Introdução à Arquitetura de Computadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução à Arquitetura de Computadores"

Transcrição

1 Introdução à Arquitetura de Computadores Prof. Tiago Semprebom Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Santa Catarina - Campus São José 31 de julho de 2009 Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

2 Breve histórico Primeiros dispositivos mecânicos no século XVI. Ex: Caixa de músicas, com cilindros rotativos Blaise Pascal ( ) desenvolveu uma calculadora mecânica para auxiliar na preparação dos impostos de seu pai. Figura: Máquina de calcular de Pascal. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

3 Breve histórico Um século depois, na Segunda Guerra Mundial, ocorreram os avanços significativos na computação. Os alemães usavam um sistema de criptografia, chamado ENIGMA inventada pela SIEMENS AG, para usar contra os aliados. Este problema, motivou Alan Turing ( ) e outros cientistas da Inglaterra a criar máquinas capazes de quebrar os códigos de codificação. O resultado desses trabalho gerou o sistema Colossos. Este sistema conseguia quebrar várias mensagens criptografadas. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

4 Breve histórico A máquina Colossos consistia de válvulas e conexões de fios. No mesmo período, J. Presper Eckert e John Mauchly projetaram uma máquina que poderia ser usada para calcular a trajetória balistica para o exército dos Estados Unidos. Foi Chamado de ENIAC (Eletronic Numerical Integrator and Computer). Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

5 Paradigma Tecnológico Atuação cada vez maior dos computadores nas diversas atividades do nosso dia-a-dia. Convergência de tecnologias (celulares, telefonia, sensores, etc) Evolução caracterizada pelo desenvolvimento de computadores com características diversas, traduzidas pelos mais diversos parâmetros computacionais: a CPU adotada, capacidade de memória, disco rígido, memória cache. A definição destes parâmetros e a forma como os componentes estão organizados, define o que chamamos de arquitetura do computador Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

6 Introdução Definição do que é um microcomputador: Máquina programável capaz de realizar processamento de informações. Máquina, pois possui componentes físicos (placas, cirtuitos, fios, etc). É o que chamamos de hardware. Programável, no sentido que há um conjunto de instruções (programas) que ditam o que deve ser feito (software). Por processamento de informação devemos entender a capacidade de receber informações, transformá-las (processamento) e exibir os resultados. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

7 Introdução Definição do que é um microcomputador: Máquina programável capaz de realizar processamento de informações. Máquina, pois possui componentes físicos (placas, cirtuitos, fios, etc). É o que chamamos de hardware. Programável, no sentido que há um conjunto de instruções (programas) que ditam o que deve ser feito (software). Por processamento de informação devemos entender a capacidade de receber informações, transformá-las (processamento) e exibir os resultados. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

8 Introdução Definição do que é um microcomputador: Máquina programável capaz de realizar processamento de informações. Máquina, pois possui componentes físicos (placas, cirtuitos, fios, etc). É o que chamamos de hardware. Programável, no sentido que há um conjunto de instruções (programas) que ditam o que deve ser feito (software). Por processamento de informação devemos entender a capacidade de receber informações, transformá-las (processamento) e exibir os resultados. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

9 Introdução Definição do que é um microcomputador: Máquina programável capaz de realizar processamento de informações. Máquina, pois possui componentes físicos (placas, cirtuitos, fios, etc). É o que chamamos de hardware. Programável, no sentido que há um conjunto de instruções (programas) que ditam o que deve ser feito (software). Por processamento de informação devemos entender a capacidade de receber informações, transformá-las (processamento) e exibir os resultados. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

10 Componentes básicos de um computador Graficamente, pode-se enumerar os seguintes componentes genéricos desta classe de equipamentos Apesar da evolução na área, o esquema abaixo pode ser utilizado para descrever um sistema computacional atual, ou os computadores da década de 40, projetador por engenheiros como John Von Neuman. Memória Processador Periféricos Barramento Figura: Elementos básicos do computador. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

11 Principais elementos do computador Processador: responsável pelo tratamento de informações armazenadas em memória (programas em código de máquina e dos dados) Memória: responsável pelo armazenamento dos programas e dos dados Periféricos: dispositivos responsáveis pelas entradas e saídas de dados do computador, ou seja, pela interações entre o computador e o mundo externo Barramento: interliga todos esses componentes. Via de comunicação de alto desempenho por onde circulam os dados tratados pelo computador Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

12 Principais elementos do computador Processador: responsável pelo tratamento de informações armazenadas em memória (programas em código de máquina e dos dados) Memória: responsável pelo armazenamento dos programas e dos dados Periféricos: dispositivos responsáveis pelas entradas e saídas de dados do computador, ou seja, pela interações entre o computador e o mundo externo Barramento: interliga todos esses componentes. Via de comunicação de alto desempenho por onde circulam os dados tratados pelo computador Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

13 Principais elementos do computador Processador: responsável pelo tratamento de informações armazenadas em memória (programas em código de máquina e dos dados) Memória: responsável pelo armazenamento dos programas e dos dados Periféricos: dispositivos responsáveis pelas entradas e saídas de dados do computador, ou seja, pela interações entre o computador e o mundo externo Barramento: interliga todos esses componentes. Via de comunicação de alto desempenho por onde circulam os dados tratados pelo computador Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

14 Principais elementos do computador Processador: responsável pelo tratamento de informações armazenadas em memória (programas em código de máquina e dos dados) Memória: responsável pelo armazenamento dos programas e dos dados Periféricos: dispositivos responsáveis pelas entradas e saídas de dados do computador, ou seja, pela interações entre o computador e o mundo externo Barramento: interliga todos esses componentes. Via de comunicação de alto desempenho por onde circulam os dados tratados pelo computador Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

15 Processador Considerado o cérebro do microcomputador. Executa os programas, faz os cálculos e toma as decisões de acordo com instruções armazanadas na memória. Um microprocessador nada mais é do que uma CPU inteira dentro de um único CHIP. Atualmente temos processamento SMP (Symmetric Multiprocessing). Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

16 Tarefas realizadas pela CPU Busca e execução de instruções existentes na memória. Os programas e dados que ficam armazenados em disco, são transferidos para a memória. Uma vez estando na memória, a CPU pode executar os programas e processar os dados. Comanda todos os chips do computador. A CPU é composta basicamente por três elementos: unidade de controle, unidade lógica e aritmética e registradores. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

17 Unidade Lógica e Aritmética (ULA) Assume todas as tarefas relacionadas a operações lógicas (ou, e, negação) e aritméticas (soma, subtrações, etc) a serem realizadas no contexto de uma tarefa. Parâmetros que influenciam no desempenho global de uma sistema computacional: 1 Tamanho da palavra: Sistemas de numeração adotado é binário, o tamanho da palavra é em número de bits, logo quanto maior o tamanho da palavra manipulada, maior é seu potencial de cálculo e precisão. 2 Velocidade do cálculo: Diretamente relacionada com a frequência do relógio que pilota o circuito da CPU clock. 3 Quantidade de operações suportadas: Antigamente número restrito de instruções - RISC. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

