Bibliografia. Hidroginástica e Hidroterapia. Histórico. Conteúdo Programático. Ft. Milena Dutra

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bibliografia. Hidroginástica e Hidroterapia. Histórico. Conteúdo Programático. Ft. Milena Dutra milenadutra@bol.com.br"

Transcrição

1 Bibliografia Hidroginástica e Hidroterapia Ft. Milena Dutra Conteúdo Programático Histórico Propriedades físicas da água Fisiologia da imerção e materiais Modelo de periodização em hidroginástica Hidro e doenças músculo esqueléticas Princípios de reabilitação em populações especiais Bad Hagaz e Halliwick Aula prática e avaliação Atividade física adaptada à gestação Histórico a.c.: Hipócrates usava imersão em água quente e fria para tratar doenças 1

2 Histórico Cultura chinesa e japonesa adoração pela água,corrente e banhos de imersão 500 a.c.- Primeiro uso lógico da água, escolas de medicina á beira de estações de banh 800 a.c. Inglaterra água com fins curativos 1500 a.c.- Hindus combate à febre pela água a.c. Instalações higiênicas Os gregos foram os primeiros a reconhecer e a apreciar a relação entre o estado da mente e o bem-estar físico. (Ruoti et al., 2000) 330 d.c.- Romanos utilizavam os banhos para tratar doenças reumáticas, paralisias e lesões. Histórico 1700 Sigmund Hahn: início da hidroterapia Winterwitz (1900) austríaco que primeiro pesquisou sobre os efeitos fisiológicos da imersão; desenvolvem-se os spas na Europa e Inglaterra presidente dos EUA Roosevelt, vítima da poliomielite, popularizou o uso de exercícios em piscina e da natação terapêutica (hidroginástica) na Geórgia grande expansão de pesquisas sobre os efeitos fisiológicos durante a imersão. Histórico Luiz Fernando Martins Kruel No Brasil- década de 80: hidroginástica surge como um meio de minimizar o impacto causado pelo hit do momento, a ginástica aeróbica (1984) Profa. Mercês Nogueira ministrou o primeiro curso de "ginástica aquática" na ACM em São Paulo (1988) Profa.Mercês Nogueira e Profa.Elizabeth Mattosfoi ministrado o primeiro curso de grande abrangência para divulgação dos "exercícios aquáticos" 2

3 Pense Nisso... Porque existem tão poucos campeões de natação da raça negra? Pq a hidroginástica é tão recomendada para gestante? Pq nem todas as pessoas serão capazes de flutuar perfeitamente? Pq o coração de uma pessoa imersa na água tende a bater mais lentamente do que fora da água? Na hidroginástica existe a ação da lei da gravidade? Pq alguém que flutuava perfeitamente pode passar a não flutuar? Homens geralmente flutuam mais que as mulheres?v ou F Pq? Porque idosos tendem a flutuar mais? A hidroginástica é uma boa opção de atividade física para doenças articulares compressivas?pq? E para quem tem alteração de tônus? Existe trabalho muscular de força excêntrica na água? Propriedades Físicas da Água Densidade - é a relação entre massa e volume (D= m/v) Densidade da água pura a 25º C é 1000 Kg/m3 ou 1 g/cm3 Densidade do ar = 1,215 Kg/m3 ou 0, g/cm3 A água é cerca de 820 vezes mais densa do que o ar. (Duarte, 2004) Propriedades Físicas da Água Propriedades Físicas da Água Dendidade do xumbo x algodão (1Kg) Densidade da água do mar: 1,026 g/cm3 Densidade do músculo: 1,058 g/cm3 Densidade do osso: 1,801 g/cm3 (negro) Densidade da gordura: 0,946 g/cm3 3

4 Propriedades Físicas da Água Flutuação: Quando um corpo está completa ou parcialmente imerso em um líquido, ele sofre um empuxo para cima igual ao peso do líquido deslocado". (princípio de Arquimedes) Este empuxo atua em sentido oposto à força da gravidade Na água você recebe a carga que aplica Propriedades Físicas da Água Pressão Hidrostática: A pressão do líquido é exercida igualmente sobre todas as áreas da superfície de um corpo imerso em repouso, a uma determinada profundidade (Lei de Pascal) Promove estabilidade articular Propriedades Físicas da Água Viscosidade: Atrito que ocorre entre as moléculas de um líquido atuando como uma resistência ao movimento do corpo Quanto maior velocidade, maior resistência Ex. dentro da piscina é diferente de exercício fora da piscina Alterações Fisiológicas Imediatas.aumento da FC.aumento da PA.vasoconstricção.contração muscular.frouxidão ligamentar.diminuição do volume periférico e aumento do volume de sangue central (até 900 ml) Após 2-3 minutos da entrada do aluno em água préaquecida,ocorre TERMOREGULAÇÃO, a FC e a PA já estão normalizadas e os efeitos de contração muscular e vasoconstricção já cessaram. 4

5 Fisiologia da Imersão Não proponha alongamento imediatamente após a entrada do aluno na água Vasoconstrição = Lesão MONITORANDO A INTENSIDADE DO EXERCÍCIO NA ÁGUA Como na água, grande parte das pessoas apresenta bradicardia, somente a palpação da Freqüência Cardíaca pode não ser suficiente para monitorar a intensidade do exercício; a aplicação de outros métodos aumentam a precisão do controle da intensidade do treino: Termoregulação é o momento do alongamento -90% -75% -50%.Utilização de frequencímetro;. Aferir a FC manualmente (caso não disponha de frequencímetro) com os dedos indicador e médio, sempre durante 6 segundos, multiplicando o resultado por 10.. Teste da fala.. Tabela de Borg. Monitoramento Como calcular a F.C.repouso na água? Zona de Treino: FC máx = 220-idade Zona de treino 10 Na piscina o número de bpm é reduzido (Kruel,1994) 5

