Territórios rurais do Paraná Rafael Fuentes Llanillo 1 Tiago Pellini 2 Moacyr Doretto 3

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Territórios rurais do Paraná Rafael Fuentes Llanillo 1 Tiago Pellini 2 Moacyr Doretto 3"

Transcrição

1 Territórios rurais do Paraná Rafael Fuentes Llanillo 1 Tiago Pellini 2 Moacyr Doretto 3 Resumo Este artigo descreve trabalho de identificação de agrupamentos de municípios que constituem, de facto ou potencialmente, no que vem sendo denominado territórios rurais. Este tem por base a caracterização das economias agrárias dos municípios do Estado do Paraná a partir de indicadores extraídos do Censo Agropecuário de 1995/96 e do mapa de Aptidão Agrícola das Terras do Paraná de 1981, aplicando-se dois métodos estatísticos de análise multivariada, a saber, análise fatorial pelo método dos componentes principais e análise cluster hierárquica ascendente pelo método da média aritmética. Utilizaram-se ainda informantes-chaves e outros estudos sobre a economia regional do estado para validar o recorte territorial proposto. Os territórios rurais identificados neste trabalho constituem informação preliminar para o planejamento e a aplicação de políticas públicas voltadas ao desenvolvimento local e regional. Palavras-chaves: territórios rurais; tipologia de municípios, análise multivariada, economia regional. 1 Eng. Agr.MSc, pesquisador da Área Técnica de Socioeconomia do IAPAR. 2 Eng. Agr. PhD, pesquisador da Área Técnica de Socioeconomia do IAPAR. 3 Economista MSc, pesquisador da Área Técnica de Socioeconomia do IAPAR.

2 1. Introdução Acredita-se que um diagnóstico analítico e descritivo das regiões, das características dos municípios e das populações revela-se uma etapa fundamental para apontar conhecimentos que possam ser úteis ao planejamento e avaliação de ações que visem minimizar ou erradicar as situações de pobreza rural e as desigualdades regionais que ocorrem tanto em áreas de predomínio das pequenas propriedades quanto daquelas de maior tamanho (Schneider e Waquil, 2001 apud Fuentes Llanillo et al., 2003). Algumas abordagens contemporâneas sugerem que tais espaços homogêneos ou unidades analíticas relevantes para entender-se à interação entre espaço físico e população constitui um território. O termo território deve ser entendido aqui, portanto, como uma definição técnica a priori de um tipo de região com certa homogeneidade em suas características socioeconômicas e fisiográficas, que se constitui numa base a partir da qual possa se desenvolver um consenso social. Considera-se, portanto, que as fronteiras dos territórios rurais estão continuamente sujeitas a modificações em função da evolução dos arranjos locais, tanto de natureza produtiva quanto política. O objetivo da identificação de territórios conforme proposto é a obtenção de grupo relativamente homogêneo de municípios quanto a sua estrutura agrária, oferecendo assim subsídio para iniciativas de desenvolvimento sustentável e à elaboração e execução de políticas públicas diferenciadas, conforme as características de cada região. 2. Metodologia O fio condutor da definição desses territórios rurais é o trabalho Regionalização da Economia Agrária do Estado do Paraná realizado pelo IAPAR com recursos do Projeto Paraná 12 Meses, que se utilizou 37 variáveis relativas à estrutura da agropecuária dos 371 municípios do Paraná existentes na época de realização do Censo Agropecuário 1995/96. Através de métodos multivariados de Análise Fatorial (7 fatores, 66% da variância) e de Análise de Conglomerados (Cluster), arbitrou-se a seleção de 20 clusters de municípios, dos quais os 9 principais foram analisados e descritos, conformando finalmente 7 mesorregiões distintas (Fuentes Llanillo et al., ). Os municípios foram agrupados segundo os valores assumidos pelos 7 fatores (Agricultura Moderna de Grãos, Menos Agricultura Familiar, Mais Matas e Menos Pastagens, Tecnologia Pecuária, Cafeicultura/ Lavouras Permanentes, Menos Terceirização, Mais Investimentos/Financiamentos) para cada um dos municípios. Buscando adequar este trabalho de regionalização às necessidades do novo programa de Desenvolvimento Rural Sustentável em elaboração na Secretaria Estadual de Planejamento do Paraná (SEPL), as contribuições da equipe técnica permitiram um refinamento e adaptação das especificações dos agrupamentos de municípios, chegando-se aos 22 territórios que serão detalhados a seguir (Figura 1). É importante que se diga que tais valores dos fatores são variáveis reduzidas com média zero e variância igual a um. Dessa forma, valores positivos (> 0,5) ou muito positivos (>1,0), e negativos (<-0,5) ou muito negativos (<-1,0), representam concordância e antonímia, respectivamente, às características do fator. Valores próximos de 4 Trabalho apresentado no XLI Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural, de 27 a 30 de julho de 2004, em Juiz de Fora MG.

3 zero ou intermediários significam uma neutralidade com relação ao fator e/ou uma posição intermediária ao conjunto de municípios 3. Resultados Antes de iniciar a descrição desses territórios, é necessário destacar as características diferenciadas da Região Metropolitana de Curitiba. Isto é, devido ao elevado nível de urbanização de alguns municípios metropolitanos, considerou-se irrelevante prender-se à análise das características da agropecuária dos mesmos, e de antemão foi constituída, como uma máscara, a Metropolitana de Curitiba, chamada de território 1, do qual fazem parte os 11 municípios: Almirante Tamandaré, Araucária, Campina Grande do Sul, Campo

4 Figura 1.

5 Largo (mais Campo Magro pós-1996), Colombo, Curitiba, Fazenda Rio Grande, Pinhais, Piraquara, Quatro Barras e São José dos Pinhais. Tais municípios, com características eminentemente urbanas, podem receber um estudo posterior para caracterização da sua dinâmica econômica. No Anexo estão expressas as características da agricultura dos municípios metropolitanos, através dos valores dos sete fatores para cada um deles. Dentre as principais características da Metropolitana está a predominância da agricultura familiar (fator 2), com exceção dos municípios de Pinhais e Piraquara, que são nitidamente de agricultura patronal, e Quatro Barras, que apresenta uma situação intermediária. Outra marca é a significativa presença das matas nativas (fator 3), cujos valores superam 1 em todos os municípios menos Araucária. No fator 5 podemos observar a expressividade das lavouras permanentes, principalmente frutas, que atinge altos valores em Colombo, Curitiba, Fazenda Rio Grande, Piraquara e Quatro Barras, sendo ainda significativo (0,5 < x < 1,0) em Almirante Tamandaré, Campina Grande do Sul, Campo Largo e Pinhais. No fator 6, predomina o uso de empreita tradicional e pouca terceirização. A oeste da Região Metropolitana aparece três territórios (4, 6 e 7) oriundos de um mesmo tipo de município (cluster 3) chamado de Agricultura Familiar e Matas Nativas, onde predomina uma agricultura familiar com pouca a média modernização, de baixo investimento, presença significativa de matas nativas e onde são comuns as empreitas do tipo tradicional, que se constitui num quadro típico da região centro-sul do Paraná. O território 4, que pode ser chamado de Grande Lapa, é formado pelos municípios (11) de Agudos do Sul, Balsa Nova, Campo do Tenente, Contenda, Lapa, Mandirituba, Piên, Porto Amazonas, Quitandinha, Rio Negro e Tijucas do Sul. Os valores dos fatores de cada município são apresentados no Anexo. Com relação à Grande Lapa, as marcas fortes são no fator 2, que é a predominância do modelo familiar de exploração, inclusive com lavouras tradicionais, com exceção de Porto Amazonas e com pouca intensidade em Balsa Nova, Campo do Tenente e Tijucas do Sul. No fator 3 é marcante a presença das matas nativas em todos os municípios ( 1); no fator 6, o predomínio da empreita tradicional em detrimento da terceirização; e no fator 7, a exceção de Mandirituba, os baixos níveis de investimentos e financiamentos. Pelo fator 1, há pouca agricultura moderna de grãos, sendo exceções Contenda e Balsa Nova. A região apresenta vários municípios com elevado uso de tecnologia pecuária, como Agudos do Sul, Balsa Nova, Contenda, Mandirituba, Piên, Porto Amazonas e Quitandinha, que se relacionam à bacia leiteira metropolitana. Mandirituba apresenta um alto valor para lavouras permanentes (fator 5). A maior parte dos municípios (8) pertencem ao cluster 3. Nota-se que Porto Amazonas é um município diferenciado na região, com um modelo patronal, principalmente no setor florestal, que o colocava num cluster muito diferente dos demais (15). Por sua vez, Campo do Tenente e Tijucas eram do cluster 2. Os municípios mais dinâmicos são Lapa e Rio Negro. O território 6 pode ser denominado de Grande Irati e é formados pelos municípios (14) de Antonio Olinto, Imbituva Ipiranga, Irati, Ivaí, Mallet, Paula Freitas, Paulo Frontin, Prudentópolis, Rebouças, Rio Azul, São João do Triunfo, São Mateus do Sul e Teixeira Soares. No Anexo são apresentados os valores dos fatores. Todos estes municípios são oriundos do cluster 3. As principais características deste território estão associadas ao fator 2, com um padrão ainda mais marcado de exploração familiar na Grande Irati do que na Grande Lapa. No fator 3 é marcante a presença das matas nativas em todos os municípios ( 1); no fator 6, o predomínio da empreita tradicional em detrimento da terceirização; e, no fator 7, os baixos níveis de investimentos e financiamentos. Pelo fator 1, há uma variação grande, porém é significativa a presença de agricultura moderna de grãos em municípios como Rio Azul, Paulo Frontin, Irati e Mallet. A cidade-pólo é Irati.

6 O território 7 é denominado União da Vitória e é formados pelos municípios de Bituruna, Cruz Machado, Porto Vitória e União da Vitória. Tem características transicionais e foi agregado também por critérios de organização política e administrativa. As principais características dos municípios deste território aparecem no Anexo. O Anexo mostra que, mesmo sendo oriundos de três clusters diferentes, predominam características de semelhança entre estes municípios no fator 2, repetindo o caráter familiar das explorações, inclusive com suas lavouras tradicionais. O fator 3 indica forte presença das matas nativas; o fator 7, características de baixo investimento e financiamento; e, o fator 1, baixíssima presença de agricultura moderna de grãos. O município-pólo é União da Vitória. A seguir são apresentados quatro territórios predominantemente oriundos do cluster 2 de municípios: territórios 2 ( Litoral ), 3 ( Ribeira ), 5 ( Ponta Grossa ) e 9 ( Guarapuava ). Genericamente esse tipo de município foi descrito como Agropecuária Extensiva de Baixa Modernização com Matas Nativas onde há muitas matas nativas, uma agropecuária extensiva, com ilhas de agricultura moderna (por exemplo, em Carambeí, Ponta Grossa, Guarapuava e na Colônia Witmarsum - Palmeira).O território 2 é o Litoral, abrangendo Antonina, Guaraqueçaba, Guaratuba, Matinhos, Morretes e Paranaguá. De forma geral a agropecuária é de baixíssima expressão, como pode ser visto no Anexo. A cidade pólo é Paranaguá. O fator 1 altamente negativo denota a ausência da agricultura moderna de grãos. A magnitude da preservação florestal está clara nos valores do fator 3. Predomina a empreita tradicional em detrimento da terceirização (fator 6) e um surpreendente nível de investimentos e financiamentos (fator 7). Morretes e Guaratuba apresentam altos valores para lavouras permanentes (fator 5). O território 3 é o Ribeira formado pelos municípios (7) de Adrianópolis, Bocaiúva do Sul, Cerro Azul, Doutor Ulysses, Itaperuçu, Rio Branco do Sul e Tunas do Paraná. Esta é uma região de relevo acidentado e muitas dificuldades de acesso. Algumas de suas características são mostradas no Anexo. Todos os municípios são oriundos do mesmo cluster (2).Os valores altamente negativos do fator 1 mostram que a agricultura moderna de grãos era praticamente ausente, existindo uma concentração relativamente forte no acesso à terra (maior desigualdade em comparação com outras regiões). No fator 2, predomina o caráter familiar das explorações, de forma menos pronunciada em Tunas e Adrianópolis. Há presença de matas nativas (fator 3), mas em menor escala que no Litoral ou mesmo Ponta Grossa. O fator 4 aponta para uma quase ausência de uso de tecnologia pecuária. Em Adrianópolis e Bocaiúva do Sul, há mais investimentos e financiamentos (fator 7) e mais uso de terceirização (fator 6). O fator 5 (Lavoras Permanente) tem destaque em Adrianópolis, evidenciando a importância da citricultura no município. O território 5 denominado de Ponta Grossa, principalmente nos Campos Gerais, compõe-se de 10 municípios: Arapoti, Castro (mais Carambeí pós-1996), Jaguariaíva, Palmeira, Piraí do Sul, Ponta Grossa, Sengés, Telêmaco Borba (mais Imbaú pós-1996), Tibagi e Ventania. Outras características são apresentadas no Anexo. Pela análise do fator 2, predomina um caráter patronal nas explorações que é bastante característico, com exceção de Castro e Piraí do Sul. No fator 3, a grande presença de matas nativas e também plantadas evidencia a maciça presença do setor florestal na região, cujo exemplo extremo é Telêmaco Borba. Com relação ao fator 1, provavelmente devido a vastidão dos municípios, não é perceptível nos números a expressão de uma agricultura moderna de grãos, à exceção de Palmeira (oriundo do cluster 3), embora sabe-se que tal atividade existe com significância nos municípios de Arapoti, Castro, Ponta Grossa e Tibagi. No fator 6, predomina a terceirização sobre a empreita Formatado: Fonte: Não Negrito

