Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais Subsecretaria de Desenvolvimento da Educação Básica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais Subsecretaria de Desenvolvimento da Educação Básica"

Transcrição

1 Secretaria d Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais Subsecretaria de Desenvolvimento da Educação Básica PROGRAMA ESCOLA ABERTA ORIENTAÇÕES PARA FUNCIONAMENTO DAS ESCOLAS NOS FINAIS DE SEMANA 1. APRESENTAÇÃO Neste Documento, apresentamos os princípios do Programa Escola Aberta Minas Gerais e também as orientações para as escolas desenvolverem atividades do Programa nos finais de semana, no primeiro semestre letivo de É um Documento que deverá ser aprimorado com a participação dos envolvidos nessas ações ao longo de O Programa Escola Aberta foi instituído pelo Ministério da Educação/MEC, tendo como principal objetivo Apoiar o desenvolvimento de atividades culturais, esportivas, de lazer, nos finais de semana nas escolas públicas da Educação Básica. 1 O Programa incentiva a abertura das escolas nos finais de semana, localizadas em territórios de vulnerabilidade social, onde a oferta de espaços de lazer e cultura é escassa e, também, onde, na maioria das vezes, a escola é a referência do poder público na comunidade - o que a torna um espaço de garantia de um conjunto de diretos sociais. A inspiração para o desenvolvimento do Programa Escola Aberta foi o Programa Abrindo Espaços: Educação e Cultura para a Paz, iniciado nos anos 2000 nos estados do Rio de Janeiro e Pernambuco, se multiplicando posteriormente para outros estados brasileiros. Esse Programa teve sua experiência bem avaliada pela UNESCO, como ação de combate à violência escolar e à promoção da cultura de paz nas escolas. O Programa Abrindo Espaços influenciou fortemente a constituição do Programa Escola Aberta, em 2004, à medida que se baseava na cultura de paz e na promoção da cidadania das juventudes e da comunidade escolar, principalmente em territórios marcados pela vulnerabilidade social. Nesse sentido, o Programa Escola Aberta 2 surgiu como ação de fomento à melhoria da qualidade da educação, a partir da inclusão social 1 Conforme Resolução CD/FNDE n.º 052, de 25 de outubro de É importante ressaltar que em âmbito nacional, o Programa Escola Aberta funciona com recursos do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). E, além disso, é o responsável pela constituição dos Comitês Locais e Territoriais do Escola Aberta que, posteriormente, se transformaram nos Comitês Locais e Territoriais de Educação Integral. 1

2 e da participação cultural, possibilitando a promoção da escola como espaço compartilhado, de troca e de convivência. O estado de Minas Gerais, além de ter participado do Programa Abrindo Espaços: Educação e Cultura para a Paz desenvolveu, também, o Programa Escola Viva Comunidade Ativa que esteve presente nas escolas localizadas nos territórios de vulnerabilidade social, funcionando nos finais de semana, com vigência até O Programa Escola Aberta Minas Gerais almeja a promoção da qualidade da educação, considerando todas as dimensões que agregam a formação integral dos sujeitos. Essa perspectiva nos leva a considerar e valorizar a participação de diversos agentes - profissionais da educação, famílias, instituições e atores sociais que compõem o território no qual a escola está inserida - na promoção de uma educação de qualidade. Propõe-se, portanto, a ressignificação da escola como um espaço de acolhida para os estudantes da Educação Básica e de toda a comunidade do entorno da escola, a partir do desenvolvimento de oficinas de orientações de estudo, cultura, arte, esporte e lazer nos finais de semana. É importante destacar que a premissa trazida pela SEE-MG amplia indicadores educacionais clássicos, ligados estritamente ao desenvolvimento intelectual e acadêmico. Ao propor o estreitamento da relação escola e comunidade, bem como dos saberes escolares com os saberes populares, fortalecemos a dimensão da Educação Integral que, neste caso, ao relacionar educação, cultura, esporte e lazer, pode ser capaz de promover uma cultura de paz e uma convivência mais democrática no interior das escolas e em seu entorno, aprofundando a participação popular e a relação com a sociedade. A SEE-MG pretende consolidar a educação promovida em Minas Gerais como um projeto comum de escola e comunidade e, sobretudo, valorizar a diversidade de sujeitos e de saberes que compõem os territórios onde as escolas se localizam. Essa perspectiva se coloca como um caminho para a apropriação democrática dos espaços públicos, do respeito às diferenças e do encontro de saberes que promovam a autonomia e a participação social da comunidade nos processos educativos desenvolvidos pelas escolas. Acrescenta-se a essa concepção o fato de que, em muitas regiões de nosso Estado, assim como em nosso País, a escola é uma instituição pública que tem um papel importante no acesso à garantia de direitos e de políticas públicas. Portanto, a proposta do Programa 2

3 Escola Aberta amplia as experiências educativas e agrega os saberes que se produzem no cotidiano das comunidades, por seus sujeitos, crianças, jovens, trabalhadores, lideranças comunitárias e famílias. Tomando as palavras de Carlos Rodrigues Brandão: Ninguém escapa da educação. Em casa, na rua, na igreja ou na escola, de um modo ou de muitos todos nós envolvemos pedaços da vida com a educação. Dessa forma, o Programa Escola Aberta pretende integrar as várias dimensões educativas presentes na formação dos sujeitos. Quando a comunidade se apropria da escola, a identificação dos educandos e das famílias com seu espaço de vivência é potencializada - o que, consequentemente, promoverá uma convivência mais democrática no interior das escolas e das comunidades como um todo. Pretendemos potencializar e constituir, a partir desta experiência que iremos iniciar coletivamente, os elementos centrais na tessitura dos territórios educativos. 2. OBJETIVO DO PROGRAMA Contribuir para a melhoria da qualidade da educação, a promoção da inclusão social e a construção de uma convivência democrática, no intuito de fortalecer a integração entre a escola e a comunidade, ampliando as oportunidades de acesso a espaços de promoção da cidadania. 3. RECURSOS FINANCEIROS A SEE-MG divulgou, em 17 de novembro de 2015, o Ofício Circular nº 174/2015 com as orientações sobre como as escolas poderiam aderir ao Programa Escola Aberta. Atendendo ao chamado, escolas manifestaram interesse em participar do Programa, sendo que houve adesão de escolas nas 47 Superintendências Regionais de Ensino de Minas Gerais. Todas as escolas inscritas e que não apresentavam pendências com a Caixa Escolar receberam recursos, por meio da assinatura do Termo de Compromisso, para o desenvolvimento do Programa nos finais de semana no período entre fevereiro de 2016 e julho de 2016, de acordo com a tabela a seguir: 3