6 Como calcular a F.C.repouso na água? Café? Deixe o aluno sentado em uma cadeira próxima à piscina, sem falar ou se mexer, por 2 minutos; Aferir a FCrep do lado de fora da água com um frequencímetro ou manualmente (por 15" e depois multiplicar 4, ou diretamente pelo tempo de 1'); Aluno entra na água bem lentamente (pela escada ou rampa)e fica de pé, sem movimento. Após 2 min. desta forma aferir a FC por frequencímetro ou por 10 (e multiplicar o resultado por 6). Diminuir o valor da F.C encontrada fora da água do valor dentro da água.agora você já sabe o número de b.p.m a menos que seu aluno terá dentro da água. (Kruel,1994) Aumentando a Intensidade do Exercício Como você percebe que o exercício está ficando fácil? Como deixa-lo mais difícil? Realização lenta do exercício Menos descanço Maior braço de alavanca Aumenta frequencia de treino Mexe no material e peso... Aumentando a Intensidade do Exercício E na água? Aumentar a velocidade do movimento Aumentar a ADM Aumentar a superfície de atrito Aumentar a quantidade de líquido deslocado Analisar o Vetor Força * 6

7 Vetores de Força Dentro e Fora D'água O melhor trabalho de força é aquele em que empurramos a carga contra o vetor de força atuante no corpo no momento do exercício. Vetores de Força Dentro e Fora D'água Fora da água Dentro da água Fora da água Dentro da água Será o mesmo posicionamento? Gravidade Movimento difícil = empurrar de baixo para cima Flutuação/Empuxo Movimento difícil = empurrar de cima para baixo Ação muscular não muda! Mensurando a Dificuldade Aluno Iniciante: a favor da flutuação Aluno Intermediário: perpendicular ao vetor força Aluno Avançado: contra vetor força Se você aumenta a velocidade, superando a velocidade da flutuação, é possível ganhar FM Experimente o exercício antes de aplicá-lo em seu aluno! Contra Indicações da Hidroginástica Lesões de pele Capacidade vital menor que 1 litro (situação permitida com água na linha da cintura apenas) Insuficiência Cardíaca Esclerose múltipla sem professor ao lado dentro da piscina (enrijecimento em água quente) Epilepsia não controlada Otites Incontinência fecal ou urinária Muito medo da água 7

8 Avaliação Física Não é preciso avaliar o desempenho do aluno de Hidroginástica dentro da piscina Os Mesmos Protocolos de Avaliação Física: aplicados aos exercícios em solo podem ser propostos para o praticante de Hidroginástica Lembre-se: o aluno irá treinar dentro da água através da Hidroginástica, porém ele deseja melhorar sua saúde, estética e aptidão física para viver fora da água! Cirtometria: Avaliação Física Expansibilidade torácica-diâmetro torácico Diferença entre inspiração e expiração máxima do tórax (em cm) uma pessoa com expansibiliade razoável deveria ter ao menos 4 cm de (homens) e 2,5 cm (mulher) Medida biacromial (erros posturais, hipercifose) Estrutura básica de uma aula de hidroginástica Parte inicial:soltura, aquecimento articular geral e específico Parte principal: trabalho aeróbio e /ou localizado Parte final:relaxamento / alongamento Treino cardiorrespiratório Frequencímetro, Aferição digital da FC e Tabela de Borg Treino neuromuscular Número de repetições máximas de cada exercício, alternando segmentos Lembre-se: Tempo de execução de cada exercício RML: 15 a 25 repetições HIPERTROFIA: 8 a 12 repetições ENDURANCE: + de 30 repetições 8

9 MONTANDO UMA SESSÃO DE TREINO EM HIDROGINÁSTICA: 1º- Observar em que parte do planejamento geral encontra-se esta aula 2º- Montar a parte principal da aula primeiro 3º- Montar o aquecimento (aquecer os grupos musculares a serem trabalhados na parte principal) 4º- Por último, montar a parte final (alongar os músculos mais trabalhados na Parte Principal) Como Variar as Aulas? Aerohidro Hidro Localizada Hidro Intervalada Hidro Cirquito Hidro Step Hidro Deep Water Hidro Esporte Hidro Bike Hidro Spinning Hidro GAP Hidro ABS Hidro Zen Hidro Fun Hidro Duplo F Hidro Kids Hidro Power Hidro Jump Hidro Suspensão SIM!!! Existe Força Muscular Excêntrica na Água? Na água existe força de arrastro, definida como a força de resistência ao movimento, com sentido contrário ao mesmo Durante o fluxo elaminar em linha reta há pequena fricção entre as moléculas do fluido, ao contrário do que ocorre no fluxo turbulento, onde o movimento irregular produz maior fricção entre as moléculas (Poyhonen, 2002) 9

