CONTEÚDO DO TRABALHO. Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA;

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTEÚDO DO TRABALHO. Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA;"

Transcrição

1

2 Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA; CONTEÚDO DO TRABALHO Doenças ocupacionais e riscos da construção civil; Quedas; Choque elétrico; Soterramento.

3 A construção é um dos ramos mais antigos do mundo. No Brasil, a construção civil teve seu auge na década d de 40, sendo considerado um dos mais avançados ados na época. Em 1974, o Brasil foi considerado pela OIT, como Campeão Mundial de Acidentes de Trabalho. Em 2003 dos acidentes de trabalho fatais que acontecem em cada ano no mundo, aproximadamente (17%) ocorrem em obras de construção. Os operários rios da construção civil estão entre as doze classes mais sujeitas a acidentes de trabalho.

4 Visão Geral Classificada em 4º lugar no ranking mundial dos setores com a maior frequência de acidentes de trabalhos fatais.

5 Visão Geral Número de Acidentes de Trabalhos Registrados na Indústria da Construção no período de 1998/2004.

6 Visão Geral O registro de ocorrências vem crescendo em termos absolutos: O número de acidentes passou de para , aumentando aproximadamente 6%.

7 Visão Geral Coeficiente de frequência dos acidentes fatais: 44,5 mortes para cada grupo de trabalhadores; Nos acidentes que resultam em invalidez permanente e incapacidade parcial permanente, a indústria da construção aparece em 3º e 4º lugares na frequência de acidentes.

8 Visão Geral Segundo o Quadro I da NR 4 são consideradas atividades da Indústria da Construção: preparação do terreno; obras de infra-estrutura; obras de instalações; obras de acabamentos e serviços auxiliares da construção; serviços de demolição, reparo, pintura, limpeza; manutenção de edifícios em geral.

9 NR 18 Estabelece diretrizes de ordem administrativa, de planejamento de organização, que objetivam a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos de segurança nos processos, nas condições e no meio ambiente de trabalho na Indústria da Construção.

10 NR 18 PCMAT PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO Plano que estabelece condições e diretrizes de Segurança do Trabalho para obras e demais atividades relativas à construção civil. Principais objetivos: Garantir a saúde e a integridade dos trabalhadores; Definir atribuições e responsabilidades às pessoas que administram; Fazer previsão dos riscos que derivam do processo de execução das obras; Determinar medidas de proteção e prevenção que evitem ações e situações de risco; Aplicar técnicas de execução que reduzam ao máximo os riscos de acidentes e doenças.

11 NR 18 PCMAT PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO Segundo o item 18.3 da NR 18, o PCMAT: Tem como obrigatoriedade a sua elaboração e cumprimento nos estabelecimentos com 20 (vinte) trabalhadores ou mais; Deve contemplar as exigências contidas na NR 9 Programa de Prevenção e Riscos Ambientais (PPRA); Dever ser mantido no estabelecimento à disposição do órgão regional do Ministério do Trabalho; Deve ser elaborado e executado por profissional legalmente habilitado na área de segurança do trabalho; Tem como responsáveis o empregador ou condomínio a sua implementação nos estabelecimentos.

12 NR 18 PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Estabelecido pela NR 9, o programa tem como objetivo definir uma metodologia de ação a que garanta a preservação da saúde e integridade dos trabalhadores face aos riscos existentes nos ambientes de trabalho. Sua elaboração deverá conter: Planejamento anual com estabelecimento de metas, prioridades e cronograma; Estratégia e metodologia de ação; a Forma de registro, manutenção e divulgação dos dados; Seu acompanhamento e avaliação deverão ser feitos pelo SESMENT

13 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PPRA

14 Doenças Ocupacionais Riscos de acidentes Riscos Ambientais Riscos Ergonômicos

15 DOENÇAS OCUPACIONAIS Alergia pelo Cimento Pedreiro com eczema alérgico crônico provocado por cimento. Eczema irritado produzido por massa de cimento Pedreiro apresenta irritação nas mãos provocada pelo contato freqüente com a massa do cimento.

16 DOENÇAS OCUPACIONAIS Eczema nos pés com infecção causada pelo cimento Servente de pedreiro com eczema e infecção nos pés provocados pelo contato diário de massa de cimento com os pés. Queimadura pelo Cimento Queda de massa ou calda de concreto dentro da bota de couro ou borracha.

17 RISCOS AMBIENTAIS Agentes Físicos Ruídos Temperaturas extremas; Pressões anormais. Vibrações Radiações

18 RISCOS AMBIENTAIS Poeiras Operações de pintura e uso de solventes; Agentes Químicos Impermeabilizantes e substâncias químicas Manuseio de álcalis Asfixia química por inalação de gases tóxicos.

19 RISCOS AMBIENTAIS Bactérias, fungos, bacilos, parasitas, protozoários,vírus,etc; Agentes Biológicos Escavação de valas e tubulações; Obras de Saneamento.

20 Esforço físico intenso RISCOS ERGONÔMICOS Levantamento e transporte manual de pesos Trabalho em turno e noturno Situações causadoras de stress físico e / ou psíquico.

