Artigo publicado na edição impressa de VEJA. Publicado originalmente em 5 de junho de 2012.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Artigo publicado na edição impressa de VEJA. Publicado originalmente em 5 de junho de 2012."

Transcrição

1 LINGUA PORTUGUESA (10 Questões) DEGRAUS DA ILUSÃO Lya Luft Fala-se muito na ascensão das classes menos favorecidas, formando uma nova classe média, realizada por degraus que levam a outro patamar social e econômico (cultural, não ouço falar). Em teoria, seria um grande passo para reduzir a catastrófica desigualdade que aqui reina. Porém receio que, do modo como está se realizando, seja uma ilusão que pode acabar em sérios problemas para quem mereceria coisa melhor. Todos desejam uma vida digna para os despossuídos, boa escolaridade para os iletrados, serviços públicos ótimos para a população inteira, isto é, educação, saúde, transporte, energia elétrica, segurança, água, e tudo de que precisam cidadãos decentes. Porém, o que vejo são multidões consumindo, estimuladas a consumir como se isso constituísse um bem em si e promovesse real crescimento do país. Compramos com os juros mais altos do mundo, pagamos os impostos mais altos do mundo e temos os serviços (saúde, comunicação, energia, transportes e outros) entre os piores do mundo. Mas palavras de ordem nos impelem a comprar, autoridades nos pedem para consumir, somos convocados a adquirir o supérfluo, até o danoso, como botar mais carros em nossas ruas atravancadas ou em nossas péssimas estradas. Além disso, a inadimplência cresce de maneira preocupante, levando famílias que compraram seu carrinho a não ter como pagar a gasolina para tirar seu novo tesouro do pátio no fim de semana. Tesouro esse que logo vão perder, pois há meses não conseguem pagar as prestações, que ainda se estendem por anos. Estamos enforcados em dívidas impagáveis, mas nos convidam a gastar ainda mais, de maneira impiedosa, até cruel. Em lugar de instruírem, esclarecerem, formarem uma opinião sensata e positiva, tomam novas medidas para que esse consumo insensato continue crescendo e, como somos alienados e pouco informados, tocamos a comprar. Sou de uma classe média em que a gente crescia com quatro ensinamentos básicos: ter seu diploma, ter sua casinha, ter sua poupança e trabalhar firme para manter e, quem sabe, expandir isso. Para garantir uma velhice independente de ajuda de filhos ou de estranhos; para deixar aos filhos algo com que pudessem começar a própria vida com dignidade. Tais ensinamentos parecem abolidos, ultrapassadas a prudência e a cautela, pouco estimulados o desejo de crescimento firme e a construção de uma vida mais segura. Pois tudo é uma construção: a vida pessoal, a profissão, os ganhos, as relações de amor e amizade, a família, a velhice (naturalmente tudo isso sujeito a fatalidades como doença e outras, que ninguém controla). Mas, mesmo em tempos de fatalidade, ter um pouco de economia, ter uma casinha, ter um diploma, ter objetivos certamente ajuda a enfrentar seja o que for. Podemos ser derrotados, mas não estaremos jogados na cova dos leões do destino, totalmente desarmados. Prova CONTADOR Página 1

2 Somos uma sociedade alçada na maré do consumo compulsivo, interessada em aproveitar a vida, seja o que isso for, e em adquirir mais e mais coisas, mesmo que inúteis, quando deveríamos estar cuidando, com muito afinco e seriedade, de melhores escolas e universidades, tecnologia mais avançada, transportes muito mais eficientes, saúde excelente, e verdadeiro crescimento do país. Mas corremos atrás de tanta conversa vã, não protegidos, mas embaixo de peneiras com grandes furos, que só um cego ou um grande tolo não vê. A mais forte raiz de tantos dos nossos males é a falta de informação e orientação, isto é, de educação. E o melhor remédio é investir fortemente, abundantemente, decididamente, em educação: impossível repetir isso em demasia. Mas não vejo isso como nossa prioridade. Fosse o contrário, estaríamos atentos aos nossos gastos e aquisições, mais interessados num crescimento real e sensato do que em itens desnecessários em tempos de crise. Isso não é subir de classe social: é saracotear diante de uma perigosa ladeira. Não tenho ilusão de que algo mude, mas deixo aqui meu quase solitário (e antiquado) protesto. Artigo publicado na edição impressa de VEJA. Publicado originalmente em 5 de junho de NAS QUESTÕES DE 01 A 15, ASSINALE APENAS UMA ALTERNATIVA PARA CADA QUESTÃO 1) Degraus da ilusão, título que a autora dá ao texto, refere-se à(o(s)): a) Consumo crescente e compulsivo do brasileiro. b) Inadimplência crescente e preocupante. c) Altos impostos cobrados dos despossuídos. d) Falsa ascensão social e econômica das classes menos favorecidas. e) Nossos gastos e aquisições típicos de uma nova classe média. 2) De acordo com o texto, a desigualdade social que há no Brasil pode diminuir se houver: a) maiores investimentos na educação. b) maior atenção aos nossos gastos e aquisições. c) menos inadimplência. d) mais atenção às classes menos favorecidas. e) constantes protestos por parte dos brasileiros. 3) Ao final do penúltimo parágrafo, a autora argumenta:...mas não vejo isso como nossa prioridade. A que termo isso se refere? 4) A vírgula, entre outras aplicações, também é usada para introduzir uma oração com o raciocínio contrário ao expresso anteriormente. Assinale a única alternativa cuja oração, precedida pela vírgula, não traduz exatamente isso. a)...não tenho ilusão de que algo mude, mas deixo aqui meu quase solitário (e antiquado) protesto. b) Fosse o contrário, estaríamos atentos aos nossos gastos e aquisições, mais interessados num crescimento real e sensato do que em itens desnecessários em tempos de crise... c)...estamos enforcados em dívidas impagáveis, mas nos convidam a gastar ainda mais... d)...podemos ser derrotados, mas não estaremos jogados na cova dos leões do destino, totalmente desarmados. e)...mas corremos atrás de tanta conversa vã, não protegidos, mas embaixo de peneiras com grandes furos,... a)...males... b)...falta de informação... c)...orientação... d)...prioridade... e)...educação... Prova CONTADOR Página 2

3 5) Assinale a alternativa em que todas as palavras foram acentuadas pela mesma razão. a) média sérios catastrófica inúteis - remédio b) econômico instruírem - ótimos elétrica - péssimas c) porém além atrás vã - vê d) está maré atrás contrário - solitário e) saúde país constituísse instruírem despossuídos 6) No trecho...isso não é subir de classe social: é saracotear diante de uma perigosa ladeira... os dois pontos estabelecem a coesão e a coerência necessárias ao entendimento do trecho. Ao se reescrever a sentença, assinale aquela que não foge ao padrão culto da língua. a)...isso não é subir de classe social e nem é saracotear diante de uma perigosa ladeira... b)...isso não é subir de classe social, porque é saracotear diante de uma perigosa ladeira... c)...isso não é subir de classe social, embora seja saracotear diante de uma perigosa ladeira... d)...isso não é subir de classe social, mas também é saracotear diante de uma perigosa ladeira... e)...isso não é subir de classe social, mas saracotear diante de uma perigosa ladeira... 8) Leia o 6º parágrafo do texto para responder esta questão:...sou de uma classe média em que a gente crescia com quatro ensinamentos básicos: ter seu diploma, ter sua casinha, ter sua poupança e trabalhar firme para manter e, quem sabe, expandir isso. Para garantir uma velhice independente de ajuda de filhos ou de estranhos; para deixar aos filhos algo com que pudessem começar a própria vida com dignidade... Agora, assinale a alternativa correta sobre o trecho: a) a gente no trecho é utilizado como sinônimo de nós e como tal pode ser aplicado em qualquer contexto em que a linguagem seja culta; b) casinha foi utilizada com o sentido de diminuta. c) A oração Para garantir uma velhice independente de ajuda de filhos ou de estranhos também poderia ser iniciada por outro conector comparativo. d) No trecho, casinha e a gente são expressões coloquiais da linguagem. e) Os dois pontos utilizados na segunda linha do trecho precedem um adjunto adnominal. 7) Nem sempre o sujeito aparece expresso na oração. Uma das alternativas abaixo, além de apresentar essa condição, impossibilita que esse termo da oração seja identificado. Assinale-a: a) Fala-se muito na ascensão das classes menos favorecidas... b)...todos desejam uma vida digna para os despossuídos... c)...compramos com os juros mais altos do mundo... d)...estamos enforcados em dívidas impagáveis,... e)...a gente crescia com quatro ensinamentos básicos... Prova CONTADOR Página 3 9) Considerando o texto, julgue os itens abaixo e assinale a alternativa correta: a)...degraus que levam a outro patamar social e econômico... patamar pode ser substituído por dilema; b)...seria um grande passo para reduzir a catastrófica desigualdade... o adjetivo em destaque deriva de catástrofe e pode ser substituído pelo termo sem solução, anteposto ao substantivo ao qual se refere. c)...mas palavras de ordem nos impelem a comprar, autoridades nos pedem para consumir, somos convocados a adquirir o supérfluo... o verbo impelir no texto tem sentido de impulsionar. d) No texto a expressão alçada na maré que aparece no início do antepenúltimo parágrafo, é marca da linguagem culta. e) Em...Mas, mesmo em Tempos tempos de fatalidade, ter um pouco de economia... o termo em relevo poderia ser substituído pelo sinônimo tempos de abundância.

4 10) Em relação à sintaxe, analise o segmento a seguir e assinale a alternativa em que se faz corretamente a análise....fosse o contrário, estaríamos atentos aos nossos gastos e aquisições, mais interessados num crescimento real e sensato do que em itens desnecessários em tempos de crise. Isso não é subir de classe social: é saracotear diante de uma perigosa ladeira. Não tenho ilusão de que algo mude, mas deixo a) No trecho a expressão...aos nossos gastos e aquisições... tem função de objeto direto. b) O pronome possessivo...isso... aqui assume a função de sujeito indeterminado. c)... tenho... é forma flexionada de verbo auxiliar com função de verbo transitivo indireto. d) No trecho, se em vez de...nossos gastos e aquisições... tivéssemos dívidas e aquisições, ocorreria o fenômeno da crase diante deste complemento nominal. e)... de que algo mude... é uma oração com função de objeto indireto. 11) Considere que você está digitando um grande parágrafo de um texto utilizando o editor Microsoft Word Seu teclado é padrão ABNT 2 e possui cada uma de suas teclas de função (F1 a F12) acionáveis sem necessidade de qualquer combinação com outra. Ao concluir, percebe que o mesmo está inteiramente digitado em fontes maiúsculas. Usando as funcionalidades de atalho, escolha entre as sequências abaixo a alternativa correta para transformar inteiramente as fontes do referido parágrafo em minúsculas. a) Selecione o parágrafo inteiramente, mantenha pressionada a tecla SHIFT e pressione F3 duas vezes; b) Selecione a primeira letra do parágrafo, mantenha pressionada a tecla SHIFT e pressione F3 uma vez; c) Selecione o parágrafo inteiramente, mantenha pressionada a tecla SHIFT e pressione F3 uma vez; d) Selecione a primeira letra do parágrafo, mantenha pressionada a tecla SHIFT e pressione F3 duas vezes; e) Selecione o parágrafo inteiramente, mantenha pressionada a tecla CTRL e pressione F1 duas vezes; 12) Utilizando o Microsoft Excel, de qualquer versão igual ou posterior a versão 2003, responda qual das alternativas produziria o resultado APROVADO na célula E1 considerando que as células A1,B1,C1 e D1 contem respectivamente os valores 9,5,6 e 8 a) =SE(MÉDIA(A1:D1)>=8;"APROVADO";"REPROVADO") b) =SE(MÉDIA(A1:D1)<7;"APROVADO";"REPROVADO") c) =SE(MÉDIA(A1:D1)>=7;"APROVADO";"REPROVADO") d) =SE(MÉDIA(A1:D1)>=7;"REPROVADO";"APROVADO") e) =SE(MÉDIA(A1:D1)>=6;"REPROVADO";"APROVADO") INFORMÁTICA BÁSICA (5 Questões) 13) Dentre as seguintes afirmações: 1. O Marco Civil brasileiro é um conjunto de normas exclusivas para defesa do consumidor nas compras pela internet. 2. A Computação em Nuvem mantém sistemas e bancos de dados operados e armazenados em datacenters espalhados pelo mundo todo, com acesso realizado principalmente através de navegadores web. 3. Um número IP é composto de 4 sequencias numéricas que vão de 0 a 999 cada. 4. As Redes Sociais são um exemplo de computação em nuvem bastante presente em nossas vidas. 5. Leitura de Smartcard é um exemplo de captura biométrica. Marque a alternativa correta: a) Somente as afirmações 1,3 e 5 estão corretas b) Somente as afirmações 2 e 4 estão corretas c) Somente as afirmações 1,2 e 5 estão corretas d) Somente as afirmações 1,4 e 5 estão corretas e) Somente as afirmações 1,3 e 4 estão corretas 14) Dentre as seguintes afirmações: 1. Usuários de serviços de webmail tendem a ser alvo mais comum de spam por causa de sua grande base de clientes. 2. A principal vantagem no uso do webmail é a de que você pode acessar e usá-lo a partir de qualquer computador com conexão irrestrita à Internet. 3. Com o advento da Banda Larga para acesso rápido à internet, as conexões realizadas por meio de um modem analógico e uma linha da rede de telefonia fixa caíram em desuso. 4. Para uso pleno de webmail em seu navegador, sempre será necessária a instalação de pesados programas de setup. 5. Browser é uma outra denominação para o termo Navegador, usado para navegação nas páginas da web. Prova CONTADOR Página 4

5 (Con nuação da questão 14) Marque a alternativa correta: a) As afirmações 1,2,3,4 e 5 estão corretas b) Somente as afirmações 1,2,3 e 4 estão corretas c) Somente as afirmações 2,3,4 e 5 estão corretas d) Somente as afirmações 2,3 e 4 estão corretas e) Somente as afirmações 1,2,3 e 5 estão corretas 15) Como melhor se define uma Autoridade Certificadora? a) Entidade pessoa jurídica que administra acessos via biometria. b) Entidade pessoa jurídica que autoriza lançamentos de débitos em cartão de crédito. c) Entidade pessoa jurídica responsável por emitir e gerenciar certificados digitais. d) Entidade pessoa jurídica que determina IP s autorizados ao uso de Internet Banking. e) Nenhuma das alternativas acima define uma Autoridade Certificadora. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - Contabilidade (25 Questões) 16) A Empresa Comercial da Amazônia Ltda, ao iniciar suas atividades e passar a ser conhecida no mercado, vendeu mercadorias a prazo por R$ ,00. Estas mercadorias custaram para a referida empresa o valor de R$ ,00. Este fato contábil é do tipo: 19) Qual o Princípio Fundamental de Contabilidade ou Pressuposto Básico que orienta, no caso de existir necessidade de reduzir materialmente a escala das operações da empresa, as demonstrações contábeis deverão ser preparadas numa base diferente da que normalmente são elaboradas: a) Permutativo b) Misto aumentativo c) Modificativo d) Misto diminutivo e) Permutativo diminutivo 17) O Banco Econômico do Norte S/A possuía ativos no valor de R$ ,00 e passivos no valor de R$ ,00. O Capital Próprio era negativo. Qual das situações abaixo demonstra a situação patrimonial da referida instituição financeira? a) De equilíbrio b) Superavitária c) Deficitária d) Margem Negativa e) Prejuízo Operacional 18) Em relação à Contabilidade, prover aos usuários em geral com o máximo possível de informação sobre o patrimônio de uma entidade e suas mutações é: a) Objeto b) Finalidade c) Função d) Objetivo e) Campo de aplicação a) Competência b) Continuidade c) Realização d) Custo como Base de Valor e) Denominador Comum Monetário 20) A empresa apresenta Capital Próprio positivo, possui $20.000,00 em caixa; R$ ,00 em estoque; R$ ,00 em contas a receber. Deve para fornecedores o valor de R$ ,00 e deve ainda R$ ,00 de impostos. O Capital Social integralizado é de R$ ,00. Com base nesta configuração patrimonial é possível afirmar: a) A empresa não possui lucro nem prejuízo b) O Prejuízo Acumulado é de R$ ,00 c) O Lucro Acumulado é de R$ ,00 d) O Prejuízo Acumulado é de R$ ,00 e) O Lucro Acumulado é de R$ ,00 21) A empresa varejista de Confecções da Amazônia Ltda., no início do ano X1 possuía estoque inicial de mercadorias no valor de R$ ,00. Durante X1comprou R$ ,00 de mercadorias. No final do ano de X1 a referida empresa elaborou inventário e acusou o estoque no valor de R$ ,00. Qual o valor do Custo das Mercadorias Vendidas? a) R$ ,00 b) R$ ,00 c) R$ ,00 d) R$ ,00 e) R$ ,00 Prova CONTADOR Página 5

6 22) A empresa comprou um veículo no valor de R$ ,00. Pagou 60% a vista e o restante pagará 60 dias após a data da compra. Este fato contábil é possível registrá-lo por meio de único lançamento contábil de: a) 1ª Fórmula b) 2ª Fórmula c) 3ª Fórmula d) 4ª Fórmula e) 5º Fórmula 23) Os gastos incorridos na fase de desenvolvimento de um intangível podem ser reconhecidos como ativo se alguns aspectos forem atendidos. Dentre os aspectos abaixo, assinale o que não possibilita, inviabiliza ou é desnecessário para contabilização destes gastos como ativo-intangível: a) Não existe necessidade de a entidade demonstrar a existência de mercado para os produtos do ativo intangível ou, caso este se destine a uso interno, sua utilidade. b) Capacidade de mensurar com segurança os gastos atribuíveis ao ativo intangível durante seu desenvolvimento. c) Capacidade para usar ou vender o ativo intangível. d) Disponibilidade de recursos técnicos, financeiros e outros recursos adequados para concluir seu desenvolvimento e usar ou vender o ativo intangível. e) Viabilidade técnica para concluir o ativo intangível de forma que ele seja disponibilizado para uso ou venda. 24) Entre as alternativas abaixo marque a que permite que a frase tenha sentido correto. As demonstrações contábeis preparadas pelo regime de...informam aos usuários não somente sobre as transações passadas envolvendo o pagamento e recebimento de caixa ou outros recursos financeiros, mas também sobre obrigações de pagamento no futuro e sobre recursos que serão recebidos no futuro. a) Competência b) Caixa c) Misto d) Continuidade e) Entidade 25) Em relação às características do ATIVO assinale a que não corresponde a estas: a) Potencial de contribuir, direta ou indiretamente, para o fluxo de caixa ou equivalentes de caixa para a entidade. b) A entidade geralmente usa seus ativos na produção de mercadorias ou prestação de serviços capazes de satisfazer os desejos e necessidades dos clientes. c) O direito de propriedade é essencial para determinar a existência de um ativo. d) Transações ou eventos previstos para ocorrer no futuro não podem resultar, por si mesmos, no reconhecimento de ativos. e) A substância física, por si só, não é essencial para caracterizar a existência de um ativo. 26) Dentre as reservas abaixo assinale a que não é Reserva de Lucro : a) Estatutária b) Incentivos Fiscais c) Contingências d) Dividendo obrigatório não distribuído e) Ágio na emissão de ações 27) Na Demonstração dos Fluxos de Caixa, a obtenção de recursos dos proprietários e o pagamento a estes de retorno sobre seus investimentos ou do próprio reembolso do investimento é classificada como atividade: a) Operacional b) Investimento c) Financiamento d) Mista e) Não Circulante 28) A indicação dos principais critérios de avaliação dos elementos patrimoniais, especialmente estoques, além dos cálculos da depreciação, amortização e exaustão deverá está contida: a) No Balanço Patrimonial b) Na Demonstração dos Fluxos de Caixa c) Na Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados d) Em Notas Explicativas e) Na Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido Prova CONTADOR Página 6

7 29) Na maioria dos países de regime democrático, inclusive o Brasil, o Orçamento Público reflete corresponsabilidade entre os poderes e possui fases distintas. Assinale abaixo a fase que não está voltada ao processo orçamentário: a) Elaboração da proposta feita no âmbito do Poder Executivo b) Apreciação e votação pelo Legislativo. No caso do Governo Federal, o Congresso Nacional c) A sua execução d) O controle, alicerçado no acompanhamento e avaliação da execução. e) Relatório com análise expressa sobre as variações entre os recursos orçados e os realizados. 30) Na elaboração e controle dos Orçamentos Públicos existem princípios básicos que devem ser seguidos. No caso do Brasil, assinale o instrumento jurídico que não versa sobre esses Princípios: a) Constituição Federal b) Lei 4.320/64 c) Plano Plurianual d) Lei das Sociedades Anônimas e) Lei de Diretrizes Orçamentárias 31) Entre as alternativas abaixo marque a que completa e permite que a frase tenha sentido correto. está previsto no artigo 165 da Constituição Federal, e regulamentado pelo Decreto 2.829, de 29 de outubro de 1998 é um plano de médio prazo e deverá ser elaborado no primeiro ano do governo e encaminhado até 31 de agosto e deverá contemplar as ações governamentais, desdobradas em programas e metas. a) Plano Plurianual b) Lei de Diretrizes Orçamentárias c) Lei Orçamentária Anual d) Lei de Responsabilidade Fiscal e) Orçamento Privado 32) Entre as alternativas abaixo marque a que completa e permite que a frase tenha sentido correto. A Constituição determina que o Orçamento deva ser votado e aprovado até o final de cada legislatura. Depois de aprovado, o projeto é sancionado e publicado pelo Presidente da República, transformando-se no (na) a) Plano Plurianual b) Lei de Responsabilidade Fiscal c) Lei Orçamentária Anual d) Orçamento Privado e) Lei de Diretrizes Orçamentárias Prova CONTADOR Página 7 33) A Receita Pública é o valor em dinheiro administrado pelo Tesouro Nacional usado para pagar as despesas e investimentos públicos. Qual a denominação ou classificação da Receita Corrente que tem como origem o uso econômico do patrimônio público como juros e dividendos: a) Tributária b) Contribuições c) Serviços d) Transferências Correntes e) Patrimonial 34) A Despesa Pública é operacionalizada por meio do conjunto de ações feitas pelos órgãos públicos para pagar serviços do governo feitos para os cidadãos e recursos utilizados para investimentos. A Despesa Pública orçamentária possui fases. Como é denominada a fase que busca verificar se os valores estão correspondendo aos documentos e se o setor correspondente atesta a execução da despesa. a) Liquidação b) Pagamento c) Empenho d) Licitação e) Programação 35) A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) Lei Complementar nº 101 entrou em vigor em 4 de maio de Esta lei prevê um mecanismo de maior controle nas contas públicas. A LRF define os limites mínimos de gastos com Educação e Saúde e o limite máximo de gasto com pessoal. Quanto a esses limites é correto afirmar: a) O município deverá destinar à Educação, não menos que 35% de sua arrecadação. b) Já na Saúde, a porcentagem mínima que deverá ser aplicada é de 15% da arrecadação municipal. c) O gasto com pessoal para o setor público municipal é limitado em 50% da Receita Corrente Líquida d) O gasto com pessoal para o setor público da União é limitado em 60% da Receita Corrente Líquida e) Dentro da esfera Municipal 6% é para o Legislativo e 44% para o Executivo