10 Pense Nisso... Porque existem tão poucos campeões de natação da raça negra? Pq a hidroginástica é tão recomendada para gestante? Pq nem todas as pessoas serão capazes de flutuar perfeitamente? Pq o coração de uma pessoa imersa na água tende a bater mais lentamente do que fora da água? Na hidroginástica existe a ação da lei da gravidade? Pq alguém que flutuava perfeitamente pode passar a não flutuar? Homens geralmente flutuam mais que as mulheres?v ou F Pq? Porque idosos tendem a flutuar mais? A hidroginástica é uma boa opção de atividade física para doenças articulares compressivas?pq? E para quem tem alteração de tônus? Existe trabalho muscular de força excêntrica na água? Periodização do Treino em Hidroginástica O termo PERIODIZAÇÃO origina-se da palavra período, que é uma porção ou divisão do tempo em pequenos segmentos dentro do planejamento geral, mais fáceis de controlar denominadas fases. (Bompa,, 2002) Periodização A periodização se baseia na idéia de que o atleta tem que construir, manter e depois perder relativamente a forma esportiva ao longo dos grandes ciclos anuais de treinamento (Matveiev,, 1961, 1977, 1981, 1986). Periodização Tendo em vista indivíduos que buscam melhorar seus parâmetros de saúde, estética e bem estar, comumente encontrados em todas as academias, podemos definir a periodização desta forma: É o planejamento do treinamento durante um determinado período de tempo, de maneira que se possa controlar a intensidade e a demais qualidades dos estímulos propostos, respeitando o tempo de recuperação necessário após cada estímulo, para que haja uma adaptação no início da temporada de treino, seguida de um período de melhora e estabilização, com um posterior período de perda (descanso). 10

11 Periodização do Treino em Hidroginástica O que NÃO é Periodização? Rodízio de materiais Rodízio de grupos musculares a serem trabalhados Preparação de uma sessão de treino separadamente da próxima sessão Subdivisões dos Ciclos de Treino MACROCICLO: 6 meses de treino Não tem subdivisões pois é a unidade maior do treinamento MESOCICLO: 2 meses de treino MICROCICLO: uma semana de treino Subdivisões dos Ciclos de Treino MESOCICLOS: 1.Mesociclo de base: Janeiro e Fevereiro Introdutório-inicante inicante: : adaptação aos estímulos do treino (tipo de movimento, forma de respirar, etc), exercícios simples, gerais e mais fáceis, volume, carga, correção da execução e postura, pouco trabalho com materiais, evitar trabalho intervalado. Força: 2 x rep. - RML Cardiopulmonar: : 50-60% da FC máx Subdivisões dos Ciclos de Treino 2.Mesociclo de Aquisição 1: Março e Abril Muito trabalho cardio-pulmonar aeróbio, introduzir materiais, aumentar um pouco a complexidade dos exercícios, definir dois blocos de movimentos a serem utilizados nas aulas sendo que cada bloco será trabalhado por 2 semanas, volume, carga (menos tempo para força) Força: 3 x12 rep.(rml.(rml/hipertrofia) Cardiopulmonar: : 60-75% da FC máx. 11

12 Subdivisões dos Ciclos de Treino 3.Mesociclo de Aquisição 2: Maio e Junho Ênfase em trabalho cardiopulmonar anaeróbio, exercícios de difícil execução, trabalho com diferentes materiais, aulas coreografadas,, volume, intensidade, ênfase no trabalho neuromuscular (para hipertrofia) Força: 3 x 8 (mmss( mmss)-3 x12 (mmii) rep.(potência:velocidade e força /Hipertrofia) Cardiopulmonar: : % da FC máx. Subdivisões dos Ciclos de Treino 4.Manutenção (transição): Substitui o mesociclo de base caso o aluno esteja retornando ao treino;volta a ênfase em trabalho aeróbio, trabalhar com ou sem materiais, ótima fase para aulas temáticas ou recreativas, mudar o padrão dos exercícios, aulas diferentes, muito trabalho de flexibilidade, exercícios de moderada dificuldade, correção da execução e postura, volume e carga Força: 3 x15-20 rep.( RML) Cardiopulmonar: : % da FC máx. 1 Macrociclo = 6 meses Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Mesociclo Mesociclo de Mesociclo de de Base Aquisição I Aquisição II c c c c c c c r c c c c c c c r c c c r c c c r o o o o o o h e o o o o o h h e o h h e o h h e m m m m m m o c m m m m m o o c m o o c m o o c.adaptação aos estímulos novos;.ensinar movimentos, postura, respiração;.exercícios simples, gerais e mais fáceis;. volume, carga;.pouco trabalho com materiais;.evitar trabalho intervalado. Força: 2 x rep. (50-65 % 1RM) - RML Cardio: 50-60% da FC máx Muito trabalho cardio aeróbio, inserir materiais, dificuldade dos exercícios,definir séries de movimentos a serem utilizados, repetir estímulo neuromuscular por 6 sessões de treino, volume e carga. Força: 3 x12 rep. 70% de 1RM -RML/Hipertrofia Cardio: 60-75% da FC máx. Ênfase em trabalho cardiopulmonar anaeróbio, exercícios de difícil execução, trabalho com s materiais, aulas coreografadas, volume, intensidade, ênfase na parte neuromuscular ( hipertrofia). Força: 4 x 8 (mmss)-4 x12 (mmii) ( 75 a 90% de 1RM ) ( Potência /Hipertrofia) Cardio: % da FC máx Aula Prática de Potencia Muscular Protocolo Unifesp-Osteoporose Aquecimento articular e específico Exercícios de Força: 1x 8-10 rep - bíceps + tríceps (menor braço de alavanca) 1x rep adutor+abdutor de coxa 1x 8-10 rep - peitoral + costas (maior braço de alavanca) 1x rep - quadríceps + isquiostibiais Repetir esta seqüência 3 ou 4 vezes na aula 12

13 Materiais Continuação... Príncípios de Reabilitação em Doenças Neuromusculares Técnicas Especiais em Hidroterapia Hidroginástica em populações especiais 13

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

Modalidades esportivas Sesc

Modalidades esportivas Sesc Faça sua carteira COMERCIÁRIO: TITULAR: CPTS atualizada, Comp. de residência, GFIP (Guia de Recolhimento e Informações do FGTS), Taxa CONVENIADOS: TITULAR: Comp.de residência, documento que comp. de vínculo

Leia mais

- Introdução à Natação - Princípios físicos aplicados ao meio líquido - Adaptação ao meio líquido

- Introdução à Natação - Princípios físicos aplicados ao meio líquido - Adaptação ao meio líquido - Introdução à Natação - Princípios físicos aplicados ao meio líquido - Adaptação ao meio líquido Como introdução, VAMOS REFLETIR SOBRE ALGUNS CONCEITOS O QUE SÃO ATIVIDADES AQUÁTICAS? O QUE É NADAR? O

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA TREINAMENTO DE RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Como regra geral, um músculo aumenta de força quando treinado próximo da sua atual capacidade de gerar força. Existem métodos de exercícios que são

Leia mais

PROJETO COLÉGIO NA ACADEMIA

PROJETO COLÉGIO NA ACADEMIA PROJETO COLÉGIO NA ACADEMIA Este projeto tem como objetivo mostrar para os alunos de forma teórica e pratica a importância de fazer exercícios físicos e que na academia se tem grande variedade de atividades

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ FÍSICA NA NATAÇÃO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Para ensinarmos à arte de nadar, temos que nos lembrar que alguns indivíduos têm mais facilidade para nadar do que outros. Isso tem algumas implicações,

Leia mais

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Deficiência de Desempenho Muscular Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Desempenho Muscular Refere-se à capacidade do músculo de produzir trabalho (força X distância). (KISNER & COLBI, 2009) Fatores que afetam

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

REABILITAÇÃO CARDÍACA

REABILITAÇÃO CARDÍACA REABILITAÇÃO CARDÍACA Reabilitação cardíaca Reabilitação de pacientes cardíacos: atividades necessárias para assegurar as melhores condições físicas, sociais e mentais possíveis, de maneira que eles sejam

Leia mais

Fitness II PROF. FABIO DUTRA

Fitness II PROF. FABIO DUTRA Fitness II PROF. FABIO DUTRA Revisão Histórica O conceito de totalidade orgânica tem ganho adeptos desde a antiga Grécia. CLARKE (1976) cita que no século V antes de Cristo, os atenienses reconheciam a

Leia mais

CEF Periodização e Sistemas de Treino

CEF Periodização e Sistemas de Treino CEF Periodização e Sistemas de Treino João Pedro Ramos, CPT, PES National Academy of Sports Medicine Certified Personal Trainer Performance Enhancement Specialist Periodização TF Sistemas de TF 1 PLANO

Leia mais

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa)

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa) (CBCa) Palestra: Programação anual dos treinamentos na Canoagem Slalom. Os Ciclos de Treinamento Na Água Trabalho Intensidade Fisiológico Periodização de: Aeróbia Capacidade Continua Aeróbia Capacidade

Leia mais

ASPECTOS ATUAIS DO TREINAMENTO DE VELOCIDADE

ASPECTOS ATUAIS DO TREINAMENTO DE VELOCIDADE ASPECTOS ATUAIS DO TREINAMENTO DE VELOCIDADE JAYME NETTO JR Professor do Departamento de Fisioterapia/UNESP Mestrado em Ciências do Esporte/UNICAMP Doutorado em Ciências da Saúde/FAMERP Técnico Olímpico

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE FÍSICA 2 a SÉRIE

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE FÍSICA 2 a SÉRIE ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE FÍSICA 2 a SÉRIE Nome: Nº Série: 2º EM Data: / /2015 Professores Gladstone e Gromov Assuntos a serem estudados - Movimento Uniforme. Movimento Uniformemente Variado. Leis

Leia mais

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma Projeto Verão O Iate é sua Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma por rachel rosa fotos: felipe barreira Com a chegada do final

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA *

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * Estélio H. M. Dantas * INTRODUÇÃO Graças à democratização e à abertura que ocorreu na Rússia com

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora?

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora? ATENÇÃO! A informação contida neste material é fornecida somente para finalidades informativas e não é um substituto do aconselhamento por profissionais da área da saúde como médicos, professores de educação

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CANOAGEM Kayak-Polo

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CANOAGEM Kayak-Polo Plano Geral Semanal Treinador: Orlando Silva 14 / 01 /2008 a 27 /01 /2008 Época: 07/08 Atletas: Séniores Macrociclo:1 Mesociclo:4 Microciclo: 3-4 TOTAL T: 2h10` T: 2h10` T: 1h40` T: 2h00` T: 2h00` T: 2h10`

Leia mais

ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO 25/08/2008

ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO 25/08/2008 ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO Anos 30: PIHKALA (Finlândia) Variações no trabalho - recuperação: dias, semanas, meses e anos de treinamento; Diminuição progressiva do volume de treinamento,

Leia mais

Gi G n i ást s ic i a c d e aca c demi m a i Profa Erika

Gi G n i ást s ic i a c d e aca c demi m a i Profa Erika Ginástica de academia Profa Erika Programa 1. Apresentação da disciplina, plano de ensino, métodos e avaliação; 2. Conceitos em ginástica e fitness; 3. Histórico da academias no Brasil,tipos de ginástica

Leia mais

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA Autor: Carlos Safreire Daniel Ramos Leandro Ferneta Lorival Panuto Patrícia de

