Anita Saraiva Dornelles

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anita Saraiva Dornelles"

Transcrição

1 Universidade Federal do Ceará Departamento de Tecnologia de Alimentos Curso de Mestrado em Tecnologia de Alimentos Anita Saraiva Dornelles PRODUÇÃO DE CACHAÇA COM GRÂNULOS DE KEFIR Fortaleza-Ceará 2007

2 ii Universidade Federal do Ceará Departamento de Tecnologia de Alimentos Curso de Mestrado em Tecnologia de Alimentos Anita Saraiva Dornelles PRODUÇÃO DE CACHAÇA COM GRÂNULOS DE KEFIR Fortaleza-Ceará 2007

3 iii PRODUÇÃO DE CACHAÇA COM GRÂNULOS DE KEFIR Dissertação submetida à Coordenação do Curso de Mestrado em Tecnologia de Alimentos, da Universidade Federal do Ceará, como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Tecnologia de Alimentos. Orientadora: Prof a. Dra. Sueli Rodrigues. Co-orientadora: Dra. Deborah dos Santos Garruti. FORTALEZA 2007

4 iv ANITA SARAIVA DORNELLES Dissertação submetida à Coordenação do Curso de Mestrado em Tecnologia de Alimentos, da Universidade Federal do Ceará, como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Tecnologia de Alimentos. A citação de qualquer trecho desta Dissertação é permitida, desde que seja feita de conformidade com as normas da ética científica. Dissertação aprovada em: Anita Saraiva Dornelles BANCA EXAMINADORA Profa. Dra. Sueli Rodrigues (Orientadora) Prof. Dr. Antônio Renato Soares de Casimiro (Membro) Profa. Dra. Patrícia Beltrão Lessa Constant (Membro)

5 Dedico este trabalho de pesquisa aos meus pais Jorge Flávio e Maria de Jesus aos meus irmãos Márcio e Paulo Fernando e ao meu namorado João Neto, pelo carinho, incentivo, apoio e confiança ao longo desses dois anos. v

6 vi AGRADECIMENTOS Primeiramente, agradeço a Deus pela sua presença constante na minha vida, sem que eu precise pedir, pelo auxílio nas minhas escolhas e me confortar nas horas difíceis. Aos meus pais, Jorge Flávio e Maria de Jesus, por todo amor, carinho e apoio incondicionais. Vocês são os melhores pais do mundo! Amo muito vocês! Aos meus irmãos Paulo Fernando e Márcio, pela amizade e compreensão. As minhas vovós Carmelina e Anita (in memoriam), e ao meu vovô Luis, pelas orações, boas condutas e conselhos que sempre me acompanharam desde os tempos de criança. Aos meus familiares, tios, tias, primos e primas, pelo carinho e dedicação. Ao meu namorado João Neto, pelo amor e paciência nos momentos difíceis. E por sempre me inspirar pela postura de sempre lutar pelo melhor possível. Graças à sua presença foi mais fácil superar os dias de desânimo e cansaço! A todos os meus amigos do Mestrado, pelo apoio e momentos de alegria. Especialmente, às minhas irmãs de coração Lílian, Vitória e Marisa. Aos amigos, Teone e Eulivana, pelo companheirismo e sólida amizade que construímos, e que tenho certeza que será para sempre. Aos meus colegas de laboratório Talita, Cristiane, Clarice, Carla, Anaísa, Rosane e Hélder pela ajuda constante, carinho e pela certeza de que após esses dois anos de convivência deixamos de ser colegas para nos tornarmos amigos. Em especial, ao colega de laboratório Alexandre, pela enorme ajuda durante todo o desenvolvimento do trabalho e principalmente nas análises químicas. Sem sua ajuda, tudo teria sido bem mais difícil. Agradeço á minha orientadora, Profa. Dra. Sueli Rodrigues, pelos importantes ensinamentos, tanto científicos, quanto pessoais, pela amizade e apoio, pelo conforto nas horas difíceis, pela paciência e compreensão e pela confiança depositada nesse trabalho de dissertação. Agradeço á minha co-orientadora, Dra. Deborah dos Santos Garruti, por me ensinar tudo o que sei de Análise Sensorial, pela sua disponibilidade, preocupação e amizade.

7 vii Ao amigo paciente Manoel, pelos conhecimentos compartilhados, carinho e inestimável colaboração. Agradeço ao Prof. Dr. Ronaldo Nascimento, pelas orientações e ensinamentos que foram de muita importância e pelo auxílio constante com os equipamentos. A todos os colegas integrantes do laboratório de Química Analítica, em especial aos amigos Rivelino e André, pela enorme ajuda nas análises químicas, pela paciência e sugestões. A todos os professores e funcionários do Departamento de Tecnologia de Alimentos, em especial ao secretário Paulo Mendes, pelo carinho, colaboração e amizade durante o decorrer do curso de Mestrado. À Universidade Federal do Ceará, pela oportunidade de avançar mais um passo em busca de minha realização profissional. Enfim, a todos que de alguma maneira contribuíram para a execução desse trabalho, seja pela ajuda constante ou por uma palavra de amizade. Muito Obrigada!

8 viii Aprendi que o passado não nos pertence, o presente se vive cada segundo e o futuro se constrói passando por passados e presentes perdidos no tempo. (Alexandre Guilherme)

9 ix RESUMO A cachaça é a bebida mais consumida no Brasil. O Ceará ocupa um lugar privilegiado entre os grandes produtores de cachaça do Brasil (4 o lugar dentre os produtores nacionais). Dessa forma, estudos inovadores de produção de cachaça são de suma importância. A principal matéria-prima utilizada no Brasil para fermentação alcoólica é a cana-de-açúcar. A levedura Saccharomyces cerevisae é o microrganismo utilizado industrialmente nas destilarias. Entretanto, outros microrganismos são também capazes de produzir etanol utilizando matérias-primas açucaradas como substrato. Neste trabalho, é apresentado o estudo da produção de aguardente de cana através da fermentação alcoólica com grânulos de kefir, utilizando caldo de cana como substrato. Os grânulos de kefir são constituídos de uma microflora variada, tendo como principais constituintes bactérias do gênero Lactobacillus e leveduras (Saccharomyces, Kluyveromyces, Cândida e Pichia). Estes grânulos são tradicionalmente utilizados para produção de leites fermentados de baixo teor alcoólico. A produção de bebidas alcoólicas destiladas através destes grânulos nunca foi estudada. Através de um planejamento fatorial, foi possível verificar a influência do teor de açúcar e da massa de inóculo no rendimento em etanol para fermentações conduzidas com os grânulos de kefir e com o fermento de panificação (Saccharomyces cerevisae). O fermentado obtido com o kefir resultou em maiores teores de açúcar residual e menores teores de etanol quando comparado com a fermentação com a levedura. O fermentado (vinho) foi destilado em alambique artesanal. A cachaça assim produzida apresentou aroma e sabor agradáveis. As análises químicas demonstraram que a bebida atendeu aos requisitos legais com relação á sua composição. A bebida obtida utilizando-se a levedura Saccharomyces cerevisae serviu como referência na análise sensorial. Para saber se a cachaça satisfazia as expectativas dos consumidores, foram feitas análises sensoriais de aceitação e análise descritiva quantitativa. Palavras-chave: kefir, fermentação alcoólica, controle de qualidade e análise sensorial.