21 EPI s NR-18: Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção NR-6: Equipamento de Proteção Individual

22 PRINCIPAIS EPI s s PARA OS OPERÁRIOS RIOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL CALÇADOS - As botas, feitas de PVC são usadas em locais úmidos, inundados ou com presença de ácidos. Os sapatos são de uso permanente na obra. LUVAS podem ser de: amianto (para altas temperaturas); raspa de couro (soldagem); PVC borracha (serviços elétricos);

23 PRINCIPAIS EPI s s PARA OS OPERÁRIOS RIOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL ÓCULOS - são especificados de acordo com o tipo de risco. RESPIRADORES - asseguram o funcionamento do aparelho respiratório contra gases, poeiras e vapores.

24 PRINCIPAIS EPI s s PARA OS OPERÁRIOS RIOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROTETORES AURICULARES proteção contra os ruídos CINTURÕES - evitam quedas de trabalhadores, acidentes muitas vezes fatais.

25 VÍDEO

26 RISCOS DE ACIDENTES Representam as principais causas de acidentes fatais e não fatais no setor da construção civil: QUEDAS; CHOQUE ELÉTRICO; SOTERRAMENTO

27 QUEDAS

28 QUEDAS As estatísticas do Brasil mostram que a falta de proteção em situações de risco de quedas de altura constitui-se na causa principal de elevado número de acidentes fatais, vitimando centenas de trabalhadores a cada ano.

29 Atividades com risco de quedas: QUEDAS Partes periféricas de lajes; Vãos de acesso às caixas de elevadores; Vãos de escadarias ou rampas; Serviços executados em sacadas e/ou varandas; Construção e manutenção de telhados e/ou coberturas; Montagem e desmontagem de andaimes; Trabalhos em andaimes suspensos; Montagem de elementos estruturais (pré-moldados, metálicos); Manutenção de fachadas de edifícios; Inspeção e manutenção de chaminés.

30 QUEDAS PRINCIPAIS CAUSAS Perda de equilíbrio do trabalhador à beira do espaço, sem proteção; Falta de Proteção

31 Falha de uma instalação ou de um dispositivo de proteção; QUEDAS PRINCIPAIS CAUSAS Método impróprio de trabalho;

32 Contato acidental com condutor ou massa sob tensão elétrica QUEDAS PRINCIPAIS CAUSAS Trabalhador não apto ao trabalho em altura (Problemas de Saúde)

33 QUEDAS ESCADAS - TIPOS Sua construção de forma inadequada podem levar a acidentes de trabalho. Escadas de uso individual Escadas de uso coletivo

34 QUEDAS RAMPAS Na construção de uma rampa deve-se adotar sistema antiderrapante no piso, para evitar que os trabalhadores escorreguem.

35 QUEDAS PASSARELAS É importante sinalizar as áreas próximas às passarelas, com o objetivo de evitar quedas de pessoas e materiais nos vãos que a passarela transpõe

36 QUEDAS ANDAIMES Construções provisórias auxiliares, munidas de plataformas horizontais elevadas

37 QUEDAS ANDAIMES Elevada porcentagem de vítimas mortais de acidentes de trabalho ocorridos na utilização de andaimes. Principais causas de acidentes de trabalho com andaimes: derrubamento ou desmoronamento provocado pelos seguintes motivos: abatimento das bases de apoio; sobrecargas excessivas; materiais em mau estado; ausência de proteções

38 QUEDAS ANDAIMES : NR-18 Principais destaques do Item 18.15: O dimensionamento dos andaimes, sua estrutura de sustentação e fixação, deve ser realizado por profissional legalmente habilitado. Os andaimes devem ser dimensionados e construídos de modo a suportar, com segurança, as cargas de trabalho a que estarão sujeitos. O piso de trabalho dos andaimes deve ter forração completa, antiderrapante, ser nivelado e fixado de modo seguro e resistente. Devem ser tomadas precauções especiais, quando da montagem, desmontagem e movimentação de andaimes próximos às redes elétricas.

39 QUEDAS ANDAIMES : NR-18 Os andaimes devem dispor de sistema guarda-corpo e rodapé. É proibida, sobre o piso de trabalho de andaimes, a utilização de escadas e outros meios para se atingirem lugares mais altos. O acesso aos andaimes deve ser feito de maneira segura.

40 QUEDAS ANDAIMES : CLASSIFICAÇÃO Andaime Suspenso Mecânico: Andaime Suspenso Mecânicos Leve Andaime Suspenso Mecânico Pesado

41 QUEDAS ANDAIMES : CLASSIFICAÇÃO Andaimes em Balanço Andaimes Simplesmente Apoiados

42 NUNCA TRABALHE SOBRE ANDAIMES DURANTE TEMPESTADES, CHUVAS OU VENTANIAS.

43 QUEDAS MEDIDAS DE PROTEÇÃO CONTRA QUEDAS DE ALTURA Guarda-corpo Proteção sólida, fixada e instalada nos lados expostos das áreas de trabalho, andaimes, passarelas, plataformas, escadarias e ao redor de aberturas em pisos ou paredes, para impedir a queda de pessoas.

44 QUEDAS MEDIDAS DE PROTEÇÃO CONTRA QUEDAS DE ALTURA Plataformas e Bandejas São elementos de proteção coletiva que restringem ou limitam os efeitos de quedas de objetos, protegendo pessoas, materiais e equipamentos em níveis inferiores ao acidente.

