Plano de Cargos e Salários

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Cargos e Salários"

Transcrição

1 Propostas de ajustes e melhorias do SINTEC-SP (Sindicato dos Técnicos Industriais de Nível Médio do Estado de São Paulo) São Paulo 08 de Setembro de 2010 Plano de Cargos e Salários Pré-Work 2010 Superintendência de Recursos Humanos e Qualidade CR

2 Sumário Objetivo do trabalho Papel do Comitê Estratégico de RH e dos sindicatos Principais pontos de Revisão 1. Estrutura Salarial 2. Fusão de Cargos 3. Escalas Salariais 4. Critérios de Movimentação 5. Dimensionamento de Pessoal 6. Funções Gratificadas 7. Plano de Comunicação 8. Implantação 9. Reposição Automática 10. Política Salarial 11. Outros temas Anexo I - Cronograma 1

3 Pré-Work para Avaliação do PCS Este caderno foi elaborado para subsidiar e consolidar as demandas internas por Diretoria/Sindicato, para elaboração de proposta de possíveis ajustes e melhorias no Plano de Cargos e Salários. Objetivo do Trabalho Identificar oportunidades de melhoria para a elaboração de proposta do Plano de Cargos e Salários, a ser encaminhada para avaliação da Coordenadoria de Entidades Descentralizadas e de Contratações Eletrônicas CEDC e do Conselho de Defesa dos Capitais do Estado CODEC Considerando os impactos observados na implantação do Plano de Cargos e Salários, quais seriam as suas sugestões de melhoria, quanto aos temas? Neste sentido, busca-se o aprimoramento contínuo do sistema de gestão de pessoal, particularmente no que diz respeito à estruturação de cargos e salários: Revisão dos principais pontos de adequação Consolidação das por Diretoria (Pré-work - Caderno de ) Papel do Comitê Estratégico e dos Sindicatos Representar sua Diretoria/Sindicato na: Divulgação do trabalho para todos os Gerentes e Superintendentes Comunicação do objetivo Esclarecimento de dúvidas Coleta de sugestões de melhorias Consolidação dos resultados por Diretoria/Sindicato, atendendo os prazos estabelecidos. 2

4 1. Estrutura Salarial Foram mantidas no novo Plano 03 (três) categorias de cargo, que apresentam as seguintes características: Operacional: ofícios específicos de natureza braçal, que exigem o emprego de destreza manual ou força muscular, cujo requisito básico mínimo de formação escolar é de Ensino Fundamental. Técnica: atividades técnicas das áreas fim, gestão ou apoio administrativo, que tem como requisito básico a formação escolar de Ensino Médio ou Técnico, de acordo com a área de atuação. Universitária: Distingue-se pela formação escolar de nível universitário e o exercício de atividades complexas como elaboração e análise de relatórios e projetos. A estrutura proposta considera cargos mais amplos, diferenciados por níveis (I, II, III,...) que correspondem aos graus de complexidade das atividades. Considerando que os técnicos industriais de nível médio reconhecido pela Lei 5.524/68 e, regulamentada pelos decretos /85 e 4.560/02, e enquadrado como profissionais liberais pela Portaria Ministerial de nº de 28/5/87, no plano da Confederação Nacional das Profissões Liberais CNPL, incluindo-a no 34º grupo. Portanto o técnico industrial é um profissional liberal e em conseqüência pode assumir a responsabilidade pelos seus trabalhos e concepções, não podendo ser equiparado aos que possuem apenas o ensino de nível médio enciclopédico como: técnico em comunicação, técnico em planejamento, técnico em recursos humanos, ou com profissionais de ofício, tais como carpinteiros, eletricistas, ferreiros, pedreiros, etc. Considerando que embora não conste de Lei específica e, por ser assunto em trânsito no Congresso Nacional, ou seja, estabelecer piso salarial específico e horas de trabalho, à semelhança da Lei que concede as mesmas prerrogativas aos engenheiros, os técnicos postulam que nesse Pré Work SABESP, se estabeleça um piso salarial correspondente a 66%, do concedido aos engenheiros, mantendo o nível de horas de trabalho. Considerando a proposta de piso dos técnicos industriais, entendemos que a remuneração deverá ser efetuada na mesma proporção de 66% em relação aos proventos pagos no teto para o nível universitário (engenheiro). 3

5 2. Fusão de Cargos A Fusão de Cargos ocorreu por categorias e reduziu de 71 para 20 cargos, com foco na ampliação das carreiras e o aumento da multifuncionalidade. Nesta fusão, foram preservados os cargos com pré-requisitos de formação escolar específica e os legais previstos pelo SESMT - Serviços Especializados em Engenharia e Medicina do Trabalho, como: Engenheiro de Segurança do Trabalho, Médico do Trabalho, Enfermeiro do Trabalho, Técnico em Enfermagem do Trabalho e Técnico de Segurança do Trabalho. Critérios para Fusão de Cargos por Categoria: Similaridades nos requisitos básicos e atividades Perspectivas de evolução na carreira Freqüência de empregados no cargo Carga horária Atendimento a legislação específica Fusão de Cargos por Categoria: 4

