Análise e decisão sobre investimento entre uma filial física e uma loja virtual de uma gráfica tradicional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise e decisão sobre investimento entre uma filial física e uma loja virtual de uma gráfica tradicional"

Transcrição

1 FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE CARLOS JOSÉ DA LUZ Análise e decisão sobre investimento entre uma filial física e uma loja virtual de uma gráfica tradicional São Paulo 2009

2 2 CARLOS JOSÉ DA LUZ Análise e decisão sobre investimento entre uma filial física e uma loja virtual de uma gráfica tradicional Monografia apresentada ao Centro Tecnológico Paula Souza, Faculdade de Tecnologia da Zona Leste, para obtenção do título de Tecnólogo em Logística. Orientador: Prof. Me. Arnaldo Prestes Oliveira. São Paulo 2009

3 Luz, Carlos José Análise e decisão sobre investimento entre uma filial física e uma loja virtual de uma gráfica tradicional / Carlos José da Luz - São Paulo; Faculdade de Tecnologia da Zona Leste, páginas. Monografia (Graduação) Orientador Prof. Me. Arnaldo Prestes Oliveira. 1. Investimento. 2. Decisão Financeira. 3. Análise e comparação. 4. Comércio Eletrônico. 3

4 4 FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE Monografia apresentada à Faculdade de Tecnologia da Zona Leste do Centro Paula Souza para obtenção do título de Tecnólogo em Logística. Orientador: Prof. Me. Arnaldo Prestes Oliveira. Aprovado em: / /2009 Banca Examinadora: Prof. Me. Arnaldo Prestes Oliveira. Julgamento: Assinatura: Profa. Rosana Aparecida Bueno de Novais Julgamento: Assinatura: Prof. Paulo Cândido Pires Julgamento: Assinatura:

5 5 Dedico este trabalho a meus pais (in memoria) a quem devo minha vida.

6 6 AGRADECIMENTOS Ao Prof. Arnaldo Prestes Oliveira, que nos anos de convivência, muito me ensinou, contribuindo para meu crescimento científico e intelectual. Aos demais professores desta instituição que me fizeram acreditar no potencial do conhecimento como ferramenta essencial para o desenvolvimento profissional e pessoal.

7 7 Para vencer, deve conhecer perfeitamente a terra (a geografia, o terreno) e os homens (tanto a si mesmo quanto o inimigo). O resto é uma questão de cálculo. Eis a arte da guerra. Sun Tzu

8 8 LUZ, CALOR JOSÉ. Análise e decisão sobre investimento entre uma filial física e uma loja virtual de uma gráfica tradicional. 71 folhas. Monografia (Graduação) - Faculdade de Tecnologia da Zona Leste, Centro Paula Souza, São Paulo, RESUMO O objetivo deste trabalho é realizar uma análise de orçamento de capital que servirá de base para a tomada de decisão entre duas alternativas que objetivam aumentar a participação da empresa analisada no mercado de serviços gráficos tanto em nível de produção quanto no retorno financeiro. O problema é que há duas possibilidades mutuamente excludentes de investimento: abrir uma filial de vendas na zona sul da Cidade de São Paulo no Bairro Indianápolis ou investir em uma loja virtual com sistema de impressos préprontos. No desenvolvimento do trabalho são abordados vários temas como: evolução dos mercados, tecnologia, disponibilidade dos serviços nos canais do varejo, evolução do sistema varejista, formas de atendimento e tendências para o setor considerando os novos tempos da economia. Para a análise são utilizadas ferramentas logísticas, financeiras e outras que contribuem com a análise e decisão com o maior grau de acerto possível. As análises de todos os dados apresentados apontaram que a loja virtual envolve menor risco e tem capacidade de apresentar melhores resultados em relação a filial física. Palavras-chave: 1. Investimento. 2. Decisão Financeira. 3. Análise e comparação. 4. Comércio Eletrônico.

9 9 LUZ, CALOR JOSÉ. Analysis and decision on investment between a branch and a traditional graphics store. 71 pages. Monograph (Graduation) - Faculdade de Tecnologia da Zona Leste, Centro Paula Souza, São Paulo, ABSTRACT The aim of this work is to analyze the capital budget which will be the basic for the decision between two alternatives that aim the increase the company participation analyzed in the graphics services market both in level of production and the financial return. The problem is that there are two mutually exclusion possibilities for investment, for instance, opening a sales office in the southern city of Sao Paulo in Indianapolis neighborhood or invest in a pre-printed system store. The development of this work includes several issues such as market trends, technology, service availability in retail channels, retail system development, forms of service and industry trends taking into account the new economic nowadays. Logistic tools are used in the analysis for finance and other tools which contribute making decision with a greater degree of accuracy. The analysis of all data presented showed that the store involves less risk and has the capacity to produce better results than the branch. Keywords: 1. Investment. 2. Decision Finance. 3. Analysis and comparison. 4. Eletronic trade.