45 QUEDAS REGRAS GERAIS DE SEGURANÇA Realizar inspeção no local do serviço antes do início da obra; Inspecionar os dispositivos de proteção, verificando se estão em bom estado; Preparar e montar todo equipamento necessário para prevenção de acidentes; Verificar se todo pessoal envolvido está apto ao serviço; Isolar e sinalizar toda a área sob o serviço;

46 CHOQUE ELETRICO

47 CHOQUE ELÉTRICO É uma perturbação acidental que se manifesta no organismo humano, quando percorrido por uma corrente elétrica trica.

48 CHOQUE ELÉTRICO De cada cinco choques, um é fatal, enquanto que, em outros tipos de acidentes, ocorre uma morte para cada 200 ocorrências. Choque estático Choque dinâmico Contato com equipamentos que possuem eletricidade estática, como um capacitor carregado Contato ou excessiva aproximação do fio fase de uma rede ou circuito de alimentação elétrico descoberto

49 CHOQUE ELÉTRICO : NR - 18 Principais diretrizes de acordo com item 18.21: A execução e manutenção das instalações elétricas devem ser realizadas por trabalhador qualificado, e a supervisão por profissional legalmente habilitado; É proibida a existência de partes vivas expostas de circuitos e equipamentos elétricos; Os circuitos elétricos devem ser protegidos contra impactos mecânicos, umidade e agentes corrosivos; As estruturas e carcaças dos equipamentos elétricos devem ser eletricamente aterradas; Nos casos em que haja possibilidade de contato acidental com qualquer parte viva energizada, deve ser adotado isolamento adequado; Máquinas ou equipamentos elétricos móveis só podem ser ligados por intermédio de conjunto de plugue e tomada.

50 CHOQUE ELÉTRICO Quando ocorrem acidentes: A vítima tocar em instalações energizadas (tensão de toque);

51 CHOQUE ELÉTRICO Quando ocorrem acidentes: Quando existir instalações elétricas mal feitas, mal emendadas ou inadequadas Se a vítima estiver caminhando na direção de onde haja um fio caído ao solo (tensão de passo);

52 CHOQUE ELÉTRICO Quando ocorrem acidentes: Se houver sobrecarga das fiações

53 CHOQUE ELÉTRICO Riscos de Acidente As lesões provocadas pelo choque elétrico podem ser de 04 naturezas 1 - eletrocução (fatal) 2 - choque elétrico 3 - queimaduras e 4 - quedas provocadas pelo choque

54 CHOQUE ELÉTRICO Riscos de Acidente : Eletrocução ACIDENTE COM CHOQUE ELÉTRICO, SEGUIDO DE QUEDA DE ANDAIMES

55 CHOQUE ELÉTRICO Consequências do choque no corpo humano DIRETAS Contrações musculares, fibrilação ventricular, parada cardíaca, queimaduras, asfixia, anoxia, anoxemia, Morte INDIRETAS Quedas de níveis elevados, batidas, fraturas, traumatismos, perda de membros.

56 CHOQUE ELÉTRICO Prevenção de Acidentes Para evitar acidentes é possível adotar: Isolamento ou proteção dos cabos com materiais especiais; Evitar ligações improvisadas ou gambiarras; Manter a fiação longe do contato com a água; A amarração dos fios não deve ser feita nas ferragens ou partes metálicas; Evitar deixar os fios elétricos espalhados pelo chão e sem proteção; Evitar a utilização de andaimes, escadas, barras de ferro próximo de redes elétricas.

57 CHOQUE ELÉTRICO Tipos de Proteção Fusíveis e disjuntores; Aterramentos; Materiais isolantes; Uso de EPI

58 SOTERRAMENTO

59 SOTERRAMENTO Ocasionados do desmoronamento de terras durante os trabalhos de escavação e de abertura de valas.

60 SOTERRAMENTO O desmoronamento de terras pode ocorrer quando há: Inclinação insuficiente do talude; Ausência de entivação; Entivação insuficiente ou incompleta; Sobrecarga nas proximidades da escavação; Vibrações provocadas por máquinas e tráfego pesado junto da escavação; Existência de blocos de pedra no terreno a escavar.

61 SOTERRAMENTO

62 SOTERRAMENTO

63 SOTERRAMENTO

64 SOTERRAMENTO SOTERRAMENTO COM VÍTIMAS FATAIS

65 Principais destaques do item 18.6: SOTERRAMENTO: NR-18 A área de trabalho deve ser previamente limpa, devendo ser retirados ou escorados solidamente árvores, rochas, equipamentos, materiais e objetos de qualquer natureza, quando houver risco de comprometimento de sua estabilidade durante a execução de serviços; Muros, edificações vizinhas e todas as estruturas que possam ser afetadas pela escavação devem ser escorados; Os serviços de escavação, fundação e desmonte de rochas devem ter responsável técnico legalmente habilitado; As escavações realizadas em vias públicas ou canteiros de obras devem ter sinalização de advertência, inclusive noturna, e barreira de isolamento em todo o seu perímetro;

66 SOTERRAMENTO PREVENÇÃO Para prevenir a ocorrência de desmoronamentos deve-se ter em atenção a colocação do entulho e outras sobrecargas ao longo da escavação, bem como as vibrações produzidas por máquinas e outros veículos na sua proximidade

67 SOTERRAMENTO FATORES DE SEGURANÇA Grau de conhecimento das solicitações e materiais a serem utilizados; Características do solo; Complexidade das condições geotécnicas; Complexidade da execução do projeto; Confiabilidade dos métodos adotados, cálculos e execução; Tempo de existência da escavação; Potencial de gerar acidentes