6 Atual Proposto Universitária Técnica Operacional Agente de Saneamento, Agente de Serviços a Clientes, Ajudante Geral, Oficial de Sistemas de Saneamento, Operador de Sistemas de Saneamento Motorista, Operador de Equipamentos Automotivos Oficial Caldeireiro, Oficial de Manutenção Civil, Oficial de Manut. Geral, Oficial Eletricista de Manut., Oficial Mecânico de Manut., Oficial Soldador Atual Agente de Saneamento Ambiental Motorista Operador de Equipamentos Automotivos Oficial de Manutenção Proposto Atendente a Clientes (30 h) Atendente a Clientes (30 h) Controlador de Sistemas de Saneamento (36 h) Control. de Sistemas de Saneam. (36 h) Técnico de Segurança do Trabalho Técnico em Enfermagem do Trabalho Auxiliar Admin., Secretária, Técn. em Atendim.a Clientes, Téc. Comunicação, Téc. Finanças, Téc. Informática, Téc. Planejamento, Téc. Recursos Humanos, Téc. Seg. Empresarial, Téc. Serviços Administrativos, Téc. Serviços Jurídicos, Téc. Suprimentos Técnico em Serviços a Clientes Téc. Empreendimentos, Téc. Mananciais, Téc. Manutenção, Téc.Sist. Saneamento Atual Advogado Anal.Administrativo, Anal. Comunicação, Anal.Econômico-Financeiro, Anal. Informática, Anal. Marketing, An. Negócio, An.Planejamento, Anal.R.H., An. Rel. com Clientes, Anal.Sistemas, Anal.Segurança Empres., Anal. Suporte, An. Suprimentos, Auditor, Consultor Interno de Redes., Repres. Comercial Anal.Sistemas de Saneam., Arquiteto, Engenh. Operac., Geógrafo, Geólogo Biólogo Enfermeiro do Trabalho Engenheiro Engenheiro de Segurança do Trabalho Médico do Trabalho (20h) Químico Tecnólogo Técnico de Segur. do Trabalho Técnico em Enferm. do Trabalho Técnico em Gestão Técnico em Serviços a Clientes Técnico em Sistemas de Saneamento Proposto Advogado Analista de Gestão Analista de Sistemas de Saneam. Biólogo Enfermeiro do Trabalho Engenheiro Engenh. de Segur. do Trabalho Médico do Trabalho (20h) Químico Tecnólogo 5

7 O cargo de técnico em sistema de saneamento deve ser substituído pela denominação de Técnico Industrial + CBO específico, exemplo: Técnico Industrial (Eletrotécnico). A denominação de Saneamento não é uma habilitação escolar, mas apenas uma função / cargo. Se prevalecer a denominação proposta de técnico em Sistema de Saneamento, o profissional perde o seu direito estabelecido pela Lei 5.524/68 e, regulamentada pelos decretos /85 e 4.560/02, e enquadrado como profissionais liberais pela Portaria Ministerial de nº de 28/5/87, no plano da Confederação Nacional das Profissões Liberais CNPL, incluindo-a no 34º grupo. Certamente para a Companhia a adoção de tal prática de registro profissional do técnico como industrial, tal denominação, em nada a prejudicará. Contudo estará contribuindo para o exato cumprimento da Lei do Trabalho. 3. Escalas Salariais: A escala salarial considera cargos mais amplos, diferenciados por níveis (I, II, III,...) que correspondem aos graus de complexidade das atividades. Nível é a subdivisão de um cargo, representado pelo aumento da complexidade, responsabilidade e requisitos básicos. São identificados pelos números I, II, III, IV, V... Quanto maior o nível, maior exigência de requisito e maior salário. Dentro de cada nível de cargo (I, II, III, etc), existem 4 degraus, sendo que cada um corresponde a um valor salarial. Critérios: Possibilita aos empregados evoluir na carreira Cada nível com 04 degraus Atendimento aos requisitos básicos. Escalas por Categoria 6

8 Tabelas Salariais: Adequação da evolução entre degraus para possibilitar a progressão completa na carreira em no máximo 30 anos. % por nível e degrau Categoria Degraus Intervalo (%) Níveis Operacional 4,42 13,0 Técnica 4,50 14,5 Universitária 4,66 14,5 Piso Salarial: A Sabesp atende a legislação em vigor para Engenheiros Enquadramento dos empregados na nova Tabela Salarial: O enquadramento dos empregados foi realizado no degrau imediatamente inferior ao salário do empregado, sem alteração salarial. Alguns empregados da categoria universitária entenderam que fossem sobrepostas as duas escalas (anterior e nova), os enquadramentos deveriam ter correspondência, sendo por exemplo, do anterior nível A para o novo nível II. 7

9 Caso isto fosse verdade, alguns empregados ficariam teoricamente rebaixados, podendo dificultar progressões futuras, caso não exista vaga no novo nível proposto. 8

10 Considerando que a tabela de evolução salarial está condicionada a 7 níveis e 28 degraus, dentro dos conceitos que estão aplicados pela Companhia, isto significa dizer, que o teto da remuneração da categoria, só será alcançado pelo colaborador em 27 anos, na melhor das hipóteses, e já que a progressão não é automática, provavelmente a maioria nunca alcançará uma remuneração condizente. Significa marcar passo dentro da Companhia. Entendemos que a progressão funcional deverá ocorrer num prazo máximo de 20 anos, por um sistema de avaliação de competências mais eficaz e transparente, considerando também cursos realizados em estabelecimentos de ensino oficial e específico, realizados pela própria Companhia ou diplomação em outras habilitações em nível superior. Propomos a criação de uma nova tabela salarial para o Técnico Industrial com 5 Níveis e 20 Degraus, iniciando com piso de R$ 2.608,65 e teto de R$ 8.538,92 (base 2009) considerando o piso e o teto de 66% pago aos Engenheiros. Considerando V Níveis com Intervalos de 4,51% por Degrau e 14% por Nível como apresentado na tabela abaixo. Nível I Degrau , , , ,75 II III IV , , , , , , , , , , , ,82 V , , , ,92 O enquadramento no novo plano deverá ser realizado no degrau ou nível imediatamente superior ao salário do empregado. 9

11 4. Critérios de Movimentação As movimentações na carreira serão mantidas: promoção de nível, promoção de degrau, designação de função, destituição de função e transferência. Cabe ressaltar que para efetivação das movimentações, os empregados deverão atender aos critérios de elegibilidade e pré-requisitos estabelecidos. Níveis I II Degraus Critérios: Máximo 1 degrau ou 1 nível ao ano Promoção de Nível: É a ascensão do empregado de um nível de cargo para outro imediatamente superior dentro da mesma faixa salarial, de maior complexidade das atividades e valor salarial. Estar há 1 ano no último degrau do nível Existência de vaga dimensionada e recursos orçamentários Sempre no 1º degrau no nível proposto Máximo 1 nível ao ano Promoção de Degrau: É a movimentação do empregado de um degrau salarial superior no mesmo nível de cargo: Estar há 1 ano no degrau atual Avaliação das competências Existência de recursos orçamentários Recursos Orçamentários Para 2010, custo zero A partir de 2011, previsão orçamentária de 1% da folha de pagamento/ano 10

