Enfermagem. Imunização 2016

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Enfermagem. Imunização 2016"

Transcrição

1 Enfermagem Imunização 2016

2 Imunização O tema imunização sempre está presente nas provas de enfermagem, sendo complexo de ser estudado em decorrência dos inúmeros detalhes e atualizações constantes. Esta aula proporcionar-lhe-á um entendimento completo desse tema como foco nas provas de concursos públicos. Todas as informações e conteúdos abordados estão atualizados de acordo com a última edição do Manual de Imunização do Ministério da Saúde, publicado no fim de Atenção: O conteúdo referente à Sala de Vacina foi ATUALIZADO conforme o Manual de Normas e Procedimentos para Vacinação (2014), Notas Técnicas de 2015 sobre as vacinas contra HPV e Influenza e Nota Informativa do PNI nº 149 de 20/10/2015 (que reformulou o calendário de vacinação para 2016). Fiquem atentos, pois algumas bancas podem cobrar a regra antiga. Boa aula! Profº. Rômulo Passos Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 1

3 1 - Sala de Vacina Vejamos abaixo algumas orientações importantes para fins de concurso sobre a Sala de Vacina: Em referência à organização dos imunobiológicos dentro dos equipamentos de refrigeração na sala de vacina, considera-se o seguinte: Os serviços que dispõem de câmara refrigerada para o armazenamento e conservação dos imunobiológicos podem organizar as vacinas em qualquer prateleira, sem a necessidade de separá-las por tipo (atenuada ou inativada, viral ou bacteriana), haja vista que a temperatura é uniforme em todos os pontos no interior do equipamento. É importante identificar todos os itens para evitar trocas inadvertidas. Para os serviços que ainda utilizam refrigeradores domésticos para o armazenamento e conservação dos imunobiológicos é importante ressaltar que por não atender aos critérios de segurança e qualidade, o refrigerador de uso doméstico não é mais recomendado para o armazenamento de imunobiológicos. As instâncias que ainda utilizam tais equipamentos devem proceder, no menor prazo possível, à substituição gradativa por câmaras refrigeradas cadastradas pela ANVISA, (Manual da Rede de Frio/2013 página 69). Em relação aos refrigeradores domésticos utilizados para o armazenamento e conservação dos imunobiológicos, observar o seguinte: Monitorar a temperatura do equipamento pelo menos duas vezes ao dia (antes do início e no final da jornada de trabalho). Identificar a localização do evaporador ou da entrada de ar refrigerado no interior da câmara (é variável de acordo com marca/modelo), NÃO POSICIONAR os frascos de imunobiológicos nas proximidades deste(s) ponto(s). Essas regiões sofrem variações de temperatura e, eventualmente, podem submeter os insumos à temperatura negativa, comprometendo as características certificadas pelo laboratório produtor. Organizar os imunobiológicos por tipo (viral ou bacteriano), acondicioná-los em bandejas (perfuradas ou não. Nas perfuradas há a facilidade da circulação do fluxo do ar.) e armazená-los na segunda e na terceira prateleiras, colocando na frente os produtos com prazo de validade mais curto para que sejam utilizados antes dos demais. Atenção especial para não colocar próximas as vacinas com rotulagem semelhante, a Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 2

4 fim de minimizar os erros de imunização com a troca dos produtos. Também não é recomendado armazenar vacinas na porta do refrigerador. Não é necessário retirar a gaveta do compartimento inferior do refrigerador. Neste espaço, colocar garrafas contendo água misturada a um corante (azul de metileno, anil, violeta de genciana), para auxiliar a manutenção da temperatura no interior do refrigerador. Colocar as garrafas dispostas de maneira a permitir a circulação do ar frio entre elas. Não substituir as garrafas por bobinas reutilizáveis. Acrescenta-se ainda que o Manual de Normas e Procedimentos para Vacinação (2014) explicita que, nos refrigeradores de uso doméstico, os imunobiológicos devem ser acondicionados em bandejas e estas devem ser colocadas na segunda e terceira prateleiras. Esta publicação menciona apenas que as vacinas devem ser organizadas por tipo (viral ou bacteriano) sem, contudo, identificar qual imunobiológico deve ficar em qual prateleira. Assim, como sugestão para a organização dos imunobiológicos, apresenta-se o seguinte: Na segunda prateleira acondicionar bandeja com as vacinas virais tais como a tríplice viral, tetra viral, febre amarela, VIP e VOP, varicela, hepatite A, hepatite B, HVP, influenza e raiva humana. Na terceira prateleira acondicionar bandeja com as vacinas bacterianas como a BCG, penta, DTP, dt, dtpa, pneumo 10, pneumo 23, meningo C. Acondicionar também nesta prateleira os diluentes das vacinas. Atenção especial ao acondicionar vacinas com rotulagem semelhante a fim de evitar os erros de imunização. Atentar também para o prazo de validade definido pelo laboratório produtor para que sejam utilizados os produtos com validade mais próxima. Colocar o equipamento distante de fonte de calor, como estufa e autoclave, e fora do alcance de raios solares; Nivelar os equipamentos adequadamente; Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm, de modo a permitir a livre circulação do ar; Usar tomada exclusiva para cada equipamento, é proibido o uso de "T"; Os equipamentos devem permanecer com a temperatura interna preferencialmente de +5ºC, ponto ideal, mínima de +2º C e máxima de +8º C. Usar os equipamentos, única e exclusivamente para conservar imunobiológicos; Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 3

5 Certificar-se de que a porta está vedando adequadamente. Usando uma tira de papel com 3 cm de largura aproximadamente coloca-se entre a borracha da porta e o equipamento, se ao puxar o papel a borracha apresentar resistência, a vedação está adequada. Este teste deve ser feito em vários pontos da porta, especialmente nos quatro ângulos; Não é recomendada a utilização de refrigerador duplex em sala de vacina, pois este tipo de equipamento não mantém a temperatura preconizada, uma vez que os dois compartimentos estão separados e a câmara de estoque de imunobiológicos não possui evaporador. A limpeza do refrigerador é um procedimento importante para manter as condições ideais de conservação dos imunobiológicos. Deve ser feita a cada 15 dias ou quando a camada de gelo do congelador atingir 0,5 cm. Após a limpeza do refrigerador, as portas devem ser mantidas fechadas por um período de uma a três horas (dependendo do tipo de refrigerador). Mas, cuidado! Antes de recolocar os imunobiológicos na geladeira, deve-se verificar se a temperatura interna está entre +2 ºC e +8 ºC, sendo ideal +5 ºC. Em caso de falta de energia elétrica, se a temperatura do refrigerador chegar 7º C, os imunobiológicos devem ser transferidos para caixa térmica. Resumo - Sala de Vacina Equipamento distante de fonte de calor e raios solares; Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Usar tomada exclusiva para cada equipamento; Temperatura interna preferencialmente de +5ºC, > de +2º C e < de +8º C; Verificar a temperatura 2 vezes ao dia; Usar os equipamentos exclusivamente para conservar imunobiológicos. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 4

6 Refrigerador duplex Não é recomendado Limpeza do refrigerador feita a cada 15 dias ou camada de gelo 0,5 cm. Falta de energia elétrica temperatura a 7º C, os imunobiológicos em caixa térmica Vejamos na figura abaixo, como os imunobiológicos ficam organizados no refrigerador: Amigo (a), é importante destacar que, na porta e na gaveta da parte de baixo do refrigerador, não se deve colocar imunobiológicos, pois quando a porta é aberta estas áreas são as primeiras a sofrerem o impacto da temperatura ambiente. O controle da temperatura dos equipamentos que armazenam imunobiológicos em todas as instâncias da rede de frio é feito mediante a verificação sistemática dos termômetros. Na sala de vacinação, nos postos de vacinação fixos e volantes, por ocasião das atividades extramuros em campanhas, intensificações e bloqueios, bem Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 5

7 como no transporte, os imunobiológicos devem ficar entre +2 ºC e +8 ºC (ideal + 5 ºC), que é a temperatura a ser mantida no interior do refrigerador e de caixas térmicas. Para verificar e controlar a temperatura, são utilizados os seguintes termômetros: Termômetro analógico de momento e de máxima e mínima (capela); Termômetro digital de momento e de máxima e mínima, com cabo extensor; Termômetro digital de momento e de máxima e mínima, com cabo extensor e dois visores; Termômetro analógico de cabo extensor; Termômetros a laser. O termômetro linear fornece apenas a temperatura do momento. Por isso, seu uso não é aconselhável para o monitoramento da temperatura no interior dos refrigeradores ou de caixas térmicas. O termômetro mais recomendado para ser usado nos equipamentos da rede de frio é o de momento e de máxima e mínima, pois pode-se verificar a temperatura máxima, a temperatura mínima ocorrida em um espaço de tempo e a temperatura no momento da verificação. A título de exemplo, vamos verificar como funciona o termômetro analógico de momento e de máxima e mínima (capela). O termômetro analógico de momento e de máxima e mínima (ver figura abaixo) contém duas colunas verticais de mercúrio com escalas inversas. É utilizado para verificar as variações de temperatura, num período de tempo preestabelecido, oferecendo três tipos de informação: a temperatura mínima (mais fria); a temperatura máxima (mais quente); e a temperatura do momento. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 6

8 Figura - Termômetro analógico de momento e de máxima e mínima capela (Brasil, 2001). O termômetro de aferição da temperatura máxima e mínima deve permanecer sempre na posição vertical. Isso é obvio! Vejamos uma questão sobre o tema: 1. (Prefeitura de Alagoa Grande-PB/IBFC/2014) Na primeira prateleira da geladeira de vacinas devem ser armazenados os imunobiológicos que ser submetidos à temperatura negativa. As vacinas contra e são exemplos de imunobiológicos que devem ser armazenados na primeira prateleira. Assinale a alternativa que completa correta e respectivamente as lacunas. a) Não podem / Pneumococo / Vacina oral da poliomielite. b) Não podem / BCG / Febre Amarela. c) Podem / Dupla Adulto / Hepatite B. d) Podem / Febre Amarela / SCR (Sarampo, Caxumba e Rubéola). COMENTÁRIOS: De acordo com a regra antiga, as bandejas com imunobiológicos devem ser colocadas nas prateleiras, da seguinte maneira: Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 7

9 De acordo com o novo Manual de Normas e Procedimentos para Vacinação (2014), nos refrigeradores de uso doméstico, os imunobiológicos devem ser acondicionados em bandejas e estas devem ser colocadas na segunda e terceira prateleiras. Esta publicação menciona apenas que as vacinas devem ser organizadas por tipo (viral ou bacteriano) sem, contudo, identificar qual imunobiológico deve ficar em qual prateleira. Assim, como sugestão para a organização dos imunobiológicos, apresenta-se o seguinte: Na segunda prateleira acondicionar bandeja com as vacinas virais tais como a tríplice viral, tetra viral, febre amarela, VIP e VOP, varicela, hepatite A, hepatite B, HVP, influenza e raiva humana. Na terceira prateleira acondicionar bandeja com as vacinas bacterianas como a BCG, penta, DTP, dt, dtpa, pneumo 10, pneumo 23, meningo C. Acondicionar também nesta prateleira os diluentes das vacinas. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 8

10 Observe que a banca cobrou a regra antiga da organização do refrigerador. Portanto, são exemplos de imunobiológicos que poderiam ser armazenados na primeira prateleira da geladeira de estocagem de vacinas: vacina poliomielite; vacina sarampo, caxumba, rubéola (tríplice viral); vacina sarampo e rubéola (dupla viral) e vacina febre amarela. Nessa tela, o gabarito foi a letra D. 2 - Imunidade A imunização ativa ocorre quando o próprio sistema imune do indivíduo, ao entrar em contato com uma substância estranha ao organismo, responde produzindo anticorpos e células imunes (linfócitos T). Esse tipo de imunidade geralmente dura por vários anos, às vezes, por toda uma vida. Os dois meios de se adquirir imunidade ativa são contraindo uma doença infecciosa e a vacinação. A imunização passiva é obtida pela transferência ao indivíduo de anticorpos produzidos por um animal ou outro ser humano. Esse tipo de imunidade produz uma rápida e eficiente proteção, que, contudo, é temporária, durando em média poucas semanas ou meses. A imunidade passiva natural é o tipo mais comum de imunidade passiva, sendo caracterizada pela passagem de anticorpos da mãe para o feto através da placenta e também pelo leite. Essa transferência de anticorpos ocorre nos últimos 2 meses de gestação, de modo a conferir uma boa imunidade à criança durante seu primeiro ano de vida. A imunidade passiva artificial pode ser adquirida sob três formas principais: Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 9

11 a imunoglobulina humana combinada, a imunoglobulina humana hiperimune e o soro heterólogo. A transfusão de sangue é uma outra forma de se adquirir imunidade passiva, já que, virtualmente, todos os tipos de produtos sanguíneos (i.e. sangue total, plasma, concentrado de hemácias, concentrado de plaquetas, etc.) contêm anticorpos. Imunização Ativa Produzida pelo próprio sistema imune do indivíduo; Apresenta duração de vários anos, às vezes, de toda uma vida; Pode ser adquirida, contraindo uma doença infecciosa e pela vacinação. Passiva Obtida pela transferência ao indivíduo de anticorpos produzidos por um animal ou outro ser humano; Produz uma rápida e eficiente proteção, mas temporária, durando em média poucas semanas ou meses. A imunidade passiva natural é caracterizada pela passagem de anticorpos da mãe para o feto através da placenta e também pelo leite. A imunidade passiva artificial pode ser adquirida sob três formas principais: a imunoglobulina humana combinada, a imunoglobulina humana hiperimune e os soros (ex.: soro antiofídico e soro antirrábico). Vejamos no esquema abaixo as principais informações sobre imunidade: Imunidade Ativa Passiva natural artificial natural artificial doença vacina Anticorpos de outros organismos Anticorpos de outros organismos 2. (AVAPE/Consulplan/2013) Sobre os princípios da imunidade e o uso dos imunobiológicos, marque a alternativa correta. a) As vacinas conferem ao organismo imunidade passiva artificialmente adquirida. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 10

12 b) Na imunidade ativa, o organismo produz anticorpos específicos contra determinado antígeno. c) Os anticorpos obtidos pelo recém-nascido, por meio da mãe, é um exemplo de imunidade ativa. d) As imunoglobulinas e os soros são produzidos a partir de antígenos ou pelo produto de antígenos. e) A duração da proteção conferida pelos soros é relativamente mais duradoura do que pelas vacinas. COMENTÁRIOS: Vamos analisar os itens da questão: Item A. Incorreto. As vacinas conferem ao organismo imunidade ativa. Por outro lado, os soros e imunoglobulinas conferem ao organismo imunidade passiva artificialmente adquirida. Item B. Correto. Na imunidade ativa (doenças infecciosas, a exemplo da varicela, e vacinas), o organismo produz anticorpos específicos contra determinado antígeno. Item C. Incorreto. Os anticorpos obtidos pelo recém-nascido, por meio da mãe, é um exemplo de imunidade passiva natural, e não ativa. Item D. Incorreto. As imunoglobulinas e os soros são produzidos pela transferência ao indivíduo de anticorpos produzidos por um animal ou outro ser humano, e não por antígenos. Item E. Incorreto. A duração da proteção conferida pelos soros é relativamente menos duradoura do que pelas vacinas. Nessa tela, o gabarito da questão é a letra B. 3 - Vacina BCG A vacina BCG (bacilo de Calmette e Guerin) é indicada para prevenir as formas graves da tuberculose (miliar e meníngea) nos menores de cinco anos, mais frequentemente nos menores de um ano. A vacina é administrada nas primeiras 12 horas de vida, preferencialmente na maternidade ou na primeira visita do bebê à unidade de saúde, considerando que quanto menor a idade maior a eficácia da vacina. Atenção! Na rotina dos serviços, a vacina é disponibilizada para crianças até 4 anos 11 meses e 29 dias ainda não vacinadas. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 11

13 BCG em Indivíduos Expostos ao HIV NOVO Curso Completo de Enfermagem para Concursos 2016 Crianças vacinadas na faixa etária preconizada que não apresentam cicatriz vacinal após 6 meses da administração da vacina, revacinar apenas uma vez. A vacina BCG é administrada por via intradérmica. O volume de cada dose corresponde a 0,1 ml, rigorosamente, para evitar complicações. Como deve ser a vacinação BCG de indivíduos expostos ao HIV? Crianças filhas de mãe HIV positiva podem receber a vacina o mais precocemente possível até os 18 meses de idade, se assintomáticas e sem sinais de imunodeficiência; Crianças com idade entre 18 meses e 4 anos 11 meses e 29 dias, não vacinadas, somente podem receber a vacina BCG após sorologia negativa para HIV; para estes indivíduos, a revacinação é contraindicada; A partir dos 5 anos de idade, indivíduos portadores de HIV não devem ser vacinados, mesmo que assintomáticos e sem sinais de imunodeficiência. Entretanto, os portadores de HIV que são contatos intradomiciliares de paciente com hanseníase devem ser avaliados do ponto de vista imunológico para a tomada de decisão. Pacientes sintomáticos ou assintomáticos com contagem de LT CD4+ abaixo de 200/mm 3 não devem ser vacinados. Até os 18 m, se assintomáticas e sem sinais de imunodeficiência Entre 18 meses até 5 anos, não vacinadas > 5 a, HIV + podem receber a vacina BCG após sorologia de HIV - não devem ser vacinados. Atenção! A administração da vacina BCG deve ser adiada quando a criança apresentar peso inferior a 2 kg, devido à escassez do tecido cutâneo (panículo adiposo) e quando apresentar lesões graves de pele. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 12

14 A vacina BCG é utilizada, também, para a pessoa que é comunicante de paciente de hanseníase (contato intradomiciliar), com o objetivo de propiciar proteção cruzada contra a doença, adotando esquema diferenciado. O esquema de vacinação com a BCG corresponde a uma dose, a partir do nascimento. Fique Ligado! Na ausência da cicatriz, é indicada a revacinação seis meses após a primeira dose (intervalo mínimo); A revacinação, no entanto, só pode ser feita até uma vez, já que a ausência de cicatriz não significa necessariamente que a pessoa não está imunizada; Os recém-nascidos contatos de indivíduos bacilíferos deverão ser vacinados somente após o tratamento da infecção latente da tuberculose ou a quimioprofilaxia. Ao administrar dose adicional em contato de paciente de hanseníase, respeite o intervalo de seis meses da dose anterior. Administre um pouco acima (± 1 cm) da cicatriz existente. Em gestante contato de indivíduo portador de hanseníase, a vacinação com BCG deve ser adiada para depois do parto. A realização do teste tuberculínico é dispensável, antes ou depois da administração da vacina BCG, inclusive para os contatos de pacientes de hanseníase. No caso de contato intradomiciliar de paciente com diagnóstico de hanseníase, que não apresenta sinais e sintomas, independente de ser paucibacilar (PB) ou multibacilar (MB), o esquema de vacinação deve considerar a história vacinal do contato, da seguinte forma: Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 13

