...OPERADOR BOM É AQUELE QUE OPERA DE MANEIRA CONCIENTE, RESPEITANDO SEMPRE AS NORMAS DE SEGURANÇA...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "...OPERADOR BOM É AQUELE QUE OPERA DE MANEIRA CONCIENTE, RESPEITANDO SEMPRE AS NORMAS DE SEGURANÇA..."

Transcrição

1

2 As empilhadeiras são o coração de muitos armazéns e sistemas de movimentação. O crescente emprego de veículos industriais, e a consequente importância dos métodos mecanizados de movimentação e armazenagem de materiais, elevam em praticamente todos os tipos de empresas as exigências da legislação pertinente e também a necessidade de operadores instruídos na operação, todos estes fatores nos levou a realização deste curso. Capacitar operadores de empilhadeira, para realizar trabalhos com segurança e eficiência. Executar tarefas em qualquer percurso, sem acidentes, sem desrespeito à legislação e sem abusos. Como também a aptidão para realizar as verificações necessárias para o bom funcionamento do equipamento é o objetivo desta proposta. O conteúdo deste treinamento está estruturado em módulos. Em cada um deles será visto as particularidades que contribuirão para tomada correta de decisões na prevenção de acidentes. A metodologia proposta levará o aluno, a refletir sobre as atitudes adequadas que o condutor deve adotar quando estiver utilizando este indispensável equipamento no ciclo produtivo da empresa. Vale lembrar aos futuros operadores de empilhadeiras, que é tido como verdade que o bom operador será sempre aquele que tiver consciência que a sua maneira de trabalho é evolutiva, e que direcionar essa evolução para um aprimoramento contínuo e em função do que lhe for corretamente transmitido. Aliás, esta deve ser a preocupação número 1 de todos nós que queremos fazer dos ideais da Segurança do Trabalho uma realidade....operador BOM É AQUELE QUE OPERA DE MANEIRA CONCIENTE, RESPEITANDO SEMPRE AS NORMAS DE SEGURANÇA...

3 NORMAS REGULAMENTADORAS - NR 11 NR 11 TRANSPORTE MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS Normas de segurança para operação de elevadores, guindastes, transportadores industriais e máquinas transportadoras Os poços de elevadores e monta-cargas deverão ser cercados, solidamente, em toda sua altura, exceto as portas ou cancelas necessárias nos pavimentos Quando a cabina do elevador não estiver ao nível do pavimento, a abertura deverá estar protegida por corrimão ou outros dispositivos convenientes Os equipamentos utilizados na movimentação de materiais, tais como ascensores, elevadores de carga, guindastes, monta-carga, pontes-rolantes, talhas, empilhadeiras, guinchos, esteiras-rolantes, transportadores de diferentes tipos, serão calculados e construídos de maneira que ofereçam as necessárias garantias de resistência e segurança e conservados em perfeitas condições de trabalho Especial atenção será dada aos cabos de aço, cordas, correntes, roldanas e ganchos que deverão ser inspecionados, permanentemente, substituindo-se as suas partes defeituosas Em todo o equipamento será indicado, em lugar visível, a carga máxima de trabalho permitida Para os equipamentos destinados à movimentação do pessoal serão exigidas condições especiais de segurança Os carros manuais para transporte devem possuir protetores das mãos Nos equipamentos de transporte, com força motriz própria, o operador deverá receber treinamento específico, dado pela empresa, que o habilitará nessa função Os operadores de equipamentos de transporte motorizado deverão ser habilitados e só poderão dirigir se durante o horário de trabalho portarem um cartão de identificação, com o nome e fotografia, em lugar visível O cartão terá a validade de 1 (um) ano, salvo imprevisto, e, para a revalidação, o empregado deverá passar por exame de saúde completo, por conta do empregador Os equipamentos de transporte motorizados deverão possuir sinal de advertência sonora (buzina) Todos os transportadores industriais serão permanentemente inspecionados e as peças defeituosas, ou que apresentem deficiências, deverão ser imediatamente substituídas.

4 Nos locais fechados ou pouco ventilados, a emissão de gases tóxicos, por máquinas transportadoras, deverá ser controlada para evitar concentrações, no ambiente de trabalho, acima dos limites permissíveis Em locais fechados e sem ventilação, é proibida a utilização de máquinas transportadoras, movidas a motores de combustão interna, salvo se providas de dispositivos neutralizadores adequados Normas de segurança do trabalho em atividades de transporte de sacas Denomina-se, para fins de aplicação da presente regulamentação a expressão Transporte manual de sacos toda atividade realizada de maneira contínua ou descontínua, essencial ao transporte manual de sacos, na qual o peso da carga é suportado, integralmente, por um só trabalhador, compreendendo também o levantamento e sua deposição Fica estabelecida a distância máxima de 60,00m (sessenta metros) para o transporte manual de um saco Além do limite previsto nesta norma, o transporte descarga deverá ser realizado mediante impulsão de vagonetes, carros, carretas, carros de mão apropriados, ou qualquer tipo de tração mecanizada É vedado o transporte manual de sacos, através de pranchas, sobre vãos superiores a 1,00m (um metro) ou mais de extensão As pranchas de que trata o item deverão ter a largura mínima de 0,50m (cinqüenta centímetros) Na operação manual de carga e descarga de sacos, em caminhão ou vagão, o trabalhador terá o auxílio de ajudante As pilhas de sacos, nos armazéns, terão a altura máxima correspondente a 30 (trinta) fiadas de sacos quando for usado processo mecanizado de empilhamento A altura máxima das pilhas de sacos será correspondente a 20 (vinte) fiadas quando for usado processo manual de empilhamento No processo mecanizado de empilhamento, aconselha-se o uso de esteiras-rolantes, dadas ou empilhadeiras Quando não for possível o emprego de processo mecanizado, admite-se o processo manual, mediante a utilização de escada removível de madeira, com as seguintes características: a) lance único de degraus com acesso a um patamar final; b) a largura mínima de 1,00m (um metro), apresentando o patamar as dimensões mínimas de 1,00m x 1,00m (um metro x um metro) e a altura máxima, em relação ao solo, de 2,25m (dois metros e vinte e cinco centímetros);