12 Consideramos que o percentual de 1% da folha de pagamento é insuficiente. Propomos um índice superior a 2%, pois para a Companhia considerada uma das maiores e melhores do mundo em saneamento, se limitar a 1% para atender as necessidades dos empregados na evolução dos salários é irrisório. Propomos também que se um técnico industrial, durante sua carreira concluir um nova modalidade de curso de técnico industrial, um curso superior, ou qualquer outro curso de especialização, que todos estes feitos sejam considerados como aceleradores na progressão funcional. Considerando que não é possível a promoção entre carreiras ou a alteração de categoria profissional, a adoção desse acelerador permitiria incentivar o aprimoramento profissional do técnico industrial. Isso traz vantagens pessoais ao profissional e aumenta a capacitação técnica de seus profissionais, o que beneficia também a SABESP. 5. Dimensionamento de Pessoal O dimensionamento do quadro de pessoal por nível foi estabelecido com base no conceito da curva normal, que é uma das mais utilizadas para modelar uma distribuição de probabilidades, com a vantagem de que os parâmetros estão automaticamente definidos. A tendência é de que haja uma menor quantidade de empregados nos níveis de início de carreira, maior concentração nos níveis considerados pleno, e também uma menor quantidade nos níveis mais especializados. Critérios: Quantitativo por nível de cargo Distribuição de empregados atende o modelo de curva normal Tendência de menor quantidade de empregados nos níveis de início e final de carreira, com maior concentração nos níveis centrais 11

13 Controle por Empresa, Diretoria, Categoria, Cargo e Nível O critério adotado pela SABESP de o funcionário galgar o nível seguinte, somente quando houver vaga de nível disponível, não se coaduna com uma Companhia de soluções ambientais. Talvez tal conceito se aplique para organizações cujos cargos e níveis não se modifiquem como ocorre nas forças armadas, cujo efetivo é sempre fixo na organização. Portanto não compartilhamos com essa prática de o empregado galgar outro nível maior, somente quando houver vaga. Propomos dimensionamento somente por cargo. 12

14 6. Funções Gratificadas Critérios: As funções de gerenciamento, liderança e supervisão são exercidas por profissionais mais experientes, ocupantes das três categorias, de acordo com o perfil, experiência adquirida e a complexidade da função. A indicação desses profissionais para o exercício da função é por tempo indeterminado, considerando a estrutura e as demandas específicas da empresa. Esses profissionais são designados por tempo indeterminado, de acordo com a estrutura e as demandas específicas da empresa. Funções Gerenciais O modelo de Gratificação Fixa foi alterado para Gratificação Variável, sendo estabelecido um Valor da Função para cada nível hierárquico Funções Gerenciais Superintendente, Ouvidor Chefe do Gabinete da Presidência Assistente Executivo de Diretoria Assessor de Diretoria Gerente de Departamento Gerente de Divisão Gerente de Setor C Gerente de Setor B Gerente de Setor A As funções de Livre Provimento de Superintendente, Chefe do Gabinete da Presidência, Assistente Executivo de Diretoria e Assessor de Diretoria poderão ser preenchidas por empregados de carreira, da categoria Universitária ou contratado. 13

15 Liderança e supervisão As atuais 52 (cinqüenta e duas) denominações foram agrupadas em 8 (oito) funções, adotando-se denominações mais amplas. Para as funções de Secretária de Superintendência, Diretoria e Presidência, foram definidas as seguintes denominações: Funções Secretária Superintendência Diretoria Presidência Considerando que atualmente na SABESP há uma desigualdade salarial entre empregados que exercem a mesma função de encarregado, acreditamos que essa condição sob o ponto de vista funcional é eminentemente desmotivadora. É nossa sugestão que neste caso a remuneração seja igual aos que exercem as mesmas atividades. Apenas um Nível de Encarregado, gratificação variável com valor da função de R$ 8.538,92. 14

16 7. Plano de Comunicação Apresentação à Diretoria, Conselho de Administração, Assessores, Superintendentes, Sindicatos, e Gerentes (eventos de comprometimento) Entrega de folder a todos os empregados, com as informações dos principais pontos de Adequação Maior agilidade e transparência no repasse das informações. 8. Implantação Os empregados ativos foram enquadrados na nova estrutura de cargos no nível e degrau próximo correspondente ao seu salário, sem acréscimo salarial sem custo. Os empregados que não atenderam aos novos pré-requisitos permaneceram nos seus cargos e carreiras atuais até o seu desligamento, quando serão repostos nos novos títulos de cargos. No caso dos Gerentes, estes foram enquadrados nos novos valores, em três etapas anuais. O mesmo critério adotado para os gerentes, deve ser aplicado para os encarregados. O enquadramento no novo plano deverá ser realizado no degrau ou nível imediatamente superior ao salário do empregado. 15

17 9. Reposição Automática A Reposição Automática possibilita a substituição imediata de empregados em cargos essenciais por habilitados em Concurso Público. Abrange cargos das categorias: operacional, técnica e universitária, considerados essenciais para o atendimento das demandas internas e externas, bem como os cargos necessários ao atendimento da legislação específica. Operacional Técnica Universitária Agente de Saneamento Ambiental Motorista Operador de Equipamentos Automotivos Atendente a Clientes Controlador de Sist. Saneamento Biólogo Engenheiro Essenciais e Legais Oficial de Manutenção Téc.Sist. de Saneamento Químico Téc. Serviços a Clientes Tecnólogo Téc. Enfermagem Trabalho Engenheiro Seg. Trabalho --- Enfermeiro do Trabalho Médico Trabalho --- Técnico em Gestão Advogado Não Essenciais Analista de Gestão Analista de Sistema de Saneamento Que o técnico Industrial seja considerado um cargo essencial e legal. 10. Política Salarial 16

