RELATO DE EXPERIÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DE PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE LESÕES DE PELE EXPERIENCE REPORT : IMPLEMENTATION OF SKIN INJURY PREVENTION PROTOCOL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATO DE EXPERIÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DE PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE LESÕES DE PELE EXPERIENCE REPORT : IMPLEMENTATION OF SKIN INJURY PREVENTION PROTOCOL"

Transcrição

1 1 RELATO DE EXPERIÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DE PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE LESÕES DE PELE EXPERIENCE REPORT : IMPLEMENTATION OF SKIN INJURY PREVENTION PROTOCOL INFORME DE EXPERIENCIA : APLICACIÓN DEL PROTOCOLO DE PREVENCIÓN DE LESIONES DE LA PIEL Resumo OBJETIVO: relatar a experiência de elaboração e implantação de Protocolo de Prevenção de Lesões de Pele em hospital Estadual referência em Infectologia da cidade de São Paulo. MÉTODOS: Os resultados do primeiro estudo do país a investigar a prevalência de Úlceras por Pressão na área de infectologia revelou prevalência de 13,6%, sendo 96,6% desenvolvidas durante a internação. Estes resultados incentivaram a criação de Grupo interdisciplinar para atuar como multiplicador na prevenção e tratamento não somente de UPs, mas das lesões de maior prevalência em pacientes institucionalizados. Estratégias utilizadas: elaboração de um protocolo de prevenção de lesões de pele, capacitação das equipes e sistematização de coleta de dados. RESULTADOS: maior adesão, envolvimento e vigilância da equipe multiprofissional às ações de Prevenção de Lesões. CONCLUSÃO: A implantação do Protocolo juntamente com a coleta sistemática dos dados resultou em melhor qualidade na assistência, pois exige a inspeção diária da pele. Descritores: /enfermagem. Educação em enfermagem. Planejamento de assistência ao paciente. Pele. Abstract OBJECTIVE: To report the experience of the development and implementation of Skin Injury Prevention Protocol in state hospital referral for Infectious Diseases in the city of São Paulo. METHODS: The results of the first study in the country to investigate the prevalence of Pressure Ulcers among infectious diseases area, found a prevalence of 13.6%, and 96.6% developed during hospitalization. These results have encouraged the establishment of an interdisciplinary group to act as a multiplier in the prevention and treatment of not only UPs, but the most prevalent injuries among institutionalized patients. Strategies used: development of a protocol for the prevention of skin lesions, team training and systematization of data collection. RESULTS: greater adherence, involvement and monitoring of multi-professional team to Injury Prevention actions. CONCLUSION: The

2 2 implementation of the Protocol along with the systematic collection of data resulted in better quality of care, as it requires daily inspection of the skin. Descriptors: /nursing. Education, nursing. Patient care planning. Skin. Resumen OBJETIVO: Describir experiencia del desarrollo y aplicación del Protocolo de Prevención de lesiones de la piel en hospital estatal referencia para Enfermedades Infecciosas de la ciudad de São Paulo. MÉTODOS: Los resultados del primer estudio en el país para investigar la prevalencia de Úlceras por Presión en la zona de enfermedades infecciosas, encontraron prevalencia 13,6% y 96,6% desarrolló durante hospitalización. Estos resultados han favorecido la creación de un grupo interdisciplinario para actuar como multiplicador en la prevención y el tratamiento de no sólo UPs, pero las lesiones más frecuentes en los pacientes institucionalizados. Estrategias: desarrollo del protocolo para prevención de lesiones, formación de equipo y sistematización de recogida de datos. RESULTADOS: mayor adhesión, participación y seguimiento del equipo multiprofesional a acciones de prevención de lesiones. CONCLUSIÓN: La aplicación del Protocolo, junto con recopilación sistemática de datos resultó en mejor calidad de atención, porque requiere una inspección diaria de la piel. Descriptores: /enfermería. Educación em Enfermería. Planificación de atención al paciente. Piel. Introdução A longa permanência em hospitais, não incomunmente, tem como resultado o surgimento de alterações na pele. A incidência destas alterações aumenta de acordo com o número e gravidade de fatores de risco aos quais o indivíduo é exposto (1). Podemos elencar como fatores de risco: idade avançada, condição clínica, estado nutricional, hidratação da pele, grau de dependência, oxigenação e perfusão (2). A prevenção de alterações na integridade cutânea de pessoas com mobilidade reduzida requer o conhecimento e a aplicação de medidas de cuidado relativamente simples. A maioria destas medidas e das recomendações para avaliação da pele são válidas tanto para a prevenção de úlcera por pressão (UP) como para quaisquer outras lesões de pele. No Brasil, as feridas são reconhecidas como sério problema de saúde pública, mesmo diante da escassez dos registros de atendimentos a essa população e da falta de estudos que demonstrem sua incidência e prevalência, há ciência do grande número de doentes com alterações na integridade da pele (3).