10 10 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO ANTES DE AMPLIAR UM NOVO NEGÓCIO Riscos e incertezas Gráfica em números Meta empresarial VAREJO TRADICIONAL X MERCADO VIRTUAL O varejo tradicional Potenciais consumidores / região de abrangência O mercado virtual Dados econômicos Composição básica de uma loja virtual Simulação de um pedido de receituário médico Análise de interesse pelo produto na internet Linha de produtos que se enquadram na categoria de pré-prontos ESTUDO DE CASO DA FILIAL FÍSICA Necessidade de pessoal Estimativa do investimento total Investimentos fixos Investimentos financeiros Investimentos pré-operacionais Estimativa do investimento total Estimativa do faturamento bruto mensal Resultados financeiros Apuração dos custos mensais com materiais Custos variáveis (mensais) Custos com depreciação Custos fixos Demostrativo de resultados Principais fatores para a comparação Diagrama de ciclo da loja tradicional Tempo de retorno de investimento Pontos de equilíbrio contábil e econômico Lucratividade Valor presente líquido Taxa interna de retorno Razão lucro / investimento Produtividade ESTUDO DE CASO DA LOJA VIRTUAL Diagrama de ciclo da loja virtual Necessidade de pessoal Estimativa do investimento total Investimentos fixos: Investimentos financeiros Investimentos pré-operacionais Estimativa de investimento total Estimativa do faturamento bruto mensal da empresa Apuração dos custos mensais com materiais Custos variáveis (mensais) Custos com depreciação Custos fixos Demostrativo de resultados Tempo de retorno de investimento... 58

11 Pontos de equilíbrio contábil e econômico Lucratividade Valor presente líquido Taxa interna de retorno Razão lucro / investimento Produtividade RESULTADOS COMENTADOS Potenciais consumidores Custos fixos Tempo de retorno sobre investimento Pontos de equilíbrio econômico Valor presente líquido Taxa interna de retorno Razão lucro / investimento Produtividade Resultados CONCLUSÕES REFERÊNCIAS... 70

12 12 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Distribuição das Gráficas no Brasil, em unidades produtivas Figura 2 Mapa da Cidade de São Paulo com divisão regional Figura 3 Seqüência de figuras com simulação de como poderia ser o auto-atendimento de uma loja virtual. Nota: Em todas as telas há a opção de retornar à opção anterior Figura 4 Diagrama de ciclo da loja tradicional Figura 5 Fluxo de caixa anual na linha do tempo para a Filial Física Figura 6 Linha do tempo de fluxo de caixa acumulado mensal indicando o Tempo de Retorno de Investimento Figura 7 Gráfico do PEC em relação às vendas da Prestograf Ltda Figura 8 Gráfico do Ponto de Equilíbrio Econômico em relação às vendas da Prestograf Ltda. da Loja Física Figura 9 Cópia da página do programa Microsoft Excel com cálculo do VPL Figura 10 Cópia da página do programa Microsoft Excel com cálculo do TIR Figura 11 Diagrama de ciclo da loja virtual Figura 12 Fluxo de caixa na linha do tempo para a Loja Virtual Figura 13 Linha do tempo de fluxo de caixa acumulado indicando o Tempo de Retorno de Investimento Figura 14 Gráfico do PEC em relação às vendas da Prestograf Ltda Figura 15 Gráfico do Ponto de Equilíbrio Econômico em relação às vendas da Prestograf Ltda. da Loja Física Figura 16 Cópia da página do programa Microsoft Excel com cálculo do VPL Figura 17 Cópia da página do programa Microsoft Excel com cálculo do TIR Figura 18 Projeção do Comércio Eletrônico

13 13 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Censo Quadro 2 Linha de produtos Prestograf/Nº de buscas/mês Google Quadro 3 Funcionários da Filial Física Quadro 4 Máquinas e Equipamentos para a Filial Física Quadro 5 Móveis e Utensílios para a Filial Física Quadro 6 Volume de investimento em estoque para a Filial Física Quadro 7 investimentos pré-operacionais para a Filial Física Quadro 8 Estimativa do investimento total para a Filial Física Quadro 9 Previsão de faturamento para a Filial Física Quadro 10 Custo com materiais para a Filial Física Quadro 11 Impostos para a Filial Física Quadro 12 Custos de vendas para a Filial Física Quadro 13 Despesas mensais com folha de pagamento para a Filial Física Quadro 14 Custos com depreciação para a Filial Física Quadro 15 Custos Fixos para a Filial Física Quadro 16 Demonstrativo de resultados para a Filial Física Quadro 17 Produtividade das diversas unidades físicas da loja física Quadro 18 Quadro de funcionários da loja Virtual Quadro 19 Investimento para construção da loja virtual Quadro 20 Volume de investimento em estoque para a loja virtual Quadro 21 Investimentos pré-operacionais para a loja virtual Quadro 22 Estimativa do investimento total para a loja virtual Quadro 23 Previsão de faturamento para a loja virtual Quadro 24 Custo com materiais para a loja virtual Quadro 25 Impostos para a Filial Física Quadro 26 Custos de vendas para a Filial Física Quadro 27 Despesas mensais com folha de pagamento para a Filial Física Quadro 28 Custos com depreciação para a Filial Física Quadro 29 Custos Fixos para a Filial Física Quadro 30 Demonstrativo de resultados para a Filial Física Quadro 31 Produtividade das diversas unidades físicas da loja física Quadro 32 Número de potenciais consumidores e campo de abrangência de cada alternativa de investimento Quadro 33 Custos fixos totais de cada alternativa de investimento Quadro 34 Tempo de retorno sobre investimento de cada alternativa Quadro 35 Ponto de Equilíbrio de cada alternativa de investimento Quadro 36 Valor presente líquido de cada alternativa de investimento Quadro 37 Taxa interna de retorno de cada alternativa de investimento Quadro 38 Razão lucro / investimento de cada alternativa de investimento Quadro 39 Produtividade de cada alternativa de investimento... 67

14 14 LISTA DE SIGLAS ABNT IBGE ISO ABIGRAF IDH CNPJ PEC PEE RCP VPL TIR SEDEX Associação Brasileira de Normas Técnicas. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. International Standardization Organization. Associação Brasileira das Indústrias Gráficas. Índice de Desenvolvimento Humano. Cadastro nacional de Pessoa Jurídica. Ponto de Equilíbrio Contábil. Ponto de Equilíbrio Econômico. Remuneração do Capital Próprio. Valor Presente Líquido. Taxa Interna de Retorno. Serviço de encomenda expressa.

