DOI:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOI: http://dx.doi.org/10.15601/2359-5302/ptr.v1n2p219-238"

Transcrição

1 Análise crítica de métodos para dimensionamento de reservatórios de água pluvial: estudo comparativo dos municípios de Belo Horizonte (MG), Recife (PE) e Rio Branco (AC) Ana Paula de Godoy Lopes Graduada em Engenharia Civil pelo Centro Universitário Izabela Hendrix (CEUNIH), Daniel Pinto da Silva Júnior Graduada em Engenharia Civil pelo Centro Universitário Izabela Hendrix (CEUNIH), Daniel Augusto de Miranda Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Docente do Centro Universitário Izabela Hendrix (CEUNIH), DOI: Resumo O objetivo deste artigo consiste em comparar os resultados dos diversos métodos para dimensionamento de reservatório de água pluvial sugeridos na norma brasileira NBR 15527/2007 e o programa computacional Netuno. Foram calculados os volumes de reservatório para residências em três cidades no Brasil, Belo Horizonte (MG), Recife (PE) e Rio Branco (AC), escolhidas por apresentarem características pluviométricas distintas. Observou-se que alguns métodos não são adequados para algumas condições de precipitação, pois resultam sempre no mesmo volume de reservatório, independentemente da demanda de água pluvial ou do regime pluviométrico local, podendo levar à instalação de reservatórios sub ou superdimensionados. Portanto, os métodos que consideram as características de demanda, média de precipitação e área de coleta tendem a apresentar como resultados valores mais adequados às condições do local de sua instalação. Palavras-chave: Aproveitamento de água pluvial; dimensionamento de reservatório de água pluvial; comparação entre métodos de dimensionamento de água pluvial. 1 Introdução Atualmente, a escassez da água é um problema enfrentado em diversos locais do mundo. Segundo a Organização das Nações Unidas do Brasil (2014), 780 milhões de pessoas não têm acesso à água limpa e quase 2,5 bilhões não têm acesso a saneamento adequado. Embora a 219

2 água seja um recurso renovável, ela tende a se deteriorar em função do seu uso indiscriminado, o que compromete a quantidade de água com qualidade disponível para consumo em diversas localidades (FIORI, 2005). É em razão deste panorama que cresce a necessidade de encontrar meios e formas de preservar a água potável, buscando novas tecnologias e reavaliando os modos de uso da água pela população. A utilização de novas técnicas para o uso racional da água é uma alternativa que pode suprir a demanda da população em relação ao uso de água para fins não potáveis. Pesquisas feitas no Japão mostram que, com o uso da água reciclada para fins não potáveis, conseguiu-se reduzir o consumo de 30% da água potável (TOMAZ, 2003). De maneira geral, a água destinada ao abastecimento humano pode ter dois fins distintos: usos potáveis e usos não potáveis. Parte da água que abastece uma residência é utilizada para higiene pessoal, consumo e preparação de alimentos, sendo estes usos designados como potáveis. A outra parcela da mesma água que chega às residências é destinada aos usos não potáveis (GONÇALVES, 2009). Nesse sentido, por meio de um sistema de captação da água da chuva, é possível reduzir o consumo da água potável. A água pluvial coletada pode ser utilizada em torneiras de jardins, lavagem de roupas, de automóveis e de calçadas, e vasos sanitários dentre outros (CONSUMO SUSTENTÁVEL, 2005). A maior parte da hidrosfera do planeta é composta por água que está nos oceanos (água salgada), o que representa 97,50%, ou seja, água imprópria para o consumo humano, a não ser que seja realizado um processo de dessalinização, o que requer um investimento muito alto. Logo em seguida, 2,493% encontram-se em regiões polares ou subterrâneas de difícil aproveitamento. Somente 0,007% da água disponível são próprias para o consumo humano, e está em rios, lagos e pântanos (água doce). Apenas 8% deste 0,007% de água doce são destinados ao uso individual (clubes, residências, hospitais, escritórios, outros) (MOLINARI, 2010). O Brasil possui 12% dos recursos hídricos mundial, porém a região Norte, com apenas 7,4% 220

3 da população brasileira, reúne 68,5% da água doce do país. O Nordeste, com 29% da população, tem apenas 3,3% da água doce. No Sudeste, a situação é ainda pior: 42,61% da população e menos de 6% da água doce de superfície. O Sul, por sua vez, possui 14,91% da população e 6,5% da água doce. Já a região Centro-Oeste possui 6,85% da população e 15,7% de água doce (PORTAL BRASIL, 2010). Há, portanto, um desequilíbrio entre a oferta e a demanda. Observa-se, também que a região Sudeste possui maior população e o problema é acentuado pela poluição dos rios, em consequência da atividade industrial, utilização dos insumos agrícolas, poluentes, despejos urbanos e baixos índices pluviométricos. Por isso, racionalizar o uso da água torna-se um dos elementos essenciais diante deste cenário de escassez de recursos hídricos (SILVA, 2012). E o dimensionamento da capacidade do reservatório para armazenamento de água pluvial é um dos pontos críticos na implantação do sistema, pois geralmente é um dos itens mais caros, impactando significativamente o tempo de retorno do investimento. É também o principal fator a influenciar na confiabilidade do sistema, ou seja, desempenha um papel importante em evitar ocorrências em que a quantidade de água no reservatório é insuficiente para atender à demanda (RUPP; MUNARIM; GHISI, 2011). A composição da água de chuva varia de acordo com a localização geográfica do ponto de amostragem, com as condições meteorológicas, como por exemplo, intensidade, duração e tipo de chuva, estação do ano, com a presença ou não de vegetação e também com a presença de carga poluidora (TOMAZ, 2003). A chuva em um ambiente não poluído é, naturalmente, levemente ácida - enquanto a água pura tem um ph 7,0, o ph da chuva natural é cerca de 5,7. Esta acidez normal é o resultado da dissolução do dióxido de carbono da atmosfera em gotículas de água nas nuvens formando ácido carbônico fraco (H CO 2 = H 2 CO 3 ). Em regiões poluídas, pode-se chegar a valores como 3,5, quando há o fenômeno da chuva ácida (TAVARES JÚNIOR, 2015). Segundo Tomaz (2003), a qualidade da água de chuva pode ser encarada em quatro etapas: na primeira etapa, é a qualidade da água da chuva antes de atingir o solo; na segunda etapa, é a 221

4 qualidade da água de chuva depois de se precipitar sobre o telhado; a terceira etapa é quando a água de chuva fica armazenada em um reservatório; na quarta etapa, a água chega ao ponto de consumo, como por exemplo, na bacia sanitária. No aproveitamento da água de chuva, são usados os telhados como superfícies de captação e, dependendo dos materiais utilizados em sua confecção, a contaminação poderá ser ainda maior. Exemplos de contaminadores são: fezes de passarinhos, pombas, e outros animais, bem como poeiras, folhas de árvores e o próprio revestimento dos telhados. As fezes das aves e possíveis animais podem trazer problemas de contaminação por bactérias e de parasitas gastrointestinais. Por esse motivo, é aconselhável que a água de lavagem dos telhados, isto é a primeira água, seja desprezada e jogada fora. A chuva poderá levar materiais pesados, que estão no ar e que se depositarão no fundo do reservatório, onde geralmente se forma uma pequena cama de lama. Os micro-organismos que vieram do telhado e dos encanamentos se desenvolverão no reservatório, colocando em perigo aqueles que usarem a água de chuva para fins potáveis (TOMAZ, 2003). Na norma NBR (ABNT, 2007) são citados alguns parâmetros de qualidade que devem ser respeitados para usos restritivos não potáveis, que estão apresentados na Tabela 1. Na referida Norma, não está citado, de maneira clara, o que são esses usos restritivos não potáveis e tampouco o que são usos menos restritivos, o que pode causar dúvidas à população no momento de sua utilização. Tabela 1 Parâmetros de qualidades de água de chuva para usos restritivos não potáveis Parâmetro Período de Análise Valor Coliformes Totais Semestral Ausência em 100 ml Coliformes Termotolerantes Semestral Ausência em 100 ml Cloro Residual Livre Mensal 0,5 a 3,0 mg/l Turbidez Mensal <2,0 ut, <5,0 ut para usos menos restritos Cor Aparente Mensal < 15 uh Ph Mensal ph entre 6,0 e 8,0, no caso de tubulações de aço carbono ou galvanizado Fonte: Adaptado de Norma ABNT (2007). A Portaria n 2914/2011 do Ministério da Saúde que estabelece padrões de qualidade para água destinada ao consumo humano e apresenta procedimentos e responsabilidade relativos ao controle e à vigilância da qualidade da água potável (BRASIL, 2011). 222

