Modulações de sentidos na experiência psicotrópica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modulações de sentidos na experiência psicotrópica"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UFF CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA DOUTORADO EM PSICOLOGIA Autor: SANDRO EDUARDO RODRIGUES Orientador: Prof. Dr. EDUARDO PASSOS Modulações de sentidos na experiência psicotrópica NITERÓI 2014

2 ii UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UFF CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA DOUTORADO EM PSICOLOGIA Modulações de sentidos na experiência psicotrópica Sandro Eduardo Rodrigues Tese apresentada ao Programa de Pósgraduação de Psicologia Estudos da Subjetividade do Departamento de Psicologia da Universidade Federal Fluminense, como requisito parcial para obtenção do diploma de doutor em Psicologia. Orientador: Prof. Dr. Eduardo Passos NITERÓI 2014

3 Ficha Catalográfica elaborada pela Biblioteca Central do Gragoatá R696 Rodrigues, Sandro Eduardo. Modulações de sentidos na experiência psicotrópica / Sandro Eduardo Rodrigues f. ; il. Orientador: Eduardo Passos. Tese (Doutorado) Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Departamento de Psicologia, Bibliografia: f Saúde mental. 2. Transtorno relacionado ao uso de substâncias. 3. Uso de droga. I. Passos, Eduardo. II. Universidade Federal Fluminense. Instituto de Ciências Humanas e Filosofia. III. Título. CDD

4 iii Modulações de sentidos na experiência psicotrópica Sandro Eduardo Rodrigues Composição da banca examinadora: Dr. Eduardo Passos (orientador UFF) Dr. Henrique Soares Carneiro (USP) Dr. Auterives Maciel (PUC/RJ) Dra. Analice Palombini (UFRGS) Dra. Silvia Tedesco (UFF) Suplentes Dr. Jorge Vasconcellos (PPGCA/UFF) Dra. Cristina Rauter (UFF)

5 iv Para Fernanda e Iberê, pela maior experiência psicodélica de minha vida.

6 v AGRADECIMENTOS Agradeço a Eduardo Passos pela paciência e cuidado de um verdadeiro guia de cego, dos que ajudam o cego a ir para onde este deseja, mesmo quando o cego se sente também um pouco confuso sobre qual direção tomar. Agradeço ao coletivo de pesquisa GAM-BR e ao Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal Fluminense pela acolhida do projeto de pesquisa. Aos integrantes do PPG em Psicologia da UFF agradeço especialmente por terem lutado para garantir as condições para que esta pesquisa fosse levada a termo, mesmo mediante contratempos financeiros que ameaçaram sua continuidade. Agradeço a Henrique Carneiro pela ótima interlocução e comentários atentos, a Analice Palombini pela intensidade e o carinho com os quais tomou parte na escrita do presente trabalho, a Silvia Tedesco pelas considerações sobre linguagem e produção de subjetividade e a Auterives Maciel que há tantos anos me ajuda a pensar com o impensável do pensamento, o que nos força a pensar, o fora. Agradeço também aos colegas da UFF, da UFRGS, UFRJ e UNICAMP, aos colegas do grupo de orientação e da Frente Estadual Drogas e Direitos Humanos-RJ. A David Rodgers pela cuidadosa tradução do resumo para a língua inglesa. Ao povo do underground de ontem, hoje e sempre, em especial os companheiros que embarcaram comigo na incomensurável piração psicodélica chamada Digital Ameríndio & (American Bigfoot) Mouse Mouse Joe. Agradeço a meu pai que um dia foi músico e minha mãe que ensinou como me orientar numa biblioteca. Por fim, a Fernanda e Iberê, nosso filho, pela experiência mais psicodélica e amorosa que pude viver até agora, pois o processo de gestação, o parto e esses primeiros meses partilhando de toda a maquínica desejante que este nosso rebento vem colocando para operar tem sido uma jornada inominável.

7 vi...me lembro que ainda naquela época, eu fiz a seguinte afirmação: é preciso se desmilitarizar na época deles, hein?! inclusive a mente dos civis! Walter Franco

8 vii RESUMO A presente tese propõe articular a experiência psicodélica ao cuidado de usuários de psicotrópicos prescritos em saúde mental. Para tanto, apresentamos a Gestão Autônoma da Medicação (GAM), uma abordagem de intervenção em saúde mental pautada na valorização da experiência dos usuários de psicotrópicos. O problema da presente pesquisa emerge como fora-eixo da GAM, dando relevo à análise de implicações, procedimento metodológico para extrair o excesso de pessoalidade na redação do fora-texto da pesquisa, ou seja, o material usualmente excluído das publicações científicas oficiais. Para auxiliar na redação desse foratexto, algumas ferramentas são introduzidas como recursos estilísticos consistentes com o material trabalhado, tal como o discurso indireto livre, de Mikhail Bakhtin, e os ritmos acelerados, saltos, cortes e dobraduras do tempo, herdados dos artistas beat, sobretudo como utilizados nas rotinas invenção literária de William Burroughs. A tese faz uma apresentação da experiência psicodélica, desde a primeira síntese do LSD-25, em 1938, passando por pesquisas científicas, militares, clínicas, místicas, artísticas e político-culturais, com especial atenção ao acid rock, ou rock psicodélico, e às considerações de Timothy Leary, Ralph Metzner e Richard Alpert no que diz respeito tanto à influência das disposições pessoais (set) e ambientais (setting) quanto à distinção, na experiência psicodélica, de três fases (ou bardos), baseadas no Livro Tibetano dos Mortos, que entendemos como uma primeira fase de transcendência completa, prerreflexiva, sem qualquer distinção entre dentro e fora (para além do espaço-tempo, da linguagem e de si); uma segunda, de controle egoico, que envolve tentativas alucinantes e delirantes de demarcação de limites identitários; por fim, um período de retorno ao jogo da realidade rotineiro, das distinções entre dentro e fora, mas com limites mais alongados, flexíveis e expandidos. Em seguida, apresentamos o fora-eixo da pesquisa de campo realizada em um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), entre março e novembro de Na pesquisa de campo, experimentamos a ação de três vetores, produzindo distintos movimentos de subjetivação: um vetor de exclusão, produtor de fechamento; um de inclusão, produtor de abertura; e um vetor de repulsão, produzindo paranoia, que serviu-nos para ressaltar o caráter desafiante que envolve a inclusão do fora. Com isso, cumprimos nosso objetivo, na expectativa de que a partilha de uma sensibilidade psicodélica auxilie na formação estético-política de trabalhadores do campo da saúde mental. Palavras-chave: Saúde mental. Experiência psicodélica. Drogas lícitas e ilícitas.