15 Menores de 1 ano de idade Não vacinados: administrar uma dose de BCG. Comprovadamente vacinados: não administrar outra dose de BCG. Comprovadamente vacinados que não apresentem cicatriz vacinal: administrar uma dose de BCG seis meses após a última dose. A partir de 1 ano de idade Sem cicatriz: administrar uma dose Vacinados com uma dose: administrar outra dose de BCG, com intervalo mínimo de seis meses após a dose anterior. Vacinados com duas doses: não administrar outra dose de BCG. Para não termos dúvidas, vejamos o esquema abaixo: Não vacinados 1 dose < 1 ano Vacinados Não faz BCG contatos HAS Vacinados sem cicatriz Sem cicatriz 1 dose 6 meses após 1 dose > 1 ano Vacinados Vacinados com 2 doses 1 dose 6 meses após Não faz Notas sobre a administração da vacina BCG: A administração da vacina é feita na região do músculo deltóide, no nível da inserção inferior, na face externa superior do braço direito. O uso do braço direito tem por finalidade facilitar a identificação da cicatriz em avaliações da atividade de vacinação. O bisel da agulha deve estar voltado para cima; A seringa deve formar com o braço um ângulo de 15º; A dose da vacina deve ser de 0,1ml, exatamente; Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 14

16 O procedimento correto na introdução da agulha no local indicado (formando um ângulo de 15º) e a administração da dose exata (0,1ml) previnem complicações. Figura - Visualização da pápula após a vacinação com a BCG (SESAB, 2011). Notas sobre a administração intradérmica: Quando necessário, a limpeza da pele deve ser feita com água e sabão; O álcool comum não deve ser utilizado pela sua baixa volatilidade (demora a secar) e pelo baixo poder antisséptico; Na injeção intradérmica, especialmente, o uso do álcool não é indicado para evitar uma possível interação com o líquido injetável, em face da presença dos poros e pelo fato de o líquido ser depositado muito próximo da epiderme. Em situações excepcionais, quando não houver água e sabão (vacinação na zona rural e em ambiente hospitalar), utilizar o álcool a 70%; Quando for utilizado o álcool a 70% manter a fricção da pele por 30 segundos e, em seguida, esperar mais 30 segundos para a secagem e, só então, administrar o imunobiológico. Para não esquecermos, observe abaixo as principais informações sobre a vacina BCG: Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 15

17 Agora, vejamos algumas questões sobre o tema: 3. (HU-UFPI/EBESERH/IADES/2012) A vacina BCG (Bacilo Calmette Guérim) é usada na prevenção contra tuberculose, e está recomendada no calendário básico da criança da rede do Sistema Único de Saúde - SUS. Sobre o tema, assinale a alternativa correta. a) Uma dose de vacina BCG deve ser repetida na ausência de cicatriz em crianças menores de 5 (cinco) anos. b) Os contatos de portadores intradomiciliares de hanseníase maiores de 1 (um) ano necessitam de uma segunda dose de BCG. c) Pode-se administrar a terceira dose de BCG em pessoas em contato intradomiciliar com portadores de hanseníase, porém, somente quando não apresentar cicatriz. d) A vacina é contraindicada para crianças portadoras de HIV no nascimento. e) Podem ser vacinados com BCG os menores de 36 semanas. COMENTÁRIOS: Após apresentação dos principais aspectos da vacina BCG, vamos analisar cada assertiva da questão: Item A. Correto. Uma dose de vacina BCG deve ser repetida na ausência de cicatriz em crianças menores de cinco anos (4 anos, 11meses e 29 dias). Item B. Incorreto. Os contatos de portadores intradomiciliares de hanseníase maiores de um ano não necessitam obrigatoriamente de uma segunda dose de BCG. Por exemplo, caso o contato domiciliar tenha duas cicatrizes, não é necessário outra dose da BCG. Ressaltamos ainda que: Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 16

18 É necessário manter o intervalo mínimo de seis meses entre as doses da vacina; Os contatos com duas doses não administrar nenhuma dose adicional; Na incerteza da existência de cicatriz vacinal ao exame dos contatos íntimos de portadores de hanseníase, aplicar uma dose, independentemente da idade. Item C. Incorreto. A revacinação da BCG só pode ser feita até uma vez, já que a ausência de cicatriz não significa necessariamente que a pessoa não está imunizada. Nesse sentido, não se pode administrar a terceira dose de BCG em pessoas em contato intradomiciliar com portadores de hanseníase, mesmo quando não apresentar cicatriz. Item D. Incorreto. A vacinação BCG de indivíduos expostos ao HIV é feita da seguinte forma: Crianças filhas de mãe HIV positiva podem receber a vacina o mais precocemente possível até os 18 meses de idade, se assintomáticas e sem sinais de imunodeficiência; Crianças com idade entre 18 meses e 4 (quatro) anos 11 meses e 29 dias, não vacinadas, somente podem receber a vacina BCG após sorologia negativa para HIV; para estes indivíduos, a revacinação é contraindicada; A partir dos 5 anos, indivíduos portadores de HIV não devem ser vacinados, mesmo que assintomáticos e sem sinais de imunodeficiência. Atenção! Crianças filhas de mãe com HIV positivo, menores de 18 meses de idade, mas que não apresentam alterações imunológicas e não registram sinais ou sintomas clínicos indicativos de imunodeficiência, podem receber todas as vacinas dos calendários de vacinação e as disponíveis no Crie o mais precocemente possível. Portanto, em certos casos, a vacina não é contraindicada para crianças portadoras de HIV no nascimento. Item E. Incorreto. A vacina BCG deve ser administrada o mais precoce possível, preferencialmente após o nascimento. Contudo, nos prematuros com menos de 36 semanas, é recomendável administrar a vacina após atingir 2 Kg. Verificamos claramente que a alternativa correta é a letra A. Todavia, essa questão poderia ter sido anulada, pois a letra B foi redigida de forma incompleta e induziu o candidato ao erro. 4. (HU-UFS/EBSERH/Instituto AOCP/2014) Sobre a vacina BCG, assinale a alternativa correta. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 17

19 a) A vacina BCG é administrada com a finalidade principal de prevenir as formas graves da meningite. b) A idade de vacinação recomendada é a partir de 02 meses de vida, ou peso superior a 3,0 kg. c) A vacina BCG é preparada com vírus vivos, a partir de cepas atenuadas do Mycobacterium bovis. d) Na ausência da cicatriz vacinal é indicada a revacinação seis meses após a primeira dose. e) A realização do teste tuberculínico é indispensável, antes da administração da vacina BCG. COMENTÁRIOS: Vamos corrigir cada uma das assertivas: Item A. A vacina BCG é administrada com a finalidade principal de prevenir as formas graves da tuberculose, e não meningite. Item B. A idade de vacinação recomendada é a partir do nascimento. Em crinças com peso inferir a 2,0 kg, deve ser adiada. Item C. A vacina BCG é preparada com bactéria atenuada do Mycobacterium bovis. Item D. Na ausência da cicatriz vacinal é indicada a revacinação seis meses após a primeira dose. Item E. A realização do teste tuberculínico é recomendada em casos específicos, não sendo indispensável antes da administração da vacina BCG. Diante do exposto, a resposta só pode ser a letra D. 5. (Prefeitura de Várzea Alegre CE/2014/URCA) De acordo com BRASIL (2012), as orientações importantes para administração da BCGID na criança, são, EXCETO: a) Para os prematuros com menos de 36 semanas, administre a vacina depois que eles completarem 1 mês de vida e atingirem 2 Kg. b) Contatos intradomiciliares de portadores de hanseníase menores de 1 ano de idade comprovadamente vacinados não necessitam de outra dose da BCG. c) Para as crianças HIV positiva, ainda não vacinadas que chegam a unidade de saúde a vacina está indicada. d) Para contatos com duas doses, não se deve administrar nenhuma dose adcional. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 18

20 COMENTÁRIOS: A alternativa C é a incorreta. Veja que para as crianças, ainda não vacinadas, que chegam a unidade de saúde a vacina não está indicada nas seguintes situações: Crianças com idade entre 18 meses e 4 anos 11 meses e 29 dias, não vacinadas (HIV +). Por outro lado, nessa faixa etária, podem receber a vacina BCG se a sorologia for negativa para HIV; A partir dos 5 anos, indivíduos portadores de HIV não devem ser vacinados, mesmo que assintomáticos e sem sinais de imunodeficiência. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 19

21 4 - Vacinas Pentavalente, Tríplice Bacteriana (DTP), Difteria e Tétano (DT) Desde o 2º semestre de 2012, a nova vacina pentavalente agregou duas vacinas que eram administradas separadamente: a tetravalente (contra difteria, tétano, coqueluche e outras infecções pelo Haemophilus influenza tipo b) e a vacina contra a hepatite B. Vacina Pentavalente tetravalente (contra difteria, tétano, coqueluche e outras infecções pelo Haemophilus influenza tipo b); vacina contra a hepatite B. Além da pentavalente, a criança manterá os dois reforços com a vacina tríplice bacteriana - DTP (difteria, tétano, coqueluche). O primeiro reforço deverá ser administrado aos 15 meses e o segundo reforço aos 4 anos de idade. Os recém-nascidos continuam a receber a primeira dose da vacina hepatite B nas primeiras 24 horas de vida, preferencialmente nas primeiras 12 horas, para prevenir a transmissão vertical. Ou seja, há uma dose da vacina hepatite B (monovalente) cujo público alvo são as crianças com até 30 dias de vida, bem como outras crianças que já tinham esquema completo para tetravalente, mas não tinham para a Hepatite B. Como era antes? 1 - Tetravalente (contra difteria, coqueluche, tétano e outras infecções por Haemophilus influenza b) - vacina injetável em três doses (2, 4 e 6 meses). Reforço da tríplice bacteriana - DTP (incluída na tetravalente) aos 15 meses e aos 4 anos. Segue o antigo calendário da vacina tetravalente: 2 meses -> 4 meses -> 6 meses -> reforço da tríplice bacteriana (DTP) aos 15 meses -> reforço da DTP aos 4 anos. 2 - Hepatite B - vacina injetável aplicada ao nascer (ou na primeira visita à unidade de saúde), com 1 mês de vida e novamente aos 6 meses. Segue o antigo calendário da vacina contra hepatite B: ao nascer -> 1 mês -> 6 meses. Amigo(a), como é a regra atual do calendário de vacinação da pentavente e hepatite B? 1 - Pentavalente (contra hepatite B, difteria, coqueluche, tétano e outras infecções por Haemophilus influenza b) - vacina injetável aos 2, 4 e 6 meses. Reforço da tríplice bacteriana aos 15 meses e aos 4 anos. Segue o calendário da vacina pentavalente: 2 meses -> 4 meses -> 6 meses - > reforço da DTP aos 15 meses -> reforço da DTP aos 4 anos. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 20

22 2 - Hepatite B - com a inclusão na pentavalente, passa a ser aplicada sozinha apenas na criança ao nascer, de forma injetável, para evitar a transmissão vertical. Segue o calendário da hepatite B: ao nascer, podendo ser feita até o primeiro mês de vida da criança. Outras três doses dessa vacina foram incluídas na pentavalente (2, 4 e 6 meses). Atenção! Adolescente e adultos que não apresentam o esquema vacinal completo contra hepatite B (três doses) deverão seguir as regras anteriores, ou seja, devem receber até três doses. Em síntese, a pentavalente é composta pela vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis 1, hepatite B (recombinante) e Haemophilus influenzae tipo b (conjugada) - DTP/HB/Hib 2. É indicada para imunização ativa de crianças a partir de 2 meses de idade. difteria Vacina Pentavalente Triplice Bacteriana (DTP) hepatite B Haemophilus influenzae tipo b (conjugada) tétano coqueluche (pertussis) O Ministério da Saúde adquiriu a vacina pentavalente (DTP/HB/Hib) de dois laboratórios produtores, Novartis/Berna e Serum Institute of India Ltd. A vacina combinada é inteiramente líquida na forma de suspensão injetável apresentada em frasco ou ampola contendo 1 dose de 0,5mL. A vacinação básica consiste na aplicação de 3 doses, com intervalo de 60 dias (mínimo de 30 dias), a partir de 2 meses de idade. E indicada para a vacinação de crianças menores de 5 anos de idade como dose do esquema básico. Os dois reforços necessários serão realizados com a vacina DTP (difteria, tétano e pertussis). O primeiro reforço aos de 15 meses e o segundo reforço aos 4 anos. A idade máxima para aplicação da DTP é de 6 anos 11meses e 29 dias. 1 Pertússis, coqueluche ou tosse convulsa é uma doença altamente contagiosa e perigosa para crianças causada pelas bactérias Gram-negativas Bordetella pertussis e Bordetella parapertussis (geralmente com sintomas mais ligeiros), que causa tosse violenta contínua e dolorosa. A patologia é prevenível por vacinação. 2 Vacina pentavalente (DTP - difteria, tétano e coqueluche + HB - hepatite B + Hib - Haemophilus influenzae tipo b). Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 21

23 Ressalta-se também que fará parte deste esquema, para os recém-nascidos, a primeira dose nas primeiras 24 horas, preferencialmente nas primeiras 12 horas, com a vacina hepatite B (recombinante). A vacina pentavalente (DTP/HB/Hib) deve ser administrada na dose de 0,5 ml por via intramuscular, no vasto lateral da coxa, em crianças menores de 2 anos de idade e na região deltóide nas crianças acima de dois anos de idade. Deve ser evitada administração na região glútea, em razão da maior quantidade de tecido adiposo, situação em que a vacina não é inoculada no interior do músculo. Atenção! A vacina pentavalente é contraindicada para pessoas com 7 anos de idade ou mais. A vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis, conhecida como tríplice bacteriana (DTP), é indicada para a administração das duas doses de reforço, quando foi usada a vacina pentavalente no esquema básico. O objetivo da vacinação é prevenir contra a difteria, o tétano e a coqueluche (ou pertussis). A vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis é uma associação dos toxóides diftérico e tetânico com a Bordetella pertussis inativada, tendo o hidróxido de alumínio como adjuvante e o timerosal como preservativo. A vacinação com a vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis é indicada para o reforço do esquema básico, que, de modo geral, corresponde a uma dose com intervalo mínimo de seis meses depois da vacinação básica (pentavalente). Um segundo reforço é dado entre quatro anos e seis anos, 11 meses e 29 dias, preferencialmente aos 4 anos. Atenção! A vacina pentavalente é administrada aos 2, 4 e 6 meses. Em regra, o reforço da tríplice bacteriana (DTP) é feito aos 15 meses e aos 4 anos. Ao indicar a vacinação com a vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (DTP), considerar as doses administradas anteriormente e não reiniciar o esquema. Vejamos algumas observações sobre a DTP: O reforço pode ser administrado em qualquer idade (até os seis anos, onze meses e 29 dias), observando-se um intervalo mínimo de seis meses após a última dose da vacinação básica (pentavalente); Se o esquema básico não for iniciado ou completado até a idade de seis anos, onze meses e 29 dias, as doses necessárias serão aplicadas com a vacina adsorvida difteria e tétano adulto (dt) em lugar da vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (DTP); Caso a criança esteja com quatro anos ou mais e não tenha recebido Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 22

24 o primeiro reforço, não é necessário administrar dois reforços, mas apenas um na ocasião do atendimento, seguindo-se o esquema de uma dose da vacina difteria e tétano adulto, a cada 10 anos. A vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (DTP) é administrada por via intramuscular profunda. Em regra, a vacina tríplice bacteriana (DTP) deve ser administrada na dose de 0,5 ml por via intramuscular profunda, no vasto lateral da coxa, em crianças menores de dois anos de idade e na região deltóide nas crianças acima de dois anos de idade. Vacinas Pentavalente e DTP Local de administração No vasto lateral da coxa, em crianças menores de 2 anos; Na região deltóide, em crianças acima de 2 anos. Em resumo: A vacina adsorvida difteria e tétano (dt) adulto é constituída pelos toxóides diftérico e tetânico. É indicada a partir dos sete anos de idade, inclusive para adolescentes e adultos conforme calendários específicos, com o objetivo de prevenir o tétano e a difteria. A vacinação de mulheres em idade fértil (12 a 49 anos) e gestantes visa, principalmente, a prevenção do tétano neonatal. A vacina adsorvida difteria e tétano adulto é administrada nos maiores de sete anos para os reforços do esquema básico e para aqueles que não tenham recebido as vacinas pentavalente e tríplice bacteriana (DTP), ou que tenham esquema incompleto dessas vacinas. O esquema básico da adsorvida difteria e tétano adulto (dt) corresponde a três doses com intervalo de 60 dias entre as doses. Esse esquema é feito para as pessoas que não estiverem com o esquema completo da pentavalente e tríplice bacteriana (DTP). Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 23

25 Pentavlente, DTP e Dt NOVO Curso Completo de Enfermagem para Concursos 2016 O reforço da vacina adsorvida difteria e tétano n (dt) adulto é administrado de 10 em 10 anos. Em suma, temos o seguinte: pentavalente 2, 4, 6 meses pode ser feita até 5 anos inserida em 2012 tetravalente + Hep. B DTP 15 meses, 4 anos pode ser feita até 7 anos > 4 anos, só um reforço No mínimo 6 meses após a penta dt a partir dos 7 anos Reforço a cada 10 anos sendo antecipada 5 anos, se ferimentos 3 doses entre 30 a 60 dias, se esquema inicial As vacinas Pentavalente e DTP não são administradas se a criança apresentar quadro neurológico em atividade e/ou após dose anterior de vacina com estes componentes, a criança registrar qualquer das seguintes manifestações: convulsões até 72 horas apos a administração da vacina; colapso circulatório, com estado de choque (DTP) ou com episódio hipotonico-hiporresponsivo (EHH), até 48 horas apos a administração da vacina; encefalopatia nos primeiros sete dias apos a administração da vacina; Historia de choque anafilático apos administração de dose anterior da vacina (Pentavalente). Vejamos agora algumas questões sobre o tema: 6. (HULW-UFPB/EBSERH/Instituto AOCP/2014) De acordo com a Portaria MS 1498/2013, faz parte do calendário nacional de vacinação do idoso reforço, a cada 10 anos, de a) vacina hepatite B (recombinante). b) vacina adsorvida difteria e tetano adulto. c vacina adsorvida difteria, tetano, pertussis, hepatite B (recombinante) e Haemophilus influenzae B (conjugada). d) vacina febre amarela (atenuada). e vacina pneumococica 10-valente (conjugada). COMENTÁRIOS: Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 24

26 O reforço da vacina adsorvida difteria e tétano (dt) adulto é administrado de 10 em 10 anos. Por isso, o gabarito é a letra B. 7. (HUPAA-UFAL/EBSERH/IDECAN/2014) De acordo com o Programa Nacional de Imunização, o 2º reforço da vacina tríplice bacteriana (DTP) em uma criança em dia com o esquema de vacinação deve ser feita em qual idade? a) 4 anos. b) 5 anos. c) 6 meses. d) 9 meses. e) 12 meses. COMENTÁRIOS: Vejamos a tabela abaixo: A partir do exposto, verificamos que o gabarito é a letra A. 8. (Prefeitura de Macau-RN/CONPASS/2014) Ainda de acordo com o Calendário Nacional de Imunizações, disponível no Sistema Único de Saúde, em relação à vacina pentavalente é correto afirmar: a) Deve ser administrada 0,5 ml da vacina por via intramuscular (IM), na região glútea, em crianças menores de 4 anos de idade e na região deltóide nas crianças a partir vecide seis anos de idade. b) Deve ser administrada 0,5 ml da vacina por via intramuscular (IM), no vasto lateral da coxa esquerda, em crianças menores de 2 anos de idade e na região deltóide nas crianças a partir de dois anos de idade. c) Deve ser administrada 0,1 ml da vacina por via intradérmica, em crianças menores de 1 ano de idade e na região glútea nas crianças a partir de dois anos de idade. d) Deve ser administrada 0,5 ml da vacina por via subcutânea, em crianças menores de 1 ano de idade e na região deltóide nas crianças a partir de dois anos de idade. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 25