3 3 O reconhecimento da importância do tratamento de feridas é essencial para promoção de políticas de saúde adequadas, e para que estas sejam efetivas não somente nos resultados, mas também custo-efetivas, faz-se necessário a criação de protocolos baseados em evidências, profissionais envolvidos e qualificados que orientem os tratamentos por meio destes protocolos, e a padronização de produtos (4). O direcionamento de ações através de protocolos baseados em evidências científicas torna a prática mais segura para os pacientes e oferece maior segurança para os profissionais envolvidos nos cuidados específicos a esta população os quais nem sempre tem este corpo de conhecimento abordado em sua formação. Objetivos: Este trabalho tem como objetivo relatar a experiência com o envolvimento dos enfermeiros na elaboração e implantação de Protocolo de Prevenção de Lesões de Pele em hospital Estadual referência em Infectologia da cidade de São Paulo. História No ano de 2006, os resultados de uma monografia apresentada por uma enfermeira que participou do Programa de Aprimoramento Profissional da Secretaria de Estado da Saúde, chamou a atenção para a problemática da prevenção de UP na instituição. Este foi o primeiro estudo do país a investigar a prevalência de UP na área de infectologia, e revelou uma prevalência de 13,6%, sendo 96,6% destas desenvolvidas durante a internação (5). Estes resultados deram início ao planejamento da criação de um Grupo que viria a atuar como multiplicadores na prevenção e tratamento não somente de UPs, mas das lesões de maior prevalência em pacientes institucionalizados. Em 2009 então, foi criado o Grupo de Pele, um grupo multidisciplinar que tinha como objetivos: Padronização de condutas para realização de curativos e cuidados prestados a estes pacientes; Acompanhamento dos pacientes com lesões; Orientações aos familiares e/ou cuidadores; Formar multiplicadores de conhecimento em prevenção e tratamento de lesões. Este grupo era composto por 10 enfermeiras (nenhuma especialista), 02 infectologistas, 1 dermatologista, 1 cirurgião plástico e nutricionistas. Com a criação deste grupo, deu-se início à elaboração do Protocolo para Prevenção de Lesões institucional. A elaboração do protocolo As lesões abordadas pelo protocolo são problemas de saúde preveníveis que envolvem a equipe multidisciplinar na assistência aos pacientes em risco. Frente à complexidade do problema, torna-se essencial a adoção de medidas preventivas

4 4 sistematizadas e de caráter institucional, com envolvimento de todos os profissionais, de forma que todos estejam alerta para que as medidas sejam de fato adotadas. O Protocolo foi elaborado a partir do sistema proposto pelo método Seis Sigma (6,7). O protocolo visava abranger a prevenção dos tipos mais prevalentes de lesões de pele em pacientes institucionalizados a saber: Úlceras por pressão (UP) As úlceras por pressão (UP) constituem uma problemática de saúde e social, sendo um dos maiores desafios para a enfermagem, requerendo além de conhecimentos científicos específicos, muita sensibilidade e sentido de observação, em especial para pessoas com mobilidade reduzida, que devido a permanência prolongada na mesma posição; seja no leito ou em cadeira de rodas; apresentam um risco aumentado para apresentar este tipo de lesão (8). As úlceras por pressão são definidas como lesão localizada da pele e/ou tecido subjacente, geralmente sobre uma proeminência óssea, resultante da pressão ou da combinação entre pressão e cisalhamento, causado pela fricção (7,9). Outros fatores também já foram associados às UPs, mas seu papel ainda não foi completamente esclarecido (9). De acordo com a National Pressure Ulcer Adersory Panel (NPUAP), as úlceras por pressão são assim classificadas (7) : Estágio I eritema não branqueável: eritema em pele íntegra ou descoloração da pele, calor, edema, endurecimento. Estágio II perda parcial da espessura da pele: lesão parcial da pele envolvendo epiderme e/ou derme. Abrasão, flictema ou cratera rasa. Estágio III Perda total da espessura da pele: lesão total da pele, envolvendo dano ou necrose da camada subcutânea. Presença de cratera profunda com ou sem comprometimento dos tecidos adjacentes. Estágio IV Perda total da espessura dos tecidos: Grande destruição com presença de tecido necrótico ou dano de músculos, ossos ou estruturas de suporte, como tendões e cápsula articular. Inclassificáveis/Não graduáveis: Perda total da espessura da pele ou de tecidos profundidade indeterminada Perda total da espessura dos tecidos, na qual a profundidade atual da úlcera está bloqueada pela presença de tecido necrótico (amarelo, acastanhado, cinzento, verde ou castanho) e/ou presença de tecido necrótico amarelo escuro, castanho ou preto no leito da ferida. Até que seja removido tecido necrótico suficiente para expor a base da ferida, a verdadeira profundidade não pode ser determinada.

5 5 Obs. Uma úlcera estável (seca, aderente, intacta e sem eritema ou flutuação) nos calcâneos, serve como penso biológico natural e não deve ser removida. Suspeita de lesão nos tecidos profundos: Área vermelha escura ou púrpura localizada em pele intacta e descorada ou flictena preenchida com sangue, provocadas por danos no tecido mole subjacente pela pressão e/ou forças de torção. A área pode estar rodeada por tecido mais doloroso, firme, mole, úmido, quente ou frio comparativamente ao tecido adjacente. A lesão dos tecidos profundos pode ser difícil de identificar em indivíduos com tons de pele escuros. A evolução pode incluir um flictena de espessura fina sobre o leito de uma ferida escura. A ferida pode evoluir adicionalmente ficando coberta por uma fina camada de tecido necrótico. A sua evolução pode ser rápida expondo outras camadas de tecido adicionais mesmo com o tratamento adequado (7). Dados da NPUAP demonstram em hospitais, uma prevalência de 15% e incidência de 7% (10). Em instituições de curta permanência, estudos apontam prevalência em torno de 10 a 18% e de incidência entre 0,4% a 38%. Em instituições de longa permanência prevalência varia entre 2,3% a 28% e as taxas de incidência entre 2,2 % a 23,9%. Em pacientes em assistência domiciliária a prevalência varia entre 0% e 29% e a incidência varia entre 0% e 17% (11,12). Já estudos brasileiros demonstraram incidência de 39,81% em hospital geral universitário (13) e prevalência de 19,1% de UP em pacientes sob assistência domiciliária em um distrito de saúde de Ribeirão Preto (14) Dermatite Associada à Incontinência (DAI) Dermatite Associada à Incontinência é uma forma de dermatite irritativa que se desenvolve a partir da exposição crônica a urina ou fezes líquidas (4). A ocorrência de DAI envolve períneo, grandes lábios, virilha, glúteos e escroto decorrente da exposição à urina e nas regiões perianal e prega interglútea decorrente de exposição à fezes (4). A exposição repetitiva à umidade resulta em maceração da pele, comprometendo sua função barreira (4). Outra causa é a alteração do ph fisiológico da pele (ácido) para alcalino resultante da conversão da amônia em amônio por bactérias fecais. Em pacientes com incontinência urinária e fecal associadas o ph alcalino pode promover atividade enzimática de lípases e proteases, que degradam proteínas nos queratinócitos, contribuindo para a erosão da pele (4,15). Estudos demonstram que a prevalência de DAI em moradores de casas de repouso varia entre 3,4% e 5,7% (16) ; Já em unidades de cuidados agudos, varia entre. 13.5% e 35,5% (17). Em pacientes em UTI, que apresentavam incontinência fecal e pele