5 A água é utilizada em todo o mundo para diversas finalidades, como o abastecimento de cidades e usos domésticos, a geração de energia, a irrigação, a navegação e a aquicultura. Na medida em que os países se desenvolvem, crescem principalmente as indústrias e a agricultura, atividades que mais consomem água se comparadas aos outros usos (GOMES, 2011). No Brasil, a maior demanda por água, como acontece em grande parte dos países, é a agricultura, sobretudo a irrigação, com aproximadamente 70% do total. O uso doméstico responde por 18% da água. Em seguida, está a indústria e, por último, a pecuária. O consumo de água residencial inclui tanto o uso interno quanto o uso externo a residências. Os usos de água internos distribuem-se em atividade de limpeza e higiene, enquanto que os usos externos ocorrem principalmente devido à irrigação, lavagem de veículos, piscinas e jardim, entre outros (GONÇALVES, 2006). De acordo com Deca (2007) 1 citado por Marinoski (2007), pode-se ressaltar que um dos grandes vilões do consumo de água residencial são os aparelhos de vasos sanitários. O que se pode observar é que 44% da utilização da água é para fins de uso não potável. As águas pluviais ainda podem ser usadas em sistemas preventivos contra incêndios em qualquer tipo de edificação. A Tabela 2 apresenta a relação da distribuição do uso de água potável e não potável em uma residência em São Paulo (SP), e destaca-se o uso de 44% de toda agua tratada é usada para fins não potáveis. Tabela 2 Distribuição de consumo de água residencial em São Paulo. Ponto de Consumo Potável (%) Não Potável (%) Vaso Sanitário - 29 Chuveiro 27 - Cozinha 16 - Máquina de Lavar Roupa - 9 Lavatório 5 - Tanque - 6 Máquina de Lavar Louça 8 - Total Fonte: Deca (2007) citado por MARINOSKI (2007). 1 DECA. Disponível em: Acesso em: janeiro

6 Nas indústrias, a água da chuva pode ser utilizada para lavanderia industrial, lavagem de maquinários, resfriamento evaporativo, climatização interna, abastecimento de caldeiras, lava jatos de veículos e limpeza industrial, entre outros. Na agricultura, pode ser empregada principalmente na irrigação de plantações (MAY, 2004). Este trabalho tem como objetivo avaliar qual é o método mais adequado para o dimensionamento de reservatório de água pluvial domiciliar não potável, comparando métodos sugeridos na norma NBR (ABNT, 2007) com o programa computacional Netuno, com intuito de avaliar dentre esses qual o sistema mais eficiente, dadas às condições de utilização. Adicionalmente, pretende-se avaliar a influência do padrão de precipitação em três municípios brasileiros (Belo Horizonte, Recife e Rio Branco) na escolha do método que melhor se ajusta a essas condições para dimensionamento de reservatório de água pluvial. 2 Materiais e métodos Utilizando-se cada um dos métodos sugeridos na NBR (ABNT, 2007) e o programa Netuno (Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil), foram calculados os volumes de reservatório para residências em três capitais brasileiras: Belo Horizonte (MG), Recife (PE) e Rio Branco (AC). Essas cidades foram escolhidas por pertencerem a estados diferentes e por possuírem características distintas em termos de distribuição pluviométrica ao longo do ano. Baseados nas informações disponibilizadas pela Agência Nacional de Águas (ANA), em seu portal Hidroweb 2, coletaram-se dados hidrológicos dos postos pluviométricos indicados na Tabela 3. Tabela 3 - Lista dos postos pluviométricos selecionados Código Nome BELO HORIZONTE (HORTO) Subbacia Rio Estado Município Responsável Operadora 41 - MINAS GERAIS BELO HORIZONTE INMET INMET RECIFE (CURADO) 39 - PERNAMBUCO RECIFE INMET INMET RIO BRANCO 13 - ACRE RIO BRANCO INMET INMET Fonte: Adaptado de Hidroweb (2015) 2 Disponível em 224

7 Utilizou-se uma série histórica de precipitação de 44 anos para as três cidades. O período considerado foi de janeiro de 1970 a dezembro de 2014 (Figuras 1, 2, 3 e 4). Após a análise dos dados pluviométricos das regiões estudadas, observou-se que Recife possui a maior média de precipitação e Belo Horizonte a menor (Figura 1). Figura 1 - Precipitação Média anual de janeiro de 1970 a dezembro de Fonte: Adaptado de Hidroweb (2015) Figura 2 - Precipitação média mensal no município de Belo Horizonte entre janeiro de 1970 e dezembro de 2014 Fonte: Adaptado de Hidroweb (2015) 225

8 Figura 3 - Precipitação média mensal no município de Recife entre janeiro de 1970 e dezembro de 2014 Fonte: Adaptado de Hidroweb (2015) Figura 4 - Precipitação média mensal no município de Rio Branco entre janeiro de 1970 e dezembro de 2014 Fonte: Adaptado de Hidroweb (2015) Por cada método e para cada município, dimensionaram-se os reservatórios de água pluvial considerando-se as seguintes premissas: [1] Área de captação de 150 m²; [2] Segundo a 226

9 Fundação Procon SP, a demanda de água potável per capita é de 180 litros/pessoa/dia. Considerando-se uma residência com quatro moradores, o consumo estimado de água seria de 22 m³ mensais; [3] porcentagem de substituição de água potável por pluvial de 40%, estimado com base na Tabela 2, referente ao consumo de água não potável. Método de Rippl Segundo Tomaz (2003), no método de Rippl utilizam-se séries históricas de precipitações, as mais longas possíveis, transformadas em vazões que alimentam o reservatório. O mesmo autor aponta que, de forma a facilitar o cálculo, é comum se formularem séries sintéticas, ou seja, elaboradas a partir de uma série histórica de precipitação, que pode ser em base diária ou mensal. O dimensionamento é feito utilizando séries históricas de precipitação tanto em base diária quanto mensal. S(t) = D(t) Q(t) (eq. 1) Q(t) = C x P x A (eq. 2) Onde: S(t) é o volume de água pluvial no reservatório no tempo t (L); D(t) é a demanda ou consumo de água pluvial no tempo t (L); Q(t) é o volume de água pluvial no tempo t (L); C é o coeficiente de escoamento superficial (adotado como 0,80, segundo recomendações da NBR (ABNT, 2007)); P é a precipitação média no tempo t (mm); e A é a área de captação em projeção no terreno (m²). Método da Simulação Para um determinado mês, aplica-se a equação da continuidade a um reservatório finito: S (t) = Q (t) + S (t-1) D (t) (eq. 3) Q (t) = C x precipitação da chuva (t) x área de captação (eq. 4) Sendo que: 0 S (t) V 227

10 Onde: S (t) é o volume de água no reservatório no tempo t; S (t-1) é o volume de água no reservatório no tempo t 1; Q (t) é o volume de chuva no tempo t; D (t) é o consumo ou demanda no tempo t; V é o volume do reservatório fixado; C é o coeficiente de escoamento superficial. Método Azevedo Neto Para o dimensionamento do reservatório de água pluvial pelo método do Professor Azevedo Neto, segundo a NBR (ABNT, 2007), deve-se utilizar a Equação 5. V = 0,042 x P x A x T (eq. 5) Onde: P é a precipitação média anual, em milímetros; T é o número de meses de pouca chuva ou seca; A é a área de coleta, em metros quadrados; V é o volume de água aproveitável e o volume de água do reservatório, em litros Método Prático Alemão Trata-se de um método empírico onde se toma o menor valor do volume do reservatório; 6 % do volume anual de consumo ou 6 % do volume anual de precipitação aproveitável. Vadotado = mínimo de (volume anual precipitado aproveitável e volume anual de consumo) x 0,06 (6 %) onde: V é o valor numérico do volume aproveitável de água de chuva anual, expresso em litros (L); D é o valor numérico da demanda anual da água não potável, expresso em litros (L); Vadotado é o valor numérico do volume de água do reservatório, expresso em litros (L). 228