9 viii ABSTRACT This thesis sets out to explore the interconnections between psychedelic experience and the mental health care prescribed for psychotropic drug users. This aim in mind, I present an approach to mental health intervention, Autonomous Medication Management (AMM), that values the experience of psychotropic drug users. The problem examined in this research emerges as an off-axis variant of AMM, highlighting the analysis of its implications as a methodological procedure to extract the excess personalization involved in writing the outside-the-text of the research i.e. the material usually excluded from official scientific publications. To help write this outside-the-text, various tools are introduced as stylistic resources consonant with the material under examination, such as Mikhail Bakhtin s free indirect discourse, and the accelerated rhythms, jumps, cuts and foldings of time inherited from the beat writers, in particular the kind found in the routines invented by William Burroughs. The thesis describes psychedelic experiences from the first synthesis of LSD-25 in 1938 to scientific, military, clinical, mystic, artistic and politico-cultural research, focusing especially on acid rock, or psychedelic rock. Here I turn to the ideas of Timothy Leary, Ralph Mezner and Richard Alpert on both the influence of personal dispositions (set) and environmental dispositions (setting) and the differentiation of three phases (or bardos) in psychedelic experience, derived from the Tibetan Book of the Dead: a first phase of complete, pre-reflexive transcendence, with no distinction between outside and inside (beyond spacetime, language and self); a second phase, controlled by the ego, involving hallucinatory and delirious attempts to delimit identity boundaries; and finally a period of return to the game of everyday reality and the distinctions of outside and inside, but now with more flexible, stretched and expanded boundaries. Next I present the off-axis variant of the field research conducted in a Psychosocial Care Centre (CAPS) between March and November In this field research, we experienced the action of three vectors, each producing distinct movements of subjectification: a vector of exclusion, producing closures; a vector of inclusion, producing openings; and a vector of repulsion, producing paranoia, which served to emphasize the challenges involved in the inclusion of the outside. In reaching this conclusion, the thesis anticipates that the sharing of a psychedelic sensibility can assist in the aesthetic-political training of workers in the mental health field. Keywords: Mental health. Psychedelic experience. Licit and ilicit drugs.

10 ix RÉSUMÉ Cette thèse propose articuler l'expérience psychédélique au soin des utilisateurs de médicaments psychotropes prescrits dans le domaine de la santé mentale. À cette fin, nous présente la Gestion Autonome de la Médication (GAM), une approche d'intervention en santé mentale fondé sur la valorisation de l' expérience des utilisateurs de substances psychotropes. Le problème de cette recherche émerge comme hors-axe du GAM, avec l'accent mis sur l'analyse des implications, procédure méthodologique pour enlever l'excédent de personnalité dans la rédaction du hors-texte de la recherche, c'est-à-dire le matériau habituellement exclus des publications scientifiques officielles. Pour aider à la rédaction de ce hors-texte, comme caractéristiques stylistiques compatible avec le matériau travaillé, tels que le discours indirect libre, Mikhaïl Bakhtine, et les rythmes accélérés, houblon, coupures et pliant dans le temps, héritage des artistes beat, surtout comme utilisé dans lês routines invention littéraire de William Burroughs. La thèse fait une présentation de l'expérience psychédélique, depuis la première synthèse du LSD-25, en 1938, en passant par la recherche scientifique, militaires, cliniques, mystique, artistique, culturelle et politique, avec une attention particulière aux acid rock, ou rock psychédélique, et dês considérations de Timothy Leary, Ralph Metzner et Richard Alpert tant en ce qui concerne l'influence des dispositions personnelles (set) et de l'environnement (setting) comme de la distinction, dans l'expérience psychédélique, de trois phases (ou bardos), basé sur le Livre Tibétain des Morts, qui nous considérons comme une première étape de la transcendance complète, pré-réflectif, sans aucune distinction entre l'intérieur et l'extérieur (en plus de l'espace-temps, de la langue et de lui-même) un deuxième, de contrôle égoïque, ce qui implique tentatives hallucinatoires et délirantes pour délimiter les frontières de l'identité; enfin, une période de récupération de la réalité du jeu de routine, les distinctions entre l'intérieur et l'extérieur, mais avec des limites plus allongées, flexibles et étendues. Puis, nous présentons le champ de recherche menée dans un Psychosociale Care Center (CAPS), entre Mars et Novembre Dans le domaine de recherche, nous avons essayés l'action de trois vecteurs, produisant des mouvements distincts de la subjectivité: un vecteur d'exclusion, producteur de la clôture; l'un de l'inclusion, producteur d'ouverture; et un vecteur de refoulement, produisant des paranoïa, qui nous a permis de souligner le caractère challengeur qu'implique l'inclusion de l'hors. Avec cela, nous avons atteint notre objectif, dans l'espoir que le partage d'une sensibilité psychédélique aide à l éducation esthétique et politique des travailleurs dans le domaine de la santé mentale. Mots-clés: Santé mentale. Expérience psychédélique. Drogues licites et illicites.

11 x FIGURAS: Figura 1 Guia da Gestão Autônoma da Medicação Figura 2 Os pioreres da história da política Figura 3 Cartaz e painel da Ala Psicodélica da Marcha da Maconha 2014 Figura 4 Versão miniatura do painel da Ala Psicodélica