6 6 íntegra na admissão, desenvolveram DAI após 7 ± 4 dias, sendo que o tempo médio de início da DAI foi 4 dias (18). Lesões de Pele Relacionadas ao Uso de Adesivos Médicos A lesão de pele causada por adesivos ocorre em todos os níveis de atenção à saúde. É uma complicação prevalente, porém pouco reconhecida que atinge todos os grupos etários. A lesão de pele relacionada ao uso de adesivos médicos (Medical Adhesive-Related Skin Injury MARSI) impacta negativamente na segurança do paciente (19). A lesão de pele relacionada ao uso de adesivos médicos é definida como um acontecimento no qual eritema e/ou outra manifestação de anormalidade cutânea (incluindo, mas não limitada a, vesícula, bolha, erosão ou dilaceração) persiste por 30 minutos ou mais após a remoção do adesivo (19). Este tipo de lesão ocorre quando a força de adesividade do adesivo à pele ultrapassa a força das interações intercelulares, resultando na separação das camadas epidérmicas ou a completa separação entre epiderme e derme (19). Os tipos de lesão de pele relacionada ao uso de adesivos médicos podem ser classificadas em (19) : MECÂNICAS: Descamação da pele (epiderme): remoção de uma ou mais camadas do estrato córneo resultamntes da remoção do adesivo médico. Lesão por tensão ou vesícula: separação entre epiderme e derme resultante de forças de cisalhamento resultante da distensão da pele abaixo de um adesivo médico não flexível. Lesão por fricção: ferida causada por forças de fricção, cisalhamento ou contusão resultando em separação das camadas da pele. DERMATITES: Dermatite de contato irritativa: dermatite de contato não alérgica resultante decontato com irritante químico. Dermatite alérgica: resposta imunológica mediada por células em resposta ao contato com componentes do adesivo. OUTROS: Maceração: alterações na pele resultante de umidade presa entre a pele e o adesivo por período prolongado. Folliculitis: inflamação do folículo piloso causada por tricotomia do local ou aprisionamento de bactérias entre a pele e o adesivo. Os dados acerca da morbidade deste tipo de lesão ainda são muito escassos. Os estudos já realizados revelam uma prevalência de 15,5% em instituições de longa

7 7 permanência (20) ; em crianças e neonatos hospitalizados a prevalência varia entre 8% e 17% (21,22). Lesão cutânea associada à umidade A lesão cutânea associada à umidade ou Moisture-associated skin damage (MASD) tem como causa a exposição prolongada à umidade excessiva. A lesão é caracterizada por inflamação da pele, que é desencadeada por dano à matriz hidro-lipoproteica da pele, secundária ao contato prolongado com a substância irritativa (transpiração, muco, saliva, exsudato de feridas, fezes e urina) (23). Podemos citar como exemplo de MASD o intertrigo, DAI, dermatite associada à umidade perilesional e dermatite associada à umidade períostomia (23). Eritema é o primeiro sinal de dano causado por excesso de umidade, podendo evoluir para maceração e erosão que pode envolver epiderme e derme, resultando em uma ferida de espessura parcial e expor o paciente ao risco de infecção secundária (23). A morbidade de MASDs ainda é desconhecida. Estudos na europa revelaram prevalência de intertrigo de 17% em população moradora em casas de repouso e 20% em assistência domiciliária (24). Lesão por fricção A Lesão por fricção é definida como ferida traumática que ocorre principalmente nas extremidades de idosos, resultante de fricção ou de uma combinação de fricção e cisalhamento que separa a epiderme da derme resultando em feridas de espessura parcial ou que separa estas duas camadas das estruturas subjacentes, resultando em feridas de espessura total (25). Estima-se que, a cada ano, 1,5 milhões de lesões por fricção acometem idosos institucionalizados (26) e que, até 2030, o número de indivíduos em alto risco para essas lesões será de 8,1 milhões de pessoas, somente nos Estados Unidos (27). A classificação destas lesões pode ser feita através do instrumento STAR (Skin Tear Audit Research) Classification System, instrumento já traduzido, adaptado e validade para a língua portuguesa no Brasil (28). O instrumento classifica as lesões em cinco categorias que são ilustradas por fotografias, a saber (28) : Categoria 1a: lesão por fricção cujo retalho de pele pode ser realinhado â posição anatômica normal (sem tensão excessiva) e a coloração da pele ou do retalho não se apresenta pálida, opaca ou escurecida. Categoria 1b: lesão por fricção cujo retalho de pele pode ser realinhado â posição anatômica normal (sem tensão excessiva) e a coloração da pele ou do retalho apresentase pálida, opaca ou escurecida.