4 Número de estudantes Valor por Escola (R$) Até ,00 Acima de ,00 Utilização do recurso Neste primeiro semestre de vigência do Programa, as oficinas devem ser desenvolvidas nos 21 finais de semana, que compreendem o período de 20/02/2016 a 09/07/2016, para o qual o recurso foi destinado, aos sábados ou domingos, de acordo com as características de cada comunidade, previstas no Plano de Atendimento 3 (ANEXO 1). A SEE-MG orienta que o recurso para a escola deva ser gasto da seguinte forma: Ressarcimento dos voluntários (coordenador comunitário e oficineiro) do grupo de trabalho da escola que tenham despesas com transporte e alimentação para realização das oficinas: recurso de custeio descentralizado para a escola. Aquisição de materiais de consumo necessários ao desenvolvimento das oficinas nos finais de semana: recurso de custeio descentralizado para a escola. A prestação de contas do recurso utilizado deverá seguir as orientações já estabelecidas pela SEE-MG. Quanto ao ressarcimento o valor será R$ 60,00 (sessenta reais) por final de semana de atividade desenvolvida, para o coordenador comunitário e R$ 48,00 (quarenta e oito reais) por final de semana de atividade desenvolvida pelo oficineiro. Esses valores deverão ser ressarcidos ao final de cada mês. 4. ESTRUTURA E GESTÃO DAS OFICINAS Todas as escolas devem formar um Grupo de Trabalho responsável pelo planejamento e execução das ações do Programa, a partir do diagnóstico da comunidade. Essa equipe é formada por: 3 O Plano de Atendimento deve ser aprovado em reunião de Colegiado Escolar. As atividades previstas também devem ser preenchidas no formulário on-line, disponível no link < 4

5 a) Coordenador Comunitário: membro da comunidade com estreito vínculo estabelecido com a escola e reconhecido como uma liderança, que tem a responsabilidade de coordenar as atividades no final de semana e integrar a comunidade com a escola. Cada escola deverá selecionar um Coordenador Comunitário do Programa Escola Aberta que, necessariamente, será o responsável por abrir e fechar a escola no dia escolhido (sábado ou domingo) para o desenvolvimento das atividades, bem como organizar o espaço, o material necessário para as oficinas, dentre outras atribuições de gestão do Programa. b) Diretor escolar: responsável legal pela escola, pela assinatura do termo de compromisso e prestação de contas dos recursos. Acompanha e ajuda a garantir a gestão democrática, o planejamento e a organização coletiva, e a integração do Programa com o Projeto Político Pedagógico da escola. c) Oficineiro: voluntário da comunidade do entorno ou de projetos parceiros, com competência e habilidades específicas, responsável por desenvolver oficinas nos finais de semana para e com a comunidade. O número de oficineiros convocados deverá estar de acordo com o Plano de Atendimento realizado pela escola. d) Colaboradores: universitários, agentes de saúde, representantes de organizações comunitárias, culturais e da comunidade escolar. As oficinas serão desenvolvidas por voluntários responsáveis pela organização, execução, coordenação e pelo acompanhamento das atividades, na forma definida na Lei nº 9.608, de 1998, sendo obrigatória a celebração do Termo de Adesão e Compromisso do Voluntário (ANEXO 2). O ressarcimento de todos os voluntários será feito mediante o seu comparecimento nos dias combinados para a assinatura do Recibo de ressarcimento mensal de despesas de transporte e alimentação (ANEXO 3) e o preenchimento do Relatório Mensal de Atividades Desenvolvidas pelo Voluntário (ANEXO 4). A escola deverá convocar, com ampla divulgação, interessados em serem voluntários. O diretor, em diálogo com a comunidade escolar, será o responsável por eleger o coordenador comunitário do Programa que, necessariamente, deve ser membro da comunidade na qual a escola se localiza, bem como os oficineiros. Em hipótese alguma 5

6 poderá ser escolhido quem exerça atividade profissional no Governo do Estado de Minas Gerais, considerando o caráter voluntário da ação desses sujeitos. A organização das oficinas A escola deverá funcionar durante 6 (seis) horas diárias, aos sábados ou domingos, carga horária em que cada voluntário (coordenador comunitário e oficineiro) se dedicará às atividades relativas ao Programa no dia escolhido pela escola para o desenvolvimento das atividades. Ressalta-se que a duração de cada oficina não será, necessariamente, de 6 (seis) horas. Esse tempo poderá ser dividido, visando à ampliação do atendimento. Por exemplo: o oficineiro poderá oferecer a mesma oficina em três momentos de 2 (duas) horas, ou dois momentos de 3 (três) horas, dependendo da especificidade da oficina e/ou da organização da escola. A escola deverá: realizar ampla divulgação do Programa e, a partir da demanda, organizar as inscrições juntamente com a comunidade; oferecer de três a cinco oficinas diferentes; organizar a carga horária de acordo com o arranjo local e especificidades da comunidade; preencher o Plano de Atendimento, que deverá ser aprovado pelo Colegiado Escolar. Em conformidade com a política da SEE-MG e considerando a dimensão da Educação Integral fortemente presente no Programa Escola Aberta, sugerimos que as oficinas sejam escolhidas a partir dos macrocampos do Programa Mais Educação, sendo necessário que, pelo menos, três deles sejam contemplados. Os macrocampos Orientação de Estudos Exemplos Oficinas de quadrinhos, produção literária, jogos matemáticos, etc. Comunicação, Uso de Mídias e Cultura Digital e Tecnológica 6

7 Exemplos Ambiente de redes sociais, fotografia, jornal escolar, rádio escolar, robótica educacional, vídeo e tecnologias educacionais. Esporte e Lazer Exemplos Atletismo, badminton, basquete de rua, basquete, corrida de orientação, handebol, voleibol, xadrez, futebol, futsal, ginástica rítmica, judô, karatê, luta olímpica, natação, recreação e lazer/brinquedoteca, tênis de campo, tênis de mesa, xadrez tradicional e virtual, yoga/meditação. Memória, Cultura, Artes e Educação Patrimonial Exemplos Artesanato popular, banda, canto coral, capoeira, cineclube, danças, desenho, educação patrimonial, escultura/cerâmica, Hip Hop (grafite, danças de rua, rap), iniciação musical de instrumentos de cordas e flauta doce, leitura, produção textual, mosaico, percussão, pintura, práticas circenses e cine clube. Educação Ambiental, Desenvolvimento Sustentável e Economia Solidária e Criativa/Educação Econômica (Educação Financeira e Fiscal) Exemplos Horta Escolar e/ou Comunitária, jardinagem escolar, uso eficiente da água e energia, COM-VIDAS (organização de coletivos pró-meio ambiente), economia solidária e criativa /educação econômica (Educação Financeira e Fiscal). Educação em Direitos Humanos As atividades voltadas à Educação em Direitos Humanos terão a finalidade de promover o respeito aos direitos e liberdades fundamentais, por meio da prevenção e enfrentamento ao preconceito, discriminação e violências. Deverá também incentivar o protagonismo dos estudantes no processo de fortalecimento de uma cultura de direitos humanos. História das Comunidades Tradicionais e Sustentabilidade 7