18 Em 2002, o Salário Regional foi adotado e definido com base em pesquisa salarial realizada em todas as regiões e municípios operados pela Sabesp, preservando o equilíbrio em cada mercado regional. Região 1 - Base Salarial 100% - Unidades lotadas na Região Metropolitana de São Paulo, regiões do Vale do Paraíba e Baixada Santista Região 2 - Base Salarial 80% - Demais Unidades de Negócio do Interior e Litoral Por ser a responsabilidade do técnico industrial a mesma em qualquer localidade, o salário não pode ser dimensionado tendo como base pesquisas regionais uma vez que a Companhia possui a mesma complexidade nos serviços de saneamento em todos os seus departamentos. Portanto não concordamos com a manutenção do salário regional. 11. Outros temas Solicitamos inserir no plano de cargos e salários o técnico industrial como profissional liberal, tendo suas atribuições dispostas na Lei 5.524/68 e nos seus decretos regulamentadores /85 e 4.560/02 e, naturalmente nas Resoluções dos Conselhos profissionais baixadas com base nesses diplomas legais. 17

Plano de Cargos, Carreira e Salários PCCS APRESENTAÇÃO PARA OS SINDICATOS

Plano de Cargos, Carreira e Salários PCCS APRESENTAÇÃO PARA OS SINDICATOS Plano de Cargos, Carreira e Salários PCCS APRESENTAÇÃO PARA OS SINDICATOS GRH DEZEMBRO/2011 NOVO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PCCS CONTRATAÇÃO DA FGV EM 2007 PARA ESTUDO E PROPOSTA DE UM NOVO PCCS Estudo

Leia mais

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente.

MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento. Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. MQS do Brasil Consultoria, Assessoria e Treinamento Segurança do Trabalho, RH, Gestão da Qualidade, e Meio Ambiente. Realização de cursos, treinamento e palestras. 1 ISO 9001:2008 - Interpretação e Implementação

Leia mais

VIII-008 O IMPACTO DA REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIAS (ESTUDO DE CASO)

VIII-008 O IMPACTO DA REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIAS (ESTUDO DE CASO) VIII-008 O IMPACTO DA REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIAS (ESTUDO DE CASO) Walter Sigollo (1) Administrador de Empresas com Especialização em Recursos Humanos (FGV / USP). FOTO Superintendente de Recursos Humanos

Leia mais

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS. Brasília, dezembro de 2014. Diretoria de Gestão de Pessoas

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS. Brasília, dezembro de 2014. Diretoria de Gestão de Pessoas PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS Brasília, dezembro de 2014 1 APRESENTAÇÃO Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei

Leia mais

Diretoria de Gestão de Pessoas

Diretoria de Gestão de Pessoas Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei n. 12.550, de 15 de dezembro de 2011. A referência para instruir o presente plano

Leia mais

assistente técnico de vendas

assistente técnico de vendas Anexo I - Quadro de Cargos Situação Atual Situação Nova Vagas administrador de rede administrador de rede 2 advogado advogado 12 analista de compras analista de compras e contratos 3 analista de comunicação

Leia mais

PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado

PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado ESTRUTURA REMUNERATÓRIA BÁSICA PCS dos servidores comissionados PCS dos servidores efetivos (quadro geral) PCS dos servidores do magistério SERVIDORES

Leia mais

Diretoria de Gestão de Pessoas

Diretoria de Gestão de Pessoas Diretoria de Gestão de Pessoas APRESENTAÇÃO Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei n. 12.550, de 15 de dezembro de 2011.

Leia mais

CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS

CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS 1 Manual de Cargos, Salários e Carreira Página 2 de 15 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 1.1 Objetivos... 3 1.2 Premissas... 4 2. Estrutura do Plano de Cargos, Salários e Carreiras

Leia mais

Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS. Você escolhe o caminho e constroi sua própria saúde.

Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS. Você escolhe o caminho e constroi sua própria saúde. Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS Você escolhe o caminho e constroi sua própria saúde. PCCS Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS Colaborador (a), Com o objetivo de alavancar a

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC LEI COMPLEMENTAR Nº 034, de 13 de dezembro de 2005. Institui o Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos do Pessoal do Poder Legislativo do Município de Bombinhas e dá outras providências.. Júlio César Ribeiro,

Leia mais

PLANO DE CARREIRA. Manual de Procedimentos para Avaliação Profissional da CETESB

PLANO DE CARREIRA. Manual de Procedimentos para Avaliação Profissional da CETESB PLANO DE CARREIRA Manual de Procedimentos para Avaliação Profissional da CETESB 1. Conceitos básicos 1.1. Avaliação Profissional é o conjunto composto por três avaliações: Avaliação por Competências, Prova

Leia mais

PADRÃO DO SISTEMA DE GESTÃO

PADRÃO DO SISTEMA DE GESTÃO Emitente QUALIDADE E GESTÃO Revisão: 00 Pág. 1/5 Nome Data Elaboração Verificação Aprovação Núcleo de Gestão e Qualidade. Núcleo de Gestão e Qualidade Alta Direção (subprefeito, coordenadores, chefe de

Leia mais

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS 1. OBJETIVO Estabelecer critérios de remuneração, baseados na legislação brasileira vigente e nas regras definidas pela Secretaria Executiva e Conselho Curador, com o objetivo de constituir uma estrutura

Leia mais

Resumo Minuta do Plano de Cargos, Salários e Carreiras

Resumo Minuta do Plano de Cargos, Salários e Carreiras Plano de Cargos, Salários e Carreiras versão 13 Resumo Minuta do Plano de Cargos, Salários e Carreiras Crea SP 2015 Crea-SP- 1.1 DA UNIFICAÇÃO DE CARGOS E ALTERAÇÕES DE REQUISITOS PARA INGRESSO 1. ESTRUTURA

Leia mais

POLÍTICAS DE REMUNERAÇÃO. Novembro/ 2015

POLÍTICAS DE REMUNERAÇÃO. Novembro/ 2015 POLÍTICAS DE REMUNERAÇÃO Novembro/ 2015 SAP Consultores Associados Soluções em Remuneração Atuamos há mais de 20 anos no desenvolvimento e implantação de projetos voltados para soluções em gestão de cargos,

Leia mais

III TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

III TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 III TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA, CNPJ nº 00.720.771/0001-53, neste ato representado(a) por seu Secretário-Geral,

Leia mais

PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS

PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS Setembro de 2015 1 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 1.1 CONCEITUAÇÃO... 4 2 PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRAS... 6 2.1 ESTRUTURA DE CARGOS E FUNÇÕES... 6 2.2 SALÁRIOS...

