicultura e Pesca Coordenação Geral de Crédito Panorâmica de Crédito em CRÉDITO 05/05/08 - Linhas

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 31-CNA Brasília, 18 de setembro de 2006. Assunto: Redução das Taxas de Juros dos Fundos Constitucionais de Financiamento.

NOTA TÉCNICA Nº 31-CNA Brasília, 18 de setembro de 2006. Assunto: Redução das Taxas de Juros dos Fundos Constitucionais de Financiamento. NOTA TÉCNICA Nº 31-CNA Brasília, 18 de setembro de 2006. Técnicos: Luciano Marcos de Carvalho Rosemeire Cristina dos Santos Comissão: Crédito Rural Assunto: Redução das Taxas de Juros dos Fundos Constitucionais

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

O PAPEL DO ENGENHEIRO AGRÔNOMO NA FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O AGRONEGÓCIO

O PAPEL DO ENGENHEIRO AGRÔNOMO NA FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O AGRONEGÓCIO O PAPEL DO ENGENHEIRO AGRÔNOMO NA FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O AGRONEGÓCIO O que caracteriza as sociedades modernas e prósperas? CONHECIMENTO que determina... Produtos que sabemos produzir Produtos

Leia mais

PRONAF. Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf.

PRONAF. Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf. PRONAF Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf. A diversidade da Agricultura familiar B: 0.4 C: 0.7 D: 0.4 E: 0.1 Cobertura

Leia mais

Produto BNDES FINAME Programa BNDES de Financiamento à Aquisição de Veículos de Transporte Escolar - BNDES Pro escolar

Produto BNDES FINAME Programa BNDES de Financiamento à Aquisição de Veículos de Transporte Escolar - BNDES Pro escolar CIRCULARES Circular nº. 129/2009 de 30.12.09 Produto BNDES FINAME Programa BNDES de Financiamento à Aquisição de Veículos de Transporte Escolar - BNDES Pro escolar Circular nº. 128/2009 de 30.12.09 Produto

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TEMAS VOLUME DE RECURSOS Do aporte nacional, garantir para o RS no mínimo 20% (vinte por cento) dos recursos para financiamento agropecuário de forma oportuna, tempestiva e suficiente. Aumentar os limites

Leia mais

OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO

OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO Observatório de Políticas Públicas para a Agricultura nº42 - julho 2012 OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO Valdemar J. Wesz Junior* Catia Grisa** Na primeira semana

Leia mais

Programa 2014 Agropecuária Sustentável, Abastecimento e Comercialização

Programa 2014 Agropecuária Sustentável, Abastecimento e Comercialização 0299 - Equalização de Preços nas Aquisições do Governo Federal e na Formação de Estoques Reguladores e Estratégicos AGF 1. Descrição: O AGF (Aquisições do Governo Federal) é o instrumento tradicional da

Leia mais

23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS. Diretoria de Agronegócios (DF)

23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS. Diretoria de Agronegócios (DF) 23ª ABERTURA DA COLHEITA DO ARROZ Restinga Seca - RS 21-02-2013 Protagonista do Agronegócio Mundial Brasil Protagonista do Agronegócio Mundial População crescerá 2,15 bilhões de habitantes até 2050, elevando

Leia mais

I. Programa de Modernização da Frota de Tratores e Implementos Associados e Colheitadeiras MODERFROTA: Circular n 34, de 03.04.

I. Programa de Modernização da Frota de Tratores e Implementos Associados e Colheitadeiras MODERFROTA: Circular n 34, de 03.04. CIRCULAR N 61/2009 Rio de Janeiro, 10 de junho de 2009. Ass: Programas Agropecuários coordenados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA e operacionalizados com recursos administrados

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

Negócios com Cooperados Portal de Crédito, Esteira BB e BB Convir

Negócios com Cooperados Portal de Crédito, Esteira BB e BB Convir Novembro de 2015 Sumá 2 Gerência de Negócios com Cooperativas Carteira de Crédito Agro BB Evolução do Crédito Cooperativas Desembolso de Crédito Cooperativas Participação do BB no Crédito Agro Cooperativas