18 Unidade de Controle (UC) Assume tarefas de controle das ações a serem realizadas pelo microcomputador, comanda todos os componentes da arquitetura Garante a correta execução dos programas e a utilização dos dados corretos nas operações que manipulam Gerencia todos os eventos associados à operações do computador, em especial as interrupções utilizadas. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

19 Registradores A CPU contém internamente memória de alta velocidade, que permite o armazenamento de valores intermediários ou informações de comando. Esta memória é composta por registradores, na qual cada registro possui uma função própria. Contador de Programa (PC - Program Counter): aponta para a próxima instrução a executar. Registro de Instrução (IR - Instruction Register): armazena a instrução em execução. Qual a vantagem em se utilizar registros internos ao microprocessador? Tendo em vista que eles armazem informações temporárias. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

20 Clock Circuito oscilador que tem a função de sincronizar e ditar a medida de velocidade de tranferência de dados no computador, por exemplo, entre o processador e a memória principal. Frequência medida em ciclos por segundo, ou Hertz. Existe a frequência de operação própria do processador, comandando operação internas a ele, e a frequência do computador a ele associado, basicamente ciclos CPU-memória principal. Exemplo: Um processador Pentium II-300, acessa a memória principal à 66 MHz. Sua frequência de 300 MHz é atingida somente no interior do chip e não na relação CPU-Memória do computador. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

21 Processadores RISC e CISC Uma instrução em um programa de alto nível é implementado por diversas instruções de processador em mais baixo nível. Exemplo, uma instrução de um programa que imprime um conjunto de caracteres na tela é realizado em nível de processador por um conjunto de instruções. De acordo com o número de instruções suportadas, pode-se classificar um processador como RISC (Reduced Instruction Set Computing) ou CISC (Complex Instruction Set Computing). Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

22 Processadores CISC Um processador CISC suporta um conjunto maior de instruções, sendo cada instrução mais especializada, graças a isto ele pode executar, de modo direto, a maioria das operações programadas pelos programas de alto nível. Devido a isto, o número de instruções de mais alto nível são menores. Mas quanto maior a quantidade de instruções que um processador suporta, mais lenta é a execução de cada uma delas. Porquê? Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

23 Processadores RISC Um processador RISC reconhece um número limitado de instruções, que em contrapartida são otimizadas para serem executadas com mais rapidez. A arquitetura RISC reduz o conjunto de instruções ao mínimo, e as instruções não implementadas diretamente, são realizadas por uma combinação de instruções existentes. O programa é implementado por um número maior de instruções. Ex. Apple - PowerPC. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

24 Memória Conjunto de circuitos capazes de armazenar os dados a serem executados pela máquina Memória Principal: ou memória de trabalho, onde normalmente devem estar armazenados os programas e dados a serem manipulados pelo processador Memória Secundária: permite armazenar maior quantidade de dados e instruções por um período de tempo mais longo, ex: HD, unidades de fita e memórias Flash. Memória Cache: constitui-se de uma pequena porção de memória com curto tempo de resposta, normalmente integrada aos processadores e que permite melhorar o desempenho durante a execução de um programa. Os circuitos de memória são subdivididos em pequenas unidades de armazenamento (geralmente 1 byte). Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

25 Memória Conjunto de circuitos capazes de armazenar os dados a serem executados pela máquina Memória Principal: ou memória de trabalho, onde normalmente devem estar armazenados os programas e dados a serem manipulados pelo processador Memória Secundária: permite armazenar maior quantidade de dados e instruções por um período de tempo mais longo, ex: HD, unidades de fita e memórias Flash. Memória Cache: constitui-se de uma pequena porção de memória com curto tempo de resposta, normalmente integrada aos processadores e que permite melhorar o desempenho durante a execução de um programa. Os circuitos de memória são subdivididos em pequenas unidades de armazenamento (geralmente 1 byte). Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

26 Memória Conjunto de circuitos capazes de armazenar os dados a serem executados pela máquina Memória Principal: ou memória de trabalho, onde normalmente devem estar armazenados os programas e dados a serem manipulados pelo processador Memória Secundária: permite armazenar maior quantidade de dados e instruções por um período de tempo mais longo, ex: HD, unidades de fita e memórias Flash. Memória Cache: constitui-se de uma pequena porção de memória com curto tempo de resposta, normalmente integrada aos processadores e que permite melhorar o desempenho durante a execução de um programa. Os circuitos de memória são subdivididos em pequenas unidades de armazenamento (geralmente 1 byte). Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

27 Memória Conjunto de circuitos capazes de armazenar os dados a serem executados pela máquina Memória Principal: ou memória de trabalho, onde normalmente devem estar armazenados os programas e dados a serem manipulados pelo processador Memória Secundária: permite armazenar maior quantidade de dados e instruções por um período de tempo mais longo, ex: HD, unidades de fita e memórias Flash. Memória Cache: constitui-se de uma pequena porção de memória com curto tempo de resposta, normalmente integrada aos processadores e que permite melhorar o desempenho durante a execução de um programa. Os circuitos de memória são subdivididos em pequenas unidades de armazenamento (geralmente 1 byte). Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

28 Memória Conjunto de circuitos capazes de armazenar os dados a serem executados pela máquina Memória Principal: ou memória de trabalho, onde normalmente devem estar armazenados os programas e dados a serem manipulados pelo processador Memória Secundária: permite armazenar maior quantidade de dados e instruções por um período de tempo mais longo, ex: HD, unidades de fita e memórias Flash. Memória Cache: constitui-se de uma pequena porção de memória com curto tempo de resposta, normalmente integrada aos processadores e que permite melhorar o desempenho durante a execução de um programa. Os circuitos de memória são subdivididos em pequenas unidades de armazenamento (geralmente 1 byte). Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

29 Memória Ao contrário do processador, que é complexo, os chips de memória são formados por uma repetição de uma estrutura bem simples formada por um par transistor e um capacitor. Um transistor é capaz de processar um único bit por vez, e o capacitor é capaz de armazenar a informação por um certo tempo. Um pente de 1GB é composto por 8 chips cada um deles com um total de 1024 megabits, o que equivale a 1024 milhões de transistores. Um Athon 64 X2 tem apenas 233 milhões de transistores e custa bem mais caro do que um pente de memória. A velocidade de processamento da memória é muito mais lenta que o processador. Para reduzir esta diferença, os fabricantes passaram a desenvolver novas tecnologias para as memórias, desde as usadas nos 486, até as DDR2 usadas atualmente. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

30 Memória Principal Local onde normalmente devem estar armazenados os programas e dados a serem manipulados pelo processador. Tipos de memória: Memórias Voláteis (Random Access Memory - RAM) Chips de memória que podem ser lidos e gravados pela CPU a qualquer instante. Trata-se de uma memória volátil. PC desligado, conteúdo apagado! Memórias não-voláteis: Memórias cujas informações mantidas não são perdidas caso o computador seja desligado. Caso do programa BIOS (Basic Input-Output System), realiza a partida do computador (contagem de memória, carrega SO, bibliotecas, drivers, etc). Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

31 Tipos de memória permanente ROM: São chips que podem ser lidos pela CPU a qualquer instante, porém não podem ser gravados pela CPU. Sua fabricação é feita apenas pelo fabrincate de memórias. Memória permanente, conteúdo estático, exemplo BIOS da placa mãe. PROM: Programmable ROM. Trata-de de uma espécie de ROM que é produzida e apagada. O fabricante pode programá-la, porém esta processo ocorre apenas uma vez ( queimar a PROM ). Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