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

A EBSERH e os Recursos Humanos

A EBSERH e os Recursos Humanos Informativo do Hospital das Clínicas da UFMG - Janeiro de 2013 ano XVIII n 288 Boletim do HC Foto: Arquivo Assessoria de Comunicação do HC/UFMG A EBSERH e os Recursos Humanos Esclareça as suas dúvidas

Leia mais

Elaborado por RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL

Elaborado por RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Elaborado por RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Página 2 de 14 1 INTRODUÇÃO O Plano de Cargos e Salários do CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE MINAS GERAIS CRA-MG, cuja última versão data de maio/2014,

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Plano de Benefícios EBSERH

Plano de Benefícios EBSERH Plano de Benefícios EBSERH BRASÍLIA, JANEIRO DE 2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES EBSERH Setor Comercial Sul - SCS, Quadra 09, Lote C Ed. Parque Cidade Corporate,

Leia mais

1º passo 2º passo 3º passo

1º passo 2º passo 3º passo 1º passo 2º passo 3º passo Planejamento Estratégico: Missão e Visão Aplicação do Programa 5S Elaboração do Mapa de Processos 4º passo 5º passo Definição da Política da Qualidade e Escopo Grupos de Trabalho

Leia mais

LEI Nº 74, DE 30 MAIO DE 2006.

LEI Nº 74, DE 30 MAIO DE 2006. LEI Nº 74, DE 30 MAIO DE 2006. O Prefeito Municipal de Tijucas do Sul, Estado do Paraná: A Câmara Municipal decretou e eu sanciono a seguinte Lei: Reorganiza o quadro de pessoal da administração direta

Leia mais

ANEXO I LOTACIONOGRAMA TABELA I - CARGOS DE PROVIMENTO EFETIVO. Cargo /Função

ANEXO I LOTACIONOGRAMA TABELA I - CARGOS DE PROVIMENTO EFETIVO. Cargo /Função LEI COMPLEMENTAR Nº 107, DE 10 DE MARÇO DE 2014. Altera a Tabela I e II, do Anexo I da Lei Complementar nº 076/2011, onde aumenta o número de vagas, altera cargos e dá outras providências. O Sr. Adriano

Leia mais

Bibliografia: PONTES, BENEDITO RODRIGUES. Administração de cargos e salários 11. ed. São Paulo : LTR, 2005. Capítulo 17, p. 334 a 354.

Bibliografia: PONTES, BENEDITO RODRIGUES. Administração de cargos e salários 11. ed. São Paulo : LTR, 2005. Capítulo 17, p. 334 a 354. PLANEJAMENTO DE CARREIRA Bibliografia: PONTES, BENEDITO RODRIGUES. Administração de cargos e salários 11. ed. São Paulo : LTR, 2005. Capítulo 17, p. 334 a 354. CARREIRA Conceito: Podemos dizer que a carreira

Leia mais

ESTRUTURA REMUNERATÓRIA SESI E SENAI

ESTRUTURA REMUNERATÓRIA SESI E SENAI Superintendente Corporativo Superintendente do Diretor Regional do Executivo Superintendentes e Diretoria Regional 18.734,00 Gerente Corporativo de Adm. Controle Gerente Corporativo de Finanças Gerências

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

Remuneração, Incentivos e Benefícios Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Visão do Futuro

Remuneração, Incentivos e Benefícios Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Visão do Futuro Remuneração, Incentivos e Benefícios Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Visão do Futuro A Empresa será reconhecida como uma organização comprometida com a valorização do homem O Significado dos

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO 1 Proc. nº 27.401/2008 LEI COMPLEMENTAR Nº 674 de 25 de novembro de 2013 Altera a Lei Complementar nº 582, de 19 de dezembro de 2008, alterada pela Lei Complementar nº 644, de 05 de abril de 2012, no que

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI O Plano de Cargos e Salários aqui apresentado é resultado do entendimento e alinhamento dos direcionadores do Modelo de Organização e Gestão e das Políticas e

Leia mais

Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira. nas Organizações Públicas Brasileiras

Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira. nas Organizações Públicas Brasileiras Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira nas Organizações Públicas Brasileiras A estruturação ou revisão de um PCCR se insere em um contexto de crescente demanda por efetividade das ações

Leia mais

Relatório Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos Servidores do TCM-BA - Produto 8 -

Relatório Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos Servidores do TCM-BA - Produto 8 - Relatório Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos Servidores do TCM-BA - Produto 8 - TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

REITORIA. Minuta RESOLUÇÃO UNESP Nº DE DE DE 2012.