27 e) Deve ser administrada 0,5 ml da vacina por via intramuscular (IM), no vasto lateral da coxa esquerda, em crianças menores de 1 ano de idade e na região glútea nas crianças a partir de dois anos de idade. COMENTÁRIOS: Conforme explicação desta aula, verificamos que a vacina pentavalente deve ser administrada 0,5 ml da vacina por via intramuscular (IM), no vasto lateral da coxa esquerda, em crianças menores de 2 anos de idade e na região deltóide nas crianças a partir de dois anos de idade. Dessa forma, o gabarito é a letra B. 9. (Instituto Benjamin Constant/AOCP/2013) A vacina Pentavalente, introduzida recentemente no calendário de vacinação infantil, é indicada para imunização ativa de crianças a partir de qual idade, e protege contra quais doenças? a) 1 ano; protege contra difteria, sarampo; rubéola, rotavírus e doenças causadas por Meningocócico do tipo c. b) 3 meses protege contra tétano, meningite, sarampo, hepatite B e formas graves de tuberculose em menores de 5 anos. c) 6 meses; protege contra tétano, coqueluche, sarampo, poliomielite e doenças causadas por Meningocócico tipo c. d) 2 meses; protege contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e doenças causadas por Haemophilus influenzae tipo b. e) 4 meses; protege contra sarampo, rubéola, caxumba, poliomielite e doenças causadas por Haemophilus influenzae tipo b. COMENTÁRIOS 3 : Pentavalente (contra hepatite B, difteria, coqueluche, tétano e outras infecções por Haemophilus influenza b) - vacina injetável aos 2, 4 e 6 meses. Reforço da tríplice bacteriana aos 15 meses e aos 4 anos. Nesses termos, o gabarito da questão é a letra D. 10. (Residência Multiprofissional/SES-DF/CESPE/2011) A vacina DPT é composta por toxoides diftérico e tetânico, além de célula inteira de Bordetella pertussis, enquanto a DTaP é composta por seus antígenos na vacina acelular. Essa última tem eficácia superior à primeira e não causa reações adversas. COMENTÁRIOS: 3 Informe Técnico da Vacina Pentavalente Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 26

28 As vacinas tríplice bacteriana (DTP) e pentavalente (DTP/HB/Hib) são contraindicadas a crianças com doença neurológica em atividade ou que tenham apresentado, após a aplicação de dose anterior, algum dos seguintes eventos: 1. convulsão nas primeiras 72 horas; 2. encefalopatia nos primeiros sete dias; 3. episódio hipotônico-hiporresponsivo, nas primeiras 48 horas; 4. reação anafilática, que ocorre nos primeiros 30 minutos e até duas horas pós-vacinação. Nos três primeiros pontos descritos acima, em face da contraindicação para uso da vacina tríplice (DTP), deve-se utilizar a vacina dupla tipo infantil (DT) ou DTP acelular (DTPa). O Programa Nacional de Imunização (PNI) ainda não inclui a tríplice bacteriana acelular (DTPa) no calendário de rotina para crianças devido os seguintes fatores: a) na maioria dos estudos, as vacinas acelulares não são mais eficazes do que as celulares na prevenção da coqueluche em todas as suas formas clínicas; b) em geral, as vacinas acelulares, quando combinadas com a vacina Hib, são menos imunogênicas contra este último antígeno do que as vacinas celulares; c) a tríplice bacteriana celular (DTP) é produzida no Brasil; d) o custo das vacinas acelulares é muito maior. Diante desse cenário, a vacina DTPa está disponível nos Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais (CRIE), para circunstâncias específicas. Verificamos que a vacina a DTPa tem eficácia inferior à DPT, sendo utilizada apenas em certos casos que haja contraindicação da pentavalente e tríplice bacteriana (DTP). Logo, a questão apresenta-se incorreta. 5 - Vacina Hepatite B A vacina hepatite B (recombinante) sofreu mudanças significativas no Programa Nacional de Imunização (PNI). Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 27

29 Vacina Hepatite B NOVO Curso Completo de Enfermagem para Concursos 2016 Anteriormente ao 2º semestre de 2012, a vacina hepatite B (recombinante) era aplicada ao nascer (ou na primeira visita à unidade de saúde), com 1 mês de vida e novamente aos 6 meses. Segue o antigo calendário da vacina contra hepatite B: ao nascer -> 1 mês -> 6 meses. Com a inclusão da vacina pentavalente no PNI, desde o 2º semestre de 2012, a vacina hepatite B (recombinante) passa a ser aplicada sozinha na criança ao nascer, de forma injetável, para evitar a transmissão vertical. Segue o atual calendário da hepatite B: ao nascer, podendo ser feita até o primeiro mês de vida da criança. Outras três doses dessa vacina foram incorporadas na pentavalente (2, 4 e 6 meses). Crianças até 4 anos 5 anos, sem data límite Gestantes qualquer faixa etária 1 ao nascer e 3 doses na pentavalente 3 doses (0, 1, 6 meses) 3 doses (0, 1, 6 meses) Agora, vamos detalhar o calendário básico da vacina contra hepatite B: Para recém-nascidos, deve-se administrar uma dose ao nascer, o mais precocemente possível, nas primeiras 24 horas, preferencialmente nas primeiras 12 horas após o nascimento, ainda na maternidade. Esta dose pode ser administrada até 30 dias após o nascimento. O esquema de vacinação deve ser completado com a administração da vacina pentavalente, aos 2, 4 e 6 meses. Para crianças que iniciam esquema vacinal a partir de 1 mês de idade até 4 anos 11 meses e 29 dias, deve-se administrar três doses da vacina pentavalente, com intervalo de 60 dias entre as doses, mínimo de 30 dias. Para indivíduos 5 anos: Sem comprovação vacinal: administrar três doses da vacina Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 28

30 hepatite B com intervalo de 30 dias entre a primeira e a segunda doses e de 6 meses entre a primeira e a terceira doses (0, 1 e 6 mês); Em caso de esquema vacinal incompleto, não reiniciar o esquema, apenas completá-lo conforme situação encontrada. Para gestantes em qualquer faixa etária e idade gestacional, deve-se administrar três doses da vacina hepatite B, considerando o histórico de vacinação anterior. Conforme Nota Informativa do PNI nº 149 de 20/10/2015, a vacina Hepatite B que era destinada para crianças 5 anos até 49 anos (quando não vacinadas com a pentavalente) e para grupos prioritários de risco (independente da idade), passará, a partir de 2016, a ser realizada em toda a população sem limite de idade. Em resumo, será ampliada a oferta da vacina contra Hepatite B para a população independente da idade e/ou da condição de vulnerabilidade. De acordo com o PNI, como a expectativa e a qualidade de vida da população vêm aumentando, os idosos representam uma parcela crescente da população, e com frequência de atividade sexual em ascensão, com grande resistência ao uso de estratégias de proteção. Com isso, aumenta o risco de contrair doenças sexualmente transmissíveis como a hepatite B. Destaca-se que nessa população a hepatite B apresenta características clínicas mais graves, sendo de fundamental importância a vacinação universal. A dose será de 0,5 ml até os 19 anos de idade e 1 ml a partir de 20 anos, via intramuscular. Na prevenção da transmissão vertical em recém-nascidos, a vacina contra hepatite B deve ser preferencialmente administrada nas primeiras 12 horas de nascimento. Ademais, em recém-nascidos de mães portadoras da hepatite B, a vacina e a imunoglobulina humana anti-hepatite B deve ser administrada, preferencialmente nas primeiras 12 horas, podendo a imunoglobulina ser administrada no máximo até 7 dias de vida. Vejamos questões sobre o tema: Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 29

31 11. (Prefeitura de Alagoa Grande-PB/IBFC/2014) Leia as frases abaixo e marque (F) se a afirmativa for falsa e (V) se for verdadeira. Em seguida, assinale a alternativa que contém a sequência correta de cima para baixo. ( ) Em recém-nascidos de mães portadoras da hepatite B, administrar a vacina e a imunoglobulina humana anti-hepatite B, preferencialmente nas primeiras 12 horas, podendo a imunoglobulina ser administrada no máximo até sete dias de vida. ( ) A dose recomendada da vacina da Hepatite B é 0,5 ml até os 14 anos e 1 ml a partir de 15 anos, via subcutânea. ( ) Para recém-nascidos deve-se administrar uma dose da vacina ao nascer, o mais precocemente possível, nas primeiras 24 horas, preferencialmente nas primeiras 12 horas após o nascimento, ainda na maternidade. ( ) As gestantes somente devem receber a vacina contra Hepatite B durante o terceiro trimestre de gestação. a) V,F,V,F. b) V,V,V,V. c) F,V,F,V. d) F,F,V,F. COMENTÁRIOS: Vejamos as assertivas erradas: Item II. O volume da vacina hepatite B (recombinante) monovalente a ser administrado é de 0,5 ml até os 19 anos de idade e 1 ml a partir dos 20 anos. Situações individuais específicas podem exigir a adoção de esquema e dosagem diferenciados. Ademais, a via de administração é a intramuscular profunda. Item IV. Para gestantes em qualquer faixa etária e idade gestacional: administrar 3 (três) doses da vacina hepatite B, considerando o histórico de vacinação anterior. Nesses termos, o gabarito é a letra A (VFVF). Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 30

32 12. (HU-UFMG/EBSERH/Instituto AOCP/2014) Portadora da hepatite B, com idade gestacional de 34 semanas, acaba de dar a luz a recémnascido do sexo masculino. De acordo com a Portaria n /2010, é correto afirmar que: a) a vacina hepatite B (recombinante) deve ser administrada no recémnascido preferencialmente após 12 horas do nascimento. b) o recém-nascido deve seguir esquema de vacina hepatite B (recombinante) de três doses: 0, 1 e 6 meses de vida. c) o recém-nascido deve seguir esquema de vacina hepatite B (recombinante) de quatro doses: 0, 1, 2 e 6 meses de vida. d) o recém-nascido deve receber imunoglobulina humana anti-hepatite B nas primeiras 12 horas ou no máximo até 1 mês de vida. e) a mãe deve receber vacina hepatite B (recombinante) e imunoglobulina humana anti-hepatite B nas primeiras 12 horas ou no máximo até sete dias após o nascimento. COMENTÁRIOS¹: De acordo com a Portaria n 3.318/2010, na prevenção da transmissão vertical em recém-nascidos, a vacina contra hepatite B deve ser administrada o mais precocemente possível, preferencialmente nas primeiras 12 horas de nascimento, ainda na maternidade. Esta dose pode ser administrada até 30 dias após o nascimento. A vacina da hepatite B nos prematuros, menores de 36 semanas de gestação ou em recém-nascidos a termo de baixo peso (menor de 2 Kg), seguia o esquema de quatro doses: 0, 1, 2 e 6 meses de vida. Na prevenção da transmissão vertical em recém-nascidos (RN) de mães portadoras da hepatite B administrar a vacina e a imunoglobulina humana anti-hepatite B (HBIG), disponível nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais - (CRIE) nas primeiras 12 horas ou no máximo até sete dias após o nascimento. A vacina e a HBIG devem ser administradas em locais anatômicos diferentes. A Portaria GM/MS nº 1.498/2013 alterou a vacina contra hepatite B, incluindo três doses na pentavalente. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 31

33 Veja como era: Hepatite B - vacina injetável aplicada ao nascer (ou na primeira visita à unidade de saúde), com 1 mês de vida e novamente aos 6 meses. Segue o antigo calendário da vacina contra hepatite B: ao nascer -> 1 mês -> 6 meses. Veja como ficou: Hepatite B - com a inclusão na pentavalente, passa a ser aplicada sozinha apenas na criança ao nascer, de forma injetável, para evitar a transmissão vertical. Segue o calendário da hepatite B: ao nascer, podendo ser feita até o primeiro mês de vida da criança. Outras três doses dessa vacina foram incluídas na pentavalente (2, 4 e 6 meses). Isto posto, vamos analisar as alternativas da questão: Item A. A vacina hepatite B (recombinante) deve ser administrada no recém-nascido preferencialmente nas 12 horas (e não após) do nascimento, mesmo que a mãe do mesmo seja portadora do vírus. Como a mãe do recém-nascido é portadora da hepatite B, conforme enunciado da questão, a criança deve receber não só a vacina contra Hepatite B, mas também a imunoglobulina humana anti-hepatite B. Item B. O recém-nascido deve seguir esquema de vacina hepatite B (recombinante) de (três doses: 0, 1 e 6 meses de vida) quatro doses: 0, 2, 4 e 6 meses de vida. Item C. O recém-nascido deve seguir esquema de vacina hepatite B (recombinante) de quatro doses: 0, 1, 2 e 6 meses de vida. Esse item foi considerado correto inicialmente, mas verifique que atualmente o recomendado é o seguinte: quatro doses - 0, 2, 4 e 6 meses de vida. As três doses (2, 4, 6) são feitas dentro da pentavalente. Item D. O recém-nascido deve receber imunoglobulina humana antihepatite B nas primeiras 12 horas ou no máximo até (1 mês de vida) sete dias após o nascimento. Item E. (A mãe) O recém-nascido deve receber vacina hepatite B (recombinante) e imunoglobulina humana anti-hepatite B nas primeiras 12 horas ou no máximo até sete dias após o nascimento. O gabarito da questão apontado pela banca foi a letra C. Todavia, Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 32

34 essa questão foi anulada, pois descreveu o esquema antigo. O Instituto AOCP cobrou uma questão praticamente igual na prova do concurso do HU-UFMT também em Veja a justificativa da AOCP para anular a questão: Prezados Candidatos, em resposta aos recursos interpostos para esta questão, temos a esclarecer que a mesma será anulada, tendo em vista que a legislação especificada foi revogada (Portaria MS 1.498/2013). Portanto, recurso deferido. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 33

35 6 - Vacina Rotavírus A vacina rotavírus humano G1P1 [8] (atenuada) - VORH deve ser administrada preferencialmente aos 2 e 4 meses de idade. A primeira dose pode ser administrada a partir de 1 mês e 15 dias até 3 meses e 15 dias. A segunda dose pode ser administrada a partir de 3 meses e 15 dias até 7 meses e 29 dias. O intervalo mínimo entre as doses é de 30 dias. Calendário da Vacina Rotavírus 1ª dose (preferencialmente aos 2 meses) 2ª dose (preferencialmente aos 4 meses) a partir de 1 mês e 15 dias até 3 meses e 15 dias a partir de 3 meses e 15 dias até 7 meses e 29 dias A vacina rotavírus é administrada exclusivamente por via oral, com a dose de 1,5mL, por meio de uma seringa apropriada. Figura - Administração da Vacina Rotavírus (SESAB, 2011). Notas sobre a administração da vacina rotavírus: Se a criança regurgitar, cuspir ou vomitar após a vacinação, não repetir a dose; Esta vacina é contraindicada para crianças com imunodepressão severa ou que tenham histórico de invaginação intestinal ou com malformação congênita não corrigida do trato gastrointestinal. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 34

36 Vejamos uma questão sobre o tema: 13. (HULW-UFPB/EBSERH/Instituto AOCP/2014) O calendário nacional de vacinação dos povos indígenas inclui a vacina de rotavírus humano G1P1 [8] (atenuada), com a administração da 1ª e 2ª doses, respectivamente, com qual idade? a) Ao nascer e 3 meses. b) 2 meses e 4 meses. c) 2 meses e 6 meses. d) 6 meses e 1 ano. e) 9 meses e 15 meses. COMENTÁRIOS: Essa questão foi de graça. A vacina rotavírus humano G1P1 [8] (atenuada) - VORH deve ser administrada preferencialmente aos 2 e 4 meses de idade. Nesses termos, o gabarito é a letra B. 7 - Vacina Meningocócica C De acordo com o Programa Nacional de Imunização, a vacina meningocócica C (conjugada) deve ser administrada preferencialmente aos 3 e 5 meses, com intervalo de 60 dias entre as doses, mínimo de 30 dias. Uma dose de reforço deve ser administrada preferencialmente aos 12 meses (podendo ser feito até 4 anos). Conforme disposições explicitadas na Nota Informativa 149/2015 do PNI, a dose de reforço da vacina meningocócica C (conjugada) foi alterada dos 15 para 12 meses. Para crianças entre 12 a 4 anos sem comprovação da vacina, deve-se administrar dose única. Segue o calendário da vacina meningocócica C: 1ª dose aos 3 meses -> 2ª dose aos 5 meses -> reforço aos 12 meses. A vacina meningocócica C é administrada na dose de 0,5 ml, pela via intramuscular. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 35

37 Notas sobre a administração da vacina meningocócica C (conjugada): Para crianças que iniciam o esquema básico após 5 meses de idade, deve-se considerar o intervalo mínimo entre as doses e administrar a dose de reforço com intervalo de 60 dias após a última dose; Para crianças entre 12 meses e 4 anos sem comprovação vacinal, deve-se administrar dose única. Vacina Meningocócica C 3, 5 e 12 meses Reforço preferencialmente aos 12 m 0,5 ml, IM entre 12 a 4 anos sem comprovação, dose única. Vamos à questão sobre a temática: 14. (Prefeitura de Vila Rica-MT/Consulplan/2012) De acordo com o Calendário Básico de Vacinação da Criança do Ministério da Saúde, a 1ª e 2ª doses da vacina Meningocócica C (conjugada) deve ser administrada aos a) 2 e 4 meses de idade. b) 3 e 5 meses de idade. c) 4 e 6 meses de idade. d) 9 e 12 meses de idade. e) 12 e 15 meses de idade. COMENTÁRIOS: De acordo com o Programa Nacional de Imunização, a vacina meningocócica C (conjugada) deve ser administrada preferencialmente aos 3 e 5 meses, com intervalo de 60 dias entre as doses, mínimo de 30 dias. Uma dose de reforço deve ser administrada preferencialmente aos 12 meses (podendo ser feito até 4 anos). Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 36

38 Segue o calendário da vacina meningocócica C: 1ª dose aos 3 meses -> 2ª dose aos 5 meses -> reforço aos 12 meses. Nessa tela, o gabarito da questão é a letra B. 8 - Vacina Pneumocócica: A vacina pneumocócica 10-valente é constituída por 10 (dez) sorotipos de pneumococos (1, 4, 5, 6B, 7F, 9V, 14, 18C, 19F, 23F) e conjugada com a proteína D de Haemophilus influenzae para oito de seus sorotipos e carreadores de toxóide diftérico (DT) e de toxóide tetânico (TT ou T) usados por dois sorotipos. A embalagem possui 10 frascos-ampola de vidro, apresentados em unidose, com 0,5 ml. Figura - Embalagem da Vacina Peneumocócica (Ministério da Saúde, 2010). A vacina deve ser administrada por injeção intramuscular (IM) de preferência na área do vasto lateral da coxa da criança. Nenhum dado está disponível sobre a administração subcutânea da vacina pneumocócica conjugada 10-valente. Atenção! A vacina não deve, sob nenhuma circunstância, ser administrada por via endovenosa ou intradérmica. Em regra, a primeira dose iniciará a partir de 2 meses de idade. O esquema de vacinação primária consiste em três doses de 0,5 ml, com intervalo de pelo menos 1 mês entre as doses, contudo o Programa Nacional de Imunização (PNI) adotou o intervalo de 2 meses entre as doses. Desta forma o esquema será de 2 e 4 meses. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 37