32 Tipos de memória permanente ROM: São chips que podem ser lidos pela CPU a qualquer instante, porém não podem ser gravados pela CPU. Sua fabricação é feita apenas pelo fabrincate de memórias. Memória permanente, conteúdo estático, exemplo BIOS da placa mãe. PROM: Programmable ROM. Trata-de de uma espécie de ROM que é produzida e apagada. O fabricante pode programá-la, porém esta processo ocorre apenas uma vez ( queimar a PROM ). Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

33 Tipos de memória permanente EPROM: Eraseable PROM. Assim como ocorre na PROM, a EPROM pode ser programada, mantendo os dados armazenados mesmo sem corrente elétrica, e permitindo apenas operações de leitura. Porém, pode ser apagada através de raios ultravioleta. EEPROM ou E2PROM: Electrically Erasable PROM. Tipo de memória ROM mais flexível, pode ser apagada sobre o controle de software. Tipo de ROM mais atual para armazenar as BIOS atuais. Podendo assim serem executadas atualizações de BIOS (flash BIOS) através de softaware específicos. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

34 Tipos de memória permanente EPROM: Eraseable PROM. Assim como ocorre na PROM, a EPROM pode ser programada, mantendo os dados armazenados mesmo sem corrente elétrica, e permitindo apenas operações de leitura. Porém, pode ser apagada através de raios ultravioleta. EEPROM ou E2PROM: Electrically Erasable PROM. Tipo de memória ROM mais flexível, pode ser apagada sobre o controle de software. Tipo de ROM mais atual para armazenar as BIOS atuais. Podendo assim serem executadas atualizações de BIOS (flash BIOS) através de softaware específicos. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

35 Tecnologias de memória RAM (memória volátil) SRAM: Static RAM mantêm seus dados sem uma reatuazalização externa (refresh), na medida que seus circuitos são alimentados continuamente. DRAM: Necessitam de pulsos a cada 15ns para manter seu conteúdo, de forma que a energia não fique alimentando a memória continuamente. Este pulso periódico é o refresh. Memória SRAM mais rápida (até 15 ns de tempo de acesso), porém com custo mais elevado (seis transistores para cada bit). Memória DRAM mais barata e mais lenta (até 100 ns de tempo de acesso). Cada bit necessita apenas de um transistor e um capacitor apenas. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

36 Asynchronous DRAM A DRAM convencional, é dita ser assíncrona. Isto significa que elas trabalham em seu próprio ritmo, independentemente dos ciclos da placa mãe. Exemplo: Uma memória que realize um burst de 4 leituras, com barramento de 66 MHz os intervalos de espera podem ser de até , o que significa que o processador terá que esperar 6 ciclos da placa mãe para a memória efetuar a primeira leitura e mais 3 ciclos para as leituras subsequentes. Interessante: No caso das placas para 486, que operavam com clocks baixos (30, 33 ou 40 MHz) os tempos de espera poderiam alcançar ou Porquê? Porque com menos ciclos por segundo, é natural que os tempos de resposta dos módulos correspondam a um número menor de ciclos da placa mãe. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

37 Asynchronous DRAM A DRAM convencional, é dita ser assíncrona. Isto significa que elas trabalham em seu próprio ritmo, independentemente dos ciclos da placa mãe. Exemplo: Uma memória que realize um burst de 4 leituras, com barramento de 66 MHz os intervalos de espera podem ser de até , o que significa que o processador terá que esperar 6 ciclos da placa mãe para a memória efetuar a primeira leitura e mais 3 ciclos para as leituras subsequentes. Interessante: No caso das placas para 486, que operavam com clocks baixos (30, 33 ou 40 MHz) os tempos de espera poderiam alcançar ou Porquê? Porque com menos ciclos por segundo, é natural que os tempos de resposta dos módulos correspondam a um número menor de ciclos da placa mãe. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

38 Asynchronous DRAM A DRAM convencional, é dita ser assíncrona. Isto significa que elas trabalham em seu próprio ritmo, independentemente dos ciclos da placa mãe. Exemplo: Uma memória que realize um burst de 4 leituras, com barramento de 66 MHz os intervalos de espera podem ser de até , o que significa que o processador terá que esperar 6 ciclos da placa mãe para a memória efetuar a primeira leitura e mais 3 ciclos para as leituras subsequentes. Interessante: No caso das placas para 486, que operavam com clocks baixos (30, 33 ou 40 MHz) os tempos de espera poderiam alcançar ou Porquê? Porque com menos ciclos por segundo, é natural que os tempos de resposta dos módulos correspondam a um número menor de ciclos da placa mãe. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

39 Synchronous DRAM As memórias (Synchronous Dynamic RAM) são capazes de trabalhar sincronizadas com os ciclos da placa mãe, sem tempos de espera. Isto significa que a temporização das memórias SDRAM é sempre de uma leitura por ciclos. Independente da frequência de barramento utilizada, os tempos de acesso serão sempre de Veja que o primeiro acesso continua consumindo vários ciclos, pois nele é realizado o acesso padrão, ativando a linha RAS (Row Address Strobe) e depois a coluna CAS (Column Address Strobe). Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

40 Synchronous DRAM As memórias (Synchronous Dynamic RAM) são capazes de trabalhar sincronizadas com os ciclos da placa mãe, sem tempos de espera. Isto significa que a temporização das memórias SDRAM é sempre de uma leitura por ciclos. Independente da frequência de barramento utilizada, os tempos de acesso serão sempre de Veja que o primeiro acesso continua consumindo vários ciclos, pois nele é realizado o acesso padrão, ativando a linha RAS (Row Address Strobe) e depois a coluna CAS (Column Address Strobe). Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

41 Memórias SDRAM Apesar das otimizações as memórias SDRAM continuam realizando apenas uma tranferência por ciclo, da forma mais simples possível. Depois de decorrido o longo ciclo inicial, as células de memória entregam uma leitura de dados por ciclo, que passa pelos buffers de saída e é despachada pelo barramento de dados. Todos os componentes trabalham na mesma frequência. Figura: Memória SRAM. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

42 Memórias SDRAM Apesar das otimizações as memórias SDRAM continuam realizando apenas uma tranferência por ciclo, da forma mais simples possível. Depois de decorrido o longo ciclo inicial, as células de memória entregam uma leitura de dados por ciclo, que passa pelos buffers de saída e é despachada pelo barramento de dados. Todos os componentes trabalham na mesma frequência. Figura: Memória SRAM. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

43 Memórias DDR Double Data Rate. Com o lançamento das DDR, as SDRAM passaram a ser chamadas de SDR (Single Data Rate). Circuitos adicionais permitem gerar comandos de acesso e leituras duas vezes por ciclo de clock, executando uma no início e outra no final. Cada um dos dois comandos de leitura (ou gravação) sejam enviados para um endereço diferente, na mesma linha. Figura: Memória DDR. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