68 MUITO OBRIGADO!

Segurança no Trabalho em Obras de Construção Civil no Brasil

Segurança no Trabalho em Obras de Construção Civil no Brasil Florianópolis SC, 20 a 22/09/2007 Segurança no Trabalho em Obras de Construção Civil no Brasil Engº Jófilo Moreira Lima Jr. Engº Civil e de Segurança do Trabalho Indústria da Construção Construção Pesada;

Leia mais

Seja bem Vindo! NR 8 Edificações. Carga horária: 30hs

Seja bem Vindo! NR 8 Edificações. Carga horária: 30hs Seja bem Vindo! Curso NR 8 Edificações CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 30hs Conteúdo programático: Introdução Circulação Atividades em Edificações com Risco de Queda Cuidados Extras na Circulação

Leia mais

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio Ciclo de Vida do Empreendimento: Todos os empreendimentos tem um ciclo de vida - têm um início, um crescimento

Leia mais

Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva (EPC)

Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva (EPC) Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva (EPC) PCC 2302 Gestão da Produção na Construção Civil Profº Francisco Ferreira Cardoso Juliana Bueno Silva Thales Landgraf Soraia Regina

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Por que eu devo utilizar equipamentos de segurança e onde encontrá-los? Os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) foram feitos para evitar

Leia mais

Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia

Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Altera a Norma Regulamentadora nº 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O Ministro de Estado do Trabalho e Previdência

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10 Empresa: Instrutor: Nome: DATA: Questões: 01- A NR10 Instalação e Serviços de eletricidade fixam as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalha em instalações elétricas,

Leia mais

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida.

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. Campanha do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Bento do Sul e Campo Alegre contra os Acidentes de Trabalho

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP .1.1.30 NOME: TRABALHOS COM ESCAVAÇÃO (ABERTURA E FECHAMENTO DE VALA) E ESCORAMENTO Como desenvolve a atividade Cargo Periodicidade ST/GEAP 6.1.30.1 Acatar as Considerações Gerais e Aspectos Legas (NR

Leia mais

Instalações elétricas provisórias na construção civil

Instalações elétricas provisórias na construção civil Instalações elétricas provisórias na construção civil São Paulo, 12 de agosto de 2014 NBR-5410 NR-18 10.1. Objetivo e campo de aplicação 10.2. Medidas de controle 10.3. Segurança no projeto 10.4. Segurança

Leia mais

ANEXO 46 P16 MODELO DO RELATÓRIO GERENCIAL. RELATÓRIO Nº XX/20XX, referente ao mês XX/20XX (Medição nº XX)

ANEXO 46 P16 MODELO DO RELATÓRIO GERENCIAL. RELATÓRIO Nº XX/20XX, referente ao mês XX/20XX (Medição nº XX) ANEXO 46 P16 MODELO DO RELATÓRIO GERENCIAL OBJETIVO DO REQUISITO: Demonstrar mensalmente os resultados qualitativos e quantitativos dos serviços, avaliando o cumprimento das obrigações e metas estabelecidas

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS MODELO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NOME DA EMPRESA PERÍODO Dia / Mês / Ano a Dia / Mês / Ano 1 SUMÁRIO 3 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 4 4 OBJETIVO GERAL CONDIÇÕES PRELIMINARES 5 DESENVOLVIMENTO

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Conjunto de medidas educacionais, técnicas, médicas e psicológicas adotadas com o objetivo de prevenir acidentes. As causas de um acidente: a) condição insegura: Tal condição

Leia mais

TRABALHO NO RS Um acidente a cada 10 minutos. Fonte: Zero Hora Dezembro de 2013 (Sábado 14/12/2013)

TRABALHO NO RS Um acidente a cada 10 minutos. Fonte: Zero Hora Dezembro de 2013 (Sábado 14/12/2013) TRABALHO NO RS Um acidente a cada 10 minutos Fonte: Zero Hora Dezembro de 2013 (Sábado 14/12/2013) ACIDENTES Descaso com a segurança no ambiente profissional provocou 166 mortes de trabalhadores no Rio

Leia mais

NR - 18 - APLICADA EM CANTEIROS DE OBRAS

NR - 18 - APLICADA EM CANTEIROS DE OBRAS NR - 18 - APLICADA EM CANTEIROS DE OBRAS ELVIO LUIZ LORIERI DIR. CANTEIRO DE OBRAS DA ALEC. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS WWW.ALEC.ORG.BR PARA IMPLANTAÇÃO DE UM CANTEIRO DE OBRA, DEVEMOS

Leia mais

Equipamentos de Proteção Individual EPI.

Equipamentos de Proteção Individual EPI. Equipamentos de Proteção Individual EPI. Considera-se EPI todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE S AMBIENTAIS Importância PPRA O PPRA é parte integrante do conjunto mais amplo das iniciativas da empresa no campo da preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores;

Leia mais

Diferença EPI para dispositivos Perfurocortantes. Luciana Affonso Gerente Mkt

Diferença EPI para dispositivos Perfurocortantes. Luciana Affonso Gerente Mkt Diferença EPI para dispositivos Perfurocortantes Luciana Affonso Gerente Mkt SP, Agosto 2010 Definição EPI NR6 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora - NR, considera-se Equipamento de Proteção

Leia mais

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO Conforme NR-10 ACME S.A Ind. Com. 1 de 9 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Identificação do Responsável pela Execução do Serviço. Nome: Empresa: Registro: Local de Execução do Serviço.