5 c) deverá ser guardada proporção conveniente entre o piso e o espelho dos degraus, não podendo o espelho ter altura superior a 0,15m (quinze centímetros), nem o piso largura inferior a 0,25m (vinte e cinco centímetros); d) deverá ser reforçada, lateral e verticalmente, por meio de estrutura metálica ou de madeira que assegure sua estabilidade; e) deverá possuir, lateralmente, um corrimão ou guarda-corpo na altura de 1,00m (um metro) em toda a extensão; f) perfeitas condições de estabilidade e segurança, sendo substituída imediatamente a que apresente qualquer defeito O piso do armazém deverá ser constituído de material não escorregadio, sem aspereza, utilizando-se, de preferência, o mastique asfáltico, e mantido em perfeito estado de conservação Deve ser evitado o transporte manual de sacos em pisos escorregadios ou molhados A empresa deverá providenciar cobertura apropriada dos locais de carga e descarga da sacaria Armazenamento de materiais O peso do material armazenado não poderá exceder a capacidade de carga calculada para o piso O material armazenado deverá ser disposto de forma a evitar a obstrução de portas, equipamentos contra incêndio, saídas de emergências, etc Material empilhado deverá ficar afastado das estruturas laterais do prédio a uma distância de pelo menos 0,50m (cinqüenta centímetros) A disposição da carga não deverá dificultar o trânsito, a iluminação, e o acesso às saídas de emergência O armazenamento deverá obedecer aos requisitos de segurança especiais a cada tipo de material Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Chapas de Mármore, Granito e outras rochas A movimentação, armazenagem e manuseio de chapas de mármore, granito e outras rochas deve obedecer ao disposto no Regulamento Técnico de Procedimentos constante no Anexo I desta NR....RESPEITE AS NORMAS DE SEGURANÇA...

6 VEíCULOS INDUSTRIAIS. Veículos industriais e equipamentos de movimentação de materiais. 1. Paleteiras. 2. Transpaleteiras: a) Condutor a pé. b) Condutor embarcado. 3. Carrinhos transportadores. 4. Empilhadeiras mecânicas: a) Contrabalançada. b) Lateral. c) Outras aplicações ( Lança, Containers ). 5. Empilhadeira Elétrica: a) Conduzida a pé. b) Condutor embarcado. c) Contrabalançada. d) Patolada. e) Mastro retrátil. f) Separadora de pedido. g) Pantográfica. 6. Empilhadeira a propulsão humana. 7. Pontes rolantes, talhas e guindastes. 8. Transportador contínuo.

7 Paleteira Condutor embarcado Condutor a pé Transpaleteras Contrabalançada Empilhadeira Mecânica Lateral Condutor a pé ou embarcado Contrabalançada Empilhadeira Elétrica

8 Mastro retrátil Separadora de Pedidos Pantográfica Operador embarcado Empilhadeira a propulsão humana

9 EQUILíBRIO DA EMPILHADEIRA. Empilhadeira contrabalançada: Os fatores que influem no eqilíbrio de uma gangorra são de fato, os pesos utilizados em cada uma das suas pontas, e a distância desses pesos em relação ao ponto de apoio ou de equilíbro. Nas empilhadeiras as rodas da frente motrizes na empilhadeira mecânica e de apoio na empilhadeira com mastro retrátil atuam como ponto de apoio da mesma. O peso levantado nos garfos é compensado pelo conjunto (carcaça, motor, bateria, peso do operador, contrapeso, etc.). Assim, análogamente podemos comparar uma empilhadeira como uma gangorra. Como o conjunto que forma a empilhadeira é fixo para dimensões e peso, e não podemos alterar a posição do seu ponto de apoio, ficamos limitados à procurar o equilíbrio adequado às dimensões, peso e posição da carga sobre os garfos.

10 CENTRO DE CARGA. As empilhadeiras têm a sua capacidade de carga estabelecida em função de um determinado centro de carga. Centro de carga é a medida tomada a partir da face anterior dos garfos até o centro da carga. Caso o peso da carga exceda a capacidade nominal da empilhadeira, ou o centro de carga esteja além do especificado para ela. Poderá ocorrer um desequilíbrio e consequentemente tombamento, com sérios prejuízos tanto no equipamento quanto para a carga.

11 TRIÂNGULO DE ESTABILIDADE DE EMPILHADEIRA CONTRABALANÇADA. Representação do centro de gravidade no triângulo de estabilidade. Embora uma empilhadeira contrabalançada seja usualmente montada sobre quatro rodas, ela é na realidade, suportada por três pontos. CAUSAS DE TOMBAMENTO DA EMPILHADEIRA. 1. Veiculo vazio: 2. Veiculo carregado: Centro de carga além do estabelecido:

12 MOVIMENTANDO MATERIAIS COM EMPILHADEIRAS. INSPEÇÃO. - Operação segura: Inspeção inicial: 1 - Aplique o freio de estacionamento; 2 - Verifique os conectores da bateria e o nível da água; 3 - Verifique o horímetro; 4 - Verifique os controles (procure por folgas); 5 - Ligue a chave da partida; 6 - Verifique o medidor de carga da bateria; 7 - Experimente o conjunto de elevação; 8 - Movimente-se para frente e para trás; 9 - Experimente o freio de estacionamento; 10- Experimente o freio de pé; O OPERADOR DEVERÁ SER TREINADO E AUTORIZADO À OPERAR UMA EMPILHADEIRA, E DEVE SEMPRE ESTAR CIENTE DE PRATICAR AS NORMAS DE SEGURANÇA. REGRAS GERAIS. 01) No início de cada turno, certifique-se de que a buzina, os freios, os pneus e todos os outros controles estejam em bom funcionamento, e que não haja folgas excessivas nas correntes e comandos; 02) Quando uma empilhadeira está em movimento, seus garfos devem estar cerca de 15 cm do chão; 03) Somente transporte cargas que os garfos, ou o guarda-carga suportem. Nunca remova as proteções; 04) Dirija a uma velocidade compatível com as condições existentes. Diminua a marcha em superfícies molhadas ou escorregadias; 05) Não utilize palletes com defeito ou danificados, muito menos armazene palletes com as ripas soltas ou mal fixadas;