15 15 1. INTRODUÇÃO A análise de orçamento de capital tem o objetivo de indicar, entre duas alternativas de investimento, qual é mais rentável a médio e longo prazo, a que envolve menor risco entre outras variáveis estratégicas. O objetivo é aumentar a participação da empresa analisada no mercado de serviços gráficos. Orçamento de capital é o processo utilizado para avaliar e selecionar gastos de capital compatíveis com o objetivo de maximizar a riqueza dos proprietários da empresa (Gitmanm, 2004, p. 323). Há duas possibilidades mutuamente excludentes de investimento: Abrir uma filial de vendas na zona sul da Cidade de São Paulo no Bairro Indianápolis ou, Investir em uma loja virtual com sistema de impressos pré-prontos. Segundo Carvalho Filho (2003, p. 07), em todos os momentos pessoas tomam decisões de negócios utilizando as mais diferentes ferramentas racionais e intuitivas, todas exercem poder de decisão sobre questões que envolvem estratégia, economia e expectativas de acontecimentos futuros. Quanto ao risco, a sua análise propicia sistematizar a abordagem de fenômenos que não estão controlados ou previstos com exatidão, mas através de ensaios probabilísticos, ensejando a inserção da visão de sucesso ou fracasso nos negócios. O valor esperado, por sua vez, associa a questão do risco e os valores financeiros, no sentido de dar uma resposta que leve em conta as probabilidades e as dimensões econômicas, de forma unificada. A Logística, uma vez que esta essencialmente atrelada às questões econômicas e financeiras, solicita um tratamento sistêmico 1 e baseado em conceitos de administração e engenharia, pois passa a pertencer ao conjunto de matérias consideradas diferenciais na produtividade, lucratividade e competitividade empresarial. A empresa analisada é uma gráfica tradicional da Zona Norte de São Paulo, o nome é Prestograf e atua a mais de dez anos no mercado regional. Seus principais clientes são profissionais liberais e pequenas empresas e dentre os 1 Sistêmico: que se refere ou segue um sistema em seu conjunto disposto de modo ordenado, metódico, coerente. Que envolve o organismo como um todo ou em grande parte

16 16 principais produtos oferecidos temos: Receituários Médicos, Cartões de Visita, Folhetos, Fichas, Notas Fiscais e Impressos Especiais. A tomada de decisão envolve dois caminhos distintos conforme enumerado abaixo: 1. Abertura de uma loja virtual onde o cliente monta seu produto, visualiza na tela e faz seu pedido. Este possui um foco diferenciado, um core business 2 mais amplo, maior capacidade de expansão devido ao próprio tamanho do mercado. 2. Abrir uma filial na Zona Sul de São Paulo (Indiánápolis), onde existe uma demanda considerável para seus produtos/serviços. Deves evitar os que só oferecem passagens estreitas, que são cercados de escarpas ou precipícios, que não dão acesso fácil aos espaços livres de onde pode chegar reforço (SUN TZU, 2008, p. 101) Embora ambas as opções sejam relacionadas com o mesmo produto, impressos gráficos são hipóteses profundamente distintas uma vez que possui processos, custos e públicos distintos. Como o objetivo de qualquer empresa é obter lucro, o objetivo deste trabalho é fornecer as variáveis que servirão de subsídio para a tomada de decisão. Objetivo geral: aumentar a renda. Objetivo específico: maximizar o aumento da renda minimizando os riscos inerentes a qualquer etapa de ampliação de um negócio. (Gitmanm, 2004, p. 323) Os fluxos de caixa relevantes para as decisões de orçamento de capital são: o investimento inicial, as entradas operacionais de caixa e o fluxo de caixa terminal. Os dados levantados para atingir os objetivos empresariais são: 2 Principais serviços prestados. Foco de Produto/Serviço.

17 17 a. Público disponível b. Custos fixos c. Tempo de retorno sobre investimento d. Pontos de equilíbrio econômico e. Valor Presente Líquido f. Taxa Interna de Retorno g. Razão lucro / investimento h. Produtividade As Metodologias aplicadas serão as pesquisas: bibliográfica, de campo, jornais regionais, Estatística inferêncial 3 e a ferramentas de pesquisa da internet Google. No segundo capítulo abordaremos sobre as necessidades de planejamento que um empresário deve fazer, fatores de risco, sobre o mercado gráfico O terceiro capítulo explicará sobre diversos fatores que compões cada uma das alternativas de investimento. No quarto capítulo são desenvolvidos os cálculos e gráficos dos principais fatores de análise da filial física. No quinto capítulo são desenvolvidos os cálculos e gráficos dos principais fatores de análise da loja virtual. No sexto capítulo será feita uma análise comparativa entre as duas alternativas. Será atribuído peso e será sugerida uma alternativa de investimento baseada em números com discussão de cada caso. Enfim a conclusão com os pontos mais importantes e a sugestão de investimento. Os estudos realizados servirão de parâmetros para que a decisão seja realizada com a maior margem de acerto possível a médio e longo prazo. Entretanto devemos nos precaver quanto à decisão final, pois decisão se diferencia de solução. A Solução é quando há um encadeamento lógico e todas as 3 Estatística inferêncial : Método de estimativa de uma população com base nos estudos sobre amostra.