REITORIA. Minuta RESOLUÇÃO UNESP Nº DE DE DE 2012. Minuta RESOLUÇÃO UNESP Nº DE DE DE 2012. Altera e inclui dispositivos da Resolução Unesp nº 32, de 28 de julho de 2011. O VICE-REITOR NO EXERCÍCIO DA REITORIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE

Leia mais

PESQUISA DE SALÁRIOS E BENEFÍCIOS - 2015

PESQUISA DE SALÁRIOS E BENEFÍCIOS - 2015 PESQUISA DE SALÁRIOS E BENEFÍCIOS - 2015 A RHUMO CONSULTORIA Empresa com mais de 20 anos no mercado, especializada na construção e implementação de soluções personalizadas nas áreas de Remuneração, Desenvolvimento

Leia mais

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional;

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional; (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL DECRETO Nº 10.609,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SOROCABA

PREFEITURA MUNICIPAL DE SOROCABA TABELA DE SALÁRIOS TABELA DE SALÁRIOS -Abril/2011 Jn Cargo Classe Padrão 40 AUX. DE ADMINISTRACAO AD04 854,58 40 ASS. DE ADMINISTRACAO I AD05 905,65 40 ASS. DE ALMOXARIFE AD05 905,65 40 ASS. DE ADMINISTRACAO

Leia mais

Anexo Nota de Esclarecimentos 01.xls

Anexo Nota de Esclarecimentos 01.xls CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A - CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - DA GERÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS - AGH RELAÇÃO DE EMPREGADOS E DIRETORES 11 2005 Item Matr Admissão Salário Cargo Função 1

Leia mais

ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS. Requisitos Salário Bruto* Atribuições

ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS. Requisitos Salário Bruto* Atribuições ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS Secretário Executivo Carga horária 40 h/sanais Cargo Provimento cinco R$ 16.000,00 Assessoria ao liberações

Leia mais

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS DA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO CONAB

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS DA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO CONAB Minuta do Plano de Cargos, Carreiras e Salários PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS DA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO CONAB 2008 Página 1 de 151 Minuta do Plano de Cargos, Carreiras e Salários ÍNDICE

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 08 A Direção Geral da Faculdades SPEI, no uso das suas atribuições, ouvido o Conselho Superior e aprovado pela Mantenedora, conforme Regimento Interno, RESOLVE: Estabelecer o

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES imprensa FESSERGS Novo esboço de Plano de Carreira do Quadro-Geral(para substituir no MURAL) July 19, 2012 2:32 PM Projeto de Lei nº00/2012 Poder Executivo Reorganiza o Quadro

Leia mais

ESTUDO SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA

ESTUDO SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA ESTUDO SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA Introdução 02 Resgate de vantagem Prevista nos artigos 7º e 8º da Resolução Unesp 37/98 03 Prevista no inciso II, artigo 5º da Resolução Unesp 70/2008

Leia mais

PROPOSTA DE ESTRUTURA DO NOVO PLANO DE CARREIRA, SALÁRIOS E EMPREGOS PÚBLICOS DO CENTRO PAULA SOUZA

PROPOSTA DE ESTRUTURA DO NOVO PLANO DE CARREIRA, SALÁRIOS E EMPREGOS PÚBLICOS DO CENTRO PAULA SOUZA PROPOSTA DE ESTRUTURA DO NOVO PLANO DE CARREIRA, SALÁRIOS E EMPREGOS PÚBLICOS DO CENTRO PAULA SOUZA agosto/ 2011 1 S U M Á R I O I INTRODUÇÃO...03 II PREMISSAS E DIRETRIZES...04 III EMPREGOS PÚBLICOS PERMANENTES

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Cria o Plano de Carreira dos Servidores Técnicos e Administrativos da Polícia Rodoviária Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO 1. Apresentação O Programa de Avaliação de Desempenho constitui um processo pedagógico, coletivo

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.704, DE 26 DE JANEIRO DE 2006 Estabelece pisos salariais para os novos cargos criados nesta lei, concede reajuste salarial aos servidores públicos civis, militares, ativos, inativos e pensionistas

Leia mais

a. Garantir a atribuição de salário justo a todos os funcionários da entidade sempre de acordo com as atribuições da função exercida.

a. Garantir a atribuição de salário justo a todos os funcionários da entidade sempre de acordo com as atribuições da função exercida. CONSIDERANDO a necessidade de conferir transparência e eficiência nos processos de contratações no âmbito dos serviços e gerenciamento de unidades públicas do Estado do Rio de Janeiro, pelo HOSPITAL E

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE Ministério da Educação Novembro de 2013 1 SUMÁRIO 1. Apresentação 1.1 Introdução 1.2 Base Legal 1.3 Justificativa 2.

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO

PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 12 PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO OBJETIVOS: Explicar os princípios e as etapas do processo de organizar. Definir responsabilidade e autoridade e suas implicações especialização,

Leia mais

TABELA SALARIAL QUADRO DA SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO Janeiro 2014

TABELA SALARIAL QUADRO DA SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO Janeiro 2014 TABELA SALARIAL QUADRO DA SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO Janeiro 2014 LC N Denominação Pad 50% 100% 50% 100% 661 I Ag Apoio Pesq Cient Tecn I 1.299,53 326,61 1.626,14 174,00 348,00 1.800,14 1.974,14 661

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho GESTÃO DE PESSOAS IT. 45 07 1 / 6 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para solicitações referentes aos subsistemas de no que se refere aos processos de: Agregar pessoas recrutamento e seleção; Integrar

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

LEI 3.981/91 DE 7 DE JANEIRO DE 1991. O Prefeito Municipal de Natal, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI 3.981/91 DE 7 DE JANEIRO DE 1991. O Prefeito Municipal de Natal, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI 3.981/91 DE 7 DE JANEIRO DE 1991 Dispõe sobre o Grupo Ocupacional Fisco e dá outras providencias. O Prefeito Municipal de Natal, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

Leia mais

Gestão Processos para a tomada de decisão em uma Organização

Gestão Processos para a tomada de decisão em uma Organização Gestão Processos para a tomada de decisão em uma Organização Palestrante: André Luis Sermarini Gerente Depto Desenvolvimento Organizacional ISA CTEEP Cia da Transmissão de Energia Elétrica Paulista Histórico

Leia mais

Estrutura Remuneratória SESI e SENAI (PCCR*) Cargo Grupo Salário Auxiliar de Cozinha 1 Auxiliar de Disciplina 1 Contínuo 1

Estrutura Remuneratória SESI e SENAI (PCCR*) Cargo Grupo Salário Auxiliar de Cozinha 1 Auxiliar de Disciplina 1 Contínuo 1 Auxiliar de Cozinha 1 Auxiliar de Disciplina 1 Contínuo 1 660 Garçom 1 Afiador de Ferramentas 2 Assistente da Central de Laudos 2 Atendende de Programa de Relacionamento 2 Atendente de Telemarketing 2

Leia mais

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho IBMEC Jr. Consultoria A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho O mercado de trabalho que nos espera não é o mesmo dos nossos pais... ... ele mudou! As mudanças Certeza Incerteza Real Virtual

Leia mais

Como preparar minha empresa para o esocial?