8 8 Categoria 2a: lesão por fricção cujo retalho de pele não pode ser realinhado â posição anatômica normal (sem tensão excessiva) e a coloração da pele ou do retalho não se apresenta pálida, opaca ou escurecida. Categoria 2b: lesão por fricção cujo retalho de pele não pode ser realinhado â posição anatômica normal (sem tensão excessiva) e a coloração da pele ou do retalho apresenta-se pálida, opaca ou escurecida. Categoria 3: Lesão por fricção cujo retalho de pele está totalmente ausente. A incidência deste tipo de lesão em instituições asilares varia entre 2,23% (29) a 100% (30,31). Já em pacientes hospitalizados a prevalência varia de 9,4% (32) a 10,7% (33). A implantação do protocolo Após elaborado e aprovado, foi realizado treinamento da equipe de Enfermagem do hospital, a fim de capacitar toda a equipe a aplicar o protocolo. Após a capacitação das equipes, foi implantado um sistema de coleta de dados a fim de identificar a morbidade de pacientes em risco para desenvolverem UP, bem como da ocorrência deste tipo de lesão, através de planilhas atualizadas diariamente pelas Enfermeiras de cada unidade de internação. Todos os pacientes são identificados individualmente em uma planilha, e a cada dia o paciente é classificado como com ou sem risco para desenvolver UP. Para esta avaliação e classificação utilizamos a escala de Braden, instrumento mais amplamente utilizado ao redor do mundo para predizer o risco de desenvolver úlceras por pressão e que já foi traduzido, adaptado e validado para a língua portuguesa no Brasil (34). Já a ocorrência de UP é identificada através de notificação de evento adverso, pois como indicadores de qualidade na assistência à saúde, compulsoriamente notificadas. Somado a estas medidas, foram padronizados os materiais necessários para que o protocolo pudesse ser colocado em prática. Resultados Estas intervenções somadas levaram a maior adesão e envolvimento dos membros da equipe de Enfermagem nas ações de Prevenção de Lesões. Este cuidado aprimorado refletiu na equipe multiprofisional, que a partir do conhecimento das medidas necessárias tornou-se mais atenta vindo mesmo a questionar quando percebiam que não estavam sendo adotadas. O protocolo passou desde então por revisões e atualizações. Na atualização feita em 2013, foram acrescentadas ao protocolo as medidas para prevenção de Dermatite Associada à Incontinência (DAI) (4) e concomitantemente dado início ao processo de padronização dos materiais que ainda não faziam parte do consumo do hospital.

9 9 Em 2014 houve a oficialização do Grupo, que tornou-se a Comissão de Prevenção e Tratamento de Feridas. Esta oficialização deu-se por demanda da Secretaria de Estado da Saúde, fazendo parte do projeto piloto para implantação de Centros de Referencia em Tratamento de Feridas da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. Concomitantemente, a atualização do protocolo institucional atualizou as medidas recomendadas para prevenção de lesões, entre elas, a adoção de medidas de acordo com a classificação de risco dos pacientes proposta pelo Anexo 02 Protocolo para Prevenção de Úlceras por Pressão do Manual do Programa Nacional para Segurança do Paciente do Ministério da Saúde (1). Somada a esta atualização, produtos indicados pelo próprio manual e outros consensos e guidelines que direcionam as boas práticas para prevenção de lesões de pele; foram padronizados de forma a adequar a prática às recomendações do protocolo institucional. Outro resultado deste trabalho foi o início do atendimento ambulatorial aos pacientes do IIER. Não ter um serviço para referenciar os pacientes acompanhados pelo Grupo após sua alta, ou mesmo uma forma de atender os pacientes que não se encontravam internados gerava ansiedade tanto para os pacientes quanto para os profissionas. Com a oficialização do GPTFfoi então formatada a agenda de atendimentos no ambulatório do Instituto, que atende pacientes internos e externos que apresentam feridas das mais diversas etiologias, já vislumbrando a formação deste serviço em uma referência no estado também para o atendimento a pessoas ostomizadas e incontinentes. Durante todo este processo os profissionais do grupo participaram de cursos, eventos, palestras e congressos buscando atualização e divulgando o trabalho da equipe. Hoje o GPTF é formado por 2 enfermeiras especialistas (1estomaterapeuta e 1 pós-graduada em enfermagem em dermatologia), 1 mestranda na linha de pesquisa de alterações cutaneomucosas e incapacidades funcionais, 2 enfermeiras mestres em ciências da saúde, sendo uma na linha de pesquisa de infectologia e 1 em cuidados paliativos, 4 enfermeiras com formações diversas, 1 dermatologista e 1 cirurgião plástico. Esta diversidade de formação dos profissionais possibilita ao grupo a abordagem holística do paciente, indo muito além do planejamento de prevenção e cuidados com feridas. Conclusões A implantação do Protocolo juntamente com a coleta sistemática dos dados resultou em uma maior conscientização da importância da vigilância sobre a integridade da pele do paciente e consequentemente a um cuidado de melhor qualidade, pois a coleta de dados exige a inspeção diária da pele.

10 10 Os dados são coletados mensalmente e alimentam as planilhas de Indicadores de Qualidade, formando um panorama dos resultados da Assistência prestada na Instituição, guiando diretrizes para a adequação dos processos e melhora contínua na assistência. Considerações finais A implantação deste protocolo gerou uma uniformidade nas condutas institucionais para prevenção de lesões, devendo ser periodicamente revisado e atualizado tendo como base estudos recentes e os resultados de indicadores institucionais. Referências: 1. Brasil. Ministério da Saúde. Manual do Programa Nacional para Segurança do Paciente - Anexo 02 - Protocolo para prevenção de Úlcera por Pressão. Brasília, Dealey C. Cuidando de feridas: um guia para enfermeiros. 2ª ed. São Paulo (SP): Atheneu; Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Área Técnica de Dermatologia Sanitária. Manual de Condutas para Úlceras Neurotróficas e Traumáticas. Brasília, Black JM et al. MASD Part 2: Incontinence-Associated Dermatitis and Intertriginous Dermatitis - A Consensus. J Wound Ostomy Continence Nurs. 2011;38(4): Camargo AS. Prevalência de úlcera por Pressão em pacientes internados no Instituto de Infectologia Emílio Ribas. [Monografia]. São Paulo (SP): Programa de Aprimoramento Profissional de Enfermagem em Infectologia, Instituto de Infectologia Emílio Ribas, Secretaria de Estado da Saúde; Million Lives Campaign. Getting Started Kit: Prevent Pressure Ulcers How-to Guide. Cambridge, MA: Institute for Healthcare Improvement; (Available at 7. European Pressure Ulcer Advisory Panel and National pressure Ulcer Advisory Panel. Prevention and treatment of pressure ulcers: quick reference guide. Washington DC: National Pressure Ulcer Advisory Panel; Ito PE, Guariente MHDM, Barros SKSA, Anami EHT, Kasai F, Sá DM. Aplicação do Protocolo de Monitorização em Paciente com Risco de Desenvolver Úlcera por Pressão: Um estudo de caso. Arq. Ciênc. Saúde UNIPAR. 2004;8(1): Institute for Healthcare Improvement. How-to-Guide: Prevent Pressure Ulcers. Cambridge, MA: Institute for Healthcare Improvement; Disponível em 26 Março 2013