13 06) Se em algum momento a empilhadeira estiver falhando, ou se houver motivo para considerá-la insegura, suspenda as operações e informe imediatamente a supervisão; 07) Não passe por cima de objetos deixados no chão. Pare a empilhadeira coloque os objetos fora da rota e avise o supervisor; 08) Remova os obstáculos antes de seguir viagem; 09) Os garfos devem ser sempre bem colocados sob a carga, de preferência no comprimento total deles. Ao andar, a parte de trás da carga deve estar firmemente apoiada contra o guarda-carga e o mastro inclinado para trás; 10) Certifique-se de que há espaço suficiente para levantar e manobrar a carga. Preste atenção ao patrimônio da empresa! 11) Verifique se a carga está segura, especialmente no caso das cargas soltas; 12) Faça um teste na carga, erguendo-a um pouco. Se ela inclinar para o lado, abaixe-a e mude a posição dos garfos para outro balanceamento; 13) Eleve os garfos lentamente para que a carga se mantenha estável e nunca use apenas um deles; 14) Não passe a carga por cima de pessoas e não permita que as pessoas passem sob os garfos ou permaneçam nas proximidades; 15) Tenha cuidado redobrado ao elevar ou posicionar cargas muito próxima a empilhamentos, a fim de evitar batidas e tombamentos; 16) Verifique o peso da carga. Se não estiver identificado, pergunte ao supervisor ou a quem possa informar. A experiência lhe mostrará como estimar os pesos; 17) Não levante cargas instáveis antes de serem cuidadosamente arrumadas, ou bem fixadas. Depois que estiverem no alto e em movimento, será tarde demais! 18) Assegure que a carga está centralizada antes de levantá-la. Uma carga instável é perigosa. Para manter as cargas bem firmes nos garfos, o comprimento dos mesmos deve ser de pelo menos 75% (3/4) da profundidade da carga;

14 19) Não arraste a carga sobre o piso, muito menos a empurre; 20) Evite carregar material solto, o qual deverá ser transportado em recipiente próprio ou plataforma com proteção lateral; 21) Nunca tente movimentar cargas em excesso ou acrescentar mais contrapeso à empilhadeira; 22) Tome cuidado ao brecar, pois a empilhadeira carregada pode tombar ou projetar a carga; 23) Nunca obstrua a passagem das pessoas ou equipamentos de, incêndio; 24) Não faça curvas em alta velocidade. A empilhadeira não tem suspensão, e pode capotar; 25) Não arranque de forma brusca ou pare nessa condição; 26) Não faça curvas em alta velocidade, a empilhadeira não tem suspensão, e pode capotar; 27) Quando não mais houver trabalho com a empilhadeira, a mesma deve ser estacionada e ter sua chave desligada e retirada, freios acionados e controles em ponto neutro, a fim de que não seja operada por pessoas não autorizadas; Mantenha os garfos abaixados e o freio de estacionamento acionado; 28) Jamais permita passageiros nos garfos ou em qualquer outra parte da empilhadeira, ela só tem um assento, e é para o operador! 29) Obedeça a todos os sinais e demarcações, dirija devagar e acione a buzina quando necessário; 30) Esteja alerta enquanto opera sua empilhadeira. Não sonhe! Olhe sempre na direção do percurso e mantenha uma visão clara do caminho à frente; 31) Não brinque com pedestres; 32) Não coloque ninguém em risco; 33) Não vá em direção a alguém que esteja trabalhando perto de uma parede ou outro objeto fixo, pode não haver nenhuma maneira da pessoa escapar;

15 34) Nunca ande vazio com os garfos elevados; 35) Não dirija com as mãos molhadas ou oleosas; 36) Os calçados devem estar desprovidos de graxas e gorduras; 37) E não se esqueça, mantenha as mãos no volante! 38) Mantenha-se totalmente dentro da empilhadeira! 39) Nunca coloque os braços, as mãos, as pernas ou a cabeça entre as vigas do mastro ou fora dos limites da cabine da empilhadeira. Você pode ficar sem eles! 40) Aproxime-se da pilha com a carga abaixada e inclinada para trás, reduza a velocidade e pare em frente a pilha, breque e diminua a inclinação para trás até um ponto suficiente para manter a estabilidade da carga; 41) Quando a carga estiver sobre a pilha, colocar o mastro na posição vertical. Somente quando a carga estiver empilhada com segurança, você pode baixar os garfos até soltá-los do pallete para recolhê-los. Nessa posição, a inclinação para frente pode ser útil; 42) Se os garfos não estiverem afastados totalmente da pilha, o veículo deve ser movimentado um pouco para trás; 43) Quando os garfos estiverem longe da pilha, brecar novamente se o veículo estiver em movimento. Inclinar o mastro para trás e baixá-lo até pouco acima do chão, antes de ir embora; 44) Parar na frente da pilha e brecar. Colocar o mastro na posição vertical. Se necessário, ajustar a abertura dos garfos à largura da carga e assegurar-se de que o peso da carga está dentro da capacidade do veículo; 45) Elevar a carga até a altura desejada para o empilhamento; 46) Quando a carga estiver longe do alto da pilha, movimentar a empilhadeira para frente, aproximando o veículo da pilha e brecando novamente; 47) Avançar a carga, tomando cuidado para não deslocar as cargas das pilhas adjacentes; 48) Se necessário, dirigir para frente até aproximar o veículo da pilha. Avançar o mastro para frente, sob a carga;

16 49) Levantar a carga até ela se afastar da pilha e inclinar cuidadosamente para trás, o suficiente para estabilizar a carga; 50) Quando a carga estiver longe do alto da pilha, recolher o mastro: 51) Quando necessário movimentar o veículo ligeiramente para trás afastando-o da pilha, certifique-se de que o caminho está livre e tome cuidado para não deslocar cargas das pilhas adjacentes; 52) Baixar a carga cuidadosamente e uniformemente até a posição correta de percurso, inclinar o mastro para trás totalmente antes de prosseguir; 53) A empilhadeira pode capotar se for operada de uma maneira inadequada; 54) NÃO SALTE, INCLINE-SE AO CONTRÁRIO. SEGURE-SE FIRMEMENTE AO VOLANTE DE DIREÇÃO E FIRME OS PÉS.

17 É importante considerarmos também, duas categorias de causas imediatas, os fatores pessoais de trabalho (ambiente de trabalho), que são exemplificadas a seguir: FATORES PESSOAIS. Capacidade física / fisiológica inadequada; Capacidade mental / psicológica inadequada; Tensão física / fisiológica; Tensão mental / psicológica; Falta de conhecimento; Falta de habilidade; Movimentação deficiente. CAUSAS INADEQUADAS. As causas imediatas são as circunstâncias que precedem imediatamente o contato e que podem ser vistas ou sentidas. Atualmente, analisamos se os termos, atos ou prática ocorrem abaixo dos padrões. As práticas e condições abaixo dos padrões, manifestam-se dos seguintes modos: ATOS OU PRÁTICA ABAIXO DOS PADRÕES. Operar equipamento sem autorização; Não sinalizar ou advertir; Falha ao bloquear / resguardar; Operar em velocidade inadequada; Tornar os dispositivos de segurança inoperáveis; Remover os dispositivos de segurança; Usar equipamento defeituoso; Usar equipamento de maneira incorreta; Não usar adequadamente os EPI s; Movimentar material de maneira incorreta; Armazenar materiais de maneira incorreta; Adotar uma posição inadequada no trabalho; Elevar objetos de forma incorreta; Realizar manutenção de equipamentos em operação; Fazer brincadeiras; Trabalhar sob a influência de álcool e/ou outras drogas.