18 18 variáveis são conhecidas e estão disponíveis. No mundo dos negócios as variáveis são muito amplas, difíceis de conhecer em sua plenitude e difíceis de quantificar, uma vez que os levantamentos dos dados são por amostras. Valendo-se de várias hipóteses, Zaccarelli (2000, p. 42) constata que [...] A palavra decisão é usada quando não é possível ter a disposição todas as informações no momento de iniciar a ação. [...] A palavra solução é usada quando se dispõe de todas as informações necessárias para realizar determinada escolha [...] [...] Quanto menos informações, maior o risco da decisão. Teoria e prática são inseparáveis. Assim como o estudo, a realidade tem grande peso em um negócio cheio de subjetividades que irão desde a afinidade com o negócio pelo empresário à futuros agentes de inovação, tendência e tecnologia. Segundo Hummel (1995, p. 55), qualquer metodologia a ser adotada no processo de análise necessariamente inclui: a) Valor e época dos pagamentos para cada uma das alternativas. No caso do trabalho exposto será considerada a demanda atual da gráfica como limitador da análise. b) Taxa de retorno mínima que deve ser obtida com aplicação de capital disponível. c) O prazo durante o qual os efeitos da decisão serão analisados. inicial. Será feita análise para um período de sete anos a partir do investimento O processo de orçamento de capital compreende cinco etapas distintas: 1. Geração de proposta; 2. Revisão e análise; 3. Tomada de decisão; 4. Implantação; 5. Acompanhamento.

19 19 2. ANTES DE AMPLIAR UM NOVO NEGÓCIO Segundo Alessandro Saade (2006, p. 84), na hora de se consolidar em um mercado internacional (outras cidades e estados no caso deste trabalho), toda empresa deve se lembrar destes três Cs: Comprometimento Estar preparado para atender o cliente em tudo o que for possível, inclusive no desenvolvimento/adaptação do produto. Continuidade Manter o cliente sempre abastecido na quantidade e no tempo certo. Consistência Estar preparado para atender pedidos maiores do que o esperado mantendo a qualidade e preço. Para atingir o objetivo geral devemos nos ater que é necessário criar, inovar, investir em tecnologia. Para atingir o objetivo específico devemos estudar cuidadosamente cada caminho, pesquisar, calcular os riscos, comparar. Novas tecnologias são geradas a muito tempo causando verdadeiras revoluções que modificam as formas de pensar e agir. Cada mudança representa uma nova etapa do desenvolvimento humano, gerando necessidades novas. O que antes era utopia hoje é indispensável como o caso das geladeiras, os celulares e atualmente a internet. Segundo Felipini (2007, p. 13), a principal função do planejamento é estimular o gestor a se antecipar aos possíveis problemas e a se preparar para eles. Uma ferramenta muito útil para esse planejamento é o plano de negócios. O Plano de Negócios é basicamente um instrumento de planejamento, no qual as principais variáveis envolvidas em um empreendimento são apresentadas de forma organizada. Segundo o site: a configuração básica de um bom plano de negócios deve seguir os seguintes parâmetros: DESCRIÇÃO DA EMPRESA: Histórico, crescimento/faturamento dos últimos anos, sua razão social, impostos, estrutura organizacional, localização, parcerias, serviços terceirizados, etc.

20 20 PRODUTOS E SERVIÇOS: Descrição dos produtos e serviços, como são produzidos, ciclo de vida, fatores tecnológicos envolvidos, pesquisa e desenvolvimento, principais clientes atuais, se detém marca e/ou patente de algum produto etc. ANÁLISE DE MERCADO: Descrição do mercado consumidor dos produtos/serviços (através de pesquisas de mercado): como está segmentado, as características do consumidor, análise da concorrência, a sua participação de mercado e a dos principais concorrentes, os riscos do negócio, etc. PLANO DE MARKETING: Estratégia de venda dos produtos/serviços, conquista e fidelidade dos clientes, aumento da demanda pelos mesmos, métodos de comercialização, diferenciais do produto/serviço para o cliente, política de preços, projeção de vendas, canais de distribuição e estratégias de promoção/comunicação e publicidade. PLANO FINANCEIRO: Apresentação, em números, de todas as ações planejadas da empresa e as comprovações, através de projeções futuras (quanto precisa de capital, quando e com que propósito), de sucesso do negócio. Deve conter itens como fluxo de caixa com horizonte de 3 anos, balanço, ponto de equilíbrio, necessidades de investimento, lucratividade prevista, prazo de retorno sobre investimentos etc. De forma sintética, o plano de negócios abrange os principais aspectos de um empreendimento. Sua confecção bem elaborada não garante o sucesso do empreendimento, mas, representa um enorme passo nessa direção. A elaboração de um bom plano de negócios pode demorar meses e não é o foco desse trabalho, mas pode servir como apoio para a elaboração do mesmo. Sem dúvidas, baseado em estatísticas de empresas que abrem (ou expandem suas atividades) e fecham, é recomendado que antes de iniciar a nova empreitada a empresa elabora cuidadosamente um plano de negócios referente ao plano de ampliação escolhido.