10 x ABSTRACT Sugar cane spirit is the most consumed alcoholic drink in Brazil. Ceará State is the 4 th producer of sugar cane spirit in the country. In this way, studies regarding new alternatives to produce sugar cane spirits are very important for the local development. Sugar cane is the main raw material used in Brazil in alcoholic fermentation and the yeast Saccharomyces cerevisae is the microorganism used in industrial processes. However, other microorganisms are also able to produce ethanol using raw materials rich in sugars as substrate. In this work, the use of kefir granules in alcoholic fermentation using sugar cane as substrate is presented. Kefir granules are composed of several microorganisms entrapped in a polymeric matrix (kefiran). The main constituents of the granules are lactobacillus and yeasts (Saccharomyces, Kluyveromyces, Cândida and Pichia). These granules are traditionally used to produce fermented milk with low alcohol content. The use of such granules to produced distilled alcoholic beverages was not studied yet. A factorial planning was carried out to verify the influence of sugar concentration and the initial inocula in the ethanol yield in fermentation carried out using kefir granules an commercial baker s yeast (Saccharomyces cerevisae). The fermented broth obtained using kefir presented higher residual sugars and lower ethanol content when compared to the fermented broth obtained using baker s yeast. The fermented broth was distilled in a artisanal distilator (alambique). The sugar cane spirit obtained presented pleasant aroma and flavor. Physicochemical analyses of the distilled product attested their quality and conformity with the Brazilian regulations requirements considering its composition. The sugar cane spirit obtained using kefir granules was submitted to a sensory evaluation considering the product acceptance and sensory description. The spirit obtained using baker s yeast was used as reference in the sensory evaluation of the product. Key-words: kefir, alcoholic fermented, quality control, sensory analysis.

11 xi LISTA DE FIGURAS Figura Página 1 Grânulos de Kefir Destilador artesanal Modelo da ficha de avaliação utilizada na Análise Sensorial de Aceitação Ficha utilizada na avaliação das amostras de cachaça Lista de definições dos termos descritivos e respectivas referências Superfície de resposta para o etanol produzido em função da biomassa Superfície de resposta para o etanol produzido em função da biomassa Superfície de resposta para o rendimento de etanol produzido em função da biomassa inicial e do Brix utilizando grãos de Kefir Superfície de resposta para o rendimento de etanol produzido em função da biomassa inicial e do Brix utilizando levedura S. Cerevisae Efeito estimado para o etanol Efeitos estimados para o rendimento em etanol Cromatograma dos compostos voláteis da cachaça com levedura S. cerevisae Cromatograma dos compostos voláteis da cachaça com Kefir Perfil sensorial das amostras de cachaça Histograma de freqüência dos valores hedônicos atribuídos ao aroma das amostras de aguardente Histograma de freqüência dos valores hedônicos atribuídos à aceitação global das amostras de aguardente Porcentagens de aprovação, indiferença e rejeição da aceitação do aroma das amostras de aguardente

12 xii LISTA DE TABELAS Tabela Página 1 Teores máximos de congêneres na cachaça segundo Ministério da Agricultura Planejamento experimental: condições iniciais da fermentação (Kefir e S. Cerevisae) Resultados obtidos para o caldo fermentado com Kefir Resultados obtidos para o caldo fermentado com levedura S. cerevisae Acidez total das cachaças Resultados obtidos para o Caldo fermentado com a S. cerevisae Acidez total das cachaças com Kefir e levedura S. cerevisae Aldeídos totais da fração coração das cachaças com Kefir e levedura S. cerevisae Composto e seus respectivos coeficientes linear, angular e de correlação Identificação e quantificação de álcoois secundários da cachaça com grânulos de Kefir Identificação e quantificação de álcoois secundários da cachaça com levedura S. cerevisae Condições operacionais do espectrofotômetro de absorção atômica (AA) Concentração do íon cobre na cachaça obtida com grânulos de kefir e com levedura S. cerevisae Análise de variância para os atributos sensoriais dos testes de ADQ nas amostras de cachaças Médias dos valores atribuídos pelos provadores a cada descritor, para as amostras de cachaça Médias de cada amostra para o aroma e aceitação

13 xiii SUMÁRIO 1 Introdução Revisão da literatura Cachaça Definição Processo de produção de cachaça Matéria-prima Fermentação Destilação Envelhecimento Compostos secundários e de aroma e sabor da cachaça Kefir Análise sensorial Material e métodos Material Ensaios fermentativos e planejamentos fatoriais Obtenção das cachaças com Kefir e tradicional Fermentação em escala piloto Destilação dos fermentados Métodos analíticos Sólidos solúveis totais ( Brix) ph Açúcares redutores Açúcares não redutores Determinação do açúcar residual Determinação do teor alcoólico Determinação do rendimento Acidez total Acidez volátil

14 xiv Esteres Aldeídos totais Álcoois superiores e metanol (CG-DIC) Reagentes e padrões Preparo das amostras Condições cromatográficas Quantificação Furfural e 5-hidroximetilfurfural Reagentes e padrões Preparo da fase móvel e das amostras Equipamento Determinação do cobre Análise sensorial Perfil sensorial das cachaças Recrutamento e pré-seleção dos provadores Desenvolvimento da terminologia descritiva Análise Aceitação das cachaças Resultados e discussão Ensaios fermentativos e planejamentos experimentais Destilação dos caldos fermentados Análises físico-químicas das cachaças Teor alcoólico Acidez total Acidez volátil Ésteres Aldeídos Álcoois superiores e metanol (CG-DIC) Furfural e 5-Hidroximetilfurfural (HPLC) Cobre

15 xv 4.4 Perfil sensorial da cachaça Análise sensorial de aceitação Conclusão Sugestão para trabalhos futuros

16 16 1. INTRODUÇÃO Sendo considerada a bebida fermento-destilada mais antiga e mais consumida no mundo, a cachaça hoje é a terceira no mundo, com cerca de 5 (cinco) mil marcas, 30 (trinta) mil produtores no Brasil e volume anual em torno de 1,3 bilhões de litros produzidos por ano, segundo estimativa do programa brasileiro de desenvolvimento da cachaça (PBDAC,2007). A produção brasileira de cachaça é quase totalmente consumida no mercado interno, porém as exportações de cachaça têm crescido anualmente. O crescimento médio das exportações é de 10% ao ano, e devem fechar a década ultrapassando o volume previsto de 42 milhões de litros; número ainda pequeno para o enorme potencial que existe para ser explorado, considerando-se as tendências e o já comprovado sucesso da bebida no mundo (ABRABE, 2007). Com seu sabor característico, as cachaças vêm conquistando novos mercados nacionais e internacionais, entretanto, as exigências do mercado externo tornaram crescentes as preocupações com a qualidade da bebida (Cardello & Faria, 1997). Sua comercialização no exterior exige que o produto se enquadre nos critérios de qualidade dos países importadores; os quais são bastante numerosos e rígidos. A denominação de cachaça é típica e exclusiva da aguardente de cana produzida no Brasil (Brasil, 2005). Variando de acordo com a região do país, ela recebe outras denominações, tais como: caninha, pinga, cachacinha seca, douradinha, dentre outras (Cardello & Faria, 1998). Segundo a Legislação Brasileira (Brasil, 2005) a aguardente de cana é obtida pela destilação do mosto fermentado do caldo de cana-de-açúcar (Saccharum officinarum, L.), com graduação alcoólica de 38 54% em volume a 20ºC.