18 CONDIÇÕES ABAIXO DOS PADRÕES. Proteções e barreiras inadequadas; Equipamento de proteção inadequado ou defeituoso; Ferramentas, equipamentos ou materiais defetuosos; Espaços restritos ou congestionados; Sistemas de advertência inadequados; Perigo de explosão ou incêndio; Deficiência em 5S s; Condições ambientais perigosas: gases, poeira, fumaça, vapores; Exposição excessiva a ruídos; Exposição a radiações; Exposição a temperaturas extremas; Iluminação inadequada; Ventilação inadequada. ACIDENTE E INCIDENTE. Os incidentes são eventos onde ocorrem as perdas, isto é, são os contatos que poderiam causar uma lesão ou dano. Quando é permitido condições abaixo do padrão ou atos abaixo do padrão, aumentam as chances de ocorrerem incidentes e acidentes. Condições abaixo do padrão são as potenciais causas de acidentes que provocam os contatos e trocas de energia, causando danos às pessoas, à propriedades, ao processo e ao meio ambiente. A lista abaixo indica algumas transferências de energia. TIPOS DE TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA. Golpeado contra (correto em direção a ou tropeçando em); Golpeado por ( atingido por objeto em movimento ); Queda para um nível inferior (seja o corpo que caia ou o objeto que caia e atinja o corpo); Queda no mesmo nível (deslizar e cair, inclinar-se); Apanhado por (pontos agudos ou cortantes); Apanhado em (agarrado ou pendurado); Apanhado entre (esmagado ou amputado); Contato com (eletricidade, calor, frio, radiação, substâncias cáusticas, substâncias tóxicas, ruído); Sobre tensão / sobre esforço / sobrecarga.

19 NOTIFICAÇÃO DE SEGURANÇA NOME: TURNO: SETOR: Na conformidade das Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e da Consolidação das Leis do Trabalho, fica advertido pela ocorrência, abaixo discriminada: MOTIVO(S) Com base na NR 11 Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais, informamos o não cumprimento dos ítens componentes dos processos de segurança, colocando em risco as próprias condições físicas e outrem, do patrimônio e do processo de produção. Como medida disciplinar deliberamos aplicar-lhe a presente. Esperamos que tome as necessárias providências a fim de que não se repita(m) a(s) irregularidade(s) acima descriminada(s), como também aproveitamos para esclarecer-lhe que a repetição ou a prática de outra prevista em nossos Regulamentos, Ordens de Serviços, Comunicações de Segurança, etc, irá(ão) contribuir desfavoravelmente na sua avaliação de desempenho e consequentemente em seu progresso nesta empresa, além de poder acarretar-lhe penalidades mais severas, conforme preceitua as disposições do Artigo 482 e suas alíneas da Consolidação das Leis do Trabalho. Atenciosamente,, de de. Funcionário Responsável pelo Setor

20

Empilhadeira. Empilhadeira. O que é empilhadeira? Princípio de funcionamento 07/04/2008

Empilhadeira. Empilhadeira. O que é empilhadeira? Princípio de funcionamento 07/04/2008 Empilhadeira Empilhadeira Operador: Pessoa habilitada e treinada, com conhecimento técnico e funcional do equipamento. É o responsável direto pela segurança da operação, pessoas e demais bens interligados

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO. Estocagem de material

MESTRE MARCENEIRO. Estocagem de material Estocagem de material A Madeira e seus derivados, por ser o principal insumo utilizado na fabricação de móveis, é um material orgânico e exige cuidados especiais no seu armazenamento. O armazenamento deve

Leia mais

Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR

Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR NOME DA EMPRESA CHECK LIST - NORMA REGULAMENTADORA Nº 11 Empresa: Inspetor (es): Data da Inspeção: / / Responsável pelo Local de Trabalho / Setor: Local de Trabalho / Setor: ITENS DESCRIÇÃO SIM DA INSPEÇÃO

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 11 TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 11 TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 11 TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS 11.1. Normas de segurança para operação de elevadores, guindastes, transportadores industriais e máquinas transportadoras.

Leia mais

Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira.

Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira. Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira. 1 OBJETIVO: Definir requisitos mínimos para: Operação; Inspeção; Qualificação do operador. 2 INTRODUÇÃO GENERALIDADES Existem basicamente

Leia mais

3/4. APOSTILA Normas de Segurança na Operação de Empilhadeiras

3/4. APOSTILA Normas de Segurança na Operação de Empilhadeiras 3/4 APOSTILA Normas de Segurança na Operação de Empilhadeiras Prezados Colaboradores O tema abordado nesta edição é sobre empilhadeiras. Após analisar os relatórios dos acidentes, as informações dos trabalhadores,

Leia mais

Nunca use a empilhadeira se não tiver sido devidamente instruído e autorizado para usar esse tipo particular de empilhadeira.

Nunca use a empilhadeira se não tiver sido devidamente instruído e autorizado para usar esse tipo particular de empilhadeira. Nunca use a empilhadeira se não tiver sido devidamente instruído e autorizado para usar esse tipo particular de empilhadeira. Respeite a capacidade de carga da empilhadeira e de outras eventuais aparelhagens.

Leia mais

SEGURANÇA DO TRABALHO I

SEGURANÇA DO TRABALHO I CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO 12 SEGURANÇA DO TRABALHO I Segurança no transporte, movimentação, armazenamento e manuseio de materiais Seg_Trab_I_A12_RF_BBB_031109.indd Cp1 Cláudia Régia Gomes

Leia mais

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0)

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1. Instalações e áreas de trabalho. NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos devem ser vistoriados e limpos, sempre

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO COM EMPILHADEIRAS

MANUAL DE OPERAÇÃO COM EMPILHADEIRAS MANUAL DE OPERAÇÃO COM EMPILHADEIRAS MANUTENÇÃO, PEÇAS E PNEUS PARA EMPILHADEIRAS SÃO AS NOSSAS ESPECIALIDADES, QUALIDADE É O NOSSO MAIOR OBJETIVO PEÇAS E PNEUS PARA EMPILHADEIRAS SÃO AS NOSSAS ESPECIALIDADES

Leia mais

Segurança do Trabalho II. Eng. Esp. Vicente Colombo Júnior Contato: vcolombo@haasdobrasil.com Fone: +55 51 91807540