44 Memórias DDR Double Data Rate. Com o lançamento das DDR, as SDRAM passaram a ser chamadas de SDR (Single Data Rate). Circuitos adicionais permitem gerar comandos de acesso e leituras duas vezes por ciclo de clock, executando uma no início e outra no final. Cada um dos dois comandos de leitura (ou gravação) sejam enviados para um endereço diferente, na mesma linha. Figura: Memória DDR. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

45 Memórias DDR Double Data Rate. Com o lançamento das DDR, as SDRAM passaram a ser chamadas de SDR (Single Data Rate). Circuitos adicionais permitem gerar comandos de acesso e leituras duas vezes por ciclo de clock, executando uma no início e outra no final. Cada um dos dois comandos de leitura (ou gravação) sejam enviados para um endereço diferente, na mesma linha. Figura: Memória DDR. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

46 Memória Secundária Memória de massa. Seu acesso não é realizado diretamente pela CPU, é realizado através de interfaces ou controladores especiais. Memória permanente, alta capacidade de armazanamento e custo mais baixo que o da memória principal, Não é formada por chips e sim por outras tecnologias de armazenamento (magnética e óptica). Pense: Porque não utilizá-la no lugar da memória principal? Não permitem acesso a bytes individuais, apenas em blocos de dados (no caso dos discos, setores) além de ter tempo de acesso lento, devido aos componentes mecânicos do hardware. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

47 Memória Secundária Memória de massa. Seu acesso não é realizado diretamente pela CPU, é realizado através de interfaces ou controladores especiais. Memória permanente, alta capacidade de armazanamento e custo mais baixo que o da memória principal, Não é formada por chips e sim por outras tecnologias de armazenamento (magnética e óptica). Pense: Porque não utilizá-la no lugar da memória principal? Não permitem acesso a bytes individuais, apenas em blocos de dados (no caso dos discos, setores) além de ter tempo de acesso lento, devido aos componentes mecânicos do hardware. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

48 Barramentos Bus. Caminho comum pelo qual os dados trafegam dentro do computador. Tamanho do barramento é importante, uma barramento de 32 bits, transmite 32 bits de dados de cada vez, velocidade medida em MHz. Alguns barramentos (na verdade portos) adicionais projetados para conexão de placas gráficas. Barramento projetados para variós dispositivos compartilhem o mesmo meio de comunicação. Porto apenas entre dois dispositivos (Placas AGP - Accelerated Graphics Port) Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

49 Barramento da memória Barramento da Memória: Usado para transferir informações entre a CPU e a memória principal do sistema (memória RAM). Faz parte do barramentos do processador, fisicamente é implementada em um chipset dedicado que é responsável pela transferência de informações entre o barramento do processador e da memória. Impotante: A largura do barramento da memória é a mesma que do barramento do processador. Um processador que possui um barramento de 64 bits, cada banco de memória usado deverá possuir 64 bits preenchidos. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

50 Barramento da memória CPU Cache externa Barramento do Processador Barramento principal Controle de Barramento Barramento principal Barramento de Memória RAM Figura: Barramento da memória. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

51 Barramento de E/S Barramento de E/S: Desde a criação do PC, vários barramentos de E/S têm sido desenvolvidos. Necessita-se de uma padronização diante do mercado mundial, sem custos para os usuários. Barramento PCI (Peripheral Component Interconnect). Barramento de 32 e 64 bits, normalmente roda à 33 MHz e 66 MHz (máximo de 265 MB/s). Versões sincronizada: roda na metade da velocidade do barramento da memória. No modo assíncrono a velocidade do PCI pode ser configurado independentemente da velocidade do barramento da memória (jumpers da placa mãe ou BIOS). Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

52 Barramento de E/S Opera concorrentemente com o barramento do processador. A CPU pode processar os dados com cache externo, enquando o barramento PCI está ocupado transferindo informações para outras partes do sistema. Processador Cache Ponte/ Controlador de Memória DRAM Audio Barramento PCI local LAN SCSI Vídeo SANSUNG Figura: Estrutura do barramento PCI. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

53 Dispositivos de Entrada/Saída Periféricos. Através deles o computador pode armazenar, ler, transmitir e receber dados. Classificam-se em dispositivos de ENTRADA, SAÍDA e ENTRADA E SAÍDA. Entrada: Teclado, mouse, drive de CD-rom, microfone, scanner, etc Saída: Vídeo,impressora, auto-falante, etc Entrada e Saída: Disco rígido, Modem, fita magnética, etc Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

54 Lei de Moore O poder computacional dobra de capacidade a cada 18 meses Investimento de alto risco para a indústria de microprocessadores. Aumenta o valor de investimento ao mesmo tempo que reduz o tempo de retorno de cada novo chip. Ex: é necessário 2,3 ou 4 bilhões de dólares para cada novo projeto de chip mais rápido. Prof. Tiago (IF-SC) Sistemas Operacionais e Programação 31 de julho de / 35

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio Memórias Memória: é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema. Em outras

Leia mais

Memória ROM. Organização Funcional de um. Computador. ROM (Read-Only Memory) Memória Somente Leitura.

Memória ROM. Organização Funcional de um. Computador. ROM (Read-Only Memory) Memória Somente Leitura. Prof. Luiz Antonio do Nascimento Faculdade Nossa Cidade Organização Funcional de um Computador Unidade que realiza as operações lógicas e aritméticas Comanda as outras operações Sistema Central CPU ULA

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática 04 Organização de Computadores nov/2011 Componentes básicos de um computador Memória Processador Periféricos Barramento Processador (ou microprocessador) responsável pelo tratamento

Leia mais

AULA: Introdução à informática Computador Digital

AULA: Introdução à informática Computador Digital Campus Muriaé Professor: Luciano Gonçalves Moreira Disciplina: Informática Aplicada AULA: Introdução à informática Computador Digital Componentes de um computador digital : Hardware Refere-se às peças

Leia mais

HARDWARE FUNDAMENTAL. Unidade de sistema CPU Memória Primária Bus ou Barramento

HARDWARE FUNDAMENTAL. Unidade de sistema CPU Memória Primária Bus ou Barramento HARDWARE FUNDAMENTAL Unidade de sistema CPU Memória Primária Bus ou Barramento Um computador é um sistema capaz de processar informação de acordo com as instruções contidas em programas, independentemente

Leia mais

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução. Curso Conexão Noções de Informática. Aula 1 Arquitetura de Computadores (Hardware)

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução. Curso Conexão Noções de Informática. Aula 1 Arquitetura de Computadores (Hardware) Curso Conexão Noções de Informática Aula 1 Arquitetura de Computadores (Hardware) Agenda ; Arquitetura do Computador; ; ; Dispositivos de Entrada e Saída; Tipos de Barramentos; Unidades de Medidas. Email:

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático

Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático Introdução à estrutura e funcionamento de um Sistema Informático Elementos que constituem o Computador O funcionamento do computador é possível devido aos vários elementos interligados que o constituem:

Leia mais

HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. Wagner de Oliveira

HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. Wagner de Oliveira HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO Wagner de Oliveira SUMÁRIO Hardware Definição de Computador Computador Digital Componentes Básicos CPU Processador Memória Barramento Unidades de Entrada e