Como preparar minha empresa para o esocial? 1 Como preparar minha empresa para o esocial? SUMÁRIO Introdução Você sabe o que é o esocial? Como está sua empresa? Os pontos mais importantes para se adequar 3.1 - Criar um comitê 3.2 - Mapear os processos

Leia mais

DECRETO Nº. 313, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014*.

DECRETO Nº. 313, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014*. DECRETO Nº. 313, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014*. Define o número de vagas por cargo que serão disponibilizados em Concurso Público a ser deflagrado pela Prefeitura Municipal de Amargosa. A PREFEITA MUNICIPAL

Leia mais

PLANO DE CARREIRA PARA FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS EFETIVOS DO PODER LEGISLATIVO MUNICIPAL. Elaine Aparecida Dias; Yeda Cícera Oswaldo.

PLANO DE CARREIRA PARA FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS EFETIVOS DO PODER LEGISLATIVO MUNICIPAL. Elaine Aparecida Dias; Yeda Cícera Oswaldo. PLANO DE CARREIRA PARA FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS EFETIVOS DO PODER LEGISLATIVO MUNICIPAL Elaine Aparecida Dias; Yeda Cícera Oswaldo. PLANO DE CARREIRA PARA FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS EFETIVOS DO PODER LEGISLATIVO

Leia mais

MÓDULO II PISO SALARIAL PROFISSIONAL NACIONAL

MÓDULO II PISO SALARIAL PROFISSIONAL NACIONAL MÓDULO II PISO SALARIAL PROFISSIONAL NACIONAL LEGISLAÇÃO BÁSICA LEI Nº 11.738, DE 16/07/2008 1 Profissionais têm direito ao piso piso. O art. 1º e o 2º do art. 2º definem quais profissionais têm direito

Leia mais

Regulamento de Recursos Humanos

Regulamento de Recursos Humanos Diretoria de Administração e Planejamento Novembro de 2001 Este regulamento estabelece as diretrizes e normas a serem adotadas pela RNP na gestão dos seus recursos humanos, aprovado na 2ª Reunião Ordinária

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

Nossa Visão. Ser a melhor empresa de logística da América Latina.

Nossa Visão. Ser a melhor empresa de logística da América Latina. Nossa Visão Ser a melhor empresa de logística da América Latina. Nossos Valores Foco no cliente Gente faz a diferença e vale pelo que faz Integridade e transparência Lucro para valorização crescente Simplicidade

Leia mais

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA TÓPICOS INSTRUMENTOS LEGAIS APLICÁVEIS LEGISLAÇÃO: CONSTITUIÇÃO FEDERAL, LEIS, DECRETOS e RESOLUÇÕES FORMAÇÃO E ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL DELIBERAÇÕES NORMATIVAS

Leia mais

Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência.

Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência. PNQS 2010 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência.

Leia mais

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Publicada D.O.E. Em 23.12.2003 LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Reestrutura o Plano de Carreira do Ministério Público do Estado da Bahia, instituído pela Lei nº 5.979, de 23 de setembro de 1990,

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS Elaborado em: 05/01/2011 Autor: Borges 1.Introdução É comum entre empregadores e colaboradores que exerçam cargos de confiança a preocupação em gerir

Leia mais

Plano de Empregos, Carreiras e Salários - PECS -

Plano de Empregos, Carreiras e Salários - PECS - GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DA PESCA COMPANHIA INTEGRADA DE DESENVOLVIMENTO AGRÍCOLA DE SANTA CATARINA CIDASC Plano de Empregos, Carreiras e Salários - PECS

Leia mais

RELAÇÃO DE SALÁRIOS POR CARGOS E EMPREGOS PÚBLICOS

RELAÇÃO DE SALÁRIOS POR CARGOS E EMPREGOS PÚBLICOS RELAÇÃO DE SALÁRIOS POR CARGOS E EMPREGOS PÚBLICOS Quadro de Cargos de Provimento Efetivo Quadro Próprio do Magistério Quadro Suplementar da Secretaria Municipal de Saúde Forma de investidura: Aprovação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA I -FINALIDADE. Este Regulamento tem por finalidade apresentar os princípios básicos de pessoal que devem

Leia mais

Ainda a mesma legislação prevê no artigo 34, as atribuições dos Conselhos Regionais de Engenharia, entre outras:

Ainda a mesma legislação prevê no artigo 34, as atribuições dos Conselhos Regionais de Engenharia, entre outras: A LEI 4950A NA ESFERA DOS CREAs I) Da fiscalização A Lei nº 5.194 de 24 de dezembro de 1966 que regula o exercício da profissão de engenheiro, prevê que a fiscalização do exercício e atividades das profissões

Leia mais

ATENÇÃO! OS GRIFOS EM AZUL CORRESPONDEM ÀS NOVAS REDAÇÕES SUGERIDAS PELA APROJUS E/OU ACRÉSCIMOS NO TEXTO ORIGINAL. Capítulo I. Das Disposições Gerais

ATENÇÃO! OS GRIFOS EM AZUL CORRESPONDEM ÀS NOVAS REDAÇÕES SUGERIDAS PELA APROJUS E/OU ACRÉSCIMOS NO TEXTO ORIGINAL. Capítulo I. Das Disposições Gerais Dispõe sobre as Carreiras dos Servidores do Quadro de Pessoal de Provimento Efetivo dos Serviços Auxiliares do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul, fixa valores de vencimento básico; cria

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER PARECER Referência: 99902.001989/2013-03 Assunto: Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação Restrição Não se aplica de acesso: Ementa: Recursos Humanos Interesse pessoal e interesse