7 tradicional, exceto em Arapoti e Palmeira, que são oriundos de outros clusters (9 e 3). Com relação aos investimentos e financiamentos, os valores são altos em Arapoti e Castro, e intermediários em Telêmaco Borba, Ponta Grossa, Piraí do Sul e Ventania. A cidade pólo é Ponta Grossa, mas existe muito dinamismo em Arapoti, Castro (e atualmente em Carambeí), Telêmaco Borba e ainda Piraí do Sul e Palmeira. O território 9 é Guarapuava, formado por 6 municípios: General Carneiro, Guarapuava, Inácio Martins, Palmas, Pinhão (mais Reserva do Iguaçu pós-1996) e Turvo. Essa região de grandes altitudes, alternando campos e matas, e com uma significativa exploração florestal. Os valores dos fatores para cada um dos municípios (Anexo) indicam algumas características que determinaram o seu agrupamento neste território. Todos os municípios são oriundos do mesmo cluster (2), que é chamado de Matas Nativas e Baixa Modernização de Grãos. No fator 1, os valores altamente negativos denotam uma condição de pouca a ausente agricultura moderna de grãos (mesmo com ilhas de lavouras modernas) e grande concentração no acesso à terra (maior desigualdade). Com relação ao fator 2, predomina o caráter familiar das explorações em Pinhão, Turvo e Inácio Martins, enquanto em General Carneiro, Palmas e Guarapuava predominam um caráter mais patronal (empregados permanentes). Uma das características mais marcantes destes municípios é a significativa presença de matas nativas, com o fator 3 assumindo valores sempre superiores a 1. Há poucas pastagens plantadas e é baixo o uso de tecnologia pecuária (fator 4). Não há presença significativa nem de empreita tradicional nem de terceirização (fator 6). Com relação ao fator 7, são baixos os investimentos e financiamentos recebidos pela agricultura. A cidade-pólo é Guarapuava. A partir deste ponto são apresentados quatro territórios predominantemente formados por municípios do cluster 4 que significa Agricultura Familiar de Média a Baixa Intensidade, Mista de Lavoura e Pecuária, que são os territórios 10 (Grande Sudoeste), 8 (Cantuquiriguaçu), 11 (Paraná Centro) e 16 (Ortigueira). O território 10 é o Grande Sudoeste, com 37 municípios que formam uma grande região com mais de um território. Desse modo, para mostrar os valores dos fatores no Anexo, optou-se por uma divisão de 3 sub-territórios, a saber: Pato Branco (14), Francisco Beltrão (10) e Fronteira (13). A marca registrada desse Grande Sudoeste está nos fatores 2, 3, 4 e 6. No fator 2, a freqüência de valores altamente negativos mostra uma predominância do caráter familiar das explorações. No fator 3 (mais matas, menos pastagens), os valores significativamente negativos mostram que, à exceção de alguns municípios de Pato Branco, existem poucas porções de matas nativas na região, sendo notória a importância das pastagens plantadas na ocupação do solo. Essa evidência, associada aos geralmente altos valores de uso de tecnologia pecuária (fator 4), à dominância de valores positivos de agricultura moderna de grãos (fator 1) e a uma relativamente boa distribuição do acesso à terra, acabam por fundamentar a denominação Agricultura Familiar de Média Intensidade Mista de Lavoura e Pecuária. Em adição a isso, os valores geralmente negativos do fator 6 mostram uma significativa utilização pelos produtores de serviços terceirizados via aluguel de máquinas. O sub-território de Pato Branco tem catorze municípios, a maior parte deles (onze) oriundos do cluster 4, dois municípios do cluster 3 e um município do cluster 17 (unitário). Esse sub-território tem a maioria de seus municípios (8) com altos valores para agricultura moderna de grãos (fator 1), sendo os outros (5), Sulina, Saudade do Iguaçu, Chopinzinho, Mangueirinha e Clevelândia aqueles com recursos naturais menos propícios. No fator 2, o caráter dominante da exploração familiar não é tão elevado em Pato Branco como em Francisco Beltrão ou na Fronteira. Para o fator 3, Pato Branco é o sub-território com mais matas (e menos pastagens), principalmente em Clevelândia, Honório Serpa, Mangueirinha e Renascença.No fator 4, é relativamente alto o uso de

8 tecnologia pecuária, mas menor que em Francisco Beltrão. É inexpressiva a importância das lavouras permanentes (fator 5). Contudo, os dados utilizados (Censo Agropecuário 1995/96) não levam em conta o Plano Municipal de Fruticultura de Pato Branco, que foi implantado em 1996/97 e que provavelmente resultou numa intensificação das lavouras permanentes no local. No fator 7, predominam valores baixos e alguns médios de investimentos e financiamentos. A cidade-pólo é Pato Branco. O sub-território de Francisco Beltrão tem dez municípios, dos quais seis são oriundos do cluster 4, três do cluster 11 e um do cluster 18 (unitário). Como principal característica do sub-território está a presença significativa de agricultura moderna de grãos (fator 1), o caráter familiar das explorações, que atinge os valores mais altos do estado (fator 2), matas quase ausentes e muitas pastagens plantadas (fator 3), junto a um uso intensivo de tecnologia pecuária (fator 4), principalmente nos municípios de Dois Vizinhos, Enéas Marques, Francisco Beltrão e Nova Esperança do Sudoeste (clusters 11 e 17), o que sugere uma intensiva pecuária de galpões. Destaque para os valores do fator 5 para os municípios de Dois Vizinhos, Enéas Marques e Francisco Beltrão, o que pode estar representando presença significativa de culturas perenes como frutas e/ou presença significativa de parceria. No fator 6, a terceirização via aluguel de máquinas predomina sobre a empreita tradicional. No fator 7 devem-se destacar os valores de médio a altos nos investimentos e financiamentos recebidos (fator 7). A cidade-pólo é Francisco Beltrão. O sub-território Fronteira tem treze municípios todos oriundos do cluster 4, e a princípio, não há cidade polar a despeito de um maior dinamismo de Barracão e Capanema. Como características principais está uma moderada expressão de agricultura moderna de grãos (fator 1), que alterna municípios com recursos naturais mais favoráveis e municípios com menor aptidão, como Salgado Filho, Pinhal de São Bento, Flor da Serra do Sul, Marmeleiro, Barracão e Ampére. No fator 2, há indicação de uma altíssima participação das explorações familiares, repetindo o ocorrido em Francisco Beltrão, bem como quanto a quase ausência de matas e muitas pastagens plantadas (fator 3). Contudo, esses dois sub-territórios diferenciam-se pelos por um uso significativo, porém inferior, de tecnologia pecuária(fator 4) e por baixos valores de investimentos e financiamentos recebidos (fator 7) no sub-território Fronteira. O território 8 é a Cantuquiriguaçu, formada por treze municípios, a grande maioria (onze) oriunda do cluster 4, um do cluster 3 (Virmond) e um do cluster 7 (Campo Bonito). Após 1996 o município de Foz do Jordão emancipou-se de Candói, o município de Porto Barreiro emancipou-se de Laranjeiras do Sul e o município de Espigão Alto do Iguaçu emancipou-se de Quedas do Iguaçu. Essa região, que se estende entre os Rios Piquiri e Iguaçu em altitudes de 500 a 1000m, onde ocorrem vastas extensões de solos declivosos e pedregosos, tem suas principais características descritas no Anexo. Pelos valores do fator 1, a agricultura moderna de grãos é pouco expressiva e há elevada concentração no acesso à terra (pelo menos até 1995, quando se iniciaram diversos assentamentos de reforma agrária). Predominam numericamente as explorações de caráter familiar, com exceção de Campo Bonito (fator 2). As matas que foram a principal cobertura dessa região até poucos anos, atualmente são poucas, exceto em municípios como Campo Bonito, Candói, Ibema, Rio Bonito do Iguaçu (cuja situação se alterou pós- 1996) e Virmond. As pastagens plantadas também são pouco expressivas, gerando valores próximos de zero no fator 3. No fator 4, é baixo o uso de tecnologia pecuária, tanto na lotação das pastagens como no uso de insumos, exceto nos municípios de Laranjeiras do Sul, Três Barras do Paraná e Virmond. As lavouras permanentes estão ausentes (fator 5) e é baixo o nível de investimentos e financiamentos (fator 7), o que consolida o território como de Agricultura Familiar de Baixa Intensidade Mista de Lavoura e Pecuária. Sua cidade-pólo é Laranjeiras do Sul.

9 O território 11 é o Paraná Centro formado por treze municípios, onze deles oriundos do cluster 4 e dois do cluster 10. A região atualmente conta com mais três municípios: Boa Ventura do São Roque, Rio Branco do Ivaí e Campina do Simão. De características similares a Cantuquiriguaçu, os valores dos fatores estão no Anexo. No fator 1 existe a predominância de valores altamente negativos, o que representa a pouca expressão da agricultura moderna de grãos e uma alta concentração no acesso à terra, exceção feita a Nova Cantu e Manoel Ribas, que estão incorporados a um modelo de agricultura mais mecanizada. Com relação ao fator 2, predomina um padrão familiar de exploração na maior parte dos municípios, exceto outra vez Nova Cantu e Manoel Ribas, além de Iretama. Como no caso da Cantuquiriguaçu, a combinação de valores nulos a pouco negativos no fator 3, juntamente com valores negativos no fator 4, denota a existência de poucas matas nativas com a significativa presença de pastagens, mas de baixa lotação e com baixo uso de tecnologia, características de uma pecuária bovina extensiva. As lavouras permanentes estão ausentes (fator 5). Predomina a empreita tradicional, exceto nos municípios de Manoel Ribas, Nova Cantu e Nova Tebas, onde a terceirização via aluguel é mais freqüente. O nível de investimentos e financiamentos (fator 7) é em geral baixo (médio para alguns municípios), sendo um pouco superior à Cantuquiriguaçu e comparável com o sub-território Pato Branco, o que nos permite chamar o território de Agricultura Familiar de Baixa Intensidade Mista de Lavouras e Pecuária. A cidade-pólo é Pitanga. O último território daqueles onde predomina os municípios do cluster 4 é o território 16 denominado de Ortigueira, formado por Curiúva, Figueira (cluster 1), Ortigueira, Reserva, São Jerônimo da Serra e Sapopema. Essa região é tipicamente transitória entre o segundo e terceiro planaltos do Paraná, com relevo acidentado e baixos índices de desenvolvimento. Ortigueira é a cidade com mais dinamismo sem necessariamente comportar-se como pólo. Os fatores dos municípios estão no Anexo. Os valores altamente negativos do fator 1 apontam para uma quase ausência da agricultura moderna de grãos, sendo que no fator 2 predomina o padrão familiar de exploração, inclusive com lavouras tradicionais. Os valores do fator 3 indicam a existência de poucas matas nativas e com uma significativa ocupação com pastagens, mas com uma pecuária que segundo os valores do fator 4 utiliza baixa tecnologia. Somente Figueira (cluster 1) apresenta significativa presença de lavouras permanentes, no caso café (fator 5). No fator 7, os investimentos e financiamentos são de baixos a médios. Todas essas características consolidam o território como de Agricultura Familiar de Baixa a Média Intensidade Mista de Lavoura e Pecuária. A partir daqui serão descritos dois territórios, Norte Pioneiro e Vale do Ivaí, que, diferentemente do que foi visto até aqui, são formados por basicamente três diferentes tipos de municípios, relacionados aos seguintes clusters: cluster 1- Café e/ou Lavouras Permanentes e Pecuária Bovina Extensiva, Sem Matas Nativas; cluster 5- Pastagens Plantadas e Pecuária Bovina Extensiva, Sem Matas e Mais Mão-de-obra Permanente; e cluster 4- Agricultura Familiar de Média Intensidade, Mista de Lavoura e Pecuária. O território 17, o Norte Pioneiro, com 23 municípios, é uma região limítrofe com o estado de São Paulo, próxima aos Rios Itararé e Paranapanema, a qual foi mais intensamente ocupada no Ciclo do Café a partir dos anos 20 do século passado, através do regime de fazendas. De terras menos férteis que o Norte do Paraná, a região passou por um processo de estagnação, que revela um quadro geral de uma pecuária bovina de baixa intensidade, onde ocorrem núcleos de maior dinamismo em torno do café, outras lavouras frutíferas e mandioca para polvilho, dentre outros. As cidades-pólo são Jacarezinho, Santo Antônio da Platina e Siqueira Campos, com algum dinamismo em Wenceslau Braz, Joaquim Távora, Ibaiti e Ribeirão do Pinhal.

10 Pela análise do Anexo, em termos gerais o que mais marca o Norte Pioneiro é a pouca presença ou quase ausência da agricultura moderna de grãos, onde o fator 1 assume valores altamente negativos (exceto Santa Amélia e Abatiá), e a ocupação significativa da área com pastagens e restando poucas matas nativas, expressas pelos valores negativos no fator 3. A região pode ser dividida em 3 sub-territórios, conforme apresentado no Anexo. O primeiro sub-território é Ribeirão do Pinhal, na transição do Norte Pioneiro com Cornélio Procópio, que consiste num conglomerado de três municípios, formado por Ribeirão do Pinhal, Abatiá e Santa Amélia (cluster 16, que é uma variação mais intensa em café do cluster 1), claramente marcados como um núcleo produtor de café, pelos altos valores assumidos pelo fator 5. Predomina a agricultura de caráter patronal em Ribeirão do Pinhal e Santa Amélia, e intermediária em Abatiá. As pastagens plantadas ocupam parcela significativa da área, suportando pecuária bovina de baixa intensidade. O segundo sub-território é Siqueira Campos, constituído por onze municípios onde predomina um caráter mais familiar de exploração (fator 2), onde aparecem dois núcleos de cafeicultura e para os quais os valores do fator 5 são altos. Um deles é formado por Jaboti, Japira e Pinhalão (todos do cluster 1) e o outro por Carlópolis (cluster 6, que é uma variação mais intensa em lavouras permanente e mais patronal que o cluster 1), Salto do Itararé, Siqueira Campos (ambos do cluster 1) e Wenceslau Braz (cluster 3). Nos demais município (Tomazina, Joaquim Távora, São José da Boa Vista e Santana do Itararé) prevalece uma agricultura familiar de média a baixa intensidade, mista de lavoura e pecuária, típica do cluster 4 de municípios. O terceiro sub-território é Jacarezinho, onde estão congregados nove municípios: Congonhinhas, Conselheiro Mairinck, Guapirama, Ibaiti, Jacarezinho, Jundiaí do Sul, Quatiguá, Ribeirão Claro e Santo Antonio da Platina. Todos provêm do cluster 5, caracterizados como de Pastagens Plantada e Pecuária Bovina Extensiva, Sem Matas e Mais Mão de-obra Permanente. O território 15 é o Vale do Ivaí, formado por 20 municípios que tem como principais cidades Apucarana e Ivaiporã. Região de ocupação mais recente, já no fim do Ciclo do Café nos anos 1960 e 70, sofreu certa estagnação e um certo processo de pecuarização extensiva a partir de meados dos anos 80, exceto naqueles municípios mais integrados à agricultura moderna de grãos. O Anexo mostra os valores dos fatores para os municípios deste território, os quais indicam algumas das suas principais características. Os dados foram dispostos segundo dois sub-territórios: Apucarana e Ivaiporã. A marca mais característica do Vale do Ivaí é revelado pelos valores altamente negativos do fator 3, indicando que parte significativa da área é ocupada com pastagens plantadas e que há poucas matas nativas. É baixo o uso de tecnologia pecuária (fator 4), o que sugere a existência de uma pecuária bovina de baixa intensidade, principalmente naqueles municípios com relevo mais acidentado e/ou nas áreas mais desgastadas. Predomina o caráter familiar nas explorações, mas há municípios como Bom Sucesso, Marumbi, São João do Ivaí e Faxinal onde o caráter patronal baseado na mão-de-obra permanente está mais presente (fator 2). Existem três núcleos onde a cafeicultura (cluster 1 Café e Pecuária Extensiva, Sem Matas Nativas) é importante: a) Apucarana/Cambira/Jandaia do Sul; b) Corumbataí do Sul (e talvez Barbosa Ferraz); e c) Lidianópolis (e talvez Grandes Rios). Existem 7 municípios do cluster 5 (Pastagens Plantadas e Pecuária Bovina Extensiva, Sem Matas e Mais Mão-de-obra Permanente), que são Ivaiporã, Faxinal, Jardim Alegre, Lunardelli, Bom Sucesso, Marumbi e Novo Itacolomi, que representam bem essa tendência regional para a pecuarização extensiva. Há 4 municípios do cluster 4 (Agricultura Familiar de Média Intensidade Mista de Lavoura e Pecuária) que são Califórnia, Rio Bom, Barbosa Ferraz e Grandes Rios. Existem Formatado: Fonte: 12 pt