11 Moore ZEH, Cowman S. Risk assessment tools for the prevention of pressure ulcers. Cochrane Database of Systematic Reviews. In: The Cochrane Library, Issue 3, 2009, Art. 11. Lyder CH. Pressure Ulcer prevention and management. JAMA. 2003; 289(2): Cuddigan J, Ayello EA, Sussman C. "Pressure ulcers in America."Prevalence, incidence, and implications for the future. Reston, VA: National Pressure Ulcer Advisory Panel (2001). 13. Rogenski NMB, Santos VLCG. Estudo sobre a incidência de úlceras por pressão em um hospital universitário. Rev Latino-am Enfermagem. 2005;13(4): Chayamiti EMPC, Caliri MHL. Úlcera por pressão em pacientes sob assistência domiciliária. Acta Paul Enferm. 2010;23(1): Gray M, Bliss DZ, Doughty DB, Ermer-Seltun JA, Kennedy-Evans kl, Palmer MH. Incontinence-associated Dermatitis A Consensus. J Wound Ostomy Continence Nurs. 2007;34(1): Bliss DZ, Savik K, Harms S, Fan Q, Wyman JF. (2006). Prevalence and correlates of perineal dermatitis in nursing home residents. Nursing Res. 2006;55: Bliss DZ, Zehrer C, Savik K, Smith G, Hedblom E. An economic evaluation of four skin damage prevention regimens in nursing home residents with incontinence: economics of skin damage prevention. J Wound Ostomy Continence Nurs. 2007;34: Junkin J, Selekof JL. Prevalence of incontinence and associated skin injury in the acute care inpatient. J Wound Ostomy Continence Nurs. 2007;34: McNichol L, Lund C, Rosen T, Gray M. Medical Adhesives and Patient Safety: State of the science. Consensus statements for the assessment, prevention and treatment of adhesive-related skin injuries. J Wound Ostomy Continence Nurs 2013; 40(4): Konya C, Sanada H, Sugama J, Okuwa M, Kamatani Y, Nakagami G, Sakaki K. Skin injuries caused by medical adhesive tape in older people and associated factors. Journal of clinical nursing. 2010;19(9 10): Noonan C, Quigley S, Curley MA. Skin integrity in hospitalized infants and children: a prevalence survey. J Pediatr Nurs. 2006;21(6): McLane KM, Bookout K, McCord S, McCain J, Jefferson LS. The 2003 national pediatric pressure ulcer and skin breakdown prevalence survey: a multisite study. J Wound Ostomy Continence Nurs. 2004;31(4):

12 Sibbald RG, Kelley J, Kennedy-Evans KL, Labrecque C, Waters N. A Practical Approach to the Prevention and Management of Intertrigo, or Moistureassociated Skin Damage, due to Perspiration: Expert Consensus on Best Practice. Wound Care Canada Supplement. 2013;11(2): Mistiaen P, van Halm-Walters M. Prevention and treatment of intertrigo in large skin folds of adults: a systematic review. BMC Nurs. 2010;9: Payne RL, Martin ML. Defining and classifying skin tears: need for a common language. Ostomy Wound Manage. 1993;39(5): Malone ML, RozarioN, Gavinski M, Goodwin J. The epidemiology of skin tears in the institutionalized elderly. J Am Geriatric Soc. 1991;39(6):591-5). 27. McGough-Csarny J, Kopac CA. Skin tears in institutionalized elderly: an epidemiological study. Ostomy Wound Manage. 1998;44(3): Pulido KCS. Adaptação cultural e validação do instrumento "Star Skin Tear Classification System", para a língua portuguesa no Brasil [dissertação]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem; 2010 [Acesso em ]. Disponível em: 29. Payne R, Martin M. Skin tears: the epidemiology and management of skin tears in older adults. Ostomy Wound Manage. 1990;26: Mason SR. Type of soap and the incidence of skin tears among residents of a long-term care facility. Ostomy Wound Manage. 1997;43(8): McGough-Csarny J, Kopac CA. Skin tears in institutionalized elderly: an epidemiological study. Ostomy Wound Manage. 1998;44(3):14S Morey P, Young J, Nikoletti S. The prevalence of skin tears within a Western Australian acute care setting. In: AWMA th National Conference: Celebrating 10 years, reflection and evolution. Hobart, Tasmania McErlean B, Sandison S, Muir D, Hutchinson B, Humphreys W. Skin tear prevalence and management at one hospital. Primary Intent. 2004;12: Paranhos WY, Santos VLCG. Avaliação de risco para úlceras de pressão por meio da escala de Braden, na língua portuguesa. Rev Esc Enferm USP. 1999;33(1):

Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infeção

Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infeção Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infeção Percentual de pacientes que receberam avaliação diária do risco de úlcera por pressão (UPP) Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão

Leia mais

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013 Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO FINALIDADE: Promover a Prevenção da ocorrência de UPP e outras lesões da pele. JUSTIFICATIVAS: A- Longa permanência

Leia mais

Atualização em Prevenção de Úlceras por Pressão: Conceitos, Consensos e Assistência. Prof.ª Dr. ª Nádia A. A. Poletti- FAMERP