8 Valorização da cultura local e diversidade cultural, história oral, identidade e territorialidade dos povos indígenas brasileiros, das matrizes africanas no Brasil, história e cultura afro-brasileira e africana, consciência política e histórica da diversidade, fortalecimento de identidade e direitos, ações educativas de combate ao racismo e às discriminações, tendo como subsídio o Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) da Educação para as Relações Étnico- Raciais. Apoio às práticas que promovam a afirmação da história da comunidade por meio da história oral, além de ações afirmativas que promovam a identidade da comunidade pela cooperação, socialização e superação dos preconceitos pessoais e coletivos. Promoção da Saúde Exemplos Grupo de estudos e mobilização voltados ao enfrentamento de problemas de saúde regionais, tal como: dengue, zika e chikungunya, febre amarela, malária, hanseníase, doença falciforme. Agroecologia A atividade de agroecologia envolve ações de educação ambiental voltadas para a construção de valores sociais, conhecimentos e competências que promovam a sustentabilidade socioambiental e a qualidade de vida. Ela envolve, também, processos educativos baseados na agricultura familiar, no resgate da cultura tradicional local e na valorização da biodiversidade, princípios fundamentais para apoiar a escola na transição para a sustentabilidade. Iniciação científica A iniciação científica envolve a investigação e a construção do conhecimento e busca soluções dos problemas para os quais não existem respostas acabadas. Incentiva o desenvolvimento de capacidades entre estudantes da Educação Básica, orientando-os a encontrar as respostas por meio de pesquisa. O espaço em que estes estudantes se encontram assume fundamental importância, à medida que pode e deve ser utilizado como um laboratório vivo, conduzindo-os em direção à conscientização e a um compromisso mais abrangente sobre e com a vida. 8

9 É importante ressaltar que a escolha das oficinas esteja vinculada às características de cada comunidade, sendo o supervisor articulador um dos responsáveis por avaliar, junto à comunidade escolar, as demandas de cada comunidade. 5. Monitoramento do Programa Escola Aberta A equipe do órgão central da SEE-MG, junto com as SREs, irão acompanhar as atividades do Programa Escola Aberta sistematicamente. Em breve, enviaremos mais informações sobre a dinâmica de monitoramento do Programa. Orientamos que sejam feitos registros fotográficos, de vídeos e escritos para que a equipe de acompanhamento possa sistematizar as ações e propor melhorias para o desenvolvimento do Programa. Esperamos assim que o Programa Escola Aberta Minas Gerais contribua para a melhoria da qualidade da educação, o fortalecimento da escola e dos vínculos comunitários e consequentemente a transformação da sociedade. Augusta Aparecida Neves de Mendonça Subsecretaria de Desenvolvimento da Educação Básica Paulo Felipe Lopes de Carvalho Coordenação Programa Escola Aberta Minas Gerais As dúvidas e sugestões devem ser encaminhadas para o 9

10 ANEXO 1 PLANO DE ATENDIMENTO DAS ESCOLAS NOS FINAIS DE SEMANA PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016 SRE: Município: Escola: N de Alunos: Código da Escola: Dia de Funcionamento da Escola no Final de Semana: ( ) sábado ( ) domingo MACROCAMPO 4 NOME DA OFICINA DURAÇÃO DA OFICINA (N DE MESES) TEMPO DE DURAÇÃO DA OFICINA EM HORAS N DE PARTICIPANTES POR FINAL DE SEMANA Outras informações: 4 A escola deve contemplar no mínimo três macrocampos de acordo com o documento orientador do Programa Escola Aberta Minas Gerais. Devem ser oferecidas no mínimo 3 (três) e no máximo 5 (cinco) oficinas diferentes por escola. Este Plano de Atendimento, depois de discutido e aprovado pelo Colegiado Escolar deve ser preenchido também na versão on line no seguinte link: < 10

11 Local e Data: Aprovação do Colegiado Escolar:, de de Assinatura de membro da escola pertencente ao Colegiado Escolar Assinatura de membro da comunidade pertencente ao Colegiado Escolar Aprovação da Escola: Assinatura do Diretor Escolar Assinatura do Coordenador Comunitário do Programa Escola Aberta 11

12 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS PROGRAMA ESCOLA ABERTA MINAS GERAIS ANEXO 2 TERMO DE ADESÃO E COMPROMISSO DO VOLUNTÁRIO,,, Nome do(a) Voluntário(a) Nacionalidade) (Estado Civil) residente e domiciliado(a) à, (Endereço Completo) inscrito(a) do CPF n.º carteira de identidade nº, Órgão Expedidor UF:, pelo presente instrumento, formaliza adesão e compromisso em prestar, a contento, serviço voluntário, nos termos da Lei n 9.608, 18 de janeiro de 1988, que tem por objeto a coordenação ( ) execução de oficinas ( ), do/no Programa Escola Aberta Minas Gerais, ciente de que fará jus ao ressarcimento das despesas com transporte e alimentação decorrentes da prestação do referenciado serviço e que tal serviço não será remunerado e não gerará vínculo empregatício, nem obrigação de natureza trabalhista, previdenciária ou afim. /, de de. (Local/UF) e (Data) Assinatura do(a) Voluntário(a) 12

13 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS PROGRAMA ESCOLA ABERTA MINAS GERAIS ANEXO 3 RECIBO DE RESSARCIMENTO MENSAL DE DESPESAS COM TRANSPORTE E ALIMENTAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA Nome: CNPJ: Mês/Ano: Endereço: Município: UF: IDENTIFICAÇÃO DO VOLUNTÁRIO Nome: Coordenador Comunitário ( ) Oficineiro ( ) CPF: RG: Órgão Expedidor/UF: Telefone: Endereço: Município: UF: TRABALHO REALIZADO DATA HORÁRIO ATIVIDADE REALIZADA Recebi da Escola Estadual, a importância de R$,00 ( ), mediante o cheque nominal nº, do Banco, a título de ressarcimento de despesas com transporte e alimentação na realização de serviço voluntário referente a atividades necessárias para a execução das ações educativas e recreativas do Programa Escola Aberta Minas Gerais., de de Assinatura do Voluntário 13