11 ainda 4 municípios que pertencem ao cluster 10 (Agricultura Moderna de Grãos e Empreita Tradicional), que são Kaloré, São João do Ivaí, Godoy Moreira e Borrazópolis, os quais são mais incorporados num modelo de agricultura mais intensiva típicas do norte e oeste do Paraná. A partir deste ponto são apresentados seis territórios cuja principal característica é a Agricultura Moderna de Grãos. São eles Cornélio Procópio (território 18), Londrina (território 19), Maringá (território 20), Campo Mourão (território 14), Cascavel (território 12) e Lindeiros (território 13). Esses territórios são, na essência, formados por quatro tipos de municípios, que são a seguir apresentados, em ordem decrescente de ocorrências: cluster 7 (55 ocorrências)- Agricultura Moderna de Grãos e Pouca Pecuária e Mais Mão-de-obra Permanente ; cluster 10 (21 ocorrências)- Agricultura Moderna de Grãos e Empreita Tradicional, Sem Café ou Lavouras Permanentes ; cluster 8 ( 8 ocorrências)- Agricultura Moderna de Grãos, Café e/ou Lavouras Permanentes e Mais Mão-de-obra Permanente ; e cluster 11 (8 ocorrências) Agricultura Moderna de Grãos Familiar com Terceirização, Com Pecuária Intensiva. Na formação desses 6 territórios são também importantes os municípios do cluster 5 (23 ocorrências, principalmente em Maringá (15) e Londrina (6)) e os municípios do cluster 4 (15 ocorrências Lindeiros (9) e Cascavel (6)). O território 18 é Cornélio Procópio formado por 19 municípios, 18 deles pertencentes ao cluster 7 e 1 município pertencente ao cluster 10, é uma típica região de agricultura moderna de grãos, conforme se apresenta no Anexo. Uma das principais características de Cornélio Procópio está nos altos valores do fator 1, indicando o desenvolvimento de uma robusta agricultura moderna de grãos. Os valores neutros e positivos no fator 3, e os valores altamente negativos do fator 4, consolidam a idéia de que há pouca pecuária. No fator 2, os valores positivos e altamente positivos indicam uma maior utilização de mão-de-obra permanente, revelando um caráter mais patronal na agricultura regional. Ao analisar o fator 5, percebe-se a presença discreta mas importante das lavouras permanentes e/ou do café principalmente em Andirá, Assai, Bandeirantes,Cambará, Cornélio Procópio, Nova América da Colina, Nova Fátima, Rancho Alegre, Santa Mariana, São Sebastião da Amoreira e Uraí. Os municípios variam muito quanto à terceirização (fator 6) e, exceto em alguns municípios como Barra do Jacaré, Itambaracá, Jataizinho e Nova América da Colina, predominam baixos níveis de investimento e financiamentos recebidos (fator 7). O território de Cornélio Procópio pode ser descrito como Agricultura Moderna de Grãos e Pouca Pecuária, Com Presença de Lavouras Permanentes e Mais Mão-de-obra Permanente (Patronal). A cidade-pólo é Cornélio Procópio, mas há dinamismo também em Bandeirantes. O território 19 é Londrina, formado por 21 municípios, sendo 14 deles mais afetos à agricultura moderna de grãos, que se divide em dois núcleos, um onde predominam municípios do cluster 7 (Agricultura Moderna de Grãos, Pouca Pecuária e Mais Mão-de-obra Permanente), e outro onde predominam municípios do cluster 8 (Agricultura Moderna de Grãos, Muito Café e/ou Lavouras Permanentes e Mais Mão-deobra Permanente). Além disso, existe um núcleo com 2 municípios muito ligados à agroindústria canavieira, que conformam um cluster diferenciado (cluster 15). Por critérios geopolíticos, isto é, por estarem profundamente ligados a Londrina, 5 municípios característicos do Arenito Caiuá, que fazem parte do cluster 5 (Pastagens Plantadas e Pecuária Bovina Extensiva, Sem Matas e Mais Mão-de-obra Permanente) integram também o território de Londrina. Os valores dos fatores por município são apresentados no Anexo, dispostos segundo 4 sub-territórios.

12 A cidade-pólo é Londrina, mas há um eixo metropolitano constituído por Ibiporã, Londrina, Cambé, Rolândia e Arapongas, cujas características de urbanização são essenciais para o planejamento regional. Na agricultura existem traços comuns à região, que é o caráter mais patronal das explorações agrícolas, com importância significativa da mão-de-obra permanente (fator 2 Menos Mão-de-obra Familiar). O primeiro sub-território, de municípios do cluster 7, foi batizado como Londrina/Ibiporã, e é constituído pelos municípios de Primeiro de Maio, Alvorada do Sul, Sertanópolis, Bela Vista do Paraíso, Ibiporã, Londrina (e atualmente também Tamarana), Marilândia do Sul e Mauá da Serra. Apresentam valores altos para agricultura moderna de grãos (fator 1). Predomina o caráter patronal, com mais mão-de-obra permanente (fator 2), e há pouca pecuária em vista dos valores dos fatores 3 e 4. Os investimentos e financiamentos recebidos atingem valores próximos e superiores a 0,5, indicando que predominam níveis médios para essas variáveis. O segundo sub-território, de municípios do cluster 8, foi nominado como Cambé/ Rolândia /Arapongas, e é constituídos pelos municípios de Cambé, Rolândia, Arapongas, Pitangueiras, Miraselva (atualmente mais Prado Ferreira) e Sabáudia. Da mesma forma que Londrina/Ibiporã, apresenta valores altos para agricultura moderna de grãos (fator 1). Predomina o caráter patronal, com mais mão-de-obra permanente (fator 2), e há pouca pecuária, em vista dos valores dos fatores 3 e 4. A diferenciação está no fator 5, que apresenta altos valores para presença de café e/ou outras lavouras permanentes. No fator 7, predominam baixos investimentos e financiamentos. O sub-território Porecatu é formado pelos municípios de Porecatu e Florestópolis (cluster 15). Apresenta valores próximos de zero para agricultura moderna de grãos (fator 1). O caráter patronal se acirra, atingindo valores dos mais altos do estado do Paraná (fator 2). Há poucas pastagens (muita cana) e alto uso de tecnologia pecuária (fatores 3 e 4). Ocorre ainda bastante empreita, com pouca terceirização (fator 6). O sub-território Jaguapitã é formado por Jaguapitã, Guaraci, Centenário do Sul, Cafeara e Lupionópolis, todos municípios do cluster 5. Apresenta valores medianamente negativos para agricultura moderna de grãos (fator 1),ou seja, pouca presença dessa atividade. Agricultura têm caráter predominantemente patronal, com mais uso de mão-deobra permanente (valores iguais ou superiores a 1 no fator 2). Há presença significativa de pastagens e uso relativamente elevado de tecnologia pecuária (fatores 3 e 4). Esses são municípios típicos do Arenito Caiuá, de Pastagens Plantadas e Pecuária Bovina Extensiva, Sem Matas e Mais Mão-de-obra Permanente. O território 20 é Maringá, que, a exemplo de Londrina, foi considerado no sentido amplo de sua abrangência geopolítica. É constituído por 34 municípios, e foi organizado em três sub-territórios: Lavoureira de Maringá, Nova Esperança e Colorado, conforme mostra o Anexo. A cidade-pólo é Maringá, mas existe um eixo metropolitano formado por Marialva, Sarandi, Maringá e Paissandu, e outras áreas com bastante dinamismo, como Nova Esperança e Colorado. Na agricultura, existem traços comuns à região, que é o caráter mais patronal das explorações agrícolas, com importância significativa da mão-de-obra permanente (fator 2 Menos Mão-de-obra Familiar). No primeiro sub-território, Lavoureira de Maringá, estão 17 municípios cuja principal característica é a agricultura moderna de grãos, o que pode ser confirmado pelos altos valores do fator 1 e pela existência de 14 municípios dos clusters 7 (dez), 8 (três) e 10 (um), que são característicos desse tipo de agricultura. Os valores neutros e positivos do fator 3, e os predominantemente negativos do fator 4, consolidam uma situação de pouca Formatado: Recuo: Primeira linha: 1,27 cm

13 pecuária bovina. Os altos valores do fator 5 indicam que há um núcleo de concentração de Café e/ou Lavouras Permanentes nos municípios de Astorga, Mandaguari, Marialva, Sarandi, Maringá, Mandaguaçu e Floraí. No fator 6, predomina a terceirização de máquinas via aluguel em detrimento da empreita tradicional, que é dominante somente em Doutor Camargo e Ângulo. No segundo sub-território, Nova Esperança, encontra-se 5 municípios: Nova Esperança, Atalaia, Uniflor, Presidente Castelo Branco e Cruzeiro do Sul. Nesses municípios as principais características são o café e outras lavouras permanentes, como a amoreira e a uva, junto com muitas pastagens, significativo uso de tecnologia pecuária, sem matas nativas e maior utilização de mão-de-obra permanente e parceiros, bem típico dos municípios do cluster 1 (Café/ Lav. Perm. e Pecuária Sem Matas Nativas). No terceiro sub-território, Colorado, estão 12 municípios, sendo que 11 deles pertencem ao cluster 5 (Pastagem Plantada e Pecuária Bovina Extensiva Sem Matas e Mais Mão-de-obra Permanente). A exceção é Paranapoema, que com indicadores extremos, formou solitariamente o cluster 19. Estes municípios são municípios típicos do Arenito Caiuá, sendo escassa a agricultura moderna de grãos (fator 1), utilizando mais mão-de-obra permanente que familiar (fator 2), ocorrendo muitas pastagens plantadas (fator 3) e alto uso de tecnologia pecuária (fator 4). Lavouras Permanentes só aparecem em Colorado e Munhoz de Melo. O território 14 é Campo Mourão, que é uma típica região de agricultura especializada em grãos. Constituído por 16 municípios, 14 deles pertencem ao cluster 7 (Agricultura Moderna de Grãos e Pouca Pecuária e Mais Mão-de-obra Permanente) e 2 pertencem ao cluster 10 (Agricultura Moderna de Grãos e Empreita Tradicional, Sem Café ou Lavouras Permanentes), conforme apresentado no Anexo. Os altos valores do fator 1, com exceção de Goioerê e Janiópolis, ratificam o desenvolvimento de uma robusta agricultura mecanizada de grãos. Os valores do fator 2 apontam para um significativo uso de mão-de-obra permanente, caracterizando uma agricultura mais patronal nos níveis de Londrina e Maringá. Os valores positivos do fator 3 indicam menos pastagens mais do que muitas matas nativas. Juntamente com os valores negativos do fator 4, corroboram um quadro de pouca pecuária bovina, até pela especialização em lavouras. À exceção de Jussara e Terra Boa, as lavouras permanentes são insignificantes (fator 5). No fator 6, em Janiópolis e Juranda (cluster 10) predomina a empreita tradicional, assim como em menor escala é significativa em Boa Esperança, Jussara e Peabiru. Em Farol, Luiziana e Mamborê predomina a terceirização via aluguel de máquinas, que também é significativa em Campina da Lagoa, Engenheiro Beltrão, Fênix, Quinta do Sol e Rancho Alegre do Oeste. No fator 7, existem maiores investimentos e financiamentos nos municípios de Boa Esperança, Campina da Lagoa, Campo Mourão, Goioerê, Janiópolis, Juranda e, principalmente, Jussara. O território 12 é Cascavel, que congrega 20 municípios de 5 diferentes clusters (4, 7, 10, 11 e 16) mas que, no seu conjunto, é uma região de agricultura moderna de grãos com presença significativa da pecuária (exceto no cluster 7), principalmente a bovina, como pode ser visto no Anexo, que congrega os municípios em 3 sub-territórios. A norte caracteriza-se um sub-território denominado de Assis Chateaubriand, com 5 municípios do cluster 10 ( Agricultura Moderna de Grãos e Empreita Tradicional, Com Pecuária e Sem Café ou Lavouras Permanentes ), 2 municípios do cluster 16 ( Agricultura Moderna de Grãos, Muitas Pastagens e Pecuária Bovina de Baixa Intensidade e Muito Café e/ou e 3 municípios do cluster 4 ( Agricultura Familiar de Média a Baixa Intensidade, Mista de Lavoura e Pecuária ). De forma geral podemos caracterizar este sub-território como de agricultura moderna de grãos (fator 1), alternando municípios com mais mão-de-obra familiar e com mais mão-de-obra permanente (fator 2),