39 Uma dose de reforço é recomendada pelo menos 6 meses após a última dose do esquema primário, sendo este preferencialmente entre os 12 e 15 meses de idade. Segue o calendário da vacina pneumocócica 10-valente: 2 meses -> 4 meses -> reforço aos 12 meses. De acordo com a Nota Informativa nº 149/2015 do PNI, a vacina pneumocócica 10-valente segue a adoção de esquema básico de duas doses (2 e 4 meses) e reforço, preferencialmente aos 12 meses, podendo ser administrado até os 4 anos de idade. Para as crianças entre 12 meses e 4 anos, não vacinadas, administrar dose única. A Organização Mundial da Saúde recomenda o uso do esquema básico de 2 doses e reforço. A efetividade deste esquema de vacinação com 3 doses (2 doses no primeiro ano de vida e reforço no 2 ano) é semelhante à do esquema com 4 doses (3 doses no primeiro ano e reforço no segundo ano). Por isso, a 3º dose (que era aos 6 meses) foi retirada do calendário de vacinação do PNI. 3 doses - 2 e 4 meses e reforço aos 12 meses. Dose e Via: 0,5 ml, IM. Reforço preferencialmente aos 12 m até 4 anos. Pneumocócica 10 valente Para as crianças entre 12 meses a 4 anos, não vacinadas, administrar dose única. Protege contra 10 sorotipos de pneumococo. Vejamos uma questão sobre o tema: 15. (HU-UNB/EBSERH/IBFC/2013) Segundo calendário nacional, uma criança deve receber a vacina pneumocócica 10-valente (conjugada) com a idade de: a) 2, 4 e 6 meses e mais uma dose de reforço aos 12 meses. b) 3 e 5 meses e mais uma dose de reforço aos 15 meses. c) 2, 4 e 15 meses. d) 3 e 7 meses apenas. COMENTÁRIOS: Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 38

40 De acordo com o Programa Nacional de Imunização (PNI), a primeira dose da vacina pneumocócica 10-valente (conjugada) iniciará a partir de 2 meses de idade. O esquema de vacinação primária consiste em 2 doses de 0,5 ml, com intervalo de pelo menos 1 mês entre as doses, contudo o Programa Nacional de Imunização adotará o intervalo de 2 meses entre as doses. Desta forma o esquema será de 2 e 4 meses. Uma dose de reforço é recomendada preferencialmente entre os 12 e 15 meses de idade. O gabarito foi a letra A. Atualmente, o esquema não considera a dose aos 6 meses, sendo da seguinte forma: 2, 4 e 6 meses e uma dose de reforço aos 12 meses. 9 - Vacina Influenza A influenza é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, de interesse para a saúde pública no Brasil. Apresenta potencial para levar a complicações graves e ao óbito, especialmente nos grupos de alto risco (crianças menores de dois anos de idade, gestantes, adultos com 60 anos ou mais, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais). A principal intervenção preventiva em saúde pública para este agravo é a vacinação. A campanha anual, realizada entre os meses de abril e maio, contribuiu ao longo dos anos para a prevenção da gripe nos grupos vacinados, além de apresentar impacto de redução das internações hospitalares, gastos com medicamentos para tratamento de infecções secundárias e mortes evitáveis. Vamos conhecer os grupos prioritários a serem vacinados e recomendações: Crianças entre 6 m a 5 a Gestantes Puérperas Pessoas > 60 anos Trabalhadores de saúde População privada de liberdade indivíduos com comorbidades povos indígenas > 6 meses Crianças de 6 meses a menores de 5 anos: deverão receber a vacina influenza. Todas as crianças que receberam uma ou duas doses da Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 39

41 vacina da influenza sazonal, deveriam receber apenas 1 dose em Também deve ser considerado o esquema de duas doses para as crianças menores de 9 anos que serão vacinadas pela primeira vez, devendo-se agendar a segunda dose para 30 dias após a 1ª dose (no ano passado esse grupo era formado por crianças de seis meses a dois anos incompletos). Gestantes: devem receber a vacina influenza todas as gestantes em qualquer idade gestacional. Para este grupo não haverá exigência quanto à comprovação da situação gestacional, sendo suficiente para a vacinação que a própria mulher afirme o seu estado de gravidez. Nota: a vacinação de gestantes contra a influenza é segura em qualquer idade gestacional. A experiência pós-comercialização com a vacina influenza sazonal inativada e com a vacina influenza pandêmica (H1N1) 2009 inativada, no Brasil e em outros países, não identificou qualquer risco associado ao uso da vacina em gestantes. Puérperas: mulheres no período de até 45 dias após o parto foram incluídas no grupo alvo de vacinação. Para isso, deverão apresentar qualquer documento, durante o período de vacinação (certidão de nascimento da criança, cartão da gestante, documento do hospital onde ocorreu o parto, entre outros). Trabalhador de Saúde: eleito para vacinação é aquele que exerce atividades de assistência à saúde, atuando na recepção, no atendimento, bem como na investigação de casos de infecções respiratórias, nos serviços públicos e privados, nos diferentes níveis de complexidade, cuja ausência compromete o funcionamento desses. Assim, trabalhadores de saúde que exercem suas atividades em unidades que fazem atendimento de pessoas com influenza, bem como recepcionistas, pessoal de limpeza, segurança, motoristas de ambulâncias dessas unidades, equipes de laboratório responsáveis pelo diagnóstico, profissionais que atuam na vigilância epidemiológica, e os que atuam no controle sanitário de viajantes nos postos de entrada dos portos, aeroportos e fronteiras deverão ser vacinados. Povos indígenas: a vacinação será indiscriminada (indicada) para a toda população indígena, a partir dos seis meses de idade. A programação de rotina é articulada entre o Programa Nacional de Imunizações (PNI) e a Secretaria de Atenção a Saúde Indígena (SESAI). Indivíduos com 60 anos ou mais de idade deverão receber a vacina contra influenza. População privada de liberdade: o planejamento e operacionalização da vacinação nos estabelecimentos penais deverão ser articulados com Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 40

42 as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde e Secretarias Estaduais de Justiça (Secretarias Estaduais de Segurança Pública ou correlatos), conforme Plano Nacional de Saúde no Sistema Penitenciário, 2.ª edição/ Brasília DF 2005 e a NOTA TÉCNICA 121 SISPE/DAPES/SAS PNI/SVS/MS DEPEN/MJ, de 1º de agosto de Pessoas portadoras de doenças crônicas (conforme listagem definida pelo Ministério da Saúde em conjunto com sociedades científicas): a vacinação contra influenza de indivíduos portadores de doenças crônicas e outras condições especiais foi incluída na campanha de vacinação de Notas: A vacinação deste grupo passa a ser realizada em todos os postos de vacinação e não apenas nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE). No entanto, mantém-se a necessidade de prescrição médica, que deverá ser apresentada no ato da vacinação. Pacientes já cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do SUS, devem se dirigir aos postos em que estão cadastrados para receber a vacina. Caso no local onde são atendidos regularmente não haja um posto de vacinação, devem buscar a prescrição médica na próxima consulta que estiver agendada, visando garantir esse documento com antecedência, para evitar filas no período da vacinação. Pacientes que são atendidos na rede privada, vinculada ou não ao SUS, também devem buscar a prescrição médica com antecedência, junto ao seu médico assistente, devendo apresentá-la nos postos de vacinação durante a realização da campanha de Agora, veremos o esquema de vacinação e dose da influenza: A vacinação é anual, devido às mudanças das características dos vírus influenza decorrentes da adversidade antigênica e genômica a cada ano e da efemeridade da proteção. Em 2015, foi adotado o seguinte esquema e volume de dose, conforme a situação vacinal da criança. Crianças vacinadas pela primeira vez: Esquema vacinal para influenza por idade, número de doses, volume por dose e intervalo entre as doses, Brasil, 2013 Idade Número de doses Volume por dose Intervalo Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 41

43 Crianças de 6 meses a 2 anos de idade 2 doses 0,25 ml Intervalo mínimo de 3 semanas. Operacionalmente: 2ª dose 30 dias após receber a 1ª dose Crianças de 3 a 8 anos de idade Adultos e crianças a partir de 9 anos 2 doses 0,5 ml Intervalo mínimo de 3 semanas. Operacionalmente: 2ª dose 30 dias após receber a 1ª dose Dose única 0,5 ml _ Fonte: CGPNI/DEVEP/SVS/MS 6 meses a 2 anos 2 doses 0,25 ml Vacina Influenza 3 a 8 anos 2 doses 0,5 ml > 9 anos dose única 0,5 ml O intervalo entre as doses é 3 semanas a 30 dias Deve-se adotar a via de administração intramuscular. Recomenda-se a administração da vacina por via subcutânea em pessoas que apresentam discrasias sanguíneas ou estejam utilizando anticoagulantes orais. Para estas situações, recomenda-se utilizar a vacina do laboratório Sanofi Pasteur produzida na França. Via de administração subcutânea. Vejamos uma questão recorrente sobre o tema: 16. A influenza é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, e é um problema de saúde pública no Brasil, sendo a principal intervenção preventiva para este agravo a vacinação. Para uma criança de 11 meses de idade, que será vacinada pela primeira vez contra Influenza, o número de doses e o volume por dose desta vacina é de a) 01 dose - 0,5 ml b) 01 dose - 01 ml c) 03 doses - 0,2 ml d) 02 doses 0,25 ml COMENTÁRIOS: Crianças de 6 meses a 2 anos de idade devem receber 2 doses da vacina Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 42

44 contra influenza, na dosagem de 0,25 ml. O intervalo mínimo entre as doesse é de 3 semanas. Operacionalmente: 2ª dose 30 dias após receber a 1ª dose. Assim, o gabarito é a letra D Vacina Tríplice Viral A vacina sarampo, caxumba e rubéola (tríplice viral) é uma vacina combinada que contém os vírus vivos do sarampo, da caxumba e da rubéola, atenuados em cultivo celular. Para indivíduos de 12 meses a 19 anos, deve ser administrada duas doses, conforme situação vacinal encontrada. A 1ª dose deve ser administrada aos 12 meses com a vacina tríplice viral e a 2ª dose, preferencialmente, aos 15 meses de idade com a vacina tetra viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela), para as crianças que já tenham recebido a 1ª dose da vacina tríplice viral. A vacina tetra viral será administrada entre os 15 a 23 meses e 29 dias, caso a criança tenha recebido a 1ª dose da tríplice viral. Para não esquecer: a 1ª dose da tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) continuará a ser administrada preferencialmente aos 12 meses de idade. As crianças que tiverem tomado a 1ª dose da tríplice viral deverão receber a tetra viral entre os 15 a 23 meses e 29 dias (preferencialmente aos 15 meses). Para as crianças acima de 15 meses de idade não vacinadas, administrar a vacina tríplice viral observando o intervalo mínimo de 30 dias entre as doses. Considerar vacinada a pessoa que comprovar duas doses de vacina com componente sarampo, caxumba e rubéola. Para indivíduos de 20 a 49 anos de idade, deve-se administrar uma dose, conforme situação vacinal encontrada. Considerar vacinada a pessoa que comprovar uma dose de vacina com componente sarampo, caxumba e rubéola (tríplice viral) ou sarampo e rubéola (dupla viral). Vacina contra sarampo, caxumba e rubéola criança até os 15 meses criança maior de 15 meses até adolescente de 19 anos adulto (20 a 49 anos) É indicada aos 12 meses (um ano de idade). Uma segunda dose da tetraviral deve ser agendada para 15 meses de idade. Deve-se considerar vacinado aquele que comprovar o esquema de duas doses. Se apresentar comprovação de apenas uma dose, deve-se administrar a segunda dose. Duas doses da vacina são indicadas para aquele não vacinado com nenhuma dose, com o intervalo mínimo de 30 dias. É indicada apenas uma dose em individuos de 20 a 49 que não apresentarem comprovação vacinal. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 43

45 A vacina sarampo, caxumba e rubéola é administrada por via subcutânea. O volume correspondente a uma dose é de 0,5 ml, podendo variar de acordo com o laboratório produtor. A vacina em questão está contraindicada nas ocorrências específicas listadas na sequência: Registro de anafilaxia após recebimento de dose da vacina; Presença de imunodeficiências congênitas ou adquiridas; Atenção! Indivíduos com infecção assintomática pelo HIV podem ser vacinados. Uso de corticosteróides em doses imunossupressoras (nessa situação a pessoa deve ser vacinada, pelo menos, um mês depois da suspensão do uso da droga); Vigência de quimioterapia imunossupressora; Transplantados de medula óssea; Pessoas que fazem uso de imunoglobulina, sangue total ou plasma, no momento da vacinação ou que farão uso em futuro próximo; Na vigência de gravidez. Notas sobre a vacina sarampo, caxumba e rubéola (SCR): Indivíduos até 19 anos que não tiver comprovação do recebimento de duas doses da vacina sarampo, caxumba e rubéola devem receber duas doses, com intervalo mínimo de 30 dias. Quando houver comprovação das duas doses não é preciso vacinar. A partir dos 20 anos o esquema com a vacina sarampo, caxumba e rubéola é de dose única e considera vacinação anterior devidamente comprovada, sendo indicada para pessoas de 20 a 49 anos. O Ministério da Saúde por meio do Programa Nacional de Imunizações (PNI) ampliou o Calendário Básico de Vacinação da Criança em 2013, com a introdução da vacina tetra viral que possibilitará evitar complicações, casos graves e óbitos por varicela no grupo alvo da vacinação e a prevenção, controle e eliminação das doenças sarampo, caxumba e rubéola. A vacina tetra viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela) substituiu a vacina tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) para as crianças de 15 meses de idade. Assim, com a introdução da vacina tetra viral, o PNI visa reduzir o número de injeções em um mesmo momento, bem como buscar uma melhor adesão à vacinação e consequentemente, melhoria das coberturas vacinais. Essa vacina, desde setembro de 2013, está sendo disponibilizada para as crianças entre 15 a 23 meses e 29 dias de idade (preferencialmente aos 15 meses), que tenham recebido a 1ª dose da vacina tríplice viral, nas 35 mil salas Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 44

46 de vacina da rede pública. No Brasil, a vacina varicela está disponível desde 2000 nos Centros de Referências para Imunobiológicos Especiais (CRIE) para indivíduos susceptíveis em situação de pré-exposição, para pessoas sem história de varicela e com maior risco de desenvolver doença grave e ou complicações associadas. Também já é utilizada em situação de pós-exposição, para imunocompetentes susceptíveis, comunicantes intra-hospitalares de casos de varicela. Esta vacina está também incluída no Calendário de Vacinação dos Povos Indígenas desde Neste contexto, o PNI amplia a oferta de vacinas na rotina de vacinação da criança com a introdução da vacina tetra viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela - atenuada), exclusivamente, para as crianças de 15 a 23 meses de idade, que já tenham recebido a 1ª dose da vacina tríplice viral. Para não esquecer: A vacina tetra viral é indicada para a imunização ativa de crianças contra sarampo, caxumba, rubéola e varicela. A introdução da vacina tetra viral no PNI ocorre com a administração de uma dose aos preferencialmente 15 meses de idade (podendo ser aplicada entre os 15 a 23 meses e 29 dias), para crianças que já receberam uma dose da vacina tríplice viral. Após a implantação da vacina tetra viral no calendário de vacinação da criança, o Ministério da Saúde passou a monitorar a situação epidemiológica da varicela, visando à definição de qual o melhor período para a inclusão da uma segunda dose com a vacina varicela nesse calendário. As embalagens tetra viral contêm 10 frascos-ampola mais 10 seringas preenchidas com diluente (0,5 ml) e 20 agulhas para a reconstituição e administração da vacina. Figura - Vacina Tetra Viral (Ministério da Saúde, 2013). Em síntese, a vacina tetra viral é disponibilizada na rotina dos serviços Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 45

47 públicos de vacinação em substituição à segunda dose da vacina tríplice viral aos 15 meses de idade. Vejamos uma questão sobre as vacinas referidas: 17. (HUPAA-UFAL/EBSERH/IDECAN/2014) A vacina tríplice viral (SCR) do Programa Nacional de Imunização deve ser aplicada em pessoas maiores de 20 anos com o seguinte esquema: a) Dose única. b) 2 doses, com intervalo de 30 dias. c) 2 doses, com intervalo de 60 dias. d) 3 doses, com intervalos de 30 e 60 dias. e) 3 doses, com intervalos de 60 dias cada. COMENTÁRIOS: A partir dos 20 anos o esquema com a vacina sarampo, caxumba e rubéola é de dose única e considera vacinação anterior devidamente comprovada, sendo indicada para pessoas de 20 a 49 anos. Nesses termos, o gabarito é a letra A Vacina Febre Amarela A febre amarela continua sendo um importante problema de saúde pública particularmente nos 13 países das Américas com áreas endêmicas. Nos últimos trinta anos a atividade do vírus da febre amarela se encontra restrita a área enzoótica compreendida por Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Panamá, Peru, Suriname, Trinidad e Tobago e Venezuela. A principal estratégia de prevenção é a vacinação. A vacinação contra a febre amarela é recomendada para uma grande área do Brasil onde a transmissão é considerada possível, principalmente para indivíduos não vacinados e que se expõem em áreas de mata, onde o vírus ocorre. Atualmente, as áreas de vacinação são revisadas anualmente, com apoio de especialistas para identificação dos municípios com maior risco de transmissão. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 46

48 A vacina está recomendada na rotina, no Calendário Nacional de Vacinação, na área com recomendação de vacina (ACRV) e o esquema constitui em uma 1 dose aos 9 meses de idade, sendo necessária uma dose de reforço aos 4 anos de idade. O intervalo mínimo a ser considerado entre a dose do esquema e o reforço é de 30 dias. Vamos observar as seguintes situações no que se refere à vacinação contra febre amarela: Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 47

49 A vacina contra febre amarela é a medida mais importante para prevenção e controle da doença. Produzida no Brasil desde 1937, pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-Manguinhos, é da cepa 17DD, sendo constituída por vírus vivos atenuados derivados de uma amostra africana do vírus amarílico selvagem. Apresenta eficácia acima de 95%. A vacina febre amarela é reconhecidamente eficaz e segura. Entretanto, eventos adversos podem ocorrer, como reações locais e sistêmicas, tais como febre, dor local, cefaleia (dor de cabeça), mialgia (dor no corpo), dentre outros. Atenção especial deve ser dada quando, após administração da vacina de febre amarela, a pessoa apresentar dor abdominal intensa. Os anticorpos protetores aparecem entre o sétimo e décimo dia após a aplicação, razão pela qual a imunização deve ocorrer dez dias antes de se ingressar em área de transmissão. É contraindicada para: Crianças com menos de 6 meses de idade. Pacientes com imunossupressão de qualquer natureza, como: - Pacientes infectados pelo HIV com imunossupressão grave, com a contagem de células CD4 <200 células/mm³ ou menor de 15% do total de linfócitos, para crianças com menos de 6 anos de idade. Pacientes em tratamento com drogas imunossupressoras (corticosteroides, quimioterapia, radioterapia, imunomoduladores). Pacientes submetidos a transplante de órgãos. Pacientes com imunodeficiência primária. Pacientes com neoplasia. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 48