14 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS PROGRAMA ESCOLA ABERTA MINAS GERAIS ANEXO 4 RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES REALIZADAS POR AGENTES VOLUNTÁRIOS EM ESCOLAS QUE FUNCIONAM NOS FINAIS DE SEMANA IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA Nome: CNPJ: Mês/Ano: Endereço: Município: UF: IDENTIFICAÇÃO DO VOLUNTÁRIO Nome: Coordenador Comunitário ( ) Oficineiro ( ) CPF: RG: Órgão Expedidor/UF: Telefone: Endereço: Município: UF: TRABALHO REALIZADO DATA HORÁRIO ATIVIDADE REALIZADA Valor do Ressarcimento recebido no mês: R$,00 ( ) 14

15 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS PROGRAMA ESCOLA ABERTA MINAS GERAIS Demais informações referentes ao desenvolvimento das oficinas no mês de /2016 5, de de 2016 Assinatura do Voluntário Assinatura e MASP do Diretor Escolar 5 Caso o espaço não seja suficiente para o lançamento das atividades realizadas, o agente voluntário poderá utilizar mais de uma folha anexa, a seguir, para esse fim. 15

O Jornal Escolar no Programa Mais Educação: adesão das escolas em 2013 1 Daniéli Hartmann ANTONELLO 2 Universidade Federal de Santa Maria, RS

O Jornal Escolar no Programa Mais Educação: adesão das escolas em 2013 1 Daniéli Hartmann ANTONELLO 2 Universidade Federal de Santa Maria, RS O Jornal Escolar no Programa Mais Educação: adesão das escolas em 2013 1 Daniéli Hartmann ANTONELLO 2 Universidade Federal de Santa Maria, RS Resumo Este artigo aborda o Macrocampo Comunicação e Uso de

Leia mais

ATIVIDADE. Educação Patrimonial 100 4.000,00 2.381,00

ATIVIDADE. Educação Patrimonial 100 4.000,00 2.381,00 REGISTRO #39 COD. INEP 28009894 NOME DA ESCOLA ESCOLA ESTADUAL JOAO DE MATTOS CARVALHO 2012 ALUNADO PARTICIPANTE 1 2 0 0 0 0 40 20 20 20 0 100 MACROCAMPO ATIVIDADE QUANTIDADE DE ALUNOS POR ATIVIDADE VALOR

Leia mais

Passo a Passo Mais Educação

Passo a Passo Mais Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Currículos e Educação Integral PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: ampliação de tempo, espaços e oportunidades educativas Matrizes Históricas Anísio

Leia mais

Manual de Desenvolvimento das Atividades

Manual de Desenvolvimento das Atividades Manual de Desenvolvimento das Atividades ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 1. Apresentação 2. Quais os objetivos do Mais Cultura nas Escolas? 3. Sobre os recursos: PDDE QUALIDADE/Mais Cultura nas Escolas 3.1. Como

Leia mais

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DINHEIRO DIRETO NA ESCOLA (PDDE) Funcionamento das Escolas nos Finais de Semana

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DINHEIRO DIRETO NA ESCOLA (PDDE) Funcionamento das Escolas nos Finais de Semana FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DINHEIRO DIRETO NA ESCOLA (PDDE) Funcionamento das Escolas nos Finais de Semana PLANO DE ATIVIDADES DA ESCOLA: INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ATENÇÃO:

Leia mais

PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: CONCEPÇÕES E A CONSTRUÇÃO DE SABERES DOS LICENCIANDOS EM MÚSICA NA CIDADE DE NATAL/RN

PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: CONCEPÇÕES E A CONSTRUÇÃO DE SABERES DOS LICENCIANDOS EM MÚSICA NA CIDADE DE NATAL/RN PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: CONCEPÇÕES E A CONSTRUÇÃO DE SABERES DOS LICENCIANDOS EM MÚSICA NA CIDADE DE NATAL/RN Gislene de Araújo Alves Universidade Federal do Rio Grande do Norte gislene_artes@hotmail.com

Leia mais

Secretaria de Estado de Educação ORIENTAÇÕES PARA ESCOLAS

Secretaria de Estado de Educação ORIENTAÇÕES PARA ESCOLAS Secretaria de Estado de Educação COORDENAÇÃO DAS AÇÕES DE EDUCAÇÃO INTEGRAL ORIENTAÇÕES PARA ESCOLAS IMPLANTAÇÃO DAS AÇÕES DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, POR MEIO DA DESCENTRALIZAÇÃO DE RECURSOS PRÓPRIOS DA SECRETARIA

Leia mais

Perguntas e Respostas Mais Cultura nas Escolas

Perguntas e Respostas Mais Cultura nas Escolas Perguntas e Respostas Mais Cultura nas Escolas O que é "Mais Cultura nas Escolas"? O PROGRAMA MAIS CULTURA NAS ESCOLAS consiste em iniciativa interministerial firmada entre os Ministérios da Cultura (MINC)

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO ALEGRE - AL A SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - SEMED

ESTADO DE ALAGOAS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO ALEGRE - AL A SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - SEMED ESTADO DE ALAGOAS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO ALEGRE - AL A SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - SEMED EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA MONITORES DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO ADESÃO 2014 A Secretaria Municipal de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Taubaté Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal de Taubaté Estado de São Paulo DECRETO Nº 13034, DE 05 DE JUNHO DE 2013. Torna obrigatória a implementação do Programa de Ensino Aluno em Tempo Integral nas escolas de Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino e dá outras providências

Leia mais

METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Meta 01. Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de 04 a 5 anos de idade e ampliar, a oferta de educação infantil em creches de forma a atender a 50% da população

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PORTARIA Nº. 035/2016/GS/SEDUC/MT

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PORTARIA Nº. 035/2016/GS/SEDUC/MT ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PORTARIA Nº. 035/2016/GS/SEDUC/MT Dispõe sobre os procedimentos do processo de IMPLANTAÇÃO DE EDUCAÇÃO INTEGRAL EM TEMPO INTEGRAL, para Educação Básica/MT.

Leia mais

Programa Escola Aberta

Programa Escola Aberta Programa Escola Aberta O Programa Escola Aberta foi criado a partir de um acordo de cooperação técnica entre Ministério da Educação e a Unesco, implantado em 2004. No Estado do Paraná tem seu início no

Leia mais

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 LEGENDA: EM VERMELHO O QUE INCLUÍMOS NO FÓRUM EJA / RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE VERDE PROPOSTA

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 928, DE 2011 (Do Sr. Paulo Wagner)

PROJETO DE LEI N.º 928, DE 2011 (Do Sr. Paulo Wagner) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 928, DE 2011 (Do Sr. Paulo Wagner) Dispõe sobre o Programa Escola Aberta nas escolas públicas urbanas de educação básica. DESPACHO: APENSE-SE À(AO) PL-7157/2010.