14 presença significativa de pastagens (fator 3), baixo uso de tecnologia pecuária (fator 4), com lavouras permanentes aparecendo apenas em Jesuítas e Iracema do Oeste (fator 5). Conforme o município, há alternância de empreita tradicional e terceirização (fator 6), e baixo índice de investimentos e financiamentos (fator 7). Um segundo sub-território é chamado Lavoureira de Cascavel, formado por 4 municípios, todos do cluster 7 ( Agricultura Moderna de Grãos e Pouca Pecuária Bovina ). Estes apresentam altos valores para agricultura moderna de grãos (fator 1), explorações de caráter mais patronal (fator 2), poucas pastagens e pecuária bovina (fatores 3 e 4), mais empreita tradicional e mais investimentos, exceto em Corbélia (fatores 6 e 7). Um terceiro sub-território é Capitão Leônidas Marques formado por 6 municípios dos clusters 4, 10 e 11, onde é mais tênue a agricultura moderna de grãos (fator 1), há certa predominância da mão-de-obra familiar (fator 2), muitas pastagens e significativo uso de tecnologia pecuária (fatores 3 e 4), lavouras permanentes ausentes (fator 5), alterna terceirização e empreita tradicional (fator 6) e há altos valores de investimentos e financiamentos (fator 7). O território 13 é Lindeiros formado por 24 municípios de 6 diferentes clusters (4, 5, 7, 10, 11 e 17), mas com traços comuns, conforme mostra o Anexo. Estabeleceramse dois sub-territórios: Toledo (16 municípios) e Foz do Iguaçu (7 municípios). Em geral, os municípios do território Lindeiros têm cinco características marcantes, que são: 1) uma agricultura moderna de grãos das mais vigorosas do estado (fator 1); 2) mão-de-obra com caráter predominantemente familiar (fator 2); 3) muitas pastagens, muita pecuária bovina e alto uso de tecnologia pecuária atestando intensa pecuária de galpões (fatores 3 e 4); 4) muita terceirização via aluguel de máquinas, exceto nos municípios de clusters 10 e 17 (fator 6); e 5) investimentos e financiamentos dos mais altos do estado (fator 7). As cidades-pólo são Foz do Iguaçu e Toledo, mas há muito dinamismo em Marechal Cândido Rondon, Medianeira, Palotina, Santa Helena e São Miguel do Iguaçu. No sub-território Toledo predominam valores muito altos para agricultura moderna de grãos (fator 1) e o caráter altamente familiar nas explorações (fator 2), havendo um grupo de municípios de grande desenvolvimento de pecuária intensiva (fatores 3 e 4) e de mais investimentos e financiamentos, constituído por Palotina, Maripá, Nova Santa Rosa, Quatro Pontes, Toledo, Marechal Cândido Rondon, Pato Bragado, Entre Rios do Oeste e Santa Helena, que têm um nível de atividade econômica invejável em relação a outras regiões. Por sua vez, no sub-território Foz do Iguaçu também há valores altos para agricultura moderna de grãos (fator 1), mas existe um caráter mais patronal das explorações em Foz do Iguaçu, Santa Terezinha de Itaipu, Itaipulândia e Ramilândia (fator 2) e há um menor desenvolvimento de pecuária intensiva em São Miguel do Iguaçu, Santa Terezinha de Itaipu, Itaipulândia, Ramilândia e Foz do Iguaçu (fator 4). A predominância de terceirização ou empreita alterna-se entre os municípios (fator 6), e os investimentos e financiamentos, à exceção de Santa Terezinha de Itaipu, são bastante altos (fator 7). A partir desse ponto são descritos os territórios de Umuarama e Paranavaí, onde há uma larga predominância de municípios do cluster 5 ( Pastagens Plantadas e Pecuária Bovina de Baixa Intensidade, Sem Matas e Mais Mão-de-obra Permanente ), bastante característicos da grande região do Arenito Caiuá. Como coadjuvantes aparecem alguns municípios do cluster 1 ( Café e/ou Lavouras Permanentes e Pecuária Bovina Extensiva, Sem Matas Nativas ) e suas variações (clusters 6 e 16), que constituem núcleos de lavouras permanentes.

15 O território 21 é Umuarama, formado por 30 municípios, sendo 23 municípios do cluster 5, 6 municípios dos clusters 1, 6 e 16 e 1 município do cluster 4. No Anexo estão os valores dos fatores para os municípios, subdividindo-os em três sub-territórios. O primeiro sub-território é Cianorte, formado por 6 municípios que apresentam agricultura moderna de grãos quase ausente (fator 1), exceto Japurá, agricultura intermediária entre familiar e patronal (fator 2), muita pecuária bovina extensiva (fatores 3 e 4), e alta participação das lavouras permanentes, principalmente o café (fator 5). O segundo sub-território é o Pastoril de Umuarama, formado por 22 municípios onde a agricultura moderna de grãos está praticamente ausente (fator 1), agricultura muito patronal com predominância da mão-de-obra permanente (fator 2), muitas pastagem plantada e pecuária bovina extensiva (fator 3) com significativo uso de insumos animais (fator 4), predomina a empreita tradicional sobre a terceirização (fator 6) e há investimentos num nível de médio a alto (fator 7). O terceiro sub-território é Altônia, que é um núcleo de dois municípios cafeeiros onde não há agricultura moderna de grãos (fator 1), o caráter das explorações é intermediário entre o familiar e o patronal (fator 2), há muitas pastagens plantadas e pecuária bovina extensiva com significativo uso de tecnologia (fatores 3 e 4), a participação do café é das mais elevadas do estado (fator 5), e a empreita tradicional é predominante, atingindo os maiores valores do estado (fator 6). O território 22 é Paranavaí, constituído por 25 municípios. É uma vasta região de pecuária bovina extensiva e, por isso, 22 desses municípios pertencem ao cluster 5 ( Pastagens Plantadas e Pecuária Bovina Extensiva), Sem Matas e Mais Mão-de-obra Permanente ) e os outros 3 pertencem ao cluster 1 ( Café e/ou Lavouras Permanentes e Pecuária Bovina Extensiva, Sem Matas Nativas ), conforme pode ser visto no Anexo. Os valores altamente negativos do fator 1 mostram uma quase ausência da agricultura moderna de grãos e uma grande concentração no acesso à terra. Os valores altos e muito altos do fator 2 indicam a dominância do caráter patronal das explorações com mais uso de mão-de-obra contratada permanente. Os valores altamente negativos do fator 3 mostram a dominância das pastagens plantadas na paisagem, e há uma significativa utilização de insumos pecuários pelos altos valores do fator 4. Aparentemente há dois núcleos cafeeiros, um em Alto Paraná e outro que congrega Diamante do Norte, Marilena e Itaúna do Sul (fator 5). A cidade-pólo é Paranavaí. 4. Conclusões Com base em informações quantitativas, oriundas de análise multivariada da estrutura agrária dos municípios, bem como na discussão dos resultados preliminares com informantes-chaves, foram identificados 22 territórios rurais para o Estado do Paraná. Espera-se que tal recorte seja útil para o planejamento e execução de ações de desenvolvimento, sobretudo aquelas pautadas em políticas públicas, porque os territórios rurais sugerem comunalidade de problemas e potencialidades na área em que estão circunscritos. 5. Bibliografia FUENTES LLANILLO, R.; DEL GROSSI, M. E.; SANTOS, F.O.; MUNHOS, P. D. Regionalização da economia agrária do estado do Paraná. In: XLI Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural. Anais... Juiz de Fora, CD-ROM. SCHNEIDER, S.; WAQUIL, P. D. Caracterização socioeconômica dos municípios gaúchos e desigualdades regionais. Revista de Economia e Sociologia Rural. Brasília, SOBER, v. 39, n. 3, p , jul./set Formatado: Recuo: Primeira linha: 1,27 cm

16 Anexo - Valores dos fatores segundo os municípios dos territórios. Fator 1 Fator 2 Fator 3 Fator 4 Fator 5 Fator 6 Fator 7 Município Agricultura Menos + Matas, Tecnologia Lav.Per- Terceitimento/ Café / Menos Inves- Moderna Agricultura Menos de Grãos Familiar Pastagens Pecuária manente rização Financ. Território 1. Região Metropolitana 4. Grande Lapa 6. Grande Irati Alm.Tamandaré -0,144-1,543 1,900-0,130 0,865 0,032-0,276 3 Araucária 1,638-0,791 0,895 1,067 0,455 0,501-1,108 3 Campina Grande do Sul -1,145-0,560 1,443-0,956 0,723 0,327 0,431 2 Campo Largo -0,340-1,562 1,480-0,284 0,688 0,125-0,342 3 Colombo 0,916-0,455 1,397 0,821 2,174 1,407 3, Curitiba 0,545-0,912 3,798-0,041 3,260 0,266 1, Faz. Rio Grande 0,018-1,242 1,234 0,112 1,158 0,211-0,128 3 Pinhais -0,275 1,284 1,607 0,745 0,582 0,291-0, Piraquara 1,231 0,854 2,077 3,052 2,781 0,667 14, Quatro Barras -0,861 0,111 1,929-0,051 1,013 0,555 0,399 2 São J. Pinhais 0,047-0,519 1,390 0,110 0,416 0,776 0,841 2 Agudos do Sul 0,344-1,466 0,942 0,783 0,178 1,071-0,628 3 Balsa Nova 0,876 0,008 1,742 1,122 0,238 0,603 0,053 3 Campo do Tenente -0,460-0,209 1,918-0,119 0,447 0,109 0,046 2 Contenda 1,506-1,149 1,420 1,446 0,550 1,439-1,251 3 Lapa -0,165-0,581 1,610-0,078-0,126 1,191-0,211 3 Mandirituba 0,285-2,021 1,379 0,917 1,325 0,478 0,317 3 Piên 0,539-1,499 1,037 0,892 0,293 1,849-0,661 3 Porto Amazonas 0,347 0,825 1,885 1,474 0,617 1,086-1, Quitandinha 0,479-1,992 1,071 0,626 0,731 0,712-1,083 3 Rio Negro 0,056-0,828 1,656 0,366 0,368 1,634-0,033 3 Tijucas do Sul -0,789-0,463 1,703-0,578 0,292 0,066-0,303 2 Antônio Olinto 0,190-1,204 1,210 0,195 0,074 0,913-0,780 3 Imbituva 0,128-0,662 1,053 0,059 0,404 0,969-0,478 3 Ipiranga -0,123-0,387 1,203-0,637-0,563 1,076-0,336 3 Irati 0,450-1,717 1,351 0,604 0,512 0,387-1,512 3 Ivaí -0,037-1,945 1,078-0,881 0,091 1,066-1,026 3 Mallet 0,455-1,974 1,024 0,643 0,682 0,970-1,028 3 Paula Freitas 0,078-0,891 1,613 0,101 0,759 0,330-0,173 3 Paulo Frontin 0,604-1,504 1,130 0,734 0,192 1,093-0,774 3 Prudentópolis -0,106-2,442 1,090-0,276 0,628 0,952-1,182 3 Rebouças 0,369-1,398 0,903 0,080 0,149 0,521-0,803 3 Rio Azul 0,759-1,626 0,984 1,011-0,341 2,649-1,310 3 São J. do Triunfo -0,222-1,136 1,293-0,250-0,273 1,476-0,484 3 S. Mateus do Sul -0,261-0,866 1,743-0,210 0,543 0,113-0,459 3 Teixeira Soares -0,124-0,138 1,800-0,459-0,379 0,790-0,346 3 Fonte: FUENTES LLANILLO et al (2003). (... cont.) Cluster

17 (continuação) Território 7. União da Vitória 2. Litoral 3. Ribeira 5. Ponta Grossa 9.Guarapuava (cont.) Fator 1 Fator 2 Fator 3 Fator 4 Fator 5 Fator 6 Fator 7 Município Agricultura Menos + Matas, Tecnologia Lav.Per- Terceitimento/ Café / Menos Inves- Moderna Agricultura Menos de Grãos Familiar Pastagens Pecuária manente rização Financ. Bituruna -0,638-1,324 1,484-0,103-0,025 1,994-0,457 3 Cruz Machado -0,462-2,638 1,706 0,172 1,011 0,150-1, Porto Vitória -0,121-1,163 0,831 1,025 0,493 0,052-0,901 3 União da Vitória -0,908-0,771 1,314-0,395 0,761 0,280-0,427 2 Antonina -1,159-0,028 2,023-0,541 0,076 0,735 0,352 2 Guaraqueçaba -1,940-0,426 2,077-1,565-0,180 0,340 0,247 2 Guaratuba -1,770-0,134 1,869-2,176 1,522 0,212 0,363 2 Matinhos -0,867 0,317 1,991 0,785 0,870 1,718 3,029 9 Morretes -1,060-0,640 2,347-1,605 1,218 0,905 0,754 2 Paranaguá -1,288-0,569 1,489-0,525 0,598 0,368 1,000 2 Adrianópolis -2,367-0,471 0,717-1,017-1,239-0,211 0,150 2 Bocaiúva do Sul -1,383-0,703 1,005-0,919 0,067-0,091 0,111 2 Cerro Azul -1,394-1,256 0,353-1,593 1,788 0,757-0,860 2 Doutor Ulysses -1,931-1,343 0,730-1,605 0,489 0,206-0,201 2 Itaperuçu -1,302-1,793 0,686-0,898 0,256 0,305-0,233 2 R.Branco do Sul -1,213-1,846 0,547-0,516 0,364 0,433-0,659 2 Tunas do Paraná -1,892-0,216 1,787-0,847-0,908 0,234-0,642 2 Arapoti -0,301 0,833 1,800 0,360-0,522 0,470 1,968 9 Castro -0,190-0,584 1,550-0,137 0,209-0,303 1,193 2 Jaguariaíva -1,379-0,007 1,176-0,736-0,957-0,019 0,004 2 Palmeira 0,438 0,035 1,475-0,019-0,537 1,224-0,136 3 Piraí do Sul -0,746-0,456 1,494-0,511 0,051-0,274 0,239 2 Ponta Grossa -0,243 0,472 1,889-0,573 0,132-0,380 0,390 2 Sengés -1,723-0,011 1,316-1,330-0,791-0,276 0,089 2 Telêmaco Borba -1,892 0,791 2,537-1,153-0,812-0,499 0,540 2 Tibagi -0,490 0,861 1,675-0,201-0,409-0,599-0,474 2 Ventania -1,279 0,072 1,193-0,900-0,790-0,025 0,246 2 General Carneiro -1,417 0,079 2,186-0,212-0,249 0,024-0,515 2 Guarapuava -0,941-0,327 1,431-1,096 0,174-0,421-0,136 2 Inácio Martins -1,963-1,132 1,537-1,261-0,371-0,213-0,310 2 Palmas -1,210-0,109 1,544-0,418-0,109 0,237-0,275 2 Pinhão -1,083-0,840 1,223-0,979-0,125-0,412 0,049 2 Turvo -1,330-1,004 1,183-0,767-0,151 0,407-0,158 2 Cluster