Leia mais

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 1 de 7 PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 2 de 7 PROCESSO CONSTRUTIVO 1. EECUÇÃO DE PINTURAS Esta actividade consiste nos trabalhos de pinturas nas paredes simples

Leia mais

Referência: Reunião Técnica, Memorial Descritivo Rev: 2. Proteções Existentes. Observações (O)/ Recomendações (R) Meio Ambiente.

Referência: Reunião Técnica, Memorial Descritivo Rev: 2. Proteções Existentes. Observações (O)/ Recomendações (R) Meio Ambiente. Ambiente Imagem 1 Vazamento de produto inflamável armazenado em frascos, bombonas ou tambores. - Falha durante o manuseio ou transporte do recipiente provocando tombamento ou queda; - Recipiente em más

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente VicePresidência de Engenharia e Meio Ambiente IGR 4.4.632 ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. REFERÊNCIAS 3. DEFINIÇÕES 4. APLICAÇÃO 5. DESCRIÇÃO DO PROCESSO 6. FLUXO DO PROCESSO 7. RESPONSABILIDADES 8. ANEXOS 9. CONTROLE

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP PCMSO/GEAP 6.1.23.1 Providenciar atestados e exames Todo trabalho em eletricidade deve ser planejado, organizado e executado por empregado capacitado e autorizado. Para executar trabalhos em altura, o

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO UFMG P C M A T PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO UFMG P C M A T PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO UFMG P C M A T PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO O PROGRAMA É UM DOCUMENTO TÉCNICO - LEGAL PODER CONSTITUINTE DE DIREITO; DECIFRADOR DE DÚVIDAS MATERIAIS; DESCOMPASSO

Leia mais

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Carpinteiro de Obras CBO 7155-25 COD-SGE 013.541 MODALIDADE Qualificação Profissional Básica Área Tecnológica Construção Civil CARGA HORÁRIA 220 horas ITINERÁRIO Regional

Leia mais

INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE

INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Mackenzie Campinas Ano: 2015 Razão social: Endereço: Instituto Presbiteriano Mackenzie Avenida Brasil, 1200 Jardim Guanabara - Campinas - SP CNPJ: 60.967.551/0007-46

Leia mais

TR Tanque Flash. 1. Termo de garantia. 2. Informações gerais de segurança. 3. Informações de segurança específicas do produto

TR Tanque Flash. 1. Termo de garantia. 2. Informações gerais de segurança. 3. Informações de segurança específicas do produto 1.753.000.080 IM-D176-01 BR Rev.00 TR Tanque Flash Manual de Instalação e Manutenção 1. Termo de garantia 2. Informações gerais de segurança 3. Informações de segurança específicas do produto 4. Informações

Leia mais

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim)

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PROCEDIMENTO DE SMS Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PR-99-993-CPG-009 Revisão: 00 Aprovação: 30/05/2014 Página: 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos de segurança para

Leia mais

CADERNO DE PROTEÇÕES COLETIVAS

CADERNO DE PROTEÇÕES COLETIVAS Quando edificares uma casa nova, farás um parapeito, no eirado, para que não ponhas culpa de sangue na tua casa, se alguém de algum modo cair dela. Moisés (1473 A.C.). Deuteronômio 22.8 CADERNO DE PROTEÇÕES

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais

ELEVADOR DE TRAÇÃO A CABO E CREMALHEIRAS

ELEVADOR DE TRAÇÃO A CABO E CREMALHEIRAS 1. OBJETIVO Esta apresentação tem por objetivo estabelecer diretrizes mínimas para assegurar a implementação de medidas preventivas e de proteção para a utilização de Elevadores de Tração a Cabo e Cremalheiras,

Leia mais

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 ANEXO X Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Página 1 de 5 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem

Leia mais

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Transcrito pela Nutri Safety * O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155

Leia mais

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão. Andre Cavalcanti Santos Téc. em saúde e segurança do trabalho E-mail: cavalcanti_sst@hotmail.com Sumário Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

Leia mais

SEGURANÇA DO TRABALHO

SEGURANÇA DO TRABALHO GESTÃO DE PESSOAS EM UAN / UPR SEGURANÇA DO TRABALHO Profª Celeste Viana TREINAMENTO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Portaria 3.214/78, NR nº9, subítem 9.5.2: Os empregadores deverão informar aos trabalhadores, de

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Constituição de 1934 direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1937 - direito do trabalhador de

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Constituição de 1934 direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1937 - direito do trabalhador de SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Constituição de 1934 direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1937 - direito do trabalhador de higiene e segurança Constituição de 1967 - direito do

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO 1. Passo Receber o Pedido de Desligamento para execução de trabalhos de manutenção em linhas de distribuição, da área de manutenção e outras áreas da CEB-D, FURNAS, CELG, METRÔ, CAESB, CEB) GERAÇÃO, CORUMBÁ

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NR 18-Construção Civil-Alterações Orientador Empresarial PORTARIA SIT nº 201/2011: 24.01.2011, com

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS Página: 1 de 13 Texto final APROVADO pelo CPN em 2 SET de 2010, considerando a Nota Técnica O66 2010- DSST/SIT/MTE ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.14.1 Os equipamentos de transporte vertical de materiais

Leia mais

Figura 1: Plataforma de trabalho do andaime. Figura 2: Piso metálico da plataforma de trabalho.