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

Anexo III ARTICULAÇÕES POSSÍVEIS

Anexo III ARTICULAÇÕES POSSÍVEIS QUADRO DE ARTICULAÇÃO DOS PROJETOS ESTRUTURANTES ENSINO FUNDAMENTAL PROJETOS ESTRUTURANTES ARTICULADOS ARTICULAÇÕES POSSÍVEIS OPERACIONALIZAÇÃO Gestão da Aprendizagem Escolar (GESTAR) + Programa Mais Educação

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. e Alexsandro da Silva. 1 Andréa Carla Agnes e Silva é dinamizadora do Programa "Escola Aberta", sob orientação de Telma Ferraz Leal

1. INTRODUÇÃO. e Alexsandro da Silva. 1 Andréa Carla Agnes e Silva é dinamizadora do Programa Escola Aberta, sob orientação de Telma Ferraz Leal TÍTULO: OFICINA DE LEITURA: UMA PROPOSTA DINÂMICA PARA FORMAÇÃO DE LEITORES AUTORA: Andréa Carla Agnes e Silva 1 INSTITUIÇÃO: Universidade Federal de Pernambuco Escola Aberta ÁREA TEMÁTICA: Educação 1.

Leia mais

II Chamada Pública de Projetos Comunitários No. 1/2016

II Chamada Pública de Projetos Comunitários No. 1/2016 II Chamada Pública de Projetos Comunitários No. 1/2016 A Tabôa Fortalecimento Comunitário é uma entidade sem fins lucrativos que fomenta o empreendedorismo e o fortalecimento das organizações de base comunitária.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Superintendência de Cultura e Comunicação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Superintendência de Cultura e Comunicação CHAMADA DE PROJETOS PARA O PLANO DE CULTURA DA UFES PREVISTO NO EDITAL MAIS CULTURA NAS UNIVERSIDADES A da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), em parceria com a Pró-Reitoria de Extensão, convida

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Edital de Chamada Pública nº 08/2016 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO São Mateus/ ES 2016 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA IFES CIDADANIA Nº 8/ 2016 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO O Instituto Federal

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2014 1.ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS CHA MODALIDADE 00-7157-02 DIDÁTICA 080

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2014 1.ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS CHA MODALIDADE 00-7157-02 DIDÁTICA 080 Curso: Graduação: Regime: EDUCAÇÃO FÍSICA MATRIZ CURRICULAR LICENCIATURA SERIADO ANUAL NOTURNO Duração: 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO =

Leia mais

CHAMADA DE INSCRIÇÕES E PREMIAÇÃO DE RELATOS: EXPERIÊNCIA DO TRABALHADOR NO COMBATE AO AEDES

CHAMADA DE INSCRIÇÕES E PREMIAÇÃO DE RELATOS: EXPERIÊNCIA DO TRABALHADOR NO COMBATE AO AEDES CHAMADA DE INSCRIÇÕES E PREMIAÇÃO DE RELATOS: EXPERIÊNCIA DO TRABALHADOR NO COMBATE AO AEDES CONTEXTUALIZAÇÃO O Ministério da Saúde e diversos parceiros têm apresentado esforços para envolver toda a população

Leia mais

2 Quando da seleção prevista no parágrafo anterior as respectivas Secretarias de Educação deverão observar os seguintes critérios:

2 Quando da seleção prevista no parágrafo anterior as respectivas Secretarias de Educação deverão observar os seguintes critérios: Resoluções Resolução/CD/FNDE nº 31, de 22 de julho de 2013 Dispõe sobre a destinação de recursos financeiros, nos moldes operacionais e regulamentares do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), às escolas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA Curitiba, 13 de março de 2015. Orientação referente aos Programas de Ampliação

Leia mais

Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos...

Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos... Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos... Gilberto Gil file:///c:/documents and Settings/normapaula/Meus documentos/norma

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO EDITAL DE EXTENSÃO PARA ATIVIDADES ARTÍSTICAS E CULTURAIS Nº 01/2014

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO EDITAL DE EXTENSÃO PARA ATIVIDADES ARTÍSTICAS E CULTURAIS Nº 01/2014 FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO EDITAL DE EXTENSÃO PARA ATIVIDADES ARTÍSTICAS E CULTURAIS Nº 01/2014 Regras Gerais do Edital de Extensão para Atividades Artísticas e Culturais Nº 01/2014:

Leia mais

EDITAL 001/2016 APRESENTAÇÃO. A Fundação Municipal de Educação (FME), considerando o

EDITAL 001/2016 APRESENTAÇÃO. A Fundação Municipal de Educação (FME), considerando o EDITAL 001/2016 EDITAL PARA APOIO A PROJETOS EDUCACIONAIS FORMULADOS POR UNIDADES E/OU PROFISSIONAIS DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, COM O OBJETIVO DE APRIMORAR A QUALIDADE DOS PROCESSOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Outubro de 2008 1 INTRODUÇÃO A Política de Desenvolvimento Social formaliza e orienta o compromisso da PUCRS com o desenvolvimento social. Coerente com os valores e princípios

Leia mais

Proposta de Projeto do Curso de Extensão: ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO BÁSICA CATARINENSE

Proposta de Projeto do Curso de Extensão: ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO BÁSICA CATARINENSE ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Educação Superior - DIES Rua Antônio Luz, 111 Centro Fpolis/SC CEP 88010-410 Proposta de Projeto do Curso de Extensão: ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Formulário 01 - Roteiro para Elaboração de Projeto de Extensão e Cultura

Formulário 01 - Roteiro para Elaboração de Projeto de Extensão e Cultura Formulário 01 - Roteiro para Elaboração de Projeto de Extensão e Cultura Título do projeto: IAMANA Coordenador do projeto: POLLYANA CARDOSO PEREIRA Colaboradores: GOVERNO FEDERAL-FUNARTE-MINISTERIO DA

Leia mais

Fórum Estadual de Educação PR Plano Nacional de Educação PNE 2011/2020

Fórum Estadual de Educação PR Plano Nacional de Educação PNE 2011/2020 Fórum Estadual de Educação PR Plano Nacional de Educação PNE 2011/2020 Sessão de Debate Regional Sudoeste, 01/07/2011 UTFPR Campus Pato Branco Região: Sudoeste Cidade: Pato Branco Data do debate: 01-07-2011