Segurança do Trabalho II. Eng. Esp. Vicente Colombo Júnior Contato: vcolombo@haasdobrasil.com Fone: +55 51 91807540 1 Segurança do Trabalho II Eng. Esp. Vicente Colombo Júnior Contato: vcolombo@haasdobrasil.com Fone: +55 51 91807540 2 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA 1. BASES TECNOLÓGICAS: Causas dos Acidentes; Riscos das

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M1 D4 - PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS EM MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES I

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M1 D4 - PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS EM MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M1 D4 - PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS EM MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES I GUIA DE ESTUDO PARTE I - TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAMENTO

Leia mais

SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PONTES ROLANTES

SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PONTES ROLANTES SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de Objetivos Sensibilizar os operadores de Ponte Rolante quanto à necessidade de neutralizar ao máximo a possibilidade de ocorrência de acidentes. Adotar procedimentos de rotina,

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

NR 11. E-Book. NR 11 Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais. E-Book

NR 11. E-Book. NR 11 Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais. E-Book Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais Nós da DPS Consultoria e Assessoria em Segurança do Trabalho, queremos inicialmente manifestar nossa satisfação pelo seu interesse em nosso

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume IX Movimentação Mecânica de Cargas um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Recebimento, Manuseio e Armazenamento dos Centros de Controle de Motores CENTERLINE 2500

Recebimento, Manuseio e Armazenamento dos Centros de Controle de Motores CENTERLINE 2500 Instruções Recebimento, Manuseio e Armazenamento dos Centros de Controle de Motores CENTERLINE 2500 Recebimento IMPORTANTE A entrega de equipamentos às empresas de transporte pela Rockwell Automation é

Leia mais

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS Fonte: Acedido em http://saudeambiental13.blogspot.pt/ julho 2014 Legenda: 1. Chassis; 2. Contrapeso; 3. Eixo motriz; 4. Eixo de direção; 5. Mastro (que serve

Leia mais

Importante. Sumário. Entre em contato conosco:

Importante. Sumário. Entre em contato conosco: Manual do operador Terceira edição Segunda impressão Importante Leia, compreenda e siga estas normas de segurança e instruções de operação antes de operar a máquina. Somente pessoas treinadas e autorizadas

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Equipamentos de Transporte

Leia mais

Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo

Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo Principais tipos de plataformas aéreas Mastro Telescópica Tesoura Unipessoal Articulada A segurança As plataformas foram desenvolvidas

Leia mais

Prof. Casteletti. Segurança na Operação de Ponte Rolante

Prof. Casteletti. Segurança na Operação de Ponte Rolante Segurança na Operação de Ponte Rolante Material elaborado pelo Professor LUÍS FRANCISCO CASTELETTI Formação: Técnico em Segurança do Trabalho Técnico Mecânico Licenciatura Plena em Pedagogia Pós Graduação

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 154 (Setembro/Outubro de 2004) KÉRAMICA n.º 275 (Novembro/Dezembro de 2005)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 154 (Setembro/Outubro de 2004) KÉRAMICA n.º 275 (Novembro/Dezembro de 2005) 1 TÍTULO: Movimentação mecânica de cargas AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 154 (Setembro/Outubro de 2004) KÉRAMICA n.º 275 (Novembro/Dezembro de 2005) 1. INTRODUÇÃO A movimentação

Leia mais

RESPONSABILIDADES DO OPERADOR

RESPONSABILIDADES DO OPERADOR RESPONSABILIDADES DO OPERADOR Assegure-se sempre que a sua empilhadeira encontra-se em boas condições de funcionamento antes de começar o trabalho. Não tente realizar consertos ou reparos. Informe imediatamente

Leia mais

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção.

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. MODELO: BYG AR 1533 Índice 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. 7. Diagrama elétrico. 8. Diagrama hidráulico. 9. Peças

Leia mais

Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito.

Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito. FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADOR DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGA DE ALCANCE VARIÁVEL Fonte: ACT FUNÇÃO Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito.

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO ESCADAS ESCADOTES

MANUAL DE UTILIZAÇÃO ESCADAS ESCADOTES MANUAL DE UTILIZAÇÃO ESCADAS ESCADOTES 2 ESCADAS / ESCADOTES Antes de utilizar uma escada ou escadote, leia cuidadosamente estas intruções! Guarde estes textos em local de fácil acesso para futuras consultas.

Leia mais

Manual do operador. Second Edition Sixth Printing Part No. 33499PB

Manual do operador. Second Edition Sixth Printing Part No. 33499PB Manual do operador Second Edition Sixth Printing Part No. 33499PB Manual do operador Segunda edição Sexta impressão Importante Leia, entenda e siga as normas de segurança e as instruções de operação antes

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 A SECRETÁRIA DE INSPEÇAO DO TRABALHO e o DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições legais que lhe conferem o Decreto n.º

Leia mais

Manual do Locatário. Plataforma de Trabalho Aéreo - PTA. Manual de Responsabilidade do Proprietário e Usuário do PTA CARIMBO DO ASSOCIADO

Manual do Locatário. Plataforma de Trabalho Aéreo - PTA. Manual de Responsabilidade do Proprietário e Usuário do PTA CARIMBO DO ASSOCIADO Manual do Locatário Plataforma de Trabalho Aéreo - PTA Manual de Responsabilidade do Proprietário e Usuário do PTA CARIMBO DO ASSOCIADO 1- DEFINIÇÃO 1.1- Plataforma de Trabalho Aéreo PTA, é um equipamento

Leia mais

2. NORMAS DE SEGURANÇA DE ELEVADORES, GUINDASTES, TRANSPORTADORES INDUSTRIAIS E MÁQUINAS TRANSPORTADORAS

2. NORMAS DE SEGURANÇA DE ELEVADORES, GUINDASTES, TRANSPORTADORES INDUSTRIAIS E MÁQUINAS TRANSPORTADORAS 6 1. INTRODUÇÃO A Norma Regulamentadora 11 - Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais - Estabelece os requisitos de segurança a serem observados nos locais de trabalho, no que se refere

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Só há uma opção correta em cada questão. Operador de Máquinas Pesadas CNH D Retroescavadeira

PROVA ESPECÍFICA Só há uma opção correta em cada questão. Operador de Máquinas Pesadas CNH D Retroescavadeira PROVA ESPECÍFICA Só há uma opção correta em cada questão Operador de Máquinas Pesadas CNH D Retroescavadeira 01) Analise as proposições abaixo e assinale a que não é conveniente ao operador da máquina

Leia mais

SKATE ELÉTRICO MANUAL DE INSTRUÇÕES. Leia atentamente este Manual, antes de usar seu SKATE ELÉTRICO. Guarde-o em local seguro, para futuras consultas.