12 xi SIGLAS: AGIDD/SMQ Association des Groupes d Intervention en Defense des Droits en Sante Mentale du Québec AMEA Associação Metamorfose Ambulante de Usuários e Familiares do Sistema de Saúde Mental do Estado da Bahia ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária ARUC Alliance Internationale de Recherche Universités-Communautés CAPS Centro de Atenção Psicossocial CBD Canabidiol CIA Central Intelligence Agency CT Comunidade Terapêutica DIL Discurso indireto livre / discurso indireto louco DOM 2,5-dimetoxi-4-metilanfetamina FDA United States Food and Drug Administration FIC Festival Internacional da Canção FNB Federal Narcotics Bureau FEDDH-RJ Frente Estadual Drogas e Direitos Humanos do Rio de Janeiro FNDDH Frente Nacional Drogas e Direitos Humanos GAM Gestão Autônoma da Medicação GAM-BR Gestão Autônoma da Medicação Brasil Gf Grupo focal GGAM Guia de Gestão Autônoma da Medicação GGAM-BR Guia Brasileiro de Gestão Autônoma da Medicação GI Grupo de Intervenção GIF Grupo de Intervenção com Familiares GIU Grupo de Intervenção com Usuários ICC Instituto Carioca de Criminologia IFIF International Federation for Internal Freedom LEAP Law Enforcement Against Prohibition LSD Lyserg-saure-diathylamid L.S.D. League for Spiritual Discovery MAPS Multidisciplinary Association for Psychedelic Studies PILL People Investigating Leary's Lies

13 xii PPG Programa de Pós-Graduação RRASMQ Regroupment des Ressources Alternatives en Sante Mentale du Québec RD Redução de Danos RP Reforma Psiquiátrica RS Reforma Sanitária SDS Students for a Democratic Society STP Serenidade, Tranquilidade e Paz TCLE Termo de Consentimento Livre e Esclarecido UERJ Universidade Estadual do Rio de Janeiro UFF Universidade Federal Fluminense UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro UNICAMP Universidade Estadual de Campinas USA United States of America

14 xiii SUMÁRIO prelúdio, 15 sobre este filho, 15 carta ao autor: a experiência psicodélica de ler sandro, por analice palombini, 22 1 a emergência da gestão autônoma da medicação e do fora-eixo, 25 da suspensão dos medicamentos à negociação da medicação: a emergência da gam, 28 da água para o vinho: a emergência do fora-eixo, 35 a escrita polifônica do fora, 42 are you experienced?, 50 2 a experiência psicodélica, 57 claviceps purpurea, 57 um pressentimento peculiar, 59 atitude experimental, 61 buscando palavras para descrever a experiência, 63 visões fantásticas do celestial e do infernal, 65 sopa de cogumelos ou ciência e arte, 71 a experiência psicodélica: set & setting, 75 usos científico, ritual e terapêutico de psicodélicos, 79 afinidades psicotrópicas, 83 3 automatismos e autonomia, 87 autômatos e automatismos, 89 cibernética e autopoiese, 95 a cia e o lsd: inteligência e intuição, 101 can you pass the acid test?, 108 folk rock e acid rock, 116 a haight-ashbury, 126 a free clinic e o verão do amor, 131 turn on, tune in and drop out!, 141 o underground junkie, 147 vamos pensar a respeito?, 157

15 xiv 4 the san pedro experience, 169 heterogestão e autogestão, 172 cogestão e contágio como inclusão do fora, 173 guiados por quem?!, 178 fora-eixo do giu, atracando a caravela psiconáutica, 233 referências bibliográficas, 237 livros, 237 discos, 248 filmes, 250 sites, 250

16 prelúdio 15 Prelúdio é uma introdução a um texto escrito ou a uma obra musical, podendo se referir, por exemplo, tanto a um prefácio para um texto acadêmico quanto a pequenas peças instrumentais que introduzem obras maiores, como óperas ou balés. Nesse sentido, prelúdio se especifica em relação à noção musical mais ampla de abertura pelo compromisso daquele em apresentar os temas e motivos que se repetirão ao longo da música, anunciando assim as temáticas abordadas e as motivações persistentes no decorrer da obra. No entanto, há prelúdios que não se limitam a introduzir outras obras, mas constituem composições em si mesmos, livres em sua estruturação, como, por exemplo, o Prèlude à l après-midi d un Faune ( ), do compositor francês Claude Debussy, cuja melodia inicial da flauta ondula entre o tonal e o atonal, tornando sensível assim o tom oscilante do discurso expresso em toda obra (Griffiths, 1998). O presente prelúdio tem o intuito de construir um ambiente mais aconchegante para uma contração da experiência psicodélica e, para tanto, o contexto de produção dos dois textos a seguir merece ser brevemente apresentado. O primeiro deles constava como introdução na versão entregue à banca de defesa e visava introduzir, mais que o texto da tese, seu próprio contexto de produção, o que pode soar enigmático agora, mas que se torna mais nítido a partir do próximo parágrafo, sobretudo ao levarmos em conta que o prelúdio incorpora, em seguida, a instigante carta redigida e lida durante a defesa da tese pela professora Analice Palombini, titular da banca e integrante do coletivo de pesquisa GAM, a quem agradeço, dentre outras coisas, pela autorização para publicar aqui o texto tão inspirado quanto inspirador. sobre este filho Um choro de bebê no quarto ao lado. Sexta-feira, oito de agosto de 2014, sete e vinte da manhã. O choro logo cessa, tendo durado somente o tempo que levei para escrever a primeira frase deste texto introdutório à tese que, outrossim, já deveria agora estar em mãos da banca. Mas a introdução a uma tese sobre a experiência psicodélica, realizada sob a perspectiva da pesquisa-intervenção (que, grosso modo, pressupõe a consistência vital de qualquer ato de conhecimento; ou seja, a ligação necessária entre pensamento e vida), não me pareceria muito consistente, caso fosse ignorado o contexto de sua produção o que, ao longo da tese, será chamado setting (usualmente traduzido por ambiente ou cenário). Esta introdução está sendo regida no Bairro de Santa Rosa, em Niterói, em uma manhã ensolarada com nuvem alguma no céu, embora no oitavo andar de um apartamento em que as manhãs têm sido, há exatos seis meses, abençoadas com um nevoeiro que, conforme vai clareando o dia, faz revelar o morro que temos diante de nós, habitado até metade de sua altura, deixando-nos