11 Método Prático Inglês Para o dimensionamento do reservatório de água pluvial pelo método Prático Inglês, segundo a NBR (ABNT, 2007), deve-se utilizar a Equação 6. V = 0,05 x P x A (eq. 6) Onde: V é o volume de água pluvial, ou o volume do reservatório de água pluvial P é a precipitação média anual (mm); e A é a área de captação em projeção no terreno (m2). Método Prático Australiano O cálculo do volume do reservatório é realizado por tentativas, até que sejam utilizados valores otimizados de confiança e volume do reservatório. Segundo a NBR (ABNT, 2007), deve-se utilizar a Equação 7. Vt = Vt-1 + Qt Dt (eq. 7) Onde: Qt é o volume mensal produzido pela chuva no mês t; Vt é o volume de água que está no tanque no fim do mês t, em metros cúbicos; Vt-1 é o volume de água que está no tanque no início do mês t, em metros cúbicos; Dt é a demanda mensal, em metros cúbicos; O volume de chuva é obtido pela seguinte equação: Q= A x C x (P I) (eq. 8) Onde: C é o coeficiente de escoamento superficial, geralmente 0,80; P é a precipitação média mensal, em milímetros; I é a interceptação da água que molha as superfícies e perdas por evaporação, geralmente 2 mm; A é a área de coleta, em metros quadrados; Q é o volume mensal produzindo pela chuva, em metros cúbicos. 229

12 Dimensionamento do reservatório de água pluvial utilizando-se o programa Netuno O Netuno, versão 4.0, consiste em um programa computacional desenvolvido no LabEEE/UFSC (GHISI; CORDOVA, 2014), que tem por objetivo determinar o potencial de economia de água potável em função da capacidade do reservatório, através do aproveitamento de água pluvial para usos em que a água não precisa ser potável. O programa permite que se façam simulações do potencial de economia de água potável tanto para um volume de reservatório quanto para diversos volumes, ao mesmo tempo. De acordo com Ghisi e Cordova (2014), a metodologia do programa baseia-se no histórico comportamental já conhecida. Os dados de precipitação devem ser fornecidos em uma base diária, as simulações são calculadas de acordo com esses dados. 3 Resultados e discussão São apresentados a seguir os resultados dos dimensionamentos dos reservatórios de água pluvial, calculados pelos diferentes métodos apresentados na norma NBR (ABNT, 2007) e no programa computacional Netuno (Tabelas 4, 5 e 6). Tabela 4 - Volume do reservatório calculado pelos diferentes métodos para o município de Belo Horizonte (MG), Recife (PE) e Rio Branco (AC) Métodos Volume Reservatório (L) Belo Horizonte Recife Rio Branco RIPPL , , ,00 SIMULAÇÃO , , ,00 AZEVEDO NETO , , ,00 PRÁTICO ALEMÃO 6.300, , ,00 PRÁTICO INGLES , , ,00 PRÁTICO AUSTRALIANO 8.000, , ,00 NETUNO 8.000, , ,00 Fonte: Autores (2015). De maneira geral, constata-se que os diversos métodos de dimensionamento apresentam grande dispersão nos resultados, tendo em vista o cálculo para os três municípios analisados. 230

13 A dispersão de resultados constatada acima pode ser justificada pela diferença conceitual dos métodos, cujas formulações foram apresentadas em Materiais e Métodos. Enquanto que alguns desses métodos de dimensionamento levam em conta a distribuição pluviométrica média mensal e a demanda de utilização de água pluvial, tais como o Método de Rippl e o da Simulação, outros são mais simplistas, como é o caso dos Métodos Práticos Alemão e Inglês, os quais consideram unicamente a área de captação e a média anual de precipitação. O método de Rippl baseia-se no dimensionamento do reservatório de água pluvial pela máxima diferença acumulada entre o volume e a demanda de água pluvial. Observou-se que os volumes dos reservatórios aumentaram à medida que os déficits foram sendo acumulados. De acordo com o Gráfico 5, em Belo Horizonte, houve o superdimensionamento do reservatório, tornando-o inviável economicamente. Gráfico 5 - Volume estimado do reservatório pelo Método de Rippl Fonte: Autores (2015). O método da Simulação resulta num valor do reservatório de água pluvial baseado no fator pluviométrico, observando-se os meses que em que houve déficit de chuva e resultando em tamanhos ideais para armazenamento da água de chuvas para os meses em que há pouca chuva. Observa-se, conforme o Gráfico 6, que em Belo Horizonte, onde há um maior período de estiagem de chuva, o volume do reservatório é maior para compensar esses meses. E em Recife, onde o volume de precipitação mensal é regular durante todo o ano, o tamanho reservatório é menor. 231

14 Gráfico 6 - Volume estimado do reservatório pelo Método da Simulação Fonte: Autores (2015). Pelo método Azevedo Neto, houve superdimensionamento comparando-o com os outros métodos do volume do reservatório para todos os casos, conforme ilustrado no Gráfico 7. Este método relaciona a capacidade de armazenamento do reservatório com a quantidade de meses com seca ou pouca chuva, uma variável não utilizada pelos demais métodos indicados na norma NBR (ABNT, 2007). Gráfico 7 - Volume estimado do reservatório pelo Método Azevedo Neto Fonte: Autores (2015). 232

15 O Método Prático Alemão considera apenas os valores de água pluvial anual ou a da demanda anual de água pluvial, desconsiderando a área de captação. Deste modo, o volume do reservatório será o menor resultado entre 6% do volume anual de consumo ou 6 % do volume de precipitação. Por se tratar de uma metodologia empírica, o mesmo não se preocupa com a eficiência do sistema. Em todas as cidades a demanda foi menor que a precipitação anual. Portanto, não houve variação do dimensionamento do reservatório de acordo com o Gráfico 8. Gráfico 8 - Volume estimado do reservatório pelo Método Prático Alemão Fonte: Autores (2015). O método Prático Inglês é um dos mais simples a ser aplicado, sendo necessários apenas os valores de precipitação anual e da área de captação. Portanto, observou-se que quanto maior for a precipitação no município (Figura 1), maior será o volume do reservatório, desconsiderando a demanda da residência. De acordo com o Gráfico 9, foi o método que resultou os menores volumes para o reservatório. 233

16 Gráfico 9 - Volume estimado do reservatório pelo Método Prático Inglês Fonte: Autores (2015). O método prático Australiano utiliza uma análise entre a chuva total do mês, relacionado com a demanda também mensal para resultar o volume do reservatório. Portanto, observa-se que seu resultado diferencia-se dos métodos práticos por obter valores mais criteriosos. Foram realizadas tentativas para obter o volume do reservatório ideal numa combinação entre consumo, área de coleta e percentual de atendimento, conforme o Gráfico 10. Gráfico 10 - Volume estimado do reservatório pelo Método Prático Australiano Fonte: Autores (2015). 234

17 O programa computacional Netuno leva em consideração o potencial de economia de água potável. Os volumes de reservatório aumentam com a demanda de água pluvial até ser definido o volume ideal. Deste modo, seus resultados para as três cidades foram regulares, pois conforme o Gráfico 11. Gráfico 11 - Volume estimado do reservatório pelo Programa Netuno Fonte: Autores (2015). 4 Conclusão A partir das simulações efetuadas e revisão bibliográfica, conclui-se que, quando comparados os volumes de reservatório dimensionados em cada método com o melhor volume em termos do potencial de economia de água potável, constatou-se que os métodos Prático Australiano e o programa Netuno resultaram em valores semelhantes por possuírem as mesmas características de cálculo como demanda, média de precipitação e área de coleta. O Método da Simulação também leva em consideração todas essas características, porém este possui um diferencial que é o fator pluviométrico para compensar os meses que há pouca chuva. Quanto aos Métodos Práticos Alemão e Inglês, apesar de sua simplicidade quanto aos cálculos, os mesmos aparentam não serem adequados para as variações pluviométricas apresentadas nos 3 municípios avaliados no presente trabalho. Recomenda-se que ambos 235