17 17 Para Cardoso (2001), uma cachaça é considerada de boa qualidade quando apresenta boa aparência, cor, aroma e sabor; sendo desejáveis as características como: bebida transparente, límpida, incolor ou amarelo-clara; aroma agradável, que não arde no nariz e nem nos olhos; que produz aroma agradável quando esfregada nas mãos; que após agitação, forma bolhas que permanecem por 12 (doze) a 15 (quinze) segundos; que forma película aderente e oleosa e lágrimas brilhantes ao escorrer pelas paredes da embalagem ou recipiente e não provoca náuseas, vômitos ou dores de cabeça. O principal processo produtivo de aguardente é realizado em batelada, utiliza matérias primas açucaradas, tais como melaço e caldo-de-cana e como agente fermentador, levedura (Saccharomyces cerevisae). Entretanto, outros microrganismos são também capazes de produzir etanol utilizando matérias primas açucaradas como substrato (Dornelles & Rodrigues, 2006). De acordo com Athanasiades et al. (2002), os grânulos de kefir são constituídos de uma microbiota variada, tendo como principais constituintes bactérias do gênero lactobacilos e leveduras (Saccharomyces, Kluyveromyces, Candida e Pichia). Estes grânulos têm sido utilizados há milênios na produção de um fermentado à base do leite de diversos animais (vaca, búfala, égua, cabra, etc) em diversos países. A bebida fermentada à base de leite é freqüentemente associada à longevidade, sendo considerada terapêutica. As características da bebida têm despertado o interesse de outros mercados e encorajado a pesquisa na área. Estes grânulos são capazes de produzir compostos de aroma e sabor durante a fermentação, tornando os produtos obtidos através de fermentação com Kefir diferenciados. O objetivo do presente estudo foi a produção de uma aguardente de canade-açúcar utilizando-se grânulos de kefir em caldo-de-cana como substrato.

18 18 2. REVISÃO DE LITERATURA 2.1. Cachaça O desenvolvimento da cachaça ocorreu nos primórdios de nossa colonização, logo que os canaviais foram plantados e os engenhos de açúcar passaram a moer cana. Desde então, sua participação foi importante em nossa economia, quer como fonte de renda para meeiros e arrendatários, quer como moeda para contrabandistas, que a trocavam por escravos na costa africana no denominado comércio triangular (Bizelli et al., 2000). A história da cachaça se confunde com a própria história do Brasil. Foi a primeira bebida destilada na América Latina, desenvolvida durante o processo de produção do açúcar. Ali surgia a aguardente de cana genuinamente brasileira, denominada cachaça. No Ceará, a produção de cachaça teve início em meados do século XVII, nas regiões do Cariri, Ibiapaba e do maciço de Baturité, sem caráter comercial, o que só passou a ocorrer a partir do século XVIII (Aquino, 2004). Apesar do grande volume produzido e comercializado, a qualidade de grande parte das aguardentes deixa muito a desejar, por leigos ou mesmo curiosos estarem à frente das unidades produtoras, executando o processo muitas vezes de maneira empírica e rudimentar, baseados no senso comum e informações errôneas que muitas vezes passam de pai para filho (Bizelli et al.,2000). Desta forma, no Brasil os critérios de qualidade existentes em cada etapa da produção precisam ser mais difundidos entre os pequenos produtores.

19 Definição O termo cachaça só pode ser empregado para o destilado alcoólico obtido pelo fermentado do caldo de cana no Brasil. Logo, oficialmente recebe denominação de bebida, com graduação alcoólica de 38 (trinta e oito) a 54% (cinqüenta e quatro) por cento em volume, a 20ºC (vinte graus Celsius), obtida pela destilação do mosto fermentado do caldo de cana-de-açúcar, podendo ser adicionada de açúcares até 6g/L, expressos em sacarose (Brasil, 2005). A legislação brasileira também estabelece que o processo de envelhecimento não é obrigatório, no entanto, se houver o envelhecimento, a cachaça será considerada envelhecida quando contiver no mínimo 50% de cachaça envelhecida em tonéis de madeira, com capacidade máxima de 700 litros, por pelo menos um ano (Brasil, 2005) Processo de produção de Cachaça É produzida em todas as regiões brasileiras, a maior parte nos estados de São Paulo, Pernambuco, Ceará, Rio de Janeiro e Minas Gerais, sendo este último estado o maior produtor de cachaça artesanal. No estado de Minas Gerais, a Associação Mineira de Produtores de Aguardente de Qualidade (AMPAQ) controla a qualidade das aguardentes produzidas pelos membros associados e atribui um selo de qualidade para a bebida que se encontrar dentro dos padrões estipulados por esta associação (Oliveira et al.,2007). É consenso entre os pesquisadores, produtores e apreciadores da cachaça, de que não basta apenas que a cachaça atenda aos requisitos legais estabelecidos para a sua produção e composição química. Para torná-la uma bebida detentora do status de bebida fina, as principais etapas necessárias para a obtenção

20 20 de uma aguardente, passaram a ser alvo de investigações científicas que se intensificaram, principalmente a partir de 1990 (Aquino, 2004). As principais etapas do processo produtivo são: matéria-prima (moagem, filtragem do caldo da cana-de-açúcar e preparo do mosto), fermentação e destilação, podendo ser envelhecida ou não (Jerônimo & Silva, 2005) Matéria-prima A aguardente tipicamente brasileira é obtida do caldo da cana de açúcar, que é uma planta pertencente à família das gramíneas (Saccharum officinarum) originária da Ásia. O caldo de cana ou garapa é considerado um produto altamente nutritivo, de sabor agradável e barato, comercializado na rua, por vendedores ambulantes, que possuem moendas para extração (Soccol et al., 1990). A cana-de-açúcar tem que ser cuidadosamente colhida e cortada. A cana madura fresca e limpa deve ser moída num prazo máximo de 24 a 36 horas. As moendas separam o caldo do bagaço, que será usado para aquecer as fornalhas do alambique. Algumas moendas são movidas por motor elétrico, outras por roda de água, e têm a função de espremer a cana para dela extraírem o suco (AMPAQ, 2007). A obtenção de uma cachaça de qualidade e economicamente viável, começa com a utilização de uma matéria-prima ideal, ou seja, com os cuidados no plantio da cana-de-açúcar, no corte, em condições fito sanitárias ideais, colhidos recentemente e sem apresentar qualquer tipo de deterioração (Faria, 1995).

21 Fermentação No processo de produção de cachaça, a principal etapa é a fermentação. Nesta etapa o açúcar e outros compostos presentes no mosto são transformados em etanol, CO 2 e os chamados compostos secundários, que são os produtos responsáveis pela qualidade e defeito do produto (Varman & Sutherland, 1994). As fermentações são conduzidas em recipientes próprios denominados dornas. Para a construção das dornas de fermentação são usados diferentes materiais, destacando-se madeira, aço-carbono e aço inoxidável. Para a escolha do material da dorna considera-se a tradição regional e a disponibilidade de recursos. A escolha de uma levedura adequada á produção de cachaça vai depender basicamente da natureza do mosto, das condições industriais e das características desejáveis para o produto final (Varman & Sutherland, 1994). As leveduras (pertencentes ao grupo dos fungos) são organismos eucarióticos unicelulares e existem no solo, ar, plantas, frutos e alimentos. Existem diferentes linhagens de levedura, mas as mais utilizadas no processo de fermentação alcoólica são espécies originárias do gênero Saccharomyces sendo uma das principais a Saccharomyces cerevisae. As diferentes linhagens diferem na quantidade de congêneres produzidos durante a fermentação. A produção de congêneres também é favorecida pela quantidade de inóculo, agitação e temperatura (Varman & Sutherland, 1994). A levedura Saccharomyces cerevisae também é responsável pela produção de pão, cerveja, vinho e muitos outros produtos. Conhecida vulgarmente como levedura de padeiro, ou da cerveja, possui um papel milenar na produção desses outros alimentos, pela sua capacidade de produzir álcool (principalmente o

22 22 etanol) e dióxido de carbono (que permite a expansão da massa do pão), a partir de açúcares. As leveduras utilizadas na produção de bebidas alcoólicas devem apresentar as seguintes características: alta tolerância ao álcool, bom rendimento e fermentar rapidamente o meio para minimizar o risco de contaminações (Oliveira, 2001) Destilação Na manufatura de bebidas alcoólicas fermento-destiladas, a operação de destilação é outra etapa também determinante para a qualidade do produto final (Boza & Horii, 1998). Segundo a legislação brasileira ela deve ser efetuada de forma que o produto obtido preserve o aroma e o sabor dos principais componentes contidos na matéria-prima e daqueles formados durante a fermentação (Brasil, 2005). O mosto fermentado de cana de açúcar recebe a designação de vinho. O vinho de cana produzido pela levedura durante a fermentação possui baixa concentração alcoólica. Portanto é preciso destilar o vinho para elevar o teor de álcool (AMPAQ, 2007). O vinho pode ser destilado em vários tipos de aparelhos sendo assim obtida a aguardente de cana (Boza & Horii, 1998). A destilação pode ser feita em colunas de aço inox ou alambique de cobre, a partir do qual se obtém a cachaça. (Garbin et al.,2005). Já na produção artesanal de cachaça, são usados tradicionalmente alambiques de cobre. O cobre favorece a qualidade da bebida, atuando como catalisador de importantes reações que ocorrem durante a destilação. Porém deve-se ater para que a quantidade deste metal não seja elevada, em razão da sua toxidez para o organismo.