17 16 bastante verde para oxigenar os ventos fortes que nos chegam, em geral, vindos, por detrás do morro. O vento vem vindo lá de longe, ondulando as praias de Icaraí e São Francisco, e, ao chegar em terra firme, oscila para o alto, escalando o morro e, embora desça novamente do outro lado, uma parte nos atinge ainda no oitavo andar, antes da descida, trazendo ares bem refrescantes para nós. O nós é o ponto em que este parágrafo tenta indicar de que trata esta tese. Pois o bebê do quarto ao lado é ainda mais lindo que o nome lindo que para ele escolhemos: Iberê, meu filho branco com nome de índio. Aquele choro do parágrafo anterior cessou logo, pois Iberê está agora esparramado, saciado, em êxtase, sobre o aconchegante corpo de Fernanda, de onde saiu ainda há poucos dias, mais exatamente, terça-feira, dia cinco, às vinte e duas horas e cinquenta minutos. A bolsa havia rompido por volta de dezessete horas da tarde de segunda-feira, quatro de agosto. Conseguira sentar havia pouco diante do computador, neste quarto tornado temporariamente escritório, para correr com o fechamento da conclusão da tese, pois havíamos entrado na trigésima nona semana da gestação e Iberê poderia vir à luz a qualquer instante. Não costumo estourar prazos, embora a aposta em um parto normal, ativo e humanizado nos tenha exigido uma preparação (algo que, no presente trabalho, é chamado set) bem maior, além de certa disponibilidade para lidar com o imponderável, inexorável, incomensurável. Concordo com o Fernando Beserra, que assina a coluna Portas da percepção no site Hempadão: laricas de informação, quando, em uma oficina sobre psicodélicos e redução de danos que ministramos na Casa Nuvem, na Lapa, disse, talvez não de fato nestes termos, mas certamente nesse sentido, que ser pai é a experiência mais psicodélica que há. E se a metáfora usual do meio acadêmico é que a tese é um filho, é preciso acrescentar que tanto o processo gestacional ( gestão, como veremos, tem o sentido de gerência, mas também o de geração, de gestação) do Iberê quanto o parto da presente tese exigiram bastante, mas, como disse o Jorge Melo (quem ainda não o conhece, terá uma primeira oportunidade ao ler esta tese), citando o músico Walter Franco, apesar de tudo, é muito leve... Nós, seres vivos, somos Soft Machine, máquinas leves para as quais são necessárias tecnologias leves. Embora, como cantavam os Secos e Molhados, o amor, leve, como leve pluma, muito leve, leve, pousa, muito leve, leve pousa. É leve sim, mas suave, coisa nenhuma. Em meio à elaboração deste parágrafo, o choro do Iberê voltou e, virando berro, converteu-se numa imagem acústica fortemente perturbadora de limites identitários, quando, ao trocarmos sua fralda, chamei carinhosamente de preto este nosso filho branco com nome de índio. Mas voltemos à ruptura da bolsa, ao setting do atraso no envio da tese para a banca. Até o instante imediatamente anterior à ruptura da bolsa, imaginava fechar conclusão e introdução da tese na segunda-feira, para na terça comprar cartucho, papel, imprimir, encadernar e enviar por Sedex para os integrantes da banca, buscando garantir, assim, a entrega do texto ainda no prazo e uma disponibilidade total para a recepção ao Iberê. Mas, na ruptura da bolsa, irrompeu uma espécie de cesura, uma quebra, um corte no fluxo da experiência que interrompeu o próprio curso

18 17 da escrita. Às oito da noite, ainda na segunda-feira, fui com Fernanda para o Rio de Janeiro, de carona com seu pai. A aventura foi longa, cheia de contratempos, não houve espaço para a redação. Tampouco há palavras que nos aproximem da beleza e emoção que é acompanhar tão de perto uma experiência na qual set e setting ganham bem mais importância que procedimentos interventivos desnecessários, ou, para dizer melhor, que o recurso a procedimentos interventivos, mesmo quando estes não se fazem de fato necessários. Tínhamos a sorte de podermos contar com uma excelente equipe voltada para o parto normal e humanizado, pois foi essa equipe que lutou, enfrentando muita resistência dentro da instituição, para garantir uma abordagem que é muitíssimo mais custosa e demandante de emoção e atenção por parte dos profissionais que os procedimentos interventivos, mais confortáveis para a maioria dos trabalhadores, embora menos potencializante da experiência para mãe e bebê. Pude notar que, nesse tipo de situação, duas posturas parecem se opor. Embora em ambos os casos ocorra o cuidado, são concepções distintas. Em uma delas, notamos um empecilho advindo da tentativa de se zerar qualquer influência externa às tecnologias das indústrias farmacêutica e de equipamentos médicos; pois, com isso, corre-se o risco de se ignorar aspectos importantíssimos da experiência vivida, ao focar exclusivamente na leitura de dados quantificáveis (medidores, exames, remédios, equipamentos). Embora creiamos que qualquer clínico só possa ser considerado um clínico de fato se souber interpretar tais medidas e exames ou seja, não estamos dizendo que as medidas tratem sozinhas (caso contrário, já estaríamos literalmente no admirável mundo novo de Huxley), quando se tenta subtrair a qualquer custo as influências externas, o que ocorre de fato é a tradução das medidas em procedimentos sugeridos a partir de instituições sem qualquer ligação direta com a experiência dos usuários (pois, como indicamos adiante, por mais que os estudos nos laboratórios farmacêuticos, por exemplo, sigam 'rigorosos' procedimentos de controle, os efeitos colaterais a longo prazo do uso de cada procedimento se mostram exatamente nos usuários). O problema se agrava quando os profissionais de saúde insistem em acreditar apenas na eficácia das tecnologias de ponta em um fetiche consumista por drogas e equipamentos de última geração, ignorando os próprios relatos dos usuários. Uma outra postura profissional é a de considerar a utilização de procedimentos intervencionistas tais como cirurgias, medicamentos, anestesias, etc., verdadeiros arrombamentos biológicos e, muitas vezes, existenciais ; portanto, recursos a serem utilizados apenas quando os demais falham (na metáfora do arrombamento, caberia ligar antes da visita, tocar a campainha ao chegar, aguardar o tempo do anfitrião e, caso seja mesmo preciso entrar, por conta de alguma dificuldade do anfitrião, que se tente ver se a porta está mesmo trancada, ou se não dá para entrar por alguma janela, basculante, isso tudo antes de derrubar a porta, armados, berrando polícia! ). Mas todo procedimento intervém na realidade. Sendo assim, como situar o ponto em que um procedimento sabidamente mais agressivo se torna necessário?