SKATE ELÉTRICO MANUAL DE INSTRUÇÕES. Leia atentamente este Manual, antes de usar seu SKATE ELÉTRICO. Guarde-o em local seguro, para futuras consultas. SKATE ELÉTRICO MANUAL DE INSTRUÇÕES Leia atentamente este Manual, antes de usar seu SKATE ELÉTRICO. Guarde-o em local seguro, para futuras consultas. SEVEN SKATE ELÉTRICO SAC: (11) 5660.2600 Uso doméstico

Leia mais

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida.

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. Campanha do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Bento do Sul e Campo Alegre contra os Acidentes de Trabalho

Leia mais

Relatório de Inspeção

Relatório de Inspeção Relatório de Inspeção Obra: Recuperação do sistema de bondes de Santa Teresa Local: Rua Joaquim Murtinho, Santa Teresa, Rio de Janeiro-RJ Executante: Consórcio Elmo-Azvi Gerente da Obra: Sr. Angel Técnico

Leia mais

PLATAFORMA DE TRABALHO AÉREO PTA

PLATAFORMA DE TRABALHO AÉREO PTA Manual do Locatário PLATAFORMA DE TRABALHO AÉREO PTA Manual de Responsabilidade do Proprietário e Usuário do PTA CARIMBO DO ASSOCIADO 1 PLATAFORMA DE TRABALHO AÉREO - PTA 1- DEFINIÇÃO 1.1 - Plataforma

Leia mais

ÍNDICE. Esperamos que nosso transportador de carga Tracionário, proporcione agilidade e segurança em seu trabalho.

ÍNDICE. Esperamos que nosso transportador de carga Tracionário, proporcione agilidade e segurança em seu trabalho. Esperamos que nosso transportador de carga Tracionário, proporcione agilidade e segurança em seu trabalho. Para que nosso produto tenha um resultado positivo, é de fundamental importância que o Manual

Leia mais

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil.

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil. FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª MarivaldoOliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de prevenção

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas ANEXO IV Referente ao Edital de Pregão nº. 010/2015 Especificações Técnicas 1. OBJETIVO 1.1. A presente licitação tem como objeto a prestação de serviços para realização de cursos para os colaboradores

Leia mais

Conscientização na Operação com Empilhadeira

Conscientização na Operação com Empilhadeira TREINAMENTO: NR 11 ITEM 11.1.5: Nos equipamentos de transporte, com força motriz própria, o operador deverá receber um treinamento específico, dado pela empresa, que o habilitará nessa função. Índice de

Leia mais

Sistema de transporte e elevação de cargas

Sistema de transporte e elevação de cargas CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 26-01-2015 Sistema de transporte e elevação de cargas Reflexão Esta UFCD tem como objetivos: reconhecer e caraterizar os equipamentos mais comuns,

Leia mais

Manual de Montagem e Operação Pórtico Manual Serie FX

Manual de Montagem e Operação Pórtico Manual Serie FX 1 Manual de Montagem e Operação Pórtico Manual Serie FX Manual No. 103-0001 R EV. 8/07 ISO 9001 REGISTERED CONTEUDO 2 Advertencias... 3 Recebimento... 5 Ajustes...6 Kit de Transporte...8 Instalação dos

Leia mais

Segurança com retroescavadeira. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Segurança com retroescavadeira. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança com retroescavadeira Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Retroescavadeira Apenas pessoas que possuem o completo conhecimento do trator e dos implementos devem efetuar

Leia mais

MODELOS: ART 1545 - ART 1553

MODELOS: ART 1545 - ART 1553 MODELOS: ART 1545 - ART 1553 Índice 1. Advertência 2. Características Técnicas 3. Características e parâmetros técnicos 4. Aplicações 5. Estrutura 6. Instruções de uso e operação 7. Manutenção 8. Diagrama

Leia mais

Núcleo de Pós-GraduaçãoPitágoras EscolaSatélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-GraduaçãoPitágoras EscolaSatélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-GraduaçãoPitágoras EscolaSatélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho RENATO REIS DOS PASSOS renatoreisperito@oi.com.br Engenheiro Agrimensor Engº Especializado

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS TALHAS ELÉTRICAS GUINCHOS DE ALAVANCA TALHAS COM ACIONAMENTO MANUAL 1) NORMAS UTILIZADAS: NBR 10401 e 10402 Especificação: Fixa as condições exigíveis

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais

Regras de Trânsito do Japão

Regras de Trânsito do Japão Regras de Trânsito do Japão (Versão para pedestres e bicicletas) ~ Para não sofrer acidentes de trânsito ~ Supervisão: Polícia da Província de Gifu Edição / Publicação: Província de Gifu Regras básicas

Leia mais

TRABALHO COM EMPILHADORES MANUAIS

TRABALHO COM EMPILHADORES MANUAIS TRABALHO COM EMPILHADORES MANUAIS TIPOS DE EMPILHADORES A mecanização da movimentação de cargas realiza-se, muitas vezes, com recurso a empilhadores, que estão disponíveis no mercado em vários tipos e

Leia mais

Caminhão Munck. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Caminhão Munck. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Caminhão Munck Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho O munck é um guindaste comandado hidraulicamente instalado sobre o chassi de um caminhão. Tem grande utilização na movimentação,

Leia mais

FOUNDATIONS 4 Melhores Práticas para Segurança em Transportadores de Correias

FOUNDATIONS 4 Melhores Práticas para Segurança em Transportadores de Correias Melhores Práticas para Segurança em Transportadores de Correias CUSTOS DA SEGURANÇA FOUNDATIONS 4 Custo típico de um acidente fatal: $1,2 Million US Custo de um acidente com afastamento: $38.000 US US

Leia mais

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR) Acompanhante

Leia mais

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Escadas Escada é o elemento de composição arquitetônica cuja função é proporcionar a possibilidade de circulação vertical entre dois ou mais pisos

Leia mais

Manual de Uso Seguro do Elevador

Manual de Uso Seguro do Elevador Manual de Uso Seguro do Elevador Propriedade da RIS Consultoria. Permitida a reprodução desde que integral, sem revisões e citada a fonte. O Elevador é uma caixa pendurada por cabos de aço com um contrapeso.