50 Observação: Nos casos de pacientes com imunodeficiência, a administração desta vacina deve ser condicionada a avaliação médica individual de risco-benefício e não deve ser realizada em caso de imunodepressão grave. Indivíduos com história de reação anafilática relacionada a substâncias presentes na vacina (ovo de galinha e seus derivados, gelatina e outros produtos que contêm proteína animal bovina). Pacientes com história pregressa de doenças do timo (miastenia gravis, timoma, casos de ausência de timo ou remoção cirúrgica). Vejamos uma questão sobre a vacina em tela: 18. (Prefeitura de Osasco-SP/FGV/2014) O Calendário Nacional de Vacinação estabelece que os idosos de 60 anos ou mais devem ser imunizados contra a febre amarela. Assinale a opção que indica o número de doses e o intervalo de tempo recomendado para essa vacina. a) Uma dose a cada ano. b) Duas doses a cada 5 anos. c) Três doses a cada 10 anos. d) Duas doses a cada 6 anos. e) Uma dose a cada 10 anos. COMENTÁRIOS: De acordo com as novas recomendações para a vacina febre amarela, o esquema constitui em uma 1 (uma) dose aos 9 meses de idade, sendo necessária uma dose de reforço aos 4 anos de idade. No entanto, essa questão foi elaborada de acordo com o esquema antigo: uma dose a partir dos 9 meses, com reforço a cada 10 anos. Nessa tela, o gabarito é a letra E. Fique atento! Imunização é um conteúdo que passa por constantes atualizações, tenha cuidado na hora da resolução das questões, pois algumas bancas ainda cobram o esquema antigo Vacina Pólio No Brasil, a vacina que vem sendo utilizada com sucesso desde a década de 60 é a vacina oral poliomielite (VOP), vacina de vírus atenuados, trivalente, contendo os três tipos de poliovirus (1, 2 e 3). É epidemiológica e operacionalmente a melhor vacina para gerar proteção a cada um dos três tipos Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 49

51 de vírus da poliomielite e tem sido amplamente utilizada, viabilizando a erradicação global da doença. A partir de 2016, o PNI adotará a vacina oral poliomielite (VOP) bivalente. As ações de vacinação desenvolvidas contribuíram para a erradicação da poliomielite no País, sendo que o último caso ocorreu em Conforme definido no plano global de erradicação, uma região precisa estar sem circulação do vírus da poliomielite por três anos, em vigência de um sistema de vigilância para paralisias flácidas agudas funcionante, para ser declarada como livre da circulação do poliovírus. No entanto, a não ocorrência de pólio no continente americano não é o suficiente, uma vez que a doença ainda circula em outros países e pode ser reintroduzida na região através de viajantes infectados em regiões que apresentam bolsões de pessoas não vacinadas, por exemplo. A vigilância sensível de paralisias flácidas agudas, através da notificação, investigação e coleta oportuna de amostras de fezes de todos os casos de paralisias flácidas agudas é fundamental para a garantia de detecção rápida de um vírus importado e as altas e homogêneas coberturas vacinais evitam que esses vírus circulem. É por isso que o Brasil e outros países da região ainda realizam campanhas de vacinação com a vacina oral poliomielite e priorizam a vigilância de paralisias flácidas agudas. É inegável o sucesso e a contribuição da utilização da VOP na erradicação da poliomielite. A interrupção do seu uso deverá ser cuidadosamente programada e planejada. As principais estratégias a serem consideradas após a interrupção da VOP, mundialmente, são uma vigilância ativa e a não interrupção da imunização com a vacina poliomielite inativada (VIP). Como países desenvolvidos e em desenvolvimento declararam a intenção de continuar com a imunização de suas populações, mesmo após a erradicação do poliovírus selvagem, a VIP deverá ser utilizada nesses países para prevenir a reintrodução do vírus selvagem e o ressurgimento da poliomielite. O Brasil, visando cumprir esta determinação, introduziu, desde agosto de 2012, a vacina inativada poliomielite (VIP) em esquema sequencial com 2 doses de VIP e 2 doses de VOP. As doses da VIP visam minimizar o risco, que é raríssimo, de paralisia associada à vacina, e as da VOP, manter a imunidade populacional (de rebanho) contra o risco potencial de introdução de poliovírus selvagem através de viajantes oriundos de localidades que ainda apresentam casos autóctones da poliomielite, por exemplo. Conforme disposições descritas na Nota Informativa do PNI nº 149/2015, a partir de janeiro de 2016, ocorrerá a substituição da terceira dose, administrada atualmente com a vacina oral poliomielite (VOP), por vacina inativada poliomielite (VÏP). Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 50

52 VIP/VOP NOVO Curso Completo de Enfermagem para Concursos 2016 Nesta situação, o esquema básico deixará de ser sequencial (VIP, VIP, VOP, VOP). Os reforços administrados aos 15 meses e 4 anos com vacina VOP permanecem. Também em 2016, ocorrerá a substituição da VOP trivalente pela VOP bivalente. Estas mudanças estão em conformidade com as recomendações do Plano Global de Erradicação da Poliomielite ( ), que trata também da redução gradual de utilização de vacinas orais poliomielite e fortalecimento dos programas de imunizações. Estudos realizados em todo o mundo permitiram descrever as características da VIP, como a capacidade para evitar surtos de poliomielite, de modo que muitos países já a incluíram nos seus calendários de vacinação de forma exclusiva ou com esquema sequencial. Veja que a tendência é a substituição da vacina oral da poliomielite (VOP) pela vacina inativada poliomielite (VIP). No Brasil, atualmente as crianças recebem essas vacinas da seguinte forma: VIP - 1ª, 2ª e 3ª doses aos 2, 4 e 6 meses; VOP reforço aos 15 meses e 4 anos. Além dessas, temos a vacinação com a VOP anualmente nas campanhas nacionais para crianças menores de 5 anos. Vacinação contra poliomielite no Brasil VIP - 1ª, 2ª e 3ª doses aos 2, 4 e 6 meses VOP -reforço aos 15 meses e 4 anos vacinação com a VOP anualmente nas campanhas nacionais. Vamos agora sintetizar o tema: VIP/VOP 0,5 ml IM / 2 gts VO < 5 anos Seguir esquema geral VIP VOP (bivalente) 5 anos sem comprovação vacinal 2º, 4º e 6º mês Reforço aos 15 meses e 4 anos e campanhas 3 doses da VOP ou completar o esquema O intervalo entre as doses é de 60 dias, podendo ser de 30 dias, sendo que nos primeiros 6 meses de idade o intervalo mínimo de 30 dias só é recomendado se o indivíduo estiver sob risco iminente de exposição à circulação viral, como por exemplo, pessoas que se deslocarão a regiões endêmicas ou em situações de surto da doença. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 51

53 A via de administração preferencial da VIP é a intramuscular, entretanto, a via subcutânea também pode ser usada, mas em situações especiais (casos de discrasias sanguíneas). O local de aplicação preferencial para injeção intramuscular em bebês é o músculo vasto-lateral da coxa ou região ventroglútea e para crianças maiores o músculo deltóide. A dose dessa vacina (VIP) é de 0,5 ml. As contraindicações da VIP são as seguintes: Qualquer indivíduo portador de alergia grave (anafilaxia) a qualquer componente da vacina. Como a VIP contém vestígios de estreptomicina, neomicina, e polimixina B, existe um risco teórico de reações alérgicas em pessoas sensíveis a estes antibióticos; Qualquer pessoa que já apresentou quadro de reação alérgica grave a uma vacinação anterior com VIP; Pessoas com quadro clínico de doenças respiratórias superiores leve a moderada, com ou sem febre, reação local a uma dose prévia da vacina, terapia antimicrobiana atual e, a fase de convalescença de doença aguda não são contraindicações para a vacinação com VIP; A amamentação não interfere com o sucesso da imunização com a VIP. A via de administração exclusiva da VOP é a oral, com a dose de duas gotas. Notas sobre a vacina oral poliomielite (VOP): Indivíduos com cinco anos de idade ou mais: Sem comprovação vacinal: administrar 3 doses da VOP, com intervalo de 60 dias entre elas, mínimo de 30 dias; Com esquema incompleto: completar esquema com a VOP; Nesta faixa etária não há necessidade de reforço. Repetir a dose se a criança regurgitar, cuspir ou vomitar. Esta vacina é contraindicada para crianças imunodeprimidas, contato de pessoa HIV positivo ou com Aids, bem como que tenham histórico de paralisia flácida associada à dose anterior da VOP. A vacina inativada poliomielite (VIP) deverá ser conservada sob refrigeração, à temperatura de +2 C a +8 C. Não deve ser congelada. O frasco multidose da vacina, uma vez aberto, pode ser usado por um prazo estabelecido pelo laboratório produtor, constante da bula do produto ou das normas do PNI, desde que armazenada entre 2º a 8ºC. Passemos para resolução de uma questão sobre o tema: Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 52

54 19. (HU-UFS/EBSERH/Instituto AOCP/2014) No que se refere à vacina inativada poliomielite (VIP) e a vacina oral contra poliomielite (VOP), informe se é verdadeiro (V) ou falso (F) o que se afirma a seguir e assinale a alternativa com a sequência correta. ( ) A Vacina oral contra poliomielite (VOP) foi retirada do calendário infantil de imunizações, pois foi substituída pela vacina inativada poliomielite (VIP). ( ) Está indicada para a imunização passiva contra a poliomielite causada pelos três sorotipos (1,2 e 3) a partir dos 4 meses de idade. ( ) O Programa Nacional de Imunizações recomenda que a vacina poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) não seja administrada simultaneamente com a vacina de Rotavírus. ( ) A vacina inativada poliomielite não deve ser usada em controle de surtos da doença se a vacina oral poliomielite estiver disponível. a) F F V V. b) V V F F. c) F V F V. d) V V V F. e) F F F V. COMENTÁRIOS: Vejamos cada um dos itens da questão: Item I. A Vacina oral contra poliomielite (VOP) foi retirada do calendário infantil de imunizações, pois foi substituída pela vacina inativada poliomielite (VIP). Incorreto. Houve uma alteração no calendário, mas a VOP foi mantida, conforme explicações acima. Item II. Está indicada para a imunização passiva contra a poliomielite causada pelos três sorotipos (1,2 e 3) a partir dos 2 meses de idade. Item III. O Programa Nacional de Imunizações recomenda que a vacina poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) não seja administrada simultaneamente com a vacina de Rotavírus. Falso. A vacina poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) pode ser administrada simultaneamente com qualquer outra vacina recomendada pelo Programa Nacional de Imunizações. Em caso de administração concomitante, devem ser utilizadas diferentes agulhas e sítios de administração. Item IV. A vacina inativada poliomielite (VIP) não deve ser usada em controle de surtos da doença se a vacina oral poliomielite (VOP) estiver disponível. Verdadeiro. O vírus vacinal (VOP) compete com o vírus selvagem pela ocupação dos sítios de acoplamento na luz intestinal e assim é eficaz no bloqueio de surtos Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 53

55 Vacina HPV (meninas) NOVO Curso Completo de Enfermagem para Concursos 2016 Nesses termos, o gabarito da questão é a letra E (apenas o item IV apresenta-se certo) Vacina HPV Foram desenvolvidas duas vacinas contra os tipos de HPV mais presentes no câncer de colo do útero. Essas vacinas, na verdade, previnem contra a infecção por HPV. Mas o real impacto da vacinação contra o câncer de colo de útero só poderá ser observado após décadas. Uma delas é a quadrivalente, ou seja, previne contra quatro tipos de HPV: o 16 e 18, presentes em 70% dos casos de câncer de colo do útero, e o 6 e 11, presentes em 90% dos casos de verrugas genitais. A outra é específica para os subtipos de HPV 16 e 18. O Brasil está disponibilizando a vacina contra o HPV, usada na prevenção de câncer de colo do útero. A vacina protege meninas de 9 a 13 anos contra quatro variáveis do vírus. Em 2014, meninas dos 11 aos 13 anos receberam as duas primeiras doses necessárias à imunização, a dose inicial e a segunda seis meses depois. A terceira dose que ser prevista para ser aplicada cinco anos após a primeira foi retirada do calendário vacinal do PNI. Em 2015, foi estendida para as adolescentes de 9 a 11 anos. A partir de 2016, será recomendada para meninas de 9 anos. A vacina será produzida por meio de parceria entre Butantan e Merck a 13 anos; a 11 anos; anos População-alvo será: meninas de 9 a 13 anos, com esquema vacinal de 2 doses. As doses só serão aplicadas com autorização dos pais ou responsáveis. Atenção! O esquema completo de vacinação é composto de 3 doses. O esquema normal da vacina (0, 2 e 6 meses) é 1ª dose, 2ª dose após dois meses e 3ª dose após seis meses. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 54

56 No entanto, o Ministério da Saúde está adotando outro esquema (0 e 6 meses): 1ª dose, 2ª dose seis meses depois. Vejam o esquema vacinal proposto pelo Ministério da Saúde: Esquema vacinal: 2 doses: 1ª dose 2ª dose: 6 meses após a 1ª dose O tipo da vacina é: quadrivalente (subtipos 6, 11, 16 e 18). Indicações: Prevenção contra HPV 16 e 18 (responsável por 70% dos casos de câncer de colo do útero) 6 e 11 (verrugas genitais - condiloma acuminado) Confere ainda proteção cruzada contra HPV 31, 33,52 e 58 Evidências recentes 56% de redução na prevalência do HPV entre adolescentes apesar de apenas 35% de cobertura vacinal nos Estados Unidos. Quadrivalente (6, 11, 16 e 18) Meninas de 9 a 13 anos MS - aos 0 e 6 meses 0,5 ml IM HPV OMS - aos 0, 2 e 6 meses Atenção! Vacina é eficaz em quem ainda não iniciou a vida sexual e, portanto, não teve contato com o vírus HPV. A adoção da vacina não substituirá a realização regular do exame de citologia, Papanicolaou (preventivo). Trata-se de mais uma estratégia possível para o enfrentamento do problema. Ainda há muitas perguntas sem respostas relativas a essas vacinas. Segundo Informe Técnico do PNI de 2015, a vacina contra o HPV também passou a ser ofertada para as mulheres de 14 a 26 anos de idade vivendo com HIV. Esta população foi incorporada como prioritária, considerando que as Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 55

57 complicações decorrentes do HPV ocorrem com mais frequência em pacientes portadores de HIV e da síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS). Esta indicação é reforçada com a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Comitê Técnico Assessor de Imunizações (CTAI) do Programa Nacional de Imunizações (PNI) em conformidade com o Departamento de DST/AIDS e Hepatites Virais, visto que a vacina é uma medida de prevenção primária que proporcionará maior proteção à infecção pelo HPV. Vejamos agora duas questões sobre o tema: 20. (MEAC e HUWC UFC/EBSERH/Instituto AOCP/2014) Em 2014, o Ministério da Saúde incluiu a vacina contra o HPV no Calendário Nacional de Vacinação e ela será fornecida gratuitamente, pelo Sistema Único de Saúde. Com relação à vacina do HPV, é correto afirmar que a) é de dose única e deve ser administrada em meninos e meninas. b) são duas doses e deve ser administrada apenas em meninas. c) é de dose única e deve ser administrada apenas em meninas. d) são três doses e de devem ser administradas apenas em meninas. e) são três doses e devem se administradas em meninas e meninos. COMENTÁRIOS: O Ministério da Saúde inicialmente adotou o esquema estendido (0, 6 e 60 meses): 1ª dose, 2ª dose seis meses depois, e 3ª dose após cinco anos da 1ª dose em meninas. A partir do exposto, o gabarito foi a letra D. Atualmente, o esquema não há a 3ª dose, ou seja, é formado da seguinte forma: 1ª dose, 2ª dose seis meses depois (0 e 6 meses). 21. (HU-UFMS/BSERH/Instituto AOCP/2014) A prevenção do HPV representa potencial para reduzir a carga de doença cervical e lesões precursoras do câncer de colo de útero. Para isto, o Ministério da Saúde adotou a vacina a) pentavalente contra HPV que confere proteção contra HPV de baixo risco (HPV 16 e 21) e de alto risco (HPV 56, 28 e 33). b) quadrivalente contra HPV que confere proteção contra HPV de baixo risco (HPV 6 e 11) e de alto risco (HPV 16 e 18). Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 56

58 Raiva NOVO Curso Completo de Enfermagem para Concursos 2016 c) bivalente contra HPV que confere proteção contra HPV de baixo risco (HPV 26) e de alto risco (HPV 33). d) pentavalente contra HPV que confere proteção contra HPV de baixo risco (HPV 16 e 18) e de alto risco (HPV 12, 15 e 23). e) monovalente que confere proteção contra HPV de alto risco (HPV 16). COMENTÁRIOS: O Ministério da Saúde adotou a vacina quadrivalente contra HPV que confere proteção contra HPV de baixo risco (HPV 6 e 11) e de alto risco (HPV 16 e 18). Dessa forma, o gabarito é a letra B Profilaxia contra a Raiva A prevenção da Raiva transmitida em áreas urbanas ou rurais, por animais domésticos, é feita mediante a manutenção de altas coberturas vacinais nesses animais, por meio de estratégias de rotina e campanhas; controle de foco e bloqueio vacinal; captura e eliminação de cães de rua; envio de amostras para exame laboratorial, para monitoramento da circulação viral. A profilaxia da Raiva humana é feita com o uso de vacinas e soro, quando os indivíduos são expostos ao vírus rábico pela mordedura, lambedura de mucosas ou arranhadura provocada por animais transmissores da Raiva. A vacinação antirrábica não tem contraindicação, devendo ser iniciada o mais breve possível e garantir o completo esquema de vacinação preconizado. Prevenção da Raiva transmitida em áreas urbanas ou rurais, por animais domésticos. Manutenção de altas coberturas vacinais nesses animais, por meio de estratégias de rotina e campanhas; Controle de foco e bloqueio vacinal; captura e eliminação de cães de rua; Envio de amostras para exame laboratorial, para monitoramento da circulação viral. Profilaxia da Raiva É feita com o uso de vacinas e soro, quando os indivíduos são expostos ao vírus rábico pela mordedura, lambedura de mucosas ou arranhadura provocada por animais transmissores da Raiva. A vacina sempre faz parte do esquema de profilaxia; A indicação do soro ocorre quando se trata de um Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 57

59 acidente de alto risco para desenvolvimento da doença. Nobre concurseira(o), veja que os instrumentos disponíveis para prevenção e controle da raiva humana são a vacina e o soro. As vacinas humanas (cultivo celular) são mais potentes, seguras e isentas de risco. São produzidas em cultura de células (diploides humanas, células Vero, células de embrião de galinha, etc.), com cepas de vírus Pasteur (PV) ou Pittman- Moore (PM) inativados pela betapropiolactona. As vias de aplicação são a intramuscular (mais utilizada) e intradérmica (utilizada em casos específicos). Via intramuscular - são apresentadas na dose 0,5ml e 1ml, dependendo do fabricante (verificar embalagem e/ou lote). A dose indicada pelo fabricante NAO DEPENDE da idade ou do peso do paciente. A aplicação intramuscular deve ser profunda, na região do deltoide ou vasto lateral da coxa. Em crianças até 2 anos de idade, está indicado o vasto lateral da coxa. Via intradérmica - a dose da via intradérmica e de 0,1ml. Deve ser aplicada em locais de drenagem linfática, geralmente nos braços, na inserção do músculo deltoide. Importante! A vacina antirrábica não deve ser aplicada na região glútea. A vacina contra raiva não tem contraindicação (gravidez, mulheres lactantes, doença intercorrente ou outros tratamentos), devido à gravidade da doença que apresenta letalidade de aproximadamente 100%. As vacinas contra a raiva produzidas em meios de cultura são seguras. De acordo com os trabalhos publicados na literatura, causam poucos eventos adversos e, na quase totalidade dos casos, de pouca gravidade. O soro para uso humano (soro heterólogo) é uma solução concentrada e purificada de anticorpos, preparada em equídeos imunizados contra o vírus da raiva. A dose indicada e de 40UI/kg de peso do paciente. Deve-se infiltrar nas lesões a maior quantidade possível da dose do soro (vejam que o soro é aplicado diretamente ao redor das lesões do animal agressor). Quando a lesão for extensa e múltipla, a dose do soro a ser infiltrada, pode ser diluída, em soro fisiológico, para que todas as lesões sejam infiltradas. Caso a região anatômica não permita a infiltração de toda a dose, a quantidade restante, a menor possível, deve ser aplicada por via intramuscular, na região glútea. No quadro a seguir, encontra-se o esquema para tratamento profilático antirrábico humano Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 58