Atualização em Prevenção de Úlceras por Pressão: Conceitos, Consensos e Assistência. Prof.ª Dr. ª Nádia A. A. Poletti- FAMERP Atualização em Prevenção de Úlceras por Pressão: Conceitos, Consensos e Assistência Prof.ª Dr. ª Nádia A. A. Poletti- FAMERP Prof.ª Dr. ª Nádia A. A. Poletti- FAMERP Prof.ª Dr. ª Nádia A. A. Poletti- FAMERP

Leia mais

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Aspectos a serem abordados: Reflexões sobre: O contexto da Aliança Mundial para Segurança do Paciente. Panorama da Regulamentação

Leia mais

Úlceras de Pressão Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt)

Úlceras de Pressão Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt) NÚMERO: 017/2011 DATA: 19/05/2011 ASSUNTO: Escala de Braden: Versão Adulto e Pediátrica (Braden Q) PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Úlceras de Pressão Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde

Leia mais

GESTÃO DE RISCO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO: UM COMPROMISSO ÉTICO-LEGAL DO ENFERMEIRO

GESTÃO DE RISCO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO: UM COMPROMISSO ÉTICO-LEGAL DO ENFERMEIRO GESTÃO DE RISCO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO: UM COMPROMISSO ÉTICO-LEGAL DO ENFERMEIRO Karla Crozeta 1, Hellen Roehrs 1, Janislei Giseli Dorociaki Stocco 2, Marineli Joaquim Meier 3 INTRODUÇÃO A úlcera por pressão

Leia mais

Anexo 02: PROTOCOLO PARA PREVENÇÃO DE ÚLCERA POR PRESSÃO*

Anexo 02: PROTOCOLO PARA PREVENÇÃO DE ÚLCERA POR PRESSÃO* MINISTERIO DA SAUDE Anexo 02: PROTOCOLO PARA PREVENÇÃO DE ÚLCERA POR PRESSÃO* Ministério da Saúde/ Anvisa/ Fiocruz 09/07/2013 PROTOCOLO PARA PREVENÇÃO DE ÚLCERA POR PRESSÃO 1. Finalidade Promover a prevenção

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ ENGENHARIA MECÂNICA COM ÊNFASE EM MECATRÔNICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMA HOSPITALAR AUTOMÁTICA PARA MUDANÇA DE DECÚBITO CAMA HOSPITALAR AUTOMÁTICA PARA

Leia mais

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS I. OBJETIVO Regulamentar a competência da equipe de enfermagem, visando o efetivo cuidado e segurança do

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC Quedas são eventos adversos em que um indivíduo cai inadvertidamente ao chão ou em outro nível. Isto pode ser devido a um escorregão ou tropeço, perda do equilíbrio

Leia mais

Utilização de software digital na gestão de úlceras de pressão

Utilização de software digital na gestão de úlceras de pressão Utilização de software digital na gestão de úlceras de pressão Avaliação / monitorização de feridas Proporciona informação sobre o diagnóstico Guia na escolha de apósitos Permite monitorizar o progresso

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br

www.grupoidealbr.com.br www.grupoidealbr.com.br Programa Nacional de Segurança do Paciente Introdução Parágrafo 12 do primeiro livro da sua obra Epidemia: "Pratique duas coisas ao lidar com as doenças; auxilie ou ao menos não

Leia mais

ÚLCERAS DE PRESSÃO REVISÃO DE CONCEITOS. António Ricardo Ferreira Ribeiro 1

ÚLCERAS DE PRESSÃO REVISÃO DE CONCEITOS. António Ricardo Ferreira Ribeiro 1 ÚLCERAS DE PRESSÃO REVISÃO DE CONCEITOS António Ricardo Ferreira Ribeiro 1 2008 1 Licenciado em Enfermagem pela Escola Superior de Enfermagem de Vila Real. Inscrito na Ordem dos Enfermeiros com o número

Leia mais

REAÇÕES DE PELE Enfermeiro Ricardo Isaias Testoni

REAÇÕES DE PELE Enfermeiro Ricardo Isaias Testoni REAÇÕES DE PELE Enfermeiro Ricardo Isaias Testoni Especialista em Enfermagem Oncológica- Hospital Erasto Gaertner Mestrando em Distúrbios da Comunicação UTP Coordenador do Serviço de Oncologia - Hospital

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

Integridade da Pele: avaliação, manutenção e manejo das complicações

Integridade da Pele: avaliação, manutenção e manejo das complicações 1 Integridade da Pele: avaliação, manutenção e manejo das complicações Objetivos Garantir conhecimentos básicos para a manutenção da integridade da pele e suas funções; Identificar precocemente as alterações

Leia mais

AFERIÇÃO DO TEMPO E CUSTO DO TRABALHO DE ENFERMAGEM GASTOS NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO

AFERIÇÃO DO TEMPO E CUSTO DO TRABALHO DE ENFERMAGEM GASTOS NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO AFERIÇÃO DO TEMPO E CUSTO DO TRABALHO DE ENFERMAGEM GASTOS NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS POR PRESSÃO Santana de Maria Alves de Sousa 1 Marina Apolônio de Barros 2 Ewaldo Eder Carvalho Santana 3 Rosilda Silva

Leia mais

Ações de enfermagem na prevenção de úlcera por pressão em pacientes críticos: o que o enfermeiro pode fazer? 1

Ações de enfermagem na prevenção de úlcera por pressão em pacientes críticos: o que o enfermeiro pode fazer? 1 Ações de enfermagem na prevenção de úlcera por pressão em pacientes críticos: o que o enfermeiro pode fazer? 1 Nursing actions in the prevention of pressure ulcers in critically ill patients: what nurses

Leia mais

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Alline Cristhiane da Cunha MENDONÇA 1 ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA 2 ; Anaclara Ferreira Veiga TIPPLE 3. Unidade Acadêmica: Núcleo

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Descritores: Gerenciamento, Enfermagem e Dimensionamento.