19 18 Já se aproximavam de vinte e quatro horas desde que a bolsa havia ficado rota, sem que as contrações obtivessem um ritmo que caracterizasse de fato a entrada no trabalho de parto, mesmo após a realização de algumas recomendações do obstetra, como caminhada, banho de chuveiro, concentração e conversa com o Iberê, cuja cabeça, sabiamente encaixada, passou a reter na bolsa o líquido que Fernanda vinha perdendo. No entanto, o risco de o parto natural não poder ser realizado, caso o trabalho de parto não se iniciasse até (por volta de) vinte e quatro horas após o rompimento da bolsa, acabou disparando em Fernanda um temor que parecia, ele mesmo, estar impedindo que as contrações tomassem ritmo. Junto ao temor, o medo e uma sensação de solidão, como se o mundo houvesse nos privado do amor, da força de Eros. A maternidade estava lotada quando chegamos, às vinte e quatro horas do rompimento da bolsa, e soubemos que era horário de pico das cesarianas, em geral, marcadas pelos obstetras após seu expediente em consultório. O nosso obstetra, sempre passando tranquilidade, nos sugeriu administrar um cheirinho de ocitocina para ajudar a dar um empurrãozinho nas contrações ritmadas. Foi preciso paciência do profissional para dar conta de um momento mais difícil. Trata-se de um obstetra experiente. Mas o termo experiente não pode ser confundido aqui com qualquer eufemismo para idoso (e tal não é mesmo o caso); antes tem um sentido bem mais próximo ao de Jimi Hendrix, que, com apenas vinte e quatro anos, perguntava, com bastante propriedade, are you experienced? pois trata-se não do acúmulo de anos de prática em preencher receituários com diagnósticos estereotipados, mas de uma experiência que se dobra sobre todas as outras: experiência em focar na experiência (sobretudo, a experiência das gestantes). Fernanda aceita a sugestão. Mas, com o medo de não conseguir, gerando sensação de solidão, desaba em choros como se tivesse falhado, como se fosse então menos mãe, por recorrer a uma intervenção invasiva. Eu tentava ajudar, mas imerso também no parto metafórico e seus próprios contratempos, estava em condições afetivas insuficientes para dar conta de outras sensações de solidão (ou talvez nem caiba tentar justificar meus limites). No entanto, o efeito da ocitocina foi quase imediato, com Fernanda começando a sentir uma forte contração, embora as contrações imediatamente seguintes ainda estivessem pouco regulares. Alguns minutos depois, começaram as contrações regulares e o obstetra e sua equipe iniciaram uma batalha com a instituição para conseguir um local para fazer o parto. A maternidade é muito moderna, com equipamentos e instalações de ponta para cesarianas (parece que mais de noventa por cento dos nascimentos realizados lá são por cesarianas), mas há pouca disponibilidade para lidar com o parto natural (pois já nem cabe mais chamá-lo de 'normal', uma vez que a norma, a regra, virou intervenção cirúrgica). Após o cumprimento de algumas burocracias enquanto o trabalho de parto já havia efetivamente começado, conseguimos ir para uma sala autorizada para o nascimento. Era uma sala com bastante espaço, embora sem nenhum dos recursos que esperávamos (como, por exemplo, banheira) a partir dos vídeos que assistíramos de partos humanizados. Ao contrário, tratava-se de

20 19 um centro cirúrgico de aspecto um tanto quanto frio, com uma 'mesa de parto' (muitas aspas aqui) que mais parecia uma cadeira de dentista, de tão estreita, e ainda por cima com um entra-e-sai de funcionários mal-humorados do hospital para levar para a sala equipamentos sem qualquer necessidade para o parto natural. Felizmente, a equipe (set) que estava conosco para fazer o parto era ótima, criando, assim, um território existencial afetivamente favorável dentro daquele setting laboratorial, frio e aterrador. Foram duas horas e meia, ao mesmo tempo curtíssimas e longuíssimas, passadas com a aposta dos profissionais na autonomia, no amor, no tesão, na experiência, na vida, no humor. Muita luta, muita dor, muito estímulo, muito apoio, muito medo, muitos cuidados, muita atenção, expectativa, risos e a disposição para tentar tudo quanto fosse posição (tendo o obstetra se referido posteriormente, de modo espirituoso, à experiência vivida por todos que pudemos partilhar daquele momento como o kama sutra do parto ativo). Foi tudo lindo e emocionante, uma paisagem existencial exuberante, dentro de um cenário deprimente (com todo o poético kama sutra realizado sobre uma cadeira estreita e desconfortável). Muito bom também sentir o quanto, nessa abordagem, os afetos perpassam intensamente toda a equipe envolvida e, surpreendentemente, contagia mesmo a instituição. Logo após o parto, enquanto tirava os aventais cirúrgicos, um pai que entraria em seguida na sala que ocupáramos me pergunta se meu filho era o que tinha nascido de parto normal e afirmo, ao que ele responde com um lamento de que eles gostariam de ter um parto normal, mas a equipe disse que sua esposa teria problemas. Senti que ele nos admirava (o que me surpreendia, sobretudo, naquele local, onde antes víramos a todos como figurantes de novela, estranhando nossa atitude de ter parto natural como uma espécie de primitivismo romantizado, de retorno à natureza), mas o que mais chamou atenção era certo constrangimento desse pai. Era preciso cuidar ainda de algo ali. Respondi-lhe que de fato há situações que favorecem e outras que desfavorecem o parto em favorecimento à cesariana, ressaltando a sorte que tivemos em conseguirmos um médico e uma equipe que militassem ao máximo a este favor, mas fiz também questão de dizer-lhe que não foi por capricho nosso que o parto foi natural (o capricho, no caso, seria talvez o oposto da natureza), pois, caso fosse de fato necessário para a saúde dela ou do Iberê, faríamos uma cesariana. Logo em seguida, um lindo bebezinho de dedos compridos e nome de deus indígena, saudável e já muito desperto e esperto, se tornou a sensação do berçário, como dito tanto pelo obstetra e o pediatra de sua equipe, quanto por diversos profissionais da própria maternidade. Como o parto foi concluído às vinte e duas e cinquenta de terça-feira, o pediatra, ao visitar-nos, na quarta, sugeriu-nos ficarmos um dia a mais na maternidade, para sairmos mais seguros no dia seguinte. O setting voltou a perturbar, com muita gente e agito, não tendo eu podido escrever nada mais por lá. Tendo dormido por cerca de duas horas na noite de segunda para terça-feira e cerca de três horas na noite de terça-feira para quarta, encantado com a presença e as exigências deste filho, ao chegarmos de volta a nosso lar (ainda em caos), com nosso pequeno recém-nascido, a exaustão não me

RESUMO ABSTRACT RÉSUMÉ

RESUMO ABSTRACT RÉSUMÉ ALMEIDA, Patrícia Neves. O Como e suas formas de manifestação na prática do jogo teatral. Sorocaba: Universidade de Sorocaba; Professora Assistente. Arte-Educadora. RESUMO O presente trabalho apresenta

Leia mais

CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO

CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO Caros alunos, Estou encaminhando estes casos clínicos para estudo dirigido durante as supervisões. Em cada caso abaixo procure definir: 1. Hipóteses diagnósticas 2.