Leia mais

Introdução à Engenharia de Computação

Introdução à Engenharia de Computação Introdução à Engenharia de Computação Tópico: Organização Básica de um Computador Digital Introdução à Engenharia de Computação 2 Componentes de um Computador Computador Eletrônico Digital É um sistema

Leia mais

Sigla Nome Tecnologia. vez. Programable Read Only Memory (memória programável somente de leitura)

Sigla Nome Tecnologia. vez. Programable Read Only Memory (memória programável somente de leitura) 1. Introdução As memórias são as responsáveis pelo armazenamento de dados e instruções em forma de sinais digitais em computadores. Para que o processador possa executar suas tarefas, ele busca na memória

Leia mais

R S Q 0 0 1 0 1 0 1 0 0 1 1 0 Tabela 17 - Tabela verdade NOR

R S Q 0 0 1 0 1 0 1 0 0 1 1 0 Tabela 17 - Tabela verdade NOR 19 Aula 4 Flip-Flop Flip-flops são circuitos que possuem a característica de manter os bits de saída independente de energia, podem ser considerados os princípios das memórias. Um dos circuitos sequenciais

Leia mais

Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e Organização de Memória

Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e Organização de Memória Introdução Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e O Nível de lógica digital é o nível mais baixo da Arquitetura. Responsável pela interpretação de instruções do nível

Leia mais

Circuitos de Memória: Tipos e Funcionamento. Fabrício Noveletto

Circuitos de Memória: Tipos e Funcionamento. Fabrício Noveletto Circuitos de Memória: Tipos e Funcionamento Fabrício Noveletto Memória de semicondutores São dispositivos capazes de armazenar informações digitais. A menor unidade de informação que pode ser armazenada

Leia mais

Chama-se sistema informatizado a integração que

Chama-se sistema informatizado a integração que Sistema Informatizado Hardware Sistema Informatizado Chama-se sistema informatizado a integração que acontece de três componentes básicos: a) Os computadores = hardware b) Os programas = software c) Os

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 3.1 EXECUÇÃO DAS INSTRUÇÕES A UCP tem duas seções: Unidade de Controle Unidade Lógica e Aritmética Um programa se caracteriza por: uma série de instruções

Leia mais

Memórias. O que são Memórias de Semicondutores? São componentes capazes de armazenar informações Binárias (0s e 1s)

Memórias. O que são Memórias de Semicondutores? São componentes capazes de armazenar informações Binárias (0s e 1s) Memórias O que são Memórias de Semicondutores? São componentes capazes de armazenar informações Binárias (0s e 1s) Essas informações são guardadas eletricamente em células individuais. Chamamos cada elemento

Leia mais

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Processadores Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução O processador é um circuito integrado de controle das funções de cálculos e tomadas de decisão de um computador. Também é chamado de cérebro do

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 02. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 02. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 02 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed.

Leia mais

Figura 1 - Memória 1. OBJETIVO. Conhecer os principais tipos de memórias entendendo suas funcionalidades e características.

Figura 1 - Memória 1. OBJETIVO. Conhecer os principais tipos de memórias entendendo suas funcionalidades e características. MEMÓRIA Memória Principal BIOS Cache BIOS ROOM Cache Externo HD DVD DRIVE DE DISQUETE DE 3 1/2 1/2 DISQUETE DE 3 DISQUETE DE 5 1/4 Figura 1 - Memória MP 1. OBJETIVO Conhecer os principais tipos de memórias

Leia mais

armazenamento (escrita ou gravação (write)) recuperação (leitura (read))

armazenamento (escrita ou gravação (write)) recuperação (leitura (read)) Memória Em um sistema de computação temos a UCP se comunicando com a memória e os dispositivos de E/S. Podemos fazer um paralelo do acesso à memória com um carteiro entregando cartas ou um acesso à biblioteca.

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM TECNOLOGIA, INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CEEP/TIC MUNICÍPIO: LAURO DE FREITAS DIREC: 1B EMENTA

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM TECNOLOGIA, INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CEEP/TIC MUNICÍPIO: LAURO DE FREITAS DIREC: 1B EMENTA CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM TECNOLOGIA, INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CEEP/TIC MUNICÍPIO: LAURO DE FREITAS DIREC: 1B EMENTA Fundamentos e Arquitetura de Computadores Conhecimento e conceitos

Leia mais

Informática para Banca IADES. Hardware e Software

Informática para Banca IADES. Hardware e Software Informática para Banca IADES Conceitos Básicos e Modos de Utilização de Tecnologias, Ferramentas, Aplicativos e Procedimentos Associados ao Uso de Informática no Ambiente de Escritório. 1 Computador É

Leia mais

Tecnologias de Construção de Memórias e Memórias RAM, entrelaçada e Virtual

Tecnologias de Construção de Memórias e Memórias RAM, entrelaçada e Virtual Tecnologias de Construção de Memórias e Memórias RAM, entrelaçada e Virtual Arquiteturas para Alto Desmpenho Prof. pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac Tempos de Acesso

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM Linguagem de programação Linguagem de Alto Nível próximo ao ser humano, escrita de forma textual. Ex: if (a==b) a=b+c; Linguagem de Montagem (Assembly) próximo à linguagem de máquina, escrita em códigos

Leia mais

Arquitetura Genérica

Arquitetura Genérica Arquitetura Genérica Antes de tudo, vamos revisar o Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador. Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador O funcionamento de um computador pode ser

Leia mais

Organização de Computadores Como a informação é processada?

Organização de Computadores Como a informação é processada? Curso de ADS/DTEE/IFBA Organização de Computadores Como a informação é processada? Prof. Antonio Carlos Referências Bibliográficas: 1. Ciência da Computação: Uma visão abrangente - J.Glenn Brokshear 2.

Leia mais

for Information Interchange.

for Information Interchange. 6 Memória: 6.1 Representação de Memória: Toda a informação com a qual um sistema computacional trabalha está, em algum nível, armazenada em um sistema de memória, guardando os dados em caráter temporário

Leia mais

SRAM Static RAM. E/L Escrita Leitura. FPM DRAM Fast Page Mode EDO DRAM Extended Data Output SDRAM Synchronous DDR SDRAM Double Data Rate RDRAM Rambus

SRAM Static RAM. E/L Escrita Leitura. FPM DRAM Fast Page Mode EDO DRAM Extended Data Output SDRAM Synchronous DDR SDRAM Double Data Rate RDRAM Rambus TIPOS DE MEMÓRIA RAM Random Access Memory E/L Escrita Leitura SRAM Static RAM DRAM Dynamic RAM FPM DRAM Fast Page Mode EDO DRAM Extended Data Output SDRAM Synchronous DDR SDRAM Double Data Rate RDRAM Rambus

Leia mais

Memórias. Circuitos Lógicos. DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva

Memórias. Circuitos Lógicos. DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva Memórias Circuitos Lógicos DCC-IM/UFRJ Prof. Gabriel P. Silva Memórias As memórias são componentes utilizados para armazenar dados e instruções em um sistema computacional. As memórias podem apresentar

Leia mais

1. Introdução - contextos de aplicações

1. Introdução - contextos de aplicações Universidade Federal de Pelotas Sumário da Aula Fundamentos de Informática Aula 1 Noções sobre Informática, Hardware, Software e Plataformas Prof. Carlos R. Medeiros gil.medeiros@ufpel.edu.br Material