23 23 No processo de destilação, é preciso ferver o vinho dentro de um alambique, produzindo vapores que são condensados por resfriamento e apresentam assim grande quantidade de álcool etílico (AMPAQ, 2007). Os vinhos são constituídos de etanol ou álcool etílico e de água em maiores proporções e muitos outros compostos que constituem a chamada "fração não álcool", ou também denominada "componentes secundários", substâncias essas responsáveis pelo sabor e aroma das aguardentes. Os principais componentes da fração não álcool são: aldeído acético, ácido acético e ésteres desses ácidos, furfural e álcoois superiores como o amílico, isoamílico, butílico, isobutílico, propílico e isopropílico (Bizelli et al., 2000). Portanto, a otimização das condições da operação de destilação é fundamental na obtenção de bebida de boa qualidade, pois a destilação, além de separar, selecionar e concentrar, ainda promove algumas reações químicas induzidas pelo calor. Assim os componentes voláteis do vinho podem aumentar, diminuir e ainda originar novos componentes (Boza & Horii, 1998). Algumas das reações são: hidrólise, esterificação, acetilação, produção de furfural e reações com o cobre. A esterificação pode ocorrer sobre os pratos da coluna de destilação, onde os álcoois e ácidos estão mais concentrados. Além de quebra de moléculas, pode ocorrer o rearranjo das unidades geradas, com formação de monoterpenos, cetonas e outros compostos. A reação de Maillard é a principal fonte de compostos heterocíclicos como furanos, pirazinas e piridinas. Durante a destilação são formados os acetais, catalisados por ácido, reações de oxi-redução como a oxidação de aldeídos a ácidos e a redução de alguns ácidos a álcoois (Léauté, 1990).

24 24 Os compostos voláteis destilam segundo três critérios: ponto de ebulição, afinidade com álcool, com a água e teor alcoólico no vapor durante a destilação. Possuem também diferentes graus de volatilidade, sendo possível sua separação por processo de destilação. Assim, os componentes mais voláteis são recolhidos na primeira fração do destilado denominado de "cabeça", e os menos voláteis nas frações finais, "cauda". A porção intermediária é conhecida como "coração" e é constituída principalmente de frações medianamente voláteis (Yokoya, 1995). Para se obter uma cachaça de boa qualidade, recomenda-se; separar a fração cabeça quando o alcoômetro marcar de 75 a 70% v/v, em seguida destilar o coração de 70 a 40 % v/v e finalmente a cauda (Janzantti, 2004). As primeiras (cabeça) e as últimas (cauda) porções saídas da bica do alambique devem ser separadas, eliminadas ou recicladas, por causa das substâncias tóxicas (AMPAQ, 2007). Após a destilação, a cachaça já pode ser consumida ou então ser envelhecida em tonéis de madeira para finalmente ser engarrafada, distribuída e comercializada (Garbim et al.,2005) Envelhecimento A etapa de envelhecimento é opcional, de acordo com a legislação brasileira. O processo de envelhecimento é um pouco complexo e depende de fatores como tipo de madeira empregada, tempo de maturação e, obviamente, da qualidade inicial do destilado (Cardello & Faria 1998). A madeira tradicional utilizada para envelhecimento da cachaça no Brasil é o carvalho. No entanto, é comum também a construção dos tonéis (recipiente onde ficará armazenada a cachaça durante o período de envelhecimento) com o uso do bálsamo e outras madeiras regionais, devido ao alto custo do carvalho, que é uma

Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil

Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil Revista Ciência Agronômica ISSN: 0045-6888 ccarev@ufc.br Universidade Federal do Ceará Brasil Saraiva Dornelles, Anita; Rodrigues, Sueli Fermentação alcoólica de caldo de cana utilizando grãos de kefir

Leia mais

TÍTULO: DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE ALCOÓIS NA AGUARDENTE DE CANA-DE-AÇÚCAR PRODUZIDA ARTESANALMENTE NA REGIÃO DO CIRCUITO DAS ÁGUAS PAULISTA

TÍTULO: DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE ALCOÓIS NA AGUARDENTE DE CANA-DE-AÇÚCAR PRODUZIDA ARTESANALMENTE NA REGIÃO DO CIRCUITO DAS ÁGUAS PAULISTA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE ALCOÓIS NA AGUARDENTE DE CANA-DE-AÇÚCAR PRODUZIDA ARTESANALMENTE

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPARAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E COMPOSIÇÃO FENÓLICA DE CACHAÇAS ENVELHECIDAS EM BARRIS DE CARVALHO E AMARELO DO PARÁ WILDER DOUGLAS SANTIAGO 1 ; MARIA DAS GRAÇAS CARDOSO 2 ; LIDIANY MENDONÇA ZACARONI 3 ; ANA

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Análise de Álcoois Superiores, Acetaldeído, Acetato de Etila, Furfural e Contaminantes Orgânicos por Cromatografia Gasosa

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Análise de Álcoois Superiores, Acetaldeído, Acetato de Etila, Furfural e Contaminantes Orgânicos por Cromatografia Gasosa Página: 1 de 5 Nome Função Assinatura Data Elaboração: Zelita de Oliveira Lopes Brasil Colaboradora Análise crítica: Francisco Jairo R. Fonseca RT Substituto Aprovação: Francisco Jairo R. Fonseca RT Substituto

Leia mais

FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA AGUARDENTE. Prof(a): Erika Liz

FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA AGUARDENTE. Prof(a): Erika Liz FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA AGUARDENTE Prof(a): Erika Liz Outubro - 2010 HISTÓRICO A cana-de-açúcar era conhecida e apreciada desde as mais antigas civilizações. Alexandre, o Grande, foi levada para a Pérsia,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL LABORATÓRIO NACIONAL AGROPECUÁRIO EM GOIÁS LABORATÓRIO DE ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE BEBIDAS E VINAGRES LABV/LANAGRO-GO Endereço: Rua da Divisa, s/n Bairro: Setor Jaó CEP: 74674-025 Cidade: Goiânia Fone:

Leia mais

Fermentação. 11º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto, Outubro 2010. Henrique Amorim

Fermentação. 11º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto, Outubro 2010. Henrique Amorim Fermentação 11º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial Ribeirão Preto, Outubro 2010 Henrique Amorim SEDE FERMENTEC SEDE FERMENTEC Nossos Serviços CONSULTORIA (TRANSFERENCIA DE TECNOLOGIA) CURSOS E TREINAMENTOS

Leia mais

Portaria Nº 65, DE 23 DE ABRIL DE 2008. Publicado no Diário Oficial da União de 24/04/2008, Seção 1, Página 11

Portaria Nº 65, DE 23 DE ABRIL DE 2008. Publicado no Diário Oficial da União de 24/04/2008, Seção 1, Página 11 Portaria Nº 65, DE 23 DE ABRIL DE 2008 Situação: Vigente Publicado no Diário Oficial da União de 24/04/2008, Seção 1, Página 11 Ementa: Submete à Consulta Pública, pelo prazo de 60 (sessenta) dias a contar

Leia mais

INÁCIO AFONSO KROETZ

INÁCIO AFONSO KROETZ FOOD INTELLIGENCE Nome Empresarial: FOOD INTELLIGENCE CONSULTORIA EM ALIMENTOS S/S LTDA. CNPJ: 03.627.116/0001-43 Endereço: Rua Pássaro e Flores, nº. 141 Bairro: Brooklin CEP: 04704-000 Cidade: São Paulo-SP

Leia mais

Bebida constituída de frutos de açaí e café: Uma alternativa viável

Bebida constituída de frutos de açaí e café: Uma alternativa viável Bebida constituída de frutos de açaí e café: Uma alternativa viável O açaí constitui-se a base da alimentação cotidiana de diversas famílias da região Norte do Brasil e oferece grande disponibilidade de

Leia mais

CARBAMATO DE ETILA EM CACHAÇAS DE ALAMBIQUE

CARBAMATO DE ETILA EM CACHAÇAS DE ALAMBIQUE CARBAMATO DE ETILA EM CACHAÇAS DE ALAMBIQUE Luciana de Freitas Tessarolo 1, Núria Angelo Gonçalves 2, Marcos Roberto Teixeira Halasz 3. 1. Mestranda em Meteorologia do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ACIDEZ VOLÁTIL, TEOR ALCOÓLICO E DE COBRE EM CACHAÇAS ARTESANAIS

AVALIAÇÃO DA ACIDEZ VOLÁTIL, TEOR ALCOÓLICO E DE COBRE EM CACHAÇAS ARTESANAIS AVALIAÇÃO DA ACIDEZ VOLÁTIL, TEOR ALCOÓLICO E DE COBRE EM CACHAÇAS ARTESANAIS ALINE VIANA MARINHO, JANAÍNA PEREIRA DE MACEDO RODRIGUES, MARIA ISABEL DANTAS DE SIQUEIRA Resumo: avaliou-se os teores de álcool,

Leia mais

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA FSFAT DISSÓDIC DE DEXAMETASNA Dexamethasoni natrii phosphas H H H P Na Na F H C 22 H 28 FNa 2 8 P 516,41 02821 Fosfato dissódico de 9-fluoro-11β,17 diidroxi-16α-metil-3, 20- dioxopregna- 1,4 dieno-21-il

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE BEBIDAS FERMENTADAS DE CIRIGUELA E CUPUAÇU: ESTUDO CINÉTICO, ANÁLISES CROMATOGRÁFICA E SENSORIAL.

DESENVOLVIMENTO DE BEBIDAS FERMENTADAS DE CIRIGUELA E CUPUAÇU: ESTUDO CINÉTICO, ANÁLISES CROMATOGRÁFICA E SENSORIAL. DESENVOLVIMENTO DE BEBIDAS FERMENTADAS DE CIRIGUELA E CUPUAÇU: ESTUDO CINÉTICO, ANÁLISES CROMATOGRÁFICA E SENSORIAL. L.P.S. OLIVEIRA 1 ; D. C. L. A. CAMPELO 1 ; I. J.CRUZ FILHO 1 ; O. M. MARQUES 1 1 Universidade

Leia mais

Glicose. Frutose. Unidade 6 Açúcar e álcool

Glicose. Frutose. Unidade 6 Açúcar e álcool Unidade 6 Açúcar e álcool Açúcares A sacarose é um dos açúcares presentes na canadeaçúcar. Junto com ele também são encontrados os açúcares glicose e frutose. A diferença é que a sacarose está presente

Leia mais

A questão a seguir é do concurso público para Perito Criminal da Polícia Federal 2002

A questão a seguir é do concurso público para Perito Criminal da Polícia Federal 2002 A questão a seguir é do concurso público para Perito Criminal da Polícia Federal 2002) 39. A exposição a pesticidas tem levado a um incremento no número de casos de intoxicação que, muitas vezes, não são

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS EM DIFERENTES MARCAS DE CACHAÇAS COMERCIALIZADAS EM NATAL-RN

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS EM DIFERENTES MARCAS DE CACHAÇAS COMERCIALIZADAS EM NATAL-RN AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS FÍSICO-QUÍMICOS EM DIFERENTES MARCAS DE CACHAÇAS COMERCIALIZADAS EM NATAL-RN Genickson Borges de carvalho 1 (PG), Denise Porfirio Emerenciano 1 (PG), Geovane Chacon de Carvalho

Leia mais

TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP

TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA:

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

DIVERGÊNCIA QUANTO O TEOR ALCOÓLICO ROTULADO EM CACHAÇAS COMERCIAIS

DIVERGÊNCIA QUANTO O TEOR ALCOÓLICO ROTULADO EM CACHAÇAS COMERCIAIS DIVERGÊNCIA QUANTO O TEOR ALCOÓLICO ROTULADO EM CACHAÇAS COMERCIAIS WLADYMYR JEFFERSON BACALHAU DE SOUZA 1 ; NORMANDO MENDES RIBEIRO FILHO 2 ; RAISSA CRISTINA SANTOS 4 ; KATILAYNE VIEIRA DE ALMEIDA 1 ;

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 5 Cromatografia a Gás Profa. Daniele Adão CROMATÓGRAFO CROMATOGRAMA Condição para utilização da CG Misturas cujos constituintes sejam VOLÁTEIS Para assim dissolverem-se, pelo

Leia mais

ENVELHECIMENTO DE CACHAÇA ARTESANAL EM TONÉIS DE DIVERSOS TIPOS DE MADEIRA COM 20L DE CAPACIDADE

ENVELHECIMENTO DE CACHAÇA ARTESANAL EM TONÉIS DE DIVERSOS TIPOS DE MADEIRA COM 20L DE CAPACIDADE ENVELHECIMENTO DE CACHAÇA ARTESANAL EM TONÉIS DE DIVERSOS TIPOS DE MADEIRA COM 20L DE CAPACIDADE 1 Betania V. Silva, 2 João Nunes de Vasconcelos 1 Bolsista de iniciação Científica PIBIC/CNPQ/UFAL, discente

Leia mais

MINI-CURSO DE PRODUÇÃO DE CACHAÇA ARTESANAL

MINI-CURSO DE PRODUÇÃO DE CACHAÇA ARTESANAL III JORNADA ACADÊMICA DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE UNIBH MINI-CURSO DE PRODUÇÃO DE CACHAÇA ARTESANAL PROFESSOR: José Guilherme

Leia mais

MARCOS DE BARROS VALADÃO

MARCOS DE BARROS VALADÃO Ministério da Abastecimento Atualização de dados gerais: Secretaria de Defesa Agropecuária SDA LABORATÓRIO ALAC Nome Empresarial: LABORATÓRIO ALAC LTDA. CNPJ: 94.088.952/0001-52 Endereço: Rua David Sartori,

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DOS PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE PARA AGUARDENTE DE CANA E PARA CACHAÇA

REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DOS PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE PARA AGUARDENTE DE CANA E PARA CACHAÇA REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DOS PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE PARA AGUARDENTE DE CANA E PARA CACHAÇA 1. ALCANCE 1.1. Objetivo Fixar a identidade e as características de qualidade mínimas a que

Leia mais

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas O PERFIL DA CACHAÇA CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SETOR No mercado de cachaça, existem dois tipos da bebida: a caninha industrial e a cachaça artesanal de alambique. A primeira possui teor alcoólico de 38%