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

PESQUISA AVALIATIVA DE SAÚDE MENTAL: INSTRUMENTOS PARA A QUALIFICAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE PSICOFÁRMACOS E FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

PESQUISA AVALIATIVA DE SAÚDE MENTAL: INSTRUMENTOS PARA A QUALIFICAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE PSICOFÁRMACOS E FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PESQUISA AVALIATIVA DE SAÚDE MENTAL: INSTRUMENTOS PARA A QUALIFICAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE PSICOFÁRMACOS E FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Unicamp UFRGS UFF UFRJ Rosana Teresa Onocko Campos, rosanaoc@mpc.com.br,

Leia mais

Uma enorme rodinha. Juntando Pedacinhos. Semana de Treinamento. Projeto de Formação Continuada. Carnaval 2014

Uma enorme rodinha. Juntando Pedacinhos. Semana de Treinamento. Projeto de Formação Continuada. Carnaval 2014 Semana de Treinamento Carnaval 2014 Projeto de Formação Continuada Uma enorme rodinha Juntando Pedacinhos Neste momento essa junção de cacos que são muitas de nossas experiências dos anos anteriores, nossas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Pronunciamento na primeira reunião

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

Diálogo de Lama Lhundrup com os pacientes a um Hospital em Brasília (2005)

Diálogo de Lama Lhundrup com os pacientes a um Hospital em Brasília (2005) Diálogo de Lama Lhundrup com os pacientes a um Hospital em Brasília (2005) Lhundrup: Sou um monge budista. Estou muito contente em encontrar vocês. Vocês já encontraram um monge budista antes? Uma paciente:

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

Encontros entre surdos e ouvintes na escola regular

Encontros entre surdos e ouvintes na escola regular Encontros entre surdos e ouvintes na escola regular Universidade Federal Fluminense REITOR Sidney Luiz de Matos Mello VICE-REITOR Antonio Claudio Lucas da Nóbrega Eduff - Editora da Universidade Federal

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

Maria Elisa Barcellos Teixeira. Apontamentos sobre a Psicanálise e a Educação. Tese de Doutorado

Maria Elisa Barcellos Teixeira. Apontamentos sobre a Psicanálise e a Educação. Tese de Doutorado Maria Elisa Barcellos Teixeira Apontamentos sobre a Psicanálise e a Educação Tese de Doutorado Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Psicologia do Departamento de Psicologia da PUC-Rio como

Leia mais

PROJETO PONTO DE CIDADANIA. COMVIDA Comunidade Cidadania e Vida EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS

PROJETO PONTO DE CIDADANIA. COMVIDA Comunidade Cidadania e Vida EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PROJETO PONTO DE CIDADANIA COMVIDA Comunidade Cidadania e Vida EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS O Ponto de Cidadania é uma inovadora estratégia de apoio psicossocial. Trata-se de uma unidade de acolhimento

Leia mais

JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO

JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO CISNE BRANCO 1 2 JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO 3 Copyright 2011 José Araújo Título: Cisne Branco Editoração e Edição José Araújo Revisão e diagramação José Araújo Capa José Araújo Classificação: 1- Literatura

Leia mais

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA

O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA O MANEJO TERAPÊUTICO NA CLÍNICA CONTEMPORÂNEA Donald Woods Winnicott, pediatra e psicanalista, foi uma das figuras de grande expressão no cenário psicanalítico. Ele nos trouxe contribuições valiosas e

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire Câmpus Alfenas 28 de novembro de 2011 SUMÁRIO Alessandra Santana... 2 Angélica Cristina da Silva Freire... 2 Bárbara Luiza Novais... 3 Bruna Aparecida Reis... 3 Carolina Esteves Martins... 4 Celsianne

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

O BICHO. Anair Holanda Cavalcante

O BICHO. Anair Holanda Cavalcante O BICHO VI ONTEM um bicho Na imundície do pátio Catando comida entre os detritos. Quando achava alguma coisa, Não examinava nem cheirava: Engolia com voracidade. O bicho não era um cão, Não era um gato,

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

Aprender é inventar-se e inventar o mundo, ensinar também.

Aprender é inventar-se e inventar o mundo, ensinar também. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Unidade de Montenegro Curso de Graduação em Teatro: Licenciatura Programa Institucional de Bolsa de Iniciação a Docência PIBID Bolsista: Gleniana da Silva Peixoto

Leia mais

UMA EXPERIENCIA PROFILATICA A PREPARAÇÃO DE CRIANÇAS PARA ADOÇÃO*

UMA EXPERIENCIA PROFILATICA A PREPARAÇÃO DE CRIANÇAS PARA ADOÇÃO* UMA EXPERIENCIA PROFILATICA A PREPARAÇÃO DE CRIANÇAS PARA ADOÇÃO* Betina Tabajaski** Verônica Petersen Chaves*** Porto Alegre e Canela, Rio Grande do Sul, Brazil, 1997. RESUMO A adoção é uma das alternativas

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

Oficinas Temáticas: A Potência da Psicologia em um Projeto Educacional de uma ONG

Oficinas Temáticas: A Potência da Psicologia em um Projeto Educacional de uma ONG Oficinas Temáticas: A Potência da Psicologia em um Projeto Educacional de uma ONG Thiago Colmenero Cunha (bolsista PIBEX) colmenerocunha@gmail.com Instituto de Psicologia 10 período Lara Soutto Mayor Vieira

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E OUTRAS FERRAMENTAS COMO RECURSOS PEDAGÓGICOS NA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO EM SAÚDE MENTAL

A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E OUTRAS FERRAMENTAS COMO RECURSOS PEDAGÓGICOS NA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO EM SAÚDE MENTAL 1 A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E OUTRAS FERRAMENTAS COMO RECURSOS PEDAGÓGICOS NA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO EM SAÚDE MENTAL Annatália Meneses de Amorim Gomes José Jackson Coelho Sampaio Resumo

Leia mais

Discussão 5. O papel do adulto em um ambiente organizado para incentivar as interações

Discussão 5. O papel do adulto em um ambiente organizado para incentivar as interações O papel do adulto em um ambiente organizado para incentivar as interações No Capítulo 5 da História do Pequeno Reino Uma verdadeira confusão toma conta do castelo, depois que a Rainha cochila. Ao acordar,

Leia mais

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA Por Homero Alves Schlichting Doutorando no PPGE UFSM homero.a.s@gmail.com Quando falares, procura que tuas palavras sejam melhores que teus silêncios. (Provérbio da cultura

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado!