18 (continuação) Fator 1 Fator 2 Fator 3 Fator 4 Fator 5 Fator 6 Fator 7 Município Agricultura Menos + Matas, Tecnologia Lav.Per- Terceitimento/ Café / Menos Inves- Moderna Agricultura Menos de Grãos Familiar Pastagens Pecuária manente rização Financ. Bom Sucesso do Sul 0,958-0,878-0,055 0,277 0,050-1,882-0,321 4 Chopinzinho 0,249-0,826-0,017 0,192-0,367-0,430-0,109 4 Clevelândia -0,096 0,088 0,738 0,350-0,198 0,128-0,554 4 Coronel Vivida 0,635-0,804-0,156 0,203-0,183-1,069-0,158 4 Honório Serpa -0,105-0,749 0,801 0,067 0,069-0,709 0,202 4 Itapejara d'oeste 1,225-1,586-0,540 1,170-0,149 0,619 1, Mangueirinha 0,085-0,276 0,923-0,353-0,761 0,364 0,011 4 Mariópolis 0,972-0,919 0,197 0,897 0,410-1,321 0,425 4 Pato Branco 0,943-0,584 0,094 0,459-0,498 1,286 0,189 3 Renascença 0,828-0,072 0,759 0,525-0,328 0,788 0,330 3 São João 0,797-0,739-0,311 0,574-0,005-0,894-0,025 4 Saudade do Iguaçu -0,570-0,726-0,031 0,030-0,283-0,347-0,130 4 Sulina 0,152-1,380-0,726 0,756-0,486-0,233-0,041 4 Vitorino 0,918-0,452 0,408 0,708 0,169-1,178 0,025 4 Boa Esperança do Iguaçu 0,258-1,168-0,918 0,970-0,433-1,530-0,442 4 Cruzeiro do Iguaçu -0,187-0,935-0,842 0,768-0,015-1,679 0,209 4 Dois Vizinhos 0,985-1,757-0,641 1,815 0,788-0,816 1, Enéas Marques 0,480-2,664-0,361 1,982 0,482-0,728 0, Francisco Beltrão 0,617-1,979-0,371 1,562 0,554-0,558 0, Nova Esperança do Sudoeste 0,588-2,133-0,524 2,359 0,321 0,057 2, Nova Prata diguaçu 0,529-0,981-0,418 0,706-0,694-0,383 0,245 4 Salto do Lontra 0,606-1,474-0,557 1,161-0,254 0,403 0,346 4 São Jorge d'oeste 0,115-1,082-0,228 0,470-0,526-0,387 0,185 4 Verê 0,918-1,391-0,565 0,918-0,067-0,747 0,091 4 Ampére 0,135-1,262-0,655 0,612-0,259-0,370 0,024 4 Barracão -0,453-1,604-0,577 0,396-0,394-0,546-0,539 4 Capanema 0,971-1,450-1,017 0,813-0,577-0,667-0,227 4 Flor da Serra do Sul 0,210-2,043-0,455 0,718-0,005-0,159-0,643 4 Marmeleiro 0,401-1,730-0,111 0,919 0,323-0,889-0,178 4 Pérola d'oeste 0,891-1,216-0,889 0,681-0,205-0,982-0,491 4 Pinhal de São Bento -0,103-1,806-0,648 0,780-0,507-0,341-0,328 4 Planalto 0,934-1,587-1,064 0,778-0,481-0,130-0,365 4 Pranchita 1,051-0,988-0,141-0,021-0,027-1,341-0,169 4 Realeza 0,631-0,232-0,444 0,282-0,652 0,107 0,209 4 Salgado Filho -0,910-2,369-0,496 0,279-0,942-1,050-0,452 4 Santa Izabel do Território Sub-território Pato Branco 10. Grande Sudoeste Sub-território Francisco Beltrão Sub-território Fronteira (cont.) Oeste 0,697-1,323-0,491 0,493-0,635 0,340 0,198 4 St Antônio do Sudoeste 0,597-1,479-0,702 0,765-0,109-0,480-0,460 4 Cluster

19 (continuação) Fator 1 Fator 2 Fator 3 Fator 4 Fator 5 Fator 6 Fator 7 Município Agricultura Menos + Matas, Tecnologia Lav.Per- Terceitimento/ Café / Menos Inves- Moderna Agricultura Menos de Grãos Familiar Pastagens Pecuária manente rização Financ. Campo Bonito -0,006 0,276 0,536-0,587-0,813-0,545 0,010 7 Candói -0,245-0,219 1,117-0,406-0,312-1,475-0,583 4 Cantagalo -0,552-1,473 0,245-0,431-0,850 0,283-0,390 4 Catanduvas -0,087-0,357 0,010-0,370-1,071 0,195 0,190 4 Diamante do Sul -1,313-0,169 0,015-0,605-1,428-0,379-0,072 4 Guaraniaçu -0,865-0,863 0,151-0,657-0,801-0,856 0,145 4 Ibema -0,397-0,753 0,771-0,825 0,064-2,013 0,081 4 Laranjeiras do Sul 0,027-0,850 0,200 0,480-0,299 0,286-0,685 4 Nova Laranjeiras -1,117-0,936-0,063-0,712-1,412 0,314-0,049 4 Quedas do Iguaçu -0,160-0,444 0,325-0,134-0,865-0,196 0,086 4 Rio Bonito do Iguaçu -0,454-0,221 1,427-0,553-1,073 0,070-0,053 4 Três Barras do Paraná 0,368-1,226-0,758 0,525-1,437 0,557 0,503 4 Virmond 0,706-2,226 1,187 0,629-0,108 1,948-1,398 3 Altamira do Paraná -1,615-0,694-0,574-1,396-1,735-0,182 0,485 4 Cândido de Abreu -1,048-1,396 0,712-0,762-0,105-1,493-0,340 4 Iretama -0,928-0,053-0,237-0,190-0,428-1,213 0,191 4 Laranjal -1,449-0,899-0,197-0,741-0,928-1,009 0,273 4 Manoel Ribas 0,112-0,239-0,103 0,157-1,545 1,984 0, Mato Rico -0,519-0,817-0,119-0,372-0,508-1,912-0,370 4 Nova Cantu 0,436 0,181-0,261-0,727-1,658 0,565 0, Nova Tebas -0,838-0,830-0,922-0,613-1,561 0,208 0,229 4 Palmital -0,935-0,945 0,004-0,100-0,608-1,134-0,369 4 Pitanga -0,301-0,920 0,364-0,204-0,267-0,689-0,305 4 Roncador -0,337-0,453 0,004-0,494-0,288-1,588 0,003 4 Rosário do Ivaí -1,264-0,617-1,224 0,103-1,014-0,665 0,155 4 Santa Maria do Oeste -0,840-1,347 0,239-0,389-0,070-0,956-0,717 4 Curiúva -1,190-0,461-0,524-0,654-0,925 0,372 0,262 4 Figueira -0,931 0,304-0,308 0,317 1,652-0,311-0,357 1 Ortigueira -1,574-0,553-0,035-0,710-0,842-0,651 0,345 4 Reserva -0,983-0,810 0,362-1,044-1,210 0,514 0,026 4 São Jerônimo da Serra -0,927-0,083-0,288-1,159-1,000 1,023 0,010 4 Sapopema -1,653-0,288-0,510-0,091-0,725-1,569 0, Cantuquiriguaçu Território 11. Paraná Centro 16. Ortigueira (cont.) Cluster

20 (continuação) Território Município Fator 1 Fator 2 Fator 3 Fator 4 Fator 5 Fator 6 Fator 7 Agricultura Menos + Matas, Tecnologia Lav.Per- Terceitimento/ Café / Menos Inves- Moderna Agricultura Menos de Grãos Familiar Pastagens Pecuária manente rização Financ. Cluster Subt.Ribeirão do Pinhal Abatiá 0,052-0,169-1,305-0,607 0,694 1,706-0,455 1 Ribeirão do Pinhal -0,698 1,022-0,764-0,625 1,178 1,489-0,302 1 Santa Amélia 0,588 1,232-2,008-2,003 2,349 1,726-0, Norte Pioneiro Sub-território Siqueira Campos Sub-território Jacarezinho (cont.) Japira -0,947-0,428-0,420-0,213 1,310-0,235-0,405 1 Jaboti -0,604-0,789-1,073 0,202 1,629-0,526-0,622 1 Pinhalão -1,214 0,181-0,324-0,271 1,666-0,102-0,841 1 Tomazina -0,954-0,324-0,579 0,071 0,199-1,395-0,086 4 Carlópolis -0,656 0,454-1,678-0,318 3,734 1,986-0,739 6 Salto do Itararé -1,054-1,023-1,374 0,080 0,770-0,035-0,291 1 Siqueira Campos -1,011-0,687-0,968-0,001 1,046-0,066 0,260 1 Wenceslau Braz -0,461-0,743-0,225 0,471 0,746 0,132-0,371 3 Joaquim Távora -0,966-0,256-0,682 0,158-0,582-0,519 0,801 4 São José da Boa Vista -0,208-0,608-0,057 0,082-0,297 0,821-0,273 4 Santana do Itararé -0,719 0,046-0,250 0,308-0,198 0,319-0,062 5 Congonhinhas -1,262 0,436-0,662-0,187-0,067-0,860 0,114 5 Conselheiro Mairinck -1,108 0,675-0,423 0,185-0,187-1,036 0,227 5 Guapirama -0,703 0,763-0,277 0,749-0,082-0,657 0,535 5 Ibaiti -1,602 0,350 0,055-0,439 0,247-0,691-0,011 5 Jacarezinho -0,818 1,230 0,743-0,456 1,206-0,244 0,923 5 Jundiaí do Sul -1,248 0,783-0,074-0,108 0,065-0,877 0,369 5 Quatiguá -0,608-0,085-1,085 1,349-0,403 0,270 0,419 5 Ribeirão Claro -1,350 0,675-0,728 0,142 1,231-0,052-0,071 5 St Antônio da Platina -0,468 0,209-0,379-0,460 0,025 0,688 0,547 5

Total de homens Total de mulheres

Total de homens Total de mulheres Nome do população população 4100103 Abatiá 8.259 3.911 3.842 5.721 2.032 7.753 4100202 Adrianópolis 7.007 3.296 3.078 2.060 4.314 6.374 4100301 Agudos do Sul 7.221 4.306 3.964 2.822 5.448 8.270 4100400

Leia mais

CÓDIGOS DO PARANÁ. Fonte: Anexo da resolução 263 de 08/06/2001

CÓDIGOS DO PARANÁ. Fonte: Anexo da resolução 263 de 08/06/2001 CÓDIGOS DO PARANÁ Fonte: Anexo da resolução 263 de 08/06/2001 UF MUNICÍPIO CÓDIGO DE ÁREA PR ABATIÁ 43 PR ADRIANÓPOLIS 41 PR AGUDOS DO SUL 41 PR ALMIRANTE TAMANDARÉ 41 PR ALTAMIRA DO PARANÁ 42 PR ALTO

Leia mais

ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO MUNICIPAL SEGUNDO OS MUNICÍPIOS DO PARANÁ - 1991/2000 continua 1991 2000 MUNICÍPIO. Ranking no estado.

ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO MUNICIPAL SEGUNDO OS MUNICÍPIOS DO PARANÁ - 1991/2000 continua 1991 2000 MUNICÍPIO. Ranking no estado. www.ipardes.gov.br ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO MUNICIPAL SEGUNDO OS S DO PARANÁ - 1991/2000 PARANÁ 0,711 0,678 0,778 0,678 (1) 7 0,787 0,747 0,879 0,736 (1) 6 Abatiá 0,651 0,717 0,664 0,571 235 0,710

Leia mais

Curitiba - Matrícula na Educação Básica

Curitiba - Matrícula na Educação Básica Alunos Matriculados por Município na Educação Básica do Paraná - Série Temporal 2007-2013 O presente estudo, baseado nas informações do Censo Escolar do MEC/Inep, incluindo os dados de 2013 recém divulgados,

Leia mais

1. 1. DISTRIBUIÇÃO GOGRÁFICA DOS IMÓVIS Almirante Tamandaré 6/6/2006 25493/04 2. Altônia 22/1/2014 7785/12 3. Alto Paraná 22/7/2013 837/2012 4. Alto Piquiri 30/1/2016 8515/2013 5. Andirá 11/12/2010 675/2010

Leia mais

Frota Total de Veículos 2012-2014

Frota Total de Veículos 2012-2014 Evolução da frota de veículos existentes na cidade. Tipos de veículos: automóvel, bonde, caminhão, caminhão trator, caminhonete, camioneta, chassi plataforma, ciclomotor, micro-ônibus, motocicleta, motoneta,

Leia mais

CIA DE CIMENTO ITAMBE DIRETORIA COMERCIAL DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA

CIA DE CIMENTO ITAMBE DIRETORIA COMERCIAL DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA CIA DE CIMENTO ITAMBE DIRETORIA COMERCIAL DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA REGIÕES - PARANÁ Ensacado Região Cidade Truck - 14,5t Carreta - 32t Granel 1 CURITIBA 2 2 2 ITAPERUÇU 3 3 3 2 CAMPO MAGRO 3 3 3 RIO BRANCO

Leia mais

Situação dos FMDCA Fundos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente no Estado do Paraná

Situação dos FMDCA Fundos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente no Estado do Paraná Situação dos FMDCA Fundos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente no Estado do Paraná Documento elaborado pelo CAOPCAE/MPPR a partir de arquivos disponibilizados na internet pela Secretaria

Leia mais

ELABORAÇÃO ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO ANTONIO CARLOS CORDEIRO DA SILVA EQUIPE TÉCNICA ARIETE DE FREITAS ROSA MARIA BRUNETTI APOIO TÉCNICO