21 Riscos e incertezas Na análise econômica entre alternativas, o índice de lucratividade é muito importante, mas pode ser inútil se não for acompanhado da análise de risco. Um negócio de alta lucratividade nem sempre constitui uma boa escolha. Todos os negócios estão sujeitos a um razoável grau de risco, seja por fatores internos, ou externos. Segundo o entendimento de Carvalho Filho (2003, p. 71), os conceitos de riscos e incertezas são: Risco: chance de ocorrência de um evento (fracasso). Incerteza: magnitude do evento caso ocorra. Também esclarece sobre os principais riscos envolvidos em pagamentos e recebimentos. 1. Previsão das receitas, sensível à demanda dos consumidores e da concorrência. 2. Previsão dos custos operacionais, variáveis e inesperados. 3. Vida econômica do bem ou projeto, em termos de eficiência e obsolecência. 4. Taxa de juros ou reivestimento, ao longo do projeto ou vida útil do ativo. Pode-se verificar que a análise de risco é fundamental, pois como se terá certeza de que serão vendidas 1000 unidades de um produto em um determinado período? Como os concorrentes reagirão: Quebraram abrindo o mercado ou irão aprimorar seus produtos? E os fatores tecnológicos que podem inverter as necessidades com a criação de novas tecnologias. Quanto maior o número de eventos para análise, maior a chance de precisão do resultado Gráfica em números O mercado gráfico esta disponível em todo o país embora apresente distribuição de unidades produtivas e faturamentos bem heterogênea.

22 22 Segundo a ABRIGRAF a Região Sudeste concentra o maior número de unidades produtivas. Dos 19 mil estabelecimentos gráficos temos: 7% 3% 13% 23% 54% Sudeste Sul Nordeste Centro-Oeste Norte Figura 1 Distribuição das Gráficas no Brasil, em unidades produtivas. Quanto ao tamanho do mercado, as gráficas são constituídas, em sua maioria, por empresas de micro e pequeno portes, que representam 88,7% do número total e foram responsáveis por 32,2% da mão de obra empregada e 21% do faturamento de A receita de venda de 2008 foi de 21,49 bilhões de reais Meta empresarial O objetivo do empreendimento é gerar lucro, entretanto deve-se definir um valor mínimo de lucratividade que possa atender a expectativa de sustentabilidade do negócio em si e aumentar a riqueza do investidor. Querendo ou não, todo o investimento por si só já implica em uma análise e decisão financeira. Há sempre em jogo o custo do dinheiro juntamente com seu rendimento se o capital fosse aplicado em investimentos com riscos moderados. De acordo com O Jornal do Comercio (Porto Alegre, sexta-feira, 30 de outubro de 2009, por Marcos Giesteira), o setor de Comunicação e Gráfica esta entre os 34 principais setores da economia brasileira no ranking de rentabilidade, mais precisamente esta em segundo lugar com 15,7%, abaixo apenas das instituições financeiras. Esse ranking foi avaliado pela Austin, que avaliou empresas agregadas em 34 setores. O indicador de rentabilidade utilizado foi

23 23 calculado a partir da relação Lucro Líquido (LL) sobre Patrimônio Líquido (PL), que é um indicador financeiro que mede o retorno do capital próprio investido. O acionista/empresário responsável pela decisão decidiu adotar a Média Ponderada entre o índice de rentabilidade média do setor de Comunicação e Gráfica (15,7%) e o valor médio de juros/ano de empréstimo para sua empresa (30%a.a.) como rendimento mínimo de atratividade do novo empreendimento. De acordo com D Ambrósio a fórmula de Média Ponderada é: Onde: xw= x1.f1+x2.f2+ x3.f3+...xn.fn f1+f2+f3+... x = valor, f= freqüência. Portando: 0,157x1+0,30x2 xw= = 0,2523 = 25,23% 1+2 Estes valores foram escolhidos porque: 1. Se encaixam perfeitamente na média de lucratividade do setor. 2. O dinheiro disponibilizado no projeto pode frustrar outro empreendimento mais atrativo, obrigando à captação de empréstimo a taxa de juros correspondente.

24 24 3. VAREJO TRADICIONAL X MERCADO VIRTUAL A Prestograf nasceu com a finalidade de explorar um nicho específico pouco cobiçado pela maioria das gráficas tradicionais que são impressos voltados para os profissionais liberais, principalmente da área da saúde. Com o tempo, o amadurecimento, e pela própria história de conquista, suas atividades foram ampliadas para convites de casamentos, impressos e boletins para a indústria e instituições de ensino. A matriz funciona em horário comercial das 8h00 às 17h00. Os principais serviços fornecidos oferecidos são: a) Cartões de Visita b) Receituários Médicos c) Receituários Especiais d) Folders e) Envelopes personalizados f) Flyer g) Carimbos h) Pastas personalizados i) Boletins informativos j) Recibos k) Serviços diversos menos significativos A demanda prevista para a elaboração deste trabalho é baseada na experiência do empresário e utilizava valores estimados. Segundo Hummel (1995, p. 87), em todas as alternativas de investimento sempre há valores estimados, deve-se tomar, portanto, a precaução de atribuir a cada um desses eventos certo grau de incerteza. A conscientização formal do grau e do tipo de incerteza serve para assegurar que a qualidade da solução seja conhecida pelos responsáveis pelas tomadas de decisão. Corrêa, Gianesi e Caon (2001, p. 63) relacionam alguns requisitos que devem ser observados para efetuar previsões eficazes: a. Conhecer os mercados, suas necessidades e comportamentos; b. Conhecer os produtos e seus usos; c. Saber analisar os dados históricos;

25 25 d. Conhecer a concorrência e seu comportamento; e. Conhecer as ações da empresa que afetam a demanda; f. Formar uma base de dados relevantes para a previsão; g. Documentar todas as hipóteses feitas na elaboração da previsão; h. Trabalhar com fatos e não apenas com opiniões e; i. Articular diversos setores para a elaboração da previsão. No varejo virtual é muito mais difícil calcular a demanda prevista devido a novidade mercadológica que esse nicho significa. Para efeito de comparação, evitando ser influenciado por esse fator foi considerada a mesma demanda prevista para o varejo tradicional O varejo tradicional Segundo Parente (2000, p. 14), varejo consiste em todas as atividades que englobam o processo de venda de produtos e serviços para atender a uma necessidade pessoal do consumidor final, e o varejista é qualquer instituição cuja atividade principal consiste na venda de produtos e serviços para o consumidor final. O varejo é uma das atividades empresariais que vêm atravessando maior ritmo de transformação. Dentre as transformações, destacam-se: a) o aumento da globalização: com grandes grupos empresariais. b) aumento da consolidação: somente um pequeno número de empresas estará assumindo a participação no volume varejista; c) a polarização massificação versus especialização: verifica-se a tendência da polarização entre varejistas pequenos, também chamados de especialistas, que não conseguem as economias de escala ou o poder de negociação dos maiores e, como não são capazes de oferecer preços competitivos nos seus produtos, utilizamse da estratégia da especialização para atingir o seu público. Já os grandes varejistas assumem o posicionamento de varejo em massa, por serem caracterizados em geral como empresas de grande porte, operando na grande maioria do território nacional e desenvolvendo sofisticados sistemas logísticos.

26 26 Por estar se evidenciando como um dos setores empresariais mais criativos, o setor varejista tem propiciado o surgimento de novos modelos e inovações, como os hipermercados, lojas de conveniências, locadoras de vídeo e/ou DVD, supermercados 24 horas, entre outros. Outra grande tendência é o varejo integrado, isto é, a união de duas ou mais lojas varejistas ocupando o mesmo local, apresentando novas combinações de lojas, tais como lojas de café ou acesso à internet dentro de livrarias, padarias junto com farmácias, lojas de conveniências em posto de gasolina, farmácias em supermercados, entre outros. O surgimento destes novos formatos criativos vem reduzindo o ciclo de vida das instituições mais tradicionais que não participaram deste processo de modernização e que precisam ceder espaço para o desenvolvimento de novos modelos. A proposta da filial física é criar um 2º turno produtivo na matriz e deixar a filial apenas como escritório para recebimento de clientes e base para vendas externas. Os trabalhos na matriz seriam processados no período das 17h00 às 24h36 (após às 22h, de acordo com a CLT, a hora trabalhada equivale a 52min). Na filial ficaria apenas o Atendente/Vendedor e Vendedor Externo. Na matriz, trabalhariam no 2º período os demais funcionários.

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS OFICINA EMPRESARIAL COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS - ATENDIMENTO COLETIVO - 01 Como tudo começou... Manuais da série Como elaborar Atividade 02 Por que as empresas fecham? Causas das dificuldades e

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro Geralmente quando um consultor é chamado a socorrer uma empresa, ele encontra, dentre outros, problemas estruturais, organizacionais, de recursos humanos. O problema mais comum

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA FRALDAS DESCARTAVEIS Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA Fevereiro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio

Leia mais

Manual - Relatórios Gerenciais.

Manual - Relatórios Gerenciais. Manual - Relatórios Gerenciais. Perguntas que temos que responder quase que diariamente sobre: Vendas Financeiro Produção Emissão: 04/02/2014 Revisão: 28/05/2015 Revisado por: Juliana 1 Área de Vendas

Leia mais

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos FORMAR SEU PREÇO Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender TODOS OS DIREITOS RESERVADOS Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio. Informações e Contatos Mania de

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS SÓ DELLA LINGERIES

PLANO DE NEGÓCIOS SÓ DELLA LINGERIES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALESSANDRA PAIXÃO HUNGRIA Mat: 0201010801 FABIANA SUELI DAMASCENO DOS SANTOS Mat: 0101009601

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho SOBRE A SOFTLOG A SoftLog Tecnologia é uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para empresas e instituições de diversos modais de transporte. Dentre os diversos tipos de soluções

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Caracterização do Empreendimento Trata o presente de análise de viabilidade de mercado e de viabilidade

Leia mais

Varejo. A gestão definitiva para sua empresa

Varejo. A gestão definitiva para sua empresa Varejo A gestão definitiva para sua empresa Introdução Indicado para estabelecimentos comerciais, rede de lojas ou franquias, o sistema FENÍCIA AUTOMAÇÃO COMERCIAL traz uma série de tecnologias de alto

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO 04 APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing,

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO. ASP Consultoria e Desenvolvimento de Softwares Ltda. SISTEMA DE GESTÃO COMERCIAL. Manual de Operação do SIMPLES 1

MANUAL DE OPERAÇÃO. ASP Consultoria e Desenvolvimento de Softwares Ltda. SISTEMA DE GESTÃO COMERCIAL. Manual de Operação do SIMPLES 1 Manual de Operação do SIMPLES 1 MANUAL DE OPERAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO COMERCIAL ASP Consultoria e Desenvolvimento de Softwares Ltda. Manual de Operação do SIMPLES 2 A Empresa A ASP Desenvolvimento de Softwares

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO MONITORAMENTO E RASTREAMENTO DE VEÍCULOS

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO MONITORAMENTO E RASTREAMENTO DE VEÍCULOS OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO MONITORAMENTO E RASTREAMENTO DE VEÍCULOS 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

GESimob GERENCIAMENTO DE IMOBILIÁRIAS

GESimob GERENCIAMENTO DE IMOBILIÁRIAS GESimob GERENCIAMENTO DE IMOBILIÁRIAS Mais de uma década de experiência e evolução é o que dá ao sistema uma vasta gama de funcionalidades. Esse conhecimento que faz total diferença para sua empresa. xp+

Leia mais

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS.