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Aqueles primeiros momentos em que tudo que fazemos na clínica

Leia mais

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO Patricia Neves de Almeida Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Sorocaba (UNISO) patricia.almeida@prof.uniso.br Resumo: O presente texto refere-se

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

AS MAIS DE DUZENTAS MENSAGENS DE UM OTIMISTA

AS MAIS DE DUZENTAS MENSAGENS DE UM OTIMISTA AS MAIS DE DUZENTAS MENSAGENS DE UM OTIMISTA Emanuel Carvalho 1 SUMÁRIO Dedicatória 03 Agradecimentos 04 Prefácio 05 Mensagens de otimismo 08 até 94 2 Dedicatória Dedico este meu e-book a todas as pessoas

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

Simone Costa. Você Produtiva. Livro de exercícios

Simone Costa. Você Produtiva. Livro de exercícios Simone Costa Você Produtiva Índice Exercício 01: Autoconhecimento - Um mergulho em mim Exercício 2: Quem sou eu? Exercício 03: Agarre-se aos seus valores Exercício 04 : Respeitar a si mesma Exercício 05:

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

Informativo Semanal. Ano VI. 01/08/2013. N. 273

Informativo Semanal. Ano VI. 01/08/2013. N. 273 Informativo Semanal. Ano VI. 01/08/2013. N. 273... pág 1... > De Volta para a Escola... pág 2... > A Importância da Pedagogia Curativa na Nossa Época... pág 3... > Curso Reencarnação e Carma... pág 4...

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais

RELATÓRIO ESTÁGIO ELETIVO 2014 CUBA

RELATÓRIO ESTÁGIO ELETIVO 2014 CUBA Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas - Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental RELATÓRIO ESTÁGIO ELETIVO 2014 CUBA Residente: Leticia Verardi

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 1 EFEITOS TERAPÊUTICOS DA COLAGEM EM ARTETERAPIA NAS TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 Palavras-chave: Arteterapia, Enfermagem psiquiátrica, Toxicomania, Cuidar em

Leia mais

experiencias Plano de Notas Sobre como montar uma narrativa de chuva Alexandre San Goes Priscila Erthal Risi lugar cadeiras encontro

experiencias Plano de Notas Sobre como montar uma narrativa de chuva Alexandre San Goes Priscila Erthal Risi lugar cadeiras encontro experiencias ^ Plano de Notas Sobre como montar uma narrativa de chuva lugar cadeiras encontro Alexandre San Goes Graduando em Ciências Sociais/UFBA Priscila Erthal Risi Arquiteta urbanista, mestranda

Leia mais

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO?

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? Carlos Eduardo Ferraço Marco Antonio Oliva Gomes DIALOGANDO COM UM SONHO DE KUROSAWA Escolhemos o sonho Corvos de

Leia mais

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental?

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental? Entrevista com Patrícia Dorneles, terapeuta ocupacional, professora do curso de Terapia Ocupacional da UFRJ e ex-assessora técnica do Ministério da Cultura na implementação de políticas públicas de Cultura

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa CULTURAS E CONHECIMENTOS DISCIPLINARES ANO 3 EDIÇÃO 16 UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa O sabiá Teco vai fugir da gaiola em busca de um lugar melhor para

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional

Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional ATENÇÃO ESTE MATERIAL É UMA TRADUÇÃO DO ORIGINAL EM INGLÊS DISPONIBILIZADO PELA FIRST ESTADOS UNIDOS. SOMENTE AS REGRAS CONTIDAS NESSE ARQUIVO E NO PORTAL

Leia mais

AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA

AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA GARCIA, Joe UTP joe@sul.com.br Eixo Temático: Violências nas Escolas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo Este trabalho

Leia mais

Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014. Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos

Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014. Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos Domínio das atitudes e valores Domínio Cognitivo Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014 Docente: Graça Silva Turma: 6.º A Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos Domínios de Avaliação Instrumentos

Leia mais

Terapia cognitiva da esquizofrenia. IX Jornada CELPCYRO Porto Alegre, junho 2012

Terapia cognitiva da esquizofrenia. IX Jornada CELPCYRO Porto Alegre, junho 2012 Terapia cognitiva da esquizofrenia IX Jornada CELPCYRO Porto Alegre, junho 2012 Terapia cognitiva e as medicações Parte do trabalho da TCC é promover o aumento da adesão à medicação. As evidências de melhora

Leia mais

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br]

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] FONTE: CRP-RJ DEZEMBRO DE 2006 Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] Como funciona a terapia junguiana? A Análise junguiana está dentro da

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL Bárbara Leite 1 Paula Filippom 2 Francilene Raimone 3 Stelamaris Gluck 4 O problema é procurar aquilo que sai da terra, isto é, o que acontece quando

Leia mais

RESENHA CRITICAL REVIEW

RESENHA CRITICAL REVIEW CAMPOS, R. O. Psicanálise & Saúde Coletiva: Interfaces. São Paulo: Hucited, 2012, 172 p. A autora é médica, formada pela Universidad Nacional de Rosario (UNR), na Argentina, pós-graduada, no Brasil, pelo

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL Profa. Rosemara Soares de Souza Caires Unidade II SERVIÇO SOCIAL INTERDISCIPLINAR Aproximações entre o Serviço Social e a Interdisciplinaridade A interdisciplinaridade se manifesta na profissão por meio

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

EDUARDO ZIBORDI CAMARGO

EDUARDO ZIBORDI CAMARGO EDUARDO ZIBORDI CAMARGO Dudu era o segundo filho do casal Flávio Camargo e Elza Zibordi Camargo, quando desencarnou, aos sete anos incompletos. Hoje, além de Flávia, a família se enriqueceu com o nascimento

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões 8 Passos para o Recrutamento Eficaz Por Tiago Simões Uma das coisas que aprendi na indústria de marketing de rede é que se você não tem um sistema de trabalho que comprovadamente funcione, muito provavelmente

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

Oração na Vida Diária

Oração na Vida Diária Oração na Vida Diária ocê é convidado a iniciar uma experiência de oração. Às vezes pensamos que o dia-a-dia com seus ruídos, suas preocupações e sua correria não é lugar apropriado para levantar nosso

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

O SONO DO BEBÊ O QUE EU DEVO FAZER?