Leia mais

Manual de Instrução. Bicicleta Horizontal Residencial Physibike Residencial A MAIOR EMPRESA DE EQUIPAMENTOS ESPORTIVOS DA AMÉRICA LATINA

Manual de Instrução. Bicicleta Horizontal Residencial Physibike Residencial A MAIOR EMPRESA DE EQUIPAMENTOS ESPORTIVOS DA AMÉRICA LATINA Manual de Instrução mais de 20 anos Bicicleta Horizontal Residencial Physibike Residencial www.physicus.com.br/bolas www.physicus.com.br/shop www.physicus.com.br/locacao www.physicus.com.br/turismoecoesportivo

Leia mais

PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS

PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS PRÁTICA 12: VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS Viscosidade é uma característica dos líquidos que está relacionada com a sua habilidade de fluir. Quanto maior a viscosidade de um líquido (ou de uma solução) mais difícil

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP)

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) TREINAMENTO 1 Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) Rotina de alongamento e condicionamento (Treino 1): O alongamento e o aquecimento são importantíssimos em qualquer

Leia mais

Plano de preparação desportiva

Plano de preparação desportiva Plano de preparação desportiva COMPONENTES DO PLANO Técnico Tático Físico-fisiológico Psicológico Administrativo Socioeducacional Clínico Metas curto, médio, longo prazos Categorias de Base ABC-FC Departamento

Leia mais

O Volume Do Treinamento No Futsal

O Volume Do Treinamento No Futsal O Volume Do Treinamento No Futsal Quando se fala de volume de treino é importante primeiramente entender quais são as vias metabólicas predominantemente envolvidas no esporte a ser treinado, e, respeitar

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DO PERFIL FÍSICO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PLANEJAMENTO ANUAL DO PERFIL FÍSICO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANEJAMENTO ANUAL DO PERFIL FÍSICO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROFESSOR PAULO BARROSO CREF 06081 G/RJ PREPARADOR FÍSICO DOS ÁRBITROS FFERJ PROFESSOR DA SECRETARIA MUNICIPAL DE

Leia mais

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo Um programa de treino bem organizado e planificado, durante um período de tempo prolongado, aumenta a eficácia da preparação para as competições futuras mais importantes, uma vez que: introduz uma utilização

Leia mais

Programa de Retomada de Conteúdo 1º Bimestre

Programa de Retomada de Conteúdo 1º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Programa de Retomada de Conteúdo 1º

Leia mais

Partes Específicas da Aula (Ginástica)

Partes Específicas da Aula (Ginástica) Partes Específicas da Aula (Ginástica) Aquecimento; Desenvolvimento; Desaquecimento. Aquecimento É o conjunto de atividades que, mediante ao volume e intensidade adequados, visam preparar o indivíduo em

Leia mais

Treinamento de Força

Treinamento de Força Treinamento de Força Sandro de Souza Referencial teórico: FLECK, S.J; KRAEMER, W.J. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular, ArtMed, 3 Ed., 2007. As 5 leis básicas do Treinamento de Força Lei nº1

Leia mais

DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO:

DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FÍSICA PROFESSORES: Erich/ André NOME COMPLETO: I N S T R U Ç Õ E S DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 1 a EM Circule a sua turma: Funcionários:

Leia mais

Indoor Cycle Actividades de Grupo Pré-Coreografadas Telma Gonçalves

Indoor Cycle Actividades de Grupo Pré-Coreografadas Telma Gonçalves Actividades de Grupo Pré-Coreografadas Telma Gonçalves Metodologia do Indoor Cycle Em foco... Década de 80 Inspirado no ciclismo outdoor Simulação de ciclismo outdoor 2 Segurança Características Intensidade,

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS Sobre a Avaliação: O profissional conecta os sensores nos dedos do cliente para que possam captar os sinais do sistema nervoso e enviá-los ao computador, gerando resultados

Leia mais

Periodização do Treinamento. Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte

Periodização do Treinamento. Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte Periodização do Treinamento Esportivo aplicada ao TaeKwon-Do Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte Exercício Homeostase Síndrome da Adaptação Geral Estresse Resistência Exaustão

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA DA CAPACITAÇÃO FÍSICA DO EXÉRCITO CIÊNCIA PARA SAÚDE E OPERACIONALIDADE

INSTITUTO DE PESQUISA DA CAPACITAÇÃO FÍSICA DO EXÉRCITO CIÊNCIA PARA SAÚDE E OPERACIONALIDADE INSTITUTO DE PESQUISA DA CAPACITAÇÃO FÍSICA DO EXÉRCITO CIÊNCIA PARA SAÚDE E OPERACIONALIDADE PROGRAMA DE TREINAMENTO FÍSICO PARA O CURSO DE AÇÕES DE COMANDOS ELABORADO PELO INSTITUTO DE PESQUISA DA CAPACITAÇÃO

Leia mais

Colaborador técnico desta edicão

Colaborador técnico desta edicão a 7 edição Colaborador técnico desta edicão Marcelo Jaime Vieira Líder Retenção Bio Ritmo Cerro Corá Marcelo Jaime Vieira é Educador Físico formado em 1995 pela Escola Superior de Educação Física de Jundiaí.

Leia mais

O Universo e Composição Fundamental

O Universo e Composição Fundamental 1 O Universo e Composição Fundamental I) Componentes Fundamentais do Universo São aqueles que não podem ser substituídos por outros. Matéria (M): representada pela massa, são os objetos, corpos, alimentos.