8 36) Em relação à Dívida Pública, é definido em lei o máximo de endividamento para Estados e Municípios. A Dívida Pública não deverá ultrapassar o limite máximo de: a) 1,2 vezes a Receita Corrente Líquida para os Municípios b) 2 vezes a Receita Corrente Líquida para os Municípios c) 3 vezes de a Receita Corrente Líquida e para os Estados d) 1,2 vezes a Receita Corrente Líquida para os Estados e) 1,5 vezes a Receita Corrente Líquida e para os Estados 40) Quanto a Receita Corrente Líquida (RCL) é correto afirmar: a) A verificação da RCL deve ser para o período de um ano e necessariamente, o ano civil b) Um conceito irrelevante e que nada contribui para o entendimento do funcionamento da LRF c) A RCL não considera em seu somatório as receitas tributárias e as contribuições patrimoniais d) É um conceito necessário para entender como funciona a LRF, uma vez que ela é a base para todos os cálculos e) A RCL considera em seu somatório somente as receitas industriais, agropecuárias e de serviços 37) Para controle dos recursos e efetiva fiscalização do cumprimento da lei, são instrumentos da Transparência para efeitos da Lei de Responsabilidade Fiscal, exceto: a) Os planos, os orçamentos e as leis de diretrizes orçamentárias b) Prestação de Contas c) Relatório Resumido da Execução Orçamentária e sua versão simplificada d) Relatório da Gestão Fiscal e sua versão simplificada e) Relatório de Accountability 38) Qual a denominação do Relatório Fiscal que deverá ser publicado até 30 dias após o quadrimestre, porém os municípios com menos de 50 mil habitantes poderão divulgar este documento em intervalos semestrais? a) Relatório Resumido da Execução Orçamentária e sua versão simplificada b) Prestação de Contas c) Relatório de Accountability d) Prestação de Contas e) Relatório da Gestão Fiscal 39) Entre as alternativas abaixo marque a que completa e permite que a frase tenha sentido correto. A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) trabalha em conjunto com a que normatiza as finanças públicas no país. a) Lei 6.404/76 b) Lei 4.320/64 c) Lei /07 d) Lei /09 e) Lei /14 Prova CONTADOR Página 8

C A D E R N O D E P R O V A S

C A D E R N O D E P R O V A S C ONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA BÁRBARA MINAS GERAIS C A D E R N O D E P R O V A S CADERNO 3 PROVAS: CARGO: ESCRITURÁRIO LÍNGUA PORTUGUESA NOÇÕES DE INFORMÁTICA LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA LEIA

Leia mais

DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM JOÃO PESSOA E CAMPINA GRANDE PROCESSO SELETIVO DE ESTAGIÁRIOS - 2013

DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM JOÃO PESSOA E CAMPINA GRANDE PROCESSO SELETIVO DE ESTAGIÁRIOS - 2013 S DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM JOÃO PESSOA 2013 Delegacia da Receita Federal do Brasil Seleção de Estágio LEIA COM ATENÇÃO: Prova Objetivo A duração das provas objetiva e subjetiva será de

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 15

PROVA ESPECÍFICA Cargo 15 14 PROVA ESPECÍFICA Cargo 15 QUESTÃO 31 O Ativo representa um conjunto de: a) bens intangíveis. b) dinheiro na empresa. c) bens para investimento. d) bens e direitos da empresa. QUESTÃO 32 Um pagamento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O Conselho Federal de Contabilidade e o Comitê de Pronunciamentos Contábeis são responsáveis pela elaboração das normas contábeis comumente aceitas. Sobre essas normas, julgue

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO

ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO A interpretação introdutória ao estudo da riqueza patrimonial Anderson Souza 1 Na última quarta-feira (dia 14/03/2013), ao ministrar o conteúdo programático relativo ao

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

6º Congresso Catarinense de. Controladores Internos Municipais. 17 e 18 de junho de 2010

6º Congresso Catarinense de. Controladores Internos Municipais. 17 e 18 de junho de 2010 6º Congresso Catarinense de Secretários de Finanças, Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais 17 e 18 de junho de 2010 RECEITAS E DESPESAS PÚBLICAS: Enfoque Orçamentário X Enfoque Patrimonial

Leia mais

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás TCE/GO Auditor de Controle Externo Área Controle Externo ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Língua Portuguesa Ortografia oficial... 01 Acentuação

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Marketing Prof. Sidney Leone Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Hoje Você Aprenderá: Demonstrativos financeiros da empresa (Balanço Patrimonial, DRE, DMPL etc...) Análise econômicofinanceira.(fluxo

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE AUTOR: PROF. FRANCISCO GLAUBER LIMA MOTA E-MAIL: motaglauber@gmail.com CONCEITO: CONTABILIDADE CIÊNCIA QUE ESTUDA E PRATICA AS FUNÇÕES DE REGISTRO, CONTROLE E ORIENTAÇÃO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG CONCURSO: APO/MPOG/2010 66. (ESAF APO/MPOG/2010) Assinale a opção verdadeira a respeito do objeto, regime e campo de aplicação da contabilidade

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo 10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público CH: 1:20 h Conteúdo: 1. Aspectos gerais do Plano

Leia mais

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF Selene Peres Peres Nunes 03/8/2015 Por que avaliação de custos no setor público? possível realocação orçamentária (uso no orçamento) onde podem ser realizados

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos critérios de avaliação de ativos e seus efeitos no patrimônio de uma companhia aberta, julgue os itens a seguir. 51 Um investimento que garanta à sociedade investidora