O SONO DO BEBÊ O QUE EU DEVO FAZER? O SONO DO BEBÊ O QUE EU DEVO FAZER? Tentar, o quanto antes, estabelecer uma rotina de horários e hábitos, para a hora de dormir. Dar um banho, mamar, luzes mais fracas, casa mais silenciosa, e tentar fazer

Leia mais

Autor: Pedro Henrique d Avila Mascarenhas, psiquiatra, psicodramatista professor supervisor FEBRAP,psicanalista.

Autor: Pedro Henrique d Avila Mascarenhas, psiquiatra, psicodramatista professor supervisor FEBRAP,psicanalista. 1 Autor: Pedro Henrique d Avila Mascarenhas, psiquiatra, psicodramatista professor supervisor FEBRAP,psicanalista. Título: Psicodrama no Centro Cultural São Paulo. Contribuições para reflexão. Resumo:

Leia mais

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR INTRODUÇÃO O presente estudo busca refletir a respeito da importância do brincar no ambiente hospitalar. A construção desse material foi feita a partir do contato de três

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS

PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS Daniel Kauffmann 1 Tereza Marques de Oliveira 2 Resumo O objetivo deste trabalho é relatar nossa experiência na clínica do social, junto

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ

TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ S I S T E M A P O S I T I V O D E E N S I N O Na escola, você prefere assuntos ligados à: a) Arte, esportes e atividades extracurriculares b) Biologia

Leia mais

MOMENTOS MUSICAIS: A EXPERIÊNCIA COMO PROFESSORA EM FORMAÇÃO NO PROJETO MUSICALIZAÇÃO INFANTIL DA UFPB

MOMENTOS MUSICAIS: A EXPERIÊNCIA COMO PROFESSORA EM FORMAÇÃO NO PROJETO MUSICALIZAÇÃO INFANTIL DA UFPB MOMENTOS MUSICAIS: A EXPERIÊNCIA COMO PROFESSORA EM FORMAÇÃO NO PROJETO MUSICALIZAÇÃO INFANTIL DA UFPB SILVA 1, Ana Karenina Ferreira da Centro de Comunicação, Turismo e Artes/ Departamento de Educação

Leia mais

O AUTISMO- NA CRIANÇA

O AUTISMO- NA CRIANÇA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola E,B 2,3 ES\Escola S. Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 3ºano Disciplina de Psicopatologia Geral Ano letivo 2013\14 Docente:

Leia mais

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento FLADEM 2011 Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento Sandra Mara da Cunha e Claudia Maradei Freixedas Breve introdução A experiência

Leia mais

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão...

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... Sumário Prefácio... 7 Nota do autor... 9 Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... 27 Parte 2: Passado doloroso 3. Entenda o passado... 45 4. Lide com

Leia mais

A Atenção na reeducação visual uma reflexão Fernanda Leite Ribeiro Terapeuta e educadora pelo método Self-Healing de Meir Schneider

A Atenção na reeducação visual uma reflexão Fernanda Leite Ribeiro Terapeuta e educadora pelo método Self-Healing de Meir Schneider A Atenção na reeducação visual uma reflexão Fernanda Leite Ribeiro Terapeuta e educadora pelo método Self-Healing de Meir Schneider Todos nós somos, em alguma medida, deficientes visuais. Esse é o preço

Leia mais

ulher não fala muito Mulher pensa alto

ulher não fala muito Mulher pensa alto ulher não fala muito Mulher pensa alto bla bla PROF. GRETZ Mulher não fala muito. Mulher pensa alto. Reflexões bem humoradas para uma ótima vida a dois Florianópolis 2014 1. Silêncio 7 2. Percepção 13

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005

Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005 Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005 Uma intervenção Carlos Augusto Nicéas * Escolhi trazer para a nossa Conversação 1, alguns fragmentos do tratamento de um jovem de dezenove anos atualmente, dependente

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: performatividade, corpo, animal, subjetivação, descolonização

PALAVRAS-CHAVE: performatividade, corpo, animal, subjetivação, descolonização ABRIR O CORPO AO ANIMAL, AO MINERAL, ÀS PLANTAS, AO COSMOS Angela A. Donini 1 RESUMO As questões que me mobilizam estão relacionadas ao pensar acerca dos processos de produção, recepção e circulação de

Leia mais

PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹

PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹ PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹ ALVES, T. C.²; RENK, E. F.³; LEÃO, T.J.E. 4 ¹ Trabalho desenvolvido na disciplina de Estágio Curricular Supervisionado II Espaços

Leia mais

56,6% 51% 52% 49% 48% 48% 48% 49% 46% 46% 41%

56,6% 51% 52% 49% 48% 48% 48% 49% 46% 46% 41% 1 Alfabetização, Educação Infantil e acesso à cultura escrita: as possibilidades da escola de nove anos Nestes tempos em que o país parece ter finalmente acordado para a questão da qualidade da educação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Às vezes eu tenho medo Autor: Michaelene Mundy Ilustrações: Anne Fitzgerald Coleção: Às vezes eu tenho medo Formato: 20,5 cm

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER PAULO FREIRE

A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER PAULO FREIRE Revista Científica FacMais A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER PAULO FREIRE Daniel Sotelo 1 Resenha da obra: FREIRE, Paulo. A Importância do Ato de Ler - em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez Editora

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Seus filhos na Pré-Escola

Seus filhos na Pré-Escola Seus filhos na Pré-Escola Petites sections Moyennes sections Grandes sections * "Só podemos dar duas coisas às nossas crianças: raízes e asas." * A nomenclatura brasileira para os anos da pré-escola varia

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais