REGULAMENTO DE PROCEDIMENTO E CRITÉRIOS PARA DECLARAÇÃO DE CUMPRIMENTO DE OBRIGAÇÕES DE PRESTADORA DO STFC. Capítulo I Das Disposições Gerais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DE PROCEDIMENTO E CRITÉRIOS PARA DECLARAÇÃO DE CUMPRIMENTO DE OBRIGAÇÕES DE PRESTADORA DO STFC. Capítulo I Das Disposições Gerais"

Transcrição

1 REGULAMENTO DE PROCEDIMENTO E CRITÉRIOS PARA DECLARAÇÃO DE CUMPRIMENTO DE OBRIGAÇÕES DE PRESTADORA DO STFC Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º O cumprimento de obrigações de prestadoras do Serviço Telefônico Fixo Comutado destinado ao uso do público em geral STFC, em suas diversas modalidades, é regido pela Lei n.º 9.472, de 16 de julho de 1997, pelos regulamentos, normas e planos aplicáveis a esse serviço, pelos Contratos de Concessão ou Termos de Autorização celebrados entre essas prestadoras e a Agência Nacional de Telecomunicações Anatel. Art. 2º Este Regulamento estabelece os procedimentos e critérios para a declaração de cumprimento de obrigações por parte de prestadora do STFC, operando em regime público ou privado. Art. 3º A declaração de cumprimento de obrigações é caracterizada como instrumento formal, assinado pelo representante legal da prestadora, incluindo relatórios e informações que permitam a clara identificação das obrigações, da forma de seu cumprimento, bem como da realização das etapas do processo de declaração, de responsabilidade da prestadora, estabelecidas no presente Regulamento. Art. 4º O processo de preparação, envio e publicidade da declaração de cumprimento de obrigações deve observar o disposto na Lei n.º 9.472/97, regulamentos, normas e planos aplicáveis ao STFC, Contratos de Concessão e Termos de Autorização, conforme estabelece o presente Regulamento. 1º Todos os custos relacionados ao processo de declaração de cumprimento de obrigações serão suportados, exclusivamente, pela prestadora do serviço por ela responsável. 2º A Anatel, em face do interesse público, pode rever o disposto no presente Regulamento. Capítulo II Das Definições Art. 5º Para fins deste Regulamento, aplicam-se as seguintes definições: I Obrigações de Universalização: são aquelas definidas no Plano Geral de Metas para a Universalização - PGMU, nos Contratos de Concessão, nos Termos de Autorização ou em outros instrumentos estabelecidos pela Anatel. II Obrigações de Qualidade: são aquelas definidas no Plano Geral de Metas de Qualidade PGMQ, nos Contratos de Concessão ou nos Termos de Autorização. 1/5

2 III Prestadora: pessoa jurídica que, mediante concessão, permissão ou autorização, presta o STFC. IV Usuário: qualquer pessoa que se utiliza do STFC, independentemente de contrato de prestação de serviço ou inscrição junto à prestadora. Capítulo III Da Declaração de Cumprimento de Obrigações Art. 6º A prestadora do STFC deve apresentar, para cada exercício anual, declaração de cumprimento de obrigações, na forma definida no presente Regulamento. Parágrafo único. No caso das obrigações de universalização e qualidade, independentemente da declaração anual e a critério da prestadora, pode ser apresentada declaração relativa ao cumprimento de metas, em datas anteriores à prevista na regulamentação. Art. 7º A declaração de cumprimento de obrigações deve conter, no mínimo, as informações descritas no Anexo do presente Regulamento. Art. 8º Para as obrigações de universalização e qualidade, devem ser fornecidas, como parte da declaração, as informações descritas a cada objeto estabelecido. Art. 9º Todos os documentos devem ser apresentados em via original, com páginas numeradas e autenticadas por rubrica do representante legal da prestadora. Parágrafo único. Em complemento às vias originais, devem ser fornecidas cópias em meio eletrônico, no formato estabelecido pela Anatel. Capítulo IV Da Publicidade da Declaração de Cumprimento de Obrigações Art. 10. Para assegurar a publicidade da declaração de cumprimento de obrigações, quando se tratar de obrigações relativas a direito dos usuários, entre essas, aquelas relativas à universalização e qualidade, cabe à prestadora: I informar ao público em geral, na sua área de prestação do serviço, com no mínimo 30 (trinta) dias de antecedência, por meio de publicações específicas distribuídas à população e de publicação em jornais das Capitais e de cidades com mais de habitantes de grande circulação, as obrigações a serem cumpridas e a data prevista para tanto; II informar aos Governadores de Estado e Distrito Federal, aos Prefeitos Municipais e às entidades estaduais de defesa do consumidor, na sua área de prestação do serviço, com no mínimo 30 (trinta) dias de antecedência, por meio de correspondência, as obrigações a serem cumpridas e a data prevista para tanto; 2/5

3 III informar a Anatel, com 48 (quarenta e oito) horas de antecedência, o envio das informações mencionadas nos incisos I e II. Art. 11. A partir da divulgação da intenção de cumprimento de obrigações, a prestadora deve estabelecer procedimento de recebimento de informações, solicitações ou reclamações por carta, fax ou telefone, relativas ao atendimento dos direitos dos usuários. 1º. As informações recebidas devem ser identificadas por código específico, que permita sua fácil localização. 2º. A prestadora deve oferecer resposta às solicitações recebidas, mantendo tais informações e respostas disponíveis para eventual solicitação da Anatel. Art. 12. A declaração de cumprimento de obrigações consolidada com todos os relatórios aplicáveis, devidamente auditados por entidade de auditoria independente, deve ser apresentada à Anatel, em até 30 (trinta) dias, contados a partir do último dia do ano exercício. Parágrafo único. Nos casos de cumprimento de obrigações relativas a direito dos usuários, entre elas as de universalização e qualidade, em datas anteriores às previstas na regulamentação, a declaração deve ser encaminhada, em até 30 (trinta) dias, contados a partir da data de cumprimento das obrigações. Art. 13. A Anatel tornará disponível, em até 5 (cinco) dias, para Consulta Pública, as declarações e informações que tratam o presente Regulamento. Parágrafo único. A Consulta Pública em questão terá duração mínima de 30 (trinta) dias, com réplica a ser atendida pela prestadora em até 15 (quinze) dias, prorrogáveis por solicitação desta por igual período. Art. 14. A prestadora deve manter disponíveis ao público em geral, por no mínimo 5 (cinco) anos, as declarações e informações a ela vinculadas. Capítulo V Da Análise da Declaração de Cumprimento de Metas Art. 15. Após conclusão da Consulta Pública, será encaminhado, em até 15 (quinze) dias, informe ao Conselho Diretor para manifestação quanto ao acolhimento da declaração apresentada. 1º. O acompanhamento e análise da Consulta Pública, objeto do caput, pode incluir, a critério da Anatel, ações de fiscalização e auditorias dos dados fornecidos. 2º. No caso de identificação de inconsistência com os dados colocados em Consulta Pública, esta será suspensa até a adequação das informações pela prestadora. 3/5

4 Capítulo VI Do Acolhimento da Declaração de Cumprimento de Metas Art. 16. Após conclusão da análise do Conselho Diretor sobre os resultados da Consulta Pública, será expedido Ato, acolhendo a declaração de cumprimento de metas apresentada pela prestadora. Parágrafo único. O acolhimento da declaração não exime a prestadora do cumprimento das obrigações em data posterior ou anterior à utilizada pela declaração, ficando a prestadora sujeita às sanções previstas na regulamentação. Capítulo VII Das Sanções Art. 17. A inobservância dos deveres decorrentes deste Regulamento ou demais atos relativos ao processo de declaração de cumprimento de obrigações, bem como o descumprimento de obrigações contratuais, inclusive a falta de fidelidade de informações apresentadas, sujeitará a prestadora às sanções previstas na regulamentação Capítulo VIII Das Disposições Transitórias Art. 19. Os procedimentos e critérios estabelecidos no presente Regulamento são aplicáveis para fins de declaração de antecipação de obrigações de universalização previstas no PGMU e de abrangência previstas nos Termos de Autorização e indicadas no Plano Geral de Outorgas como requisito necessário para pleito de novas autorizações por prestadoras do STFC. Parágrafo único. As prestadoras, para o objetivo que trata o caput do artigo, devem apresentar declaração específica, relativa a antecipação das metas previstas para o ano de 2003 no PGMU. 4/5

5 ANEXO Das Informações para Declaração de Cumprimento de Metas I sobre a empresa declarante: a) Razão Social; b) C.G.C.; c) endereço da sede da empresa; d) indicação do representante legal; e) nome do responsável pela auditoria independente; f) endereço, telefone, fax e do responsável pela auditoria independente. II sobre a área de atuação do declarante: a) identificação da concessão ou autorização; b) modalidade do serviço; c) área de abrangência geográfica. III sobre o objetivo da declaração: a) obrigações envolvidas (universalização, qualidade e outras); b) identificação das datas de cumprimento, respectivos relatórios descritivos, declaração de auditoria independente e outras informações vinculadas. 5/5

TELEFÔNICO FIXO COMUTADO PRESTADO NO REGIME PÚBLICO - PGMU

TELEFÔNICO FIXO COMUTADO PRESTADO NO REGIME PÚBLICO - PGMU A N E X O PLANO GERAL DE METAS PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO PRESTADO NO REGIME PÚBLICO - PGMU CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 o Para efeito deste Plano, entende-se

Leia mais

Da Abrangência e dos Objetivos. Das Definições

Da Abrangência e dos Objetivos. Das Definições ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 509, DE 14 DE AGOSTO DE 2008 REGULAMENTO DA CENTRAL DE INTERMEDIAÇÃO DE COMUNICAÇÃO TELEFÔNICA A SER UTILIZADA POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA OU DA FALA CIC CAPÍTULO I Da Abrangência

Leia mais

LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990

LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990 LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990 Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. TÍTULO I DOS DIREITOS DO CONSUMIDOR... CAPÍTULO III DOS DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR Art. 6º São

Leia mais

Aprova o Regulamento da Central de Intermediação de Comunicação telefônica a ser utilizada por pessoas com deficiência auditiva ou da fala CIC.

Aprova o Regulamento da Central de Intermediação de Comunicação telefônica a ser utilizada por pessoas com deficiência auditiva ou da fala CIC. Resolução nº509/08 ANATEL RESOLUÇÃO No 509, DE 14 DE AGOSTO DE 2008 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Aprova o Regulamento da Central de Intermediação de Comunicação telefônica a ser utilizada por pessoas

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 458, DE 8 DE FEVEREIRO DE 2007.

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 458, DE 8 DE FEVEREIRO DE 2007. ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 458, DE 8 DE FEVEREIRO DE 2007. REGULAMENTO DE REMUNERAÇÃO PELO USO DE REDES DE PRESTADORAS DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO - STFC TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DO

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE PSICOLOGIA Matriz 2016.1

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE PSICOLOGIA Matriz 2016.1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE PSICOLOGIA Matriz 2016.1 Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/16, de 27/04/16. Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

Identificação da Prestadora Prestadora de Pequeno Porte? ( ) Sim ( ) Não

Identificação da Prestadora Prestadora de Pequeno Porte? ( ) Sim ( ) Não Identificação da Prestadora Razão Social Prestadora de Pequeno Porte? ( ) Sim ( ) Não Grupo Econômico Serviço(s) Explorado(s) pelo Grupo Econômico ( ) Concessionária do STFC ( ) Prestadora do SMP ( ) Outros.

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA Aprovado pela Resolução Consuni nº 27/11, de 09/11/11 Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento tem

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 317, DE 27 DE SETEMBRO DE 2002. PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO MÓVEL PESSOAL PGMQ-SMP

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 317, DE 27 DE SETEMBRO DE 2002. PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO MÓVEL PESSOAL PGMQ-SMP ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 317, DE 27 DE SETEMBRO DE 2002. PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO MÓVEL PESSOAL PGMQ-SMP Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º Este Plano estabelece as metas de

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova o regulamento que disciplina a prestação de serviço de pagamento no âmbito dos arranjos de pagamentos integrantes do Sistema de Pagamentos Brasileiro

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009.

INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe sobre as ofertas públicas de valores mobiliários distribuídas com esforços restritos e a negociação desses valores mobiliários nos mercados regulamentados.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.523, DE 31 DE JULHO DE 2008. Vigência Regulamenta a Lei n o 8.078, de 11 de setembro de 1990, para fixar normas gerais

Leia mais

CÓDIGO DE AUTO-REGULAÇÃO DA ANBID PARA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO CONTINUADA

CÓDIGO DE AUTO-REGULAÇÃO DA ANBID PARA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO CONTINUADA CÓDIGO DE AUTO-REGULAÇÃO DA ANBID PARA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO CONTINUADA CAPÍTULO I DO OBJETIVO E DA ABRANGÊNCIA Art. 1º- O objetivo do presente Código de Auto-Regulação é estabelecer princípios e

Leia mais

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PROJETO DE RESOLUÇÃO 03-00023/2011 da Mesa Diretora Institui no âmbito da Câmara Municipal de São Paulo Sistema de Consignação Facultativa em Folha de Pagamento na modalidade

Leia mais

FUNDAÇÃO NACIONAL DO LIVRO INFANTIL E JUVENIL Seção Brasileira do IBBY. Disposições Gerais

FUNDAÇÃO NACIONAL DO LIVRO INFANTIL E JUVENIL Seção Brasileira do IBBY. Disposições Gerais FUNDAÇÃO NACIONAL DO LIVRO INFANTIL E JUVENIL Seção Brasileira do IBBY REGULAMENTO DO 21º CONCURSO FNLIJ OS MELHORES PROGRAMAS DE INCENTIVO À LEITURA JUNTO A CRIANÇAS E JOVENS DE TODO O BRASIL 2016 Disposições

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP Capítulo I DA NATUREZA E SUAS FINALIDADES Art. 1º O estágio baseia-se na Lei nº. 11.788, sancionada em 25 de setembro de 2008. Parágrafo

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 685, DE 2015 (Do Sr. Aureo)

PROJETO DE LEI N.º 685, DE 2015 (Do Sr. Aureo) *C0051854A* C0051854A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 685, DE 2015 (Do Sr. Aureo) Altera a Lei nº 9.998, de 17 de agosto de 2000, para autorizar o uso dos recursos do Fust - Fundo de Universalização

Leia mais

Edição Número 130 de 08/07/2004. Regulamenta o art. 40 da Lei n o 10.741, de 1 o de outubro de 2003 (Estatuto do Idoso), e dá outras providências.

Edição Número 130 de 08/07/2004. Regulamenta o art. 40 da Lei n o 10.741, de 1 o de outubro de 2003 (Estatuto do Idoso), e dá outras providências. Atos do Poder Executivo Edição Número 130 de 08/07/2004 DECRETO N o 5.130, DE 7 DE JULHO DE 2004 Regulamenta o art. 40 da Lei n o 10.741, de 1 o de outubro de 2003 (Estatuto do Idoso), e dá outras providências.

Leia mais

DECRETO Nº 5.130, DE 7 DE JULHO DE 2004

DECRETO Nº 5.130, DE 7 DE JULHO DE 2004 DECRETO Nº 5.130, DE 7 DE JULHO DE 2004 Regulamenta o art. 40 da Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003 (Estatuto do Idoso), e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

MINUTA DE PORTARIA v. 21.09.2015

MINUTA DE PORTARIA v. 21.09.2015 MINUTA DE PORTARIA v. 21.09.2015 PORTARIA Nº..., de...de...de 2015 Dispõe sobre a participação complementar da iniciativa privada na execução de ações e serviços de saúde, e o credenciamento de prestadores

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO N o 488, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2007 Aprova o Regulamento de Proteção e Defesa dos Direitos dos Assinantes dos Serviços de Televisão por Assinatura. O CONSELHO

Leia mais

NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES 1 - DO OBJETIVO 1.1. Esta Norma tem por objetivo estabelecer condições para prestação

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE PEDAGOGIA Aprovado pela Resolução Consuni nº 29/10, de 15/09/2010. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS LEGAIS Artigo 1º- O presente regulamento de estágios do Centro Universitário do Norte Paulista

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO BIBLIOTECA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO BIBLIOTECA PRESIDÊNCIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 29 DE SETEMBRO DE 2014. Uniformiza procedimentos de atendimento às partes e advogados no âmbito das secretarias judiciárias do TRF4. O PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇAO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO Regiões I e II do Plano Geral de Outorgas PGO

CONTRATO DE PRESTAÇAO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO Regiões I e II do Plano Geral de Outorgas PGO CONTRATO DE PRESTAÇAO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO Regiões I e II do Plano Geral de Outorgas PGO Pelo presente instrumento, na melhor forma de direito, de um lado TELEFÔNICA BRASIL S.A., prestadora

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO MÓVEL PESSOAL SMP

REGULAMENTO DO SERVIÇO MÓVEL PESSOAL SMP ANEXO À RESOLUÇÃO N o 477, DE 7 DE AGOSTO DE 2007 REGULAMENTO DO SERVIÇO MÓVEL PESSOAL SMP TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Capítulo I Da Abrangência e Objetivo Art. 1º A prestação do Serviço Móvel Pessoal

Leia mais

entre um ponto fixo situado no território nacional e outro ponto no exterior. CHAMADA LONGA DISTÂNCIA NACIONAL (LDN) OU DDD - chamada originada por

entre um ponto fixo situado no território nacional e outro ponto no exterior. CHAMADA LONGA DISTÂNCIA NACIONAL (LDN) OU DDD - chamada originada por TERMO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AMERICA NET LTDA., autorizada do Serviço Telefônico Fixo Comutado - STFC, nas modalidades Local, Longa Distância Nacional e Internacional através do Código de Seleção de

Leia mais

PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO. Capítulo I Das Disposições Gerais

PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO. Capítulo I Das Disposições Gerais PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO. Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º Este Plano estabelece as metas de qualidade, a serem cumpridas pelas prestadoras de

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.629, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.629, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.629, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013 Aprova o regulamento de comunicação eletrônica de dados no âmbito do Sistema Financeiro Nacional (SFN). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N. º 335, DE 17 DE ABRIL DE 2003. REGULAMENTO DE INDICADORES DE QUALIDADE DO SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP

ANEXO À RESOLUÇÃO N. º 335, DE 17 DE ABRIL DE 2003. REGULAMENTO DE INDICADORES DE QUALIDADE DO SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP NEXO À RESOLUÇÃO N. º 335, DE 17 DE BRIL DE 2003. REGULMENTO DE INDICDORES DE QULIDDE DO SERVIÇO MÓVEL PESSOL - SMP TÍTULO I DS DISPOSIÇÕES GERIS Capítulo I Da brangência e dos Objetivos rt.1º Este Regulamento

Leia mais

CONSELHO DE USUÁRIOS DA EMBRATEL - REGIÃO II

CONSELHO DE USUÁRIOS DA EMBRATEL - REGIÃO II EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A. EMBRATEL CNPJ/MF n.º 33.530.486/0001-29 NIRE 3330000340-1 Plano Anual de Atividades do Conselho de Usuários da Região II do PGO da Empresa Brasileira de Telecomunicações

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

Resolução 128/Reitoria/Univates Lajeado, 28 de setembro de 2012

Resolução 128/Reitoria/Univates Lajeado, 28 de setembro de 2012 Resolução 128/Reitoria/Univates Lajeado, 28 de setembro de 2012 Reedita a Resolução 085/Reitoria/Univates, de 03/07/2008, que aprova o Regulamento dos Estágios Obrigatórios dos cursos de graduação e sequenciais

Leia mais

Telefonia Fixa Ruralcel / Ruralvan

Telefonia Fixa Ruralcel / Ruralvan Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços Públicos Telefonia Fixa Ruralcel / Ruralvan Gilberto Alves Superintendente de Serviços Públicos Outubro, 2007 1 Agenda 1. Como era a prestação:

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DA LINHA DA ECONOMIA FAMILIA

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DA LINHA DA ECONOMIA FAMILIA CONTRATO DE ADESÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DA LINHA DA ECONOMIA FAMILIA Por este instrumento, em que são partes: de um lado a TELEFÔNICA BRASIL S.A., concessionária do Serviço Telefônico Fixo

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 012/2007

CARTA CONVITE Nº 012/2007 IMPORTANTE: PARA PARTICIPAR DA LICITAÇÃO O INTERESSADO DEVERÁ RETIRAR O EDITAL SOB PROTOCOLO NA SEDE DO CONSELHO SITUADO À RUA PAMPLONA, 1200 JD PAULISTA CEP: 01405-001 - DEPTO DE COMPRAS - 8º ANDAR. CARTA

Leia mais

A nova distribuição do audiovisual no Brasil. Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa

A nova distribuição do audiovisual no Brasil. Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa A nova distribuição do audiovisual no Brasil Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa São Paulo, 8 de novembro de 2011 Dados do Setor Base de Assinantes 2011 2010 2008 22%

Leia mais

a seguir denominadas individualmente de Parte e em conjunto de Partes.

a seguir denominadas individualmente de Parte e em conjunto de Partes. TERMO DE COMPROMISSO CELEBRADO ENTRE A EMPRESA TELECOMUNCIAÇÕES LTDA E A TELEFÔNICA BRASIL S.A. TELEFÔNICA EMPRESA., inscrita no CNPJ sob o nº 00.000.000/0001-91, com sede na Rua YYY,, n nn, na cidade

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS EM TELECOMUNICAÇÕES - ABR TELECOM TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E PRAZO DE DURAÇÃO TÍTULO II DOS OBJETIVOS

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS EM TELECOMUNICAÇÕES - ABR TELECOM TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E PRAZO DE DURAÇÃO TÍTULO II DOS OBJETIVOS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS EM TELECOMUNICAÇÕES - ABR TELECOM TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E PRAZO DE DURAÇÃO Art. 1º A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS EM TELECOMUNICAÇÕES ( ABR Telecom ) é

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 11, DE 12 DE MARÇO DE 2014.

RESOLUÇÃO N.º 11, DE 12 DE MARÇO DE 2014. RESOLUÇÃO N.º 11, DE 12 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre o controle da jornada de trabalho dos servidores e o regime de prestação de serviço extraordinário no Poder Judiciário do Estado de Roraima e dá outras

Leia mais

DECRETO Nº 034/2013. O Prefeito do Município de Sertanópolis, Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais e considerando:

DECRETO Nº 034/2013. O Prefeito do Município de Sertanópolis, Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais e considerando: DECRETO Nº 034/2013 SÚMULA: Dispõe sobre a jornada de trabalho em Regime de Trabalho em Turnos RTT e Regime de Trabalho de Sobreaviso RPS no âmbito da Administração Direta e Indireta do Poder Executivo

Leia mais

CONSIDERANDO o disposto nos arts. 20, inciso II, 22, inciso III, e 24, inciso IV, da Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001; e

CONSIDERANDO o disposto nos arts. 20, inciso II, 22, inciso III, e 24, inciso IV, da Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001; e Dispõe sobre procedimentos a serem observados na aplicação do Estatuto do Idoso no âmbito dos serviços de transporte rodoviário interestadual de passageiros, e dá outras providências. A Diretoria da Agência

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 017/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 017/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 017/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

TOMADA DE PREÇOS Nº 001/2006

TOMADA DE PREÇOS Nº 001/2006 ! " TOMADA DE PREÇOS Nº 001/2006 PROCESSO Nº 1.825/2005 Regime Jurídico: Lei nº 8.666/93, alterações e normas complementares Tipo de Licitação: MENOR PREÇO Modalidade: TOMADA DE PREÇOS O CONSELHO REGIONAL

Leia mais

Luiz A. Paranhos Velloso Junior Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro ID. 1919046-8

Luiz A. Paranhos Velloso Junior Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro ID. 1919046-8 PORTARIA JUCERJA N.º 1.408, DE 25 DE AGOSTO DE 2015. APROVA REGULAMENTO DE CREDENCIAMENTO DE PERITOS GRAFOTÉCNICOS, NO ÂMBITO DA JUCERJA. O PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no

Leia mais

CAPÍTULO I O Sistema Estadual de Vigilância Sanitária SEVISA e o Sistema de Informações em Vigilância Sanitária - SIVISA

CAPÍTULO I O Sistema Estadual de Vigilância Sanitária SEVISA e o Sistema de Informações em Vigilância Sanitária - SIVISA PORTARIA CVS Nº 01, de 22 de janeiro 2007 Dispõe sobre o Sistema Estadual de Vigilância Sanitária (SEVISA), define o Cadastro Estadual de Vigilância Sanitária (CEVS) e os procedimentos administrativos

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

Identificação da Prestadora Prestadora de Pequeno Porte? ( ) Sim ( ) Não

Identificação da Prestadora Prestadora de Pequeno Porte? ( ) Sim ( ) Não Identificação da Prestadora Razão Social Prestadora de Pequeno Porte? ( ) Sim ( ) Não Grupo Econômico Serviço(s) Explorado(s) pelo Grupo Econômico ( ) Concessionária do STFC ( ) Prestadora do SMP ( ) Outros.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 742ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 742ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 742ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR DATA: 22 de maio de 2014 HORÁRIO: 15:00h LOCAL: SALA DE REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR - SAUS - QUADRA 06 - BLOCO H -

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012 ANEXO À RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012 PROCEDIMENTOS PARA LICENCIAMENTO DE ESTAÇÕES DE RADIOCOMUNICAÇÃO ASSOCIADAS À PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DESTINADO AO USO DO PÚBLICO EM GERAL - STFC

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências.

Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. DECRETO N o 3.474, DE 19 DE MAIO DE 2000. Regulamenta a Lei nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, que institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL

BANCO CENTRAL DO BRASIL 1 DECRETO-LEI Nº 2.321 25 DE FEVEREIRO DE 1987 Institui, em defesa das finanças públicas, regime de administração especial temporária, nas instituições financeiras privadas e públicas não federais, e dá

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO.

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. Objeto O objeto do presente Contrato é a prestação, pela EMBRATEL, do Serviço Telefônico Fixo

Leia mais

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte,

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte, LEI Nº 302/05 "DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS" O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que

Leia mais

Decreto nº 50.446/09 Município de São Paulo. Foi publicado no Diário Oficial do Município de São Paulo o Decreto Nº 50.446, de 20 de fevereiro de

Decreto nº 50.446/09 Município de São Paulo. Foi publicado no Diário Oficial do Município de São Paulo o Decreto Nº 50.446, de 20 de fevereiro de Decreto nº 50.446/09 Município de São Paulo. Foi publicado no Diário Oficial do Município de São Paulo o Decreto Nº 50.446, de 20 de fevereiro de 2009 que regulamenta o transporte de produtos perigosos

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015

CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas cooperativas de crédito para instrução de processos referentes a pedidos de autorização e dá outras providências.

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DO NORTE MT CNPJ.: 03.238.672/0001-28

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DO NORTE MT CNPJ.: 03.238.672/0001-28 DECRETO Nº. 810/2015, DE 03 DE FEVEREIRO DE 2015 Regulamenta o estágio de estudantes em órgãos municipais, com base na Lei Federal nº 11.788, de 25 de setembro de 2008, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 272, DE 9 DE AGOSTO DE 2001 REGULAMENTO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA. TÍTULO I Das Disposições Gerais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 272, DE 9 DE AGOSTO DE 2001 REGULAMENTO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA. TÍTULO I Das Disposições Gerais ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 272, DE 9 DE AGOSTO DE 2001 REGULAMENTO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA TÍTULO I Das Disposições Gerais CAPÍTULO I Do Objetivo e da Abrangência Art. 1º Este Regulamento tem por

Leia mais

Art. 1º - Aprovar Norma que Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Vale do Rio Doce- UNIVALE.

Art. 1º - Aprovar Norma que Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Vale do Rio Doce- UNIVALE. Resolução CONSEPE: Nº. 049/2014 Aprova Norma que Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Vale do Rio Doce. O Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Universidade Vale do Rio Doce

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PORTARIA Nº 693, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2014

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PORTARIA Nº 693, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PORTARIA Nº 693, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2014 Estabelece regras e critérios de execução e monitoramento do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico

Leia mais

PLANO BÁSICO DE SERVIÇO LOCAL - STFC

PLANO BÁSICO DE SERVIÇO LOCAL - STFC PLANO BÁSICO DE SERVIÇO LOCAL - STFC Este Plano Básico de Serviço visa oferecer aos assinantes do Serviço de Telefonia Fixa Comutada (STFC), a possibilidade de realizar chamadas na modalidade Local, através

Leia mais

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA, cuja instituição foi autorizada pela Lei Complementar nº

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO Art. 1º - O presente regulamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013 Dispõe sobre o Regulamento sobre Movimentação de servidores no âmbito do Instituto Federal Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Circular 641/2014 São Paulo, 12 de Dezembro de 2014.

Circular 641/2014 São Paulo, 12 de Dezembro de 2014. Circular 641/2014 São Paulo, 12 de Dezembro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) FINANCIAMENTO PARA A AMPLIAÇÃO DO ACESSO AO TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS (TCTH) ALOGÊNICO NÃO APARENTADO

Leia mais

PARECER DO RELATOR DESIGNADO PARA MANIFESTAR-SE PELA COMISSÃO ESPECIAL INCUMBIDA DA APRECIAÇÃO DA MATÉRIA

PARECER DO RELATOR DESIGNADO PARA MANIFESTAR-SE PELA COMISSÃO ESPECIAL INCUMBIDA DA APRECIAÇÃO DA MATÉRIA 1 PARECER DO RELATOR DESIGNADO PARA MANIFESTAR-SE PELA COMISSÃO ESPECIAL INCUMBIDA DA APRECIAÇÃO DA MATÉRIA SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 2.057, DE 2003 (Apensos os Projetos de Lei nº 2.633, de 2003;

Leia mais

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004 HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 REVOGADA RESOLUÇÃO Nº 145/04 Palmas, 08 de dezembro de 2004 Fixa normas para criação e autorização de funcionamento de instituições de educação

Leia mais

1. OBJETIVO 2. ESCOPO

1. OBJETIVO 2. ESCOPO Rua Bela Cintra, 881 01415-910 São Paulo SP Brasil Telefone: (11) 3150 1800 Fac-símile: (11) 231 2694 www.deloitte.com.br 1. OBJETIVO Avaliar se a empresa, Telecomunicações de São Paulo S.A. TELESP, dentro

Leia mais

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte Poder Executivo

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte Poder Executivo LEI Nº 4311, DE 28 DE ABRIL DE 2014 Dispõe sobre a qualificação de entidades sem fins lucrativos como organizações sociais e adota outras providências O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE,. FAÇO

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI LEI Nº 701/2012

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI LEI Nº 701/2012 LEI Nº 701/2012 Dispõe sobre a política de apoio e de incentivo ao esporte amador no município de alto taquari e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Alto Taquari/MT, Maurício Joel de Sá, no

Leia mais

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas RESOLUÇÃO DO CONSEPE Nº 12/2010 Aprova o Regulamento das Atividades de Estágio do Curso de Engenharia de Produção da FSSS e dá outras Providências. A PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-

Leia mais

Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática

Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Audiência Pública Valores dos Serviços de Telecomunicações Ministério das Comunicações Consultor Jurídico Marcelo Bechara

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições,

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições, CONSELHOS COMUNITÁRIOS Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHOS COMUNITÁRIOS ORGAO COLEGIADO GABINETE DO PREFEITO Tornar os cidadãos parte ativa no exercício do governo, mediante

Leia mais

INSTITUTO DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE DO SERVIDOR PÚBLICO DE SENADOR CANEDO ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE SENADOR CANEDO ANEXO IX

INSTITUTO DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE DO SERVIDOR PÚBLICO DE SENADOR CANEDO ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE SENADOR CANEDO ANEXO IX ANEXO IX CONTRATO Nº -----/2015 CONTRATO DE CREDENCIAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM CONSULTAS MÉDICAS, S.A.D.T. E CIRURGIAS DOS SERVIDORES DO MUNICIPIO DE SENADOR CANEDO CELEBRADO ENTRE O IAMESC E A

Leia mais

Telecomunicações de São Paulo S/A

Telecomunicações de São Paulo S/A INSTRUMENTO PARTICULAR DE LICENÇA ONEROSA DE USO DA RELAÇÃO DE ASSINANTES No. Telecomunicações de São Paulo S/A - TELESP, com sede na Capital do Estado de São Paulo, na Rua Martiniano de Carvalho, n.º

Leia mais

DECRETO Nº 728, DE 14 DE MARÇO DE 2016

DECRETO Nº 728, DE 14 DE MARÇO DE 2016 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 728, DE 14 DE MARÇO DE 2016 Regulamenta a Lei nº 9.498, de 19 de novembro de 2014, que dispõe sobre a cobrança de preço público decorrente da prestação de serviços de

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE XINGUARA, Estado do Pará, faz saber que a câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte lei.

O PREFEITO MUNICIPAL DE XINGUARA, Estado do Pará, faz saber que a câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte lei. DO DO PARÁ LEI Nº 877/13 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013. Institui a Política Municipal de Saneamento Básico, e o Plano de Saneamento Básico (PMSB) do Município de Xinguara-Pa e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

b) Guia DARE devidamente recolhida de acordo com a Deliberação Jucesp nº 01 de 18/03/2015;

b) Guia DARE devidamente recolhida de acordo com a Deliberação Jucesp nº 01 de 18/03/2015; PROCEDIMENTOS PARA ESTABELECIMENTO DE ARMAZÉNS GERAIS E ALTERAÇÕES POSTERIORES, NOS TERMOS DO DECRETO Nº 1102/1903 E DA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 17/2013 DO DREI. A empresa regularmente constituída e com

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES Art. 1º. Para os fins deste Código de Regulação e Melhores

Leia mais

PROJETO DE LEI N., DE DE FEVEREIRO DE 2007. (Do Senhor Dep. Paulo Bornhausen) CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

PROJETO DE LEI N., DE DE FEVEREIRO DE 2007. (Do Senhor Dep. Paulo Bornhausen) CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS PROJETO DE LEI N., DE DE FEVEREIRO DE 2007. (Do Senhor Dep. Paulo Bornhausen) Dispõe sobre a organização e exploração das atividades de comunicação social eletrônica e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO Nº 454, DE 22 DE JANEIRO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO Nº 454, DE 22 DE JANEIRO DE 2015 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO Nº 454, DE 22 DE JANEIRO DE 2015 O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 22 da Lei

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS MINUTA Processo nº... TERMO DE COMPROMISSO n.º.... RELATIVO À PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PUBLICITÁRIOS NÃO REMUNERADOS QUE ENTRE SI CELEBRAM A ESCOLA/FACULDADE... - E O TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS

Leia mais

CIRCULAR N 3.172. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.611 de 31/10/2012.

CIRCULAR N 3.172. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.611 de 31/10/2012. CIRCULAR N 3.172 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.611 de 31/10/2012. Estabelece procedimentos relativamente ao exercício de cargos em órgãos estatutários de instituições financeiras e demais

Leia mais

PORTARIA MJ Nº 2.523, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 18.12.2008. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso das suas atribuições, resolve:

PORTARIA MJ Nº 2.523, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 18.12.2008. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso das suas atribuições, resolve: PORTARIA MJ Nº 2.523, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 18.12.2008 O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso das suas atribuições, resolve: Art. 1º Aprovar as Normas Procedimentais da Comissão de Anistia, na

Leia mais

RESOLUÇÃO CFFa nº 446, de 26 de abril de 2014 (*)

RESOLUÇÃO CFFa nº 446, de 26 de abril de 2014 (*) RESOLUÇÃO CFFa nº 446, de 26 de abril de 2014 (*) Dispõe sobre o registro de Pessoas Jurídicas nos Conselhos Regionais de Fonoaudiologia, e dá outras providências. O Conselho Federal de Fonoaudiologia-CFFa,

Leia mais

Decreto n 7.084/2010 Programa Nacional do Livro- Didático PNLD.

Decreto n 7.084/2010 Programa Nacional do Livro- Didático PNLD. Decreto n 7.084/2010 Programa Nacional do Livro- Didático PNLD. DECRETO Nº 7.084, DE 27 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os programas de material didático e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

PLANO BÁSICO DE SERVIÇO LONGA DISTÂNCIA NACIONAL - STFC

PLANO BÁSICO DE SERVIÇO LONGA DISTÂNCIA NACIONAL - STFC PLANO BÁSICO DE SERVIÇO LONGA DISTÂNCIA NACIONAL - STFC Este Plano Básico de Serviço visa oferecer aos assinantes do Serviço de Telefonia Fixa Comutada (STFC), a possibilidade de realizar chamadas na modalidade

Leia mais

INSTRUMENTO DE TERMO DE COMPROMISSO QUE CELEBRAM ENTRE SI O MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES, A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES,

INSTRUMENTO DE TERMO DE COMPROMISSO QUE CELEBRAM ENTRE SI O MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES, A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES, INSTRUMENTO DE TERMO DE COMPROMISSO QUE CELEBRAM ENTRE SI O MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES, A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES, E O GRUPO SERCOMTEL, COM A FINALIDADE DE ADERIR AOS OBJETIVOS DO PLANO NACIONAL

Leia mais

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O CENTRO DE INTEGRAÇÃO EMPRESA-ESCOLA DO RIO GRANDE DO SUL CIEE/RS 091/2007- SEF O MUNICIPIO DE PASSO FUNDO, pessoa jurídica de

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA TOMADA DE PREÇOS N 003/2013 PROCESSO Nº 013/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA I DO OBJETO 1.1 Contratação de empresa especializada na prestação de serviços de reserva, emissão, marcação, remarcação, endosso

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O nº 1060/05

R E S O L U Ç Ã O nº 1060/05 TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA R E S O L U Ç Ã O nº 1060/05 Estabelece normas para a apresentação da documentação mensal da receita e despesa e da prestação de contas anual de Prefeituras

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO FISIOTERAPIA

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO FISIOTERAPIA REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO FISIOTERAPIA Capítulo I - Do Conceito Art. 1º - O Estágio não obrigatório do Curso de Fisioterapia da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG) é aquele

Leia mais

DECRETO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

DECRETO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DECRETO Nº 2.537 DE 13 DE MARÇO DE 2013 REGULAMENTA O FUNDO MUNICIPAL DE APOIO Á POLÍTICA DO IDOSO-FUMAPI, CRIADO PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 033/2003, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito do Município de

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS Art. 1º Este regulamento aplica os procedimentos e os princípios observados pelo Instituto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VINHEDO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDITAL SEDUC Nº 06/2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE VINHEDO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDITAL SEDUC Nº 06/2015 EDITAL SEDUC Nº 06/2015 Dispõe sobre as regras do Processo Público Seletivo Simplificado para a contratação, por prazo determinado, de Professores Substitutos, de Básica I e II; e Especial A PREFEITURA

Leia mais

L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2.

L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2. L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2. Disciplina o serviço de transporte de passageiros em veículos de aluguel (táxi). A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE ITAQUIRAÍ, ESTADO DE MATO GROSSO

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DA LINHA DA SUPER ECONOMIA

CONTRATO DE ADESÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DA LINHA DA SUPER ECONOMIA CONTRATO DE ADESÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DA LINHA DA SUPER ECONOMIA Por este instrumento, em que são partes: de um lado a TELEFÔNICA BRASIL S.A., concessionária do Serviço Telefônico Fixo Comutado,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SRH Nº. 005/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SRH Nº. 005/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA DO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SRH Nº. 005/2015 VERSÃO: 01 DISPÕE SOBRE TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO DE PESSOAL NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE VENDA NOVA DO

Leia mais