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. Resumo efetuado a partir do Manual Como Elaborar um plano de negócios SEBRAE/ 2013 Profa. Célia Regina Beiro da Silveira ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS PARA O 1º CONCURSO

Leia mais

SHOPPING POPULAR DE CANOAS/RS

SHOPPING POPULAR DE CANOAS/RS SHOPPING POPULAR DE CANOAS/RS Análise Econômica e Financeira Este relatório, elaborado pela Projeobra Engenharia Ltda., apresenta a análise econômica e financeira da implantação de um Shopping Popular

Leia mais

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso!

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso! Fornecedores www.grupoquantica.com Apresentação 2010 A idéia Fundado e idealizado por Cleber Ferreira, Consultor de Marketing e Vendas, autor do livro Desperte o Vendedor Interior com Técnicas de Vendas

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Observação: As caixas em vermelho representam módulos adicionais.

Observação: As caixas em vermelho representam módulos adicionais. Fenícia Gestão ERP Introdução O FENÍCIA GESTÃO ERP é uma solução integrada, personalizável, de gerenciamento corporativo, que se destaca pela sua robustez aliada ao alto grau de tecnologia e conhecimento

Leia mais

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Plano de Negócio AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Rodovia Celso Garcia Cid 2500 86051-990, Londrina - PR aztech@aztech.com.br André Ricardo Gonçalves - CEO / Tecnologia argoncalves@aztech.com.br

Leia mais

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos

Maria Tereza da Silva Santos. Confecção - Exemplo. Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Maria Tereza da Silva Santos Confecção - Exemplo Elaborado por: Plano de Negócio - Exemplos Data criação: 09/01/2014 14:36 Data Modificação: 21/02/2014 14:36 Tipo Empresa: Empresa nascente 1 - Sumário

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLES

GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLES GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLES No fascículo anterior tratamos da importância de desenvolver e treinar os profissionais que trabalham no consultório médico e o quanto são importantes para que a empresa seja

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Apresentação ao Shopping

Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua rede de franquias Você Sabia? Há trinta anos os Estados Unidos adotaram um modelo inovador

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

CUSTOS NO COMÉRCIO. Só de lembrar disso tudo, quase que o Sr. João teve um ataque. Respirou fundo e disse:

CUSTOS NO COMÉRCIO. Só de lembrar disso tudo, quase que o Sr. João teve um ataque. Respirou fundo e disse: 1 CUSTOS NO COMÉRCIO O Sr. João da Lojinha, um comerciante muito experiente, tem uma pequena loja de diversos artigos, localizada no centro comercial da sua cidade. Dia desses, preocupou-se com a situação

Leia mais

S E M P R E E.R.P. Sistema de Gestão Empresarial. Angel Brasil Sistemas +55 14 8147-0493 - +55 14 3221-0840. www.angelbrasilsistemas.com.

S E M P R E E.R.P. Sistema de Gestão Empresarial. Angel Brasil Sistemas +55 14 8147-0493 - +55 14 3221-0840. www.angelbrasilsistemas.com. S E M P R E Sistema de Gestão Empresarial E.R.P. +55 14 8147-0493 - +55 14 3221-0840 www.angelbrasilsistemas.com.br O SEMPRE É UM E.R.P. Enterprise Resource Planning Definição de ERP Sistemas Integrados

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios Modelo de Plano de Negócios COLEÇÃO DEBATES EM ADMINISTRAÇÃO Empreendedorismo Modelo de Plano de Negócios Elaboração Marcelo Marinho Aidar Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) F U N

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

Sobre as Franquias Honing Brasil A Honing Brasil é a marca de roupa masculina inspirada no Hóquei no Gelo canadense. A paixão dos canadenses por este esporte e a garra de seus praticantes inspiram a Honing,

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda GESTÃO FINANCEIRA Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso 01 Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO SERVIÇOS DE MÍDIA INDOOR

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO SERVIÇOS DE MÍDIA INDOOR OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO SERVIÇOS DE MÍDIA INDOOR 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

EMPREENDEDOR. Aqui está a oportunidade certa para seu sucesso.

EMPREENDEDOR. Aqui está a oportunidade certa para seu sucesso. EMPREENDEDOR Aqui está a oportunidade certa para seu sucesso. Introdução O que é a DIVULGGARE A micro franquia DIVULGGARE Como funciona o sistema de micro franquia DIVULGGARE Fórmula para o sucesso Produtos

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Manual do Sistema "Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro" Editorial Brazil Informatica

Manual do Sistema Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro Editorial Brazil Informatica Manual do Sistema "Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro" Editorial Brazil Informatica I Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro Conteúdo Part I Introdução

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

Eline Cristina Miranda 0501006001. Administração Financeira e Orçamentária

Eline Cristina Miranda 0501006001. Administração Financeira e Orçamentária UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO EM CIENCIAS CONTÁBEIS PROF: HÉBER LAVOR MOREIRA Eline Cristina Miranda 0501006001 Administração