18 sejam mais bem avaliados para utilização no pré-dimensionamento de reservatórios de água pluvial em regiões que apresentem condições pluviométricas similares àquelas a partir dos quais os mesmos foram concebidos, ou seja, em regiões de clima temperado, como é o caso da Alemanha e da Inglaterra. Por fim, ressalta-se que cabe ao projetista decidir sobre a melhor opção, frente às particularidades de cada caso no que tange à existência de fontes alternativas, tipo de consumo, características pluviométricas, entre outras. Agradecimentos A verdadeira gratidão tem maior sentido quando se encontra a realização. Por isto, agradecemos imensamente a todos que contribuíram para a realização desta pesquisa, em especial ao professor Daniel Miranda pela orientação, auxílio e incentivo. À nossa família e amigos, que tanto nos apoiaram e acreditaram no nosso sucesso em mais esta etapa. E, sobretudo, a Deus. Critical analysis of methods for sizing of rainwater reservoirs: a comparative study of the cities of Belo Horizonte (MG), Recife (PE) and Rio Branco (AC) Abstract The purpose of this article consists in comparing the results of different methods for the design of a rainwater tank suggested by the Brazilian Standard NBR and by using the software Netuno. The reservoir volumes were calculated considering the same type of residence in three cities in Brazil, Belo Horizonte (MG), Recife (PE) and Rio Branco (AC), chosen because they have distinct characteristics in terms of precipitation. It was observed that some methods are not suitable for some conditions of precipitation, they always result in the same reservoir volume, regardless of rain water demand or local rainfall conditions what can lead to the installation of undersized or oversized reservoirs. Therefore, those methods that consider the demand characteristics, average precipitation and catchment area tend to present as a result more appropriate values to local conditions of rainwater tank installation. Keywords: Rainwater Harvesting; rainwater reservoir sizing; comparing rainwater design methods. 236

19 Referências ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15527: água de chuvaaproveitamento de áreas urbanas para fins não potáveis. Rio de Janeiro, out BRASIL, PORTARIA Nº 2.914, de 12 de dezembro de Disponível em: < 14_12_12_2011.html>. Acesso em: 10 abr CONSUMO SUSTENTÁVEL: Manual de educação. Brasília: Consumers International/ MMA/ MEC/ IDEC, p. Disponível em: < Acesso em: 10 abr FIORI, S. Avaliação qualitativa e quantitativa do potencial de reuso de água cinza em edifícios residenciais multifamiliares f. Dissertação (Mestrado em Engenharia) Faculdade de Engenharia e Arquitetura, Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, Disponível em: < Acesso em: 20 nov GHISI, E.; CORDOVA, M. M. Netuno 4. Manual do usuário. Universidade Federal de Santa, Catarina, Departamento de Engenharia Civil, Laboratório de Eficiência Energética em Edificações. Florianópolis, jun Disponível em: < >Acesso em: 3 out GOMES, Rodrigo. Usos da água. 4 set Disponível em: < Acesso em: 03 out GONÇALVES, R. F. (Coord.) Conservação de água e energia em sistemas prediais e públicos de abastecimento de água. Rio de Janeiro: ABES, v. 1. GONÇALVES, R. F. (Coord.) Uso racional da água em edificações. Rio de Janeiro: ABES, MARINOSKI, A. K. Aproveitamento de água pluvial para fins não potáveis em instituição de ensino: estudo de caso em Florianópolis SC f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Civil) - Centro Tecnológico, Departamento de Engenharia Civil, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Disponível em:< ki.pdf>. Acesso em: 25 nov MAY, Simone. Estudo da viabilidade do aproveitamento de água de chuva para consumo não potável em edificações f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Construção Civil e Urbana) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, Disponível em: < Acesso em: 20 nov MOLINARI, C. Campanha economiza água! Produtos simples que geram alta economia de água! EcoChemist. 3 dez Disponível em: 237

20 < Acesso em: 10 abr ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS NO BRASIL. 2,5 bilhões de pessoas não têm acesso a saneamento básico em todo o mundo, alerta ONU. 24 mar Disponível em: < >. Acesso em: 23 nov PORTAL BRASIL. Saiba mais sobre água, consumo consciente e recursos hídricos no Brasil. 17 set Disponível em: < Acesso em: 23 de nov RUPP, Ricardo Forgiarini; MUNARIM, Ulisses; GHISI, Enedir. Comparação de métodos para dimensionamento de reservatórios de água pluvial. Revista Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 11, n. 4, p , out./dez Disponível em: < Acesso em: 20 ago SILVA, Carlos Henrique R. Tomé. Recursos hídricos e desenvolvimento sustentável no Brasil Senado Federal. Disponível em: < Acesso em: 10 abr TAVARES JÚNIOR, Murillo Ranulpho. Chuva Ácida. Bioesfera. Disponível em: < m.br/pragostardeler/ar/chuvaacida.doc+&cd=1&hl=pt-br&ct=clnk&gl=br>. Acesso em: 15 abr TOMAZ, Plínio. Aproveitamento de água de chuva para áreas urbanas e fins não potáveis. São Paulo: Navegar, Recebido em: 22/06/ Aprovado em: 14/09/ Disponibilizado em: 17/12/

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ÁREAS URBANAS

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ÁREAS URBANAS UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ÁREAS URBANAS Profª. Simone Rosa da Silva 2015 Torres empresariais : Isaac newton e Alfred Nobel Const.: Rio Ave Aspectos

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE CHUVA NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PARA USO NÃO POTÁVEL

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE CHUVA NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PARA USO NÃO POTÁVEL ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE CHUVA NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PARA USO NÃO POTÁVEL Isabelle Yruska de Lucena Gomes da Costa 1 ; Celso Augusto Guimarães Santos 2 ; Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega 3 1 Aluna

Leia mais

X Encontro de Extensão

X Encontro de Extensão 5CTDECPEX02 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA PARA FINS NÃO POTÁVEIS Celso Augusto Guimarães Santos (3); Klissia Magno (2); Mellyne Palmeira (1); Renan Dantas (1); Isabelle Yruska de Lucena Gomes Braga (2)

Leia mais

IV-018 POTENCIAL DE ECONOMIA DE ÁGUA POTÁVEL POR MEIO DO USO DE ÁGUA PLUVIAL NO SETOR RESIDENCIAL DE CIDADES MÉDIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

IV-018 POTENCIAL DE ECONOMIA DE ÁGUA POTÁVEL POR MEIO DO USO DE ÁGUA PLUVIAL NO SETOR RESIDENCIAL DE CIDADES MÉDIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IV-018 POTENCIAL DE ECONOMIA DE ÁGUA POTÁVEL POR MEIO DO USO DE ÁGUA PLUVIAL NO SETOR RESIDENCIAL DE CIDADES MÉDIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO Iván Andrés Sánchez Ortiz (1) Engenheiro Civil pela Universidad

Leia mais

USO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO APOIO PARA O DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL

USO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO APOIO PARA O DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL USO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO APOIO PARA O DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL

Leia mais

CAPTAÇÃO E UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA

CAPTAÇÃO E UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA CAPTAÇÃO E UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA Débora Thomé Miranda Universidade Tecnológica Federal do Paraná - campus Toledo debora_thomeh@hotmail.com Carla Saliby Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Leia mais

O APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA VISANDO A ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIÊNCIA ENERGÉTICA EM PRÉDIO COMERCIAL

O APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA VISANDO A ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIÊNCIA ENERGÉTICA EM PRÉDIO COMERCIAL O APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA VISANDO A ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIÊNCIA ENERGÉTICA EM PRÉDIO COMERCIAL Ioni Donini Medeiros Couto Arquiteta e Engª Civil, Mestranda do Programa de Pós-graduação em Arquitetura

Leia mais

VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE CISTERNAS PARA CAPTAÇÃO DE Á- GUA DE CHUVA - CASO JOINVILLE

VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE CISTERNAS PARA CAPTAÇÃO DE Á- GUA DE CHUVA - CASO JOINVILLE VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE CISTERNAS PARA CAPTAÇÃO DE Á- GUA DE CHUVA - CASO JOINVILLE carlos alberto klimeck gouvea (sociesc) gouvea@sociesc.org.br Ana Carolina Melo Alves Radavelli (sociesc) aninhama@msn.com

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ÁGUA IMPORTÂNCIA DO TEMA 03/02/2011 TESIS. Pobreza? Conflitos Pobreza? Pobreza? Pobreza? Aquecimento global?