Leia mais

EDITAL 03 Perfil 3 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018

EDITAL 03 Perfil 3 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018 EDITAL 03 Perfil 3 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018 DESENVOLVIMENTO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA POR MEIO DA ESPECIALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE JUVENTUDE E DOS

Leia mais

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP Proposta: Propor mudanças nas leis que regem a publicação, desenvolvimento e divulgação dos testes no Brasil, de forma que se padronizem e ofereçam subsídios do alcance e limites dos testes. Proposta:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação)

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a inclusão digital, instalando computadores nas escolas públicas de ensino fundamental

Leia mais

Educação Integral Desafios para a implementação

Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral: uma demanda da sociedade Enfrentamento da desigualdade social: Garantia de direitos Ampliação das redes de proteção para crianças e adolescentes

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) / CORAÇÃO EUCARÍSTICO E-MEC Nº 2009 08671

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) / CORAÇÃO EUCARÍSTICO E-MEC Nº 2009 08671 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) / CORAÇÃO EUCARÍSTICO E-MEC Nº 2009 08671 01 PERFIL DOS CURSOS O conhecimento científico/tecnológico e as transformações econômicas, educacionais,

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

1.3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

1.3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA UCB PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX DIRETORIA DE PROGRAMA COMUNITÁRIOS - DPC EDITAL PROJETO RONDON UCB 01/2012 EDITAL PARA SELEÇÃO DE ESTUDANTES PARA PARTICIPAÇÃO NO PROJETO

Leia mais

TOR/SECAD/FNDE/MEC Nº 02 /2010

TOR/SECAD/FNDE/MEC Nº 02 /2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - TOR/SECAD/FNDE/MEC Nº 02 /2010 1. Número e Título do

Leia mais

PROJETO CIRANDA DAS ARTES

PROJETO CIRANDA DAS ARTES Prefeitura Municipal de Petrópolis Conselho Municipal de Cultura Fundação de Cultura e Turismo PROJETO CIRANDA DAS ARTES APRESENTAÇÃO A arte é uma forma de expressão produzida pelo homem para manifestar

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Amambai 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Interdisciplinar Obs.: Para proposta

Leia mais

CULTURA OBJETIVOS E METAS

CULTURA OBJETIVOS E METAS CULTURA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração das políticas públicas na área de cultura com a participação de mais entidades e partidos políticos, via projetos e via mobilização

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO 1 SUMÁRIO Lista de Anexos... 3 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... 5 3. DEFINIÇÕES... 5 4. OBJETIVOS... 6 5. PLANEJAMENTO E COMPETÊNCIAS...

Leia mais

Evento O evento teve início com a participação da artista e produtora cultural Tuka Villa- Lobos, que falou sobre a contribuição e a importância das

Evento O evento teve início com a participação da artista e produtora cultural Tuka Villa- Lobos, que falou sobre a contribuição e a importância das Projeto Soma A promoção da integração entre arte, cultura, educação e esporte é a ferramenta adotada pelo Projeto Soma para combater o bullying e o preconceito nas escolas públicas do Distrito Federal

Leia mais

Edital para Seleção de Trabalhos para o II Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação

Edital para Seleção de Trabalhos para o II Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Edital para Seleção de Trabalhos para o II Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado

Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado Organização Curricular e o ensino do currículo: um processo consensuado Andréa Pereira de Souza Gestora da Formação Permanente na Secretaria Municipal de Educação do município de Mogi das Cruzes. Cintia

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO PAULISTA

PREFEITURA MUNICIPAL DO PAULISTA ANEXO I QUADRO DE VAGAS I - PARA A SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE EMPREGO / FORMAÇÃO TOTAL DE VAGAS VAGAS RESERVADA S P / PCD ANALISTA AMBIENTAL FORMAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL 01 - ANALISTA AMBIENTAL FORMAÇÃO

Leia mais

UNIFAP: estabelecendo conexões reais entre a formação acadêmica e o mundo profissional. Macapá-AP, 2012

UNIFAP: estabelecendo conexões reais entre a formação acadêmica e o mundo profissional. Macapá-AP, 2012 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIVISÃO DE ACOMPANHAMENTO DE ESTÁGIO UNIFAP: estabelecendo conexões reais

Leia mais

PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO

PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO Este Projeto fundamenta-se na premissa que o gestor é o agente central responsável por gerir a instituição escolar,

Leia mais

MINUTA EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS EDITAL PIP N 01/2014 PROJETO RN SUSTENTÁVEL PROJETOS DE INOVAÇÃO PEDAGÓGICA (PIP)

MINUTA EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS EDITAL PIP N 01/2014 PROJETO RN SUSTENTÁVEL PROJETOS DE INOVAÇÃO PEDAGÓGICA (PIP) MINUTA EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS EDITAL PIP N 01/2014 PROJETO RN SUSTENTÁVEL PROJETOS DE INOVAÇÃO PEDAGÓGICA (PIP) O Projeto RN Sustentável, Acordo de Empréstimo (8276-BR) firmado entre o Governo do

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

Secretaria Nacional de Segurança Pública

Secretaria Nacional de Segurança Pública Secretaria Nacional de Segurança Pública Mulheres da Paz Conceito do Mulheres da Paz O Projeto MULHERESDAPAZ é uma iniciativa do Ministério da Justiça, instituída pela Lei n 11.530/2007 e pelo Decreto

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Grupo Atitude Vila Macedo

Mostra de Projetos 2011. Grupo Atitude Vila Macedo Mostra de Projetos 2011 Grupo Atitude Vila Macedo Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Centro de Referência

Leia mais

Diário Oficial 31 32 Diário Oficial Resolução SE 52, de 2-10-2014

Diário Oficial 31 32 Diário Oficial Resolução SE 52, de 2-10-2014 sexta-feira, 3 de outubro de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (187) 31 32 São Paulo, 124 (187) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sexta-feira, 3 de outubro de 2014 Resolução

Leia mais

PARTIDO DOS TRABALHADORES DIRETÓRIO ESTADUAL DO CEARÁ

PARTIDO DOS TRABALHADORES DIRETÓRIO ESTADUAL DO CEARÁ REUNIÃO DA EXECUTIVA ESTADUAL RESOLUÇÃO PT CEARÁ: DIRETRIZES PARA O MODO PETISTA DE GOVERNAR O CEARÁ Após 32 (trinta e dois) anos da primeira disputa ao governo do estado, com a candidatura do inesquecível

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

COMISSÃO DE COMUNICAÇÃO E MOBILIZAÇÃO EDITAL Nº 01/2015/CONNEPI.

COMISSÃO DE COMUNICAÇÃO E MOBILIZAÇÃO EDITAL Nº 01/2015/CONNEPI. COMISSÃO DE COMUNICAÇÃO E MOBILIZAÇÃO EDITAL Nº 01/2015/CONNEPI. PROCESSO SELETIVO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VOLUNTÁRIOS PARA O X CONGRESSO NORTE NORDESTE DE PESQUISA E INOVAÇÃO CONNEPI. A Comissão de

Leia mais

PROPOSTA DE INVESTIMENTO SOCIAL. Lei Federal de Incentivo ao Esporte FUNDAÇÃO GOL DE LETRA INSTITUTO EQUIPAV

PROPOSTA DE INVESTIMENTO SOCIAL. Lei Federal de Incentivo ao Esporte FUNDAÇÃO GOL DE LETRA INSTITUTO EQUIPAV 1 PROPOSTA DE INVESTIMENTO SOCIAL Lei Federal de Incentivo ao Esporte FUNDAÇÃO GOL DE LETRA & INSTITUTO EQUIPAV e 1 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL A Fundação Gol de Letra é uma organização sem fins lucrativos,

Leia mais

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA APRESENTAÇÃO DOS 04 (QUATRO) EIXOS A SEREM DISCUTIDOS NA CONFERÊNCIA EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Foco Nacional: Impactos da Emenda Constitucional

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO Ações de Inclusão Social e de Combate à Pobreza Modelo Próprio de Desenvolvimento Infra-estrutura para o Desenvolvimento Descentralizado Transparência na Gestão

Leia mais

Resultado Orçamentário e Financeiro do Exercício

Resultado Orçamentário e Financeiro do Exercício 4 Resultado Orçamentário e Financeiro do Exercício 4.1. Prática da Responsabilidade Social 4.2. Desempenho Administrativo 4.3. Desempenho Orçamentário e Financeiro 4.4. Fundo Patrimonial & Fundo de Contribuição

Leia mais

Expediente. Produção Técnica: Esta é uma publicação técnica da Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania do Município de Parnaíba.

Expediente. Produção Técnica: Esta é uma publicação técnica da Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania do Município de Parnaíba. CARTILHA do CRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PARNAÍBA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA - PSB SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E CIDADANIA Prefeitura Municipal de Parnaíba

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

2. PROPOSTAS - conforme modelo de projeto a ser seguido no ANEXO 2

2. PROPOSTAS - conforme modelo de projeto a ser seguido no ANEXO 2 Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada de Profissionais da Educação Básica da Universidade Federal de Santa Catarina COMFOR/UFSC Campus Prof. João David Ferreira Lima CEP 88040-900

Leia mais

Projeto: PEQUENOS OLHARES, GRANDES CAMINHOS

Projeto: PEQUENOS OLHARES, GRANDES CAMINHOS Projeto: PEQUENOS OLHARES, GRANDES CAMINHOS FLORIANÓPOLIS, 2014 1 Identificação: Nome: AEBAS ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Início das Atividades: 1955 CNPJ: 83.932.608/0001-81

Leia mais

ALEXANDRE MODESTO BRAUNE Educação Participativa: União, Transparência, Construção da Qualidade

ALEXANDRE MODESTO BRAUNE Educação Participativa: União, Transparência, Construção da Qualidade PLANO DE GESTÃO À CANDIDATURA AO CARGO DE DIRETOR-GERAL PRO-TEMPORE DO CAMPUS ARAGUAÍNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS. ALEXANDRE MODESTO BRAUNE Educação Participativa:

Leia mais

1ª SELEÇÃO DE ALUNOS PARA PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE INCLUSÃO SÓCIO-DIGITAL 2015

1ª SELEÇÃO DE ALUNOS PARA PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE INCLUSÃO SÓCIO-DIGITAL 2015 1ª SELEÇÃO DE ALUNOS PARA PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA DE INCLUSÃO SÓCIO-DIGITAL 2015 O INSTITUTO DE CULTURA, ARTE, CIÊNCIA E ESPORTES- INSTITUTO CUCA, entidade privada, sem fins lucrativos, qualificada

Leia mais

Secretaria Municipal de Integração Social e Defesa do Consumidor SUPERINTENDÊNCIA DE JUVENTUDE

Secretaria Municipal de Integração Social e Defesa do Consumidor SUPERINTENDÊNCIA DE JUVENTUDE EDITAL 002/2016 DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS NO PROJETO DE INSERÇÃO SOCIAL PALMAS QUE TE ACOLHE, A Prefeitura Municipal de Palmas, por meio da Secretaria Municipal de Integração

Leia mais

Resolução 128/Reitoria/Univates Lajeado, 28 de setembro de 2012

Resolução 128/Reitoria/Univates Lajeado, 28 de setembro de 2012 Resolução 128/Reitoria/Univates Lajeado, 28 de setembro de 2012 Reedita a Resolução 085/Reitoria/Univates, de 03/07/2008, que aprova o Regulamento dos Estágios Obrigatórios dos cursos de graduação e sequenciais

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA

PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA Introdução O Plano Setorial da Superintendência da Leitura e do Conhecimento do Estado do Rio de Janeiro é fruto

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

1. Que os Estados partes fortaleçam o Instituto de Políticas Públicas de Direitos

1. Que os Estados partes fortaleçam o Instituto de Políticas Públicas de Direitos 20 Propostas para oaprofundamento da Democracia e da Participação Social no MERCOSUL Preâmbulo Nós, os movimentos e organizações da sociedade civil do MERCOSUL reunidos em Brasília, de 4 a 6 de dezembro

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE

PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE NOTA TÉCNICA 16/2011 PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE Brasília, 23 de maio de 2011. PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE 1. INTRODUÇÃO: O Programa Academia da Saúde foi instituído no âmbito do Sistema Único de Saúde através

Leia mais

MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA DA FESAR

MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA DA FESAR MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA DA FESAR Elaborado por: Georgia Miranda Tomich Coordenadora de Pesquisa e Extensão da FESAR Redenção 2014 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 JUSTIFICATIVA...3 PROGRAMA DE MONITORIA...4

Leia mais

Projeto Artesanato, Recreação, Informática PROJARI Vidas a serviço da vida

Projeto Artesanato, Recreação, Informática PROJARI Vidas a serviço da vida Projeto Artesanato, Recreação, Informática PROJARI Vidas a serviço da vida 1 Dados Institucionais Nome: Associação Beneficente São José CNPJ: 87.093.605/0008-29 Endereço: Av. João Salazar 250- Bom Fim

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÂO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÂO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÂO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) N.º e Título do Projeto OEI/BRA