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

TCE-TCE Auditoria Governamental

TCE-TCE Auditoria Governamental TCE-TCE Auditoria Governamental Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Considere as informações extraídas do Balanço Orçamentário, referentes ao exercício financeiro de 2014, de uma entidade pública:

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO : A BASE DO CONTROLE. Prof. LD. Lino Martins da Silva lino.martins@gmail.com

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO : A BASE DO CONTROLE. Prof. LD. Lino Martins da Silva lino.martins@gmail.com CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO : A BASE DO CONTROLE Prof. LD. Lino Martins da Silva lino.martins@gmail.com UMA REFLEXÃO INICIAL O estudo da Ciência do Direito mostrará àqueles que acreditam na

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função Contabilidade Pública Aula 6 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Demonstração do Balanço Patrimonial Necessidade e Função Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração do Resultado Econômico Contextualização

Leia mais

Exame de Suficiência Setembro 2011 Bacharel

Exame de Suficiência Setembro 2011 Bacharel Exame de Suficiência Setembro 2011 Bacharel 01 - Acerca das demonstrações contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I - O recebimento de caixa resultante da venda de Ativo

Leia mais

PROVA CONTÁBEIS. A) painel de controle. B) windows explorer. C) internet explorer. D) calculadora. E) paint.

PROVA CONTÁBEIS. A) painel de controle. B) windows explorer. C) internet explorer. D) calculadora. E) paint. PROVA CONTÁBEIS 01. Quando selecionamos um arquivo e pressionamos simultaneamente as teclas SHIFT e DEL (ou DELETE) no sistema operacional Windows, estamos A) enviando o arquivo para a pasta Meus Documentos.

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do exercício

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PÚBLICA - SICAP/CONTÁBIL ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público Portaria Conjunta STN/SOF nº 02/2012 Portaria STN nº 437/2012

Leia mais

GESTÃO, seus reflexos NA NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA E OS RECENTES CONTROLES DO TCEES

GESTÃO, seus reflexos NA NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA E OS RECENTES CONTROLES DO TCEES GESTÃO, seus reflexos NA NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA E OS RECENTES CONTROLES DO TCEES Projeto do CFC 2013: Ano da Contabilidade no Brasil A importância da Contabilidade para o desenvolvimento socioeconômico

Leia mais

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO PARTE GERAL Aplicado à União, Estados, Distrito Federal e Municípios Válido para o exercício de 2013

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS ALTERAÇÕES GERADAS PELA APROVAÇÃO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE PARA O SETOR PÚBLICO NBC T 16 Autor(es) LEONARDO GARCIA PAIS DE ARRUDA Orientador(es) ELAINE

Leia mais

Olá, pessoal! Fraternal abraço! Prof. Alipio Filho

Olá, pessoal! Fraternal abraço! Prof. Alipio Filho Olá, pessoal! Comento neste toque as questões de Contabilidade Pública e Orçamento Público que caíram no concurso para conselheiro substituto do TCE-AM. A banca foi a Fundação Carlos Chagas. Aproveito

Leia mais

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra TEXTO: FINANCIAMENTO (MECANISMOS E INSTRUMENTOS) Diretrizes Orçamentárias, Plano Integrado e Orçamento Público da União, Estados, Distrito Federal e Municípios: conhecer para exigir, exigir para incluir,

Leia mais

Contabilidade Básica

Contabilidade Básica Contabilidade Básica 2. Por Humberto Lucena 2.1 Conceito O Patrimônio, sendo o objeto da Contabilidade, define-se como o conjunto formado pelos bens, pelos direitos e pelas obrigações pertencentes a uma

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE CENÁRIO ANTERIOR Gestão Dívida Financeira Pública ORÇAMENTO PUBLICO Contabilidade Receita e Despesa Demonstrativos Contábeis:

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

Resumo de Contabilidade Geral

Resumo de Contabilidade Geral Ricardo J. Ferreira Resumo de Contabilidade Geral 4ª edição Conforme a Lei das S/A, normas internacionais e CPC Rio de Janeiro 2010 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2008-2009 1. ed. 2008; 2. ed. 2008;

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

CAU - PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Paraná CNPJ: 14.804.099/0001-99

CAU - PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Paraná CNPJ: 14.804.099/0001-99 Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Paraná CNPJ: 14.804.099/0001-99 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE Especificação CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A CURTO PRAZO Atual

Leia mais

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007 Autor - Manoel Moraes Jr OBJETIVOS DA DOAR Apresentar de forma ordenada e sumariada as informações relativas

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO Existe conceito de Contabilidade como um todo. Contabilidade é a ciência que estuda e pratica as funções de orientação e controle relativas aos atos e

Leia mais

Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras.

Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras. Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras. Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog Resumo: Apresenta-se uma breve análise sobre as vinte etapas para

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes RESUMO: Dentro do plano de contas de uma empresa, o Balanço Patrimonial, deve ser produzido de maneira minuciosa e exata,

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

Balanço Patrimonial. Janeiro à Novembro de 2014 - Anexo 14, da Lei 4.320/64. Exercício Anterior

Balanço Patrimonial. Janeiro à Novembro de 2014 - Anexo 14, da Lei 4.320/64. Exercício Anterior Página 1 de 5 CIRCULANTE 3.458.065,56 1.875.217,00 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 2.816.152,90 1.000.561,87 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL 2.816.152,90 1.000.561,87 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

Análise de Balanços. Flávia Moura

Análise de Balanços. Flávia Moura Análise de Balanços Flávia Moura 1 Tópicos para Reflexão O que é análise de balanços? A análise de balanços consiste em proceder a investigações dos fatos com base nos dados Para que serve a análise de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 CONTADOR PROVA OBJETIVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 CONTADOR PROVA OBJETIVA 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1) Os poderes legislativo, executivo e judiciário manterão, de forma integrada, sistema de controle interno. A finalidade que NÃO integra atribuição constitucional do controle

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE PATRIMÔNIO CONCEITO: Compreende o conjunto de bens, direitos e obrigações avaliáveis em moeda corrente, das entidades que compõem a Administração Pública.

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS Os números entre parênteses a seguir indicam o número do item que aparece no pronunciamento original do Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC. REGIME DE

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

O CONTROLE EXTERNO E INTERNO NOS MUNICÍPIOS

O CONTROLE EXTERNO E INTERNO NOS MUNICÍPIOS O CONTROLE EXTERNO E INTERNO NOS MUNICÍPIOS Assim dispõe a Constituição Federal: Art. 31 - A fiscalização do Município sera exercida pelo Poder Legislativo Municipal, mediante controle externo, e pelos

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 03

Luciano Silva Rosa Contabilidade 03 Luciano Silva Rosa Contabilidade 03 Resolução de três questões do ICMS RO FCC -2010 Vamos analisar três questões do concurso do ICMS RO 2010, da FCC, que abordam alguns pronunciamentos do CPC. 35) Sobre

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens que se seguem de acordo com a Lei n.º 6.404/1976, atualizada nos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) e nos princípios fundamentais de contabilidade, adotados pelo

Leia mais

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido 1) Valorize a profissão: é a única com desemprego zero; tem 23 áreas de especialização

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, Julgue os itens subsequentes, relativos à correta classificação e julgue os itens a seguir. utilização de

Leia mais

- Geração de Relatórios. - Geração de Gráficos. - Geração de Consultas

- Geração de Relatórios. - Geração de Gráficos. - Geração de Consultas - Geração de Consultas - Geração de Relatórios - Geração de Gráficos Para sua Prefeitura atender as Leis 4.320/1964, LC 101/2000 (LRF) e LC 131/2009 (Transparência Pública), a LOGUS está colocando à disposição

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA

CONTABILIDADE PÚBLICA CONTABILIDADE PÚBLICA 1. Conceito: Para Bezerra Filho (2006, p.131), a Contabilidade pública pode ser definida como o ramo da ciência contábil que controla o patrimônio público, evidenciando as variações

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

Tabela de Fatos - DCA 2014

Tabela de Fatos - DCA 2014 Tabela de Fatos - DCA 2014 Element siconfi-cor:p1.0.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.1.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.2.00.00

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro RELAÇÃO DE DOCUMENTOS INTEGRANTES DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA (CONTAS DE GOVERNO) EXERCÍCIO DE 2014 CONFORME OFÍCIO-CIRCULAR Nº 14/2015 PRS/GAP RESPONSABILIZAÇÃO CADASTROS do Prefeito

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA CLASSIFICAÇÃO DAS DESPESAS Atualizado em 14/10/2015 CLASSIFICAÇÕES DA DESPESA ESFERA ORÇAMENTÁRIA A classificação por esfera orçamentária tem por finalidade identificar

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO

CONTABILIDADE E TURISMO Capítulo 1 CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Capítulo 1 Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse.

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse. CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006. 9 cópias na biblioteca

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA Demonstrações Contábeis José Rafael Corrêa Quanto mais eu sei, mais eu descubro que nada eu sei Sócrates 1 Conceitos CONTABILIDADE INFORMAÇÃO Informação

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis Contabilidade Pública Aula 4 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Plano de Contas Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão Consiste em um rol ordenado de forma sistematizada de contas

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

para Provimento de Cargos

para Provimento de Cargos Concurso Público para Provimento de Cargos CODERN 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Concurso. 2

Leia mais

ANEXO DE RISCOS FISCAIS TABELA 1 - DEMONSTRATIVO DE RISCOS FISCAIS E PROVIDÊNCIAS 2013 ARF (LRF, art. 4º, 3º) PASSIVOS CONTINGENTES PROVIDÊNCIAS Descrição Valor Descrição Valor Abertura de créditos adicionais

Leia mais

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP:

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: 1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: a) Constituição de uma sociedade com capital totalmente integralizado de R$ 30.000 b) Compra à vista de mercadorias para

Leia mais