CONSERVAÇÃO DE ÁGUA IMPORTÂNCIA DO TEMA 03/02/2011 TESIS. Pobreza? Conflitos Pobreza? Pobreza? Pobreza? Aquecimento global? PROGRAMAS DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA TESIS Tecnologia e Consultoria de Sistemas em Engenharia ltda Carla Araujo Sautchuk Aquecimento global? Aquecimento Aquecimento global? Aquecimento global? Aquecimento

Leia mais

Reuso da Água. Porque reutilizar água no mundo? Reuso

Reuso da Água. Porque reutilizar água no mundo? Reuso Definições Reuso da Água FABIANO GENEROSO Biólogo Especialista em Técnicas Avançadas em Análises Clínicas - USP Especialista em Parasitologia Médica - USP Especialista em Controles Ambientais - SENAI Consultor

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA O APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL: CRITÉRIOS ECONÔMICOS

DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA O APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL: CRITÉRIOS ECONÔMICOS DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA O APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL: CRITÉRIOS ECONÔMICOS Marcus A. S. Campos (1); Marina S. de Oliveira Ilha(2) (1) Departamento de Arquitetura Faculdade de Engenharia

Leia mais

Stella Maris da Cruz Bezerra Priscila de Christan Celimar Azambuja Teixeira Khosrow Farahbakhsh

Stella Maris da Cruz Bezerra Priscila de Christan Celimar Azambuja Teixeira Khosrow Farahbakhsh Dimensionamento de reservatório para aproveitamento de água de chuva: comparação entre métodos da ABNT NBR 15527:2007 e Decreto Municipal 293/2006 de Curitiba, PR Sizing rainwater harvesting reservoirs:

Leia mais

VIABILIDADE DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUA PARA VASOS SANITÁRIOS.

VIABILIDADE DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUA PARA VASOS SANITÁRIOS. VIABILIDADE DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUA PARA VASOS SANITÁRIOS. MARCOS B. REZENDE MOTA 1 ; MARINA DASTRE MANZANARES 1 ; RAFAEL AUGUSTO LIMA SILVA 1 1 Curso de Graduação - Faculdade de Engenharia Mecânica/UNICAMP

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA REÚSO: LEGISLAÇÕES DA AUSTRÁLIA, DO BRASIL, DE ISRAEL E DO MÉXICO

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA REÚSO: LEGISLAÇÕES DA AUSTRÁLIA, DO BRASIL, DE ISRAEL E DO MÉXICO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA REÚSO: LEGISLAÇÕES DA AUSTRÁLIA, DO BRASIL, DE ISRAEL E DO MÉXICO Tamires Raquel Gonçalves Silva (1); Antônio Olívio Silveira Britto (1); Juliana de Oliveira Lemos (2); Marjory

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis em áreas urbana

Aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis em áreas urbana Aproveitamento de água de chuva para fins não potáveis em áreas urbana Fortaleza dos Templários em Tomar- 1160 dc.portugal Conservação da água Ciclo hidrológico ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS - SC

APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS - SC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO:

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB

IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB Paulo Ricardo Dantas (1); Ana Paula Fonseca e Silva (1); Andreza Maiara Silva Bezerra (2); Elisângela

Leia mais

POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA NA MESORREGIÃO NORDESTE PARAENSE POTENTIAL OF RAIN WATER UTILIZATION IN NORTHEAST MESOREGION PARAENSE

POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA NA MESORREGIÃO NORDESTE PARAENSE POTENTIAL OF RAIN WATER UTILIZATION IN NORTHEAST MESOREGION PARAENSE POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA NA MESORREGIÃO NORDESTE PARAENSE Larissa Lima Rodrigues 1 ; Ronaldo Lopes Rodrigues Mendes 2 ; Ricardo Angelim da Silva 3 ; Jairo Lima Martins 4 ; Gustavo Neves

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE Alice Silva de Castilho 1 RESUMO - Este artigo apresenta uma análise comparativa entre os totais mensais

Leia mais

I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS

I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS José Alexandre Borges Valle (1) Engenheiro Químico pela Universidade Regional de Blumenau; Mestre em Engenharia Química

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CURSO ENGENHARIA CIVIL CÁSSIO REIS DA SILVA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CURSO ENGENHARIA CIVIL CÁSSIO REIS DA SILVA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CURSO ENGENHARIA CIVIL CÁSSIO REIS DA SILVA ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA CAPTAÇÃO E REUSO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM RESIDÊNCIAS DE FORMIGA - MG FORMIGA MG 2015 CÁSSIO

Leia mais

ANÁLISE DO POTENCIAL DE REÚSO DE EFLUENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO ENFRENTAMENTO DA SECA NO INTERIOR DO CEARÁ

ANÁLISE DO POTENCIAL DE REÚSO DE EFLUENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO ENFRENTAMENTO DA SECA NO INTERIOR DO CEARÁ ANÁLISE DO POTENCIAL DE REÚSO DE EFLUENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO ENFRENTAMENTO DA SECA NO INTERIOR DO CEARÁ Marjory Barbosa Leite Tavares (1); Alana Karen Damasceno Queroga (2); Caroliny

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Vereador ELIAS EMANUEL

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Vereador ELIAS EMANUEL PROJETO LEI Nº. 044/2015. Institui a criação da Política Municipal de Captação, Armazenamento e Aproveitamento da Água da Chuva no Município de Manaus, e dá outras providências. Art. 1º Fica instituída

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA PARA A ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ

DESENVOLVIMENTO DE UM PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA PARA A ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ DESENVOLVIMENTO DE UM PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA PARA A ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ Glyvani Rubim Soares (1) Graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Espírito Santo

Leia mais

Camila Rosani Beal², Reginaldo Ferreira Santos²

Camila Rosani Beal², Reginaldo Ferreira Santos² Revista Brasileira de Energias Renováveis Estudo sobre o consumo de água em restaurantes na cidade de Cascavel - PR¹ Camila Rosani Beal², Reginaldo Ferreira Santos² ¹ Aceito para publicação em 1 de outubro

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL.

COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL. COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL. Liliana Pena Naval* Doutorada pela Universidad Complutense

Leia mais

Problemas relacionados à disponibilidade de água estão se tornando mais graves em diversas

Problemas relacionados à disponibilidade de água estão se tornando mais graves em diversas Engenharia Civil GONÇALVES, Daniele Trevisan Neves Lourenço; OLIVEIRA, Rodrigo Venâncio. 8 Aproveitamento de águas pluviais para fins não potáveis em edifícios residenciais na cidade de Franca. 2011.