Leia mais

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 -

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Informativo 21/2011 NR 12 NOVO ANEXO (XII - EQUIPAMENTOS DE GUINDAR PARA ELEVAÇÃO DE PESSOAS E REALIZAÇÃO DE TRABALHO

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS Página: 1 de 13 Texto final APROVADO pelo CPN em 2 SET de 2010, considerando a Nota Técnica O66 2010- DSST/SIT/MTE ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.14.1 Os equipamentos de transporte vertical de materiais

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Porque este assunto preocupa? Impacto dos Acidentes envolvendo Quedas - 40% das fatalidades

Leia mais

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga 16 Valores Introdução No âmbito da ufcd 5811 Sistemas de transporte e elevação de cargas, foi-nos

Leia mais

Linha de MOVIMENTAÇÃO

Linha de MOVIMENTAÇÃO Linha de MOVIMENTAÇÃO 2010 Empilhadeira Elétrica MEE 1.5 Ton MEE 2.0 Ton As Empilhadeiras Elétricas Menegotti são totalmente automatizadas, possuem controles de velocidade para deslocamento do equipamento

Leia mais

Motocicleta Elétrica para Crianças TF-840

Motocicleta Elétrica para Crianças TF-840 Motocicleta Elétrica para Crianças TF-840 Manual para Instalação e Operação Design de simulação de motocicleta Funções para frente e para trás Função de reprodução de música na parte frontal O produto

Leia mais

MANUAL MEIO AMBIENTE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO

MANUAL MEIO AMBIENTE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO MANUAL MEIO AMBIENTE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO PVP SOCIEDADE ANÔNIMA Fundada em 1962 1 Índice Introdução...... 04 Política de Saúde e Segurança do Trabalho... 06 1. Prevenção e Controle de Riscos...

Leia mais

EMPILHADEIRAS HYUNDAI À DIESEL

EMPILHADEIRAS HYUNDAI À DIESEL GARFO (Comprimento X Largura x Bitola) (mm) HDF50-7S (TIPO EIXO - TIPO GANCHO) - 1.350 X 150 X 60-1.500 X 150 X 60-1.800 X 150 X 60-2.000 X 150 X 60-2.400 X 150 X 60 HDF70-7S (TIPO EIXO) - 1,350 X 180

Leia mais

PORTARIA N.º 20, DE 17 DE ABRIL DE 1998

PORTARIA N.º 20, DE 17 DE ABRIL DE 1998 PORTARIA N.º 20, DE 17 DE ABRIL DE 1998 MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições legais que lhe confere o

Leia mais

Transportador Pantográfico Elétrico TPE 1000

Transportador Pantográfico Elétrico TPE 1000 Transportador Pantográfico Elétrico TPE 1000 1 Manual de operação Conteúdo : 1 Parâmetros técnicos 2 Aplicações 3 Instruções de uso e operação 4 Manutenção 5 Carregador de bateria 6 Esquema elétrico 2

Leia mais

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Esta diretiva compreende orientações gerais relativas ao transporte, embalagem e manuseio de máquinas e fornecimentos da empresa KraussMaffei Technologies

Leia mais

Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D)

Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D) Manual de Montagem e Utilização Conforme EN 131-3: 2007 (D) Escadas Simples? Escadotes? Escadas Duplas e Triplas Escadas Telescópicas? Torres Multiusos Indice 1. Introdução 2. Informação para o Utilização

Leia mais

WORX AEROCART MODELO WG050

WORX AEROCART MODELO WG050 WORX AEROCART MODELO WG050 Avisos Gerais de Segurança AVISO Leia todos os avisos e instruções de segurança. Não seguir os avisos e instruções pode resultar em lesão séria. Guarde todos os avisos e instruções

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA GUINCHO VELOX e HUCK ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 2 2.1. USO DOS GUINCHOS... 3 2.2. LUBRIFICAÇÃO... 3 2.3.

Leia mais

INSTALAÇÃO E SEGURANÇA NOS ELEVADORES

INSTALAÇÃO E SEGURANÇA NOS ELEVADORES INSTALAÇÃO E SEGURANÇA NOS ELEVADORES Objetivo: Analisar as condições de funcionamento e segurança dos seus equipamentos 19/06/2015 Autor: LUIZ BARATTA - SENGE / RJ 1 HISTÓRICO Estima-se que no Brasil

Leia mais

A SUA EMPILHADEIRA NO TAMANHO IDEAL

A SUA EMPILHADEIRA NO TAMANHO IDEAL A SUA EMPILHADEIRA NO TAMANHO IDEAL 0325-folheto H50CT 26-11-11.pmd 1 NOVA HYSTER H50CT: EMPILHADEIRA CONTRABALANÇADA COM OPERADOR SENTADO A H50CT é nova em tudo, do seu projeto inovador às suas características

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR Sumário Andaime Tubular...03 Montagem Especial...04 Acessórios...05 Modos e Pontos de Ancoragem...06 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09

Leia mais

Security, Health and Safety

Security, Health and Safety Security, Health and Safety Conselhos para Colaboradores e Parceiros da Securitas Portugal securitas.pt As quedas, escorregadelas e os tropeçamentos são a causa de acidentes e ferimentos entre Trabalhadores.

Leia mais

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Sinalização Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Materiais VINIL AUTO-ADESIVO PVC / PS Utilizado em ambientes internos e externos. Pode ser confeccionado com

Leia mais

HYSTER H1.8-50CT FABRICADAS NO BRASIL EMPILHADEIRAS NOS TAMANHOS E CAPACIDADES IDEAIS

HYSTER H1.8-50CT FABRICADAS NO BRASIL EMPILHADEIRAS NOS TAMANHOS E CAPACIDADES IDEAIS HYSTER H1.8-50CT FABRICADAS NO BRASIL EMPILHADEIRAS NOS TAMANHOS E CAPACIDADES IDEAIS NOVA HYSTER CT: EMPILHADEIRA CONTRABALANÇADA COM OPERADOR SENTADO A CT é nova em tudo, do seu projeto inovador às suas

Leia mais

By Columbus McKinnon

By Columbus McKinnon By Columbus McKinnon DICAS PARA OPERAR CARGA COM SEGURANÇA. Estudar o Manual do Fabricante, mesmo que você seja um operacor experiente em movimentacão de cargas. Manter sempre a talha centralizada sobre

Leia mais

O que é o Direção Positiva?

O que é o Direção Positiva? Abril - 2014 1 2 O que é o Direção Positiva? O novo projeto da Sirtec busca conscientizar os colaboradores sobre a importância das medidas preventivas no trânsito. Objetivos: Contribuir com a redução dos

Leia mais

COOPERATIVA DE TRABALHO DOS PROFISSIONAIS DE AGRONOMIA LTDA.