60 Condições do animal agressor Tipo de exposição Cão ou gato sem suspeita de Raiva no momento da agressão Cão ou gato clinicamente suspeito de Raiva no momento da agressão Cão ou gato raivoso desaparecido ou morto Animais silvestres 5 (inclusive os domiciliados) Animais domésticos de interesse econômico ou de produção Contato indireto Lavar com água e sabão; Não tratar. Lavar com água e sabão; Não tratar; Lavar com água e sabão; Não tratar; Acidentes leves Ferimentos superficiais, pouco extensos, geralmente únicos, em tronco e membros (exceto mãos, polpas digitais e planta dos pés); podem acontecer em decorrência de mordeduras ou arranhaduras causadas por unha ou dente; Lambedura de pele com lesões superficiais; Lavar com água e sabão Observar o animal durante 10 dias após exposição 1 ; Se o animal permanecer sadio no período de observação, encerrar o caso; Se o animal morrer, desaparecer ou se tornar raivoso, administrar 5 doses de vacina (dias 0, 3, 7, 14 e 28). Lavar com água e sabão Iniciar tratamento profilático com 2 doses, uma no dia 0 e outra no dia 3. Observar o animal durante 10 dias após exposição 1 ; Se a suspeita de Raiva for descartada após o 10 dia de observação, suspender o tratamento profilático e encerrar o caso; Se o animal morrer, desaparecer ou se tornar raivoso, completar o esquema até 5 doses, aplicar uma dose entre o 7 e o 10 dias e uma dose nos dias 14 e 28. Lavar com água e sabão; Iniciar imediatamente o esquema profilático com 5 doses de vacina administradas nos dias 0, 3, 7, 14 e 28. Acidentes graves Ferimentos na cabeça, face, pescoço, mão, polpas digitais e/ou planta do pé; Ferimentos profundos, múltiplos ou extensos, em Lavar com água e sabão Observar o animal durante 10 dias após exposição 1,2 ; Iniciar esquema profilático com 2 doses, uma no dia 0 e outra no dia 3. Se o animal Lavar com água e sabão Iniciar o tratamento com soro3 e 5 doses de vacina nos dias 0, 3, 7, 14 e 28; Observar o animal durante 10 dias após exposição; Lavar com água e sabão Iniciar imediatamente o esquema profilático com soro 3 e 5 doses de vacina administrada nos dias 0, 3, 7, 14 e 28. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 59

61 Condições do animal agressor Cão ou gato raivoso desaparecido ou morto Tipo de exposição Cão ou gato sem suspeita de Raiva no momento da agressão Cão ou gato clinicamente suspeito de Raiva no momento da agressão Animais silvestres 5 (inclusive os domiciliados) Animais domésticos de interesse econômico ou de produção qualquer região do corpo; Lambedura de mucosas; Lambedura de pele onde já existe lesão grave; Ferimento profundo causado por unha de animal. permanecer sadio no período de observação, encerrar o caso; Se o animal morrer, desaparecer ou se tornar raivoso, dar continuidade ao esquema profilático, administrando o soro 3,4 e completando o esquema até 5 doses. Se a suspeita de Raiva for descartada após o 10 dia de observação, suspender o esquema profilático e encerrar o caso; Aplicar uma dose entre o 7 e o 10 dia e uma dose nos dias 14 e É necessário orientar o paciente para que ele notifique imediatamente a Unidade de Saúde se o animal morrer, desaparecer ou se tornar raivoso, uma vez que podem ser necessárias novas intervenções de forma rápida, como a aplicação do soro ou o prosseguimento do esquema de vacinação. 2 - É preciso avaliar, sempre, os hábitos do cão e gato e os cuidados recebidos. Podem ser dispensados do esquema profilático as pessoas agredidas pelo cão ou gato que, com certeza, não tem risco de contrair a infecção rábica. Por exemplo, animais que vivem dentro do domicílio (exclusivamente); não tenham contato com outros animais desconhecidos; que somente saem à rua acompanhados dos seus donos e que não circulem em área com a presença de morcegos. Em caso de dúvida, iniciar o esquema de profilaxia indicado. Se o animal for procedente de área de raiva controlada não é necessário iniciar o esquema profilático. Manter o animal sob observação e só iniciar o esquema profilático indicado (soro+vacina) se o animal morrer, desaparecer ou se tornar raivoso. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 60

62 3 - O soro deve ser infiltrado na(s) porta(s) de entrada. Quando não for possível infiltrar toda dose, aplicar o máximo possível e a quantidade restante, a menor possível, aplicar pela via intramuscular, podendo ser utilizada a região glútea. Sempre aplicar em local anatômico diferente do que aplicou a vacina. Quando as lesões, forem muito extensas ou múltiplas a dose do soro a ser infiltrada pode ser diluída, o menos possível, em soro fisiológico para que todas as lesões sejam infiltradas. 4 - Nos casos em que se conhece só tardiamente a necessidade do uso do soro antirrábico ou quando o mesmo não se encontra disponível no momento, aplicar a dose de soro recomendada antes da aplicação da 3ª dose da vacina de cultivo celular. Após esse prazo o soro não é mais necessário. 5 - Nas agressões por morcegos deve-se indicar a soro-vacinação independentemente da gravidade da lesão, ou indicar conduta de reexposição. Vejamos uma questão sobre o tema: 22. (HU-UFS/EBSERH/Instituto AOCP/2014) A profilaxia pré-exposição deve ser indicada para pessoas com risco de exposição permanente ao vírus da Raiva, durante atividades ocupacionais exercidas por profissionais como biólogos e médicos veterinários. Assim, o esquema pré-exposição e os dias de aplicação nestes casos são: a) Esquema: 3 doses; Dias de aplicação: 0,7,28. b) Esquema: 2 doses; Dias de aplicação: 0,3. c) Esquema: Dose única; Dias de aplicação: 0. d) Esquema: 5 doses; Dias de aplicação: 0,3,7,14,28. e) Esquema: 4 doses; Dias de aplicação: 0, 3, 7,14. COMENTÁRIOS A questão aborda sobre profilaxia pré-exposição, vamos entendê-la para poder resolver a questão. Essa profilaxia deve ser indicada para pessoas com risco de exposição PERMANENTE ao vírus da raiva, durante atividades ocupacionais exercidas por profissionais como: médico veterinário; biólogo; auxiliares e demais funcionários de laboratório de virologia e anatomopatologia para raiva; estudantes de veterinária, biologia e agrotécnica; pessoas que atuam no campo na captura, vacinação, identificação e classificação de mamíferos passíveis de portarem o vírus, bem como Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 61

63 funcionários de zoológicos; pessoas que desenvolvam trabalho no campo (pesquisas, investigações ecoepidemiológicas) com animais silvestres; e espeleólogos, guias ecoturismo, pescadores e outros profissionais que trabalham em áreas de risco. Vejamos como é o esquema pré-exposição para raiva. Esquema Dias aplicação de 3 doses 0, 7, 28 Vias de administração, dose e local de aplicação. Controle sorológico Intramuscular profunda: dose completa. Local: deltoide ou vasto lateral. NÃO APLICAR NO GLÚTEO. Intradérmica: 0,1 ml, na inserção do músculo deltoide. A partir do 14º dia após a última dose do esquema. Atenção! São considerados satisfatórios os títulos de anticorpos 0,5 UI/ml. O item correto é o A, pois descreve que o esquema pré-exposição é composto por 3 doses, nos dias 0, 7 e Introdução da vacina dtpa para gestantes no Calendário Nacional de Vacinação Considerando a situação epidemiológica da coqueluche e a necessidade de proteger contra a doença o binômio mãe-filho, a vacina adsorvida de difteria, tétano e coqueluche (pertussis acelular) - dtpa, foi introduzida desde de novembro de 2014 no Calendário Nacional de Vacinação para gestantes e profissionais de saúde que atendam recém-nascidos nas maternidades e UTIs neonatais, como reforço ou complementação do esquema da vacina dupla adulto (difteria e tétano). Esta vacina oferece proteção vacinal indireta nos primeiros meses de vida (passagem de anticorpos maternos por via transplacentária para o feto) quando a criança ainda não teve a oportunidade de completar o esquema vacinal. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 62

64 Indicação da vacina: A vacina é indicada para gestantes a partir da vigésima sétima semana (27ª) até a trigésima sexta semana (36ª) de gestação, preferencialmente, podendo ser administrada até 20 dias antes da data provável do parto. A dtpa adulto deve ser administrada a cada gestação considerando que os anticorpos tem curta duração, portanto, a vacinação na gravidez não levará a alto nível de anti-corpos protetores em gestações subsequentes. Esta vacina deverá ser registrada no cartão do pré-natal ou de vacinação do adulto. Para a proteção do RN, além da indicação da vacina para as gestantes, é de fundamental importância a vacinação dos profissionais de saúde que atuam em maternidades e em unidades de internação neonatal (UTI/UCI convencional e UCI Canguru), atendendo recém-nascidos e crianças menores de um ano. Especificação técnica: Caixa com 10 seringas prenchidas monodose de 0,5 ml e 10 agulhas para aplicação intramuscular. Esquema recomendado: O esquema recomendado da dtpa adulto é uma dose a cada gestação; A depender da situação vacinal encontrada administrar uma dose da vacina dtpa para iniciar o esquema, completar ou como dose de reforço. Este esquema deverá ser completada até 20 dias antes da data provável do parto com a dt. Resumo - dtpa dose profissionais Proteção da criança - coqueluche objetivo 0,5 ml IM 27ª a 36ª s < 20 d parto gestantes UTI Neonatal maternidades Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 63

65 16 Vacina Hepatite A E indicada para a prevenção da infecção causada pelo vírus da hepatite A. O PNI recomenda a vacinação de crianças de 12 meses ate menores de 2 anos de idade. O PNI recomenda uma dose aos 15 meses (antes era aos 12 meses) de idade na rotina de vacinação. Situações individuais específicas podem exigir a adoção de esquema e dosagem diferenciados nos CRIE. O volume da vacina a ser administrado e de 0,5 ml. A vacina pode ser administrada simultaneamente com as demais vacinas dos calendários de vacinação do Ministério da Saúde. A vacina e administrada por via intramuscular. IM 0,5 ml 15 meses até 23 meses Atenção! A vacina contra Hepatite A foi incluída desde o dia 15/07/2014 no Calendário Nacional de Imunização. É indicada para crianças entre 1 a 2 anos. Dose única, 0,5 ml, IM. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 64

66 17 - Contraindicações, Situações Especiais, Adiamento, Vacinação Simultânea e Falsas Contraindicações 23. (Rômulo Passos) A ocorrência de febre, acima de 38,5 ºC, após a administração de uma vacina constitui contraindicação à dose subsequente. COMENTÁRIOS: Alguns fatores, situações e condições podem ser considerados como possíveis contraindicações comuns à administração de todo e qualquer imunobiológico. Outros fatores, situações e condições especiais devem ser objeto de avaliação tem em vista a decisão em vacinar. Além disso, Outros fatores, situações e condições podem apontar a necessidade do adiamento da vacinação. Já as situações específicas, relacionadas a cada produto em particular, estarão citadas na descrição de cada vacina. Contraindicação é entendida como uma condição na pessoa a ser vacinada que aumenta, em muito, o risco de um evento adverso grave, ou que faz com que o risco de complicações da vacina seja maior que o risco da doença contra qual se deseja proteger. A vacina não deve ser administrada quando uma contraindicação é identificada na pessoa a ser vacinada. Para todo e qualquer imunobiológico consideram-se como contraindicações: a ocorrência de hipersensibilidade (reação anafilática) após o recebimento de dose anterior; história de hipersensibilidade aos componentes de qualquer um dos produtos. Agora, vamos descrever algumas considerações sobre esse tema: I A ocorrência de febre, acima de 38,5 ºC, após a administração de uma vacina não constitui contraindicação à dose subsequente. II Quando ocorrer febre, administrar antitérmico de acordo com a prescrição médica. III Não indicar o uso de paracetamol antes ou depois da vacinação para não diminuir a imunogenicidade. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 65

67 A questão está incorreta, já que a ocorrência de febre, acima de 38,5 ºC, após a administração de uma vacina não constitui contraindicação à dose subsequente. 24. (Rômulo Passos) De acordo com o Programa Nacional de Imunização, pessoas que fazem uso de terapia com corticosteróides devem ser vacinadas com intervalo de, pelo menos, um mês após a suspensão da droga. COMENTÁRIOS: São situações especiais que devem ser avaliadas, cada uma em suas particularidades, no sentido da indicação ou não da vacinação: pessoas que fazem uso de terapia com corticosteróides devem ser vacinadas com intervalo de, pelo menos, um mês após a suspensão da droga; Notas: Essas pessoas podem estar imunodeprimidas, dependendo da dose e do tempo de utilização da droga; São consideradas como imunossupressora a dose superior a 2mg/kg de peso, por dia, de prednisona ou equivalente para crianças, e acima de 20 mg/kg de peso, por dia, para crianças maiores e adultos, por tempo superior a 14 dias. pessoas infectadas pelo HIV precisam de proteção especial contra as doenças imunopreveníveis, mas é necessário avaliar cada caso, considerando que há uma grande heterogeneidade de situações, desde o soropositivo (portador assintomático, sem alterações imunológicas) até o imunodeprimido, com a instalação da doença; indivíduos classificados como HIV-positivos, mas que não apresentam alterações imunológicas e não registram sinais ou sintomas clínicos indicativos de imunodeficiência, podem receber todas as vacinas dos calendários de vacinação o mais precocemente possível. Notas: Na medida em que aumenta a imunodepressão, aumenta o risco da administração de vacinas de agentes vivos, bem como a possibilidade de resposta imunológica insuficiente ou inadequada; Pessoas com imunodeficiência clínica ou laboratorial grave não devem receber vacinas de agentes vivos. a pessoa que fez transplante de medula óssea (pós-transplantada) deve ser revacinada com todas as vacinas dos calendários oficiais de Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 66

68 vacinação (de acordo com a indicação: idade e dose), seis a 12 meses depois do transplante; devem ser encaminhados ao CRIE para serem vacinados. Notas: Considerar que o transplantado, com relação à resposta imune, pode ser afetado por inúmeros fatores: imunidade do doador, tipo de transplante, tipo de célula utilizada, medicamentos imunossupressores etc. A partir dos comentários, verificamos que a questão apresenta-se correta. 25. (Rômulo Passos) A decisão por adiar uma vacina está relacionada a uma atitude de precaução por parte do profissional de saúde que deve avaliar a relação entre o risco e o benefício de uma determinada imunização. COMENTÁRIOS: O adiamento da administração de um imunobiológico é uma decisão que está relacionada a uma condição específica da pessoa que vai receber a vacina (física e ou biológica) ou à possibilidade de interferência entre vacinas no caso de vacinas vivas. A decisão por adiar uma vacina está relacionada a uma atitude de precaução por parte do profissional de saúde que deve avaliar a relação entre o risco e o benefício de uma determinada imunização. O adiamento da administração de um imunobiológico, no entanto, deve ocorrer somente em situações muito específicas a exemplo das descritas a seguir: quando a pessoa estiver recebendo dose elevada de corticóide, a vacinação com vacinas de vírus vivo atenuado ou com vacina de bactéria viva deve ser adiada por 30 dias depois da suspensão ou do termino do tratamento; Nota: Considerar como elevada a dose maior que 2mg/kg de peso/por dia, de prednisona ou equivalente para crianças e maior que 20mg/kg de peso/por dia para crianças maiores e adultos, por um período inferior a 14 dias. A administração de imunoglobulina humana (gamaglobulina) sangue total ou plasma deve ser adiada nos três meses anteriores à imunossupressão por doença ou terapêutica (quimioterapia, radioterapia); Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 67

69 quando a pessoa apresenta doença grave febril principalmente para que os sinais e sintomas da doença não sejam atribuídos ou confundidos com possíveis eventos adversos relacionados à vacina aplicada. A questão, portanto, encontra-se correta. 26. (Rômulo Passos) A vacinação simultânea consiste na administração de duas ou mais vacinas em diferentes locais ou vias de administração. Todas as vacinas dos calendários de vacinação, sem exceção, podem ser administradas simultaneamente sem que ocorra interferência na resposta imunológica. A administração simultânea também não aumenta a possibilidade de reações adversas locais ou sistêmicas. COMENTÁRIOS: A vacinação simultânea consiste na administração de duas ou mais vacinas em diferentes locais ou vias de administração. Todas as vacinas dos calendários de vacinação, de um modo geral, podem ser administradas simultaneamente sem que ocorra interferência na resposta imunológica. A administração simultânea também não aumenta a possibilidade de reações adversas locais ou sistêmicas. Nessas situações, as vacinas devem ser administradas em locais diferentes do corpo da pessoa a ser vacinada. Como exceção tem-se a administração simultânea das vacinas da febre amarela e a tríplice viral, pois, segundo estudos recentes, essa simultaneidade reduz a resposta imunológica para a tríplice viral. A questão, portanto, está errada. 27. (Rômulo Passos) Falsa contraindicação é a situação em que o profissional de saúde diante de situações ou ocorrências que não têm sustentação técnica ou científica decide por não administrar a vacina, muitas vezes por receio, insegurança ou desconhecimento. São exemplos de situações que caracterizam a ocorrência de falsas contraindicações, ou seja, situações em que as pessoas podem receber qualquer vacina, exceto: a) vigência de enfermidade aguda benigna, a exemplo de processo catarral ou diarréia quando a criança é sadia, ou infecção simples das vias respiratórias superiores (resfriado comum, coriza, catarro), sem febre; b) criança prematura, com exceção daquelas com peso inferior a 2,5 kg; Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 68

70 c) ocorrência de reação a uma dose anterior da vacina, a exemplo da reação local (dor, vermelhidão ou inflamação no lugar da injeção) ou febre inferior a 40,5 ºC, registrada após a administração da vacina tetravalente; d) uso de antibiótico ou antiviral, uma vez que esses medicamentos não interferem na resposta imune às vacinas; e) vigência de desnutrição, uma vez que mesmo nessas situações a resposta às vacinas é adequada e não há aumento dos eventos adversos. COMENTÁRIOS: São exemplos de situações que caracterizam a ocorrência de falsas contraindicações, ou seja, situações em que as pessoas podem receber qualquer vacina: vigência de enfermidade aguda benigna, a exemplo de processo catarral ou diarréia quando a criança é sadia, ou infecção simples das vias respiratórias superiores (resfriado comum, coriza, catarro), sem febre; criança prematura, com exceção daquelas com peso inferior a 2 kg; ocorrência de reação a uma dose anterior da vacina, a exemplo da reação local (dor, vermelhidão ou inflamação no lugar da injeção) ou febre inferior a 40,5 ºC, registrada após a administração da vacina tetravalente; uso de antibiótico ou antiviral, uma vez que esses medicamentos não interferem na resposta imune às vacinas; vigência de desnutrição, uma vez que mesmo nessas situações a resposta às vacinas é adequada e não há aumento dos eventos adversos; diagnóstico clínico prévio de doença, relacionada a vacina a ser administrada; vigência de doença neurológica estável; história familiar de convulsões relacionadas à vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis ou à vacina sarampo, caxumba, rubéola; história familiar da síndrome de morte súbita do lactente relacionada à vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis; história de alergia aos antibióticos contidos nas vacinas (neomicina, estreptomicina ou polimixima B), salvo se a reação alérgica que se apresentou tenha sido do tipo anafilática; vigência de tratamento com corticosteróides em dias alternados, em dose inferior a 2mg/kg/dia de prednisona ou equivalente, no caso de criança, ou em dose inferior a 20mg/kg/dia em criança maior ou adulto, pois nessas situações essa pessoa não é considerada imunodeprimida; Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 69