Leia mais

P R O G R A M A T R A I N E E 2 0 1 6

P R O G R A M A T R A I N E E 2 0 1 6 P R O G R A M A T R A I N E E 2 0 1 6 9ª Edição Introdução É com grande satisfação que o Grupo Protege inicia a 9ª edição do Programa Trainee, visando contratar, desenvolver e reter jovens com potencial

Leia mais

Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER

Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER ASSISTENTE DE DEPARTAMENTO PESSOAL Salário a combinar São Bernardo do Campo/SP Atribuições: Atendimento aos clientes, organização

Leia mais

GUIA DO PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS

GUIA DO PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS GUA DO PLANO DE CARRERA, CARGOS E SALÁROS SOBRE O PLANO DE CARRERA, CARGOS E SALÁROS O Plano de Carreira, s e Salários (PCCS) é um instrumento de gestão que objetiva o desenvolvimento profissional e a

Leia mais

Circular Interna. Transferência Ato de movimentar colaboradores entre as áreas do Instituto.

Circular Interna. Transferência Ato de movimentar colaboradores entre as áreas do Instituto. Circular Interna Emissor: Nº doc: Diretoria Administrativa Corporativa 101-2015 Data: 31/10/2014 Destinatário: Todas as unidades/contratos Assunto: Política de Recrutamento e Seleção OBJETIVO: Estabelecer

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO PLANO DE SALÁRIOS DOS EMPREGADOS DA AGIR

REGULAMENTAÇÃO DO PLANO DE SALÁRIOS DOS EMPREGADOS DA AGIR REGULAMENTAÇÃO DO PLANO DE SALÁRIOS DOS EMPREGADOS DA AGIR Lei Estadual de Acesso a Informação, nº 18.028/2013, regulamentada pelo Decreto nº 7.904/2013. A regulamentação dos salários dos empregados da

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Secretaria de Estado da Casa Civil

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Secretaria de Estado da Casa Civil . Minuta de Lei n o de de de 2013 Dispõe sobre o Plano de Carreiras, Cargos e Remuneração dos servidores efetivos a Secretaria e Estado da Saúde SES-GO e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

Legislação pertinente às progressões nas carreiras de Magistério de Ensino Superior e de 1º e 2º Graus:

Legislação pertinente às progressões nas carreiras de Magistério de Ensino Superior e de 1º e 2º Graus: Legislação pertinente às progressões nas carreiras de Magistério de Ensino Superior e de 1º e 2º Graus: - Lei 11.344/2006 - Lei 8.112/1990 - Lei 8.445/1992 - Decreto 94.664/1987 - Portaria MEC 475/1987

Leia mais

Cargos de Carreira Piso Inicial Assessor Técnico R$ 9.331,00 Açougueiro R$ 1.806,00 Advogado R$ 6.082,00 Ajudante de Cozinha R$ 1.

Cargos de Carreira Piso Inicial Assessor Técnico R$ 9.331,00 Açougueiro R$ 1.806,00 Advogado R$ 6.082,00 Ajudante de Cozinha R$ 1. Cargos de Carreira Piso Inicial Assessor Técnico R$ 9.331,00 Açougueiro R$ 1.806,00 Advogado R$ 6.082,00 Ajudante de Cozinha R$ 1.472,00 Ajudante de Motorista R$ 937,00 Almoxarife de Hotel R$ 2.529,00

Leia mais

Plano de cargos e salários

Plano de cargos e salários Plano de cargos e salários CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Presidente: Armando de Queiroz Monteiro Neto INSTITUTO EUVALDO LODI - IEL / NÚCLEO CENTRAL Diretor etor-geral Armando de Queiroz Monteiro

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

TABELA SALARIAL - JORNADA MENSAL DE 200 HORAS

TABELA SALARIAL - JORNADA MENSAL DE 200 HORAS CARGO REMUNERAÇÃO Administrador de Banco de Dados JR 4.206,69 Administrador de Banco de Dados PL 5.367,94 Administrador de Banco de Dados SR 7.930,60 Advogado JR 4.206,69 Advogado PL 5.367,94 Advogado

Leia mais

Plano de Cargos e Salários

Plano de Cargos e Salários Introdução à Plano de Cargos e Salários Maria Carolina Linhares Paula Galvão de Barba Autoras do blog Mundo RH e sócias da Kombo 2009 Kombo - Todos os direitos reservados O que é um plano de cargos e salários

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

PROTOCOLO DE NEGOCIAÇÃO ENTRE A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO E AS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DOS SERVIDORES DA SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

PROTOCOLO DE NEGOCIAÇÃO ENTRE A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO E AS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DOS SERVIDORES DA SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PROTOCOLO DE NEGOCIAÇÃO ENTRE A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO E AS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DOS SERVIDORES DA SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PROTOCOLO Nº 0XXXX/2014 de 13 de Outubro de 2014 Dispõe

Leia mais

1 INTRODUÇÃO:... 3 2 CONCEITOS BÁSICOS UTILIZADOS NESTE REGIMENTO:... 4 3 OBJETIVO:... 5

1 INTRODUÇÃO:... 3 2 CONCEITOS BÁSICOS UTILIZADOS NESTE REGIMENTO:... 4 3 OBJETIVO:... 5 REGIMENTO DA POLÍTIC A DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRA DS. 12 02 1 / 26 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO:... 3 2 CONCEITOS BÁSICOS UTILIZADOS NESTE REGIMENTO:... 4 3 OBJETIVO:... 5 4 CRITÉRIOS ADOTADOS PARA DEFINIÇÃO

Leia mais

As entidades da Bancada Sindical da Saúde do Município de São Paulo vêm propor aos representantes da Secretaria Municipal de Saúde e Secretaria

As entidades da Bancada Sindical da Saúde do Município de São Paulo vêm propor aos representantes da Secretaria Municipal de Saúde e Secretaria As entidades da Bancada Sindical da Saúde do Município de São Paulo vêm propor aos representantes da Secretaria Municipal de Saúde e Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão na Mesa Setorial

Leia mais