Leia mais

Sistemas de Treino de Força Muscular

Sistemas de Treino de Força Muscular Sistemas de Treino de Força Muscular Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Considerações iniciais Poucos

Leia mais

Planificação do treino de velocistas (100 e 200 m)

Planificação do treino de velocistas (100 e 200 m) Planificação do treino de velocistas (100 e 200 m) NOTA: Nos treinos de ginásio faz-se sempre pliometria de caixas e no aquecimento estão incluídos exercícios de pliometria básicos. Preparação Específica

Leia mais

Mais em forma, mais veloz, mais forte, mais alongado: Programa de Desenvolvimento de Cárdio Precor

Mais em forma, mais veloz, mais forte, mais alongado: Programa de Desenvolvimento de Cárdio Precor Mais em forma, mais veloz, mais forte, mais alongado: Programa de Desenvolvimento de Cárdio Precor O Programa de Desenvolvimento de Cárdio Precor contempla 3 fases que orientam progressivamente seus alunos

Leia mais

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Treinamento Personalizado para Idosos Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Idosos Indivíduos com idade superior a 60anos Segundo o estatuto do idoso -é assegurando o direito à vida, à saúde, à alimentação,

Leia mais

2. Fundamentos Teóricos

2. Fundamentos Teóricos 2. Fundamentos Teóricos 2.1. Conceitos Metrológicos 2.1.1. O Sistema Internacional de Unidades O Sistema Internacional de Unidades ( SI ) está dividido em duas classes ; - Unidades de Base - Unidades derivadas

Leia mais

Física Parte 2. Fórmulas para obtenção das grandezas: 1.Superfície 2.Volume 3.Densidades 4.Vazão 5.Pressão 6.Teorema de Pascal 7.

Física Parte 2. Fórmulas para obtenção das grandezas: 1.Superfície 2.Volume 3.Densidades 4.Vazão 5.Pressão 6.Teorema de Pascal 7. Física Parte 2 Fórmulas para obtenção das grandezas: 1.Superfície 2.Volume 3.Densidades 4.Vazão 5.Pressão 6.Teorema de Pascal 7.Empuxo Introdução A memorização de unidades para as diversas grandezas existentes

Leia mais

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L JOSÉ ALBERTO PINT~* LEONARDO RAPOSO ROCHA GOMES. 1 ' SUMO uma anáiise das características espedficas do voleiboi,

Leia mais

HIDROSTÁTICA PRESSÃO DENSIDADE RELATIVA. MASSA ESPECÍFICA (densidade absoluta) TEOREMA FUNDAMENTAL DA HIDROSTÁTICA (Teorema de Stevin)

HIDROSTÁTICA PRESSÃO DENSIDADE RELATIVA. MASSA ESPECÍFICA (densidade absoluta) TEOREMA FUNDAMENTAL DA HIDROSTÁTICA (Teorema de Stevin) Física Aula 05 Prof. Oromar UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS DO

Leia mais

1 a QUESTÃO Valor 1,0

1 a QUESTÃO Valor 1,0 1 a QUESTÃO Valor 1,0 Um esquimó aguarda a passagem de um peixe sob um platô de gelo, como mostra a figura abaixo. Ao avistá-lo, ele dispara sua lança, que viaja com uma velocidade constante de 50 m/s,

Leia mais

Fases de uma Periodização 23/8/2010. Processo de Recuperação Fosfagênio Sist. ATP-CP. 1 Macrociclo = 6 meses Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun.

Fases de uma Periodização 23/8/2010. Processo de Recuperação Fosfagênio Sist. ATP-CP. 1 Macrociclo = 6 meses Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Sistemas Energéticos Recuperação pós-exercício Processo de Recuperação Fosfagênio Sist. ATP-CP Glicogênio Muscular após ativ. intervalada Glicogênio muscular após ativ. contínuas e prolongadas Remoção

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 A coluna vertebral, assim como qualquer articulação, apresenta movimentos que possuem tanto grande como pequena amplitude articular. Estes recebem o nome de Macromovimentos e Micromovimentos,

Leia mais

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota por Sebastião Mota O termo pliometria refere-se a exercícios específicos que envolvam o Ciclo Alongamento- Encurtamento (CAE), isto é, um rápido alongamento da musculatura seguido de uma rápida acção concêntrica.

Leia mais

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado.

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado. CIRCUITO TREINO * O CT é um método polivalente adequado a realizar tanto a preparação cardiopulmonar como a neuromuscular. É, por isto, largamente empregado no treinamento desportivo pela economia de tempo

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO APLICADA À SAÚDE E AO CONDICIONAMENTO FÍSICO

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO APLICADA À SAÚDE E AO CONDICIONAMENTO FÍSICO FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO APLICADA À SAÚDE E AO CONDICIONAMENTO FÍSICO DISCIPLINA: Fisiologia neural: estrutura, funcionamento e adaptações ao treinamento EMENTA: Arranjo funcional das unidades motoras e

Leia mais

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO...

Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento. Flávia Porto RELEMBRANDO... Disciplina: Controle Motor e Fisiologia do Movimento Flávia Porto RELEMBRANDO... A mais importante característica do treinamento é sua divisão em fases e sua contínua adequação e periodização dos estímulos.

Leia mais

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 CURRICULUM VITAE Chefe do Departamento e Preparação Física do Minas Tênis Clube desde 1978 Preparador

Leia mais

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade.