Leia mais

DISCUSSÃO DA INFLUÊNCIA DOS TEORES DE COBRE NAS CACHAÇAS ARTESANAIS PARA A SAÚDE HUMANA E PARA A CACHAÇA PROPRIAMENTE DITA

DISCUSSÃO DA INFLUÊNCIA DOS TEORES DE COBRE NAS CACHAÇAS ARTESANAIS PARA A SAÚDE HUMANA E PARA A CACHAÇA PROPRIAMENTE DITA DISCUSSÃO DA INFLUÊNCIA DOS TEORES DE COBRE NAS CACHAÇAS ARTESANAIS PARA A SAÚDE HUMANA E PARA A CACHAÇA PROPRIAMENTE DITA Milena Barbosa da Conceição - milenabarbosa.uni@gmail.com Ana Carolina Zanotti

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE DESTILAÇÃO NA ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DE AGUARDENTE DE CANA-DE-AÇÚCAR

AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE DESTILAÇÃO NA ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DE AGUARDENTE DE CANA-DE-AÇÚCAR ISSN 1517-8595 101 AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE DESTILAÇÃO NA ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DE AGUARDENTE DE CANA-DE-AÇÚCAR Hermeval Jales Dantas 1, Francisco de Assis Vilar 2, Flavio Luiz Honorato

Leia mais

REDESTILAÇÃO DA CACHAÇA

REDESTILAÇÃO DA CACHAÇA REDESTILAÇÃO DA CACHAÇA ALESSANDRA DE CÁSSIA FRANCO Dissertação apresentada à Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Araraquara UNESP para obtenção do Título de Mestre na área de Ciências dos Alimentos

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Determinação de cafeína por CLAE

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Determinação de cafeína por CLAE Página: 1 de 5 Nome Função Assinatura Data Elaboração: Liliamarta Novato Colaboradora Análise crítica: Alessandra Pulcineli RQ Substituta Aprovação: Francisco Jairo R. Fonseca RT 1. Objetivo A cafeína

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO MATERIAL DO DESTILADOR NA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E CONTAMINAÇÕES POR COBRE NAS AGUARDENTES DE CANA

A INFLUÊNCIA DO MATERIAL DO DESTILADOR NA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E CONTAMINAÇÕES POR COBRE NAS AGUARDENTES DE CANA A INFLUÊNCIA DO MATERIAL DO DESTILADOR NA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E CONTAMINAÇÕES POR COBRE NAS AGUARDENTES DE CANA THE INFLUENCE OF THE DISTILLATORY MATERIAL IN THE CHEMICAL COMPOSITION AND CONTAMINATION FOR

Leia mais

ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR

ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR Scarllet O hara de Oliveira Moraes 1, Wellington da Silva Rodrigues 2, kelson Carvalho

Leia mais

Perfil físico-químico de aguardente durante envelhecimento em tonéis de carvalho

Perfil físico-químico de aguardente durante envelhecimento em tonéis de carvalho ISSN 0101-2061 Ciência e Tecnologia de Alimentos Perfil físico-químico de aguardente durante envelhecimento em tonéis de carvalho Chemical profile of aguardente - Brazilian sugar cane alcoholic drink -

Leia mais

Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor

Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor Cachaça Brasileira O orgulho nacional, agora ainda melhor A cachaça brasileira conta agora com uma alternativa segura para aumentar sua qualidade com diminuição dos custos de produção. Depois de testar

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES. Unidade Curricular: Estudo e preparação do etanol a partir da mandioca

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES. Unidade Curricular: Estudo e preparação do etanol a partir da mandioca CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES Unidade Curricular: Estudo e preparação do etanol a partir da mandioca Eniz Conceição Oliveira Miriam Ines Marchi Vanessa Paula Reginatto Maicon Toldi 1 Programa de Pós-Graduação

Leia mais

MÉTODO DA FERMENTAÇÃO APLICADA À PRODUÇÃO DE VINHOS

MÉTODO DA FERMENTAÇÃO APLICADA À PRODUÇÃO DE VINHOS MÉTODO DA FERMENTAÇÃO APLICADA À PRODUÇÃO DE VINHOS 1 Thayana Santiago Mendes; 2 João Lopes da Silva Neto; 3 Romulo Charles Nascimento Leite 1 (autor) Discente do curso de Licenciatura em Química - UEPB

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2008. Portaria Nº 64, DE 23 DE ABRIL DE 2008 Situação: Vigente Publicado no Diário Oficial da União de 24/04/2008, Seção 1, Página 9 Ementa: Submete à Consulta Pública, pelo prazo de 60 (sessenta) dias a contar

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL SFDK LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE PRODUTOS Nome Empresarial: SFDK LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE PRODUTOS LTDA CNPJ: 55.953.079/0001-67 Endereço: Avenida Aratãs, 754 Bairro: Moema CEP: 04081-004 Cidade: São Paulo-SP

Leia mais

Determinação dos Ácidos Benzóico e Sórbico em vinhos, alcoólicos por mistura e bebidas não alcoólicas por HPLC/DAD

Determinação dos Ácidos Benzóico e Sórbico em vinhos, alcoólicos por mistura e bebidas não alcoólicas por HPLC/DAD Página 1 de 5 1 Escopo Determinação simultânea de conservantes (ácido sórbico e ácido benzóico) em vinhos, alcoólicos por mistura e bebidas não alcoólicas, empregando a técnica de Cromatografia Líquida

Leia mais

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3 Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3 9º ano do Ensino Fundamental/1º ano do Ensino Médio Objetivo Vivenciar conceitos importantes sobre a classificação dos diversos tipos

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA

Leia mais

BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP. Optinal Industrial Fermentation. Silvio Roberto Andrietta

BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP. Optinal Industrial Fermentation. Silvio Roberto Andrietta BIOEN Workshop on Process for Ethanol Production - FAPESP Optinal Industrial Fermentation Silvio Roberto Andrietta Plantas de produção de etanol Etapas Preparo da matéria prima Preparo da cana (abertura

Leia mais

Produção de Graspa. Jean Pierre Rosier. Eng. Agr. Dr. Em Enologia

Produção de Graspa. Jean Pierre Rosier. Eng. Agr. Dr. Em Enologia Produção de Graspa Jean Pierre Rosier Eng. Agr. Dr. Em Enologia Histórico Regiões montanhosas e frias Álcool >>>> medicamentos +/- 1.400 > Norte Itália >1 a produção Consumo: Com Café ou Pura Pela manhã

Leia mais

4.6.4. Cromatografia gasosa com detector de massa acoplado (GC-MS)

4.6.4. Cromatografia gasosa com detector de massa acoplado (GC-MS) 78 4.6.4. Cromatografia gasosa com detector de massa acoplado (GC-MS) Os espectrômetros de massa constam de quatro partes básicas: um sistema de manipulação para introduzir a amostra desconhecida no equipamento;

Leia mais

3. Materiais, amostras, procedimentos analíticos:

3. Materiais, amostras, procedimentos analíticos: 3. Materiais, amostras, procedimentos analíticos: 3.1 Materiais: A Tabela 3.1 apresenta os equipamentos e materiais utilizados, suas características principais, fornecedores, e em quais procedimentos os

Leia mais

Determinação de bases voláteis totais em pescados por acidimetria

Determinação de bases voláteis totais em pescados por acidimetria Página 1 de 8 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de bases voláteis totais em pescados, indicando o seu grau de conservação. 2 Fundamentos As bases voláteis totais (N-BVT) compreendem

Leia mais

Importância da Análise Sensorial no Desenvolvimento de Novos Produtos. Profa. Dra. Katiuchia Pereira Takeuchi Universidade Federal de Goiás - UFG