Figura 1: Plataforma de trabalho do andaime. Figura 2: Piso metálico da plataforma de trabalho. INSTRUÇÕES DE USO ANDAIME TUBULAR 1. Devem ser tomadas precauções especiais, quando da montagem, desmontagem e movimentação de andaimes próximos às redes elétricas. 2. O piso de trabalho dos andaimes deve

Leia mais

Manual de Instalação, Operação e Manutenção

Manual de Instalação, Operação e Manutenção Manual de Instalação, Operação e Manutenção Argamassadeira 240 litros 02 Manual de Instalação, Operação e Manutenção Argamassadeira 240 litros! ADVERTÊNCIA Este símbolo irá ilustrar alertas de segurança

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Procedimento para Bancada de Serra Circular Elétrica

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Procedimento para Bancada de Serra Circular Elétrica Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1) OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos e condições mínimas para a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança

Leia mais

PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014

PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014 PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014 Altera a Norma Regulamentadora n.º 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO,

Leia mais

Subsídio ConstruBusiness Grupo de Trabalho sobre Segurança em Edificações

Subsídio ConstruBusiness Grupo de Trabalho sobre Segurança em Edificações Subsídio ConstruBusiness Grupo de Trabalho sobre Segurança em Edificações SEGURANÇA EM EDIFICAÇÕES EXISTENTES (construídas há mais de 10 ou 15 anos) OBJETIVOS 1) Criação de obrigatoriedade de inspeção

Leia mais

QUIMICRYL S/A Ficha de Segurança de Produtos Químicos Página 1 de 8 BAUCRYL 5.000. Data da última revisão: 28/3/2013

QUIMICRYL S/A Ficha de Segurança de Produtos Químicos Página 1 de 8 BAUCRYL 5.000. Data da última revisão: 28/3/2013 Ficha de Segurança de Produtos Químicos Página 1 de 8 1. Identificação do Produto e da Empresa Produto: BAUCRYL 5.000. Usos Recomendados: SISTEMA MAI MEMBRANA DE POLÍMERO MODIFICADA COM CIMENTO Impermeabilizante

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA

PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA PALESTRA PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA OBJETIVO: PASSAR CONHECIMENTO E EXPERIÊNCIA ADQUIRIDA NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES EM TRABALHO EM ALTURA O QUE DIZ A LEI SEGUNDO A LEI, A CULPA ESTÁ

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABERTURA DE VALAS OU TRINCHEIRAS 2 DESCRIÇÃO Nos trabalhos realizados em valas ocorrem com frequência acidentes graves e fatais devido principalmente

Leia mais

É uma perturbação acidental que se manifesta no organismo humano, quando percorrido por uma corrente elétrica.

É uma perturbação acidental que se manifesta no organismo humano, quando percorrido por uma corrente elétrica. CHOQUE ELÉTRICO É uma perturbação acidental que se manifesta no organismo humano, quando percorrido por uma corrente elétrica. A RESISTÊNCIA DO CORPO HUMANO INTERNA Ri2 200 Ω Ri3 100 Ω Ri1 200 Ω Rit 500

Leia mais

Manual de Segurança e higiene do trabalho Procedimento para CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

Manual de Segurança e higiene do trabalho Procedimento para CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Revisão: 00 Folha: 1 / 10 1. Definição CIPA Acidente 2. Objetivo A CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 1 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 1 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 1 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Desenvolver e aplicar os conceitos de

Leia mais

Riscos adicionais. Riscos adicionais. Altura COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 1

Riscos adicionais. Riscos adicionais. Altura COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 1 Riscos adicionais Riscos adicionais De altura; De ambientes confinados; De áreas classificadas; De umidade; Condições atmosféricas; Ataque de animais peçonhentos/domésticos. Altura Trabalho em altura é

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PARA RECUPERAÇÃO E REFORÇO DO RESERVATÓRIO SUPERIOR DO SETOR B

MEMORIAL DESCRITIVO PARA RECUPERAÇÃO E REFORÇO DO RESERVATÓRIO SUPERIOR DO SETOR B MEMORIAL DESCRITIVO PARA RECUPERAÇÃO E REFORÇO DO RESERVATÓRIO SUPERIOR DO SETOR B CLIENTE: CORREIOS SANTA CATARINA PROJETISTA: PETRUS CONSULTORIA & ASSESSORIA LTDA São José, JULHO DE 2015. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR PASSO A PASSO DOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS E DE SEGURANÇA DO TRABALHO 1. Passo Receber a informação sobre a ocorrência do desligamento emergencial da linha de distribuição (despachante); 1.1 de Segurança 1.1 de Segurança 1.1 de Segurança - Uniforme padrão completo; - Radiação

Leia mais

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Variável: Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Participantes do Aprofundamento da Variável: Coordenador: Mário Vinícius Bueno Cerâmica Betel - Uruaçu-Go Colaboradores: Juarez Rodrigues dos