ELABORAÇÃO ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO ANTONIO CARLOS CORDEIRO DA SILVA EQUIPE TÉCNICA ARIETE DE FREITAS ROSA MARIA BRUNETTI APOIO TÉCNICO ELABORAÇÃO ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO ANTONIO CARLOS CORDEIRO DA SILVA EQUIPE TÉCNICA ARIETE DE FREITAS ROSA MARIA BRUNETTI APOIO TÉCNICO ANDRÉIA PUSTILNICK LIDIA RIBEIRO DO NASCIMENTO REPROGRAFIA SERGIO

Leia mais

Paraná é o Estado com o maior número de salas de situação da dengue

Paraná é o Estado com o maior número de salas de situação da dengue Governo do Estado do Paraná Secretaria de Estado da Saúde (SESA) Superintendência de Vigilância em Saúde Sala de Situação em Saúde SITUAÇÃO DA DENGUE, CHIKUNGUNYA e ZIKA VÍRUS NO PARANÁ 2015/2016 Informe

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DO PARANÁ CONCURSO PÚBLICO SANEPAR Relação Candidato/Vaga

COMPANHIA DE SANEAMENTO DO PARANÁ CONCURSO PÚBLICO SANEPAR Relação Candidato/Vaga INSITOS ANALISTA - ADMINISTRADOR / ECONOMISTA / CONTADOR ANALISTA - ADVOGADO ANALISTA - ADVOGADO ANALISTA - ADVOGADO ANALISTA - ADVOGADO ANALISTA - ADVOGADO ANALISTA - ADVOGADO ANALISTA - ADVOGADO ANALISTA

Leia mais

TABELA DE MUNICÍPIOS COM PARTICIPAÇÃO NO ÍNDICE AMBIENTAL VALORES REPASSADOS NO EXERCÍCIO DE 2000

TABELA DE MUNICÍPIOS COM PARTICIPAÇÃO NO ÍNDICE AMBIENTAL VALORES REPASSADOS NO EXERCÍCIO DE 2000 VALORES REPASSADOS NO EXERCÍCIO DE 2000 Esta tabela identifica os Municípios com participação no Índice Ambiental relativo às informações do ano base de 1998, que compôs o cálculo do Índice de Participação

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde Curso de Medicina Veterinária Rafael Bernardon

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde Curso de Medicina Veterinária Rafael Bernardon UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde Curso de Medicina Veterinária Rafael Bernardon TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (T.C.C.) CURITIBA 2007 APRESENTAÇÃO Este Trabalho

Leia mais

SITUAÇÃO DA DENGUE NO PARANÁ 2014/2015 Informe técnico 09 Período 2014/2015 Semana 31/2014 a 07/2015 Atualizado em 23/02/2015 às 17h

SITUAÇÃO DA DENGUE NO PARANÁ 2014/2015 Informe técnico 09 Período 2014/2015 Semana 31/2014 a 07/2015 Atualizado em 23/02/2015 às 17h Governo do Estado do Paraná Secretaria de Estado da Saúde (SESA) Superintendência de Vigilância em Saúde Sala de Situação em Saúde SITUAÇÃO DA DENGUE NO PARANÁ 2014/2015 Informe técnico 09 Período 2014/2015

Leia mais

Ofício Circular nº 015/2013-CGMP Curitiba, 29 de maio de 2013.

Ofício Circular nº 015/2013-CGMP Curitiba, 29 de maio de 2013. Ofício Circular nº 015/2013-CGMP Curitiba, 29 de maio de 2013. Senhor(a) Procurador(a) de Justiça Senhor(a) Promotor(a) de Justiça Senhor (a) Servidor (a) Tem o presente a finalidade de apresentar-lhe,

Leia mais

Subsídios para construção dos critérios de priorização RELAÇÃO DAS COMARCAS POR ENTRÂNCIA E POR ORDEM ALFABÉTICA. Hab./Promotor Defasagem Apoio

Subsídios para construção dos critérios de priorização RELAÇÃO DAS COMARCAS POR ENTRÂNCIA E POR ORDEM ALFABÉTICA. Hab./Promotor Defasagem Apoio Subsídios para construção dos critérios de priorização RELAÇÃO DAS POR ENTRÂNCIA E POR ORDEM ALFABÉTICA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Membros jurídico 1 ALMIRANTE TAMANDARE 2 3 40.377 2 2 2 2 ARAUCARIA

Leia mais

TABELA - OFÍCIOS DE DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO ORDEM DESCRESCENTE SEGUNDO O ART. 98, 2º, ADCT/CF

TABELA - OFÍCIOS DE DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO ORDEM DESCRESCENTE SEGUNDO O ART. 98, 2º, ADCT/CF TABELA - OFÍCIOS DE DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO ORDEM DESCRESCENTE SEGUNDO O ART. 98, 2º, ADCT/CF (DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DA POPULAÇÃO COM RENDA DE ATÉ 3 SALÁRIOS MÍNIMOS) Mesorregião Seção Judiciária

Leia mais

FACULDADE ESTADUAL DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE UNIÃO DA VITÓRIA FAFI (09 PROJETOS APROVADOS)

FACULDADE ESTADUAL DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE UNIÃO DA VITÓRIA FAFI (09 PROJETOS APROVADOS) Municípios onde acontecem as atividades do Programa de Extensão Universidade Sem Fronteiras, relacionados às respectivas Instituições proponentes dos projetos aprovados FACULDADE ESTADUAL DE FILOSOFIA,

Leia mais

Eficiência Energética em Entidades Assistenciais

Eficiência Energética em Entidades Assistenciais Eficiência Energética em Entidades Assistenciais Jamilton W. Lobo, Valério J. Novak e Gustavo Klinguelfus Resumo O projeto Eficiência Energética em Entidades Assistenciais foi desenvolvido dentro do Programa

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA CENTRO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA CENTRO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA TRIBUNAL DE JUSTIÇA CENTRO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2013 COMO FAZ TODOS OS ANOS, O TRIBUNAL IMUNIZARÁ SEUS FUNCIONÁRIOS ATIVOS CONTRA A GRIPE A E A GRIPE SAZONAL - VACINA TRIVALENTE

Leia mais

RECOLHIMENTO DE VALORES AO FUNDO ESPECIAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO MANUAL DE ORIENTAÇÃO

RECOLHIMENTO DE VALORES AO FUNDO ESPECIAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO MANUAL DE ORIENTAÇÃO RECOLHIMENTO DE VALORES AO FUNDO ESPECIAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO MANUAL DE ORIENTAÇÃO Manual de Orientação ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 FINALIDADE DO FUNDO...3 RECEITAS...4 PROCEDIMENTOS...6 CUSTAS PELA INTERVENÇÃO

Leia mais

IDH M - Relação por entrância e por ordem alfabética SUBPLAN - março 2012

IDH M - Relação por entrância e por ordem alfabética SUBPLAN - março 2012 IDH M - Relação por entrância e por ordem alfabética SUBPLAN - março 2012 S DE ENTRÂNCIA FINAL S POPULAÇÃO 1 CASCAVEL 301.898 3 0,810 Oeste 2 FOZ DO IGUAÇU 276.929 2 0,788 Oeste 3 GUARAPUAVA 205.618 5

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ DIRETORIA DE EDUCAÇÃO A DISTANCIA

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ DIRETORIA DE EDUCAÇÃO A DISTANCIA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ DIRETORIA DE EDUCAÇÃO A DISTANCIA EDITAL 015/2014 REFERENTE À RETIFICAÇÃO DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE ALUNOS PARA OS CURSOS TÉCNICOS EM AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO - SEED

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO - SEED ETAPA 19 - EDUCAÇÃO DO CAMPO EDITAL N.º 90/2011 DG/SEED Cargo de Professor do Ensino Fundamental - Séries Finais do Ensino Fundamental e Médio para atuação nas/nos Escolas/Colégios do Campo da Rede Estadual

Leia mais

SITUAÇÃO DA GRIPE A (H1N1) NO PARANÁ - 2012 BOLETIM INFORMATIVO - 03/2012 Atualizado em 02/07/2012 às 18h

SITUAÇÃO DA GRIPE A (H1N1) NO PARANÁ - 2012 BOLETIM INFORMATIVO - 03/2012 Atualizado em 02/07/2012 às 18h Governo do Estado do Paraná (SESA) Sala de Situação em Saúde SITUAÇÃO DA GRIPE A (H1N1) NO PARANÁ - 2012 BOLETIM INFORMATIVO - 03/2012 Atualizado em 02/07/2012 às 18h A informa que o Paraná teve 381 casos

Leia mais

População Analfabeta Residente com 15 anos e mais

População Analfabeta Residente com 15 anos e mais SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DA DIVERSIDADE COORDENAÇÃO DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS PROGRAMA PARANÁ ALFABETIZADO ÍNDICES DE ANALFABETISMOS

Leia mais

PROPOSTAS DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS DE CULTURA EIXO

PROPOSTAS DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS DE CULTURA EIXO PROPOSTAS DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS DE CULTURA EIXO 4: Cultura e Desenvolvimento Sub-eixo: Institucionalização de Territórios Criativos e Valorização do Patrimônio Cultural em Destinos

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA Edital 01/2009

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA Edital 01/2009 Almirante Tamandaré Oficial de Promotoria 44 1 Alto Paraná Oficial de Promotoria Altônia Oficial de Promotoria 10 1 Andirá Oficial de Promotoria Antonina Oficial de Promotoria Apucarana Oficial de Promotoria

Leia mais

CIDADE SEDE Piraí do Sul* Bituruna* Candói. Guarapuava. Irati. Porto Barreiro. Porto Vitória. Rio Azul* União da Vitória. Guaraqueçaba.

CIDADE SEDE Piraí do Sul* Bituruna* Candói. Guarapuava. Irati. Porto Barreiro. Porto Vitória. Rio Azul* União da Vitória. Guaraqueçaba. PROPOSTAS DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS DE CULTURA EIXO 2: Produção Simbólica e Diversidade Cultural Sub-eixo: Democratização da Comunicação e Cultura Digital PROPOSTAS Intercâmbio de apresentações

Leia mais

Situação do Relatório Anual de Gestão/2013 - SARGSUS

Situação do Relatório Anual de Gestão/2013 - SARGSUS Estado: PARANA Região : 1ª RS Paranaguá ANTONINA GUARAQUECABA GUARATUBA MATINHOS MORRETES PARANAGUA PONTAL DO PARANA PMS - 2014 PAS - 2014 Relatorio Gerencial Relatório Anual de Gestão Municipal - 2012/2013

Leia mais

ESTUDO LOGÍSTICO SOBRE A CAPACIDADE DE ESTOCAGEM DE SOJE EM QUATRO MICRORREGIÕES NO ESTADO DO PARANÁ

ESTUDO LOGÍSTICO SOBRE A CAPACIDADE DE ESTOCAGEM DE SOJE EM QUATRO MICRORREGIÕES NO ESTADO DO PARANÁ XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

PERCENTUAL DE FAMÍLIAS TOTALMENTE ACOMPANHADAS NAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE BOLSA FAMÍLIA 2012-2014

PERCENTUAL DE FAMÍLIAS TOTALMENTE ACOMPANHADAS NAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE BOLSA FAMÍLIA 2012-2014 Fonte: Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS. Nota: Verde Melhor em relação à média do Estado / Vermelho Pior em relação à média do Estado. Abatiá 100,00 97,03 97,33 Adrianópolis 98,44

Leia mais

AVISO DE RETIFICAÇÃO II

AVISO DE RETIFICAÇÃO II AVISO DE RETIFICAÇÃO II EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº. 206/2013 O SESI-PR, através de sua Comissão de Licitação, torna pública RETIFICAÇÃO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme segue:

Leia mais

ANEL DE INTEGRAÇÃO PEDÁGIOS DO PARANÁ

ANEL DE INTEGRAÇÃO PEDÁGIOS DO PARANÁ ANEL DE INTEGRAÇÃO PEDÁGIOS DO PARANÁ ANEL DE INTEGRAÇÃO PEDÁGIOS DO PARANÁ 2 ANEL DE INTEGRAÇÃO PEDÁGIOS DO PARANÁ O papel da FAEP é defender ações que promovam o desenvolvimento do agronegócio, dentro

Leia mais

FROTA DE VEÍCULOS LICENCIADOS NO ESTADO DO PARANÁ POR MUNICÍPIO NO ANO DE 2013

FROTA DE VEÍCULOS LICENCIADOS NO ESTADO DO PARANÁ POR MUNICÍPIO NO ANO DE 2013 FROTA DE VEÍCULOS LICENCIADOS NO ESTADO DO PARANÁ POR MUNICÍPIO NO ANO DE 2013 MUNICÍPIO ABATIA 1.980 ADRIANOPOLIS 1.255 AGUDOS DO SUL 2.376 ALMIRANTE TAMANDARE 27.168 ALTAMIRA DO PARANA 783 ALTO PARAISO

Leia mais

01 - MESORREGIÃO GEOGRÁFICA NOROESTE PARANAENSE

01 - MESORREGIÃO GEOGRÁFICA NOROESTE PARANAENSE www.ipardes.gov.br 01 - MESORREGIÃO GEOGRÁFICA NOROESTE PARANAENSE 01 - Microrregião Geográfica Paranavaí Alto Paraná Amaporã Cruzeiro do Sul Diamante do Norte Guairaçá Inajá Itaúna do Sul Jardim Olinda

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DO ESPORTE - PARANÁ ESPORTE - JUSTIÇA DESPORTIVA 54º JOGOS ABERTOS DO PARANÁ FASE FINAL - TOLEDO

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DO ESPORTE - PARANÁ ESPORTE - JUSTIÇA DESPORTIVA 54º JOGOS ABERTOS DO PARANÁ FASE FINAL - TOLEDO GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DO ESPORTE - PARANÁ ESPORTE - JUSTIÇA DESPORTIVA 54º JOGOS ABERTOS DO PARANÁ FASE FINAL - TOLEDO TERMO DE DECISÃO O TRIBUNAL ESPECIAL DE JUSTIÇA DESPORTIVA, por ocasião

Leia mais

PARANÁ ABATIA ADRIANOPOLIS AGUDOS DO SUL ALTAMIRA DO PARANA VILA ALTA ALTO PARANA ALTO PIQUIRI ALTONIA AMAPORA AMPERE ANAHY ANDIRA ANGULO ANTONINA