Importância da Análise Sensorial no Desenvolvimento de Novos Produtos. Profa. Dra. Katiuchia Pereira Takeuchi Universidade Federal de Goiás - UFG Importância da Análise Sensorial no Desenvolvimento de Novos Produtos Profa. Dra. Katiuchia Pereira Takeuchi Universidade Federal de Goiás - UFG Desenvolvimento de Novos Produtos: Novo produto é uma adaptação

Leia mais

Uma receita de iogurte

Uma receita de iogurte A U A UL LA Uma receita de iogurte O iogurte, um alimento comum em vários países do mundo, é produzido a partir do leite. Na industrialização desse produto empregam-se técnicas diversas para dar a consistência,

Leia mais

PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA

PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA RESUMO PRODUÇÃO DE ETANOL A PARTIR DA RAIZ DE MANDIOCABA Autores: Souza, Milena C.; França, Luiz F.; Corrêa, Nádia C. F.; Gomes, Lúcia F. A.; Universidade Federal do Pará. milenacosta26@yahoo.com.temática:

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE GLICERINA LIVRE E TOTAL EM BIODIESEL B100 CONFORME MÉTODOS OFICIAIS

DETERMINAÇÃO DE GLICERINA LIVRE E TOTAL EM BIODIESEL B100 CONFORME MÉTODOS OFICIAIS DETERMINAÇÃO DE GLICERINA LIVRE E TOTAL EM BIODIESEL B100 CONFORME MÉTODOS OFICIAIS RESUMO Os conteúdos de glicerina livre e total no biodiesel B100 são indicadores da qualidade deste combustível. Níveis

Leia mais

1ªsérie 1º período Q U Í M I C A

1ªsérie 1º período Q U Í M I C A 2.1 Dados: densidades a 25 C (g/cm 3 ): polietileno = 0,91 a 0,98; água = 1,0; poliestireno = 1,04 a 1,06; policloreto de vinila = 1,5 a 1,42. QUESTÃO 1 A morte da cantora Amy Winehouse mostrou que não

Leia mais

Análise físico-química de uvas e mostos. José Carvalheira EVB/LQE-DLAL

Análise físico-química de uvas e mostos. José Carvalheira EVB/LQE-DLAL Análise físico-química de uvas e mostos José Carvalheira EVB/LQE-DLAL Análise físico-química de uvas e mostos Objectivo Composição em açúcares: Composição em ácidos: Maturação fenólica: Estado sanitário:

Leia mais

Análise sensorial: ferramenta para avaliação da qualidade da carne. Renata Tieko Nassu Pesquisadora Embrapa Pecuária Sudeste

Análise sensorial: ferramenta para avaliação da qualidade da carne. Renata Tieko Nassu Pesquisadora Embrapa Pecuária Sudeste Análise sensorial: ferramenta para avaliação da qualidade da carne Renata Tieko Nassu Pesquisadora Embrapa Pecuária Sudeste A análise sensorial é uma importante ferramenta para avaliação da qualidade da

Leia mais

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido LEITES FERMETADOS Profa.Dra.Vanerli Beloti HISTÓRIA: Consumido há século em todo Mediterrâneo Oriental Primeiro alimento transformado que se tem notícia na história da humanidade Iogurte é o mais popular

Leia mais

na Gestão Sensorial nas Cervejarias Kátia Jorge

na Gestão Sensorial nas Cervejarias Kátia Jorge na Gestão Sensorial nas Cervejarias Kátia Jorge Sensorial como Ferramenta Cerveja é Cultura Cerveja é Cultura Conhecendo a Cerveja Ingredientes???? Processo de fabricação???? De onde vêm os flavours????

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

3. Materiais e Métodos

3. Materiais e Métodos 59 3. Materiais e Métodos Os experimentos foram realizados nos Laboratórios de Metalurgia e Meio Ambiente do DEMa da Puc-Rio. 3.1. Equipamentos de medição 3.1.1. Carbono orgânico total (COT) Os métodos

Leia mais

Experimento 10: Fermentação. Docente Sala (lab) Grupo

Experimento 10: Fermentação. Docente Sala (lab) Grupo Experimento 10: Fermentação Docente Sala (lab) Grupo 1 Experimento 10: Fermentação Introdução A glicose é uma importante molécula utilizada no metabolismo de diversos organismos para gerar energia. Em

Leia mais

XXIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA

XXIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA DESENVOLVIMENTO E ANÁLISE SENSORIAL DE LICOR COM POLPA DE CUPUAÇU LAURA DUARTE MARÇAL 1, MARÍLIA CRIVELARI DA CUNHA 2, OLGA LÚCIA MONDRAGÓN BERNAL 3, JOSÉ GUILHERME LEMBI FERREIRA ALVES 4 RESUMO: O cupuaçu

Leia mais

Características do Leite

Características do Leite Características do Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Contaminação de Processo Industrial de Fermentação Etanólica e Medidas Operacionais de Controle

Contaminação de Processo Industrial de Fermentação Etanólica e Medidas Operacionais de Controle Contaminação de Processo Industrial de Fermentação Etanólica e Medidas Operacionais de Controle Tese Doutorado: Edilson José Guerra Relato: Profª Dra Dejanira de Franceschi de Angelis Na década de 1990,

Leia mais

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Universidade Estadual de Goiás UnUCET - Anápolis Química Industrial Química Experimental II Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Alunos: Bruno Ramos; Wendel Thiago; Thales

Leia mais

ESTUDO DO PERFIL SENSORIAL DE BEBIDA DE SOJA SABOR CHOCOLATE

ESTUDO DO PERFIL SENSORIAL DE BEBIDA DE SOJA SABOR CHOCOLATE V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ESTUDO DO PERFIL SENSORIAL DE BEBIDA DE SOJA SABOR CHOCOLATE Paula Bucharles 1, Angélica Aparecida Mauricio 2, Franciane

Leia mais

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA QUESTÃO 01 Em uma determinada transformação foi constatado que poderia ser representada

Leia mais

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol 1. (Uel 2014) A gasolina é uma mistura de vários compostos. Sua qualidade é medida em octanas, que definem sua capacidade de ser comprimida com o ar, sem detonar, apenas em contato com uma faísca elétrica

Leia mais

Fatores Físicos e Químicos que Influenciam a Fermentação Alcoólica. Prof. Clóvis Parazzi

Fatores Físicos e Químicos que Influenciam a Fermentação Alcoólica. Prof. Clóvis Parazzi Fatores Físicos e Químicos que Influenciam a Fermentação Alcoólica Prof. Clóvis Parazzi O que se deseja de um processo fermentativo? Elevado Rendimento Uniformidade na produção de metabólitos pela levedura

Leia mais

2) A citação abaixo foi extraída do inciso V do artigo 24 da LDB 9394/96:

2) A citação abaixo foi extraída do inciso V do artigo 24 da LDB 9394/96: 1) A avaliação compreendida como parte do processo de ensino e aprendizagem e do planejamento em todas as suas etapas, ou seja, a avaliação formativa, parte dos seguintes pressupostos, exceto este: a)

Leia mais

Legislação de bebidas não alcoólicas a base de uva

Legislação de bebidas não alcoólicas a base de uva Legislação de bebidas não alcoólicas a base de uva Kelly Lissandra Bruch Assessora Jurídica Instituto Brasileiro do Vinho IBRAVIN Professora da Universidade Luterana do Brasil Assessora Técnica do IRGA

Leia mais

AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM

AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM Procedimento pré-estabelecido para seleção, retirada, preservação, transporte e preparação das porções a serem removidas do lote como amostras, de uma maneira tal que o tratamento matemático dos testes

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

Fabricação de Bebidas Cerveja

Fabricação de Bebidas Cerveja Fabricação de Bebidas Cerveja Processos Químicos Industriais II 01/12/2011 1 Bebidas Fermentadas & Destiladas A fabricação de bebidas fermentadas evoluiu de uma concepção artesanal para um processo contendo