Leia mais

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Tema 2 Projeto de sistemas de aproveitamento de água de chuva Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega Universidade Federal

Leia mais

Rafael Vieira Vilela 1

Rafael Vieira Vilela 1 ESTUDO INICIAL PARA INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE CAPTAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA PARA ABASTECIMENTO DE CAMINHÕES DE COMBATE A INCÊNCIO DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA NOS QUARTÉIS DA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS

Leia mais

ESTUDOS DE CASO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS - SC

ESTUDOS DE CASO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS - SC ESTUDOS DE CASO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL PARA FINS NÃO POTÁVEIS EM INSTITUIÇÃO DE ENSINO: ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS - SC ANA KELLY MARINOSKI Orientador: Prof. Enedir Ghisi, PhD INTRODUÇÃO Objetivo

Leia mais

A água nossa de cada dia

A água nossa de cada dia A água nossa de cada dia Marco Antonio Ferreira Gomes* Foto: Eliana Lima Considerações gerais A água é o constituinte mais característico e peculiar do Planeta Terra. Ingrediente essencial à vida, a água

Leia mais

Água e saúde pública. 1 Resumo. 2 Introdução. Érico Motter Braun

Água e saúde pública. 1 Resumo. 2 Introdução. Érico Motter Braun Água e saúde pública Érico Motter Braun 1 Resumo No documento, trataremos sobre técnicas de melhor aproveitamento da água no nordeste brasileiro. Tais como; ecorresidência, que aproveita toda a água consumida

Leia mais

Os projetos de habitação de interesse social adotados nesta pesquisa encontram-se caracterizados na tabela 1.

Os projetos de habitação de interesse social adotados nesta pesquisa encontram-se caracterizados na tabela 1. DETERMINAÇÃO DOS CUSTOS DIRETOS E DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA UM SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA PLUVIAL E EQUIPAMENTOS SANITÁRIOS ECONOMIZADORES DE ÁGUA: ESTUDO DE CASO PARA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ Pietra Quelissa ROBE, Estudante de Controle Ambiental do IFC- Campus Camboriú Yasmin Nunes DA SILVA, Estudante

Leia mais

REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA POTÁVEL: REUSO DE ÁGUA PARA MINIMIZAR O DESPERDICIO EM VASOS SANITÁRIOS

REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA POTÁVEL: REUSO DE ÁGUA PARA MINIMIZAR O DESPERDICIO EM VASOS SANITÁRIOS REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA POTÁVEL: REUSO DE ÁGUA PARA MINIMIZAR O DESPERDICIO EM VASOS SANITÁRIOS (Fernanda Silva de Souza 1 ; Adriana da Silva Santos 2 ; Francisco Marto de Souza 3 ; Ellen Caroline Santos

Leia mais

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Castellón, 23-24 de julio de 28. IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Resumo Nóbrega, C.C.; Souza, I.M.F.; Athayde Júnior, G.B.; Gadelha, C.L.M. Departamento de Engenharia

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis - Requisitos

Aproveitamento de água de chuva de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis - Requisitos Aproveitamento de água de chuva de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis - Requisitos APRESENTAÇÃO 1) Este 2º Projeto foi elaborado pela ABNT/CEET-00.001.77 - Comissão de Estudo Especial Temporária

Leia mais

V- 017 ESTIMATIVA DA TARIFA DE ESGOTO SANITÁRIO COM BASE NO CONSUMO PER CAPITA DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS COM POÇO ARTEZIANO

V- 017 ESTIMATIVA DA TARIFA DE ESGOTO SANITÁRIO COM BASE NO CONSUMO PER CAPITA DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS COM POÇO ARTEZIANO V- 017 ESTIMATIVA DA TARIFA DE ESGOTO SANITÁRIO COM BASE NO CONSUMO PER CAPITA DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS COM POÇO ARTEZIANO José Almir Rodrigues Pereira (1) Engenheiro Sanitarista pela UFPA. Mestre

Leia mais

Saneamento no Distrito Federal

Saneamento no Distrito Federal Saneamento no Distrito Federal assunto Eng. Stefan Mühlhofer Mestre em Planejamento e Gestão Ambiental Superintendente de Projetos Distribuição da Água no Planeta 2,10% 97% 0,90% 0,87% 0,03% Água

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE Norma NBR 7198 (ABNT,1998) Projeto e execução de instalações prediais deágua quente. Condições

Leia mais

Revista de Engenharia e Tecnologia ISSN 2176-7270

Revista de Engenharia e Tecnologia ISSN 2176-7270 APLICAÇÃO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL NO DIMENSIONAMENTO DE VOLUME DE RESERVATÓRIO PARA SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL DA CIDADE DE PONTA GROSSA, PR Rodrigo Braga Moruzzi, UNESP, rmoruzzi@rc.unesp.br

Leia mais

Em prédios Públicos. MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA ECONOMIA DE ÁGUA Guia voltado para síndicos e administradores públicos

Em prédios Públicos. MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA ECONOMIA DE ÁGUA Guia voltado para síndicos e administradores públicos MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA ECONOMIA DE ÁGUA Guia voltado para síndicos e administradores públicos A Copasa desenvolve em todo o estado de Minas Gerais uma série de ações para prover água de qualidade

Leia mais

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS COMPARAÇÃO DE DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA UMA ESCOLA

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS COMPARAÇÃO DE DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA UMA ESCOLA XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS COMPARAÇÃO DE DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA UMA ESCOLA Ronaldo Kanopf de Araújo 1, Lidiane Bitencourt Barroso 2 ; Denise Kanopf de

Leia mais

IDENTIFICÃO E PROPOSTA DE MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DO MERCADO PÚBLICO DA TORRE - JOÃO PESSOA, PB.

IDENTIFICÃO E PROPOSTA DE MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DO MERCADO PÚBLICO DA TORRE - JOÃO PESSOA, PB. IDENTIFICÃO E PROPOSTA DE MELHORIAS DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DO MERCADO PÚBLICO DA TORRE - JOÃO PESSOA, PB. Mariana Moreira de OLIVEIRA 1, José Vicente Damante Ângelo e SILVA 2, Elisângela Maria Rodrigues

Leia mais

EFEITO DO ESCOAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA EM DIFERENTES COBERTURAS. Nilton de Brito Cavalcanti 1

EFEITO DO ESCOAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA EM DIFERENTES COBERTURAS. Nilton de Brito Cavalcanti 1 You are free: to copy, distribute and transmit the work; to adapt the work. You must attribute the work in the manner specified by the author or licensor EFEITO DO ESCOAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA EM DIFERENTES

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES METODOLOGIAS PARA DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM MESO- REGIÕES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES METODOLOGIAS PARA DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM MESO- REGIÕES DO ESTADO DE PERNAMBUCO COMPARAÇÃO DE DIFERENTES METODOLOGIAS PARA DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM MESO- REGIÕES DO ESTADO DE PERNAMBUCO Arthur Paiva Coutinho 1, Paulo T.R. de Gusmão², Suzana M. G.L.

Leia mais

VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM

VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM María del Pilar Durante Ingunza (1) Geóloga/Universidad Complutense de Madrid/Espanha, Mestre em Meio Ambiente/Universidad Politécnica de Madrid/Espanha,

Leia mais

APROVEITAMENTO, CAPTAÇÃO E (RE) USO DAS ÁGUAS PLUVIAIS NA ARQUITETURA

APROVEITAMENTO, CAPTAÇÃO E (RE) USO DAS ÁGUAS PLUVIAIS NA ARQUITETURA Página1 APROVEITAMENTO, CAPTAÇÃO E (RE) USO DAS ÁGUAS PLUVIAIS NA ARQUITETURA Tarcísio Dorn de Oliveira 1 Samara Simon Christmann 2 Juliene Biazzi Pierezan 3 Resumo: O presente artigo tem a intenção de

Leia mais

Palavras-Chave: Modelos de Otimização, Culturas Irrigadas, CISDERGO.

Palavras-Chave: Modelos de Otimização, Culturas Irrigadas, CISDERGO. EFEITO DE MODIFICAÇÕES NO PLANO CULTURAL E NO SISTEMA DE IRRIGAÇÃO COMO FORMA DE MELHOR APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA CENÁRIOS CLIMÁTICOS NORMAL E SECO Rosires Catão Curi, Profa.do Dept. de Eng.