PARANÁ ABATIA ADRIANOPOLIS AGUDOS DO SUL ALTAMIRA DO PARANA VILA ALTA ALTO PARANA ALTO PIQUIRI ALTONIA AMAPORA AMPERE ANAHY ANDIRA ANGULO ANTONINA PARANÁ ABATIA ADRIANOPOLIS AGUDOS DO SUL ALTAMIRA DO PARANA VILA ALTA ALTO PARANA ALTO PIQUIRI ALTONIA AMAPORA AMPERE ANAHY ANDIRA ANGULO ANTONINA ANTONIO OLINTO APUCARANA ARAPONGAS ARAPOTI ARARUNA ARAUCARIA

Leia mais

01 - REGIÃO GEOGRÁFICA NOROESTE PARANAENSE

01 - REGIÃO GEOGRÁFICA NOROESTE PARANAENSE www.ipardes.gov.br 01 - REGIÃO GEOGRÁFICA NOROESTE PARANAENSE Alto Paraíso (1) Alto Paraná Alto Piquiri Altônia Amaporã Brasilândia do Sul Cafezal do Sul Cianorte Cidade Gaúcha Cruzeiro do Oeste Cruzeiro

Leia mais

2009-2012 MEIOS DE HOSPEDAGEM. SETU/Dados e Estudos Turísticos - Meios de Hospedagem do Paraná 1

2009-2012 MEIOS DE HOSPEDAGEM. SETU/Dados e Estudos Turísticos - Meios de Hospedagem do Paraná 1 2009-2012 MEIOS DE HOSPEDAGEM SETU/Dados e Estudos Turísticos - Meios de Hospedagem do Paraná 1 Governador do Estado Carlos Alberto Richa Secretário de Estado do Turismo Jackson Pitombo Diretora Presidente

Leia mais

Ofício Circular nº 11/2013-CGMP Curitiba, 11 de abril de 2013. Senhor(a) Promotor(a), Senhor (a) Servidor(a):

Ofício Circular nº 11/2013-CGMP Curitiba, 11 de abril de 2013. Senhor(a) Promotor(a), Senhor (a) Servidor(a): Ofício Circular nº 11/2013-CGMP Curitiba, 11 de abril de 2013. Senhor(a) Promotor(a), Senhor (a) Servidor(a): Já próximo da data limite, mesmo considerada a ampliação de prazo determinada pela Comissão

Leia mais

2009-2011 MEIOS DE HOSPEDAGEM

2009-2011 MEIOS DE HOSPEDAGEM 2009-2011 MEIOS DE HOSPEDAGEM Governador do Estado Carlos Alberto Richa Secretário de Estado do Turismo Faisal Saleh Diretor Presidente da Paraná Turismo Marcos Venício Alves Meyer Aeroporto Afondo Pena

Leia mais

Diligências nas Comarcas do Interior do Paraná Relação de Subseções Subseção Banco Agencia C/C Salas Telefone

Diligências nas Comarcas do Interior do Paraná Relação de Subseções Subseção Banco Agencia C/C Salas Telefone Diligências nas Comarcas do Interior do Paraná Relação de Subseções Subseção Banco Agencia C/C Salas Telefone APUCARANA Banco do Brasil 0355-7 10.653-4 Sede (43) 3422-3020 Fórum de Apucarana (43) 3422-3675

Leia mais

AD(ADICIONAL POR CHAMADA) Sercomtel A PR 0,76 0,99 1,48. Intra-rede 1Mbyte 0,16

AD(ADICIONAL POR CHAMADA) Sercomtel A PR 0,76 0,99 1,48. Intra-rede 1Mbyte 0,16 ANEXO I PLANO EMPRESA GRUPO - TARIFA ZERO (Plano Nº 026/PÓS/SMP) TARIFAÇÃO ITEM APLICAÇÃO VALOR Habilitação Por acesso R$ 45,08 Assinatura Mensal Por acesso R$ 5,00 Tráfego Mensal VC Intra-Rede Contratado

Leia mais

Variação Nominal 2014 (R$) 2015 (R$)

Variação Nominal 2014 (R$) 2015 (R$) EFEITURA Prefeitura Municipal de Curitiba - 6.346.677.306,99 6.742.950.033,42 6,2% 232.408.902,89 245.892.721,14 5,8% 1.099.851.341,85 1.232.689.762,66 12,1% Prefeitura Municipal de Londrina - 1.311.641.806,25

Leia mais

Ministério dos Transportes PNLT - Plano Nacional de Logística e Transportes Portfólio dos Projetos por Unidades da Federação - Versão 2011 Paraná

Ministério dos Transportes PNLT - Plano Nacional de Logística e Transportes Portfólio dos Projetos por Unidades da Federação - Versão 2011 Paraná Ministério dos s Curitiba/ (Bacacheri) - Infraero Curitiba/ (Bacacheri) - Infraero Construção/Melhorias Planejado 1.269 N.A. Pós 2015 Curitiba/ (Internacional Afonso Pena) - Infraero Curitiba/ (Internacional

Leia mais

Campanha de Vendas SuperAção Cresol 2014

Campanha de Vendas SuperAção Cresol 2014 Campanha de Vendas SuperAção Cresol 2014 1. PERÍODO A campanha SuperAção Cresol 2014 será realizada no período de 01/03/2014 a 31/12/2014. 2. OBJETIVO DA CAMPANHA Esta campanha busca aumentar o volume

Leia mais

SITUAÇÃO DA GRIPE NO PARANÁ - 2013 BOLETIM INFORMATIVO - 02/2013 Atualizado em 06/06/2014

SITUAÇÃO DA GRIPE NO PARANÁ - 2013 BOLETIM INFORMATIVO - 02/2013 Atualizado em 06/06/2014 Governo do Estado do Paraná (SESA) Sala de Situação em Saúde SITUAÇÃO DA GRIPE NO PARANÁ - 2013 BOLETIM INFORMATIVO - 02/2013 Atualizado em 06/06/2014 No boletim quinzenal da gripe divulgado nesta sexta-feira

Leia mais

ANEXO TABELAS, QUADROS E MAPAS

ANEXO TABELAS, QUADROS E MAPAS ANEXO TABELAS, QUADROS E MAPAS 72 TABELA A.1.1 - DISTRIBUIÇÃO DOS OCUPADOS DE 10 A 13 ANOS POR SETORES E RELAÇÃO DE SUA ATIVIDADE COM A DO PAI OU RESPONSÁVEL, SEGUNDO SETOR - 2000 ATIVIDADE IGUAL À DO

Leia mais

O SECRETARIO DE ESTADO DA SAUDE

O SECRETARIO DE ESTADO DA SAUDE RESOLUÇÃO SESA Nº 177/2015 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9452, de 15/05/15) Autoriza o repasse do Fundo Estadual de Saúde para os Fundos Municipais de Saúde, destinado ao Incentivo Financeiro

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei:

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: LEI DE CRIAÇÃO DO MUNICIPIO DE IVAIPORÃ Lei 4245-25 de Julho de 1960 Publicado no Diário Oficial n o. 119 de 28 de Julho de 1960 Súmula: Cria no Quadro Territorial do Estado, os municípios que especifica.

Leia mais

PARTICIPAÇÃO (%) DO FPM NAS RECEITAS CORRENTES DO MUNICÍPIO. Prefeitura Municipal de Curitiba - PR 3,66% 3,65% 17,33% 18,28%

PARTICIPAÇÃO (%) DO FPM NAS RECEITAS CORRENTES DO MUNICÍPIO. Prefeitura Municipal de Curitiba - PR 3,66% 3,65% 17,33% 18,28% PARTICIPAÇÃO (%) DO FPM NAS RECEITAS CORRENTES Prefeitura Municipal de Curitiba - PR 3,66% 3,65% 17,33% 18,28% Prefeitura Municipal de Londrina - PR 4,77% 4,29% 16,76% 17,69% Prefeitura Municipal de Maringá

Leia mais

MATRIZ REGIONAL-ECONÔMICA PARA O ESTADO DO PARANÁ: NOVA REGIONALIZAÇÃO E SEGMENTOS INDUSTRIAIS REPRESENTATIVOS...1 INTRODUÇÃO...1 1.

MATRIZ REGIONAL-ECONÔMICA PARA O ESTADO DO PARANÁ: NOVA REGIONALIZAÇÃO E SEGMENTOS INDUSTRIAIS REPRESENTATIVOS...1 INTRODUÇÃO...1 1. MATRIZ REGIONAL-ECONÔMICA PARA O ESTADO DO PARANÁ: NOVA REGIONALIZAÇÃO E S INDUSTRIAIS REPRESENTATIVOS...1 INTRODUÇÃO...1 1. REGIONALIZAÇÃO...3 2. ORGANIZAÇÃO DOS S REPRESENTATIVOS...4 3. CONTEXTO REGIONAL...6

Leia mais

Estatuto da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação Undime-PR

Estatuto da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação Undime-PR Estatuto da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação Undime-PR Capítulo I Da denominação, sede, foro e fins Art 1º - A União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação do Paraná Undime-PR,

Leia mais

Interconexão energética entre municípios. Inclusão da agroenergia nas estratégias de interconexão energética no eixo agroeconômico Brasil-Argentina.

Interconexão energética entre municípios. Inclusão da agroenergia nas estratégias de interconexão energética no eixo agroeconômico Brasil-Argentina. GVC GruppodiVolontariatoCivile Relatório Técnico Interconexão energética entre municípios. Inclusão da agroenergia nas estratégias de interconexão energética no eixo agroeconômico Brasil-Argentina. Estudo

Leia mais

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO TOTAL DOS MUNICÍPIOS DO PARANÁ PARA O PERÍODO 2016-2030 - ALGUNS RESULTADOS 1

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO TOTAL DOS MUNICÍPIOS DO PARANÁ PARA O PERÍODO 2016-2030 - ALGUNS RESULTADOS 1 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO TOTAL DOS S DO PARANÁ PARA O PERÍODO 2016-2030 - ALGUNS RESULTADOS 1 A projeção da população dos municípios do Paraná disponibilizada pelo IPARDES em sua base de dados (BDEweb) 2

Leia mais

ESTABELECIMENTOS HOSPITALARES

ESTABELECIMENTOS HOSPITALARES ESTABELECIMENTOS HOSPITALARES UF MUNICIPIO CNES NOME APUCARANA 2439263 HNSG HOSPITAL OVIDENCIA MATERNO INFANTIL APUCARANA 2439360 HNSG HOSPITAL DA OVIDENCIA ARAPONGAS 2576198 IRMANDADE SANTA CASA DE ARAPONGAS

Leia mais

CIDADE SEDE. Piraí do Sul* Bituruna* Guarapuava. Irati. Paulo Frontin* Pitanga* Porto Barreiro. Porto Vitória. União da Vitória.

CIDADE SEDE. Piraí do Sul* Bituruna* Guarapuava. Irati. Paulo Frontin* Pitanga* Porto Barreiro. Porto Vitória. União da Vitória. PROPOSTAS DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS DE CULTURA EIXO 2: Produção Simbólica e Diversidade Cultural Sub-eixo: Criação, Produção, Preservação, Intecâmbio e Circulação de Bens Artísticos

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARANÁ. Resolução nº 777/2017 ANEXO I

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARANÁ. Resolução nº 777/2017 ANEXO I Resolução nº 777/2017 ANEXO I 1ª Curitiba redefinição do eleitorado 2ª Curitiba redefinição do eleitorado 3ª Curitiba redefinição do eleitorado 4ª Curitiba redefinição do eleitorado 8ª São José dos Pinhais

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS TRABALHOS EM 2012.

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS TRABALHOS EM 2012. PROJETO: 7 - QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS VISANDO A COPA DO MUNDO 2014 Objetivo: Acompanhar as atividades de capacitação e qualificação dos trabalhadores que atuarão na Copa do Mundo 2014. Justificativa:

Leia mais

Aperfeiçoamento Metodológico do Sistema de Previsão de Safras no Brasil (GeoSafras. Projeto GeoSafras (CONAB/PNUD)

Aperfeiçoamento Metodológico do Sistema de Previsão de Safras no Brasil (GeoSafras. Projeto GeoSafras (CONAB/PNUD) Aperfeiçoamento Metodológico do Sistema de Previsão de Safras no Brasil (GeoSafras (GeoSafras)) Projeto GeoSafras (CONAB/PNUD) Caracterização da Evolução de Plantios no Estado do Paraná Safra de Verão

Leia mais

TELEVISANDO O FUTURO. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

TELEVISANDO O FUTURO. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) TELEVISANDO O FUTURO Mostra Local de: Maringá Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Instituto GRPCOM Cidade: Área de Abrangência:

Leia mais

SITUAÇÃO DA GRIPE NO PARANÁ - 2013 BOLETIM INFORMATIVO - 04/2013 Atualizado em 28/06/2013

SITUAÇÃO DA GRIPE NO PARANÁ - 2013 BOLETIM INFORMATIVO - 04/2013 Atualizado em 28/06/2013 Governo do Estado do Paraná (SESA) Sala de Situação em Saúde SITUAÇÃO DA GRIPE NO PARANÁ - 2013 BOLETIM INFORMATIVO - 04/2013 Atualizado em 28/06/2013 Mortes por gripe estão ligadas a doenças crônicas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA, CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS GABINETE DA SECRETÁRIA RESOLUÇÃO Nº 436/2014 - GS/SEJU

SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA, CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS GABINETE DA SECRETÁRIA RESOLUÇÃO Nº 436/2014 - GS/SEJU RESOLUÇÃO Nº 436/2014 - GS/SEJU A SECRETÁRIA DE ESTADO DA JUSTIÇA, CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS, no uso das atribuições que lhe conferem o artigo 45, inciso XIV da Lei nº 8.485, de 03 de junho de 1987

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

Resolução nº 2776/2011 (com a alteração introduzida pela Resolução nº 3014, de 21 de outubro de 2011)

Resolução nº 2776/2011 (com a alteração introduzida pela Resolução nº 3014, de 21 de outubro de 2011) Resolução nº 2776/2011 (com a alteração introduzida pela Resolução nº 3014, de 21 de outubro de 2011) Dispõe sobre a concessão e o pagamento de diárias no âmbito do Ministério Público do Estado do Paraná

Leia mais

Boletim Oficial n : 13 - De: 20/11/2010 até: 28/11/2010

Boletim Oficial n : 13 - De: 20/11/2010 até: 28/11/2010 PREFEITURA DE FOZ DO IGUAÇU - SECRETARIA DE E LAZER 24º JOGOS DA JUVENTUDE DO PARANÁ - FASE FINAL 19 A 28/11/10 BASQUETEBOL PONTA GROSSA 66 CAMPO MOURÃO 46 20x09-14x18-21x05-11x14 F A TOLEDO 44 MEDIANEIRA

Leia mais

PARANÁ. Tipo de Serviço. Dias de Funcionamento

PARANÁ. Tipo de Serviço. Dias de Funcionamento PR CORREIOS AC ABATIA RUA ELOI PEREIRA, 118 CENTRO ABATIA ABATIA OI Fixo, OI Móvel Segunda a Sexta 09:00-12:00 / 13:30-16:30 PR CORREIOS AC ADRIANÓPOLIS RUA FRANCA MARTINS, 09 CENTRO ADRIANÓPOLIS ADRIANOPOLIS

Leia mais

PAULO AFONSO RODRIGUES

PAULO AFONSO RODRIGUES PAULO AFONSO RODRIGUES Brasileiro, casado, Advogado OAB/PR n.º 67.445, OAB/SP 341.697, Contador, com registro no Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Paraná sob n.º PR-020.713/O-0, bem como

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 096/2000-CEPE/UNICENTRO

R E S O L U Ç Ã O Nº 096/2000-CEPE/UNICENTRO R E S O L U Ç Ã O Nº 096/2000-CEPE/UNICENTRO Aprova o Projeto de Qualificação para o desenvolvimento do Associativismo e Cooperativismo e ficam convalidadas as etapas já realizadas. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 3

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 3 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado GEOGRAFIA 01 Sobre as rochas que compõem

Leia mais

Análise da Pesquisa DataFolha 2015 encomendada pela CBSK - Confederação Brasileira de Skate, sobre o Skate no Brasil.