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado

CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado CATÁLOGO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Educação Física - Área de Saúde e Qualidade de Vida - Bacharelado Nome da Mantida: Centro Universitário de Rio Preto

Leia mais

GOVERNO MUNICIPAL FARIAS BRITO AINDA MELHOR ASSISTÊNCIA SOCIAL

GOVERNO MUNICIPAL FARIAS BRITO AINDA MELHOR ASSISTÊNCIA SOCIAL EDITAL Nº 001/2016 A Secretaria Municipal de Assistência Social, no uso das atribuições, torna público o presente Edital, que estabelece instruções destinadas à realização deste Processo Seletivo Simplificado

Leia mais

4º DESAFIO NACIONAL DA REDE PROJETO PESCAR CONCURSO CULTURAL DE DOCUMENTÁRIOS 2014

4º DESAFIO NACIONAL DA REDE PROJETO PESCAR CONCURSO CULTURAL DE DOCUMENTÁRIOS 2014 CONCURSO CULTURAL DE DOCUMENTÁRIOS REGULAMENTO O DESAFIO! O Desafio Nacional Pescar nasceu da vontade de compartilhar com a Rede Pescar práticas inovadoras e criativas que, por vezes, ficavam restritas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº. 02/2015 PETI/SAS AÇÕES ESTRATÉGICAS DO PETI

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº. 02/2015 PETI/SAS AÇÕES ESTRATÉGICAS DO PETI EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº. 02/2015 PETI/SAS AÇÕES ESTRATÉGICAS DO PETI A Prefeitura Municipal e a Secretaria Municipal de Assistência Social de Iguatu, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO MACAPÁ-AP JULHO DE 2014 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 2 DIRETRIZES 3 PRINCÍPIOS 4 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

EDITAL 001/2014 CHAMADA PÚBLICA PARA CONTRATAÇÃO DE PROFISSIONAIS POR MEIO DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

EDITAL 001/2014 CHAMADA PÚBLICA PARA CONTRATAÇÃO DE PROFISSIONAIS POR MEIO DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 001/2014 CHAMADA PÚBLICA PARA CONTRATAÇÃO DE PROFISSIONAIS POR MEIO DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO O Centro de Articulação de Populações Marginalizadas - CEAP, em atendimento ao disposto no Convênio

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Pró-reitoria de Pesquisa, Extensão, Pós-graduação e Cultura Assessoria de Extensão PROGRAMA DE EXTENSÃO

Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Pró-reitoria de Pesquisa, Extensão, Pós-graduação e Cultura Assessoria de Extensão PROGRAMA DE EXTENSÃO Universidade Presidente Antônio Carlos UNIPAC Pró-reitoria de Pesquisa, Extensão, Pós-graduação e Cultura Assessoria de Extensão PROGRAMA DE EXTENSÃO EDITAL 01/2010 O Pró-reitor de Pesquisa, Extensão,

Leia mais

PORTARIA SMED N 073/2012. Dispõe sobre a transferência e utilização de recursos financeirosàs Caixas Escolares da Rede Municipal de Educação.

PORTARIA SMED N 073/2012. Dispõe sobre a transferência e utilização de recursos financeirosàs Caixas Escolares da Rede Municipal de Educação. PORTARIA SMED N 073/2012 Dispõe sobre a transferência e utilização de recursos financeirosàs Caixas Escolares da Rede Municipal de Educação A Secretária Municipal de Educação, no uso de suas atribuições

Leia mais

NORMAS DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO

NORMAS DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS ANEXO À DELIBERAÇÃO Nº 125, DE 06 DE JULHO DE 2006. NORMAS DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO

Leia mais

MANUAL PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PROGRAMA DINHEIRO DIRETO NA ESCOLA PDDE

MANUAL PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PROGRAMA DINHEIRO DIRETO NA ESCOLA PDDE ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Diretoria de Educação Básica - DIEB Gerência de Administração Escolar - GEADE Programa Dinheiro Direto na Escola - PDDE Rua Antônio Luz, 111-5º

Leia mais

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 INTRODUÇÃO A Fundação Tide Setubal nasce em 2005 para ressignificar e inovar o trabalho pioneiro

Leia mais

EDITAL N 01/2014/PPO/UFV SELEÇÃO DE PROJETOS PARA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA REFERENTE À AÇÃO 20RJ DO MEC

EDITAL N 01/2014/PPO/UFV SELEÇÃO DE PROJETOS PARA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA REFERENTE À AÇÃO 20RJ DO MEC EDITAL N 01/2014/PPO/UFV SELEÇÃO DE PROJETOS PARA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA REFERENTE À AÇÃO 20RJ DO MEC O Presidente do Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada

Leia mais

Incentivar a comunidade escolar a construir o Projeto político Pedagógico das escolas em todos os níveis e modalidades de ensino, adequando o

Incentivar a comunidade escolar a construir o Projeto político Pedagógico das escolas em todos os níveis e modalidades de ensino, adequando o SELO DE EDUCAÇÃO PARA IGUALDADE RACIAL ANEXO 1: METAS NORTEADORAS DO PLANO NACIONAL DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E PARA O ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UEPI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO. Chamada Pública nº 01, de 27 de janeiro de 2016

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UEPI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO. Chamada Pública nº 01, de 27 de janeiro de 2016 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UEPI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO Chamada Pública nº 01, de 27 de janeiro de 2016 Processo Seletivo para Apoio Técnico, Acadêmico e Operacional

Leia mais

PROJETO PONTO DE CULTURA FAZENDO ARTE 1

PROJETO PONTO DE CULTURA FAZENDO ARTE 1 PROJETO PONTO DE CULTURA FAZENDO ARTE 1 MENDONÇA, Marcelo Rodrigues OLIVEIRA, João Manoel Borges RESUMO: O Ponto de Cultura Fazendo Arte é uma ação da Associação dos Moradores do Bairro Santa Terezinha

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia UNEB

Universidade do Estado da Bahia UNEB Universidade do Estado da Bahia UNEB EDITAL Nº 001/2015 O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE tornar público, para conhecimento dos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO 18/12/2014 09:53:13 Ato: Resolução 4/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 4, DE 31 DE MARÇO DE 2014 Dispõe sobre a destinação de recursos financeiros,

Leia mais

Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS?

Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS? Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS? DOCUMENTO DESCRIÇÃO DO DOCUMENTO SOLICTADO Requerimento assinado pelo O modelo do requerimento pode ser obtido no anexo I desta relação representante

Leia mais

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013 META NACIONAL 11 - Educação Profissional- Triplicar as matrículas da Educação Profissional Técnica de nível médio, assegurando a qualidade da oferta e pelo menos 50% da expansão no segmento público. Contexto

Leia mais