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. Apresentação do tema: Saúde É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. 1.Desenvolvimento das Capacidades Motoras - Resistência - Força - Velocidade

Leia mais

Reabilitação Cardíaca A reabil

Reabilitação Cardíaca A reabil Reabilitação Cardíaca Reabilitação Cardíaca A reabilitação cardiovascular (RCV) pode ser conceituada como um ramo de atuação da cardiologia que, implementada por equipe de trabalho multiprofissional, permite

Leia mais

PROGRAMA DE 4 DIAS DE TREINO DE FORÇA PARA MULHERES

PROGRAMA DE 4 DIAS DE TREINO DE FORÇA PARA MULHERES DESAFIO VITA VERÃO PROGRAMA DE 4 DIAS DE TREINO DE FORÇA PARA MULHERES TREINO A - Agachamento livre COMPLETO: 8 a 10 repetições (3x) - Leg 45: 8 a 10 repetições (3x) - Cadeira extensora: 8 a 10 repetições

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Joelho

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Joelho Clínica Deckers Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Joelho O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com mais freqüência, para a terapia do Joelho. Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

PEÇAS E ACESSÓRIOS. Seletor de Velocidade e Resistência. Unidade Principal AirClimber. Monitor de Treinamento. Almofadas

PEÇAS E ACESSÓRIOS. Seletor de Velocidade e Resistência. Unidade Principal AirClimber. Monitor de Treinamento. Almofadas ÍNDICE PEÇAS E ACESSÓRIOS 6 INSTRUÇÕES 7 BODYCORD - CORDA DE RESISTÊNCIA CORPORAL 9 MONITOR DE TREINAMENTO 10 CONTAGEM DE PULSAÇÕES 10 DICAS DO TREINAMENTO BÁSICO 11 FREQUÊNCIA DE EXERCÍCIOS 11 ALONGAMENTO

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Preparo Físico Termo geral usado para descrever a habilidade para realizar trabalho físico. A execução de trabalho físico requer: - funcionamento cardiorrespiratório - força muscular

Leia mais

REABILITAÇÃO AQUÁTICA EM PRÉ E PÓS-OPERATÓRIO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR NO ATLETA

REABILITAÇÃO AQUÁTICA EM PRÉ E PÓS-OPERATÓRIO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR NO ATLETA REABILITAÇÃO AQUÁTICA EM PRÉ E PÓS-OPERATÓRIO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR NO ATLETA Marcel Canhoto 1, Patrícia Raquel Carvalho de Aguiar 1, Renato de Souza e Silva 2, Antonio Carlos C. de Andrade 3,

Leia mais

Manual de Operações das Atividades Desportivas

Manual de Operações das Atividades Desportivas [VERSÃO 18 DEZ 2012] Manual de Operações das Atividades Desportivas Proprietário [NOME DO PROPRIETÁRIO] (Assinatura) Diretor Técnico [NOME DO DT] (Assinatura) [DATA] Nota introdutória De acordo com Lei

Leia mais

Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira

Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira COMPARAÇÃ ÇÃO O DA RECUPERAÇÃ ÇÃO O ATIVA EM INDIVIDUOS TREINADOS E NÃO N O TREINADOS EM MEIOS AQUÁTICO E TERRESTRE Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira Orientador: Prof.Ms.

Leia mais

Plano de Exercícios Clinic ABL Antes e Depois do Treino com Bola

Plano de Exercícios Clinic ABL Antes e Depois do Treino com Bola Plano de Exercícios Clinic ABL Antes e Depois do Treino com Bola Introdução São vários os estudos de investigação que atualmente avaliam as necessidades dos atletas e os diferentes pontos de vista a respeito

Leia mais

Aplicação das ferramentas da Ergonomia no setor de atendimento de uma agência bancária

Aplicação das ferramentas da Ergonomia no setor de atendimento de uma agência bancária Aplicação das ferramentas da Ergonomia no setor de atendimento de uma agência bancária Fádua Maria do Amaral SAMPAIO 1 ; Fernando Salomé JORGE 1 ; Wemerton Luís EVANGELISTA 2 1 Estudante de Engenharia

Leia mais

MELHORA DAS DORES CORPORAIS RELACIONADA Á PRÁTICA REGULAR DE HIDROGINÁSTICA

MELHORA DAS DORES CORPORAIS RELACIONADA Á PRÁTICA REGULAR DE HIDROGINÁSTICA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MELHORA DAS

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA. Subcomando-Geral - n.º 166-05 de setembro de 2006 S E P A R A T A B G O

POLÍCIA MILITAR DA BAHIA. Subcomando-Geral - n.º 166-05 de setembro de 2006 S E P A R A T A B G O POLÍCIA MILITAR DA BAHIA Subcomando-Geral - n.º 166-05 de setembro de 2006 S E P A R A T A B G O a. MANUAL DE AVALIAÇÃO FÍSICA DA PMBA APRESENTAÇÃO O presente trabalho foi fruto de pesquisa monográfica

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

LAFI-REACOM. * Este texto faz parte da dissertação de mestrado a ser defendida pela primeira autora.

LAFI-REACOM. * Este texto faz parte da dissertação de mestrado a ser defendida pela primeira autora. REVISÃO E ATU TUALIZA ALIZAÇÃ ÇÃO SOBRE A GRADUAÇÃ ÇÃO DA RESISTÊNCIA AO MOVIMENT VIMENTO DURANTE A IMERSAO NA Á GUA. * Juliana Monteiro Candeloro 1 Fátima Aparecida Caromano 2 1. Fisioterapeuta, Pesquisadora

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Teste Submáximo de Astrand em

Leia mais

SEMANA 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12. 16,44 km PLANILHA DE TREINO. Semana de treino para melhora da capacidade pulmonar.