Descritores: Gerenciamento, Enfermagem e Dimensionamento. INSTRUMENTO PRÁTICO PARA CLASSIFICAÇÃO DE PACIENTES CONFORME FUGULIN E BRADEN SIMULTANEAMENTE Faria HS¹, Barboza J², Pantano NP², Chagas LF² Hospital de Câncer de Barretos Fundação Pio XII Email: naiti_elle@hotmail.com

Leia mais

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SERVIÇO DE CIRURGIA PLÁSTICA HU/UFSC DISCIPLINA DE TÉCNICA OPERATÓRIA E CIRURGIA EXPERIMENTAL - TOCE Úlceras de pressão Profº. Jorge Bins-Ely

Leia mais

COMPARAÇÃO DO CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS ANTES E APÓS UMA INTERVENÇÃO EDUCATIVA ONLINE SOBRE ÚLCERA POR PRESSÃO

COMPARAÇÃO DO CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS ANTES E APÓS UMA INTERVENÇÃO EDUCATIVA ONLINE SOBRE ÚLCERA POR PRESSÃO COMPARAÇÃO DO CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS ANTES E APÓS UMA INTERVENÇÃO EDUCATIVA ONLINE SOBRE ÚLCERA POR PRESSÃO COMPARISON OF KNOWLEDGE OF NURSES BEFORE AND AFTER AN ONLINE EDUCATIONAL ASSISTANCE ON PRESSURE

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

Estudo de prevalência de UPP Açores, Madeira e Canárias 2006

Estudo de prevalência de UPP Açores, Madeira e Canárias 2006 Estudo de prevalência de UPP Açores, Madeira e Canárias 2006 Estudo Publicado na Colectânea: Enfermagem e Úlceras por Pressão: Da reflexão da disciplina às evidências nos cuidados MUITO OBRIGADO! MUCHAS

Leia mais

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

Aplicação de Programa de Controle de Tuberculose Nosocomial no Instituto de Infectologia Emílio Ribas

Aplicação de Programa de Controle de Tuberculose Nosocomial no Instituto de Infectologia Emílio Ribas Aplicação de Programa de Controle de Tuberculose Nosocomial no Instituto de Infectologia Emílio Ribas Instituto de Infectologia Emílio Ribas Referência em doenças infecciosas, com 230 leitos (60% para

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM ÚLCERA DE PRESSÃO EM PACIENTES IDOSOS ACAMADOS NURSING CARE WITH PRESSURE ULCERS IN PATIENTS BEDRIDDEN ELDERLY RESUMO

CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM ÚLCERA DE PRESSÃO EM PACIENTES IDOSOS ACAMADOS NURSING CARE WITH PRESSURE ULCERS IN PATIENTS BEDRIDDEN ELDERLY RESUMO 1 CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM ÚLCERA DE PRESSÃO EM PACIENTES IDOSOS ACAMADOS NURSING CARE WITH PRESSURE ULCERS IN PATIENTS BEDRIDDEN ELDERLY 1 SILVA, R. R. da; 2 PONTES, D. B. de S. 1 e 2 Departamento de

Leia mais

qualidade do cuidado em saúde A segurança

qualidade do cuidado em saúde A segurança A Segurança nos serviços de saúde é um problema tão grande e as causas tão diversas e complexas que não é mais possível não separar as práticas da Qualidade e as práticas da Segurança. A qualidade do cuidado

Leia mais

O papel do enfermeiro na relação custo benefício no tratamento de feridas

O papel do enfermeiro na relação custo benefício no tratamento de feridas O papel do enfermeiro na relação custo benefício no tratamento de feridas Cristina Gomes Barbosa Enfermeira dermatológica e estomaterapeuta. Coordenadora da estomaterapia da Projeto Home Car III SIMPÓSIO

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE ULCERA POR PRESSÃO

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE ULCERA POR PRESSÃO PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE ULCERA POR PRESSÃO I. Introdução A ocorrência de úlcera por pressão (UP) nos pacientes atendidos nos serviços de saúde é um importante problema, que causa impacto tanto para os

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS

NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS Resumo Estudo descritivo com abordagem quantitativa objetivou investigar as necessidades de cuidados de enfermagem de pacientes com transtornos

Leia mais

Úlceras por pressão: Prevenção e tratamento

Úlceras por pressão: Prevenção e tratamento Úlceras por pressão: Prevenção e tratamento Um guia rápido da Coloplast Biatain a escolha simples Índice Úlceras por pressão - Prevenção e Tratamento... 4 O que é uma úlcera por pressão?... 6 Como surgem

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

COMO GERENCIAR O RISCO NO BLOCO OPERATÓRIO? Solange Scaramuzza Rosângela A Oliveira

COMO GERENCIAR O RISCO NO BLOCO OPERATÓRIO? Solange Scaramuzza Rosângela A Oliveira COMO GERENCIAR O RISCO NO BLOCO OPERATÓRIO? Solange Scaramuzza Rosângela A Oliveira NOSSA HISTÓRIA... LOGÍSTICA Dois Centro Cirúrgicos (Ala Oeste e Ala Lane) 05 Salas Ala Lane (01 Sala de Parto, 01 Sala

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

NOTIFICAÇÃO DE ÚLCERA POR PRESSÃO: transformando problemas potenciais em boas práticas

NOTIFICAÇÃO DE ÚLCERA POR PRESSÃO: transformando problemas potenciais em boas práticas NOTIFICAÇÃO DE ÚLCERA POR PRESSÃO: transformando problemas potenciais em boas práticas Ila Bahiense Juliana Corsini Marcia Viana Sara Mascarenhas Vanessa Dayube Vanessa Castilho Katiane Pedreira Cleide

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora:

Leia mais

NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA

NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO GERÊNCIA DE UNIDADES DE INTERNAÇÃO Comissão de Gerenciamento de Risco NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA 2012 Luciane Lindenmeyer,

Leia mais

Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO"

Seminário: TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO" FLEURY LINHA DO TEMPO Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS Scaleti Vanessa Brisch 1 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira Toso RESUMO: Estudo sobre as causas de internações

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE PESQUISAS E A OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO E VISIBILIDADE DA ENFERMAGEM 1

A PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE PESQUISAS E A OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO E VISIBILIDADE DA ENFERMAGEM 1 A PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE PESQUISAS E A OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO E VISIBILIDADE DA ENFERMAGEM 1 NASCIMENTO, Letícia 2 ; NEVES, Eliane Tatsch 3 ; PIESZAK, Greice Machado 4 ; POTRICH, Tassiana 5 RESUMO

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA DAL BEN: SUA PARCEIRA EM CUIDADOS ASSISTENCIAIS A saúde no Brasil continua em constante transformação. As altas taxas de ocupação dos hospitais brasileiros demandam dos profissionais

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE 1º período Saúde, Trabalho e Meio- Ambiente I 150 10 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE Identificação da relação entre os modos de viver e o processo

Leia mais

Consulta Pública n.º 09/2013

Consulta Pública n.º 09/2013 Consulta Pública n.º 09/2013 Diretor Relator: Dirceu Barbano Regime de tramitação: comum Publicação: 02/04/2013 Prazo para contribuição: 30 dias 09/04 à 08/05 Agenda Regulatória: não Área Técnica: GGTES

Leia mais

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Rede Sentinela Desde 2011, 192 hospitais da Rede Sentinela monitoram

Leia mais

SUMÁRIO. de curativos. 3.2 Limitações. Página 1 de 7

SUMÁRIO. de curativos. 3.2 Limitações. Página 1 de 7 Coordenação Geral das Câmaras Técnicas Câmara Técnica de Gestão e Assistência em Enfermagem CTGAE Comissão de Gestão do Cuidado na Média e Alta Complexidade PAD nº 796/2013 Parecer CTGAE nº 003/2013 EMENTA:

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS 3. CURSO DE NUTRIÇÃO Área de atuação De acordo com a RESOLUÇÃO

Leia mais

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC 1- Introdução O propósito das Metas Internacionais de Segurança do Paciente é promover melhorias específicas

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Proporcionar o ambiente ideal para a reparação tecidual. 2. APLICAÇÃO: Aos pacientes com feridas abertas (com exposição de tecidos, ex. úlceras por pressão, deiscências

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS BOM DESPACHO 2010 ÚLCERA VENOSA Conceito Lesões provocadas pela insuficiência venosa

Leia mais

Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria.

Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria. Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria. Dr. Theodore Tromovich Burlingame CA. Mais que um curativo, Omiderm é o resultado de todo um trabalho

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS. Helena Ayako Mukai ¹ ; Márcia Galan Perroca ²; Marli de Carvalho Jericó ³

NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS. Helena Ayako Mukai ¹ ; Márcia Galan Perroca ²; Marli de Carvalho Jericó ³ NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS Helena Ayako Mukai ¹ ; Márcia Galan Perroca ²; Marli de Carvalho Jericó ³ ¹ Enfermeira, Centro de Atenção Integral à Saúde (CAIS) Clemente

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento,

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento, BUSCA ATIVA DE PACIENTES DEPENDENTES QUÍMICOS Área Temática: Saúde Cristiane Barros Marcos 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Cristiane Barros Marcos, Bruna Abbud da Silva 2, Sara Silva Fernandes 3,

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal

Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-SEG-06 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GEFIS Nº 29 / 2010 Abordagem Sindrômica. Participação Legal do Enfermeiro. Programa de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Programa de Atenção Integral em Doenças Prevalentes

Leia mais

PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM. Elaboração e Revisão: Maria das Graças S. dos Santos. Colaboradores: Ana Cristina Amorim Dantas Viviane Pereira Ramos

PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM. Elaboração e Revisão: Maria das Graças S. dos Santos. Colaboradores: Ana Cristina Amorim Dantas Viviane Pereira Ramos Protocolos de Enfermagem IDENTIFICAÇÃO DE RISCO E PREVENÇÃO DE QUEDAS HEMORIO - 2010 1ª Ed. PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM Elaboração e Revisão: Maria das Graças S. dos Santos Colaboradores: Ana Cristina Amorim

Leia mais

A RELEVÂNCIA DO ENFERMEIRO NO CUIDADO AO PORTADOR DE FERIDAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA 1

A RELEVÂNCIA DO ENFERMEIRO NO CUIDADO AO PORTADOR DE FERIDAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 A RELEVÂNCIA DO ENFERMEIRO NO CUIDADO AO PORTADOR DE FERIDAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 BORDIGNON, Juliana Silveira 2 ; DONADUZZI, Daiany Saldanha da Silveira 3 ; SANTOS; Juniara Dias dos 4, FERREIRA, Emanuelli

Leia mais

CURATIVOS E ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM

CURATIVOS E ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM CURATIVOS E ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM Dagma Costa Enfermeira saúde da criança e adolescente Pollyane Silva Enfermeira saúde do adulto Roberta Tirone Enfermeira saúde do idoso Residencia Integrada multiprofissional

Leia mais

SOBENFeE E PARCERIAS INTERNACIONAIS A SOBENFeE tem se empenhado em estar qualitativamente apta a ser inserida no cenário mundial

SOBENFeE E PARCERIAS INTERNACIONAIS A SOBENFeE tem se empenhado em estar qualitativamente apta a ser inserida no cenário mundial Newsletter Edição Especial 2015 Rua México, 164, 6º andar, sl 62, Centro Rio de Janeiro / RJ CEP: 20031-143 Telefone: +55 (21) 2259-6232 / 98849-9515 E-mail: SOBENFeE E PARCERIAS INTERNACIONAIS A SOBENFeE

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DA ÚLCERA POR PRESSÃO EM PACIENTES INTERNADOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DA ÚLCERA POR PRESSÃO EM PACIENTES INTERNADOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO DA ÚLCERA POR PRESSÃO EM PACIENTES INTERNADOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Daniele Sonalle de Oliveira Fernandes* Ana Tereza Patrício Oitaven* RESUMO A úlcera

Leia mais