Leia mais

Produtos do BNDES para o Desenvolvimento da Aquicultura Brasileira

Produtos do BNDES para o Desenvolvimento da Aquicultura Brasileira Produtos do BNDES para o Desenvolvimento da Aquicultura Brasileira Luiza Sidonio Outubro/2013 Produtos do BNDES Apoio ao pequeno produtor: Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 24 DE JANEIRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 24 DE JANEIRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 24 DE JANEIRO DE ) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações com ou

Leia mais

Lançamento do Plano Safra 2012/2013 Banco do Brasil

Lançamento do Plano Safra 2012/2013 Banco do Brasil Lançamento do Plano Safra 2012/2013 Banco do Brasil Plano Safra 2011/2012 Volume de crédito rural desembolsado R$ 2.965,9 bilhões CRESCIMENTO de 59,8% Plano Safra 2011/2012 Comparativo: Safras 2010/2011

Leia mais

PLANO SAFRA PESCA E AQUICULTURA 2014/2015 Cartilha de Crédito

PLANO SAFRA PESCA E AQUICULTURA 2014/2015 Cartilha de Crédito PLANO SAFRA PESCA E AQUICULTURA 2014/2015 Cartilha de Crédito BRASÍLIA-DF 2014 SUMÁRIO Pag. Apresentação...3 Novidades...4 Linhas de Crédito Pesca Artesanal e Aquicultura Familiar...5 Linhas de Crédito

Leia mais

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 A Diretoria do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul BRDE, em cumprimento às determinações legais e regimentais, apresenta as Demonstrações Financeiras relativas

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 19 DE DEZEMBRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 19 DE DEZEMBRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 19 DE DEZEMBRO DE 2014) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações

Leia mais

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015 Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural Produtor, a, atenta a diversos relatos de produtores quanto a insistência de agentes bancários

Leia mais

CONSOLIDADOS DAS AGÊNCIAS EMPRÉSTIMOS/FINANCIAMENTOS EFETIVAMENTE CONCEDIDOS - 2009 POR REGIÃO E PORTE DO TOMADOR

CONSOLIDADOS DAS AGÊNCIAS EMPRÉSTIMOS/FINANCIAMENTOS EFETIVAMENTE CONCEDIDOS - 2009 POR REGIÃO E PORTE DO TOMADOR 4.6 POLÍTICA DE APLICAÇÃO DE RECURSOS DAS AGÊNCIAS FINANCEIRAS OFICIAIS DE FOMENTO As aplicações previstas pelas agências financeiras oficiais de fomento foram definidas em consonância com as prioridades

Leia mais

Soluções para o Cooperativismo Parceria de confiança em todos os momentos.

Soluções para o Cooperativismo Parceria de confiança em todos os momentos. Soluções para o Cooperativismo Parceria de confiança em todos os momentos. bb.com.br/agronegocio Banco do Brasil, parceiro em todos os momentos do cooperativismo. O cooperativismo consolida, cada vez mais,

Leia mais

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014)

NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014) NORMATIVOS SOBRE DÍVIDAS DO CRÉDITO RURAL DO PRONAF (VIGENTES EM 18 DE SETEMBRO DE 2014) NORMATIVO PERMANENTE DISPOSTO NO MCR 2.6.9 e MCR 10.1.24 a 26 MCR 2.6.9 Permanente Parcelas a vencer/ operações

Leia mais

PROJETO DE LEI. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Dispõe sobre a subvenção econômica ao prêmio do Seguro Rural e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014. Você investe no pescado. O Brasil investe em você.

Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014. Você investe no pescado. O Brasil investe em você. Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014 Você investe no pescado. O Brasil investe em você. Plano Safra da Pesca e Aquicultura. 4,1 bilhões em crédito e investimentos. Mais crédito e investimentos.

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Crédito Pronaf - R$ 24,1 bilhões Recursos por fonte - safra 2014/2015 Fonte Projeção 14/15 (em reais) % sobre o total Poupança rural Banco do Brasil 14.710.000.000

Leia mais

Nº1 - Julho 2013. 1. Introdução

Nº1 - Julho 2013. 1. Introdução Nº1 - Julho 2013 1. Introdução A característica sazonalidade da atividade agrícola traz consigo a necessidade do armazenamento da produção. A armazenagem dos produtos agrícolas permite a distribuição do

Leia mais

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES Ter o controle da situação é dominar ou ter o poder sobre o que está acontecendo. WWW.SIGNIFICADOS.COM.BR Controle é uma das funções que compõem o processo administrativo.