SEMANA 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12. 16,44 km PLANILHA DE TREINO. Semana de treino para melhora da capacidade pulmonar. SEMANA 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 40 42 42 LONGO 5 X (6min CL / 2min CA) Trabalho muscular 6 X (5 min CL / 2 min Caminhada) Trabalho muscular 6 km CL (Pace) 5,13km (8'/km) 5,31 km (8'24"/km) 6

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

Assinale a alternativa que contém o gráfico que representa a aceleração em função do tempo correspondente ao movimento do ponto material.

Assinale a alternativa que contém o gráfico que representa a aceleração em função do tempo correspondente ao movimento do ponto material. Física 53. O gráfico da velocidade em função do tempo (em unidades aritrárias), associado ao movimento de um ponto material ao longo do eixo x, é mostrado na figura aaixo. Assinale a alternativa que contém

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto OFICINA PRÁTICA Aprenda a ministrar aulas de ginástica laboral GINÁSTICA LABORAL - Objetivos e benefícios do programa - Formas de aplicação atualmente - Periodização

Leia mais

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes Fisioterapia nas Ataxias Manual para Pacientes 2012 Elaborado por: Fisioterapia: Dra. Marise Bueno Zonta Rauce M. da Silva Neurologia: Dr. Hélio A. G. Teive Ilustração: Designer: Roseli Cardoso da Silva

Leia mais

Eletrocardiograma. Como interpretar o ECG e fornecer um laudo?

Eletrocardiograma. Como interpretar o ECG e fornecer um laudo? Eletrocardiograma Como interpretar o ECG e fornecer um laudo? (Monitoria 20/05) O laudo é dividido em três partes principais: - medidas eletrocardiográficas (ou seja, analisar a duração e amplitude de

Leia mais

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Definir a carga de treinamento é o primeiro passo para entender a complexidade do treinamento físico (Monteiro, Lopes, 2009). O entendimento

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM 06-05-2016 / 08-05-2016. HORARIO Manhã - 9:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 18:00 INVESTIMENTO

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM 06-05-2016 / 08-05-2016. HORARIO Manhã - 9:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 18:00 INVESTIMENTO FISIOTERAPIA AQUáTICA (MAI 2016) PORTO A Fisioterapia Aquática pode ser utilizada na prevenção e intervenção em diversas patologias. Esta exige do terapeuta competências específicas. Junte-se a Alexandre

Leia mais

Métodos da Taxa de Produção de Força ou Máximos Métodos da Hipertrofia Muscular ou Sub-máximos Métodos Mistos. Métodos Reactivos

Métodos da Taxa de Produção de Força ou Máximos Métodos da Hipertrofia Muscular ou Sub-máximos Métodos Mistos. Métodos Reactivos Classificação dos s de treino da Força Classificação dos s de Treino da Força Diversidade Terminológica Classificações com base na carga, modalidade desportiva, etc. T. Força = hipertrofia muscular Classificação

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL MÉTODO CONTÍNUO O exercício é executado sem pausa. A intensidade do exercício é, normalmente, submáxima O volume é de moderado para alto VARIAÇÕES METODOLÓGICAS

Leia mais

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício O exercício é uma atividade ativa, portanto, demanda muita energia. Durante o exercício, a demanda energética do muculo esquelético aumenta consumindo uma

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

PISCINAS MUNICIPAIS QUINTA DAS DROGAS (4 A 15 DE JULHO) ATIVIDADE 2ª e 6ª 3ª e 5ª 4ª e 6ª

PISCINAS MUNICIPAIS QUINTA DAS DROGAS (4 A 15 DE JULHO) ATIVIDADE 2ª e 6ª 3ª e 5ª 4ª e 6ª PISCINAS MUNICIPAIS QUINTA DAS DROGAS (4 A 15 DE JULHO) ATIVIDADE 2ª e 6ª 3ª e 5ª 4ª e 6ª AMA 1 7-14 AMA 2 7-14 HIDRO 12h45 CORAÇÃO SAUDÁVEL 12h00 16h30 HIDRO SÉNIOR 11h15 16h30 CORREÇÃO POSTURAL NATAÇÃO

Leia mais

Mitos e verdades sobre a prática de Pilates. Escrito por Savassi Pilates Qua, 04 de Janeiro de 2012 09:38

Mitos e verdades sobre a prática de Pilates. Escrito por Savassi Pilates Qua, 04 de Janeiro de 2012 09:38 Os benefícios prometidos geravam curiosidade em torno do método criado pelo alemão Joseph Pilates no começo do século passado. Baseado no movimento dos animais e de crianças durante suas brincadeiras,

Leia mais

O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS

O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS COMO SUPERAR O SEU RECORD PESSOAL Depois de quebrada a barreira de muitos km a pedalar e terminadas com algum conforto as primeiras provas de Granfondo e Ultra Endurance, surge

Leia mais

TAI CHI CHUAN CARTA DE APRESENTAÇÃO À APMP

TAI CHI CHUAN CARTA DE APRESENTAÇÃO À APMP CARTA DE APRESENTAÇÃO À APMP APRESENTAÇÃO A Qualidade de Vida é importante para a manutenção da saúde e da paz, pois, quando um ser está bem consigo, gera ao seu redor um clima de tranqüilidade e bem-estar

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Considerando o seguinte eixo de referência:

Considerando o seguinte eixo de referência: FORÇA É uma interacção que se estabelece entre dois corpos capaz de alterar o seu estado de movimento ou de repouso ou de lhes causar deformação. Podem ser interacções à distância ou interacções de contacto.

Leia mais

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial Módulo III Prescrição de Exercício valiação Modelos de periodização Interpretação Prescrição Modalidade Freqüência Precauções Duração Intensidade CSM, Guidelines for exercise testing and prescription,(006).

Leia mais