COOPERATIVA DE TRABALHO DOS PROFISSIONAIS DE AGRONOMIA LTDA. Manual de Uso de Veículo Respeito a Vida! TERMO DE RECEBIMENTO R ecebi da Cooperativa de Trabalho dos P r o f i s s i o n a i s d e A g r o n o m i a L t d a. UNICAMPO, o MANUAL DE USO DO VEÍCULO e após

Leia mais

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Equipamento de Proteção Coletiva (EPC): 2 Áreas vazadas: Equipamento de Proteção Coletiva (EPC) 18.13.1. É obrigatória a instalação de proteção coletiva

Leia mais

PLANO BÁSICO AMBIENTAL

PLANO BÁSICO AMBIENTAL ESTALEIRO ENSEADA 1/18 MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS 1. Objetivo Estabelecer os requisitos mínimos a serem cumpridos para o planejamento e a execução de trabalhos que envolvam movimentação de cargas e para a

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO BF CD3004 BF CC3004

MANUAL DO USUÁRIO BF CD3004 BF CC3004 MANUAL DO USUÁRIO BF CD3004 BF CC3004 BF CD3004 e BF CC3004 Câmera infravermelho Parabéns, por adquirir um produto Braforce. Todos os modelos produzem imagens coloridas quando o ambiente dispuser de iluminação

Leia mais

MODELOS: ART 2045, ART 2053, ART 2055 e ART 2058

MODELOS: ART 2045, ART 2053, ART 2055 e ART 2058 MODELOS: ART 2045, ART 2053, ART 2055 e ART 2058 ADVERTÊNCIAS PRÉVIAS A capacidade de carga e altura está determinada da seguinte forma : *Quando a altura de levantamento está abaixo de 3300 mm(incluindo

Leia mais

O Brasil tem utilizados desses equipamentos em todas as obras como os Estádios de Futebol, Portos, Aeroportos, Construção Civil, etc.

O Brasil tem utilizados desses equipamentos em todas as obras como os Estádios de Futebol, Portos, Aeroportos, Construção Civil, etc. GRUAS Os modernos Canteiros de Obras se utilizam de GRUAS para reduzirem o número de operários, auxiliar no cumprimento de prazos apertados e viabilizar a implantação de diversos sistemas de pré-moldados

Leia mais

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica)

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) E-EQI-01 Anexo 1 Checklist de Acessibilidade, baseado em Aragão (2004) PCD: pessoas com deficiência Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) 1. Vias de Acesso As vias de acesso no

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Por que eu devo utilizar equipamentos de segurança e onde encontrá-los? Os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) foram feitos para evitar

Leia mais

PLATAFORMAS DE COMBATE AÉREO A INCÊNDIOS

PLATAFORMAS DE COMBATE AÉREO A INCÊNDIOS PLATAFORMAS DE COMBATE PLATAFORMAS DE COMBATE A cada volta da chave de ignição, a cada rotação e extensão da escada e cada degrau que você sobe, o desempenho é exigido. Nós não nos acomodamos e você também

Leia mais

AVISO DE RESULTADO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 039/2015 - SAÚDE MENOR PREÇO POR ITEM

AVISO DE RESULTADO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 039/2015 - SAÚDE MENOR PREÇO POR ITEM AVISO DE RESULTADO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 039/25 - SAÚDE MENOR PREÇO POR ITEM A Pregoeira Pollyanna Allen Gomes de Jesus, designado pela Portaria nº 092/24 da Prefeitura Municipal de Goiânia / Secretaria

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO, INSPEÇÃO E SEGURANÇA BALANCIM MANUAL TIPO CABO PASSANTE

PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO, INSPEÇÃO E SEGURANÇA BALANCIM MANUAL TIPO CABO PASSANTE PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO, INSPEÇÃO E SEGURANÇA BALANCIM MANUAL TIPO CABO PASSANTE Os Andaimes Suspensos da AeroAndaimes, são caracterizados por serem versáteis, proporcionando movimentações rápidas e

Leia mais

HELI. MOTOR COM POTÊNCIA PARA 5-10t CPCD50 CPCD60 CPCD70 CPCD80 CPCD100

HELI. MOTOR COM POTÊNCIA PARA 5-10t CPCD50 CPCD60 CPCD70 CPCD80 CPCD100 HELI MOTOR COM POTÊNCIA PARA 5-10t Painel de Instrumentos Digital Limpo e fácil de ler Leitura instantânea ao ligar Layout ergonômico CPCD50 CPCD60 CPCD70 CPCD80 CPCD100 Torre de ampla visão As empilhadeiras

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

DOU 201 21/01/2011 24/01/2011) * O

DOU 201 21/01/2011 24/01/2011) * O 18.15. Andaimes. 18.15.1.1 Os projetos de andaimes do tipo fachadeiro, suspensos e em balanço devem ser acompanhados pela respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica. (Nova redação dada pela Portaria

Leia mais

ANEXO 46 P16 MODELO DO RELATÓRIO GERENCIAL. RELATÓRIO Nº XX/20XX, referente ao mês XX/20XX (Medição nº XX)

ANEXO 46 P16 MODELO DO RELATÓRIO GERENCIAL. RELATÓRIO Nº XX/20XX, referente ao mês XX/20XX (Medição nº XX) ANEXO 46 P16 MODELO DO RELATÓRIO GERENCIAL OBJETIVO DO REQUISITO: Demonstrar mensalmente os resultados qualitativos e quantitativos dos serviços, avaliando o cumprimento das obrigações e metas estabelecidas

Leia mais

NR35. Todo trabalho em altura começa no solo. Portaria SIT nº313/12 TRABALHO EM ALTURA

NR35. Todo trabalho em altura começa no solo. Portaria SIT nº313/12 TRABALHO EM ALTURA Portaria SIT nº313/12 Todo trabalho em altura começa no solo OBJETIVO DO CURSO Promover a capacitação dos trabalhadores que realizam trabalhos em altura, no que diz respeito a prevenção de acidentes no

Leia mais

Manuseio de Compressor

Manuseio de Compressor Manuseio de Compressor Índice Item... Página 1 - Introdução... 02 2 - Remover o palete... 03 3 - Deslocar o palete... 04 4 - Erguer o palete... 05 5 - Movimentar o palete... 06 6 - Empilhar o palete...

Leia mais

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Capacidade de Elevação 130t PÁGINA 01 GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Comprimento da extensão total da lança principal de 60m, perfil U, placa de aço WELDOX de alta resistência.

Leia mais