Leia mais

Memória Informações Adicionais. Memória Informações Adicionais. Memória Informações Adicionais. Memória Informações Adicionais

Memória Informações Adicionais. Memória Informações Adicionais. Memória Informações Adicionais. Memória Informações Adicionais Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Parte II Prof. Sergio Ribeiro de um computador sistema constituído de vários componentes (vários tipos diferentes de memória) interligados e integrados,

Leia mais

Introdução à Informática ARQUITETURA DE COMPUTADORES

Introdução à Informática ARQUITETURA DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Ambiental Prof.: Maico Petry Introdução à Informática ARQUITETURA DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Informática Aplicada O Que éinformação? Dados

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1

Arquitetura de Computadores. Arquitetura de Computadores 1 Computadores Computadores 1 Introdução Componentes: Processador; UC; Registradores; ALU s, FPU s, etc. Memória (Sistema de armazenamento de informações; Dispositivo de entrada e saída. Computadores 2 Introdução

Leia mais

O Hardware Dentro da Unidade do Sistema

O Hardware Dentro da Unidade do Sistema Memória RAM Random Access Memory Memória de Acesso Aleatório Armazena: programas em execução dados dos programas em execução alguns programas do sistema operacional O objetivo é tornar mais rápido o acesso

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 01. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 01. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 03 Conceitos de Hardware e Software parte 01 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed.

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação Conceitos Básicos de Sistema PROFESSORA CINTIA CAETANO

Introdução a Ciência da Computação Conceitos Básicos de Sistema PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução a Ciência da Computação Conceitos Básicos de Sistema PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução A informática é uma área que atualmente vem evoluindo muito rapidamente. A cada dia se torna mais importante

Leia mais

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 1 2 Revisão de Hardware 2.1 Hardware O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 2.1.1 Processador O Processador

Leia mais

Componentes do Computador e noções de Arquitetura de Computadores

Componentes do Computador e noções de Arquitetura de Computadores Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Departamento de Computação e Automação Componentes do e noções de Arquitetura de es Professor Responsável: Luiz Affonso Henderson Guedes

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Entendendo o Computador Componentes do Computador COMPONENTES DO COMPUTADOR Tabela ASCII A sigla ASCII deriva de American Standard Code for Information Interchange, ou seja, Código no Padrão Americano

Leia mais

Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação

Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Baseado no material do Prof. Luis Otavio Alvares e do Prof. Dr. Rodrigo Fernandes de Mello

Leia mais

Processador, Memória, disco, periféricos. Adriano Mauro Cansian 2

Processador, Memória, disco, periféricos. Adriano Mauro Cansian 2 Conceitos sobre Computadores Adriano Mauro Cansian André Proto UNESP - São José do Rio Preto http://adriano.acmesecurity.org/lc Neste tópico veremos: Componentes físicos dos computadores O hardware: :

Leia mais

Memória RAM. A memória RAM evolui constantemente. Qual a diferença entre elas? No clock (velocidade de comunicação com o processador)

Memória RAM. A memória RAM evolui constantemente. Qual a diferença entre elas? No clock (velocidade de comunicação com o processador) Memória RAM Introdução As memórias são as responsáveis pelo armazenamento de dados e instruções em forma de sinais digitais em computadores. Para que o processador possa executar suas tarefas, ele busca

Leia mais

ROM e RAM. Memórias 23/11/2015

ROM e RAM. Memórias 23/11/2015 ROM e RAM Memórias Prof. Fabrício Alessi Steinmacher. Para que o processador possa executar suas tarefas, ele busca na memória todas as informações necessárias ao processamento. Nos computadores as memórias

Leia mais

Visão Geral da Arquitetura de Computadores. Prof. Elthon Scariel Dias

Visão Geral da Arquitetura de Computadores. Prof. Elthon Scariel Dias Visão Geral da Arquitetura de Computadores Prof. Elthon Scariel Dias O que é Arquitetura de Computadores? Há várias definições para o termo arquitetura de computadores : É a estrutura e comportamento de

Leia mais

Capítulo 4 Livro do Mário Monteiro Introdução Hierarquia de memória Memória Principal. Memória principal

Capítulo 4 Livro do Mário Monteiro Introdução Hierarquia de memória Memória Principal. Memória principal Capítulo 4 Livro do Mário Monteiro Introdução Hierarquia de memória Memória Principal Organização Operações de leitura e escrita Capacidade http://www.ic.uff.br/~debora/fac! 1 2 Componente de um sistema

Leia mais

Organização de Computadores (Aula 4) Memória

Organização de Computadores (Aula 4) Memória Organização de Computadores (Aula 4) Memória Hierarquia de Memória (1) Velocidade e custo Capacidade de armazenamento Flash memory Magnetic disk 2 Hierarquia de Memória (2) A memória cache é geralmente

Leia mais

Curso Profissional de Electrónica, Automação e Computadores. Automação e Computadores

Curso Profissional de Electrónica, Automação e Computadores. Automação e Computadores Curso Profissional de Electrónica, Automação e Computadores Automação e Computadores Memórias Significado Em informática, memória são todos os dispositivos que permitem a um computador guardar dados, temporariamente

Leia mais

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Estrutura de um Computador Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Hardware e Software HARDWARE: Objetos Físicos que compões o computador Circuitos Integrados, placas, cabos, memórias, dispositivos

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 03. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014

CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO INFORMÁTICA BÁSICA AULA 03. Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE INFORMÁTICA BÁSICA AULA 03 Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 25/06/2014 Unidades de armazenamento

Leia mais

Organização de Computadores Prof. Alex Vidigal Bastos

Organização de Computadores Prof. Alex Vidigal Bastos Organização de Computadores Prof. Alex Vidigal Bastos Armazenar dados e programas que serão utilizados pelo processador (CPU unidade central de processamento) O subsistema de memória é constituído de

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução É preciso conhecer a estrutura de um sistema de computação antes que possamos explorar os detalhes de sua operação.

Leia mais

1.1 Processador Pentium 4 da Intel. Atualmente existem dois grandes fabricantes de processadores (CPU) no mundo, são eles:

1.1 Processador Pentium 4 da Intel. Atualmente existem dois grandes fabricantes de processadores (CPU) no mundo, são eles: CONCEITOS DE HARDWARE CONCEITOS INICIAIS O QUE É INFORMÁTICA? É a ciência que estuda a informação, buscando formas de agilizar o processo de transformação de dados em informações. Além disso, a informática

Leia mais

Memórias Prof. Galvez Gonçalves

Memórias Prof. Galvez Gonçalves Arquitetura e Organização de Computadores 1 s Prof. Galvez Gonçalves Objetivo: Compreender os tipos de memória e como elas são acionadas nos sistemas computacionais modernos. INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 2. Hardware: Componentes Básicos e Funcionamento Prof. Ronaldo Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade

Leia mais

Microcomputadores. Prof. Marcelo GonG. onçalves. Rubinstein

Microcomputadores. Prof. Marcelo GonG. onçalves. Rubinstein Microcomputadores Prof. Marcelo GonG onçalves Rubinstein Depto. de Eletrônica e Telecomunicações Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Introdução Aplicações de microcomputadores