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert Vamos abordar os tópicos para a implantação da contabilidade moderna nas empresas. A contabilidade é legalmente utilizada nas empresas para atender aos enfoques legal

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Análise de Viabilidade em Projetos

Análise de Viabilidade em Projetos MBA em Projetos Análise de Viabilidade em Projetos Professor: Milton Juer E-mail: mmjuer@gmail.com ANÁLISE DE VIABILIDADE EM PROJETOS AVALIAÇÃO: TRABALHO Estudo de caso e/ou lista de exercícios individual

Leia mais

GUIA RÁPIDO: FLUXO DE CAIXA. Conheça os 5 passos fundamentais para você controlar e planejar as suas finanças de forma rápida e confiável

GUIA RÁPIDO: FLUXO DE CAIXA. Conheça os 5 passos fundamentais para você controlar e planejar as suas finanças de forma rápida e confiável GUIA RÁPIDO: FLUXO DE CAIXA Conheça os 5 passos fundamentais para você controlar e planejar as suas finanças de forma rápida e confiável SUMÁRIO 1. Sobre o Guia Rápido 03 2. Passo 1 - Plano de Contas 04

Leia mais

A solução ideal para a gestão do comércio varejista

A solução ideal para a gestão do comércio varejista A solução ideal para a gestão do comércio varejista Principais Segmentos Auto Peças Material Elétrico / Construção Material Cirúrgico e Hospitalar Papelaria Informática Brinquedo Vestuários em Geral Cosméticos

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital Página 1 de 15 Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital O cadastro de produtos permite organizar as informações relativas a produtos e serviços, como grupo, marca, peso, unidades e outros, que

Leia mais

CUSTOS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CUSTOS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1 CUSTOS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Temos observado que é muito comum encontrar empresários do segmento da prestação de serviços que apresentam dificuldades na Gestão dos Custos em suas empresas. Essas dificuldades

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO Fones: (83) 2-92 / 2-925 MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO Marcelo Alves de Barros, Dr. mbarros@computacao.ufcg.edu.br Este documento em forma de roteiro apresenta o conteúdo de referência para a elaboração do

Leia mais

ANEXO 28c MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS - PINS SOLIDÁRIO. Identificação

ANEXO 28c MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS - PINS SOLIDÁRIO. Identificação ANEXO 28c MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS - PINS SOLIDÁRIO Nome da Entidade Identificação Razão Social CGC/CNPJ Inscrição Estadual Inscrição Municipal Descreva as Pricipais Atividades Desenvolvidas pela Entidade

Leia mais

Microsoft Excel. Índice

Microsoft Excel. Índice Índice Introdução...2 Fórmulas...3 Cópia Relativa...3 Cópia Não Relativa...3 Funções...4 Assistente de Função...4 Formação de Preço de Venda...5 Ponto de Equilíbrio com a ferramenta Atingir Meta...7 Cálculo

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP)

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) Edição 2013 01) O que é Microempreendedor Individual - MEI? Considera-se Microempreendedor Individual - MEI o empresário individual

Leia mais

Otimize seus negócios e ganhe produtividade

Otimize seus negócios e ganhe produtividade Otimize seus negócios e ganhe produtividade Diferenciais O software Fenícia ERP é uma solução completa, especialmente desenvolvida para atender a pequenas e médias empresas que cobre todos os processos

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

Apresentação Investidores

Apresentação Investidores Apresentação Investidores Abril de 2011 Aviso Importante Esse material pode conter previsões de eventos futuros.tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia, e envolve riscos

Leia mais

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos 1 Análise e Avaliação Financeira de Investimentos O objetivo desse tópico é apresentar uma das metodologias de análise e avaliação financeira de investimentos. A análise de investimentos depende do ramo

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

Tema Nº 3 Primeiros Passos

Tema Nº 3 Primeiros Passos Tema Nº 3 Primeiros Passos Habilidades a Desenvolver: Reconhecer as etapas iniciais do empreendedorismo. Analisar o tipo de negócio, bem como sua viabilidade e demandas de recursos de novos empreendimentos.

Leia mais

Software para Supermercado Revenda

Software para Supermercado Revenda Software para Supermercado Revenda Software para Automação Comercial, Completos e Simples para o seu negócio. SIA PDV (Frente de Caixa). SIA PDV vendido separadamente. TEF Dedicado vendido separadamente.

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

SOLUÇÕES DE SOFTWARE MISTER CHEF

SOLUÇÕES DE SOFTWARE MISTER CHEF MISTER CHEF Histórico - A MISTERCHEF é uma empresa genuinamente brasileira com 16 anos de experiência e uma ampla especialização na criação e desenvolvimento de soluções para Automação Comercial do Varejo.

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

Estudo da viabilidade econômico-financeira de um Depósito de Bebidas no Município de Benevides sob a ótica do plano de negócios

Estudo da viabilidade econômico-financeira de um Depósito de Bebidas no Município de Benevides sob a ótica do plano de negócios UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Diego Begot da Silva Dantas Francisco Mateus da Costa Mota Estudo da viabilidade econômico-financeira de um Depósito

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Este Plano de Negócios foi elaborado em Junho de 2014

Este Plano de Negócios foi elaborado em Junho de 2014 ESPETO VACA LOUCA Pc TUBAL VILELA Nº 0 CENTRO- UBERLANDIA MG (34) 9876-5432 contato@vacalouca.com Ademir Gonçalves Filho Diretor Administrativo Gustavo Rodovalho Oliveira - Diretor de Marketing Jhonata

Leia mais