Leia mais

Aula 8. Equipamentos de Proteção Coletiva e Individual META DA AULA OBJETIVOS

Aula 8. Equipamentos de Proteção Coletiva e Individual META DA AULA OBJETIVOS Aula 8 Equipamentos de Proteção Coletiva e Individual META DA AULA Compreender os aspectos essenciais de Combate a Incêndio e os Equipamentos de Proteção Coletiva e Individual. OBJETIVOS Ao final desta

Leia mais

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 25 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM SEGURANÇA EM ESCRITÓRIO

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 25 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM SEGURANÇA EM ESCRITÓRIO LISTA DE CHECAGEM DE SEGURANÇA EM ESCRITÓRIO 1 Autor DEOGLEDES MONTICUCO Iniciou aos 14 anos como Mensageiro. 1974 - Engenheiro Civil e 1975 - Engenheiro de Segurança do Trabalho. Obras de construções:

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS 1 O SESMT Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho elaborou esta norma com o objetivo de estabelecer as condições mínimas no cumprimento

Leia mais

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NR 10: Portaria n.º 598, de 07/12/2004 (D.O.U. de 08/12/2004 Seção 1) Ementas: Portaria n.º 126, de 03/06/2005 (D.O.U. de 06/06/2005 Seção 1) NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Leia mais

MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO

MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 1 SUMÁRIO Acessórios 03 Instruções de montagem 04 Dicas Importantes 10 Acesso dos Andaimes 11 Informações de Segurança 12 2 ACESSÓRIOS 3 ANDAIME FACHADEIRO INSTRUÇÕES

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O PCMAT DE UMA OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE CRICIÚMA-SC COM A NR 18 - ESTUDO DE CASO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O PCMAT DE UMA OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE CRICIÚMA-SC COM A NR 18 - ESTUDO DE CASO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O PCMAT DE UMA OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE CRICIÚMA-SC COM A NR 18 - ESTUDO DE CASO RESUMO Lucas Vaz Franco Crispim (1), Clovis Norberto Savi (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

APR - ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS. Atividade Perigo Causas Consequências Medida de Controle OBSERVAÇÃO / RECOMENDAÇÃO

APR - ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS. Atividade Perigo Causas Consequências Medida de Controle OBSERVAÇÃO / RECOMENDAÇÃO Atropelamento. Presença de pessoas não autorizadas no local da Necessidade de exposição em vias de tráfego de veículos; Falta ou falha de sinalização na frente de obra. Erro de orientação e/ou falta de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO RESERVATÓRIO PROJETO CAMPUS FARROUPILHA

MEMORIAL DESCRITIVO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO RESERVATÓRIO PROJETO CAMPUS FARROUPILHA MEC/SETEC INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DPO - REITORIA MEMORIAL DESCRITIVO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000 MEMORIAL DESCRITIVO QUADRA 50 SETOR 8 RUA HELVÉTIA, ALAMEDA DINO BUENO, PRAÇA JÚLIO PRESTES E ALAMEDA CLEVELAND DEMOLIÇÃO DAS EDIFICAÇÕES EXISTENTES CAMPOS ELÍSEOS SÃO PAULO/SP Contratação de empresa especializada

Leia mais

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Laudo Ergonômico Laudo de Periculosidade/Insalubridade Laudo

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Portaria n 4, de 04/07/95 D.O.U. de 07/07/95 ALTERAÇÔES: Pela Portaria n 7, de 3 de março de 1997 Pela Portaria n 12, de 6 de maio

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO UNESP-2014 DANIELLE VARGAS E-mail:danielle@franca.unesp.br COSTSA Grupo de Segurança e Sustentabilidade Ambiental -7 (sete) TST -1 engenheiro de Segurança -1 engenheiro eletricista

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro Saúde e segurança marceneiro. A preocupação com o bem-estar, a saúde e a segurança do marceneiro no trabalho, vem crescendo no decorrer dos últimos anos, pois, quando o trabalho representa apenas uma obrigação

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

Qualidade e segurança a solução perfeita. SST Sistema de Segurança no Trabalho

Qualidade e segurança a solução perfeita. SST Sistema de Segurança no Trabalho Qualidade e segurança a solução perfeita SST Sistema de Segurança no Trabalho História da Segurança do Trabalho no Mundo O HOMEM conseguiu através da história, criar uma tecnologia que possibilitou sua

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 04. Procedimento para Plataformas e Telas (apara-lixo de proteção)

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 04. Procedimento para Plataformas e Telas (apara-lixo de proteção) Revisão: 00 Folha: 1 de 10 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras efetuem a montagem das plataformas e a colocação da tela de proteção de acordo com a as especificações da NR -18 2. Documentos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Produto: POROSO SC - C Data da última revisão: 01/11/2010 Página: 1 de 5 POROSO SC - C

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Produto: POROSO SC - C Data da última revisão: 01/11/2010 Página: 1 de 5 POROSO SC - C Data da última revisão: 01/11/2010 Página: 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Código interno de identificação: 000884 Nome da empresa: Endereço: POROSO SC - C Telefone para emergências:

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE

ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE NÚMEROS ALARMANTES São 160 milhões de trabalhadores no mundo. Não essa não é uma estatística sobre um mega evento comemorativo ou o número de vagas disponíveis no Mercado

Leia mais

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DO TRABALHO MÉDICO DE CONTAGEM

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DO TRABALHO MÉDICO DE CONTAGEM PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DO TRABALHO MÉDICO DE CONTAGEM PAC SÃO JOSÉ ANO BASE: MAIO 2016 / MAIO 2017 1- PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

0800-55 03 93 Segunda à Sexta, das 8h às 20h. Sábado, das 8h às 17h.