Leia mais

EFICIÊNCIA HÍDRICA. Relatório de experiência realizada no Colégio xxxxxxxxx de Campo de Ourique. Experiência de 13/09 a 09/11 de 2010

EFICIÊNCIA HÍDRICA. Relatório de experiência realizada no Colégio xxxxxxxxx de Campo de Ourique. Experiência de 13/09 a 09/11 de 2010 EFICIÊNCIA HÍDRICA Relatório de experiência realizada no Colégio xxxxxxxxx de Campo de Ourique Experiência de 13/09 a 09/11 de 2010 Novembro de 2010 1. Introdução A água é um bem essencial à vida e indispensável

Leia mais

MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA)

MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA) MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES (PPA) SUMÁRIO PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES... 4 1. SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA...

Leia mais

DICAS PARA ECONOMIZAR ÁGUA NO SEU DIA A DIA

DICAS PARA ECONOMIZAR ÁGUA NO SEU DIA A DIA ÁGUA Economizar água é uma necessidade urgente em todo o mundo. Se não houver mudanças de hábitos no curto prazo, em poucos anos, teremos grandes problemas de abastecimento, sem contar com os 768 milhões

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ESTUDO DAS CONDIÇÕES DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL E REÚSO DE ÁGUA SERVIDA EM PRÉDIOS DE

Leia mais

Capitulo 3. Previsão de consumo de água não potável

Capitulo 3. Previsão de consumo de água não potável Capitulo 3 Previsão de consumo de água não potável Em 1851 Mulvaney descreveu pela primeira vez o conceito de tempo de concentração David Maidment, 1993 3-1 Índice Capítulo 3- Previsão de consumo de água

Leia mais

FABIANO CÂNDIDO DA SILVA ESTUDO DO APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA EM CONDOMÍNIO RESIDENCIAL NO MUNICÍPIO DE ITAPOÁ SC MONOGRAFIA DE ESPECIALIZAÇÃO

FABIANO CÂNDIDO DA SILVA ESTUDO DO APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA EM CONDOMÍNIO RESIDENCIAL NO MUNICÍPIO DE ITAPOÁ SC MONOGRAFIA DE ESPECIALIZAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS FABIANO CÂNDIDO DA SILVA ESTUDO DO APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

I-025 EFEITO DA ABSTRAÇÃO INICIAL NO APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA

I-025 EFEITO DA ABSTRAÇÃO INICIAL NO APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA I-025 EFEITO DA ABSTRAÇÃO INICIAL NO APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA Adilson Pinheiro (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Santa Catarina; Mestre em Engenharia de Recursos Hídricos e Saneamento

Leia mais

ÁGUA: UM PROJETO DE ENSINO DE MATEMÁTICA

ÁGUA: UM PROJETO DE ENSINO DE MATEMÁTICA ÁGUA: UM PROJETO DE ENSINO DE MATEMÁTICA Cristina Medianeira de Souza Chaves, UNIFRA, cristinamschaves@yahoo.com.br José Nilson dos Santos Farias, UNIFRA, jonsf@zipmail.com.br Lozicler Maria Moro dos Santos,

Leia mais

Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação

Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação Mariana Santos de Siqueira Departamento de Engenharia Civil, Universidade de Pernambuco,

Leia mais

Bento Gonçalves RS, Brasil, 5 a 7 de Abril de Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

Bento Gonçalves RS, Brasil, 5 a 7 de Abril de Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Análise crítica de métodos para dimensionamento de reservatórios de água pluvial Estudo comparativo dos municípios de Belo Horizonte (MG), Recife (PE) e Rio Branco (AC) Ana Paula de Godoy Lopes 1 ; Daniel

Leia mais

TG Triturador de Garrafas Pet. José Ricardo Lyra Palmeiro Evandro Luiz dos Santos Lopes. Átila Henrique Ferreira Jones Vasconcelos Freitas da Silva

TG Triturador de Garrafas Pet. José Ricardo Lyra Palmeiro Evandro Luiz dos Santos Lopes. Átila Henrique Ferreira Jones Vasconcelos Freitas da Silva Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho TG Triturador de Garrafas Pet Áreas Meio Ambiente Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores José

Leia mais

Localização Estoques Hídricos

Localização Estoques Hídricos ÁGUA USO RACIONAL FUNDAÇÃO RELICTOS Ciclo da Água Estado Físico da Água. Localização Estoques Hídricos Água no Mundo Água no Nosso Corpo 74% do nosso corpo também é constituído de água. Assim como a água

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS E REUSO DE ÁGUAS CINZAS PARA FINS NÃO POTÁVEIS

Leia mais

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 A cidade de Campo Grande, localizada no estado do Rio Grande do Norte (RN), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros

Leia mais

Em 2050 a população mundial provavelmente

Em 2050 a população mundial provavelmente Declaração mundial Armazenamento de Água para o Desenvolvimento Sustentável Em 2050 a população mundial provavelmente ultrapassará nove bilhões de habitantes O aumento da população mundial, tanto rural

Leia mais

ESTUDO SOBRE VIABILIDADE TÉCNICA PARA REÚSO DE EFLUENTE NO SISTEMA DE JARDINAGEM EM UMA INDÚSTRIA DE FABRICAÇÃO DE EMBALAGENS DE PAPELÃO ONDULADO

ESTUDO SOBRE VIABILIDADE TÉCNICA PARA REÚSO DE EFLUENTE NO SISTEMA DE JARDINAGEM EM UMA INDÚSTRIA DE FABRICAÇÃO DE EMBALAGENS DE PAPELÃO ONDULADO ESTUDO SOBRE VIABILIDADE TÉCNICA PARA REÚSO DE EFLUENTE NO SISTEMA DE JARDINAGEM EM UMA INDÚSTRIA DE FABRICAÇÃO DE EMBALAGENS DE PAPELÃO ONDULADO Daiane Roberta Lopes dos Santos*, Edna dos Santos Almeida.

Leia mais

III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO COSTA DAS DUNAS

III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO COSTA DAS DUNAS 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO

Leia mais

PROJETO DE APROVEITAMENTO AGUA DE CHUVA EM ESCOLAS - A2C

PROJETO DE APROVEITAMENTO AGUA DE CHUVA EM ESCOLAS - A2C PROJETO DE APROVEITAMENTO AGUA DE CHUVA EM ESCOLAS - A2C Eng. MSc.André S. Pinhel 1 ; Arq.MSc Ignez M. Selles; Eng.MSc. Icaro M. Junior; Eng. Danielle M. R. Duarte; Arq. Luis Guilherme F. Cosentino End:

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia -5,12% em Maio O Índice Nacional da Construção

Leia mais

Unidade: INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA e de ÁGUA QUENTE. Unidade I:

Unidade: INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA e de ÁGUA QUENTE. Unidade I: Unidade: INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA e de ÁGUA QUENTE Unidade I: 0 Unidade: Instalações Prediais De Água Fria E De Água Quente 1 - INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA 1 1.1 Terminologia Abastecimento:

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA DA CHUVA PARA COMUNIDADES RURAIS DO SEMIÁRIDO Laíse do Nascimento Cabral, 1 Sérgio Murilo Santos de Araújo 2

REFLEXÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA DA CHUVA PARA COMUNIDADES RURAIS DO SEMIÁRIDO Laíse do Nascimento Cabral, 1 Sérgio Murilo Santos de Araújo 2 REFLEXÕES SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA DA CHUVA PARA COMUNIDADES RURAIS DO SEMIÁRIDO Laíse do Nascimento Cabral, 1 Sérgio Murilo Santos de Araújo 2 1 Mestranda - Pós-graduação Recursos Naturais - UFCG,

Leia mais

ESTUDO DE CASO: APLICAÇÃO DO PROCESSO DE ETIQUETAGEM DO SISTEMA DE AR CONDICIONADO DE UM EDIFÍCIO TIPO ESCRITÓRIO

ESTUDO DE CASO: APLICAÇÃO DO PROCESSO DE ETIQUETAGEM DO SISTEMA DE AR CONDICIONADO DE UM EDIFÍCIO TIPO ESCRITÓRIO ESTUDO DE CASO: APLICAÇÃO DO PROCESSO DE ETIQUETAGEM DO SISTEMA DE AR CONDICIONADO DE UM EDIFÍCIO TIPO ESCRITÓRIO Thiago Gonçalves de Oliveira Santos (1), Álvaro Messias Bigonha Tibiriçá (2), Joyce Carlo