Leia mais

MODULO II - HARDWARE

MODULO II - HARDWARE MODULO II - HARDWARE AULA 01 O Bit e o Byte Definições: Bit é a menor unidade de informação que circula dentro do sistema computacional. Byte é a representação de oito bits. Aplicações: Byte 1 0 1 0 0

Leia mais

Sistemas Operacionais. Revisando alguns Conceitos de Hardware

Sistemas Operacionais. Revisando alguns Conceitos de Hardware Sistemas Operacionais Revisando alguns Conceitos de Hardware Sumário Hardware Processador Memória principal Cache Memória secundária Dispositivos de E/S e barramento Pipelining Arquiteturas RISC e CISC

Leia mais

Problema: Solução: Vantagens da estruturação em Níveis: Introdução INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Introdução

Problema: Solução: Vantagens da estruturação em Níveis: Introdução INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Introdução INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE COMPUTADORES Curso Técnico de Informática Eduardo Amaral Introdução Computador: Máquina programável, de propósito geral, que processa informação. Programa: Seqüência de instruções

Leia mais

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos

Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Von Neumann e os Computadores Modernos Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 5 Flávia Maristela (flaviamsn@ifba.edu.br) Arquitetura de Von Neumann e as máquinas modernas Onde

Leia mais

INFORMÁTICA INFORMÁTICA BÁSICA

INFORMÁTICA INFORMÁTICA BÁSICA INFORMÁTICA BÁSICA PROF. MARCOS VINICIUS GRADUADO EM ANÁLISES DE SISTEMAS. PÓS-GRADUADO EM ADMINISTRAÇÃO E SEGURANÇA DE SISTEMAS COMPUTACIONAIS FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ. ANALISTA DE SISTEMAS E DBA SQL SERVER

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação Unidade V Hardware - Arquitetura de um Sistema de Computação - Processador. Processador. Introdução.

Introdução a Ciência da Computação Unidade V Hardware - Arquitetura de um Sistema de Computação - Processador. Processador. Introdução. Introdução a Ciência da Computação Unidade V Hardware - Arquitetura de um Sistema de Computação - Processador Processador - Introdução - - Instrução de máquina - Ciclo da instrução - - Função de processamento

Leia mais

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Unidade Central de Processamento (CPU) Processador Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Componentes de um Computador (1) Computador Eletrônico Digital É um sistema composto por: Memória Principal

Leia mais

1 Introdução à Computação

1 Introdução à Computação 1 Introdução à Computação 1.1 Motivação 1.1.1 Por que Computação? A Computação trata do emprego do computador em suas diversas formas como ferramenta capaz de armazenar e processar informações bem como

Leia mais

Introdução. Hardware (Parte I) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação. joseana@computacao.ufcg.edu.

Introdução. Hardware (Parte I) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação. joseana@computacao.ufcg.edu. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação Hardware (Parte I) Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br Carga

Leia mais

Memória. Introdução. Unidades de medida de capacidade Tipos:

Memória. Introdução. Unidades de medida de capacidade Tipos: Memória Memória Introdução Motivação para ser um Sub-sistema Operações Representação da informação Princípios da organização da memória Hierarquia da memória Critérios de comparação entre memórias Unidades

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

MEMÓRIA. 0 e 1 únicos elementos do sistema de numeração de base 2

MEMÓRIA. 0 e 1 únicos elementos do sistema de numeração de base 2 MEMÓRIA CONCEITO Bit- 0 1 Essência de um sistema chamado BIESTÁVEL Ex: Lâmpada 0 apagada 1 acesa 0 e 1 únicos elementos do sistema de numeração de base 2 A que se destina a memória: Armazenamento das instruções

Leia mais

Hardware. Prof. Luiz Carlos Branquinho Informática Básica Gestão Comercial

Hardware. Prof. Luiz Carlos Branquinho Informática Básica Gestão Comercial Hardware Prof. Luiz Carlos Branquinho Informática Básica Gestão Comercial Conteúdo Definição do hardware; Tipo e tamanho dos computadores; Família dos computadores; Elementos do hardware; Portas de comunicação.

Leia mais

Componentes de um Sistema de Computador

Componentes de um Sistema de Computador Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o equipamento (parte física) SOFTWARE: Instruções que dizem o que o computador deve fazer (parte

Leia mais

Roteiro. Unidade 1. Aplicações da Informática. Introdução

Roteiro. Unidade 1. Aplicações da Informática. Introdução Roteiro Unidade 1 Historia da computação Arquitetura de computadores - um resumo A Informática e o Computador Evolução do Computador O Computador Arquitetura Modulos Tipos de hardware 1 2 Introdução Informática

Leia mais

DRAM. DRAM (Dynamic RAM) É a tecnologia usada na fabricação das memória de 30, 72 e 168 pinos. Divide-se em:

DRAM. DRAM (Dynamic RAM) É a tecnologia usada na fabricação das memória de 30, 72 e 168 pinos. Divide-se em: DRAM DRAM (Dynamic RAM) É a tecnologia usada na fabricação das memória de 30, 72 e 168 pinos. Divide-se em: FPM RAM (Fast Page Mode) EDO RAM (Extended Data Output RAM) BEDO RAM (Burst Extended Data Output

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Hardware X Software Memória do Computador Hardware X Software Toda interação dos usuários de computadores modernos é realizada

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

TI Aplicada. Aula 03 Componentes Básicos Hardware e Rede. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 03 Componentes Básicos Hardware e Rede. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 03 Componentes Básicos Hardware e Rede Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Principais Componentes Barramentos Placa Mãe Processadores Armazenamento

Leia mais

Conceitos e Evolução Capítulos 1 e 2

Conceitos e Evolução Capítulos 1 e 2 Aula 2 ARQUITETURA DE COMPUTADORES Conceitos e Evolução Capítulos 1 e 2 Prof. Osvaldo Mesquita E-mail: oswaldo.mesquita@gmail.com 1/48 CONTEÚDO DA AULA Conceitos Importantes O que é arquitetura de computadores?

Leia mais

Sistemas Computacionais

Sistemas Computacionais 2 Introdução Barramentos são, basicamente, um conjunto de sinais digitais com os quais o processador comunica-se com o seu exterior, ou seja, com a memória, chips da placa-mãe, periféricos, etc. Há vários

Leia mais

Memória RAM. Administração de Sistemas Informáticos I 2005 / 2006. Grupo 1:

Memória RAM. Administração de Sistemas Informáticos I 2005 / 2006. Grupo 1: Administração de Sistemas Informáticos I 2005 / 2006 Departamento de Engenharia Informática Grupo 1: Clarisse Matos 1010463 Raquel Castro 1020013 Rui Patrão 1020043 Luís Lima 1020562 Índice Introdução...3

Leia mais

MEMÓRIAS. Sistemas Digitais II Prof. Marcelo Wendling Set/10

MEMÓRIAS. Sistemas Digitais II Prof. Marcelo Wendling Set/10 MEMÓRIAS Sistemas Digitais II Prof. Marcelo Wendling Set/10 1 Definição São blocos que armazenam informações codificadas digitalmente números, letras, caracteres quaisquer, comandos de operações, endereços

Leia mais

Componentes de um computador típico

Componentes de um computador típico Componentes de um computador típico Assim como em um videocassete, no qual é necessário ter o aparelho de vídeo e uma fita contendo o filme que será reproduzido, o computador possui a parte física, chamada

Leia mais

Fonte : http://www.infowester.com/memoria.php. Introdução

Fonte : http://www.infowester.com/memoria.php. Introdução Fonte : http://www.infowester.com/memoria.php Introdução No que se refere ao hardware dos computadores, entendemos como memória os dispositivos que armazenam os dados com os quais o processador trabalha.