71 uso de corticosteróides inalatório ou tópico ou com dose de manutenção fisiológica; quando a pessoa é contato domiciliar de mulher grávida, ou seja, quando convive com gestante, uma vez que os vacinados não transmitem os vírus vacinais do sarampo, caxumba ou da rubéola; quando a mulher está no período de amamentação pode ser vacinada; Nota: atualmente, a exceção, no caso da mulher que está amamentando, refere-se à vacina febre amarela (atenuada), cuja administração deve ser adiada até que a criança complete seis meses de idade, pela possibilidade de transmissão do vírus vacinal pelo leite materno. quando a pessoa está fazendo tratamento antirrábico; quando a pessoa relatar história remota de diagnóstico clínico da doença objeto de prevenção da vacina que está sendo administrada ela pode ser vacinada. Nota: nas situações de surto quando a pessoa relatar diagnóstico clínico da doença objeto da vacinação (medida de controle) é indicado o adiamento da vacinação. A letra B é a incorreta, pois é uma falsa contraindicação para a administração de imunobiológicos (vacinas) a criança ser prematura, com exceção daquelas com peso inferior a 2 Kg, e não 2,5 kg Disposições Gerais 28. (Instituto Benjamin Constant/AOCP/2013) Assinale a alternativa que apresenta uma vacina composta por vírus vivos atenuados. a) BCG. b) Febre Amarela. c) DTP. d) Hepatite B. e) Haemophilus influenzae do tipo b COMENTÁRIOS: As principais vacinas compostas por vírus vivos atenuados 4 são as seguintes: tríplice viral, tetra viral, febre amarela, poliomielite e rotavírus. 4 As vacinas produzidas contra os vírus podem ser de dois tipos a saber: atenuada ou inativada. A vacina atenuada é aquela em que o vírus encontra-se vivo, porém sem capacidade de produzir a doença (caxumba, febre amarela, poliomielite, rubéola, sarampo, tríplice viral, varicela e varíola). Algumas vezes estes vírus podem reverter para a forma selvagem causando a doença. Estas vacinas são contraindicadas para imunodeprimidos e gestantes. A vacina inativada contém o vírus Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 70

72 Vamos descrever abaixo a composição das principais vacinas do calendário básico do Programa Nacional de Imunização (PNI). A vacina contra o sarampo, caxumba e rubéola (tríplice viral) é uma vacina combinada que contém os vírus vivos do sarampo, da caxumba e da rubéola, atenuados em cultivo celular. A vacina contra o sarampo, caxumba, rubéola e varicela (tetra viral) é uma vacina combinada que contém os vírus vivos do sarampo, da caxumba, da rubéola e varicela, atenuados em cultivo celular. A vacina contra a febre amarela é composta de vírus vivos atenuados da febre amarela, derivados da linhagem 17 D, cultivados em ovos embrionados de galinha. A vacina oral poliomielite (VOP) contém uma suspensão dos vírus da poliomielite atenuados dos tipos I, II e III (cepas Sabin). A vacina rotavírus G1P1[8] (atenuada) é monovalente, ou seja, a cepa utilizada em sua composição possui apenas um sorotipo do Rotavirus. A vacina inativada poliomielite (VIP) é constituída por cepas inativadas (mortas) dos três tipos (1, 2 e 3) de poliovírus e produz anticorpos contra todos eles. A vacina BCG é preparada com bacilos vivos (bactérias), a partir de cepas do Mycobacterium bovis, atenuadas com glutamato de sódio. A vacina hepatite B (recombinante) contem o antígeno recombinante de superfície (rhbsag) que é purificado por vários métodos físico-químicos, adsorvido por hidróxido de alumínio, tendo o timerosal como conservante. A composição varia conforme o laboratório produtor. A vacina pentavalente é uma associação dos toxóides diftérico e tetânico com a Bordetella pertussis (bactérias) inativada, oligossacarídeos Hib e antígeno de superfície da hepatite B. A vacina adsorvida difteria e tétano adulto (dt) é constituída pelos toxóides diftérico e tetânico, sendo que o componente diftérico apresenta-se em menor concentração que na vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis e na vacina adsorvida difteria e tétano infantil. A vacina conjugada meningococo do grupo C é apresentada sob a forma isolada ou combinada com o meningococo do grupo A (bactéria). Neste caso, inativado por agentes químicos ou físicos, ou subunidades e fragmentos obtidos por engenharia genética. Neste caso nunca ocorre a reversão para a forma selvagem (gripe, hepatites A e B, poliomielite injetável e raiva). Estas vacinas podem ser indicadas para os imunodeprimidos. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 71

73 contêm 50mcg do polissacarídeo capsular purificado correspondente a cada sorogrupo. Por eliminação, o gabarito da questão é a letra B. 29. (Prefeitura de Indaiatuba-SP/IBC/2013) A vacinação é a maneira mais eficaz de evitar diversas doenças imunopreveníveis, como varíola (erradicada), poliomielite (paralisia infantil), sarampo, tuberculose, rubéola, gripe, hepatite B, febre amarela, entre outras. Em relação à vacinação da criança assinale a alternativa correta: a) A primeira dose da vacina oral rotavírus humano deve ser administrada até 5 meses e 15 dias. b) A vacina BCG deve ser administrada o mais precoce possível, preferencialmente após o nascimento. c) A vacina pneumocócica 10 deve ser administrada no primeiro mês de vida. d) A vacina sarampo, caxumba e rubéola é realizada em dose única. COMENTÁRIOS: Item A. Incorreto. A vacina rotavírus humano G1P1 [8] (atenuada) - VORH deve ser administrada preferencialmente aos 2 e 4 meses de idade. A primeira dose pode ser administrada a partir de 1 mês e 15 dias até 3 meses e 15 dias. A segunda dose pode ser administrada a partir de 3 meses e 15 dias até 7 meses e 29 dias. O intervalo mínimo entre as doses é de 30 dias. Calendário da Vacina Rotavírus 1ª dose (preferencialmente aos 2 meses) 2ª dose (preferencialmente aos 4 meses) a partir de 1 mês e 15 dias até 3 meses e 15 dias a partir de 3 meses e 15 dias até 7 meses e 29 dias Item B. Correto. A vacina BCG é administrada nas primeiras 12 horas de vida, preferencialmente na maternidade ou na primeira visita do bebê à Unidade de Saúde, considerando que quanto menor a idade maior a eficácia da vacina. Item C. Incorreto. Em regra, a primeira dose da vacina pneumocócica 10 iniciará a partir de 2 meses de idade. O esquema de vacinação primária consiste em 2 doses de 0,5 ml, com intervalo de pelo menos 1 mês entre as doses, contudo o Programa Nacional de Imunização (PNI) adotou o intervalo de 2 meses entre as doses. Desta forma o esquema será de 2 e 4 meses. Uma dose de reforço é recomendada preferencialmente entre os 12 e 15 meses de idade. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 72

74 Segue o calendário da vacina pneumocócica 10-valente: 2 meses -> 4 meses -> reforço aos 12 meses. Item D. Incorreto. A vacina sarampo, caxumba e rubéola (tríplice viral) é uma vacina combinada que contém os vírus vivos do sarampo, da caxumba e da rubéola, atenuados em cultivo celular. Para indivíduos de 12 meses a 19 anos, deve ser administrada duas doses, conforme situação vacinal encontrada. A 1ª dose deve ser administrada aos 12 meses com a vacina tríplice viral e a 2ª dose, preferencialmente, aos 15 meses de idade com a vacina tetra viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela), para as crianças que já tenham recebido a 1ª dose da vacina tríplice viral. A vacina tetra viral será administrada entre os 15 a 23 meses e 29 dias, caso a criança tenha recebido a 1ª dose da tríplice viral. Para não esquecerem: a 1ª dose da tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) continuará a ser administrada preferencialmente aos 12 meses de idade. As crianças que tiverem tomado a 1ª dose da tríplice viral deverão receber a tetra viral entre os 15 a 23 meses e 29 dias (preferencialmente aos 15 meses). Para as crianças acima de 15 meses de idade não vacinadas, administrar a vacina tríplice viral observando o intervalo mínimo de 30 dias entre as doses. Considerar vacinada a pessoa que comprovar duas doses de vacina com componente sarampo, caxumba e rubéola. Para indivíduos de 20 a 49 anos de idade, deve-se administrar uma dose, conforme situação vacinal encontrada. Considerar vacinada a pessoa que comprovar uma dose de vacina com componente sarampo, caxumba e rubéola (tríplice viral) ou sarampo e rubéola (dupla viral). Vacina contra sarampo, caxumba e rubéola criança até os 15 meses criança maior de 15 meses até adolescente de 19 anos adulto (20 a 49 anos) É indicada aos 12 meses (um ano de idade). Uma segunda dose da tetraviral deve ser agendada para 15 meses de idade. Deve-se considerar vacinado aquele que comprovar o esquema de duas doses. Se apresentar comprovação de apenas uma dose, deve-se administrar a segunda dose. Duas doses da vacina são indicadas para aquele não vacinado com nenhuma dose, com o intervalo mínimo de 30 dias. É indicada apenas uma dose em individuos de 20 a 49 que não apresentarem comprovação vacinal. A vacina sarampo, caxumba e rubéola é administrada por via subcutânea. O volume correspondente a uma dose é de 0,5 ml, podendo variar de acordo com o laboratório produtor. Nessa tela, a alternativa correta é a letra B. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 73

75 30. (HU-UFMA/EBSERH/IBFC/2013) Mariana tem um filho de 1 ano, 2 meses e 2 dias e apresenta esquema de vacinação completa até os 9 meses de idade. Hoje ela comparece à unidade básica de saúde para completar esquema de vacinação. Segundo o calendário nacional de vacinação, assinale a alternativa que contemple os imunobiológicos indicados para este caso. a) Apenas 1ª dose de Sarampo, Caxumba e Rubéola (SRC). b) Apenas reforço Pneumo 10 e 1ª dose de Sarampo, Caxumba e Rubéola (SRC). c) Apenas 1º reforço da pentavalente (Difteria, Tétano, Coqueluche, Haemophilus influenzae, Hepatite B) e reforço da Vacina inativada poliomielite (VIP). d) Apenas 1º reforço da DTP (Difteria, Tétano, Coqueluche) e reforço da Vacina Inativada poliomielite (VIP). e) Apenas reforço Pneumo 10. COMENTÁRIOS: Para melhor entendimento da questão vejamos, na tabela abaixo, o cronograma do Calendário Nacional de Imunização. Tabela Resumo - Imunização VACINA CALENDÁRIO DOSE VIA OBSERVAÇÕES Curso Completo de Enfermagem para Concursos Página 74

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário Nacional de Vacinação,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO POVOS INDÍGENAS O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário

Leia mais

Curso Completo de Enfermagem para Concursos Aula nº 8 - Imunização

Curso Completo de Enfermagem para Concursos Aula nº 8 - Imunização Curso Completo de Enfermagem para Concursos Aula nº 8 - Imunização O tema imunização sempre está presente nas provas de enfermagem, sendo complexo em decorrência dos inúmeros detalhes e atualizações constantes.

Leia mais

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010

PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.946, DE 19 DE JULHO DE 2010 Institui, em todo o território nacional, o Calendário de vacinação para os Povos Indígenas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17 de outubro de 2014

SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17 de outubro de 2014 Circular 565/2014 São Paulo, 20 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) "CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO" PARA OS PORTADORES DA SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17

Leia mais

Calendário de Vacinas 2011

Calendário de Vacinas 2011 Calendário de Vacinas 2011 Untitled-2 1 4/4/11 4:59 PM Atualizações + atualizações_arquivo.indd 1 2 Atualizações Calendário Básico de Vacinação 2011 Idade Vacina Dose Doenças evitadas Ao nascer BCG-ID

Leia mais

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CENTRO DE EPIDEMIOLÓGICA DO PARANÁ PROGRAMA ESTADUAL DE IMUNIZAÇÃO TODO DIA É DIA

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis

Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Saúde Ambiental Subcoordenação de Vigilância Epidemiológica Setor de Agravos Imunopreveníveis Agosto - 2012 APRESENTAÇÃO O Sistema Único de Saúde (SUS) altera

Leia mais

FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS

FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - SUVISA GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE DE FRIO GIRF COORDENAÇÃO DE EAPV/CRIE FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinação do Prematuro Vacinas BCG ID (intradérmica) Hepatite B (HBV) Pneumocócica conjugada Recomendações

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE FRIO GOIÁS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DA VACINA INATIVADA POLIOMIELITE

Leia mais

Vacina Pentavalente. Nomenclatura. Proteção. Forma Farmacêutica Apresentação

Vacina Pentavalente. Nomenclatura. Proteção. Forma Farmacêutica Apresentação Vacina Pentavalente Nomenclatura Proteção Forma Farmacêutica Apresentação Lab. Produtor Composição Indicação Precauções Contra Indicações - Vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis, hepatite B (recombinante)

Leia mais

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação

Instrumento Administrativo Política Institucional Nº 02.03 Política de Vacinação Rev: 03 Data: 19/07/2010 Página 1 de 5 Anexo I - Rol de Vacinas cobertas por esta Política Vacina Nome da Droga Pré-requisitos para cobertura Documentação necessária Observação Crianças de 1 a 12 anos:

Leia mais

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C.

IMPORTANTE. Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Administração de Imunobiológicos IMPORTANTE Os imunobiológicos devem ser mantidos no REFRIGERADOR com temperatura entre -2 e +8 C. Contra indicações gerais: Imunodeficiência congênita ou adquirida Neoplasias

Leia mais

IMUNIZAÇÕES. Jacy Amaral Freire de Andrade (*)

IMUNIZAÇÕES. Jacy Amaral Freire de Andrade (*) IMUNIZAÇÕES Jacy Amaral Freire de Andrade (*) Imunização é um campo crescente do conhecimento científico que tem exigido um repensar constante do calendário ideal de vacinação, o qual deve ser adaptado

Leia mais

Política de Vacinação

Política de Vacinação Rol de s cobertas por esta Política Catapora ou Varicela contra Varicela Biken Crianças de 1 a 12 anos: esquema vacinal em dose única. Pacientes imunocomprometidos: portadores de leucemia linfóide aguda

Leia mais

Saúde Naval CARTILHA DA CRIANÇA

Saúde Naval CARTILHA DA CRIANÇA Saúde Naval CARTILHA DA CRIANÇA (0-12 ANOS) DICAS DE VACINAÇÃO O calendário vacinal é uma sequência cronológica de vacinas que se administram sistematicamente às crianças de determinada área ou região.

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com

Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II. Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Universidade Federal do Rio Grande FURG VACINAS AULA II Prof. Edison Luiz Devos Barlem ebarlem@gmail.com Calendário de Vacinação Infantil 2011 1. BCG (contra Tuberculose); 2. Vacina contra Hepatite B;

Leia mais

VACINA PENTAVALENTE CADERNO DO TREINANDO

VACINA PENTAVALENTE CADERNO DO TREINANDO SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE DE FRIO Av. Anhanguera, 5195 Setor Coimbra Goiânia GO Fone: (62) 3201-4547/4543 FAX: (62) 3201-4545 E-mail: pnigoias@gmail.com VACINA

Leia mais

Imunização. IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS

Imunização. IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS IMUNIZAÇÃO Profa. MS. KELLI COELHO DOS SANTOS Kelli Santos Enfermeira SES GO Especialista em Saúde Pública, Epidemiologia, PSF e Auditoria dos Sistemas de Saúde Mestre em Gestão dos Serviços de Saúde Membro

Leia mais

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI

QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI QUESTÕES SOBRE O MÓDULO PNI 1 - (Concurso CFO/CQ 2003) A criança C.M.B. tem dois meses e foi encaminhada à unidade de saúde para ser vacinada. Já tomou BCG, a primeira e a segunda dose da vacina contra

Leia mais

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL USO DE IMUNOBIOLÓGICOS NA ENFERMAGEM UNIDADE NEONATAL Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro A garantia da imunização por meio das vacinas básicas disponibilizadas

Leia mais

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Módulo 04 Coqueluche 21 e 22 de maio de 2014 Salvador, Ba Maria do Carmo Campos Lima GT DTP/DIVEP/SESAB COQUELUCHE ASPECTOS LEGAIS Arts. 7º e 8º, da Lei nº

Leia mais

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família 1º. a 3 de junho de 2004 lourdes.maia@funasa.gov.br PNI. Dados Históricos No Brasil, vacina-se desde 1804. 1973 foi criado um Programa Nacional

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição; e PORTARIA Nº- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

Calendário de Vacinação Ocupacional

Calendário de Vacinação Ocupacional Calendário de Vacinação Ocupacional Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinaçã Profissionais indicados de acordo Vacinas Esquemas Saúde Alimentos e bebidas Militares policiais e bombeiros

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 IDADE Ao 2m 3m 4m 5m 6m 7m 12m 15m 18m 4 a 6 11 14 a 16 Nascer anos anos anos BCG ID 1 Hepatite B 2 DTP / DTPa 3 dt/dtpa 4 Hib 5 VIP / VOP 6 Pneumo

Leia mais

PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO. Prof. Enf. Hygor Elias

PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO. Prof. Enf. Hygor Elias PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Prof. Enf. Hygor Elias PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI 1973 erradicação da varíola no Brasil e instituição do PNI 1975 instituído o Serviço Nacional de Vigilância Epidemiológica

Leia mais

Vigilância Epidemiológica Municipal. Campanha de Vacinação contra Influenza A (H1N1)

Vigilância Epidemiológica Municipal. Campanha de Vacinação contra Influenza A (H1N1) Vigilância Epidemiológica Municipal Campanha de Vacinação contra Influenza A (H1N1) 1. Introdução A vacinação contra influenza pandêmica terá como objetivo, manter o funcionamento dos serviços de saúde

Leia mais

Atualização Imunização 2017

Atualização Imunização 2017 Atualização Imunização 2017 Sala de Vacina Equipamento distante de fonte de calor e raios solares; Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Usar tomada exclusiva para cada equipamento; Temperatura

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Limpeza, Desinfecção e Controle de Temperatura do Refrigerador

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Limpeza, Desinfecção e Controle de Temperatura do Refrigerador Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Limpeza, Desinfecção e Controle de Temperatura do Refrigerador Enfermeiro Adilson Adair Böes Enfermeiro João de Deus Reck Lima Junior Rotina

Leia mais

Sala de Vacina. Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Verificar a temperatura 2 vezes ao dia;

Sala de Vacina. Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Verificar a temperatura 2 vezes ao dia; Sala de Vacina Equipamento distante de fonte de calor e raios solares; Afastar o refrigerador da parede, pelo menos 20 cm; Usar tomada exclusiva para cada equipamento; Temperatura interna preferencialmente

Leia mais

VACINAÇÃO PRÉ E PÓS-TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS ADULTO

VACINAÇÃO PRÉ E PÓS-TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS ADULTO VACINAÇÃO PRÉ E PÓS-TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS ADULTO Os candidatos a transplantes de órgão sólidos, os receptores, seus comunicantes domiciliares, os doadores e a equipe assistencial devem ter seus esquemas

Leia mais

Quando do reconhecimento do direito ao salário-família, tomar-se-á como parâmetro o salário-de-contribuição da competência a ser pago o benefício.