Leia mais

- CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF)

- CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF) - CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF) Técnica de identificação e separação de compostos orgânicos Aplicações: - Identificação de componentes de uma mistura - Acompanhamento da evolução de uma reação - Análise

Leia mais

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima 1. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 DESENVOLVIMENTO DE AGUARDENTE DE GOIABA: TESTE DE CONCEITO LUCAS SILVEIRA TAVARES 1, JOSÉ GUILHERME LEMBI FERREIRA ALVES 2 AMANDA OLIVERI SOARES 3, JOÃO DE DEUS SOUZA CARNEIRO 4, RENATO SILVA LEAL 5, DANIEL

Leia mais

Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango

Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014 Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango Lays

Leia mais

PROCESSO DE FERMENTAÇÃO CONTÍNUA ENGENHO NOVO - FERCEN

PROCESSO DE FERMENTAÇÃO CONTÍNUA ENGENHO NOVO - FERCEN PROCESSO DE FERMENTAÇÃO CONTÍNUA ENGENHO NOVO - FERCEN A ENGENHO NOVO, sempre atenta ao desenvolvimento de novas tecnologias para produção de etanol, pesquisou e desenvolveu um processo simples e eficiente

Leia mais

SELEÇÃO DE CLONES DE ELITE DE Stevia rebaudiana (Bert.) BERTONI COM ÊNFASE NO TEOR DO REBAUDIOSÍDEO A E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE

SELEÇÃO DE CLONES DE ELITE DE Stevia rebaudiana (Bert.) BERTONI COM ÊNFASE NO TEOR DO REBAUDIOSÍDEO A E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SELEÇÃO DE CLONES DE ELITE DE Stevia rebaudiana (Bert.) BERTONI COM ÊNFASE NO TEOR DO REBAUDIOSÍDEO A E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE Thatiane Rodrigues Mota

Leia mais

RECUPERAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS PROVENIENTES DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE FRUTAS NA PRODUÇÃO DE ETANOL

RECUPERAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS PROVENIENTES DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE FRUTAS NA PRODUÇÃO DE ETANOL RECUPERAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS PROVENIENTES DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE FRUTAS NA PRODUÇÃO DE ETANOL Hugo Perazzini 1*, Maisa Tonon Bitti 1 1. Graduado em Engenharia Química

Leia mais

INTRODUÇÃO À DIETÉTICA

INTRODUÇÃO À DIETÉTICA INTRODUÇÃO À DIETÉTICA A Dietética é a disciplina que estuda as operações a que são submetidos os alimentos após a cuidadosa seleção e as modificações que os mesmos sofrem durante os processos culinários.

Leia mais

Anais. Naviraí/MS - Brasil. Organização. Coordenação. Comitê Científico

Anais. Naviraí/MS - Brasil. Organização. Coordenação. Comitê Científico Organização Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Gerência da Unidade de Naviraí Coordenação do Curso de Química Coordenação do Curso de Tecnologia em Alimentos Coordenação Prof. Dr. Alberto Adriano

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 8 Cromatografia Liquida de Alta Eficiência CLAE (Continuação) Profa. Daniele Adão - Solvente grau HPLC (alta pureza): impurezas presentes na FM

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 UTILIZAÇÃO DA POLPA DE CAFÉ PARA PRODUÇÃO DE ETANOL EVANDRO GALVÃO TAVARES MENEZES 1, JOSÉ GUILHERME LEMBI FERREIRA ALVES 2, FABIANA QUEIROZ FERRUA 3, ISABELA COSTA GUIMARÃES 4, GERSON REGINALDO MARQUES

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICAS E SENSORIAL DE BRIGADEIRO DE CENOURA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICAS E SENSORIAL DE BRIGADEIRO DE CENOURA 1 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICAS E SENSORIAL DE BRIGADEIRO DE CENOURA Tamires dos Santos PEREIRA 1, Daniela Dantas de Farias LEITE 1, Neidimarques Casimiro VIEIRA 1, Francegildo Sergio da SILVA

Leia mais

Crescimento Microbiano

Crescimento Microbiano Crescimento Microbiano Fatores que influem no crescimento Temperatura ph Oxigênio Agitação Pressão osmótica Temperatura Para todos os microrganismos existem três temperaturas cardeais: Temperatura mínima

Leia mais

Processos Fermentativos

Processos Fermentativos CONCEITOS Reações químicas x Reações Bioquímicas Processos químicos: Realizado entre compostos químicos usando-se catalisadores químicos. Processos Enzimáticos: Transformação química realizada por catalisadores

Leia mais

Lista 1 de Exercícios Professor Pedro Maia

Lista 1 de Exercícios Professor Pedro Maia Lista 1 de Exercícios Professor Pedro Maia Questão 01 - (UEPG PR) As mudanças de estado físico, classificadas como fenômenos físicos, ocorrem com a variação de entalpia ( ). Sobre esses processos, assinale

Leia mais

CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA

CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA Com a descoberta que o átomo possui estrutura; isto é, é composta de partículas menores tais como elétrons os quais são ordenados de acordo a critérios quânticos

Leia mais

Desenvolvimento de novas leveduras para o desafio da fermentação alcoólica

Desenvolvimento de novas leveduras para o desafio da fermentação alcoólica Desenvolvimento de novas leveduras para o desafio da fermentação alcoólica Osmar Vaz de Carvalho Netto osmar@lge.ibi.unicamp.br Laboratório de Genômica e Expressão Instituto de Biologia - UNICAMP V Semana

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE CERVEJAS

CONTROLE DE QUALIDADE CERVEJAS CONTROLE DE QUALIDADE CERVEJAS PRINCIPAIS ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DA CERVEJA MATÉRIAS-PRIMAS ÁGUA MALTE CEREAIS (ARROZ E MILHO) LÚPULO EXTRATO DE ALTA MALTOSE AÇÚCAR ADITIVOS Água - Sabor - Odor - Cor

Leia mais

TEORES DE COBRE E CHUMBO E GRAU ALCOOLICO DE AGUARDENTES COLONIAIS COMERCIALIZADAS NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ 1

TEORES DE COBRE E CHUMBO E GRAU ALCOOLICO DE AGUARDENTES COLONIAIS COMERCIALIZADAS NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ 1 TEORES DE COBRE E CHUMBO E GRAU ALCOOLICO DE AGUARDENTES COLONIAIS COMERCIALIZADAS NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ 1 Profª. MSc. Franciane Schoeninger 2 Vanderléia de Campos 3 RESUMO Várias marcas de

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências e Tecnologia

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências e Tecnologia UNIVERSIDADE NVA DE LISBA Faculdade de Ciências e Tecnologia Síntese de ácido acetilsalicílico (aspirina). Análise por TLC do produto obtido. 1. Cromatografia Misturas de compostos podem ser separados

Leia mais

UNESP- 2013- Vestibular de Inverno

UNESP- 2013- Vestibular de Inverno UNESP- 2013- Vestibular de Inverno 1-Compostos de crômio têm aplicação em muitos processos industriais, como, por exemplo, o tratamento de couro em curtumes e a fabricação de tintas e pigmentos. Os resíduos

Leia mais

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Leites Fermentados Exemplos: iogurte, bebidas lácteas fermentadas, coalhada, kefir, entre outros. A fermentação pode

Leia mais

AULA 5: Microrganismos Fermentadores

AULA 5: Microrganismos Fermentadores Centro Universitário da Zona Oeste Curso: Tecnologia em Produção de Fármacos e Farmácia Período: 7 período Disciplina: Microbiologia de Alimentos Professora: Sabrina Dias AULA 5: Microrganismos Fermentadores

Leia mais