Leia mais

Análise dos Recursos do Programa ABC Safra 2013/2014 (até abril) Observatório do Plano ABC RELATÓRIO 1 ANO 2

Análise dos Recursos do Programa ABC Safra 2013/2014 (até abril) Observatório do Plano ABC RELATÓRIO 1 ANO 2 Análise dos Recursos do Programa ABC Safra 2013/2014 (até abril) Observatório do Plano ABC RELATÓRIO 1 ANO 2 OBSERVATÓRIO ABC Análise dos Recursos do Programa ABC Sumário Introdução 3 Principais conclusões

Leia mais

Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul

Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul Wellington Pereira Gerência de Planejamento Agência de Curitiba A formação do BRDE Os governadores Leonel Brizola, Celso Ramos e Ney Braga Fins da década

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural Deputado Ronaldo Caiado - Presidente PROPOSTA DE RENEGOCIAÇÃO I - Securitização - Renegociada LEI Nº 10.437/02 (Artigos. 1º e 4º):

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014

RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 1 Senhores Associados: RELATÓRIO DA GESTÃO 2014 Temos a satisfação de apresentar o Relatório da Gestão e as Demonstrações Contábeis da CREDICOAMO Crédito Rural Cooperativa, relativas às atividades desenvolvidas

Leia mais

Notificações Brasileiras ao Comitê de Agricultura da Organização Mundial do Comércio (OMC)

Notificações Brasileiras ao Comitê de Agricultura da Organização Mundial do Comércio (OMC) Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Departamento de Acordos Comerciais Notificações Brasileiras ao Comitê de Agricultura da Organização Mundial do Comércio (OMC) Notificações Brasileiras

Leia mais

Auditorias no Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e no Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC)

Auditorias no Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e no Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) Auditorias no Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e no Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) Brasília, 15/10/2015 Mitigadores de Risco Visão Geral Agricultura de Subsistência

Leia mais

PRODUTOS E SERVIÇOS PARA OS PEQUENOS E MINI PRODUTORES RURAIS

PRODUTOS E SERVIÇOS PARA OS PEQUENOS E MINI PRODUTORES RURAIS PRODUTOS E SERVIÇOS PARA OS PEQUENOS E MINI PRODUTORES RURAIS SETEMBRO - 2011 BANCO DO NORDESTE APOIO AO MINI E PEQUENO PRODUTOR RURAL PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL DO NORDESTE (RURAL) FONTE:

Leia mais

Resolução nº 3.500 define novas condições para dívidas agrícolas

Resolução nº 3.500 define novas condições para dívidas agrícolas Resolução nº 3.500 define novas condições para dívidas agrícolas O Governo Federal, através do Banco Central, divulgou no dia 28 de setembro de 2007 a Resolução nº 3.500, que trata das condições para negociação

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO Apresentação Esse relatório trata do Financiamento do Desenvolvimento Regional formulado pelo Ministério da Integração Nacional-MI, como contribuição à reflexão do tema

Leia mais

Programa Fundo Amazônia / Ministério do Meio Ambiente de apoio ao Cadastramento Ambiental Rural

Programa Fundo Amazônia / Ministério do Meio Ambiente de apoio ao Cadastramento Ambiental Rural Programa Fundo Amazônia / Ministério do Meio Ambiente de apoio ao Cadastramento Ambiental Rural 1 OBJETIVO Apoio financeiro a projetos que viabilizem a adesão de proprietários rurais ao Cadastro Ambiental

Leia mais

Integração Lavoura Pecuária

Integração Lavoura Pecuária Integração Lavoura Pecuária A B E A S CONVÊNIO Nº 420013200500139/SDC/MAPA A B E A S Apresentação Esta cartilha, produto do esforço do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, em parceria

Leia mais

INDICAÇÃO N o, DE 2015

INDICAÇÃO N o, DE 2015 55ª Legislatura 1ª Sessão Legislativa Ordinária INDICAÇÃO N o, DE 2015 Sugere a criação de um programa de irrigação nas regiões afetadas por estiagens, em estados brasileiros. Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

Leia mais