Quando do reconhecimento do direito ao salário-família, tomar-se-á como parâmetro o salário-de-contribuição da competência a ser pago o benefício. Benefício - Salário-família Resumo: Este procedimento trata do salário família, o seu direito, o pagamento, as condições para o pagamento e os documentos exigidos, o valor da cota, a forma de reembolso

Leia mais

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012

Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação. Brasília - agosto de 2012 Campanha para Atualização da Caderneta de Vacinação Brasília - agosto de 2012 18/08/2012 Atualização da Caderneta de Vacinação A campanha será realizada no período de 18 a 24 de agosto Dia da Mobilização

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E SAÚDE Orientador Empresarial Vacinação - Calendário Básico - Criança, Adolescente, Adulto e Idoso Revogação da Portaria

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada)

vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) Modelo de Bula Página 1 de 6 vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável. - Cartucho com 1 seringa

Leia mais

CRIE. Carla Matos Shirley F de Souza. Tayana Amaral GT-CRIE/CEI/DIVEP. Salvador-Ba Julho de 2014

CRIE. Carla Matos Shirley F de Souza. Tayana Amaral GT-CRIE/CEI/DIVEP. Salvador-Ba Julho de 2014 CRIE Carla Matos Shirley F de Souza Salvador-Ba Julho de 2014 Tayana Amaral GT-CRIE/CEI/DIVEP CEI COMITÊ EQUIPE TÉCNICA DE VIGILÂNCIA DE EAPV EQUIPE TÉCNICA CRIE SUB -COORD. REDE DE FRIO EQUIPE TÉCNICA

Leia mais

MENINGOCÓCICA C (CONJUGADA) DOSE < DE1ANO 1ANO 2a4 ANOS 5 a 8ANOS 9 a 12ANOS 13 a 19ANOS 20 a 59ANOS D1 VIP/VOP (SEQUENCIAL) DTP/HB/HIB (PENTA)

MENINGOCÓCICA C (CONJUGADA) DOSE < DE1ANO 1ANO 2a4 ANOS 5 a 8ANOS 9 a 12ANOS 13 a 19ANOS 20 a 59ANOS D1 VIP/VOP (SEQUENCIAL) DTP/HB/HIB (PENTA) IDENTIFICAÇÃO BOLETIM MENSAL DE S APLICADAS SI - API VERSÃO 10 MÊS ANO CÓDIGO DA UNIDADE NOME DA UNIDADE UF REGIONAL CÓDIGO DO MUNICÍPIO NOME DO MUNICÍPIO BCG ROTINA MENOR DE 1 ANO 1 ANO 2 ANOS 3 ANOS

Leia mais

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE SANTA CATARINA Última atualização em 05 de janeiro de 2016

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE SANTA CATARINA Última atualização em 05 de janeiro de 2016 Grupo alvo Idade BCG Hepatite B (1) VIP e VOP (10) Pentavalente Pneumo 10 Rotavírus (2) Meningo C Hepatite A Febre Amarela (3) Tríplice Viral (4) Tetraviral (5) HPV dtpa (8) Influenza (gripe) (9) Dupla

Leia mais

INFORME TÉCNICO DA VACINA HPV (PAPILOMAVÍRUS HUMANO 6, 11, 16, 18 (RECOMBINANTE)) - 2015

INFORME TÉCNICO DA VACINA HPV (PAPILOMAVÍRUS HUMANO 6, 11, 16, 18 (RECOMBINANTE)) - 2015 INFORME TÉCNICO DA VACINA HPV (PAPILOMAVÍRUS HUMANO 6, 11, 16, 18 (RECOMBINANTE)) - 2015 Apresentação O Ministério da Saúde com o objetivo de reforçar as atuais ações de prevenção do câncer do colo do

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Situações de Emergência na sala de vacinação

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Situações de Emergência na sala de vacinação vacinas 0 Situações de Emergência na sala de vacinação Nº ASSUNTO: Padronizar Situações de Emergência na sala de vacinação. RESULTADOS ESPERADOS: Evitar perdas de vacinas. APLICAÇÃO: Este POP aplica-se

Leia mais

Atualização em Rede de Frio. Ulisses P. Figueiredo Subcoordenação de Capacitação

Atualização em Rede de Frio. Ulisses P. Figueiredo Subcoordenação de Capacitação Atualização em Rede de Frio Ulisses P. Figueiredo Subcoordenação de Capacitação Rede de Frio REDE DE FRIO Processo de armazenamento, conservação, manipulação, distribuição e transporte dos imunobiológicos

Leia mais

vacina hepatite A (inativada)

vacina hepatite A (inativada) vacina hepatite A (inativada) Forma farmacêutica e apresentações: Suspensão injetável. Cartucho contendo uma seringa de uma dose de 0,5 ml. Cartucho contendo 5 seringas de uma dose de 0,5 ml. Cartucho

Leia mais

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP)

- Vacina monovalente contra a poliomielite (VIP) VACINAÇÃO PERTENCENTE AO PNV - A Vacina contra a Tuberculose (BCG) Tipo de vacina: Vacina de bacilos vivos atenuados Mycobacterium bovis : Gravidez Imunodeficiência celular, congénita ou adquirida Tratamentos

Leia mais

Lamentavelmente estamos vivenciando nos últimos meses um período de. escassez de vacinas combinadas contendo o componente pertussis acelular:

Lamentavelmente estamos vivenciando nos últimos meses um período de. escassez de vacinas combinadas contendo o componente pertussis acelular: NOTA TÉCNICA 17/11/2015 Desabastecimento das vacinas combinadas à DTPa Novidades sobre disponibilização da quíntupla do PNI para os reforços Comissão Técnica de Revisão de Calendários e Consensos SBIm

Leia mais

AVAXIM 80U vacina hepatite A (inativada) - 80U. A vacina hepatite A (inativada) - 80U - AVAXIM 80U deve ser administrada por VIA INTRAMUSCULAR.

AVAXIM 80U vacina hepatite A (inativada) - 80U. A vacina hepatite A (inativada) - 80U - AVAXIM 80U deve ser administrada por VIA INTRAMUSCULAR. Modelo de Bula Página 1 de 6 AVAXIM 80U vacina hepatite A (inativada) - 80U FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de 1 dose de 0,5mL; - Cartucho contendo

Leia mais

Vacina de Rotavírus Humano Vivo Atenuado

Vacina de Rotavírus Humano Vivo Atenuado cepa RIX4414 (vírus atenuados) I ) Identificação do medicamento FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES USO PEDIÁTRICO Vacina liofilizada para ser reconstituída antes da administração oral. A VACINA DE ROTAVÍRUS

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA

CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA CALENDÁRIO BÁSICO DE VACINAÇÃO DA CRIANÇA Ao nascer 2 meses 3 meses BCG-ID (2) vacina BCG vacina adsorvida Vacina Inativada poliomielite (VIP - Salk) (4) vacina poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) Vacina

Leia mais

REVISÃO VACINAS 15/02/2013

REVISÃO VACINAS 15/02/2013 1. De acordo com o calendário básico de vacinação, assinale a alternativa que apresenta a(s) vacina(s) que deve(m) ser administrada(s) em um recém nascido. REVISÃO VACINAS a) Somente a BCG. b) BCG e vacina

Leia mais

ADACEL vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular)

ADACEL vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) Modelo de Bula Página 1 de 7 ADACEL vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (acelular) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Suspensão injetável. - Cartucho contendo 1 frasco-ampola com 0,5mL de suspensão;

Leia mais

Imunização ativa x passiva

Imunização ativa x passiva A IMUNIZAÇÃO É DEFINIDA COMO A AQUISIÇÃO DE PROTEÇÃO IMUNOLÓGICA CONTRA UMA DOENÇA INFECCIOSA. Imunização ativa x passiva A imunização ativa ocorre quando o próprio sistema imune da criança, ao entrar

Leia mais

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil

Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Política de Introdução de Novas Vacinas no Brasil Ana Goretti Kalume Maranhão Programa Nacional de Imunização/Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde ana.goretti@saude.gov.br Programa Nacional

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com

PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI. Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO - PNI Profª. Andréa Paula Enfermeira andreapsmacedo@gmail.com HISTÓRIA DO PNI Desde que foi criado, em 18 de setembro de 1973, o PNI tornou-se ação de governo caracterizada

Leia mais

Cartilha de Vacinas. Para quem quer mesmo saber das coisas

Cartilha de Vacinas. Para quem quer mesmo saber das coisas Cartilha de Vacinas Para quem quer mesmo saber das coisas 1 Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde, 2003 Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda Rua Michigan 735, Brooklin São Paulo - SP CEP: 04566-905

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda Rua Michigan 735, Brooklin São Paulo - SP CEP: 04566-905 MODELO DE BULA PARA O PACIENTE SYNAGIS palivizumabe I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES Pó liófilo injetável de: - 100 mg em embalagem com 01 frasco-ampola para dose única contendo palivizumabe

Leia mais

Manual para registro de doses aplicadas no Sistema de Informação online de Avaliação do Programa de Imunizações APIWEB

Manual para registro de doses aplicadas no Sistema de Informação online de Avaliação do Programa de Imunizações APIWEB Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações GT- Análise e Informação em Imunizações Manual para

Leia mais

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS

NOTAS TÉCNICAS. Propostas para 2013. Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NOTAS TÉCNICAS Propostas para 2013 Material elaborado pela Equipe da DIVEP/CEI baseado nas notas técnicas 173, 183 e 193/2012 CGPNI/DEVEP/SVS/MS NT Nº193/2012/ CGPNI/DEVEP/SVS/MS Alteração da idade para

Leia mais

Sucessos, Desafios e Perspectivas

Sucessos, Desafios e Perspectivas Sucessos, Desafios e Perspectivas Carla Magda A. S. Domingues Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Cenário Epidemiológico 1970 Doença

Leia mais

PEDIACEL vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada)

PEDIACEL vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) MODELO DE BULA 1 PEDIACEL vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis (acelular), Haemophilus influenzae b (conjugada) e poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Suspensão injetável.

Leia mais

ebre Amarela FVacina contra a Febre Amarela

ebre Amarela FVacina contra a Febre Amarela ebre Amarela Vacina contra a ebre Amarela No Brasil, a vacina contra a febre amarela começou a ser administrada em 1939. Com sua utilização, foi possível, em 1942, a erradicação da ebre Amarela Urbana

Leia mais

CALENDÁRIO VACINAL Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Imunizações e Rede de Frio

CALENDÁRIO VACINAL Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Imunizações e Rede de Frio CALENDÁRIO VACINAL 2016 Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Imunizações e Rede de Frio CALENDÁRIO VACINAL 2016 Historicamente, diversos calendários de vacinação foram propostos em função

Leia mais

PLANO DE CURSO DE QUALIFICAÇÃO EM IMUNIZAÇÕES

PLANO DE CURSO DE QUALIFICAÇÃO EM IMUNIZAÇÕES ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE 2ª COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE NÚCLEO REGIONAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NÚCLEO REGIONAL DE IMUNIZAÇÕES PLANO DE CURSO DE QUALIFICAÇÃO EM IMUNIZAÇÕES

Leia mais

a) as Orientações Técnicas (Circular Normativa nº 08/DT, de 21 de Dezembro de 2005) e toda a informação complementar sobre o PNV;

a) as Orientações Técnicas (Circular Normativa nº 08/DT, de 21 de Dezembro de 2005) e toda a informação complementar sobre o PNV; Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Programa Nacional de Vacinação 2006. Boletins Individuais de Saúde, Fichas Individuais de Vacinação, Mapas para recolha de dados

Leia mais

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE IDOSO DOENÇAS MAIS COMUNS Com a chegada da terceira idade, alguns problemas de saúde começam a aparecer, conheça alguns dos mais comuns e saiba como se prevenir: 1 2 DIABETES

Leia mais

Fabiano Oliveira Novaes DEGUSTAÇÃO. Nadja de Carvalho Moreira

Fabiano Oliveira Novaes DEGUSTAÇÃO. Nadja de Carvalho Moreira 9 A Vacinação na Saúde da Criança e o Papel da Enfermagem PROTENF Ciclo 7 Volume 2 Resumo Amanda Souza Rodrigues Fabiano Oliveira Novaes Maria Inês Corrêa Cárcamo Nadja de Carvalho Moreira Suzana Curtinhas

Leia mais

IMUNIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS, CALENDÁRIO VACINAL 2014

IMUNIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS, CALENDÁRIO VACINAL 2014 DISCIPLINA: PEDIATRIA III (PED014) IMUNIZAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS, CALENDÁRIO VACINAL 2014 Jorge A. Pinto Departamento de Pediatria - FMUFMG Imunização Conceitos básicos Calendário de imunização da criança

Leia mais

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015

PREMATURO. Recomendações, esquemas e cuidados especiais. Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2014/2015 Calendário de vacinação do prematuro Comentários numerados devem ser consultados. Vacinas Recomendações, esquemas e cuidados especiais BCG ID (1) Em recém-nascidos com peso maior ou igual a 2.000 g. Hepatite

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

Bula Completa Imuno BCG

Bula Completa Imuno BCG Bula Completa Imuno BCG Mycobacterium bovis BCG Bacilo de Calmette Guérin Cepa Moreau Rio de Janeiro FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES O IMUNO BCG é apresentado em caixas com 1 e 2 ampolas âmbar contendo

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro

Calendário de Vacinação do Prematuro Calendário de Vacinação do Prematuro Recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) 2013/2014 RECOMENDAÇÕES, E CUIDADOS ESPECIAIS BCG ID (1) Deverá ser aplicada, preferencialmente ainda na

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Teste do Pezinho

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Teste do Pezinho Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Teste do Pezinho Versão: 01 Próxima revisão: 2016 Elaborado por: Simone Vidal Santos; Cláudia Rosa Ferreira Ramos

Leia mais

Protocolo. Vacinação em TCTH

Protocolo. Vacinação em TCTH Protocolo Vacinação em TCTH Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Este protocolo envolve: Vacinação em pacientes e familiares candidatos e tratados com transplante de células-tronco hematopoéticas

Leia mais

Bula com informações ao Paciente soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético. solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Bula com informações ao Paciente soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético. solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético APRESENTAÇÃO O soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético,

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2013 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS 20 de outubro de 2012 Centro de Vacinação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 18 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO VIMCO emulsão para injeção para ovelhas e cabras. 2. Composição qualitativa e quantitativa Uma dose (2

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DA UFPR NA VIGILÂNCIA DOS EVENTOS ADVERSOS INFANTIS NOS ANOS DE 2004 E 2005. COORDENADORA Prof Dra. Denise Siqueira de Carvalho EQUIPE EXECUTORA

Leia mais

Assunto: Esclarecimentos sobre a vacina contra Influenza H1N1

Assunto: Esclarecimentos sobre a vacina contra Influenza H1N1 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Assunto: Esclarecimentos sobre a vacina contra Influenza H1N1 Em decorrência de boatos sobre a vacina contra Influenza H1N1 que circulam na internet,

Leia mais

vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única.

vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. 1 vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. A vacina tétano deve ser administrada por via intramuscular. Não utilize a vacina

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (PQA-VS) FICHAS DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (PQA-VS) FICHAS DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (PQA-VS) FICHAS DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES Setembro de 2013 Brasília - DF 2 Sumário Apresentação...3 Rol de Indicadores do Programa de Qualificação

Leia mais

Vacinação na Saúde do Trabalhador Portuário

Vacinação na Saúde do Trabalhador Portuário II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança na Área Portuário Brasília/DF Vacinação na Saúde do Trabalhador Portuário Cristiane Pereira de Barros Coordenação-Geral do Programa Nacional de Imunizações

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia Fabrício Souza Campos Pós-doc Laboratório de Virologia 1 Vírus da varíola Poxvírus que infecta humanos

Leia mais

CARTILHA DE VACINAÇÃO. Prevenção não tem idade. Vacine-se!

CARTILHA DE VACINAÇÃO. Prevenção não tem idade. Vacine-se! CARTILHA DE VACINAÇÃO Prevenção não tem idade. Vacine-se! A saúde é o nosso bem mais precioso, e a vacinação é um meio acessível, seguro e efetivo de protegê-la! A vacinação protege não apenas aqueles

Leia mais

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO CRIANÇA ATÉ 6 ANOS DE IDADE 2013 IDADE VACINA A PARTIR DO NASCIMENTO 2 MESES BCG 1 HEPATITE B 2 VACINA VIP 3 PENTAVALENTE 7 ROTAVÍRUS

Leia mais

Vacinação em prematuros, crianças e adolescentes

Vacinação em prematuros, crianças e adolescentes Vacinação em prematuros, crianças e adolescentes O Centro de Inovação Unimed-BH publica as orientações sobre o Programa de Imunização para Prematuros, Crianças e Adolescentes, atualizado com as últimas

Leia mais

Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber!

Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber! 1 Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber! O que é a gripe H1N1? A gripe H1N1, também conhecida como gripe A, é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, que pode levar ao agravamento e ao óbito,

Leia mais

13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO

13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO 13 RESUMO DAS INDICAÇÕES DOS CRIES, POR IMUNOBIOLÓGICO Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS)/MS Manual dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais 2014 1 Vacina inativada poliomielite (VIP)

Leia mais

Vacina adsorvida meningocócica B (recombinante)

Vacina adsorvida meningocócica B (recombinante) Vacina adsorvida meningocócica B (recombinante) Novartis Biociências S.A. Suspensão injetável 50 mcg + 50 mcg + 50 mcg + 25 mcg / 0,5 ml 1 Vacina adsorvida meningocócica B (recombinante) APRESENTAÇÕES

Leia mais

Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais.

Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais. Mais de 1,2 milhão de visitantes únicos por mês, com mais de 3,5 milhões de visualizações mensais. O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um Sistema

Leia mais

Com a implantação do Módulo de Vacina, a população soteropolitana receberá vários benefícios que facilitarão a VIDA de todos nós.

Com a implantação do Módulo de Vacina, a população soteropolitana receberá vários benefícios que facilitarão a VIDA de todos nós. O Módulo de Vacina será um divisor de águas dentro da SMS do Salvador. Com a implantação do módulo, as salas de vacinas serão informatizadas, como também alguns de seus processos serão automatizados. Permitirá

Leia mais

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 XV 55 Novembro de 2014 Especial Vigilância Ambiental da Dengue em Porto Alegre XV 54 Fevereiro de 2014 Atual Cenário Epidemiológica da

Leia mais

Calendário de Vacinação da Criança

Calendário de Vacinação da Criança Calendário de Vacinação da Criança Calendário Nacional de Vacinação da Criança (PNI) - 2016 (1) BCG - ID Administrar dose única, o mais precocemente possível, preferencialmente nas primeiras 12 horas após

Leia mais