0800-55 03 93 Segunda à Sexta, das 8h às 20h. Sábado, das 8h às 17h. 1 ANO DE GARANTIA SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR Manual de Instruções L I G U E G R Á T I S 0800-55 03 93 Segunda à Sexta, das 8h às 20h. Sábado, das 8h às 17h. M.K. Eletrodomésticos Ltda. Estrada

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA GUINCHO VELOX e HUCK ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 2 2.1. USO DOS GUINCHOS... 3 2.2. LUBRIFICAÇÃO... 3 2.3.

Leia mais

NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção SUMÁRIO

NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção SUMÁRIO NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção SUMÁRIO 18.1 Objetivo e Campo de Aplicação 18.2 Comunicação Prévia 18.3 Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações DEFESA CIVIL - ES Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações NR- 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

Equipamentos de Proteção Individual (EPI)

Equipamentos de Proteção Individual (EPI) Equipamentos de Proteção Individual (EPI) SEGURANÇA NA SOLDAGEM Segurança na Soldagem 1.1 - Principais riscos para um soldador 1.1.1 - Poluição por fumos de soldagem 1.1.2 - Radiações visíveis e invisíveis

Leia mais

JL PLASMA DO BRASIL LTDA

JL PLASMA DO BRASIL LTDA 2011 JL PLASMA DO BRASIL LTDA [PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA EM ESCAVAÇÕES A CÉU ABERTO UTILIZANDO A CÁPSULA EXPANSIVA CS PLASMA] Esta relação de procedimentos técnicos dispõe sobre as medidas de

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária)

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária) MANUAL TÉCNICO (Proteção Periférica Primária e Secundária). 2 SUMÁRIO Proteção Periférica Primária e Secundária...03 Descrição Técnica...04 Sistema de Ancoragem...06 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO SUMÁRIO Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria DSST n.º

Leia mais

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI Conforme Norma Regulamentadora nº.6, Equipamento de Proteção Individual EPI é todo dispositivo de uso individual utilizado pelo empregado, destinado à proteção de

Leia mais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais RISCOS LABORAIS São agentes presentes nos ambientes de trabalho, decorrentes de precárias condições que, se não forem detectados e eliminados a tempo, provocam os Acidentes de Trabalho e as Doenças Ocupacionais.

Leia mais

NR 22 - Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração (122.000-4)

NR 22 - Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração (122.000-4) NR 22 - Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração (122.000-4) 22.1- Objetivo 22.1.1- Esta Norma Regulamentadora tem por objetivo disciplinar os preceitos a serem observados na organização e no ambiente

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

Demolições. Algumas ações devem ser executadas antes de se iniciar e durante uma demolição:

Demolições. Algumas ações devem ser executadas antes de se iniciar e durante uma demolição: Demolições Algumas ações devem ser executadas antes de se iniciar e durante uma demolição: Desligamento das linhas de fornecimento de energia elétrica, água, inflamáveis líquidos e gasosos liquefeitos,

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO UTILIZADOS EM PLANO DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS

PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO UTILIZADOS EM PLANO DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 38 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO UTILIZADOS EM PLANO DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS AUTOR AUTOR: HÉLIO MARCOS DA SILVA

Leia mais

DICAS DE SEGURANÇA NA OBRA

DICAS DE SEGURANÇA NA OBRA ASSOCIAÇÃO DOS CONSTRUTORES E INCORPORADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE CAPÃO DA CANOA DICAS DE SEGURANÇA NA OBRA Profissional qualificado e registrado operando o Guincho ( com certificado); Profissional qualificado

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ESCORAMENTO DE LAJES 2 DESCRIÇÃO Os elementos horizontais são executados com recurso a cofragem apoiada em suportes verticais destinados a sustentá-la,

Leia mais

Os principais aspectos da NR 22 e sua importância na proteção dos trabalhadores na mineração 3,8

Os principais aspectos da NR 22 e sua importância na proteção dos trabalhadores na mineração 3,8 Os principais aspectos da NR 22 e sua importância na proteção dos trabalhadores na mineração 3,8 Acimarney Correia Silva Freitas¹, Ione Medeiros Alves², Jéssica Santos Lima 3, Lucélia Rodrigues da Silva

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR LOGO DA EMPRESA EMPRESA: DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: LOCAL DA ATIVIDADE: ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR FOLHA: 01 DE 10. DATA DE EMISSÃO: DATA DE APROVAÇÂO: REVISÃO: HORÁRIO: ASSINATURA DOS ENVOLVIDOS NA

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS. Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP. Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP

INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS. Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP. Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP 2014 1. INTRODUÇÃO Com o decorrer do tempo e os avanços tecnológicos tornando

Leia mais

Segurança com serra mármore. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Segurança com serra mármore. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança com serra mármore Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança da área de trabalho Mantenha a área de trabalho sempre limpa e bem iluminada. Áreas de trabalho desorganizadas

Leia mais

ANEXO IX EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 007/2013

ANEXO IX EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 007/2013 ANEXO IX EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 007/2013 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DE ESTAÇÃO HIDROMÉTRICA 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1.

Leia mais