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008 USO RACIONAL DA ÁGUA Tipos de Água: Água potável - é a que se pode beber. É fundamental para a vida humana, e é obtida através de tratamentos que eliminam qualquer impureza. Água poluída - É a água suja

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Período 2004/2008 INFORME TÉCNICO PREPARADO POR: Departamento de Estudos Energéticos e Mercado, da Eletrobrás

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

Programa de Uso e Reuso da Água VEREADOR AURÉLIO

Programa de Uso e Reuso da Água VEREADOR AURÉLIO VEREADOR AURÉLIO Programa de Uso e Reuso da Água Lei 14.018/2005 (Projeto de Lei do vereador Aurélio Nomura): Institui o Programa Municipal de Conservação e Uso Racional da Água Conheça a lei, as medidas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

AVALIAÇÃO QUANTITATIVA E QUALITATIVA DAS ÁGUAS NO APROVEITAMENTO PLUVIAL NA UFMS

AVALIAÇÃO QUANTITATIVA E QUALITATIVA DAS ÁGUAS NO APROVEITAMENTO PLUVIAL NA UFMS AVALIAÇÃO QUANTITATIVA E QUALITATIVA DAS ÁGUAS NO APROVEITAMENTO PLUVIAL NA UFMS Roger Daniel Rôdas 1 & Jorge Luiz Steffen 2 1 Acadêmico do curso de graduação em Engenharia Ambiental na Universidade Federal

Leia mais

Nome do Autor: Endereço para correspondência:

Nome do Autor: Endereço para correspondência: TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA E SUA RELAÇÃO COM O USO DO SOLO EM DOIS MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS SP: RESERVATÓRIO DO TANQUE GRANDE E DO CABUÇU Nome do Autor: José Carlos

Leia mais

XII-019 CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL: REÚSO DA ÁGUA E FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA COMO OPÇÕES PARA A SUSTENTEBILIDADE HABITACIONAL

XII-019 CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL: REÚSO DA ÁGUA E FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA COMO OPÇÕES PARA A SUSTENTEBILIDADE HABITACIONAL XII-019 CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL: REÚSO DA ÁGUA E FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA COMO OPÇÕES PARA A SUSTENTEBILIDADE HABITACIONAL Gleison Henrique da Silva (1) Engenheiro Civil pela Universidade de Passo

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NO DISTRITO FEDERAL WWF Brasil Maio/ 2003 OBJETIVOS: Levantar informações para subsidiar o planejamento e a avaliação da comunicação da WWF Brasil. Gerar conhecimentos relevantes

Leia mais

USO RACIONAL DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIOS: AVALIAÇÃO DE ALTERNATIVAS PARA A REDUÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA POTÁVEL

USO RACIONAL DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIOS: AVALIAÇÃO DE ALTERNATIVAS PARA A REDUÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA POTÁVEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Relatório de Iniciação Científica USO RACIONAL DE ÁGUA EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIOS: AVALIAÇÃO DE ALTERNATIVAS

Leia mais

REDUÇÃO NA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA GUARAÚ COM A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁGUA DE LAVAGEM DOS FILTROS

REDUÇÃO NA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA GUARAÚ COM A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁGUA DE LAVAGEM DOS FILTROS REDUÇÃO NA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA GUARAÚ COM A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁGUA DE LAVAGEM DOS FILTROS Alexandre Saron (1) Engenheiro químico na ETA Guaraú da CIA de Saneamento

Leia mais

11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP. Agua: pague menos

11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP. Agua: pague menos 11º Seminário Tecnologia de Sistemas Prediais SindusConSP Agua: pague menos Atitudes para o usuário diminuir o consumo de água da rede pública: 1. Peças que economizam água 2. Medição individualizada e

Leia mais

Eixo Temático ET-05-018 - Meio Ambiente e Recursos Naturais

Eixo Temático ET-05-018 - Meio Ambiente e Recursos Naturais 621 Eixo Temático ET-05-018 - Meio Ambiente e Recursos Naturais ESTUDO DA CAPACIDADE ADSORTIVA DE PRODUTOS NATURAIS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTE POR ADSORÇÃO Henrique John Pereira Neves¹, Rejane Pereira

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

GERAÇÃO DE LIXIVIADOS NA CÉLULA EXPERIMENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA MURIBECA-PE

GERAÇÃO DE LIXIVIADOS NA CÉLULA EXPERIMENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA MURIBECA-PE GERAÇÃO DE LIXIVIADOS NA CÉLULA EXPERIMENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA MURIBECA-PE Laís Roberta Galdino de Oliveira (1) Graduada em Engenharia Agrícola e Ambiental pela Universidade Federal Rural

Leia mais

APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM EDIFICAÇÕES: REFLEXÕES E NECESSIDADES

APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM EDIFICAÇÕES: REFLEXÕES E NECESSIDADES CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE 11 A 14 DE JULHO DE 2005 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA EM EDIFICAÇÕES:

Leia mais

Ana Paula de Godoy Lopes, Daniel Augusto Miranda

Ana Paula de Godoy Lopes, Daniel Augusto Miranda SCIENTIA CUM INDUSTRIA (SCI. CUM IND.), V.4, N. 2, 87 91 2016 Análise Crítica De Métodos Para Dimensionamento De Reservatórios De Água Pluvial Estudo Comparativo Dos Municípios De Belo Horizonte (Mg),

Leia mais

COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL

COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL Paulo Nobukuni 1 Vicente de Paula Pereira 2 Romísio Geraldo Bouhid André 2 RESUMO ABSTRACT Dados de pluviosidade,

Leia mais

Diante da atual situação de desabastecimento de água na cidade. Orientações à população para uso da Água. prefeitura.sp.gov.

Diante da atual situação de desabastecimento de água na cidade. Orientações à população para uso da Água. prefeitura.sp.gov. Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde - COVISA 08 de abril de 05 Orientações à população para uso da Água Diante da atual situação de desabastecimento

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 PRODUÇÃO DE TELHA SEM AMIANTO USANDO FIBRAS DE COCO VERDE E CINZAS DE CANA-DE-AÇÚCAR. Ana Paula dos Santos Rodrigues¹; Daiene Lemes Pinto 2, Fernanda Luiza Mendonça Oliveira³, Guilherme Vitor Batista Correia

Leia mais

COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1

COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1 COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1 Luiza Teixeira de Lima Brito 2 Aderaldo de Souza Silva 3 RESUMO Técnicas de captação e armazenamento de água de

Leia mais

http://www.revistapublicitta.com.br/detalhaconteudo.asp?cod_not=10...

http://www.revistapublicitta.com.br/detalhaconteudo.asp?cod_not=10... 1 de 5 23/3/2012 09:41 22.03.2012 No Dia Mundial da Água, Akatu e Leo Burnett Tailor Made apresentam aplicativo para iphone que incent Em comemoração ao Dia Mundial da Água, celebrado nesta quinta-feira

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais

Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais 287 Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais EVOLUÇÃO DOS PROJETOS BRASILEIROS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE 2013 E 2014 Ana Cândida Ferreira Vieira

Leia mais

PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE

PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE SUMÁRIO EXECUTIVO ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

Energia em busca de alternativas renováveis 1

Energia em busca de alternativas renováveis 1 Energia em busca de alternativas renováveis 1 Nivalde José de Castro Roberto Brandão Guilherme de A. Dantas Pergunta: É possível haver equilíbrio em um quadro de alta do petróleo, custos pouco atrativos

Leia mais

Qualidade da água pluvial aproveitada em instalações residenciais no meio urbano: Santana de Parnaíba SP

Qualidade da água pluvial aproveitada em instalações residenciais no meio urbano: Santana de Parnaíba SP CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE 11 A 14 DE JULHO DE 2005 Qualidade da água pluvial aproveitada

Leia mais