Análise da Pesquisa DataFolha 2015 encomendada pela CBSK - Confederação Brasileira de Skate, sobre o Skate no Brasil. Análise da Pesquisa DataFolha 2015 encomendada pela CBSK - Confederação Brasileira de Skate, sobre o Skate no Brasil. - Estimativa de Praticantes de Skate no Paraná Curitiba 2016 OBJETIVO Utilizar os dados

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE OS EFEITOS ESPACIAIS NA PRODUTIVIDADE DA CANA-DE-AÇÚCAR NO PARANÁ MARIA ANDRADE PINHEIRO (1) ; JOSÉ LUIZ PARRÉ (2).

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE OS EFEITOS ESPACIAIS NA PRODUTIVIDADE DA CANA-DE-AÇÚCAR NO PARANÁ MARIA ANDRADE PINHEIRO (1) ; JOSÉ LUIZ PARRÉ (2). UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE OS EFEITOS ESPACIAIS NA PRODUTIVIDADE DA CANA-DE-AÇÚCAR NO PARANÁ MARIA ANDRADE PINHEIRO (1) ; JOSÉ LUIZ PARRÉ (2). 1.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ/ FACULDADE DO NORTE PIONEIRO,

Leia mais

TRIBUNAL DE RECURSOS

TRIBUNAL DE RECURSOS PAUTA DE JULGAMENTOS - TRIBUNAL DE RECURSOS - 2011 TRIBUNAL DE RECURSOS N.º DATA HORA COMP CIDADE DESCRIÇÃO PROCESSO JULGADO 001 30/09 21h30 JOJUPS MANGUEIRINHA 002 30/09 20h00 JOJUPS SÃO JOSE DOS PINHAIS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - NORMAS QUE ABRANGEM ESTE REGIMENTO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - NORMAS QUE ABRANGEM ESTE REGIMENTO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - NORMAS QUE ABRANGEM ESTE REGIMENTO Art. 1º. O Conselho Superior, através de seus membros aprovam este Regimento que complementa o Estatuto Social da Noroeste Garantias, para

Leia mais

Em novembro de 2010 a Rádio Tarobá FM se somou ao grupo, passando a fazer parte das emissoras já consolidadas que nasceram com o jeito do Paraná.

Em novembro de 2010 a Rádio Tarobá FM se somou ao grupo, passando a fazer parte das emissoras já consolidadas que nasceram com o jeito do Paraná. Determinação e Profissionalismo Afiliada à Rede Bandeirantes de Comunicação, a TV Tarobá nasceu em Cascavel no ano de 1979 e em Londrina em 1996. Ao longo de toda a sua história somou determinação e profissionalismo

Leia mais

AVISO DE RETIFICAÇÃO I

AVISO DE RETIFICAÇÃO I AVISO DE RETIFICAÇÃO I EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº. 487/2013 O SESI-PR, através de sua Comissão de Licitação, torna pública RETIFICAÇÃO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme segue:

Leia mais

1.2 UNIDADE TERRITORIAL

1.2 UNIDADE TERRITORIAL 1.2 UNIDADE TERRITORIAL O Estado do Paraná localiza-se na parte ocidental, à esquerda do Meridiano de Greenwich e abaixo da Linha do Equador, no hemisfério sul. É cortado pelo Trópico de Capricórnio, o

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS AGLOMERAÇÕES INDUSTRIAIS NO ESTADO DO PARANÁ UM ESTUDO EXPLORATÓRIO. 2 INTRODUÇÃO 3 O REFERENCIAL TEÓRICO 4 METODOLOGIA 7 a)

IDENTIFICAÇÃO DAS AGLOMERAÇÕES INDUSTRIAIS NO ESTADO DO PARANÁ UM ESTUDO EXPLORATÓRIO. 2 INTRODUÇÃO 3 O REFERENCIAL TEÓRICO 4 METODOLOGIA 7 a) IDENTIFICAÇÃO DAS AGLOMERAÇÕES INDUSTRIAIS NO ESTADO DO PARANÁ UM ESTUDO EXPLORATÓRIO. 2 INTRODUÇÃO 3 O REFERENCIAL TEÓRICO 4 METODOLOGIA 7 a) Tratamento dos Dados. 7 b) Cálculo do Quociente Locacional.

Leia mais

CIDADE ENDEREÇO OFICINAS DATA HORÁRIO SEI CONTROLAR MEU DINHEIRO SEI CONTROLAR MEU DINHEIRO

CIDADE ENDEREÇO OFICINAS DATA HORÁRIO SEI CONTROLAR MEU DINHEIRO SEI CONTROLAR MEU DINHEIRO ALTÔNIA AV. SETE DE SETEMBRO, Nº 717 - PREFEITURA Telefone: (44) 3659-8150 SEI PLANEJAR 13/04/2015 19h30 às 22h30 CULTURAL DE AL- VORADA DO SUL - PÇ. PREF. ALVORADA DO SUL ANTONIO DE SOUZA LEMOS Telefone:

Leia mais

CARLOS ALBERTO RICHA CASA CIVIL EDUARDO FRANCISCO SCIARRA DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO MARCOS ELIAS TRAAD DA SILVA

CARLOS ALBERTO RICHA CASA CIVIL EDUARDO FRANCISCO SCIARRA DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO MARCOS ELIAS TRAAD DA SILVA CARLOS ALBERTO RICHA GOVERNADOR CASA CIVIL EDUARDO FRANCISCO SCIARRA SECRETÁRIO CHEFE CASA CIVIL DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO MARCOS ELIAS TRAAD DA SILVA DIRETOR GERAL ELABORAÇÃO ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO

Leia mais

CURITIBA E REGIÃO SUPERMERCADISTAS. Colombo SUPERMERCADO ZONTA SUP. OVERSUPER 1. 1 Paranaguá SUP. SIÃO LTDA 1. Matinhos PIEGEL PÃES E CONVENIENCIAS

CURITIBA E REGIÃO SUPERMERCADISTAS. Colombo SUPERMERCADO ZONTA SUP. OVERSUPER 1. 1 Paranaguá SUP. SIÃO LTDA 1. Matinhos PIEGEL PÃES E CONVENIENCIAS CAMPANHA DE OLHO NA VALIDADE CURITIBA E REGIÃO SUPERMERCADISTAS LOJAS CIDADES SUP. CONDOR Campo Largo Lapa SUP. TISSI 3 SUP. OVERSUPER Colombo SUPERMERCADO ZONTA MINI MERCADO CIVIS (Sup. Compre Bem) Almirante

Leia mais

SERVIÇO DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS E CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS SERVIÇO DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS E CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS

SERVIÇO DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS E CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS SERVIÇO DE REGISTRO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS E CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS 77 ALMIRANTE TAMANDARE - FORO REGIONAL CTBA. 08.066-3 SERVIÇO DISTRITAL DE TRANQUEIRA 162 ALTO PARANA 08.497-0 SERVIÇO DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS 92 ALTO PARANA 08.753-6 TABELIONATO DE NOTAS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Contextualização

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Contextualização TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de Consultores de Mobilização, na forma de Consultoria por Produto, para realizar mobilização de redes de empreendimentos econômicos solidários da cadeia de materiais recicláveis,

Leia mais

DATA DE SAÍDA DOS ÔNIBUS DIA 10 DE MAIO

DATA DE SAÍDA DOS ÔNIBUS DIA 10 DE MAIO ROTA 01 PARANAGUÁ 01 ÔNIBUS Paranaguá Catedral, Rua Professor Cleto, 163 Morretes Ponto de ônibus trevo BR 277 (Duarte) Araucária Posto José Luiz, ao lado Sec. Obras e Transp., Rod. do Xisto, Km 24 Lapa

Leia mais

Cláudio Jesus de Oliveira Esteves Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (IPARDES) cesteves@ipardes.pr.gov.br

Cláudio Jesus de Oliveira Esteves Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (IPARDES) cesteves@ipardes.pr.gov.br AS FUNÇÕES PÚBLICAS DE INTERESSE COMUM DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA (RMC): DIAGNÓSTICO PRELIMINAR DA DISPONIBILIDADE Cláudio Jesus de Oliveira Esteves

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos ANEXO I PARTE INTEGRANTE DO EDITAL Nº 128/2006 DISTRIBUIÇÃO DAS VAGAS POR NRE - NÚCLEO REGIONAL DE EDUCAÇÃO T.V. Total de Vagas A.D. Afro-descendentes V.U. Vagas Universais P.D. Pessoas com Deficiência

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2002/2003

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2002/2003 Atenção! O texto a seguir, está disponível para fins de consulta, não substituindo a convenção coletiva de trabalho, homologada e registrada no Ministério do Trabalho e Emprego (DRT/PR). Informações pessoais

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRIBUTOS. RFB-Regimento Interno-Alterações nos Anexos VII e IX

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRIBUTOS. RFB-Regimento Interno-Alterações nos Anexos VII e IX VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX Orientador Empresarial TRIBUTOS RFB-Regimento Interno-Alterações nos Anexos VII e IX PORTARIA RFB 2.401/2011-DOU: 05.04.2011 Altera

Leia mais

A INSUFICIÊNCIA DE RENDA NOS DOMICÍLIOS PARANAENSES

A INSUFICIÊNCIA DE RENDA NOS DOMICÍLIOS PARANAENSES Nº 11 - MAIO 2011 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ Carlos Alberto Richa Governador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL Cassio Taniguchi Secretário INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

Leia mais

CIDADE SEDE Piraí do Sul* Telêmaco Borba* Candói. Guarapuava Irati Paulo Frontin* Porto Barreiro. Porto Vitória. Rio Azul* União da Vitória

CIDADE SEDE Piraí do Sul* Telêmaco Borba* Candói. Guarapuava Irati Paulo Frontin* Porto Barreiro. Porto Vitória. Rio Azul* União da Vitória PROPOSTAS DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS DE CULTURA EIXO 1: Implementação do Sistema Nacional de Cultura Sub-eixo: Marcos Legais, Participação e Controle Social e Funcionamento dos Sistemas

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 0 INTRODUÇÃO Para Filgueira, Fernando Reis, Olericultura é um termo técnico-científico, muito preciso, utilizado no meio agronômico. Derivado

Leia mais

RESUMO DOS CONCURSOS PÚBLICOS REALIZADOS

RESUMO DOS CONCURSOS PÚBLICOS REALIZADOS RESUMO DOS CONCURSOS PÚBLICOS REALIZADOS Advogado CARGO ÓRGÃO DATA INSCRITOS CLASSIFICADOS Câmara Municipal de Ponta Grossa Abril/95 43 10 Advogado Prefeitura Municipal Ponta Grossa Maio/92 29 10 Agente

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ DIRETORIA DE EDUCAÇÃO A DISTANCIA

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ DIRETORIA DE EDUCAÇÃO A DISTANCIA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ DIRETORIA DE EDUCAÇÃO A DISTANCIA EDITAL 037/2014 2ª CONVOCAÇÃO PARA A 2ª FASE DO PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTAS, PARA A FUNÇÃO DE TUTOR PRESENCIAL E A DISTÂNCIA, PARA ATUAÇÃO

Leia mais

ASSENTAMENTOS RURAIS: MAPEAMENTO E NÚMERO DE FAMÍLIAS CONTEMPLADAS NO NOROESTE DO PARANÁ BRASIL

ASSENTAMENTOS RURAIS: MAPEAMENTO E NÚMERO DE FAMÍLIAS CONTEMPLADAS NO NOROESTE DO PARANÁ BRASIL ASSENTAMENTOS RURAIS: MAPEAMENTO E NÚMERO DE FAMÍLIAS CONTEMPLADAS NO NOROESTE DO PARANÁ BRASIL 1 Juliana Paula Ramos 2 Alex Pires Boava 3 Larissa Donato RESUMO Este artigo visa uma breve discussão dos

Leia mais

Municípios participantes

Municípios participantes Municípios participantes Alvorada do Sul Arapongas Bela Vista do Paraíso Cafeara Cambé Centenário do Sul Florestópolis Guaraci Ibiporã Jaguapitã Londrina Lupionópolis Miraselva Pitangueiras Porecatu Prado

Leia mais

2. CONCEITO DE MIGRAÇÃO

2. CONCEITO DE MIGRAÇÃO ANÁLISE DO CRESCIMENTO/DECRÉSCIMO POPULACIONAL DOS MUNICÍPIOS DA MESORREGIÃO CENTRO OCIDENTAL PARANAENSE E SEUS IMPACTOS SOBRE O DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Yume Aparecida Pereira Paiva, (IC), UNESPAR/FECILCAM,

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 1

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 1 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado GEOGRAFIA 01 O episódio sobre a exploração

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 2

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 2 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado 2 GEOGRAFIA 01 No Paraná, a Mata de Araucária,

Leia mais