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Hardware HARDWARE Sistema Computacional = conjunto de circuitos eletrônicos interligados formado por processador, memória, registradores,

Leia mais

Prof. Demétrios Coutinho. Informática. Hardware

Prof. Demétrios Coutinho. Informática. Hardware 1 Prof. Demétrios Coutinho Informática Hardware 2 Componentes Básicos e Funcionamento 2 Hardware 3 Conjunto de dispositivos elétricos/eletrônicos que englobam a CPU, a memória e os dispositivos de entrada/saída

Leia mais

Microcontroladores e Microprocessadores

Microcontroladores e Microprocessadores Microcontroladores e Microprocessadores Arquitetura Von Neumann e Arquitetura Harvard Prof. Samuel Cavalcante Conteúdo Componentes básicos de um computador Processamento Unidades de Entrada/Saída (I/O)

Leia mais

UCP. Memória Periféricos de entrada e saída. Sistema Operacional

UCP. Memória Periféricos de entrada e saída. Sistema Operacional Arquitetura: Conjunto de elementos que perfazem um todo; estrutura, natureza, organização. Houaiss (internet) Bit- Binary Digit - Número que pode representar apenas dois valores: 0 e 1 (desligado e ligado).

Leia mais

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias: Aula 11 Arquitetura de Computadores - 20/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber MEMÓRIA Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador

Leia mais

Hardware 2. O Gabinete. Unidades Derivadas do BYTE. 1 KB = Kilobyte = 1024B = 2 10 B. 1 MB = Megabyte = 1024KB = 2 20 B

Hardware 2. O Gabinete. Unidades Derivadas do BYTE. 1 KB = Kilobyte = 1024B = 2 10 B. 1 MB = Megabyte = 1024KB = 2 20 B 1 2 MODULO II - HARDWARE AULA 01 OBiteoByte Byte 3 Definições: Bit é a menor unidade de informação que circula dentro do sistema computacional. Byte é a representação de oito bits. 4 Aplicações: Byte 1

Leia mais

Portas lógicas e circuitos digitais. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Portas lógicas e circuitos digitais. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Portas lógicas e circuitos digitais Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Portas Circuito somador Circuito subtrator flip-flops (registradores)

Leia mais

Arquitetura e organização de computadores

Arquitetura e organização de computadores Arquitetura e organização de computadores 3º. Sem. Sistemas de informação Prof. Emiliano S. Monteiro Barramentos BUS Modelo de barramento CPU(ALU, UC, Registradores) Memória Entrada e saída (I/O) Barramento

Leia mais

CENTRAL PRCESSING UNIT

CENTRAL PRCESSING UNIT Processador O processador, também chamado de CPU ( CENTRAL PRCESSING UNIT) é o componente de hardware responsável por processar dados e transformar em informação. Ele também transmite estas informações

Leia mais

Escola. Europeia de. Ensino. Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES

Escola. Europeia de. Ensino. Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES Escola Europeia de t Ensino Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES TRABALHO REALIZADO: ANDRÉ RIOS DA CRUZ ANO LETIVO: 2012/ 2013 TÉCNICO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS 2012 / 2013 3902 Escola

Leia mais

EA075 Memória. Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof.

EA075 Memória. Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof. EA075 Memória Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof. Levy Boccato 1 Introdução A funcionalidade de qualquer sistema embarcado é caracterizada

Leia mais

INFORmação. O que é um Computador?

INFORmação. O que é um Computador? Professor: M. Sc. Luiz Alberto Filho Conceitos básicos Evolução histórica Hardware Sistemas de numeração Periféricos Software Unidades Básicas de Medidas 2 Facilidade de armazenamento e recuperação da

Leia mais

Introdução. à Estrutura e Funcionamento de um Sistema Informático

Introdução. à Estrutura e Funcionamento de um Sistema Informático Introdução à Estrutura e Funcionamento de um Sistema Informático Estrutura básica de um sistema informático Componentes de um sistema informático O interior de um PC A placa principal ou motherboard O

Leia mais

Microprocessadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Microprocessadores. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Microprocessadores Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Arquitetura de Microprocessadores; Unidade de Controle UC; Unidade Lógica Aritméticas ULA; Arquitetura de von Neumann; Execução de

Leia mais

Visão geral das placas-mãe

Visão geral das placas-mãe IDENTIFICAÇÃO DOS PRICIPAIS COMPONENTES DA PLACA-MÃE Professor Marlon Marcon Visão geral das placas-mãe Conhecida como: Motherboard Mainboard Responsável pela interconexão de todas as peças que formam

Leia mais

COLÉGIO PIO XII ELETRÔNICA V LUÍS FERNANDO TIPOS DE MEMÓRIAS. Wellington Braz de Freitas - N 38 1 Ano Eletrônica

COLÉGIO PIO XII ELETRÔNICA V LUÍS FERNANDO TIPOS DE MEMÓRIAS. Wellington Braz de Freitas - N 38 1 Ano Eletrônica COLÉGIO PIO XII ELETRÔNICA V LUÍS FERNANDO TIPOS DE MEMÓRIAS Wellington Braz de Freitas - N 38 1 Ano Eletrônica Junho 2007 História da Primeira Memória O UNIVAC dos anos 50 foi uma super máquina com alta

Leia mais

Memórias RAM e ROM. Adriano J. Holanda 9/5/2017. [Introdução à Organização de Computadores]

Memórias RAM e ROM. Adriano J. Holanda 9/5/2017. [Introdução à Organização de Computadores] Memórias RAM e ROM [Introdução à Organização de Computadores] Adriano J Holanda 9/5/2017 Memória de acesso aleatório RAM Random Access Memory Armazenamento temporário de programas em execução e dados;

Leia mais

Memória principal; Unidade de Controle U C P. Unidade Lógica e Aritmética

Memória principal; Unidade de Controle U C P. Unidade Lógica e Aritmética Tecnologia da Administração Computador: origem, funcionamento e componentes básicos Parte II Sumário Introdução Origem Funcionamento Componentes Básicos Referências Sistema Binário O computador identifica

Leia mais

Conhecer os tipos de Placa Mãe, principais caracteristicas, seus componentes e suas funcionalidades, destacando assim, a importância de uma placa mãe.

Conhecer os tipos de Placa Mãe, principais caracteristicas, seus componentes e suas funcionalidades, destacando assim, a importância de uma placa mãe. PLACA MÃE 1. OBJETIVO Conhecer os tipos de Placa Mãe, principais caracteristicas, seus componentes e suas funcionalidades, destacando assim, a importância de uma placa mãe. 2. COMPONENTES DA PLACA MÃE

Leia mais